O envelhecimento e os rins - Dia mundial do Rim 2014

837 visualizações

Publicada em

Apresentação feita no America's Medical City por ocasião do Dia Mundial do Rim 2014.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
837
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O envelhecimento e os rins - Dia mundial do Rim 2014

  1. 1. Dia Mundial do Rim 2014 Envelhecimento e os Rins América’s Medical City 13 de março de 2014
  2. 2. Tópicos a serem abordados • O envelhecimento da humanidade e os desafios das doenças crônico-degenerativas • Organização morfofuncional dos rins • Os rins e o processo de envelhecimento • Ferramentas diagnósticas das doenças renais • A doença renal como um problema de saúde no mundo contemporâneo • Prevenção das doenças renais
  3. 3. Nascimento Crescimento Multiplicação Envelhecimento Morte Linha da Vida
  4. 4. Nasci- mento Cresci- mento Multipli- cação Envelhecimento Morte Linha da Vida Contemporânea
  5. 5. Sobrevida do Brasileiro Fonte : Fábio Giambiagi em Demografia (XII): A sobrevida, Valor Econômico, 12/02/2014 Anos de Vida Restantes 66 57 47 38 30 22 15 9
  6. 6. Evolução do Índice de Envelhecimento da População Brasileira Fonte: O Globo – 16 de fevereiro de 2014 Índice de Envelhecimento = (nº de pessoas > 60 anos  nº de pessoas < 15 anos)  100
  7. 7. População Brasileira por Idade (2005)
  8. 8. População Brasileira por Idade (2050)
  9. 9. Diabetes Mellitus e o Envelhecimento da População Brasileira 0,9 1,6 3,9 9,3 18,5 22,9 0 5 10 15 20 25 18 a 24 25 a 34 35 a 44 45 a 54 55 a 64 65 ou mais Total(%) Faixa Etária (anos) Diabetes Mellitus (Vigitel - 2012)
  10. 10. Hipertensão Arterial Sistêmica e o Envelhecimento na População Brasileira 3,8 8,8 19,3 34,6 50 59,2 0 10 20 30 40 50 60 70 18 a 24 25 a 34 35 a 44 45 a 54 55 a 64 65 ou mais Total(%) Faixa Etária (anos) Hipertensão Arterial Sistêmica (Vigitel - 2012)
  11. 11. Obesidade e o Envelhecimento da População Brasileira 7,5 15,1 19,7 22,6 23,4 19 0 5 10 15 20 25 18 a 24 25 a 34 35 a 44 45 a 54 55 a 64 65 ou mais Total(%) Faixa Etária (anos) Obesidade (Vigitel - 2012)
  12. 12. A Pandemia da Obesidade
  13. 13. Obesidade nas Minorias
  14. 14. Anatomia dos Rins e das Vias Urinárias Altas
  15. 15. Os rins e as suas principais funções 1° Remoção de: • água excedente do corpo • produtos residuais do metabolismo das proteínas 2° Manutenção do Equilíbrio: • eletrolítico (sódio, potássio e fósforo) • ácido base 3° Produção de substâncias que: • formam glóbulos vermelhos • mantém o vigor dos ossos • contribuem para o controle da pressão arterial
  16. 16. Os rins são órgãos vasculares
  17. 17. Organização Morfofuncional dos Rins Formação de 180 Litros de Ultrafiltrado Glomerular Ao final, reabsorção de 99 por cento do Ultrafiltrado Glomerular Reabsorção de Glicose, Aminoácidos e Sódio Eliminação de Potássio e Íon Hidrogênio Produção de Renina, Eritropoietina e Ativação da Vitamina D
  18. 18. Urina Final
  19. 19. Nefro – A Unidade Funcional dos Rins •Função Renal Total = Σ da função dos nefros individuais •Principal função dos rins é a filtração glomerular cujo valor normal é de 100 mL/min/1,73 m²
  20. 20. Stevens, L. A. et al. N Engl J Med 2006;354:2473-2483 Valores normais da filtração glomerular para homens e mulheres Queda de 1mL/min/ano de vida após os 40 anos de idade
  21. 21. Hoy, WE et al – Kidney Int 2003;63:S31-S37.
  22. 22. • Identificação de Dano Estrutural  Métodos de imagem  Detecção de proteinúria • Identificação de Perda Funcional  Filtração glomerular abaixo de 60 mL/min/1,73 m² por três ou mais meses Critérios Diagnósticos da Doença Renal Crônica
  23. 23. Ultrassonografia Renal
  24. 24. Amostra de Urina
  25. 25. Pesquisa de Proteína por Fita Reativa
  26. 26. Stevens, L. A. et al. N Engl J Med 2006;354:2473-2483 Filtração Glomerular como Ferramenta Diagnóstica de Doença Renal
  27. 27. Uso da creatinina como marcador da filtração glomerular
  28. 28. A creatinina vem dos músculos
  29. 29. Filtração Glomerular vs Creatinina Plasmática
