Revisão OFTALMO

7.655 visualizações

Publicada em

*sugiro baixar a apresentação (há MUITAS animações)

Breve resumo sobre os principais tópicos em oftalmologia para o clínico geral.

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.655
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
214
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisão OFTALMO

  1. 1. Pietro B. de Azevedo(RE)VISÃO
  2. 2. Anatomia Membrana limitante interna Fibras nervosas Células ganglionares Plexiforme interna Nuclear interna Plexiforme externa Nuclear externaMembrana limitante externa Cones e bastonetes Epitélio pigmentado Membrana de Bruch
  3. 3. Acuidade Visual• Capacidade de enxergar objetos• Como testar – Carta de Snellen (6m ou 20 pés) – LEA – ETDRS – E chart• Como registrar – Fração (ex. 20/200), CD, mm, PL – SC, CC, St 3
  4. 4. O exame oftalmológico• Compreende: • Anamnese • Campimetria • Ectoscopia • Biomicroscopia • Acuidade Visual • Fundoscopia • Motricidade ocular • Tonometria • Visão de cores • Gonioscopia
  5. 5. Ectoscopia• Desarmada• Lanterna – Teste de Hirschberg• Biomicroscópio (Lâmpada de Fenda) – Corantes (fluoresceína, rosa bengala...)
  6. 6. Tonometria• Avaliação da PIO
  7. 7. Fundoscopia• Observar no fundo de olho: • V:A = 3:2 (observar estreitamentos, tortuosidades e cruzamentos patológicos) • Disco óptico: coloração, formato, bordas nítidas, escavação • Área macular: 2 diâmetros do disco óptico para temporal
  8. 8. Fundoscopia• Direta • Imagem real e direta • Magnificação 15x • Limitações: • Pequeno campo visual • Interferência dos meios transparentes • Ametropias• Indireta • Imagem virtual e invertida • Magnificação depende da lente • esféricas, biconvexas, com curvaturas diferentes em cada lado. • 14 dioptrias: magnificação 3,6X • 20 dioptrias: magnificação 2,3X • 28 dioptrias: magnificação 1,6X • 30 dioptrias: magnificação 1,5X • Total e amplo exame de todo o fundo do olho, inclusive da extrema periferia
  9. 9. FundoscopiaCARACTERÍSTICAS INDIRETA DIRETAMagnificação 2 a 5X 15XProfundidade de campo Grande PequenaCampo de visão 35 graus 10 a 15 grausIluminação Forte FracaEstereopsia Presente AusenteDistância de trabalho 35 a 40cm Próximo ao pacientePeriferia da retina Fácil observação Difícil observação
  10. 10. Hipermetropia• Eixo longitudinal do globo ocular é pequeno em relação ao poder refrativo do sistema de lentes do olho• Tipos – Axial / Refrativa / Curvatura• Queixas – Dificuldade visão p/ perto – Astenopia (fadiga / cefaleia / lacrimejamento) - acomodação• Dx – Retinoscopia: reflexo luminoso acompanha o feixe luminoso• Tto – Lente convexa (convergente / positiva) 10
  11. 11. Miopia• Eixo longitudinal do globo ocular é grande em relação ao poder de refrativo do sistema de lentes do olho• Tipos – Axial / curvatura / congênita / secundária (catarata nuclear)• Queixas – Dificuldade visão p/ longe – Nâo ocorre astenopia• Dx – Retinoscopia: reflexo luminoso movimenta-se contra o feixe luminoso• Tto – Lente côncava (divergente/negativa) 11
  12. 12. Astigmatismo• Irregularidades na curvatura da córnea ou do cristalino, levando a diferentes graus de refração• Queixas – Dificuldade visão p/ longe e p/ perto – Borramento heterogêneo da imagem• Dx – Retinoscopia: determinar os dois eixos meridianos do astigmatismo• Tto – Lentes cilíndricas 12
