SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
O TEXTO EXPOSITIVO-ARGUMENTATIVO 
Se o resumo consiste em condensar um determinado texto, reduzindo-o ao fundamental, o texto 
expositivo-argumentativo utiliza o processo inverso: parte de uma afirmação e desenvolve-a. 
Um texto expositivo-argumentativo tem, pois, como objetivo apresentar, sobre um determinado 
assunto, um juízo próprio de uma forma clara e organizada. 
A clareza de um texto exposi tivo-argumentativo depende, em mui to, da forma como ele 
é estruturado. 
Assim, o texto deverá ser organizado em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. 
A introdução e a conclusão 
 devem ser constituídas pou um único parágrafo; 
 uma vez que são sínteses teóricas, não devem ter exemplos; 
 articulam-se entre si, já que a conclusão deve retomar a introdução. 
O desenvolvimento 
 articula-se com a introdução; 
 integra referências concretas alusivas ao tema; 
 veicula juízos próprios apoiados em exemplos. 
Nota ainda que: 
 deves ler, com muita atenção, o enunciado de forma a compreenderes claramente a tese aí formulada; 
 antes de redigires o teu texto, deves organizar a informação em forma de tópicos ou esquema; 
 durante a redação, deves identificar o tipo de relações lógicas existentes entre cada uma das partes do 
texto e entre as ideias que vais expor no desenvolvimento de modo a seleccionares os articuladores do 
discurso que vão evidenciar esses nexos. 
 convencionalmente, o tempo utilizado neste tipo de texto é o presente do indicativo; 
 não podes fugir ao limite de palavras indicado. 
COMO SE CONSTRÓI? 
I – ESTRUTURA DO TEXTO 
1º Introdução → Parágrafo inicial no qual se apresenta a proposição (tese, opinião, declaração). 
→ Deve ser apresentada de modo afirmativo, claro e bem definido, sem referir ainda 
quaisquer razões ou provas. 
2º desenvolvimento → (dois ou mais parágrafos) 
→ Anál i se/expl ici tação da proposição apresentada; apresentação dos 
argumentos que provam a verdade da proposição: factos, exemplos, citações, 
testemunhos, dados estatísticos. 
3º Conclusão → Parágrafo final, retoma a tese que se procurou provar com a exposição dos argumentos. 
II – ESCOLHA E ORDENAÇÃO DOS ARGUMENTOS 
Para uma correta construção argumentativa, é fundamental a escolha dos argumentos que suportam a 
demonstração da verdade da tese.
Eles devem ser pertinentes e coerentes, apresentados de forma lógica e articulada. 
Assim, deves: 
 encontrar os argumentos adequados; 
 recorrer, sempre que possível e desejavel, à exemplificação, à citação, à analogia, às relações causa-efeito. 
 organi zar os argumentos por ordem crescente de importância, do menos para o mais 
importante. 
III – ARTICULAÇÃO E PROGRESSÃO DO DISCURSO 
O texto deve apresentar-se como um todo coeso e articulado, através do estabelecimento de uma rede de 
relações lógicas entre as palavras, as f rases, os períodos e os parágrafos que o consti tuem. 
Deve, além di sso, recorrer a processos de substi tuição, usando palavras ou expressões no 
lugar de outras usadas anteriormente. Deve igualmente corresponder à construção de um 
raciocínio que se vai desenvolvendo gradualmente. 
Estas características são conseguidas através de correta uti l i zação e combinação dos 
elementos linguísticos do texto: 
 correta estruturação e ordenação das frases; 
 uso correto dos conectores do discurso; 
 respeito pelas regras de concordância; 
 uso adequado dos pronomes que evitam as repetições do nome; 
 utilização de um vocabulário variado, com recurso a sinónimos, antónimos, hiperónimos e hipónimos. 
A progressão e articulação do texto é conseguida, sobretudo, através do uso de conectores ou 
articuladores do discurso que vão fazendo progredir o texto de uma forma coerente e articulada. 
Articuladores do discurso 
Vimos que, para cumprir o seu objetivo, este texto deve apresentar-se como uma construção 
lógica, na qual o raciocínio é apresentado de forma progressiva e articulada. Para isso, é 
fundamental uma boa utilização dos articuladores ou conectores do discurso – advérbios, locuções 
adverbiais, conjunções, locuções conjuncionais e mesmo orações completivas. 
Articuladores do discurso 
Para reiterar, reafirmar 
retomando a questão, penso que, a meu ver, creio que, estou certo, em nosso 
entender 
Para concordar, provar, 
exprimir certeza 
efetivamente, com efeito, sem dúvida que, na verdade, de certo, com toda a 
certeza, evidentemente, é edidente que, obviamente, é óbvio que 
Para refutar, manifestar 
oposição, restringir ideias 
no entanto, mas, todavia, contudo, porém, apesar de, em sentido contrário, 
refutando, pelo contrário, ao contrário, por outro lado, com a ressalva de 
