SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
112 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999
ARTIGO ORIGINAL
112
0021-7557/99/75-02/112
Jornal de Pediatria
Copyright © 1999 by Sociedade Brasileira de Pediatria
Resumo
Objetivos: Avaliar a implementação do Curso de Aconselha-
mento em Amamentação OMS/UNICEF e seu impacto na aquisição
de conhecimentos, habilidades no manejo clínico e aconselhamento
em amamentação.
Metodologia: O processo de implementação do curso foi ava-
liado através de observação participante; seu impacto foi avaliado
por estudo experimental controlado, no qual 20 profissionais de
saúdeforamalocadosaleatoriamentenogrupoexposto(GE),e40no
grupo controle (GC). Para verificar mudanças nos conhecimentos,
foram aplicadas provas antes e após o curso contendo testes de
múltipla escolha; para verificar mudanças nas habilidades clínicas e
de aconselhamento, os profissionais foram observados em consultas
com mães em alojamento conjunto, antes e após o curso. Na análise,
utilizou-se o teste de diferença de médias de Kruskal-Wallis.
Resultados: Na avaliação de conhecimentos após o curso, a
média de acertos do grupo exposto foi 8,35 e do grupo controle 5,54
(p=0,0000). Quanto às habilidades clínicas e de aconselhamento, as
médias do grupo exposto foram superiores às do grupo controle em
todosositensavaliados(p<0,05).Asmaioresdificuldadesencontra-
das foram a incorporação de habilidades de como fazer a história da
amamentação e avaliação do posicionamento e pega durante a
amamentação, sendo os itens mais facilmente incorporados os
relacionados às habilidades de aconselhamento.
Conclusões: O curso pode ser implementado como proposto;
os participantes adquirem habilidades de aconselhamento, mas há
que reforçar as de manejo clínico da lactação; a necessidade de
supervisão continuada foi identificada, para que os participantes
passem a utilizar o aprendizado na sua prática.
J. pediatr. (Rio J.). 1999; 75(2): 112-118: aleitamento materno,
lactação, aconselhamento, educação em saúde.
Abstract
Objectives: To assess the implementation and the impact of the
Breastfeeding Counselling Course WHO/UNICEF on knowledge
and skills of health workers.
Methodology: The implementation of the course was assessed
by participant observation; the impact on participants was assessed
with an experimental controlled study where 20 health workers were
randomly allocated as course participants (Exposed Group-EG) and
40 as non participants (Control Group -CG). Impact on knowledge
was verified with pre and post evaluations, with multiple choice
questions; clinical and counselling skills were assessed through pre
and post tests, observing participants in clinical consults with
mother and baby pairs in rooming-in before and after the course.
Kruskal-Wallis test of variance of means was used in analysis.
Results: In the post test of knowledge, the mean of the EG was
8.35 and that of the CG was 5.54 (p=0,0000). In clinical and
counselling skills, the means of the EG were higher when compared
with the CG in all items observed (p < 0,05). Some difficulties were
found in breastfeeding history and in breastfeeding observation.
Counselling skills were the most incorporated aspects.
Conclusion: The course may be implemented as proposed;
participants acquired counselling skills, but clinical management
should be reinforced; participants shoud have continued support to
put what they learned in practice.
J. pediatr. (Rio J.). 1999; 75(2): 112-118: breastfeeding, lacta-
tion, counselling, health education.
Introdução
A amamentação é a forma ideal de alimentação das
crianças pequenas. O leite materno sozinho completa as
necessidades do bebê até 4 meses, muitas vezes até cerca
de 6 meses, e a partir desta fase a amamentação não deve
ser interrompida, mas sim praticada com a introdução
progressiva de outros alimentos até o segundo ano de vida
ou mais1.
1. Doutora em Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da USP.
Pesquisadora científica nível VI do Instituto de Saúde, da Coordenado-
ria dos Institutos de Pesquisa, Sec. de Estado da Saúde de São Paulo.
2. Mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da USP.
Pesquisadora científica nível II do Instituto de Saúde, da Coordenado-
ria dos Institutos de Pesquisa, Sec. de Estado da Saúde de São Paulo.
Financiado pela Organização Mundial de Saúde, CHD (Child Health
and Development Division). Julho, 1998.
Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação
OMS/UNICEF
Assessment of the Breastfeeding Counselling Course WHO/UNICEF
Marina F. Rea1, Sonia I. Venancio2
Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 113
Estudo brasileiro demonstra que crianças menores de
um ano alimentadas somente com leites artificiais têm
14,2 vezes mais risco de morrer de diarréia e um risco 3,6
vezes maior de morrer por infecções respiratórias quando
comparadas àquelas que recebem leite materno2. Além
disso, estudos de morbidade como os de gastrenterites,
otite média e infecções respiratórias têm também demons-
trado a importância do papel protetor do aleitamento
materno3.
Apesar dos comprovados benefícios de aleitar bebês
somente com o seio materno4, em nosso país são ainda
baixas as taxas de aleitamento materno completo, ou seja,
aleitamento materno exclusivo, e de aleitamento predomi-
nante (leite materno mais água ou chá) nos primeiros 4
meses de vida. Pesquisas nacionais mostram que essas
taxas passam de 33,3% em 1986 a 55,3% em 19965. Trata-
se de tendência positiva, entretanto distante da meta de
100% de aleitamento materno exclusivo até 4 meses pro-
posta pelas autoridades da Organização Mundial de Saúde
- OMS e Fundo das Nações Unidas para a Infância -
UNICEF6.
As mães param de amamentar precocemente por diver-
sas razões, dentre as quais destaca-se a influência negativa
dos profissionais de saúde. Sabe-se que estes receberam,
durante anos, orientação para o uso de fórmulas infantis,
administradas em horários fixos com água ou chá nos
intervalos. Embora muitos profissionais de saúde possam
estar convencidos do valor do leite humano, poucos adqui-
rem as habilidades indispensáveis para oferecer às mães
soluções aos problemas da lactação e o apoio que necessi-
tam e, muito menos, para ensinar a outros profissionais
como fazê-lo.
Como capacitar adequadamente os profissionais quan-
to à amamentação? Preocupados com esta questão, diver-
sas instituições ou organizações internacionais passaram a
propor cursos.
Na década de 80, surge pela primeira vez um curso
internacional de um mês, no Wellstart, em San Diego,
EEUU, denominado: “Lactation Management and Educa-
tion”, reunindo sessões teóricas e “turnos” clínicos de
prática à beira do leito com mães lactantes na clínica e no
domicílio. O curso é dado para equipes de 2-3 profissio-
nais por instituição, com o propósito de que estes, no
retorno, modifiquem suas unidades de saúde. Nos anos 90
surge outro curso internacional, também de um mês e
muito semelhante ao anterior, na Universidade de Lon-
dres. Este tem o apoio da OMS e é dirigido a participantes
que se candidatam individualmente, não como equipe de
uma instituição. É importante ressaltar que ambos os
cursos deslocam os profissionais a um custo alto, sendo
esperado que estes reproduzam o treinamento em sua
realidade local, o que nem sempre ocorre.
A OMS e o UNICEF propõem atualmente três cursos
de capacitação em aleitamento materno para pessoal que
lida diretamente com assistência à saúde: “Manejo clínico
e promoção do aleitamento materno em um Hospital
Amigo da Criança”, um curso de 18 horas, com 3 horas de
prática clínica; “Guia para treinamento em Manejo do
Aleitamento Materno”, de 80 horas, com 6 horas de prática
clínica; e “Curso de Aconselhamento em Amamentação”,
de 40 horas, com 8 horas de prática clínica7. Em conjunto
com o Wellstart, a OMS lançou recentemente um quarto
curso, para planejadores e gestores de saúde, a ser dado em
10-12 horas, com o objetivo de sensibilizá-los para a
promoção do aleitamento materno.
O Curso de Aconselhamento em Amamentação, objeto
deste artigo, diferencia-se dos demais por incluir, além dos
aspectos téoricos e práticos relacionados ao manejo clíni-
co da amamentação, o desenvolvimento de habilidades
específicas de aconselhamento. O objetivo do curso é
treinar o profissional de saúde em algumas técnicas de
relação interpessoal a serem praticadas com as mães,
levando em consideração as bases fisiológicas da lactação.
Nossos objetivos foram avaliar o processo de imple-
mentação do Curso de Aconselhamento em Amamentação
(ou seja, a factibilidade de sua aplicação tal como é
proposto) e verificar em que medida seus participantes
incorporam os novos conhecimentos sobre aleitamento
ensinados, bem como as habilidades clínicas e de aconse-
lhamento.
Métodos
Realizou-se em São Paulo um estudo experimental
controlado, no qual 60 profissionais de saúde foram aloca-
dos aleatoriamente no grupo “exposto” (20 participantes
do curso) ou no grupo controle (40 profissionais que não
fizeram o curso). O tamanho da amostra foi calculado no
software EPI INFO 6.0, para permitir na análise um nível
de significância de 5%8.
A comparação dos profissionais dos grupos exposto e
