SlideShare uma empresa Scribd logo
ALEITAMENTO
     MATERNO


Prof. Maria Januário Vieira Barros




                                     1
História do Programa Nacional de
Incentivo ao Aleitamento Materno
 1970 – comercialização leites modificados para
 lactentes, desmame precoce.
 1979 – assinada a Declaração OMS/UNICEF
 sobre nutrição infantil, alertou para as
 consequências do desmame precoce. Elevado
 índice Mortalidade Infantil.
 Assinatura em 1981 por 118 países Código
 Internacional de Substitutos do Leite Materno
 (cessar distribuição gratuita e a baixo custo de
 leites artificiais aos serviços de saúde).




História do Programa Nacional de
Incentivo ao Aleitamento Materno
 Até 1980 a promoção do Aleitamento Materno –
 ações isoladas.
 1981 criado o Programa Nacional de Incentivo ao
 Aleitamento Materno (PNIAM).
 Duração mediana do A.M. nesta época 60 dias.
 Divulgação na mídia e materiais educativos
 distribuídos à população.
 Parceria com organismos internacionais UNICEF
 e OPS.




                                                    2
História do Programa Nacional de
Incentivo ao Aleitamento Materno
 Parceria com organismos não-governamentais
 IBFAN, WABA, Amigas do Peito e Grupo Origem.
 Ações: Hospital Amigo da Criança, Norma
 Brasileira de Comercialização de Alimentos para
 lactantes, Semana Mundial de Aleitamento Materno,
 Projeto Carteiro Amigo da Amamentação, Projeto
 Bombeiro Amigo, Unidade Básica Amiga da
 Amamentação.
 1983 Portaria Alojamento Conjunto.




História do Programa Nacional de
Incentivo ao Aleitamento Materno
 1987 obrigatoriedade do Alojamento Conjunto.
 1986 Centro de Referência Nacional em Banco de
 Leite Humano (BLH) – FIOCRUZ.
 Licença Maternidade e Paternidade na CLT e
 descanso de 2 períodos de 30 minutos por dia.
 1990 década marcada pela implementação das
 ações que estavam sendo desenvolvidas no país e
 principalmente pela capacitação maciça de
 profissionais de saúde.




                                                     3
História do Programa Nacional de
Incentivo ao Aleitamento Materno

 Após 5 anos de implantação do PNIAM,
 aumentou duração de 2,9 para 4,2 meses em
 SP, 2,2 para 3,5 meses em Recife.
 1989 – duração mediana do A.M. no país de
 2,5 meses em 1975 para 5,5 meses.
 1996 – mediana 7 meses.
 1999 – 10 meses.




  ALEITAMENTO MATERNO
        Definições
                        Aleitamento Materno
                        Exclusivo: Quando a
                        criança só recebe leite
                        materno, seja
                        diretamente do seio ou
                        ordenhado da própria
                        mãe, ou ainda, leite
                        humano de banco de
                        leite e não recebe
                        nenhum outro líquido
                        ou alimento sólido.




                                                  4
ALEITAMENTO MATERNO
              Definições
Aleitamento Materno
Predominante: principal             Aleitamento Materno total:
fonte de alimento da criança é      medida ou índice que reflete o
o leite materno, sendo              período de aleitamento materno
permitido apenas receber            exclusivo e predominante.
água, chá, medicamentos ou
soro de reidratação oral.
                                   Aleitamento Materno parcial:
                                   Quando a criança, além da
                                   amamentação ao peito, recebe,
                                   antes da época adequada, outros
                                   alimentos (leite, cereais, frutas,
                                   legumes, etc.)




          ANATOMIA DA MAMA
      Nutrida e vascularizada por
      ramos da artéria torácica interna
      e por diversos ramos da artéria
      axilar.
      Tamanho, consistência e forma
      variam de acordo com etnia,
      biotipo e grau de adiposidade.
      Corpo da mama: parênquima e
      estroma mamário.
      Parênquima: porção secretória,
      sistema canicular, arborescente,
      forma de couve-flor.
      Estroma: tecido conjuntivo e
      adiposo, responsável pela
      característica da mama.




