SlideShare uma empresa Scribd logo
Teoria aristotélica dos quatro discursos
Prof. Ronaldo Laux
1. Conceitos Fundamentais sobre Discurso
•Discurso: movimento; transcurso de uma posição a outra.
Tem uma unidade: são dispostas várias partes tendo em vista
um propósito a ser atingido.
É o trânsito do acreditado (as premissas) para o acreditável
(propósito – as conclusões) por meio de um encadeamento
de nexos.
Etimologia dos termos (CUNHA, A.G. Dicionário etimológico
da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexicon, 2010.
discur-sar, -ivo –o  DISCORRER
discorrer vb. ‘percorrer, atravessar’ ‘tratar, expor,
analisar’ 1572. Do lat. Disccurrere, de currere // discursar
XVI // discursivo 1813// discurso XVI. Do lat. Discursos –
us, de discursum, supino de discurrere.
Texto sm. ‘as próprias palavras de um autor, livro ou
escrito’/ XIV texto XIV / Do lat. Textum –i
‘entrelaçamento, tecido’ ‘contextura (duma obra)’
Contexto sm. ‘conjunto, todo, reunião’ ‘encadeamento
das ideias dum discurso’ 1813. Do fr. Contexte, deriv. do
lat. Contextus – us // contextura XVIII. Do fr. Contexture.
•Discurso eficaz: quando alcança a credibilidade final.
•Discurso malogrado: quando não alcança a credibilidade
final. Essa rejeição por parte do ouvinte também é uma
modificação, só que negativa.
• Premissa: aquilo que é tomado como já sabido, admitido.
(Fica, por isso, aquém do discurso).
• Premissas explícitas e implícitas: são declaradas ou não no
discurso.
• A omissão pode ser proposital ou não. (Quando não são, são
chamadas de pressupostos – uma crença muito arraigada e
habitual).
• Unidade formal: é o nexo existente entre as várias partes do
discursos para atingir ao seu propósito.
• Propósito: em qualquer discurso, consiste em gerar alguma
modificação no ouvinte. (mudar uma opinião, receber uma
informação, sentir uma emoção).
• Credibilidade: aceitação, pelo receptor, da modificação
proposta pelo emissor.
•Credibilidade inicial: disposição prévia do receptor em
acompanhar o discurso, aceitando, mesmo provisoriamente,
as premissas. (Esta aceitação é ela mesma uma premissa).
•Credibilidade final: a plena aceitação da modificação
proposta pelo discurso. Aceitação das conclusões e das
conseqüências que delas podem ocorrer.
Graus de credibilidade
•As premissas, de acordo com a sua credibilidade, podem ser
classificadas em uma escala que vai do maximamente crível
ao minimamente crível.
•O maximamente crível é o tido como verdadeiro pelo
receptor (ainda que não seja)
•O minimamente crível, ou seja, o minimamente verdadeiro:
o possível. (Abaixo do possível está o impossível, o incrível, o
falso).
Segmento do discurso (conveniência humana contingente)
•O discurso pode retornar indefinidamente aos fundamentos
primeiros das premissas (tornando-se até redundante), bem
como ir até as conseqüências últimas (até o limite do
humanamente pensável). O que determina a extensão do
discurso é a vontade do emissor.
2. Os 4 tipos de discursos
a) Discurso Poético: não pretende atingir nada além da
simples possibilidade.
• o propósito é gerar uma transformação profunda na alma
do ouvinte.
• tem credibilidade dada pela sua magia. (O ouvinte tem que
se sentir parte de um mundo comum de sentimentos).
• requer preliminarmente a plena comunidade de língua e de
linguagem entre emissor e receptor (o emissor, para receber
o impacto “mágico” do discurso, deve, se necessário, fazer
um esforço pessoal de pesquisa e interpretação).
• exige uma “suspension of disbelief”(suspensão da dúvida),
aceitando as regras do jogo.
• dá margem a múltiplas interpretações (abre para novas
possibilidades; novos esquemas mentais).
•“parte do gosto ou dos hábitos mentais e imaginativos do
público e, jogando com as possibilidades que aí se
encontrem, procura criar uma aparência, um simulacro,
levando o público a aceitar provisoriamente como verdadeiro,
por livre consentimento, algo que se admitiu de antemão ser
apenas uma ficção ou uma convenção.” (p.83)
• Quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza
mormente das função poética e da função emotiva
b) Discurso Retórico: quer obter algo mais que uma certeza
mínima, mas não tende a uma certeza máxima (parte-se do
verossímil).
• o propósito é influenciar o ouvinte durante um determinado
período de tempo para que este tome uma decisão particular.
• faz com que a vontade do ouvinte seja igual a do orador
(apela à capacidade do ouvinte de decidir, sua liberdade).
• emite sempre uma ordem ou pedido sempre concreto e
determinado.
• não deve dar margem a muitas interpretações, pois tem um
propósito prático.
• exige confiança ou simpatia pela pessoa do orador.
• “parte das convicções atuais do público, sejam elas
verdadeiras ou falsas, procura levar a platéia a uma
conclusão verossímil.” (p. 82)
• quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza
mormente da função apelativa.
c) Dialético: tende a uma certeza máxima, mas não pode
obtê-la (parte-se do provável).
• o discurso dialético compara o desenvolvimento das
conseqüências de várias dessas premissas prováveis, a fim e
depurá-las na busca da verdade, também atendendo às
regras da coerência lógica.
• pretende convencer por meios racionais,
independentemente da vontade do ouvinte.
• como condição, o ouvinte precisa admitir a arbitragem da
razão e a aceitação de certas premissas consensuais.
(Confiança no próprio poder de raciocínio e nas premissas
admitidas).
• depende, portanto, de um certo grau de cultura do ouvinte,
bem como de sua honestidade intelectual.
• “parte de premissas que podem ser incertas, mas que são
aceitas sob determinadas circunstâncias e por um público
mais ou meno homogêneo e conhecedor do assunto, isto é,
parte de premissas prováveis.” (p.82)
• quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza
mormente da função referencial.
d) Analítico: parte de premissas evidentes e inquestionáveis
e chega a conclusões absolutamente certas.
• a credibilidade depende de um ouvinte capaz de
acompanhar um raciocício lógico cerrado e da ciência da
veracidade absoluta das premissas. (confiança absoluta nas
premissas)
• “procede num desenvolvimento rigoroso segundo as leis
formais do pensamento, a lógica silogística, para alcançar
conclusões absolutamente certas ou universalmente
obrigantes.” (p.82)
• quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza
mormente da: função referencial.
/ronaldolaux.hipnose
/ronaldolaux
/ronaldolaux.professor
/ronaldolaux
/ronaldolaux

