SlideShare uma empresa Scribd logo

Neoclássico

Viviane Marques
Viviane Marques
Viviane MarquesArchitect em Umbu Arquitetura

Aula sobre o Neoclassicismo na pintura, arquitetura e escultura.

Neoclássico

1 de 29
Baixar para ler offline
Neoclássico 
Estética e História da Arte II 
Viviane Marques
Introdução 
• O neoclassicismo é um movimento artístico que, renuncia e critica as formas do 
barroco, reviveu os princípios estéticos da antiguidade clássica, no seu modelo de 
equilíbrio, proporção e clareza. 
• Condenavam o excesso da arte barroca que tinha sede de imaginação e aspirava 
despertá-la nos outros. 
• Entre as mudanças filosóficas, ocorridas com o iluminismo, e as sociais, como a 
revolução francesa, a arte deveria tornar-se eco dos novos ideais da época: 
subjetivismo, liberalismo, ateísmo e democracia. 
• No entanto, eram tantas as mudanças que elas ainda não haviam sido 
suficientemente assimiladas pelos homens da época a ponto de gerar um novo estilo 
artístico que representasse esses valores. 
• O melhor seria recorrer ao que estivesse mais à mão: a equilibrada e democrática 
antiguidade clássica. 
• E foi assim que, com a ajuda da arqueologia (Pompéia tinha sido descoberta em 
1748), arquitetos, pintores e escultores logo encontraram um modelo a seguir. 
• Surgiram os primeiros edifícios em forma de templos gregos, as estátuas alegóricas 
e as pinturas de temas históricos. 
• As encomendas já não vinham do clero e da nobreza, mas da alta burguesia, 
mecenas incondicionais da nova estética. 
• A imagem das cidades mudou completamente. 
• Derrubaram-se edifícios e largas avenidas foram traçadas de acordo com as formas 
monumentais da arquitetura renovada, ainda existente nas mais importantes capitais 
da Europa.
Pintura 
• O tema principal da pintura neoclássica foi a antiguidade greco-romana. 
• Os conceitos e a temática buscaram no retrato definir a individualidade e a 
sociabilidade das pessoas, nos quadros mitológicos evocam o antigo mas com uma 
sensibilidade moderna e nos quadros históricos refletem os ideais civis da época. 
• O fundamental entre todas as artes foi a ideação ou projeto da obra. 
• Era de extrema importância à formação cultural do artista, a qual não se dá pelo 
aprendizado junto aos mestres, e sim em escolas públicas especiais, as academias. 
• Nas academias, o primeiro passo para o artista é desenhar cópias, pretende-se que 
o artista desde o início, não reaja emotivamente ao modelo, mas se prepare para 
traduzir a resposta emotiva em termos conceituais. 
• As figuras pareciam fazer parte de uma encenação teatral e eram desenhadas numa 
posição fixa, como que interrompidas no meio de uma solene representação. 
• Na pureza das linhas e na simplificação da composição, buscava-se uma beleza 
deliberadamente estatuária. 
• Os contornos eram claros e bem delineados, as cores, puras e realistas, e a 
iluminação, límpida. 
• As figuras eram rígidas, sem vida, e os rostos, completamente sem expressão, 
simulavam máscaras das antigas tragédias gregas. 
• As túnicas e capas caíam em dobras pesadas e angulosas, cobrindo as formas do 
corpo. 
• Um enquadramento arquitetônico fechava a composição atrás e nos lados.
JACQUES-LOUIS DAVID, Marat asesinado.1793. 
Óleo sobre lienzo. 165 x 128,3 cm. 
Museo Reales de Bellas Artes. 
Bruselas. Bélgica.
JACQUES-LOUIS DAVID, A Morte de Sócrates, 1787, 
óleo sobre tela, 129.5 x 196.2 cm 
Metropolitan Museum, New York
INGRES, O banho Turco, 1862, 
óleo sobre tela, 108cm, Museu do Louvre, Paris

