SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Baixar para ler offline
UFMT 2021 2022
GENARO TUCO ZARATE - 518.100.772-49
Acessar Lista
Questão 1 Etiologias específicas Derrame pleural tuberculoso Exsudato X Transudato
A respeito da diferenciação entre transudatos e exsudatos para o correto manejo de pacientes com derrame pleural, analise
as afirmativas.
I. Os transudatos são, em sua maior parte, bilaterais; já os exsudatos se apresentam, na maioria das vezes, de forma
unilateral.
II. Os critérios de Light são parâmetros clínicos utilizados na diferenciação entre transudatos e exsudatos.
III. A etiologia mais frequente de derrame pleural do tipo transudato é a insuficiência renal.
IV. O derrame pleural secundário à tuberculose é normalmente do tipo exsudativo com valores de adenosina deaminase
acima de 40 UI/L.
Estão corretas as afirmativas
A I e IV, apenas.
B II e III, apenas.
C I, II e III, apenas.
D II, III e IV, apenas.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000186321
Questão 2 Anatomia e Fisiopatologia
As hemorroidas são estruturas vasculares normais no canal anal. Aproximadamente 5% da população geral é afetada por
sintomas relacionados à doença hemorroidária. Em relação à anatomia, características clínicas e siopatologia das
hemorroidas, é correto afirmar:
A A artéria retal inferior é ramo direto da artéria ilíaca interna e principal responsável pelo suprimento arterial para as
hemorroidas internas.
B A doença hemorroidária é caracterizada por dilatação anormal das veias do plexo hemorroidário
interno, distensão das anastomoses arteriovenosas, prolapso dos coxins anais e destruição do tecido conectivo
de ancoragem.
C O principal referencial anatômico para classificação das hemorroidas é a borda anal. As hemorroidas internas
estão acima e as externas abaixo da borda anal.
D A hemorroida de terceiro grau permanece sempre exteriorizada e irredutível, com ou sem sangramento, podendo
evoluir para isquemia, trombose ou gangrena.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000186320
Questão 3 Complicações Diverticulite do Lado Direito Fisiopatologia
A prevalência da diverticulose tem aumentado tanto no ocidente quanto em países que adotaram um estilo de vida mais
ocidental. A doença diverticular do cólon é uma causa importante de internações hospitalares. Vários fatores de estilo de
vida têm sido associados à doença diverticular. Sobre essa doença, analise as afirmativas a seguir.
I. Alta ingestão de carne vermelha, dieta pobre em bra alimentar e tabagismo estão associados ao risco de desenvolver
doença diverticular.
II. Ao contrário da diverticulite, que ocorre principalmente no cólon esquerdo, o sangramento diverticular ocorre
principalmente no cólon direito.
III. Existem evidências cientí cas robustas que apoiam o uso da mesalazina associado a probióticos para prevenir a
recorrência de episódios de diverticulite.
Está correto o que se afirma em
A I e II, apenas.
B I, apenas.
C II e III, apenas.
D I, II e III.
4000186319
Questão 4 Tipos histológicos Neoplasia pulmonar
O câncer de pulmão é o 3º responsável pelos óbitos de câncer em homens e o 4º em mulheres. Sobre esse tipo de câncer,
assinale a afirmativa correta.
A Aproximadamente 20% dos casos estão associados ao consumo de bebida alcoólica.
B É o câncer de maior prevalência nos pacientes do sexo feminino.
C Os tipos histológicos mais comuns são os carcinomas de não pequenas células (que incluem adenocarcinoma de
células escamosas e os carcinomas oat-cell).
D De acordo com o Tratado de Tumores Malignos (TNM), 8ª edição, o derrame pleural neoplásico passa a não ser
mais considerado metástase.
4000186318
Questão 5 Quadro Clínico e Indicações de Tomografia de Crânio Hematoma Extradural
Traumatismo Craniencefálico
Paciente do sexo masculino, 25 anos, encontra-se internado na Unidade de Tratamento Intensivo por traumatismo
cranioencefálico grave. A tomografia computadorizada de crânio encontra-se representada abaixo.
Considerando o diagnóstico radiológico, qual é a causa mais relacionada a essa alteração?
A Laceração do seio transverso da dura-máter junto ao seu trajeto lateral na base do crânio.
B Estiramento e ruptura de veias-ponte presentes na aracnoide.
C Extravasamento de sangue a partir de lacerações do parênquima cerebral.
D Ruptura da artéria meníngea média em seu trajeto junto à escama temporal.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000186317
Questão 6 Acidose metabólica
Paciente masculino, 35 anos, 70 Kg, vítima de acidente automobilístico, é admitido na unidade de pronto atendimento em
urgência e emergência, via SAMU, apresentando FC 125 bpm, PA 110/60 mmHg, FR 26 irpm, SatO2 91%, temp. axilar 35°C;
ansioso, porém responsivo, negou comorbidades, referiu última refeição há 4h e a carteira de identidade demonstra tipo
sanguíneo AB+. Apresenta fratura exposta em perna esquerda e ferimento penetrante na cavidade abdominal. Após
condutas necessárias realizadas, o paciente foi submetido à intubação orotraqueal (IOT) em sequência rápida e mantido sob
ventilação mecânica. Foi colhida a gasometria arterial que mostrou os seguintes resultados: pH 7,20; pCO₂ 35 mmHg;
HCO₃- 10 mmol/L BE -16 mmol/L; K+ 5.9 mEq/L; Hb 8g/dL; Hct 25%. Sem alterações evidenciadas na monitorização.
Foram transfundidas, inicialmente, duas unidades de concentrado de hemácias e três unidades de plasma fresco congelado.
Com base no caso, qual o distúrbio ácido básico apresentado?
A Acidose respiratória
B Alcalose metabólica
C Acidose metabólica
D Alcalose respiratória
4000186316
Questão 7 Ecocardiograma Risco Cirúrgico Hipertensão Arterial Sistêmica
Paciente masculino, 46 anos, tabagista, obeso, portador de diabetes mellitus insulinodependente compensado e
hipertensão arterial sistêmica controlada com inibidor da enzima conversora de angiotensina. Está programada a cirurgia de
colecistectomia aberta, razão pela qual é solicitada a avaliação pré-anestésica. Ao exame físico, constata-se presença de
barba volumosa, uso de prótese superior e inferior, micrognatia e Teste de Mallampati classi cação II. Revisão de sistemas
sem alterações e exames laboratoriais dentro da normalidade. Marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas.
( ) A última diretriz de avaliação cardiovascular perioperatória da Sociedade Brasileira de Cardiologia não recomenda a
suspensão dos inibidores da enzima conversora de angiotensina no perioperatório.
( ) O risco pertinente ao procedimento cirúrgico se refere à provável ocorrência de eventos cardiovasculares
perioperatório, independentemente do estado clínico do paciente. A colecistectomia aberta, portanto, é um procedimento
de baixo risco (<1%).
( ) A realização de ecocardiograma transtorácico é recomendada para todos os pacientes portadores de hipertensão
arterial sistêmica, pois oferece informações adicionais de risco, a exemplo da fração de ejeção, que interferem na escolha
das medicações anestésicas.
( ) Conforme a Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA), o paciente descrito é classi cado como ASA II, isto é,
aquele que apresenta doença sistêmica leve a moderada.
Assinale a sequência correta.
A V, V, V, F
B F, F, V, V
C V, F, F, V
D F, V, F, F
4000186315
Questão 8 Anestésicos Locais Potência Ação
Procedimentos com anestesia local são frequentes tanto no âmbito da atenção básica à saúde quanto das urgências e
emergências. Em relação aos anestésicos locais, analise as afirmativas a seguir.
I. Os anestésicos locais bloqueiam de forma reversível a transmissão de impulsos autônomos, sensoriais e motores, nessa
sequência e dependente da dose, devido à diferença na composição e diâmetro das fibras nervosas.
II. Cada anestésico local possui uma concentração mínima efetiva peculiar e necessária para bloquear a condução dos
impulsos nervosos, refletindo as diferentes potências de cada fármaco.
III. Nas doses recomendadas de bupivacaína (2-3 mg/Kg), a baixa toxicidade sistêmica relaciona-se à alta capacidade de
conjugação a proteínas plasmáticas, diminuindo a sua distribuição pelos tecidos corporais.
Está correto o que se afirma em
A I, apenas.
B I, II e III.
C I e II, apenas.
D II e III, apenas.
4000186314
Questão 9 Procedimentos à Beira Leito
Durante a técnica infraclavicular de punção da veia subclávia para realização de acesso venoso central, a ponta da agulha
deve ser posicionada na direção de qual estrutura?
A Fúrcula esternal
B Apêndice xifoide
C Mamilo contralateral
D Mamilo ipsilateral
4000186313
Questão 10 Manifestações Clínicas e Exame Físico
Paciente de 60 anos de idade, sexo masculino, procura o PA Adulto de Hospital Municipal com quadro há um dia de dor
abdominal, localizada em flanco direito, intermitente, tipo cólica, forte intensidade, associada a náuseas, vômitos e febre não
termometrada. O médico plantonista inicia o tratamento clínico com medicamentos sintomáticos, com pouca melhora, e faz
a hipótese diagnóstica de abdome agudo. Qual a principal hipótese etiológica dessa dor abdominal?
A Abscesso de psoas
B Diverticulite de Meckel
C Abscesso hepático
D Colecistite
4000186312
Questão 11 Clínica Médica
Homem, 31 anos, procurou atendimento médico pois notou nódulo em axila esquerda que vem aumentando de tamanho,
associado à fadiga, perda de peso e febre não aferida. Foi submetido à biópsia, em que foram visualizadas células gigantes,
multinucleadas, com nucléolos evidentes, compatíveis com células de ReedSternberg. Diante do quadro clínico e do
resultado da biópsia, qual a hipótese diagnóstica?
A Tuberculose ganglionar
B Linfoma de Hodgkin
C Linfoma não Hodgkin
D Micose fungoide
4000186311
Questão 12 Clínica Médica
Homem, 72 anos, com cirrose hepática, causada pelo vírus da hepatite C, vem em consulta no ambulatório de hepatologia
acompanhado pelo lho, apresentando icterícia ++/4+ e distensão abdominal por volumosa ascite não controlada por
paracentese. Filho refere que o pai tem apresentado quadros de confusão mental. Em relação à classi cação de Child Pugh,
quais exames são necessários para avaliar se o paciente tem indicação de transplante hepático?
A Bilirrubinas, ureia sérica e tempo de protrombina.
B Bilirrubinas, albumina sérica e tempo de protrombina.
C Bilirrubinas, ureia sérica e gamaglutamiltransferase.
D Bilirrubinas, albumina sérica e gamaglutamiltransferase.
4000186310
Questão 13 Clínica Médica
Mulher, 55 anos, chega ao pronto atendimento trazida pelo SAMU, torporosa, evoluindo com convulsão e coma. Ao
exame físico: PA= 90 x 50 mmHG, FC= 120 bpm, FR= 18 irpm, pulsos nos. Realizados exames laboratoriais com os
seguintes resultados: glicemia 1020 mg/dL, Na+ 125 mEq/L, K+ 3,5 mEq/L, ureia 150 mg/dL, creatinina 2,9 mg/dL, urina tipo
I com glicose 4+ e corpos cetônicos 1+, gasometria com pH 7,40, bicarbornato 20 mEq/L e Osmolaridade 360 mOsm/kg
água. Em relação ao quadro clínico-laboratorial, trata-se de
A estado hiperglicêmico hiperosmolar, causado pelo diabetes tipo II.
B cetoacidose diabética, causada pelo diabetes tipo I.
C uremia, devido à desidratação e insuficiência renal crônica.
D hiponatremia, devido à desidratação pelo diabetes tipo I.
4000186309
Questão 14 Clínica Médica
Homem, 65 anos, hipertenso e tabagista, vem ao ambulatório com queixa de dispneia progressiva há 8 anos. Apresenta
tosse crônica com expectoração clara e, neste último mês, evoluiu com dispneia aos pequenos esforços. Ao exame físico:
FR= 25 irpm, murmúrio vesicular diminuído difusamente, estase jugular, hepatomegalia 2 cm do rebordo costal direito e
edema +++/4+ nos membros inferiores. Demais dados do exame físico sem alterações. Os achados do exame clínico
correspondem à doença pulmonar obstrutiva crônica com
A falência de ventrículo esquerdo e insuficiência cardíaca congestiva.
B hipertensão arterial, evoluindo para insuficiência cardíaca congestiva.
C quadro de exacerbação aguda, evoluindo para insuficiência respiratória.
D hipertensão pulmonar, insuficiência cardíaca direita e cor pulmonale.
4000186308
Questão 15 Clínica Médica
Mulher, 60 anos, em acompanhamento há 15 anos de artrite reumatoide, apresentando deformidades em mãos, retorna ao
ambulatório com raio X de mãos e punhos com as seguintes alterações radiológicas: hiperextensão das articulações
interfalangeanas proximais e exão das articulações interfalangeanas distais. Esses achados correspondem à deformidade
em
A dedos em fuso.
B dedos em botoeira.
C pescoço de cisne.
D dedos em martelo.
4000186307
Questão 16 Clínica Médica
Homem, 28 anos, admitido na emergência com história de oligúria, urina escura, mialgia generalizada, náuseas e vômitos.
Tabagista (20 maços/ano) e usuário de cocaína há 5 anos, cerca de 4 vezes por semana. Nega uso de drogas injetáveis.
Refere uso de cocaína inalatória ontem. Exame físico: orientado, desidratado ++/4+, FC= 110 bpm, FR= 20 irpm, PA=
150x100 mmHg, Temp. axilar 36,8° C. Dor à palpação da musculatura difusamente em membros inferiores e avaliação da
força muscular limitada pela dor. Demais achados do exame físico sem alterações. Em relação ao quadro clínico do
paciente, qual a hipótese diagnóstica?
A Insuficiência renal aguda por rabdomiólise
B Nefrite intersticial aguda
C Glomerulonefrite difusa aguda
D Vasculite imune de grandes vasos
4000186306
Questão 17 Clínica Médica
Homem, 37 anos, agricultor, procedente de Belém do Pará, vem à consulta com queixa de febre há 30 dias, não
mensurada, episódios de náuseas e vômitos. Nos primeiros 15 dias, a febre era diária seguida de calafrios. Após esse
período, a febre surgia a cada 2 dias, com início abrupto seguido por calafrios e sudorese intensa. Fez uso de dipirona 1g.
Nega doenças prévias. Ao exame físico: REG, mucosas hipocoradas ++/4+, PA= 120 x 80 mmHg, FC= 99 bpm, FR= 18
irpm, temp. axilar 39° C, Peso = 70 kg. Abdome globoso, fígado palpável 2 cm do rebordo costal direito e baço palpável 3
cm do rebordo costal esquerdo. Demais dados do exame físico sem alterações. Foi realizada hematoscopia do sangue
periférico com presença de Plasmodium vivax em hemácias. Qual tratamento deve ser prescrito ao paciente?
A Cloroquina 7 dias e primaquina 3 dias, dose única, após as refeições.
B Cloroquina 3 dias e primaquina 7 dias, dose única, após as refeições.
C Arteméter 3 dias e lumefantrina 5 dias, de 12/12 horas, em jejum.
D Artesunato+mefloquina 3 dias e primaquina 14 dias, dose única, após as refeições.
4000186305
Questão 18 Clínica Médica
João, 65 anos, veio à consulta ambulatorial trazido pela lha, que queixa estar envergonhada com a mudança de
comportamento do seu pai. Há cerca de 4 meses, começou a dizer frases de cunho sexual para a funcionária doméstica da
casa, tem falado palavras de baixo calão para pessoas desconhecidas. Refere ainda que não pode deixar restos de comida
na mesa, que come tudo, principalmente se for doce e só toma banho se for à noite, caso contrário ca extremamente
irritado. O quadro clínico e comportamental do João corresponde à demência
A de corpos de Lewy.
B frontotemporal.
C de Alzheimer.
D de Parkinson.
4000186304
Questão 19 Clínica Médica
Feminino, 30 anos, vem ao ambulatório com queixa de fraqueza inicialmente em membros inferiores há 3 dias, evoluindo
com piora da força muscular em membros superiores há 2 dias. Refere um quadro diarreico há 2 semanas antes do início
dos sintomas atuais. Nega disfagia, diplopia, perda de controle es ncteriano, sem nível sensitivo. Nega comorbidades ou
história familiar de doença neurológica. Qual o manejo correto desta paciente?
A Acompanhamento ambulatorial, pois se trata de miastenia gravis, devendo ser realizada coleta de líquor e
prescrita prednisona.
B Internação hospitalar, pois se trata de uma crise miastênica, devendo ser realizada eletroneuromiografia e
prescrita imunoglobulina humana.
C Internação hospitalar, pois se trata de uma síndrome de Guillain Barré, devendo ser realizada coleta de líquor e
prescrita imunoglobulina humana.
D Acompanhamento ambulatorial, pois se trata de uma síndrome de Guillain Barré, devendo ser realizada coleta de
líquor e prescrita prednisona.
4000186303
Questão 20 Clínica Médica
A maior causa de morte no Brasil e no mundo é de origem cardiovascular, que corresponde a cerca de 30% de todas as
causas, sendo a insu ciência cardíaca a grande responsável pela maior parte desses óbitos. Há diversas medicações que se
mostram e cientes na redução da mortalidade. Nesse contexto, assinale o fármaco que possui efeito bené co na redução
da mortalidade cardíaca.
A Atenolol
B Digoxina
C Furosemida
D Dapagliflozina
4000186302
Questão 21 Tratamento
Nuligesta, 26 anos, vem tentando engravidar há 4 anos, sem sucesso. Queixa-se de dispareunia profunda e dor pélvica,
informando que a dor piora bastante no período menstrual. Ao toque vaginal, observa-se útero retrovertido, xo, sensível ao
toque e à presença de nodulações no ligamento útero-sacral. Após avaliar exames complementares, o médico indica uma
videolaparoscopia com biópsia, chegando ao diagnóstico nal. Ao receber explicações sobre as opções de tratamento, a
paciente opta pelo uso de um implante liberador de etonogestrel e 6 meses depois, na consulta de retorno, relata alívio
significativo do quadro álgico. A melhora da sintomatologia ocorreu porque o medicamento escolhido
A agiu no hipotálamo, bloqueando a síntese de gonadotrofinas.
B inibiu de forma não seletiva as enzimas COX-1 e COX-2.
C provocou a degradação enzimática das aderências na pelve.
D promoveu atrofia dos focos de tecido endometrial ectópico.
4000186301
Questão 22 Causas estruturais PALM Pólipos uterinos
Mulher de 47 anos, G2 PC2 A0, procura ginecologista queixando-se de sangramento menstrual prolongado. Relata que suas
menstruações duravam em média 4-5 dias, mas nos últimos 6 meses o sangramento vem se prolongando por até 10 dias.
Informa que realizou laqueadura tubária há 13 anos e desde então não faz uso de contraceptivos hormonais. Nega
comorbidades. Após realização de exame físico e avaliação dos exames complementares, o médico conclui que a causa
do sangramento anormal é de ordem estrutural. Qual achado é compatível com o caso descrito?
A Distúrbio de coagulação
B Cisto folicular de ovário
C Pólipo endometrial
D Síndrome dos ovários policísticos
4000186300
Questão 23 DIU liberador de levonorgestrel Contraindicações
Mulher casada, G2 P2 A0, 38 anos, tabagista 1 maço/dia, dislipidêmica e hipertensa, teve o último parto há 4 anos. Faz uso
regular de sinvastatina 20 mg/dia e losartana 50 mg/dia, mantendo PA em níveis adequados. Informa fazer uso de Ciclo 21
(contraceptivo oral combinado) sem intervalo entre as cartelas, pois não deseja menstruar, estando bem adaptada ao
método. Exame físico sem anormalidades, exceto por IMC = 38 Kg/m². Em relação à contracepção, qual a opção correta
para essa paciente?
A Recomendar sistema intrauterino liberador de levonorgestrel.
B Manter contraceptivo oral combinado.
C Oferecer dispositivo intrauterino de cobre.
D Indicar laqueadura tubária.
4000186299
Questão 24 Síndrome de Rokitansky
Paciente do sexo feminino, 16 anos, vem para consulta ginecológica acompanhada pela mãe. Relata que nunca menstruou e
nega atividade sexual. Sem outras queixas ou afecções clínicas, apresenta ao exame clínico peso 55 kg, estatura 1,63 m,
fácies atípica, Tanner M4P5, abdome sem visceromegalias, indolor à palpação. Ao exame ginecológico, vulva com
anatomia típica, com pili cação normal, hímem anular integro, vaginometria com cotonete = 2 cm. Não foi realizado exame
ginecológico com espéculo. Diante desses dados, qual a principal hipótese diagnóstica e conduta adequada para
investigação?
A Atraso constitucional da puberdade; reavaliar clinicamente em 6 a 12 meses.
B Adrenarca isolada por hiperplasia congênita da suprarrenal; dosar 17-hidroxiprogesterona.
C Síndrome dos ovários policísticos; descartar outras causas de hiperandrogenismo.
D Amenorreia primária por síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser; solicitar USG pélvica.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000186298
Questão 25 Mamografia Quadro clínico Ultrassonografia
Mulher, 40 anos, lactante em aleitamento materno exclusivo há 2 meses, relata ter identi cado há 3 meses, durante
autoexame, um “caroço” na mama esquerda. Nega comorbidades ou doenças importantes no histórico familiar. Informa que
nunca fez exame de mamogra a. Ao exame físico, presença de nodulação endurecida com cerca de 3 cm em QSL da
mama esquerda. Na axila, não foram palpados linfonodos suspeitos. Qual a conduta correta para esse caso?
A Aguardar a suspensão do aleitamento, pois a arquitetura mamária se modifica nessa fase, dificultando
o diagnóstico por imagem.
B Indicar biópsia por core biopsy, pois, após os 40 anos de idade, todo nódulo de mama deve ser investigado com
exame anatomopatológico.
C Solicitar ultrassom de mama e mamografia, pois todo nódulo persistente em mulheres com mais de 30 anos
necessita investigação.
D Proceder à exérese do nódulo por cirurgia, com pesquisa de linfonodo sentinela para avaliar a necessidade de
ampliação das margens.
4000186297
Questão 26 Fases do ciclo menstrual Ações do estrogênio e progesterona em outros órgãos Ciclo menstrual
Mulher, 23 anos, sem uso de contraceptivos há 3 meses, apresenta ciclos menstruais regulares com 28 dias de intervalo.
Para detectar seu período fértil, ela vem observando as modi cações siológicas de suasecreção vaginal. Há 1 semana
notou a presença de muco abundante e lante, mas hoje a secreção está mais escassa e viscosa. Qual o per l das
gonadotrofinas encontrado hoje?
A Ascensão constante desde o início do ciclo
B Queda em relação ao início do ciclo
C Secreção estável desde o início do ciclo
D Queda em relação ao meio do ciclo
Essa questão possui comentário do professor no site 4000186296
Questão 27 Conduta inicial na RPM Conduta na RPM entre 24 a 33 67 semanas
Multípara, 38 anos, com 29 semanas de gestação, relata 3 episódios de perda de líquido por via vaginal nas últimas 24 horas.
Nega contrações ou queixas urinárias e relata boa movimentação fetal. PA 120x70 mmHg, FC 78 bpm, Tax 36,6 ºC, AU 25
cm, BCF 128 bpm, dinâmica uterina ausente. Ao exame especular, colo com orifício em fenda, sem evidência de
sangramento ou saída de líquido pelo orifício externo do colo mesmo após manobra de Valsalva. Toque não realizado. O
teste de cristalização do muco cervical evidenciou aspecto em “folha de samambaia” e o teste com ta reagente
evidenciou pH vaginal alcalino, acima de 6,5. Perante as evidências descritas, qual a recomendação para o caso?
A Internar, solicitar exames laboratoriais e de avaliação da vitalidade fetal; na ausência de sinais de infecção e/ou
sofrimento fetal, indicar conduta expectante.
B Solicitar exames laboratoriais e cardiotocografia; na ausência de sinais de sofrimento fetal ou infecção materna,
internar e prescrever misoprostol para indução do parto vaginal.
C Liberar a paciente com solicitação de ultrassonografia obstétrica para confirmar a ausência de amniorrexe,
orientar retorno imediato caso ocorra novo episódio de perda de líquido ou dor.
D Solicitar realização ambulatorial de EAS, urocultura e ultrassonografia obstétrica, orientando retorno assim que os
exames estiverem prontos.
4000186295
Questão 28 Indicações e contraindicações
Paciente, G2 PN1 A0, 23 anos, IG 40 semanas e 4 dias, sem comorbidades e sem queixas, apresenta-se para avaliação de
vitalidade fetal. PA 120 x 80 mmHg, FC 71 bpm e altura uterina 38 cm. Ao toque vaginal: colo posterior, médio, 40%
apagado, dilatado 1 cm, apresentação cefálica no plano - 2 de De Lee. A gestante é direcionada para realização de per l
biofísico fetal que revela índice de líquido amniótico de 4,3 cm, com tônus preservado, movimentos fetais e respiratórios
presentes. A cardiotocografia está representada abaixo.
Qual a conduta obstétrica?