Para exemplificar por exemplo, como se pode ver, assim, tome-se como exemplo, é o caso de, é o 
que acontece com 
Para explicitar significa isto que, explicitando melhor, não se pretende com isto dizer, a saber, 
isto é, para concluir, finalmente, enfim, em conclusão, concluindo, para terminar, 
em suma, por conseguinte, por consequência 
Para estabelecer conexões 
de tempo 
então, após, depois, antes, anteriormente, em seguida, seguidamente, quando, 
até que, a princípio, por fim 
Para referenciar espaço 
aqui, ali, lá, acolá, naquele lugar, o lugar onde, ao lado de, à esquerda, à direita, 
ao centro, no meio, mais adiante 
Para indicar ordem 
em primeiro lugar, primeiramente, em segundo lugar, seguidamente, em 
seguida, começando por, antes de mais, por último, por fim 
Para estabelecer conexões 
de causa 
porque, visto que, dado que, uma vez que 
Para estabelecer conexões 
de consequência 
de tal modo que, de forma que, tanto que, por isso 
Para expressar condição, Se, a menos que, a não ser que, desde que, supondo que, se por hipótese,
hipótese admitindo que, exceto se, se por acaso 
Para estabelecer conexões 
de fim 
para que, para, com o fim de, a fim de que, como intuito de 
Para estabelecer relações 
aditivas 
e, ora, e também, e ainda 
Para estabelecer relações 
disjuntivas 
ou, ou então, seja...seja, quer...quer 
Para expressar semelhança, 
comparação 
do mesmo modo, tal como, pelo mesmo motivo,pela mesma razão, igualmente, 
assim como 
Exemplos de textos expositivo-argumentativos 
O Papel da Televisão na Vida dos Jovens 
A televisão tem uma grande influência na formação pessoal e social das crianças e dos jovens. 
Funciona como um estímulo que condiciona os comportamentos, positiva ou negativamente. A televisão 
difunde programas educativos edificantes, tais como o Zig Zag, os documentários sobre Historia, Ciências, 
informação sobre aactualidade, divulgação de novos produtos… 
Todavia, a televisão exerce também uma influência negativa, ao exibir modelos, cujas características 
são inatingíveis pelas crianças e jovens em geral. As suas qualidades físicas são amplificadas, os defeitos 
esbatidos, criando-se a imagem do herói / heroína perfeitos. Esta construção produz sentimentos de 
insatisfação do eu consigo mesmo e de menosprezo pelo outro. A violência é outro aspeto negativo da 
televisão, em geral. As crianças/jovens tendem a imitar os comportamentos violentos dos heróis, o que pode 
colocar em risco a vida dos mesmos. O mesmo acontece com o visionamento de cenas de sexo. As crianças 
formam uma imagem destorcida da sua sexualidade, potenciando a prática precoce de sexo e suscitando 
distúrbios afetivos. 
Em jeito de conclusão, é legítimo que se imponha às estações detelevisão uma restrição de exibição 
de material violento ou desajustado à faixa etária nas suas grelhas de programação, dado que a exposição a 
este tipo de conteúdos é extremamente prejudicial no desenvolvimento das crianças e dos jovens, pois, tal 
como diz o povo, “violência só gera violência”. 
(Des) igualdade de géneros 
Vivemos num mundo onde, supostamente, nascemos todos iguais, temos todos os mesmos direitos 
e os mesmos deveres, onde ser homem ou mulher não deveria ser relevante na qualidade de vida de um ser 
humano. A verdade é que somos todos, em sociedade, algo culpados desta situação. No entanto, mais 
culpados são aqueles que se conformam. 
A sociedade hodierna é machista, é um facto. Experimentem ser mulher por um dia e tentar 
encontrar um emprego que lhes permita ter uma boa evolução na carreira e com uma remuneração justa. 
Não foi fácil, pois não? Agora tentem chegar à chefia de uma empresa ou, sejam mais ousados, de um país. 
Conseguiram? O mais provável é que não tenham conseguido. Não porque falharam, mas porque o vosso 
trabalho não foi reconhecido. Se conseguiram, aperceberam-se que uma mulher, só por este pormenor (ou 
será uma “pormaior”) da sua natureza tem de trabalhar o dobro (ou o triplo) do que um homem para ter a 
mesma promoção na carreira. 
Como já percebemos, apesar de ser extremamente difícil, há mulheres que atingem cargos de chefia 
na nossa sociedade. Porém, há outras que se conformam, que não lutam e ficam em casa, como “Devota (s) 
parideira (s)”, à espera do marido, para quem ser mulher é tratar da casa e ter filhos. Estas são as mesmas 
mulheres que ensinam aos filhos que um “homem não chora” e que o dever da mulher é obedecer ao 
marido, sem o questionar. Agora pergunto, em jeito de conclusão: com uma grande percentagem de pessoas 
com esta mentalidade consideramo-nos um país desenvolvido? A pergunta é retórica. Se tiveram dúvidas a 
responder, por favor, recomecem a ler o texto. 
Ana Koch

