Revista forma contextualismo

9.719 visualizações

Publicada em

Trabalho Revista Forma realizado pela Professora de História da Arquitetura Viviane Marques com seus alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo, nas Faculdades Santo Agostinho, no ano de 2011.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.719
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
276
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista forma contextualismo

  1. 1. XX ALDO ROSSI traço milanês ÁLVARO SIZA espírito ecletista CONTEXTUALISMO superando o esquematismo abstrato da linguagem modernaANO I - Nº 001 - 2011 - R$28,00
  2. 2. 09 Índex 04 Contextualismo XX 0718 14 Aldo Rossi XX 22 09 Teatro Carlo Felice 14 Teatro do Mundo 18 Hotel II Palazo 22 Cemitério San Cataldo 29 27 Álvaro Siza 34 29 Pavilhão Portugal 34 Piscina Leça da Palmeira38 38 Centro Galego de Arte Contemporânea 42 42 Fundação Iberê Camargo
  3. 3. colaboradores editorial Prezados leitores, neste exemplar você terá uma experiência surpreendente com diversas obras marcantes de um período onde o forte a se seguir era a idéia de que todo o entorno é importantíssimo para a composição do seu projeto. XX Com a apresentação dos arquitetos ícones e suas obras magistrais datadas deste período, onde o contextualismo é largamente empregado, poderá se ter um embasamento fundamentado e consistente para se manter um diálogo sobre o Anne Rodrigues Silva desenvolvimento da arquitetura neste período, e Teatro do Mundo ainda, adquirir mais uma bagagem para o seu Fundação Iberê Camargo repertório de soluções arquitetônicas com mínimo impacto na paisagem local. Tenham todos uma boa leitura. Nathália Cavalcante Thiago Bruno Hotel II Palazo Redator -Chefe Piscina Leça da Palmeira Tatiana Veloso Britto Teatro Carlo Felice Centro Galego de Arte ContemporâneaThiago Fonseca Bruno Cemitério San Cataldo Pavilhão Portugal
  4. 4. CONTEXTUA Rigor e simplicidade na composição L Foi uma tendência arquitetônica que surgiu nos arquitetos, mas, sobretudo em experiências urbanas, que transformaram um banco de provas o tecido histórico de grandes cidades, modernizando-as. As Repetição I anos 80 a partir da necessidade cidades de Berlim e Barcelona se destacam pelo de inserir novas construções na processo de transformação de certas áreas. As cidade histórica e, portanto, criar intervenções foram de diversos tipos e se concentram edifícios que não agredissem os na reconstrução perimetral dos blocos residenciais e padrões antigos. Esta postura na recriação das tipologias das cidades. Monumental S consiste na continuidade das idéias assinadas por Ernesto Natham Rogers, defendendo o realismo e a adaptabilidade à tradição do lugar e preexistências ambientais. Geometria M Alguns recursos são Arquiteto Aldo Rossi utilizados para adequar a arquitetura ao seu contexto, Croqui de Álvaro Siza como o prolongamento de linhas identificadas nos prédios anexos, repetição da modulação de janelas e outras características dos edifícios O antigos, manutenção da altura, entre outros. Resgate Histórico O contextualismo é associado ao pós-modernismo. Sua postura de adaptação ao meio é também uma crítica ao modernismo, cujos projetos eram pensados como elementos independentes e isolados. A tendência tem no arquiteto Aldo Rossi um dos seus principais teóricos, que através do aperfeiçoamento dessas idéias estendeu por Construção todo o mundo a postura de continuidade crítica com a tradição disciplinar. Esta postura se manifesta não somente na obra de alguns Forma Implantação do cemitério São Cataldo por Aldo Rossi Contextualistas: que buscam na tradição e na cultura do lugar os valores que orientam sua Crítica ao produção. São eles que começam a entender o “espírito do lugar” (genius loci) como ponto de partida para a criação projetual. Foram influenciados pelas teorias de Ernesto Nathan Rogers, Aldo Rossi, Modernismo Norbeg-Schulz, e tem relação com o conceito de regionalismo crítico de Kenneth Frampton.Arquiteto Álvaro Siza
