Uma análise econômica da Terceirização - Igor Morais - Presidente da FEE

651 visualizações

Publicada em

Uma análise econômica da Terceirização
Igor Morais - Presidente da FEE

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
651
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Template de capa
    Em coletivas, a capa deve conter o nome do Núcleo e do Centro realizador da pesquisa. A equipe é listada na página final.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • http://ogusmao.com/2015/04/21/mensurando-os-impactos-da-terceirizacao-uma-contribuicao-inicial/
    http://economia.estadao.com.br/blogs/descomplicador/entenda-a-lei-que-regulamenta-a-terceirizacao-no-pais/
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Margem de segurança:
    Todo texto, figuras, gráficos e tabelas não devem ultrapassar essa margem, a fim de tornar o layout mais limpo e compreensível.
  • Inserir Núcleo e Centro. Após, nome do apresentador e email. Por fim, nome da equipe (quando houver).
  • Uma análise econômica da Terceirização - Igor Morais - Presidente da FEE

    1. 1. www.fee.rs.gov.br Uma análise econômica da Terceirização Igor Morais Presidente
    2. 2. www.fee.rs.gov.br  O problema da terceirização  Conceito econômico  O que dizem os números?  Quais são as críticas?
    3. 3. www.fee.rs.gov.br  O problema da terceirização  Conceito econômico  O que dizem os números?  Quais são as críticas?
    4. 4. www.fee.rs.gov.br O problema do conceito econômico  O que diz a teoria econômica  Coase(1937) – The Nature of the Firm Decisão da firma Fazer dentro: “make” Fazer fora: “buy” Custos de transação Porque nem tudo é feito dentro da firma? Sempre que há redução de custos de transação, a decisão é fazer na firma.
    5. 5. www.fee.rs.gov.br O problema do conceito econômico  O que diz a teoria econômica  Coase(1937) – The Nature of the Firm Decisão da firma Fazer dentro: “make” Fazer fora: “buy” Custos de transação  Marketing e finanças: a empresa vai fazer isso dentro ou fora?  Planos de investimento: isso é make or buy?  Desenvolvimento de um produto: isso é make or buy?
    6. 6. www.fee.rs.gov.br O problema do conceito econômico  Franquia: a solução para monitorar os gerentes.  Gerente: monitora os funcionários.  Gerente na cidade 1 não monitora gerente na cidade 2  Franquia: subcontratação de gestão de lojas. Algumas franquias de R$ 500 mil a R$ 2 milhões
    7. 7. www.fee.rs.gov.br O problema do conceito econômico Atividade meio = ...acessória da principal ou não integra sua finalidade social e econômica. Contratar um trabalhador para instalar o cabo na casa do cliente, é atividade fim ou meio? Colher os grãos, é atividade fim ou meio? Empresas de telefonia alugam a antena. Isso é atividade fim ou meio? Qual é a atividade-fim da VALE: é produzir minério ou é produzir minério entregue na China? Qual é a atividade-fim das cervejarias? Produzir cerveja, ou produzir e vender cerveja em bares?
    8. 8. www.fee.rs.gov.br Além disso...  Embora haja uma lei que contemple a terceirização, não há:  Setor classificado como “terceirizado”  Uma CBO “trabalhador terceirizado”
    9. 9. www.fee.rs.gov.br
    10. 10. www.fee.rs.gov.br
    11. 11. www.fee.rs.gov.br
    12. 12. www.fee.rs.gov.br Além disso...  Embora haja uma lei que contemple a terceirização, não há:  Setor classificado como “terceirizado”  Uma CBO “trabalhador terceirizado” Fonte: CNI/Sondagem Especial – Julho de 2014
    13. 13. www.fee.rs.gov.br Além disso...  Embora haja uma lei que contemple a terceirização, não há:  Setor classificado como “terceirizado”  Uma CBO “trabalhador terceirizado” Fonte: CNI/Sondagem Especial – Julho de 2014 Conceito de terceirização aqui utilizado: CNAE x CBO = todos os trabalhadores que foram registrados em CBO de prestação de serviço específica e que atuavam na CNAE do setor de serviço específico*.
