Tabagismo sem filme

2.187 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre Cessação do Tabagismo, Treinamento anti-tabagismo, TReinamento anti-fumo, risco de fumar

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Negociar um terreno comum: Definindo metas e prioridades -> expectativas de ambos,prós e contras dos planos propostos, estimular a participação do paciente Ser realista com o time e timing
  • O que são drogas psicoativas ? São substâncias naturais ou sintetizadas que ao serem ingeridas produzem alterações no SNC, modificando, assim, o estado emocional e comportamental;
  • Tabagismo sem filme

    1. 1. TABAGISMO: UMMAL A SERCOMBATIDORicardo Alexandre de Souza, MD MScPreceptor da residência em Medicina de Família e comunidadePrefeitura Municipal de BetimProfessor Puc-Minas
    2. 2. RETOMANDO O EQUILÍBRIO
    3. 3. INTRODUÇÃO O hábito de fumar expõe o fumante a 4.720 substânciastóxicas(INCA, 1998) A droga mais utilizada e disseminada no mundo.(OMS, 2008)Tabagismo
    4. 4. INTRODUÇÃO O uso de tabaco é fator de risco para inúmeras doenças.(OMS, 2008) Ao hábito de fumar cigarros pode ser atribuído 25% dasdoenças cerebrovasculares, 30% dos óbitos por neoplasiasmalignas, 45% das doenças cardiovasculares e 85% dasdoenças respiratórias(OMS, 1998) 85% dos tabagistas começam a fumar antes do 16 anosTabagismo
    5. 5. INTRODUÇÃO É responsável por aproximadamente5,4 milhões de mortes a cada ano.(OMS, 2008) Estima-se que 50% das mortesocorrem em países emdesenvolvimento.(OMS, 2008) Programa de prevenção (Truth®)gastou, de 2000 a2002, US$324.000.000. Estima-seprevenção de US$1.900.000.000 emcustos médicos.(Holtgrave, 2009)Tabagismo
    6. 6.  O Brasil é o 7º país no mundo em número absoluto defumantes.(Mathers & Loncar, 2006) No país, atualmente, são estimadas cerca de 200 milmortes/ano em conseqüência do hábito de fumarcigarros.(OMS, 2003)INTRODUÇÃOTabagismo
    7. 7. INTRODUÇÃO O fumo passivo é a 3ª maior causa de morte evitável nomundo(U.S. Department of Health and Human Services, 2004) O ar poluído pelo cigarro contém, em média, três vezesmais nicotina, três vezes mais monóxido de carbono, eaté cinqüenta vezes mais substâncias cancerígenas doque a fumaça depois de passar pelo filtro do cigarro(Ministério da Saúde - Brasil, 2006)Tabagismo
    8. 8. SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DO CIGARRO
    9. 9.  Posição socioeconômica, ingestão de álcool,sedentarismo no lazer são associados com o hábito defumar cigarros.(Chaix, 2003), (Grønbæk, 1998) e (Ross, 2000) Relação não linear entre o hábito de fumar cigarros e aidade.(VIGITEL, 2006) Fumantes, como ex-fumantes são mais freqüentementedo sexo masculino, tanto no Brasil como na França.(Chaix, 2004) e (Sabry, 1999)TabagismoINTRODUÇÃO
    10. 10. INTRODUÇÃO Características da vizinhança influenciam o cuidado com asaúde individual e bem estar-coletivo.(Diez Roux, 2003) Viver em vizinhança mais vulnerável é fator de risco para ohábito tabágico.(Diez-Roux, 1997) Pior percepção da vizinhança relacionada positivamente atabagismo atual e no passado(Souza, 2008)Discussão – Percepção do local de moradia
    11. 11. MEDICINA CENTRADA NA PESSOAExplorar a doença e o adoecimentoCompreender a pessoa como um todoNegociar um terreno comumIncorporar prevenção e promoçãoIncrementar a relação médico-pacienteSer realista
    12. 12. DEFINIÇÃO DE “FUMANTE"o Mundial da de (OMS) estabeleceu que “ao de fumante esta presente quando o duofumou mais de cem cigarros na vida e, pelo menos, umcigarro no ltimo mês”
    13. 13. Charutos, cachimbos, fumo mascado e outrossimilares:▪ Cura da folha de tabaco ao ar livre - pH alcalino;▪ Absorção pela mucosa da cavidade oral ;Cigarros, Cigarros de Bali, Cigarrilhas e outrossimilares :▪ Cura da folha de tabaco em fornos - pH ácido;▪ Absorção no pulmão;Diferenças entre os derivados do tabaco
    14. 14. DIFERENÇA ENTRE OS TIPOS DE CIGARROOs chamados cigarros de baixos teores, m de o seremseguros, o têm a preferência dos rios, pois como afumaça produzida m menor quantidade desubstâncias, inclusive de nicotina, o fumante passa aconsumir maior quantidade de unidades ao dia e ma dar tragadas mais profundas, demoradas e frequentes.Portanto, seu uso o garante nenhuma o de,e o se reduzem os danos.