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesvermar2010
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoAntónio Teixeira
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deFernanda Pantoja
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - característicasLurdes Augusto
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquemaPaulo Portelada
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoRaffaella Ergün
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMiguelavRodrigues
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesIsabel Moura
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verboAna Martins
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroDina Baptista
 

Mais procurados (20)

Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Texto dramático - características
Texto dramático - característicasTexto dramático - características
Texto dramático - características
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Orações coordenadas e subordinadas esquema
Orações coordenadas e subordinadas   esquemaOrações coordenadas e subordinadas   esquema
Orações coordenadas e subordinadas esquema
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Memorial do convento - Personagens
Memorial do convento - PersonagensMemorial do convento - Personagens
Memorial do convento - Personagens
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
 

Semelhante a Texto expositivo argumentativo

Texto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativoTexto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativonando_reis
 
Ficha inf. 6 - A argumentação
Ficha inf. 6 - A argumentaçãoFicha inf. 6 - A argumentação
Ficha inf. 6 - A argumentaçãopyteroliva
 
Ficha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentaçãoFicha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentaçãopyteroliva
 
Ficha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentaçãoFicha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentaçãololaesa
 
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociaisMarisaAlcantaraGoula
 
articuladoresdediscurso.doc
articuladoresdediscurso.docarticuladoresdediscurso.doc
articuladoresdediscurso.docIsabel273720
 
Aula4 Trabalhandoideias
Aula4 TrabalhandoideiasAula4 Trabalhandoideias
Aula4 TrabalhandoideiasLuciane Lira
 
CoerêNcia E Unidade
CoerêNcia E UnidadeCoerêNcia E Unidade
CoerêNcia E UnidadeLuciane Lira
 
Expositivo argumentativo
Expositivo argumentativoExpositivo argumentativo
Expositivo argumentativoAmonelocadia
 
Sequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..ppt
Sequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..pptSequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..ppt
Sequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..pptMarinaAlessandra
 
Técnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para DissertaçãoTécnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para DissertaçãoTati Borlote Varanda
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxBerlaPaiva
 

Semelhante a Texto expositivo argumentativo (20)

Texto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativoTexto expositivo-argumentativo
Texto expositivo-argumentativo
 
Ficha inf. 6 - A argumentação
Ficha inf. 6 - A argumentaçãoFicha inf. 6 - A argumentação
Ficha inf. 6 - A argumentação
 
Ficha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentaçãoFicha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentação
 
Ficha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentaçãoFicha inf. 6 a argumentação
Ficha inf. 6 a argumentação
 
Texto Argumentativo
Texto Argumentativo Texto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
O que é um texto dissertativo
O que é um texto dissertativoO que é um texto dissertativo
O que é um texto dissertativo
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
3s anos argumentação imagens com frases redes sociais
 
articuladoresdediscurso.doc
articuladoresdediscurso.docarticuladoresdediscurso.doc
articuladoresdediscurso.doc
 