    14. 14. www.fee.rs.gov.br CBO 5173 Vigilantes e guardas de segurança CNAE 24 Setor de Metalurgia (ex. Gerdau) Não é terceirizado Terceirizado CNAE 80 Atividades de vigilância
    15. 15. www.fee.rs.gov.br  O problema da terceirização  Conceito econômico  O que dizem os números?  Quais são as críticas?
    16. 16. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO 582 mil vigilantes e guardas (=70% terceirizado) 387 mil porteiros e vigias (42%) 295 mil operadores de telemarketing (67%) 215 mil em manutenção de edifícios (13%) 192 mil fiscais e cobradores de transporte público (90%) 120 mil analistas de sist. Computacionais (45%)
    17. 17. www.fee.rs.gov.br 36% 46% 25% 23% 26% 28% 29% 32% 33% De 1 a 4 De 5 a 9 De 10 a 19 De 20 a 49 De 50 a 99 De 100 a 249 De 250 a 499 De 500 a 999 1000 ou Mais O que dizem os números? Percentual de terceirizados por porte de empresa  A terceirização é mais comum nas empresas de porte pequeno:  1-4 empregados (36% são terceirizados)  5-9 empregados (46% são terceirizados) 214 mil pessoas 124 mil pessoas 16% dos terceirizados 776 mil pessoas 305 mil vigilantes e guardas de segurança 238 mil operadores de telemarketing Praticamente apenas 2 profissões 137 mil porteiros e guardas; 70 mil atuam em manutenção de edificações
    18. 18. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO 1,38 milhão em manutenção de edificações (87% não-terceirizado) 864 mil em conservação de edifícios (93%) 191 mil manutenção de máq. Industriais (91%) 538 mil porteiros, guardas e vigias (58%) 153 mil montadores de equip. eletroeletrônico (96%)
    19. 19. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO  Mesmo podendo terceirizar determinados serviços, podemos ver que as empresas não o fazem!  70% das CBO’s não são terceirizadas  Insegurança jurídica?  Custos maiores com terceirização?  Qualidade do produto é melhor não terceirizando?  Ganha em competitividade mantendo o trabalhador?
    20. 20. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO  E porque as empresas terceirizam?  Reduzir custos trabalhistas?  Então a lei está resultando em distorções.  = a não terceirizar por insegurança jurídica.  Nesse sentido, a lei pode ajudar.
    21. 21. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Fonte: Sondagem/CNI. 85% assinalam redução de custo 88% das empresas acham que ganham tempo 74% dizem ter acesso a novas tecnologias 83% apontam qualidade do serviço
    22. 22. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO Pesquisa na área médica (87%) Técnicos de transp. Metro (82%) Pesquisa Ciências Sociais e humanas (75%) Camareiros, roupeiros e afins (72%) Montadores de máquinas pesadas e agrícolas (84%) Montadores de máquinas industriais (83%) Supervisão da montagem metalmecânica (82%) Montadores de aparelhos de linhas de montagem (79%) Algumas atividades são específicas nas capitais  58% dos trabalhadores terceirizados estão nas capitais Boa parte da terceirização no interior tem relação com a indústria  42% dos trabalhadores terceirizados estão no interior
    23. 23. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO Idade Média 36 anos 39 anos
    24. 24. www.fee.rs.gov.br 38 38 38 38 38 38 39 39 40 De 1 a 4 De 5 a 9 De 10 a 19 De 20 a 49 De 50 a 99 De 100 a 249 De 250 a 499 De 500 a 999 1000 ou Mais 42 41 38 36 36 36 36 37 34 De 1 a 4 De 5 a 9 De 10 a 19 De 20 a 49 De 50 a 99 De 100 a 249 De 250 a 499 De 500 a 999 1000 ou Mais O que dizem os números? Idade Média (anos) versus Porte da Empresa (empregados)  Há uma maior diferença de média de idade de acordo com o porte das empresas  A média de idade dos terceirizados é maior nas empresas de porte pequeno  Pode ser que, se não fosse a terceirização, essas pessoas mais velhas não teriam emprego  População brasileira está envelhecendo.... Terceirizados Não Terceirizados +3 anos +4 anos Fonte: RAIS/2013.