controle teve por objetivo verificar se houve mudanças nos
conhecimentos e habilidades dos profissionais do grupo
exposto (de participantes) e se estas mudanças podem ser
atribuídas ao curso.
Todos os profissionais atuavam diretamente com mães
e bebês e tinham pelo menos 8 anos de escolaridade,
critérios estipulados pelo próprio material do Curso. Estes
profissionais, indicados pelas chefias imediatas, trabalha-
vam em unidades básicas de saúde ou maternidades, sendo
que apenas um profissional por instituição pôde participar
do projeto. Com isso, levou-se em conta que se participas-
sem duas pessoas da mesma unidade, isso maximizaria o
aproveitamento do curso, contaminando nossos resulta-
dos. Para garantir a comparabilidade dos grupos exposto e
controle, realizou-se “pareamento” de acordo com possí-
veis variáveis de confusão, quais sejam, o grau de escola-
ridade do profissional (nível médio ou nível superior),
local de atuação (unidade básica ou maternidade) e desem-
penho no pré-teste de conhecimentos em amamentação.
De cada trio formado, sorteou-se um profissional para
participar do grupo exposto e dois para o grupo controle.
Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
114 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999
A seleção dos treinadores também obedeceu às reco-
mendações do material, ou seja, foram escolhidos de
acordo com participação prévia em cursos de aleitamento,
experiência em treinamentos e compromisso de se tornar
um multiplicador.
O curso foi realizado em um período de 40 horas em
uma maternidade pública no município de São Paulo.
Como proposto pela OMS, foi precedido pela preparação
de um grupo de 5 multiplicadores ou treinadores, supervi-
sionados por um assessor que conhecia e havia realizado o
curso previamente. Forneceu-se a cada multiplicador um
Guia do Coordenador com detalhes de como realizar o
curso; um Guia do Treinador, que descreve como dar as 33
sessões do curso (29 teóricas – aulas e grupos–, com
duração que varia de 30 a 90 minutos, e 4 práticas, com 2
horas de duração); transparências (50), slides (50); listas
de referências bibliográficas e alguns materiais (textos
básicos sobre amamentação e anexos sobre “Amamenta-
ção e medicação materna” e “Motivos médicos aceitáveis
para a suplementação do leite materno”). Aos alunos
participantes distribuiu-se um Manual do Participante,
que resume os pontos fundamentais das 33 sessões, folhas
de respostas aos exercícios e formulários para a prática
clínica e de aconselhamento.
O impacto do curso sobre os conhecimentos dos parti-
cipantes acerca de amamentação foi avaliado através de
uma prova contendo questões de múltipla escolha, com
conteúdos abordados no curso. Esta prova foi aplicada
para os 60 profissionais antes da realização do curso e
imediatamente após o mesmo, sendo que no pós-teste a
prova continha as mesmas questões do pré-teste, acresci-
das de questões distintas versando sobre os mesmos temas.
Mudanças no manejo clínico e nas habilidades de
aconselhamento, tanto dos participantes quanto dos con-
troles, foram avaliadas pela observação de seu desempe-
nho em consultas clínicas sobre aleitamento, antes do
curso e imediatamente após o mesmo. Os 60 profissionais
foram avaliados por duas observadoras (autoras) em con-
sultas com mães no alojamento conjunto, sendo que uma
delas sabia quais eram os participantes do grupo exposto
e outra não; o alojamento conjunto foi adotado por tratar-
se do setor da maternidade que oferece assistência mais
uniforme a mães-bebês saudáveis em condições bastante
similares; isso permitiu condições de avaliação de cada
profissional bastante comparáveis, sem que tivéssemos
que recorrer a “mães-modelos” artificiais. Esses procedi-
mentos foram pré-testados, e as observadoras seguiram
um roteiro fechado de observação; as consultas foram
gravadas, permitindo a discussão sobre diferenças na ava-
liação das duas observadoras.
Uma das mais importantes técnicas de como aconse-
lhar em amamentação envolve ouvir atentamente a mãe e
aprender como ela se sente. Para isso, os participantes
praticaram e foram avaliados em seis habilidades de “ou-
vir e aprender”: usar comunicação não verbal e útil (remo-
ver barreiras, tocar afetivamente, prestar atenção); fazer
questões abertas; usar respostas e gestos que demonstrem
interesse; refletir sobre o que a mãe diz; mostrar empatia;
evitar palavras que implicam julgamento.
Outro aspecto fundamental do “Aconselhamento em
Amamentação” é aprender a (re)construir a autoconfiança
da mãe e lhe dar apoio. Assim, seis habilidades de como
construir a confiança e dar apoio são desenvolvidas no
curso e foram avaliadas: aceitar o que a mãe pensa e sente;
reconhecer e elogiar o que mãe e bebê estão fazendo bem;
dar ajuda prática; dar pouca informação, relevante para o
momento vivido; usar linguagem simples; fazer uma ou
duas sugestões, não dar ordens.
Além das habilidades de aconselhamento, verificou-se
ainda se os profissionais de saúde abordavam adequada-
mente os itens de como obter uma história de amamenta-
ção, contemplando as questões sobre a alimentação e
saúde do bebê, gravidez, parto, saúde da mãe, planejamen-
to familiar, experiência anterior com amamentação e situ-
ação familiar e social; observou-se também a orientação
sobre o posicionamento e pega corretos, no item observa-
ção da mamada.
A análise foi feita de acordo com os itens que compu-
nham o roteiro de observação das consultas clínicas. Em
cada um dos itens, procurou-se identificar a utilização ou
não das habilidades propostas no curso. A pontuação
máxima que poderia ser obtida em cada item, de acordo
com o número de habilidades desenvolvidas, foi o seguin-
te: história da amamentação, 10 pontos; avaliação da
mamada, 14 pontos; comunicação não-verbal, 25 pontos;
ouvir e aprender, 25 pontos; confiança e apoio, 45 pontos.
Após três meses, uma nova avaliação de conhecimen-
tos e habilidades foi realizada somente com os 20 partici-
pantes do curso, para verificar a permanência do seu efeito
a médio prazo (pós-teste tardio).
A análise foi feita através do software EPI INFO 6.0 e
da realização de testes estatísticos para a diferença de
médias (Kruskal-Wallis)8.
A avaliação do processo de implementação do curso
foi feita através de observação participante de todas as
suas sessões. Duas pessoas foram treinadas para seguir um
roteiro de avaliação em cada uma das aulas, verificando a
adequação do seu conteúdo (de acordo com a proposta
didática do Curso), metodologia (utilização do material e
técnicas didáticas), desempenho do treinador, dos partici-
pantes, manejo do tempo, e, nas sesssões práticas, prepa-
ração, condução e discussão das mesmas.
Resultados
Avaliação do processo de implementação do curso e
seus materiais
- Quanto aos resultados da implementação do Curso, a
Tabela 1 resume as notas médias obtidas em cada um dos
itens analisados pelas observadoras nas sessões teóricas e
práticas. A nota média geral para as 33 sessões analisadas
Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 115
Item analisado ( )* Média
Conteúdo (3) 2,95
Metodologia (3) 2,60
Preparação da prática (2) 1,75
Condução da prática (2) 1,38
Discussão da prática (2) 1,00
Desempenho do treinador (1,5) 1,48
Desempenho do participante (1,5) 1,43
Manejo do tempo (1,0) 0,23
Pontuação máxima geral (10) 8,43
( )* pontuação máxima
Tabela 1 - Médias obtidas em cada um dos itens analisados nas
sessões do Curso de Aconselhamento em Amamenta-
ção OMS/UNICEF
(29 teóricas e 4 práticas) foi 8,43 (D.P.=0,98). A avaliação
do desempenho dos treinadores foi bastante favorável
(média de 1,48 em um total de 1,5 pontos), bem como a dos
participantes (média de 1,43 em um total de 1,5 pontos). O
pior item avaliado foi o manejo do tempo.
Avaliação do impacto do curso sobre conhecimentos
em amamentação
A Figura 1 mostra os resultados das provas de conhe-
cimentos realizadas no pré-teste, no pós-teste imediato e
no tardio. Na pré-avaliação, o grupo exposto ao Curso
obteve uma média de acertos de 6,23 contra 6,06 do grupo
controle, considerando prova valendo um máximo de 10
pontos. Aplicando o teste de diferença de médias para o
grupo exposto e controle, no pré-teste, verifica-se que as
médias dos dois grupos não difere significativamente (p =
0,95). Isso fala a favor de uma homogeneidade inicial dos
grupos em relação aos conhecimentos em amamentação, o
que está de acordo com o pareamento realizado por conhe-
cimentos.
Já na avaliação feita imediatamente após o Curso, a
média de acertos do grupo exposto foi 8,35, e a do grupo
controle 5,54. Quando analisamos as médias dos grupos
exposto e controle aplicando o teste de diferença de mé-
dias, observamos que estas diferem estatisticamente
(p=0,0000), ou seja, o aumento dos conhecimentos em
amamentação do grupo exposto pode ser atribuída ao
Curso.
A avaliação do grupo exposto realizada três meses
após o curso revelou que, dentre os 20 profissionais que
participaram desta etapa, a média de acertos foi 7,80.
Apesar de aparentemente ter havido um pequeno declínio
da média em relação ao pós-teste imediato, as médias
obtidas no pré-teste e no pós-teste tardio ainda diferem
estatisticamente (p =0,0000).
Figura 2 - Médias do grupo exposto e controle no item “Comu-
