SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolução
Industrial
• A Revolução industrial foi um conjunto de
mudanças que aconteceram na Europa nos
séculos XVIII e XIX. A principal particularidade
dessa revolução foi a substituição do trabalho
artesanal pelo assalariado e com o uso das
máquinas
• Até o final do século XVIII a maioria da população
europeia vivia no campo e produzia o que
consumia. De maneira artesanal o produtor
dominava todo o processo produtivo.
Apesar de a produção ser predominantemente
artesanal, países como a França e a Inglaterra,
possuíam manufaturas. As manufaturas eram
grandes oficinas onde diversos artesãos
realizavam as tarefas manualmente, entretanto
subordinados ao proprietário da manufatura.
• Inglaterra: Primeiro País a se
Industrializar;
• Posteriormente, França Alemanha e
Itália e Bélgica se industrializam.
• São chamados Países de
Industrialização Clássica.
E o Brasil?
• O Brasil só inicia o processo de
industrialização na 2ª metade do Sec. XX
• Chama-se Industrialização Tardia!
Voltando a Inglaterra- 1º País a se
Industrializar
• A Inglaterra foi precursora na Revolução Industrial
devido a diversos fatores, entre eles:
• Grande Acúmulo de Capital devido ao Mercantilismo
Comercial;
• Revolução Gloriosa e Mudança Política;
• Possuir uma rica burguesia;
• Política de Cercamentos e Êxodo rural ;
• Localização privilegiada junto ao mar o que facilitava a
exploração dos mercados ultramarinos.
• Ricas jazidas de Carvão Mineral
• A Primeira etapa da Revolução Industrial
• Entre 1760 a 1860, a Revolução Industrial
ficou limitada, primeiramente, à Inglaterra.
Houve o aparecimento de indústrias de
tecidos de algodão, com o uso do tear
mecânico. Nessa época o aprimoramento das
máquinas a vapor contribuiu para a
continuação da Revolução.
• A Segunda Etapa da Revolução Industrial
• A segunda etapa ocorreu no período de 1860 a
1900, ao contrário da primeira fase, países como
Alemanha, França, Rússia e Itália também se
industrializaram. O emprego do aço, a utilização
da energia elétrica e dos combustíveis derivados
do petróleo, a invenção do motor a explosão, da
locomotiva a vapor e o desenvolvimento de
produtos químicos foram as principais inovações
desse período.
• A Terceira Etapa da Revolução Industrial
• Alguns historiadores têm considerado os
avanços tecnológicos do século XX e XXI como
a terceira etapa da Revolução Industrial. O
computador, o fax, a engenharia genética, o
celular seriam algumas das inovações dessa
época.
Consequências Da Revolução
Industrial
• Êxodo Rural- Levou ao processo de Urbanização;
• Poluição ambiental dos Grandes Centros;
• Surge o Termo Proletariado;
• A Classe de trabalhadores é explorada e
marginalizada;
• A desigualdade econômica entre os
trabalhadores inspira karl Marx e Engels a criar o
Socialismo.
• Surgem os opositores do Processo de
Industrialização ( Ludistas e Cartistas);
Ludismo
O Ludismo estourou em 1811. O nome dado a esse movimento é deriva do
de um dos líderes, Ned Ludd.
Esse movimento foi uma das primeiras revoltas dos operários que
não concordavam com os avanços tecnológicos, que substituíam homens
por máquinas.
Esse movimento foi feito constituído por revoltas radicais, em que os
trabalhadores invadiam as fábricas e destruíam as máquinas, ficando
conhecidos como “quebradores de máquinas”. Existiam
esquadrões ludistas, que andavam armados com martelos, pistolas,
lanças, e, durante a noite, andavam de um distrito ao outro, destruindo
tudo que encontravam. Porém, muitos manifestantes foram condenados à
prisão, à morte, à deportação e até à forca.
O Ludismo ocorreu durante alguns anos, mas, aos poucos, os
manifestantes constataram que não eram contra as máquinas que
deveriam reagir, e sim ao uso que os proprietários faziam delas, abusando
da mão-de-obra dos operários (12).
Ludistas
Cartismo
De forma um pouco mais organizada, em 1836, surgiu o
Cartismo, constituído pela “Associação dos Operários” e
liderado por Feargus O’Connor e William Lovett.
Eles reinvidicavam direitos políticos, como o sufrágio
universal (direito de voto), o voto secreto, melhoria das
condições e jornadas de trabalho. E para isso, eles redigiram a
“Carta da Povo”, solicitando um conjunto de reformas junto ao
Parlamento.
Depois de muitas tentativas e lutas, o Cartismo foi se
dissolvendo até chegar ao fim. Porém, o espírito do
movimento não se perdeu, e ganhou maior presença política
depois de um tempo, fazendo com que algumas leis
trabalhistas fossem criadas (13).
Cartistas
Trade Union
• Considerado berço dos sindicatos de
trabalhadores;
• Local ondem nascem as primeiras
manifestações de luta
• Por fim , a Industrialização nos trouxe
mudanças significativas no sistema produtivo,
levando mercadorias a todas regiões do
mundo, impulsionando assim o processo de
globalização.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
Bruce Portes
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Nilton Silva Jardim Junior
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Maria Gomes
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
Edenilson Morais
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Nelson Faustino
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
eiprofessor
 
