SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Consumo de energia em diferentes tempos eConsumo de energia em diferentes tempos e
lugareslugares
Revolução IndustrialRevolução Industrial
O conceitoO conceito
A expressão Revolução Industrial é utilizada para designar asA expressão Revolução Industrial é utilizada para designar as
transformaçõestransformações econômicaseconômicas,, sociaissociais ee tecnológicastecnológicas
que teveque teve início na Inglaterra, no séc. XVIII.início na Inglaterra, no séc. XVIII.
Tais mudanças afetaram outros países, desempenhando papel vital noTais mudanças afetaram outros países, desempenhando papel vital no
desenvolvimento do capitalismo e de novas formas de produção. Taldesenvolvimento do capitalismo e de novas formas de produção. Tal
revolução significou o advento do sistema fabril e darevolução significou o advento do sistema fabril e da
produção em massa.produção em massa.
As fases da Revolução Industrial:As fases da Revolução Industrial:
Primeira Fase (século XVIII)
-Máquinas a vapor, ferrovias;
-Utilização do carvão e metais;
-O surgimento das fábricas.
Segunda Fase (século XIX)
-Eletricidade;
-Motor a combustão interna (petróleo), fundição do aço;
-Início das tecnologias de comunicação.
Terceira Fase (anos 1960/1970 até os dias atuais)
- Computadores, internet, biotecnologia, robótica;
- Maior integração dos mercados (globalização);
- As grandes corporações multinacionais.
A evolução do processo produtivoA evolução do processo produtivo
Antes da
Revolução
Industrial
Antes da
Revolução
Industrial
Depois da
Revolução
Industrial
Forma de
Produção Artesanato Manufatura Mecanização
Unidade
Produtora Doméstica Grande Oficina Fábrica
A produção artesanalA produção artesanal
Na produção artesanal doNa produção artesanal do
século XVII, um comercianteséculo XVII, um comerciante
controlava a produção decontrolava a produção de
vários artesãos. Estesvários artesãos. Estes
trabalhavam portrabalhavam por
encomenda, com aencomenda, com a
matéria-prima e ferramentasmatéria-prima e ferramentas
cedidas pelo comerciante.cedidas pelo comerciante.
O trabalho artesanalO trabalho artesanal
Características da produção artesanalCaracterísticas da produção artesanal
▪▪ O artesão é dono do seu próprio tempo;O artesão é dono do seu próprio tempo;
▪▪ O artesão domina todas as etapas do processo produtivoO artesão domina todas as etapas do processo produtivo
(não há divisão do trabalho);(não há divisão do trabalho);
▪▪ Também pode se dedicar a outras atividades paralelas.Também pode se dedicar a outras atividades paralelas.
E surgem as fábricasE surgem as fábricas
Vantagens do sistema fabrilVantagens do sistema fabril
•• Maior controle sobre o tempo e o processo produtivo;Maior controle sobre o tempo e o processo produtivo;
•• Produção em série e o aumento da produtividade;Produção em série e o aumento da produtividade;
•• Redução dos preços.Redução dos preços.
As máquinas a vaporAs máquinas a vapor
O motor deO motor de
ThomasThomas
NewcomenNewcomen
(1705)(1705)
Princípio de funcionamentoPrincípio de funcionamento
A máquina de James Watt (1763)A máquina de James Watt (1763)
A fiadeira de James Hargreaves (1767)A fiadeira de James Hargreaves (1767)
A spinning jenny,A spinning jenny,
substituía a rocasubstituía a roca
e produzia váriose produzia vários
fios ao mesmofios ao mesmo
tempo.tempo.
O desenvolvimento dos transportesO desenvolvimento dos transportes
AA
locomotivalocomotiva
a vapoa vaporr
O pioneirismo inglêsO pioneirismo inglês
Por que a Revolução Industrial começou na Inglaterra?Por que a Revolução Industrial começou na Inglaterra?
O que a Inglaterra tinha de especial que outros países daO que a Inglaterra tinha de especial que outros países da
Europa só teriam anos depois? A Inglaterra foi o primeiro país aEuropa só teriam anos depois? A Inglaterra foi o primeiro país a
reunir as condições necessárias para o desenvolvimento doreunir as condições necessárias para o desenvolvimento do
sistema fabril.sistema fabril.
1. Ampliação do mercado consumidor1. Ampliação do mercado consumidor
•• Domínio de mercados externosDomínio de mercados externos →→ Grandes Navegações eGrandes Navegações e
colonialismo.colonialismo.
••Ampliação do mercado consumidor internoAmpliação do mercado consumidor interno →→ crescimento demográfico,crescimento demográfico,
graças ao aumento da taxa de natalidade e da produção agrícola.graças ao aumento da taxa de natalidade e da produção agrícola.
22.. Disponibilidade de mão de obraDisponibilidade de mão de obra
•• Os cercamentosOs cercamentos
•• Novas técnicas agrícolasNovas técnicas agrícolas
•• O êxodo ruralO êxodo rural
3. Acúmulo de capital3. Acúmulo de capital
►►A acúmulo de capital na Inglaterra foi motivada por dois fatores:A acúmulo de capital na Inglaterra foi motivada por dois fatores:
▪▪ Comércio marítimo, inclusive de escravos;Comércio marítimo, inclusive de escravos;
▪▪ A eA exploração colonial.xploração colonial.
4. Matérias - primas: carvão e minério de ferro
