SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
A CONSAGRAÇÃO DOS
SACERDOTES
José Roberto Alves da Silva
Petrolina – PE, 20 de Março de 2014
A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES
Texto para Estudo: Êxodo 29.1-12;
By José Roberto Alves
Introdução:
Estamos chegando ao final deste trimestre, tendo em vista que estudamos durantes estas
12 lições, assuntos importantíssimos sobre a formação da nação israelita, desde quando ela
fora resgatada do Egito, o seu cativeiro e libertação, a sua condução por Moisés desde da sua
saída até a travessia do Mar Vermelho, como seu desenvolvimento religioso e o
estabelecimento da nação como reino sacerdotal, é alí no deserto que Deus se manifesta ao
seu povo, entrega-lhes as leis: religiosa, civil e penal, conforme vimos no decorrer das lições
anteriores que estudamos. Estabelece a construção do Tabernáculo, separa Arão e seus
filhos ao serviço do santuário e por fim neste capitulo, iremos abordar os pormenores
ritualísticos da cerimônia de posse do Sacerdócio de Arão e de seus filhos, levando em conta
cada particularidade da cerimonia.
Não podia ser diferente com relação a outras nações, Deus precisava estabelecer o serviço
de adoração, onde a nação poderia de fato reconhecer o seu Deus, não tendo como um Deus
entre os demais deuses, mas como o Único e Verdadeiro Deus, que estaria reivindicando
toda a adoração a Si. Mediante as páginas sagradas e a história secular, sempre existiu a
figura do sacerdote em meio as nações gentílicas daquela época, levando em conta que o
próprio Abraão descendia de família religiosa e politeísta, que segundo Werner Keller em
seu livro “E a Bíblia tinha razão”, afirma que “...Ur era diferente. O recinto sagrado, a
circunscrição do templo, não era dedicada exclusivamente ao culto dos deuses. Além dos
atos do culto, os sacerdotes desempenhavam muitas outras funções...” ¹. Também não era
diferente para Abraão, pois o mesmo reconhecera a presença do sacerdote como alguém que
representasse o próprio Deus, podemos ver isso no episódio de Melquisedeque , tido por
sacerdote do Deus Altíssimo (Gn 14.18-20). O próprio Israel mesmo presenciara o sistema
religioso do Egito, bem como a maneira que se procedia os sacerdotes mediantes as suas
divindades (pagãs), e o próprio Moisés tinha o sogro que era considerado sacerdote em
Midiã (Ex 3.16), embora não identificado a qual dividade ele servia.
Veremos agora, passo a passo os elementos ritualísticos da consagração de Arão e seus
filhos ao serviço sacerdotal.
1. A CONSAGRAÇÃO DE ARÃO E SEUS FILHOS.
1.1 – A lavagem com água. (Ex 29.4)
O primeiro passo a ser dado para a cerimônia seria a lavagem de Arão e seus filhos, este
tipo de ação era necessário para que o sacerdote pudesse se vestir conformalmente,
demonstrando de fato que teria que primeiramente ser limpo, era uma lavagem completa,
significando a “pureza' e 'santidade” na presença de Deus. Este era o simbolo do batismo,
conforme podemos encontrar nos dias Cristo, como forma de purificação, não sendo ainda
a limpeza por total pois a mesma só poderia ser com a finalização do ritual, o sacrifício. Era
usado a pia de cobre para tal procedimento, conforme podemos ver em Êxodo 30.17-21,
depois da consagração, o sacerdote apenas lavava, antes de proceder com o serviço do
santuário. A santificação só ocorreria através desse ato de lavagem (Ex 29.1; 44).
O chamado para aquele oficio com podemos ver, não seria voluntario por parte do
homem, mas somente o próprio Deus poderia fazê-lo,(Ex 28.1,2). “...Elas não eram pessoas
que estavam ali simplesmente por que queriam ou porque se achavam competentes para
tal. Estavam ali porque Deus chamara, como afirma o escritor aos Hebreus... (Hb 5.4,5).²
Essa lavagem pode significar a purificação pelo o Sangue de Jesus e a lavagem da sua
palavra, (I Jo 1.7; Jo 15.3; 17.17). Em Hebreus 12.14 afirma: “...sem santificação, ninguém verá o
Senhor”, sendo imprescindível que aquele que procura servir ao Senhor, precisa fazê-lo em
santidade.
1.2 -A unção do Azeite (Ex 29.7; 30.22-33).
É bem entendido que quando falamos sobre a unção vem em mente a unção do Espirito
Santo, como o seu batismo que enche o crente de poder. É isso mesmo, Arão assim com seus
filhos precisavam serem ungidos com azeite (Ex 29.7; 30.30) que segundo o Comentário
Beacon, Eles “...em três ações seriam vestidos com os camisões e gorros (Ex 29.8,9). Este ato
de investidura e unção empossavam estes homens e seus sucessores no oficio sacerdotal