Recomendados

Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoAna Barreiros
 
A Escultura de Rodin
A Escultura de RodinA Escultura de Rodin
A Escultura de RodinMichele Pó
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAna Barreiros
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaCarlos Pinheiro
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássicaCarla Freitas
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacioAna Barreiros
 
A escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinA escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinCarlos Pinheiro
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismocattonia
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoCarla Freitas
 
Escultura do neoclássico
Escultura do neoclássicoEscultura do neoclássico
Escultura do neoclássicoCarlos Vieira
 
O Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van EyckO Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van EyckElis Avila
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoHca Faro
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barrocacattonia
 
Módulo 7 contexto histórico
Módulo 7   contexto históricoMódulo 7   contexto histórico
Módulo 7 contexto históricoCarla Freitas
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 

Mais procurados (20)

Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Módulo 7 arquitetura neoclássica
Módulo 7   arquitetura neoclássicaMódulo 7   arquitetura neoclássica
Módulo 7 arquitetura neoclássica
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
A escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - RodinA escultura no final do século XIX - Rodin
A escultura no final do século XIX - Rodin
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
Escultura do neoclássico
Escultura do neoclássicoEscultura do neoclássico
Escultura do neoclássico
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
O Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van EyckO Casal Anorfini de Jan Van Eyck
O Casal Anorfini de Jan Van Eyck
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Módulo 7 contexto histórico
Módulo 7   contexto históricoMódulo 7   contexto histórico
Módulo 7 contexto histórico
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 

Destaque

A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássicocattonia
 
2010 ucv-tema 10 - Linguagem Clássica
2010 ucv-tema 10 - Linguagem Clássica2010 ucv-tema 10 - Linguagem Clássica
2010 ucv-tema 10 - Linguagem ClássicaLuisMorgado
 
Neoclássico Século XVIII
Neoclássico Século XVIIINeoclássico Século XVIII
Neoclássico Século XVIIIRobson Ferraz
 
Estilos arquitetônicos
Estilos arquitetônicosEstilos arquitetônicos
Estilos arquitetônicosDoug Caesar
 
Filosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evoluçãoFilosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evoluçãoAlvaro Augusto
 
Abstract Expressionism
Abstract Expressionism Abstract Expressionism
Abstract Expressionism 20040341
 
História da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstratoHistória da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstratoRaphael Lanzillotte
 
Trabalho de artes romana cópia
Trabalho de artes  romana   cópiaTrabalho de artes  romana   cópia
Trabalho de artes romana cópiaLucas Pedro
 
Cultura dos povos antigos
Cultura dos povos antigosCultura dos povos antigos
Cultura dos povos antigosCueca15
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstratoJunior Onildo
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMOTai2210
 

Destaque (20)

Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Neoclassico ea11
Neoclassico ea11Neoclassico ea11
Neoclassico ea11
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássico
 
2010 ucv-tema 10 - Linguagem Clássica
2010 ucv-tema 10 - Linguagem Clássica2010 ucv-tema 10 - Linguagem Clássica
2010 ucv-tema 10 - Linguagem Clássica
 
Neoclássico Século XVIII
Neoclássico Século XVIIINeoclássico Século XVIII
Neoclássico Século XVIII
 
Neoclássico
NeoclássicoNeoclássico
Neoclássico
 
Toy art
Toy artToy art
Toy art
 
Aula 07 o neoclassico definições
Aula 07   o neoclassico definiçõesAula 07   o neoclassico definições
Aula 07 o neoclassico definições
 
Estilos arquitetônicos
Estilos arquitetônicosEstilos arquitetônicos
Estilos arquitetônicos
 
Historia do desenho
Historia do desenhoHistoria do desenho
Historia do desenho
 
Filosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evoluçãoFilosofia da ciência e teoria da evolução
Filosofia da ciência e teoria da evolução
 
Abstract Expressionism
Abstract Expressionism Abstract Expressionism
Abstract Expressionism
 
História da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstratoHistória da Arte: Expressionismo abstrato
História da Arte: Expressionismo abstrato
 
Trabalho de artes romana cópia
Trabalho de artes  romana   cópiaTrabalho de artes  romana   cópia
Trabalho de artes romana cópia
 
