Industrialização mundial

411 visualizações

Publicada em

Industrialização mundial

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
411
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Industrialização mundial

  1. 1. JOÃO ARTURJOÃO ARTUR INDUSTRIALIZAÇÃOINDUSTRIALIZAÇÃO MUNDIALMUNDIAL
  2. 2. O mundo do século XVIII eraO mundo do século XVIII era predominantemente ruralpredominantemente rural.
  3. 3. • A ordem feudal estava baseada em uma perspectivaA ordem feudal estava baseada em uma perspectiva de mundo estável, organizado, hierarquizado, node mundo estável, organizado, hierarquizado, no qual as verdades estavam dadas e eramqual as verdades estavam dadas e eram decorrentes da vontade divina.decorrentes da vontade divina. • O mundo estava pronto e aos homens cabia mantê-O mundo estava pronto e aos homens cabia mantê- lo; a verdade estava dada, cabendo ao homemlo; a verdade estava dada, cabendo ao homem adotá-la.adotá-la. • A casa vai se tomando lugar reservado à família,A casa vai se tomando lugar reservado à família, que dentro da casa, vai também dividindo espaços eque dentro da casa, vai também dividindo espaços e permitindo lugares mais individuais e privados.permitindo lugares mais individuais e privados. • Constroi-se uma casa para a fábrica, modificando oConstroi-se uma casa para a fábrica, modificando o caráter da vida pública. A educação das crianças,caráter da vida pública. A educação das crianças, tomada como tarefa de todos, vai passando a ser detomada como tarefa de todos, vai passando a ser de responsabilidade da família e do Estado.responsabilidade da família e do Estado.
  4. 4. MaquinofaturaMaquinofatura XX ManufaturaManufatura
  5. 5. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL SURGIU NA INGLATERRA • Principal nação capitalista do mundo europeu. “O sol nunca se põe no Império Britânico" • Possuía um imenso império colonial. • Abrigou, em seu solo, os calvinistas franceses (Huguenotes), com seus capitais e sua experiência empresarial. • Foi a primeira nação liberal do mundo.
  6. 6. OBJETIVO DAS DUASOBJETIVO DAS DUAS PRIMEIRAS REVOLUÇÕESPRIMEIRAS REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS:INDUSTRIAIS: • Usar a tecnologia para produzir produtos baratos e emUsar a tecnologia para produzir produtos baratos e em grandes quantidades.grandes quantidades. • A substituição do trabalho braçal, na primeira, e oA substituição do trabalho braçal, na primeira, e o desenvolvimento de sofisticadas estratégias gerenciais, nadesenvolvimento de sofisticadas estratégias gerenciais, na segunda, não visavam substituir trabalhadores por máquinas,segunda, não visavam substituir trabalhadores por máquinas, uma vez que os trabalhadores desempenhavam papel centraluma vez que os trabalhadores desempenhavam papel central e indispensável no processo produtivo.e indispensável no processo produtivo.
  7. 7. PRIMEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1760-1860) • Indústria textil: A primeira máquina inventada. • O tear mecânico • O descaroçador de algodão • A máquina a vapor • Produção de ciência
  8. 8. Science Museum of LondresScience Museum of Londres
  9. 9. • Surgiram as primeiras estradas de ferro. A invenção da locomotiva • O barco a vapor • O telégrafo • A agricultura tambémsofreu melhoramentos – ceifadeira mecânica.
  10. 10. CARACTERÍSTICAS PRIMEIRA REVOLUÇÃOINDUSTRIAL (1780- 1840) • Passagem da acumulação primitiva para a acumulação capitalista. Substituindo métodos artesanais por mecanizados, concomitantemente ao desenvolvimento dos mesmos: a divisão do trabalho passa a ser determinada pela própria mecanização. • Passagem da manufatura para a grande indústria. • A primeira revolução industrial se caracterizou pelo avanço da mecanização.No primeiro momento foi o caos, depois quanto mais produzia mais barato ficava os objetos. • Predomínio do modo de produção capitalista. • Obs.: É o sistema econômico que desemprega, não as máquinas.
