Dor oncológica

1.629 visualizações

Publicada em

Saiba tudo sobre a dor oncológica: Causas, tratamentos, controle da dor.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.629
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
483
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dor oncológica

  1. 1. Dor Oncológica
  2. 2. Fatos sobre a Dor Oncológica • A dor oncológica quase sempre pode ser aliviada ou diminuída. • Controlar a dor é parte do tratamento oncológico. • Tratar a dor desde o início e evitar que ela piore é a melhor maneira de controlá- la • Você tem direito de pedir o alivio da dor. • Pacientes que seguem a prescrição médica raramente se tornam dependentes dos medicamentos. • Os efeitos colaterais dos medicamentos para dor podem ser gerenciados e até mesmo evitados. • Seu corpo não se torna imune ao tratamento contra a dor.
  3. 3. Com dor, você pode se sentir: • Deprimido. • Cansado • Irritado. • Preocupado. • Solitário. • Estressado. Sem dor, você é capaz de: • Ser ativo. • Dormir melhor. • Curtir a família e amigos. • Comer melhor. • Ter intimidade sexual. • Prevenir a depressão.
  4. 4. Causas da Dor Dor oncológica - A intensidade depende do tipo de câncer, estadiamento da doença e limiar de dor (tolerância à dor) do paciente. Compressão da medula espinhal - O primeiro sinal é geralmente dor na parte posterior do pescoço, dor de garganta, dormência ou fraqueza em um membro. Tossir, espirrar ou realizar outros movimentos, muitas vezes, agravam a dor. Se sentir essa dor, contate seu médico imediatamente, a compressão deve ser tratada rapidamente para impedir a perda da função da bexiga ou do intestino ou ainda ficar paraplégico. Dor óssea - Este tipo de dor pode acontecer quando a doença se dissemina para os ossos. O tratamento visa controlar o câncer e proteger os ossos afetados. Dor devido a procedimentos e exames - Alguns exames realizados para diagnóstico do câncer e avaliação da resposta ao tratamento podem ser dolorosos.
  5. 5. Causas da Dor Dor cirúrgica - Dependendo do tipo de cirurgia, sentir dor é algo esperado. No entanto, são prescritos medicamentos para que o paciente não sinta dor. Informe seu médico sobre qualquer dor que você sinta após a cirurgia. Dor ”fantasma” - Se você já teve um braço, perna ou mesmo uma mama retirada, você ainda pode sentir dor ou outras sensações incomuns ou desagradáveis que parecem estar vindo da parte ausente do corpo. Não está claro porque isso acontece, mas a dor fantasma é real, não é produto da imaginação. Dor de outros tratamentos contra o câncer - Alguns dos efeitos colaterais provocados pela quimioterapia e radioterapia podem causar dor, o que pode, inclusive, levar à suspensão do tratamento.
  6. 6. Causas da Dor Neuropatia Periférica - É a dor, ardor, formigamento, dormência, fraqueza, dificuldade para andar ou sensações estranhas nas mãos, braços ou pernas e pés. Pode ser provocada por determinados tipos de medicamentos quimioterápicos, embora também possa ser devido a deficiências vitamínicas, câncer e outros problemas. Feridas na Boca - A quimioterapia pode provocar feridas e dor na boca e garganta (estomatite ou mucosite). Mucosite e outras Lesões devido à Radioterapia - A dor devido a radioterapia depende da parte do corpo tratada. A radioterapia pode provocar queimaduras cutâneas, mucosite (aftas) e cicatrizes, que podem provocar dor.
  7. 7. Tipos de Dor O tipo da dor influencia no tipo de tratamento a ser realizado. A dor pode ser aguda ou crônica (de curto ou longo prazo). Dor aguda - É intensa e dura um tempo relativamente curto. É mais um sinal de que o corpo está sendo ferido de alguma forma. Esta dor geralmente desaparece com a cicatrização do ferimento. Dor crônica - Pode variar de leve a severa. Esse tipo de dor pode atrapalhar a vida do paciente se não for bem tratada. Dor Disruptiva - É um tipo dor que se manifesta repentinamente apesar da medicação, variando de moderada a severa. É comum em pessoas com dor crônica que estão sendo tratadas com medicamentos opioides.