Colonização Inglesa
Colonização InglesaColonização Inglesa
Colonização Inglesa
Marcos Mamute
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
dmflores21
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
profbrenoazevedo
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
Privada
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Ramiro Bicca
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
carlosbidu
 

Mais procurados (20)

2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. MedeirosPrimeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
Primeira Revolução Industrial - Inglaterra - Século XVIII - Prof. Medeiros
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Colonização Inglesa
Colonização InglesaColonização Inglesa
Colonização Inglesa
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
BRASIL REPÚBLICA: O INÍCIO
 

Destaque

O mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xixO mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xix
maria40
 
As revoluções liberais na europa no século xix
As revoluções liberais na europa no século xixAs revoluções liberais na europa no século xix
As revoluções liberais na europa no século xix
Nelia Salles Nantes
 
14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo
14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo
14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo
Vanessa Jorge
 
Movimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xix
Movimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xixMovimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xix
Movimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xix
Zeze Silva
 
Os povos pré colombianos
Os povos pré colombianosOs povos pré colombianos
Os povos pré colombianos
Professor Marcelo
 
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução IndustrialSurgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Jeferson Romão
 
América pré colombiana
América pré colombianaAmérica pré colombiana
América pré colombiana
PROFºWILTONREIS
 
Ideias sociais e políticas do Século XIX
Ideias sociais  e políticas do Século XIXIdeias sociais  e políticas do Século XIX
Ideias sociais e políticas do Século XIX
lourenco_comcedilha
 
História
HistóriaHistória
História
dinicmax
 
Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo
Michele Macedo
 
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, SocialismoLiberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
histicasa
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Vagner Roberto
 
Revoluções liberais e nacionalismo
Revoluções liberais e nacionalismoRevoluções liberais e nacionalismo
Revoluções liberais e nacionalismo
Elton Zanoni
 
Trabaho historia Movimento Operário -
Trabaho historia Movimento Operário - Trabaho historia Movimento Operário -
Trabaho historia Movimento Operário -
Simone Calil
 
A organização dos trabalhadores na inglaterra século xix
A organização dos trabalhadores na inglaterra século xixA organização dos trabalhadores na inglaterra século xix
A organização dos trabalhadores na inglaterra século xix
marcelo lima
 
Ciência, tecnologia e educação para o século xxi
Ciência, tecnologia e educação para o século xxiCiência, tecnologia e educação para o século xxi
Ciência, tecnologia e educação para o século xxi
Marla Geller
 
Revolucao Industrial
Revolucao IndustrialRevolucao Industrial
Revolucao Industrial
LianaSuzuki
 
Novas Doutrinas Sociais - século XIX
Novas Doutrinas Sociais - século XIXNovas Doutrinas Sociais - século XIX
Novas Doutrinas Sociais - século XIX
Andre Luiz
 
Cartismo
CartismoCartismo
Revoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIXRevoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIX
dmflores21
 

Destaque (20)

O mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xixO mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xix
 
As revoluções liberais na europa no século xix
As revoluções liberais na europa no século xixAs revoluções liberais na europa no século xix
As revoluções liberais na europa no século xix
 
14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo
14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo
14 moodle revolucao liberal portuguesa cartismo setembrismo
 
Movimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xix
Movimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xixMovimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xix
Movimentos trabalhistas e doutrinas sociais do século xix
 
Os povos pré colombianos
Os povos pré colombianosOs povos pré colombianos
Os povos pré colombianos
 
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução IndustrialSurgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
Surgimento dos Sindicatos na Revolução Industrial
 
América pré colombiana
América pré colombianaAmérica pré colombiana
América pré colombiana
 
Ideias sociais e políticas do Século XIX
Ideias sociais  e políticas do Século XIXIdeias sociais  e políticas do Século XIX
Ideias sociais e políticas do Século XIX
 
