SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
As revoluções liberais e a ruptura com o Antigo Regime
Um primeiro grupo explicações, que só vê na revolução Francesa um mero acidente, resolve o
problema suprimindo dados. Segundo esta versão, a revolução não era fatal e podia não ter
acontecido. Não foi desejada pelo povo, quase não foi pelos revolucionários, e só um
concurso imprevisto de circunstâncias fortuitas teria provocado, por uma cascata de acidentes,
o deflagrar da revolução.
A INFLUÊNCIA OCULTA DAS MINORIAS
Este tipo de explicação, que encontra crédito junto de uma opinião que se satisfaz em pensar
que a História se reduz, em última análise, à acção de cabalas, faz o êxito de colecções de
obras ou de publicações. O esquema – um dos mais vulgarizados – pode aplicar-se a todos os
fenómenos históricos, por exemplo, aos conflitos sociais, que serão reduzidos à acção de
alguns cabecilhas, depressa classificados de maus pastores, aos quais se opõe a inocência de
um rebanho perdido. É então inútil empreender reformas: a culpa é de um punhado de
jacobinos que perverteram a opinião pública.
OS FACTORES DE ORDEM ECONÓMICA
As causas financeiras da revolução têm a ver com o défice orçamental, que desempenhou
seguramente um papel nos acontecimentos, pois está na origem da convocação dos Estados
Gerais. A situação cronicamente deficitária das finanças devida à ausência de administração
financeira, a que se juntava a impotência da monarquia para suprimir os privilégios.
A situação era agravada pela guerra de independência da América, que obriga a despesas
consideráveis e implica o recurso ao empréstimo.
Por outro lado, as causas económicas são mais importantes e mais duradouras e dizem
respeito ao próprio regime da economia francesa, isto é, ao modo de organização da produção
da riqueza e da distribuição dos bens. Em 1789, a economia francesa encontrava-se numa
situação difícil e atribui-se frequentemente a responsabilidade da crise que ela atravessava à
aplicação dos tratados de comércio e navegação assinados entre a França e os jovens Estados
Unidos, a Inglaterra. O tratado e as consequências que se lhe atribuíam poderão ter
contribuído para o nascimento de um estado de espírito revolucionário, já que o azedume dos
produtores os afastava de um regime que tão mal defendia a sua existência.
A ameaça crónica da penúria faz da fome o primeiro problema dos indivíduos e dos governos;
a França vive na fobia da escassez, na recordação das fomes.
Na verdade, em numerosos ramos de actividade, o trabalho não é livre, mas regulamentado, e
só se pode exercê-lo na condição de se pertencer a uma corporação. O progresso técnico, a
multiplicação das invenções, a acumulação dos capitais, o nascimento de novas formas de
indústria, a formação de uma classe de negociantes, concorrem para tornar caduca esta
organização.
A ORGANIZAÇÃO SOCIAL E A CRISE DA SOCIEDADE
A crise desta sociedade é determinada pelo antagonismo que opõe uma organização
tradicional (fundada na hierarquia, na desigualdade, na existência das ordens, na defesa dos
privilégios) e as novas aspirações das classes em ascensão. De ano para ano, o desfasamento é
acentuado pela deslocação da riqueza, que empobrece a nobreza e enriquece a burguesia, e
pela evolução dos espíritos, a contestação dos fundamentos jurídicos e intelectuais da ordem
tradicional. O endurecimento dos privilegiados, a firmeza com que defendem os seus lugares,
contribuem para exacerbar os antagonismos, para transformar as tensões inerentes a qualquer
sociedade em tensões propriamente revolucionárias, e tanto mais quanto mais o poder real,
até então o árbitro das competições de amor-próprio e das concorrências de interesses, já não
está em posição de as dirimir.
AS CAUSAS POLÍTICAS
As causas políticas são talvez as mais determinantes de todas, pois a revolução vai atacar a
própria forma do regime e a organização do poder.
Convém, no entanto, dissipar um equívoco. Há uma interpretação da Revolução Francesa –
que ainda frequentemente inspira os manuais escolares – que apresenta a revolução de 1789
como uma reacção liberal contra uma monarquia cujo jugo se teria tornado demasiado
pesado, contra a autoridade e o absolutismo. Tem muito disto, sem dúvida, e a tomada da
Bastilha é o símbolo do derrube do despotismo por um povo que quebra as grilhetas.
Contudo, observando mais perto, para lá do simbolismo de acontecimentos espectaculares,
acabamos por interrogar-nos se a monarquia não terá perecido mais por excesso de fraqueza
do que de autoridade: por não ter conseguido impor aos privilegiados o respeito pelo interesse
geral. Um poder mais forte, mais respeitado, teria talvez sabido prevenir uma crise
revolucionária.
A revolução começou por ser uma revolta dos privilegiados antes de ser a revolta do Terceiro
Estado contra a sociedade privilegiada. Foram eles que deram o sinal de desobediência e
abriram, à sua custa, a vida para o processo revolucionário. Se a monarquia tivesse sido mais
forte, se tivesse disposto de meios ao nível das suas ambições, teria mantido os privilegiados
na ordem e conseguido impor as reformas que lhe eram ditadas por uma bem entendida
preocupação com a razão de Estado.
O conluio que é patente nas vésperas da revolução entre o poder real e os privilegiados
lançará a burguesia na oposição revolucionária.
O MOVIMENTO DAS IDEIAS E A SUA DIFUSÃO NA OPINIÃO PÚBLICA
Os factores de ordem intelectual e o movimento das ideias do século XVIII contribuíram
muito para a génese da revolução. Na verdade, as teorias políticas não são apenas concebidas
no silêncio dos gabinetes por pensadores isolados, mas alimentam também os movimentos de
opinião. No entanto, entre o conteúdo original e a difusão, as teorias alteram-se. É assim que
o que é retido dos escritos de Voltaire ou de Montesquieu está consideravelmente afastado do
que estes escreveram ou pensaram. De facto, com os leitores de Montesquieu e Rosseau ou os
assinantes da Encyclopédie não haveria com que fazer uma revolução: a Encyclopédie não
teve mais de 4000 ou 5000 subscritos, menos do que as nossas revistas de interesse geral.
Paralelamente aos escritos, existe também a virtude dos exemplos, o contributo dos
precedentes e das experiências. O da revolução americana propõe uma solução alternativa a
uma parte da opinião pública que deseja de forma confusa uma renovação profunda e para a
qual as simples reformas já não se afiguram suficientes.
É a conjugação de todas estas causas que origina o poder explosivo da revolução e nos
impede de a tomarmos por um simples acidente.