  5. 5. ALDO ROSSI O italiano Aldo Rossi foi um arquiteto e teórico licenciado em arquitetura em 1959 pela Escola Politécnica de Milão. Nasceu em maio de 1931 e veio a falecer em 1997 com 66 a n o s . To r n o u - s e r e fe r ê n c i a n a arquitetura por usar formas puras tais como cubos, esferas, cones, etc. Rossi mostrou em suas últimas obras uma grande capacidade de evolução. Sem trair suas formulações iniciais, as suas obras desta última fase também são contribuições muito atraentes. Ao longo dos anos setenta, Rossi projetou suas três obras mais poéticas e de maior capacidade de síntese: o cemitério de Módena, que foi concluído em 1984 e se baseia na recriação de uma cidade análoga para os mortos; o Teatrino Científico (1978), onde espaço arquitetônico e representação se fundem por completo; e o Teatro do Mundo, em Veneza (1979). Ao longo dos anos oitenta ele intensificou muito o seu trabalho de projetos em cidades e países importantes, com propostas: em Berlim, Buenos Aires, em Miami e no Japão. O que diferencia a última fase das suas primeiras propostas é um espírito mais ecletista e sensivelmente integrado à tradição tipológica e formal de cada contexto. Além disso, abandonou a radicalidade de suas primeiras manifestações neo-racionalistas, em que as citações eram utilizadas através de uma lente de estética estritamente moderna. A diferença entre as obras de Rossi dos anos oitenta em relação e suas primeiras manifestações neo-racionalistas é similar à diferença entre o Rossi teórico de A arquitetura da cidade (1996) em relação ao Rossi da Autobiografia cientifica (1981). Ele introduziu uma grande quantidade de recursos figurativos, epidérmicos e historicistas em suas últimas obras.www.cemex.com 07
  6. 6. Principais Obras Teatro Carlo Felice Aldo Rossi - 1825-28 / 1983-90, Gênova, Itália Aldo Rossi Cemitério San Cataldo, Teatro Carlo Felice, 1983-1990, 1984, Módena Gênova Museu da História Alemã, 1987, Berlim Monumento a Sandro Pertini, 1990, Milão O teatro nomeado para Carlo Felice di Inaugurado com “Bianca Bellini e Savoia, vice-rei da Sardenha é a principal casa de Fernando” em 7 de abril de 1828, embora a ópera de Gênova, Itália, usada para espetáculos estrutura e a decoração não haviam sido de ópera, balé, música orquestral, e recitais. terminados, acomodava um público de cerca de Em 31 de janeiro de 1825, o arquiteto 2500 pessoas em cinco camadas, e sua acústica Prefeitura, 1982, Borgoricco Hotel II Palazo, 1987-1990, Fukuoka Teatro do Mundo, 1979, Veneza Carlo Barabino apresentou o seu projeto para a foi considerada entre as melhores da época. casa de ópera que estava a ser construída no A colunata dórica em sua fachada local da igreja de San Domenico. Os monges conferiu um visual clássico monumental ao dominicanos foram deslocados e a primeira edifício, concebido como um pano de fundo pedra do novo edifício foi lançada em 19 de para a Piazza San Domenico, hoje Piazza De08 Março de 1826. Ferrari. 09
  7. 7. Entre 1859 e 1934 Os planos de passou por várias reconstrução começaram restaurações, mas em 09 de imediatamente após o fevereiro de 1941, durante a fechamento da guerra. O Segunda Guerra Mundial, primeiro projeto, de Paolo teve o seu telhado atingido Antonio Chessa (1951), foi por uma Shell disparada por rejeitado; o segundo, de Carlo um navio de guerra britânico, Scarpa, foi aprovado em deixando um grande buraco 1977, mas em 1978 Scarpa a céu aberto e destruindo o morreu sem ver sua obra teto do auditório que tinha concluída. sido o único exemplo de Outro concurso foi extravagância rococó do chamado para a reconstrução século XIX, um grande círculo do teatro, quando o grupo de anjos, querubins e outros liderado por M. Valle venceu seres alados pintados em com o projeto arquitetônico Fachada lateral do Teatro Carlo Felice. alto relevo. feito por Aldo Rossi, Ignazio A colunata dórica em sua fachada conferiu um visual clássico monumental ao Em 05 de agosto de Gardella, Fabio Reinhart e O novo projeto, em edifício, concebido como um pano de fundo para a Piazza San Domenico, hoje Piazza De Ferrari. 1943 foi atingido por Sibilla Angelo. que partes da fachada bombas incendiárias que original foram recriadas, mas destruíram todos os com o interior é totalmente bastidores cenários e moderno, reprisou as acessórios de madeira, mas orientações de Scarpa: reter não atingiram o auditório a peça neoclássica de principal. Infelizmente, Barabino e projetar um novo prejuízos adicionais foram volume, uma da torre com causados por saqueadores cerca de 63 metros de altura. que tiraram a parte de trás do O teatro reabriu teatro e todos os seus metais. oficialmente em junho de Novamente, em setembro de 1991, com um salão principal 1944, um ataque aéreo com capacidade para 2000 causou a destruição de parte lugares, um pequeno da frente do teatro, auditório com capacidade deixando-o praticamente só para até 200 lugares e o hall com as paredes exteriores. O da entrada principal, com que tinha sido a mais rica e uma área de 660 metros bela casa de óperas, tornou- quadrados, decorado com No novo projeto criou-se uma da torre com cerca de 63 metros de altura. Estátua a Giuseppe Garibaldi em frente ao Teatro, na Piazza De Ferrari. se um esqueleto de paredes afrescos e tapeçarias, além nuas e pórticos sem teto. de possuir uma espécie de10 11