nicação não verbal”, antes e após o curso (nota
máxima = 25 pontos) (*p=0,0000 **p=0,0000)
Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
Figura 1 - Médias dos grupos exposto e controle no pré-teste,
pós-testeimediatoetardionaprovadeconhecimentos
em amamentação (*p=0,0000 **p=0,0000)
Avaliação das habilidades em manejo clínico da lac-
tação e técnicas de aconselhamento
As Figuras 2 a 6 expressam visualmente as notas
médias do grupo exposto comparado ao controle no pré-
teste e nos pós-testes imediato e tardio, em todos os itens
analisados. Os resultados do teste de Kruskall-Wallis
mostram aumentos estatisticamente significantes do gru-
po exposto em relação ao grupo controle, comparando-se
o pré-teste e pós-teste imediato; também observou-se teste
de diferença de médias estatisticamente significante quan-
do comparadas as médias do grupo exposto no pré-teste
com o pós-teste tardio.
Os itens História da amamentação e Avaliação da
mamada foram os temas que apresentaram maior dificul-
dade de aprendizado.
116 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999
Figura 4 - Médias do grupo exposto e controle no item “Con-
fiança e Apoio”, antes e após o curso (nota máxima =
45 pontos) (*p=0,0000 **p=0,0000)
aconselhamento, certamente uma novidade em cursos
desse tipo, foi mais ressaltado. É importante salientar que
as avaliações das duas observadoras não diferiram, mos-
trando a adequação do instrumento utilizado para a obser-
vação dos profissionais de saúde.
A piora no desempenho dos profissionais participantes
no pós-teste tardio pode ser atribuída em grande parte à
não utilização dos conhecimentos adquiridos no curso na
prática profissional, uma vez que vários profissionais
entrevistados afirmaram que não tiveram oportunidade de
atuar, após o curso, como conselheiros em amamentação.
Sabemos que poucos materiais e métodos de cursos ou
treinamentos em amamentação para profissionais de saú-
de foram avaliados até o momento. Em geral, os partici-
pantes desses cursos realizam um pré e um pós-teste sobre
conhecimentos, e isso dá uma idéia do conteúdo e se o
objetivo foi alcançado. Armstrong9 refere uma avaliação
positiva dos participantes dos cursos de aleitamento ma-
terno realizados por ela na África e menciona que uma
supervisão contínua dos ex-participantes revelou incorpo-
ração do aprendido à prática diária. Estudo realizado com
profissionais de saúde de São Paulo e Recife10 mostrou
que, dependendo do número de horas de treinamento,
alguns temas, se abordados menos do que necessário,
levam a mais confusão do que a conhecimentos. Foi-se
mais além no modelo de avaliação do Centro de Lactação
de Santos, em que se compararam profissionais das unida-
des de saúde expostos ao curso com não-expostos: os
primeiros mudaram rotinas de suas próprias unidades a
fim de promover a amamentação, enquanto o mesmo não
ocorreu com aqueles de unidades não expostas ao curso11.
Discussão
A avaliação do processo de implementação do Curso
mostrou que os conteúdos propostos pela OMS e pelo
UNICEF foram veiculados, tendo sido evidenciadas pou-
cas alterações na metodologia utilizada para sua aborda-
gem. Na avaliação das práticas clínicas, observou-se algu-
ma deficiência especialmente na condução e discussão das
mesmas, o que pode explicar o comprometimento das
habilidades de manejo da lactação verificadas na observa-
ção das consultas. A outra questão crítica foi o tempo, uma
vez que evidenciou-se a necessidade de um período maior
para a realização das atividades, aspecto que, a nosso ver,
merece considerações de mudança para os próximos cur-
sos.
O Curso foi capaz de propiciar aos seus participantes a
aquisição de conhecimentos em amamentação, o que re-
força a abordagem adequada dos conteúdos propostos. É
importante ressaltar que as diferenças entre os grupos
exposto e controle se mantiveram quando analisou-se o
desempenho dos grupos nas questões idênticas que com-
puseram o pré e o pós-teste e nas questões novas que foram
introduzidas no pós-teste. Esse fato mostra que as provas
aplicadas no pré e pós-testes apresentaram o mesmo grau
de dificuldade, eliminando a possibilidade de os resulta-
dos apresentados serem atribuídos a um pós-teste mais
difícil, prejudicando o grupo controle.
O Curso foi também capaz de promover mudanças em
seus participantes no tocante ao manejo clínico e ao
aconselhamento em amamentação. O fato de os partici-
pantes terem apresentado maior dificuldade nos itens
“História da Amamentação” e “Avaliação da Mamada”
pode indicar que o desenvolvimento de habilidades de
Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
Figura 3 - Médias do grupo exposto e controle no item “Ouvir e
aprender”, antes e após o curso (nota máxima = 25
pontos) (*p=0,0000 **p=0,0000)
Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 117
de saúde, e não em situações simuladas, com mães-mode-
lo. Questões como qual o melhor tipo de roteiro de obser-
vação a ser adotado e como contornar a subjetividade dos
observadores, por exemplo, foram bastante discutidas
para que os possíveis viéses fossem contornados.
Outra questão que merece destaque é o fato de que a
avaliação após três meses, realizada no intuito de verificar
a manutenção das mudanças promovidas pelo curso, so-
freu influência, ao nosso ver negativa, da situação da
assistência à saúde no município de São Paulo, uma vez
que poucas instituições de saúde estão inseridas em uma
política pró-amamentação. Isso dificulta em muito a utili-
zação dos conhecimentos e habilidades adquiridas no
curso, e obviamente subutiliza o investimento feito nesses
profissionais de saúde. Porém, podemos afirmar que mes-
mo em condições pouco favoráveis como esta, em que a
avaliação se deu, os resultados encontrados foram encora-
jadores.
Como conclusão, o Curso pode ser implementado
como proposto, devendo ser adequado somente o tempo
previsto para a realização de todas as atividades. Os
participantes adquirem conhecimentos em amamentação
e habilidades de aconselhamento, mas há que reforçar o
manejo clínico da lactação. A necessidade de supervisão
continuada e inserção dos profissionais treinados em pro-
gramas de promoção e apoio à amamentação foram iden-
tificadas, para que os participantes passem a utilizar e
manter o aprendizado na sua prática.
Figura 6 - Médias do grupo exposto e controle no item “Ava-
liação da mamada”, antes e após o curso (nota máxi-
ma = 14 pontos) (*p=0,04 **p=0,03)
A avaliação do Curso de Aconselhamento procurou
analisar, além da aquisição de conhecimentos e habilida-
des no manejo clínico da lactação, mudanças na relação
interpessoal entre profissionais e mães, decorrentes da
utilização das técnicas de aconselhamento. Essa não foi
uma tarefa simples, uma vez que existem poucos dados na
literatura sobre avaliações desse tipo e sobre questões
metodológicas como as vantagens e desvantagens de ava-
liar os profissionais de saúde com mães do próprio serviço
Referências bibliográficas
1. Armstrong H. Breastfeeding as the foundation of care. Food
Nutr Bull 1996; 16: 299-312.
2. Akré J, ed. Infant feeding: the physiological basis. WHO Bull
1989 (Suppl.), 67 p.
3. Victora CG, Vaughan JP, Lombardi C, Fuchs SM, Gigante
LP, Smith G, et al. Evidence for protection by breast-feeding
against infant deaths from infectious diseases in Brazil.
Lancet 1987: 319-22.
4. Cunningham AS. Morbidity in breastfeeding and artificially
fed infants. J Ped 1979; 95: 685-9.
5. Monteiro CA. O panorama da nutrição infantil nos anos 90.
Cadernos de Políticas Sociais, Série Documentos Para Dis-
cussão n.1,UNICEF, Brasília, DF,1997: 17p.
6. OMS/UNICEF. Proteção, promoção e apoio ao aleitamento
materno: o papel especial dos serviços materno-infantis.
Genebra, 1989: 32 p.
7. WHO CDD Breastfeeding Counselling: a training course.
UPDATE No.14, 1994.
8. Dean AG, Dean JA, Coulombier D, Brendel KA, Smith DC,
Burton AH et al. Epi Info, Version 6: a word processing
database and statistics program for epidemiology on micro-
computers. Center of Disesase Control and Prevention, Geor-
gia (USA) 1994.
Figura 5 - Médias do grupo exposto e controle no item “História
da amamentação”, no pré-teste, pós-teste imediato e
pós-testetardio(notamáxima=10pontos)(*p=0,0005
**p=0,01)
Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
118 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999
9. Armstrong HC. Breastfeeding promotion: training of mid-
level and outreach health workers. Intern J Gynaec Obst,
1990, 31: 91-104.
10. Berquó ES, Spindler CR, Rea MF, Cukier R. Caracterização
e determinantes do aleitamento materno na G. S. Paulo e G.
Recife. São Paulo, Cadernos CEBRAP 2, Nova Série, 1984.
11. Westphal MF, Taddei JAC, Venancio SI, Bógus CM. Breast-
feeding training for health professionals and resultant institu-
tional changes. WHO Bull 1995: 461-68.
Endereço para correspondência:
Dra. Marina F. Rea
Rua Santo Antonio, 590 - CEP 01314-000 - São Paulo - SP
Fax/tel (011) 310.67328 - email: nismc@isaude.sp.gov.br
ou marifrea@isaude.sp.com.br
Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como tornar seu hospital amigo da criança
Como tornar seu hospital amigo da criançaComo tornar seu hospital amigo da criança
Como tornar seu hospital amigo da criançaRebeca - Doula
 