                                                                        5
ANATOMIA DA MAMA
Lobos: em número de 15 a 25.
Lóbulos: 20 a 40.
Alvéolo mamário (10 a 100):
(0,12mm) produz o leite a
medida que a criança suga;
 Ducto lactífero: transporta o
leite dos alvéolos para o seio
lactífero;
 Seio lactífero: (0,5 a 0,8mm)
estrutura onde se deposita o leite
que é produzido;
 Mamilo: de onde sai o leite para
a boca da criança;
 Aréola: parte escura ao redor do
mamilo;




    ANATOMIA DA MAMA
Pele: inclui os mamilos e aréola.
Macia, flexível, elástica e está
aderida ao tecido subctâneo.
Tecido subcutâneo: rico em
gordura e contém glândulas
sebáceas e sudoríparas.
Mamilo: porção apical da mama,
localizado no centro da aréola,
constituído de tecido erétil,
cilíndrico, dotado de grande
sensibilidade, ricamente
enervado.
Aréola: 2 a 4 cm de diâmetro,
tubérculos de Montgomery
(produz secreção lipóide).




                                     6
Tipos de Mamilos




    Protuso                Plano               Invertido
     95%                   4,5%                  0,5%

Atelia: ausência de mamilos.




 FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO
    O leite materno é produzido pela ação de hormônios e
    reflexos (fenômenos neuro-endócrino).
    As glândulas mamárias se preparam para lactar, através
    de hormônios estrogênio e progesterona.
    A PROLACTINA, que é o principal hormônio
    responsável pela produção de leite.
    Ao sugar o seio, o recém-nascido estimula as
    terminações nervosas, abaixo da aréola, enviando um
    estímulo a hipófise, que libera a PROLACTINA e a
    OCITOCINA, provocando o reflexo da EJEÇÃO ou
    “descida” do leite.
    APOJADURA – descida do leite nas
    primeiras 72h.




                                                             7
REFLEXO DA PROLACTINA




 REFLEXO DA OCITOCINA




                        8
TIPOS DE LEITE
           Colostro - 1o a 7o dia,
           produção de 100ml/dia.
           Leite de Transição - 8o a 15o
           dia, produção de 500ml/dia.
           Leite Maduro - 16o dia em
           diante. Redução da produção
           no 6o mês.
           Leite Prematuro – maior
           teor de gordura, lipídeos e
           calorias, menor teor de
           lactose, maior quantidade de
           IgA e lactoferrina, menor
           quantidade de cálcio e
           fósforo.




               COMPOSIÇÃO DO LEITE MATERNO
                           Leite Materno              Leite Animal         Leite Artificial

Proteínas             Quantidade adequada e       Excesso, difícil de    Parcialmente
                      fácil de digerir            digerir                modificado
Lipídeos              Suficiente em ácidos        Deficiente em ácidos   Deficiente em ácidos
                      graxos essenciais, lipase   graxos essenciais,     graxos essenciais,
                      para digestão               não apresenta lipase   não apresenta lipase

Vitaminas             Suficiente                  Deficiente de A e C    Vitaminas
                                                                         adicionadas
Minerais              Quantidade adequada         Excesso                Parcialmente correto

Ferro                 Pouca quantidade, boa       Pouca quantidade,      Adicionado, má
                      absorção                    má absorção            absorção
Água                  Suficiente                  Precisa de mais        Pode precisar de
                                                                         mais
Propriedades          Presente                    Ausente                Ausente
Antiinfecciosas
Fatores de            Presente                    Ausente                Ausente
Crescimento
Fonte: OMS/CDR/93.6




                                                                                                9
COMPOSIÇÃO DO COLOSTRO
    Propriedade                                   Importância

    Rico em anticorpos       Protege contra infecções e alergias.

    Muitos leucócitos        Protege contra infecções.

    Laxante                  Expulsa o mecônio, ajuda a prevenir a icterícia.

    Fatores de crescimento   Acelera a maturação intestinal, previne alergia e
                             intolerância.
    Rico em vitamina A       Reduz a gravidade de algumas infecções (como
                             sarampo e diarréia); previne doenças oculares
                             causadas por deficiência de vitamina A.

    Fonte: OMS/CDR/93.6




              ALEITAMENTO MATERNO
                    EXCLUSIVO
              Iniciar na primeira meia
              hora de vida.
              - RN alerta e atento.

   Criar ambiente tranquilo e de apoio;
  Propiciar conforto físico;
  Promover contato íntimo;
  Evitar sedativos e analgésicos, uso criterioso.
  Manter RN aquecido com campo aquecido e
seco, com contato pele-a-pele.




                                                                                 10
ALEITAMENTO MATERNO
           EXCLUSIVO

  Oferecer somente o leite
  materno durante os 6
  primeiros meses de vida.
  UNICEF/SBP 2001.




     ALEITAMENTO MATERNO
           EXCLUSIVO

Após 6 meses continuar
amamentando até dois
anos de idade ou mais e
introduzir os alimentos
da família.