para o resto das vida....”, e revela-nos que só em Cristo há cumprimento da eternidade deste
oficio (Hb 5.6).
É bem verdade que o crente como sacerdote de Cristo (Não segundo o levítico, mas o
sacerdócio real e universal – I Pe 2.9), precisa está ungido com o Espirito Santo, assim como
Cristo que a iniciar o seu ministério na terram precisou ser cheio do Espirito Santo, como
inicio daquilo que iria exercer o Sumo sacerdócio, entrou nas águas do Jordão, em um ritual
de lavagem “o batismo” (Mt 3.16; Is 11.2; Lc 3.22).
O Azeite tinha que ser especial (Ex 30.22-25) e não poderia ser misturado, nem com
composição diferente. Aquela fórmula era exclusiva, não podendo ser usada para outro fins,
a não ser o serviço na obra de Deus (Ex 30.31-33). Deus não aceita mistura, jamais a sua
unção poderá se misturar com fórmulas mundanas. Não há concórdia entre luz e trevas (I
Co 6.14-18).
1.3 – As ofertas pelo o pecado (Ex 29.10-18).
As etapas com relação as vestimentas dos sacerdotes,o significado de cada peça, já
estudamos na lição 11, o que apenas podemos comentar aqui é a ordem como Moisés havia
vestido Arão e seus filhos, tendo mais detalhe em Levítico 8.6-10. Nestes versículos
encontramos Moisés sacrificando o novilho. Antes do sacrifício, Arão e seus filhos tinham
que pôr as mãos sobre a cabeça do animal, como substituição ou transferência dos pecados
próprios para o animal inocente (Lv 8.14,15; Ex 29.11,12). A culpa por causa do pecado, que
naquele instante se referia aos sacerdotes, só seria compensada com a morte, que neste caso
era o sacrifício do novilho. “Cristo é a expiação dos nossos pecados” (Jo 3.16; I Co 15.3; I Jo
1.7). É imprescindível que quem serve a Cristo deva lembrar que ainda estamos sujeito ao
pecado, pois somos ainda pecadores, porém redimidos pelo o sangue do Cordeiro, mas
devemos sempre buscar a se manter na presença de Cristo, em seus méritos, para a
salvação.
Ainda deveria realizar o holocausto pela a expiação de culpas, especificamente “...em
honra a Deus, a oferta deveria ser queimada, simbolizando a dedicação total daqueles
homens ao serviço do Senhor” (Ex 29.15-18).
2. O SACRIFÍCIO DA POSSE (Ex 29.19-37).
2.1. O carneiro da consagração (Ex 29.19-22).
Este era o segundo carneiro para o sacrifício, era uma oferta pacífica, que apontavam para
a morte vicária de Cristo no calvário, o animal inocente era imolado e seu sangue
derramado sobre o altar e era também aspergido sobre as vestes sacerdotais e os corpos dos
sacerdotes (Lv 8.15; Ex 29.11) a saber: a ponta da orelha direita, o polegar direito e dedo do pé
direito de todos eles, e o Azeite da mesma forma, era aspergido sobre eles e significava a
santificação de todos (Ex 29.20,21).
a) A aspersão na orelha direita significava a santificação de sua “atenção”.
b) Sobre o polegar direito, era a santificação do seu “trabalho”.
c) E sobre o pé direito, santificava o seu “andar e seu proceder”.
“O sangue e o azeito juntos falam do sangue de Cristo e do Espirito Santo, da justificação e
da santificação, do perdão e do poder purificadores.”
“Era uma verdade de grande importância. Cristo não somente morreu por nossos pecados
'segundo as escrituras' (I Co 15.3), como foi feito pecado por nós (I Co 5.21). Esta é a doutrina
do sacrifício da expiação do pecado.”
2.2 – Os sacrifícios diários (Ex 29.35-39).
As ofertas diárias como estão claramente escrita, e como o próprio nome a diz, eram
realizados por setes dias, que eram os dias da cerimônia de posse do sumo sacerdote, isso se
repetia quando um novo sumo sacerdote era separado para o oficio (Lv 8.33-35). Durante
aqueles dias eram necessário fazer o sacrifício pela manhã e pela tarde, ou seja, dois
cordeiros por dia (Ex 29.38,39). No sacrifício, era ordenado sacrificar o cordeiro juntamente
com farinha, misturada com azeite batido (o pão) que apontavam para o corpo de Cristo,
cuja carne era simbolizada no N.T pelo o pão da Santa Ceia (Mt 26.26; I Co 11.24).
Este cerimonial era necessário para que a presença de Deus fosse contínua no meio da
congregação do povo de Israel (Ex 25.8; Lv 26.12), tudo precisava está santificado por meio
do holocaustos, era mandamento perpétuo “por vossas gerações” (Ex 29.42-46).
A perpetuação do sacrifício só se tornara real através de Cristo, quando se rendeu no
madeiro da cruz, derramando o seu sangue, oferecendo a própria vida, para santificar todos
aqueles que achegam a Deus, Cristo favoreceu a habitação de Deus na vida dos homens por