  11. 11. A SITUAÇÃO DAA SITUAÇÃO DA CLASSECLASSE TRABALHADORA NATRABALHADORA NA INGLATERRAINGLATERRA Friedrich EngelsFriedrich Engels 1820 - 18951820 - 1895
  12. 12. “Um dia andei por Manchester com um destes cavalheiros da classe média. Falei-lhes das desgraçadas favelas insalubres e chamei-lhe a atenção para a repulsiva condição daquela parte da cidade em que moravam os trabalhadores fabris. Declarei nunca ter visto uma cidade tão mal construída em minha vida. Ele ouviu-me pacientemente e na esquina da rua onde nos separamos comentou: ‘E ainda assim, ganham-se fortunas aqui. Bom dia, senhor!’”.
  13. 13. • A estrutura administrativa passa a representar um elevado custo fixo e devido a atividades não mecanizáveis, essa estrutura se caracteriza pela baixa produtividade. • Desenvolve-se a maximização de lucros em longo prazo, através de uma expressiva reinversão de lucros de forma a garantir a ampliação da própria estrutura administrativa. • Serão desenvolvidas novas oportunidades de investimento, criando novas demandas através de um marketing agressivo, bem como interiorizando a própria dinâmica de inovação através de laboratórios internos de P&D: cria-se uma organizada insatisfação em termos de se delinear um desejo
  14. 14. SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (1850- 1980) • É caracterizada pela difusão dos princípios de industrialização em diversos países: França, Alemanha, Itália, Bélgica, Estados Unidos e Japão. • Valorização das ciências Física e Química • O destaque ficou com a eletricidade e a química, resultando em novos tipos de motores (elétricos e à explosão), no aparecimento de novos produtos químicos e na substituição do ferro pelo aço. • Houve o surgimento das grandes empresas - que, por vezes, se organizavam em cartéis (grupos de empresas que, mediante acordo, buscam determinar os preços e limitar a concorrência) -, do telégrafo sem fio e do rádio.
  15. 15. • Com a luz elétrica os lucros foram elevados, permitindo o crescimento industrial. • Motores e máquinas eletrônicas menores permitiram o desenvolvimento de um grande número de utilidades domésticas, que seriam os bens de consumo duráveis que, juntamente com o automóvel, constituem os maiores símbolos da sociedade moderna durante a guerra fria (EUA) e o consumismo de seus produtos industrializados para superar sua crise da queda da Bolsa de NY em 1929. • Cria-se a sociedade de consumo salário tem que subir, formação dos sindicatos, capital x trabalho. • O padrão de consumo é definido pelo estado de bem estar. • Qualidade de vida X estado de bem estar social (moradia, saúde, transporte gratuito, educação).
  16. 16. TERCEIRA REVOLUÇÃOTERCEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIALINDUSTRIAL • Essa nova fase apresenta processos tecnológicos decorrentes de uma integração física entre ciência e produção, também chamada de revolução tecnocientífica. Robô inglês: braço eletrônico é capaz de escrever e de levantar 1 tonelada
  17. 17. E F E I TOS DA RE V O L U Ç Ã OE F E I TOS DA RE V O L U Ç Ã O I N DU S T RI A LI N DU S T RI A L • ACÚMULO DE CAPITAL • CONTROLE CAPITALISTA DO CAMPO • CRESCIMENTO POPULACIONAL • CAPITALISMO INDUSTRIAL • EMPRESÁRIOS INDUSTRIAIS • PROLETARIADO • DENTENTOR DOS MEIOS DE PRODUÇÃO • SURGIMENTO DOS MOVIMENTOS OPERÁRIOS • DIVISÃO DO TRABALHO • ALIENAÇÃO DO TRABALHO • PRODUÇÃO EM SÉRIE • PADRONIZAÇÃO DOS GOSTOS • DESENVOLVIMENTO DOS TRANSPORTES • DESENVOLVIMENTO DAS COMUNICAÇÕES • URBANIZAÇÃO
  18. 18. ALGUMAS CONSEQUÊNCIASALGUMAS CONSEQUÊNCIAS • A noção de eu e a individualização vai se desenvolvendo com a história do capitalismo. • Instabilidade: nós vivemos o agora, não há projeto de vida. • 90% dos contratos de trabalho são precários (informal, sem vínculo) • Personalidade instável (emocional), receptivo à mudança, relacionamento instável. • Educação sem a visão da alteridade(não existe o outro). • Extremo individualismo. • A idéia de um mundo "interno" aos sujeitos, da existência de componentes individuais, singulares, pessoais, privados vai tomando força, permitindo o desenvolvimento de um sentimento de eu.