             A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
A 26 de Agosto de 1789, a Assembleia Constituinte terminou a redacção do texto jurídico a
que chamou Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Esta declaração constituía
uma espécie de preâmbulo para a futura Constituição e baseava-se nos princípios da filosofia
iluminista e no articulado da Declaração dos Direitos dos vários Estados americanos.
A liberdade individual foi, de facto, a ideia-base de todo o documento, que começa por
afirmar que todos os homens nascem e permanecem iguais. A liberdade individual é, por
consequência, um direito natural, inviolável e imprescritível, e manifesta-se pelo poder de
fazer tudo o que não prejudique outrem. Inclui a liberdade de opinião e a liberdade de
imprensa (Todo o cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente), embora nada
mencione sobre a liberdade de culto, de ensino, de domicílio ou de comércio e indústria. Os
outros direitos naturais são, significativamente, a propriedade, a segurança e a resistência à
opressão.
A segunda ideia-base desta Declaração é a igualdade que é, segundo o artigo 1.º, um direito
natural: os homens nascem iguais. O direito à igualdade implicava a igualdade perante a lei,
perante a justiça (Tudo aquilo que não é proibido pela lei não pode impedido (…). Ninguém
pode ser acusado, preso ou detido senão os casos determinados pela lei), perante a
administração e perante o imposto. A aprovação desta Declaração significava, pois, a
destruição da sociedade de ordens.
Como postulado destes direitos naturais, o poder maior residia no povo. Mas a soberania não
era apenas nacional, ela era também una e indivisível, o que, mais uma vez, excluía a
existência da sociedade de ordens.
O rei era apenas o mandatário do povo, de quem recebia o poder; e a lei, a expressão da
vontade geral. Para assegurar o respeito pela lei e a isenção do poder político, este devia
funcionar tripartido, estando cada função entregue a órgãos diferentes e independentes – era a
concretização do princípio iluminista da separação dos poderes.
Obra da burguesia letrada, maioritária na Assembleia Constituinte, a Declaração dos Direitos
do Homem e do Cidadão foi um documento revolucionário que ultrapassou em muito os
ideais iluministas e as declarações americanas. Os seus princípios fundamentais não se
dirigiam unicamente aos franceses, e os seus preceitos eram aplicáveis a qualquer regime
político e não apenas ao da França, em 1789.
Este carácter universalista, assumido pela Revolução Francesa desde o seu início, explica a
tremenda repercussão deste documento na Europa e no mundo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Laboratório de História
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Ana Beatriz Neiva
 
