Aleitamento materno

349 visualizações

Publicada em

aleitamento

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
349
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aleitamento materno

  1. 1. ALEITAMENTO MATERNO PROFESSOR ALEXANDRE
  2. 2. Composição do leite materno PROFESSOR ALEXANDRE
  3. 3. Composição do leite materno PROFESSOR ALEXANDRE
  4. 4. MÉTODOS CONTRACEPTIVOS NO ALEITAMENTO PROFESSOR ALEXANDRE Durante os primeiros seis meses pós-parto, a amamentação exclusiva, à livre demanda, com amenorréia, está associada à diminuição da fertilidade. Porém, esse efeito anticoncepcional deixa de ser eficiente quando ocorre o retorno das menstruações e/ou quando o leite materno deixa de ser o único alimento recebido pelo bebê, o que ocorrer primeiro. O efeito inibidor da fertilidade, que o aleitamento exclusivo com amenorréia tem, pode ser utilizado como método comportamental de anticoncepção – LAM (método da amenorréia da lactação).
  5. 5. MÉTODOS CONTRACEPTIVOS NO ALEITAMENTO PROFESSOR ALEXANDRE O DIU pode ser inserido imediatamente após o parto, ou a partir de quatro semanas pós-parto. O DIU está contra indicado para os casos que cursaram com infecção puerperal, até três meses após a cura. O uso do preservativo masculino ou feminino deve ser sempre incentivado. O anticoncepcional hormonal oral só de progesterona (minipílula) pode ser utilizado pela mulher que está amamentando. O seu uso deve ser iniciado após 6 semanas do parto.
  6. 6. MÉTODOS CONTRACEPTIVOS NO ALEITAMENTO PROFESSOR ALEXANDRE O anticoncepcional injetável trimestral – acetato de medroxiprogesterona 150 mg/ml – pode ser utilizado pela mulher que está amamentando. O seu uso deve ser iniciado após 6 semanas do parto. O anticoncepcional hormonal oral combinado e o injetável mensal não devem ser utilizados em lactantes, pois interferem na qualidade e quantidade do leite materno e podem afetar adversamente a saúde do bebê. 8. Os métodos comportamentais – tabelinha, muco cervical, entre outros – só poderão ser usados após a regularização do ciclo menstrual.
  7. 7. Fisiologia da lactação ALEITAMENTO PROFESSOR ALEXANDRE
  8. 8. • “Diminui a probabilidade do desenvolvimento dos processos alérgicos, pelo retardo da introdução de proteínas heterólogas (leite de vaca) e pela ação provável de uma célula chamada macrófago, existente em grande quantidade no colostro”; • “Favorece o desenvolvimento neuropsicomotor, melhorando profundamente a relação mãe-filho, com todos os benefícios conseqüentes”; • “Protege a criança contra infecções, principalmente as relacionadas ao aparelho respiratório e digestivo (MARTINS FILHO,1984). Benefícios do aleitamento materno PROFESSOR ALEXANDRE
  9. 9. Continuação... • “Nas classes sociais desprivilegiadas, colabora efetivamente para diminuir a taxa de desnutrição protéica calórica e, tem papel importante, na redução da mortalidade infantil”; • “Representa real economia para as famílias de baixa renda, determinando ainda uma economia considerável para o país” (MARTINS FILHO,1984); • Crianças amamentadas por um longo período de tempo apresentam maiores índices em testes de inteligência (ROGAN; GLADEN, 1993; LUCAS et al, 1993); ALEITAMENTO PROFESSOR ALEXANDRE
