SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Igreja Assembleia de Deus emIgreja Assembleia de Deus em
Jardim Maravilha – Petrolina - PEJardim Maravilha – Petrolina - PE
Lição: 11Lição: 11
(1º trimestre)(1º trimestre)
DEUS ESCOLHE ARÃODEUS ESCOLHE ARÃO
E SEUS FILHOS PARAE SEUS FILHOS PARA
O SACERDÓCIO.O SACERDÓCIO.
Assembleia de Deus – Jardim Maravilha, Petrolina – PE.Assembleia de Deus – Jardim Maravilha, Petrolina – PE.
Texto elaborado e pesquisado por:Texto elaborado e pesquisado por:
José Roberto AlvesJosé Roberto Alves
Texto Áureo: Ap 5.10Texto Áureo: Ap 5.10
““E para nosso Deus os fizesE para nosso Deus os fizes--
tes reis e sacerdotes; e elestes reis e sacerdotes; e eles
reinarão sobre a terra.”reinarão sobre a terra.”
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Começaremos o estudo relembrando algumas particularidadesComeçaremos o estudo relembrando algumas particularidades
do Livro de Êxodo, trazendo a memória fatos importantes quedo Livro de Êxodo, trazendo a memória fatos importantes que
nos farão entender o passo a passo sobre o estabelecimento donos farão entender o passo a passo sobre o estabelecimento do
sacerdócio em Israel. Ao começarmos no capítulo 19, vemossacerdócio em Israel. Ao começarmos no capítulo 19, vemos
Deus chamando para si a nação como povo de propriedade peDeus chamando para si a nação como povo de propriedade pe--
culiar Dele (5), e em seguida chama a nação de reino sacerdotalculiar Dele (5), e em seguida chama a nação de reino sacerdotal
(6). Veremos:(6). Veremos:
1. Deus queria fazer de Israel a nação intercessora que levasse1. Deus queria fazer de Israel a nação intercessora que levasse
todas as outras nações para Deus e aparentemente Israeltodas as outras nações para Deus e aparentemente Israel aceiacei--
tou esse encargo.tou esse encargo. (Ex. 19.6,8);(Ex. 19.6,8);
2. Deus precisava fazer a nação escutar a sua voz pessoalmen2. Deus precisava fazer a nação escutar a sua voz pessoalmen--
te, e então recebesse a Lei e pudesse então subir o Monte Sinai.te, e então recebesse a Lei e pudesse então subir o Monte Sinai.
(Ex 19.13,14);(Ex 19.13,14);
3. O3. O Monte SinaiMonte Sinai era oera o TabernáculoTabernáculo
natural de Deusnatural de Deus (Lição 9)(Lição 9), considerando as, considerando as seguintes partes:seguintes partes:
a) O Cume do Monte era o Santo dos Santos, somente Moisésa) O Cume do Monte era o Santo dos Santos, somente Moisés
podia está lá na presença de Deus (3).podia está lá na presença de Deus (3).
b) O Monte Sinai em um todo, representa o lugar Santo, onde ob) O Monte Sinai em um todo, representa o lugar Santo, onde o
povo jamais poderia tocar (13).povo jamais poderia tocar (13).
c) E a outra parte, seria fora dos termos do monte, ou seja, oc) E a outra parte, seria fora dos termos do monte, ou seja, o
lugar que fica ao pé do Monte, este lugar seria a representaçãolugar que fica ao pé do Monte, este lugar seria a representação
do Pátio do Tabernáculo (12). Infelizmente a nação israelitado Pátio do Tabernáculo (12). Infelizmente a nação israelita
temeu muito ao ouvir a voz de Deus, pedindo atemeu muito ao ouvir a voz de Deus, pedindo a intermediação aintermediação a
Moisés, para que assimMoisés, para que assim pudesse ouvir Deus por intermédio depudesse ouvir Deus por intermédio de
seu servo, o povo temeu muito a voz de Deus (Ex. 20.18,19),seu servo, o povo temeu muito a voz de Deus (Ex. 20.18,19),
Israel estava demonstrando a rejeição ao seu chamado deIsrael estava demonstrando a rejeição ao seu chamado de
sacerdócio, pedido apenas que uma só pessoa fosse asacerdócio, pedido apenas que uma só pessoa fosse a
mediadora entre Deus e o povo. “Deus queria que a naçãomediadora entre Deus e o povo. “Deus queria que a nação
aprendesse a maneira correta de servir-Lo, rejeitando de vezaprendesse a maneira correta de servir-Lo, rejeitando de vez
por todas todo pensamento ou formas litúrgicas que poderia terpor todas todo pensamento ou formas litúrgicas que poderia ter
adquirido no Egito, principalmente a idolatria”.adquirido no Egito, principalmente a idolatria”.
1. O SACERDÓCIO1. O SACERDÓCIO
(Êx 28.1-5).(Êx 28.1-5).
I - O Sacerdócio Arônico (Ex28.1).I - O Sacerdócio Arônico (Ex28.1).
O sacerdócio de Arão também conhecido como o sacerdócio levítico éO sacerdócio de Arão também conhecido como o sacerdócio levítico é
resultante da Lei, visto que Israel era em primeira ocasião a nação queresultante da Lei, visto que Israel era em primeira ocasião a nação que
Deus queria constituir para servir-Lo, dentro da promessa feita a AbraãoDeus queria constituir para servir-Lo, dentro da promessa feita a Abraão
(Gn 12.3). A instituição do sacerdócio levítico era justamente a continu(Gn 12.3). A instituição do sacerdócio levítico era justamente a continu--
ação dessa mediação que Moisés fazia, como resultado do pedido que oação dessa mediação que Moisés fazia, como resultado do pedido que o
povo fizera (Ex 20.19; Dt 18.16), de que eles não viesse diretamente a falarpovo fizera (Ex 20.19; Dt 18.16), de que eles não viesse diretamente a falar
com Deus como já víamos falado anteriormente e esta mediação só teriacom Deus como já víamos falado anteriormente e esta mediação só teria
fim com a chegada de um grande profeta na mesma qualidade de Moifim com a chegada de um grande profeta na mesma qualidade de Moi--
sés, conforme Deuteronômio 18.15 que já anunciava a vinda de Cristo,sés, conforme Deuteronômio 18.15 que já anunciava a vinda de Cristo,
profecia essa confirmada (Lc 2427; Jo 1.45). Em nosso já não é precisoprofecia essa confirmada (Lc 2427; Jo 1.45). Em nosso já não é preciso
utilizar este tipo de mediação, visto que as profecias se cumpriram emutilizar este tipo de mediação, visto que as profecias se cumpriram em
Cristo que estabeleceu um novo sacerdócio, sendo Ele o Sumo sacerdoteCristo que estabeleceu um novo sacerdócio, sendo Ele o Sumo sacerdote
segundo a ordem de Melquisedeque (Hb 7.12; 15-17; 26-28). O sacerdóciosegundo a ordem de Melquisedeque (Hb 7.12; 15-17; 26-28). O sacerdócio
de Arão nos serve apenas como figura, que apontavam para o sacerdóciode Arão nos serve apenas como figura, que apontavam para o sacerdócio
de Cristo, sabendo que Jesus não pertencia a tribo de Levi, por isso Ele sede Cristo, sabendo que Jesus não pertencia a tribo de Levi, por isso Ele se
tornou sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, que sem genealotornou sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, que sem genealo--
gia demonstra ser o sacerdócio eterno (Hb 7.17;28).gia demonstra ser o sacerdócio eterno (Hb 7.17;28).
Quem eram realmente os sacerdotes? Quais as suasQuem eram realmente os sacerdotes? Quais as suas
funções? Eles eram ministros diante do altar,funções? Eles eram ministros diante do altar,
descendentes de Arão, cuja familia fora restrita peladescendentes de Arão, cuja familia fora restrita pela
legislação levítica, mais tarde traçava-se a sualegislação levítica, mais tarde traçava-se a sua
descendencia pela familia de Zadoque, conteporãneodescendencia pela familia de Zadoque, conteporãneo
do Rei Davi.do Rei Davi. As funções dos sacerdotes eram várias.As funções dos sacerdotes eram várias.
Sua primeira responsabilidade era mediar entreSua primeira responsabilidade era mediar entre
Deus e o homem. OficiandoDeus e o homem. Oficiando nas ofertas prescritas,nas ofertas prescritas,
eles conduziam o povo assegurando-lhe a expiaçãoeles conduziam o povo assegurando-lhe a expiação
pelo pecado (Êx 28.1-43; Lv 16.1-34). O discernimentopelo pecado (Êx 28.1-43; Lv 16.1-34). O discernimento
da vontade de Deus para o povo era a mais soleneda vontade de Deus para o povo era a mais solene
obrigação (Nm 27.21; Dt 33.8). sendo custódios daobrigação (Nm 27.21; Dt 33.8). sendo custódios da
lei, também estavam comissionados para instruir oslei, também estavam comissionados para instruir os
laicos.laicos.
••Também tinham como função ensinar (LvTambém tinham como função ensinar (Lv
10:11).10:11).
••Os sacerdotes não receberam nenhuma heOs sacerdotes não receberam nenhuma he--
rança de terras quando as tribos entraramrança de terras quando as tribos entraram
na Terra Prometida.na Terra Prometida. ••Dependiam das ofertasDependiam das ofertas
e viviam de modo simples (Nm 18:3-32)e viviam de modo simples (Nm 18:3-32)
Para ser um representante de Deus é precisoPara ser um representante de Deus é preciso
ter o chamado. Aquele que é chamado nãoter o chamado. Aquele que é chamado não
explora o povo de Deus. Aquele que é chaexplora o povo de Deus. Aquele que é cha--
mado de Deus, ele está preocupado com omado de Deus, ele está preocupado com o
reino de Deus!reino de Deus!
2.2. A INDUMETÁRIAA INDUMETÁRIA
DODO
SACERDOTE.SACERDOTE.
••As vestes do sacerdote deveriam ser “santas”.As vestes do sacerdote deveriam ser “santas”.
••Deveria haver reverência para entrar na presença de Deus.Deveria haver reverência para entrar na presença de Deus.