  8. 8. PROJETO Esboços dos estudos do grupo liderado por M. Valle (Aldo Rossi, Ignazio Gardella, Fabio Reinhart e Sibilla Angelo) para a reconstrução do teatro. Principal Salão do Teatro Carlo Felice com capacidade para 2000 Planta baixa pessoas. pirâmide ou cone que lhe trás a luz pelo teto. Quanto à construção do novo teatro, utilizou-se de materiais duráveis, como pedras, gesso e ferro na fachada, e mármore e Corte madeira no seu interior, sugerindo uma imagem de segurança e sobrevivência a eternidade do edifício. No hall, uma espécie de pirâmide ou cone lhe trás a luz pelo teto. Fachada frontal12
  9. 9. ALDO ROSSI TEATRO DO MUNDO 1979, Veneza, Itália Conceito e arquitetura Aldo Rossi começou a ter suas idéias divulgadas a partir da década de 60. Ele via a cidade como morta por causa do projeto moderno - Estilo Internacional, a seu entender, abstrata pois, a sua homogeneidade fez como que perdessem suas referências de identidade.Perspectiva Para o arquiteto, é preciso resgatar as imagens da cidade presentes no imaginário coletivo. Sua obra está ligada a recuperação de elementos históricos. Segundo Denise Xavier de Mendonça para Rossi "a raiz da concepção arquitetônica está na correta articulação dos elementos da memória, do locus e do desenho". Foi construído sobre uma balsa em Fusina e transportado para Veneza. Utilizou-se estrutura metálica soldada á base do barco e tubos metálicos com revestimentos de madeira. Aldo Rossi assume a diretoria do departamento de arquitetura de trienal de Milão e em 1980 projeta oPerspectiva Teatro do Mundo, é o ponto de flexão de sua carreira, onde as pesquisas de resgate de uma gramática formal histórica da arquitetura voltam se para uma possível ontologia do espaço teatral. Construído sobre uma balsa em Fusina e transportado para Veneza, este recuperou o caráter nômade e espetacular dos teatros, ao mesmo tempo em que busca referenciais formais no contexto urbano. É uma tentativa de resgate de paradigmas quase arquetípicos da arquitetura. Croquis Aldo Rossi utiliza as formas geométricas puras, elementares, típicas do seu repertório, como o quadrado, retângulos nas escadas laterais e o octógono na cúpula superior. 15
  10. 10. Trata-se de uma edificação O repertório utilizado efêmera feita para abrigar um por Aldo Rossi nas suas pequeno teatro itinerante e composições volumétricas é flutuante, instalado sobre uma constituído por sólidos plataforma marítima, destinada a geométricos, minimalistas, atender parte das atividades arranjados em ordem rigorosa e artísticas da Bienal de Veneza, de pintados com as cores 1979. primárias. Pode notar também Foi construído em nesta e nas outras obras do estrutura metálica soldada á base arquiteto, outras características do barco e por tubos metálicos geométricas importantes que com revestimentos de madeira. ele utiliza: a absoluta simetria Aldo Rossi utiliza as formas dos elementos da composição, geométricas puras, elementares, a forma fechada e polígonos Teatro ao pôr do sol de Veneza típicas do seu repertório, como o retangulares. quadrado, retângulos nas escadas A sua crescente laterais e o octógono na cúpula reputação internacional superior. Com essas figuras simples garantiu-lhe encomendas e o arquiteto consegue exprimir uma convites para trabalhar um intenção de mobilidade, uma pouco por todo o mundo. As grande carga simbólica, um jogo formas simples dos projetos de volumétrico que mimetiza as juventude tornaram-se mais formas da cidade, num perfeito rebuscadas e ornamentadas simbiose e integração, com embora Rossi continuasse despojamento e simplicidade. As ligado a alguns elementos janelas se abrem para a paisagem formais arquetípicos como o de Veneza como se ela quisesse se pórtico, o cubo, o cone, a incorporar à cena. Rossi utiliza em suas obras várias características geométricas importantes: a absoluta galeria, as colunas cujo valor simetria dos elementos da composição, a forma fechada e polígonos retangulares. simbólico e plástico, pela referência a difusas memórias, ultrapassou as utilizações funcionais mais pragmáticas e banais. Pintura retratando a utilização das cores nas obras de Aldo Rossi “UM LUGAR ONDE A ARQUITETURA TERMINA E O MUNDO DA IMAGINAÇÃO COMEÇA“. Aldo Rossi16 17
