SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
SAIR
SAIR
Dispensação de Medicamentos
SAIR
Dispensação de Medicamentos
A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de
Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no
sistema de saúde.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de
Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no
sistema de saúde.
A dispensação de medicamentos feita com qualidade é fundamental para que a
terapêutica medicamentosa do paciente alcance bons resultados. Os farmacêuticos
que atuam nas mais diversas áreas devem conhecer as Boas Práticas de Farmácia e
de dispensação, seja em nível hospitalar ou ambulatorial, na manipulação ou na
drogaria, na rede privada ou na rede pública de saúde.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de
Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no
sistema de saúde.
A dispensação de medicamentos feita com qualidade é fundamental para que a
terapêutica medicamentosa do paciente alcance bons resultados. Os farmacêuticos
que atuam nas mais diversas áreas devem conhecer as Boas Práticas de Farmácia e
de dispensação, seja em nível hospitalar ou ambulatorial, na manipulação ou na
drogaria, na rede privada ou na rede pública de saúde.
De acordo com a Política Nacional de Medicamentos, a dispensação é o ato do
profissional farmacêutico de proporcionar um ou mais medicamentos a um
paciente, geralmente como resposta à apresentação de uma receita elaborada por
um profissional autorizado. Nesse ato, o farmacêutico informa e orienta o paciente
sobre o uso adequado do medicamento. São considerados elementos importantes
que merecem a orientação do farmacêutico:
SAIR
Dispensação de Medicamentos
A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de
Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no
sistema de saúde.
A dispensação de medicamentos feita com qualidade é fundamental para que a
terapêutica medicamentosa do paciente alcance bons resultados. Os farmacêuticos
que atuam nas mais diversas áreas devem conhecer as Boas Práticas de Farmácia e
de dispensação, seja em nível hospitalar ou ambulatorial, na manipulação ou na
drogaria, na rede privada ou na rede pública de saúde.
De acordo com a Política Nacional de Medicamentos, a dispensação é o ato do
profissional farmacêutico de proporcionar um ou mais medicamentos a um
paciente, geralmente como resposta à apresentação de uma receita elaborada por
um profissional autorizado. Nesse ato, o farmacêutico informa e orienta o paciente
sobre o uso adequado do medicamento. São considerados elementos importantes
que merecem a orientação do farmacêutico:
- Ênfase no cumprimento da dosagem prescrita;
- Interação do medicamento prescrito com alimentos e/ou com
outros medicamentos;
SAIR
Dispensação de Medicamentos
- Reconhecimento de reações adversas potenciais;
- Condições de armazenamento e conservação dos produtos.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
- Reconhecimento de reações adversas potenciais;
- Condições de armazenamento e conservação dos produtos.
O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja
entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam
fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado
de forma a preservar a qualidade do produto.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
- Reconhecimento de reações adversas potenciais;
- Condições de armazenamento e conservação dos produtos.
O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja
entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam
fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado
de forma a preservar a qualidade do produto.
Desta forma, as boas práticas de dispensação auxiliam na promoção do Uso
Racional de Medicamentos, em consonância com as políticas vigentes.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
- Reconhecimento de reações adversas potenciais;
- Condições de armazenamento e conservação dos produtos.
O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja
entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam
fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado
de forma a preservar a qualidade do produto.
Desta forma, as boas práticas de dispensação auxiliam na promoção do Uso
Racional de Medicamentos, em consonância com as políticas vigentes.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda-se que o
processo de dispensação seja feito de acordo com os seguintes passos:
SAIR
Dispensação de Medicamentos
- Reconhecimento de reações adversas potenciais;
- Condições de armazenamento e conservação dos produtos.
O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja
entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam
fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado
de forma a preservar a qualidade do produto.
Desta forma, as boas práticas de dispensação auxiliam na promoção do Uso
Racional de Medicamentos, em consonância com as políticas vigentes.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda-se que o
processo de dispensação seja feito de acordo com os seguintes passos:
1. Receber a prescrição do medicamento (verificar sua integridade).
2. Interpretar a prescrição (verificar sua adequação ao paciente).
