Jamais fomos modernos cap 4

120 visualizações

Publicada em

Seminário do grupo Educaciber _Florianópolis/SC

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
120
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jamais fomos modernos cap 4

  1. 1. JAMAIS FOMOS MODERNOS RELATIVISMO – CAP. 4 MALTON DE OLIVEIRA FUCKNER
  2. 2. COMO ACABAR COM A ASSIMETRIA? No capítulo “Relativismo”, Latour traz a ideia de que a antropologia poderia descrever nosso mundo já que não mais se chocaria com as ciências e as técnicas, devido à análise da Constituição e consequente conclusão de que jamais fomos modernos. Porém, para isso, deveria haver uma modificação no estado da antropologia atual, tornando-a simétrica, ou seja, tornando-se comparativa para que possa ir e vir entre modernos e não-modernos. Outra questão interessante proposta nesse capítulo é a não existência de culturas, pois essa noção de cultura seria um “artefato criado por nosso afastamento da natureza”. O que existiriam seriam naturezas-culturas (ou coletivos) que constituiriam a única base para comparações.
  3. 3. “Como tornar simétrica a antropologia? Tornando-a capaz de estudar as ciências, ultrapassando a sociologia do conhecimento e a epistemologia”. (Pág. 91) Antropologia entre ciências X etnociências, correspondem ao que o homem considera impossível e possível de estudar.
  4. 4. O Falso é o que dá valor ao verdadeiro. Cientistas diferentes devem ser explicados de acordo com os mesmos princípios e causas. Simetria é isso, estudar os fracassos e os acertos pelos mesmos pontos de vista. Pesar os vencedores e os perdedores na mesma balança. Exigir que o erro e a verdade sejam tratados da mesma forma. Exemplo: Discos voadores, buracos negros, parapsicologia, saber dos psicólogos, etc da mesma forma.
  5. 5. PREVALECE NO MUNDO só o que é científico aquilo que rompe para sempre com as ideologias. Ex: A impossibilidade de estudar Darwin e Diderot nos mesmos termos. (Rêve de d’Alembert)
  6. 6. A assimetria gera uma classificação entre ciências, dividindo-as em: Ciências sancionadas e ciências proscritas. Resultado dos etnólogos entra em conflito, pois que coloca-se em oposição etnociências e os saberes, que são justamente a mistura entre as ciências, porem hoje ele considera que o abismo é menor. Ex: Pode-se hoje relacionar desde temas como o sacrifício ao deus Baal até e explosão do ônibus Challenger.
  7. 7. AASIMETRIA SE DÁ POR: Verdade = explicada pela natureza Erro ou mentira = explicado pela sociedade
  8. 8. Nas culturas ocidentais há uma separação entre natureza e sociedade/cultura. Para outros povos não, os signos, as coisas, a natureza e a sociedade se fundem. “Nos, ocidentais, somos completamente diferentes dos outros, este é o grito de vitória e a longa queixa dos modernos. [...]. Não importa o que façam, os ocidentais carregam a história nos cascos de suas caravelas e canhoneiras, nos cilindros de seus telescópios e nos êmbolos de suas seringas de injeção”. (Pág. 96)
  9. 9. Primeiro princípio da antropologia A antropologia precisa mudar, explicar com os mesmos termos as verdades e os erros, estudar ao mesmo tempo a produção de humanos e não humanos, que é a simetria generalizada e não distinguir os ocidentais dos outros (posição intermediária entre os terrenos tradicionais e os novos).
  10. 10. Antropologia Generalizada Solução para esse problema, Michel Callon adequa a visão do antropólogo num ponto médio, onde possa acompanhar ao mesmo tempo a atribuição de propriedades não humanas e humanas. Resolver isso é resolver o relativismo, dito por Latour como o obstáculo da antropologia convencional. Arquimedes e o jogo de polias mostrou a potência da técnica, a ciência sendo exercida por outros meios que nada mais são do que a política, vista de outra forma.
  11. 11. Do site: http://metamorficus.blogspot.com.br/2007/12/br uno-latour-uma-leitura-crtica-de.html Entretanto, assevera Latour, essa constatação ainda não permite dar conta do que diferencia o Ocidente das demais “natureza-cultura” (ou “coletivos”) pois há uma inegável diferença de amplitude de mobilização que é ao mesmo tempo a consequência do modernismo e a causa de seu fim. Ressaltando esse aspecto e chamando essa questão para o campo de interesse da antropologia simétrica, Latour pretende que esta possa também contribuir para elucidar o processo de dominação de um coletivo sobre o outro (no caso, o Ocidental sobre todos os demais).
  12. 12. Assim, para Latour, é a capacidade de mobilização de recursos e de criar novas necessidades e novos “híbridos” que torna “notável” as ciências e as técnicas ocidentais e que culmina na imposição de seus modelos a outros “coletivos”.
  13. 13. Foram os ocidentais que inventaram a ciência moderna, como diz Latour, diferente da conquista e do comércio, da política e da moral, atividades fundamentais para o mundo até então. (Baudrillard, 2000): “...nunca na história conhecida, o homem cercou-se de tal quantidade e diversidade de objetos, constituindo, eles próprios, uma “natureza paralela” e auto-referencial”. Essa característica, notada por vários autores, é aqui retomada na análise de Bruno Latour para destacar a singularidade do Ocidente.
  14. 14. “Trata-se de construir os próprios coletivos em escalas cada vez maiores. É verdade que há diferenças de tamanho. Não há diferenças de natureza – menos ainda de cultura.” (p.107)
  15. 15. Diferença de Perspectivas: Subsiste, para Latour, diferenças essenciais entre a interação humano/humano e humano/não-humano? Isso porque os coletivos não diferem essencialmente, mas apenas em sua capacidade (“tamanho”) de mobilização; além disso, devemos recusar o estatuto privilegiado das técnicas e ciências ocidentais. O autor propõe, então, que se elimine a diferença ontológica entre humanos e não-humanos, o que nos leva a supor que Latour também aceitaria como verdadeira a formulação segundo a qual não há diferença ontológica entre as interações humanos/humanos e as relações humanos/não-humanos.
  16. 16. Pergunta Bruno Latour argumenta que um pós-ambientalismo precisa aceitar que a sociedade humana não pode ser separada da natureza não-humana. Sendo isso correto, poderíamos avançar, formulando uma segunda indagação: um mundo inteiramente “artificial”, inteiramente construído pelos homens, seria, do ponto de vista da “cultura”, ontologicamente indistinto de um mundo onde as relações com seres não construídos pelo homem é mais intensa?

×