CLÁSSICO E ROMÂNTICOARGAN, GIULIO CARLO. A                                              ARTEMODERNA: DO ILUMINISMO AOS MOV...
Clássico e Romântico   A arte do sec. XIX e XX são frutos da dialética entre o clássico    e romântico.   Clássico diz r...
Clássico e Romântico   É a partir desta época que tratados ou preceitísticas do    renascimento e do barroco são substiut...
Clássico e Romântico   A arte agora é autônoma, seu problema passa a ser de    articulação com outras atividades, seu lug...
Clássico e Romântico   O neoclássico marca então a postura predominantemente    racional, ao passo que o romântico busca ...
Clássico e Romântico    A poética do sublime e do Sturm um Drang contra a poética do     pitoresco.    No pitoresco, a n...
Clássico e Romântico   Neste processo, é a arte romântica que implica uma tomada    de posição frente à história da arte....
Clássico e Romântico   Esta busca pelo universalismo na arte, visa encontrar nas    nações a sua história. O sentimento d...
Clássico e Romântico   A arte era vista como o ápice da produção artesanal, e com a    passagem da tecnologia do artesana...
Clássico e Romântico   Existe o belo romântico do pitoresco, que é subjetivo,    característico e mutável.   O belo clás...
Clássico e Romântico   O pintor e tratadista Alexander Golzens esclarece:       A natureza é uma fonte de estímulos a qu...
Clássico e Romântico       O valor que os artista buscam é a variedade, a variedade das        aparências que dá um senti...
Clássico e Romântico   Educar a natureza é não destruir sua espontaneidade é a    busca do artista no que chamamos jardin...
Clássico e Romântico   No pitoresco, as tonalidades são quentes e luminosas, os traços    são vivazes e se opõem ao relev...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Clássico e romântico [modo de compatibilidade]

4.269 visualizações

Publicada em

Ficha Resumo do texto Cássico e Romântico.
A arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 2004, cap. 1, 11-20p. Feito pela Arquiteta e professora Viviane Marques.

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.269
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Clássico e romântico [modo de compatibilidade]