Mina em MoçambiqueMina em Moçambique Mina de CarajásMina de Carajás
5. Influência política da burguesia5. Influência política da burguesia
▪▪ Consolidação da Monarquia parlamentarConsolidação da Monarquia parlamentar → com a→ com a RevoluçãoRevolução
Inglesa, a burguesia passou a exercer grande influência política. O lucroInglesa, a burguesia passou a exercer grande influência política. O lucro
e o desenvolvimento industrial tornaram-se prioridades do governo.e o desenvolvimento industrial tornaram-se prioridades do governo.
Revolução Industrial e mudanças sociaisRevolução Industrial e mudanças sociais
A industrialização na Inglaterra foi muito mais do que umaA industrialização na Inglaterra foi muito mais do que uma
revolução técnica e científica. Ela representourevolução técnica e científica. Ela representou
uma mudança social profunda na medida emuma mudança social profunda na medida em
que transformou a vida das pessoas,que transformou a vida das pessoas,
com custos sociais e ambientais.com custos sociais e ambientais.
A valorização do trabalhoA valorização do trabalho
OO
trabalhotrabalho
dignificadignifica
o homemo homem
A alienação do trabalhadorA alienação do trabalhador
O controle técnicoO controle técnico
do processodo processo
produtivo passouprodutivo passou
para as mãos dopara as mãos do
capitalista com ocapitalista com o
advento da divisãoadvento da divisão
do trabalhodo trabalho
A superexploração do trabalhoA superexploração do trabalho
▪▪ Sem limitação da jornada de trabalho e baixos salários;Sem limitação da jornada de trabalho e baixos salários;
▪▪ Sem descanso semanal ou férias remuneradas;Sem descanso semanal ou férias remuneradas;
▪▪ Ambientes insalubres;Ambientes insalubres;
▪▪ Ausência de leis trabalhistas.Ausência de leis trabalhistas.
O trabalho infantil e femininoO trabalho infantil e feminino
Depoimento de John BirleyDepoimento de John Birley,, 19 maio 184919 maio 1849
““O turno era das 5 da manhã até 10h da noite; e no sábado, até 11hO turno era das 5 da manhã até 10h da noite; e no sábado, até 11h
da noite; e ainda nos faziam vir no domingo, para limpar ada noite; e ainda nos faziam vir no domingo, para limpar a
maquinaria. Não havia tempo para o café da manhã, não se podiamaquinaria. Não havia tempo para o café da manhã, não se podia
sentar durante o jantar. Ás 9h nos traziam o café da manhã;sentar durante o jantar. Ás 9h nos traziam o café da manhã;
mingau de aveia (preparado com água, e não com leite), bolo emingau de aveia (preparado com água, e não com leite), bolo e
cebolas. O jantar consistia em bolo e leite. Nos bebíamos o leite ecebolas. O jantar consistia em bolo e leite. Nos bebíamos o leite e
com o bolo na mão voltávamos a trabalhar, sem sentar”.com o bolo na mão voltávamos a trabalhar, sem sentar”.
A reação dos trabalhadoresA reação dos trabalhadores
Más condições de trabalho,Más condições de trabalho,
baixos salários e obaixos salários e o
desemprego motivaramdesemprego motivaram
a reação dos trabalhadores.a reação dos trabalhadores.
O ludismo: operários contra as máquinasO ludismo: operários contra as máquinas
●● LíderLíder →→ Nedd LuddNedd Ludd
●● EstratégiaEstratégia→→ inundaçãoinundação
de minas, queima dede minas, queima de
colheitas e a destruição decolheitas e a destruição de
máquinas.máquinas.
O cartismoO cartismo
•• Estratégia de luta →Estratégia de luta → organizado 1838 por Feargus O'Connor e Williamorganizado 1838 por Feargus O'Connor e William
Lovett, teve origem numa petição conhecida como Carta do Povo,Lovett, teve origem numa petição conhecida como Carta do Povo,
apresentada ao Parlamento. O programa tinha três pontos importantes:apresentada ao Parlamento. O programa tinha três pontos importantes:
11.. Igualdade de direitos eleitorais com a abolição do censo eleitoral para osIgualdade de direitos eleitorais com a abolição do censo eleitoral para os
membros da Câmara dos Comuns (Sufrágio universal masculino);membros da Câmara dos Comuns (Sufrágio universal masculino);
2.2. remuneração das funções parlamentares.remuneração das funções parlamentares.
ResultadosResultados
►►No século XIX, os trabalhadores europeus conseguiram uma série deNo século XIX, os trabalhadores europeus conseguiram uma série de
leis trabalhistas que melhoraram as condições de trabalho:leis trabalhistas que melhoraram as condições de trabalho:
▪▪ Jornada de trabalho de 12 horas;Jornada de trabalho de 12 horas;
▪▪ Descanso semanal;Descanso semanal;
▪▪ Regulamentação do trabalho infantil.Regulamentação do trabalho infantil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialVítor Santos
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMO
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMOREVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMO
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMOGrazi Oliveira
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Carla Prestes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialDebora Barros
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixElisabete Pinto
 