                             11
ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO
-Examinar as mamas no pré-natal;
-Orientar uso de sutiã com orifício
central para exposição de mamilo;
-Recomendar banho de sol por 15
min, até as 10h da manhã e após as
16h da tarde, ou banho de luz com
lâmpadas de 40w, cerca de um
palmo de distância;
-Ordenha contra-indicada;
-Orientar a pega correta.




ESTÍMULO PARA A MULHER AMAMENTAR
  Estímulo de que tipo?
  Psicológicos, moral, físico,
  mecânico.

  Estímulo de quem?
  De mim, de você, da sociedade,
  política, científica, religiosa,
  estudantil, operária, da equipe de
  saúde.

  Estímulo de que forma?
  Em relação a vantagens, técnicas
  , intercorrências, Incentivos,
  ajuda, auxilio.




                                       12
BENEFÍCIO DO ALEITAMENTO
  MATERNO PARA MULHER
• Protege a saúde da mãe;
• Ajuda o útero a recuperar
seu tamanho normal
reduzindo o risco de
hemorragia;
• Reduz o risco de câncer
de mama e de ovário;
• Ajuda a retardar uma
nova gravidez.




       BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO
          MATERNO PARA O BEBÊ
Obtém satisfação oral máxima,
segurança, estabilidade emocional.
Livre de riscos relacionados à
alimentação artificial.
Dorme tranqüilamente.
Apresenta curva de peso
ascendente.
Apresenta temperatura corporal
uniforme.
Panículo adiposo tem
desenvolvimento mais perfeito.
Possui olhos brilhantes, pele sedosa
e rósea.
É mais alegre, mais seguro e mais
inteligente.




                                       13
TÉCNICAS DE AMAMENTAÇÃO
A criança deve estar acordada e
com fome.
A criança deve estar vestida
confortavelmente.
Higienização da mama com o
próprio leite.
A posição, a nutriz deve escolher.
Para interromper a mamada usar
o dedo mínimo.
O tempo da mamada deve durar
para satisfazer o bebê.
O bebê deve eructar depois da
mamada.




POSIÇÕES PARA AMAMENTAR
Iniciar a amamentação pela mama mais
cheia;
Local confortável escolhido pela puérpera;
Depende de vários fatores – tipo de parto,
dia de puerpério, estado psicoemocional.
Duração variável, a criança satisfaz em 15 a
30 minutos, porém deve-se deixar a criança
na mama enquanto estiver sugando.




                                               14
POSIÇÕES PARA AMAMENTAR




POSIÇÕES PARA AMAMENTAR




                          15
POSIÇÕES PARA AMAMENTAR




             PEGA CORRETA
-Boca bem aberta abocanhando toda a parte inferior da aréola e
parte superior.
-Verifica-se sucções longas, seguidas de pausas e pequenas
sucções, observando-se a deglutição.
-Pega correta nunca dói, dor significa pega incorreta.
-Aréola deve estar maleável.




                                                                 16
PEGA CORRETA




PEGA CORRETA




               17
MASSAGEM E ORDENHA




INTERPRETAR A MAMADA
          Inspecionar as bochechas da
          criança para ver se está
          sugando.
          Ver se a língua está debaixo
          do mamilo.
          Observar ruído que a criança
          faz ao mamar.
          Remover a criança da mama
          para testar o grau de sucção.
          Respeitar o ritmo de cada
          bebê e mãe.




                                          18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
blogped1
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
Heloísa Ximenes
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Michely Blank
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
Alinebrauna Brauna
 
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vidaAmamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Rebeca - Doula
 
Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011
Walquíria Domingues
 
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natalPromoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
Diana Rodrigues
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Formação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadas
Formação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadasFormação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadas
Formação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento materno
Aleitamento materno Aleitamento materno
Aleitamento materno
lipernnatal
 
A importância do leite materno !
A importância do leite materno !A importância do leite materno !
A importância do leite materno !
DAniela Fonseca
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
Alinebrauna Brauna
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Mitos e verdades sobre amamentação
Mitos  e verdades sobre amamentaçãoMitos  e verdades sobre amamentação
Mitos e verdades sobre amamentação
Isaque Reis
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
Mishela Kelly Almeida
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
Lorrayne Ferreira
 
Aleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementarAleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementar
crn8
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Patrícia Müller
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Juliane Stivanin da Silva
 

Mais procurados (20)

AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vidaAmamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
 
Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011Aleitamento materno outubro 2011
Aleitamento materno outubro 2011
 
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natalPromoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
 
Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
 
Formação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadas
Formação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadasFormação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadas
Formação em PRÉ-NATAL, PUERPÉRIO e AMAMENTAÇÃO - práticas ampliadas
 
Aleitamento materno
Aleitamento materno Aleitamento materno
Aleitamento materno
 
A importância do leite materno !
A importância do leite materno !A importância do leite materno !
A importância do leite materno !
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Mitos e verdades sobre amamentação
Mitos  e verdades sobre amamentaçãoMitos  e verdades sobre amamentação
Mitos e verdades sobre amamentação
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
 
Aleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementarAleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementar
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
 

Semelhante a Aleitamento materno 1

Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
BrunoMMorales
 
Amamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestreAmamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestre
Vitor D Angelis
 
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete Valadares
Rebeca - Doula
 
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptxCampanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
LarissaVasconcelos32
 
Amamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICID
Amamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICIDAmamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICID
Amamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICID
Liga De Pediatria Med Unicid
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
Rebeca - Doula
 
Vantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento maternoVantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento materno
Rebeca - Doula
 
Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..
thamiris souza
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Aleitamento materno
Aleitamento materno Aleitamento materno
Aleitamento materno
Isac Condesse
 
Lactose - Geofar
Lactose - GeofarLactose - Geofar
Lactose - Geofar
Ricardo Nunes
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
Dessa Reis
 
Aleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdfAleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdf
VeraLuciaPereira24
 
aleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdfaleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdf
Christina Almeida
 
Amamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngue
Amamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngueAmamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngue
Amamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngue
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.docdez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
Dessa Reis
 
Tema de vida leandro
Tema de vida   leandro Tema de vida   leandro
Tema de vida leandro
LeandroMarques2009
 
Alimentação no lactante
Alimentação no lactanteAlimentação no lactante
Alimentação no lactante
Ramon Florez Acuña
 
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matosLeite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Graciela Luongo
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
jnunes9
 

Semelhante a Aleitamento materno 1 (20)

Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
 
Amamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestreAmamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestre
 
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete Valadares
 
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptxCampanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
 
Amamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICID
Amamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICIDAmamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICID
Amamentação e Alimentação - Liga de Pediatria UNICID
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
 
Vantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento maternoVantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento materno
 
Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Aleitamento materno
Aleitamento materno Aleitamento materno
Aleitamento materno
 
Lactose - Geofar
Lactose - GeofarLactose - Geofar
Lactose - Geofar
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Aleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdfAleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdf
 
aleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdfaleitamentomaterno_slide.pdf
aleitamentomaterno_slide.pdf
 
Amamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngue
Amamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngueAmamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngue
Amamentação em LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais / Glossário bilíngue
 
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.docdez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
 
Tema de vida leandro
Tema de vida   leandro Tema de vida   leandro
Tema de vida leandro
 
Alimentação no lactante
Alimentação no lactanteAlimentação no lactante
Alimentação no lactante
 
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matosLeite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
Leite materno, de vaca e formulas artificiais maria graciela luongo de matos
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 

