Jose_Clemente_Avaliacao_funcional

5.657 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.657
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.756
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jose_Clemente_Avaliacao_funcional

  1. 1. Avaliação Funcional e Processo Incapacitante
  2. 2.  A capacidade de tomar decisões e a de autogoverno podem ser comprometidas por doenças físicas e mentais ou por restrições econômicas e educacionais.  A avaliação funcional é uma etapa importante no processo de cuidado das pessoas idosas e com comprometimento físico e / ou neurológico.
  3. 3. Trata-se de um processo sistematizado de avaliar objetivamente os níveis no qual uma pessoa está funcionando numa variedade de áreas utilizando diferentes habilidades.
  4. 4. Representa uma maneira de medir se uma pessoa é ou não capaz de desempenhar as atividades necessárias para cuidar de si mesma. Caso não seja capaz, verificar se essa necessidade de ajuda é parcial, em maior ou menor grau, ou total.
  5. 5. A Capacidade Funcional é avaliada no desempenho das atividades cotidianas ou atividades de vida diária.
  6. 6. Essas atividades são subdivididas em: a) Atividades de Vida Diária (AVD) São as relacionadas ao autocuidado e que, no caso de limitação de desempenho, necessitam a presença de um cuidador para auxiliar. Fonte:BRASIL, 2007
  7. 7. São elas:  Alimentar-se  Banhar-se  Vestir-se  Mobilizar-se  Deambular  Ir ao banheiro  Manter controle sobre suas necessidades fisiológicas. Fonte:BRASIL, 2007
  8. 8. b) Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD) São aquelas relacionadas à participação do individuo em seu entorno social e indicam a capacidade do mesmo em levar uma vida independente dentro da comunidade. Fonte:BRASIL, 2007
  9. 9. São elas: • Utilizar meios de transporte • Manipular medicamentos • Realizar compras • Realizar tarefas domésticas leves e pesadas • Utilizar o telefone • Preparar refeições • Cuidar das próprias finanças Fonte:BRASIL, 2007
  10. 10. As avaliações funcionais dão ênfase às Atividades de Vida Diárias (AVD). A primeira escala desenvolvida, e mais utilizada, é a Escala de Katz, que mede a habilidade da pessoa em desempenhar suas atividades cotidianas de forma independente, determinando as necessidades de intervenções de reabilitação.
  11. 11. • Posteriormente, foi proposto por Lawton um outro instrumento para avaliar as Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD) (consideradas mais complexas e cuja independência para desempenho está diretamente relacionada com a capacidade de vida comunitária independente). • A capacidade em realizá-las torna as pessoas mais autoconfiantes para a vida em comunidade. Fonte:BRASIL, 2007
  12. 12. Outro instrumento de avaliação funcional que tem sido utilizado, é denominado Medida de Independência Funcional (MIF) que procura quantificar a ajuda necessária ao individuo, por isso, tem se mostrado muito útil no planejamento assistencial. Fonte:BRASIL, 2007
  13. 13. Diferença entre desempenho e capacidade funcional • Desempenho avalia o que o idoso, ou individuo com comprometimento físico ou neurológico realmente faz no seu dia-a- dia. • A capacidade funcional avalia o potencial que a pessoa tem para realizar a atividade, ou seja, sua capacidade remanescente, que pode ou não ser utilizada. Fonte:BRASIL, 2007
  14. 14. Por exemplo: quando o indivíduo mora em uma casa que possui escada e não a utiliza porque a família teme que ele caia. Logo, não desempenha a função de descer e subir escada por limitação da família, mas, possui capacidade funcional para executá-la. Fonte:BRASIL, 2007
  15. 15. O processo incapacitante corresponde à evolução de uma condição crônica que envolve fatores de risco – demográficos, sociais, psicológicos, ambientais, estilo de vida, comportamentos e características biológicas dos indivíduos. Fonte:BRASIL, 2007
  16. 16. Estruturação do processo incapacitante Fatores de risco Fatores de risco Processo Incapacitante DoençaDoença DéficitDéficit Limitação FuncionalLimitação Funcional IncapacidadeIncapacidade AmbienteAmbiente PessoaPessoa Fatores intra e extra individuo Fatores intra e extra individuo Fonte:BRASIL, 2007
  17. 17.  Dentre as consequências do processo incapacitante destacam-se a hospitalização e a institucionalização, que influenciam a qualidade de vida das pessoas idosas e/ou com dependência funcional.  Três conceitos apresentam-se interligados e interdependentes quando se discute o processo incapacitante. São eles: autonomia, independência e dependência. Fonte:BRASIL, 2007
  18. 18. Autonomia Pode ser definida como auto-governo e se expressa na liberdade para agir e para tomar decisões. Independência Significa ser capaz de realizar as atividades sem ajuda de outra pessoa. Dependência Significa não ser capaz de realizar as atividades cotidianas sem a ajuda de outra pessoa. Fonte:BRASIL, 2007
  19. 19. • Muitas pessoas mantêm sua autonomia (capacidade de decisão) embora sejam dependentes (incapacidade física para executar uma determinada ação). • Por exemplo: um idoso que após um AVE apresenta limitação em sua mobilidade e requer auxílio para tomar banho (dependência), mas pode ser perfeitamente capaz de decidir o horário do banho, a roupa que prefere vestir (autonomia), etc. Fonte:BRASIL, 2007
  20. 20. • A avaliação funcional determinará, necessariamente, o grau de dependência e os tipos de cuidados que serão necessários, além de como e por quem os mesmos poderão ser mais apropriadamente realizados. • Nos próximos slides, apresentamos alguns instrumentos que possibilitam a avaliação do grau de independência: Fonte:BRASIL, 2007
  21. 21. Continuação...
  22. 22. Para ter acesso à versão completa desses instrumentos, acesse: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/abcad19.pdf
  23. 23. Referência Bibliográfica Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. (Cadernos de Atenção Básica, n. 19). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abcad1 9.pdf
  24. 24. Este trabalho está licenciado sob uma licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

×