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial Isaquel Silva
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrialAna Batista
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução IndustrialNBrunoFS
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialkarolpoa
 
Segunda Revolução Industrial
Segunda Revolução IndustrialSegunda Revolução Industrial
Segunda Revolução IndustrialFrancisco Neto
 
Revolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrialRevolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrialEdvaldo Lopes
 
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrialA revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrialAnabela Sousa Pinho
 

Mais procurados (20)

3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
Cartismo
CartismoCartismo
Cartismo
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Rev industrial
Rev industrialRev industrial
Rev industrial
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMO
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMOREVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMO
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E NEOCOLONIALISMO
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xix
 
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
 
Segunda Revolução Industrial
Segunda Revolução IndustrialSegunda Revolução Industrial
Segunda Revolução Industrial
 
Revolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrialRevolucoes inglesas e revolucao industrial
Revolucoes inglesas e revolucao industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrialA revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
 

Destaque

Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xixRodrigo Luiz
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filémundica broda
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXRodrigo Luiz
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasRodrigo Luiz
 
Resolução de questões
Resolução de questõesResolução de questões
Resolução de questõesRodrigo Luiz
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaRodrigo Luiz
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução ChinesaRodrigo Luiz
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da ÁsiaRodrigo Luiz
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoRodrigo Luiz
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegaçõesRodrigo Luiz
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombianaRodrigo Luiz
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoMaida Marciano
 

Destaque (20)

Imperialismo do século xix
Imperialismo do século xixImperialismo do século xix
Imperialismo do século xix
 
Revolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filéRevolucao industrial.filé
Revolucao industrial.filé
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
 
A contracultura
A contraculturaA contracultura
A contracultura
 
Atividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era VargasAtividades de revisão: a Era Vargas
Atividades de revisão: a Era Vargas
 
Resolução de questões
Resolução de questõesResolução de questões
Resolução de questões
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Independência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesaIndependência da américa portuguesa
Independência da américa portuguesa
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra  MundialPrimeira Guerra  Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
A américa pré colombiana
A américa pré colombianaA américa pré colombiana
A américa pré colombiana
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 

Semelhante a Revolução industrial

A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialfelipeimh
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialRobert Plant
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialLuizS20
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrialespacoaberto
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundialArtur Lara
 
Apresentação Revolução Industrial - colegial.pptx
Apresentação Revolução Industrial - colegial.pptxApresentação Revolução Industrial - colegial.pptx
Apresentação Revolução Industrial - colegial.pptxTiagoNunes86467
 
Revoluçao industrial
Revoluçao industrialRevoluçao industrial
Revoluçao industrialGean Bonatto
 
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .eb23ja
 
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .eb23ja
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. anoFatima Freitas
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrialMarcos Azevedo
 
Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7Estevão Marcos
 
Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7Estevão Marcos
 
20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrialFranciele Souza
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialhistoriando
 
As fases da revolução industrial 2017
As fases  da revolução industrial 2017As fases  da revolução industrial 2017
As fases da revolução industrial 2017Nelia Salles Nantes
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialhistoriando
 

Semelhante a Revolução industrial (20)

A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
 
Apresentação Revolução Industrial - colegial.pptx
Apresentação Revolução Industrial - colegial.pptxApresentação Revolução Industrial - colegial.pptx
Apresentação Revolução Industrial - colegial.pptx
 
Revoluçao industrial
Revoluçao industrialRevoluçao industrial
Revoluçao industrial
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .
 