intermédio de seu Santo Espirito, por meio da Nova Aliança (Jo 14.17,23; II Co 6.16; Ap 21.3).
Outro detalhe, era que quando houvesse a necessidade de consagrar um novo sumo
sacerdote, as indumentária era passado de pai para filho, ou seja, as responsabilidades eram
demonstradas nas vestimentas, onde o sumo sacerdote manteria a sua postura de conduzir
o serviço do santuário assim como fora o seu pai, levando em conta que a unção era nova,
onde o mesmo iria de fato adquirir as suas novas experiencias.
3. CRISTO, O SUMO SACERDOTE PERFEITO E ETERNO.
a) Segundo a Ordem de Melquisedeque (Sl 110.4; Hb 5.6).
Como já estudamos, Cristo não pertencia a tribo de Levi e nem tão pouco poderia assumir
o sacerdócio Arônico, pois o sacerdócio daqueles apontavam simbolicamente a Cristo, mas
que na verdade o sacerdócio de Cristo era ainda de uma ordem superior, que as escrituras
definem como o “Sumo sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque (Hb 5.6,10; 7.1-28)
tendo como referencia profética: Salmos 110.4. Jesus Cristo segundo as escrituras é aquEle
que tem “um sacerdócio perpétuo” (Hb 7.24).
A permanencia do sacerdócio levítico só era possível com linhagem dos sacerdotes que se
sucediam ao passar dos séculos (Hb 7.23), mas Cristo mantinha o seu sacerdócio mediante a
figura simbólica de Melquisedeque, que “Sem pai, sem mãe, sem genealogia” prefigurava o
estado eterno de Cristo (Hb 7.3; 24-37).
b) O sacrifício perfeito e eterno de Cristo (Hb 8.1,6; 7.24).
Nos serviços do tabernáculo, naqueles dias, os sacerdotes deviam oferecer sacrifícios
diários que mostravam o quanto eram imperfeitos e que por isso constantemente
precisavam da continuidade do sacrifico para aceitação do povo diante de Deus 9Ex 29.42;
Hb 9.14,25,26). mas Cristo era justo, santo e perfeito e o seu sacrifício fora aceito por Deus
de uma vez por todas, satisfazendo todos os requisitos da lei (Hb 7.26-28). Não precisamos
mais realizar tais sacrifícios, pois foram satisfatoriamente realizados por Cristo, o que
apenas devemos fazer, é tão somente manter-se na vontade Deus, procurando a lavagem de
sua palavra e oferecendo as nossas vidas como “sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que
é o vosso culto racional” (Rm 12.1), isto é, a responsabilidade da condução do serviço cristão
e adoração a Deus.
Em Cristo temos livre acesso ao Pai, por um “novo e vivo caminho que Ele nos
consagrou...” (Hb 10.20), no qual Ele está “sempre vivendo a interceder por todos” nós (Hb
7.25b).
CONCLUSÃO:
O cerimonial levítico das consagrações e posses dos serviços sacerdotais era apenas
sombras das coisas que viriam acontecer futuramente, as quais foram realizadas em Cristo
(Hb 8.5), apontavam para a excelência do eterno e superior sacerdócio de Cristo.
Diferentemente daqueles que precisavam imolar um cordeiro em substituição de si
mesmos, Cristo como cordeiro puro e imaculado entregou-se a si mesmo pelo o pecado dos
outros, sendo o próprio executor e executado para de uma vez por todas garantir a redenção
da humanidade (Hb 9.28). Amém, Aleluia e Glória a Deus, a Cristo e ao Espirito Santo!
BIBLIOGRAFIA.
1. Livro de Apoio: Uma Jornada de Fé: Moisés, o Êxodo e o caminho á Terra Prometida,
Alexandre Coelho e Silas Daniel; pgs.139-143, CPAD, 2013.
2. Comentário Beacon – Gênesis a Deuteronômio – pg. 218 – CPAD, 2012.
3. Biblia de Estudo Pentecostal – Donald Stamps – comentário na pg 165 – CPAD, 1995.
4. Revista Lições Bíblicas – Antonio Gilberto – Aula 12 – CPAD, 1º Trimestre de 2014.
5. E a Bíblia tinha razão – Werner Keller – pg. 27; Edit. Melhoramentos, 3ª edição, 2012.
6. Consultas ao Livro: Usos e Costumes dos Templos Bíblicos – Ralph Gower – pg.365 – o
sumo sacerdote. Ed. 2002 – CPAD.
7. Estudo sobre o Livro de Levítico, C.H Mackintosh, pg 7, 2ª Edição, Editora Depósito
de Literatura Cristã, 2003)
Pesquisa e Texto de autoria:
José Roberto Alves da Silva, Petrolina, PE, Brasil. Servo de Deus, Músico, Teólogo com
Formação Básica pelo FATEFAMA (Faculdade de Educação Teológica Fama) e Teologia
Sistemática pelo CENEDI, Aconselhamento Cristão (Clinica Pastoral) IBADERJ (Instituto
Bíblico da Assembleia de Deus no Estado do Rio de Janeiro), Bacharel em Teologia -
Superior. Casado, tem uma família abençoada, e defendo as sagradas escrituras que é o
fundamento da nossa fé, assim como os crentes bereanos na época da igreja primitiva,
conferido todas as coisas pelas escrituras...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoÉder Tomé
 