Portugal: O estado novo
Portugal: O estado novoPortugal: O estado novo
Portugal: O estado novoAna Felizardo
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogueVítor Santos
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstruçãoVítor Santos
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30Ana Vilardouro
 
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7   anos 20, crash, fascismos, new dealMódulo 7   anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new dealEscoladocs
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30Vítor Santos
 
Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)SARA MARTINS
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialTeresa Maia
 
As consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundialAs consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundialSusana Simões
 
A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraPatrícia Alves
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1Joana Filipa Rodrigues
 
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militarVítor Santos
 
A grande depressão e o seu impacto social resumo
A grande depressão e o seu impacto  social resumoA grande depressão e o seu impacto  social resumo
A grande depressão e o seu impacto social resumoEscoladocs
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziRui Neto
 
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacionalA revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacionalEvonaldo Gonçalves Vanny
 
Resumo global-exame-historia-a
Resumo global-exame-historia-aResumo global-exame-historia-a
Resumo global-exame-historia-aSARA MARTINS
 

Mais procurados (20)

Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
Guia de estudo para o teste aos módulos 7 8 e 9
 
Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)Resumos história (2º teste)
Resumos história (2º teste)
 
Portugal: O estado novo
Portugal: O estado novoPortugal: O estado novo
Portugal: O estado novo
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
 
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7   anos 20, crash, fascismos, new dealMódulo 7   anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new deal
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
As consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundialAs consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundial
 
Aula 19 totalitarismo
Aula 19   totalitarismoAula 19   totalitarismo
Aula 19 totalitarismo
 
A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerra
 
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
História A, 12º ano, Módulo 9, Unidade 1
 
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
9 ano 9_3_portugal da primeira república à ditadura militar
 
A grande depressão e o seu impacto social resumo
A grande depressão e o seu impacto  social resumoA grande depressão e o seu impacto  social resumo
A grande depressão e o seu impacto social resumo
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacionalA revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
A revolução proletária e a crise do sistema capitalista internacional
 
Resumo global-exame-historia-a
Resumo global-exame-historia-aResumo global-exame-historia-a
Resumo global-exame-historia-a
 

Destaque

A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberaisEduardo Sousa
 
O fim do Antigo Regime
O fim do Antigo RegimeO fim do Antigo Regime
O fim do Antigo RegimeElton Zanoni
 
Ruptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literaturaRuptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literaturaJorge Almeida
 
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na LiteraturaRuptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na LiteraturaMargarida Moreira
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionárioscattonia
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.João Medeiros
 

Destaque (8)

A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
 
O fim do Antigo Regime
O fim do Antigo RegimeO fim do Antigo Regime
O fim do Antigo Regime
 
2ºteste
2ºteste2ºteste
2ºteste
 
Ruptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literaturaRuptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literatura
 
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na LiteraturaRuptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
 
3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários3. a geografia dos movimentos revolucionários
3. a geografia dos movimentos revolucionários
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 

Semelhante a As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo

Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Laboratório de História
 
Módulo 4 a revolução francesa
Módulo 4   a revolução francesaMódulo 4   a revolução francesa
Módulo 4 a revolução francesaEscoladocs
 
O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215Elisio Estanque
 
Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
ConstitucionalismoDebora Rocha
 
6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptx
6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptx6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptx
6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptxLEANDROSPANHOL1
 
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barrosoA americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barrosoizalfd
 
SociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelSociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelMatheus Lima
 
Monarquia constitucional francesa .pdf
Monarquia constitucional francesa .pdfMonarquia constitucional francesa .pdf
Monarquia constitucional francesa .pdfDenisdossantos7
 
O Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela LiberdadeO Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela LiberdadeLuisa Lamas
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salãoCarla Teixeira
 
Prefacio de Marcelo Centenaro
Prefacio de Marcelo CentenaroPrefacio de Marcelo Centenaro
Prefacio de Marcelo CentenaroGibaCanto
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2Zeze Silva
 
Teoria da Constituição. Unidade I. História das Constituições
Teoria da Constituição. Unidade I. História das ConstituiçõesTeoria da Constituição. Unidade I. História das Constituições
Teoria da Constituição. Unidade I. História das ConstituiçõesCláudio Colnago
 

Semelhante a As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo (20)

Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Módulo 4 a revolução francesa
Módulo 4   a revolução francesaMódulo 4   a revolução francesa
Módulo 4 a revolução francesa
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215O outro lado da revol (ii) publico20180215
O outro lado da revol (ii) publico20180215
 
Liberalismo (1)
Liberalismo (1)Liberalismo (1)
Liberalismo (1)
 
Constitucionalismo
ConstitucionalismoConstitucionalismo
Constitucionalismo
 
6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptx
6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptx6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptx
6dssssssssdsfggsgssggsdsggdsgf17184.pptx
 
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barrosoA americanização do direito constitucional e seus paradoxos   barroso
A americanização do direito constitucional e seus paradoxos barroso
 
Problemas do Estado Contemporâneo
Problemas do Estado ContemporâneoProblemas do Estado Contemporâneo
Problemas do Estado Contemporâneo
 
Revisão 2º ano: 1ºbimestre
Revisão 2º ano: 1ºbimestreRevisão 2º ano: 1ºbimestre
Revisão 2º ano: 1ºbimestre
 
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
 
SociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavelSociologiaMaquiavel
SociologiaMaquiavel
 
Monarquia constitucional francesa .pdf
Monarquia constitucional francesa .pdfMonarquia constitucional francesa .pdf
Monarquia constitucional francesa .pdf
 
O Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela LiberdadeO Porto Nas Lutas Pela Liberdade
O Porto Nas Lutas Pela Liberdade
 
Ficha de trabalho cultura do salão
Ficha de trabalho  cultura do salãoFicha de trabalho  cultura do salão
Ficha de trabalho cultura do salão
 
Prefacio de Marcelo Centenaro
Prefacio de Marcelo CentenaroPrefacio de Marcelo Centenaro
Prefacio de Marcelo Centenaro
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa  2Revolução francesa  2
Revolução francesa 2
 
Teoria da Constituição. Unidade I. História das Constituições
Teoria da Constituição. Unidade I. História das ConstituiçõesTeoria da Constituição. Unidade I. História das Constituições
Teoria da Constituição. Unidade I. História das Constituições
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 

Mais de Escoladocs

Historia clero
Historia cleroHistoria clero
Historia cleroEscoladocs
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanosEscoladocs
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanosEscoladocs
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécEscoladocs
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanosEscoladocs
 
Jesus cristo historia
Jesus cristo historiaJesus cristo historia
Jesus cristo historiaEscoladocs
 
Trabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romanoTrabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romanoEscoladocs
 
Apresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismosApresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismosEscoladocs
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bEscoladocs
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bEscoladocs
 
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto socialApresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto socialEscoladocs
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaEscoladocs
 
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2Escoladocs
 
Apresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio globalApresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio globalEscoladocs
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Escoladocs
 

Mais de Escoladocs (20)

A nobreza
A nobrezaA nobreza
A nobreza
 
Clero
CleroClero
Clero
 
Historia clero
Historia cleroHistoria clero
Historia clero
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos séc
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Diogo
DiogoDiogo
Diogo
 
Jesus cristo historia
Jesus cristo historiaJesus cristo historia
Jesus cristo historia
 
Trabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romanoTrabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romano
 
Apresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismosApresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismos
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
 
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto socialApresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
 
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
 
Apresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio globalApresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio global
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 