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Curso sobre aleitamento materno
Curso sobre aleitamento maternoCurso sobre aleitamento materno
Curso sobre aleitamento maternoJuninho Spina
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmamebibliotecasaude
 
Projeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parteProjeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parteCal Fernandes
 
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdadeAleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdadeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Política de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da Saúde
Política de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da SaúdePolítica de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da Saúde
Política de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da SaúdeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Mabi Almeida
 
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em PrematurosAleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em PrematurosBiblioteca Virtual
 

Mais procurados (20)

Como tornar seu hospital amigo da criança
Como tornar seu hospital amigo da criançaComo tornar seu hospital amigo da criança
Como tornar seu hospital amigo da criança
 
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
Leite Humano: Dinâmica da Composição e implicações clínicas
 
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
ALEITAMENTO MATERNO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA / TCC
 
Amamentação - meta global da OMS
Amamentação - meta global da OMS Amamentação - meta global da OMS
Amamentação - meta global da OMS
 
Curso sobre aleitamento materno
Curso sobre aleitamento maternoCurso sobre aleitamento materno
Curso sobre aleitamento materno
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
 
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
1965-L - Aleitamento materno e orientação alimentar para o desmame
 
Tcc lucia
Tcc luciaTcc lucia
Tcc lucia
 
Projeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parteProjeto monografia 1 parte
Projeto monografia 1 parte
 
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
NBCAL - conhecer a Lei de Comercialização de Alimentos para Lactentes / IBFAN...
 
Continuação
ContinuaçãoContinuação
Continuação
 
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdadeAleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
 
Política de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da Saúde
Política de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da SaúdePolítica de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da Saúde
Política de promoção, proteção e apoio ao Aleitamento - Ministério da Saúde
 
Nota Técnica nº 39/2021-COCAM/CGCIVI/DAPES/SAPS/MS
Nota Técnica nº 39/2021-COCAM/CGCIVI/DAPES/SAPS/MSNota Técnica nº 39/2021-COCAM/CGCIVI/DAPES/SAPS/MS
Nota Técnica nº 39/2021-COCAM/CGCIVI/DAPES/SAPS/MS
 
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
 
CHUPETA em Lactente AMAMENTADO: porque somos contra!
CHUPETA em Lactente AMAMENTADO: porque somos contra!CHUPETA em Lactente AMAMENTADO: porque somos contra!
CHUPETA em Lactente AMAMENTADO: porque somos contra!
 
