atencaobasica.org.br
Aprendizagem Colaborativa
Ensinamos e aprendemos nas relações!
“...todos fazem, todos
sabem e todos governam
algo nas organizações”
Mehry
“Ninguém educa
ninguém, ninguém
educa a si mesm...
Todas elas falam da importância da
colaboração!
Mas como a aprendizagem
colaborativa acontece ?
● No encontro com o outro.
● Nos desafios e necesidades de ensino-aprendiz...
Mas não basta que essas ferramentas
tecnológicas existam, é preciso que elas
sejam utilizadas com a intenção de
construir ...
Quando compartilhamos as experiências da vida
cotidiana por meio da interação temos a possibilidade
de construir processos...
A colaboração acontece quando provoca a necessidade dos participantes de
expressarem seu entendimento do significado que e...
A aprendizagem colaborativa problematiza as
relações verticais entre quem ensina e quem
aprende colocadas pelas perspectiv...
Em uma comunidade de prática, os membros trocam informações e
experiências sobre o domínio da comunidade, envolvem-se em r...
Aprendizagem Colaborativa e Comunidade de
Práticas
As novas tecnologias da informação permitem formas de acessar e produzi...
A experiência do “comum” se dá no
grupo!
Um grupo não é a soma de indivíduos!
Várias pessoas se tornam um GRUPO quando sen...
Formas de utilizar a Aprendizagem
Colaborativa para produzir Educação
Permanente em Saúde:
• Instigar a argumentação dos p...
Há diversos usos dessas práticas de colaboração e nem sempre elas
contribuem para produção de relações de educação e traba...
Desafios para o facilitador contribuir
com a criação de aprendizagens
colaborativas:
• debater sobre situações problema
• ...
Referências
FREIRE, Paulo (1996). Pedagogia do oprimido. 23a reimpressão. São Paulo, Editora Paz e Terra.
KIRKWOOD, K. If ...
Dúvidas? Envie e-mail para:
contato@atencaobasica.org.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentacao aprendizagem colaborativa

469 visualizações

Publicada em

Curso Facilitador - aprendizagem colaborativa

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
469
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
160
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentacao aprendizagem colaborativa