BÍBLIA KING JAMES
BÍBLIA KING JAMESBÍBLIA KING JAMES
BÍBLIA KING JAMESChevaliers
 
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de PurificaçãoLição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de PurificaçãoÉder Tomé
 
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de PurificaçãoLição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de PurificaçãoHamilton Souza
 
08 introdução ao apocalipse
08   introdução ao apocalipse08   introdução ao apocalipse
08 introdução ao apocalipseDiego Fortunatto
 
As cortinas do tabernaculo
As cortinas do tabernaculoAs cortinas do tabernaculo
As cortinas do tabernaculoMarina de Morais
 
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa EsperançaEscatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa EsperançaJoel Medeiros
 
Escatologia Aula 2
Escatologia   Aula 2Escatologia   Aula 2
Escatologia Aula 2Jose Ventura
 
Lição 6 - O sacrifício pela culpa
Lição 6 - O sacrifício pela culpaLição 6 - O sacrifício pela culpa
Lição 6 - O sacrifício pela culpaÉder Tomé
 
Lição 7 - O Lugar Santo
Lição 7 - O Lugar SantoLição 7 - O Lugar Santo
Lição 7 - O Lugar SantoÉder Tomé
 
Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019
Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019 Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019
Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019 Marina de Morais
 
Lição 9 - A purificação da lepra
Lição 9 - A purificação da lepraLição 9 - A purificação da lepra
Lição 9 - A purificação da lepraÉder Tomé
 
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristoLição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristoJose Ventura
 

Mais procurados (20)

Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
 
Especialidade santuário
Especialidade santuárioEspecialidade santuário
Especialidade santuário
 
BÍBLIA KING JAMES
BÍBLIA KING JAMESBÍBLIA KING JAMES
BÍBLIA KING JAMES
 
7. O Livro de Levítico
7. O Livro de Levítico7. O Livro de Levítico
7. O Livro de Levítico
 
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de PurificaçãoLição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
 
O sacerdócio Levítico
O sacerdócio LevíticoO sacerdócio Levítico
O sacerdócio Levítico
 
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de PurificaçãoLição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
Lição 5 – A Pia de Bronze: Lugar de Purificação
 
Princípios do culto a Deus
Princípios do culto a DeusPrincípios do culto a Deus
Princípios do culto a Deus
 
08 introdução ao apocalipse
08   introdução ao apocalipse08   introdução ao apocalipse
08 introdução ao apocalipse
 
As cortinas do tabernaculo
As cortinas do tabernaculoAs cortinas do tabernaculo
As cortinas do tabernaculo
 
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa EsperançaEscatologia Bíblica - IC Boa Esperança
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança
 
Escatologia Aula 2
Escatologia   Aula 2Escatologia   Aula 2
Escatologia Aula 2
 
A missão de Pedro
A missão de PedroA missão de Pedro
A missão de Pedro
 
Institutogamaliel.com cronologia escatológica (1)
Institutogamaliel.com cronologia escatológica (1)Institutogamaliel.com cronologia escatológica (1)
Institutogamaliel.com cronologia escatológica (1)
 
Lição 6 - O sacrifício pela culpa
Lição 6 - O sacrifício pela culpaLição 6 - O sacrifício pela culpa
Lição 6 - O sacrifício pela culpa
 
escola sabatina licao 12
escola sabatina licao 12escola sabatina licao 12
escola sabatina licao 12
 
Lição 7 - O Lugar Santo
Lição 7 - O Lugar SantoLição 7 - O Lugar Santo
Lição 7 - O Lugar Santo
 
Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019
Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019 Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019
Aula 7 - O lugar santo - LIÇÕES CPAD 2º Trimestre de 2019
 
Lição 9 - A purificação da lepra
Lição 9 - A purificação da lepraLição 9 - A purificação da lepra
Lição 9 - A purificação da lepra
 
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristoLição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
Lição 1 Apocalipse a revelação de jesus cristo
 

Semelhante a A consagração dos sacerdotes segundo a Bíblia

As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...Gerson G. Ramos
 
Lição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTO
Lição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTOLição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTO
Lição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTOHamilton Souza
 
Lição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES
Lição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTESLição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES
Lição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTESpralucianaevangelista
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristodimas campos
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristodimas campos
 
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness leeCleiton Tenório
 
2 introdução à escatologia ii
2 introdução à escatologia ii2 introdução à escatologia ii
2 introdução à escatologia iifaculdadeteologica
 
Lição 10 - O Dia da Expiação
Lição 10 - O Dia da ExpiaçãoLição 10 - O Dia da Expiação
Lição 10 - O Dia da ExpiaçãoÉder Tomé
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialMarina de Morais
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEjonasecj
 
Lição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova Aliança
Lição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova AliançaLição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova Aliança
Lição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova AliançaHamilton Souza
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialÉder Tomé
 

Semelhante a A consagração dos sacerdotes segundo a Bíblia (20)

As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
As últimas coisas: Jesus e os salvos_Lição da Escola Sabatina_original_com_te...
 