As revoluções liberais e a ruptura com o antigo regime resumo

  • 1. As revoluções liberais e a ruptura com o Antigo Regime Um primeiro grupo explicações, que só vê na revolução Francesa um mero acidente, resolve o problema suprimindo dados. Segundo esta versão, a revolução não era fatal e podia não ter acontecido. Não foi desejada pelo povo, quase não foi pelos revolucionários, e só um concurso imprevisto de circunstâncias fortuitas teria provocado, por uma cascata de acidentes, o deflagrar da revolução. A INFLUÊNCIA OCULTA DAS MINORIAS Este tipo de explicação, que encontra crédito junto de uma opinião que se satisfaz em pensar que a História se reduz, em última análise, à acção de cabalas, faz o êxito de colecções de obras ou de publicações. O esquema – um dos mais vulgarizados – pode aplicar-se a todos os fenómenos históricos, por exemplo, aos conflitos sociais, que serão reduzidos à acção de alguns cabecilhas, depressa classificados de maus pastores, aos quais se opõe a inocência de um rebanho perdido. É então inútil empreender reformas: a culpa é de um punhado de jacobinos que perverteram a opinião pública. OS FACTORES DE ORDEM ECONÓMICA As causas financeiras da revolução têm a ver com o défice orçamental, que desempenhou seguramente um papel nos acontecimentos, pois está na origem da convocação dos Estados Gerais. A situação cronicamente deficitária das finanças devida à ausência de administração financeira, a que se juntava a impotência da monarquia para suprimir os privilégios. A situação era agravada pela guerra de independência da América, que obriga a despesas consideráveis e implica o recurso ao empréstimo. Por outro lado, as causas económicas são mais importantes e mais duradouras e dizem respeito ao próprio regime da economia francesa, isto é, ao modo de organização da produção da riqueza e da distribuição dos bens. Em 1789, a economia francesa encontrava-se numa situação difícil e atribui-se frequentemente a responsabilidade da crise que ela atravessava à aplicação dos tratados de comércio e navegação assinados entre a França e os jovens Estados Unidos, a Inglaterra. O tratado e as consequências que se lhe atribuíam poderão ter contribuído para o nascimento de um estado de espírito revolucionário, já que o azedume dos produtores os afastava de um regime que tão mal defendia a sua existência. A ameaça crónica da penúria faz da fome o primeiro problema dos indivíduos e dos governos; a França vive na fobia da escassez, na recordação das fomes. Na verdade, em numerosos ramos de actividade, o trabalho não é livre, mas regulamentado, e só se pode exercê-lo na condição de se pertencer a uma corporação. O progresso técnico, a multiplicação das invenções, a acumulação dos capitais, o nascimento de novas formas de indústria, a formação de uma classe de negociantes, concorrem para tornar caduca esta organização. A ORGANIZAÇÃO SOCIAL E A CRISE DA SOCIEDADE A crise desta sociedade é determinada pelo antagonismo que opõe uma organização tradicional (fundada na hierarquia, na desigualdade, na existência das ordens, na defesa dos privilégios) e as novas aspirações das classes em ascensão. De ano para ano, o desfasamento é acentuado pela deslocação da riqueza, que empobrece a nobreza e enriquece a burguesia, e pela evolução dos espíritos, a contestação dos fundamentos jurídicos e intelectuais da ordem tradicional. O endurecimento dos privilegiados, a firmeza com que defendem os seus lugares, contribuem para exacerbar os antagonismos, para transformar as tensões inerentes a qualquer sociedade em tensões propriamente revolucionárias, e tanto mais quanto mais o poder real, até então o árbitro das competições de amor-próprio e das concorrências de interesses, já não está em posição de as dirimir. AS CAUSAS POLÍTICAS As causas políticas são talvez as mais determinantes de todas, pois a revolução vai atacar a própria forma do regime e a organização do poder. Convém, no entanto, dissipar um equívoco. Há uma interpretação da Revolução Francesa – que ainda frequentemente inspira os manuais escolares – que apresenta a revolução de 1789 como uma reacção liberal contra uma monarquia cujo jugo se teria tornado demasiado