  8. 8. Progressão da Dor Pessoas com dor, muitas vezes, percebem que a dor muda ao longo do dia. A dor oncológica crônica têm 2 subtipos: Dor Persistente - É a dor que não vai embora, mas geralmente pode ser controlada com medicamentos administrados em intervalos regulares. Dor Disruptiva - É a dor que não é controlada pelas doses regulares de analgésicos. Chama-se dor disruptiva porque "rompe" o alívio da dor com o uso de analgésicos. Aparece de forma rápida, dura entorno de uma hora e a sensação é muito parecida com a dor persistente, exceto que é mais intensa e pode ocorrer várias vezes ao dia.
  9. 9. Escala de Dor Utilizar uma escala de dor é útil para descrever a sua intensidade. Para usar a escala de intensidade da dor, atribua um número de 0 a 10 para dimensionar o nível da dor. Se você não tem dor, marque 0. E para dor intensa marque 10. Você pode usar a escala de classificação para descrever: • A dor quando está com intensidade máxima. • Se a dor é contínua. • A dor quando está menos intensa. • Como a dor muda com o tratamento. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Sem dor Dor intensa
  10. 10. Histórico da Dor Você pode manter registros ou um diário para acompanhar a evolução da dor, compartilhando com aqueles que cuidam de você. Esses registros podem incluir: • Palavras para descrever a dor. • Atividades que podem aumentar ou diminuir a dor. • Nome, dose e horários dos medicamentos que toma contra dor. • Outros métodos para o alívio da dor como repouso, técnicas de relaxamento, etc. • Classificação da dor (escala de dor). • Avaliação da dor 1 a 2 horas após a utilização de medidas de alívio da dor. • Tempo que o medicamento demora para fazer efeito. • Como a dor interfere nas suas atividades normais. • Os eventuais efeitos colaterais devido aos medicamentos.
  11. 11. Tratando a Dor Oncológica A dor oncológica é geralmente tratada com analgésicos. Alguns medicamentos são adquiridos sem receita médica, como o ácido acetilsalicílico, acetaminofeno ou ibuprofeno. Esses são utilizados para dor de intensidade leve e podem ser associados a outros medicamentos para dor mais severa. Os demais medicamentos necessitam de receita médica. Converse com seu médico antes de tomar qualquer medicamento contra dor, porque alguns podem interagir com os usados no tratamento do câncer. Alguns tratamentos especiais também podem ser realizados para a dor, como: • Radioterapia - Reduz o tamanho do tumor. • Cirurgia - Remove parte ou todo o tumor. • Bloqueio de nervos - Os analgésicos são injetados diretamente no nervo ou em torno da medula espinhal. • Neurocirurgia - Desligamento dos nervos para alívio da dor.
  12. 12. Esquema de Controle da Dor • Tome seu analgésico em horários regulares, mesmo que não esteja sentindo dor. • Não pule o horário de seu medicamento. • No caso de dor disruptiva, tome o medicamento de ação rápida. Não espere a dor ficar mais intensa. • Certifique-se de que apenas um médico prescreva seus medicamentos contra dor. • Não evite tomar seu medicamento. • Armazene os medicamentos contra dor com segurança longe das crianças, animais de estimação e outras pessoas que possam encontrá-los. • Nunca tome medicamento de outra pessoa. • Não use remédios vencidos ou resto de medicamentos para outros problemas de saúde. • Lembre-se, seu esquema de controle da dor pode ser alterado a qualquer momento.
  13. 13. E se um Medicamento não Funcionar? Se um medicamento não funciona quase sempre há a possibilidade de outro ser utilizado. Uma combinação de medicamentos ou a mudança na dose ou tempo de ação pode ser modificada se: • A dor não é aliviada. • O medicamento não começa sua ação dentro do tempo indicado pelo médico. • O tempo de ação do medicamento é inferior ao indicado pelo médico. • O paciente tem picos de dor disruptiva mais de 4 vezes/dia ou a dor não é aliviada com analgésico de ação rápida. • O paciente apresenta efeitos colaterais. • Os horários e a forma de administração dos medicamentos não estão funcionando. • A dor interfere com as atividades diárias do paciente.
  14. 14. O que são Medicamentos Não Opioides? Os medicamentos não opioides controlam a dor leve a moderada. Alguns podem ser comprados sem receita médica. Alguns exemplos: • Acetaminofeno. • Anti-inflamatórios não esteroides. • Ácido acetilsalicílico. • Ibuprofeno. • Naproxeno.