Mais conteúdo relacionado

Destaque

K sapp technology-infusionproject
K sapp technology-infusionprojectK sapp technology-infusionproject
K sapp technology-infusionproject
ks0385
 
March on Bank of America
March on Bank of AmericaMarch on Bank of America
March on Bank of Americazacgraham25
 
Hydroponics & Aquaponics - 2011 & Beyond
Hydroponics & Aquaponics - 2011 & BeyondHydroponics & Aquaponics - 2011 & Beyond
Hydroponics & Aquaponics - 2011 & Beyond
Root66
 
Quino forever
Quino foreverQuino forever
Safety unit
Safety unitSafety unit
Safety unit
Turner Pyle
 
Social media pp
Social media ppSocial media pp
Social media pp
Setzerma
 
Coshared social media growth hack
Coshared social media growth hackCoshared social media growth hack
Coshared social media growth hack
Alex Kreger
 
Gyan Pravah B B P C M C
Gyan  Pravah    B B  P C M CGyan  Pravah    B B  P C M C
Gyan Pravah B B P C M C
Sumit Jain
 
Session5 herman pals royal haskoning
Session5 herman pals royal haskoningSession5 herman pals royal haskoning
Session5 herman pals royal haskoning
The Netherlands Embassy in Jakarta
 
Session3 wouter blaas ihc holland
Session3 wouter blaas  ihc hollandSession3 wouter blaas  ihc holland
Session3 wouter blaas ihc holland
The Netherlands Embassy in Jakarta
 
디컨특강과제
디컨특강과제디컨특강과제
디컨특강과제
Park SooJin
 
RESEARCH PAPER ANALYSIS
RESEARCH PAPER ANALYSIS RESEARCH PAPER ANALYSIS
RESEARCH PAPER ANALYSIS
Sambit Biswal
 
Dr.rubin results presentation group #4
Dr.rubin results presentation group #4Dr.rubin results presentation group #4
Dr.rubin results presentation group #4
amgonzalezpineiro
 
marketing chiến lược của công ty Amata
marketing chiến lược của công ty Amatamarketing chiến lược của công ty Amata
marketing chiến lược của công ty Amatavancongcan
 