História
HistóriaHistória
História
 
Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo Anarquismo,comunismo e socialismo
Anarquismo,comunismo e socialismo
 
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, SocialismoLiberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
 
Revoluções liberais e nacionalismo
Revoluções liberais e nacionalismoRevoluções liberais e nacionalismo
Revoluções liberais e nacionalismo
 
Trabaho historia Movimento Operário -
Trabaho historia Movimento Operário - Trabaho historia Movimento Operário -
Trabaho historia Movimento Operário -
 
A organização dos trabalhadores na inglaterra século xix
A organização dos trabalhadores na inglaterra século xixA organização dos trabalhadores na inglaterra século xix
A organização dos trabalhadores na inglaterra século xix
 
Ciência, tecnologia e educação para o século xxi
Ciência, tecnologia e educação para o século xxiCiência, tecnologia e educação para o século xxi
Ciência, tecnologia e educação para o século xxi
 
Revolucao Industrial
Revolucao IndustrialRevolucao Industrial
Revolucao Industrial
 
Novas Doutrinas Sociais - século XIX
Novas Doutrinas Sociais - século XIXNovas Doutrinas Sociais - século XIX
Novas Doutrinas Sociais - século XIX
 
Cartismo
CartismoCartismo
Cartismo
 
Revoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIXRevoluções Liberais Séc XIX
Revoluções Liberais Séc XIX
 

Semelhante a Revolução industrial

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Layla Aquino
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
Laerciolns12
 
Revolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas EnemRevolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas Enem
Joemille Leal
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
emillyalmeida
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
Pitágoras
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
leonardocollyer
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
EJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdfEJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdf
GilmarDaSilvaCampos1
 
Revolução Industrial - Prof. Altair Aguilar
Revolução Industrial - Prof. Altair AguilarRevolução Industrial - Prof. Altair Aguilar
Revolução Industrial - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Leolina Heloisa Silva Sales
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Paulo Alexandre
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Kamila Joyce
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Francisco José Almeida Sobral
 
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesaRevolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
Ava Augustina
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
Raphael Santos Silva
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
Carla Prestes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 

Semelhante a Revolução industrial (20)

Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
Revolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas EnemRevolução industrial/ Dicas Enem
Revolução industrial/ Dicas Enem
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Rindustrial
RindustrialRindustrial
Rindustrial
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
EJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdfEJA DIA 28-03.pdf
EJA DIA 28-03.pdf
 
Revolução Industrial - Prof. Altair Aguilar
Revolução Industrial - Prof. Altair AguilarRevolução Industrial - Prof. Altair Aguilar
Revolução Industrial - Prof. Altair Aguilar
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismo
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesaRevolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 

Mais de Debora Barros

A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
Debora Barros
 
O que é História?
O que é História?O que é História?
O que é História?
Debora Barros
 
1822
18221822
Organelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticasOrganelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticas
Debora Barros
 
Curiosidades da astronomia
Curiosidades da astronomiaCuriosidades da astronomia
Curiosidades da astronomia
Debora Barros
 
Classificação Econômica dos Países
Classificação Econômica dos PaísesClassificação Econômica dos Países
Classificação Econômica dos Países
Debora Barros
 
O tempo e a história
O  tempo e a históriaO  tempo e a história
O tempo e a história
Debora Barros
 
Evolução humana e pré história
Evolução humana e pré  históriaEvolução humana e pré  história
Evolução humana e pré história
Debora Barros
 

Mais de Debora Barros (8)

A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento modernoA reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
A reforma protestante e sua relação com o pensamento moderno
 
O que é História?
O que é História?O que é História?
O que é História?
 
1822
18221822
1822
 
Organelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticasOrganelas citoplasmáticas
Organelas citoplasmáticas
 
Curiosidades da astronomia
Curiosidades da astronomiaCuriosidades da astronomia
Curiosidades da astronomia
 
Classificação Econômica dos Países
Classificação Econômica dos PaísesClassificação Econômica dos Países
Classificação Econômica dos Países
 
O tempo e a história
O  tempo e a históriaO  tempo e a história
O tempo e a história
 
Evolução humana e pré história
Evolução humana e pré  históriaEvolução humana e pré  história
Evolução humana e pré história
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Revolução industrial