A Internar para realização de parto cesáreo.
B Maturação do colo com prostaglandina vaginal.
C Reavaliar vitalidade fetal com 41 semanas.
D Indução do parto com ocitocina em bomba de infusão.
4000186294
Questão 29 Conduta obstétrica Préeclâmpsia com sinais de gravidade Tratamento farmacológico
Primigesta, 17 anos, sem pré-natal, com 33 semanas e 2 dias de gestação, procura maternidade, apresentando cefaleia
intensa, náusea e edema de membros inferiores há 3 dias. Hoje, queixa-se de cefaleia occipital, vômitos, turvação visual e
epigastralgia. Ao exame físico: PA 180 x 110 mmHg, dinâmica uterina ausente, tônus uterino normal, BCF 124 bpm. Ao toque
vaginal, colo grosso, posterior, impérvio, sem perdas por via vaginal. A conduta correta para essa situação é:
A Solicitar exames laboratoriais, iniciar corticoterapia e prescrever sulfato de magnésio endovenoso. Indicar
indução do parto vaginal com misoprostol.
B Realizar acompanhamento ambulatorial diário, solicitando mapa pressórico. Iniciar corticoterapia e prescrever uso
regular de metildopa e nifedipina.
C Prescrever hidralazina endovenosa e gluconato de cálcio. Solicitar exames laboratoriais e indicar interrupção da
gravidez em caso de persistência da hipertensão.
D Internar para estabilização materna, solicitar exames laboratoriais e avaliar a vitalidade fetal. Prescrever hidralazina
endovenosa e sulfato de magnésio.
4000186293
Questão 30 Dieta Conduta Diagnóstico
Mulher, 21 anos, G2 PN1 A0, IG: 29 semanas, sem comorbidades referidas, IMC 27 Kg/m², retorna para consulta com o
resultado de curva glicêmica (TOTG 75 gramas) jejum 93 mg/dL; 1ª hora 164 mg/dL; 2ª hora 151 mg/dL. De acordo com os
critérios recomendados pelo Ministério da Saúde (2016) para o diagnóstico de diabetes mellitus na gestação, qual a
conclusão a respeito desse caso?
A A paciente apresenta exame compatível com diabetes mellitus gestacional. Recomenda-se mudança de hábitos
de vida com dieta e exercícios físicos.
B Os dados apresentados são compatíveis com diabetes mellitus prévio à gestação. Deve-se iniciar
dieta, exercícios físicos e insulina NPH.
C O diagnóstico é de pré-diabetes, pois apenas um dos valores da curva glicêmica está alterado. Recomenda-se
repetir TOTG 75 em 4 semanas.
D A curva glicêmica descrita apresenta valores normais. O médico deve tranquilizar a paciente e
orientar seguimento pré-natal habitual.
4000186292
Questão 31 Aspectos Clínicos Quadro clínico e Diagnóstico Doença de Kawasaki
Lactente, masculino, 18 meses de idade, previamente hígido, foi levado à UPA com história de febre alta (39,2ºC), iniciada
há 3 dias, acompanhada de tosse seca, rinorreia e congestão ocular não exudativa. Vacinas em dia. Ao exame, apenas
hiperemia de orofaringe e membranas timpânicas. O médico solicitou Rx de tórax, com resultado normal. Liberou a criança
para casa com Paracetamol, soro siológico para as narinas e higiene ocular, medicação que já costumava utilizar na
criança. Paciente não apresentou melhora, persistindo com o quadro. Após 2 dias, evoluiu com dor abdominal difusa,
diarreia (fezes semilíquidas 5x/dia, amareladas, sem muco, pus ou sangue, odor incaracterístico), hiperemia difusa em face,
tronco e membros, edema em face, mãos e pés, eritema de mucosa oral e ssuras labiais. Retornou à UPA sendo atendido
por outro pro ssional. Ao exame: REG, febril (Tax: 39ºC) taquicárdico, hiperemia ocular bilateral, anictérico e acianótico.
Otoscopia mostrou hiperemia. Orofaringe com hiperemia e língua em framboesa. Pescoço com linfonodos palpáveis à
direita, sendo o maior com 1,5 cm de diâmetro e sem sinais ogísticos. AR: MV siológico, sem ruídos adventícios. ACV:
RCR, 2t, sem sopros. Tempo de enchimento capilar menor que 3 segundos. Abdome plano, simétrico, sem dor à palpação
profunda e sem visceromegalias. Genitália masculina sem alteração. SN sem sinais meníngeos. Pele com exantema difuso
polimorfo, indolor e não pruriginoso e sinal de Nikolsky negativo. Qual a principal hipótese diagnóstica?
A Doença de Kawasaki
B Escarlatina
C Sarampo
D Toxoplasmose
4000186291
Questão 32 Diagnóstico Sinais e sintomas
Gestante dá entrada na maternidade do Hospital Universitário em trabalho de parto. Deu à luz a RN nascido masculino, parto
vaginal e Apgar 8 e 9. Peso 2.480 g, 45 cm e PC 33 cm. Ao exame, apresentou, ao nascimento, características de
crescimento intrauterino restrito (CIUR) e hepatoesplenomegalia. Mãe primigesta fez apenas duas consultas com 2 meses
de gestação. Mora em fazenda no interior do estado. No alojamento conjunto, o RN evoluiu com icterícia tardia, sem
incompatibilidade sanguínea, com aumento de bilirrubina direta e provas de função hepática alteradas. Foram solicitados
exames para investigação: hemograma, sorologias materna e do RN para doenças de transmissão vertical, prova de função
hepática, tomografia craniana, US transfontanela e avaliação oftalmológica. Disponíveis até agora os seguintes resultados:
I. A tomogra a de crânio, assim como o ultrassom transfontanela, evidenciou atro a cortical,calci cações intracranianas
difusas e hidrocefalia.
II. A avaliação oftalmológica mostrou sinais de coriorretinite em atividade.
Qual a principal hipótese diagnóstica dessa doença congênita?
A Rubéola
B Sífilis
C Toxoplasmose
D Citomegalovírus
4000186290
Questão 33 Enurese Noturna Classificação quanto à evolução Definição
Menino de 4 anos comparece à consulta com o médico da UESF acompanhado pela mãe, a qual relata que ele urina na
cama quase toda noite durante o sono, desde que tentou tirar da fralda aos 2 anos. Refere, ainda, que durante o dia ca sem
fralda e urina bem, jato forte, sem disúria e alteração na cor ou cheiro da urina. Nega constipação intestinal e diarreia.
Aleitamento materno exclusivo até os 6 meses. Atualmente consome a mesma dieta da família. Caderneta de vacinas em
dia. Nega doenças e uso de medicação. Ao exame: criança em BEG, afebril, corado, anictérica, acianótica. Otoscopia e
orofaringe sem alteração. AR: Murmúrio vesicular siológico, simétrico, sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros.
Boa perfusão periférica. Abdome: plano, simétrico, indolor, sem visceromegalias. RHA normoativos. Genitália
masculina: pênis bem formado, prepúcio retrai e expõe a glande, meato uretral bem posicionado, sem hiperemia, testículos
tópicos. SN: sem sinais meníngeos. Pele: sem lesões. Foram solicitados exames da urina: EAS e Urocultura do jato médio,
que se apresentam normais. Qual a principal hipótese diagnóstica?
A Enurese noturna secundária não monossintomática
B Enurese noturna primária monossintomática
C Enurese noturna secundária monossintomática
D Perda urinária ainda considerada fisiológica
4000186289
Questão 34 Anemia Fisiológica
Paciente, sexo masculino, 2 meses e 10 dias de vida, veio encaminhado ao ambulatório de pediatria geral do Hospital
Universitário acompanhado da mãe, com história de que a cirurgia de hérnia inguinal foi suspensa devido à anemia da criança.
Veio para investigação e tratamento. História Fisiológica: Parto normal, de termo, sem intercorrência e clampeamento tardio
do cordão. Peso de 3.300 g, comprimento de 49 cm, PC de 34 cm e Apgar 9 e 10. Nega icterícia neonatal. Alimentação no
seio materno exclusivo. Mãe primípara, 22 anos e fez pré-natal sem intercorrências. Nega doenças na família. Mãe A+ e RN
O+ e VDRL negativo para ambos. Peso atual de 5.600 g, comprimento de 58 cm, e PC de 39 cm. Exame físico: BEG,
afebril, hipocorada (++/4+), anictérica, acianótica, ativa e reativa. Cabeça e pescoço sem alteração. AR: MVF sem ruídos
adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros e tempo de enchimento capilar <3 segundos. Abdome semigloboso, simétrico, sem
visceromegalias e RHA +. SN: sem sinais meníngeos. Genitália masculina sem alteração. Pele sem lesões. Foram solicitados
os seguintes exames: hemograma: Hb: 9g/dL, Ht: 28%, hemáceas normocrômicas e normocíticas. Contagem de
reticulócitos normal. Esfregaço de sangue periférico normal. Qual a principal hipótese diagnóstica?
A Anemia de Fanconi
B Anemia fisiológica
C Anemia falciforme
D Anemia ferropriva
4000186288
Questão 35 Calendário infantil
Mãe leva sua lha de 2 anos e 10 meses de idade na Unidade Básica de Saúde para consulta de puericultura, previamente
agendada pela Agente Comunitária de Saúde que, na visita domiciliar realizada, constatou, por meio do cartão da criança,
atraso vacinal. Apresentava esquema vacinal completo até um ano de idade. A mãe justi cou o atraso por conta dos
inúmeros cuidados que precisa prestar ao marido, pois ele é cardíaco e diabético. O médico disse que a criança estava bem
e não tinha contraindicação para ser vacinada, sendo orientada a procurar o setor de imunizações com a nalidade de
atualização. Qual a melhor conduta para atualizar a caderneta de vacinas da criança, segundo o PNI-MS?
A Aplicar agora a DPTa, Hepatite B, VOP, Tetraviral (S,R,C,V).
B Aplicar agora a Triplice viral (S,R,C), Meningo C, Pneumo 10 e Hepatite A.
C Aplicar agora a VOP e DPT, esperar 15-30 dias para administrar Tetraviral (S,R,C,V).
D Aplicar agora a Tetraviral (S,R,C,V), hepatite A, VOP e DPT.
4000186287
Questão 36 Febre de origem indeterminada FOI Definições e Fisiopatologia
Lactente masculino, 3 meses, previamente hígido, foi levado à UPA com queixa de febre de 38,5ºC, de início há 3 dias,
acompanhado de tosse seca, coriza hialina e espirros. A mãe usou Paracetamol, 5 gotas e soro siológico nas narinas. Hoje
relatou também quadro de diarreia 5 vezes ao dia, com fezes semilíquidas, amareladas, sem muco ou sangue e odor
incaracterístico. Antes evacuava 2-3 vezes/dia. Diurese presente. Aceita bem o seio materno. A vacina de Meningo C
agendada para esta semana ainda não foi realizada. Negou intercorrências gestacionais ou de parto, nasceu a termo, com
peso de 3.200 g e Apgar 9 e 9. Ao exame físico, Tax de 38,9º C, FC: 120 bpm, FR: 50 irm e Peso: 6 kg. BEG e febril.
Fontanela anterior plana e normotensa. Otoscopia e Orofarige sem alteração. Linfonodos cervicais palpáveis, lisos, móveis
indolores e tamanhos normais. AR: murmúrio vesicular siológico e sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros e boa
perfusão periférica. Abdome plano, simétrico, sem visceromegalias e RHA presentes. Genitália masculina bem formada,
prepúcio aderido à glande, expõe o meato uretral e testículos tópicos. Pele sem lesões, inclusive perineal. Em relação à
avaliação do quadro febril, é correto afirmar que se trata de uma febre
A de origem indeterminada.
B sem sinais localizatórios.
C de origem determinada.
D causada por bacteremia oculta.
4000186286
Questão 37 Curvas de Crescimento Gráficos OMS Classificação nutricional
Lactente de 14 meses, masculino, acompanhado da avó foi encaminhado para consulta na Unidade da Estratégia de Saúde
da Família pela Agente Comunitária de Saúde, devido ser morador novo de uma das microáreas atendidas. Nasceu
prematuro e tem di culdade para ganhar peso e, há 5 meses, tomou vermífugo (mebendazol e metronidazol), sulfato
ferroso (10 gotas 2x/dia) e vitamina D (3 gotas), sem melhora. A caderneta da criança apresentou os seguintes dados: parto
normal, peso de 2.200 g, altura de 45 cm, PC de 32 cm e Apgar 8 e 10. IG de 35 semanas e vacinas atualizadas até o 9º
mês. Testes de triagem neonatal normais. Exame físico sem alteração. Dados antropométricos já corrigidos para a idade
gestacional:
• Peso 7.500 g (> escore-z -3 e < escore-z -2);
• Comprimento: 71cm (> escore-z -2 e < escore-z 0);
• IMC 15,3 (> escore-z -2 e < escore-z -1);
• PC: 45,5 cm (> escore-z -1 e < escore-z 0).
Conforme as curvas de crescimento (z score) para crianças de zero a dois anos, constantes da Caderneta da Criança, onde
foram plotados os dados antropométricos atuais, os diagnósticos desse paciente para peso, comprimento, IMC e PC são,
respectivamente,
A muito baixo, muito baixo, eutrofia e adequado.
B baixo, adequado, eutrofia e adequado.
C baixo, baixo, magreza e abaixo do esperado.
D muito baixo, baixo, magreza e adequado.
4000186285
Questão 38 Pneumonia afebril do lactente Agentes etiológicos Diagnóstico
Lactente feminina, 2 meses de vida, é levada pela mãe para consulta na Unidade de Saúde com história de tosse seca
iniciada há cerca de 10 dias, sem febre ou coriza. A mãe é solteira, tem 20 anos de idade, primípara, relata que não fez pré-
natal e teve apenas corrimento vaginal não tratado. A criança nasceu de parto normal, de termo, chorou forte ao nascer,
pesou 2.485 g, cou no alojamento conjunto e recebeu alta com 48 h de vida. O VDRL foi não reagente da mãe e da
criança. Já em casa, depois da primeira semana de vida, apresentou conjuntivite bilateral, cursando com edema e secreção
ocular aquosa, que se tornou mucopurulenta. Foi orientada pela enfermeira da unidade a pingar o leite do peito e o médico
prescreveu pomada oftálmica, com melhora. Vacinada com as vacinas BCG e Hepatite B. Estava agendada para
tomar outras vacinas hoje. Aleitamento materno exclusivo. Exame físico: REG, afebril, saturação 96% e sem sinais de
toxemia ou desconforto respiratório. Fontanela anterior plana e normotensa e posterior fechada. Otoscopia e orofaringe
sem alteração. AR: FR de 66 irpm, MVF sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros, FC 112 bpm e tempo de
enchimento capilar igual a 3 segundos. Abdome sem alteração. Genitália sem alteração. Foram solicitados exames de
hemograma, apresentando leucocitose e presença de eosino lia. A radiogra a de tórax apresentou hiperinsu ação com
infiltrados intersticiais bilaterais e simétricos. Qual a principal hipótese diagnóstica e o agente causal mais provável?
A Pneumonia bacteriana e Chlamydia trachomatis.
B Bronquiolite aguda e Haemophilus influenzae.
C Pneumonia bacteriana e Bordetella pertussis.
D Bronquiolite aguda e Vírus sincicial respiratório (VSR).
4000186284
Questão 39 Diagnóstico Crianças e adolescentes
Escolar, sexo feminino, 9 anos de idade, previamente hígida, é levada pela mãe à UPA com história de fraqueza, episódios
repetidos de náusea e vômito, dor abdominal em hipocôndrio bilateral e inapetência há 04 dias, com piora no último dia.
Negou febre e referiu sintomas gripais ocorridos 10 dias antes. Há 3 meses voltou a fazer xixi na cama durante a noite, que
se acentuou na última semana, e vem perdendo peso, cerca de 4 kg. Negou antecedentes mórbidos, alergias ou uso
contínuo de medicamentos. Referiu vacinação em dia. Negou doenças na família. Exame Físico: REG, desidratada (+++/4+),
hipocorada (++/4+), eupneica, afebril, PA 100x80 mmHg, peso 26,5 kg (pesava 30 kg), FR 22 ipm, FC 159 bpm, saturando
97% em ar ambiente, presença de enantema e ssura labial. Ritmo cardíaco regular, murmúrios vesiculares universalmente
audíveis, abdome sem alterações e tempo de enchimento capilar igual a três segundos. Ao exame neurológico, apresentou-
se sonolenta, reativa, sem sinais meníngeos, escala de coma de Glasgow 14 e presença de fraqueza em membros inferiores.
Foram solicitados de imediato os seguintes exames laboratoriais: Radiogra a de tórax sem alterações signi cantes, ECG
sem alterações signi cantes, hemograma com presença de leucocitose sem desvio e com aumento de linfócitos,
gasometria arterial com pH=7,16, HCO₃= 5,5 e BE=-24,4. EAS com cetonúria (+++) e glicosúria (++++) e glicemia de 380
mg/dL. Qual a principal hipótese diagnóstica?
A Cetoacidose diabética
B Diabetes Mellitus tipo I
C Diabetes Mellitus tipo II
D Pancreatite aguda viral
4000186283
Questão 40 Classificação das Epilepsias Crises de Início Focal
Pré-escolar, feminina, 5 anos de idade, veio encaminhada para o Ambulatório de Pediatria do Hospital Universitário com
história de quadro de crises epilépticas caracterizadas por perda súbita do tônus postural, extensão do membro superior
direito, postura em opistótono e desvio óculo-cefálico para a esquerda, com duração de aproximadamente 30 segundos,
iniciadas há 6 meses. Evolui na fase pós-ictal com letargia e confusão prolongada. As crises foram cando cada vez mais
frequentes, quase toda semana e não estavam relacionadas com atividade física ou presença de febre. A paciente é lha de
pais não consanguíneos, sem história de intercorrências gestacionais ou de parto e com desenvolvimento neurológico
normal. Sem história familiar de doença neurológica. Os exames de hemograma, testes bioquímicos e triagem para
erros inatos do metabolismo foram normais. O eletroencefalograma evidenciou atividade epileptiforme focal na região
occipital do hemisfério cerebral direito, durante o sono. A RM de crânio com resultado normal. PETscan marcado com F-2-
Deoxyglicose (FDG) demonstrou hipometabolismo glicolítico nas regiões têmporooccipital direita e parietal alta posterior
direita. Essas crises epilépticas que a paciente apresentou, segundo a Liga Internacional Contra a Epilepsia (ILAE - 2017),
são classificadas de início
A generalizado, tonicoclônicas.
B generalizado, motor tônico.
C focal, tonicoclônicas.
D focal, motor tônico.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000186282
Questão 41 Classificação Exame Físico Cefaleias
Uma das queixas mais frequentes nas consultas nas UBS é cefaleia, que pode ter como causas desde condições muito
benignas até potencialmente ameaçadoras à vida do paciente. Na abordagem inicial das cefaleias, é importante saber
identi car sinais de alarme que sugerem uma causa secundária de maior gravidade. Quais sinais de alarme para cefaleia
secundária?
A Rigidez de nuca e fotofobia.
B Início após os 50 anos e imunossupressão (HIV ou uso de corticoides).
C Exantema e pródromos.
D Imunossupressão (HIV ou uso de corticoides) e fotofobia.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000186281
Questão 42 Diagnóstico Apresentação clínica
Mulher, 55 anos, costureira, procurou UBS queixando-se de dor na face radial do punho esquerdo há 8 meses. Ao exame
físico, foi realizado teste de Finkelstein com resultado positivo, observando dor e limitação na movimentação da
musculatura do polegar da mão direita. Esses achados são sugestivos de qual diagnóstico?
A Tenossinovite de De Quervain
B Artrite reumatoide
C Síndrome do túnel do carpo
D Cisto sinovial
4000186280
Questão 43 Rastreamento na gestação
Rita, 26 anos, GII PI A0, idade gestacional de 8 semanas e 3 dias por DUM, veio em consulta pré-natal na UBS trazendo o
seguinte exame: Sorologia para Toxoplasmose IgM Reagente e IgG Reagente. O médico da UBS iniciou pro laxia com
Espiramicina 1g de 8/8h e solicitou Teste de Avidez de IgG. Hoje, Rita vem à consulta trazendo o exame que mostra alta
avidez. Qual conduta adequada a ser tomada pelo médico?
A Manter a Espiramicina e repetir a sorologia em 3 meses.
B Prescrever Sulfadiazina, Pirimetamina e ácido fólico e encaminhar ao pré-natal de alto risco.
C Suspender a Espiramicina e tranquilizar a paciente.
D Encaminhar ao pré-natal de alto risco para realização de cordocentese pelo risco de infecção fetal.
4000186279
Questão 44 Prova tuberculínica PPD Mantoux Diagnóstico da infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis
“A infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis ocorre quando uma pessoa se encontra infectada por essa bactéria,
sem manifestação da doença ativa. Estima-se que um quarto da população mundial esteja infectada pelo Mycobacterium
tuberculosis.” (Ministério da Saúde, 2018)
Sobre os critérios para tratamento da infecção latente, conforme orientação do Ministério da Saúde, considere:
I. Recém-nascido que coabita com caso-fonte diagnosticado laboratorialmente.
II. Portador de Diabetes Mellitus com PPD=10mm.
III. Paciente em uso de corticóide (Prednisona 5mg/dia por 6 meses) com PPD de 4mm.
Para o tratamento da infecção latente, estão corretos os critérios
A I e III, apenas.
B II e III, apenas.
C I e II, apenas.
D I, II e III.
4000186278
Questão 45 Avaliação do pé diabético Definição e epidemiologia
Rogério, 53 anos, tabagista 20 anos-maço, diabético tipo 2 há 6 anos. É atendido na UBS com queixa de dormência e
formigamento nas extremidades inferiores há cerca de 8 meses, sem perda da força. O exame físico revela sensação
diminuída ao toque leve, picada de agulha e sensação vibratória em ambos os pés, estendendo-se até 5 cm abaixo dos
joelhos, simetricamente. Percebe-se falta de pelos nas pernas no mesmo nível. Demais exames médicos e neurológico sem
alteração. Qual o diagnóstico mais provável e a correta avaliação dos pés?
A Síndrome paraneoplásica e o teste com monofilamento deve ser aplicado somente em pés com
úlceras, necrose, calos e cicatrizes.
B Neuropatia periférica e o exame do pé deve ser realizado no mínimo uma vez ao ano.
C Síndrome da cauda equina e usualmente não se faz exame dos pés em UBS. Deve-se encaminhar
para especialista.
D Mononeurite múltipla precoce e a ordem dos pontos testados deve ser contínua e somente no pé acometido.
4000186277
Questão 46 Abordagem Comunitária Program Saúde da Família PSF e Estratégia Saúde da Família ESF
No Brasil, a territorialização é um pressuposto básico do Programa de Saúde da Família (PSF), instituído pelo Ministério da
Saúde desde 1994. É um aspecto fundamental para o bom desenvolvimento da prática de um médico de família e
comunidade. De acordo com o Ministério da Saúde, o que é a territorialização?
A É uma ferramenta útil para definir padrão de morbidade e o perfil do usuário dos serviços.
B É uma rede de serviços de saúde de um município.
C É a unidade operacional do agente comunitário de saúde.
D É o processo de análise territorial visando a uma base organizativa dos sistemas de saúde e do planejamento da
vigilância em saúde.
4000186276
Questão 47 Método Clínico Centrado na Pessoa
Existem muitas ferramentas da prática do médico de família e comunidade. Uma delas é o método clínico centrado na
pessoa (MCCP), um modelo de abordagem à consulta, bastante utilizado na prática. Instrumento extremamente importante
na prática clínica e na atenção primária à saúde. Sobre o MCCP, assinale a afirmativa correta.
A O segundo componente do MCCP é sobre entender o contexto que a pessoa está inserida, entendendo
a pessoa como um todo.
B Esse método clínico possui cinco componentes.
C O terceiro componente do MCCP é: explorando a saúde e a doença e a experiência da pessoa com a doença.
D Fragmenta os diversos aspectos positivos das diferentes formas de abordagem aos problemas de saúde.
4000186275
Questão 48 Refluxo Gastroesofágico RGE
O re uxo gastroesofágico (RGE) é uma condição comum e de elevada prevalência nas crianças. Pode-se a rmar que todas
as crianças terão algum episódio de RGE durante alguma fase do seu desenvolvimento, o que preocupa muito os pais,
levando à procura constante por atendimento médico nas Unidades Básicas de Saúde. Em relação ao RGE siológico,
assinale a afirmativa correta.
A É comum a criança apresentar quadros de otites médias de repetição.
B Na maioria das crianças, mudanças dietéticas são suficientes para prover a melhora do quadro.
C É comum o baixo ganho de peso nas crianças acometidas.
D A cirurgia antirrefluxo deve ser sempre considerada.
4000186274
Questão 49 Políticas de Saúde do Sistema Único de Saúde
Program Saúde da Família PSF e Estratégia Saúde da Família ESF
No Sistema Único de Saúde, atenção domiciliar (AD) é indicada para pessoas que, estando em estabilidade clínica,
necessitam de atenção à saúde em situação de restrição ao leito ou ao lar de maneira temporária ou de nitiva ou em grau
de vulnerabilidade na qual a atenção domiciliar é considerada a oferta mais oportuna para tratamento, paliação, reabilitação
e prevenção de agravos, tendo em vista a ampliação de autonomia do usuário, família e cuidador (BRASIL, 2017). Um
médico da UBS Nova Serena tem na sua área de abrangência um número signi cativo de demandas de AD e precisa
organizá-las de uma forma sistemática.