    15. 15. PRINCIPAIS SUBSTÂNCIAS DERIVADAS DA COMBUSTÃODO TABACO E SEUS EFEITOS
    16. 16. Nicotina:▪ Diminui o calibre dos vasos sangüíneos;▪ Aumenta: o ritmo cardíaco;- a força das contrações cardíacas;- a pressão arterial;- a adesividade plaquetária;- o depósito de colesterol.▪ Aterosclerose ( CO e Nicotina);▪ Causa dependência física.Substâncias dos derivadas do tabaco
    17. 17. Alcatrão:▪ Resulta da queima do tabaco;▪ Formado por cerca de 43 substânciascancerígenas;▪ Câncer.Substâncias dos derivados do tabaco
    18. 18. O QUE ESTAMOSENFRENTANDO
    19. 19. A NICOTINA COMO DROGAê Propriedades psicoativas;ê Padrão de auto administração;ê Compulsão ;ê Tolerância farmacológica;ê Síndrome de abstinência.
    20. 20. SOBRE O MECANISMO DE EFEITO DANICOTINA
    21. 21. MAS NÃO É SÓ A DOPAMINA
    22. 22. SOBRE A ELIMINAÇÃO DA NICOTINAA nicotina sofre um processo pido de o, demodo que s 30 a 60 minutos a quantidade existente noorganismo podera estar reduzida, conforme o o deo do duo. Por isso que o fumantegeralmente o pode passar muito tempo sem fumar, isto, precisa repor nicotina no sangue e no rebro.
    23. 23. O QUE É DEPENDÊNCIA A UMA DROGA?O uso e a necessidade, tanto física quanto psicológica, deuma substância psicoativa, apesar do conhecimento de seusefeitos prejudiciais à saúde.Existência de um padrão de auto-administração quegeralmente resulta em tolerância, abstinência ecomportamento compulsivo para consumir a droga”.Fonte: OMS e Associação Americana de Psiquiatria
    24. 24. ASPECTOS DA DEPENDÊNCIAêCompulsãoTambém conhecida como Fissura. Fortedesejo de consumir uma substância.Necessidade de doses cada vez maiores dasubstância para alcançar efeitosinicialmente conseguidos com dosesmenores.êTolerânciaAparecimento de sintomas desagradáveisquando se pára o uso de uma substânciapsicoativa.êSíndrome deabstinência
    25. 25. Aspectos da dependênciaê vontade intensa de fumar;ê 5 minutos de duração;ê persiste por meses;ê diminuiprogressivamente.FissuraSintomasêansiedade, dificuldade deconcentração, agitação,irritabilidade, agressividade,tontura, cefaléia,desconforto abdominal;êDuração 2 a 3 semanas.Síndrome deAbstinência
    26. 26. COMPONENTES DA DEPENDÊNCIA DENICOTINAFísicoPsíquicoComportamental
    27. 27. no médio decigarrosfumados poradultos(18 a 20/dia)Necessidade crescentede nicotina para atingiro efeito desejadono médio decigarrosfumados poradolescentes( 9 /dia)TolerânciaAspectos da dependência
    28. 28. DIAGNÓSTICO DE DEPENDÊNCIA FÍSICA3 OU MAIS SINTOMAS NOS 12 MESESFissura;Falta de auto-controle→dificuldade de controlar o uso emtermos de início, término ou nível de consumo;Síndrome de abstinência→surgem reações físicas comoansiedade, distúrbio do sono, depressão e convulsões;Tolerância;Abandono progressivo de outros prazeres e interesses, eaumento de tempo para uso e/ou se recuperar dos efeitos;Persistência no uso apesar das consequências.Fonte: OMS e Associação Americana de Psiquiatria
    29. 29. O QUE FAZ AS PESSOAS SE TORNAREM FUMANTES?ê Publicidadeê Aceitação socialê Fácil acessoê Modelos de comportamentoê Suscetibilidade individual90% dos fumantescomeçaram a fumaraté os 19 anos
    30. 30. Estabelecendo a dependênciapsicológicaRecompensaNicotinaê Aliviar EstadosNegativos;ê Lidar comAngústias;ê EnfrentarFrustrações;ê Aumentarrendimentos.