Cultura dos povos antigos
Cultura dos povos antigosCultura dos povos antigos
Cultura dos povos antigos
 
Expressionismo abstrato
Expressionismo  abstratoExpressionismo  abstrato
Expressionismo abstrato
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
Imagenes de roma
Imagenes de roma Imagenes de roma
Imagenes de roma
 
Movimentos Artísticos
Movimentos ArtísticosMovimentos Artísticos
Movimentos Artísticos
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
 

Semelhante a Neoclássico

Texto introdutório corridascença
Texto introdutório   corridascençaTexto introdutório   corridascença
Texto introdutório corridascençaPIBIDSolondeLucena
 
Neoclassicismo ARV (complementar).pptx
Neoclassicismo ARV (complementar).pptxNeoclassicismo ARV (complementar).pptx
Neoclassicismo ARV (complementar).pptxDamarisRocha7
 
A arte renascentista power-point de história. iva leão.
A arte renascentista   power-point de história. iva leão.A arte renascentista   power-point de história. iva leão.
A arte renascentista power-point de história. iva leão.Iva Leão
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoAline Raposo
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimentogreghouse48
 
50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia Castanho
50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia Castanho50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia Castanho
50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia CastanhoTIP
 
Neoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismoNeoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismoMárcia Siqueira
 
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptxApresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptxGael Arias Aguilar
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBPriscila Barbosa
 

Semelhante a Neoclássico (20)

Histarte resumos
Histarte resumosHistarte resumos
Histarte resumos
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Texto introdutório corridascença
Texto introdutório   corridascençaTexto introdutório   corridascença
Texto introdutório corridascença
 
Neoclassicismo ARV (complementar).pptx
Neoclassicismo ARV (complementar).pptxNeoclassicismo ARV (complementar).pptx
Neoclassicismo ARV (complementar).pptx
 
4 breve viagem pela
4 breve viagem pela4 breve viagem pela
4 breve viagem pela
 
Hca
HcaHca
Hca
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Arte - Neoclassicismo
Arte - NeoclassicismoArte - Neoclassicismo
Arte - Neoclassicismo
 
A arte renascentista power-point de história. iva leão.
A arte renascentista   power-point de história. iva leão.A arte renascentista   power-point de história. iva leão.
A arte renascentista power-point de história. iva leão.
 
lala uhul
lala uhullala uhul
lala uhul
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; Neoclassicismo
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
 
50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia Castanho
50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia Castanho50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia Castanho
50 Tons de Arte com Luiz Nunes e Lucia Castanho
 
Neoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismoNeoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismo
 
História da arte neoclassicismo
História da arte   neoclassicismoHistória da arte   neoclassicismo
História da arte neoclassicismo
 
Hist da arte
Hist da arteHist da arte
Hist da arte
 
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptxApresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
 
NEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMONEOCLASSICISMO
NEOCLASSICISMO
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 8 A,B e C 1ºB
 

Mais de Viviane Marques

Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]Viviane Marques
 
Introdução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalistaIntrodução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalistaViviane Marques
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaViviane Marques
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaViviane Marques
 
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]Viviane Marques
 
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Viviane Marques
 
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]Viviane Marques
 
Revista forma primeira edição
Revista forma   primeira ediçãoRevista forma   primeira edição
Revista forma primeira ediçãoViviane Marques
 
Revista forma contextualismo
Revista forma   contextualismoRevista forma   contextualismo
Revista forma contextualismoViviane Marques
 
Revista forma organicismo
Revista forma   organicismoRevista forma   organicismo
Revista forma organicismoViviane Marques
 

Mais de Viviane Marques (18)

Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
 
Introdução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalistaIntrodução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalista
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquitetura
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura moderna
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]Arte na pré história [modo de compatibilidade]
Arte na pré história [modo de compatibilidade]
 
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
Arte na mesopotâmia [modo de compatibilidade]
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
 
Elementos visuais cor
Elementos visuais   corElementos visuais   cor
Elementos visuais cor
 
