SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Escute: eles estão falando com você!
Choro
De olho no
“Por meio do
choro, os bebês
expressam dor,
fome, raiva e
tédio, mas às
vezes choram
sem nenhuma
razão em
particular.”
Choro
© 2010 - Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância
O que sabemos?
� O choro é o principal recurso de comunicação de bebês menores de três meses.
� Por meio do choro, os bebês expressam dor, fome, raiva e tédio, mas às vezes choram
sem nenhuma razão em particular.
� Mesmo bebês saudáveis que são muito bem cuidados choram muito.
� Nos três primeiros meses de vida, cerca de 25% dos bebês choram mais de três horas e
meia por dia.
� Por volta dos 3 meses de idade, os bebês começam a chorar menos. Começam a balbuciar
e movem-se com mais facilidade, e são capazes de expressar-se de outras maneiras além
do choro.
� Choro persistente e aparentemente sem motivo pode fazer com que os pais sintam-se
preocupados, irritados ou incompetentes.
� Todos os bebês passam por fases em que o choro é excessivo, inesperado e inconsolável,
mas aqueles que vivenciam muito essa experiência (cerca de 10% a 20%) são chamados às
vezes de bebês com cólicas.
� O sinal mais comum de que um bebê pode estar com cólicas é o choro por mais de três
horas ao dia, pelo menos três dias por semana, e por três semanas seguidas.
� Há cinco características específicas do choro excessivo normal, ou cólica infantil:
- O choro é frequentemente inesperado, imprevisível e inconsolável (não se relaciona a
fome ou fraldas molhadas);
- Começa frequentemente ao final da tarde ou começo da noite;
- Pode durar entre 35-40 minutos, ou até duas horas;
- Aumenta com a passagem do tempo, é mais intenso quando o bebê tem cerca de 2 meses,
e depois decresce até aproximadamente os 5 meses de idade;
- O bebê parece estar sofrendo.
� Choro excessivo, que continua após o período de cólicas (após o quarto ou o quinto mês)
está frequentemente associado a temperamento difícil (bebê agitado, difícil de acalmar).
� Essas características podem fazer com que os pais sintam-se impotentes, desestimulados
ou incompetentes. Podem criar problemas para a relação pais-filhos, porque os pais podem
envolver-se menos e oferecer menos suporte (consolo) para o bebê.
... as razões por trás do choro (como fome,
desconforto físico, medo).
... choro sem motivo aparente.
... a raiva que o choro inconsolável pode
provocar nos pais.
... sons anormais, muito agudos, que irri-
tam os ouvidos, principalmente quando
muito frequentes e ainda estiverem
ocorrendo após os 5 meses de idade.
Escute: eles estão falando com você!
© 2010 - Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância
Prestando atenção em... O que pode ser feito?
� Responda rápida e calmamente à necessida-
de que o bebê está expressando.
� Coloque o bebê no colo perto de seu corpo
sempre que possível e observe se o choro
diminui.
� Caso se torne frustrante responder às
necessidades do bebê quando ele não pára
de chorar, afaste-se e acalme-se antes de
voltar para perto dele.
� Caso não consiga acalmar-se, peça a outra
pessoa para assumir os cuidados.
� Responda rapidamente ao choro para tentar
confortar o bebê, mesmo que seja difícil
suportar (acaricie o bebê, tome-o nos bra-
ços, fale docemente).
� Peça ajuda, se necessário.
Informações
O Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância identifica e
sintetiza a melhor produção científica sobre desenvolvimento social e emocional de
crianças pequenas. Divulga esses conhecimentos para públicos variados, em formatos e
linguagens adaptados às suas necessidades.
Para uma compreensão mais aprofundada sobre o choro na primeira infância, consulte
os artigos de nossos especialistas na Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na
Primeira Infância, disponível gratuitamente no site www.enciclopedia-crianca.com.
Este folheto informativo é publicado pelo Centro de Excelência para o
Desenvolvimento na Primeira Infância, um entre quatro Centros de Excelência para
o Bem-Estar da Criança. Os Centros de Excelência para o Bem-Estar da Criança
são financiados pela Public Health Agency do Canadá. As opiniões expressas nesta
publicação são de responsabilidade dos autores/pesquisadores, e não refletem
necessariamente os pontos de vista oficiais da Public Health Agency do Canadá.
Agradecemos à Fondation Lucie et André Chagnon por sua contribuição financeiras
para a produção deste folheto informativo.
Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância
GRIP – Université de Montréal
P.O.Box 6128, succursale Centre-ville
Montréal (Québec) H3C 3j7
Telefone: 514-343-6111, r. 5378
Fax: 514-343-6962
e-mail: cedje-ceecd@umontreal.ca
site: www.excellence-earlychildhood.ca
Neste documento, a forma masculina é utilizada para simplificar o texto. Não há intenção de discriminação
Coordenação:
Kristell Le Marté
Colaboração:
Isabelle Vinet (CPEQ)
Ron Barr
Edição:
Sandra Braun
Projeto gráfico:
DesJardins Conception Graphique Inc.
Tradução para o Português sob
os auspícios do CONASS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Choro em crianças: orientações aos pais

Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoFlavio Salomao-Miranda
 
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1wagnerPaulon
 
O que você precisa saber sobre gagueira na infância
O que você precisa saber sobre gagueira na infânciaO que você precisa saber sobre gagueira na infância
O que você precisa saber sobre gagueira na infânciaDirlene Moreira
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósPatrícia Müller
 
Desenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motorDesenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motorbecresforte
 
E-book choros do bebê
E-book choros do bebêE-book choros do bebê
E-book choros do bebêargofix
 
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Transtornos da infância precoce e primeira infância
Transtornos da infância precoce e primeira infânciaTranstornos da infância precoce e primeira infância
Transtornos da infância precoce e primeira infânciaEDSON ALAN QUEIROZ
 
Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces
Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces
Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces Isabella Paiva Pereira
 
Coleção primeira infância folheto 11 o ritmo da criança
Coleção primeira infância   folheto 11 o ritmo da criançaColeção primeira infância   folheto 11 o ritmo da criança
Coleção primeira infância folheto 11 o ritmo da criançaAline Melo de Aguiar
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoSilvia Marina Anaruma
 
album_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdfalbum_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdfAnaCardoso680770
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoSilvia Marina Anaruma
 

Semelhante a Choro em crianças: orientações aos pais (20)

Folheto
FolhetoFolheto
Folheto
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
 
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
PUÉRPERA: cuidado com a sua saúde mental - Temos que falar sobre isso
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011
 
Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1Aula da dra. gisele 1
Aula da dra. gisele 1
 
O que você precisa saber sobre gagueira na infância
O que você precisa saber sobre gagueira na infânciaO que você precisa saber sobre gagueira na infância
O que você precisa saber sobre gagueira na infância
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
 
Desenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motorDesenvolvimento psico motor
Desenvolvimento psico motor
 
E-book choros do bebê
E-book choros do bebêE-book choros do bebê
E-book choros do bebê
 
Cartilha Sintomas em Bebês
Cartilha Sintomas em BebêsCartilha Sintomas em Bebês
Cartilha Sintomas em Bebês
 
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
Cartilha: Sintomas Somáticos e Funcionais em bebês. O que são? Como identific...
 
Transtornos da infância precoce e primeira infância
Transtornos da infância precoce e primeira infânciaTranstornos da infância precoce e primeira infância
Transtornos da infância precoce e primeira infância
 
Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces
Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces
Desenvolvimento Humano na 1ª Infância e Transtornos Neuropsicológicos Precoces
 
Promocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamentoPromocaodo aleitamento
Promocaodo aleitamento
 
Os 5 s para acalmar um bebê até 3 meses
Os 5 s para acalmar um bebê até 3 mesesOs 5 s para acalmar um bebê até 3 meses
Os 5 s para acalmar um bebê até 3 meses
 
Coleção primeira infância folheto 11 o ritmo da criança
Coleção primeira infância   folheto 11 o ritmo da criançaColeção primeira infância   folheto 11 o ritmo da criança
Coleção primeira infância folheto 11 o ritmo da criança
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
 
album_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdfalbum_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdf
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
 

Mais de blogped1

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericulturablogped1
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativablogped1
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...blogped1
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016blogped1
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vidablogped1
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciablogped1
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN blogped1
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infânciablogped1
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesblogped1
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Agudablogped1
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Mediablogped1
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facialblogped1
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016blogped1
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomablogped1
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.blogped1
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal blogped1
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitualblogped1
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...blogped1
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal blogped1
 

Mais de blogped1 (20)

