SlideShare uma empresa Scribd logo

Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança

Estudo de Escatologia Bíblica ministrado pelo Pr. Joel Medeiros no Culto de Doutrina da Igreja de Cristo em Parnamirim RN

1 de 81
Baixar para ler offline
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM RN
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
ORIENTAÇÕES
O Slide aqui apresentado, tem como objetivo apresentar um
RESUMO DA ESCATOLOGIA BÍBLICA. Por tanto:
1. Realize a leitura de livros referente ao assunto com total
cuidado e oração.
2. Utilize a Bíblia, Dicionários e outras fontes teológicas para
acompanhamento das passagens mencionadas na fonte.
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Apresentaremos nesta aula três Escolas Escatológicas mais
conhecidas: Pré-milenar; Pós-milenar e A-milenar – Começaremos
pela visão escatológica chamada de Pré-milenar, ou seja, a visão em
que Jesus volta antes do Milênio.
1
Introdução
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM RN
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Sendo a hermenêutica a responsável pelo estudo das regras de
interpretação bíblica não seria possível deixá-la de fora de um
trabalho como este, já que a escatologia trabalha em meio a muitas
profecias e passagens de difícil compreensão.
2
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O alegorismo e o literalismo são hoje, os métodos mais utilizados,
sendo que o primeiro vem ganhando mais espaço entre os
teólogos, espaço este antes dominado, quase em totalidade pelo
método literal.
3
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O ALEGORISMO
O alegorismo tem suas raízes no platonismo e no alegorismo judaico,
dois de seus defensores são Orígenes (185-254) escritor, teólogo e
professor e Clemente de Alexandria que faziam parte da escola de
Alexandria.
4
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O ALEGORISMO
Clemente por outro lado defendia cinco pontos a serem usados
para interpretação de um texto: o histórico, o doutrinário, o
profético, o filosófico e o místico.
5
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O ALEGORISMO
Agostinho de Hipona reformulou os sentidos do alegorismo e os
transformou em quatro: o sentido literal, o que o texto
realmente quer dizer; o sentido moral, uma visão do texto que
retratasse um ensinamento sobre conduta; sentido alegórico,
como crer e em quem crer e de que maneira; o sentido
analógico, o que o texto promete ou representa para o futuro.
6
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O LITERALISMO
Também conhecido como método histórico-gramatical o
literalismo difere do alegorismo por interpretar as palavras e frases
de uma maneira natural como elas se apresentam; o Dr J.D.
Pentecost define o método literal da seguinte maneira:
7
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O LITERALISMO
“O método literal de interpretação é o que dá a cada palavra o mesmo
sentido básico e exato que teria no uso costumeiro, normal, cotidiano
empregada de modo escrito oral ou conceitual”.
8
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O LITERALISMO
Com certeza este é o único método que satisfaz as exigências bíblicas
no sentido de trazer uma interpretação equilibrada e dentro de um
contexto correto, ou seja, ele não modifica a idéia inicial que o autor
procurou transmitir, mas a explica de maneira coerente.
9
Hermenêutica e Escatologia
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
10
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Dispensações são períodos de tempo em que Deus estabelece
diferentes maneiras de tratar com seu povo, sendo que em cada uma
delas há a pactos estabelecidos por Deus em que são feitas promessas
que foram ou serão cumpridas e também exigências como condições
para que as alianças ou parte delas sejam concluídas.
11
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
É interessante ressaltar que as alianças ou pactos tinham características
diferentes relativas ao seu cumprimento, algumas eram totalmente
condicionais, onde, aquela pessoa ou nação com quem foi feita a
aliança, deveria cumprir alguns pormenores para sua realização.
13
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
As incondicionais ao contrário, não estavam
dependentes da pessoa ou grupo com que a aliança era
feita, Deus prometia e independente de qualquer coisa
ele se comprometia a fazer.
14
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O dispensacionalismo apresenta todo o plano de Deus através dos
séculos por períodos, como se fossem capítulos de um livro, embora
sejam distintos têm o mesmo contexto, ou seja, mesmo as dispensações
sendo diferentes estão interligadas e elas tratam do mesmo contexto,
que é a revelação de Deus ao homem.