Aleitamento materno 1

  • 1. ALEITAMENTO MATERNO Prof. Maria Januário Vieira Barros 1
  • 2. História do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno 1970 – comercialização leites modificados para lactentes, desmame precoce. 1979 – assinada a Declaração OMS/UNICEF sobre nutrição infantil, alertou para as consequências do desmame precoce. Elevado índice Mortalidade Infantil. Assinatura em 1981 por 118 países Código Internacional de Substitutos do Leite Materno (cessar distribuição gratuita e a baixo custo de leites artificiais aos serviços de saúde). História do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno Até 1980 a promoção do Aleitamento Materno – ações isoladas. 1981 criado o Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno (PNIAM). Duração mediana do A.M. nesta época 60 dias. Divulgação na mídia e materiais educativos distribuídos à população. Parceria com organismos internacionais UNICEF e OPS. 2
  • 3. História do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno Parceria com organismos não-governamentais IBFAN, WABA, Amigas do Peito e Grupo Origem. Ações: Hospital Amigo da Criança, Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para lactantes, Semana Mundial de Aleitamento Materno, Projeto Carteiro Amigo da Amamentação, Projeto Bombeiro Amigo, Unidade Básica Amiga da Amamentação. 1983 Portaria Alojamento Conjunto. História do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno 1987 obrigatoriedade do Alojamento Conjunto. 1986 Centro de Referência Nacional em Banco de Leite Humano (BLH) – FIOCRUZ. Licença Maternidade e Paternidade na CLT e descanso de 2 períodos de 30 minutos por dia. 1990 década marcada pela implementação das ações que estavam sendo desenvolvidas no país e principalmente pela capacitação maciça de profissionais de saúde. 3
  • 4. História do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno Após 5 anos de implantação do PNIAM, aumentou duração de 2,9 para 4,2 meses em SP, 2,2 para 3,5 meses em Recife. 1989 – duração mediana do A.M. no país de 2,5 meses em 1975 para 5,5 meses. 1996 – mediana 7 meses. 1999 – 10 meses. ALEITAMENTO MATERNO Definições Aleitamento Materno Exclusivo: Quando a criança só recebe leite materno, seja diretamente do seio ou ordenhado da própria mãe, ou ainda, leite humano de banco de leite e não recebe nenhum outro líquido ou alimento sólido. 4
  • 5. ALEITAMENTO MATERNO Definições Aleitamento Materno Predominante: principal Aleitamento Materno total: fonte de alimento da criança é medida ou índice que reflete o o leite materno, sendo período de aleitamento materno permitido apenas receber exclusivo e predominante. água, chá, medicamentos ou soro de reidratação oral. Aleitamento Materno parcial: Quando a criança, além da amamentação ao peito, recebe, antes da época adequada, outros alimentos (leite, cereais, frutas, legumes, etc.) ANATOMIA DA MAMA Nutrida e vascularizada por ramos da artéria torácica interna e por diversos ramos da artéria axilar. Tamanho, consistência e forma variam de acordo com etnia, biotipo e grau de adiposidade. Corpo da mama: parênquima e estroma mamário. Parênquima: porção secretória, sistema canicular, arborescente, forma de couve-flor. Estroma: tecido conjuntivo e adiposo, responsável pela característica da mama. 5
  • 6. ANATOMIA DA MAMA Lobos: em número de 15 a 25. Lóbulos: 20 a 40. Alvéolo mamário (10 a 100): (0,12mm) produz o leite a medida que a criança suga; Ducto lactífero: transporta o leite dos alvéolos para o seio lactífero; Seio lactífero: (0,5 a 0,8mm) estrutura onde se deposita o leite que é produzido; Mamilo: de onde sai o leite para a boca da criança; Aréola: parte escura ao redor do mamilo; ANATOMIA DA MAMA Pele: inclui os mamilos e aréola. Macia, flexível, elástica e está aderida ao tecido subctâneo. Tecido subcutâneo: rico em gordura e contém glândulas sebáceas e sudoríparas. Mamilo: porção apical da mama, localizado no centro da aréola, constituído de tecido erétil, cilíndrico, dotado de grande sensibilidade, ricamente enervado. Aréola: 2 a 4 cm de diâmetro, tubérculos de Montgomery (produz secreção lipóide). 6
  • 7. Tipos de Mamilos Protuso Plano Invertido 95% 4,5% 0,5% Atelia: ausência de mamilos. FISIOLOGIA DA LACTAÇÃO O leite materno é produzido pela ação de hormônios e reflexos (fenômenos neuro-endócrino). As glândulas mamárias se preparam para lactar, através de hormônios estrogênio e progesterona. A PROLACTINA, que é o principal hormônio responsável pela produção de leite. Ao sugar o seio, o recém-nascido estimula as terminações nervosas, abaixo da aréola, enviando um estímulo a hipófise, que libera a PROLACTINA e a OCITOCINA, provocando o reflexo da EJEÇÃO ou “descida” do leite. APOJADURA – descida do leite nas primeiras 72h. 7
  • 8. REFLEXO DA PROLACTINA REFLEXO DA OCITOCINA 8