3. Aviar o medicamento prescrito (efetuar de acordo com a norma
correspondente para o medicamento aviado).
4. Comunicar o paciente (enfatizar as informações básicas para o uso
racional dos medicamentos prescritos).
SAIR
Dispensação de Medicamentos
5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de
medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas,
técnicas e éticas).
SAIR
Dispensação de Medicamentos
5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de
medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas,
técnicas e éticas).
A ANVISA, por meio da Resolução nº 328, de 22 de julho de 1999, estabelece o
regulamento técnico sobre as Boas Práticas de Dispensação de medicamentos em
farmácias e drogarias. Determina adequação da infra-estrutura física e instalações,
estrutura de recursos humanos, de documentação e para aplicação de injetáveis.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de
medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas,
técnicas e éticas).
A ANVISA, por meio da Resolução nº 328, de 22 de julho de 1999, estabelece o
regulamento técnico sobre as Boas Práticas de Dispensação de medicamentos em
farmácias e drogarias. Determina adequação da infra-estrutura física e instalações,
estrutura de recursos humanos, de documentação e para aplicação de injetáveis.
O Conselho Federal de Farmácia (CFF) publicou em 20 de abril de 2001 as Boas
Práticas de Farmácia, através da Resolução no 357 e alterada, depois,
pela Resolução no 416/04. Em 2011, o CFF publicou a Resolução no 546, que
dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos
de prescrição e o seu registro.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de
medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas,
técnicas e éticas).
A ANVISA, por meio da Resolução nº 328, de 22 de julho de 1999, estabelece o
regulamento técnico sobre as Boas Práticas de Dispensação de medicamentos em
farmácias e drogarias. Determina adequação da infra-estrutura física e instalações,
estrutura de recursos humanos, de documentação e para aplicação de injetáveis.
O Conselho Federal de Farmácia (CFF) publicou em 20 de abril de 2001 as Boas
Práticas de Farmácia, através da Resolução no 357 e alterada, depois,
pela Resolução no 416/04. Em 2011, o CFF publicou a Resolução no 546, que
dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos
de prescrição e o seu registro.
Através destas resoluções, o CFF orienta os profissionais farmacêuticos ao exercício
da profissão, bem como da direção, administração e responsabilidade técnica de
estabelecimentos farmacêuticos.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
Assim como o ato da prescrição, o ato da dispensação também
envolve aspectos éticos, disposto no Código de Ética Farmacêutico. É
dever do farmacêutico exercer a atenção farmacêutica e fornecer
informações ao usuário dos serviços, sendo vedado ao mesmo expor,
dispensar, ou permitir que seja dispensado medicamento em
contrariedade à legislação vigente.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
Assim como o ato da prescrição, o ato da dispensação também
envolve aspectos éticos, disposto no Código de Ética Farmacêutico. É
dever do farmacêutico exercer a atenção farmacêutica e fornecer
informações ao usuário dos serviços, sendo vedado ao mesmo expor,
dispensar, ou permitir que seja dispensado medicamento em
contrariedade à legislação vigente.
Portanto, a dispensação de medicamentos não é o simples ato de entregar o
medicamento ao paciente. O farmacêutico, sendo co-responsável pela
farmacoterapia, assume a responsabilidade pelo bom uso dos medicamentos
adquiridos pelo paciente.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
Assim como o ato da prescrição, o ato da dispensação também
envolve aspectos éticos, disposto no Código de Ética Farmacêutico. É
dever do farmacêutico exercer a atenção farmacêutica e fornecer
informações ao usuário dos serviços, sendo vedado ao mesmo expor,
dispensar, ou permitir que seja dispensado medicamento em
contrariedade à legislação vigente.
Portanto, a dispensação de medicamentos não é o simples ato de entregar o
medicamento ao paciente. O farmacêutico, sendo co-responsável pela
farmacoterapia, assume a responsabilidade pelo bom uso dos medicamentos
adquiridos pelo paciente.
Existem algumas estratégias que o farmacêutico pode fazer uso a fim de contribuir
para a otimização dos benefícios e minimização dos riscos associados ao uso de
medicamentos. Uma delas é a Atenção Farmacêutica, compreendida como uma
filosofia de prática farmacêutica, que cria uma inter-relação entre o farmacêutico e
o paciente. Através do seguimento farmacoterapêutico, o paciente pode melhorar a
adesão ao tratamento, prevenir e manejar possíveis problemas relacionados à
farmacoterapia.
SAIR
Dispensação de Medicamentos
Por fim, o repasse de informações, instruções e advertências sobre o
tratamento farmacológico e não-farmacológico, assim como a
monitorização, podem auxiliar o paciente a compreender melhor a
importância do uso do medicamento. Esta deve ser uma
responsabilidade compartilhada de todos os profissionais de saúde,
prescritores e dispensadores.
SAIR
FIM da Aula