15
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
16
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
No quadro a seguir veremos um resumo das
dispensações e suas alianças:
17
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
18
AS DISPENSAÇÕES ALIANÇAS DA DISPENSAÇÃO INÍCIO DA DISPENSAÇÃO
1- da Inocência 1- Edênica Gn 1:27-30 Na criação
2- da Consciência 2- Adâmica Gn 3:14-21 Na queda do homem (durou cerca
1656 anos)
3- do Governo
humano
3- Noêmica Gn 9:1-17 No fim do dilúvio (durou cerca de 415
anos)
4- Patriarcal 4- Abraâmica Gn 12:1-3 Na chamada de Abraão (durou cerca
de 430 anos)
5- da Lei 5- Mosaica Ex 19:1-25
6- Palestínica Dt 28,19,30
7- Davídica IISm 7:12; Sl 89:3-
4
No Sinai quando Deus dá a lei a
Moisés ( .C.)
6- da Graça ou da
Igreja
8- Nova aliança Na morte vicária de Cristo na Cruz do
Calvário
7- Milenial Não existe aliança específica
para esta dispensação, mas
sim a confluência de algumas
que encontrarão seu total
cumprimento.
Na vinda de Cristo para julgar a terra e
estabelecer seu reino
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
AS ALIANÇAS E A ESCATOLOGIA
A aliança com Abraão é a raiz das demais. A promessa inclui a posse da
terra e a formação de uma numerosa nação e o estabelecimento de um
reinado eterno confirmado na aliança Davídica. Através de sua
descendência todas as nações seriam abençoadas o que é confirmado
na Nova Aliança.
19
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Veja no esquema a seguir e confira as referências, as promessas e
suas ligações com as outras alianças:
20
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
21
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
PROMESSAS DA ALIANÇA
ABRAÂMICA
Gn 12:1; 13:14-15
Posse da terra
Gn 12:2; 17:6-7
Nação e reinado
Gn 12:3; 28:18
Benção ao mundo
PALESTINA
Dt 30:1-10
DAVÍDICA
2º Sm 7:10-16
NOVA ALIANÇA
Hb 8:6-13
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
ALIANÇA ABRAÂMICA: Filho de Terá morava na cidade Sumeriana, Ur
dos Caldeus nas margens do rio Eufrates, neste tempo a cidade havia
sido conquistada por povos bárbaros ocasionando a saída de seu pai
juntamente com filhos e noras para a cidade de Harã, onde Deus se
revela a ele. Seu chamado está registrado em Gênesis 12:1-3
22
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
ALIANÇA DAVÍDICA
A aliança com Davi também está ligada diretamente a Abraâmica,
porém com pormenores que se referiam a Davi e seus
descendentes. Sua apresentação por parte de Deus através do
profeta Natã se encontra em 2Sm 7:12-16:
23
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
ALIANÇA DAVÍDICA
Davi havia colocado em seu coração o desejo de construir um
templo ao Senhor (2Sm 7:2), Deus não permitiu, porém fez
com ele esta aliança onde podemos observar que:
24
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O FIM DA ATUAL DISPENSAÇÃO
O que é necessário percebermos é que Deus tendo dividido a história
da humanidade em dispensações deu para cada uma delas um
propósito ou missão e todas elas deveriam ter um inicio e um fim,
portanto esta era atual, ou este período de tempo chamado graça em
que vivemos terá um fim, o que marcará este fim?
25
O Dispensacionalismo e Suas Alianças
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O FIM DA ATUAL DISPENSAÇÃO
Dois grandes eventos marcarão o fim, o arrebatamento da igreja e a
volta visível de Jesus para inaugurar o milênio. Nos capítulos
seguintes estudaremos detalhes dos eventos como também tudo o
que os envolve.
27
Arrebatamento e Vinda
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
ARREBATAMENTO
O termo arrebatamento é encontrado em seu sentido escatológico
em I Ts 4:17, quando o apóstolo Paulo explica acerca da situação dos
mortos em Cristo na sua vinda e ao dizer com relação ao momento da
retirada da igreja diz que os mortos ressurgirão primeiro e:
28
Arrebatamento e Vinda
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
ARREBATAMENTO
“Depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados
juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos
ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor”.
29
Arrebatamento e Vinda
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
ARREBATAMENTO: Harpádzo (é o termo que é traduzido para
arrebatamento), este tem um significado abrangente, em Mateus 11:12
é traduzido como “apoderaram-se” no sentido de tomar para si; já em
Mateus 13:19 a idéia é de “roubo” como também em João 10:28; uma
tradução menos comum, nós encontramos em João 10:12, “atacar” no
sentido de investida.
