Neuroeducação

349 visualizações

Publicada em

GRUPO DE ESTUDOS

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
349
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Neuroeducação

  1. 1. Grupo de Estudos – CAF-C
  2. 2. Quando falamos em educação e aprendizagem, estamos falando em processos neurais, redes que se estabelecem, neurônios que se ligam e fazem novas sinapses. E o que entendemos por aprendizagem? Aprendizagem, nada mais é do que esse maravilhoso e complexo processo pelo qual o cérebro reage aos estímulos do ambiente, ativa essas sinapses (ligações entre os neurônios por onde passam os estímulos), tornado-as mais "intensas". A cada estímulo novo, a cada repetição de um comportamento que queremos que seja consolidado, temos circuitos que processam as informações, que deverão ser então
  3. 3. Podemos compreender, desta forma que o uso de estratégias adequadas em um processo de ensino dinâmico e prazeroso provocará consequentemente, alterações na quantidade e qualidade destas conexões sinápticas, afetando assim o funcionamento cerebral, de forma positiva e permanente, com resultados extremamente satisfatórios.
  4. 4. Desta forma, o grande desafio dos educadores é viabilizar uma aula que "facilite" esse disparo neural, as sinapses e o funcionamento desses sistemas, sem que necessariamente o professor tenha que saber se a melhor forma de seu aluno lidar com os objetos externos é: auditiva, visual ou tátil. Quando ciente da modalidade de aprendizagem do seu aluno, (é o que estamos fazendo hoje) o professor saberá quais estratégias mais adequadas utilizar e certamente fará uso desse grande e inigualável meio facilitador no processo ensino ? aprendizagem.
  5. 5. Outra grande descoberta das neurociências é que através de atividades prazerosas e desafiadoras o "disparo" entre as células neurais acontece mais facilmente: as sinapses se fortalecem e redes neurais se estabelecem com mais facilidade.
  6. 6. Todo ensino desafiador ministrado de forma lúdica tem esse efeito: aulas dinâmicas, divertidas, ricas em conteúdo visual e concreto, onde o aluno não é um mero observador, passivo e distante, mas sim, participante, questionador e ativo nessa construção do seu próprio saber, o deixam "literalmente ligado", plugado, antenado.
  7. 7. Devido a SPA, os jovens procuram novos estímulos para saciá-los como o ofegante procura o ar... Por isso tenho preconizado uma revolução no microcosmo da sala de aula da pré-escola à universidade para melhorar a concentração, aliviar a ansiedade e expandir o rendimento intelectual dos alunos. Entre elas: 1) Música ambiente para aliviar a tensão. 2) Sentar-se em forma de “U” (olho no olho) para melhorar a concentração. 3) Usar a arte da dúvida continuamente durante a exposição para abrir as janelas da memórias. 4) Humanizar o professor (contar sinteticamente capítulos de sua vida em alguns momentos semanais) para cruzar o mundo do mestre com o do aluno. 5) Humanizar o produtor de conhecimento (contar aventuras, ousadias, derrotas, êxitos, lágrimas, rejeições)
  8. 8. Em março de 2000, investigadores da Universidade de Londres descobriram que os taxistas dessa cidade tinham uma parte do cérebro, o Hipocampo -região importante para a memória espacial -, particularmente desenvolvida, muito mais que o resto das pessoas. “O cérebro muda de forma, segundo as áreas que mais utilizamos, segundo a atividade mental.
  9. 9. Em 2002 cientistas alemães descobriram a mesma coisa na Circunvolução de Heschl dos músicos, área do córtex cerebral importante para processar a música Em 2004 os mesmos resultados teve o Instituto de Neurología de Londres, na circunvolução angular esquerda, estrutura cerebral importante para a linguagem, no
  10. 10. • FONTE: • ANDREA LELLIS SHIAVETTO (Fonoaudióloga em palestra no Encontro de Coordenadores e Orientadores da USB – Catre 15 à 17 de abril 2012) • WHITE, Ellen G. Educação, pág. 17 e 230 • CURY, Augusto. O Código da Inteligência, pág. 83 e 84. • VERA LUCIA MIETTO (Fonoaudióloga) em http://www.ceitec.com.br/artigos/a-importancia-da-neurociencia- na-aprendizagem.pdf acessado em 7 de maio de 2012. • ANILCE LITTKE. Departamento de Educação da Associação Catarinense da IASD, e-mails diversos. • ELKHONON GOLDBERG. (Neurologista da Universidade de New York, Diretor do Instituto de Neuropsicología e Funcionamento Cognitivo) • ORGANIZADOR: Malton de Oliveira Fuckner – malton_oliveira@hotmail.com / www.oestudofazbem.blogspot.com

×