••O Urim e Tumim (Ex 28.30) - eram pedras que os sacerdotes utilizaO Urim e Tumim (Ex 28.30) - eram pedras que os sacerdotes utiliza--
vam para consultar a Deus, um tipo de “tirar sorte”, presente até novam para consultar a Deus, um tipo de “tirar sorte”, presente até no
NT (Atos).NT (Atos).
Em Êxodo 28.2, vemos Deus ordenar Moisés fazer vestidos santosEm Êxodo 28.2, vemos Deus ordenar Moisés fazer vestidos santos
para seu irmão Arão, eram vestes diferenciadas, levando em conta,para seu irmão Arão, eram vestes diferenciadas, levando em conta,
que para os crentes da nova Aliança, não é diferente, pois devemos:que para os crentes da nova Aliança, não é diferente, pois devemos:
a) Possuir vestes de salvação (Is 61.10);a) Possuir vestes de salvação (Is 61.10);
b) Possuir vestes espirituais em santidade, lavadas no sangue dob) Possuir vestes espirituais em santidade, lavadas no sangue do
Cordeiro (Ap 22.14);Cordeiro (Ap 22.14);
c) Vestes brancas (I Pe 3.4);c) Vestes brancas (I Pe 3.4);De igual modo, como diferente deveriaDe igual modo, como diferente deveria
ser as vestes sacerdotais de Arão e sua descendência, devemos nosser as vestes sacerdotais de Arão e sua descendência, devemos nos
manter com integridade com as nossas vestimentas, além das espirimanter com integridade com as nossas vestimentas, além das espiri--
tuais, as vestimentas físicas deve ser de maneira que os homenstuais, as vestimentas físicas deve ser de maneira que os homens
possam glorificar a Deus, o nosso Pai celestial (Mt 5.16; II Co 3.18 –possam glorificar a Deus, o nosso Pai celestial (Mt 5.16; II Co 3.18 –
cf. Ap 3.18; 16.15).cf. Ap 3.18; 16.15).
Urim e Tumim
1. O simbolismo das vestes sacerdotais (Ex 28.4).1. O simbolismo das vestes sacerdotais (Ex 28.4).
O sumo sacerdote e os sacerdotes tinham vestimentas com peçasO sumo sacerdote e os sacerdotes tinham vestimentas com peças
emem comum, que eram: Calções de linho, Turbante de linho e umacomum, que eram: Calções de linho, Turbante de linho e uma
Túnica de linho sem costura. Estas peças por ser feitas de linho,Túnica de linho sem costura. Estas peças por ser feitas de linho,
simbolizavam de forma sublime a justiça dos santos (Ap 19.8) e asimbolizavam de forma sublime a justiça dos santos (Ap 19.8) e a
brancura do linho simboliza a santidade (Ex 28.2), jamais devemosbrancura do linho simboliza a santidade (Ex 28.2), jamais devemos
exercer de maneira negligente a nossa mordomia com vestes sujas,exercer de maneira negligente a nossa mordomia com vestes sujas,
pois o nosso inimigo, está pronto a nos acusar dia e noite diantepois o nosso inimigo, está pronto a nos acusar dia e noite diante
Deus (Zc 3.3), e se isso acontecer, devemos suplicar a intervenção deDeus (Zc 3.3), e se isso acontecer, devemos suplicar a intervenção de
Cristo em nossas vidas (Ap 3.4,5). O linho também fala daCristo em nossas vidas (Ap 3.4,5). O linho também fala da voluntavolunta--
riedade do serviço (Ez 44.18), oriedade do serviço (Ez 44.18), o sacerdote deverá usar linho para quesacerdote deverá usar linho para que
também não se veja suor, pois o suor demonstra as marcas de servitambém não se veja suor, pois o suor demonstra as marcas de servi--
ço penoso, sacrifício, e o serviço para Deus deve ser voluntário. Oço penoso, sacrifício, e o serviço para Deus deve ser voluntário. O
serviço para Deus deve ser feito de boa vontade (II Co 8.11; 9.7). Oserviço para Deus deve ser feito de boa vontade (II Co 8.11; 9.7). O
manto sacerdotal era de cor azul, carmesim, fundo de linho e demanto sacerdotal era de cor azul, carmesim, fundo de linho e de
púrpura e eles representam os quatros evangelhos (Lição 8):púrpura e eles representam os quatros evangelhos (Lição 8):
a)a) PúrpuraPúrpura – Simboliza realeza, rei e representa o– Simboliza realeza, rei e representa o
Evangelho de MateusEvangelho de Mateus, que, que anuncia as boas novas doanuncia as boas novas do
Reino de Deus e apresenta Jesus como o Rei.Reino de Deus e apresenta Jesus como o Rei.
b)b) CarmesimCarmesim – Tipifica o sofrimento,– Tipifica o sofrimento, representa emrepresenta em
sua cor o sangue e apontam para o sacrifício de Cristo,sua cor o sangue e apontam para o sacrifício de Cristo,
seu sofrimento e morte e representa o servo que é oseu sofrimento e morte e representa o servo que é o
Evangelho de Marcos.Evangelho de Marcos.
c)c) Fundo de LinhoFundo de Linho – o linho como– o linho como aprendemos é simaprendemos é sim--
bolo de pureza e santidade e aponta para a santidade debolo de pureza e santidade e aponta para a santidade de
Jesus, homem santo e verdadeiro eJesus, homem santo e verdadeiro e representa orepresenta o EvanEvan--
gelho de Lucas.gelho de Lucas.
d)d) AzulAzul –– Significa o caráter espiritualSignifica o caráter espiritual de Jesus Cristode Jesus Cristo
como Filho de Deus, a suacomo Filho de Deus, a sua divindade e representa odivindade e representa o
Evangelho deEvangelho de João (Jo 1.1).João (Jo 1.1).
2. As peças que eram partes exclusivas das vestes do sumo2. As peças que eram partes exclusivas das vestes do sumo
sacerdote (Ex 28.8 vv)sacerdote (Ex 28.8 vv)..
1.1. O Cinto (v. 8)O Cinto (v. 8) – mesmo sendo peças– mesmo sendo peças comuns entre as vesticomuns entre as vesti--
mentas do sacerdote e do sumo sacerdote, ela tipifica a verdadementas do sacerdote e do sumo sacerdote, ela tipifica a verdade
(Ef 6.14), este cinto servia para prender as túnicas sacerdotais,(Ef 6.14), este cinto servia para prender as túnicas sacerdotais,
para que impedisse que suas vestes atrapalhassem o serviço nopara que impedisse que suas vestes atrapalhassem o serviço no
tabernáculo, a verdade como cinto deve ser firme na vida dostabernáculo, a verdade como cinto deve ser firme na vida dos
crentes da nova aliança, é uma peça fundamental. Jesus nos encrentes da nova aliança, é uma peça fundamental. Jesus nos en--
sina que a palavra de Deus é a verdade (Jo 17.17).sina que a palavra de Deus é a verdade (Jo 17.17).
2.2. Nas tiras sobre os ombrosNas tiras sobre os ombros haviamhaviam existiam duas pedrasexistiam duas pedras
sardônicas, uma ao lado da outra trazendo o nome das 12 tribossardônicas, uma ao lado da outra trazendo o nome das 12 tribos
de Israel (Ex 28.9,10). As pedras levadas sobre os ombros dode Israel (Ex 28.9,10). As pedras levadas sobre os ombros do
sumo sacerdote, fala do oficio do mesmo que diante de Deussumo sacerdote, fala do oficio do mesmo que diante de Deus
tem a responsabilidade detem a responsabilidade de carregar a nação sobre os ombros,carregar a nação sobre os ombros,
sendo osendo o mediador do povo (Ex 28.12).mediador do povo (Ex 28.12).
3.3. O peitoral do JuízoO peitoral do Juízo – Feito do– Feito do mesmo material do éfode (Exmesmo material do éfode (Ex
28.15) e designava “o Juízo de Deus” que no peitoral referia ao “Urim28.15) e designava “o Juízo de Deus” que no peitoral referia ao “Urim
e Tumim”, uma peça que importante que o sacerdote utilizava parae Tumim”, uma peça que importante que o sacerdote utilizava para
consultar a Deus, que eram jogados como dados para obter resposconsultar a Deus, que eram jogados como dados para obter respos--
tas sobre algum assunto, dependendo de qual pedra que era jogada,tas sobre algum assunto, dependendo de qual pedra que era jogada,
a resposta de acordo com a pedra era de sim ou não e significavama resposta de acordo com a pedra era de sim ou não e significavam
“Luz e Perfeição” (Ex 28.30). Outras referencias: Ex 29.10; Nm 16.40;“Luz e Perfeição” (Ex 28.30). Outras referencias: Ex 29.10; Nm 16.40;
27.21; Ed 12.63).27.21; Ed 12.63).
4.4. O manto do éfode – (Ex 28.31-35)O manto do éfode – (Ex 28.31-35) Com campainhas e romãs nasCom campainhas e romãs nas
pontas, as romãs eram de cores diferentes e a campainha de Ouropontas, as romãs eram de cores diferentes e a campainha de Ouro
(Ex 28.33,34). As romãs simbolizam: alimentos, fertilidades e ale(Ex 28.33,34). As romãs simbolizam: alimentos, fertilidades e ale--
gria.gria.
5. Lâmina de Ouro – (Ex 28.36-38)5. Lâmina de Ouro – (Ex 28.36-38) UsadoUsado na mitra sacerdotal, ouna mitra sacerdotal, ou
seja, no turbante (v.37), na lâmina tinha nomes gravados que indiseja, no turbante (v.37), na lâmina tinha nomes gravados que indi--
cavam claramente “Santidade ao Senhor” (Ex 28.36) e nos alertam,cavam claramente “Santidade ao Senhor” (Ex 28.36) e nos alertam,
que na vida cristã devemos permanecer em santidade, sem a qualque na vida cristã devemos permanecer em santidade, sem a qual
jamais veremos o Senhor (Hb 12.14). Obs: Não existe corda algumajamais veremos o Senhor (Hb 12.14). Obs: Não existe corda alguma
na cintura do sumo sacerdote quando este adentrava no santuário.na cintura do sumo sacerdote quando este adentrava no santuário.
3. MINISTROS3. MINISTROS
DE CRISTODE CRISTO
PARA A IGREJA.PARA A IGREJA.
1. O SACERDÓCIO NA ATUALIDADE.1. O SACERDÓCIO NA ATUALIDADE.
