A república romana

3.320 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
87
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A república romana

  1. 1. A República Romana:
  2. 2. • A deposição de Tarquínio, o Soberbo, em 509 a.C., e o fim da monarquia foi uma reação da aristocracia. Iniciou-se a República e o monopólio do poder passou a ser dos patrícios, deixando os plebeus sem direitos. Contudo, os plebeus não se acomodaram e, ao longo de séculos, promoveram manifestações e reivindicações, de forma que a República romana, em seu apogeu e declínio, chegou a se aproximar da democracia ateniense, em que o poder se dividia entre o Senado, os magistrados e as assembléias.
  3. 3. • Os patrícios organizaram o governo republicano de forma que dominavam o poder político deixando os plebeus sem direitos, mas evitavam qualquer tentativa de volta à monarquia.• As instituições básicas da República eram o Senado, as Magistraturas e a Assembléia Centuriata.
  4. 4. O Senado:
  5. 5. • O Senado era o órgão principal de governo, composto pelos patrícios mais ilustres. Conduzia a política interna e externa. Escolhia os magistrados e controlava o tesouro público. Os senadores eram vitalícios, mas não hereditários.
  6. 6. • Os magistrados, escolhidos pelo Senado, eram referendados pela Assembléia Centuriata. Eram anuais (não podiam repetir a magistratura), de origem patrícia e nunca em número de apenas um para cada cargo.• Entre as magistraturas, o Consulado era a mais importante, com dois cônsules dotados de iguais poderes: dentro de Roma, o poder civil (potestas); fora de Roma, o poder militar (imperium). Assim, neutralizavam-se mutuamente, não havendo perigo de um deles assumir o poder absoluto.
  7. 7. • Em caso de crise interna ou externa excepcionalmente grave, os cônsules eram substituídos por um ditador. A ditadura era uma magistratura legal. Um só homem tinha poderes absolutos delegados pelo Senado, por um prazo máximo de seis meses, que não podia ser prorrogado.
  8. 8. • Outros magistrados completavam o quadro das magistraturas: Questores, arrecadadores de impostos; Pretores, incumbidos da justiça civil; Edis, que cuidavam das obras públicas; Pontífices, encarregados das cerimônias religiosas oficiais. Estas magistraturas existiam em 509 a.C. Depois surgiram os Censores, que faziam o recenseamento da população e vigiavam a moral pública, e os Tribunos da Plebe, representantes da plebe junto ao Senado.
  9. 9. Tibério e Caio Graco, tribunos da Plebe:
  10. 10. As conquistas da plebe na República Romana• O monopólio do poder pelos patrícios acarretou problemas para a plebe: constantes mobilizações para a guerra, impostos elevados, endividamento e escravidão por dívidas. Para os patrícios, a guerra trazia espólios em terras e escravos. Por isso a plebe começou a fazer reivindicações.
  11. 11. • Para forçar os patrícios às concessões, os plebeus fizeram greves e ameaçaram abandonar a cidade. Por esse meio, obtiveram várias concessões: os Tribunos da Plebe ‘494 a.C.); a Lei das Doze Tábuas (450 a.C.), que transformava as leis orais em escritas; a Lei Canuléia (445 a.C.), que autorizava o casamento entre Patrícios e Plebeus, até então proibido.
  12. 12. • Mais tarde, os plebeus obtiveram o direito de ocupar as magistraturas inferiores até chegar ao consulado e à ditadura. A Lei Licínia Sextia proibia a escravidão por dívidas; a Assembléia da Plebe (Comitium Plebis), enfim, escolhia os tribunos plebeus e discutia decisões senatoriais do interesse da plebe, votando o plebiscito.
  13. 13. A expansão da república romana