Qual alternativa NÃO apresenta critério clínico para elegibilidade de AD?
A Pacientes com arranjos sócio-familiar-econômicos frágeis com efeito em sua condição de saúde.
B Paciente com crise asmática frequente a ser melhor investigada.
C Paciente em pós-operatório acamado e/ou restrito ao domicílio.
D Pacientes com adaptações iniciais para o pré-natal.
4000186273
Questão 50 Política Nacional de Atenção Básica PNAB
A Política Nacional da Atenção Básica (PNAB) do Ministério da Saúde do Brasil de ne as atribuições de cada pro ssional
que atua nesse nível de atenção. De acordo com essa política, analise as a rmativas sobre as atribuições dos membros de
cada equipe da atenção básica.
I. Participar das atividades de educação permanente é papel de todos os membros da equipe.
II. Participar do gerenciamento de insumos necessários para o adequado funcionamento da UBS é função do agente
comunitário de saúde.
III. É atribuição do médico realizar consultas clínicas e pequenos procedimentos cirúrgicos na UBS e, quando necessário ou
indicado, no domicílio.
Estão corretas as afirmativas
A I e III, apenas.
B II e III, apenas.
C I e II, apenas.
D I, II e III.
4000186272
Questão 51 Pneumotórax Hipertensivo
Paciente masculino, 6 anos, vítima de acidente automobilístico, está em atendimento na sala de politrauma. Apresenta
quadro de taquipneia, hipotensão, desvio da traqueia para o lado direito, murmúrio vesicular abolido, com hipertimpanismo e
aumento do volume do hemitórax à esquerda, sem movimentos respiratórios desse lado, com distensão de veias cervicais.
Considerando o caso clínico, responda aos itens.
[A] Qual é o diagnóstico mais provável?
[B] Qual é a conduta imediata nesse caso?
4000186271
Questão 52 Quadro clínico diagnóstico e sinais de alarme
Paciente de 32 anos, sexo masculino, previamente hígido, apresenta dor lombar aguda intensa com irradiação para o
membro inferior esquerdo iniciada há 2 dias. A dor não possui relação com a deambulação e nem com a mudança de
posição, apresentando melhora parcial no repouso. O controle de esfíncteres anal e vesical está normal, porém o paciente
relata piora da dor ao defecar (ao realizar manobra de Valsalva). Ao exame clínico, sinal de Lasègue à esquerda; força grau 5
para todos os grupos musculares dos membros inferiores; re exo aquileu esquerdo abolido e parestesias na planta e face
lateral do pé esquerdo. Os demais itens do exame neurológico e geral estão normais. Considerando o provável diagnóstico,
qual a melhor conduta a ser adotada nesse caso?
4000186270
Questão 53 Clínica Médica
Masculino, 78 anos, tabagista, diabético e hipertenso, deu entrada no pronto atendimento com queixa de dor epigástrica há
2 horas, de forte intensidade, em queimação, sem atenuação desde o início do quadro, associado à sudorese fria,
escurecimento da vista e náuseas. Em uso de metformina 850g 2 vezes/dia, losartana 100 mg/dia e anlodipino 5 mg/dia. Foi
aberto protocolo de dor torácica. Realizado exame físico: SatO₂: 97%, FC= 108 bpm; FR= 16 irpm; PA = 84/52 mmHg,
REG, ansioso, sudoreico, hipocorado ++/4+, acianótico, anictérico. ACV: bulhas normofonéticas, ritmo regular 2t, sem
sopros. Pulsos amplos e simétricos, mantendo presença de turgência jugular a 45°. AR: Murmúrio vesicular audível, sem
alterações.
ECG:
Em relação ao caso dado, responda aos itens.
[A] Qual o diagnóstico do paciente?
[B] Qual o tratamento frente ao diagnóstico?
4000186269
Questão 54 Clínica Médica
Masculino, 65 anos, deu entrada no pronto atendimento acompanhado pela esposa, com queixa de perda da força em
hemicorpo direito há 1 hora, associado à alteração da fala, de início súbito enquanto trabalhava. Hipertenso, tabagista e
diabético. Nega história de arritmia cardíaca ou episódio semelhante anterior. Em uso de: losartana 50 mg/dia, metformina
850 mg/dia e sinvastatina 20 mg/dia. Exame físico: PA = 190x120 mmHg, FC= 90 bpm, FR= 14 irpm, SatO₂ 97%, Tax: 36° C,
ritmo cardíaco regular, 2t, sem sopros. Pulsos carotídeos cheios e simétricos. Vigil, afasia motora, sem rigidez de nuca.
Pupilas isocóricas e fotorreagentes. OCME preservada. Paralisia facial padrão supranuclear à direita. Hemiparesia completa
desproporcionada à direita com predomínio braquio-facial. Hipoestesia tátil em hemicorpo direito. Coordenação de
difícil avaliação devido à fraqueza muscular. Realizada TC de crânio.
Em relação ao caso, responda aos itens.
[A] Qual a hipótese diagnóstica?
[B] Qual o tratamento indicado para esse caso?
[C] Qual cuidado deve ser tomado antes de realizar esse tratamento?
4000186268
Questão 55 Diagnóstico
Mulher, 32 anos, procura atendimento com atraso menstrual de 7 semanas, sangramento vaginal e dor em hipogástrio de
moderada intensidade há 4 dias. Ao exame clínico, hipocorada ++/4+, PA 90 x 54 mmHg, FC 124 bpm, FR 22 rpm.
Apresenta dor à palpação profunda de abdome, com descompressão brusca presente em fossa ilíaca direita. Ao toque
vaginal, colo posterior, amolecido, impérvio e doloroso à mobilização. Exames laboratoriais: hemoglobina 8,7 g/dL,
hematócrito 26,1%, leucócitos 13.480 mm³, plaquetas 166 mil/mm³ e beta hCG: 3.837 mUI/mL, sem evidência de saco
gestacional intrauterino ao ultrassom transvaginal. Qual o diagnóstico diante do quadro descrito?
4000186267
Questão 56 Tratamento Sífilis secundária Diagnóstico
Nuligesta, 24 anos, comparece para consulta na UBS apresentando lesões papulosas eritemato acastanhadas em tronco,
genitália e membros, com acometimento da região plantar e palmar. Faz uso regular de contraceptivo oral combinado, mas
não tem parceiro xo. Ao ser questionada, informa que há 3 meses percebeu lesão única, indolor, na parte interna da vulva e
pequena nodulação em virilha do mesmo lado. Informa que essa lesão persistiu por mais de 15 dias e que por isso agendou
uma consulta, mas, como menstruou na data marcada, não compareceu para o atendimento. Ela conta que, logo depois, a
lesão desapareceu espontaneamente e por isso acabou não retornando. No exame físico atual, não foram identificadas
cicatrizes na região genital. Em relação ao caso dado, responda aos itens.
[A] Qual o estágio clínico atual da doença e o agente etiológico responsável?
[B] Atualmente, qual o medicamento e a posologia preconizados pelo Ministério da Saúde do Brasil?
4000186266
Questão 57 Passos iniciais
Primigesta, 22 anos, 39 semanas de idade gestacional, dá entrada na maternidade do Hospital Universitário em trabalho de
parto. Pré-natal sem intercorrências. Bolsa rota com líquido amniótico tinto de mecônio. Dá à luz, via parto vaginal, RN sexo
masculino, coberto de mecônio, choro fraco, tônus muscular ácido, com sinais de as xia logo após o nascimento. Após a
colocação do recém-nascido sob fonte de calor radiante, qual a sequência correta de condutas?
4000186265
Questão 58 Diagnósticos diferenciais
Dez passos para uma alimentação saudável guia alimentar para crianças menores de dois anos Fórmulas infantis
Lactente de cinco meses, sexo feminino, amamentada exclusivamente ao seio; mãe relata que demorava até 5 dias para
evacuar, eliminando fezes pastosas e amarelo-esverdeadas. Há 3 semanas vem eliminando fezes líquidas e explosivas, sem
sangue. Levou ao Posto de Saúde e foi medicada com antibiótico que não lembra o nome. Mãe relata que começou a
trabalhar há 1 mês e iniciou leite em pó (4 medidas para 120 mL de água) sem açúcar e 4 vezes durante o dia. Continua
amamentando quando está em casa e ordenha o leite e deixa em casa para a sogra dar para a criança, mas está tirando
pouco. Vacinas em dia. Ao exame físico, não se observou alteração, apenas que ganhou pouco peso, 10 g/dia. Em relação
ao caso apresentado, responda aos itens.
[A] Elabore 3 hipóteses diagnósticas consistentes com esse caso, indique e justifique sua principal hipótese.
[B] Faça uma orientação alimentar para essa criança até os 12 meses de vida.
4000186264
Questão 59 Genograma Ecomapa
Na prática do médico de família e comunidade, existem algumas ferramentas muito utilizadas que facilitam as intervenções
do médico. Qual a definição e a aplicabilidade das duas ferramentas de Abordagem Familiar: Genograma e Ecomapa?
4000186263
Questão 60 Populaçãoalvo e intervalo Diretrizes do rastreamento mamográfico
Rastreamento do câncer de mama
É de fundamental importância a elaboração e a implementação de Políticas Públicas na Atenção Básica para o cuidado
integral à saúde da mulher, com ações relacionadas ao controle dos cânceres de colo do útero e de mama (Ministério da
Saúde, 2013). Com relação às ações desenvolvidas na Atenção Básica para a detecção precoce dos cânceres de colo
uterino e de mama, responda aos itens.
[A] Quais são os exames complementares utilizados para rastrear esses cânceres?
[B] Qual a periodicidade com que devem ser realizados?
[C] Quais as faixas etárias que são consideradas prioritárias e que compõem a população-alvo para a realização de cada um
desses exames, de acordo com o Ministério da Saúde?
4000186262
Questão 61 Medicina de Família e Comunidade
Um grupo de epidemiologistas (Journal of Infection 2020) publicou relato da contaminação de jovens coreanos a partir de
um rapaz de 22 anos, que chegou de Wuhan, China, em 19 de janeiro. Nesse relato, os autores rastrearam 22 jovens com
quem o rapaz se encontrou até o dia 21 de janeiro. No dia 22 de janeiro, o rapaz apresentou os primeiros sintomas da
Covid-19. Os 22 jovens seguidos não estiveram na
China, nem tiveram contato com qualquer outro indivíduo vindo da China. Desses 22 contatos, 8 desenvolveram sintomas
nos dias que se seguiram, do modo apresentado na figura abaixo.
Considere que mais nenhum dos colegas com quem o jovem tenha tido contato foi contaminado.
A partir dessas informações, responda aos itens.
(I) Qual a mediana do tempo de incubação da Covid-19 nesse grupo?
(II) Em que fase da infecção por SARS-Cov-2 estava o jovem de 22 anos que contaminou os colegas?
(III) Considerando o relato acima, qual a taxa de ataque de Covid-19 no grupo?
4000153710
Questão 62 Medicina de Família e Comunidade
Na localidade de Dourado, em 31/12/2018, havia 470 casos de diabetes. Nessa localidade, durante o ano de 2019, foram
diagnosticados 60 novos casos dessa doença entre seus habitantes. Nesse ano, 8 pessoas, já com diabetes, mudaram-se
para esta cidade e 55 pessoas faleceram pela doença. A população estimada de Dourado era de 300.000 pessoas.
A partir dessas informações, responda aos itens.
(I) Qual a fração que resultará na medida de incidência de diabetes em Dourado em 2019?
(II) Qual a fração que resultará na medida de prevalência dessa doença em 2018?
(III) Qual a fração que resultará na medida de prevalência dessa doença em 2019?
(IV) Qual a fração que resultará na medida da taxa de letalidade do diabetes em 2019?
4000153709
Questão 63 Convulsão febril Pediatria
Paciente, 3 anos e 10 meses, masculino, deu entrada na UPA com história de queda ao solo há 1 hora, com enrijecimento do
corpo, sialorreia, durando cerca de 5 minutos, evoluindo com relaxamento e contração de grupos musculares e perda de
urina. Mãe relatou apenas febre (38,5°C) há 1 dia. Ao exame apresentava-se febril (39,7°C), FC=120 bpm, FR=36 irpm,
estava em regular estado geral; palidez cutânea, sonolento; sem agitação psicomotora, reagindo a estímulos. Linfonodos
não palpáveis em qualquer cadeia. AR: tiragem subcostal murmúrios vesiculares audíveis, simétricos. ACV: RCR, 2T, sem
sopros, Sat. O2 96%. Abdome plano sem visceromegalias. Sem sinais meníngeos. Posteriormente, mãe deu as seguintes
informações: negou crises convulsivas e internações prévias. Referiu um episódio de Otite Média Aguda aos 7 meses de
vida tratada com antibióticos. Negou doenças, alergias e cirurgias prévias. História Gestacional e Neonatal: G1, P1, A0.
Realizou pré-natal. Sorologias normais. Fez uso de ácido fólico e sulfato ferroso. Negou intercorrências. Nascido de parto
espontâneo, 39 semanas, Apgar 9/10. Aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, história do Crescimento e
Desenvolvimento: adequado para idade. Vacinas adequadas para a idade. Foi feita a hipótese diagnóstica de crise convulsiva
febril.
A partir das informações dadas, responda aos itens.
(I) Quais critérios estão presentes no caso que sustentam essa hipótese diagnóstica?
(II) Qual a classificação dessa crise convulsiva febril apresentada pelo paciente? Justifique.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000153708
Questão 64 Sifilis na gestação Tratamento da hiperbilirrubinemia Icterícia neonatal
RN, sexo masculino, com 35 horas de vida apresentou icterícia zona III de Kramer, sem outras alterações. Está aceitando o
seio materno, eliminações siológicas (fezes e urina) presentes e normais. Mãe, 25 anos, casada, primípara. Nega
tabagismo, etilismo e hemotransfusão. Relata sí lis tratada com penicilina benzatina (3 injeções) há 3 anos, VDRL de
seguimento (negativo) pós-tratamento. Pré-natal a partir do 2º mês de gestação, 07 consultas sem intercorrências,
sorologias realizadas negativas para sí lis, Hep B., HIV. Para Rubéola, Toxoplasmose e CMV: IgG postivo e IgM negativo.
VDRL, realizado no pré-parto (reagente 1:4). Mãe: O Rh negativo. Parto: nascido de parto normal, Apgar 3,7 e 9, Capurro
Somático = 39 semanas e 6 dias, Comprimento = 49 cm, PC= 33 cm e Peso = 2.900 g. RN: B Rh positivo. VDRL 1/8.
A partir das informações dadas, responda aos itens.
(I) Quais os diagnósticos presentes no caso?
(II) Quais exames complementares são indicados para a confirmação diagnóstica?
(III) Proponha um plano terapêutico adequado ao caso.
4000153707
Questão 65 Distúrbios hipertensivos na gestação DHEG
Gestante de 27 anos, G1P0A0, com idade gestacional de 34 semanas, procura o pronto atendimento de maternidade com
quadro de confusão mental, cefaleia intensa com escotomas cintilantes, dor tipo barra em abdomen superior e sangramento
vaginal discreto. Apresenta movimentos fetais diminuídos (informações colhidas com o acompanhante). Ao exame físico,
apresenta-se confusa, obnubilada, PA de 190/120 mmHg, edema de membros inferiores de 3+/4, com o útero hipertônico
e batimentos cardiofetais de 90 bpm. Ao toque, tem colo apagado 80% e dilatado 3 cm, bolsa amniótica íntegra e tensa,
com presença de sangramento em moderada quantidade.
Considerando o caso clínico, responda aos itens.
(I) Quais as hipóteses diagnósticas?
(II) Qual a conduta indicada para o caso?
4000153706
Questão 66 Síndrome dos ovários policísticos
Mulher de 28 anos, com história de alteração do padrão menstrual há 2 anos, passou a apresentar ciclos de até 60 dias,
com aumento de duração e quantidade do sangramento. Tais alterações aconteceram após um período em que apresentou
um ganho de peso aproximado de 25 kg. Vem tentando gravidez há 1 ano sem sucesso. Ao exame físico, apresenta
obesidade grau III, hirsutismo e acantose nigricans.
Considerando o caso acima, responda aos itens.
(I) Qual a hipótese diagnóstica?
(II) Qual a proposta propedêutica recomendada?
(III) Qual o tratamento a ser proposto?
Essa questão possui comentário do professor no site 4000153705
Questão 67 Tumores do Mediastino
“As síndromes mediastínicas são expressões do comprometimento de um ou de vários órgãos do mediastino. A
sintomatologia depende mais da localização e do volume do que da origem tumoral e compreende manifestações
neurológicas, vasculares, respiratórias e digestivas”.
(CASTRO, R.C. e YOSHIKAWA, G. Orgs. Manual de semiologia médica e prática do exame físico. Belém: EDUEPA, 2015).
De acordo com o enunciado, cite a localização e a sintomatologia referentes às manifestações neurológicas, vasculares,
respiratórias e digestivas dos tumores mediastinais.
4000153704
Questão 68 Tratamento Fisiopatologia Quadro Clínico
Paciente A.G.F, mulher, 36 anos, em consulta ambulatorial, relatou que há cerca de 45 dias vem apresentando uma “visão
borrada” com piora à noite, e melhora ao acordar. Percebeu que suas pálpebras estão mais baixas, como se estivesse
sempre cansada, e cansaço para mastigar. Nos últimos 15 dias, começou a apresentar di culdades para pentear os cabelos,
para deambular e falar. Está se sentindo muito
cansada, principalmente ao final do dia.
Diante do quadro clínico, responda aos itens.
(I) Qual o diagnóstico?
(II) Descreva a fisiologia e o mecanismo fisiopatológico relacionado ao diagnóstico.
(III) Qual o fármaco utilizado no tratamento e seu mecanismo de ação?
4000153703
Questão 69 Avaliação Inicial Cirurgia
Um operário caiu de aproximadamente 10 metros de andaimes sobre uma pilha de sucatas. Estava sem capacete no
momento e cou inconsciente com a queda. Foi imobilizado com colar cervical e prancha rígida pela equipe de resgate e
levado ao Pronto Atendimento que ca a cinco minutos do local do acidente. O paciente abre os olhos com estímulo
doloroso, mostra-se confuso e faz flexão anormal dos
membros. Foi transportado de máscara facial com oxigênio a 06 L/min. Apresenta frequência cardíaca de 120 bpm,
frequência respiratória de 24 rpm, pressão arterial de 95/60 mmHg, saturação de oxigênio em 88%. Possui uma tala de
tração no membro inferior esquerdo. Face com edema periorbital bilateral e restos alimentares na boca. Turgência de jugular
esquerda. Tórax com diminuição da expansibilidade, hipertimpanismo e ausência de murmúrio vesicular à esquerda.
Seguindo as diretrizes do ATLS (Advanced Trauma Life Support), responda aos itens.
(I) Quais medidas iniciais devem ser tomadas imediatamente levando em conta o A da sequência do ATLS?
(II) Em relação à parte ventilatória do doente, quais medidas devem ser tomadas?
(III) Como deve ser feita a expansão volêmica inicial?
(IV) Qual a pontuação da Escala de Coma de Glasgow desse paciente? Especificar os itens.
4000153702
Questão 70 Anestésicos Locais Cirurgia
A.S.D, 20 anos, procura esteticista para fazer duas cantoplastias ungueais. A pro ssional informa que realizará anestesia local
com lidocaína a 2%. Durante a administração do anestésico, a paciente inicia fala empastada, formigamento na língua e
lábios, assim como queixa-se de gosto metálico na boca. O procedimento continua até a paciente evoluir com perda da
consciência e crises tônico-clônicas.
A partir dessas informações, responda aos itens.
(I) Qual causa, diagnóstico e sistemas envolvidos na gênese do quadro da paciente?
(II) Qual tratamento primário deve ser empregado?
(III) Qual a profilaxia para o caso?
Essa questão possui comentário do professor no site 4000153701
Questão 71 Incidência e Prevalência Incidência acumulada x Densidade de Incidência Medicina Preventiva
Analise as seguintes medidas de frequência de doença em uma população:
I - 25 casos de gripe por 1.000 pessoas-ano.
II - 3.460.413 casos de covid-19 no Brasil de 26/02 a 18/08/2020.
III - 1.633 casos de covid-19 por 100.000 habitantes no Brasil de 26/02/2020 a 18/08/2020.
As medidas de frequência epidemiológica resultantes do cálculo de I, II e III representam, respectivamente:
A Densidade de incidência, número absoluto de casos no período, taxa de incidência acumulada.
B Incidência acumulada, prevalência pontual, coeficiente de incidência do período.
C Taxa de incidência, coeficiente de prevalência, razão de incidência no período.
D Coeficiente médio de incidência, proporção relativa de incidência, taxa de prevalência acumulada.
4000142351
Questão 72 Medicina Preventiva Especificidade
O teste treponêmico FTA-ABS (anticorpo treponêmico uorescente com absorção) é um teste con rmatório para sí lis e
que não deve ser solicitado para o diagnóstico inicial da doença. Considerando os conceitos de validade dos testes de
diagnóstico, essa recomendação é baseada em qual atributo do teste?
A Baixo valor preditivo negativo
B Baixo valor preditivo positivo
C Alta proporção de resultados falsos positivos
D Alta especificidade
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142350
Questão 73 Estudos de fase III Medicina Preventiva
Os ensaios clínicos de fase III para testar a e cácia e a segurança de novas vacinas devem seguir preceitos rígidos de
qualidade, para que seus resultados sejam con áveis e para que não haja favorecimento ao desempenho do produto em
teste. Para tal, é necessário que dois grupos de indivíduos sem a doença sejam formados e que se assemelhem em
características demográ cas e clínicas. Que recurso se utiliza para garantir essa semelhança entre os grupos de
comparação?
A Utilizar técnicas de mascaramento (cegamento) do pesquisador.
B Evitar a utilização de grupo placebo.
C Alocar aleatoriamente os pacientes nos grupos.
D Utilizar técnicas para mascaramento (cegamento) do paciente.
4000142349
Questão 74 Modos de Transmissão das Doenças Transmissíveis
Qual inseto é vetor de uma helmintose prevalente na região Nordeste do Brasil?
A Lutzomyia whitmani (mosquito palha)
B Culex quinquefasciatus (pernilongo noturno)
C Amblyomma cajennense (carrapato)
D Sabethes chloropterus (mosquito da floresta)
4000142348
Questão 75 Declaração de óbito DO Atestado de óbito
Sobre o preenchimento do documento de declaração de óbito (DO), considere as seguintes afirmativas:
I - A DO deve ser preenchida em caso de óbito pré-natal do concepto, independentemente da idade gestacional.
II - A causa básica do óbito deve ser descrita como última condição no encadeamento que explica os eventos que levaram
à morte.
III - Em óbito por causa violenta, o médico que dá o primeiro atendimento deve, por lei, preencher a DO.
IV - A falência de múltiplos órgãos é a causa direta mais frequente de óbito, devendo encabeçar a lista de eventos.
Qual o número de afirmativas corretas?
A Três
B Dois
C Um
D Quatro
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142347
Questão 76 Medicina Preventiva
Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças agravos e eventos de saúde pública
A Portaria nº 264 do Ministério da Saúde de 17/02/2020, que trata da lista de doenças e agravos de noti cação
compulsória no Brasil, tem, como principal atualização, a inclusão dos seguintes agravos:
A Suicídio, violência doméstica, violência à mulher e covid-19.
B Covid-19, toxoplasmose congênita, histoplasmose e criptococose.
C Paracoccidioidomicose, violência à mulher, covid-19 e esporotricose humana.
D Doença de Chagas crônica, criptococose, esporotricose humana e paracoccidioidomicose.
4000142346
Questão 77 Redução Relativa do Risco RRR ou Eficácia Medidas de Associação e Medidas de Impacto
A ação analgésica de dois medicamentos (A e B) foi comparada pelo tempo de resolução da dor após a ingestão de um
comprimido, administrado por via oral a 100 pacientes semelhantes. A média (desvio-padrão) do tempo do medicamento A
foi de 100 (10) minutos e a do medicamento B foi de 50 (5) minutos. Considerando o coeficiente de variação do tempo para
resolução da dor como a medida de comparação desses dois medicamentos, é correto concluir:
A O medicamento A tem efeito analgésico mais regular do que B.
B Os medicamentos A e B têm distribuição de tempo de eficácia analgésica semelhante.
C O medicamento B tem efeito analgésico mais regular do que A.
D A e B têm efeito analgésico semelhante, porém A tem coeficiente de variação maior que B.
4000142345
Questão 78 Medicina Preventiva Princípios e Diretrizes do SUS na Lei n 80801990
Dona Júlia tem 57 anos e está com muita dor nas costas, há mais de um mês. Ela é obesa, dona de casa e sustenta a sua
vida lavando roupas para terceiros. Ela resolveu procurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no último sábado, porque
teve muita dor no nal da sexta-feira passada. Chegou à UPA às 6 horas da manhã, pegou a senha de atendimento e logo
em seguida foi atendida pela enfermeira, que lhe colocou uma pulseira azul. Após 45 minutos de espera, Dona Júlia cou
irritada ao perceber que várias pessoas que chegaram após ela já haviam sido atendidas pelo médico. Reclamou com a
