Trabalho cap. 18 (final)

157 visualizações

Publicada em

Fundamentos da Administração
Teoria da Contingência

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
157
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho cap. 18 (final)

  1. 1. Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Teoria da Contingência Aluno: Brennda Kelly Sousa Nascimento - 356122 Eduardo Souza Leão de Oliveira Sancho - 356138 João Victor Rodrigues Chaves Martins - 359538 Matheus Rocha Lopes de Araújo - 356192 Pedro Siqueira Fontenele - 356201 Disciplina: Fundamentos da Administração Professor: João Vitor Moccellin Fortaleza – CE Maio/2015
  2. 2. Resumo Crítico: Cap. 18 – Teoria da Contingência A maior premissa que se tem a respeito dessa teoria é que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa. O que há, de fato, é uma intrínseca relação entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas. Sua origem se deu por meio de pesquisas que visavam confirmar pressupostos da Teoria Clássica nos modelos organizacionais mais eficazes, no entanto, percebeu-se que não havia um único “the best way” e que a havia dependência do ambiente externo. Dentre essas pesquisas, cita-se alguns pontos para a construção da teoria do capítulo. Para Chandler, as organizações, para assumir sua atual forma, passaram por processos históricos que foram: a acumulação de recursos, racionalização dos mesmos, crescimento e uso do recurso em expansão. Já Burns e Stalker, dividiram as organizações mecanísticas e orgânicas. Por fim, Lawrence e Lorsch, fazendo sua pesquisa sobre defrontamento entre organização e o ambiente, gerando conceitos de diferenciação e integração concluíram que a organização é de natureza sistêmica e que as características ambientais são variáveis independentes enquanto que as características organizacionais são dependentes. Desse modo, percebe-se que essa teoria está intimamente ligada ao ambiente, sendo fundamental para que haja o sucesso de uma organização, a mesma explora e disciplina o ambiente, aprendendo a diferenciá-lo e reduzindo a incerteza a seu respeito, ou seja conhecendo as ameaças e oportunidades. Assim como o ambiente, a tecnologia é apresentada como uma variável que influencia as características organizacionais, portanto, seus impactos são analisados. Para Thompson a tecnologia é uma das formas de compreender as ações das empresas, pois de acordo com a finalidade da empresa são aplicados diferentes níveis e tipos de tecnologia. A diferença na tipologia aplicada por Thompson reside no quão agregada está à tecnologia ao produto ou ao cliente. Assim, a tecnologia se torna indispensável e impacta a vida e o funcionamento organizacional. A estrutura e o comportamento organizacional são variáveis dependentes, por sua vez são contingentes devido a coações inerentes as suas tecnologias e aos ambientes de trabalho. Historicamente as concepções à cerca da natureza humana desconsideraram a complexidade e os fatores motivacionais que o levam à perseguir seus objetivos organizacionais. A teoria contingencial propõe a idéia do homem como um ser complexo que opera com um sistema interno, movido à percepções, valores, características pessoais e necessidades. Essa teoria parte da premissa de que o confronto do homem com o meio externo gera problemas e isso cria a necessidade de desenvolver uma estrutura (o sistema) capaz de solucionar problemas, sejam eles na família, com os amigos, no trabalho. A teoria contingencial proposta por Vroom defende o homem como um ser inconstante e variável, movido por motivações individuais e dependentes da situação e do clima organizacional (fatores externos) em que estão inseridos.
  3. 3. Essas motivações são baseadas em expectativas, recompensas e a relação entre as expectativas e suas respectivas recompensas. Outro teórico do assunto, Lawer III repaginou o modelo de Vroom relacionando-o com o dinheiro. Quanto a estratégia organizacional, esta deixou de ser formal e rígida, deixando de ser unilateral para tentar compatibilizar todas as condições externas e ambientais para definir alternativas de atuação e comportamento, visando tirar vantagens das circunstâncias e evitar possíveis danos ambientais. Nesse contexto surgem duas escolas de pensamento, a escola ambiental, segunda teoria o ambiente é determinante e rege o comportamento organizacional que deve se adaptar as condições; e a escola do design que aborda a adequação que se faz necessária para adaptar os aspectos internos aos aspectos externos do ambiente. A BCG é exemplo de uma empresa que se utiliza das condições externas sempre atualizadas para adequar a sua produção e gerenciar melhor seus investimentos, isso se dá através da criação de portfólios que explanam o equilíbrio de fundos de caixa. Fazendo uma apreciação crítica da teoria da contingência, percebemos que ela é a mais eclética e integrativa de todas as teorias administrativas. Pois além de levar em conta todas as contribuições das mesmas, ela também dita que devemos observar o ambiente e a tecnologia na qual a organização está inserida e só então escolher o modelo administrativo adequado para a mesma, ou seja, a pratica administrativa é circunstancial e situacional (relativismo administrativo). Os conceitos dessa teoria são dinâmicos e podem ser utilizados em diferentes circunstancias. Ela também mostra como a ambiente influência na estrutura e no comportamento das organizações e como o mesmo intercambia com os sistemas administrativos. Concluímos também que a teoria da contingência permitiu uma integração entre as abordagens dos sistemas abertos e fechados. Os trabalhos de Thompson mostraram que é possível uma organização possuir, simultaneamente, características mecânicas- níveis inferiores e no âmago da organização - e orgânicas - os níveis mais elevados e situados nas periferias organizacionais. Além disso, de acordo com ela, a organização deve utilizar a tecnologia de forma racional, já que a mesma influencia as características pessoais e os conhecimentos que os membros organizacionais devem fornecer a empresa. Percebemos então que essa teoria abrange as cinco principais variáveis da teoria administrativa: estrutura, ambiente, tecnologia, pessoas e tarefas. Assim, podemos imaginar que no futuro haverá apenas uma teoria única e abrangente para todas as situações organizacionais.
  4. 4. Metodologia de Execução do Trabalho No intuito de efetuar o trabalho da melhor forma possível, tomou-se a escolha da equipe devido a experiências anteriores na faculdade nas quais os integrantes já haviam trabalhado juntos e obtido sucesso na realização de suas atividades. A estratégia de execução do trabalho se deu da seguinte forma, um dos membros sugeriu a criação de um grupo em uma das redes sociais de modo que todos pudessem se comunicar e saber das atividades referentes ao trabalho. Acertou-se também que, devido à dificuldade em possuir horários comum a todos para reuniões presenciais, seria aproveitado os minutos anteriores ou finais a aula de Administração para discussões mais importantes. Uma vez acertada a forma de comunicação e de tomada de decisões, os membros decidiram dividir o trabalho em etapas de modo que o mesmo pudesse ser executado de forma organizada, sem interferir nas demais atividades curriculares e extracurriculares dos membros. Além disso, caso houvesse contratempos, haveria como solucioná-los sem que se prejudicasse a execução do trabalho. Essas etapas consistiram em: leitura do capítulo; discussão dos pontos relevantes da teoria; divisão de tópicos do mesmo para cada membro responsável; desenvolvimento de material escrito; revisão do material escrito; entrega da parte escrita; definição do modelo de apresentação e divisão; montagem da apresentação; revisão da apresentação e apresentação final. Além disso, a fim de se facilitar o compartilhamento do material do trabalho com os membros, criou-se uma pasta em rede de modo que, à medida que um fosse produzindo sua devida parte, os demais já poderiam ir checando e também partilhando da suas promovendo uma construção dinâmica, simultânea e gradativa do trabalho. Por fim, segue em anexo uma tabela com os planos de ação do trabalho.
  5. 5. AtividadeMétodoLocalPrazoResponsávelStatus EscolhadaEquipe Aescolhadosmembrosdaequipedeveserfeitacombasenas experiênciasanterioresnafaculdade. Saladeaula01/04/2015EquipeRealizado Criaçãodegrupoemuma redesocial Criargrupocomtodososmembrosdaequipeemalgumarede social(Whatsapp,Facebook)paracomunicação. Online20/04/2015EduardoSanchoRealizado Reuniõessemanaisda equipe Realizarreuniõessemanais,antesedepoisdaaula,para tomadasdedecisãosobreassuntosrelacionadosaotrabalho. Bloco70710/06/2015EquipeEmandamento LeituradomaterialLerocapítulosobreteoriadacontingência(Cap.18).Nãodefinido11/05/2015EquipeRealizado Discussãosobreotemae divisãodetópicos Discutirsobreospontosimportantesdocapítulo18,edividir ostópicosentreosmembrosdogrupos. Bloco70711/05/2015EquipeRealizado Desenvolvimentodo materialescrito Cadamembrodogrupodevefazerumresumosobreotópico quelhefoiencaminhadoedeixa-lodisponívelnoGoogle Drive. Online15/05/2015EquipeRealizado Revisãodomaterialescrito Oresponsáveldevefazerumaleituradomaterialescrito,e fazerasalteraçõesnecessárias. Online18/05/2015PedroSiqueiraRealizado Entregadotrabalhoescrito Entregarotrabalhoescrito,revisadoecomasdevidas alterações,nohoráriodaaula. Saladeaula20/05/2015EquipeEmandamento Definiçãodomodelode apresentaçãoedivisãode atividades. Definircomoseráfeitaaapresentaçãoequaisferramentas serãoutilizadas.Designarasatividadespararealizaçãoda apresentaçãoentreosmembros(Adecisãoserácombasenas habilidadesdecadamembro) Bloco70720/05/2015EquipeEmandamento Montagemdaapresentação Criarumaapresentaçãoempowerpointexplicandoostópicos docapítulo18(TeoriadaContingência),deformasimplese objetiva. Nãodefinido27/05/2015EduardoSanchoEmandamento Revisãodaapresentação Cadamembrodogrupodeverevisar/estudaraapresentação, efazerasalteraçõesnecessárias. Online03/06/2015EquipeEmandamento Apresentaçãofinaldo trabalho. Aequiperdeveapresentarotrabalhofeitoemsaladeaulana dataprevista.Cadamembroresponsávelpeloseutópico, previamenteescolhido. Saladeaula10/06/2015EquipeEmandamento Emandamento Realizado Atrasado Realizadoatrasado Legenda PlanosdeAção TeoriadaContingência-FundamentosdaAdministração
  6. 6. REFERÊNCIAS - CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7° ed. - Elsevier, 2004.

×