Lição 9 hebreus
Lição 9   hebreusLição 9   hebreus
Lição 9 hebreus
 
Lição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTO
Lição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTOLição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTO
Lição 11: O SACERDÓCIO LEVÍTICO e o de CRISTO
 
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espírito
2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espírito2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espírito
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espírito
 
Lição 10 hebreus
Lição 10   hebreusLição 10   hebreus
Lição 10 hebreus
 
Lição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES
Lição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTESLição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES
Lição 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES
 
Lição 5 Hebreus
Lição 5   Hebreus Lição 5   Hebreus
Lição 5 Hebreus
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
O oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristoO oficio sacerdotal de cristo
O oficio sacerdotal de cristo
 
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee2 coríntios   autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
2 coríntios autobiografia de uma pessoa no espirito - witness lee
 
O sacerdote na bíblia
O sacerdote na bíbliaO sacerdote na bíblia
O sacerdote na bíblia
 
11 Hebreus.pptx
11 Hebreus.pptx11 Hebreus.pptx
11 Hebreus.pptx
 
2 introdução à escatologia ii
2 introdução à escatologia ii2 introdução à escatologia ii
2 introdução à escatologia ii
 
A ultima ceia apresentação
A ultima ceia apresentaçãoA ultima ceia apresentação
A ultima ceia apresentação
 
Lição 10 - O Dia da Expiação
Lição 10 - O Dia da ExpiaçãoLição 10 - O Dia da Expiação
Lição 10 - O Dia da Expiação
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
 
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASEAPOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
APOSTILA DA ESCOLA DE LÍDERES 1ª FASE
 
Lição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova Aliança
Lição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova AliançaLição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova Aliança
Lição 9 - Contraste na adoração da Antiga e Nova Aliança
 
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio CelestialLição 13 - O Sacerdócio Celestial
Lição 13 - O Sacerdócio Celestial
 
Lição 3.pptx
Lição 3.pptxLição 3.pptx
Lição 3.pptx
 

Mais de JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA

Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9    um lugar de adoração a deus no desertoLição 9    um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 um lugar de adoração a deus no desertoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoDeus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitasLição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitasJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
As leis civis entregues por moisés aos israelitas original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas   originalAs leis civis entregues por moisés aos israelitas   original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas originalJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 

Mais de JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA (18)

Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILALicao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
 
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYERTODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
 
A salvação judaica
A salvação judaicaA salvação judaica
A salvação judaica
 
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
 
Lições biblicas do 4 trimestre 2017
Lições biblicas do 4 trimestre 2017 Lições biblicas do 4 trimestre 2017
Lições biblicas do 4 trimestre 2017
 
Quem foi barrabás
Quem foi barrabásQuem foi barrabás
Quem foi barrabás
 
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
 
Dicionário de acordes violão(port revisado)
Dicionário de acordes violão(port revisado)Dicionário de acordes violão(port revisado)
Dicionário de acordes violão(port revisado)
 
Mil esbocos para_sermoes
Mil esbocos para_sermoesMil esbocos para_sermoes
Mil esbocos para_sermoes
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
 
Comentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I CoríntiosComentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I Coríntios
 
Lição 13 o legado de moisés
Lição 13   o legado de moisésLição 13   o legado de moisés
Lição 13 o legado de moisés
 
Aula 13 o legado de moisés em slides
Aula 13   o legado de moisés em slidesAula 13   o legado de moisés em slides
Aula 13 o legado de moisés em slides
 
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9    um lugar de adoração a deus no desertoLição 9    um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoDeus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
 
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitasLição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
 
As leis civis entregues por moisés aos israelitas original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas   originalAs leis civis entregues por moisés aos israelitas   original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas original
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.pptDaniloConceiodaSilva
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt8 ano - Congruência e Semelhança e  Angulos em Triangulos.ppt
8 ano - Congruência e Semelhança e Angulos em Triangulos.ppt
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