administração da UPA, porém lhe explicaram que a ordem dos atendimentos estava correta. Esclareceram que todos que
foram atendidos em sua frente estavam com pulseiras vermelhas, laranjas ou amarelas, da classi cação de risco. Qual
princípio doutrinário do Sistema Único de Saúde brasileiro é exemplificado com a situação do atendimento da Dona Júlia?
A Universalidade de acesso
B Integralidade
C Equidade
D Hierarquia de serviços
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142344
Questão 79 Medicina Preventiva Razão de Mortalidade Materna
O denominador utilizado para o cálculo do indicador de mortalidade materna é:
A Total de nascidos vivos.
B Total de gestantes.
C Total de mulheres em idade fértil.
D Total de nascidos vivos + natimortos.
4000142343
Questão 80 Genograma Medicina Preventiva
Analise a figura.
Qual informação pode ser extraída do genograma de abordagem familiar da estratégia saúde da família ilustrado na figura?
A Sandra é casada com Fernando, é irmã de Marcos e Mariana é sua sobrinha.
B Fernando é o novo companheiro de Sandra, com quem teve três filhos.
C Marcos foi casado com Sandra, porém não teve filhos com ela.
D Mariana é filha de Marcos com Sandra, que estão separados.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142342
Questão 81 Higiene oral Pediatria
Menina, 10 meses, é levada à consulta de rotina de Puericultura. Mãe está preocupada porque até agora não tem nenhum
dente. Mama no peito até hoje. Relata que no outro lho com 6 meses de idade nasceu dente. O médico disse que os
dentes de leite são temporários, mas muito importantes e são substituídos pelos dentes permanentes. Analise as seguintes
informações/orientações sobre a dentição:
I - Cada criança tem seu próprio tempo para o surgimento dos dentes, apesar de ser um processo natural e hereditário.
II - Os dentes incisivos centrais superiores geralmente são os primeiros a aparecerem e, ainda, estão em tempo de erupção,
esperar até os 12 meses.
III - Os dentes incisivos centrais inferiores geralmente são os segundos dentes a aparecerem, esperar até os 15 meses.
IV - Depois da erupção dos primeiros dentes de leite, a higiene oral da criança deve ser realizada como a primeira tarefa da
manhã e a última tarefa da noite, e se possível, depois das refeições.
Quais informações/orientações estão corretas?
A II e IV, apenas.
B I, II, III e IV.
C I e IV, apenas.
D II e III, apenas.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142341
Questão 82 Como devem ser as mamadas ao longo do dia
Prevenção e manejo dos principais problemas relacionados à amamentação Início da amamentação
Menino, de 15 dias de vida, foi levado a UESF para consulta de puericultura pela mãe e a avó paterna. Mãe relata que seu
leite é fraco, que não sustenta o lho, ele chora muito, acha que tem muitas cólicas. Há uma semana vem oferecendo água
(que ele não aceita), chás de erva-doce e de camomila sem açúcar. Há 5 dias a avó comprou leite em pó e está
complementando à noite com uma mamadeira de leite + 1 colher de chá de Maizena e ofereceu chupeta, ele passou a
dormir melhor. AF: mãe 18 anos, G1P1AO, solteira, não fez pré-natal, parto cesariana. PN: 3.100g, C= 49 cm, PC: 34 cm,
Apgar 8 e 9. Vacinas BCG e Hepatite B. Peso atual: 3.180g. Exame físico sem alteração. Após, o médico pediu para colocar
a criança para sugar e observou que a mãe faz uso de protetores (intermediários) de mamilos, diz que é para diminuir a dor e
evitar o trauma dos mamilos. Porém, chorou de dor quando o lho começou a sugar. Pediu permissão para examinar as
mamas da mãe: estavam túrgidas, distendidas, os mamilos pouco protusos com ssuras perimamilares bilateralmente, à
expressão manual saída de leite uido. O médico percebeu que o risco de desmame precoce é alto e a sua prevenção é
muito importante. Analise as orientações seguintes:
I - Retirada da mamadeira e da chupeta.
II- Amamentação com técnica adequada (posicionamento e pega adequados).
III - Manter o uso de protetores (intermediários) de mamilos para diminuir a dor e evitar o trauma mamilar.
IV - Amamentação em livre demanda – a criança é colocada no peito assim que dá os primeiros sinais de que quer mamar.
V - A higiene dos mamilos antes da amamentação com produtos como sabões e álcool gel protege o mamilo e evita
infecção.
Quais orientações são adequadas a m de permitir a continuidade da amamentação e evitar o desmame precoce da
criança?
A I, II e III, apenas.
B III, IV e V, apenas.
C I, II e IV, apenas.
D I, II, III, IV e V.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142340
Questão 83 Pediatria Diagnóstico Gráficos OMS Classificação nutricional
Menina, 7 anos de idade, foi levada para consulta em Unidade Básica de Saúde pela mãe. Apresenta queixa de ganho de
peso excessivo nos últimos meses. Exame físico: Peso = 35 kg; Altura = 1,25 m (IMC = 22,4 Kg/m²). Colocado na curva
(OMS) de IMC/Idade, identificado escore Z +2 e Z +3. Qual é o diagnóstico correto?
A Obesidade grave
B Obesidade
C Sobrepeso
D Risco de sobrepeso
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142339
Questão 84 Fimose Pediatria
Menino, 2 anos e 6 meses de idade, é levado à unidade de saúde com quadro de di culdade para urinar, forma uma “bola
de urina” e depois sai o jato. Ao exame da genitália, os testículos estão normais, o pênis é bem formado, o prepúcio
apresenta retração discreta, mas não há exposição da glande e nem do meato uretral. Qual a classi cação do grau da
fimose do paciente?
A 5
B 2
C 3
D 4
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142338
Questão 85 Leishmaniose visceral LV
Pré-escolar, 4 anos de idade, sexo feminino, natural e procedente de Várzea Grande-MT, residente na área rural, deu
entrada na UPA com quadro de febre de 39°C, intermitente e irregular com 2 ou 3 picos por dia há 3 semanas, astenia,
perda de peso. Ao exame: Sinais Vitais: Fr: 28 irpm, Fc: 130 bpm, Tax: 39,3ºC. REG, prostrada, palidez cutaneomucosa,
hidratada. A ausculta cardíaca e pulmonar eram normais. Abdome globoso, ruídos hidroaéreos positivos, à palpação, fígado
a 3 cm RCD e baço a 5 cm do RCE, sem sinal de irritação peritoneal. Linfonodos não palpáveis. Demais sem alteração.
Hemograma: Hemácias: 3,6 milhões, Hb: 9,0 g/dL, Ht: 27%; Leucócitos: 3.900 mm³; Plaquetas 60.000 mm³; Ureia: 17
mg/dL; Creatinina: 0,6 mg/dL; VHS: 55mm; Bilirrubina total: 0,3 mg/dL; Bilirrubina indireta: 0,2 mg/dL; Bilirrubina direta: 0,1
mg/dL; Amilase: 153 mg/dL; AST:27 U/mL; ALT: 15 U/mL; Proteínas totais: 5,15; Albumina: 3,0 mg/dL; Globulina: 2,15mg/dL.
Qual é a principal hipótese diagnóstica?
A Leishmaniose visceral
B Linfoma de Hodgkin
C Malária por P. falciparum
D Esquistossomose
4000142337
Questão 86 Gastrologia Pediátrica Pediatria
Menina, 4 anos de idade, é levada à unidade de saúde com quadro de dor abdominal de início há 1 ano, do tipo em
pontadas, localizada na porção inferior do abdômen, acompanhada de distensão abdominal e mal-estar geral, com a
frequência média desses episódios de duas a três vezes por semana. Refere como fator de melhora para a dor e distensão a
partir da evacuação e pela eliminação de ato. Desde o início da dor, também apresentou irregularidade intestinal com
predomínio de diarreia, chegando a 5 evacuações por dia, fezes totalmente líquidas, sem sangue ou restos alimentares.
Eventualmente apresenta períodos de constipação intestinal, com evacuações de 4 em 4 dias, com fezes de aspecto de
bolinhas endurecidas e fragmentadas. Segundo a escala de Bristol de consistência das fezes, as fezes totalmente líquidas e
as fezes endurecidas e fragmentadas relatadas no caso são classificadas, respectivamente, em que tipo?
A 3 e 6
B 2 e 5
C 7 e 1
D 4 e 2
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142336
Questão 87 Imunodeficiências primárias Pediatria
Lactente, 1 ano e 6 meses idade, foi encaminhado para consulta com pediatra no Hospital Universitário com história de
ganho de peso inadequado. Nos últimos 12 meses, apresentou 6 episódios de diarreia prolongada que melhoraram somente
com uso de medicação antiparasitária, 4 episódios de otites e 1 episódio de pneumonia, sendo que se agravou e precisou
ser internado na UTI com quadro de sepses, recebendo antibióticos endovenosos. Parto normal. Peso 3.200 g; C= 48 cm,
Apgar 8/9. Aleitamento materno exclusivo até 6 meses de vida. Vacinas em dia. Exame físico: Peso = 8.350 g; Altura = 81
cm [IMC = 13,1 Kg/m2 (escore Z -2 e Z -3)]. Fácies atípica, eupneica, afebril, anictérica. Orofaringe e otoscopia perfuração
de membrana timpânica direita sem secreção. Pulmões com VM siológico, sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2T, sopro
sistólico 2+/6. Abdome plano, sem visceromegalias, RHA normais. Genitália sem alteração. SN: sem sinais meníngeos. Pele
sem lesões. Segundo a Fundação Je rey Modell (EUA – 1996) adaptados a nossa realidade, há 10 sinais de alerta para
suspeitar de imunodeficiência primária. Assinale a alternativa que apresenta os sinais de alerta presentes no caso.
A Desnutrição grave; Infecção intestinal de repetição; 4 episódios de otites.
B Desnutrição grave; 4 episódios de otites; 1 episódio de pneumonia.
C 4 episódios de otites; 1 episódio de pneumonia grave.
D Infecção intestinal de repetição; 4 episódios de otites; 1 episódio de sepse.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142335
Questão 88 Introdução Pediatria PneumoniasBroncopneumonias BCP na Infância
Paciente, sexo masculino, 1 ano e 10 meses, deu entrada no Pronto Atendimento do Hospital Universitário com quadro de
febre (38,5°C) e tosse produtiva há quatro dias, evoluindo com piora do estado geral, persistência da febre e esforço
respiratório. Ao ser admitido, o paciente apresentava-se febril (38,7°C), FC=112 bpm, FR=42 irpm, estava em regular estado
geral; normocorado, hidratado, vigil; sem agitação psicomotora. Linfonodos não palpáveis em qualquer cadeia. AR: tiragem
subcostal, murmúrios vesiculares audíveis, com presença de estertores crepitantes em hemitórax direito. ACV: RCR, 2T, sem
sopros. Sat. O2 94%. Abdome sem visceromegalias, indolor à palpação abdominal. Exame neurológico sem alterações.
Segundo os “sinais de perigo” referidos pela OMS, como é classificado esse caso de pneumonia?
A Pneumonia muito grave
B Pneumonia grave
C Pneumonia moderada
D Pneumonia leve
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142334
Questão 89 Pediatria Tratamento Diagnóstico
Lactente com 10 meses de idade é trazido pela mãe para consulta de Puericultura em Ambulatório de Pediatria. Ao
examiná-lo, o médico pediatra observou que o testículo direito não se encontrava na bolsa escrotal e que não havia sinais
de que o testículo estivesse no canal inguinal nem na região perineal. O testículo esquerdo estava palpável no saco escrotal
e era de tamanho adequado. Qual a conduta correta para esse caso?
A Encaminhar para conduta cirúrgica, indicada de preferência, entre 6 e 18 meses de idade.
B Conduta expectante, pois pode ocorrer a descida do testículo até os três anos de idade.
C Realizar ressonância magnética para localizar o testículo e acompanhar até os dois anos de idade.
D Iniciar terapia hormonal por 6 meses e, se não houver resposta, encaminhar para cirurgia.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142333
Questão 90 Filhos de mães HIV positivo Pediatria Vacina BCG
RN saudável, sexo masculino, com três semanas de vida é levado à Unidade Básica de Saúde para vacinação. A mãe refere
que ele recebeu a vacina da hepatite B no hospital. Não administraram a BCG, não sabe o porquê. A mãe é HIV positivo,
não está amamentando o lho. Faz uso de leite de fórmula que recebeu no hospital. Não refere queixas ou sinais de
imunodeficiência na criança. Qual a conduta correta em relação à vacinação com a BCG nesse paciente?
A Vacinar hoje.
B Vacinar com 3 meses.
C Vacinar com 6 meses.
D Vacinar após os 18 meses.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142332
Questão 91 Doenças associadas à gestação
Os distúrbios da tireoide são comuns em mulheres adultas em fase reprodutiva. A identi cação dessa condição no período
gestacional é importante para uma boa evolução da gravidez. Em relação aos hormônios da tireoide na gravidez, é correto
afirmar:
A Os hormônios tireoidianos não conseguem atravessar a barreira placentária.
B Desde o início do primeiro trimestre, os níveis séricos da globulina transportadora de tiroxina aumentam devido à
elevação da síntese hepática e redução no seu metabolismo.
C O hormônio tireoidiano fetal tem papel relevante no desenvolvimento normal de quase todos os tecidos fetais,
com exceção do tecido cerebral.
D A causa mais comum de hipertireoidismo na gravidez é a Tireoidite de Hashimoto.
4000142331
Questão 92 Critérios de elegibilidade da OMS
Paciente no menacme com desejo de anticoncepção procura a Unidade Básica de Saúde referindo ser portadora de
cardiopatia, tendo histórico de endocardite bacteriana e cursando atualmente com hipertensão pulmonar severa.
Considerando os critérios médicos de elegibilidade da OMS para uso dos métodos anticoncepcionais, essa paciente NÃO
deve utilizar:
A Implante de Etonogestrel.
B Anticoncepcional Injetável de Progesterona.
C Preservativo.
D Anticoncepcional Hormonal Oral Combinado.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142330
Questão 93 Prevalência e epidemiologia Complicações Restrição de crescimento fetal RCF
Paciente de 28 anos com gestação múltipla espontânea chega para acompanhamento Pré-Natal. Em relação a essa
condição, analise as afirmativas.
I - O crescimento fetal na gestação gemelar é paralelo com o da gravidez única até 32 semanas da gravidez, depois a taxa
de crescimento é menor.
II - A mortalidade e a morbidade perinatal são maiores nos dizigóticos do que nos monozigóticos e estão associadas à
corionicidade e não à zigotia.
III - A gemelidade está associada à elevada mortalidade, tendo risco 6 vezes maior de hospitalização por complicações.
IV - Cerca de 1/5 das gestações triplas e 1/2 das quádruplas resultam em pelo menos uma criança com comprometimento
tardio maior, como exemplo da paralisia cerebral.
Estão corretas as afirmativas
A I, III e IV, apenas.
B II e III, apenas.
C I e IV, apenas.
D II, III e IV, apenas.
4000142329
Questão 94 Etiologia Obstetrícia
O líquido amniótico tem a função de proteger o feto, permitir sua movimentação e prevenir adesões entre o concepto e o
âmnio. NÃO é causa de aumento do líquido amniótico na gravidez:
A Doença Renal Obstrutiva.
B Diabetes Mellitus.
C Osteogênese Imperfeita.
D Atresia de Esôfago.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142328
Questão 95 Patogênese
Paciente apresentando história de dismenorreia importante desde o menacme, além de esterilidade. Realizou laparoscopia
diagnóstica, que mostrou focos sugestivos de endometriose, informação con rmada por biópsia. Em relação à etiologia
dessa patologia, é correto afirmar:
A A propagação linfática ou vascular explica a presença de endometriose em sítios mais comuns, sendo a teoria
evidenciada em grande número de estudos realizados.
B A teoria da menstruação retrógrada defende que ocorre um refluxo do conteúdo menstrual através das trompas
de Falópio para dentro da cavidade abdominal devido a sua hiperperistalse e disperistalse.
C A teoria da metaplasia celômica sugere que o tecido endometrial presente em locais anômalos seja originário de
alterações celulares decorrentes de agressão crônica ao tecido peritoneal.
D A teoria de indução remete a um fator ambiental, podendo determinar a diferenciação de células potenciais em
tecido endometrial.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142327
Questão 96 Obstetrícia Pesquisa Streptococcus do grupo B Strepto B EGB swab para pequisa Strepto B
O Estreptococo Grupo B é um coco gram positivo beta hemolítico presente na ora intestinal de 1,6 a 36% das gestantes
de forma transitória ou crônica. Com base nessa premissa, é recomendada idealmente a realização de exame para o seu
rastreamento durante o pré-natal. Em relação a essa condição, é INCORRETO afirmar:
A A infecção fetal decorrente dessa contaminação costuma se apresentar como septicemia neonatal precoce
e/ou meningite e/ou pneumonia.
B Estima-se que nas pacientes colonizadas a transmissão vertical ocorra em até 50% dos casos, e a infecção fetal
em 1 a 2%.
C No caso de rastreamento positivo, está indicado o uso de antibioticoprofilaxia intraparto, exceto nos casos de
interrupção por cesariana.
D O rastreamento através de cultura vaginal e retal é mensal, e deve ser realizado o tratamento antibiótico assim
que positivo.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142326
Questão 97 Colagenoses na gestação Lupus eritematoso Sistêmico LES Lúpus Eritematoso Sistêmico LES
Paciente 26 anos, portadora de Lúpus Eritomatoso Sistêmico (LES) há 6 anos, estando de momento controlado com
medicação, encontra-se gestante de 09 semanas. A paciente e familiares estão preocupados com os possíveis efeitos da
doença sobre a gravidez e vice-versa. Quanto às informações do médico, analise as apresentadas abaixo.
I - Durante a gravidez, o Lúpus pode melhorar, piorar ou permanecer inalterado em igual proporção.
II - A interrupção da gravidez deve ser antecipada para 34 semanas após medidas de aceleramento da maturidade
pulmonar.
III - A nefrite ativa é condição de pior prognóstico para a gravidez, com aumento da incidência de hipertensão, pré-
eclâmpsia e trabalho de parto prematuro.
IV - Qualquer tratamento medicamentoso é proscrito durante a gravidez.
São verdadeiras as informações:
A I e III, apenas.
B I, II e III, apenas.
C II, III e IV, apenas.
D II e IV, apenas.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142325
Questão 98 Diagnóstico na gestação Tratamento da toxoplasmose na gestação Diagnóstico
Paciente gestante de 29 semanas de idade gestacional chega à Unidade Básica de Saúde portando sorologia para
Toxoplasmose mostrando IgG e IgM positivos e teste de Avidez para IgG de 80%. Nesse caso, a conduta é:
A Realizar ultrassonografia obstétrica seriada e aguardar o termo da gestação, sem uso de medicação.
B Repetir a sorologia com 4 semanas e observar se ocorre aumento de título, sem uso de medicação.
C Interromper imediatamente a gestação por via obstétrica.
D Prescrever Espiramicina até o final da gestação. Se infecção fetal for diagnosticada, deve usar-se Sulfadiazina e
Pirimetamina intercalada à Espiramicina.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142324
Questão 99 Obstetrícia Diagnóstico
Paciente gestante com 16 semanas de idade gestacional, G1P0A0, chega em seu primeiro retorno ao Pré-Natal mostrando
exame de tipagem sanguínea com sangue A Rh Neg e variante DU positivo. Nesse caso, como rotina de acompanhamento,
a conduta indicada é:
A Teste de Coombs indireto semanal e aplicar Imunoglobulina Anti-Rh com 28 semanas.
B Teste de Coombs indireto e imunoglobulina não necessários.
C Teste de Coombs indireto mensal e aplicar Imunoglobulina Anti-Rh com 28 semanas.
D Teste de Coombs indireto mensal, aplicação de Imunoglobulina Anti-Rh não é necessária.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142323
Questão 100 Interpretação e conduta frente as atipias citológicas
Mulher de 26 anos, G2P1A1, procura a Unidade Básica de Saúde para a realização de exame Papanicolau (CCO). Retorna
após 40 dias com o resultado de ASGUS (células glandulares atípicas de signi cado indeterminado) possivelmente não
neoplásicas. Nesse caso, considerando a conduta recomendada pelo Ministério da Saúde, está indicado:
A Realizar biópsia do colo uterino “às cegas”.
B Colher novo exame citológico.
C Encaminhar para colposcopia.
D Repetir o exame de citologia em 12 meses.
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142322
Questão 101 Ateroembolismo por colesterol
Paciente, 52 anos, portadora de HAS, DM, tabagista, é submetida a implante endovascular de stent na aorta, sem
intercorrências. Dois meses depois, a paciente queixa-se de mal-estar, manifestações em pele e dor lombar bilateral. Ao
exame: orientada, hidratada, PA 130x80 mmHg e sinais de má perfusão periférica com presença de livedo reticular e
“síndrome do dedo azul”. Exames: Hb 11,7 g/dL, leucócitos 9200 (presença de eosino lia), plaquetas 170000/mm³,
creatinina sérica 3,2, ureia 110 e proteinúria de 400 mg/24h. Paciente foi internada em UTI com piora progressiva da função
renal, porém mantendo débito urinário normal. Foram negativos na investigação complementar o fator antinuclear, P ANCA,
C ANCA, assim como os complementos séricos (C3 e C4). Qual o diagnóstico para o caso descrito?
A Doença Renal Ateroembólica
B Nefropatia por contraste
C Lúpus Eritematoso Sistêmico
D Nefropatia Crônica do Enxerto Renal
Essa questão possui comentário do professor no site 4000142321
Questão 102 Saúde do Idoso geriatria Psicofarmacologia Polifarmácia
Paciente AFG, sexo feminino, 82 anos, com diagnósticos prévios de Doença de Alzheimer há cerca de 10 anos, HAS e
incontinência urinária. Está em uso de quetiapina 100 mg 12/12 horas, clonazepam 10 gotas de 12/12 horas e furosemida 40
mg de 12/12 horas. No momento, encontra-se totalmente dependente às atividades de vida diária. Filha vem ao Pronto
Atendimento queixando-se de agitação importante, di culdade para dormir com alucinações visuais (acorda e fala com
crianças que “estão fazendo bagunça pela casa”). Em algumas ocasiões, não reconhece os lhos e nem a si própria. Além
disso, vem apresentando nos últimos anos perda de peso gradativa (> 5 kg nos últimos 3 meses com circunferência da
panturrilha de 24 cm) associado a disfagia, úlcera por pressão e contratura muscular difusa (encurtamento muscular). As
principais síndromes geriátricas identificadas são:
A Depressão e Síndrome de Fragilidade.
B Iatrogenia e Síndrome de Imobilidade.
C Depressão e Delirium.
D Insuficiência Familiar e Desnutrição.
4000142320
Questão 103 Eixo hipotálamohipofisário Diagnóstico Investigação etiológica
Paciente do sexo masculino, 28 anos, percebeu diminuição da libido e aumento de mama há um ano e recentemente
desenvolveu galactorreia. Não estava utilizando qualquer medicação. A rma não apresentar cefaleia, visão borrada. Ao
exame físico, não se constatou qualquer anormalidade, exceto por galactorreia bilateral. Exame laboratorial mostrou nível de
tireotro na normal. A dosagem de prolactina sérica foi 95 ng/mL. A ressonância magnética de encéfalo evidenciou uma
massa de 6 mm de diâmetro no lobo anterior da hipó se. Qual o eixo endócrino envolvido diretamente nessa alteração
encontrada no paciente?
A Hipotálamo → células somatotróficas → gônadas
B Hipófise → células tireotróficas → glândulas mamárias
C Hipotálamo → hipófise → células mamotróficas
D Adeno-hipófise → células gonadotróficas → hormônio TRH
4000142319
Questão 104 Animais peçonhentos
Paciente, J.R.S., 29 anos, deu entrada no PA apresentando vômito, tontura, dor de cabeça, fala arrastada e diarreia. A
esposa relatou que o paciente começou a se queixar de parestesia na língua e na região perioral, a apresentar náusea,
fraqueza progressiva bilateral dos membros superiores e inferiores, cerca de 30 min depois da ingestão de ensopado de
vísceras de peixe Baiacu. Análise dos restos do ensopado detectou níveis elevados de tetrodotoxina (TTX), que atua como
A inibidor dos receptores nicotínicos de acetilcolina.
B agonista de receptores de potássio.
C bloqueador dos receptores de sódio voltagem dependente.
D ativador dos receptores de cálcio tipo L.
4000142318
Questão 105 Rastreio Câncer Colorretal
Paciente, M.J.F, sexo feminino, 52 anos, tabagista, compareceu à UBS para consulta de rotina, sem queixas. Dentre os
exames solicitados pelo médico de família, está o exame de pesquisa de sangue oculto nas fezes pelo método
imunoquímico positivo. Qual a razão da solicitação desse exame?
UFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdf

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a UFMT 2021 2022.pdf

Hrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisãoHrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisãoLee James Ramos
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticofedericoestudio
 
Introdução à Coagulação
Introdução à CoagulaçãoIntrodução à Coagulação
Introdução à CoagulaçãoGeydson Cruz
 
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdfQUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdfLohana Vidaurre
 
Aspectos Gerais da Tomografia de Abdome
Aspectos Gerais da Tomografia de AbdomeAspectos Gerais da Tomografia de Abdome
Aspectos Gerais da Tomografia de AbdomeRenato Moura
 
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015Fabricio Mendonca
 
QUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdf
QUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdfQUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdf
QUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdfLohana Vidaurre
 
Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02EdEr Mariano
 
Aneurisma dissecante da aorta
Aneurisma dissecante da aortaAneurisma dissecante da aorta
Aneurisma dissecante da aortasebastiaomoises
 
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia SubependimalHemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia SubependimalErion Junior de Andrade
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESdouglas870578
 
Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011Saulo Brito
 
Abstracts assessed on the 19th Congress of the SPMI
Abstracts assessed on the 19th Congress of the SPMIAbstracts assessed on the 19th Congress of the SPMI
Abstracts assessed on the 19th Congress of the SPMIJavier Rodríguez-Vera
 
Resumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesicoResumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesicoTalita Marques
 

Semelhante a UFMT 2021 2022.pdf (20)

1 arterite
1 arterite1 arterite
1 arterite
 
Hrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisãoHrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisão
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
 
Prova
ProvaProva
Prova
 
Introdução à Coagulação
Introdução à CoagulaçãoIntrodução à Coagulação
Introdução à Coagulação
 
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdfQUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
 
Aspectos Gerais da Tomografia de Abdome
Aspectos Gerais da Tomografia de AbdomeAspectos Gerais da Tomografia de Abdome
Aspectos Gerais da Tomografia de Abdome
 
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
 
QUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdf
QUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdfQUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdf
QUADRIX_010_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MASTOLOGIA.pdf
 
Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02Derramepleural 100508113220-phpapp02
Derramepleural 100508113220-phpapp02
 
Aneurisma dissecante da aorta
Aneurisma dissecante da aortaAneurisma dissecante da aorta
Aneurisma dissecante da aorta
 
Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
 
Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
 
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia SubependimalHemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
 
CPR in prone position
CPR  in prone positionCPR  in prone position
CPR in prone position
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 
Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011Prova exame amrigs_2011
Prova exame amrigs_2011
 
HCC ressecção X tx
HCC ressecção X txHCC ressecção X tx
HCC ressecção X tx
 
Abstracts assessed on the 19th Congress of the SPMI
Abstracts assessed on the 19th Congress of the SPMIAbstracts assessed on the 19th Congress of the SPMI
Abstracts assessed on the 19th Congress of the SPMI
 
Resumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesicoResumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesico
 