Cristo ao assumir de maneira superior o sacerdócio da nova aliCristo ao assumir de maneira superior o sacerdócio da nova ali--
ança, pois diferentemente dos sacerdotes da antiga aliança queança, pois diferentemente dos sacerdotes da antiga aliança que
ofereciam animais em sacrifício, ele entregou-se como sacrifíofereciam animais em sacrifício, ele entregou-se como sacrifí--
cio, estabelecendo com o próprio sangue uma superior e novacio, estabelecendo com o próprio sangue uma superior e nova
aliança, entre Deus e os homens. Todos os homens por interméaliança, entre Deus e os homens. Todos os homens por intermé--
dio de seu sacrifício se aproximam de Deus sem impedimentodio de seu sacrifício se aproximam de Deus sem impedimento
algum, tornando cada crente em um sacerdote que pode agoraalgum, tornando cada crente em um sacerdote que pode agora
se achegar a Deus (Is 61.6; 66.21; Ap 1.6 e 5.10). A igreja constituse achegar a Deus (Is 61.6; 66.21; Ap 1.6 e 5.10). A igreja constitu--
ída universalmente de todos os crente é agora o que Deus queriaída universalmente de todos os crente é agora o que Deus queria
que Israel fosse, ima nação sacerdotal (I Pe 2.9; cf. Dt 10.15; Exque Israel fosse, ima nação sacerdotal (I Pe 2.9; cf. Dt 10.15; Ex
19.5,6). *(Há ainda a manutenção de forma contrária a palavra19.5,6). *(Há ainda a manutenção de forma contrária a palavra
de Deus por meio das igrejas católicas, ortodoxas e Anglicana,de Deus por meio das igrejas católicas, ortodoxas e Anglicana,
que mantém a ordem sacramentária de sacerdote, como meioque mantém a ordem sacramentária de sacerdote, como meio
de mediação entre Deus e o povo).de mediação entre Deus e o povo).
2.O fim do sacerdócio levítico e a instauração do sacerdó2.O fim do sacerdócio levítico e a instauração do sacerdó--
cio de Cristo (Hb 7. 11,12).cio de Cristo (Hb 7. 11,12).
O sacerdócio segundo a ordem levítica teve seu fim com o surgirO sacerdócio segundo a ordem levítica teve seu fim com o surgir
do grande profeta, que for anunciado por Moisés, Jesus ao serdo grande profeta, que for anunciado por Moisés, Jesus ao ser
levado ao sinédrio conforme relato dos evangelhos, e ao serlevado ao sinédrio conforme relato dos evangelhos, e ao ser
questionado por aquilo que o povo dizia ao seu respeito, e Elequestionado por aquilo que o povo dizia ao seu respeito, e Ele
confrontado na sua afirmação, diz-nos os textos que o Sacerdoconfrontado na sua afirmação, diz-nos os textos que o Sacerdo--
te Anás rasgou suas vestes em fúria, coisa que a própria Lei dete Anás rasgou suas vestes em fúria, coisa que a própria Lei de--
clarava que o sacerdote jamais poderia fazer aquilo (Lv 21.10).clarava que o sacerdote jamais poderia fazer aquilo (Lv 21.10).
Fazendo isso, Anás literalmente estava renunciado o seu oficioFazendo isso, Anás literalmente estava renunciado o seu oficio
de Sumo sacerdote, fazendo Cristo por intermédio de sua mortede Sumo sacerdote, fazendo Cristo por intermédio de sua morte
na cruz, estabelecer um novo sacerdócio (Hb 7.12), e a provana cruz, estabelecer um novo sacerdócio (Hb 7.12), e a prova
disso é que quando Ele padeceu, declarando aodisso é que quando Ele padeceu, declarando ao
Pai a consumação de tudo, o véu que fazia separação entrePai a consumação de tudo, o véu que fazia separação entre
Deus e o homem fora rasgado de alto abaixo (Mt 27.51) estabeDeus e o homem fora rasgado de alto abaixo (Mt 27.51) estabe--
lecendo um novo e permanente acesso do homem transformadolecendo um novo e permanente acesso do homem transformado
com Deus (Hb 10.19,20).com Deus (Hb 10.19,20).
4.2– Sacerdócio universal x sacerdócio levítico (I4.2– Sacerdócio universal x sacerdócio levítico (I
Co 4.1).Co 4.1).
Paulo declara explicitamente que nós devemos ser rePaulo declara explicitamente que nós devemos ser re--
conhecidos pela a sociedade como ministros de Cristo econhecidos pela a sociedade como ministros de Cristo e
dispenseiros dos mistérios de Deus, tendo como Sumodispenseiros dos mistérios de Deus, tendo como Sumo
sacerdote Cristo, o mediador entre Deus e os homens (Isacerdote Cristo, o mediador entre Deus e os homens (I
Tm 2.5) e nós apenas como mordomos dos cuidadosTm 2.5) e nós apenas como mordomos dos cuidados
que Ele nos confiou diante de Deus, exercendo de formaque Ele nos confiou diante de Deus, exercendo de forma
inferior o nosso sacerdócio, que é o sacerdócio universalinferior o nosso sacerdócio, que é o sacerdócio universal
de todos os crentes.de todos os crentes.
Se de fato fora extinto o sacerdócio levítico, por que deSe de fato fora extinto o sacerdócio levítico, por que de--
veria ser estudado?veria ser estudado?
1. O sacerdócio e tudo que é1. O sacerdócio e tudo que é descrito no A.T era umadescrito no A.T era uma
tipologia ou sombras que apontavam para o futuro detipologia ou sombras que apontavam para o futuro de
Israel espiritual (Hb 10.1), tornando assim o velho emIsrael espiritual (Hb 10.1), tornando assim o velho em
obsoleto e estabelece o novo (Hb 813). Como Deus esobsoleto e estabelece o novo (Hb 813). Como Deus es--
colhera Arão e seus filhos na antiga aliança, Cristocolhera Arão e seus filhos na antiga aliança, Cristo
nos escolheu, ou seja, a sua igreja, para o novo sacernos escolheu, ou seja, a sua igreja, para o novo sacer--
dócio, como disse, sacerdócio universal (Jo 15.16; I Pedócio, como disse, sacerdócio universal (Jo 15.16; I Pe
2.9).2.9).
2. Sendo Arão e seus descentes2. Sendo Arão e seus descentes administradores doadministradores do
Tabernáculo (Lv 10.1,2), ensina-nos que devemosTabernáculo (Lv 10.1,2), ensina-nos que devemos
exercer com zelo a nossa escolha, o nosso chamado,exercer com zelo a nossa escolha, o nosso chamado,
sendo administradores de nossas vidas oferecendo asendo administradores de nossas vidas oferecendo a
Deus sacrifício vivo e santo diante da sua presença,Deus sacrifício vivo e santo diante da sua presença,
por que Deus é Santo (Rm 12. 1; I Pe 1.16,17).por que Deus é Santo (Rm 12. 1; I Pe 1.16,17).
CONCLUSÃO:CONCLUSÃO:
A lição nos apresenta de forma clara sobre a necessidade de DeusA lição nos apresenta de forma clara sobre a necessidade de Deus
transformar a nação de Israel em uma nação sacerdotal, tendo Moitransformar a nação de Israel em uma nação sacerdotal, tendo Moi--
sés como o mediador, o povo não quis assumir a posição que Deussés como o mediador, o povo não quis assumir a posição que Deus
queria estabelecer, e então Ele ordena Moisés consagrar Arão e seusqueria estabelecer, e então Ele ordena Moisés consagrar Arão e seus
filhos para o oficio sacerdotal. E mais tarde Deus escolhe a tribo defilhos para o oficio sacerdotal. E mais tarde Deus escolhe a tribo de
Levi para o serviço do templo (Ex 32). Esta ação de Deus nos exorta aLevi para o serviço do templo (Ex 32). Esta ação de Deus nos exorta a
manter como crista uma vida de zelo e santidade diante de Deus. Jemanter como crista uma vida de zelo e santidade diante de Deus. Je--
sus veio ao mundo, nasceu, cresceu, sofreu e padeceu por causa dasus veio ao mundo, nasceu, cresceu, sofreu e padeceu por causa da
sua missão, que é salvar o povo de seus pecados, viveu todos os porsua missão, que é salvar o povo de seus pecados, viveu todos os por--
menores da Lei e com sangue derramado na cruz, estabeleceu a novamenores da Lei e com sangue derramado na cruz, estabeleceu a nova
Aliança. Pode agora perfeitamente salvar o mais vil pecador, garanAliança. Pode agora perfeitamente salvar o mais vil pecador, garan--
tindo lhes vida abundante. A antiga aliança encerrou-se nos dias detindo lhes vida abundante. A antiga aliança encerrou-se nos dias de
Cristo, e aqueles antigos preceitos tornou-se efêmero, e na nova aliCristo, e aqueles antigos preceitos tornou-se efêmero, e na nova ali--
ança, Cristo nos garante uma eternidade junto ao Pai. O sacerdócioança, Cristo nos garante uma eternidade junto ao Pai. O sacerdócio
levítico, suas vestes e todas as peças da vestimenta nos ensina a anlevítico, suas vestes e todas as peças da vestimenta nos ensina a an--
dar na presença de Deus com inteireza e sinceridade de coração.dar na presença de Deus com inteireza e sinceridade de coração.
DIGITAÇÃO, PESQUISA E ESTUDOS:DIGITAÇÃO, PESQUISA E ESTUDOS:
José Roberto Alves da SilvaJosé Roberto Alves da Silva
Teólogo com Formação Básica pelo FATEFAMA (Faculdade de EduTeólogo com Formação Básica pelo FATEFAMA (Faculdade de Edu--
cação Teológica Fama) e Teologia Sistemática pelo CENEDI, Aconcação Teológica Fama) e Teologia Sistemática pelo CENEDI, Acon--
selhamento Cristão (Clinica Pastoral) IBADERJ (Instituto Bíblico daselhamento Cristão (Clinica Pastoral) IBADERJ (Instituto Bíblico da
Assembleia de Deus no Estado do Rio de Janeiro), Bacharel em TeoAssembleia de Deus no Estado do Rio de Janeiro), Bacharel em Teo--
logia - Superior.logia - Superior.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)Robson Tavares Fernandes
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesPastor W. Costa
 
