Aula cardio icc anemia

416 visualizações

Publicada em

ICC E ANEMIA INCOMPLETA

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
416
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula cardio icc anemia

  1. 1. Anemia e Insuficiência cardíaca HSM Dimas Lacerda R1 Anestesiologia
  2. 2. Introdução ICC: -Prognóstico comparável a certos tipos de neoplasia(NYHA II 10%, III 20% IV 40%). -Consumo de 3% dos recursos gastos pelo SUS com internações. Desafio atual: -Melhorar o bem estar dos pacientes, diminuir o número de hospitalizações e a mortalidade
  3. 3. Introdução • Presença comum de anemia nos pacientes com ICC, determinando piora dos sintomas, da tolerância aos exercícios e da mortalidade. • Associação com DRC, produção de citocinas pró-inflamatórias, perdas sanguíneas, deficiência de ferro, desnutrição e sobrecarga de volume.
  4. 4. Aspectos gerais • Anemia(OMS): Hb< 13g/DL-H <12g/DL-M - A queda no Hb leva a uma diminuição da distribuição de oxigênio para os tecidos, entretando em indivíduos normais, a distribuição é 2 a 4 vezes a necessidade basal.
  5. 5. Aspectos gerais • Mecanismos cardiovasculares compensatórios na anemia: -Aumento do fluxo sanguíneo em repouso(diminuição da reserva coronariana e redistribuição do fluxo da região subendocárdica para a região subepicárdica do miocárdio)
  6. 6. Aspectos gerais • A presença de anemia também leva a: - Piora da hipóxia periférica, aumento do retorno venoso e do trabalho cardíaco, levando consequentemente a hipertrofia de ventriculo esquerdo -Estudo RENAISSANCE
  7. 7. Prevalência -Prevalência de anemia em pacientes com IC sistólica varia de 4-61%(mediana 18%) -4 a 23% nos pacientes ambulatoriais e podendo chegar a 70% em pacientes hospitalizados
  8. 8. Prevalência • Caracteristicas associadas a maior prevalência de anemia segundo estudos epidemiológicos: gênero feminino, idade avançada, raça negra, doença renal crônica, diabetes, menor peso, uso de IECA, pressão venosa jugular aumentada, presença de edema em MMII, grau de inflamação maior e doença avançada(NYHA).
  9. 9. Fisiopatologia • Múltiplos mecanismos
  10. 10. Fisiopatologia
  11. 11. Fisiopatologia • Hemodiluição: Estudo ANDRONE demonstrou que 46% dos pacientes com ICC e anemia estudados apresentavam volume eritrocitário dentro dos valores normais porém com um volume plasmático significantemente maior, quadro compatível com anemia dilucional. • Também demonstrado por Adlbrecht e colaboradores em outro estudo.
  12. 12. Fisiopatologia • Ferropenia: Decorrente a uma série de fatores, especialmente nos estágios mais avançados da doença; -Desnutrição -Má absorção secundária a edema de alças intestinais -Uso crônico de antiagregantes plaquetários -Gastrite urêmica levando a sangramento pelo TGI
  13. 13. Fisiopatoliga • Doença renal crônica: prevalência maior em pacientes com IC -menor sobrevida de hemácias -ferropenia -menor produção de eritropoetina
  14. 14. Fisiopatologia • Inflamação sistêmica: citocinas pró inflamatórias que -aprisionam o ferro -suprimem ação da EPO -diminuem a absorção de ferro nos enterócitos(hepcidina)
  15. 15. Fisiopatologia • Uso de IECA ou BRA: Por bloqueio da ação da angiotensina II , um estimulante natural à produção de EPO, e por estímulo a liberação de N-acetil-seril-aspartil-lisina um inibidor da proliferação dos eritrócitos. -Estudo SOLVD: uso de enalapril aumentou a razão de chance para incidência de anemia em 56%(também demonstrado por Terrovitis e colaboradores).
  16. 16. Fisiopatologia • Outros: disfunção da medula óssea em pacientes com IC. -Westerbrink e colaboradores.
  17. 17. Diagnóstico • A avaliação deve se iniciar com a repetição do hemograma para confirmação(variações transitórias nos níveis de Hb), exames para avaliar deficiência de ferro(ferritina, ferro, transferrina) assim como descartar outras causas(Vit B12, ác.fólico, função renal e tireoidiana). • Biópsia de medula reservada para casos graves sem causa definida
  18. 18. Repercussão clínica/Prognóstico • Vários estudos demonstraram a anemia como um fator independente para um pior desfecho clínico • Com o aumento da mortalidade variando entre 2 e 3% para cada redução de 1% no HTC. • Presença de anemia na IC também está associada a: pior capacidade física, pior função hemodinâmica, menor TGF, níveis de albumina menores, IMC menor e sintomas clinicos mais severos.
  19. 19. Tratamento • Dados apontam que o tratamento adequado da anemia pode ocasionar melhora da função ventricular, classe funcional, tolerância ao esforço e qualidade de vida. • O tratamento inicial sempre deve ser a otimização do tratamento para IC.
  20. 20. Discussão • Otomização do tratamento da IC como forma de evitar o aparecimento/agravamento da anemia, assim como o tratamento da anemia como forma de evitar a descompensação da insuficiência cardiaca. • Tratamento e controle da anemia propiciando uma melhor qualidade de vida e número de internações.
  21. 21. Bibliografia Patogênese da anemia em pacientes com insuficiência cardíaca : contribuição de mecanismos inflamatórios, peculiaridades do metabolismo do ferro e ação da eritropoetina; Weber, Cristiane Seganfredo. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós- Graduação em Medicina: Ciências Médicas.

×