    25. 25. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO Idade Média 36 anos 39 anos Sexo Homens (73%) Homens (60%)
    26. 26. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Sexo x Porte da Empresa (empregados) Terceirizados (part. % das mulheres no emprego) Camareiros, roupeiros e afins (91%) Pesquisa na área médica (80%) Operadores de Telemarketing (76%) Pesquisa Ciências Sociais e humanas (65%) Montadores de máquinas pesadas e agrícolas (1%) Montadores de máquinas industriais (1%) Montadores de motores e bobinas (1%) Montadores de ventilação e refrigeração (1%) Mecânicos de man. de máq. pesadas e agrícolas (1%) No total, 27% dos terceirizados são mulheres Algumas atividades há maior participação das mulheres Fonte: RAIS/2013. 23% 14% 18% 23% 24% 23% 24% 25% 37% De 1 a 4 De 5 a 9 De 10 a 19 De 20 a 49 De 50 a 99 De 100 a 249 De 250 a 499 De 500 a 999 1000 ou Mais Pouca presença em atividades industriais
    27. 27. www.fee.rs.gov.br O que dizem os números? Terceirizado Não Terceirizado Total de trabalhadores 2,152 milhões 4,773 milhões Fonte: RAIS/2013. Sondagem/CNI. CNAE x CBO Idade Média 36 anos 39 anos Sexo Homens (73%) Homens (60%) Tempo no emprego (média) 43 meses 63 meses  É possível notar que há um tempo médio de emprego maior dentre aqueles que não foram terceirizados.
    28. 28. www.fee.rs.gov.br 76,1 72,1 50,3 37,8 32,8 34,6 39,1 43,3 35,4 De 1 a 4 De 5 a 9 De 10 a 19 De 20 a 49 De 50 a 99 De 100 a 249 De 250 a 499 De 500 a 999 1000 ou Mais 36,0 36,0 36,2 37,8 40,4 48,7 65,1 72,2 88,5 De 1 a 4 De 5 a 9 De 10 a 19 De 20 a 49 De 50 a 99 De 100 a 249 De 250 a 499 De 500 a 999 1000 ou Mais O que dizem os números? Tempo no Emprego (anos) x Porte da Empresa (empregados) Terceirizados Não Terceirizados  Os trabalhadores terceirizados que estão nas pequenas empresas ficam, em média, o dobro de meses empregados.  Isso é bom para a economia. O trabalhador ultrapassa tempos de crise empregado. Fonte: RAIS/2013.
    29. 29. www.fee.rs.gov.br  O problema da terceirização  Conceito econômico  O que dizem os números?  Quais são as críticas?