  • 2. pesado, contra a autoridade e o absolutismo. Tem muito disto, sem dúvida, e a tomada da Bastilha é o símbolo do derrube do despotismo por um povo que quebra as grilhetas. Contudo, observando mais perto, para lá do simbolismo de acontecimentos espectaculares, acabamos por interrogar-nos se a monarquia não terá perecido mais por excesso de fraqueza do que de autoridade: por não ter conseguido impor aos privilegiados o respeito pelo interesse geral. Um poder mais forte, mais respeitado, teria talvez sabido prevenir uma crise revolucionária. A revolução começou por ser uma revolta dos privilegiados antes de ser a revolta do Terceiro Estado contra a sociedade privilegiada. Foram eles que deram o sinal de desobediência e abriram, à sua custa, a vida para o processo revolucionário. Se a monarquia tivesse sido mais forte, se tivesse disposto de meios ao nível das suas ambições, teria mantido os privilegiados na ordem e conseguido impor as reformas que lhe eram ditadas por uma bem entendida preocupação com a razão de Estado. O conluio que é patente nas vésperas da revolução entre o poder real e os privilegiados lançará a burguesia na oposição revolucionária. O MOVIMENTO DAS IDEIAS E A SUA DIFUSÃO NA OPINIÃO PÚBLICA Os factores de ordem intelectual e o movimento das ideias do século XVIII contribuíram muito para a génese da revolução. Na verdade, as teorias políticas não são apenas concebidas no silêncio dos gabinetes por pensadores isolados, mas alimentam também os movimentos de opinião. No entanto, entre o conteúdo original e a difusão, as teorias alteram-se. É assim que o que é retido dos escritos de Voltaire ou de Montesquieu está consideravelmente afastado do que estes escreveram ou pensaram. De facto, com os leitores de Montesquieu e Rosseau ou os assinantes da Encyclopédie não haveria com que fazer uma revolução: a Encyclopédie não teve mais de 4000 ou 5000 subscritos, menos do que as nossas revistas de interesse geral. Paralelamente aos escritos, existe também a virtude dos exemplos, o contributo dos precedentes e das experiências. O da revolução americana propõe uma solução alternativa a uma parte da opinião pública que deseja de forma confusa uma renovação profunda e para a qual as simples reformas já não se afiguram suficientes. É a conjugação de todas estas causas que origina o poder explosivo da revolução e nos impede de a tomarmos por um simples acidente. A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão A 26 de Agosto de 1789, a Assembleia Constituinte terminou a redacção do texto jurídico a que chamou Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Esta declaração constituía uma espécie de preâmbulo para a futura Constituição e baseava-se nos princípios da filosofia iluminista e no articulado da Declaração dos Direitos dos vários Estados americanos. A liberdade individual foi, de facto, a ideia-base de todo o documento, que começa por afirmar que todos os homens nascem e permanecem iguais. A liberdade individual é, por consequência, um direito natural, inviolável e imprescritível, e manifesta-se pelo poder de fazer tudo o que não prejudique outrem. Inclui a liberdade de opinião e a liberdade de imprensa (Todo o cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente), embora nada mencione sobre a liberdade de culto, de ensino, de domicílio ou de comércio e indústria. Os outros direitos naturais são, significativamente, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão. A segunda ideia-base desta Declaração é a igualdade que é, segundo o artigo 1.º, um direito natural: os homens nascem iguais. O direito à igualdade implicava a igualdade perante a lei, perante a justiça (Tudo aquilo que não é proibido pela lei não pode impedido (…). Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão os casos determinados pela lei), perante a administração e perante o imposto. A aprovação desta Declaração significava, pois, a destruição da sociedade de ordens. Como postulado destes direitos naturais, o poder maior residia no povo. Mas a soberania não era apenas nacional, ela era também una e indivisível, o que, mais uma vez, excluía a existência da sociedade de ordens.
  • 3. O rei era apenas o mandatário do povo, de quem recebia o poder; e a lei, a expressão da vontade geral. Para assegurar o respeito pela lei e a isenção do poder político, este devia funcionar tripartido, estando cada função entregue a órgãos diferentes e independentes – era a concretização do princípio iluminista da separação dos poderes. Obra da burguesia letrada, maioritária na Assembleia Constituinte, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi um documento revolucionário que ultrapassou em muito os ideais iluministas e as declarações americanas. Os seus princípios fundamentais não se dirigiam unicamente aos franceses, e os seus preceitos eram aplicáveis a qualquer regime político e não apenas ao da França, em 1789. Este carácter universalista, assumido pela Revolução Francesa desde o seu início, explica a tremenda repercussão deste documento na Europa e no mundo.