ספורו של פלג הדן
ספורו של פלג הדן ספורו של פלג הדן
ספורו של פלג הדן
Moriah Maui
 
Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.
Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.
Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.
tacomeauDal
 
Quytrinh layout hit
Quytrinh layout hitQuytrinh layout hit
Quytrinh layout hitHoạt Vũ
 
Workbook sesion6
Workbook sesion6Workbook sesion6
Workbook sesion6
Meztli Valeriano Orozco
 
Ideal Media Case Study
Ideal Media Case StudyIdeal Media Case Study
Ideal Media Case Study
Eder Holguin
 
Lovely Offices
Lovely OfficesLovely Offices
Lovely Offices
Mihex
 

Destaque (20)

K sapp technology-infusionproject
K sapp technology-infusionprojectK sapp technology-infusionproject
K sapp technology-infusionproject
 
March on Bank of America
March on Bank of AmericaMarch on Bank of America
March on Bank of America
 
Hydroponics & Aquaponics - 2011 & Beyond
Hydroponics & Aquaponics - 2011 & BeyondHydroponics & Aquaponics - 2011 & Beyond
Hydroponics & Aquaponics - 2011 & Beyond
 
Quino forever
Quino foreverQuino forever
Quino forever
 
Safety unit
Safety unitSafety unit
Safety unit
 
Social media pp
Social media ppSocial media pp
Social media pp
 
Coshared social media growth hack
Coshared social media growth hackCoshared social media growth hack
Coshared social media growth hack
 
Gyan Pravah B B P C M C
Gyan  Pravah    B B  P C M CGyan  Pravah    B B  P C M C
Gyan Pravah B B P C M C
 
Session5 herman pals royal haskoning
Session5 herman pals royal haskoningSession5 herman pals royal haskoning
Session5 herman pals royal haskoning
 
Session3 wouter blaas ihc holland
Session3 wouter blaas  ihc hollandSession3 wouter blaas  ihc holland
Session3 wouter blaas ihc holland
 
디컨특강과제
디컨특강과제디컨특강과제
디컨특강과제
 
RESEARCH PAPER ANALYSIS
RESEARCH PAPER ANALYSIS RESEARCH PAPER ANALYSIS
RESEARCH PAPER ANALYSIS
 
Dr.rubin results presentation group #4
Dr.rubin results presentation group #4Dr.rubin results presentation group #4
Dr.rubin results presentation group #4
 
marketing chiến lược của công ty Amata
marketing chiến lược của công ty Amatamarketing chiến lược của công ty Amata
marketing chiến lược của công ty Amata
 
ספורו של פלג הדן
ספורו של פלג הדן ספורו של פלג הדן
ספורו של פלג הדן
 
Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.
Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.
Nanocrystalline cellulose for controlled release of drugs.
 
Quytrinh layout hit
Quytrinh layout hitQuytrinh layout hit
Quytrinh layout hit
 
Workbook sesion6
Workbook sesion6Workbook sesion6
Workbook sesion6
 
Ideal Media Case Study
Ideal Media Case StudyIdeal Media Case Study
Ideal Media Case Study
 
Lovely Offices
Lovely OfficesLovely Offices
Lovely Offices
 

Semelhante a Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles

SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptxSLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
AmandaMachado791964
 
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigidoPersuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
j_sdias
 
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp022 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
Miguel Alves
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
norberto faria
 
Recursos retóricos
Recursos retóricosRecursos retóricos
Recursos retóricos
Helia Coelho Mello
 
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
Argumentação e retórica  trb grupo filosofiaArgumentação e retórica  trb grupo filosofia
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
João Bastos
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
Isabel Moura
 
Texto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativoTexto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativo
Andalito R. G. João
 
Ethos_pathos_logos
Ethos_pathos_logosEthos_pathos_logos
Ethos_pathos_logos
Isabel Moura
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguística
Fernanda Câmara
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
Carlos Silva
 
Argumentar
ArgumentarArgumentar
Argumentar
Roberto Santos
 
Teorias do uso da língua - Pragmática
Teorias do uso da língua - PragmáticaTeorias do uso da língua - Pragmática
Teorias do uso da língua - Pragmática
Fabricio Rocha
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
Claudio Toldo
 