29
Arrebatamento e Vinda
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
VINDA
Três palavras são usadas para referir-se à vinda de Cristo e estas são
utilizadas nos textos originais de várias maneiras, no entanto
precisaremos conhecê-las para que tenhamos uma compreensão
melhor sobre seus significados e se podemos utilizá-las ou não para
nomear a vinda gloriosa de Cristo.
30
Arrebatamento e Vinda
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
VINDA
Parousia (Sua tradução segundo o dicionário grego de Willian Carey é:
presença, vinda, chegada, volta; “visita real, chegada de um rei”)
(Souter); “a futura visível volta de Jesus, o messias, do céu para
ressuscitar os mortos, realizar o juízo final, e estabelecer formal e
gloriosamente o reino de Deus (Thayer)”.
31
Arrebatamento e Vinda
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
VINDA
Apokalupsis - Revelação, exposição, manifestação. Mesma raiz de
apokalupto (revelo, descubro).
Seu uso é freqüente para designar a revelação de Jesus Cristo, ou seja, a
sua vinda, no entanto, também não consegue por si só definir qual das
vindas está se referindo.
32
Arrebatamento e Vinda
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A maioria das diferentes escolas de interpretação
pode ser entendida na forma em que seu método
explica o tempo. Os preteristas afirmam que a maior
parte do Apocalipse tem sua principal referência no
passado. Os futuristas declaram que a maior parte do
livro ainda deverá ter cumprimento futuro.
33
Escolas e Tempos - Reflexões sobre o Apocalipse
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Os historicistas estão seguros de que o livro foi
cumprido parcialmente no passado, está ainda
tendo cumprimento no presente, e somente se
cumprirá plenamente no futuro.
34
Escolas e Tempos - Reflexões sobre o Apocalipse
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A escola Idealista rejeita todas essas três escolas.
O idealista diz que essas três escolas são por
demais específicas ao interpretar os símbolos
proféticos. O idealista busca um método de
interpretação mais espiritual, filosófico ou
poético.
35
Escolas e Tempos - Reflexões sobre o Apocalipse
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Muitos estudiosos têm buscado nas Escrituras sinais
evidentes que marquem efetivamente o tempo da
volta de Cristo, o fato é que muitos destes
argumentos são apenas especulações infundadas.
36
O tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Grande é a diversidade de pensamentos quanto aos
sinais da vinda de Cristo ou mesmo do arrebatamento
da igreja, procuraremos tratar neste capítulo serão
pontos chave que marcam e denunciam o tempo do
fim, ou seja, fatos e características que indicam,
biblicamente, como estaria a sociedade, a igreja e até o
meio político no tempo próximo à vinda do Senhor.
37
O tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Ryrie faz um paralelo entre os sinais de Mateus e os quatro
primeiros selos de apocalipse no qual encontramos certa
harmonia entre os eventos descritos em Mateus com os
descritos em Apocalipse. A teoria apresenta os sinais como
ligados ao retorno visível de Cristo, não permitindo que
haja sinais diretos ao arrebatamento, e isto tem
fundamento bíblico.
38
O tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
39
Os selos de Ap 6: 1-7 Os sinais de Mateus 24
V.2) Um falso Cristo. “Vi, então, e eis um
cavalo branco e o seu cavaleiro com um
arco; e foi-lhe dada uma coroa; e ele saiu
vencendo e para vencer.”
V.5) Porque virão muitos em meu
nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e
enganarão a muitos.
V.4) E saiu outro cavalo, vermelho; e ao
seu cavaleiro, foi-lhe dado tirar a paz da
terra para que os homens se matassem
uns aos outros; também lhe foi dada
uma grande espada.
V.6) E, certamente, ouvireis falar de
guerras e rumores de guerras;
V.5) Então, vi, e eis um cavalo preto e o
seu cavaleiro com uma balança na
mão.(...) Uma medida de trigo por um
denário; três medidas de cevada por um
denário;
V.7) Porquanto se levantará nação
contra nação, reino contra reino, e
haverá fomes e terremotos em vários
lugares;
V.8) E olhei, e eis um cavalo amarelo e o
seu cavaleiro, sendo este chamado
Morte;
V.9) Então, sereis atribulados, e vos
matarão. Sereis odiados de todas as
nações, por causa do meu nome.