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologiamarigrace23
 
Balconista de farmacia
Balconista de farmaciaBalconista de farmacia
Balconista de farmaciaFARLEY SANTOS
 
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasFarmacêutico Digital
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaFarmacêutico Digital
 
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentosAtendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentosLuis Antonio Cezar Junior
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)Elizeu Ferro
 
Atendente de Farmácia
Atendente de FarmáciaAtendente de Farmácia
Atendente de FarmáciaJade Oliveira
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)Elizeu Ferro
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaPatrícia Lopes
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara motaClara Mota Brum
 
Classificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfClassificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfCASA
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaCassyano Correr
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosLuis Antonio Cezar Junior
 
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para FarmacêuticosPrincípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para Farmacêuticosfarmwaine
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara motaClara Mota Brum
 
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaAtendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaLuis Antonio Cezar Junior
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologiaJaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Balconista de farmacia
Balconista de farmaciaBalconista de farmacia
Balconista de farmacia
 
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas FarmacêuticasPES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
PES 2.0 Dispensação de Medicamentos e Formas Farmacêuticas
 
1ª aula atendente de farmácia
1ª aula atendente de farmácia1ª aula atendente de farmácia
1ª aula atendente de farmácia
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentosAtendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
Atendente de Farmácia - Recebimento e armazenamento de medicamentos
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
 
Atendente de Farmácia
Atendente de FarmáciaAtendente de Farmácia
Atendente de Farmácia
 
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Classificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfClassificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdf
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para FarmacêuticosPrincípios de Gestão para Farmacêuticos
Princípios de Gestão para Farmacêuticos
 
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
Aula 10   farmacologia - prof. clara motaAula 10   farmacologia - prof. clara mota
Aula 10 farmacologia - prof. clara mota
 
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmáciaAtendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
Atendente de Farmácia - Origem e evolução da farmácia
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 

Destaque

08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)Elizeu Ferro
 
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)Elizeu Ferro
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)Elizeu Ferro
 
Procedimentos x cbo pneumo
Procedimentos x cbo  pneumoProcedimentos x cbo  pneumo
Procedimentos x cbo pneumoCarmo Sedicias
 
Viagem pelo mundo farmacias
Viagem pelo mundo farmaciasViagem pelo mundo farmacias
Viagem pelo mundo farmaciasJose Santos
 
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)Elizeu Ferro
 
Bpa importando txt da produção mensal2
Bpa   importando txt da produção mensal2Bpa   importando txt da produção mensal2
Bpa importando txt da produção mensal2Leonardo Alves
 
Farmácia popular do brasil
Farmácia popular do brasilFarmácia popular do brasil
Farmácia popular do brasilAnderson Rola
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)Elizeu Ferro
 
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)Elizeu Ferro
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSLeonardo Souza
 
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasAtendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasLuis Antonio Cezar Junior
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicaçãoAndréa Dantas
 

Destaque (19)

08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
 
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
 
Curso atendente de farmácias e drogarias22
 Curso atendente de farmácias e drogarias22 Curso atendente de farmácias e drogarias22
Curso atendente de farmácias e drogarias22
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Procedimentos x cbo pneumo
Procedimentos x cbo  pneumoProcedimentos x cbo  pneumo
Procedimentos x cbo pneumo
 
Viagem pelo mundo farmacias
Viagem pelo mundo farmaciasViagem pelo mundo farmacias
Viagem pelo mundo farmacias
 
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
 
Bpa importando txt da produção mensal2
Bpa   importando txt da produção mensal2Bpa   importando txt da produção mensal2
Bpa importando txt da produção mensal2
 
Farmácia popular do brasil
Farmácia popular do brasilFarmácia popular do brasil
Farmácia popular do brasil
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
 
Farmacia Popular
Farmacia PopularFarmacia Popular
Farmacia Popular
 
RDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISARDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISA
 