    30. 30. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirizado ganha menos1  Salárío médio por grupo  Terceirizado: R$ 1.667  Não terceirizado: R$ 1.769 Maiores diferenças salariais (terceirizado e não terceirizado)  Há muita assimetria na distribuição dos salários  Terceirizados  Maior: Diretor de P&D R$ 20 mil  Menor: Operador de telemarketing R$ 860  Há muita diferença entre algumas funções de terceirizados e não terceirizados Fonte: RAIS/2013. Diretores de serviços de informática 5.267R$ Diretor de P&D 3.641R$ Mec. De manut. Aeronáutica 2.254R$ Pesquisador em Biologia 2.096R$ Pesquisador em Agricultura 2.044R$ Técnico em transporte metroviário 1.681R$ Diretor de manutenção 1.528R$ Diferença média 102-R$ Técnico de apoio em P&D 1.075-R$ Técnico de montagem de máquinas 1.137-R$ Técnico em reparação de instrumentos de precisão 1.148-R$ Analistas de sistemas computacionais 1.352-R$ Gerente de P&D 1.456-R$ Serv. De montagem metalmecânica 1.916-R$ Engenheiro de computação 1.984-R$
    31. 31. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirizado ganha menos Salário de todos os terceirizados Salário de todos os Não terceirizados Média (T) Média (NT) Calcula a diferença Como é normalmente feita essa conta Essa metodologia está errada Precisamos levar em conta algumas diferenças • Características do trabalhador e setor de atuação: • Anos de estudo • Idade • Profissão • Sexo • Setor onde trabalha • Outras variáveis de controle: • Dias afastado do emprego • Tempo no emprego • Horas contratadas • Porte da empresa 1
    32. 32. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirizado ganha menos  Banco de Dados  RAIS  Região Sul  2008-2009  Painel – acompanha o trabalhador  Amostra: 432.838 trabalhadores  Setores:  Montagem  Segurança  Logística  TI  Limpeza  P&D  Telemarketing  Não significante  Do ponto de vista estatístico, não é possível afirmar que existe diferença de salários entre T e NT  Em montagem, logística, P&D e telemarketing os salários são estatisticamente iguais.  Onde há diferença de salário  Segurança: os terceiros ganham, em média, 3,8% a mais TI: os terceiros ganham, em média, 5,7% a mais Limpeza: os terceiros ganham, em média, 3,7% a menos. 1 Ocupação Diferencial de Salário Significância Montagem 0.2% Não Significante Segurança 3.8% Significante a 1% Logística -1.9% Não Significante TI 5.7% Significante a 1% Limpeza -3.7% Significante a 1% PeD 45.4% Não Significante Telemarketing 2.2% Não Significante Segurança 0.2% Não Significante
    33. 33. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirizado tem mais acidente de trabalho2 Como deve ser feita essa conta CNAE dos terceirizados CBO que trabalha nessas CNAE’s Acidente de trabalho nessa CBO Não há essa informação
    34. 34. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirizado tem mais acidente de trabalho Como pode ser feita essa conta CNAE dos terceirizados Acidente de trabalho nessa CNAE Note que estamos superestimando... Acidente de trabalho nessa CBO Essa informação existe X 2
    35. 35. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirizado tem mais acidente de trabalho Acidentes de Trabalho CAT - Registrados 2011 2012 2013 543.889 50.613 Total CNAE 546.222 52.244 Total CNAE 559.081 54.118 Total CNAE 9,3% 9,6% 9,7% Fonte: DATAPREV, CAT, SUB. 2
    36. 36. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirizado é precarizado = sem direitos3 INSS FGTS Previdência Privada Benefícios Telecomunicações 9.198R$ 3.240R$ 670R$ 9.893R$ Tecnologia da informação 5.421R$ 3.010R$ 603R$ 6.279R$ Serviços audiovisuais 8.277R$ 2.924R$ 380R$ 5.159R$ técnicos-profissionais 4.789R$ 1.724R$ 182R$ 3.483R$ Seleção, agenciamento e locação de mão-de-obra 3.131R$ 1.124R$ 50R$ 2.252R$ invest., vigilância, segurança, e transporte de valores 4.049R$ 1.374R$ 37R$ 2.914R$ para edificios e atividades paisagisticas 2.421R$ 891R$ 24R$ 2.147R$ de escritório e apoio administrativo 1.335R$ 996R$ 23R$ 2.774R$ Outros serviços prestados às empresas 2.374R$ 1.113R$ 60R$ 2.177R$ Manutenção e reparação de veículos automotores 417R$ 798R$ 14R$ 523R$ de equipamentos de informática e comunicação 2.219R$ 1.287R$ 87R$ 2.757R$ de objetos pessoais e domésticos 413R$ 675R$ 40R$ 378R$ Transporte ferroviário e metroviário 11.922R$ 3.729R$ 1.138R$ 10.558R$ rodoviário de passageiros 4.406R$ 1.407R$ 22R$ 2.974R$ rodoviário de cargas 2.999R$ 1.334R$ 60R$ 2.233R$ dutoviário 32.775R$ 11.354R$ 8.890R$ 10.596R$ aquaviário 14.337R$ 4.534R$ 434R$ 10.697R$ aéreo 15.735R$ 4.960R$ 606R$ 10.012R$ Armazenamento e atividades auxiliares aos transportes 4.996R$ 1.826R$ 381R$ 5.565R$ Correio e outras atividades de entregas 6.489R$ 2.204R$ 1.374R$ 11.100R$ R$ por trabalhador (2012) Fonte: PAS/IBGE
    37. 37. www.fee.rs.gov.br Quais são as críticas? Terceirização gera informalidade4  Suponha que seja verdade  Isso é culpa da terceirização ou da falta de fiscalização?  A lei não diz que a contratante é co-responsável?  A CLT garante a lei, mas não o seu cumprimento.  De nada adianta estar sob a tutela da CLT se não tivermos fiscalização.