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 

Choro em crianças: orientações aos pais

  • 1. Escute: eles estão falando com você! Choro De olho no
  • 2. “Por meio do choro, os bebês expressam dor, fome, raiva e tédio, mas às vezes choram sem nenhuma razão em particular.” Choro © 2010 - Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância O que sabemos? � O choro é o principal recurso de comunicação de bebês menores de três meses. � Por meio do choro, os bebês expressam dor, fome, raiva e tédio, mas às vezes choram sem nenhuma razão em particular. � Mesmo bebês saudáveis que são muito bem cuidados choram muito. � Nos três primeiros meses de vida, cerca de 25% dos bebês choram mais de três horas e meia por dia. � Por volta dos 3 meses de idade, os bebês começam a chorar menos. Começam a balbuciar e movem-se com mais facilidade, e são capazes de expressar-se de outras maneiras além do choro. � Choro persistente e aparentemente sem motivo pode fazer com que os pais sintam-se preocupados, irritados ou incompetentes. � Todos os bebês passam por fases em que o choro é excessivo, inesperado e inconsolável, mas aqueles que vivenciam muito essa experiência (cerca de 10% a 20%) são chamados às vezes de bebês com cólicas. � O sinal mais comum de que um bebê pode estar com cólicas é o choro por mais de três horas ao dia, pelo menos três dias por semana, e por três semanas seguidas. � Há cinco características específicas do choro excessivo normal, ou cólica infantil: - O choro é frequentemente inesperado, imprevisível e inconsolável (não se relaciona a fome ou fraldas molhadas); - Começa frequentemente ao final da tarde ou começo da noite; - Pode durar entre 35-40 minutos, ou até duas horas; - Aumenta com a passagem do tempo, é mais intenso quando o bebê tem cerca de 2 meses, e depois decresce até aproximadamente os 5 meses de idade; - O bebê parece estar sofrendo. � Choro excessivo, que continua após o período de cólicas (após o quarto ou o quinto mês) está frequentemente associado a temperamento difícil (bebê agitado, difícil de acalmar). � Essas características podem fazer com que os pais sintam-se impotentes, desestimulados ou incompetentes. Podem criar problemas para a relação pais-filhos, porque os pais podem envolver-se menos e oferecer menos suporte (consolo) para o bebê.
  • 3. ... as razões por trás do choro (como fome, desconforto físico, medo). ... choro sem motivo aparente. ... a raiva que o choro inconsolável pode provocar nos pais. ... sons anormais, muito agudos, que irri- tam os ouvidos, principalmente quando muito frequentes e ainda estiverem ocorrendo após os 5 meses de idade. Escute: eles estão falando com você! © 2010 - Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância Prestando atenção em... O que pode ser feito? � Responda rápida e calmamente à necessida- de que o bebê está expressando. � Coloque o bebê no colo perto de seu corpo sempre que possível e observe se o choro diminui. � Caso se torne frustrante responder às necessidades do bebê quando ele não pára de chorar, afaste-se e acalme-se antes de voltar para perto dele. � Caso não consiga acalmar-se, peça a outra pessoa para assumir os cuidados. � Responda rapidamente ao choro para tentar confortar o bebê, mesmo que seja difícil suportar (acaricie o bebê, tome-o nos bra- ços, fale docemente). � Peça ajuda, se necessário.
  • 4. Informações O Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância identifica e sintetiza a melhor produção científica sobre desenvolvimento social e emocional de crianças pequenas. Divulga esses conhecimentos para públicos variados, em formatos e linguagens adaptados às suas necessidades. Para uma compreensão mais aprofundada sobre o choro na primeira infância, consulte os artigos de nossos especialistas na Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância, disponível gratuitamente no site www.enciclopedia-crianca.com. Este folheto informativo é publicado pelo Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância, um entre quatro Centros de Excelência para o Bem-Estar da Criança. Os Centros de Excelência para o Bem-Estar da Criança são financiados pela Public Health Agency do Canadá. As opiniões expressas nesta publicação são de responsabilidade dos autores/pesquisadores, e não refletem necessariamente os pontos de vista oficiais da Public Health Agency do Canadá. Agradecemos à Fondation Lucie et André Chagnon por sua contribuição financeiras para a produção deste folheto informativo. Centro de Excelência para o Desenvolvimento na Primeira Infância GRIP – Université de Montréal P.O.Box 6128, succursale Centre-ville Montréal (Québec) H3C 3j7 Telefone: 514-343-6111, r. 5378 Fax: 514-343-6962 e-mail: cedje-ceecd@umontreal.ca site: www.excellence-earlychildhood.ca Neste documento, a forma masculina é utilizada para simplificar o texto. Não há intenção de discriminação Coordenação: Kristell Le Marté Colaboração: Isabelle Vinet (CPEQ) Ron Barr Edição: Sandra Braun Projeto gráfico: DesJardins Conception Graphique Inc. Tradução para o Português sob os auspícios do CONASS