Aula4 Trabalhandoideias
Aula4 TrabalhandoideiasAula4 Trabalhandoideias
Aula4 Trabalhandoideias
 
CoerêNcia E Unidade
CoerêNcia E UnidadeCoerêNcia E Unidade
CoerêNcia E Unidade
 
Os conetores 10 º
Os conetores 10 ºOs conetores 10 º
Os conetores 10 º
 
Expositivo argumentativo
Expositivo argumentativoExpositivo argumentativo
Expositivo argumentativo
 
Sequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..ppt
Sequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..pptSequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..ppt
Sequências Tipológicas argumentativa e injuntiva..ppt
 
Folheto resumo
Folheto resumoFolheto resumo
Folheto resumo
 
Técnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para DissertaçãoTécnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para Dissertação
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
 
Aula de redacao
Aula de redacaoAula de redacao
Aula de redacao
 
Gênero debate
Gênero debateGênero debate
Gênero debate
 
PAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANOPAS UEM - 1º ANO
PAS UEM - 1º ANO
 

Mais de quintaldasletras

Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºano
Trabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºanoTrabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºano
Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºanoquintaldasletras
 
Trabalho sobre o barroco tg
Trabalho sobre o barroco    tgTrabalho sobre o barroco    tg
Trabalho sobre o barroco tgquintaldasletras
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoonsquintaldasletras
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoonsquintaldasletras
 
Ficha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoFicha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoquintaldasletras
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)quintaldasletras
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)quintaldasletras
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamentequintaldasletras
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasquintaldasletras
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamentequintaldasletras
 
29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamente29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamentequintaldasletras
 
Sintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalSintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalquintaldasletras
 

Mais de quintaldasletras (20)

Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºano
Trabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºanoTrabalho de pesquisa   oralidade património2015-16  10.ºano
Trabalho de pesquisa oralidade património2015-16 10.ºano
 
Trabalho sobre o barroco tg
Trabalho sobre o barroco    tgTrabalho sobre o barroco    tg
Trabalho sobre o barroco tg
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoons
 
Cartoons para análise
Cartoons para análiseCartoons para análise
Cartoons para análise
 
Exposição oral guião para leitura de cartoons
Exposição oral   guião para leitura de cartoonsExposição oral   guião para leitura de cartoons
Exposição oral guião para leitura de cartoons
 
Ficha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do conventoFicha informativa memorial do convento
Ficha informativa memorial do convento
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
 
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
Ficha de trabalho de português   o verbo (1)Ficha de trabalho de português   o verbo (1)
Ficha de trabalho de português o verbo (1)
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
 
Https
HttpsHttps
Https
 
A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)A publicidade graça (1)
A publicidade graça (1)
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadas
 
Camões lírico teoria
Camões lírico teoriaCamões lírico teoria
Camões lírico teoria
 
Porque e por que
Porque e por quePorque e por que
Porque e por que
 
Não se diz...diz-se
Não se diz...diz-seNão se diz...diz-se
Não se diz...diz-se
 
29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente29 regras para escrever português corretamente
29 regras para escrever português corretamente
 
29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamente29 regras para escrever português correctamente
29 regras para escrever português correctamente
 
Sintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexicalSintaxe e semântica lexical
Sintaxe e semântica lexical
 