  10. 10. DIFICULDADES COM O ALEITAMENTO NO PERÍODO PUERPERAL PROFESSOR ALEXANDRE 1. Pega incorreta do mamilo 2. Fissuras (rachaduras)-o bebê posicionado errado ou quando a pega está incorreta. Manter as mamas secas, não usar sabonetes, cremes ou pomadas, também ajuda na prevenção. Recomenda-se tratar as fissuras com o leite materno do fim das mamadas, banho de sol e correção da posição e da pega. 3. Mamas ingurgitadas Acontecem, habitualmente, na maioria das mulheres, do terceiro ao quinto dia após o parto. As mamas ingurgitadas são dolorosas, edemaciadas (pele brilhante), às vezes, avermelhadas e a mulher pode ter febre. Para evitar ingurgitamento, a pega e a posição para amamentação devem estar adequadas e, quando houver produção de leite superior à demanda, as mamas devem ser ordenhadas manualmente. Sempre que a mama estiver ingurgitada, a expressão manual do leite deve ser realizada para facilitar a pega e evitar fissuras. O ingurgitamento mamário é transitório e desaparece entre 24 e 48 horas.
  11. 11. DIFICULDADES COM O ALEITAMENTO NO PERÍODO PUERPERAL PROFESSOR ALEXANDRE Mastite Ingurgitamento indevidamente tratado. Tratamento medicamentoso apropriado. A pega e a posição devem ser corrigidas. Ordenha manual É no pré-natal que o aprendizado da ordenha manual deve ser iniciado. Para que haja retirada satisfatória de leite do peito, é preciso começar com massagens circulares com as polpas dos dedos, indicador e médio, na região mamilo-areolar, progredindo até as áreas mais afastadas e intensificando nos pontos mais dolorosos. Para a retirada do leite, é importante garantir o posicionamento dos dedos, indicador e polegar, no limite da região areolar, seguido por leve compressão do peito em direção ao tórax ao mesmo tempo em que a compressão da região areolar deve ser feita com a polpa dos dedos.
  12. 12. CONTRA INDICAÇÃO Á ALEITAMENTO PROFESSOR ALEXANDRE Contra-indicações Câncer de mama que foram tratadas ou estão em tratamento, mulheres HIV+ ou HTLV+, mulheres com distúrbios graves da consciência ou do comportamento. Há referências que apontam para risco de 13% a 22%. Quanto mais a criança mama, maior será a chance de ela ser infectada. Nenhuma medicação deve ser utilizada, sem orientação médica, pela puérpera que está amamentando. As medicações anticonvulsivantes estão presentes no leite, porém não há contraindicação da amamentação.
  13. 13. DIFICULDADES COM O ALEITAMENTO NO PERÍODO PUERPERAL PROFESSOR ALEXANDRE AUXILIAR DE ENFERMAGEM ENFERMEIRO(A) MÉDICO(A) • Realiza ações educativas para as mulheres e suas famílias; • Realiza ações educativas para as mulheres e suas famílias; • Realiza consulta de pré-natal, intercalando com o(a) enfermeiro(a); • Verifica o peso, a altura e a pressão arterial e anota os dados no cartão da gestante; • Realiza consulta de pré-natal de gestação de baixo risco; • Solicita exames e orienta tratamento conforme as normas técnicas e operacionais; • Orienta as gestantes quanto aos fatores de risco; • Fornece medicação, mediante receita médica, ou medicamentos padronizados para o programa; • Solicita exames de rotina e orienta tratamento conforme protocolo do serviço; • Identifica as gestantes de risco e as encaminha para a unidade de referência; • Aplica vacina antitetânica; • Encaminha gestantes identificadas como de risco para o médico; • Realiza coleta de exame citopatológico; • Participa das atividades educativas. • Realiza atividades com grupos de gestantes, grupos de sala de espera etc.; • Fornece o cartão da gestante devidamente atualizado a cada consulta; • Realiza visita domiciliar, quando for o caso; • Fornece o cartão da gestante devidamente atualizado a cada consulta; • Participa de grupos de gestantes e realiza visita domiciliar quando for o caso; • Realiza coleta de exame citopatológico • Atende às intercorrências e encaminha as gestantes para a unidade de referência, quando necessário.

×