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .A vida do oper+írio no s+®c.xix  andr+® costa n ¦2 8-¦d .
A vida do oper+írio no s+®c.xix andr+® costa n ¦2 8-¦d .
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7
 
Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7Revolucao industrial cap7
Revolucao industrial cap7
 
20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial20061025082704 revolucaoindustrial
20061025082704 revolucaoindustrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
As fases da revolução industrial 2017
As fases  da revolução industrial 2017As fases  da revolução industrial 2017
As fases da revolução industrial 2017
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolucao Industrial
Revolucao  Industrial   Revolucao  Industrial
Revolucao Industrial
 

Mais de Rodrigo Luiz

Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaRodrigo Luiz
 
As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2
As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2
As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2Rodrigo Luiz
 
Governos poplistas no brasil
Governos poplistas no brasilGovernos poplistas no brasil
Governos poplistas no brasilRodrigo Luiz
 
Governos militares
Governos militaresGovernos militares
Governos militaresRodrigo Luiz
 
Crise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaCrise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaRodrigo Luiz
 
A era vargas (1930 1945)-2
A era vargas (1930 1945)-2A era vargas (1930 1945)-2
A era vargas (1930 1945)-2Rodrigo Luiz
 
Da origem do homem aos primeiros estados
Da origem do homem aos primeiros estadosDa origem do homem aos primeiros estados
Da origem do homem aos primeiros estadosRodrigo Luiz
 

Mais de Rodrigo Luiz (13)

Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Cultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na gréciaCultura, religião e arte na grécia
Cultura, religião e arte na grécia
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2
As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2
As lutas de libertação nacional na áfrica e da ásia 2
 
Governos poplistas no brasil
Governos poplistas no brasilGovernos poplistas no brasil
Governos poplistas no brasil
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Governos militares
Governos militaresGovernos militares
Governos militares
 
Segunda guerra
Segunda guerraSegunda guerra
Segunda guerra
 
Crise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaCrise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da república
 
A era vargas (1930 1945)-2
A era vargas (1930 1945)-2A era vargas (1930 1945)-2
A era vargas (1930 1945)-2
 
Da origem do homem aos primeiros estados
Da origem do homem aos primeiros estadosDa origem do homem aos primeiros estados
Da origem do homem aos primeiros estados
 
O mundo árabe 2
O mundo árabe 2O mundo árabe 2
O mundo árabe 2
 

Último

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 

Último (20)

organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 

Revolução industrial

  • 1. Consumo de energia em diferentes tempos eConsumo de energia em diferentes tempos e lugareslugares
  • 3. O conceitoO conceito A expressão Revolução Industrial é utilizada para designar asA expressão Revolução Industrial é utilizada para designar as transformaçõestransformações econômicaseconômicas,, sociaissociais ee tecnológicastecnológicas que teveque teve início na Inglaterra, no séc. XVIII.início na Inglaterra, no séc. XVIII. Tais mudanças afetaram outros países, desempenhando papel vital noTais mudanças afetaram outros países, desempenhando papel vital no desenvolvimento do capitalismo e de novas formas de produção. Taldesenvolvimento do capitalismo e de novas formas de produção. Tal revolução significou o advento do sistema fabril e darevolução significou o advento do sistema fabril e da produção em massa.produção em massa.
  • 4. As fases da Revolução Industrial:As fases da Revolução Industrial: Primeira Fase (século XVIII) -Máquinas a vapor, ferrovias; -Utilização do carvão e metais; -O surgimento das fábricas. Segunda Fase (século XIX) -Eletricidade; -Motor a combustão interna (petróleo), fundição do aço; -Início das tecnologias de comunicação. Terceira Fase (anos 1960/1970 até os dias atuais) - Computadores, internet, biotecnologia, robótica; - Maior integração dos mercados (globalização); - As grandes corporações multinacionais.
  • 5. A evolução do processo produtivoA evolução do processo produtivo Antes da Revolução Industrial Antes da Revolução Industrial Depois da Revolução Industrial Forma de Produção Artesanato Manufatura Mecanização Unidade Produtora Doméstica Grande Oficina Fábrica
  • 6. A produção artesanalA produção artesanal Na produção artesanal doNa produção artesanal do século XVII, um comercianteséculo XVII, um comerciante controlava a produção decontrolava a produção de vários artesãos. Estesvários artesãos. Estes trabalhavam portrabalhavam por encomenda, com aencomenda, com a matéria-prima e ferramentasmatéria-prima e ferramentas cedidas pelo comerciante.cedidas pelo comerciante.
  • 7. O trabalho artesanalO trabalho artesanal
  • 8. Características da produção artesanalCaracterísticas da produção artesanal ▪▪ O artesão é dono do seu próprio tempo;O artesão é dono do seu próprio tempo; ▪▪ O artesão domina todas as etapas do processo produtivoO artesão domina todas as etapas do processo produtivo (não há divisão do trabalho);(não há divisão do trabalho); ▪▪ Também pode se dedicar a outras atividades paralelas.Também pode se dedicar a outras atividades paralelas.
  • 9. E surgem as fábricasE surgem as fábricas
  • 10. Vantagens do sistema fabrilVantagens do sistema fabril •• Maior controle sobre o tempo e o processo produtivo;Maior controle sobre o tempo e o processo produtivo; •• Produção em série e o aumento da produtividade;Produção em série e o aumento da produtividade; •• Redução dos preços.Redução dos preços.
  • 11. As máquinas a vaporAs máquinas a vapor O motor deO motor de ThomasThomas NewcomenNewcomen (1705)(1705)
  • 13. A máquina de James Watt (1763)A máquina de James Watt (1763)
  • 14. A fiadeira de James Hargreaves (1767)A fiadeira de James Hargreaves (1767) A spinning jenny,A spinning jenny, substituía a rocasubstituía a roca e produzia váriose produzia vários fios ao mesmofios ao mesmo tempo.tempo.
  • 15. O desenvolvimento dos transportesO desenvolvimento dos transportes AA locomotivalocomotiva a vapoa vaporr
  • 16. O pioneirismo inglêsO pioneirismo inglês Por que a Revolução Industrial começou na Inglaterra?Por que a Revolução Industrial começou na Inglaterra? O que a Inglaterra tinha de especial que outros países daO que a Inglaterra tinha de especial que outros países da Europa só teriam anos depois? A Inglaterra foi o primeiro país aEuropa só teriam anos depois? A Inglaterra foi o primeiro país a reunir as condições necessárias para o desenvolvimento doreunir as condições necessárias para o desenvolvimento do sistema fabril.sistema fabril.
  • 17. 1. Ampliação do mercado consumidor1. Ampliação do mercado consumidor •• Domínio de mercados externosDomínio de mercados externos →→ Grandes Navegações eGrandes Navegações e colonialismo.colonialismo. ••Ampliação do mercado consumidor internoAmpliação do mercado consumidor interno →→ crescimento demográfico,crescimento demográfico, graças ao aumento da taxa de natalidade e da produção agrícola.graças ao aumento da taxa de natalidade e da produção agrícola.
  • 18. 22.. Disponibilidade de mão de obraDisponibilidade de mão de obra •• Os cercamentosOs cercamentos •• Novas técnicas agrícolasNovas técnicas agrícolas •• O êxodo ruralO êxodo rural