  13. 13. Presbiopia• Defeito no mecanismo de acomodação do cristalino (menos complacente)• >40 anos• Queixas – Dificuldade visão p/ perto – Astenopia (fadiga / cefaleia / lacrimejamento) - acomodação• Dx • amplitude de acomodação reduzida• Tto – Lentes positivas para perto (bifocais, multifocais) 13
  14. 14. Estrabismo• Sistema Visual para funcionar bem necessita de um perfeito alinhamento (paralelismo ocular) – Através de 6 músculos extraoculares• Estrabismo = desalinhamento dos olhos • Foria • desvios oculares manifestos apenas em condições de rompimento da visão binocular • Tropia • se manifestam mesmo sem rompimento da visão binocular• Tratamento – Correção óptica adequada, tratar ambliopia, melhorar a fusão – Cirúrgico • Precoce qndo congênito
  15. 15. Ambliopia• Diminuição da acuidade visual sem a presença de alteração estrutural ou óptica• Principal causa de baixa acuidade visual na infância• Ocorre por – Privação de luz (catarata, ptose) – Anisometropia importante – Estrabismo (mais comum)• Dx – Pré-verbal: reação à oclusão unilateral, não fixação – Verbal: AV• Tto – Corrigir ametropia – Oclusão (olho são) – Levo-dopa? 15
  16. 16. Lesões NC• Adquirida – Torcicolo / diplopia – AVC, DM, trauma• III – Paresia/plegia dos músculos ciliar, esfíncter da pupila, elevador da pálpebra, oblíquo inferior e retos superior, inferior e medial – Estrabismo divergente / ptose palpebral / midríase / ↓ acomodação• IV – Paresia/plegia do músculo oblíquo superior – Estrabismo convergente / diplopia / torcicolo rotacional• VI – Paresia/plegia do músculo reto lateral – Estrabismo convergente / diplopia 16
  17. 17. Olho Vermelho Lacrimeja BAV Hiperemia Dor Secreção Prurido Edema Fotofobia mentoConjuntivite viral alérgica bacteriana gonocócica clamídia neonatalSgto conjuntivalGlaucoma agudoCeratiteCorpo estranhoUveíte anterior
  18. 18. Olho Vermelho Lacrimeja BAV Hiperemia Dor Secreção Prurido Edema Fotofobia mentoConjuntivite mucoide ++ q palpebral viral d u alérgica i +++ e f purulenta bacteriana +- +++ +++ m +- u +++ purulenta o gonocócica s s a clamídia e neonatalSgto conjuntival - * - - - - - -Glaucoma agudo +++ perilimbar +++ - -Ceratite +++ perilimbar +++ +++Corpo estranho +- +++ +++ - +++ - -Uveíte anterior +++ +++ +++ - - - +++
  19. 19. Olho Vermelho• Sinais de alerta – Dor ocular acentuada, BAV, pupila não- fotorreagente, fotofobia, opacidade corneana, hipópio• Devem ser encaminhados ao oftalmologista – Ceratites, uveítes, endoftalmites, glaucoma agudo, conjuntivite complicada
  20. 20. Trauma• Mecânico • Queimadura – Aberto – Física – Fechado – Química – Corpo estranho – Fratura
  21. 21. Catarata• Opacidade no cristalino• MAIOR causa de cegueira no mundo (~50%)• FR – Idade, radiação UV, corticosteroides, DM, HF
  22. 22. Catarata• “Curável” – Tto cirúrgico • Fácil, seguro, custo-efetivo • Facectomia – Técnica mais antiga – Grande incisão (8-10mm) • Facoemulsificação – Método preferencial – 2 pequenas incisões – Emulsificação através de US – Pode necessitar conversão
  23. 23. Glaucoma• Neuropatia óptica irreversível• Afeta visão periférica inicialmente• 2ª maior causa de cegueira – Principal causa de cegueira irreversível• FR – ↑PIO, idade, etnia (negros), HF
  24. 24. Glaucoma• Tipos • Tto – Crônico – Reduz progressão • ângulo aberto • Colírios • fechamento angular – Β-bloqueadores – Agudo – análogos prostaglandinas • Ângulo fechado – α2-agonistas – Congênito – inibidores AC • Cirurgia/laser