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
Atenção Humanizada - Método Canguru: Manual do Ministério da Saúde, 1a. parte
 
Aleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em PrematurosAleitamento Materno Em Prematuros
Aleitamento Materno Em Prematuros
 

Semelhante a Impacto do Curso de Aconselhamento em Amamentação OMS/UNICEF

Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...Biblioteca Virtual
 
A importância do pediatra com treinamento específico
A importância do pediatra com treinamento específicoA importância do pediatra com treinamento específico
A importância do pediatra com treinamento específicobancodeleite
 
Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...
Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...
Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...Biblioteca Virtual
 
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDeImpacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDeBiblioteca Virtual
 
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...Biblioteca Virtual
 
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...Biblioteca Virtual
 
Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...
Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...
Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...Biblioteca Virtual
 
IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...
IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...
IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...Biblioteca Virtual
 
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AMERecomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AMEgisa_legal
 
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...Biblioteca Virtual
 
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...Biblioteca Virtual
 
Fatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento Materno
Fatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento MaternoFatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento Materno
Fatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento MaternoBiblioteca Virtual
 
InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...
InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...
InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...Biblioteca Virtual
 
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRioProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRioBiblioteca Virtual
 

Semelhante a Impacto do Curso de Aconselhamento em Amamentação OMS/UNICEF (20)

Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
 
A importância do pediatra com treinamento específico
A importância do pediatra com treinamento específicoA importância do pediatra com treinamento específico
A importância do pediatra com treinamento específico
 
Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...
Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...
Incentivo Ao Aleitamento Materno A ImportâNcia Do Pediatra Com Treinamento Es...
 
Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva?
Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva? Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva?
Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva?
 
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDeImpacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
Impacto De Um Programa Para PromoçãO Da AmamentaçãO Em Um Centro De SaúDe
 
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnicoANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
 
Aval. nutricional 2009
Aval. nutricional   2009Aval. nutricional   2009
Aval. nutricional 2009
 
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
Effects Of Non Nutritive Sucking And Oral Stimulation On Breastfeeding Rates ...
 
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
PromoçãO, ProteçãO E Apoio à AmamentaçãO Na AtençãO PrimáRia à SaúDe No Estad...
 
Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...
Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...
Impacto Da ImplementaçãO Da Iniciativa Unidade BáSica Amiga Da AmamentaçãO Na...
 
IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...
IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...
IntervençãO Educacional Em Equipes Do Programa De SaúDe Da FamíLia Para Promo...
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
 
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AMERecomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AME
 
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
 
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
AnáLise Da Efetividade De Um Programa De Incentivo Ao Aleitamento Materno Exc...
 
258 1954-1-pb
258 1954-1-pb258 1954-1-pb
258 1954-1-pb
 
Fatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento Materno
Fatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento MaternoFatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento Materno
Fatores Associados Com A DuraçãO Do Aleitamento Materno
 
InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...
InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...
InfluêNcia Do Apoio à AmamentaçãO Sobre O Aleitamento Materno Exclusivo Dos B...
 
Incentivando
IncentivandoIncentivando
Incentivando
 
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRioProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho

Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas" Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadePor políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoGuia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho (20)

Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
 
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
 
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
 
Leite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbianaLeite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbiana
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
 
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidadePor políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
Por políticas públicas de saúde e promoção da paternidade
 
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vidaFIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
FIGO recomenda a Amamentação na 1a. hora de vida
 
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBPConsulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
Consulta Pediátrica Pré-Natal: atualização SBP
 
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúdeKangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
Kangaroo Mother Care: revolução no cuidado à saúde
 
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. ediçãoPré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
Pré-natal do parceiro - guia para profissionais de saúde / 3a. edição
 
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
O MATADOR DE BEBÊS - 3a edição / IMIP
 
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
Amamentação: os direitos da mulher trabalhadora - livro digital SBP
 
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
SMAM 2023 - Folder de Ação da WABA em português
 
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusãoGuia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
Guia de Acessibilidade na Comunicacao: respeito e inclusão
 
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
Aleitamento HUMANO: interseccionalidade QUEER / prática inclusiva
 

Último

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxIgrejaBblica1
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 

Último (12)

eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 

Impacto do Curso de Aconselhamento em Amamentação OMS/UNICEF

  • 1. 112 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 ARTIGO ORIGINAL 112 0021-7557/99/75-02/112 Jornal de Pediatria Copyright © 1999 by Sociedade Brasileira de Pediatria Resumo Objetivos: Avaliar a implementação do Curso de Aconselha- mento em Amamentação OMS/UNICEF e seu impacto na aquisição de conhecimentos, habilidades no manejo clínico e aconselhamento em amamentação. Metodologia: O processo de implementação do curso foi ava- liado através de observação participante; seu impacto foi avaliado por estudo experimental controlado, no qual 20 profissionais de saúdeforamalocadosaleatoriamentenogrupoexposto(GE),e40no grupo controle (GC). Para verificar mudanças nos conhecimentos, foram aplicadas provas antes e após o curso contendo testes de múltipla escolha; para verificar mudanças nas habilidades clínicas e de aconselhamento, os profissionais foram observados em consultas com mães em alojamento conjunto, antes e após o curso. Na análise, utilizou-se o teste de diferença de médias de Kruskal-Wallis. Resultados: Na avaliação de conhecimentos após o curso, a média de acertos do grupo exposto foi 8,35 e do grupo controle 5,54 (p=0,0000). Quanto às habilidades clínicas e de aconselhamento, as médias do grupo exposto foram superiores às do grupo controle em todosositensavaliados(p<0,05).Asmaioresdificuldadesencontra- das foram a incorporação de habilidades de como fazer a história da amamentação e avaliação do posicionamento e pega durante a amamentação, sendo os itens mais facilmente incorporados os relacionados às habilidades de aconselhamento. Conclusões: O curso pode ser implementado como proposto; os participantes adquirem habilidades de aconselhamento, mas há que reforçar as de manejo clínico da lactação; a necessidade de supervisão continuada foi identificada, para que os participantes passem a utilizar o aprendizado na sua prática. J. pediatr. (Rio J.). 1999; 75(2): 112-118: aleitamento materno, lactação, aconselhamento, educação em saúde. Abstract Objectives: To assess the implementation and the impact of the Breastfeeding Counselling Course WHO/UNICEF on knowledge and skills of health workers. Methodology: The implementation of the course was assessed by participant observation; the impact on participants was assessed with an experimental controlled study where 20 health workers were randomly allocated as course participants (Exposed Group-EG) and 40 as non participants (Control Group -CG). Impact on knowledge was verified with pre and post evaluations, with multiple choice questions; clinical and counselling skills were assessed through pre and post tests, observing participants in clinical consults with mother and baby pairs in rooming-in before and after the course. Kruskal-Wallis test of variance of means was used in analysis. Results: In the post test of knowledge, the mean of the EG was 8.35 and that of the CG was 5.54 (p=0,0000). In clinical and counselling skills, the means of the EG were higher when compared with the CG in all items observed (p < 0,05). Some difficulties were found in breastfeeding history and in breastfeeding observation. Counselling skills were the most incorporated aspects. Conclusion: The course may be implemented as proposed; participants acquired counselling skills, but clinical management should be reinforced; participants shoud have continued support to put what they learned in practice. J. pediatr. (Rio J.). 1999; 75(2): 112-118: breastfeeding, lacta- tion, counselling, health education. Introdução A amamentação é a forma ideal de alimentação das crianças pequenas. O leite materno sozinho completa as necessidades do bebê até 4 meses, muitas vezes até cerca de 6 meses, e a partir desta fase a amamentação não deve ser interrompida, mas sim praticada com a introdução progressiva de outros alimentos até o segundo ano de vida ou mais1. 1. Doutora em Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da USP. Pesquisadora científica nível VI do Instituto de Saúde, da Coordenado- ria dos Institutos de Pesquisa, Sec. de Estado da Saúde de São Paulo. 2. Mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da USP. Pesquisadora científica nível II do Instituto de Saúde, da Coordenado- ria dos Institutos de Pesquisa, Sec. de Estado da Saúde de São Paulo. Financiado pela Organização Mundial de Saúde, CHD (Child Health and Development Division). Julho, 1998. Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação OMS/UNICEF Assessment of the Breastfeeding Counselling Course WHO/UNICEF Marina F. Rea1, Sonia I. Venancio2
  • 2. Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 113 Estudo brasileiro demonstra que crianças menores de um ano alimentadas somente com leites artificiais têm 14,2 vezes mais risco de morrer de diarréia e um risco 3,6 vezes maior de morrer por infecções respiratórias quando comparadas àquelas que recebem leite materno2. Além disso, estudos de morbidade como os de gastrenterites, otite média e infecções respiratórias têm também demons- trado a importância do papel protetor do aleitamento materno3. Apesar dos comprovados benefícios de aleitar bebês somente com o seio materno4, em nosso país são ainda baixas as taxas de aleitamento materno completo, ou seja, aleitamento materno exclusivo, e de aleitamento predomi- nante (leite materno mais água ou chá) nos primeiros 4 meses de vida. Pesquisas nacionais mostram que essas taxas passam de 33,3% em 1986 a 55,3% em 19965. Trata- se de tendência positiva, entretanto distante da meta de 100% de aleitamento materno exclusivo até 4 meses pro- posta pelas autoridades da Organização Mundial de Saúde - OMS e Fundo das Nações Unidas para a Infância - UNICEF6. As mães param de amamentar precocemente por diver- sas razões, dentre as quais destaca-se a influência negativa dos profissionais de saúde. Sabe-se que estes receberam, durante anos, orientação para o uso de fórmulas infantis, administradas em horários fixos com água ou chá nos intervalos. Embora muitos profissionais de saúde possam estar convencidos do valor do leite humano, poucos adqui- rem as habilidades indispensáveis para oferecer às mães soluções aos problemas da lactação e o apoio que necessi- tam e, muito menos, para ensinar a outros profissionais como fazê-lo. Como capacitar adequadamente os profissionais quan- to à amamentação? Preocupados com esta questão, diver- sas instituições ou organizações internacionais passaram a propor cursos. Na década de 80, surge pela primeira vez um curso internacional de um mês, no Wellstart, em San Diego, EEUU, denominado: “Lactation Management and Educa- tion”, reunindo sessões teóricas e “turnos” clínicos de prática à beira do leito com mães lactantes na clínica e no domicílio. O curso é dado para equipes de 2-3 profissio- nais por instituição, com o propósito de que estes, no retorno, modifiquem suas unidades de saúde. Nos anos 90 surge outro curso internacional, também de um mês e muito semelhante ao anterior, na Universidade de Lon- dres. Este tem o apoio da OMS e é dirigido a participantes que se candidatam individualmente, não como equipe de uma instituição. É importante ressaltar que ambos os cursos deslocam os profissionais a um custo alto, sendo esperado que estes reproduzam o treinamento em sua realidade local, o que nem sempre ocorre. A OMS e o UNICEF propõem atualmente três cursos de capacitação em aleitamento materno para pessoal que lida diretamente com assistência à saúde: “Manejo clínico e promoção do aleitamento materno em um Hospital Amigo da Criança”, um curso de 18 horas, com 3 horas de prática clínica; “Guia para treinamento em Manejo do Aleitamento Materno”, de 80 horas, com 6 horas de prática clínica; e “Curso de Aconselhamento em Amamentação”, de 40 horas, com 8 horas de prática clínica7. Em conjunto com o Wellstart, a OMS lançou recentemente um quarto curso, para planejadores e gestores de saúde, a ser dado em 10-12 horas, com o objetivo de sensibilizá-los para a promoção do aleitamento materno. O Curso de Aconselhamento em Amamentação, objeto deste artigo, diferencia-se dos demais por incluir, além dos aspectos téoricos e práticos relacionados ao manejo clíni- co da amamentação, o desenvolvimento de habilidades específicas de aconselhamento. O objetivo do curso é treinar o profissional de saúde em algumas técnicas de relação interpessoal a serem praticadas com as mães, levando em consideração as bases fisiológicas da lactação. Nossos objetivos foram avaliar o processo de imple- mentação do Curso de Aconselhamento em Amamentação (ou seja, a factibilidade de sua aplicação tal como é proposto) e verificar em que medida seus participantes incorporam os novos conhecimentos sobre aleitamento ensinados, bem como as habilidades clínicas e de aconse- lhamento. Métodos Realizou-se em São Paulo um estudo experimental controlado, no qual 60 profissionais de saúde foram aloca- dos aleatoriamente no grupo “exposto” (20 participantes do curso) ou no grupo controle (40 profissionais que não fizeram o curso). O tamanho da amostra foi calculado no software EPI INFO 6.0, para permitir na análise um nível de significância de 5%8. A comparação dos profissionais dos grupos exposto e controle teve por objetivo verificar se houve mudanças nos conhecimentos e habilidades dos profissionais do grupo exposto (de participantes) e se estas mudanças podem ser atribuídas ao curso. Todos os profissionais atuavam diretamente com mães e bebês e tinham pelo menos 8 anos de escolaridade, critérios estipulados pelo próprio material do Curso. Estes profissionais, indicados pelas chefias imediatas, trabalha- vam em unidades básicas de saúde ou maternidades, sendo que apenas um profissional por instituição pôde participar do projeto. Com isso, levou-se em conta que se participas- sem duas pessoas da mesma unidade, isso maximizaria o aproveitamento do curso, contaminando nossos resulta- dos. Para garantir a comparabilidade dos grupos exposto e controle, realizou-se “pareamento” de acordo com possí- veis variáveis de confusão, quais sejam, o grau de escola- ridade do profissional (nível médio ou nível superior), local de atuação (unidade básica ou maternidade) e desem- penho no pré-teste de conhecimentos em amamentação. De cada trio formado, sorteou-se um profissional para participar do grupo exposto e dois para o grupo controle. Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