75 estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)
75   estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)75   estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)
75 estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)Robson Tavares Fernandes
 
Josué informações e curiosidades
Josué   informações e curiosidadesJosué   informações e curiosidades
Josué informações e curiosidadesClube_Santo
 
Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22
Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22
Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22Luis García Llerena
 
Panorama do AT - Sofonias
Panorama do AT - SofoniasPanorama do AT - Sofonias
Panorama do AT - SofoniasRespirando Deus
 
Livros Poéticos.pptx
Livros Poéticos.pptxLivros Poéticos.pptx
Livros Poéticos.pptxIBADPirapora
 
5 aula profetas menores, Zacarias e Malaquias
5 aula profetas menores, Zacarias e Malaquias5 aula profetas menores, Zacarias e Malaquias
5 aula profetas menores, Zacarias e MalaquiasRODRIGO FERREIRA
 
41 Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)
41   Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)41   Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)
41 Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)Robson Tavares Fernandes
 

Mais procurados (20)

69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)69   estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
69 estudo panorâmico da bíblia (o livro de jeremias)
 
Proféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 LamentaçõesProféticos 3 Lamentações
Proféticos 3 Lamentações
 
Profetas maiores
Profetas maioresProfetas maiores
Profetas maiores
 
75 estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)
75   estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)75   estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)
75 estudo panorâmico da bíblia (o livro de ezequiel - parte 2)
 
44. O Profeta Zacarias
44. O Profeta Zacarias44. O Profeta Zacarias
44. O Profeta Zacarias
 
26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes
 
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
 
Profeta Jonas
Profeta JonasProfeta Jonas
Profeta Jonas
 
PROFETAS MAIORES (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
PROFETAS MAIORES (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)PROFETAS MAIORES (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
PROFETAS MAIORES (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
Josué informações e curiosidades
Josué   informações e curiosidadesJosué   informações e curiosidades
Josué informações e curiosidades
 
8. O Livro de Números
8. O Livro de Números8. O Livro de Números
8. O Livro de Números
 
Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22
Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22
Estudio del Libro de Génesis: Capítulos 19-22
 
Panorama do AT - Sofonias
Panorama do AT - SofoniasPanorama do AT - Sofonias
Panorama do AT - Sofonias
 
Profeta isaias
Profeta isaiasProfeta isaias
Profeta isaias
 
Livros Poéticos.pptx
Livros Poéticos.pptxLivros Poéticos.pptx
Livros Poéticos.pptx
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
 
5 aula profetas menores, Zacarias e Malaquias
5 aula profetas menores, Zacarias e Malaquias5 aula profetas menores, Zacarias e Malaquias
5 aula profetas menores, Zacarias e Malaquias
 
41 Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)
41   Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)41   Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)
41 Estudo Panorâmico da Bíblia (Levítico)
 
Profetas menores lição 5 - Obadias
Profetas menores   lição 5 - ObadiasProfetas menores   lição 5 - Obadias
Profetas menores lição 5 - Obadias
 
32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel32. O Profeta Ezequiel
32. O Profeta Ezequiel
 

Destaque

Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTOAula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTOJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014Pr. Andre Luiz
 
Apresentação seminário o_tabernaculo-final
Apresentação seminário o_tabernaculo-finalApresentação seminário o_tabernaculo-final
Apresentação seminário o_tabernaculo-finalApostolo Jose
 
Deus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o Sacerdócio
Deus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o SacerdócioDeus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o Sacerdócio
Deus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o SacerdócioJonas Martins Olímpio
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11yosseph2013
 
1º Trimestre 2014 Lição 11 Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio
1º Trimestre 2014 Lição 11  Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio1º Trimestre 2014 Lição 11  Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio
1º Trimestre 2014 Lição 11 Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócioAnderson Silva
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o
Deus escolhe arão e seus filhos para oDeus escolhe arão e seus filhos para o
Deus escolhe arão e seus filhos para opralucianaevangelista
 
Visão Panorâmica do Tabernáculo AT
Visão Panorâmica do Tabernáculo ATVisão Panorâmica do Tabernáculo AT
Visão Panorâmica do Tabernáculo ATRogério Nunes
 
O Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do SenhorO Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do SenhorHelio Colombe
 
Deus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócio
Deus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócioDeus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócio
Deus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócioMoisés Sampaio
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoDeus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 

Destaque (20)

As vestes sacerdotais
As vestes sacerdotaisAs vestes sacerdotais
As vestes sacerdotais
 
Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTOAula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
 
Especialidade santuário
Especialidade santuárioEspecialidade santuário
Especialidade santuário
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio-Lição 11 1º 2014
 
Apresentação seminário o_tabernaculo-final
Apresentação seminário o_tabernaculo-finalApresentação seminário o_tabernaculo-final
Apresentação seminário o_tabernaculo-final
 
Deus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o Sacerdócio
Deus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o SacerdócioDeus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o Sacerdócio
Deus Escolhe Arão e Seus Filhos Para o Sacerdócio
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio – lição 11
 
1º Trimestre 2014 Lição 11 Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio
1º Trimestre 2014 Lição 11  Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio1º Trimestre 2014 Lição 11  Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio
1º Trimestre 2014 Lição 11 Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio
 
Apresentação2[1]
Apresentação2[1]Apresentação2[1]
Apresentação2[1]
 
Arão
ArãoArão
Arão
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o
Deus escolhe arão e seus filhos para oDeus escolhe arão e seus filhos para o
Deus escolhe arão e seus filhos para o
 
Visão Panorâmica do Tabernáculo AT
Visão Panorâmica do Tabernáculo ATVisão Panorâmica do Tabernáculo AT
Visão Panorâmica do Tabernáculo AT
 
O POVO HEBREU
O POVO HEBREUO POVO HEBREU
O POVO HEBREU
 
O santuário terrestre e os símbolos
O santuário terrestre e os símbolosO santuário terrestre e os símbolos
O santuário terrestre e os símbolos
 
Tabernáculo
TabernáculoTabernáculo
Tabernáculo
 
O Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do SenhorO Tabernáculo do Senhor
O Tabernáculo do Senhor
 
Deus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócio
Deus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócioDeus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócio
Deus escolhe Arão e seus filhos para o sacerdócio
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoDeus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
 