Último

Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 

Texto expositivo argumentativo

  • 1. O TEXTO EXPOSITIVO-ARGUMENTATIVO Se o resumo consiste em condensar um determinado texto, reduzindo-o ao fundamental, o texto expositivo-argumentativo utiliza o processo inverso: parte de uma afirmação e desenvolve-a. Um texto expositivo-argumentativo tem, pois, como objetivo apresentar, sobre um determinado assunto, um juízo próprio de uma forma clara e organizada. A clareza de um texto exposi tivo-argumentativo depende, em mui to, da forma como ele é estruturado. Assim, o texto deverá ser organizado em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. A introdução e a conclusão  devem ser constituídas pou um único parágrafo;  uma vez que são sínteses teóricas, não devem ter exemplos;  articulam-se entre si, já que a conclusão deve retomar a introdução. O desenvolvimento  articula-se com a introdução;  integra referências concretas alusivas ao tema;  veicula juízos próprios apoiados em exemplos. Nota ainda que:  deves ler, com muita atenção, o enunciado de forma a compreenderes claramente a tese aí formulada;  antes de redigires o teu texto, deves organizar a informação em forma de tópicos ou esquema;  durante a redação, deves identificar o tipo de relações lógicas existentes entre cada uma das partes do texto e entre as ideias que vais expor no desenvolvimento de modo a seleccionares os articuladores do discurso que vão evidenciar esses nexos.  convencionalmente, o tempo utilizado neste tipo de texto é o presente do indicativo;  não podes fugir ao limite de palavras indicado. COMO SE CONSTRÓI? I – ESTRUTURA DO TEXTO 1º Introdução → Parágrafo inicial no qual se apresenta a proposição (tese, opinião, declaração). → Deve ser apresentada de modo afirmativo, claro e bem definido, sem referir ainda quaisquer razões ou provas. 2º desenvolvimento → (dois ou mais parágrafos) → Anál i se/expl ici tação da proposição apresentada; apresentação dos argumentos que provam a verdade da proposição: factos, exemplos, citações, testemunhos, dados estatísticos. 3º Conclusão → Parágrafo final, retoma a tese que se procurou provar com a exposição dos argumentos. II – ESCOLHA E ORDENAÇÃO DOS ARGUMENTOS Para uma correta construção argumentativa, é fundamental a escolha dos argumentos que suportam a demonstração da verdade da tese.
  • 2. Eles devem ser pertinentes e coerentes, apresentados de forma lógica e articulada. Assim, deves:  encontrar os argumentos adequados;  recorrer, sempre que possível e desejavel, à exemplificação, à citação, à analogia, às relações causa-efeito.  organi zar os argumentos por ordem crescente de importância, do menos para o mais importante. III – ARTICULAÇÃO E PROGRESSÃO DO DISCURSO O texto deve apresentar-se como um todo coeso e articulado, através do estabelecimento de uma rede de relações lógicas entre as palavras, as f rases, os períodos e os parágrafos que o consti tuem. Deve, além di sso, recorrer a processos de substi tuição, usando palavras ou expressões no lugar de outras usadas anteriormente. Deve igualmente corresponder à construção de um raciocínio que se vai desenvolvendo gradualmente. Estas características são conseguidas através de correta uti l i zação e combinação dos elementos linguísticos do texto:  correta estruturação e ordenação das frases;  uso correto dos conectores do discurso;  respeito pelas regras de concordância;  uso adequado dos pronomes que evitam as repetições do nome;  utilização de um vocabulário variado, com recurso a sinónimos, antónimos, hiperónimos e hipónimos. A progressão e articulação do texto é conseguida, sobretudo, através do uso de conectores ou articuladores do discurso que vão fazendo progredir o texto de uma forma coerente e articulada. Articuladores do discurso Vimos que, para cumprir o seu objetivo, este texto deve apresentar-se como uma construção lógica, na qual o raciocínio é apresentado de forma progressiva e articulada. Para isso, é fundamental uma boa utilização dos articuladores ou conectores do discurso – advérbios, locuções adverbiais, conjunções, locuções conjuncionais e mesmo orações completivas. Articuladores do discurso Para reiterar, reafirmar retomando a questão, penso que, a meu ver, creio que, estou certo, em nosso entender Para concordar, provar, exprimir certeza efetivamente, com efeito, sem dúvida que, na verdade, de certo, com toda a certeza, evidentemente, é edidente que, obviamente, é óbvio que Para refutar, manifestar oposição, restringir ideias no entanto, mas, todavia, contudo, porém, apesar de, em sentido contrário, refutando, pelo contrário, ao contrário, por outro lado, com