  • 3. 114 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 A seleção dos treinadores também obedeceu às reco- mendações do material, ou seja, foram escolhidos de acordo com participação prévia em cursos de aleitamento, experiência em treinamentos e compromisso de se tornar um multiplicador. O curso foi realizado em um período de 40 horas em uma maternidade pública no município de São Paulo. Como proposto pela OMS, foi precedido pela preparação de um grupo de 5 multiplicadores ou treinadores, supervi- sionados por um assessor que conhecia e havia realizado o curso previamente. Forneceu-se a cada multiplicador um Guia do Coordenador com detalhes de como realizar o curso; um Guia do Treinador, que descreve como dar as 33 sessões do curso (29 teóricas – aulas e grupos–, com duração que varia de 30 a 90 minutos, e 4 práticas, com 2 horas de duração); transparências (50), slides (50); listas de referências bibliográficas e alguns materiais (textos básicos sobre amamentação e anexos sobre “Amamenta- ção e medicação materna” e “Motivos médicos aceitáveis para a suplementação do leite materno”). Aos alunos participantes distribuiu-se um Manual do Participante, que resume os pontos fundamentais das 33 sessões, folhas de respostas aos exercícios e formulários para a prática clínica e de aconselhamento. O impacto do curso sobre os conhecimentos dos parti- cipantes acerca de amamentação foi avaliado através de uma prova contendo questões de múltipla escolha, com conteúdos abordados no curso. Esta prova foi aplicada para os 60 profissionais antes da realização do curso e imediatamente após o mesmo, sendo que no pós-teste a prova continha as mesmas questões do pré-teste, acresci- das de questões distintas versando sobre os mesmos temas. Mudanças no manejo clínico e nas habilidades de aconselhamento, tanto dos participantes quanto dos con- troles, foram avaliadas pela observação de seu desempe- nho em consultas clínicas sobre aleitamento, antes do curso e imediatamente após o mesmo. Os 60 profissionais foram avaliados por duas observadoras (autoras) em con- sultas com mães no alojamento conjunto, sendo que uma delas sabia quais eram os participantes do grupo exposto e outra não; o alojamento conjunto foi adotado por tratar- se do setor da maternidade que oferece assistência mais uniforme a mães-bebês saudáveis em condições bastante similares; isso permitiu condições de avaliação de cada profissional bastante comparáveis, sem que tivéssemos que recorrer a “mães-modelos” artificiais. Esses procedi- mentos foram pré-testados, e as observadoras seguiram um roteiro fechado de observação; as consultas foram gravadas, permitindo a discussão sobre diferenças na ava- liação das duas observadoras. Uma das mais importantes técnicas de como aconse- lhar em amamentação envolve ouvir atentamente a mãe e aprender como ela se sente. Para isso, os participantes praticaram e foram avaliados em seis habilidades de “ou- vir e aprender”: usar comunicação não verbal e útil (remo- ver barreiras, tocar afetivamente, prestar atenção); fazer questões abertas; usar respostas e gestos que demonstrem interesse; refletir sobre o que a mãe diz; mostrar empatia; evitar palavras que implicam julgamento. Outro aspecto fundamental do “Aconselhamento em Amamentação” é aprender a (re)construir a autoconfiança da mãe e lhe dar apoio. Assim, seis habilidades de como construir a confiança e dar apoio são desenvolvidas no curso e foram avaliadas: aceitar o que a mãe pensa e sente; reconhecer e elogiar o que mãe e bebê estão fazendo bem; dar ajuda prática; dar pouca informação, relevante para o momento vivido; usar linguagem simples; fazer uma ou duas sugestões, não dar ordens. Além das habilidades de aconselhamento, verificou-se ainda se os profissionais de saúde abordavam adequada- mente os itens de como obter uma história de amamenta- ção, contemplando as questões sobre a alimentação e saúde do bebê, gravidez, parto, saúde da mãe, planejamen- to familiar, experiência anterior com amamentação e situ- ação familiar e social; observou-se também a orientação sobre o posicionamento e pega corretos, no item observa- ção da mamada. A análise foi feita de acordo com os itens que compu- nham o roteiro de observação das consultas clínicas. Em cada um dos itens, procurou-se identificar a utilização ou não das habilidades propostas no curso. A pontuação máxima que poderia ser obtida em cada item, de acordo com o número de habilidades desenvolvidas, foi o seguin- te: história da amamentação, 10 pontos; avaliação da mamada, 14 pontos; comunicação não-verbal, 25 pontos; ouvir e aprender, 25 pontos; confiança e apoio, 45 pontos. Após três meses, uma nova avaliação de conhecimen- tos e habilidades foi realizada somente com os 20 partici- pantes do curso, para verificar a permanência do seu efeito a médio prazo (pós-teste tardio). A análise foi feita através do software EPI INFO 6.0 e da realização de testes estatísticos para a diferença de médias (Kruskal-Wallis)8. A avaliação do processo de implementação do curso foi feita através de observação participante de todas as suas sessões. Duas pessoas foram treinadas para seguir um roteiro de avaliação em cada uma das aulas, verificando a adequação do seu conteúdo (de acordo com a proposta didática do Curso), metodologia (utilização do material e técnicas didáticas), desempenho do treinador, dos partici- pantes, manejo do tempo, e, nas sesssões práticas, prepa- ração, condução e discussão das mesmas. Resultados Avaliação do processo de implementação do curso e seus materiais - Quanto aos resultados da implementação do Curso, a Tabela 1 resume as notas médias obtidas em cada um dos itens analisados pelas observadoras nas sessões teóricas e práticas. A nota média geral para as 33 sessões analisadas Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
  • 4. Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 115 Item analisado ( )* Média Conteúdo (3) 2,95 Metodologia (3) 2,60 Preparação da prática (2) 1,75 Condução da prática (2) 1,38 Discussão da prática (2) 1,00 Desempenho do treinador (1,5) 1,48 Desempenho do participante (1,5) 1,43 Manejo do tempo (1,0) 0,23 Pontuação máxima geral (10) 8,43 ( )* pontuação máxima Tabela 1 - Médias obtidas em cada um dos itens analisados nas sessões do Curso de Aconselhamento em Amamenta- ção OMS/UNICEF (29 teóricas e 4 práticas) foi 8,43 (D.P.=0,98). A avaliação do desempenho dos treinadores foi bastante favorável (média de 1,48 em um total de 1,5 pontos), bem como a dos participantes (média de 1,43 em um total de 1,5 pontos). O pior item avaliado foi o manejo do tempo. Avaliação do impacto do curso sobre conhecimentos em amamentação A Figura 1 mostra os resultados das provas de conhe- cimentos realizadas no pré-teste, no pós-teste imediato e no tardio. Na pré-avaliação, o grupo exposto ao Curso obteve uma média de acertos de 6,23 contra 6,06 do grupo controle, considerando prova valendo um máximo de 10 pontos. Aplicando o teste de diferença de médias para o grupo exposto e controle, no pré-teste, verifica-se que as médias dos dois grupos não difere significativamente (p = 0,95). Isso fala a favor de uma homogeneidade inicial dos grupos em relação aos conhecimentos em amamentação, o que está de acordo com o pareamento realizado por conhe- cimentos. Já na avaliação feita imediatamente após o Curso, a média de acertos do grupo exposto foi 8,35, e a do grupo controle 5,54. Quando analisamos as médias dos grupos exposto e controle aplicando o teste de diferença de mé- dias, observamos que estas diferem estatisticamente (p=0,0000), ou seja, o aumento dos conhecimentos em amamentação do grupo exposto pode ser atribuída ao Curso. A avaliação do grupo exposto realizada três meses após o curso revelou que, dentre os 20 profissionais que participaram desta etapa, a média de acertos foi 7,80. Apesar de aparentemente ter havido um pequeno declínio da média em relação ao pós-teste imediato, as médias obtidas no pré-teste e no pós-teste tardio ainda diferem estatisticamente (p =0,0000). Figura 2 - Médias do grupo exposto e controle no item “Comu- nicação não verbal”, antes e após o curso (nota máxima = 25 pontos) (*p=0,0000 **p=0,0000) Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii Figura 1 - Médias dos grupos exposto e controle no pré-teste, pós-testeimediatoetardionaprovadeconhecimentos em amamentação (*p=0,0000 **p=0,0000) Avaliação das habilidades em manejo clínico da lac- tação e técnicas de aconselhamento As Figuras 2 a 6 expressam visualmente as notas médias do grupo exposto comparado ao controle no pré- teste e nos pós-testes imediato e tardio, em todos os itens analisados. Os resultados do teste de Kruskall-Wallis mostram aumentos estatisticamente significantes do gru- po exposto em relação ao grupo controle, comparando-se o pré-teste e pós-teste imediato; também observou-se teste de diferença de médias estatisticamente significante quan- do comparadas as médias do grupo exposto no pré-teste com o pós-teste tardio. Os itens História da amamentação e Avaliação da mamada foram os temas que apresentaram maior dificul- dade de aprendizado.