LIÇÃO 11 - DEUS ESCOLHE ARÃO E SEUS FILHOS PARA O SACERDÓCIO
LIÇÃO 11 - DEUS ESCOLHE ARÃO E SEUS FILHOS PARA O SACERDÓCIOLIÇÃO 11 - DEUS ESCOLHE ARÃO E SEUS FILHOS PARA O SACERDÓCIO
LIÇÃO 11 - DEUS ESCOLHE ARÃO E SEUS FILHOS PARA O SACERDÓCIO
 
Tipologia
TipologiaTipologia
Tipologia
 

Semelhante a Aula 11 deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf

1 apresentacao profetas do velho testamento
1   apresentacao profetas do velho testamento1   apresentacao profetas do velho testamento
1 apresentacao profetas do velho testamentoPIB Penha
 
O tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretaçãoO tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretaçãoOaidson Silva
 
Lucas Capitulo 02b - Jesus e o Templo
Lucas Capitulo 02b - Jesus e o TemploLucas Capitulo 02b - Jesus e o Templo
Lucas Capitulo 02b - Jesus e o TemploAdolesBetel
 
004-Jornal Cesesul 20-04-14
004-Jornal Cesesul 20-04-14004-Jornal Cesesul 20-04-14
004-Jornal Cesesul 20-04-14CESESUL
 
O dia da expiação e o homem de linho
O dia da expiação e o homem de linhoO dia da expiação e o homem de linho
O dia da expiação e o homem de linhoEduardo Sousa Gomes
 
Um lugar de adoração a Deus no deserto
Um lugar de adoração a Deus no desertoUm lugar de adoração a Deus no deserto
Um lugar de adoração a Deus no desertoMoisés Sampaio
 
Lição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPAD
Lição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPADLição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPAD
Lição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPADJosé Pereira
 
Historia de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israel
Historia de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israelHistoria de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israel
Historia de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israelRICARDO CARDOSO
 
Dispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptxDispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptxSamyraAlves3
 

Semelhante a Aula 11 deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf (20)

Aula 13 o legado de moisés em slides
Aula 13   o legado de moisés em slidesAula 13   o legado de moisés em slides
Aula 13 o legado de moisés em slides
 
Estudo do pentateuco
Estudo do pentateucoEstudo do pentateuco
Estudo do pentateuco
 
1 apresentacao profetas do velho testamento
1   apresentacao profetas do velho testamento1   apresentacao profetas do velho testamento
1 apresentacao profetas do velho testamento
 
O tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretaçãoO tabernáculo e sua interpretação
O tabernáculo e sua interpretação
 
Lucas Capitulo 02b - Jesus e o Templo
Lucas Capitulo 02b - Jesus e o TemploLucas Capitulo 02b - Jesus e o Templo
Lucas Capitulo 02b - Jesus e o Templo
 
7° lição o ministerio de profeta
7° lição o ministerio de profeta7° lição o ministerio de profeta
7° lição o ministerio de profeta
 
Palestra louvor - porta das ovelhas
Palestra   louvor - porta das ovelhasPalestra   louvor - porta das ovelhas
Palestra louvor - porta das ovelhas
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
 
Ministerio de profetas
Ministerio de profetasMinisterio de profetas
Ministerio de profetas
 
004-Jornal Cesesul 20-04-14
004-Jornal Cesesul 20-04-14004-Jornal Cesesul 20-04-14
004-Jornal Cesesul 20-04-14
 
Lição 7 e 8 hebreus
Lição 7 e 8   hebreusLição 7 e 8   hebreus
Lição 7 e 8 hebreus
 
O rico e o mendigo Parte 1
O rico e o mendigo Parte 1O rico e o mendigo Parte 1
O rico e o mendigo Parte 1
 
O dia da expiação e o homem de linho
O dia da expiação e o homem de linhoO dia da expiação e o homem de linho
O dia da expiação e o homem de linho
 
Um lugar de adoração a Deus no deserto
Um lugar de adoração a Deus no desertoUm lugar de adoração a Deus no deserto
Um lugar de adoração a Deus no deserto
 
O rico e o mendigo 1
O rico e o mendigo 1O rico e o mendigo 1
O rico e o mendigo 1
 
Ide e pregai
Ide e pregaiIde e pregai
Ide e pregai
 
Apostila obreiros lição 3
Apostila obreiros lição 3Apostila obreiros lição 3
Apostila obreiros lição 3
 
Lição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPAD
Lição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPADLição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPAD
Lição 11 - A Segunda Vinda de Cristo - CPAD
 
Historia de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israel
Historia de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israelHistoria de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israel
Historia de israel aula 3 e 4 o relacionamento de deus com israel
 
Dispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptxDispensação da lei.pptx
Dispensação da lei.pptx
 

Mais de JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA

Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologoA consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recifeLição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recifeJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9    um lugar de adoração a deus no desertoLição 9    um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 um lugar de adoração a deus no desertoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitasLição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitasJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
As leis civis entregues por moisés aos israelitas original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas   originalAs leis civis entregues por moisés aos israelitas   original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas originalJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 

Mais de JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA (18)

Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILALicao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
 
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYERTODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
 
A salvação judaica
A salvação judaicaA salvação judaica
A salvação judaica
 
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
 
Lições biblicas do 4 trimestre 2017
Lições biblicas do 4 trimestre 2017 Lições biblicas do 4 trimestre 2017
Lições biblicas do 4 trimestre 2017
 
Quem foi barrabás
Quem foi barrabásQuem foi barrabás
Quem foi barrabás
 
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
 
Dicionário de acordes violão(port revisado)
Dicionário de acordes violão(port revisado)Dicionário de acordes violão(port revisado)
Dicionário de acordes violão(port revisado)
 
Mil esbocos para_sermoes
Mil esbocos para_sermoesMil esbocos para_sermoes
Mil esbocos para_sermoes
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
 
Comentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I CoríntiosComentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I Coríntios
 
Lição 13 o legado de moisés
Lição 13   o legado de moisésLição 13   o legado de moisés
Lição 13 o legado de moisés
 
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologoA consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologo
 
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recifeLição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
 
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9    um lugar de adoração a deus no desertoLição 9    um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
 
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitasLição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
 
As leis civis entregues por moisés aos israelitas original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas   originalAs leis civis entregues por moisés aos israelitas   original
As leis civis entregues por moisés aos israelitas original
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 