Espaço e expressão
Espaço e expressãoEspaço e expressão
Espaço e expressão
 
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
Clássico e romântico [modo de compatibilidade]
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Revista forma primeira edição
Revista forma   primeira ediçãoRevista forma   primeira edição
Revista forma primeira edição
 
Revista forma
Revista formaRevista forma
Revista forma
 
Revista forma contextualismo
Revista forma   contextualismoRevista forma   contextualismo
Revista forma contextualismo
 
Revista forma organicismo
Revista forma   organicismoRevista forma   organicismo
Revista forma organicismo
 

Último

PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOColaborar Educacional
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...pj989014
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfAnaRitaFreitas7
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...manoelaarmani
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 

Último (20)

PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
2024 Tec Subsequente em Adm Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolog...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
Emagreça em Casa, Treinos Simples e Eficazes Mesmo Não Tendo Equipamentos. Cu...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 

Neoclássico

  • 1. Neoclássico Estética e História da Arte II Viviane Marques
  • 2. Introdução • O neoclassicismo é um movimento artístico que, renuncia e critica as formas do barroco, reviveu os princípios estéticos da antiguidade clássica, no seu modelo de equilíbrio, proporção e clareza. • Condenavam o excesso da arte barroca que tinha sede de imaginação e aspirava despertá-la nos outros. • Entre as mudanças filosóficas, ocorridas com o iluminismo, e as sociais, como a revolução francesa, a arte deveria tornar-se eco dos novos ideais da época: subjetivismo, liberalismo, ateísmo e democracia. • No entanto, eram tantas as mudanças que elas ainda não haviam sido suficientemente assimiladas pelos homens da época a ponto de gerar um novo estilo artístico que representasse esses valores. • O melhor seria recorrer ao que estivesse mais à mão: a equilibrada e democrática antiguidade clássica. • E foi assim que, com a ajuda da arqueologia (Pompéia tinha sido descoberta em 1748), arquitetos, pintores e escultores logo encontraram um modelo a seguir. • Surgiram os primeiros edifícios em forma de templos gregos, as estátuas alegóricas e as pinturas de temas históricos. • As encomendas já não vinham do clero e da nobreza, mas da alta burguesia, mecenas incondicionais da nova estética. • A imagem das cidades mudou completamente. • Derrubaram-se edifícios e largas avenidas foram traçadas de acordo com as formas monumentais da arquitetura renovada, ainda existente nas mais importantes capitais da Europa.
  • 3. Pintura • O tema principal da pintura neoclássica foi a antiguidade greco-romana. • Os conceitos e a temática buscaram no retrato definir a individualidade e a sociabilidade das pessoas, nos quadros mitológicos evocam o antigo mas com uma sensibilidade moderna e nos quadros históricos refletem os ideais civis da época. • O fundamental entre todas as artes foi a ideação ou projeto da obra. • Era de extrema importância à formação cultural do artista, a qual não se dá pelo aprendizado junto aos mestres, e sim em escolas públicas especiais, as academias. • Nas academias, o primeiro passo para o artista é desenhar cópias, pretende-se que o artista desde o início, não reaja emotivamente ao modelo, mas se prepare para traduzir a resposta emotiva em termos conceituais. • As figuras pareciam fazer parte de uma encenação teatral e eram desenhadas numa posição fixa, como que interrompidas no meio de uma solene representação. • Na pureza das linhas e na simplificação da composição, buscava-se uma beleza deliberadamente estatuária. • Os contornos eram claros e bem delineados, as cores, puras e realistas, e a iluminação, límpida. • As figuras eram rígidas, sem vida, e os rostos, completamente sem expressão, simulavam máscaras das antigas tragédias gregas. • As túnicas e capas caíam em dobras pesadas e angulosas, cobrindo as formas do corpo. • Um enquadramento arquitetônico fechava a composição atrás e nos lados.