  • 5. 116 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 Figura 4 - Médias do grupo exposto e controle no item “Con- fiança e Apoio”, antes e após o curso (nota máxima = 45 pontos) (*p=0,0000 **p=0,0000) aconselhamento, certamente uma novidade em cursos desse tipo, foi mais ressaltado. É importante salientar que as avaliações das duas observadoras não diferiram, mos- trando a adequação do instrumento utilizado para a obser- vação dos profissionais de saúde. A piora no desempenho dos profissionais participantes no pós-teste tardio pode ser atribuída em grande parte à não utilização dos conhecimentos adquiridos no curso na prática profissional, uma vez que vários profissionais entrevistados afirmaram que não tiveram oportunidade de atuar, após o curso, como conselheiros em amamentação. Sabemos que poucos materiais e métodos de cursos ou treinamentos em amamentação para profissionais de saú- de foram avaliados até o momento. Em geral, os partici- pantes desses cursos realizam um pré e um pós-teste sobre conhecimentos, e isso dá uma idéia do conteúdo e se o objetivo foi alcançado. Armstrong9 refere uma avaliação positiva dos participantes dos cursos de aleitamento ma- terno realizados por ela na África e menciona que uma supervisão contínua dos ex-participantes revelou incorpo- ração do aprendido à prática diária. Estudo realizado com profissionais de saúde de São Paulo e Recife10 mostrou que, dependendo do número de horas de treinamento, alguns temas, se abordados menos do que necessário, levam a mais confusão do que a conhecimentos. Foi-se mais além no modelo de avaliação do Centro de Lactação de Santos, em que se compararam profissionais das unida- des de saúde expostos ao curso com não-expostos: os primeiros mudaram rotinas de suas próprias unidades a fim de promover a amamentação, enquanto o mesmo não ocorreu com aqueles de unidades não expostas ao curso11. Discussão A avaliação do processo de implementação do Curso mostrou que os conteúdos propostos pela OMS e pelo UNICEF foram veiculados, tendo sido evidenciadas pou- cas alterações na metodologia utilizada para sua aborda- gem. Na avaliação das práticas clínicas, observou-se algu- ma deficiência especialmente na condução e discussão das mesmas, o que pode explicar o comprometimento das habilidades de manejo da lactação verificadas na observa- ção das consultas. A outra questão crítica foi o tempo, uma vez que evidenciou-se a necessidade de um período maior para a realização das atividades, aspecto que, a nosso ver, merece considerações de mudança para os próximos cur- sos. O Curso foi capaz de propiciar aos seus participantes a aquisição de conhecimentos em amamentação, o que re- força a abordagem adequada dos conteúdos propostos. É importante ressaltar que as diferenças entre os grupos exposto e controle se mantiveram quando analisou-se o desempenho dos grupos nas questões idênticas que com- puseram o pré e o pós-teste e nas questões novas que foram introduzidas no pós-teste. Esse fato mostra que as provas aplicadas no pré e pós-testes apresentaram o mesmo grau de dificuldade, eliminando a possibilidade de os resulta- dos apresentados serem atribuídos a um pós-teste mais difícil, prejudicando o grupo controle. O Curso foi também capaz de promover mudanças em seus participantes no tocante ao manejo clínico e ao aconselhamento em amamentação. O fato de os partici- pantes terem apresentado maior dificuldade nos itens “História da Amamentação” e “Avaliação da Mamada” pode indicar que o desenvolvimento de habilidades de Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii Figura 3 - Médias do grupo exposto e controle no item “Ouvir e aprender”, antes e após o curso (nota máxima = 25 pontos) (*p=0,0000 **p=0,0000)
  • 6. Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 117 de saúde, e não em situações simuladas, com mães-mode- lo. Questões como qual o melhor tipo de roteiro de obser- vação a ser adotado e como contornar a subjetividade dos observadores, por exemplo, foram bastante discutidas para que os possíveis viéses fossem contornados. Outra questão que merece destaque é o fato de que a avaliação após três meses, realizada no intuito de verificar a manutenção das mudanças promovidas pelo curso, so- freu influência, ao nosso ver negativa, da situação da assistência à saúde no município de São Paulo, uma vez que poucas instituições de saúde estão inseridas em uma política pró-amamentação. Isso dificulta em muito a utili- zação dos conhecimentos e habilidades adquiridas no curso, e obviamente subutiliza o investimento feito nesses profissionais de saúde. Porém, podemos afirmar que mes- mo em condições pouco favoráveis como esta, em que a avaliação se deu, os resultados encontrados foram encora- jadores. Como conclusão, o Curso pode ser implementado como proposto, devendo ser adequado somente o tempo previsto para a realização de todas as atividades. Os participantes adquirem conhecimentos em amamentação e habilidades de aconselhamento, mas há que reforçar o manejo clínico da lactação. A necessidade de supervisão continuada e inserção dos profissionais treinados em pro- gramas de promoção e apoio à amamentação foram iden- tificadas, para que os participantes passem a utilizar e manter o aprendizado na sua prática. Figura 6 - Médias do grupo exposto e controle no item “Ava- liação da mamada”, antes e após o curso (nota máxi- ma = 14 pontos) (*p=0,04 **p=0,03) A avaliação do Curso de Aconselhamento procurou analisar, além da aquisição de conhecimentos e habilida- des no manejo clínico da lactação, mudanças na relação interpessoal entre profissionais e mães, decorrentes da utilização das técnicas de aconselhamento. Essa não foi uma tarefa simples, uma vez que existem poucos dados na literatura sobre avaliações desse tipo e sobre questões metodológicas como as vantagens e desvantagens de ava- liar os profissionais de saúde com mães do próprio serviço Referências bibliográficas 1. Armstrong H. Breastfeeding as the foundation of care. Food Nutr Bull 1996; 16: 299-312. 2. Akré J, ed. Infant feeding: the physiological basis. WHO Bull 1989 (Suppl.), 67 p. 3. Victora CG, Vaughan JP, Lombardi C, Fuchs SM, Gigante LP, Smith G, et al. Evidence for protection by breast-feeding against infant deaths from infectious diseases in Brazil. Lancet 1987: 319-22. 4. Cunningham AS. Morbidity in breastfeeding and artificially fed infants. J Ped 1979; 95: 685-9. 5. Monteiro CA. O panorama da nutrição infantil nos anos 90. Cadernos de Políticas Sociais, Série Documentos Para Dis- cussão n.1,UNICEF, Brasília, DF,1997: 17p. 6. OMS/UNICEF. Proteção, promoção e apoio ao aleitamento materno: o papel especial dos serviços materno-infantis. Genebra, 1989: 32 p. 7. WHO CDD Breastfeeding Counselling: a training course. UPDATE No.14, 1994. 8. Dean AG, Dean JA, Coulombier D, Brendel KA, Smith DC, Burton AH et al. Epi Info, Version 6: a word processing database and statistics program for epidemiology on micro- computers. Center of Disesase Control and Prevention, Geor- gia (USA) 1994. Figura 5 - Médias do grupo exposto e controle no item “História da amamentação”, no pré-teste, pós-teste imediato e pós-testetardio(notamáxima=10pontos)(*p=0,0005 **p=0,01) Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii
  • 7. 118 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Nº2, 1999 9. Armstrong HC. Breastfeeding promotion: training of mid- level and outreach health workers. Intern J Gynaec Obst, 1990, 31: 91-104. 10. Berquó ES, Spindler CR, Rea MF, Cukier R. Caracterização e determinantes do aleitamento materno na G. S. Paulo e G. Recife. São Paulo, Cadernos CEBRAP 2, Nova Série, 1984. 11. Westphal MF, Taddei JAC, Venancio SI, Bógus CM. Breast- feeding training for health professionals and resultant institu- tional changes. WHO Bull 1995: 461-68. Endereço para correspondência: Dra. Marina F. Rea Rua Santo Antonio, 590 - CEP 01314-000 - São Paulo - SP Fax/tel (011) 310.67328 - email: nismc@isaude.sp.gov.br ou marifrea@isaude.sp.com.br Avaliação do Curso de Aconselhamento em Amamentação... - Rea MF, et alii