  15. 15. O que são Anti-Inflamatórios Não Esteroides? Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) são muito parecidos com o ácido acetilsalicílico. Sozinhos ou combinados com outros medicamentos, os AINEs podem controlar a dor e inflamação. Antes de tomar quaisquer outros AINEs ou medicamentos não opioides, pergunte ao seu médico, se é seguro você associar com os seus outros medicamentos, e por quanto tempo você deverá tomá-los. Muito cuidado ao tomar AINEs e consumir álcool, já que pode provocar alterações gástricas e aumentar o risco de sangramento. Fumar também pode aumentar este risco. Os AINEs podem também aumentar o risco de ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, especialmente se você os toma por muito tempo.
  16. 16. O que são Analgésicos Opioides? Os medicamentos analgésicos opioides são utilizados individualmente ou associados com não opioides para o tratamento da dor moderada a severa. Os opioides são muito parecidos com substâncias naturais (chamadas endorfinas) produzidas pelo organismo para controlar a dor. Alguns funcionam melhor do que outros no alívio da dor severa. Alguns exemplos de analgésicos opioides: • Codeína. • Metadona. • Morfina. • Oxicodona. • Fentanil.
  17. 17. Outros Tipos de Medicamentos contra Dor Diferentes medicamentos podem ser usados junto com os opioides para controlar a dor oncológica. Alguns destes medicamentos aliviam a dor ou aumentam o efeito dos opioides. Outros diminuem os efeitos colaterais dos opioides. O tratamento com estas drogas é iniciado com doses baixas, que podem ser aumentadas ao longo do tempo. Alguns exemplos de medicamentos utilizados para aliviar a dor oncológica: • Antidepressivos – Amitriptilina, imipramina, duloxetina. • Anti-histamínicos – Hidroxizina, difenhidramina. • Ansiolíticos – Diazepam, lorazepam. • Estimulantes e anfetaminas – Cafeína, dextroanfetamina. • Anticonvulsivantes – Carbamazepina, clonazepam. • Esteroides – Dexametassona, prednisona.
  18. 18. Que Medicamento deve ser usado para os diferentes Tipos de Dor? • Dor leve a moderada - Medicamentos não opioides. • Dor moderada a grave – Medicamentos opioides. • Dor progressiva - Medicamentos opioides de ação rápida. • Formigamento e queimação - Antidepressivos e anticonvulsivantes. • Dor causada por inchaço ou pressão - Esteroides. À exceção dos medicamentos não opioides é importante lembrar que os demais medicamentos são de uso controlado e precisam de receitas especiais (azuis ou amarelas), que somente podem ser prescritas por um médico.
  19. 19. Outros Tratamentos para Alívio da Dor Algumas dores não são controladas com medicamentos ou outros métodos não médicos, quando isso acontece, outros tratamentos são utilizados para diminuir a dor. Bloqueio dos impulsos nervosos • Cirurgia - Cortando os nervos, próximos à medula espinhal. • Bloqueio nervoso - Injeção de anestésico diretamente no nervo ou em torno da medula espinal. • Analgesia espinhal - Baixas doses de analgésicos injetadas no líquido da medula espinhal (injeção intratecal). • Epidural – Injeção de analgésicos em torno da coluna vertebral. Tratamentos que podem diminuir o tamanho do tumor Quimioterapia, hormonioterapia ou radioterapia podem ser utilizadas para este fim.
  20. 20. Tratamentos Alternativos contra Dor Atualmente, os tratamentos não médicos são amplamente utilizados para gerenciar a dor oncológica. Muitas técnicas são utilizadas junto com a medicina analgésica, embora, também, possam ser utilizadas isoladamente para controlar a dor leve ou desconforto. Estes métodos incluem: • Relaxamento. • Biofeedback. • Distração. • Hipnose. • Estimulação cutânea. • Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS). • Acupuntura. • Exercícios ou fisioterapia. • Apoio emocional e aconselhamento.
  21. 21. Lembre-se: • A dor pode influenciar todas suas atividades diárias. • A dor não deve ser aceita como algo normal numa doença como o câncer. • Toda dor pode ser tratada, e a maioria pode ser controlada ou pelo menos amenizada. • Somente você sabe quão intensa é sua dor. Mas, lembre que a dor é mais fácil de ser tratada logo no início. • Você tem o direito de ser tratado contra a dor, e deve insistir nisso!

×