  14. 14. • As vitórias da plebe deram-lhe, praticamente, a igualdade política junto aos patrícios; mas isso ocorria nos meados do III século a.C. Nessa época, os romanos já haviam conquistado toda a Itália e estavam iniciando as Guerras Púnicas. Tais conquistas estavam mudando de tal maneira a economia, a sociedade e a vida política de Roma que o sentido da vitória política da plebe tomou-se praticamente nulo.
  15. 15. As Guerras púnicas:• Em sua expansão imperialista, Roma inicialmente venceu seus vizinhos mais próximos: sabinos, albanos, équos, samnitas. Depois conquistou as colônias gregas do Sul da Itália (Magna Grécia), batendo a cidade de Tarento. Começaram então as Guerras Púnicas, travadas contra Cartago. Na primeira guerra (264 - 241 a.C.), Roma anexou a Sicília; na segunda guerra (218 - 202 a.C.), Aníbal invadiu a Itália, mas foi vencido por Cipião, e Roma ocupou a Espanha e o norte da África, exceto o Reino da Numídia e Cartago;
  16. 16. Cartago:
  17. 17. • na terceira guerra (150 - 146 a.C.), Cipião Emiliano destruiu Cartago e escravizou seus habitantes. Estava dominado o Mediterrâneo Ocidental. A essa altura, Roma já encetara a conquista do Mediterrâneo Oriental: venceu, sucessivamente, a Macedônia, Grécia, Síria, Ásia Menor, Palestina e, finalmente, o Egito, em 30 a.C.
  18. 18. Ruínas de Cartago:
  19. 19. • O comércio interligava Roma às suas províncias em toda a orla do Mediterrâneo. As atividades agrícolas nas províncias foram estimuladas. Na própria Itália, contudo, a agricultura praticamente desapareceu. Os campos ficaram sem cultivo ou subocupados.
  20. 20. • Uma classe de comerciantes, banqueiros, cobradores de impostos (publicanos) surgiu, sendo denominados homens novos ou cavaleiros (equestres). Os patrícios dependentes da exploração fundiária empobreceram, passando a depender dos cargos públicos para manter seu nível social.
  21. 21. • A plebe, marginalizada pelo aumento do número de escravos, passou a ser sustentada pelos “homens novos” ou pelo Estado, que distribuíam trigo e proporcionavam espetáculos circenses gratuitamente. Frequentemente os plebeus serviam como agregados aos mais ricos em troca de proteção e alimentos, recebendo a denominação de clientes (neste caso, já com uma conotação diferente dos antigos clientes, que eram parentes afastados dos patrícios).
  22. 22. • Os escravos eram muitos e baratos, sendo considerados seres inferiores, apenas “instrumentos falantes”
  23. 23. As guerras civis e a crise da República Romana:
  24. 24. • As instituições políticas da República começaram a se desintegrar. Não mais se adequavam às novas condições de um império universal. A crise da República evidenciou- se durante as guerras civis, no fim das quais foi implantado o Império.
  25. 25. • As forças políticas que se defrontaram durante as guerras civis eram as seguintes: os patrícios, que procuravam manter a República e os seus privilégios; os cavaleiros, que almejavam o controle do poder político; os clientes, que serviam de instrumento na luta política; e o Exército que, reformado a partir de 105 a.C., tomou-se profissional, constituindo igualmente um instrumento político nas mãos dos generais.
  26. 26. • Os primeiros sinais da crise apareceram com a tentativa dos irmãos Gracos — Tibério e Caio — que pretendiam realizar uma reforma agrária a fim de libertar a plebe de seu estado de submissão. Foram abatidos pelos nobres e cavaleiros unidos.
  27. 27. Os irmãos Graco:
  28. 28. • Surgiram em seguida generais políticos, primeiro Mário e depois Sila; apoiados na plebe e no Exército, exerceram o poder de forma absoluta durante anos. Por volta de 60 a.C., César, Pompeu e Crasso formaram o Primeiro Triunvirato, impondo-o à aceitação do Senado.
  29. 29. Crasso:
  30. 30. Pompeu:
  31. 31. César:

×