UFMT 2021 2022.pdf

  • 1. UFMT 2021 2022 GENARO TUCO ZARATE - 518.100.772-49 Acessar Lista Questão 1 Etiologias específicas Derrame pleural tuberculoso Exsudato X Transudato A respeito da diferenciação entre transudatos e exsudatos para o correto manejo de pacientes com derrame pleural, analise as afirmativas. I. Os transudatos são, em sua maior parte, bilaterais; já os exsudatos se apresentam, na maioria das vezes, de forma unilateral. II. Os critérios de Light são parâmetros clínicos utilizados na diferenciação entre transudatos e exsudatos. III. A etiologia mais frequente de derrame pleural do tipo transudato é a insuficiência renal. IV. O derrame pleural secundário à tuberculose é normalmente do tipo exsudativo com valores de adenosina deaminase acima de 40 UI/L. Estão corretas as afirmativas A I e IV, apenas. B II e III, apenas. C I, II e III, apenas. D II, III e IV, apenas. Essa questão possui comentário do professor no site 4000186321 Questão 2 Anatomia e Fisiopatologia As hemorroidas são estruturas vasculares normais no canal anal. Aproximadamente 5% da população geral é afetada por sintomas relacionados à doença hemorroidária. Em relação à anatomia, características clínicas e siopatologia das hemorroidas, é correto afirmar: A A artéria retal inferior é ramo direto da artéria ilíaca interna e principal responsável pelo suprimento arterial para as hemorroidas internas. B A doença hemorroidária é caracterizada por dilatação anormal das veias do plexo hemorroidário interno, distensão das anastomoses arteriovenosas, prolapso dos coxins anais e destruição do tecido conectivo de ancoragem. C O principal referencial anatômico para classificação das hemorroidas é a borda anal. As hemorroidas internas estão acima e as externas abaixo da borda anal. D A hemorroida de terceiro grau permanece sempre exteriorizada e irredutível, com ou sem sangramento, podendo evoluir para isquemia, trombose ou gangrena. Essa questão possui comentário do professor no site 4000186320 Questão 3 Complicações Diverticulite do Lado Direito Fisiopatologia A prevalência da diverticulose tem aumentado tanto no ocidente quanto em países que adotaram um estilo de vida mais ocidental. A doença diverticular do cólon é uma causa importante de internações hospitalares. Vários fatores de estilo de
  • 2. vida têm sido associados à doença diverticular. Sobre essa doença, analise as afirmativas a seguir. I. Alta ingestão de carne vermelha, dieta pobre em bra alimentar e tabagismo estão associados ao risco de desenvolver doença diverticular. II. Ao contrário da diverticulite, que ocorre principalmente no cólon esquerdo, o sangramento diverticular ocorre principalmente no cólon direito. III. Existem evidências cientí cas robustas que apoiam o uso da mesalazina associado a probióticos para prevenir a recorrência de episódios de diverticulite. Está correto o que se afirma em A I e II, apenas. B I, apenas. C II e III, apenas. D I, II e III. 4000186319 Questão 4 Tipos histológicos Neoplasia pulmonar O câncer de pulmão é o 3º responsável pelos óbitos de câncer em homens e o 4º em mulheres. Sobre esse tipo de câncer, assinale a afirmativa correta. A Aproximadamente 20% dos casos estão associados ao consumo de bebida alcoólica. B É o câncer de maior prevalência nos pacientes do sexo feminino. C Os tipos histológicos mais comuns são os carcinomas de não pequenas células (que incluem adenocarcinoma de células escamosas e os carcinomas oat-cell). D De acordo com o Tratado de Tumores Malignos (TNM), 8ª edição, o derrame pleural neoplásico passa a não ser mais considerado metástase. 4000186318 Questão 5 Quadro Clínico e Indicações de Tomografia de Crânio Hematoma Extradural Traumatismo Craniencefálico Paciente do sexo masculino, 25 anos, encontra-se internado na Unidade de Tratamento Intensivo por traumatismo cranioencefálico grave. A tomografia computadorizada de crânio encontra-se representada abaixo.
  • 3. Considerando o diagnóstico radiológico, qual é a causa mais relacionada a essa alteração? A Laceração do seio transverso da dura-máter junto ao seu trajeto lateral na base do crânio. B Estiramento e ruptura de veias-ponte presentes na aracnoide. C Extravasamento de sangue a partir de lacerações do parênquima cerebral. D Ruptura da artéria meníngea média em seu trajeto junto à escama temporal. Essa questão possui comentário do professor no site 4000186317 Questão 6 Acidose metabólica Paciente masculino, 35 anos, 70 Kg, vítima de acidente automobilístico, é admitido na unidade de pronto atendimento em urgência e emergência, via SAMU, apresentando FC 125 bpm, PA 110/60 mmHg, FR 26 irpm, SatO2 91%, temp. axilar 35°C; ansioso, porém responsivo, negou comorbidades, referiu última refeição há 4h e a carteira de identidade demonstra tipo sanguíneo AB+. Apresenta fratura exposta em perna esquerda e ferimento penetrante na cavidade abdominal. Após condutas necessárias realizadas, o paciente foi submetido à intubação orotraqueal (IOT) em sequência rápida e mantido sob ventilação mecânica. Foi colhida a gasometria arterial que mostrou os seguintes resultados: pH 7,20; pCO₂ 35 mmHg; HCO₃- 10 mmol/L BE -16 mmol/L; K+ 5.9 mEq/L; Hb 8g/dL; Hct 25%. Sem alterações evidenciadas na monitorização. Foram transfundidas, inicialmente, duas unidades de concentrado de hemácias e três unidades de plasma fresco congelado. Com base no caso, qual o distúrbio ácido básico apresentado? A Acidose respiratória B Alcalose metabólica C Acidose metabólica D Alcalose respiratória 4000186316 Questão 7 Ecocardiograma Risco Cirúrgico Hipertensão Arterial Sistêmica Paciente masculino, 46 anos, tabagista, obeso, portador de diabetes mellitus insulinodependente compensado e
  • 4. hipertensão arterial sistêmica controlada com inibidor da enzima conversora de angiotensina. Está programada a cirurgia de colecistectomia aberta, razão pela qual é solicitada a avaliação pré-anestésica. Ao exame físico, constata-se presença de barba volumosa, uso de prótese superior e inferior, micrognatia e Teste de Mallampati classi cação II. Revisão de sistemas sem alterações e exames laboratoriais dentro da normalidade. Marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) A última diretriz de avaliação cardiovascular perioperatória da Sociedade Brasileira de Cardiologia não recomenda a suspensão dos inibidores da enzima conversora de angiotensina no perioperatório. ( ) O risco pertinente ao procedimento cirúrgico se refere à provável ocorrência de eventos cardiovasculares perioperatório, independentemente do estado clínico do paciente. A colecistectomia aberta, portanto, é um procedimento de baixo risco (<1%). ( ) A realização de ecocardiograma transtorácico é recomendada para todos os pacientes portadores de hipertensão arterial sistêmica, pois oferece informações adicionais de risco, a exemplo da fração de ejeção, que interferem na escolha das medicações anestésicas. ( ) Conforme a Sociedade Americana de Anestesiologia (ASA), o paciente descrito é classi cado como ASA II, isto é, aquele que apresenta doença sistêmica leve a moderada. Assinale a sequência correta. A V, V, V, F B F, F, V, V C V, F, F, V D F, V, F, F 4000186315 Questão 8 Anestésicos Locais Potência Ação Procedimentos com anestesia local são frequentes tanto no âmbito da atenção básica à saúde quanto das urgências e emergências. Em relação aos anestésicos locais, analise as afirmativas a seguir. I. Os anestésicos locais bloqueiam de forma reversível a transmissão de impulsos autônomos, sensoriais e motores, nessa sequência e dependente da dose, devido à diferença na composição e diâmetro das fibras nervosas. II. Cada anestésico local possui uma concentração mínima efetiva peculiar e necessária para bloquear a condução dos impulsos nervosos, refletindo as diferentes potências de cada fármaco. III. Nas doses recomendadas de bupivacaína (2-3 mg/Kg), a baixa toxicidade sistêmica relaciona-se à alta capacidade de conjugação a proteínas plasmáticas, diminuindo a sua distribuição pelos tecidos corporais. Está correto o que se afirma em
  • 5. A I, apenas. B I, II e III. C I e II, apenas. D II e III, apenas. 4000186314 Questão 9 Procedimentos à Beira Leito Durante a técnica infraclavicular de punção da veia subclávia para realização de acesso venoso central, a ponta da agulha deve ser posicionada na direção de qual estrutura? A Fúrcula esternal B Apêndice xifoide C Mamilo contralateral D Mamilo ipsilateral 4000186313 Questão 10 Manifestações Clínicas e Exame Físico Paciente de 60 anos de idade, sexo masculino, procura o PA Adulto de Hospital Municipal com quadro há um dia de dor abdominal, localizada em flanco direito, intermitente, tipo cólica, forte intensidade, associada a náuseas, vômitos e febre não termometrada. O médico plantonista inicia o tratamento clínico com medicamentos sintomáticos, com pouca melhora, e faz a hipótese diagnóstica de abdome agudo. Qual a principal hipótese etiológica dessa dor abdominal? A Abscesso de psoas B Diverticulite de Meckel C Abscesso hepático D Colecistite 4000186312 Questão 11 Clínica Médica Homem, 31 anos, procurou atendimento médico pois notou nódulo em axila esquerda que vem aumentando de tamanho, associado à fadiga, perda de peso e febre não aferida. Foi submetido à biópsia, em que foram visualizadas células gigantes, multinucleadas, com nucléolos evidentes, compatíveis com células de ReedSternberg. Diante do quadro clínico e do resultado da biópsia, qual a hipótese diagnóstica? A Tuberculose ganglionar B Linfoma de Hodgkin C Linfoma não Hodgkin D Micose fungoide 4000186311
  • 6. Questão 12 Clínica Médica Homem, 72 anos, com cirrose hepática, causada pelo vírus da hepatite C, vem em consulta no ambulatório de hepatologia acompanhado pelo lho, apresentando icterícia ++/4+ e distensão abdominal por volumosa ascite não controlada por paracentese. Filho refere que o pai tem apresentado quadros de confusão mental. Em relação à classi cação de Child Pugh, quais exames são necessários para avaliar se o paciente tem indicação de transplante hepático? A Bilirrubinas, ureia sérica e tempo de protrombina. B Bilirrubinas, albumina sérica e tempo de protrombina. C Bilirrubinas, ureia sérica e gamaglutamiltransferase. D Bilirrubinas, albumina sérica e gamaglutamiltransferase. 4000186310 Questão 13 Clínica Médica Mulher, 55 anos, chega ao pronto atendimento trazida pelo SAMU, torporosa, evoluindo com convulsão e coma. Ao exame físico: PA= 90 x 50 mmHG, FC= 120 bpm, FR= 18 irpm, pulsos nos. Realizados exames laboratoriais com os seguintes resultados: glicemia 1020 mg/dL, Na+ 125 mEq/L, K+ 3,5 mEq/L, ureia 150 mg/dL, creatinina 2,9 mg/dL, urina tipo I com glicose 4+ e corpos cetônicos 1+, gasometria com pH 7,40, bicarbornato 20 mEq/L e Osmolaridade 360 mOsm/kg água. Em relação ao quadro clínico-laboratorial, trata-se de A estado hiperglicêmico hiperosmolar, causado pelo diabetes tipo II. B cetoacidose diabética, causada pelo diabetes tipo I. C uremia, devido à desidratação e insuficiência renal crônica. D hiponatremia, devido à desidratação pelo diabetes tipo I. 4000186309 Questão 14 Clínica Médica Homem, 65 anos, hipertenso e tabagista, vem ao ambulatório com queixa de dispneia progressiva há 8 anos. Apresenta tosse crônica com expectoração clara e, neste último mês, evoluiu com dispneia aos pequenos esforços. Ao exame físico: FR= 25 irpm, murmúrio vesicular diminuído difusamente, estase jugular, hepatomegalia 2 cm do rebordo costal direito e edema +++/4+ nos membros inferiores. Demais dados do exame físico sem alterações. Os achados do exame clínico correspondem à doença pulmonar obstrutiva crônica com A falência de ventrículo esquerdo e insuficiência cardíaca congestiva. B hipertensão arterial, evoluindo para insuficiência cardíaca congestiva. C quadro de exacerbação aguda, evoluindo para insuficiência respiratória. D hipertensão pulmonar, insuficiência cardíaca direita e cor pulmonale. 4000186308 Questão 15 Clínica Médica Mulher, 60 anos, em acompanhamento há 15 anos de artrite reumatoide, apresentando deformidades em mãos, retorna ao ambulatório com raio X de mãos e punhos com as seguintes alterações radiológicas: hiperextensão das articulações
  • 7. interfalangeanas proximais e exão das articulações interfalangeanas distais. Esses achados correspondem à deformidade em A dedos em fuso. B dedos em botoeira. C pescoço de cisne. D dedos em martelo. 4000186307 Questão 16 Clínica Médica Homem, 28 anos, admitido na emergência com história de oligúria, urina escura, mialgia generalizada, náuseas e vômitos. Tabagista (20 maços/ano) e usuário de cocaína há 5 anos, cerca de 4 vezes por semana. Nega uso de drogas injetáveis. Refere uso de cocaína inalatória ontem. Exame físico: orientado, desidratado ++/4+, FC= 110 bpm, FR= 20 irpm, PA= 150x100 mmHg, Temp. axilar 36,8° C. Dor à palpação da musculatura difusamente em membros inferiores e avaliação da força muscular limitada pela dor. Demais achados do exame físico sem alterações. Em relação ao quadro clínico do paciente, qual a hipótese diagnóstica? A Insuficiência renal aguda por rabdomiólise B Nefrite intersticial aguda C Glomerulonefrite difusa aguda D Vasculite imune de grandes vasos 4000186306 Questão 17 Clínica Médica Homem, 37 anos, agricultor, procedente de Belém do Pará, vem à consulta com queixa de febre há 30 dias, não mensurada, episódios de náuseas e vômitos. Nos primeiros 15 dias, a febre era diária seguida de calafrios. Após esse período, a febre surgia a cada 2 dias, com início abrupto seguido por calafrios e sudorese intensa. Fez uso de dipirona 1g. Nega doenças prévias. Ao exame físico: REG, mucosas hipocoradas ++/4+, PA= 120 x 80 mmHg, FC= 99 bpm, FR= 18 irpm, temp. axilar 39° C, Peso = 70 kg. Abdome globoso, fígado palpável 2 cm do rebordo costal direito e baço palpável 3 cm do rebordo costal esquerdo. Demais dados do exame físico sem alterações. Foi realizada hematoscopia do sangue periférico com presença de Plasmodium vivax em hemácias. Qual tratamento deve ser prescrito ao paciente? A Cloroquina 7 dias e primaquina 3 dias, dose única, após as refeições. B Cloroquina 3 dias e primaquina 7 dias, dose única, após as refeições. C Arteméter 3 dias e lumefantrina 5 dias, de 12/12 horas, em jejum. D Artesunato+mefloquina 3 dias e primaquina 14 dias, dose única, após as refeições. 4000186305 Questão 18 Clínica Médica João, 65 anos, veio à consulta ambulatorial trazido pela lha, que queixa estar envergonhada com a mudança de comportamento do seu pai. Há cerca de 4 meses, começou a dizer frases de cunho sexual para a funcionária doméstica da casa, tem falado palavras de baixo calão para pessoas desconhecidas. Refere ainda que não pode deixar restos de comida
  • 8. na mesa, que come tudo, principalmente se for doce e só toma banho se for à noite, caso contrário ca extremamente irritado. O quadro clínico e comportamental do João corresponde à demência A de corpos de Lewy. B frontotemporal. C de Alzheimer. D de Parkinson. 4000186304 Questão 19 Clínica Médica Feminino, 30 anos, vem ao ambulatório com queixa de fraqueza inicialmente em membros inferiores há 3 dias, evoluindo com piora da força muscular em membros superiores há 2 dias. Refere um quadro diarreico há 2 semanas antes do início dos sintomas atuais. Nega disfagia, diplopia, perda de controle es ncteriano, sem nível sensitivo. Nega comorbidades ou história familiar de doença neurológica. Qual o manejo correto desta paciente? A Acompanhamento ambulatorial, pois se trata de miastenia gravis, devendo ser realizada coleta de líquor e prescrita prednisona. B Internação hospitalar, pois se trata de uma crise miastênica, devendo ser realizada eletroneuromiografia e prescrita imunoglobulina humana. C Internação hospitalar, pois se trata de uma síndrome de Guillain Barré, devendo ser realizada coleta de líquor e prescrita imunoglobulina humana. D Acompanhamento ambulatorial, pois se trata de uma síndrome de Guillain Barré, devendo ser realizada coleta de líquor e prescrita prednisona. 4000186303 Questão 20 Clínica Médica A maior causa de morte no Brasil e no mundo é de origem cardiovascular, que corresponde a cerca de 30% de todas as causas, sendo a insu ciência cardíaca a grande responsável pela maior parte desses óbitos. Há diversas medicações que se mostram e cientes na redução da mortalidade. Nesse contexto, assinale o fármaco que possui efeito bené co na redução da mortalidade cardíaca. A Atenolol B Digoxina C Furosemida D Dapagliflozina 4000186302 Questão 21 Tratamento Nuligesta, 26 anos, vem tentando engravidar há 4 anos, sem sucesso. Queixa-se de dispareunia profunda e dor pélvica, informando que a dor piora bastante no período menstrual. Ao toque vaginal, observa-se útero retrovertido, xo, sensível ao toque e à presença de nodulações no ligamento útero-sacral. Após avaliar exames complementares, o médico indica uma videolaparoscopia com biópsia, chegando ao diagnóstico nal. Ao receber explicações sobre as opções de tratamento, a paciente opta pelo uso de um implante liberador de etonogestrel e 6 meses depois, na consulta de retorno, relata alívio
  • 9. significativo do quadro álgico. A melhora da sintomatologia ocorreu porque o medicamento escolhido A agiu no hipotálamo, bloqueando a síntese de gonadotrofinas. B inibiu de forma não seletiva as enzimas COX-1 e COX-2. C provocou a degradação enzimática das aderências na pelve. D promoveu atrofia dos focos de tecido endometrial ectópico. 4000186301 Questão 22 Causas estruturais PALM Pólipos uterinos Mulher de 47 anos, G2 PC2 A0, procura ginecologista queixando-se de sangramento menstrual prolongado. Relata que suas menstruações duravam em média 4-5 dias, mas nos últimos 6 meses o sangramento vem se prolongando por até 10 dias. Informa que realizou laqueadura tubária há 13 anos e desde então não faz uso de contraceptivos hormonais. Nega comorbidades. Após realização de exame físico e avaliação dos exames complementares, o médico conclui que a causa do sangramento anormal é de ordem estrutural. Qual achado é compatível com o caso descrito? A Distúrbio de coagulação B Cisto folicular de ovário C Pólipo endometrial D Síndrome dos ovários policísticos 4000186300 Questão 23 DIU liberador de levonorgestrel Contraindicações Mulher casada, G2 P2 A0, 38 anos, tabagista 1 maço/dia, dislipidêmica e hipertensa, teve o último parto há 4 anos. Faz uso regular de sinvastatina 20 mg/dia e losartana 50 mg/dia, mantendo PA em níveis adequados. Informa fazer uso de Ciclo 21 (contraceptivo oral combinado) sem intervalo entre as cartelas, pois não deseja menstruar, estando bem adaptada ao método. Exame físico sem anormalidades, exceto por IMC = 38 Kg/m². Em relação à contracepção, qual a opção correta para essa paciente? A Recomendar sistema intrauterino liberador de levonorgestrel. B Manter contraceptivo oral combinado. C Oferecer dispositivo intrauterino de cobre. D Indicar laqueadura tubária. 4000186299 Questão 24 Síndrome de Rokitansky Paciente do sexo feminino, 16 anos, vem para consulta ginecológica acompanhada pela mãe. Relata que nunca menstruou e nega atividade sexual. Sem outras queixas ou afecções clínicas, apresenta ao exame clínico peso 55 kg, estatura 1,63 m, fácies atípica, Tanner M4P5, abdome sem visceromegalias, indolor à palpação. Ao exame ginecológico, vulva com anatomia típica, com pili cação normal, hímem anular integro, vaginometria com cotonete = 2 cm. Não foi realizado exame ginecológico com espéculo. Diante desses dados, qual a principal hipótese diagnóstica e conduta adequada para investigação?
  • 10. A Atraso constitucional da puberdade; reavaliar clinicamente em 6 a 12 meses. B Adrenarca isolada por hiperplasia congênita da suprarrenal; dosar 17-hidroxiprogesterona. C Síndrome dos ovários policísticos; descartar outras causas de hiperandrogenismo. D Amenorreia primária por síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser; solicitar USG pélvica. Essa questão possui comentário do professor no site 4000186298 Questão 25 Mamografia Quadro clínico Ultrassonografia Mulher, 40 anos, lactante em aleitamento materno exclusivo há 2 meses, relata ter identi cado há 3 meses, durante autoexame, um “caroço” na mama esquerda. Nega comorbidades ou doenças importantes no histórico familiar. Informa que nunca fez exame de mamogra a. Ao exame físico, presença de nodulação endurecida com cerca de 3 cm em QSL da mama esquerda. Na axila, não foram palpados linfonodos suspeitos. Qual a conduta correta para esse caso? A Aguardar a suspensão do aleitamento, pois a arquitetura mamária se modifica nessa fase, dificultando o diagnóstico por imagem. B Indicar biópsia por core biopsy, pois, após os 40 anos de idade, todo nódulo de mama deve ser investigado com exame anatomopatológico. C Solicitar ultrassom de mama e mamografia, pois todo nódulo persistente em mulheres com mais de 30 anos necessita investigação. D Proceder à exérese do nódulo por cirurgia, com pesquisa de linfonodo sentinela para avaliar a necessidade de ampliação das margens. 4000186297 Questão 26 Fases do ciclo menstrual Ações do estrogênio e progesterona em outros órgãos Ciclo menstrual Mulher, 23 anos, sem uso de contraceptivos há 3 meses, apresenta ciclos menstruais regulares com 28 dias de intervalo. Para detectar seu período fértil, ela vem observando as modi cações siológicas de suasecreção vaginal. Há 1 semana notou a presença de muco abundante e lante, mas hoje a secreção está mais escassa e viscosa. Qual o per l das gonadotrofinas encontrado hoje? A Ascensão constante desde o início do ciclo B Queda em relação ao início do ciclo C Secreção estável desde o início do ciclo D Queda em relação ao meio do ciclo Essa questão possui comentário do professor no site 4000186296 Questão 27 Conduta inicial na RPM Conduta na RPM entre 24 a 33 67 semanas Multípara, 38 anos, com 29 semanas de gestação, relata 3 episódios de perda de líquido por via vaginal nas últimas 24 horas. Nega contrações ou queixas urinárias e relata boa movimentação fetal. PA 120x70 mmHg, FC 78 bpm, Tax 36,6 ºC, AU 25 cm, BCF 128 bpm, dinâmica uterina ausente. Ao exame especular, colo com orifício em fenda, sem evidência de sangramento ou saída de líquido pelo orifício externo do colo mesmo após manobra de Valsalva. Toque não realizado. O teste de cristalização do muco cervical evidenciou aspecto em “folha de samambaia” e o teste com ta reagente evidenciou pH vaginal alcalino, acima de 6,5. Perante as evidências descritas, qual a recomendação para o caso?
  • 11. A Internar, solicitar exames laboratoriais e de avaliação da vitalidade fetal; na ausência de sinais de infecção e/ou sofrimento fetal, indicar conduta expectante. B Solicitar exames laboratoriais e cardiotocografia; na ausência de sinais de sofrimento fetal ou infecção materna, internar e prescrever misoprostol para indução do parto vaginal. C Liberar a paciente com solicitação de ultrassonografia obstétrica para confirmar a ausência de amniorrexe, orientar retorno imediato caso ocorra novo episódio de perda de líquido ou dor. D Solicitar realização ambulatorial de EAS, urocultura e ultrassonografia obstétrica, orientando retorno assim que os exames estiverem prontos. 4000186295 Questão 28 Indicações e contraindicações Paciente, G2 PN1 A0, 23 anos, IG 40 semanas e 4 dias, sem comorbidades e sem queixas, apresenta-se para avaliação de vitalidade fetal. PA 120 x 80 mmHg, FC 71 bpm e altura uterina 38 cm. Ao toque vaginal: colo posterior, médio, 40% apagado, dilatado 1 cm, apresentação cefálica no plano - 2 de De Lee. A gestante é direcionada para realização de per l biofísico fetal que revela índice de líquido amniótico de 4,3 cm, com tônus preservado, movimentos fetais e respiratórios presentes. A cardiotocografia está representada abaixo. Qual a conduta obstétrica? A Internar para realização de parto cesáreo. B Maturação do colo com prostaglandina vaginal. C Reavaliar vitalidade fetal com 41 semanas. D Indução do parto com ocitocina em bomba de infusão. 4000186294 Questão 29 Conduta obstétrica Préeclâmpsia com sinais de gravidade Tratamento farmacológico Primigesta, 17 anos, sem pré-natal, com 33 semanas e 2 dias de gestação, procura maternidade, apresentando cefaleia intensa, náusea e edema de membros inferiores há 3 dias. Hoje, queixa-se de cefaleia occipital, vômitos, turvação visual e epigastralgia. Ao exame físico: PA 180 x 110 mmHg, dinâmica uterina ausente, tônus uterino normal, BCF 124 bpm. Ao toque vaginal, colo grosso, posterior, impérvio, sem perdas por via vaginal. A conduta correta para essa situação é:
  • 12. A Solicitar exames laboratoriais, iniciar corticoterapia e prescrever sulfato de magnésio endovenoso. Indicar indução do parto vaginal com misoprostol. B Realizar acompanhamento ambulatorial diário, solicitando mapa pressórico. Iniciar corticoterapia e prescrever uso regular de metildopa e nifedipina. C Prescrever hidralazina endovenosa e gluconato de cálcio. Solicitar exames laboratoriais e indicar interrupção da gravidez em caso de persistência da hipertensão. D Internar para estabilização materna, solicitar exames laboratoriais e avaliar a vitalidade fetal. Prescrever hidralazina endovenosa e sulfato de magnésio. 4000186293 Questão 30 Dieta Conduta Diagnóstico Mulher, 21 anos, G2 PN1 A0, IG: 29 semanas, sem comorbidades referidas, IMC 27 Kg/m², retorna para consulta com o resultado de curva glicêmica (TOTG 75 gramas) jejum 93 mg/dL; 1ª hora 164 mg/dL; 2ª hora 151 mg/dL. De acordo com os critérios recomendados pelo Ministério da Saúde (2016) para o diagnóstico de diabetes mellitus na gestação, qual a conclusão a respeito desse caso? A A paciente apresenta exame compatível com diabetes mellitus gestacional. Recomenda-se mudança de hábitos de vida com dieta e exercícios físicos. B Os dados apresentados são compatíveis com diabetes mellitus prévio à gestação. Deve-se iniciar dieta, exercícios físicos e insulina NPH. C O diagnóstico é de pré-diabetes, pois apenas um dos valores da curva glicêmica está alterado. Recomenda-se repetir TOTG 75 em 4 semanas. D A curva glicêmica descrita apresenta valores normais. O médico deve tranquilizar a paciente e orientar seguimento pré-natal habitual. 4000186292 Questão 31 Aspectos Clínicos Quadro clínico e Diagnóstico Doença de Kawasaki Lactente, masculino, 18 meses de idade, previamente hígido, foi levado à UPA com história de febre alta (39,2ºC), iniciada há 3 dias, acompanhada de tosse seca, rinorreia e congestão ocular não exudativa. Vacinas em dia. Ao exame, apenas hiperemia de orofaringe e membranas timpânicas. O médico solicitou Rx de tórax, com resultado normal. Liberou a criança para casa com Paracetamol, soro siológico para as narinas e higiene ocular, medicação que já costumava utilizar na criança. Paciente não apresentou melhora, persistindo com o quadro. Após 2 dias, evoluiu com dor abdominal difusa, diarreia (fezes semilíquidas 5x/dia, amareladas, sem muco, pus ou sangue, odor incaracterístico), hiperemia difusa em face, tronco e membros, edema em face, mãos e pés, eritema de mucosa oral e ssuras labiais. Retornou à UPA sendo atendido por outro pro ssional. Ao exame: REG, febril (Tax: 39ºC) taquicárdico, hiperemia ocular bilateral, anictérico e acianótico. Otoscopia mostrou hiperemia. Orofaringe com hiperemia e língua em framboesa. Pescoço com linfonodos palpáveis à direita, sendo o maior com 1,5 cm de diâmetro e sem sinais ogísticos. AR: MV siológico, sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros. Tempo de enchimento capilar menor que 3 segundos. Abdome plano, simétrico, sem dor à palpação profunda e sem visceromegalias. Genitália masculina sem alteração. SN sem sinais meníngeos. Pele com exantema difuso polimorfo, indolor e não pruriginoso e sinal de Nikolsky negativo. Qual a principal hipótese diagnóstica?
  • 13. A Doença de Kawasaki B Escarlatina C Sarampo D Toxoplasmose 4000186291 Questão 32 Diagnóstico Sinais e sintomas Gestante dá entrada na maternidade do Hospital Universitário em trabalho de parto. Deu à luz a RN nascido masculino, parto vaginal e Apgar 8 e 9. Peso 2.480 g, 45 cm e PC 33 cm. Ao exame, apresentou, ao nascimento, características de crescimento intrauterino restrito (CIUR) e hepatoesplenomegalia. Mãe primigesta fez apenas duas consultas com 2 meses de gestação. Mora em fazenda no interior do estado. No alojamento conjunto, o RN evoluiu com icterícia tardia, sem incompatibilidade sanguínea, com aumento de bilirrubina direta e provas de função hepática alteradas. Foram solicitados exames para investigação: hemograma, sorologias materna e do RN para doenças de transmissão vertical, prova de função hepática, tomografia craniana, US transfontanela e avaliação oftalmológica. Disponíveis até agora os seguintes resultados: I. A tomogra a de crânio, assim como o ultrassom transfontanela, evidenciou atro a cortical,calci cações intracranianas difusas e hidrocefalia. II. A avaliação oftalmológica mostrou sinais de coriorretinite em atividade. Qual a principal hipótese diagnóstica dessa doença congênita? A Rubéola B Sífilis C Toxoplasmose D Citomegalovírus 4000186290 Questão 33 Enurese Noturna Classificação quanto à evolução Definição Menino de 4 anos comparece à consulta com o médico da UESF acompanhado pela mãe, a qual relata que ele urina na cama quase toda noite durante o sono, desde que tentou tirar da fralda aos 2 anos. Refere, ainda, que durante o dia ca sem fralda e urina bem, jato forte, sem disúria e alteração na cor ou cheiro da urina. Nega constipação intestinal e diarreia. Aleitamento materno exclusivo até os 6 meses. Atualmente consome a mesma dieta da família. Caderneta de vacinas em dia. Nega doenças e uso de medicação. Ao exame: criança em BEG, afebril, corado, anictérica, acianótica. Otoscopia e orofaringe sem alteração. AR: Murmúrio vesicular siológico, simétrico, sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros. Boa perfusão periférica. Abdome: plano, simétrico, indolor, sem visceromegalias. RHA normoativos. Genitália masculina: pênis bem formado, prepúcio retrai e expõe a glande, meato uretral bem posicionado, sem hiperemia, testículos tópicos. SN: sem sinais meníngeos. Pele: sem lesões. Foram solicitados exames da urina: EAS e Urocultura do jato médio, que se apresentam normais. Qual a principal hipótese diagnóstica?
  • 14. A Enurese noturna secundária não monossintomática B Enurese noturna primária monossintomática C Enurese noturna secundária monossintomática D Perda urinária ainda considerada fisiológica 4000186289 Questão 34 Anemia Fisiológica Paciente, sexo masculino, 2 meses e 10 dias de vida, veio encaminhado ao ambulatório de pediatria geral do Hospital Universitário acompanhado da mãe, com história de que a cirurgia de hérnia inguinal foi suspensa devido à anemia da criança. Veio para investigação e tratamento. História Fisiológica: Parto normal, de termo, sem intercorrência e clampeamento tardio do cordão. Peso de 3.300 g, comprimento de 49 cm, PC de 34 cm e Apgar 9 e 10. Nega icterícia neonatal. Alimentação no seio materno exclusivo. Mãe primípara, 22 anos e fez pré-natal sem intercorrências. Nega doenças na família. Mãe A+ e RN O+ e VDRL negativo para ambos. Peso atual de 5.600 g, comprimento de 58 cm, e PC de 39 cm. Exame físico: BEG, afebril, hipocorada (++/4+), anictérica, acianótica, ativa e reativa. Cabeça e pescoço sem alteração. AR: MVF sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros e tempo de enchimento capilar <3 segundos. Abdome semigloboso, simétrico, sem visceromegalias e RHA +. SN: sem sinais meníngeos. Genitália masculina sem alteração. Pele sem lesões. Foram solicitados os seguintes exames: hemograma: Hb: 9g/dL, Ht: 28%, hemáceas normocrômicas e normocíticas. Contagem de reticulócitos normal. Esfregaço de sangue periférico normal. Qual a principal hipótese diagnóstica? A Anemia de Fanconi B Anemia fisiológica C Anemia falciforme D Anemia ferropriva 4000186288 Questão 35 Calendário infantil Mãe leva sua lha de 2 anos e 10 meses de idade na Unidade Básica de Saúde para consulta de puericultura, previamente agendada pela Agente Comunitária de Saúde que, na visita domiciliar realizada, constatou, por meio do cartão da criança, atraso vacinal. Apresentava esquema vacinal completo até um ano de idade. A mãe justi cou o atraso por conta dos inúmeros cuidados que precisa prestar ao marido, pois ele é cardíaco e diabético. O médico disse que a criança estava bem e não tinha contraindicação para ser vacinada, sendo orientada a procurar o setor de imunizações com a nalidade de atualização. Qual a melhor conduta para atualizar a caderneta de vacinas da criança, segundo o PNI-MS? A Aplicar agora a DPTa, Hepatite B, VOP, Tetraviral (S,R,C,V). B Aplicar agora a Triplice viral (S,R,C), Meningo C, Pneumo 10 e Hepatite A. C Aplicar agora a VOP e DPT, esperar 15-30 dias para administrar Tetraviral (S,R,C,V). D Aplicar agora a Tetraviral (S,R,C,V), hepatite A, VOP e DPT. 4000186287 Questão 36 Febre de origem indeterminada FOI Definições e Fisiopatologia Lactente masculino, 3 meses, previamente hígido, foi levado à UPA com queixa de febre de 38,5ºC, de início há 3 dias,