Oratória
OratóriaOratória
o funcionalismo em lingustica
o funcionalismo em lingusticao funcionalismo em lingustica
o funcionalismo em lingustica
PedroRocha944191
 
Em busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosEm busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivos
Marcelo Ramiro
 
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
Helena Coutinho
 
Retorica
RetoricaRetorica
Retorica
Jarimbaa
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4
j_sdias
 

Semelhante a Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles (20)

SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptxSLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
SLIDES CONSIDERAÇÕES LINGUAGEM PERSUASIVA (1).pptx
 
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigidoPersuadir e convencer  ethos, pathos e logos corrigido
Persuadir e convencer ethos, pathos e logos corrigido
 
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp022 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
2 argumentaoeretrica-121111133751-phpapp02
 
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICAARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
ARGUMENTAÇÃO E RETÓRICA
 
Recursos retóricos
Recursos retóricosRecursos retóricos
Recursos retóricos
 
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
Argumentação e retórica  trb grupo filosofiaArgumentação e retórica  trb grupo filosofia
Argumentação e retórica trb grupo filosofia
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
 
Texto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativoTexto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativo
 
Ethos_pathos_logos
Ethos_pathos_logosEthos_pathos_logos
Ethos_pathos_logos
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguística
 
Argumentação e retórica
Argumentação e retóricaArgumentação e retórica
Argumentação e retórica
 
Argumentar
ArgumentarArgumentar
Argumentar
 
Teorias do uso da língua - Pragmática
Teorias do uso da língua - PragmáticaTeorias do uso da língua - Pragmática
Teorias do uso da língua - Pragmática
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Oratória
OratóriaOratória
Oratória
 
o funcionalismo em lingustica
o funcionalismo em lingusticao funcionalismo em lingustica
o funcionalismo em lingustica
 
Em busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosEm busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivos
 
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
 
Retorica
RetoricaRetorica
Retorica
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4
 

Último

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Aula de Hermenêutica - Teoria dos 4 discursos em Aristóteles