  19. 19. Frederick Taylor 1865-1915 um engenheiro americano chamado Taylor desenvolveu a "organização científica do trabalho". Seu objetivo era elevar ao máximo a produtividade das fábricas. Os seus métodos provocaram mudanças significativas nos processos industriais. TaylorismoTaylorismo
  20. 20. as tarefas dos operários deveriam ser simplificadas ao máximo, de modo que o seu grau de dificuldade fosse o mínimo possível. O fluxo de produção deveria ser dividido e subdividido até que cada trabalhador só realizasse uma ínfima parte do processo como um todo os operários não deveriam perder tempo pensando sobre o que faziam. Planejar, controlar e introduzir melhorias nos processos era responsabilidade de uma equipe de engenheiros.
  21. 21. O método de Taylor foi, posteriormente, levado às últimas consequências por Henry Ford. Henry FordHenry Ford 1863-19471863-1947 Ford criou as linhas de montagem na sua fábrica de automóveis. As mudanças introduzidas ´por Ford visavam a produção em serie de um produto( o Ford modelo T) para o consumo de massa. Foi implantada a jornada de 8 horas de trabalho por 5 dólares ao dia ismoismo
  22. 22. A maquino fatura desenvolveu-se e a produção passou a organizar-se em linha de montagem. Significava renda e tempo de lazer suficientes para o trabalhador suprir todas as suas necessidades básicas e a até adquirir um dos automóveis produzidos na empresa. Fordismo O aperfeiçoamento continuo dos sistemas produtivos deu origem a uma divisão do trabalho detalhada que resultou na diminuição de horas de trabalho. Iniciou-se a era do consumismo: produção em massa para um consumo em massa
  23. 23. aumento de produtividade com o uso mais adequadoaumento de produtividade com o uso mais adequado possível de horas trabalhadas, através do controlepossível de horas trabalhadas, através do controle das atividades dos trabalhadoresdas atividades dos trabalhadores Fordismo-TaylorismoFordismo-Taylorismo Divisão e parcelamento das tarefasDivisão e parcelamento das tarefas mecanização de parte das atividades com a introdução da linha de montagem um sistema de recompensas e punições conforme o comportamento deles no interior da fabrica
  24. 24. era extremamente mais fácil treinar operários em tarefas muito simples do que em tarefas complexas. VantagensVantagens a própria idéia de que a atividade produtiva deve ser objeto de estudo metódico e racional Um trabalhador especializado numa pequena operação podia adquirir habilidade suficiente para faze-la muito rapidamente
  25. 25. Dois elementos externos à fabrica contribuíram muito para o sucesso das medidas propostas por Taylor e Ford: 1. o atrelamento do movimento sindical aos interesses capitalistas. Apesar dos conflitos, os sindicatos foram se burocratizando e se transformaram em imensas estruturas administrativas, fazendo concessões aos capitalistas e ao Estado; Análise critica do Fordismo-Taylorismo Vantagens 2. a presença significativa do Estado criando mecanismos financeiros e legais para que o consumismo se tornasse uma pratica cotidiana, bem como cooptando os sindicatos para que controlassem politicamente a força de trabalho.
  26. 26. Aos operários cabia somente usar as mãos, nunca os cérebros. Desvantagens Esse método tratava o trabalhador como se fosse máquina. Na verdade ele tinha até menos status que as próprias máquinas já que tinha que adaptar o seu ritmo de trabalho ao dos equipamentos.
  27. 27. Desvantagens Alheamento o trabalhador não se identifica com o produto do seu esforço. Como resultado o operário não sentia orgulho nem entusiasmo pelo seu trabalho.. Um homem que simplesmente fixava pára- lamas não via o automóvel pronto como obra sua.. Ele não era nem ao menos capaz de entender o funcionamento do carro. A única coisa que ele sabia era fixar pára-lamas Pessoas que não se orgulham do que fazem, que não vêem importância na sua atividade, dificilmente produzem com qualidade
  28. 28. Um enorme potencial estava sendo desperdiçado ao se impedir que os operários opinassem sobre o modo como o trabalho era feito. Desvantagens Mesmo pessoas com pouca cultura escolar tem bom senso suficiente para enxergar problemas simples - que muitas vezes passam desapercebidos aos olhos dos engenheiros - e propor soluções para eles.