a ressalva de Para exemplificar por exemplo, como se pode ver, assim, tome-se como exemplo, é o caso de, é o que acontece com Para explicitar significa isto que, explicitando melhor, não se pretende com isto dizer, a saber, isto é, para concluir, finalmente, enfim, em conclusão, concluindo, para terminar, em suma, por conseguinte, por consequência Para estabelecer conexões de tempo então, após, depois, antes, anteriormente, em seguida, seguidamente, quando, até que, a princípio, por fim Para referenciar espaço aqui, ali, lá, acolá, naquele lugar, o lugar onde, ao lado de, à esquerda, à direita, ao centro, no meio, mais adiante Para indicar ordem em primeiro lugar, primeiramente, em segundo lugar, seguidamente, em seguida, começando por, antes de mais, por último, por fim Para estabelecer conexões de causa porque, visto que, dado que, uma vez que Para estabelecer conexões de consequência de tal modo que, de forma que, tanto que, por isso Para expressar condição, Se, a menos que, a não ser que, desde que, supondo que, se por hipótese,
  • 3. hipótese admitindo que, exceto se, se por acaso Para estabelecer conexões de fim para que, para, com o fim de, a fim de que, como intuito de Para estabelecer relações aditivas e, ora, e também, e ainda Para estabelecer relações disjuntivas ou, ou então, seja...seja, quer...quer Para expressar semelhança, comparação do mesmo modo, tal como, pelo mesmo motivo,pela mesma razão, igualmente, assim como Exemplos de textos expositivo-argumentativos O Papel da Televisão na Vida dos Jovens A televisão tem uma grande influência na formação pessoal e social das crianças e dos jovens. Funciona como um estímulo que condiciona os comportamentos, positiva ou negativamente. A televisão difunde programas educativos edificantes, tais como o Zig Zag, os documentários sobre Historia, Ciências, informação sobre aactualidade, divulgação de novos produtos… Todavia, a televisão exerce também uma influência negativa, ao exibir modelos, cujas características são inatingíveis pelas crianças e jovens em geral. As suas qualidades físicas são amplificadas, os defeitos esbatidos, criando-se a imagem do herói / heroína perfeitos. Esta construção produz sentimentos de insatisfação do eu consigo mesmo e de menosprezo pelo outro. A violência é outro aspeto negativo da televisão, em geral. As crianças/jovens tendem a imitar os comportamentos violentos dos heróis, o que pode colocar em risco a vida dos mesmos. O mesmo acontece com o visionamento de cenas de sexo. As crianças formam uma imagem destorcida da sua sexualidade, potenciando a prática precoce de sexo e suscitando distúrbios afetivos. Em jeito de conclusão, é legítimo que se imponha às estações detelevisão uma restrição de exibição de material violento ou desajustado à faixa etária nas suas grelhas de programação, dado que a exposição a este tipo de conteúdos é extremamente prejudicial no desenvolvimento das crianças e dos jovens, pois, tal como diz o povo, “violência só gera violência”. (Des) igualdade de géneros Vivemos num mundo onde, supostamente, nascemos todos iguais, temos todos os mesmos direitos e os mesmos deveres, onde ser homem ou mulher não deveria ser relevante na qualidade de vida de um ser humano. A verdade é que somos todos, em sociedade, algo culpados desta situação. No entanto, mais culpados são aqueles que se conformam. A sociedade hodierna é machista, é um facto. Experimentem ser mulher por um dia e tentar encontrar um emprego que lhes permita ter uma boa evolução na carreira e com uma remuneração justa. Não foi fácil, pois não? Agora tentem chegar à chefia de uma empresa ou, sejam mais ousados, de um país. Conseguiram? O mais provável é que não tenham conseguido. Não porque falharam, mas porque o vosso trabalho não foi reconhecido. Se conseguiram, aperceberam-se que uma mulher, só por este pormenor (ou será uma “pormaior”) da sua natureza tem de trabalhar o dobro (ou o triplo) do que um homem para ter a mesma promoção na carreira. Como já percebemos, apesar de ser extremamente difícil, há mulheres que atingem cargos de chefia na nossa sociedade. Porém, há outras que se conformam, que não lutam e ficam em casa, como “Devota (s) parideira (s)”, à espera do marido, para quem ser mulher é tratar da casa e ter filhos. Estas são as mesmas mulheres que ensinam aos filhos que um “homem não chora” e que o dever da mulher é obedecer ao marido, sem o questionar. Agora pergunto, em jeito de conclusão: com uma grande percentagem de pessoas com esta mentalidade consideramo-nos um país desenvolvido? A pergunta é retórica. Se tiveram dúvidas a responder, por favor, recomecem a ler o texto. Ana Koch