  11. 11. HOTEL II PALAZO Fukuoka, Japão PROJETO 1987-1989 Aldo Rossi No Hotel Il Palazzo 1987-1989, em Deslocando-se ao Japão, Aldo Rossi Fukuoka, no Japão, faz a releitura dos contaria como se tinha sentido seduzido por palácios renascentistas. Propõe uma aquela cultura, o seu sentido de eloqüência e edificação simétrica, ritmada, coroada com perenidade; uma sociedade demasiado bela uma saliente cornija, como o palácio Farnese, para ser perturbada com devaneios de relendo-o com brilhantes colunas de aço um gaijin*. Rossi sentiu-se projetar um polido. Vê-se que Rossi transforma edifício japonês, ou melhor, uma peça de parcialmente a referência de modo a ser arquitetura do Japão segundo o olhar de um explícita a relação entre ambos, precedente e ocidental.E assim foi que aquele que seria um produto. dos mais icônicos projetos do famoso O ato de projetar um novo objeto arquiteto italiano foi por momentos um golpe arquitetônico baseando-se em outros é um na expectativa dos seus clientes que procedimento consciente, no qual o ato esperavam uma obra com a marca de autor: criativo acontece baseado no existente. É a uma obra à Aldo Rossi. criação em cima de outra criação, onde o novo é gerado a partir do conhecido. Diz-se que o famoso Hotel Il Palazzo, em Fukuoka, foi uma pequena desilusão para os seus *Gaijin: É como os japoneses chamam forasteiros/ promotores. estrangeiros de uma forma depreciativa. Hotel Il Palazzo - edificação simétrica, ritmada, coroada com uma saliente cornija.18
  12. 12. HOTEL II PALAZO Fukuoka, Japão 1987-1989 Detalhamento Interior do Hotel Il Palazzo Detalhe da porta de entrada do hotel.20 21
  13. 13. Cemitério San Cataldo - Módena, Itália Aldo Rossi; 1978 Um mausoléu repaginado Esteticamente, algumas pessoas podem achar isso mais ou menos atraente, mas importante é que aqui, o arquiteto milanês consegue encontrar uma maneira de fazer arquitetura transcendente, onde o visitante é confrontado com a ideia da morte inevitável.
  14. 14. o cone, prismas e o cubo, Rossi No desenho de implantação, contrapõe-se ao modernismo ao que parece um quadro artístico, manter a linguagem arquitetônica vemos também expressas essas do entorno e aplica, antecipa- preocupações formais de maneira damente, a sua interpretação futura bastante clara. de genius loci, onde cada lugar é Aldo Rossi resolve suas regido por um deus – segundo os composições sempre baseadas em gregos. Rossi também mantém em figuras geométricas planas e seu projeto a tipologia original com espaciais com figuras geométricas um grande pátio central, cercado simples e regulares, como por colunatas onde eram alocados quadrados, círculo, octógonos, os nichos fúnebres, além de criar um tornando uma marca registrada dos segundo pátio, também cercado por seus trabalhos, como podemos extensas galerias sobre pórticos, observar no Teatro do Mundo (vide com dois ou três pisos e que pág. X), City Hall de Sandicci e continham nichos para urnas outros. cinerárias. Os ossários ficaram dispostos axialmente no centro do pátio principal, alinhados de forma linear e repetidos paralelamente em formato triangular. Vista Externa: Galerias Vista Interna: Sacrário dos Mortos Aldo Rossi, junto com Gianni Na base do triângulo, oBraghieri em 1971, desenvolve uma grande cubo sem janelas e semde suas obras mais representativas cobertura, monocromático na cor Colunatasreferente ao contextualismo: o terra, que compõe a geometria e aCemitério de San Cataldo, em volumetria do edifício símbolo doMódena – cidade italiana da região cemitério é o Sacrário dos Mortos deda Emília-Romanha. Este cemitério guerra e dos restos provenientes doveio substituir outro existente ao cemitério velho. As aberturas naslado, projetado pelo arquiteto quatro fachadas são iguais,César Costa em meados do século quadradas e profundas e se aplicamXIX. Vista Externa: Sacrário dos Mortos às células dos Sacrários. Apresenta- Formado