A consagração dos sacerdotes segundo a Bíblia

  • 1.
  • 2. A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES José Roberto Alves da Silva Petrolina – PE, 20 de Março de 2014
  • 3. A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES Texto para Estudo: Êxodo 29.1-12; By José Roberto Alves Introdução: Estamos chegando ao final deste trimestre, tendo em vista que estudamos durantes estas 12 lições, assuntos importantíssimos sobre a formação da nação israelita, desde quando ela fora resgatada do Egito, o seu cativeiro e libertação, a sua condução por Moisés desde da sua saída até a travessia do Mar Vermelho, como seu desenvolvimento religioso e o estabelecimento da nação como reino sacerdotal, é alí no deserto que Deus se manifesta ao seu povo, entrega-lhes as leis: religiosa, civil e penal, conforme vimos no decorrer das lições anteriores que estudamos. Estabelece a construção do Tabernáculo, separa Arão e seus filhos ao serviço do santuário e por fim neste capitulo, iremos abordar os pormenores ritualísticos da cerimônia de posse do Sacerdócio de Arão e de seus filhos, levando em conta cada particularidade da cerimonia. Não podia ser diferente com relação a outras nações, Deus precisava estabelecer o serviço de adoração, onde a nação poderia de fato reconhecer o seu Deus, não tendo como um Deus entre os demais deuses, mas como o Único e Verdadeiro Deus, que estaria reivindicando toda a adoração a Si. Mediante as páginas sagradas e a história secular, sempre existiu a figura do sacerdote em meio as nações gentílicas daquela época, levando em conta que o próprio Abraão descendia de família religiosa e politeísta, que segundo Werner Keller em seu livro “E a Bíblia tinha razão”, afirma que “...Ur era diferente. O recinto sagrado, a circunscrição do templo, não era dedicada exclusivamente ao culto dos deuses. Além dos atos do culto, os sacerdotes desempenhavam muitas outras funções...” ¹. Também não era diferente para Abraão, pois o mesmo reconhecera a presença do sacerdote como alguém que representasse o próprio Deus, podemos ver isso no episódio de Melquisedeque , tido por sacerdote do Deus Altíssimo (Gn 14.18-20). O próprio Israel mesmo presenciara o sistema religioso do Egito, bem como a maneira que se procedia os sacerdotes mediantes as suas divindades (pagãs), e o próprio Moisés tinha o sogro que era considerado sacerdote em Midiã (Ex 3.16), embora não identificado a qual dividade ele servia.
  • 4. Veremos agora, passo a passo os elementos ritualísticos da consagração de Arão e seus filhos ao serviço sacerdotal. 1. A CONSAGRAÇÃO DE ARÃO E SEUS FILHOS. 1.1 – A lavagem com água. (Ex 29.4) O primeiro passo a ser dado para a cerimônia seria a lavagem de Arão e seus filhos, este tipo de ação era necessário para que o sacerdote pudesse se vestir conformalmente, demonstrando de fato que teria que primeiramente ser limpo, era uma lavagem completa, significando a “pureza' e 'santidade” na presença de Deus. Este era o simbolo do batismo, conforme podemos encontrar nos dias Cristo, como forma de purificação, não sendo ainda a limpeza por total pois a mesma só poderia ser com a finalização do ritual, o sacrifício. Era usado a pia de cobre para tal procedimento, conforme podemos ver em Êxodo 30.17-21, depois da consagração, o sacerdote apenas lavava, antes de proceder com o serviço do santuário. A santificação só ocorreria através desse ato de lavagem (Ex 29.1; 44). O chamado para aquele oficio com podemos ver, não seria voluntario por parte do homem, mas somente o próprio Deus poderia fazê-lo,(Ex 28.1,2). “...Elas não eram pessoas que estavam ali simplesmente por que queriam ou porque se achavam competentes para tal. Estavam ali porque Deus chamara, como afirma o escritor aos Hebreus... (Hb 5.4,5).² Essa lavagem pode significar a purificação pelo o Sangue de Jesus e a lavagem da sua palavra, (I Jo 1.7; Jo 15.3; 17.17). Em Hebreus 12.14 afirma: “...sem santificação, ninguém verá o Senhor”, sendo imprescindível que aquele que procura servir ao Senhor, precisa fazê-lo em santidade. 1.2 -A unção do Azeite (Ex 29.7; 30.22-33). É bem entendido que quando falamos sobre a unção vem em mente a unção do Espirito Santo, como o seu batismo que enche o crente de poder. É isso mesmo, Arão assim com seus filhos precisavam serem ungidos com azeite (Ex 29.7; 30.30) que segundo o Comentário Beacon, Eles “...em três ações seriam vestidos com os camisões e gorros (Ex 29.8,9). Este ato de investidura e unção empossavam estes homens e seus sucessores no oficio sacerdotal para o resto das vida....”, e revela-nos que só em Cristo há cumprimento da eternidade deste oficio (Hb 5.6). É bem verdade que o crente como sacerdote de Cristo (Não segundo o levítico, mas o sacerdócio real e universal – I Pe 2.9), precisa está ungido com o Espirito Santo, assim como Cristo que a iniciar o seu ministério na terram precisou ser cheio do Espirito Santo, como