    31. 31. Estabelecendo os condicionamentosBusca eauto-administraçãode nicotinaAssociações Automáticas:ê após as refeições;ê atividades intelectuais;ê após cafezinho;ê ao beber;ê ao dirigir.
    32. 32. Entre as mulheres que fumam durante agravidez, comparadas com aquelas quenão fumam, o risco de:n Sofrer um aborto espontâneo é 1,7vezes maior;n Ter um bebê prematuro é 1,4 vezesmaior;n O bebê nascer com baixo-peso é 2vezes maior;n Morte perinatal é 1,3 vezes maior;Riscos de Fumar durantea Gravidez
    33. 33. O QUE É CORRENTE PRIMÁRIA E CORRENTE SECUNDÁRIA Corrente Primária: Gerada durante as tragadas; Entra na boca do fumante; 4.700 substâncias encontradas. Corrente Secundária: Gerada no intervalo das tragadas; Queima 96% do tempo total do cigarro; 400 substâncias somente na ponta acessa; 3x mais nicotina e monóxido de carbono e 50 xmais substâncias cancerígenas.A queima dos derivados dotabaco leva a formação de duascorrentes de fumaça:
    34. 34. TABAGISMO PASSIVO▪ Define-se como a inalação da fumaça de derivados do tabacoprodutores de fumaça, por indivíduos não-fumantes, queconvivem com fumantes em ambientes fechados(OMS, 2001);▪ A poluição decorrente da fumaça dos derivados do tabaco emambientes fechados, é denominada de poluição tabagísticaambiental (PTA);▪ É a maior responsável pela poluição em ambientes fechados(OMS);
    35. 35. 00,511,5
    36. 36. Infecçõesrespiratórias(%)SemfumantesCom 1fumanteCom 2fumantesCommais de 2fumantesDomicílio01020304050Relação dasinfecções respiratórias em criançascom fumantes no domicílio
    37. 37. TABAGISMO PASSIVO NAINFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Síndrome da morte súbita infantil (risco 5 x maior) Precocidade da instalação e aumento da gravidade da asma brônquica Infecções respiratórias: risco até 50% maior(bronquiolites, broncopneumonias, pneumonias) hospitalizaçõesmortalidade Maior necessidade de cirurgias otorrinológicas Doenças coronarianas precoces (HDL e LDL) Câncer de pulmão na vida adulta
    38. 38. O TABAGISMO NOS AMBIENTES DETRABALHO Prevalência elevada de fumantes na população economicamente ativa 80% das pessoas trabalham em ambientes fechados Taxas de absenteísmo mais elevadas Acidentes de trabalho Doenças tabaco associadas e ocupacionais Redução da produtividade: interrupções para fumar Gastos com limpeza e manutenção de equipamentos, mobiliários, etc Incêndios Gastos com seguradoras Gastos com indenização de fumantes passivos doentes
    39. 39. PermitidourinarProibidourinarOS FUMÓDROMOS NÃO SÃOEFICAZESEstudos científicos comprovam que a força de ventilação necessária seria muito maior do que acapacidade dos sistemas atuais e semelhante à de um vendavalFonte: Journal of Public Health vol. 26 no. 4 © Faculty of Public Health 2004
    40. 40. AMBIENTES 100% LIVRES DOTABACO Eliminação da poluição tabagística: proteção da saúde dos não fumantes...etambém dos fumantes Estímulo aos fumantes para abandonarem o tabaco Redução da iniciação dos adolescentes no tabagismo Nos locais de trabalho: taxas de cessação de 20 a 30% Cumprimento das leis brasileiras e da Convenção - Quadro para o Controle doTabacoRedução das internações por infarto do miocárdio: queda de cerca de 15% durante o1º ano e declínios exponenciais após, atingindo 36% em 3 anosFonte: Lightwood JM, Glantz AS. Declines in Acute Myocardial Infarction After Smoke-FreeLaws and Individual Risk Attributable to Secondhand Smoke. Circulation, 2009Nos serviços de saúde: coerência com a missão de recuperar e promover a saúdeExemplo para a população