pela disposição se geometricamente como umlinear de elementos geométricos volume puro, simétrico, equilibrado, centralizado e perfeitamente Colunatasbásicos, como cubos,paralelepípedos e cones, tem como modulado. Nesta edificação percebe-sedestaque vertical um eixo central, uma analogia com os ossos dacomposto de três volumes bastante coluna vertebral e suas costelas; odistintos: um cubo abaixo, um cone no topo do triângulo, comotriângulo formado por estreitos uma grande chaminé, circunda aparalelepípedos de tamanhos fossa comum.variados, se afunilando para o Com todo este jogo devértice superior e um cone que Vista Interna: Sacrário dos Mortos volumes geométricos básicos, comofecha o triângulo. Ossários Cortes transversais e longitudinais
  15. 15. ÁLVARO SIZA"A arquitetura é cadavez mais um problemado uso e referência aosmodelos... Minhaarquitetura não temuma linguagem pré-estabelecida e nãoestabelece umalinguagem. É umaresposta a umproblema concreto,u m a s i t u a çã o e mtransformação em queeu participo.” Álvaro Siza. Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira (Matosinhos, 25 de junho de 1933), diplomado pelaFaculdade de Arquitetura da Universidade do Porto em 1955, é o mais conceituado e premiadoarquiteto contemporâneo português. Suas obras se situam na via em que a inspiração nos elementos específicos do lugar se converteem ponto de partida do projeto. Para iniciar cada projeto, Siza precisa travar um intenso diálogo com olugar e com os usuários. A partir daí, utilizando uma arquitetura ao mesmo tempo racionalista eorganicista, com uma grande capacidade de adaptação, desenvolve cada projeto. A arquitetura de Siza se baseia sempre em uma emotiva e realista reinterpretação das formas edetalhes da arquitetura tradicional, e no respeito à evolução da arquitetura moderna, realizandoformas simples, modestas e introvertidas que mantenham as qualidades do lugar. Semelhante aosmodernos, sua obra destila uma influência vernácula ampliável à arquitetura oriental. A essência da obra de Siza se baseia em sua capacidade empírica pessoal e irrepetível decombinar em cada proposta a arquitetura racionalista e a hipersensibilidade em relação ao entorno. 27
  16. 16. Principais Obras Nem tudo que é bom dura pouco. Álvaro Siza Restaurante Boa Nova, 1958-64, Exemplo? Leça da Palmeira Fundação Iberê Camargo, 1995, Porto Alegre Este não veio pra ficar. Mas ficou. Piscina, 1961-1966, Leça da Centro Galego de Arte Palmeira Contemporânea, 1988-94, Santiago de Compostela Residência Dr. Avelino Duarte, 1980-84, Ovar Banco Borges, 1969-1986, Vila do Pavilhão da Expo 98, Conde Portugal Pavilhão da Expo’9828
  17. 17. Pavilhão da Expo’98 Álvaro Siza; 1998 - Portugal O Pavilhão de Portugal na Este pavilhão foi projetado As propostas foram várias, O Pavilhão de Portugal O bloco A é uma cobertura Exposição Mundial de 1998 - pelo conceituado arquiteto Álvaro desde o reaproveitamento do espaço contrasta com os edifícios mais suspensa de dois pórticos implantados Expo98, situado no Parque das Siza Vieira e todo o edifício é para uma Sede do Conselho de próximos por possuir uma volumetria perpendicularmente ao cais, Nações em Lisboa, foi o edifício marcado pela gigantesca pala sobre a Ministros até à criação de um museu discreta, marcada pela constituída por uma lâmina de responsável por abrigar a Praça Cerimonial que foi criada de de arquitetura. No entanto, ainda se horizontalidade. A edificação é concreto de 20 cm de espessura, fixada representação nacional portuguesa modo a não cortar a vista sobre o Rio mantém o regime provisório de dotada de dois blocos de construção nos dois pórticos, com altura mínima naquele evento com uma exposição Tejo. Esta pala concebida de concreto exposições. Em março de 2010 foi unidos pela cobertura em concreto. de 10 metros. Essa cobertura define relativa aos Descobrimentos pré-esforçado, se baseia na ideia de classificado como Monumento de uma área destinada a atos públicos e Portugueses, onde se podia, por uma folha de papel pousada em dois Interesse Público (MIP) pelo representações e suas dimensões são exemplo, observar achados tijolos, abrindo o espaço à cidade para IGESPAR. Os espaços interiores de 65 x 50 metros. O bloco B é um arqueológicos de uma nau da atender os diversos eventos que um foram desenhados pelo arquiteto edifício de dois pisos ao redor de um Carreira da Índia que naufragou na espaço desta escala acolhe. Eduardo Souto Moura e nos dias de pátio, concebido em concreto, cuja Barra do Tejo em 1606. Acabou-se Após o período decorrente à hoje podem ser alugados para a estrutura inferior é constituída por optando por conservá-lo após o Expo98, tornou-se uma incógnita o realização de eventos e de pilares e no pavimento superior encerramento do evento. uso futuro. exposições. formado por paredes portantes.30 31