  30. 30. Equações com base na Creatinina Plasmática (P Creat) Ano Considerações 1) Cockcroft-Gualt: CCr (mL/min) = [(140 – Idade)  Peso/72  P Creat]  0,85 [se ♀] 1976 • Estima o clearance da creatinina (CCr) • Usada para correção da dose das medicações 2) MDRD: GFR (mL/min/1,73 m²) = 186,3 x [P Creat] -1,154  (Idade) – 0,203  0,742 [se ♀] e/ou 1,212 [se negro] 1999 • Estima a filtração glomerular (GFR) • Baixa precisão quando a GFR é > que 60 mL/min/1,73 m², nos extremos das idades e peso, na gestação e em pacientes amputados ou com cirrose hepática 3) CKD-EPI: GFR (mL/min/1,73 m²) = • ♀ com P Creat ≤ 0,7 mg/dL: 144  (P Creat/0,7)– 0,329  0,993Idade  1,159 (se negro) • ♀ com P Creat > 0,7 mg/dL: 144  (P Creat/0,7)- 1,209  0,993Idade  1,159 (se negro) • ♂ com P Creat ≤ 0,9 mg/dL: 141  (P Creat/0,9)– 0,411  0,993Idade  1,159 (se negro) • ♂ com P Creat > 0,9 mg/dL: 141  (P Creat/0,9)-1,209  0,993Idade  1,159 (se negro) 2011 • Estima a filtração glomerular (GFR) • Mais precisa quando GFR > 60 mL/min/1,73 m² •Menor sensibilidade e maior especificidade no diagnóstico da Doença Renal Crônica do que a equação do MDRD • Superestima a presença de Doença Renal Crônica nos idosos •Superestima a filtração glomerular (GFR) de pessoas com Doença Renal Crônica • Melhor performance que a equação do MRDR na avaliação da filtração glomerular (GFR) ao redor de 60 mL/min/1,73 m²
  31. 31. Pessoas vulneráveis a Doença Renal • Envelhecimento (maiores de 60 anos) • Diabetes Mellitus • Hipertensão Arterial • História familiar de Doença Renal Crônica • Obesidade • Cirurgia dos rins e/ou vias urinárias • Uso continuado de remédios para dor ou anti-inflamatórios • Uso de drogas ilícitas • Hepatite B ou C • AIDS • Infecções urinárias de repetição • Cálculos renais • Baixo peso ao nascer • Exposição a fatores ambientais (Nefrite dos Balcans; Nefrite dos Trabalhadores em Plantações de Cana de Açúcar da América Central )
  32. 32. Pessoas vulneráveis a Doença Renal Fatores não modificáveis • Envelhecimento (maiores de 60 anos) • Diabetes Mellitus • Hipertensão Arterial • História familiar de Doença Renal Crônica • Obesidade • Cirurgia dos rins e/ou vias urinárias • Uso continuado de remédios para dor ou anti-inflamatórios • Uso de drogas ilícitas • Hepatite B ou C • AIDS • Infecções urinárias de repetição • Cálculos renais • Baixo peso ao nascer • Exposição a fatores ambientais (Nefrite dos Balcans; Nefrite dos Trabalhadores em Plantações de Cana de Açúcar da América Central )
  33. 33. Pessoas vulneráveis a Doença Renal Fatores Modificáveis • Envelhecimento (maiores de 60 anos) • Diabetes Mellitus • Hipertensão Arterial • História familiar de Doença Renal Crônica • Obesidade • Cirurgia dos rins e/ou vias urinárias • Uso continuado de remédios para dor ou anti-inflamatórios • Uso de drogas ilícitas • Hepatite B ou C • AIDS • Infecções urinárias de repetição • Cálculos renais • Baixo peso ao nascer • Exposição a fatores ambientais (Nefrite dos Balcans; Nefrite dos Trabalhadores em Plantações de Cana de Açúcar da América Central )
  34. 34. PESSOAS COM DOENÇA RENAL CRÔNICA, POR IDADE E FATORES DE RISCO, NHANES NHANES 1988–1994 & 2005–2010 participants age 20 & older; single sample estimates of eGFR & ACR. Diabetes defined as A1c <7 percent, self-reported (SR), or currently taking glucose- lowering medications. Hypertension defined as BP ≥130/≥80 for those with diabetes or CKD, otherwise BP ≥140/≥90, or taking medication for hypertension. eGFR calculated using the CKD- EPI equation. USRDS 2013
  35. 35. Go, A. S. et al -. N Engl J Med 2004;351:1296-1305. Taxas de Óbito de Qualquer Natureza, Eventos Cardiovasculares e Hospitalização Padronizados pela Idade de Acordo com Valores Estimados da Filtração Glomerular de 1.120.295 Adultos Acompanhados em Regime Ambulatorial
  36. 36.  65% 32 POR CENTO DOS BRASILEIROS QUE SÃO MANTIDOS VIVOS GRAÇAS A DIÁLISE TEM IDADE≥65 ANOS
  37. 37. Envelhecimento e os Rins • Quantos nefros tenho nos meus rins? • Tenho risco de desenvolver Doença Renal Crônica? • Eles estão funcionando adequadamente e serão suficientes para me manter bem durante toda a minha vida? • Estou comprometido com a preservação da saúde de meus rins?
  38. 38. O que eu posso fazer para preservar a saúde dos meus rins? • Conhecer o histórico de doenças da sua família • Avaliação médica anual, principalmente após os 40 anos • Seguir uma dieta balanceada • Controlar o peso • Fazer exercícios físicos de modo regular • Não fumar • Fazer uso de bebidas alcoólicas com moderação • Monitorar os níveis da glicose, pressão arterial e colesterol • Evitar uso de qualquer medicação sem orientação médica
  39. 39. O que devo esquecer? • Urinar bem é sinal de que os rins são saudáveis • Beber excessiva quantidade de líquidos assegura saúde dos rins • Restrição de proteína na dieta é o melhor tratamento disponível para as doenças renais • Dor lombar é um dos sintomas de doença renal • Não ter dor de cabeça é sinal de que a pressão arterial está bem controlada
  40. 40. Conclusão O aumento da expectativa de vida da humanidade vem exigindo de todos nós uma nova atitude na manutenção da nossa saúde e assim preservar a SAÚDE DOS NOSSOS RINS também é necessário para assegurar saudável longevidade.

×