  • 4. JACQUES-LOUIS DAVID, Marat asesinado.1793. Óleo sobre lienzo. 165 x 128,3 cm. Museo Reales de Bellas Artes. Bruselas. Bélgica.
  • 5. JACQUES-LOUIS DAVID, A Morte de Sócrates, 1787, óleo sobre tela, 129.5 x 196.2 cm Metropolitan Museum, New York
  • 6. INGRES, O banho Turco, 1862, óleo sobre tela, 108cm, Museu do Louvre, Paris
  • 7. INGRES, A Grande Banhista, A banhista Valpinçon, 1808 Óleo sobre tela, 98 x 146 cm, Museu do Louvre, Paris
  • 8. Escultura • A escultura neoclássica teve seu epicentro em Roma. • Estátuas de heróis uniformizados, mulheres envoltas em túnicas de Afrodite, ou crianças conversando com filósofos, foram os protagonistas da fase inicial da escultura neoclássica. • Mais tarde, na época de Napoleão, essa disciplina artística se restringiria às estátuas eqüestres e bustos focalizados na pessoa do imperador. • A referência estética foi encontrada na estatuária da antiguidade clássica, por isso. as obras possuíam um naturalismo equilibrado. • Respeitavam-se movimentos e posições reais do corpo, embora a obra nunca estivesse isenta de um certo realismo psicológico, plasmado na expressão pensativa e melancólica dos rostos. • A busca do equilíbrio exato entre naturalismo e beleza ideal ficava evidente nos esboços de terracota, nos quais os volumes e as variações das posições do corpo eram estudados com cuidado. • O escultor neoclássico encontrou o dinamismo na sutileza dos gestos e suavidade das formas. • Quanto aos materiais utilizados, os mais comuns eram o bronze, o mármore e a terracota, embora, a partir de 1800, o mármore branco, que permitia o polimento da superfície até a obtenção do brilho natural da pele, tenha adquirido preponderância sobre os demais. • Entre os escultores mais importantes desse período destacam-se o italiano Antonio Canova, escultor exclusivo da família Bonaparte, e o dinamarquês Bertel Thorvaldsen, que chegou a presidir a Accademia di San Lucca, em Roma.
  • 9. BERTEL THORVALDSEN, Ganimedes e a águia de Zeus, 1817 Museu Thorvaldsen, Copenhague
  • 10. BERTEL THORVALDSEN, Jasão, 1803 Museu Thorvaldsen, Copenhague
  • 11. ANTONIO CANOVA, As Três Graças, 1814-1817, Museu Hermitage, Moscou
  • 12. ANTONIO CANOVA, Teseu e o Minotauro, 1805-1819 Victoria and Albert Museum, Londres
  • 13. Arquitetura • Na arquitetura, os princípios adotam o modelo clássico e suas tipologias para desenvolver as metodologias de projeto. • Esta identificação com o antigo vinha para estabelecer uma ordem prática. • Seu principal legado foi à adequação da forma à função, numa espacialidade calculada. • Buscava extrema sobriedade no ornamento e o equilíbrio e proporção dos volumes. • Com isso, busca responder a necessidades sociais com o aparecimento de novos edifícios (hospital, manicônio, cárcere, escolas, cemitérios, alfândegas, portos, quartéis, pontes, ruas, praças, etc). • Usam a técnica como instrumento racional da sociedade para suas necessidades e a seu serviço. • Neste período Champolion, descobre o Egito e traduz os hieróglifos. • A cidade agora não é mais vista como patrimônio do clero e das grandes famílias, mas o instrumento pelo qual uma sociedade realiza e expressa seu ideal de progresso, devendo ter asseio e principalmente um aspecto racional. • Os arquitetos e engenheiros devem servir a coletividade e realizar grandes obras públicas. • Surgem então a nova ciência da cidade: o urbanismo. • E a visão moderna vê a cidade como uma unidade estilística que deve corresponder a uma ordem social. • O urbanismo tem seu apoio no visionário Napoleão que queria transformar não só a arquitetura mas também a estrutura espacial, as dimensões e as funções das grandes cidades do império.