  18. 18. 32
  19. 19. Obra do Arquiteto Álvaro Siza Vieira, Devido à necessidade de limitar os custos de enquadra-se harmoniosamente na paisagem construção e de preservação da paisagem, o projeto "materializada" na solidez da rocha, contra a qual teve que fazer uma intrusão mínima no terreno batem as ondas do mar. Piscina de água salgada, existente. Uma vez que um levantamento construída entre 1961 e 1966. A construção topográfico não estava disponível na época, o desenvolve-se de forma linear, paralela à avenida e ao arquiteto passou dias marcando a localização das mar, mas a sua implantação recolhe-se de forma a não formações rochosas existentes, para chegar a um obstruir a visão, quer terrestre, quer marítima, projeto que exigiria o mínimo sopro. situando-se, assim, o nível da cobertura ao nível da A piscina para adultos, está vinculado por avenida. baixo das paredes de concreto que se estendem até o Com uma estruturação que se insere na muro mar e são complementados por três lados pelas da praia, o sistema de acessos é um percurso formações rochosas naturais. A continuidade dessas disciplinado pela presença dos muros de "betão paredes com a topografia existente e do nível da água bruto", ao longo do qual algumas transgressões da da piscina que parece ser contíguo com o mar, criam a ortogonalidade e linearidade dominantes induzem o ilusão de uma transição harmoniosa entre o homem olhar para pontos focais da paisagem. seqüência e a natureza. A piscina para crianças, para o interior, é contínua do muro da praia, o sistema de acessos é um delimitada por uma parede curvilínea de um lado e percurso disciplinado pela presença dos muros de protegido do resto do site por rochas enormes e uma "betão bruto", ao longo do qual algumas ponte de concreto em sua entrada. Em um gesto transgressões da ortogonalidade e linearidade brincalhão, esta ponte é apenas baixa o suficiente dominantes induzem o olhar para pontos focais da para desencorajar os adultos a passarem sob ela. paisagem. ÁLVARO SIZA, 1966, Portugal Semana:Informações: Adultos – 4,00€ Crianças (até aos 12 anos) – 1,60€Aberta ao público de 15 de Junho a 15 de Setembro,de Segunda a Domingo, das 9h às 19h. Fim-de-semana: Adultos – 5,50€ Crianças (até aos 12 anos) – 2,20€34
  20. 20. ALVARO SIZA, 1966 P I A planta do conjunto revela o S entrelaçamento de geometrias artificiais e naturais, e indica o modo em que os espaços se comprimem e logo se expandem. C Siza recorda que projetou os muros e as piscinas com a ajuda de postes colocados nos contornos.os muros e as os desenhos e nem as fotografias podem Siza recorda que projetou O que nem transmitir é a imediata e colocados nos física da arquitetura. Os muros e as lajes piscinas com a ajuda de postes tátil inclusão contornos. O que nem os desenhos e nem as flutuantes são aspas deéluzimediata e tátil fotografias podem transmitir a que impulsionam gradualmente o corpo humano desde a I terra ao mar. arquitetura. Os muros e as lajes inclusão física da A arquitetura atua como um universo intermediário; como uma costura entre flutuantes são aspas de luz que impulsionam gradualmente o corpo humano desde a terra ao mente e natureza. Sem aberturas convencionais, paisagem, arquitetura e meio mar. ambiente trocamatua como um universo lugar, sugerindo que as relações do homem A arquitetura continuamente de N Muitos dos materiais do complexo de natação já haviam sido utilizado por Siza na Boa Nova e em outros projetos, mas aqui elas atingem um nível incomum de homogeneidade: o com o espaço e auma costura incluem aspectos sensíveis e inteligíveis. intermediário; como natureza entre mente e natureza. Sem aberturas convencionais, paisagem, arquitetura e meio ambiente trocam continuamente de lugar, sugerindo que as relações concreto bruto, de um tom ligeiramente do complexo de nataçãoas Muitos dos materiais mais frio do que já do homem com o espaço e