  • 5. inicio daquilo que iria exercer o Sumo sacerdócio, entrou nas águas do Jordão, em um ritual de lavagem “o batismo” (Mt 3.16; Is 11.2; Lc 3.22). O Azeite tinha que ser especial (Ex 30.22-25) e não poderia ser misturado, nem com composição diferente. Aquela fórmula era exclusiva, não podendo ser usada para outro fins, a não ser o serviço na obra de Deus (Ex 30.31-33). Deus não aceita mistura, jamais a sua unção poderá se misturar com fórmulas mundanas. Não há concórdia entre luz e trevas (I Co 6.14-18). 1.3 – As ofertas pelo o pecado (Ex 29.10-18). As etapas com relação as vestimentas dos sacerdotes,o significado de cada peça, já estudamos na lição 11, o que apenas podemos comentar aqui é a ordem como Moisés havia vestido Arão e seus filhos, tendo mais detalhe em Levítico 8.6-10. Nestes versículos encontramos Moisés sacrificando o novilho. Antes do sacrifício, Arão e seus filhos tinham que pôr as mãos sobre a cabeça do animal, como substituição ou transferência dos pecados próprios para o animal inocente (Lv 8.14,15; Ex 29.11,12). A culpa por causa do pecado, que naquele instante se referia aos sacerdotes, só seria compensada com a morte, que neste caso era o sacrifício do novilho. “Cristo é a expiação dos nossos pecados” (Jo 3.16; I Co 15.3; I Jo 1.7). É imprescindível que quem serve a Cristo deva lembrar que ainda estamos sujeito ao pecado, pois somos ainda pecadores, porém redimidos pelo o sangue do Cordeiro, mas devemos sempre buscar a se manter na presença de Cristo, em seus méritos, para a salvação. Ainda deveria realizar o holocausto pela a expiação de culpas, especificamente “...em honra a Deus, a oferta deveria ser queimada, simbolizando a dedicação total daqueles homens ao serviço do Senhor” (Ex 29.15-18). 2. O SACRIFÍCIO DA POSSE (Ex 29.19-37). 2.1. O carneiro da consagração (Ex 29.19-22). Este era o segundo carneiro para o sacrifício, era uma oferta pacífica, que apontavam para a morte vicária de Cristo no calvário, o animal inocente era imolado e seu sangue derramado sobre o altar e era também aspergido sobre as vestes sacerdotais e os corpos dos sacerdotes (Lv 8.15; Ex 29.11) a saber: a ponta da orelha direita, o polegar direito e dedo do pé direito de todos eles, e o Azeite da mesma forma, era aspergido sobre eles e significava a santificação de todos (Ex 29.20,21). a) A aspersão na orelha direita significava a santificação de sua “atenção”.
  • 6. b) Sobre o polegar direito, era a santificação do seu “trabalho”. c) E sobre o pé direito, santificava o seu “andar e seu proceder”. “O sangue e o azeito juntos falam do sangue de Cristo e do Espirito Santo, da justificação e da santificação, do perdão e do poder purificadores.” “Era uma verdade de grande importância. Cristo não somente morreu por nossos pecados 'segundo as escrituras' (I Co 15.3), como foi feito pecado por nós (I Co 5.21). Esta é a doutrina do sacrifício da expiação do pecado.” 2.2 – Os sacrifícios diários (Ex 29.35-39). As ofertas diárias como estão claramente escrita, e como o próprio nome a diz, eram realizados por setes dias, que eram os dias da cerimônia de posse do sumo sacerdote, isso se repetia quando um novo sumo sacerdote era separado para o oficio (Lv 8.33-35). Durante aqueles dias eram necessário fazer o sacrifício pela manhã e pela tarde, ou seja, dois cordeiros por dia (Ex 29.38,39). No sacrifício, era ordenado sacrificar o cordeiro juntamente com farinha, misturada com azeite batido (o pão) que apontavam para o corpo de Cristo, cuja carne era simbolizada no N.T pelo o pão da Santa Ceia (Mt 26.26; I Co 11.24). Este cerimonial era necessário para que a presença de Deus fosse contínua no meio da congregação do povo de Israel (Ex 25.8; Lv 26.12), tudo precisava está santificado por meio do holocaustos, era mandamento perpétuo “por vossas gerações” (Ex 29.42-46). A perpetuação do sacrifício só se tornara real através de Cristo, quando se rendeu no madeiro da cruz, derramando o seu sangue, oferecendo a própria vida, para santificar todos aqueles que achegam a Deus, Cristo favoreceu a habitação de Deus na vida dos homens por intermédio de seu Santo Espirito, por meio da Nova Aliança (Jo 14.17,23; II Co 6.16; Ap 21.3). Outro detalhe, era que quando houvesse a necessidade de consagrar um novo sumo sacerdote, as indumentária era passado de pai para filho, ou seja, as responsabilidades eram demonstradas nas vestimentas, onde o sumo sacerdote manteria a sua postura de conduzir o serviço do santuário assim como fora o seu pai, levando em conta que a unção era nova, onde o mesmo iria de fato adquirir as suas novas experiencias. 