<ul><li>COM O ADVENTO DO IMPÉRIO, REORGANIZOU-SE A ESTRUTURA POLÍTICA ROMANA, CONCENTRANDO-SE TODA A AUTORIDADE NA MÃO DO ...
NOTABILIZADO PELO LUXO E PELA DEVASSIDÃO DE SUA CORTE, E POR SUAS LOUCURAS E CRUELDADES, NERO NÃO É TIDO COMO UM CASO ISOL...
OS SUCESSORES DE OTÁVIO DESESTRUTURARAM O GOVERNO DESTRUINDO O MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA, FATOR DE RIQUEZA PARA O IMPÉRI...
AS  REFORMAS  REALIZADAS POR  DIOCLECIANO  CONTRIBUÍRAM PARA ADIAR O DECLÍNIO DE ROMA E CRIARAM AS BASES DO IMPÉRIO BIZANT...
EM 326, SENTINDO QUE ROMA SE TORNARA IMPRÓPRIA PARA CONTINUAR COMO SEDE DE UM IMPÉRIO TÃO VASTO, CONSTANTINO DEU INÍCIO À ...
TEODÓSIO O GOVERNO DO IMPERADOR ROMANO TEODÓSIO I O GRANDE, QUE CONSEGUIU DE FORMA TEMPORÁRIA A REUNIFICAÇÃO EFETIVA DO IM...
UMA QUESTÃO QUE OS HISTORIADORES NUNCA CONSEGUIRAM ESCLARECER DE TODO FOI A DA CAUSA DA DECADÊNCIA DE ROMA.  DECADÊNCIA DE...
FATORES INTERNOS: . O IMPERIALISMO ROMANO . AS GUERRAS CIVIS . A ASCENÇÃO DO CRISTIANISMO . A CRISE ECONÔMICA . A ECONOMIA...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Roma3 império

2.594 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.594
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Roma3 império