  1. 1. CLÁSSICO E ROMÂNTICOARGAN, GIULIO CARLO. A ARTEMODERNA: DO ILUMINISMO AOS MOVIMENTOS CONTEMPORÂNEOS. SÃO PAULO: COMPANHIADAS LETRAS, 2004, CAP. 1, 11-20P.História da ArteProf. Viviane Marques
  2. 2. Clássico e Romântico A arte do sec. XIX e XX são frutos da dialética entre o clássico e romântico. Clássico diz respeito ao mundo antigo greco-romano, ao renascimento e a cultura humanista do sec. XV e XVI, no mundo mediterrâneo onde a relação entre o homem e a natureza é clara e positiva. Romântico, refere à arte cristã, no seu apogeu da idade média ao românico e ao gótico do mundo nórdico, onde a natureza é considerada uma força misteriosa e hóstil. Em ambas as visões a arte é considera a revelação do sagrado e tem necessariamente uma essência religiosa. Nesta fase da metade do sec. XVIII a metade do sec. XIX, inicia-se a teorização de períodos com um novo significado, a de transpô-los da ordem dos fatos para a ordem das idéias ou modelos.
  3. 3. Clássico e Romântico É a partir desta época que tratados ou preceitísticas do renascimento e do barroco são substiutídos, a um nível teórico mais elevado, por uma filosofia da arte (estética). Com a formação da estética, a atividade do artista não é mais considerada como um meio de conhecimento do real, da transcedência religiosa ou exortação moral. O mundo e o homem entram em crise, a arte é dual, teoria versus práxis e intelectualismo versus cientificismo. A atividade artística torna-se uma experi~encia primária e não mais derivada, sem outros fins além do seu próprio fazer- se. É assim que surge a oposição entre a certeza teórica do clássico e a intencionalidade do romântico.
  4. 4. Clássico e Romântico A arte agora é autônoma, seu problema passa a ser de articulação com outras atividades, seu lugar e sua função no quadro cultural e social. È o mundo do Iluminismo, e a natureza não´é mais a ordem revelada e imutável da criação, mas o ambiente da existência humana; não é mais o modelo universal, mas o estímulo a que cada um reage diferente; não é mais a fonte de todo o saber, mas o objeto da pesquisa cognitiva. O homem moderno modifica a realidade objetiva, principalmente nas coisas concretas, como a arquitetura e a decoração, dentro de uma nova noção e consciência. A ideologia é da imagem formada pela mente com eu gostaria que fosse tal realidade.
  5. 5. Clássico e Romântico O neoclássico marca então a postura predominantemente racional, ao passo que o romântico busca uma atitude passional. No mundo temos:  A poética inglesa do sublime e do horror e a poética alemã do Sturm und Drang;  O neoclássico coincidindo com a Revolução Francesa e o Império Napoleônico;  A reação romântica, na intolerância burguesa às restaurações monárquicas, os movimentos de independência nacional e as primeiras reinvidicações operárias entre 1820 e 1850. Toda esta situação tem como conseqüência:  A visão romântica considerada pitoresca, onde a arte que não imita nem representa, mas está em cossonância com o Iuminismo, opera sobre a natureza, modificando-a, corrigindo-a, adaptando-a aos sentimentos humanos e as oportunidades de vida social, istoé, colocando-a como ambiente de vida.
  6. 6. Clássico e Romântico  A poética do sublime e do Sturm um Drang contra a poética do pitoresco.  No pitoresco, a natureza é um ambiente variado, acolhedor, propício, que favorece nos indivíduos o desenvolvimento dos sentimentos sociais.  O sublime é o ambiente misterioso e hóstil, que desenvolve na pessoa, o sentimento de solidão e individualidade e da desesperada tragicidade do existir.  È no sublime que se dá o proto-romantismo e os modelos são buscados nas formas clássicas.  A arte clássica é dada como arquétipo da arte, os artistas não a repetem academicamente, mas aspiram a sua perfeição com uma tensão nitidamente romântica.  O neoclassicismo revela que a arte não nasce da natureza, mas da própria arte e não somente implica um pensamento da arte, mas um pensar por imagens não menos legítimo que o pensamento por puros conceitos.
  7. 7. Clássico e Romântico Neste processo, é a arte romântica que implica uma tomada de posição frente à história da arte. A arte greco-romana se identifica com o próprio conceito de arte, são os exemplos supremos da civilização, mas não prosseguem no presente e não ajudam a resolver seus problemas. Mas é só com os impressionistas que a arte greco- romana sairá definitivamente do horizonte da arte. A arte antiga pode ser evocada e imitada, pode ser revivida em sonhos, reanimada com a imaginação ou violentamente recusada. A busca pelo padrão clássico no neoclassicismo, mostra um ideal que não é imóvel, mas que possui um sentido ético- ideológico entre a liberdade e o dever. Deve se buscar no clássico, o valor absoluto e universal, que transcende e anula as tradições e as escolas nacionais.