a natureza incluem A formações rochosas, liso sido utilizadoelas atingem Boa nível incomum de haviam e lavável painéis na um Nova e em outros projetos, mas aqui por Siza de concreto para o aspectos sensíveis e inteligíveis. pavimento. homogeneidade: o concreto bruto, de um tom ligeiramente A planta do conjunto revela o Carpintaria emmais frio do que asRiga cobre os telhados verdes, madeira de formações rochosas, liso e lavável painéis de entrelaçamento de geometrias artificiais e concreto para o pavimento. que visto a partir da avenida atingem uma cor semelhante às Carpintaria em madeira de Riga cobre os telhados naturais, e indica o modo em que os espaços se comprimem e logo se expandem. piscinas. verdes, que visto a partir da avenida atingem uma cor semelhante às piscinas.“Não “Não que a universalidade seja sinônimo sinônimo de neutralidade, não é um creio creio que a universalidade seja de neutralidade, não é um esperanto daexpressão da expressão arquitetônica, é mais ade se criar desde as raízes, como umaesperanto arquitetônica, é mais a capacidade capacidade de se criar desde as raízes,árvoreuma se abre; a expressão a expressão arquitetônica tem também raízes...fortescomo que árvore que se abre; arquitetônica tem também essas fortes essas Meusentido de universalidade tem mais a vertem mais a ver comcidades, que vêm de séculosraízes... Meu sentido de universalidade com a vocação das a vocação das cidades, quede intervenção,de intervenção, de mestiçagem, de sobreposição e de mistura das maisvêm de séculos de mestiçagem, de sobreposição e de mistura das mais opostasinfluências, mas que se que seinconfundível. Um edifício em Berlim devedeve explicaropostas influências, mas torna torna inconfundível. Um edifício em Berlim explicar sualocalização para nãonãomesquinho, limitado...”sua localização para ser ser mesquinho, limitado...”
  21. 21. CGAC Centro Galego de Arte Contemporânea PROJETO Álvaro Siza - 1988-94, Santiago de Compostela, Espanha Planta do andar térreo Planta do andar superior Corte 01 Álvaro Siza faz de sua Encomendado pela Junta característica horizontal, seqüência de galerias recapitula para trabalhar com grandes arquitetura um jogo de da Galícia, o Centro de Arte reforçando a estrutura urbana, e amplia os padrões de paredes de granito polido. sensações e elevação do espírito; Galega Contemporânea foi prédios de dois e três movimento típicos de Santiago Minimizando as Corte 02 cada linha e cada curva são implantado em forma triangular pavimentos, formando uma de Compostela e culmina em um diferenças topográficas, Siza desenhadas com certeza e próximo ao Convento de Santo estrutura urbana homogênea, terraço de cobertura, utilizado projetou uma rampa para o segurança. A sua arquitetura é Domingo de Bonaval, fundado com cores que resultam da como área de exposições de acesso principal, resolvendo a uma extensão dos princípios e no século XVII, em estilo barroco. combinação de paredes de esculturas, com vista para os inclinação da rua e criando uma sensibilidade estética O prédio compacto do museu é pedra e telhados com telhas. jardins, para o convento e para a forma importante e significativa Corte 03 modernista. Para Siza, o uso de formado por dois volumes A interpenetração dos cidade. na arquitetura do edifício. conceitos para integrar o projeto lineares: um paralelo ao Valle- dois volumes define um átrio Na fachada principal é ao terreno, tem a ver Inclán e o outro paralelo ao triangular com pé-direito alto, quase imperceptível reconhecer diretamente com as qualidades cemitério Bonaval. que dá acesso ao auditório e a a quantidade de níveis existentes Corte 04 dos materiais e dos volumes do O edifício de Siza foi dois níveis de galerias. A no interior, pois Siza projeta suas contexto construídos. construído enfatizando uma circulação tangencial pela fachadas com poucas aberturas38 39