  29. 29. Não se trata, portanto, de uma técnica “neutra” de organizar o trabalho de forma metódica, como o taylorismo é encarado nos cursos de Administração de Empresas. Na verdade, estamos diante de uma forma encontrada pela burguesia para ampliar seu domínio sobre a classe trabalhadora, apropriando-se de seu saber e de seu tempo. A idéia taylorista de um rendimento maximo no menor espaço de tempo possível e a separação entre o mando (ou o planejamento) e a execução instalou-se nos mais diferentes setores da vida social, como por exemplo, na organização do trabalho nos escritórios e no sistema de ensino.
  30. 30. TRANSFORMAÇÃO Nos períodos mais recentes, o capitalismo vem passando por nova transformação Crise do petróleo (1973) : recessão, busca de novas formas de elevar a produtividade do trabalho e expansão dos lucros Década de 70: nova fase no processo produtivo capitalista : pós-fordismo ou processo da acumulação flexível
  31. 31. Nova fase de expropriação da mão-de-obra, a chamada acumulação flexível ou Toyotismo: a partir do modelo de produção criado pelos japoneses no período pós segunda Guerra degradação das condições de trabalho, dos direitos trabalhistas e, consequentemente, dos trabalhadores. Os princípios ideológicos e organizacionais do toyotismo passaram a sustentar as práticas empresariais como modelo de administração e produção Eiji ToyodaEiji Toyoda  (1913-2013) (1913-2013) TOYOTISMOTOYOTISMO
  32. 32. Características flexibilização dos processos de trabalho, incluindo a automação flexibilização e mobilidade dos mercados de trabalho flexibilização dos produtos e também dos padrões de consumo Pós - Fordismo
  33. 33. A U T O M A Ç Ã O eliminação do controle manual por parte do trabalhador, o trabalhador só intervém para fazer o controle e a supervisão as atividades mecânicas são desenvolvidas por maquinas automatizadas, programadas para agir sem intervenção de um operador o engenheiro que entende de programação eletrônica e de analise de sistemas passa a ter uma importância estratégica Flexibilizaçao do processo de trabalho
  34. 34. A U T O M A Ç Ã O A robótica tecnologia é um componente novo nas industrias de bem de consumo duráveis e altera profundamente as relações de trabalho Robôs não fazem greve, trabalham incansavelmente, não exigem maiores salários e melhores condições de trabalho e de vida Novas formas de produção: o licenciamento de marcas que articulam varias empresas pequenas e medias em torno do marketing e do apoio financeiro de um grande grupo. Flexibilização do processo de trabalho
  35. 35. Flexibilização dos mercados de trabalho.Flexibilização dos mercados de trabalho. Tendência de se usar diferentes formas de trabalho: trabalho domestico e familiar, trabalho autônomo, trabalho temporário, por hora ou curto prazo subcontratação Alta rotatividade da mão de obra baixo nível de sindicalização, enfraquecimento dos sindicatos na defesa dos direitos trabalhistas. Terceirização
  36. 36. Flexibilização dos produtos e do consumo. A vida útil dos produtos vai diminuindo, tornando-se descartáveis, a propaganda nos estimula a trocá-los por novos Obsolescência ProgramadaObsolescência Programada
  37. 37. O pós- fordismo Consequências Alta rotatividade da mão de obra baixo nível de sindicalização enfraquecimento dos sindicatos na defesa dos direitos trabalhistas, instabilidade para os trabalhadores, desemprego crescente tendência a elevar o numero de trabalhadores através da diminuição das horas de trabalho semanais: trabalhar menos horas para que todos possam ter emprego e renda.
  38. 38. Modelos de ProduçãoModelos de Produção Da Segunda revolução industrial à revoluçãoDa Segunda revolução industrial à revolução Técnico-científicaTécnico-científica Modelos de ProduçãoModelos de Produção Da Segunda revolução industrial à revoluçãoDa Segunda revolução industrial à revolução Técnico-científicaTécnico-científica TAYLORISMO Separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos .- Racionalização da produção.- Controle do tempo. - Estabelecimento de níveis mínimos de produtividade. FORDISMO Produção e consumo em massa. - Extrema especialização do trabalho .- Rígida padronização da produção .- Linha de montagem. TOYOTISMO Estratégias de produção e consumo em escala planetária. - Valorização da pesquisa científica .- Desenvolvimento de novas tecnologias. - Flexibilização dos contratos de trabalho.

×