  8. 8. Clássico e Romântico Esta busca pelo universalismo na arte, visa encontrar nas nações a sua história. O sentimento do seu povo, as razões de uma autonomia própria e numa raiz ideal comum que era o cristianismo, o conteúdo para a coexistência civil. O romantismo por sua vez, é a alternativa dialética com o neoclássico, opondo a sua racionalidade e prenunciando a religiosidade intrínseca da arte. O fim do clássico é o início do romântico ou moderno e mesmo da civilização contemporânea. A transformação da tecnologia, a transformação da organização da produção econômica e da ordem social, a transformação das estruturas e da finalidade da arte são o ápice na virada contemporânea.
  9. 9. Clássico e Romântico A arte era vista como o ápice da produção artesanal, e com a passagem da tecnologia do artesanato para a tecnologia industrial começa a crise da arte. Os artistas tornam se intelectuais em tensão com a classe dirigente a que pertenciam, repudiam a burguesia, desprezam seu conformismo e negocismo, e principalmente sua mediocridade cultural. No plano tecnológico, há um rápido desenvolvimento do sistema industrial, o que gera à mudanças contínuas e quase ansiosas das tendências artísticas que não querem ficar para trás, das poéticas ou correntes que disputam o sucesso e que são permeadas por uma ânsia de reformismo e modernismo. O belo não é mais objetivo é sim subjetivo.
  10. 10. Clássico e Romântico Existe o belo romântico do pitoresco, que é subjetivo, característico e mutável. O belo clássico do sublime, que é objetivo, universal e imutável. A natureza agora é apreendida com o intelecto, percebida pelos sentidos e o homem a modifica com o agir. È o mundo da realidade interiorizada que tem na mente todos os seus possíveis desenvolvimentos mesmo de ordem moral. É no pensamento Iluminista que nasce a tecnologia moderna, que não obedece à natureza, mas a transforma. O pitoresco é uma qualidade que repercute na natureza pelo gosto dos pintores e especialmente dos pintores barrocos.
  11. 11. Clássico e Romântico O pintor e tratadista Alexander Golzens esclarece:  A natureza é uma fonte de estímulos a que correspondem sensações que o artista esclarece e transmite;  As sensações visuais se apresentam como manchas mais claras, mais escuras, variegadamente coloridas, e não num esquema geométrico da perspectiva clássica;  O dado sensorial é naturalmente comum a todos, mas o artista elabora com sua técnica mental e manual, e assim orienta a experiência que as pessoas tem do mundo, ensinando a coordenar as sensações e emoções e também atendendo com o paisagismo à função educativa que o iluminismo setecentista atribuía aos artistas;  O ensino não consiste em decifrar manchas imprecisas em relação ao objeto que correspondem, o que destruiria a sensação primária, mas em esclarecer o significado e o valor da sensação tal como é, tendo em vista uma experiência não-nocional ou particularista do real;
  12. 12. Clássico e Romântico  O valor que os artista buscam é a variedade, a variedade das aparências que dá um sentido à naturesza tal com a variedade dos casos humanos dá à vida;  Não se busca mais o universal do belo, mas o particular do característico;  O característico não se capta com a contemplação, e sim com a argúcia ou a presteza da mente, que permite associar ou combinar idéias- imagens mesmo muito diversas e distantes. Está visão é a poética do pitoresco, que medeia a passagem da sensação ao sentimento, do físico ao moral que o artista- educador é guia dos contemporâneos. O mudo se divide entre o cientificismo objetivista e o subjetivismo romântico. A natureza passa a ser não apenas a fon te de sentimento, ela induz também a pensar, na insignificante pequenez do ser humano frente à imensidão da natureza e suas forças.
  13. 13. Clássico e Romântico Educar a natureza é não destruir sua espontaneidade é a busca do artista no que chamamos jardinagem. O mundo agora se apresenta não mais como o agradável local de variedades, mas como assustador fixidez de valores, não mais como lugar de sociabilidade ilimitada, mas como ponto de angústia da solidão sem esperança. Assim o mundo e o homem se divide na poética do pitoresco e do sublime. No sublime, o homem visionário, angustiado, onde as cores são às vezes foscas e às vezes pálidas, o desenho tem traços marcados e fortes, os gestos são excessivos e as bocas gritantes com olhos arregalados, a figura é fechada num invisível esquema geométrico que aprisiona e anula seus esforços, a inspiração é Michelângelo.
  14. 14. Clássico e Romântico No pitoresco, as tonalidades são quentes e luminosas, os traços são vivazes e se opõem ao relevo e à irregularidade ou mesmo ao caráter das coisas, o repertório é variado, árvore, troncos caídos, manchas de gramas, poças de água, nuvens móveis no céu, choupanas de camponeses, animais no pasto e pequenas figuras, sempre fazendo referência exata ao lugar, sua inspiração são os pintores holandeses. Mas o grande problema deste período foi a relação do indivíduo com a coletividade. Com a sociedade industrial nascente, a arte moderna também é procura, entre indivíduo e coletividade, na busca de uma solução que não anule o uno no múltiplo, nem a liberdade na necessidade.

×