  • 15. acompanhado de tosse seca, coriza hialina e espirros. A mãe usou Paracetamol, 5 gotas e soro siológico nas narinas. Hoje relatou também quadro de diarreia 5 vezes ao dia, com fezes semilíquidas, amareladas, sem muco ou sangue e odor incaracterístico. Antes evacuava 2-3 vezes/dia. Diurese presente. Aceita bem o seio materno. A vacina de Meningo C agendada para esta semana ainda não foi realizada. Negou intercorrências gestacionais ou de parto, nasceu a termo, com peso de 3.200 g e Apgar 9 e 9. Ao exame físico, Tax de 38,9º C, FC: 120 bpm, FR: 50 irm e Peso: 6 kg. BEG e febril. Fontanela anterior plana e normotensa. Otoscopia e Orofarige sem alteração. Linfonodos cervicais palpáveis, lisos, móveis indolores e tamanhos normais. AR: murmúrio vesicular siológico e sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros e boa perfusão periférica. Abdome plano, simétrico, sem visceromegalias e RHA presentes. Genitália masculina bem formada, prepúcio aderido à glande, expõe o meato uretral e testículos tópicos. Pele sem lesões, inclusive perineal. Em relação à avaliação do quadro febril, é correto afirmar que se trata de uma febre A de origem indeterminada. B sem sinais localizatórios. C de origem determinada. D causada por bacteremia oculta. 4000186286 Questão 37 Curvas de Crescimento Gráficos OMS Classificação nutricional Lactente de 14 meses, masculino, acompanhado da avó foi encaminhado para consulta na Unidade da Estratégia de Saúde da Família pela Agente Comunitária de Saúde, devido ser morador novo de uma das microáreas atendidas. Nasceu prematuro e tem di culdade para ganhar peso e, há 5 meses, tomou vermífugo (mebendazol e metronidazol), sulfato ferroso (10 gotas 2x/dia) e vitamina D (3 gotas), sem melhora. A caderneta da criança apresentou os seguintes dados: parto normal, peso de 2.200 g, altura de 45 cm, PC de 32 cm e Apgar 8 e 10. IG de 35 semanas e vacinas atualizadas até o 9º mês. Testes de triagem neonatal normais. Exame físico sem alteração. Dados antropométricos já corrigidos para a idade gestacional: • Peso 7.500 g (> escore-z -3 e < escore-z -2); • Comprimento: 71cm (> escore-z -2 e < escore-z 0); • IMC 15,3 (> escore-z -2 e < escore-z -1); • PC: 45,5 cm (> escore-z -1 e < escore-z 0). Conforme as curvas de crescimento (z score) para crianças de zero a dois anos, constantes da Caderneta da Criança, onde foram plotados os dados antropométricos atuais, os diagnósticos desse paciente para peso, comprimento, IMC e PC são, respectivamente, A muito baixo, muito baixo, eutrofia e adequado. B baixo, adequado, eutrofia e adequado. C baixo, baixo, magreza e abaixo do esperado. D muito baixo, baixo, magreza e adequado. 4000186285 Questão 38 Pneumonia afebril do lactente Agentes etiológicos Diagnóstico
  • 16. Lactente feminina, 2 meses de vida, é levada pela mãe para consulta na Unidade de Saúde com história de tosse seca iniciada há cerca de 10 dias, sem febre ou coriza. A mãe é solteira, tem 20 anos de idade, primípara, relata que não fez pré- natal e teve apenas corrimento vaginal não tratado. A criança nasceu de parto normal, de termo, chorou forte ao nascer, pesou 2.485 g, cou no alojamento conjunto e recebeu alta com 48 h de vida. O VDRL foi não reagente da mãe e da criança. Já em casa, depois da primeira semana de vida, apresentou conjuntivite bilateral, cursando com edema e secreção ocular aquosa, que se tornou mucopurulenta. Foi orientada pela enfermeira da unidade a pingar o leite do peito e o médico prescreveu pomada oftálmica, com melhora. Vacinada com as vacinas BCG e Hepatite B. Estava agendada para tomar outras vacinas hoje. Aleitamento materno exclusivo. Exame físico: REG, afebril, saturação 96% e sem sinais de toxemia ou desconforto respiratório. Fontanela anterior plana e normotensa e posterior fechada. Otoscopia e orofaringe sem alteração. AR: FR de 66 irpm, MVF sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2t, sem sopros, FC 112 bpm e tempo de enchimento capilar igual a 3 segundos. Abdome sem alteração. Genitália sem alteração. Foram solicitados exames de hemograma, apresentando leucocitose e presença de eosino lia. A radiogra a de tórax apresentou hiperinsu ação com infiltrados intersticiais bilaterais e simétricos. Qual a principal hipótese diagnóstica e o agente causal mais provável? A Pneumonia bacteriana e Chlamydia trachomatis. B Bronquiolite aguda e Haemophilus influenzae. C Pneumonia bacteriana e Bordetella pertussis. D Bronquiolite aguda e Vírus sincicial respiratório (VSR). 4000186284 Questão 39 Diagnóstico Crianças e adolescentes Escolar, sexo feminino, 9 anos de idade, previamente hígida, é levada pela mãe à UPA com história de fraqueza, episódios repetidos de náusea e vômito, dor abdominal em hipocôndrio bilateral e inapetência há 04 dias, com piora no último dia. Negou febre e referiu sintomas gripais ocorridos 10 dias antes. Há 3 meses voltou a fazer xixi na cama durante a noite, que se acentuou na última semana, e vem perdendo peso, cerca de 4 kg. Negou antecedentes mórbidos, alergias ou uso contínuo de medicamentos. Referiu vacinação em dia. Negou doenças na família. Exame Físico: REG, desidratada (+++/4+), hipocorada (++/4+), eupneica, afebril, PA 100x80 mmHg, peso 26,5 kg (pesava 30 kg), FR 22 ipm, FC 159 bpm, saturando 97% em ar ambiente, presença de enantema e ssura labial. Ritmo cardíaco regular, murmúrios vesiculares universalmente audíveis, abdome sem alterações e tempo de enchimento capilar igual a três segundos. Ao exame neurológico, apresentou- se sonolenta, reativa, sem sinais meníngeos, escala de coma de Glasgow 14 e presença de fraqueza em membros inferiores. Foram solicitados de imediato os seguintes exames laboratoriais: Radiogra a de tórax sem alterações signi cantes, ECG sem alterações signi cantes, hemograma com presença de leucocitose sem desvio e com aumento de linfócitos, gasometria arterial com pH=7,16, HCO₃= 5,5 e BE=-24,4. EAS com cetonúria (+++) e glicosúria (++++) e glicemia de 380 mg/dL. Qual a principal hipótese diagnóstica? A Cetoacidose diabética B Diabetes Mellitus tipo I C Diabetes Mellitus tipo II D Pancreatite aguda viral 4000186283 Questão 40 Classificação das Epilepsias Crises de Início Focal Pré-escolar, feminina, 5 anos de idade, veio encaminhada para o Ambulatório de Pediatria do Hospital Universitário com história de quadro de crises epilépticas caracterizadas por perda súbita do tônus postural, extensão do membro superior
  • 17. direito, postura em opistótono e desvio óculo-cefálico para a esquerda, com duração de aproximadamente 30 segundos, iniciadas há 6 meses. Evolui na fase pós-ictal com letargia e confusão prolongada. As crises foram cando cada vez mais frequentes, quase toda semana e não estavam relacionadas com atividade física ou presença de febre. A paciente é lha de pais não consanguíneos, sem história de intercorrências gestacionais ou de parto e com desenvolvimento neurológico normal. Sem história familiar de doença neurológica. Os exames de hemograma, testes bioquímicos e triagem para erros inatos do metabolismo foram normais. O eletroencefalograma evidenciou atividade epileptiforme focal na região occipital do hemisfério cerebral direito, durante o sono. A RM de crânio com resultado normal. PETscan marcado com F-2- Deoxyglicose (FDG) demonstrou hipometabolismo glicolítico nas regiões têmporooccipital direita e parietal alta posterior direita. Essas crises epilépticas que a paciente apresentou, segundo a Liga Internacional Contra a Epilepsia (ILAE - 2017), são classificadas de início A generalizado, tonicoclônicas. B generalizado, motor tônico. C focal, tonicoclônicas. D focal, motor tônico. Essa questão possui comentário do professor no site 4000186282 Questão 41 Classificação Exame Físico Cefaleias Uma das queixas mais frequentes nas consultas nas UBS é cefaleia, que pode ter como causas desde condições muito benignas até potencialmente ameaçadoras à vida do paciente. Na abordagem inicial das cefaleias, é importante saber identi car sinais de alarme que sugerem uma causa secundária de maior gravidade. Quais sinais de alarme para cefaleia secundária? A Rigidez de nuca e fotofobia. B Início após os 50 anos e imunossupressão (HIV ou uso de corticoides). C Exantema e pródromos. D Imunossupressão (HIV ou uso de corticoides) e fotofobia. Essa questão possui comentário do professor no site 4000186281 Questão 42 Diagnóstico Apresentação clínica Mulher, 55 anos, costureira, procurou UBS queixando-se de dor na face radial do punho esquerdo há 8 meses. Ao exame físico, foi realizado teste de Finkelstein com resultado positivo, observando dor e limitação na movimentação da musculatura do polegar da mão direita. Esses achados são sugestivos de qual diagnóstico? A Tenossinovite de De Quervain B Artrite reumatoide C Síndrome do túnel do carpo D Cisto sinovial 4000186280 Questão 43 Rastreamento na gestação Rita, 26 anos, GII PI A0, idade gestacional de 8 semanas e 3 dias por DUM, veio em consulta pré-natal na UBS trazendo o
  • 18. seguinte exame: Sorologia para Toxoplasmose IgM Reagente e IgG Reagente. O médico da UBS iniciou pro laxia com Espiramicina 1g de 8/8h e solicitou Teste de Avidez de IgG. Hoje, Rita vem à consulta trazendo o exame que mostra alta avidez. Qual conduta adequada a ser tomada pelo médico? A Manter a Espiramicina e repetir a sorologia em 3 meses. B Prescrever Sulfadiazina, Pirimetamina e ácido fólico e encaminhar ao pré-natal de alto risco. C Suspender a Espiramicina e tranquilizar a paciente. D Encaminhar ao pré-natal de alto risco para realização de cordocentese pelo risco de infecção fetal. 4000186279 Questão 44 Prova tuberculínica PPD Mantoux Diagnóstico da infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis “A infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis ocorre quando uma pessoa se encontra infectada por essa bactéria, sem manifestação da doença ativa. Estima-se que um quarto da população mundial esteja infectada pelo Mycobacterium tuberculosis.” (Ministério da Saúde, 2018) Sobre os critérios para tratamento da infecção latente, conforme orientação do Ministério da Saúde, considere: I. Recém-nascido que coabita com caso-fonte diagnosticado laboratorialmente. II. Portador de Diabetes Mellitus com PPD=10mm. III. Paciente em uso de corticóide (Prednisona 5mg/dia por 6 meses) com PPD de 4mm. Para o tratamento da infecção latente, estão corretos os critérios A I e III, apenas. B II e III, apenas. C I e II, apenas. D I, II e III. 4000186278 Questão 45 Avaliação do pé diabético Definição e epidemiologia Rogério, 53 anos, tabagista 20 anos-maço, diabético tipo 2 há 6 anos. É atendido na UBS com queixa de dormência e formigamento nas extremidades inferiores há cerca de 8 meses, sem perda da força. O exame físico revela sensação diminuída ao toque leve, picada de agulha e sensação vibratória em ambos os pés, estendendo-se até 5 cm abaixo dos joelhos, simetricamente. Percebe-se falta de pelos nas pernas no mesmo nível. Demais exames médicos e neurológico sem alteração. Qual o diagnóstico mais provável e a correta avaliação dos pés?
  • 19. A Síndrome paraneoplásica e o teste com monofilamento deve ser aplicado somente em pés com úlceras, necrose, calos e cicatrizes. B Neuropatia periférica e o exame do pé deve ser realizado no mínimo uma vez ao ano. C Síndrome da cauda equina e usualmente não se faz exame dos pés em UBS. Deve-se encaminhar para especialista. D Mononeurite múltipla precoce e a ordem dos pontos testados deve ser contínua e somente no pé acometido. 4000186277 Questão 46 Abordagem Comunitária Program Saúde da Família PSF e Estratégia Saúde da Família ESF No Brasil, a territorialização é um pressuposto básico do Programa de Saúde da Família (PSF), instituído pelo Ministério da Saúde desde 1994. É um aspecto fundamental para o bom desenvolvimento da prática de um médico de família e comunidade. De acordo com o Ministério da Saúde, o que é a territorialização? A É uma ferramenta útil para definir padrão de morbidade e o perfil do usuário dos serviços. B É uma rede de serviços de saúde de um município. C É a unidade operacional do agente comunitário de saúde. D É o processo de análise territorial visando a uma base organizativa dos sistemas de saúde e do planejamento da vigilância em saúde. 4000186276 Questão 47 Método Clínico Centrado na Pessoa Existem muitas ferramentas da prática do médico de família e comunidade. Uma delas é o método clínico centrado na pessoa (MCCP), um modelo de abordagem à consulta, bastante utilizado na prática. Instrumento extremamente importante na prática clínica e na atenção primária à saúde. Sobre o MCCP, assinale a afirmativa correta. A O segundo componente do MCCP é sobre entender o contexto que a pessoa está inserida, entendendo a pessoa como um todo. B Esse método clínico possui cinco componentes. C O terceiro componente do MCCP é: explorando a saúde e a doença e a experiência da pessoa com a doença. D Fragmenta os diversos aspectos positivos das diferentes formas de abordagem aos problemas de saúde. 4000186275 Questão 48 Refluxo Gastroesofágico RGE O re uxo gastroesofágico (RGE) é uma condição comum e de elevada prevalência nas crianças. Pode-se a rmar que todas as crianças terão algum episódio de RGE durante alguma fase do seu desenvolvimento, o que preocupa muito os pais, levando à procura constante por atendimento médico nas Unidades Básicas de Saúde. Em relação ao RGE siológico, assinale a afirmativa correta.
  • 20. A É comum a criança apresentar quadros de otites médias de repetição. B Na maioria das crianças, mudanças dietéticas são suficientes para prover a melhora do quadro. C É comum o baixo ganho de peso nas crianças acometidas. D A cirurgia antirrefluxo deve ser sempre considerada. 4000186274 Questão 49 Políticas de Saúde do Sistema Único de Saúde Program Saúde da Família PSF e Estratégia Saúde da Família ESF No Sistema Único de Saúde, atenção domiciliar (AD) é indicada para pessoas que, estando em estabilidade clínica, necessitam de atenção à saúde em situação de restrição ao leito ou ao lar de maneira temporária ou de nitiva ou em grau de vulnerabilidade na qual a atenção domiciliar é considerada a oferta mais oportuna para tratamento, paliação, reabilitação e prevenção de agravos, tendo em vista a ampliação de autonomia do usuário, família e cuidador (BRASIL, 2017). Um médico da UBS Nova Serena tem na sua área de abrangência um número signi cativo de demandas de AD e precisa organizá-las de uma forma sistemática. Qual alternativa NÃO apresenta critério clínico para elegibilidade de AD? A Pacientes com arranjos sócio-familiar-econômicos frágeis com efeito em sua condição de saúde. B Paciente com crise asmática frequente a ser melhor investigada. C Paciente em pós-operatório acamado e/ou restrito ao domicílio. D Pacientes com adaptações iniciais para o pré-natal. 4000186273 Questão 50 Política Nacional de Atenção Básica PNAB A Política Nacional da Atenção Básica (PNAB) do Ministério da Saúde do Brasil de ne as atribuições de cada pro ssional que atua nesse nível de atenção. De acordo com essa política, analise as a rmativas sobre as atribuições dos membros de cada equipe da atenção básica. I. Participar das atividades de educação permanente é papel de todos os membros da equipe. II. Participar do gerenciamento de insumos necessários para o adequado funcionamento da UBS é função do agente comunitário de saúde. III. É atribuição do médico realizar consultas clínicas e pequenos procedimentos cirúrgicos na UBS e, quando necessário ou indicado, no domicílio. Estão corretas as afirmativas A I e III, apenas. B II e III, apenas. C I e II, apenas. D I, II e III.
  • 21. 4000186272 Questão 51 Pneumotórax Hipertensivo Paciente masculino, 6 anos, vítima de acidente automobilístico, está em atendimento na sala de politrauma. Apresenta quadro de taquipneia, hipotensão, desvio da traqueia para o lado direito, murmúrio vesicular abolido, com hipertimpanismo e aumento do volume do hemitórax à esquerda, sem movimentos respiratórios desse lado, com distensão de veias cervicais. Considerando o caso clínico, responda aos itens. [A] Qual é o diagnóstico mais provável? [B] Qual é a conduta imediata nesse caso? 4000186271 Questão 52 Quadro clínico diagnóstico e sinais de alarme Paciente de 32 anos, sexo masculino, previamente hígido, apresenta dor lombar aguda intensa com irradiação para o membro inferior esquerdo iniciada há 2 dias. A dor não possui relação com a deambulação e nem com a mudança de posição, apresentando melhora parcial no repouso. O controle de esfíncteres anal e vesical está normal, porém o paciente relata piora da dor ao defecar (ao realizar manobra de Valsalva). Ao exame clínico, sinal de Lasègue à esquerda; força grau 5 para todos os grupos musculares dos membros inferiores; re exo aquileu esquerdo abolido e parestesias na planta e face lateral do pé esquerdo. Os demais itens do exame neurológico e geral estão normais. Considerando o provável diagnóstico, qual a melhor conduta a ser adotada nesse caso? 4000186270 Questão 53 Clínica Médica Masculino, 78 anos, tabagista, diabético e hipertenso, deu entrada no pronto atendimento com queixa de dor epigástrica há 2 horas, de forte intensidade, em queimação, sem atenuação desde o início do quadro, associado à sudorese fria, escurecimento da vista e náuseas. Em uso de metformina 850g 2 vezes/dia, losartana 100 mg/dia e anlodipino 5 mg/dia. Foi aberto protocolo de dor torácica. Realizado exame físico: SatO₂: 97%, FC= 108 bpm; FR= 16 irpm; PA = 84/52 mmHg, REG, ansioso, sudoreico, hipocorado ++/4+, acianótico, anictérico. ACV: bulhas normofonéticas, ritmo regular 2t, sem sopros. Pulsos amplos e simétricos, mantendo presença de turgência jugular a 45°. AR: Murmúrio vesicular audível, sem alterações. ECG: Em relação ao caso dado, responda aos itens. [A] Qual o diagnóstico do paciente?
  • 22. [B] Qual o tratamento frente ao diagnóstico? 4000186269 Questão 54 Clínica Médica Masculino, 65 anos, deu entrada no pronto atendimento acompanhado pela esposa, com queixa de perda da força em hemicorpo direito há 1 hora, associado à alteração da fala, de início súbito enquanto trabalhava. Hipertenso, tabagista e diabético. Nega história de arritmia cardíaca ou episódio semelhante anterior. Em uso de: losartana 50 mg/dia, metformina 850 mg/dia e sinvastatina 20 mg/dia. Exame físico: PA = 190x120 mmHg, FC= 90 bpm, FR= 14 irpm, SatO₂ 97%, Tax: 36° C, ritmo cardíaco regular, 2t, sem sopros. Pulsos carotídeos cheios e simétricos. Vigil, afasia motora, sem rigidez de nuca. Pupilas isocóricas e fotorreagentes. OCME preservada. Paralisia facial padrão supranuclear à direita. Hemiparesia completa desproporcionada à direita com predomínio braquio-facial. Hipoestesia tátil em hemicorpo direito. Coordenação de difícil avaliação devido à fraqueza muscular. Realizada TC de crânio. Em relação ao caso, responda aos itens. [A] Qual a hipótese diagnóstica? [B] Qual o tratamento indicado para esse caso? [C] Qual cuidado deve ser tomado antes de realizar esse tratamento? 4000186268 Questão 55 Diagnóstico Mulher, 32 anos, procura atendimento com atraso menstrual de 7 semanas, sangramento vaginal e dor em hipogástrio de moderada intensidade há 4 dias. Ao exame clínico, hipocorada ++/4+, PA 90 x 54 mmHg, FC 124 bpm, FR 22 rpm. Apresenta dor à palpação profunda de abdome, com descompressão brusca presente em fossa ilíaca direita. Ao toque vaginal, colo posterior, amolecido, impérvio e doloroso à mobilização. Exames laboratoriais: hemoglobina 8,7 g/dL, hematócrito 26,1%, leucócitos 13.480 mm³, plaquetas 166 mil/mm³ e beta hCG: 3.837 mUI/mL, sem evidência de saco gestacional intrauterino ao ultrassom transvaginal. Qual o diagnóstico diante do quadro descrito? 4000186267
  • 23. Questão 56 Tratamento Sífilis secundária Diagnóstico Nuligesta, 24 anos, comparece para consulta na UBS apresentando lesões papulosas eritemato acastanhadas em tronco, genitália e membros, com acometimento da região plantar e palmar. Faz uso regular de contraceptivo oral combinado, mas não tem parceiro xo. Ao ser questionada, informa que há 3 meses percebeu lesão única, indolor, na parte interna da vulva e pequena nodulação em virilha do mesmo lado. Informa que essa lesão persistiu por mais de 15 dias e que por isso agendou uma consulta, mas, como menstruou na data marcada, não compareceu para o atendimento. Ela conta que, logo depois, a lesão desapareceu espontaneamente e por isso acabou não retornando. No exame físico atual, não foram identificadas cicatrizes na região genital. Em relação ao caso dado, responda aos itens. [A] Qual o estágio clínico atual da doença e o agente etiológico responsável? [B] Atualmente, qual o medicamento e a posologia preconizados pelo Ministério da Saúde do Brasil? 4000186266 Questão 57 Passos iniciais Primigesta, 22 anos, 39 semanas de idade gestacional, dá entrada na maternidade do Hospital Universitário em trabalho de parto. Pré-natal sem intercorrências. Bolsa rota com líquido amniótico tinto de mecônio. Dá à luz, via parto vaginal, RN sexo masculino, coberto de mecônio, choro fraco, tônus muscular ácido, com sinais de as xia logo após o nascimento. Após a colocação do recém-nascido sob fonte de calor radiante, qual a sequência correta de condutas? 4000186265 Questão 58 Diagnósticos diferenciais Dez passos para uma alimentação saudável guia alimentar para crianças menores de dois anos Fórmulas infantis Lactente de cinco meses, sexo feminino, amamentada exclusivamente ao seio; mãe relata que demorava até 5 dias para evacuar, eliminando fezes pastosas e amarelo-esverdeadas. Há 3 semanas vem eliminando fezes líquidas e explosivas, sem sangue. Levou ao Posto de Saúde e foi medicada com antibiótico que não lembra o nome. Mãe relata que começou a trabalhar há 1 mês e iniciou leite em pó (4 medidas para 120 mL de água) sem açúcar e 4 vezes durante o dia. Continua amamentando quando está em casa e ordenha o leite e deixa em casa para a sogra dar para a criança, mas está tirando pouco. Vacinas em dia. Ao exame físico, não se observou alteração, apenas que ganhou pouco peso, 10 g/dia. Em relação ao caso apresentado, responda aos itens. [A] Elabore 3 hipóteses diagnósticas consistentes com esse caso, indique e justifique sua principal hipótese. [B] Faça uma orientação alimentar para essa criança até os 12 meses de vida. 4000186264 Questão 59 Genograma Ecomapa Na prática do médico de família e comunidade, existem algumas ferramentas muito utilizadas que facilitam as intervenções do médico. Qual a definição e a aplicabilidade das duas ferramentas de Abordagem Familiar: Genograma e Ecomapa? 4000186263 Questão 60 Populaçãoalvo e intervalo Diretrizes do rastreamento mamográfico Rastreamento do câncer de mama É de fundamental importância a elaboração e a implementação de Políticas Públicas na Atenção Básica para o cuidado integral à saúde da mulher, com ações relacionadas ao controle dos cânceres de colo do útero e de mama (Ministério da Saúde, 2013). Com relação às ações desenvolvidas na Atenção Básica para a detecção precoce dos cânceres de colo uterino e de mama, responda aos itens.
  • 24. [A] Quais são os exames complementares utilizados para rastrear esses cânceres? [B] Qual a periodicidade com que devem ser realizados? [C] Quais as faixas etárias que são consideradas prioritárias e que compõem a população-alvo para a realização de cada um desses exames, de acordo com o Ministério da Saúde? 4000186262 Questão 61 Medicina de Família e Comunidade Um grupo de epidemiologistas (Journal of Infection 2020) publicou relato da contaminação de jovens coreanos a partir de um rapaz de 22 anos, que chegou de Wuhan, China, em 19 de janeiro. Nesse relato, os autores rastrearam 22 jovens com quem o rapaz se encontrou até o dia 21 de janeiro. No dia 22 de janeiro, o rapaz apresentou os primeiros sintomas da Covid-19. Os 22 jovens seguidos não estiveram na China, nem tiveram contato com qualquer outro indivíduo vindo da China. Desses 22 contatos, 8 desenvolveram sintomas nos dias que se seguiram, do modo apresentado na figura abaixo. Considere que mais nenhum dos colegas com quem o jovem tenha tido contato foi contaminado. A partir dessas informações, responda aos itens. (I) Qual a mediana do tempo de incubação da Covid-19 nesse grupo? (II) Em que fase da infecção por SARS-Cov-2 estava o jovem de 22 anos que contaminou os colegas? (III) Considerando o relato acima, qual a taxa de ataque de Covid-19 no grupo? 4000153710 Questão 62 Medicina de Família e Comunidade Na localidade de Dourado, em 31/12/2018, havia 470 casos de diabetes. Nessa localidade, durante o ano de 2019, foram diagnosticados 60 novos casos dessa doença entre seus habitantes. Nesse ano, 8 pessoas, já com diabetes, mudaram-se para esta cidade e 55 pessoas faleceram pela doença. A população estimada de Dourado era de 300.000 pessoas. A partir dessas informações, responda aos itens. (I) Qual a fração que resultará na medida de incidência de diabetes em Dourado em 2019? (II) Qual a fração que resultará na medida de prevalência dessa doença em 2018?
  • 25. (III) Qual a fração que resultará na medida de prevalência dessa doença em 2019? (IV) Qual a fração que resultará na medida da taxa de letalidade do diabetes em 2019? 4000153709 Questão 63 Convulsão febril Pediatria Paciente, 3 anos e 10 meses, masculino, deu entrada na UPA com história de queda ao solo há 1 hora, com enrijecimento do corpo, sialorreia, durando cerca de 5 minutos, evoluindo com relaxamento e contração de grupos musculares e perda de urina. Mãe relatou apenas febre (38,5°C) há 1 dia. Ao exame apresentava-se febril (39,7°C), FC=120 bpm, FR=36 irpm, estava em regular estado geral; palidez cutânea, sonolento; sem agitação psicomotora, reagindo a estímulos. Linfonodos não palpáveis em qualquer cadeia. AR: tiragem subcostal murmúrios vesiculares audíveis, simétricos. ACV: RCR, 2T, sem sopros, Sat. O2 96%. Abdome plano sem visceromegalias. Sem sinais meníngeos. Posteriormente, mãe deu as seguintes informações: negou crises convulsivas e internações prévias. Referiu um episódio de Otite Média Aguda aos 7 meses de vida tratada com antibióticos. Negou doenças, alergias e cirurgias prévias. História Gestacional e Neonatal: G1, P1, A0. Realizou pré-natal. Sorologias normais. Fez uso de ácido fólico e sulfato ferroso. Negou intercorrências. Nascido de parto espontâneo, 39 semanas, Apgar 9/10. Aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, história do Crescimento e Desenvolvimento: adequado para idade. Vacinas adequadas para a idade. Foi feita a hipótese diagnóstica de crise convulsiva febril. A partir das informações dadas, responda aos itens. (I) Quais critérios estão presentes no caso que sustentam essa hipótese diagnóstica? (II) Qual a classificação dessa crise convulsiva febril apresentada pelo paciente? Justifique. Essa questão possui comentário do professor no site 4000153708 Questão 64 Sifilis na gestação Tratamento da hiperbilirrubinemia Icterícia neonatal RN, sexo masculino, com 35 horas de vida apresentou icterícia zona III de Kramer, sem outras alterações. Está aceitando o seio materno, eliminações siológicas (fezes e urina) presentes e normais. Mãe, 25 anos, casada, primípara. Nega tabagismo, etilismo e hemotransfusão. Relata sí lis tratada com penicilina benzatina (3 injeções) há 3 anos, VDRL de seguimento (negativo) pós-tratamento. Pré-natal a partir do 2º mês de gestação, 07 consultas sem intercorrências, sorologias realizadas negativas para sí lis, Hep B., HIV. Para Rubéola, Toxoplasmose e CMV: IgG postivo e IgM negativo. VDRL, realizado no pré-parto (reagente 1:4). Mãe: O Rh negativo. Parto: nascido de parto normal, Apgar 3,7 e 9, Capurro Somático = 39 semanas e 6 dias, Comprimento = 49 cm, PC= 33 cm e Peso = 2.900 g. RN: B Rh positivo. VDRL 1/8. A partir das informações dadas, responda aos itens. (I) Quais os diagnósticos presentes no caso? (II) Quais exames complementares são indicados para a confirmação diagnóstica? (III) Proponha um plano terapêutico adequado ao caso. 4000153707 Questão 65 Distúrbios hipertensivos na gestação DHEG Gestante de 27 anos, G1P0A0, com idade gestacional de 34 semanas, procura o pronto atendimento de maternidade com quadro de confusão mental, cefaleia intensa com escotomas cintilantes, dor tipo barra em abdomen superior e sangramento vaginal discreto. Apresenta movimentos fetais diminuídos (informações colhidas com o acompanhante). Ao exame físico, apresenta-se confusa, obnubilada, PA de 190/120 mmHg, edema de membros inferiores de 3+/4, com o útero hipertônico
  • 26. e batimentos cardiofetais de 90 bpm. Ao toque, tem colo apagado 80% e dilatado 3 cm, bolsa amniótica íntegra e tensa, com presença de sangramento em moderada quantidade. Considerando o caso clínico, responda aos itens. (I) Quais as hipóteses diagnósticas? (II) Qual a conduta indicada para o caso? 4000153706 Questão 66 Síndrome dos ovários policísticos Mulher de 28 anos, com história de alteração do padrão menstrual há 2 anos, passou a apresentar ciclos de até 60 dias, com aumento de duração e quantidade do sangramento. Tais alterações aconteceram após um período em que apresentou um ganho de peso aproximado de 25 kg. Vem tentando gravidez há 1 ano sem sucesso. Ao exame físico, apresenta obesidade grau III, hirsutismo e acantose nigricans. Considerando o caso acima, responda aos itens. (I) Qual a hipótese diagnóstica? (II) Qual a proposta propedêutica recomendada? (III) Qual o tratamento a ser proposto? Essa questão possui comentário do professor no site 4000153705 Questão 67 Tumores do Mediastino “As síndromes mediastínicas são expressões do comprometimento de um ou de vários órgãos do mediastino. A sintomatologia depende mais da localização e do volume do que da origem tumoral e compreende manifestações neurológicas, vasculares, respiratórias e digestivas”. (CASTRO, R.C. e YOSHIKAWA, G. Orgs. Manual de semiologia médica e prática do exame físico. Belém: EDUEPA, 2015). De acordo com o enunciado, cite a localização e a sintomatologia referentes às manifestações neurológicas, vasculares, respiratórias e digestivas dos tumores mediastinais. 4000153704 Questão 68 Tratamento Fisiopatologia Quadro Clínico Paciente A.G.F, mulher, 36 anos, em consulta ambulatorial, relatou que há cerca de 45 dias vem apresentando uma “visão borrada” com piora à noite, e melhora ao acordar. Percebeu que suas pálpebras estão mais baixas, como se estivesse sempre cansada, e cansaço para mastigar. Nos últimos 15 dias, começou a apresentar di culdades para pentear os cabelos, para deambular e falar. Está se sentindo muito cansada, principalmente ao final do dia. Diante do quadro clínico, responda aos itens. (I) Qual o diagnóstico? (II) Descreva a fisiologia e o mecanismo fisiopatológico relacionado ao diagnóstico.