  25. 25. Retinopatia Diabética Principal complicação microvascular do DM 3ª causa de cegueira no BR Prevalência − DM 1 : 10 anos ~100% − DM 2: 20 anos  ~60% FR − Duração DM, Hb A1c, HAS, gestação, nefropatia
  26. 26. Retinopatia Diabética 3 tipos − Maculopatia diabética (BAV, edema macular) − RD Não-proliferativa (microaneurismas, exsudatos e hemorragias) − RD Proliferativa (neovascularização) Tto − Prevenção: bom controle glicêmico e pressórico − Paliativo: fotocoagulação (laser)* DM ↑risco catarata, glaucoma e paralisia NC III
  27. 27. Retinopatia Hipertensiva• 15% dos hipertensos• Assintomática• FR p/ doença vascular oclusiva retiniana• RH crônica x maligna• Achados – Cruzamento AV patológico – Estreitamento e tortuosidade – Fios de cobre / prata (arterioloesclerose senil) – Manchas algodonosas e hemorragias (chama-de-vela)
  28. 28. Retinopatia Hipertensiva• Classificação Keith-Wagener-Barker – Grau 1: leve estreitamento, tortuosidade ou ↑brilho – Grau 2: cruzamento AV patológico, fios (cobre/prata) – Grau 3: grauSinal de Bonnet 2 + hemorragias ou manchas algodonosas – Grau 4: grau 3 + edema papila Sinal de Gunn• Não há tratamento específico – Tratar HAS Sinal de Salus
  29. 29. DMRI Drusas externas ao EPR ou neurorretina Maior causa de cegueira legal em idosos de países industrializados FR  Idade, fumo, HF, etnia (caucasianos) Tela de Amsler Pode levar a:  Atrofia EPR  Descolamento retiniano  Neovascularização Não há tratamento preventivo Tto  Anti-VEGF  Fotocoagulação
  30. 30. Cegueira ICO – International Council of Ophthalmology (2002)• OMS / CID-10 – Melhor correção óptica, melhor olho, p/ longe – Deficiência visual • AV <20/60 (<0,3) • CV <20° – Cegueira • AV <20/400 (<0,05) • CV <10°
  31. 31. Prevenção de Cegueira• Mundo – Cegueira: 37 milhões  76 milhões em 2020 – 80% em países em desenvolvimento – 75% evitáveis – Prevalência esperada: 0,25%  1%• Prevenção – OMS (1999): Vision 2020 • Eliminar cegueira evitável até 2020 • 5 doenças: catarata, tracoma, oncocercose, avitaminose A e erros de refração
  32. 32. Transplante de Córnea
  33. 33. Transplante de Córnea• Técnica • Complicações – Lamelar • Glaucoma • não retira toda a espessura • Endoftalmite da córnea • Falha endotelial • Preserva camadas • Recorrência da doença profundas do receptor primária • Ex.: ceratocone • Astigmatismo – Penetrante • Rejeição • Toda espessura corneana • Mais comum • Doenças que afetam endotélio
  34. 34. Referências• Pavan-Langston, Deborah. MANUAL DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA OCULAR. São Paulo, SP. Tecmedd. 2007• Justis P. Ehlers, Chirag P. Shah, Gregory L. Fenton and Eliza N. Hoskins. THE WILLS EYE MANUAL: OFFICE AND EMERGENCY ROOM DIAGNOSIS AND TREATMENT OF EYE DISEASE. Ed. Lippincott Williams & Wilkins. 2008• Paulo Schor, Wallace Chamon, Rubens Belfort Jr. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP/Escola Paulista de Medicina – OFTALMOLOGIA. Ed. Manole. 2004• Kanski, Jack J.. OFTALMOLOGIA CLÍNICA : UMA ABORDAGEM SISTEMÁTICA. 6. ed. Rio de Janeiro. Ed Elsevier, 2008• BASIC AND CLINICAL SCIENCE COURSE 2007-2008. American Academy of Ophthalmology• Site do CONSELHO BRASILEIRO DE OFTALMOLOGIA (www.cbo.com.br), acessado em 28/04/2011• Site do INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT - Ministério da Educação, Governo do Brasil http://www.ibc.gov.br (acessado em 06.04.11)• Remo Susanna Jr. PROGRAMA EDUCACIONAL DE OFTALMOLOGIA. CD-ROM. Edição III. Clínica oftalmológica da USP

×