  • 2. • A Revolução industrial foi um conjunto de mudanças que aconteceram na Europa nos séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição do trabalho artesanal pelo assalariado e com o uso das máquinas
  • 3. • Até o final do século XVIII a maioria da população europeia vivia no campo e produzia o que consumia. De maneira artesanal o produtor dominava todo o processo produtivo. Apesar de a produção ser predominantemente artesanal, países como a França e a Inglaterra, possuíam manufaturas. As manufaturas eram grandes oficinas onde diversos artesãos realizavam as tarefas manualmente, entretanto subordinados ao proprietário da manufatura.
  • 4. • Inglaterra: Primeiro País a se Industrializar; • Posteriormente, França Alemanha e Itália e Bélgica se industrializam. • São chamados Países de Industrialização Clássica.
  • 5. E o Brasil? • O Brasil só inicia o processo de industrialização na 2ª metade do Sec. XX • Chama-se Industrialização Tardia!
  • 6. Voltando a Inglaterra- 1º País a se Industrializar • A Inglaterra foi precursora na Revolução Industrial devido a diversos fatores, entre eles: • Grande Acúmulo de Capital devido ao Mercantilismo Comercial; • Revolução Gloriosa e Mudança Política; • Possuir uma rica burguesia; • Política de Cercamentos e Êxodo rural ; • Localização privilegiada junto ao mar o que facilitava a exploração dos mercados ultramarinos. • Ricas jazidas de Carvão Mineral
  • 7. • A Primeira etapa da Revolução Industrial • Entre 1760 a 1860, a Revolução Industrial ficou limitada, primeiramente, à Inglaterra. Houve o aparecimento de indústrias de tecidos de algodão, com o uso do tear mecânico. Nessa época o aprimoramento das máquinas a vapor contribuiu para a continuação da Revolução.
  • 8. • A Segunda Etapa da Revolução Industrial • A segunda etapa ocorreu no período de 1860 a 1900, ao contrário da primeira fase, países como Alemanha, França, Rússia e Itália também se industrializaram. O emprego do aço, a utilização da energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor a explosão, da locomotiva a vapor e o desenvolvimento de produtos químicos foram as principais inovações desse período.
  • 9. • A Terceira Etapa da Revolução Industrial • Alguns historiadores têm considerado os avanços tecnológicos do século XX e XXI como a terceira etapa da Revolução Industrial. O computador, o fax, a engenharia genética, o celular seriam algumas das inovações dessa época.
  • 10. Consequências Da Revolução Industrial • Êxodo Rural- Levou ao processo de Urbanização; • Poluição ambiental dos Grandes Centros; • Surge o Termo Proletariado; • A Classe de trabalhadores é explorada e marginalizada; • A desigualdade econômica entre os trabalhadores inspira karl Marx e Engels a criar o Socialismo. • Surgem os opositores do Processo de Industrialização ( Ludistas e Cartistas);
  • 11. Ludismo O Ludismo estourou em 1811. O nome dado a esse movimento é deriva do de um dos líderes, Ned Ludd. Esse movimento foi uma das primeiras revoltas dos operários que não concordavam com os avanços tecnológicos, que substituíam homens por máquinas. Esse movimento foi feito constituído por revoltas radicais, em que os trabalhadores invadiam as fábricas e destruíam as máquinas, ficando conhecidos como “quebradores de máquinas”. Existiam esquadrões ludistas, que andavam armados com martelos, pistolas, lanças, e, durante a noite, andavam de um distrito ao outro, destruindo tudo que encontravam. Porém, muitos manifestantes foram condenados à prisão, à morte, à deportação e até à forca. O Ludismo ocorreu durante alguns anos, mas, aos poucos, os manifestantes constataram que não eram contra as máquinas que deveriam reagir, e sim ao uso que os proprietários faziam delas, abusando da mão-de-obra dos operários (12).
  • 13. Cartismo De forma um pouco mais organizada, em 1836, surgiu o Cartismo, constituído pela “Associação dos Operários” e liderado por Feargus O’Connor e William Lovett. Eles reinvidicavam direitos políticos, como o sufrágio universal (direito de voto), o voto secreto, melhoria das condições e jornadas de trabalho. E para isso, eles redigiram a “Carta da Povo”, solicitando um conjunto de reformas junto ao Parlamento. Depois de muitas tentativas e lutas, o Cartismo foi se dissolvendo até chegar ao fim. Porém, o espírito do movimento não se perdeu, e ganhou maior presença política depois de um tempo, fazendo com que algumas leis trabalhistas fossem criadas (13).
  • 15. Trade Union • Considerado berço dos sindicatos de trabalhadores; • Local ondem nascem as primeiras manifestações de luta
  • 16. • Por fim , a Industrialização nos trouxe mudanças significativas no sistema produtivo, levando mercadorias a todas regiões do mundo, impulsionando assim o processo de globalização.