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A fim de completar este raciocínio podemos utilizar o
quinto selo que fala dos mártires do período
tribulacional, em especial o v.9, comparando-o a
predição de Cristo onde se refere a morte de seus
discípulos por causa de seu nome (Mt 24:9-10).
40
O tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Também se pode utilizar o sexto selo onde são vistos sinais no céu
(v.12-14) e compará-los a Lucas 21:25. O Sétimo selo, que marca o
inicio da segunda metade da grande tribulação onde se inicia o
período de maior terror sobre Israel, como também a investida da
Besta sobre a nação, entra em harmonia com o cerco de Jerusalém
profetizado na passagem de dupla referencia de Mt 24:15-21, que
também se refere ao inicio desta segunda fase.
41
O tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
É importante ressaltar que independente destes sinais não estarem
ligados diretamente ao arrebatamento sua preparação pode servir
de indicador para demonstrar a sua proximidade, é como Jesus
disse em Mt 24: 31-32.
42
O tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Apostasia
“Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos,
alguns apostatarão da fé” (ITm 4:1).
43
Os sinais do tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A generalização de desvios doutrinários
“Por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios,
pela hipocrisia dos que falam mentiras e que tem cauterizada a
própria consciência”
44
Os sinais do tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A generalização de desvios doutrinários
Paulo dá o motivo da apostasia: os desvios doutrinários. Hoje o
estado de frieza e indiferentismo toma conta das igrejas que se
tornam a cada dia mais politizadas e menos espirituais, mais
humanistas e menos cristocêntricas.
45
Os sinais do tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Degradação moral generalizada
“Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois
os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes,
blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes,
desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis,
inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos
prazeres que amigos de Deus (IITm 3:1-4)
46
Os sinais do tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Desenvolvimento da ciência e transportes
Temos também, em Daniel um indicador muito importante sobre o
tempo do fim. “Tu, porém, Daniel, encerra as palavras, e sela o livro,
até o tempo do fim; muitos correrão duma para outra parte, e a
ciência se multiplicará”.(Dn 12:4)
47
Os sinais do tempo do fim
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A doutrina da grande tribulação tem sido discutida em vários ramos
da escatologia bíblica, seja por milenistas ou amilenistas. Nas
Escrituras encontramos não poucas passagens falando de um período
de tempo em que Deus traria juízo sobre Israel e os gentios; este
período é chamado de grande tribulação.
48
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
São fartas as passagens que mencionam o dia do Senhor como também
outros nomes dados ao mesmo acontecimento, onde a principal idéia é
de juízo contra o Israel impenitente. Vejamos alguns nomes dados à
grande tribulação no Velho Testamento:
49
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Isaías 13:9 Eis que o dia do SENHOR vem, horrendo, com furor e ira
ardente, para pôr a terra em assolação e destruir os pecadores
dela.
Ezequiel 13:5 Não subistes às brechas, nem reparastes a fenda da
casa de Israel, para estardes na peleja no dia do SENHOR.
50
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Ezequiel 7:7 Vem a tua sentença, ó habitante da terra. Vem o
tempo; chegado é o dia da turbação, e não da alegria, sobre os
montes.
51
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Jeremias 46:10 Porque este dia é o dia do Senhor JEOVÁ dos
Exércitos, dia de vingança para se vingar dos seus adversários; e a
espada devorará, e fartar-se-á, e embriagar-se-á com o sangue
deles; porque o Senhor JEOVÁ dos Exércitos tem um sacrifício na
terra do Norte, junto ao rio Eufrates.
52
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Isaías 13:13 Pelo que farei estremecer os céus; e a terra se moverá do
seu lugar, por causa do furor do SENHOR dos Exércitos e por causa do
dia da sua ardente ira.
Isaías 17:11 No dia em que as plantares, as cercarás e, pela manhã,
farás que a tua semente brote; mas a colheita voará no dia da
tribulação e das dores insofríveis.
53
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O dia do Senhor não se trata literalmente do espaço de vinte e quatro
horas, mas sim de um período, como em Gn 2:4; Is 22:5 e Hb 3:8. Este
período será entre as vindas de Jesus, ou seja, o arrebatamento e seu
retorno em glória.