3. CRISTO, O SUMO SACERDOTE PERFEITO E ETERNO. a) Segundo a Ordem de Melquisedeque (Sl 110.4; Hb 5.6). Como já estudamos, Cristo não pertencia a tribo de Levi e nem tão pouco poderia assumir o sacerdócio Arônico, pois o sacerdócio daqueles apontavam simbolicamente a Cristo, mas que na verdade o sacerdócio de Cristo era ainda de uma ordem superior, que as escrituras
  • 7. definem como o “Sumo sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque (Hb 5.6,10; 7.1-28) tendo como referencia profética: Salmos 110.4. Jesus Cristo segundo as escrituras é aquEle que tem “um sacerdócio perpétuo” (Hb 7.24). A permanencia do sacerdócio levítico só era possível com linhagem dos sacerdotes que se sucediam ao passar dos séculos (Hb 7.23), mas Cristo mantinha o seu sacerdócio mediante a figura simbólica de Melquisedeque, que “Sem pai, sem mãe, sem genealogia” prefigurava o estado eterno de Cristo (Hb 7.3; 24-37). b) O sacrifício perfeito e eterno de Cristo (Hb 8.1,6; 7.24). Nos serviços do tabernáculo, naqueles dias, os sacerdotes deviam oferecer sacrifícios diários que mostravam o quanto eram imperfeitos e que por isso constantemente precisavam da continuidade do sacrifico para aceitação do povo diante de Deus 9Ex 29.42; Hb 9.14,25,26). mas Cristo era justo, santo e perfeito e o seu sacrifício fora aceito por Deus de uma vez por todas, satisfazendo todos os requisitos da lei (Hb 7.26-28). Não precisamos mais realizar tais sacrifícios, pois foram satisfatoriamente realizados por Cristo, o que apenas devemos fazer, é tão somente manter-se na vontade Deus, procurando a lavagem de sua palavra e oferecendo as nossas vidas como “sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Rm 12.1), isto é, a responsabilidade da condução do serviço cristão e adoração a Deus. Em Cristo temos livre acesso ao Pai, por um “novo e vivo caminho que Ele nos consagrou...” (Hb 10.20), no qual Ele está “sempre vivendo a interceder por todos” nós (Hb 7.25b). CONCLUSÃO: O cerimonial levítico das consagrações e posses dos serviços sacerdotais era apenas sombras das coisas que viriam acontecer futuramente, as quais foram realizadas em Cristo (Hb 8.5), apontavam para a excelência do eterno e superior sacerdócio de Cristo. Diferentemente daqueles que precisavam imolar um cordeiro em substituição de si mesmos, Cristo como cordeiro puro e imaculado entregou-se a si mesmo pelo o pecado dos outros, sendo o próprio executor e executado para de uma vez por todas garantir a redenção da humanidade (Hb 9.28). Amém, Aleluia e Glória a Deus, a Cristo e ao Espirito Santo!
  • 8. BIBLIOGRAFIA. 1. Livro de Apoio: Uma Jornada de Fé: Moisés, o Êxodo e o caminho á Terra Prometida, Alexandre Coelho e Silas Daniel; pgs.139-143, CPAD, 2013. 2. Comentário Beacon – Gênesis a Deuteronômio – pg. 218 – CPAD, 2012. 3. Biblia de Estudo Pentecostal – Donald Stamps – comentário na pg 165 – CPAD, 1995. 4. Revista Lições Bíblicas – Antonio Gilberto – Aula 12 – CPAD, 1º Trimestre de 2014. 5. E a Bíblia tinha razão – Werner Keller – pg. 27; Edit. Melhoramentos, 3ª edição, 2012. 6. Consultas ao Livro: Usos e Costumes dos Templos Bíblicos – Ralph Gower – pg.365 – o sumo sacerdote. Ed. 2002 – CPAD. 7. Estudo sobre o Livro de Levítico, C.H Mackintosh, pg 7, 2ª Edição, Editora Depósito de Literatura Cristã, 2003) Pesquisa e Texto de autoria: José Roberto Alves da Silva, Petrolina, PE, Brasil. Servo de Deus, Músico, Teólogo com Formação Básica pelo FATEFAMA (Faculdade de Educação Teológica Fama) e Teologia Sistemática pelo CENEDI, Aconselhamento Cristão (Clinica Pastoral) IBADERJ (Instituto Bíblico da Assembleia de Deus no Estado do Rio de Janeiro), Bacharel em Teologia - Superior. Casado, tem uma família abençoada, e defendo as sagradas escrituras que é o fundamento da nossa fé, assim como os crentes bereanos na época da igreja primitiva, conferido todas as coisas pelas escrituras...