Logistica medicamentos

1.134 visualizações

Publicada em

Operações WMS e TMS na área de medicamentos. (Da industria ao consumidor).

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

Logistica medicamentos

  1. 1. Logistica Medicamentos – (wms/tms) – indústria, distribuidora, varejo, hospital, clinicas e consultórios.
  2. 2. Wms – Indústria Farmaceutica (entrada m.p. e produção).  Compra de matérias primas e insumos para produção medicamentos.  Recepção e Armazenagem adequada. (ambiente, gerenciamento espaço nos armazéns).  Movimentação mat. Prima nas áreas da indústria para produção medicamentos (final ou intermediário).  Movimentação em ordem entrada. (PEPS/FIFO).  Controle de Qualidade, e atribuição de lote de produto acabado, atrelado aos lotes das m.p. utilizadas.
  3. 3. Wms – Indústria Farmaceutica (Vendas e ações de mkt).  Processamento de pedidos para distribuidoras de medicamentos.  Processamento de pedidos de venda para grandes redes de varejo. (Raia, Drogão (regional), São Paulo).  Distribuição de amostras para clinicas e consultórios. (médicos).  Programas de fornecimento especiais. (e-pharma, farmácia popular, e outros).  Emissão de nf de movimentação para distribuidores, hospitais, redes de varejo, propagandistas e destes para consultórios.
  4. 4. Wms – Distribuidoras farmacêutica. – caracteristicas.  As distribuidoras são prestadoras de serviços logísticos para a indústria farmacêutica e de produtos de HPC e HPB.  As compras da distribuidora são feitas junto a industria farmacêutica.  O armazenamento dos produtos em distribuidoras costuma ter uma área de estocagem em formatos e quantidades grandes (caixas fechadas) com muitas unidades do produto no formato comprado pelo varejo, e posteriormente consumido pelo consumidor.  Diáriamente é feita a resposição dos produtos no armazém de expedição, muitas vezes com separação automatizada (Peem – empresa austriaca eou Knap (americana).
  5. 5. Wms – Distribuidoras farmacêutica. – Pedidos de Vendas.  Algumas distribuidoras utilizam diversos canais de vendas (vendedor, TLMKT, ECR – Eficient customer response).  A logistica é fator diferencial para as distribuidoras, pois o fator decisivo é a entrega diária e pontual de medicamentos ao varejo. (visto que preços e prazos são as variáveis comerciais que numa economia estável dificultam estratégias genéricas, e levam as empresas a diferenciação – bom nivel de serviço).  O TMS (Gerenciamento de transportes), divide os clientes em rotas, e os clientes dentro das rotas, normalmente já pré-definidas pela previsibilidade de demanda para distribuidoras com boa credibilidade e nivel de serviço para seus clientes.  A expedição é feita observando-se PEPS, e controle do número do lote.  A conferência final dos medicamentos e produtos separados, confirmam a quantidade dos produtos,, geral e por lote, sendo que caso tenha havido erros de captação do lote na ordem PEPS ou data de validade, esse processo garante a emissão correta e coerente da n.f. de vendas, para as informações fidedignas de rastreabilidade.  Os horários de captação de pedidos, de separação e saída dos veiculos a ponto de atender os clientes no horário desejado (inicio da manhã), onde se atende primeiramente as rotas mais distantes, para as mais próximas.  É comum a identificação das caixas de entrega, separando medicamentos de produtos hpb e hpc, e sendo controladas na entrega, e no retorno dos recipientes.  O envio de XML ao varejo antecipadamente é uma prática para melhorar a conferencia comercial / tributária dos clientes.
  6. 6. Wms – Varejo – Farmácias.  O varejo utiliza ECR de forma fiel, ou compara diversos ECR, e define forncedor dia a dia, conforme preços e nivel de serviço logistico.  Recebe as mercadorias das distribuidoras.  Repõe suas prateleiras diretamente no espaço da farmácia, e em diversos casos, direciona para o armazenamento no estoque no fundo da farmácia, e posteriormente se controla a reposição para o ponto de venda.  O varejo com diversas lojas deve acessar e visualizar via sistema das outras lojas, e verificar a entrega direta na residencia do cliente, ou a transferencia para a farmácia, e posterior atendimento do cliente.  Para os produtos indicados pela Anvisa (tarja vermelha, preta), efetuar controle obrigatório do lote do fabricante (receita, reter via original do prof. Saúde).  Utilizar PEPS para demais produtos, para manter produtos mais novos na loja, e “desovar” os produtos mais antigos.
  7. 7. Wms – Varejo – Farmácias.  O Varejo deve localizar produtos em áreas nobres, para aqueles produtos diferenciais ao cliente, e que este possa optar. (não usar essas áreas para medicamentos de uso obrigátório ou receitados obrigatóricmente).  Gerenciar o prazo de validade, e buscar devolver os medicamentos que estejam muito proximos ao vencimento, e que não permitam as hábitos de receitas, permitir que o cliente (paciente) consumo os medicamentos.  Efetuar CRM e vendas pró-ativas para clientes que consumam produtos de uso continuo, ou com constancia por hábito ou opção (ex. ginkgo biloba – no máximo 11 meses por ano, Omega 3, etc).  Livros eletronicos de medicamentos.  Inventário rotativo, por região dos endereços (prateleiras) na loja, ou no estoque no fundo da loja.
  8. 8. Wms – Varejo – Farmácias.  O varejo utiliza ECR de forma fiel, ou compara diversos ECR, e define forncedor dia a dia, conforme preços e nivel de serviço logistico.  Recebe as mercadorias das distribuidoras.  Repõe suas prateleiras diretamente no espaço da farmácia, e em diversos casos, direciona para o armazenamento no estoque no fundo da farmácia, e posteriormente se controla a reposição para o ponto de venda.  O varejo com diversas lojas deve acessar e visualizar via sistema das outras lojas, e verificar a entrega direta na residencia do cliente, ou a transferencia para a farmácia, e posterior atendimento do cliente.  Para os produtos indicados pela Anvisa (tarja vermelha, preta), efetuar controle obrigatório do lote do fabricante (receita, reter via original do prof. Saúde).  Utilizar PEPS para demais produtos, para manter produtos mais novos na loja, e “desovar” os produtos mais antigos.
  9. 9. Wms – Clinicas e Consultórios.  Controlar a recepção das amostras grátis e produtos injetáveis e outros permitidos para ministrar nas clinicas.  Via receituário identificar os lotes consumidos por paciente. (receita).
  10. 10. Wms – Rastreabilidade e Identificação consumidores por lote / retirada produtos mercado.  A indústria através matéria prima ou processo industrial que tenha causado falhas na fabricação, identifica os produtos, e lotes que tenham que ser “recolhidos / retirados” do mercado.  A distribuidora identifica as farmácias que possuem tais lotes, e solicita sua devolução para troca com lotes sem falhas na fabricação.  A distribuidora providencia quando aplicável a incineração de produtos com falhas a exemplo dos vencidos, ou entrega estes ao fabricante.  A Farmácia, hospitais, clinicas e consultórios identificam o paciente que tenha consumido os lotes dos produtos indicados.  Os paciente devem olhar na embalagem ou receita os lotes que consumiu, para procurar imediatamente seu médico e orgãos legais.
  11. 11. WMS / TMS – Conclusão.  O Wms é essencial para organizar e agilizar a movimentação dos medicamentos e estar integrado ao TMS.  A cadeia deve ser tratada de forma integral.

×