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
 
Atendente de Farmácia - Antibioticos
Atendente de Farmácia - AntibioticosAtendente de Farmácia - Antibioticos
Atendente de Farmácia - Antibioticos
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticasAtendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
Atendente de Farmácia - Formas farmacêuticas
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
 

Semelhante a 10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)

Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDOPrescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDOfarmaefarma
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisacarolinylimadocarmo
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfNaidilene Aguilar
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdffarmaefarma
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticafarmaefarma
 
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdfboas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdfAnieleLarice
 
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)ARNON ANDRADE
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfDaiane Santos
 
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicosRegulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicosSimone Coulaud
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfProfYasminBlanco
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxProfYasminBlanco
 
Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...
Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...
Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...Luiz Marcelo Abate de Siqueira
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadofarmaefarma
 
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarAtenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarRodrigo Xavier
 
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiaAtenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiafarmwaine
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...LanaMonteiro8
 

Semelhante a 10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia) (20)

Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDOPrescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
Prescrição Farmacêutica Especialização UNIVALI Serviços RINALDO
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisa
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
 
Farmacoté..
Farmacoté..Farmacoté..
Farmacoté..
 
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdfboas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
boas-praticas-farmaceuticas-em-farmacias-e-drogarias.pdf
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
 
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
Aquisicao de medicamentos_para_a_af_no_sus (1)
 
Farmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdfFarmcia clnica.apostila pdf
Farmcia clnica.apostila pdf
 
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicosRegulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
Regulação brasileira em plantas medicinais e fitoterápicos
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdfatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pdf
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
 
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdfUFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
 
Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...
Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...
Sac 3 inova a interacao com pacientes, valorizando a assistencia farmaceutica...
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
 
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarAtenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
 
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologiaAtenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica em cronologia
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
 

Mais de Elizeu Ferro

07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)Elizeu Ferro
 
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)Elizeu Ferro
 
02 atendente de farmácia (farmacologia)
02   atendente de farmácia (farmacologia)02   atendente de farmácia (farmacologia)
02 atendente de farmácia (farmacologia)Elizeu Ferro
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)Elizeu Ferro
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)Elizeu Ferro
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)Elizeu Ferro
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)Elizeu Ferro
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)Elizeu Ferro
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)Elizeu Ferro
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)Elizeu Ferro
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)Elizeu Ferro
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)Elizeu Ferro
 
07 administração (controle de produção parte 1)
07   administração (controle de produção parte 1)07   administração (controle de produção parte 1)
07 administração (controle de produção parte 1)Elizeu Ferro
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)Elizeu Ferro
 
05 administração (planejamento financeiro)
05   administração (planejamento financeiro)05   administração (planejamento financeiro)
05 administração (planejamento financeiro)Elizeu Ferro
 

Mais de Elizeu Ferro (20)

07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
 
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
 
02 atendente de farmácia (farmacologia)
02   atendente de farmácia (farmacologia)02   atendente de farmácia (farmacologia)
02 atendente de farmácia (farmacologia)
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)
 
07 administração (controle de produção parte 1)
07   administração (controle de produção parte 1)07   administração (controle de produção parte 1)
07 administração (controle de produção parte 1)
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)
 
05 administração (planejamento financeiro)
05   administração (planejamento financeiro)05   administração (planejamento financeiro)
05 administração (planejamento financeiro)
 

Último

ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptxthaisamaral9365923
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?Rosalina Simão Nunes
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfArthurRomanof1
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxkarinedarozabatista
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 

Último (20)

ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 

10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)