    41. 41. SOBRE AS DIFICULDADES Não adesão de uma funcionária impediu o ambienteTOTALMENTE livre do tabaco
    42. 42. BARES E RESTAURANTES 100%LIVRES DO TABACO Não houve redução dosempregos e nem daclientela Não houve queda noslucros da indústria dehospitalidade A maioria da população(inclusive os fumantes)prefere locais livres dofumo Redução drástica dapoluição tabagísticaambiental
    43. 43. CONVENÇÃO - QUADRO PARA OCONTROLE DO TABACO1º tratado internacional de saúdepública da história da humanidadeObjetivo principal:Preservar as gerações, presentes e futuras, das devastadorasconseqüências sanitárias, sociais, ambientais e econômicas doconsumo e da exposição à fumaça do tabaco. Estabelece, comoalgumas de suas obrigações, a elaboração e atualização de políticasde controle do tabaco, o estabelecimento de um mecanismo decoordenação nacional e de cooperação com outros Estados Partes ea proteção das políticas nacionais contra os interesses da indústriado tabacoAssinada pelo Brasil em 16/06/2003Ratificada pelo Congresso Nacional em 27/10/2005e pelo Presidente da República em 03/11/2005Entrou em vigor no Brasil em 01/02/2006
    44. 44. CONVENÇÃO - QUADRO PARA OCONTROLE DO TABACOARTIGO 8PROTEÇÃO CONTRAA EXPOSIÇÃO À FUMAÇA DO TABACO1. As Partes reconhecem que a ciência demonstrou de maneira inequívocaque a exposição à fumaça do tabaco causa morte, doença e incapacidade.2. Cada Parte adotará e aplicará, em áreas de sua jurisdição nacionalexistente, e conforme determine a legislação nacional, medidaslegislativas, executivas, administrativas e/ou outras medidas eficazes deproteção contra a exposição à fumaça do tabaco em locais fechados detrabalho, meios de transporte público, lugares públicos fechados e, se for ocaso, outros lugares públicos, e promoverá ativamente a adoção e aplicaçãodessas medidas em outros níveis jurisdicionais.
    45. 45. LEGISLAÇÃO BRASILEIRALEI FEDERAL 12.546/2011Publicada em 15/12/2011, no Diário Oficial da União, sancionada pelapresidente Dilma Rousseff. A nova legislação proíbe o fumo em locaisfechados em todo o país, públicos ou privados (abole os fumódromos)A lei guarda a regulamentaçãoCLT - ARTIGO 157... “a empresa tem responsabilidade de cumprir e fazer cumprir asnormas de segurança e medicina de trabalho, além de instruir osempregados quanto às precauções a tomar no sentido de evitar acidentesdo trabalho ou doenças ocupacionais”...
    46. 46.  Cabe ao profissional de saúde ser exemplo. Cabe ao ambiente de trabalho ser motivador de saúde Cabe ao conjunto de trabalhadores e locais de saúdeserem estimuladores para que o usuário se sintamotivado a descontinuar o hábito de fumar.
    47. 47. ▪ Arrecadação deimpostos▪ Falta ao trabalho▪ Gastos com doenças▪ Perda de produtividade▪ Aposentadorias precoces▪ Danos ao meio ambiente

    ×