  • 9. TIPOS DE LEITE Colostro - 1o a 7o dia, produção de 100ml/dia. Leite de Transição - 8o a 15o dia, produção de 500ml/dia. Leite Maduro - 16o dia em diante. Redução da produção no 6o mês. Leite Prematuro – maior teor de gordura, lipídeos e calorias, menor teor de lactose, maior quantidade de IgA e lactoferrina, menor quantidade de cálcio e fósforo. COMPOSIÇÃO DO LEITE MATERNO Leite Materno Leite Animal Leite Artificial Proteínas Quantidade adequada e Excesso, difícil de Parcialmente fácil de digerir digerir modificado Lipídeos Suficiente em ácidos Deficiente em ácidos Deficiente em ácidos graxos essenciais, lipase graxos essenciais, graxos essenciais, para digestão não apresenta lipase não apresenta lipase Vitaminas Suficiente Deficiente de A e C Vitaminas adicionadas Minerais Quantidade adequada Excesso Parcialmente correto Ferro Pouca quantidade, boa Pouca quantidade, Adicionado, má absorção má absorção absorção Água Suficiente Precisa de mais Pode precisar de mais Propriedades Presente Ausente Ausente Antiinfecciosas Fatores de Presente Ausente Ausente Crescimento Fonte: OMS/CDR/93.6 9
  • 10. COMPOSIÇÃO DO COLOSTRO Propriedade Importância Rico em anticorpos Protege contra infecções e alergias. Muitos leucócitos Protege contra infecções. Laxante Expulsa o mecônio, ajuda a prevenir a icterícia. Fatores de crescimento Acelera a maturação intestinal, previne alergia e intolerância. Rico em vitamina A Reduz a gravidade de algumas infecções (como sarampo e diarréia); previne doenças oculares causadas por deficiência de vitamina A. Fonte: OMS/CDR/93.6 ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO Iniciar na primeira meia hora de vida. - RN alerta e atento. Criar ambiente tranquilo e de apoio; Propiciar conforto físico; Promover contato íntimo; Evitar sedativos e analgésicos, uso criterioso. Manter RN aquecido com campo aquecido e seco, com contato pele-a-pele. 10
  • 11. ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO Oferecer somente o leite materno durante os 6 primeiros meses de vida. UNICEF/SBP 2001. ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO Após 6 meses continuar amamentando até dois anos de idade ou mais e introduzir os alimentos da família. 11
  • 12. ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO -Examinar as mamas no pré-natal; -Orientar uso de sutiã com orifício central para exposição de mamilo; -Recomendar banho de sol por 15 min, até as 10h da manhã e após as 16h da tarde, ou banho de luz com lâmpadas de 40w, cerca de um palmo de distância; -Ordenha contra-indicada; -Orientar a pega correta. ESTÍMULO PARA A MULHER AMAMENTAR Estímulo de que tipo? Psicológicos, moral, físico, mecânico. Estímulo de quem? De mim, de você, da sociedade, política, científica, religiosa, estudantil, operária, da equipe de saúde. Estímulo de que forma? Em relação a vantagens, técnicas , intercorrências, Incentivos, ajuda, auxilio. 12
  • 13. BENEFÍCIO DO ALEITAMENTO MATERNO PARA MULHER • Protege a saúde da mãe; • Ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal reduzindo o risco de hemorragia; • Reduz o risco de câncer de mama e de ovário; • Ajuda a retardar uma nova gravidez. BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO PARA O BEBÊ Obtém satisfação oral máxima, segurança, estabilidade emocional. Livre de riscos relacionados à alimentação artificial. Dorme tranqüilamente. Apresenta curva de peso ascendente. Apresenta temperatura corporal uniforme. Panículo adiposo tem desenvolvimento mais perfeito. Possui olhos brilhantes, pele sedosa e rósea. É mais alegre, mais seguro e mais inteligente. 13
  • 14. TÉCNICAS DE AMAMENTAÇÃO A criança deve estar acordada e com fome. A criança deve estar vestida confortavelmente. Higienização da mama com o próprio leite. A posição, a nutriz deve escolher. Para interromper a mamada usar o dedo mínimo. O tempo da mamada deve durar para satisfazer o bebê. O bebê deve eructar depois da mamada. POSIÇÕES PARA AMAMENTAR Iniciar a amamentação pela mama mais cheia; Local confortável escolhido pela puérpera; Depende de vários fatores – tipo de parto, dia de puerpério, estado psicoemocional. Duração variável, a criança satisfaz em 15 a 30 minutos, porém deve-se deixar a criança na mama enquanto estiver sugando. 14
  • 16. POSIÇÕES PARA AMAMENTAR PEGA CORRETA -Boca bem aberta abocanhando toda a parte inferior da aréola e parte superior. -Verifica-se sucções longas, seguidas de pausas e pequenas sucções, observando-se a deglutição. -Pega correta nunca dói, dor significa pega incorreta. -Aréola deve estar maleável. 16
  • 18. MASSAGEM E ORDENHA INTERPRETAR A MAMADA Inspecionar as bochechas da criança para ver se está sugando. Ver se a língua está debaixo do mamilo. Observar ruído que a criança faz ao mamar. Remover a criança da mama para testar o grau de sucção. Respeitar o ritmo de cada bebê e mãe. 18