  1. 1. <ul><li>COM O ADVENTO DO IMPÉRIO, REORGANIZOU-SE A ESTRUTURA POLÍTICA ROMANA, CONCENTRANDO-SE TODA A AUTORIDADE NA MÃO DO IMPERADOR. </li></ul><ul><li>ESSE ÚLTIMO PERÍODO APRESENTA DUAS ETAPAS DISTINTAS: </li></ul><ul><li>O ALTO IMPÉRIO (SÉC. I a.C. A III d.C.) E O BAIXO IMPÉRIO (SÉC. III A V d.C.) </li></ul>ROMA TEVE UM GRANDE DESENVOLVIMENTO SEM PRECEDENTES DO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA E AS CONQUISTAS TERRITORIAIS, ALCANÇANDO RIQUEZA E PODER COMO NENHUMA OUTRA CIVILIZAÇÃO TEVE. OTÁVIO AUGUSTO , O PRIMEIRO IMPERADOR (27a.C. - 14 d.C.), PREOCUPOU-SE COM OBRAS PÚBLICAS, SENDO DESSA ÉPOCA MUITAS DAS MAGNÍFICAS CONSTRUÇÕES. IMPÉRIO
  2. 2. NOTABILIZADO PELO LUXO E PELA DEVASSIDÃO DE SUA CORTE, E POR SUAS LOUCURAS E CRUELDADES, NERO NÃO É TIDO COMO UM CASO ISOLADO PELOS HISTORIADORES. SUA CONDUTA ASSEMELHAVA-SE À DE BOA PARTE DA DECADENTE NOBREZA ESCRAVISTA DO IMPÉRIO, QUE GASTAVA SEUS DIAS, AO LADO DO POPULACHO DAS CIDADES, NOS SANGUINOLENTOS ESPETÁCULOS DOS CIRCOS ROMANOS. OS GASTOS SUNTUOSOS DE NERO GERARAM UM CONSTANTE AUMENTO DE IMPOSTOS E UMA CRISE NAS FINANÇAS DO ESTADO ROMANO. EM 65, EM MEIO A UMA CRESCENTE IMPOPULARIDADE, FOI ACUSADO PELO POVO DO INCÊNDIO QUE DESTRUIU DEZ DOS QUATORZE BAIRROS DE ROMA. NERO, QUE HAVIA APROVEITADO O INCÊNDIO PARA AUMENTAR A ÁREA DE SEU PALÁCIO, PROCUROU LIVRAR-SE DA ACUSAÇÃO, CULPANDO OS CRISTÃOS E ORDENANDO QUE FOSSEM PERSEGUIDOS E MORTOS. MAS A CONTINUAÇÃO DOS DESMANDOS DE NERO ACARRETOU O APARECIMENTO DE CONSPIRAÇÕES E LEVANTES CONTRA SEU GOVERNO; EM 68, DIANTE DE INÚMERAS REBELIÕES, AMEAÇADO DE SER DEPOSTO, O IMPERADOR SUICIDOU-SE, PONDO FIM À DINASTIA.
  3. 3. OS SUCESSORES DE OTÁVIO DESESTRUTURARAM O GOVERNO DESTRUINDO O MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA, FATOR DE RIQUEZA PARA O IMPÉRIO ALÉM DE FAVORECEREM O DESCONTROLE POLÍTICO COM VÁRIAS INTRIGAS PALACIANAS E AS CRISES SUCESSÓRIAS, FORAM FATORES DO FIM DO ALTO IMPÉRIO. NERO INICIA A PERSEGUIÇÃO CONTRA OS CRISTÃOS , POIS ELES NÃO ACEITAVAM O POLITEÍSMO NEM O CARÁTER DIVINO DO IMPERADOR. O PACIFISMO DO CRISTIANISMO CHOCOU-SE COM O MILITARISMO E O ESCRAVISMO IMPERIALISTA. <ul><li>COM A CHEGADA DO BAIXO IMPÉRIO ROMA FOI MARCADA PELA DECADÊNCIA. </li></ul><ul><li>MUITOS IMPERADORES PASSARAM POR ROMA NESTE PERÍODO, ALGUNS MERECEM DESTAQUE: </li></ul><ul><li>DIOCLECIANO </li></ul><ul><li>CONSTANTINO </li></ul><ul><li>TEODÓSIO </li></ul>
  4. 4. AS REFORMAS REALIZADAS POR DIOCLECIANO CONTRIBUÍRAM PARA ADIAR O DECLÍNIO DE ROMA E CRIARAM AS BASES DO IMPÉRIO BIZANTINO. DANDO INÍCIO ÀS REFORMAS QUE MARCARAM SEU GOVERNO, EM 286 DIOCLECIANO CRIOU O EDITO DE MÁXIMO QUE TABELAVA OS PREÇOS MÁXIMOS PARA PRODUTOS E SALÁRIOS. NÃO FUNCIONOU. FEZ A TETRARQUIA QUE DIVIDIU O GOVERNO DO IMPÉRIO ENTRE QUATRO PESSOAS PARA FACILITAR A ADMINISTRAÇÃO. DIOCLECIANO CONSTANTINO EM 25 DE JULHO DE 306, POUCO DEPOIS DA MORTE DE CONSTÂNCIO, AS LEGIÕES COMANDADAS POR CONSTANTINO ACLAMARAM-NO IMPERADOR. EM ROMA, O TÍTULO DE CONSTANTINO NÃO FOI RECONHECIDO: O SISTEMA DE GOVERNO INSTAURADO POR DIOCLECIANO NÃO ADMITIA A SUCESSÃO HEREDITÁRIA. NOS 30 ANOS EM QUE SE MANTEVE NO PODER, CONSTANTINO REALIZOU SUBSTANCIAIS REFORMAS:
  5. 5. EM 326, SENTINDO QUE ROMA SE TORNARA IMPRÓPRIA PARA CONTINUAR COMO SEDE DE UM IMPÉRIO TÃO VASTO, CONSTANTINO DEU INÍCIO À CONSTRUÇÃO DE CONSTANTINOPLA SOBRE O SÍTIO DA ANTIGA BIZÂNCIO, POSTERIORMENTE CHAMADA ISTAMBUL PELOS TURCOS, E INAUGUROU A NOVA CAPITAL EM 11 DE MAIO DE 330. CONSTANTINO PARECE TER SIDO PAGÃO. MAS, INDUZIDOS POR UMA VISÃO SOBRENATURAL, SEUS SOLDADOS PASSARAM A USAR NOS ESCUDOS O MONOGRAMA CRISTÃO. EM 313, CONSTANTINO RECONHECEU LEGALMENTE O CRISTIANISMO COMO RELIGIÃO PELO EDITO DE MILÃO E, NO MESMO ANO, PROMULGOU UMA LEI QUE PROTEGIA OS SACERDOTES CRISTÃOS CONTRA INJÚRIAS DOS HEREGES.
  6. 6. TEODÓSIO O GOVERNO DO IMPERADOR ROMANO TEODÓSIO I O GRANDE, QUE CONSEGUIU DE FORMA TEMPORÁRIA A REUNIFICAÇÃO EFETIVA DO IMPÉRIO, CONSTITUIU UM MOMENTO CRUCIAL NA CONSOLIDAÇÃO DA IGREJA CRISTÃ. COM O EDITO DE TESSALÔNICA ELE LEGALIZA O CRISTIANISMO COMO RELIGIÃO OFICIAL DO IMPÉRIO ROMANO. FEZ A UNIFICAÇÃO ENTRE O IMPÉRIO ROMANO DO ORIENTE E DO OCIDENTE . A INESPERADA MORTE DE TEODÓSIO EM MILÃO EM 17 DE JANEIRO DE 395 REPRESENTOU O FIM DE SEUS SONHOS DE RESTABELECER A UNIDADE DO IMPÉRIO, QUE LOGO SE VIU NOVAMENTE DIVIDIDO ENTRE ORIENTE E OCIDENTE. A INESPERADA MORTE DE TEODÓSIO EM MILÃO EM 17 DE JANEIRO DE 395 REPRESENTOU O FIM DE SEUS SONHOS DE RESTABELECER A UNIDADE DO IMPÉRIO, QUE LOGO SE VIU NOVAMENTE DIVIDIDO ENTRE ORIENTE E OCIDENTE.
  7. 7. UMA QUESTÃO QUE OS HISTORIADORES NUNCA CONSEGUIRAM ESCLARECER DE TODO FOI A DA CAUSA DA DECADÊNCIA DE ROMA. DECADÊNCIA DE ROMA
  8. 8. FATORES INTERNOS: . O IMPERIALISMO ROMANO . AS GUERRAS CIVIS . A ASCENÇÃO DO CRISTIANISMO . A CRISE ECONÔMICA . A ECONOMIA RURAL DE SUBSISTÊNCIA . A ANARQUIA MILITAR . A CRISE DO ESCRAVISMO . AS INVASÕES BÁRBARAS FATORES EXTERNOS: QUEDA DE ROMA . EM 476, OS HÉRULOS, INVADIRAM A CIDADE DE ROMA E DERRUBARAM O ÚLTIMO IMPERADOR ROMANO, RÔMULO AUGUSTO.

×