Aula 11 deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf

  • 1. Igreja Assembleia de Deus emIgreja Assembleia de Deus em Jardim Maravilha – Petrolina - PEJardim Maravilha – Petrolina - PE
  • 2. Lição: 11Lição: 11 (1º trimestre)(1º trimestre) DEUS ESCOLHE ARÃODEUS ESCOLHE ARÃO E SEUS FILHOS PARAE SEUS FILHOS PARA O SACERDÓCIO.O SACERDÓCIO. Assembleia de Deus – Jardim Maravilha, Petrolina – PE.Assembleia de Deus – Jardim Maravilha, Petrolina – PE. Texto elaborado e pesquisado por:Texto elaborado e pesquisado por: José Roberto AlvesJosé Roberto Alves
  • 3. Texto Áureo: Ap 5.10Texto Áureo: Ap 5.10 ““E para nosso Deus os fizesE para nosso Deus os fizes-- tes reis e sacerdotes; e elestes reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.”reinarão sobre a terra.”
  • 4. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Começaremos o estudo relembrando algumas particularidadesComeçaremos o estudo relembrando algumas particularidades do Livro de Êxodo, trazendo a memória fatos importantes quedo Livro de Êxodo, trazendo a memória fatos importantes que nos farão entender o passo a passo sobre o estabelecimento donos farão entender o passo a passo sobre o estabelecimento do sacerdócio em Israel. Ao começarmos no capítulo 19, vemossacerdócio em Israel. Ao começarmos no capítulo 19, vemos Deus chamando para si a nação como povo de propriedade peDeus chamando para si a nação como povo de propriedade pe-- culiar Dele (5), e em seguida chama a nação de reino sacerdotalculiar Dele (5), e em seguida chama a nação de reino sacerdotal (6). Veremos:(6). Veremos: 1. Deus queria fazer de Israel a nação intercessora que levasse1. Deus queria fazer de Israel a nação intercessora que levasse todas as outras nações para Deus e aparentemente Israeltodas as outras nações para Deus e aparentemente Israel aceiacei-- tou esse encargo.tou esse encargo. (Ex. 19.6,8);(Ex. 19.6,8); 2. Deus precisava fazer a nação escutar a sua voz pessoalmen2. Deus precisava fazer a nação escutar a sua voz pessoalmen-- te, e então recebesse a Lei e pudesse então subir o Monte Sinai.te, e então recebesse a Lei e pudesse então subir o Monte Sinai. (Ex 19.13,14);(Ex 19.13,14); 3. O3. O Monte SinaiMonte Sinai era oera o TabernáculoTabernáculo natural de Deusnatural de Deus (Lição 9)(Lição 9), considerando as, considerando as seguintes partes:seguintes partes:
  • 5. a) O Cume do Monte era o Santo dos Santos, somente Moisésa) O Cume do Monte era o Santo dos Santos, somente Moisés podia está lá na presença de Deus (3).podia está lá na presença de Deus (3). b) O Monte Sinai em um todo, representa o lugar Santo, onde ob) O Monte Sinai em um todo, representa o lugar Santo, onde o povo jamais poderia tocar (13).povo jamais poderia tocar (13). c) E a outra parte, seria fora dos termos do monte, ou seja, oc) E a outra parte, seria fora dos termos do monte, ou seja, o lugar que fica ao pé do Monte, este lugar seria a representaçãolugar que fica ao pé do Monte, este lugar seria a representação do Pátio do Tabernáculo (12). Infelizmente a nação israelitado Pátio do Tabernáculo (12). Infelizmente a nação israelita temeu muito ao ouvir a voz de Deus, pedindo atemeu muito ao ouvir a voz de Deus, pedindo a intermediação aintermediação a Moisés, para que assimMoisés, para que assim pudesse ouvir Deus por intermédio depudesse ouvir Deus por intermédio de seu servo, o povo temeu muito a voz de Deus (Ex. 20.18,19),seu servo, o povo temeu muito a voz de Deus (Ex. 20.18,19), Israel estava demonstrando a rejeição ao seu chamado deIsrael estava demonstrando a rejeição ao seu chamado de sacerdócio, pedido apenas que uma só pessoa fosse asacerdócio, pedido apenas que uma só pessoa fosse a mediadora entre Deus e o povo. “Deus queria que a naçãomediadora entre Deus e o povo. “Deus queria que a nação aprendesse a maneira correta de servir-Lo, rejeitando de vezaprendesse a maneira correta de servir-Lo, rejeitando de vez por todas todo pensamento ou formas litúrgicas que poderia terpor todas todo pensamento ou formas litúrgicas que poderia ter adquirido no Egito, principalmente a idolatria”.adquirido no Egito, principalmente a idolatria”.
  • 6. 1. O SACERDÓCIO1. O SACERDÓCIO (Êx 28.1-5).(Êx 28.1-5).
  • 7. I - O Sacerdócio Arônico (Ex28.1).I - O Sacerdócio Arônico (Ex28.1). O sacerdócio de Arão também conhecido como o sacerdócio levítico éO sacerdócio de Arão também conhecido como o sacerdócio levítico é resultante da Lei, visto que Israel era em primeira ocasião a nação queresultante da Lei, visto que Israel era em primeira ocasião a nação que Deus queria constituir para servir-Lo, dentro da promessa feita a AbraãoDeus queria constituir para servir-Lo, dentro da promessa feita a Abraão (Gn 12.3). A instituição do sacerdócio levítico era justamente a continu(Gn 12.3). A instituição do sacerdócio levítico era justamente a continu-- ação dessa mediação que Moisés fazia, como resultado do pedido que oação dessa mediação que Moisés fazia, como resultado do pedido que o povo fizera (Ex 20.19; Dt 18.16), de que eles não viesse diretamente a falarpovo fizera (Ex 20.19; Dt 18.16), de que eles não viesse diretamente a falar com Deus como já víamos falado anteriormente e esta mediação só teriacom Deus como já víamos falado anteriormente e esta mediação só teria fim com a chegada de um grande profeta na mesma qualidade de Moifim com a chegada de um grande profeta na mesma qualidade de Moi-- sés, conforme Deuteronômio 18.15 que já anunciava a vinda de Cristo,sés, conforme Deuteronômio 18.15 que já anunciava a vinda de Cristo, profecia essa confirmada (Lc 2427; Jo 1.45). Em nosso já não é precisoprofecia essa confirmada (Lc 2427; Jo 1.45). Em nosso já não é preciso utilizar este tipo de mediação, visto que as profecias se cumpriram emutilizar este tipo de mediação, visto que as profecias se cumpriram em Cristo que estabeleceu um novo sacerdócio, sendo Ele o Sumo sacerdoteCristo que estabeleceu um novo sacerdócio, sendo Ele o Sumo sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque (Hb 7.12; 15-17; 26-28). O sacerdóciosegundo a ordem de Melquisedeque (Hb 7.12; 15-17; 26-28). O sacerdócio de Arão nos serve apenas como figura, que apontavam para o sacerdóciode Arão nos serve apenas como figura, que apontavam para o sacerdócio de Cristo, sabendo que Jesus não pertencia a tribo de Levi, por isso Ele sede Cristo, sabendo que Jesus não pertencia a tribo de Levi, por isso Ele se tornou sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, que sem genealotornou sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, que sem genealo-- gia demonstra ser o sacerdócio eterno (Hb 7.17;28).gia demonstra ser o sacerdócio eterno (Hb 7.17;28).
  • 8. Quem eram realmente os sacerdotes? Quais as suasQuem eram realmente os sacerdotes? Quais as suas funções? Eles eram ministros diante do altar,funções? Eles eram ministros diante do altar, descendentes de Arão, cuja familia fora restrita peladescendentes de Arão, cuja familia fora restrita pela legislação levítica, mais tarde traçava-se a sualegislação levítica, mais tarde traçava-se a sua descendencia pela familia de Zadoque, conteporãneodescendencia pela familia de Zadoque, conteporãneo do Rei Davi.do Rei Davi. As funções dos sacerdotes eram várias.As funções dos sacerdotes eram várias. Sua primeira responsabilidade era mediar entreSua primeira responsabilidade era mediar entre Deus e o homem. OficiandoDeus e o homem. Oficiando nas ofertas prescritas,nas ofertas prescritas, eles conduziam o povo assegurando-lhe a expiaçãoeles conduziam o povo assegurando-lhe a expiação pelo pecado (Êx 28.1-43; Lv 16.1-34). O discernimentopelo pecado (Êx 28.1-43; Lv 16.1-34). O discernimento da vontade de Deus para o povo era a mais soleneda vontade de Deus para o povo era a mais solene obrigação (Nm 27.21; Dt 33.8). sendo custódios daobrigação (Nm 27.21; Dt 33.8). sendo custódios da lei, também estavam comissionados para instruir oslei, também estavam comissionados para instruir os laicos.laicos.
  • 9. ••Também tinham como função ensinar (LvTambém tinham como função ensinar (Lv 10:11).10:11). ••Os sacerdotes não receberam nenhuma heOs sacerdotes não receberam nenhuma he-- rança de terras quando as tribos entraramrança de terras quando as tribos entraram na Terra Prometida.na Terra Prometida. ••Dependiam das ofertasDependiam das ofertas e viviam de modo simples (Nm 18:3-32)e viviam de modo simples (Nm 18:3-32) Para ser um representante de Deus é precisoPara ser um representante de Deus é preciso ter o chamado. Aquele que é chamado nãoter o chamado. Aquele que é chamado não explora o povo de Deus. Aquele que é chaexplora o povo de Deus. Aquele que é cha-- mado de Deus, ele está preocupado com omado de Deus, ele está preocupado com o reino de Deus!reino de Deus!
  • 10. 2.2. A INDUMETÁRIAA INDUMETÁRIA DODO SACERDOTE.SACERDOTE.
  • 11.