  22. 22. PROJETO No primeiro andar, o átrio triangular A construção do Centro no interior do projeto, com pé-direito Galego de Arte Contemporânea, duplo, parece ser o ponto de partida para a certamente significou um composição planta. Outros serviços de compromisso com o contexto apoio geral, bem como sala de imediato e, em geral, o rastreamento Elevação 01 conferências, café e salão de exposições de toda a cidade, onde o uso de uma temporárias também estão localizados no reinterpretação dos volumes por mesmo nível. meio de analogias simbólicas foi a No andar superior, além do átrio, maneira mais adequada de integrar também há salas para exposições um prédio contemporâneo à história temporárias, salas de reuniões, leitura, e tradição dos edifícios, praças e seminários e a parte administrativa. jardins que compõem o contexto O museu é revestido em granito, em urbano da cidade. Elevação 02 concordância com os edifícios cívicos e Átrio triangular com pé-direito duplo. monumentais da cidade. Contudo, o emprego do granito assume uma expressão relacionada com uma estrutura de concreto armado caracterizada por grandes vãos abertos. A opção de utilizar um material simples, como exteriores em granito, que é encontrado em todos os lugares em Santiago de Compostela, é satisfatória, ainda que com o tempo, devido à porosidade do material, este perde sua cor original e tornará pouco a pouco semelhante a cor dos edifícios barrocos, Acesso ao pavimento superior em mármore branco. Terraço utilizado como local para exposições integrando ainda mais o todo. O granito é cortado para formar blocos, associando aos edifícios antigos, que também são compostos por peças e blocos. Em relação aos materiais utilizados na construção, é importante observar-los no interior: o granito, empregado nas paredes, colunas e O granito é cortado para telhados do edifício; o mármore branco ao formar blocos, associando aos longo do chão e revestindo as peças do edifícios antigos, que também são compostos por peças e mobiliário fixo; e a madeira, dando um blocos. contraste com o branco predominante dos pisos, paredes e telhados.40 Sala para exposições temporárias. Contraste do piso em madeira com as paredes e tetos brancos. 41
  23. 23. Arte e Arquitetura Poética Fundação Iberê Em seu interior, é a luz que expõe a força das cores da obra pictórica e ficcional Camargo Álvaro Siza do artista Iberê Camargo, um dos mais importantes artistas do Brasil do século XX, com suas telas de grande impacto visual que, segundo os críticos, podem ser 1995 definidas como expressionismo abstrato. O Porto Alegre museu se confirma como fonte de cultura e Brasil projeta a capital gaúcha no circuito mundial da arte contemporânea. A imponente e vanguardista Fundação Camargo, em Porto Alegre. De autoria do arquiteto português Álvaro Siza, primeiro projeto assinado pelo arquiteto no Brasil, com traços marcantes e precisos, é um a aula de arquitetura moderna. A obra é vista como uma continuação do modernismo, e ao mesmo tempo, representante do Álvaro Siza inspirou-se no museu chamado regionalismo crítico, que recupera materiais e Guggenheim de Nova York, de Frank Lloyd características da produção artesanal. O projeto foi Wright, um dos mestres da arquitetura homenageado pela Bienal de Arquitetura de Veneza orgânica: “Eu diria que o museu se como Leão de Ouro em 2002. assemelha ao Guggenheim de Nova York, a diferença entre ambos é que no Iberê Camargo as rampas são independentes dos “Eu diria que o pisos onde se dão as exposições” (Álvaro museu se Siza em AU n.113, agosto, 2003, pág. 63). E assemelha ao Guggenheim de também no sítio no qual foi construído, que é Nova York, a uma escarpa. diferença entre O grande volume vertical com forma ambos é que no Iberê Camargo as orgânica é relacionado ás curvas da rampas são escarpa. O volume principal e resultante da independentes dos sobreposição de quatro pisos de formas pisos onde se dão as exposições” irregulares foi criado braços ondulantes em (Álvaro Siza em AU suspensão por onde as pessoas transitam n.113, agosto, 2003, pág. 63). internamente de um piso para outro.42 43
  24. 24. “A primeira coisa O edifício foi construído com lajes e paredes em concreto armado exteriormente que se deve treinar é aparente e nos acabamentos utilizou-se mármore, madeira e o estuque (massa a percepção visual, branca). Siza expressa seu modo de ver os princípios de uma construção através de linhas ou seja, reconhecer geométricas e aberturas nada convencionais. Sua arquitetura é viva, valoriza a o ambiente. Um natureza e sabe traduzi-la para o bom convívio humano, assemelha suas obras a uma arquiteto deve se escultura e faz do indivíduo um espectador de paisagens belíssimas. impregnar da atmosfera de uma cidade ou de um sítio para o qual projeta.” (Álvaro Siza em AU n.113, agosto, 2003, pag. 63).44 45
  25. 25. XX1 2 0 0 8

×