  • 14. Arquitetura • Assim o urbanismo vem a ser definido pelo traçado de grandes praças, ruas longas e muito largas, ladeadas por grandes edifícios severamente neoclássicos que quase sempre são destinados à funções públicas. • Ouro fator relevante na concepção da arquitetura é a relação entre áreas públicas e privadas, onde o público prevalece sobre o privado. • A maioria das idéias ficaram apenas nos projetos dos arquitetos, porque havia sido restaurado o domínio clérigo-monárquico e a burguesia com finalidades especulativas reforçavam a propriedade privada e a livre disponibilidade. • Quase todas as cidades européias tem uma fase neoclássica, que manifestando uma vontade de reforma e adequação nacional às exigências de uma sociedade em transformação. • Boullée e Ledoux, são os grandes teóricos da arquitetura neoclássica, a reforma que procederam na arquitetura é um componente do projeto de renovação cultural. • Fizeram uma obra livre de preconceitos religiosos, fundada na consciência do direito natural e do dever civil. • Seu princípio é o tipológico, isto é, a busca de conteúdos inerentes à forma do edifício, cuja função específica se insere num sistema de valores: a natureza, a razão, a sociedade, a lei. • A cidade é uma forma resultante da coordenação de diversos tipos de edificações, cada qual com sua própria forma, expressiva de um significado-função. • Concebem a arquitetura como definição de objetos de edificação.
  • 15. Arquitetura • Boullée e Ledoux, não projetam mais através de plantas e seções, e sim por entidades volumétricas. • O tipo não é um modelo, mas um esquema que traz em si a possibilidade de variantes segundo as necessidades. • Toda a arquitetura neoclássica se produzirá como desenvolvimento de temas tipológicos, isto é, como busca de uma classificação cada vez mais precisa do objeto, cuja possibilidade está implícita no esquema ou tipo do próprio projeto. • Podemos citar as seguintes cidades: Milão pelo arquiteto Piermanini, Veneza com o arquiteto Selva e Berlim com Schinkel. • A arquitetura teve influência do movimento artístico sob a influência do arquiteto Palladio (palladianismo), que mais tarde, em pleno século XVIII, com a revolução francesa, acabaria se estendendo por toda a Europa, sob o nome de classicismo. • Assim, pode-se falar, principalmente na França, de um segundo renascimento da antiguidade.
  • 16. KARL FRIEDRICH SCHINKEL, Konzerthaus Berlin, 1821, Berlim, Alemanha
  • 17. GIANNATONIO SELVA , Teatro La Fenice,1792, Veneza, Itália
  • 18. GIUSEPPE PIERMARINI, Teatro alla Scala,1778, Milão, Itália
  • 19. ANDREA PALLADIO, Villa Rotonda ou Villa Capra,1566, Vicenza, Itália
  • 20. Arquitetura • Boullée e Ledoux, não projetam mais através de plantas e seções, e sim por entidades volumétricas. • O tipo não é um modelo, mas um esquema que traz em si a possibilidade de variantes segundo as necessidades. • Toda a arquitetura neoclássica se produzirá como desenvolvimento de temas tipológicos, isto é, como busca de uma classificação cada vez mais precisa do objeto, cuja possibilidade está implícita no esquema ou tipo do próprio projeto. • Podemos citar as seguintes cidades: Milão pelo arquiteto Piermanini, Veneza com o arquiteto Selva, Roma com Valadier e Berlim com Schinkel. • A arquitetura teve influência do movimento artístico sob a influência do arquiteto Palladio (palladianismo), que mais tarde, em pleno século XVIII, com a revolução francesa, acabaria se estendendo por toda a Europa, sob o nome de classicismo. • Assim, pode-se falar, principalmente na França, de um segundo renascimento da antiguidade.
  • 23. ETTIENNE LOUIS BOULLEÉ, Projet de l'église de la Madeleine
  • 26. ETTIENNE LOUIS BOULLEÉ, Cénotaphe de Newton
  • 27. CLAUDE-NICOLAS LEDOUX, Casa para guardas campestres Em Maupertius, XIX
  • 28. CLAUDE-NICOLAS LEDOUX, Plano do teatro de Besançon, XIX
  • 29. CLAUDE-NICOLAS LEDOUX Projeto de cemitério radial para a cidade francesa de Chaux, XIX