  1. 1. atencaobasica.org.br Aprendizagem Colaborativa Ensinamos e aprendemos nas relações!
  2. 2. “...todos fazem, todos sabem e todos governam algo nas organizações” Mehry “Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens educam entre si, mediatizados pelo mundo.” Paulo Freire “Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes.” Paulo Freire “Sozinho a gente vai mais rápido, junto a gente vai mais longe” Você já ouviu coisas assim por aí?!
  3. 3. Todas elas falam da importância da colaboração!
  4. 4. Mas como a aprendizagem colaborativa acontece ? ● No encontro com o outro. ● Nos desafios e necesidades de ensino-aprendizagem que a relação entre as pessoas provoca em nós. ● Na análise coletiva que fazemos da nossa prática e que pode ampliar os pontos de vista e as possibilidade de agir diferente.
  5. 5. Mas não basta que essas ferramentas tecnológicas existam, é preciso que elas sejam utilizadas com a intenção de construir situações que possibilitem uma aprendizagem colaborativa!
  6. 6. Quando compartilhamos as experiências da vida cotidiana por meio da interação temos a possibilidade de construir processos colaborativos de aprendizagem entre os trabalhadores da saúde. Ao relatar uma experiência do cotidiano de trabalho na Comunidade de Práticas, podemos colocar em análise e problematizar nossa prática. O processo de sistematização das experiências pessoais e a provocação de novas abordagens para ela constroem processos de aprendizagem colaborativa no processo de troca de ideias sobre o tema.
  7. 7. A colaboração acontece quando provoca a necessidade dos participantes de expressarem seu entendimento do significado que está sendo construído no processo de interação. “Colaborar com outros na tentativa de resolver um problema permite [...] confrontar o seu repertório de estratégias cognitivas com os demais, possibilitando o enriquecimento mutuo “ (Tractenberg & Struchiner, 2010, p. 73). Colaboração
  8. 8. A aprendizagem colaborativa problematiza as relações verticais entre quem ensina e quem aprende colocadas pelas perspectivas tradicionais de educação. Nela há necessidade do desenvolvimento de um processo de interação que reconhece os saberes de todos os envolvidos no processo educativo e a potência do encontro desses saberes para produzir novos conhecimentos.
  9. 9. Em uma comunidade de prática, os membros trocam informações e experiências sobre o domínio da comunidade, envolvem-se em reflexões e discussões, ajudam-se. Os membros desenvolvem assim um relacionamento, que permite que aprendam uns com os outros. Por essa característica essencial, Wenger (2008) afirma que um grupo de colegas de trabalho ou um grupo de formandos em uma universidade não podem ser considerados parte de uma comunidade de prática a menos que interajam e aprendam uns com os outros Aprendizagem Colaborativa e Comunidade de Práticas
  10. 10. Aprendizagem Colaborativa e Comunidade de Práticas As novas tecnologias da informação permitem formas de acessar e produzir conhecimentos que tem ampliado a capacidade humana de se comunicar, gerar, armazenar e operar conteúdos colaborativamente. As comunidades de práticas oferecem diferentes ferramentas para facilitar a colaboração: Comentários Curtidas Postagens Chats Etc...
  11. 11. A experiência do “comum” se dá no grupo! Um grupo não é a soma de indivíduos! Várias pessoas se tornam um GRUPO quando sentem que tem algo em comum entre elas. Isso não significa que as pessoas tem que pensar e praticar as mesmas coisas para fazer parte dele. Geralmente dá espaço para todos os tipos de interação e sentimentos. Eles são permeados por conflitos e opiniões divergentes. Colocar essas questões em análise pode produzir processos de desenvolvimento e aprendizagens colaborativa.
  12. 12. Formas de utilizar a Aprendizagem Colaborativa para produzir Educação Permanente em Saúde: • Instigar a argumentação dos participantes sobre seus pontos de vista. • Provocar processos de análise. • Debater os comentários e as práticas.
  13. 13. Há diversos usos dessas práticas de colaboração e nem sempre elas contribuem para produção de relações de educação e trabalho transformadoras. Então...atenção, Facilitador! • O discurso da colaboração também tem servido para mascarar as diversidades de opiniões e homogeneizar práticas. • O trabalho em equipe também tem sido usado como forma de controle dos trabalhadores: a vigilância deixa de ser do chefe e passa a ser de todo o grupo. ”Nem tudo que reluz é ouro!”
  14. 14. Desafios para o facilitador contribuir com a criação de aprendizagens colaborativas: • debater sobre situações problema • fomentar a conversa sobre os temas debatidos na perspectiva de identificar quais os significados comuns que vão sendo produzidos na interação • provocar as trocas de experiência entre os participantes • promover processos de análise sobre as práticas compartilhadas • valorizar o protagonismo dos participantes no processo de debate, por isso não é aconselhável dar respostas prontas, em geral elas acabam com a troca de ideias • assumir o papel de facilitador implica sempre em muitos aprendizados colaborativos
  15. 15. Referências FREIRE, Paulo (1996). Pedagogia do oprimido. 23a reimpressão. São Paulo, Editora Paz e Terra. KIRKWOOD, K. If They Build It, They Will Come: Creating Opportunities for E-learning Communities of Practice. In Universitas 21 Conference on E-learning and Pedagogy. Guadalajara, Mexico. 2006. Disponível em http://www.google.com.br/url? sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&ved=0CDgQFjAB&url=http%3A%2F %2F130.203.133.150%2Fviewdoc%2Fdownload%3Bjsessionid%3D6692394B7BB1B7592198A10F3FBA5%3F doi%3D10.1.1.130.5695%26rep%3Drep1%26type%3Dpdf&ei=QY0OUtP6L4WWyA GNj4FI&usg=AFQjCNF1wKrgjqNOHMSeBg0g-sYsAYLoNQ&sig2=AVZNf073illGZMtazZN FGg&bvm=bv.50768961,d.aWc Acesso em 05 Jun 2013. MEHRY, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002. MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2015, 28 de maio). Comunidade de práticas [Web log post]. Disponível em https://novo.atencaobasica.org.br/ RIBEIRO, A.C.L. A psicologia e o cuidado nos serviços de saúde: formação e trabalho. Curitiba: Appris. 2014. STAHL, G. ; KOSCHMANN, T. & SUTHERS, D. (2006). Aprendizagem colaborativa com suporte computacional: Uma perspectiva histórica. In R.K. Sawyer (Ed.), Cambrindge handbook of the learning sciences (pp. 409-426). [Traduzido por Hugo Fuks & Tatiana Escovedo]. Cambridge: Cambrindge University Press. Disponível em http://gerrystahl.net/cscl/CSCL_Portuguese.pdf TRACTENBERG, L., & STRUCHINER, M. (2010). A emergência da colaboração na educação e as transformações na sociedade pós-industrial: Em busca de uma compreensão problematizadora. B. Téc. Senac a R. Educ. Prof., 36 (2), 65-77.
  16. 16. Dúvidas? Envie e-mail para: contato@atencaobasica.org.br

×