    38. 38. www.fee.rs.gov.br  Terceirização e desenvolvimento:  Gera empobrecimento dos trabalhadores?  Piora a distribuição de renda?  Agride o meio ambiente?  Reduz a qualidade dos serviços e produtos? Faltam estatísticas para provar tudo isso. Se não há dados, podemos dizer exatamente o inverso. Quais são as críticas? Outras críticas5
    39. 39. www.fee.rs.gov.br  Sobre o conceito:  Seria muito importante que a lei fosse mais clara sobre as CNAE x CBO que são entendidas como terceirização. O conceito “atividade meio” e “atividade fim” é muito vago. Isso reduziria a insegurança jurídica. Considerações Finais  Sobre os números:  Há muito mais pessoas não terceirizadas nas atividades definidas do que terceirizadas: o que motiva isso?  Note que mesmo podendo, as empresas não fazem a terceirização.  Há diferenças importantes na terceirização no Brasil  Por idade x porte x tempo no emprego: desafio da população envelhecendo  precisamos estudar melhor esse fenômeno que deve resultar em mais atividades de serviço no futuro.  As atividades CBO de terceirização parecem atingir mais os homens  Cuidado com as críticas  Diferencial de salário  não se mostra significativo  Acidentes  não há estatísticas específicas
    40. 40. www.fee.rs.gov.br Anexo CNAE: Foram consideradas as seguintes CNAE’s para fins de setor de terceirização. 331, 332, 491, 492, 493, 494, 501, 502, 509, 511, 512, 513, 522, 523, 524, 525, 620, 721, 722, 801, 811, 812, 822, 829, 951, 952 e 970. CBO: Foram consideradas as seguintes CBO’s para fins de setor de terceirização. 1236, 1237, 1238, 1416, 1425, 1426, 1427, 2030, 2031, 2032, 2033, 2034, 2035, 2122, 2123, 2124, 2526, 3141, 3144, 3171, 3421, 3422, 3423, 3424, 3425, 3426, 3951, 4223, 5103, 5112, 5133, 5142, 5143, 5172, 5173, 5174, 7202, 7251, 7252, 7253, 7254, 7257, 7311, 7312,7313, 7321, 9101, 9111, 9112, 9113, 9131, 9141, 9151, 9153, 9192, 9193, 9501, 9503, 9511 e 9513.
    41. 41. www.fee.rs.gov.br Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Diretoria Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais Diretor Técnico: Martinho Roberto Lazzari Diretora Administrativa: Nóra Angela Gundlach Kraemer Rua Duque de Caxias, 1691 Centro Histórico, Porto Alegre CEP: 90010-283 (51) 3216.9000 Igor Morais Presidente FEE Assessoria Econômica Bruno Breyer Caldas Guilherme Stein Mariana Bartels Rodrigo de Sá Vanessa Neumann Sulzbach

    ×