  • 3. SAIR Dispensação de Medicamentos A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no sistema de saúde.
  • 4. SAIR Dispensação de Medicamentos A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no sistema de saúde. A dispensação de medicamentos feita com qualidade é fundamental para que a terapêutica medicamentosa do paciente alcance bons resultados. Os farmacêuticos que atuam nas mais diversas áreas devem conhecer as Boas Práticas de Farmácia e de dispensação, seja em nível hospitalar ou ambulatorial, na manipulação ou na drogaria, na rede privada ou na rede pública de saúde.
  • 5. SAIR Dispensação de Medicamentos A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no sistema de saúde. A dispensação de medicamentos feita com qualidade é fundamental para que a terapêutica medicamentosa do paciente alcance bons resultados. Os farmacêuticos que atuam nas mais diversas áreas devem conhecer as Boas Práticas de Farmácia e de dispensação, seja em nível hospitalar ou ambulatorial, na manipulação ou na drogaria, na rede privada ou na rede pública de saúde. De acordo com a Política Nacional de Medicamentos, a dispensação é o ato do profissional farmacêutico de proporcionar um ou mais medicamentos a um paciente, geralmente como resposta à apresentação de uma receita elaborada por um profissional autorizado. Nesse ato, o farmacêutico informa e orienta o paciente sobre o uso adequado do medicamento. São considerados elementos importantes que merecem a orientação do farmacêutico:
  • 6. SAIR Dispensação de Medicamentos A dispensação de medicamentos e as Boas Práticas de Farmácia devem ser o foco principal da atuação do farmacêutico no sistema de saúde. A dispensação de medicamentos feita com qualidade é fundamental para que a terapêutica medicamentosa do paciente alcance bons resultados. Os farmacêuticos que atuam nas mais diversas áreas devem conhecer as Boas Práticas de Farmácia e de dispensação, seja em nível hospitalar ou ambulatorial, na manipulação ou na drogaria, na rede privada ou na rede pública de saúde. De acordo com a Política Nacional de Medicamentos, a dispensação é o ato do profissional farmacêutico de proporcionar um ou mais medicamentos a um paciente, geralmente como resposta à apresentação de uma receita elaborada por um profissional autorizado. Nesse ato, o farmacêutico informa e orienta o paciente sobre o uso adequado do medicamento. São considerados elementos importantes que merecem a orientação do farmacêutico: - Ênfase no cumprimento da dosagem prescrita; - Interação do medicamento prescrito com alimentos e/ou com outros medicamentos;
  • 7. SAIR Dispensação de Medicamentos - Reconhecimento de reações adversas potenciais; - Condições de armazenamento e conservação dos produtos.
  • 8. SAIR Dispensação de Medicamentos - Reconhecimento de reações adversas potenciais; - Condições de armazenamento e conservação dos produtos. O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado de forma a preservar a qualidade do produto.
  • 9. SAIR Dispensação de Medicamentos - Reconhecimento de reações adversas potenciais; - Condições de armazenamento e conservação dos produtos. O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado de forma a preservar a qualidade do produto. Desta forma, as boas práticas de dispensação auxiliam na promoção do Uso Racional de Medicamentos, em consonância com as políticas vigentes.
  • 10. SAIR Dispensação de Medicamentos - Reconhecimento de reações adversas potenciais; - Condições de armazenamento e conservação dos produtos. O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado de forma a preservar a qualidade do produto. Desta forma, as boas práticas de dispensação auxiliam na promoção do Uso Racional de Medicamentos, em consonância com as políticas vigentes. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda-se que o processo de dispensação seja feito de acordo com os seguintes passos:
  • 11. SAIR Dispensação de Medicamentos - Reconhecimento de reações adversas potenciais; - Condições de armazenamento e conservação dos produtos. O ato da dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja acondicionado de forma a preservar a qualidade do produto. Desta forma, as boas práticas de dispensação auxiliam na promoção do Uso Racional de Medicamentos, em consonância com as políticas vigentes. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda-se que o processo de dispensação seja feito de acordo com os seguintes passos: 1. Receber a prescrição do medicamento (verificar sua integridade). 2. Interpretar a prescrição (verificar sua adequação ao paciente). 3. Aviar o medicamento prescrito (efetuar de acordo com a norma correspondente para o medicamento aviado). 4. Comunicar o paciente (enfatizar as informações básicas para o uso racional dos medicamentos prescritos).