  • 19. 3. Acúmulo de capital3. Acúmulo de capital ►►A acúmulo de capital na Inglaterra foi motivada por dois fatores:A acúmulo de capital na Inglaterra foi motivada por dois fatores: ▪▪ Comércio marítimo, inclusive de escravos;Comércio marítimo, inclusive de escravos; ▪▪ A eA exploração colonial.xploração colonial.
  • 20. 4. Matérias - primas: carvão e minério de ferro Mina em MoçambiqueMina em Moçambique Mina de CarajásMina de Carajás
  • 21. 5. Influência política da burguesia5. Influência política da burguesia ▪▪ Consolidação da Monarquia parlamentarConsolidação da Monarquia parlamentar → com a→ com a RevoluçãoRevolução Inglesa, a burguesia passou a exercer grande influência política. O lucroInglesa, a burguesia passou a exercer grande influência política. O lucro e o desenvolvimento industrial tornaram-se prioridades do governo.e o desenvolvimento industrial tornaram-se prioridades do governo.
  • 22. Revolução Industrial e mudanças sociaisRevolução Industrial e mudanças sociais A industrialização na Inglaterra foi muito mais do que umaA industrialização na Inglaterra foi muito mais do que uma revolução técnica e científica. Ela representourevolução técnica e científica. Ela representou uma mudança social profunda na medida emuma mudança social profunda na medida em que transformou a vida das pessoas,que transformou a vida das pessoas, com custos sociais e ambientais.com custos sociais e ambientais.
  • 23. A valorização do trabalhoA valorização do trabalho OO trabalhotrabalho dignificadignifica o homemo homem
  • 24. A alienação do trabalhadorA alienação do trabalhador O controle técnicoO controle técnico do processodo processo produtivo passouprodutivo passou para as mãos dopara as mãos do capitalista com ocapitalista com o advento da divisãoadvento da divisão do trabalhodo trabalho
  • 25. A superexploração do trabalhoA superexploração do trabalho ▪▪ Sem limitação da jornada de trabalho e baixos salários;Sem limitação da jornada de trabalho e baixos salários; ▪▪ Sem descanso semanal ou férias remuneradas;Sem descanso semanal ou férias remuneradas; ▪▪ Ambientes insalubres;Ambientes insalubres; ▪▪ Ausência de leis trabalhistas.Ausência de leis trabalhistas.
  • 26. O trabalho infantil e femininoO trabalho infantil e feminino
  • 27. Depoimento de John BirleyDepoimento de John Birley,, 19 maio 184919 maio 1849 ““O turno era das 5 da manhã até 10h da noite; e no sábado, até 11hO turno era das 5 da manhã até 10h da noite; e no sábado, até 11h da noite; e ainda nos faziam vir no domingo, para limpar ada noite; e ainda nos faziam vir no domingo, para limpar a maquinaria. Não havia tempo para o café da manhã, não se podiamaquinaria. Não havia tempo para o café da manhã, não se podia sentar durante o jantar. Ás 9h nos traziam o café da manhã;sentar durante o jantar. Ás 9h nos traziam o café da manhã; mingau de aveia (preparado com água, e não com leite), bolo emingau de aveia (preparado com água, e não com leite), bolo e cebolas. O jantar consistia em bolo e leite. Nos bebíamos o leite ecebolas. O jantar consistia em bolo e leite. Nos bebíamos o leite e com o bolo na mão voltávamos a trabalhar, sem sentar”.com o bolo na mão voltávamos a trabalhar, sem sentar”.
  • 28. A reação dos trabalhadoresA reação dos trabalhadores Más condições de trabalho,Más condições de trabalho, baixos salários e obaixos salários e o desemprego motivaramdesemprego motivaram a reação dos trabalhadores.a reação dos trabalhadores.
  • 29. O ludismo: operários contra as máquinasO ludismo: operários contra as máquinas ●● LíderLíder →→ Nedd LuddNedd Ludd ●● EstratégiaEstratégia→→ inundaçãoinundação de minas, queima dede minas, queima de colheitas e a destruição decolheitas e a destruição de máquinas.máquinas.
  • 30. O cartismoO cartismo •• Estratégia de luta →Estratégia de luta → organizado 1838 por Feargus O'Connor e Williamorganizado 1838 por Feargus O'Connor e William Lovett, teve origem numa petição conhecida como Carta do Povo,Lovett, teve origem numa petição conhecida como Carta do Povo, apresentada ao Parlamento. O programa tinha três pontos importantes:apresentada ao Parlamento. O programa tinha três pontos importantes: 11.. Igualdade de direitos eleitorais com a abolição do censo eleitoral para osIgualdade de direitos eleitorais com a abolição do censo eleitoral para os membros da Câmara dos Comuns (Sufrágio universal masculino);membros da Câmara dos Comuns (Sufrágio universal masculino); 2.2. remuneração das funções parlamentares.remuneração das funções parlamentares.
  • 31. ResultadosResultados ►►No século XIX, os trabalhadores europeus conseguiram uma série deNo século XIX, os trabalhadores europeus conseguiram uma série de leis trabalhistas que melhoraram as condições de trabalho:leis trabalhistas que melhoraram as condições de trabalho: ▪▪ Jornada de trabalho de 12 horas;Jornada de trabalho de 12 horas; ▪▪ Descanso semanal;Descanso semanal; ▪▪ Regulamentação do trabalho infantil.Regulamentação do trabalho infantil.