  • 1. Teoria aristotélica dos quatro discursos Prof. Ronaldo Laux
  • 2. 1. Conceitos Fundamentais sobre Discurso •Discurso: movimento; transcurso de uma posição a outra. Tem uma unidade: são dispostas várias partes tendo em vista um propósito a ser atingido. É o trânsito do acreditado (as premissas) para o acreditável (propósito – as conclusões) por meio de um encadeamento de nexos.
  • 3. Etimologia dos termos (CUNHA, A.G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexicon, 2010. discur-sar, -ivo –o  DISCORRER discorrer vb. ‘percorrer, atravessar’ ‘tratar, expor, analisar’ 1572. Do lat. Disccurrere, de currere // discursar XVI // discursivo 1813// discurso XVI. Do lat. Discursos – us, de discursum, supino de discurrere. Texto sm. ‘as próprias palavras de um autor, livro ou escrito’/ XIV texto XIV / Do lat. Textum –i ‘entrelaçamento, tecido’ ‘contextura (duma obra)’ Contexto sm. ‘conjunto, todo, reunião’ ‘encadeamento das ideias dum discurso’ 1813. Do fr. Contexte, deriv. do lat. Contextus – us // contextura XVIII. Do fr. Contexture.
  • 4. •Discurso eficaz: quando alcança a credibilidade final. •Discurso malogrado: quando não alcança a credibilidade final. Essa rejeição por parte do ouvinte também é uma modificação, só que negativa.
  • 5. • Premissa: aquilo que é tomado como já sabido, admitido. (Fica, por isso, aquém do discurso). • Premissas explícitas e implícitas: são declaradas ou não no discurso. • A omissão pode ser proposital ou não. (Quando não são, são chamadas de pressupostos – uma crença muito arraigada e habitual).
  • 6. • Unidade formal: é o nexo existente entre as várias partes do discursos para atingir ao seu propósito. • Propósito: em qualquer discurso, consiste em gerar alguma modificação no ouvinte. (mudar uma opinião, receber uma informação, sentir uma emoção).
  • 7. • Credibilidade: aceitação, pelo receptor, da modificação proposta pelo emissor. •Credibilidade inicial: disposição prévia do receptor em acompanhar o discurso, aceitando, mesmo provisoriamente, as premissas. (Esta aceitação é ela mesma uma premissa). •Credibilidade final: a plena aceitação da modificação proposta pelo discurso. Aceitação das conclusões e das conseqüências que delas podem ocorrer.
  • 8. Graus de credibilidade •As premissas, de acordo com a sua credibilidade, podem ser classificadas em uma escala que vai do maximamente crível ao minimamente crível. •O maximamente crível é o tido como verdadeiro pelo receptor (ainda que não seja) •O minimamente crível, ou seja, o minimamente verdadeiro: o possível. (Abaixo do possível está o impossível, o incrível, o falso).
  • 9.
  • 10. Segmento do discurso (conveniência humana contingente) •O discurso pode retornar indefinidamente aos fundamentos primeiros das premissas (tornando-se até redundante), bem como ir até as conseqüências últimas (até o limite do humanamente pensável). O que determina a extensão do discurso é a vontade do emissor.
  • 11.
  • 12. 2. Os 4 tipos de discursos a) Discurso Poético: não pretende atingir nada além da simples possibilidade. • o propósito é gerar uma transformação profunda na alma do ouvinte. • tem credibilidade dada pela sua magia. (O ouvinte tem que se sentir parte de um mundo comum de sentimentos). • requer preliminarmente a plena comunidade de língua e de linguagem entre emissor e receptor (o emissor, para receber o impacto “mágico” do discurso, deve, se necessário, fazer um esforço pessoal de pesquisa e interpretação).
  • 13. • exige uma “suspension of disbelief”(suspensão da dúvida), aceitando as regras do jogo. • dá margem a múltiplas interpretações (abre para novas possibilidades; novos esquemas mentais). •“parte do gosto ou dos hábitos mentais e imaginativos do público e, jogando com as possibilidades que aí se encontrem, procura criar uma aparência, um simulacro, levando o público a aceitar provisoriamente como verdadeiro, por livre consentimento, algo que se admitiu de antemão ser apenas uma ficção ou uma convenção.” (p.83) • Quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza mormente das função poética e da função emotiva
  • 14. b) Discurso Retórico: quer obter algo mais que uma certeza mínima, mas não tende a uma certeza máxima (parte-se do verossímil). • o propósito é influenciar o ouvinte durante um determinado período de tempo para que este tome uma decisão particular. • faz com que a vontade do ouvinte seja igual a do orador (apela à capacidade do ouvinte de decidir, sua liberdade). • emite sempre uma ordem ou pedido sempre concreto e determinado.
  • 15. • não deve dar margem a muitas interpretações, pois tem um propósito prático. • exige confiança ou simpatia pela pessoa do orador. • “parte das convicções atuais do público, sejam elas verdadeiras ou falsas, procura levar a platéia a uma conclusão verossímil.” (p. 82) • quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza mormente da função apelativa.
  • 16. c) Dialético: tende a uma certeza máxima, mas não pode obtê-la (parte-se do provável). • o discurso dialético compara o desenvolvimento das conseqüências de várias dessas premissas prováveis, a fim e depurá-las na busca da verdade, também atendendo às regras da coerência lógica. • pretende convencer por meios racionais, independentemente da vontade do ouvinte.
  • 17. • como condição, o ouvinte precisa admitir a arbitragem da razão e a aceitação de certas premissas consensuais. (Confiança no próprio poder de raciocínio e nas premissas admitidas). • depende, portanto, de um certo grau de cultura do ouvinte, bem como de sua honestidade intelectual. • “parte de premissas que podem ser incertas, mas que são aceitas sob determinadas circunstâncias e por um público mais ou meno homogêneo e conhecedor do assunto, isto é, parte de premissas prováveis.” (p.82) • quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza mormente da função referencial.
  • 18. d) Analítico: parte de premissas evidentes e inquestionáveis e chega a conclusões absolutamente certas. • a credibilidade depende de um ouvinte capaz de acompanhar um raciocício lógico cerrado e da ciência da veracidade absoluta das premissas. (confiança absoluta nas premissas) • “procede num desenvolvimento rigoroso segundo as leis formais do pensamento, a lógica silogística, para alcançar conclusões absolutamente certas ou universalmente obrigantes.” (p.82) • quanto a função desempenhada pela linguagem, se utiliza mormente da: função referencial.