  • 27. (III) Qual o fármaco utilizado no tratamento e seu mecanismo de ação? 4000153703 Questão 69 Avaliação Inicial Cirurgia Um operário caiu de aproximadamente 10 metros de andaimes sobre uma pilha de sucatas. Estava sem capacete no momento e cou inconsciente com a queda. Foi imobilizado com colar cervical e prancha rígida pela equipe de resgate e levado ao Pronto Atendimento que ca a cinco minutos do local do acidente. O paciente abre os olhos com estímulo doloroso, mostra-se confuso e faz flexão anormal dos membros. Foi transportado de máscara facial com oxigênio a 06 L/min. Apresenta frequência cardíaca de 120 bpm, frequência respiratória de 24 rpm, pressão arterial de 95/60 mmHg, saturação de oxigênio em 88%. Possui uma tala de tração no membro inferior esquerdo. Face com edema periorbital bilateral e restos alimentares na boca. Turgência de jugular esquerda. Tórax com diminuição da expansibilidade, hipertimpanismo e ausência de murmúrio vesicular à esquerda. Seguindo as diretrizes do ATLS (Advanced Trauma Life Support), responda aos itens. (I) Quais medidas iniciais devem ser tomadas imediatamente levando em conta o A da sequência do ATLS? (II) Em relação à parte ventilatória do doente, quais medidas devem ser tomadas? (III) Como deve ser feita a expansão volêmica inicial? (IV) Qual a pontuação da Escala de Coma de Glasgow desse paciente? Especificar os itens. 4000153702 Questão 70 Anestésicos Locais Cirurgia A.S.D, 20 anos, procura esteticista para fazer duas cantoplastias ungueais. A pro ssional informa que realizará anestesia local com lidocaína a 2%. Durante a administração do anestésico, a paciente inicia fala empastada, formigamento na língua e lábios, assim como queixa-se de gosto metálico na boca. O procedimento continua até a paciente evoluir com perda da consciência e crises tônico-clônicas. A partir dessas informações, responda aos itens. (I) Qual causa, diagnóstico e sistemas envolvidos na gênese do quadro da paciente? (II) Qual tratamento primário deve ser empregado? (III) Qual a profilaxia para o caso? Essa questão possui comentário do professor no site 4000153701 Questão 71 Incidência e Prevalência Incidência acumulada x Densidade de Incidência Medicina Preventiva Analise as seguintes medidas de frequência de doença em uma população: I - 25 casos de gripe por 1.000 pessoas-ano. II - 3.460.413 casos de covid-19 no Brasil de 26/02 a 18/08/2020. III - 1.633 casos de covid-19 por 100.000 habitantes no Brasil de 26/02/2020 a 18/08/2020. As medidas de frequência epidemiológica resultantes do cálculo de I, II e III representam, respectivamente:
  • 28. A Densidade de incidência, número absoluto de casos no período, taxa de incidência acumulada. B Incidência acumulada, prevalência pontual, coeficiente de incidência do período. C Taxa de incidência, coeficiente de prevalência, razão de incidência no período. D Coeficiente médio de incidência, proporção relativa de incidência, taxa de prevalência acumulada. 4000142351 Questão 72 Medicina Preventiva Especificidade O teste treponêmico FTA-ABS (anticorpo treponêmico uorescente com absorção) é um teste con rmatório para sí lis e que não deve ser solicitado para o diagnóstico inicial da doença. Considerando os conceitos de validade dos testes de diagnóstico, essa recomendação é baseada em qual atributo do teste? A Baixo valor preditivo negativo B Baixo valor preditivo positivo C Alta proporção de resultados falsos positivos D Alta especificidade Essa questão possui comentário do professor no site 4000142350 Questão 73 Estudos de fase III Medicina Preventiva Os ensaios clínicos de fase III para testar a e cácia e a segurança de novas vacinas devem seguir preceitos rígidos de qualidade, para que seus resultados sejam con áveis e para que não haja favorecimento ao desempenho do produto em teste. Para tal, é necessário que dois grupos de indivíduos sem a doença sejam formados e que se assemelhem em características demográ cas e clínicas. Que recurso se utiliza para garantir essa semelhança entre os grupos de comparação? A Utilizar técnicas de mascaramento (cegamento) do pesquisador. B Evitar a utilização de grupo placebo. C Alocar aleatoriamente os pacientes nos grupos. D Utilizar técnicas para mascaramento (cegamento) do paciente. 4000142349 Questão 74 Modos de Transmissão das Doenças Transmissíveis Qual inseto é vetor de uma helmintose prevalente na região Nordeste do Brasil? A Lutzomyia whitmani (mosquito palha) B Culex quinquefasciatus (pernilongo noturno) C Amblyomma cajennense (carrapato) D Sabethes chloropterus (mosquito da floresta) 4000142348
  • 29. Questão 75 Declaração de óbito DO Atestado de óbito Sobre o preenchimento do documento de declaração de óbito (DO), considere as seguintes afirmativas: I - A DO deve ser preenchida em caso de óbito pré-natal do concepto, independentemente da idade gestacional. II - A causa básica do óbito deve ser descrita como última condição no encadeamento que explica os eventos que levaram à morte. III - Em óbito por causa violenta, o médico que dá o primeiro atendimento deve, por lei, preencher a DO. IV - A falência de múltiplos órgãos é a causa direta mais frequente de óbito, devendo encabeçar a lista de eventos. Qual o número de afirmativas corretas? A Três B Dois C Um D Quatro Essa questão possui comentário do professor no site 4000142347 Questão 76 Medicina Preventiva Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças agravos e eventos de saúde pública A Portaria nº 264 do Ministério da Saúde de 17/02/2020, que trata da lista de doenças e agravos de noti cação compulsória no Brasil, tem, como principal atualização, a inclusão dos seguintes agravos: A Suicídio, violência doméstica, violência à mulher e covid-19. B Covid-19, toxoplasmose congênita, histoplasmose e criptococose. C Paracoccidioidomicose, violência à mulher, covid-19 e esporotricose humana. D Doença de Chagas crônica, criptococose, esporotricose humana e paracoccidioidomicose. 4000142346 Questão 77 Redução Relativa do Risco RRR ou Eficácia Medidas de Associação e Medidas de Impacto A ação analgésica de dois medicamentos (A e B) foi comparada pelo tempo de resolução da dor após a ingestão de um comprimido, administrado por via oral a 100 pacientes semelhantes. A média (desvio-padrão) do tempo do medicamento A foi de 100 (10) minutos e a do medicamento B foi de 50 (5) minutos. Considerando o coeficiente de variação do tempo para resolução da dor como a medida de comparação desses dois medicamentos, é correto concluir: A O medicamento A tem efeito analgésico mais regular do que B. B Os medicamentos A e B têm distribuição de tempo de eficácia analgésica semelhante. C O medicamento B tem efeito analgésico mais regular do que A. D A e B têm efeito analgésico semelhante, porém A tem coeficiente de variação maior que B. 4000142345
  • 30. Questão 78 Medicina Preventiva Princípios e Diretrizes do SUS na Lei n 80801990 Dona Júlia tem 57 anos e está com muita dor nas costas, há mais de um mês. Ela é obesa, dona de casa e sustenta a sua vida lavando roupas para terceiros. Ela resolveu procurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no último sábado, porque teve muita dor no nal da sexta-feira passada. Chegou à UPA às 6 horas da manhã, pegou a senha de atendimento e logo em seguida foi atendida pela enfermeira, que lhe colocou uma pulseira azul. Após 45 minutos de espera, Dona Júlia cou irritada ao perceber que várias pessoas que chegaram após ela já haviam sido atendidas pelo médico. Reclamou com a administração da UPA, porém lhe explicaram que a ordem dos atendimentos estava correta. Esclareceram que todos que foram atendidos em sua frente estavam com pulseiras vermelhas, laranjas ou amarelas, da classi cação de risco. Qual princípio doutrinário do Sistema Único de Saúde brasileiro é exemplificado com a situação do atendimento da Dona Júlia? A Universalidade de acesso B Integralidade C Equidade D Hierarquia de serviços Essa questão possui comentário do professor no site 4000142344 Questão 79 Medicina Preventiva Razão de Mortalidade Materna O denominador utilizado para o cálculo do indicador de mortalidade materna é: A Total de nascidos vivos. B Total de gestantes. C Total de mulheres em idade fértil. D Total de nascidos vivos + natimortos. 4000142343 Questão 80 Genograma Medicina Preventiva Analise a figura. Qual informação pode ser extraída do genograma de abordagem familiar da estratégia saúde da família ilustrado na figura?
  • 31. A Sandra é casada com Fernando, é irmã de Marcos e Mariana é sua sobrinha. B Fernando é o novo companheiro de Sandra, com quem teve três filhos. C Marcos foi casado com Sandra, porém não teve filhos com ela. D Mariana é filha de Marcos com Sandra, que estão separados. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142342 Questão 81 Higiene oral Pediatria Menina, 10 meses, é levada à consulta de rotina de Puericultura. Mãe está preocupada porque até agora não tem nenhum dente. Mama no peito até hoje. Relata que no outro lho com 6 meses de idade nasceu dente. O médico disse que os dentes de leite são temporários, mas muito importantes e são substituídos pelos dentes permanentes. Analise as seguintes informações/orientações sobre a dentição: I - Cada criança tem seu próprio tempo para o surgimento dos dentes, apesar de ser um processo natural e hereditário. II - Os dentes incisivos centrais superiores geralmente são os primeiros a aparecerem e, ainda, estão em tempo de erupção, esperar até os 12 meses. III - Os dentes incisivos centrais inferiores geralmente são os segundos dentes a aparecerem, esperar até os 15 meses. IV - Depois da erupção dos primeiros dentes de leite, a higiene oral da criança deve ser realizada como a primeira tarefa da manhã e a última tarefa da noite, e se possível, depois das refeições. Quais informações/orientações estão corretas? A II e IV, apenas. B I, II, III e IV. C I e IV, apenas. D II e III, apenas. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142341 Questão 82 Como devem ser as mamadas ao longo do dia Prevenção e manejo dos principais problemas relacionados à amamentação Início da amamentação Menino, de 15 dias de vida, foi levado a UESF para consulta de puericultura pela mãe e a avó paterna. Mãe relata que seu leite é fraco, que não sustenta o lho, ele chora muito, acha que tem muitas cólicas. Há uma semana vem oferecendo água (que ele não aceita), chás de erva-doce e de camomila sem açúcar. Há 5 dias a avó comprou leite em pó e está complementando à noite com uma mamadeira de leite + 1 colher de chá de Maizena e ofereceu chupeta, ele passou a dormir melhor. AF: mãe 18 anos, G1P1AO, solteira, não fez pré-natal, parto cesariana. PN: 3.100g, C= 49 cm, PC: 34 cm, Apgar 8 e 9. Vacinas BCG e Hepatite B. Peso atual: 3.180g. Exame físico sem alteração. Após, o médico pediu para colocar a criança para sugar e observou que a mãe faz uso de protetores (intermediários) de mamilos, diz que é para diminuir a dor e evitar o trauma dos mamilos. Porém, chorou de dor quando o lho começou a sugar. Pediu permissão para examinar as mamas da mãe: estavam túrgidas, distendidas, os mamilos pouco protusos com ssuras perimamilares bilateralmente, à expressão manual saída de leite uido. O médico percebeu que o risco de desmame precoce é alto e a sua prevenção é muito importante. Analise as orientações seguintes:
  • 32. I - Retirada da mamadeira e da chupeta. II- Amamentação com técnica adequada (posicionamento e pega adequados). III - Manter o uso de protetores (intermediários) de mamilos para diminuir a dor e evitar o trauma mamilar. IV - Amamentação em livre demanda – a criança é colocada no peito assim que dá os primeiros sinais de que quer mamar. V - A higiene dos mamilos antes da amamentação com produtos como sabões e álcool gel protege o mamilo e evita infecção. Quais orientações são adequadas a m de permitir a continuidade da amamentação e evitar o desmame precoce da criança? A I, II e III, apenas. B III, IV e V, apenas. C I, II e IV, apenas. D I, II, III, IV e V. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142340 Questão 83 Pediatria Diagnóstico Gráficos OMS Classificação nutricional Menina, 7 anos de idade, foi levada para consulta em Unidade Básica de Saúde pela mãe. Apresenta queixa de ganho de peso excessivo nos últimos meses. Exame físico: Peso = 35 kg; Altura = 1,25 m (IMC = 22,4 Kg/m²). Colocado na curva (OMS) de IMC/Idade, identificado escore Z +2 e Z +3. Qual é o diagnóstico correto? A Obesidade grave B Obesidade C Sobrepeso D Risco de sobrepeso Essa questão possui comentário do professor no site 4000142339 Questão 84 Fimose Pediatria Menino, 2 anos e 6 meses de idade, é levado à unidade de saúde com quadro de di culdade para urinar, forma uma “bola de urina” e depois sai o jato. Ao exame da genitália, os testículos estão normais, o pênis é bem formado, o prepúcio apresenta retração discreta, mas não há exposição da glande e nem do meato uretral. Qual a classi cação do grau da fimose do paciente? A 5 B 2 C 3 D 4 Essa questão possui comentário do professor no site 4000142338
  • 33. Questão 85 Leishmaniose visceral LV Pré-escolar, 4 anos de idade, sexo feminino, natural e procedente de Várzea Grande-MT, residente na área rural, deu entrada na UPA com quadro de febre de 39°C, intermitente e irregular com 2 ou 3 picos por dia há 3 semanas, astenia, perda de peso. Ao exame: Sinais Vitais: Fr: 28 irpm, Fc: 130 bpm, Tax: 39,3ºC. REG, prostrada, palidez cutaneomucosa, hidratada. A ausculta cardíaca e pulmonar eram normais. Abdome globoso, ruídos hidroaéreos positivos, à palpação, fígado a 3 cm RCD e baço a 5 cm do RCE, sem sinal de irritação peritoneal. Linfonodos não palpáveis. Demais sem alteração. Hemograma: Hemácias: 3,6 milhões, Hb: 9,0 g/dL, Ht: 27%; Leucócitos: 3.900 mm³; Plaquetas 60.000 mm³; Ureia: 17 mg/dL; Creatinina: 0,6 mg/dL; VHS: 55mm; Bilirrubina total: 0,3 mg/dL; Bilirrubina indireta: 0,2 mg/dL; Bilirrubina direta: 0,1 mg/dL; Amilase: 153 mg/dL; AST:27 U/mL; ALT: 15 U/mL; Proteínas totais: 5,15; Albumina: 3,0 mg/dL; Globulina: 2,15mg/dL. Qual é a principal hipótese diagnóstica? A Leishmaniose visceral B Linfoma de Hodgkin C Malária por P. falciparum D Esquistossomose 4000142337 Questão 86 Gastrologia Pediátrica Pediatria Menina, 4 anos de idade, é levada à unidade de saúde com quadro de dor abdominal de início há 1 ano, do tipo em pontadas, localizada na porção inferior do abdômen, acompanhada de distensão abdominal e mal-estar geral, com a frequência média desses episódios de duas a três vezes por semana. Refere como fator de melhora para a dor e distensão a partir da evacuação e pela eliminação de ato. Desde o início da dor, também apresentou irregularidade intestinal com predomínio de diarreia, chegando a 5 evacuações por dia, fezes totalmente líquidas, sem sangue ou restos alimentares. Eventualmente apresenta períodos de constipação intestinal, com evacuações de 4 em 4 dias, com fezes de aspecto de bolinhas endurecidas e fragmentadas. Segundo a escala de Bristol de consistência das fezes, as fezes totalmente líquidas e as fezes endurecidas e fragmentadas relatadas no caso são classificadas, respectivamente, em que tipo? A 3 e 6 B 2 e 5 C 7 e 1 D 4 e 2 Essa questão possui comentário do professor no site 4000142336 Questão 87 Imunodeficiências primárias Pediatria Lactente, 1 ano e 6 meses idade, foi encaminhado para consulta com pediatra no Hospital Universitário com história de ganho de peso inadequado. Nos últimos 12 meses, apresentou 6 episódios de diarreia prolongada que melhoraram somente com uso de medicação antiparasitária, 4 episódios de otites e 1 episódio de pneumonia, sendo que se agravou e precisou ser internado na UTI com quadro de sepses, recebendo antibióticos endovenosos. Parto normal. Peso 3.200 g; C= 48 cm, Apgar 8/9. Aleitamento materno exclusivo até 6 meses de vida. Vacinas em dia. Exame físico: Peso = 8.350 g; Altura = 81 cm [IMC = 13,1 Kg/m2 (escore Z -2 e Z -3)]. Fácies atípica, eupneica, afebril, anictérica. Orofaringe e otoscopia perfuração de membrana timpânica direita sem secreção. Pulmões com VM siológico, sem ruídos adventícios. ACV: RCR, 2T, sopro sistólico 2+/6. Abdome plano, sem visceromegalias, RHA normais. Genitália sem alteração. SN: sem sinais meníngeos. Pele
  • 34. sem lesões. Segundo a Fundação Je rey Modell (EUA – 1996) adaptados a nossa realidade, há 10 sinais de alerta para suspeitar de imunodeficiência primária. Assinale a alternativa que apresenta os sinais de alerta presentes no caso. A Desnutrição grave; Infecção intestinal de repetição; 4 episódios de otites. B Desnutrição grave; 4 episódios de otites; 1 episódio de pneumonia. C 4 episódios de otites; 1 episódio de pneumonia grave. D Infecção intestinal de repetição; 4 episódios de otites; 1 episódio de sepse. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142335 Questão 88 Introdução Pediatria PneumoniasBroncopneumonias BCP na Infância Paciente, sexo masculino, 1 ano e 10 meses, deu entrada no Pronto Atendimento do Hospital Universitário com quadro de febre (38,5°C) e tosse produtiva há quatro dias, evoluindo com piora do estado geral, persistência da febre e esforço respiratório. Ao ser admitido, o paciente apresentava-se febril (38,7°C), FC=112 bpm, FR=42 irpm, estava em regular estado geral; normocorado, hidratado, vigil; sem agitação psicomotora. Linfonodos não palpáveis em qualquer cadeia. AR: tiragem subcostal, murmúrios vesiculares audíveis, com presença de estertores crepitantes em hemitórax direito. ACV: RCR, 2T, sem sopros. Sat. O2 94%. Abdome sem visceromegalias, indolor à palpação abdominal. Exame neurológico sem alterações. Segundo os “sinais de perigo” referidos pela OMS, como é classificado esse caso de pneumonia? A Pneumonia muito grave B Pneumonia grave C Pneumonia moderada D Pneumonia leve Essa questão possui comentário do professor no site 4000142334 Questão 89 Pediatria Tratamento Diagnóstico Lactente com 10 meses de idade é trazido pela mãe para consulta de Puericultura em Ambulatório de Pediatria. Ao examiná-lo, o médico pediatra observou que o testículo direito não se encontrava na bolsa escrotal e que não havia sinais de que o testículo estivesse no canal inguinal nem na região perineal. O testículo esquerdo estava palpável no saco escrotal e era de tamanho adequado. Qual a conduta correta para esse caso? A Encaminhar para conduta cirúrgica, indicada de preferência, entre 6 e 18 meses de idade. B Conduta expectante, pois pode ocorrer a descida do testículo até os três anos de idade. C Realizar ressonância magnética para localizar o testículo e acompanhar até os dois anos de idade. D Iniciar terapia hormonal por 6 meses e, se não houver resposta, encaminhar para cirurgia. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142333 Questão 90 Filhos de mães HIV positivo Pediatria Vacina BCG RN saudável, sexo masculino, com três semanas de vida é levado à Unidade Básica de Saúde para vacinação. A mãe refere que ele recebeu a vacina da hepatite B no hospital. Não administraram a BCG, não sabe o porquê. A mãe é HIV positivo, não está amamentando o lho. Faz uso de leite de fórmula que recebeu no hospital. Não refere queixas ou sinais de imunodeficiência na criança. Qual a conduta correta em relação à vacinação com a BCG nesse paciente?
  • 35. A Vacinar hoje. B Vacinar com 3 meses. C Vacinar com 6 meses. D Vacinar após os 18 meses. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142332 Questão 91 Doenças associadas à gestação Os distúrbios da tireoide são comuns em mulheres adultas em fase reprodutiva. A identi cação dessa condição no período gestacional é importante para uma boa evolução da gravidez. Em relação aos hormônios da tireoide na gravidez, é correto afirmar: A Os hormônios tireoidianos não conseguem atravessar a barreira placentária. B Desde o início do primeiro trimestre, os níveis séricos da globulina transportadora de tiroxina aumentam devido à elevação da síntese hepática e redução no seu metabolismo. C O hormônio tireoidiano fetal tem papel relevante no desenvolvimento normal de quase todos os tecidos fetais, com exceção do tecido cerebral. D A causa mais comum de hipertireoidismo na gravidez é a Tireoidite de Hashimoto. 4000142331 Questão 92 Critérios de elegibilidade da OMS Paciente no menacme com desejo de anticoncepção procura a Unidade Básica de Saúde referindo ser portadora de cardiopatia, tendo histórico de endocardite bacteriana e cursando atualmente com hipertensão pulmonar severa. Considerando os critérios médicos de elegibilidade da OMS para uso dos métodos anticoncepcionais, essa paciente NÃO deve utilizar: A Implante de Etonogestrel. B Anticoncepcional Injetável de Progesterona. C Preservativo. D Anticoncepcional Hormonal Oral Combinado. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142330 Questão 93 Prevalência e epidemiologia Complicações Restrição de crescimento fetal RCF Paciente de 28 anos com gestação múltipla espontânea chega para acompanhamento Pré-Natal. Em relação a essa condição, analise as afirmativas. I - O crescimento fetal na gestação gemelar é paralelo com o da gravidez única até 32 semanas da gravidez, depois a taxa de crescimento é menor. II - A mortalidade e a morbidade perinatal são maiores nos dizigóticos do que nos monozigóticos e estão associadas à corionicidade e não à zigotia. III - A gemelidade está associada à elevada mortalidade, tendo risco 6 vezes maior de hospitalização por complicações.
  • 36. IV - Cerca de 1/5 das gestações triplas e 1/2 das quádruplas resultam em pelo menos uma criança com comprometimento tardio maior, como exemplo da paralisia cerebral. Estão corretas as afirmativas A I, III e IV, apenas. B II e III, apenas. C I e IV, apenas. D II, III e IV, apenas. 4000142329 Questão 94 Etiologia Obstetrícia O líquido amniótico tem a função de proteger o feto, permitir sua movimentação e prevenir adesões entre o concepto e o âmnio. NÃO é causa de aumento do líquido amniótico na gravidez: A Doença Renal Obstrutiva. B Diabetes Mellitus. C Osteogênese Imperfeita. D Atresia de Esôfago. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142328 Questão 95 Patogênese Paciente apresentando história de dismenorreia importante desde o menacme, além de esterilidade. Realizou laparoscopia diagnóstica, que mostrou focos sugestivos de endometriose, informação con rmada por biópsia. Em relação à etiologia dessa patologia, é correto afirmar: A A propagação linfática ou vascular explica a presença de endometriose em sítios mais comuns, sendo a teoria evidenciada em grande número de estudos realizados. B A teoria da menstruação retrógrada defende que ocorre um refluxo do conteúdo menstrual através das trompas de Falópio para dentro da cavidade abdominal devido a sua hiperperistalse e disperistalse. C A teoria da metaplasia celômica sugere que o tecido endometrial presente em locais anômalos seja originário de alterações celulares decorrentes de agressão crônica ao tecido peritoneal. D A teoria de indução remete a um fator ambiental, podendo determinar a diferenciação de células potenciais em tecido endometrial. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142327 Questão 96 Obstetrícia Pesquisa Streptococcus do grupo B Strepto B EGB swab para pequisa Strepto B O Estreptococo Grupo B é um coco gram positivo beta hemolítico presente na ora intestinal de 1,6 a 36% das gestantes de forma transitória ou crônica. Com base nessa premissa, é recomendada idealmente a realização de exame para o seu rastreamento durante o pré-natal. Em relação a essa condição, é INCORRETO afirmar:
  • 37. A A infecção fetal decorrente dessa contaminação costuma se apresentar como septicemia neonatal precoce e/ou meningite e/ou pneumonia. B Estima-se que nas pacientes colonizadas a transmissão vertical ocorra em até 50% dos casos, e a infecção fetal em 1 a 2%. C No caso de rastreamento positivo, está indicado o uso de antibioticoprofilaxia intraparto, exceto nos casos de interrupção por cesariana. D O rastreamento através de cultura vaginal e retal é mensal, e deve ser realizado o tratamento antibiótico assim que positivo. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142326 Questão 97 Colagenoses na gestação Lupus eritematoso Sistêmico LES Lúpus Eritematoso Sistêmico LES Paciente 26 anos, portadora de Lúpus Eritomatoso Sistêmico (LES) há 6 anos, estando de momento controlado com medicação, encontra-se gestante de 09 semanas. A paciente e familiares estão preocupados com os possíveis efeitos da doença sobre a gravidez e vice-versa. Quanto às informações do médico, analise as apresentadas abaixo. I - Durante a gravidez, o Lúpus pode melhorar, piorar ou permanecer inalterado em igual proporção. II - A interrupção da gravidez deve ser antecipada para 34 semanas após medidas de aceleramento da maturidade pulmonar. III - A nefrite ativa é condição de pior prognóstico para a gravidez, com aumento da incidência de hipertensão, pré- eclâmpsia e trabalho de parto prematuro. IV - Qualquer tratamento medicamentoso é proscrito durante a gravidez. São verdadeiras as informações: A I e III, apenas. B I, II e III, apenas. C II, III e IV, apenas. D II e IV, apenas. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142325 Questão 98 Diagnóstico na gestação Tratamento da toxoplasmose na gestação Diagnóstico Paciente gestante de 29 semanas de idade gestacional chega à Unidade Básica de Saúde portando sorologia para Toxoplasmose mostrando IgG e IgM positivos e teste de Avidez para IgG de 80%. Nesse caso, a conduta é: A Realizar ultrassonografia obstétrica seriada e aguardar o termo da gestação, sem uso de medicação. B Repetir a sorologia com 4 semanas e observar se ocorre aumento de título, sem uso de medicação. C Interromper imediatamente a gestação por via obstétrica. D Prescrever Espiramicina até o final da gestação. Se infecção fetal for diagnosticada, deve usar-se Sulfadiazina e Pirimetamina intercalada à Espiramicina. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142324
  • 38. Questão 99 Obstetrícia Diagnóstico Paciente gestante com 16 semanas de idade gestacional, G1P0A0, chega em seu primeiro retorno ao Pré-Natal mostrando exame de tipagem sanguínea com sangue A Rh Neg e variante DU positivo. Nesse caso, como rotina de acompanhamento, a conduta indicada é: A Teste de Coombs indireto semanal e aplicar Imunoglobulina Anti-Rh com 28 semanas. B Teste de Coombs indireto e imunoglobulina não necessários. C Teste de Coombs indireto mensal e aplicar Imunoglobulina Anti-Rh com 28 semanas. D Teste de Coombs indireto mensal, aplicação de Imunoglobulina Anti-Rh não é necessária. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142323 Questão 100 Interpretação e conduta frente as atipias citológicas Mulher de 26 anos, G2P1A1, procura a Unidade Básica de Saúde para a realização de exame Papanicolau (CCO). Retorna após 40 dias com o resultado de ASGUS (células glandulares atípicas de signi cado indeterminado) possivelmente não neoplásicas. Nesse caso, considerando a conduta recomendada pelo Ministério da Saúde, está indicado: A Realizar biópsia do colo uterino “às cegas”. B Colher novo exame citológico. C Encaminhar para colposcopia. D Repetir o exame de citologia em 12 meses. Essa questão possui comentário do professor no site 4000142322 Questão 101 Ateroembolismo por colesterol Paciente, 52 anos, portadora de HAS, DM, tabagista, é submetida a implante endovascular de stent na aorta, sem intercorrências. Dois meses depois, a paciente queixa-se de mal-estar, manifestações em pele e dor lombar bilateral. Ao exame: orientada, hidratada, PA 130x80 mmHg e sinais de má perfusão periférica com presença de livedo reticular e “síndrome do dedo azul”. Exames: Hb 11,7 g/dL, leucócitos 9200 (presença de eosino lia), plaquetas 170000/mm³, creatinina sérica 3,2, ureia 110 e proteinúria de 400 mg/24h. Paciente foi internada em UTI com piora progressiva da função renal, porém mantendo débito urinário normal. Foram negativos na investigação complementar o fator antinuclear, P ANCA, C ANCA, assim como os complementos séricos (C3 e C4). Qual o diagnóstico para o caso descrito? A Doença Renal Ateroembólica B Nefropatia por contraste C Lúpus Eritematoso Sistêmico D Nefropatia Crônica do Enxerto Renal Essa questão possui comentário do professor no site 4000142321 Questão 102 Saúde do Idoso geriatria Psicofarmacologia Polifarmácia Paciente AFG, sexo feminino, 82 anos, com diagnósticos prévios de Doença de Alzheimer há cerca de 10 anos, HAS e incontinência urinária. Está em uso de quetiapina 100 mg 12/12 horas, clonazepam 10 gotas de 12/12 horas e furosemida 40 mg de 12/12 horas. No momento, encontra-se totalmente dependente às atividades de vida diária. Filha vem ao Pronto
  • 39. Atendimento queixando-se de agitação importante, di culdade para dormir com alucinações visuais (acorda e fala com crianças que “estão fazendo bagunça pela casa”). Em algumas ocasiões, não reconhece os lhos e nem a si própria. Além disso, vem apresentando nos últimos anos perda de peso gradativa (> 5 kg nos últimos 3 meses com circunferência da panturrilha de 24 cm) associado a disfagia, úlcera por pressão e contratura muscular difusa (encurtamento muscular). As principais síndromes geriátricas identificadas são: A Depressão e Síndrome de Fragilidade. B Iatrogenia e Síndrome de Imobilidade. C Depressão e Delirium. D Insuficiência Familiar e Desnutrição. 4000142320 Questão 103 Eixo hipotálamohipofisário Diagnóstico Investigação etiológica Paciente do sexo masculino, 28 anos, percebeu diminuição da libido e aumento de mama há um ano e recentemente desenvolveu galactorreia. Não estava utilizando qualquer medicação. A rma não apresentar cefaleia, visão borrada. Ao exame físico, não se constatou qualquer anormalidade, exceto por galactorreia bilateral. Exame laboratorial mostrou nível de tireotro na normal. A dosagem de prolactina sérica foi 95 ng/mL. A ressonância magnética de encéfalo evidenciou uma massa de 6 mm de diâmetro no lobo anterior da hipó se. Qual o eixo endócrino envolvido diretamente nessa alteração encontrada no paciente? A Hipotálamo → células somatotróficas → gônadas B Hipófise → células tireotróficas → glândulas mamárias C Hipotálamo → hipófise → células mamotróficas D Adeno-hipófise → células gonadotróficas → hormônio TRH 4000142319 Questão 104 Animais peçonhentos Paciente, J.R.S., 29 anos, deu entrada no PA apresentando vômito, tontura, dor de cabeça, fala arrastada e diarreia. A esposa relatou que o paciente começou a se queixar de parestesia na língua e na região perioral, a apresentar náusea, fraqueza progressiva bilateral dos membros superiores e inferiores, cerca de 30 min depois da ingestão de ensopado de vísceras de peixe Baiacu. Análise dos restos do ensopado detectou níveis elevados de tetrodotoxina (TTX), que atua como A inibidor dos receptores nicotínicos de acetilcolina. B agonista de receptores de potássio. C bloqueador dos receptores de sódio voltagem dependente. D ativador dos receptores de cálcio tipo L. 4000142318 Questão 105 Rastreio Câncer Colorretal Paciente, M.J.F, sexo feminino, 52 anos, tabagista, compareceu à UBS para consulta de rotina, sem queixas. Dentre os exames solicitados pelo médico de família, está o exame de pesquisa de sangue oculto nas fezes pelo método imunoquímico positivo. Qual a razão da solicitação desse exame?