  • 12. ••As vestes do sacerdote deveriam ser “santas”.As vestes do sacerdote deveriam ser “santas”. ••Deveria haver reverência para entrar na presença de Deus.Deveria haver reverência para entrar na presença de Deus. ••O Urim e Tumim (Ex 28.30) - eram pedras que os sacerdotes utilizaO Urim e Tumim (Ex 28.30) - eram pedras que os sacerdotes utiliza-- vam para consultar a Deus, um tipo de “tirar sorte”, presente até novam para consultar a Deus, um tipo de “tirar sorte”, presente até no NT (Atos).NT (Atos). Em Êxodo 28.2, vemos Deus ordenar Moisés fazer vestidos santosEm Êxodo 28.2, vemos Deus ordenar Moisés fazer vestidos santos para seu irmão Arão, eram vestes diferenciadas, levando em conta,para seu irmão Arão, eram vestes diferenciadas, levando em conta, que para os crentes da nova Aliança, não é diferente, pois devemos:que para os crentes da nova Aliança, não é diferente, pois devemos: a) Possuir vestes de salvação (Is 61.10);a) Possuir vestes de salvação (Is 61.10); b) Possuir vestes espirituais em santidade, lavadas no sangue dob) Possuir vestes espirituais em santidade, lavadas no sangue do Cordeiro (Ap 22.14);Cordeiro (Ap 22.14); c) Vestes brancas (I Pe 3.4);c) Vestes brancas (I Pe 3.4);De igual modo, como diferente deveriaDe igual modo, como diferente deveria ser as vestes sacerdotais de Arão e sua descendência, devemos nosser as vestes sacerdotais de Arão e sua descendência, devemos nos manter com integridade com as nossas vestimentas, além das espirimanter com integridade com as nossas vestimentas, além das espiri-- tuais, as vestimentas físicas deve ser de maneira que os homenstuais, as vestimentas físicas deve ser de maneira que os homens possam glorificar a Deus, o nosso Pai celestial (Mt 5.16; II Co 3.18 –possam glorificar a Deus, o nosso Pai celestial (Mt 5.16; II Co 3.18 – cf. Ap 3.18; 16.15).cf. Ap 3.18; 16.15).
  • 14. 1. O simbolismo das vestes sacerdotais (Ex 28.4).1. O simbolismo das vestes sacerdotais (Ex 28.4). O sumo sacerdote e os sacerdotes tinham vestimentas com peçasO sumo sacerdote e os sacerdotes tinham vestimentas com peças emem comum, que eram: Calções de linho, Turbante de linho e umacomum, que eram: Calções de linho, Turbante de linho e uma Túnica de linho sem costura. Estas peças por ser feitas de linho,Túnica de linho sem costura. Estas peças por ser feitas de linho, simbolizavam de forma sublime a justiça dos santos (Ap 19.8) e asimbolizavam de forma sublime a justiça dos santos (Ap 19.8) e a brancura do linho simboliza a santidade (Ex 28.2), jamais devemosbrancura do linho simboliza a santidade (Ex 28.2), jamais devemos exercer de maneira negligente a nossa mordomia com vestes sujas,exercer de maneira negligente a nossa mordomia com vestes sujas, pois o nosso inimigo, está pronto a nos acusar dia e noite diantepois o nosso inimigo, está pronto a nos acusar dia e noite diante Deus (Zc 3.3), e se isso acontecer, devemos suplicar a intervenção deDeus (Zc 3.3), e se isso acontecer, devemos suplicar a intervenção de Cristo em nossas vidas (Ap 3.4,5). O linho também fala daCristo em nossas vidas (Ap 3.4,5). O linho também fala da voluntavolunta-- riedade do serviço (Ez 44.18), oriedade do serviço (Ez 44.18), o sacerdote deverá usar linho para quesacerdote deverá usar linho para que também não se veja suor, pois o suor demonstra as marcas de servitambém não se veja suor, pois o suor demonstra as marcas de servi-- ço penoso, sacrifício, e o serviço para Deus deve ser voluntário. Oço penoso, sacrifício, e o serviço para Deus deve ser voluntário. O serviço para Deus deve ser feito de boa vontade (II Co 8.11; 9.7). Oserviço para Deus deve ser feito de boa vontade (II Co 8.11; 9.7). O manto sacerdotal era de cor azul, carmesim, fundo de linho e demanto sacerdotal era de cor azul, carmesim, fundo de linho e de púrpura e eles representam os quatros evangelhos (Lição 8):púrpura e eles representam os quatros evangelhos (Lição 8):
  • 15. a)a) PúrpuraPúrpura – Simboliza realeza, rei e representa o– Simboliza realeza, rei e representa o Evangelho de MateusEvangelho de Mateus, que, que anuncia as boas novas doanuncia as boas novas do Reino de Deus e apresenta Jesus como o Rei.Reino de Deus e apresenta Jesus como o Rei. b)b) CarmesimCarmesim – Tipifica o sofrimento,– Tipifica o sofrimento, representa emrepresenta em sua cor o sangue e apontam para o sacrifício de Cristo,sua cor o sangue e apontam para o sacrifício de Cristo, seu sofrimento e morte e representa o servo que é oseu sofrimento e morte e representa o servo que é o Evangelho de Marcos.Evangelho de Marcos. c)c) Fundo de LinhoFundo de Linho – o linho como– o linho como aprendemos é simaprendemos é sim-- bolo de pureza e santidade e aponta para a santidade debolo de pureza e santidade e aponta para a santidade de Jesus, homem santo e verdadeiro eJesus, homem santo e verdadeiro e representa orepresenta o EvanEvan-- gelho de Lucas.gelho de Lucas. d)d) AzulAzul –– Significa o caráter espiritualSignifica o caráter espiritual de Jesus Cristode Jesus Cristo como Filho de Deus, a suacomo Filho de Deus, a sua divindade e representa odivindade e representa o Evangelho deEvangelho de João (Jo 1.1).João (Jo 1.1).
  • 16. 2. As peças que eram partes exclusivas das vestes do sumo2. As peças que eram partes exclusivas das vestes do sumo sacerdote (Ex 28.8 vv)sacerdote (Ex 28.8 vv).. 1.1. O Cinto (v. 8)O Cinto (v. 8) – mesmo sendo peças– mesmo sendo peças comuns entre as vesticomuns entre as vesti-- mentas do sacerdote e do sumo sacerdote, ela tipifica a verdadementas do sacerdote e do sumo sacerdote, ela tipifica a verdade (Ef 6.14), este cinto servia para prender as túnicas sacerdotais,(Ef 6.14), este cinto servia para prender as túnicas sacerdotais, para que impedisse que suas vestes atrapalhassem o serviço nopara que impedisse que suas vestes atrapalhassem o serviço no tabernáculo, a verdade como cinto deve ser firme na vida dostabernáculo, a verdade como cinto deve ser firme na vida dos crentes da nova aliança, é uma peça fundamental. Jesus nos encrentes da nova aliança, é uma peça fundamental. Jesus nos en-- sina que a palavra de Deus é a verdade (Jo 17.17).sina que a palavra de Deus é a verdade (Jo 17.17). 2.2. Nas tiras sobre os ombrosNas tiras sobre os ombros haviamhaviam existiam duas pedrasexistiam duas pedras sardônicas, uma ao lado da outra trazendo o nome das 12 tribossardônicas, uma ao lado da outra trazendo o nome das 12 tribos de Israel (Ex 28.9,10). As pedras levadas sobre os ombros dode Israel (Ex 28.9,10). As pedras levadas sobre os ombros do sumo sacerdote, fala do oficio do mesmo que diante de Deussumo sacerdote, fala do oficio do mesmo que diante de Deus tem a responsabilidade detem a responsabilidade de carregar a nação sobre os ombros,carregar a nação sobre os ombros, sendo osendo o mediador do povo (Ex 28.12).mediador do povo (Ex 28.12).
  • 17. 3.3. O peitoral do JuízoO peitoral do Juízo – Feito do– Feito do mesmo material do éfode (Exmesmo material do éfode (Ex 28.15) e designava “o Juízo de Deus” que no peitoral referia ao “Urim28.15) e designava “o Juízo de Deus” que no peitoral referia ao “Urim e Tumim”, uma peça que importante que o sacerdote utilizava parae Tumim”, uma peça que importante que o sacerdote utilizava para consultar a Deus, que eram jogados como dados para obter resposconsultar a Deus, que eram jogados como dados para obter respos-- tas sobre algum assunto, dependendo de qual pedra que era jogada,tas sobre algum assunto, dependendo de qual pedra que era jogada, a resposta de acordo com a pedra era de sim ou não e significavama resposta de acordo com a pedra era de sim ou não e significavam “Luz e Perfeição” (Ex 28.30). Outras referencias: Ex 29.10; Nm 16.40;“Luz e Perfeição” (Ex 28.30). Outras referencias: Ex 29.10; Nm 16.40; 27.21; Ed 12.63).27.21; Ed 12.63). 4.4. O manto do éfode – (Ex 28.31-35)O manto do éfode – (Ex 28.31-35) Com campainhas e romãs nasCom campainhas e romãs nas pontas, as romãs eram de cores diferentes e a campainha de Ouropontas, as romãs eram de cores diferentes e a campainha de Ouro (Ex 28.33,34). As romãs simbolizam: alimentos, fertilidades e ale(Ex 28.33,34). As romãs simbolizam: alimentos, fertilidades e ale-- gria.gria. 5. Lâmina de Ouro – (Ex 28.36-38)5. Lâmina de Ouro – (Ex 28.36-38) UsadoUsado na mitra sacerdotal, ouna mitra sacerdotal, ou seja, no turbante (v.37), na lâmina tinha nomes gravados que indiseja, no turbante (v.37), na lâmina tinha nomes gravados que indi-- cavam claramente “Santidade ao Senhor” (Ex 28.36) e nos alertam,cavam claramente “Santidade ao Senhor” (Ex 28.36) e nos alertam, que na vida cristã devemos permanecer em santidade, sem a qualque na vida cristã devemos permanecer em santidade, sem a qual jamais veremos o Senhor (Hb 12.14). Obs: Não existe corda algumajamais veremos o Senhor (Hb 12.14). Obs: Não existe corda alguma na cintura do sumo sacerdote quando este adentrava no santuário.na cintura do sumo sacerdote quando este adentrava no santuário.
  • 18. 3. MINISTROS3. MINISTROS DE CRISTODE CRISTO PARA A IGREJA.PARA A IGREJA.