  • 12. SAIR Dispensação de Medicamentos 5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas, técnicas e éticas).
  • 13. SAIR Dispensação de Medicamentos 5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas, técnicas e éticas). A ANVISA, por meio da Resolução nº 328, de 22 de julho de 1999, estabelece o regulamento técnico sobre as Boas Práticas de Dispensação de medicamentos em farmácias e drogarias. Determina adequação da infra-estrutura física e instalações, estrutura de recursos humanos, de documentação e para aplicação de injetáveis.
  • 14. SAIR Dispensação de Medicamentos 5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas, técnicas e éticas). A ANVISA, por meio da Resolução nº 328, de 22 de julho de 1999, estabelece o regulamento técnico sobre as Boas Práticas de Dispensação de medicamentos em farmácias e drogarias. Determina adequação da infra-estrutura física e instalações, estrutura de recursos humanos, de documentação e para aplicação de injetáveis. O Conselho Federal de Farmácia (CFF) publicou em 20 de abril de 2001 as Boas Práticas de Farmácia, através da Resolução no 357 e alterada, depois, pela Resolução no 416/04. Em 2011, o CFF publicou a Resolução no 546, que dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos de prescrição e o seu registro.
  • 15. SAIR Dispensação de Medicamentos 5. Registrar/documentar as atividades de dispensação de medicamentos (levar em conta as necessidades administrativas, técnicas e éticas). A ANVISA, por meio da Resolução nº 328, de 22 de julho de 1999, estabelece o regulamento técnico sobre as Boas Práticas de Dispensação de medicamentos em farmácias e drogarias. Determina adequação da infra-estrutura física e instalações, estrutura de recursos humanos, de documentação e para aplicação de injetáveis. O Conselho Federal de Farmácia (CFF) publicou em 20 de abril de 2001 as Boas Práticas de Farmácia, através da Resolução no 357 e alterada, depois, pela Resolução no 416/04. Em 2011, o CFF publicou a Resolução no 546, que dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos de prescrição e o seu registro. Através destas resoluções, o CFF orienta os profissionais farmacêuticos ao exercício da profissão, bem como da direção, administração e responsabilidade técnica de estabelecimentos farmacêuticos.
  • 16. SAIR Dispensação de Medicamentos Assim como o ato da prescrição, o ato da dispensação também envolve aspectos éticos, disposto no Código de Ética Farmacêutico. É dever do farmacêutico exercer a atenção farmacêutica e fornecer informações ao usuário dos serviços, sendo vedado ao mesmo expor, dispensar, ou permitir que seja dispensado medicamento em contrariedade à legislação vigente.
  • 17. SAIR Dispensação de Medicamentos Assim como o ato da prescrição, o ato da dispensação também envolve aspectos éticos, disposto no Código de Ética Farmacêutico. É dever do farmacêutico exercer a atenção farmacêutica e fornecer informações ao usuário dos serviços, sendo vedado ao mesmo expor, dispensar, ou permitir que seja dispensado medicamento em contrariedade à legislação vigente. Portanto, a dispensação de medicamentos não é o simples ato de entregar o medicamento ao paciente. O farmacêutico, sendo co-responsável pela farmacoterapia, assume a responsabilidade pelo bom uso dos medicamentos adquiridos pelo paciente.
  • 18. SAIR Dispensação de Medicamentos Assim como o ato da prescrição, o ato da dispensação também envolve aspectos éticos, disposto no Código de Ética Farmacêutico. É dever do farmacêutico exercer a atenção farmacêutica e fornecer informações ao usuário dos serviços, sendo vedado ao mesmo expor, dispensar, ou permitir que seja dispensado medicamento em contrariedade à legislação vigente. Portanto, a dispensação de medicamentos não é o simples ato de entregar o medicamento ao paciente. O farmacêutico, sendo co-responsável pela farmacoterapia, assume a responsabilidade pelo bom uso dos medicamentos adquiridos pelo paciente. Existem algumas estratégias que o farmacêutico pode fazer uso a fim de contribuir para a otimização dos benefícios e minimização dos riscos associados ao uso de medicamentos. Uma delas é a Atenção Farmacêutica, compreendida como uma filosofia de prática farmacêutica, que cria uma inter-relação entre o farmacêutico e o paciente. Através do seguimento farmacoterapêutico, o paciente pode melhorar a adesão ao tratamento, prevenir e manejar possíveis problemas relacionados à farmacoterapia.
  • 19. SAIR Dispensação de Medicamentos Por fim, o repasse de informações, instruções e advertências sobre o tratamento farmacológico e não-farmacológico, assim como a monitorização, podem auxiliar o paciente a compreender melhor a importância do uso do medicamento. Esta deve ser uma responsabilidade compartilhada de todos os profissionais de saúde, prescritores e dispensadores.