  • 19. 1. O SACERDÓCIO NA ATUALIDADE.1. O SACERDÓCIO NA ATUALIDADE. Cristo ao assumir de maneira superior o sacerdócio da nova aliCristo ao assumir de maneira superior o sacerdócio da nova ali-- ança, pois diferentemente dos sacerdotes da antiga aliança queança, pois diferentemente dos sacerdotes da antiga aliança que ofereciam animais em sacrifício, ele entregou-se como sacrifíofereciam animais em sacrifício, ele entregou-se como sacrifí-- cio, estabelecendo com o próprio sangue uma superior e novacio, estabelecendo com o próprio sangue uma superior e nova aliança, entre Deus e os homens. Todos os homens por interméaliança, entre Deus e os homens. Todos os homens por intermé-- dio de seu sacrifício se aproximam de Deus sem impedimentodio de seu sacrifício se aproximam de Deus sem impedimento algum, tornando cada crente em um sacerdote que pode agoraalgum, tornando cada crente em um sacerdote que pode agora se achegar a Deus (Is 61.6; 66.21; Ap 1.6 e 5.10). A igreja constituse achegar a Deus (Is 61.6; 66.21; Ap 1.6 e 5.10). A igreja constitu-- ída universalmente de todos os crente é agora o que Deus queriaída universalmente de todos os crente é agora o que Deus queria que Israel fosse, ima nação sacerdotal (I Pe 2.9; cf. Dt 10.15; Exque Israel fosse, ima nação sacerdotal (I Pe 2.9; cf. Dt 10.15; Ex 19.5,6). *(Há ainda a manutenção de forma contrária a palavra19.5,6). *(Há ainda a manutenção de forma contrária a palavra de Deus por meio das igrejas católicas, ortodoxas e Anglicana,de Deus por meio das igrejas católicas, ortodoxas e Anglicana, que mantém a ordem sacramentária de sacerdote, como meioque mantém a ordem sacramentária de sacerdote, como meio de mediação entre Deus e o povo).de mediação entre Deus e o povo).
  • 20. 2.O fim do sacerdócio levítico e a instauração do sacerdó2.O fim do sacerdócio levítico e a instauração do sacerdó-- cio de Cristo (Hb 7. 11,12).cio de Cristo (Hb 7. 11,12). O sacerdócio segundo a ordem levítica teve seu fim com o surgirO sacerdócio segundo a ordem levítica teve seu fim com o surgir do grande profeta, que for anunciado por Moisés, Jesus ao serdo grande profeta, que for anunciado por Moisés, Jesus ao ser levado ao sinédrio conforme relato dos evangelhos, e ao serlevado ao sinédrio conforme relato dos evangelhos, e ao ser questionado por aquilo que o povo dizia ao seu respeito, e Elequestionado por aquilo que o povo dizia ao seu respeito, e Ele confrontado na sua afirmação, diz-nos os textos que o Sacerdoconfrontado na sua afirmação, diz-nos os textos que o Sacerdo-- te Anás rasgou suas vestes em fúria, coisa que a própria Lei dete Anás rasgou suas vestes em fúria, coisa que a própria Lei de-- clarava que o sacerdote jamais poderia fazer aquilo (Lv 21.10).clarava que o sacerdote jamais poderia fazer aquilo (Lv 21.10). Fazendo isso, Anás literalmente estava renunciado o seu oficioFazendo isso, Anás literalmente estava renunciado o seu oficio de Sumo sacerdote, fazendo Cristo por intermédio de sua mortede Sumo sacerdote, fazendo Cristo por intermédio de sua morte na cruz, estabelecer um novo sacerdócio (Hb 7.12), e a provana cruz, estabelecer um novo sacerdócio (Hb 7.12), e a prova disso é que quando Ele padeceu, declarando aodisso é que quando Ele padeceu, declarando ao Pai a consumação de tudo, o véu que fazia separação entrePai a consumação de tudo, o véu que fazia separação entre Deus e o homem fora rasgado de alto abaixo (Mt 27.51) estabeDeus e o homem fora rasgado de alto abaixo (Mt 27.51) estabe-- lecendo um novo e permanente acesso do homem transformadolecendo um novo e permanente acesso do homem transformado com Deus (Hb 10.19,20).com Deus (Hb 10.19,20).
  • 21. 4.2– Sacerdócio universal x sacerdócio levítico (I4.2– Sacerdócio universal x sacerdócio levítico (I Co 4.1).Co 4.1). Paulo declara explicitamente que nós devemos ser rePaulo declara explicitamente que nós devemos ser re-- conhecidos pela a sociedade como ministros de Cristo econhecidos pela a sociedade como ministros de Cristo e dispenseiros dos mistérios de Deus, tendo como Sumodispenseiros dos mistérios de Deus, tendo como Sumo sacerdote Cristo, o mediador entre Deus e os homens (Isacerdote Cristo, o mediador entre Deus e os homens (I Tm 2.5) e nós apenas como mordomos dos cuidadosTm 2.5) e nós apenas como mordomos dos cuidados que Ele nos confiou diante de Deus, exercendo de formaque Ele nos confiou diante de Deus, exercendo de forma inferior o nosso sacerdócio, que é o sacerdócio universalinferior o nosso sacerdócio, que é o sacerdócio universal de todos os crentes.de todos os crentes. Se de fato fora extinto o sacerdócio levítico, por que deSe de fato fora extinto o sacerdócio levítico, por que de-- veria ser estudado?veria ser estudado?
  • 22. 1. O sacerdócio e tudo que é1. O sacerdócio e tudo que é descrito no A.T era umadescrito no A.T era uma tipologia ou sombras que apontavam para o futuro detipologia ou sombras que apontavam para o futuro de Israel espiritual (Hb 10.1), tornando assim o velho emIsrael espiritual (Hb 10.1), tornando assim o velho em obsoleto e estabelece o novo (Hb 813). Como Deus esobsoleto e estabelece o novo (Hb 813). Como Deus es-- colhera Arão e seus filhos na antiga aliança, Cristocolhera Arão e seus filhos na antiga aliança, Cristo nos escolheu, ou seja, a sua igreja, para o novo sacernos escolheu, ou seja, a sua igreja, para o novo sacer-- dócio, como disse, sacerdócio universal (Jo 15.16; I Pedócio, como disse, sacerdócio universal (Jo 15.16; I Pe 2.9).2.9). 2. Sendo Arão e seus descentes2. Sendo Arão e seus descentes administradores doadministradores do Tabernáculo (Lv 10.1,2), ensina-nos que devemosTabernáculo (Lv 10.1,2), ensina-nos que devemos exercer com zelo a nossa escolha, o nosso chamado,exercer com zelo a nossa escolha, o nosso chamado, sendo administradores de nossas vidas oferecendo asendo administradores de nossas vidas oferecendo a Deus sacrifício vivo e santo diante da sua presença,Deus sacrifício vivo e santo diante da sua presença, por que Deus é Santo (Rm 12. 1; I Pe 1.16,17).por que Deus é Santo (Rm 12. 1; I Pe 1.16,17).
  • 23. CONCLUSÃO:CONCLUSÃO: A lição nos apresenta de forma clara sobre a necessidade de DeusA lição nos apresenta de forma clara sobre a necessidade de Deus transformar a nação de Israel em uma nação sacerdotal, tendo Moitransformar a nação de Israel em uma nação sacerdotal, tendo Moi-- sés como o mediador, o povo não quis assumir a posição que Deussés como o mediador, o povo não quis assumir a posição que Deus queria estabelecer, e então Ele ordena Moisés consagrar Arão e seusqueria estabelecer, e então Ele ordena Moisés consagrar Arão e seus filhos para o oficio sacerdotal. E mais tarde Deus escolhe a tribo defilhos para o oficio sacerdotal. E mais tarde Deus escolhe a tribo de Levi para o serviço do templo (Ex 32). Esta ação de Deus nos exorta aLevi para o serviço do templo (Ex 32). Esta ação de Deus nos exorta a manter como crista uma vida de zelo e santidade diante de Deus. Jemanter como crista uma vida de zelo e santidade diante de Deus. Je-- sus veio ao mundo, nasceu, cresceu, sofreu e padeceu por causa dasus veio ao mundo, nasceu, cresceu, sofreu e padeceu por causa da sua missão, que é salvar o povo de seus pecados, viveu todos os porsua missão, que é salvar o povo de seus pecados, viveu todos os por-- menores da Lei e com sangue derramado na cruz, estabeleceu a novamenores da Lei e com sangue derramado na cruz, estabeleceu a nova Aliança. Pode agora perfeitamente salvar o mais vil pecador, garanAliança. Pode agora perfeitamente salvar o mais vil pecador, garan-- tindo lhes vida abundante. A antiga aliança encerrou-se nos dias detindo lhes vida abundante. A antiga aliança encerrou-se nos dias de Cristo, e aqueles antigos preceitos tornou-se efêmero, e na nova aliCristo, e aqueles antigos preceitos tornou-se efêmero, e na nova ali-- ança, Cristo nos garante uma eternidade junto ao Pai. O sacerdócioança, Cristo nos garante uma eternidade junto ao Pai. O sacerdócio levítico, suas vestes e todas as peças da vestimenta nos ensina a anlevítico, suas vestes e todas as peças da vestimenta nos ensina a an-- dar na presença de Deus com inteireza e sinceridade de coração.dar na presença de Deus com inteireza e sinceridade de coração.
  • 24. DIGITAÇÃO, PESQUISA E ESTUDOS:DIGITAÇÃO, PESQUISA E ESTUDOS: José Roberto Alves da SilvaJosé Roberto Alves da Silva Teólogo com Formação Básica pelo FATEFAMA (Faculdade de EduTeólogo com Formação Básica pelo FATEFAMA (Faculdade de Edu-- cação Teológica Fama) e Teologia Sistemática pelo CENEDI, Aconcação Teológica Fama) e Teologia Sistemática pelo CENEDI, Acon-- selhamento Cristão (Clinica Pastoral) IBADERJ (Instituto Bíblico daselhamento Cristão (Clinica Pastoral) IBADERJ (Instituto Bíblico da Assembleia de Deus no Estado do Rio de Janeiro), Bacharel em TeoAssembleia de Deus no Estado do Rio de Janeiro), Bacharel em Teo-- logia - Superior.logia - Superior.