54
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
No novo Testamento também temos referências ao “dia do
Senhor”
1 Ts 5:2 Pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o
Dia do Senhor vem como ladrão de noite.
55
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
No novo Testamento também temos referências ao “dia do
Senhor”
1 Ts 5:2 Pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o
Dia do Senhor vem como ladrão de noite.
56
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
2 Ts 2:2 A que não vos demovais da vossa mente, com facilidade,
nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por
epístola, como se procedesse de nós, supondo tenha chegado o
Dia do Senhor.
57
O dia do Senhor
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A duração do período tribulacional tem suas bases em Daniel 9:24-27
(Verso 24) Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e
sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim
aos pecados, para expiar a iniqüidade, para trazer a justiça eterna, para
selar a visão e a profecia e para ungir o Santo dos Santos.
58
As setenta semanas de Daniel
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
(Verso 25) Sabem e entendem: desde a saída da ordem para
restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe,
sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as
circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos.
59
As setenta semanas de Daniel
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
(Verso 26) Depois das sessenta e duas semanas, será morto o
Ungido e já não estará; e o povo de um príncipe que há de vir
destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será num dilúvio, e até
ao fim haverá guerra; desolações são determinadas.
60
As setenta semanas de Daniel
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
(Verso 27) Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na
metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares;
sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição,
que está determinada, se derrame sobre ele.
61
As setenta semanas de Daniel
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Nesta passagem encontramos um esboço de todo o plano messiânico de
Deus para Israel, como também seu juízo e dos gentios, no entanto
dificuldades surgem quando os pontos de vista escatológicos se chocam,
ou seja, pré-milenistas dispensacionalistas encaram e interpretam esta
profecia de maneira que os amilenistas ou os contra o
dispensacionalismo, chamam de fantasiosa.
62
As setenta semanas de Daniel
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Nesta passagem encontramos um esboço de todo o plano messiânico de
Deus para Israel, como também seu juízo e dos gentios, no entanto
dificuldades surgem quando os pontos de vista escatológicos se chocam,
ou seja, pré-milenistas dispensacionalistas encaram e interpretam esta
profecia de maneira que os amilenistas ou os contra o
dispensacionalismo, chamam de fantasiosa.
63
As setenta semanas de Daniel
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O milênio não se restringe a uma parte do estudo de escatologia, é
algo tão importante que se deve encarar como doutrina da igreja
cristã.
64
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Desde a igreja primitiva já se acreditava no período literal de mil anos
que viria a ser instaurado por Jesus Cristo em sua vinda; no entanto a
igreja Romana não reconheceu o milênio como literal e sim espiritual,
ou seja, na cruz Cristo já acorrentou Satanás e agora vivemos num
mundo governado diretamente por Deus.
65
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Milênio vem da palavra grega chilioi (cilioi), que significa
literalmente: mil; desta surgiu o termo “Quiliasmo”, mais tarde
conhecido como milenarismo.
66
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O governo de Jesus Cristo será de maneira nunca vista na terra; as
condições de vida, em todos os aspectos, nunca foram experimentadas
pela humanidade; e é bom que fique claro que o milênio não tem
nenhuma relação com a morada eterna na Nova Jerusalém. Aqui
observaremos rapidamente algumas características da vida no milênio.
67
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Prevalecerão a paz e justiça: - Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que
levantarei a Davi um Renovo justo; e, rei que é, reinará, e agirá
sabiamente, e executará o juízo e a justiça na terra. Nos seus dias, Judá
será salva, e Israel habitará seguro; será este o seu nome, com que será
chamado: SENHOR, Justiça Nossa (Jr 25:6-7).
68
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Será quebrada a maldição que estava sobre a terra
Este é um grande ponto no que se refere às características da vida
milenial, pois desde a queda do homem terra está sob uma
maldição que tem trazido sofrimentos e toda sorte de mazelas a
sociedade como todo e ao individuo. Leia Gênesis 3:17-19.
69
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
No fim da dispensação do milênio Satanás será solto e se levantará
em sua ultima tentativa de Destruir a Cristo. Ap 20:7-9 dá os
detalhes.
70
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O milênio trouxe o cumprimento das alianças feitas com a nação, com
seu fim o plano das dispensações fica concluído, restando o ultimo
julgamento; o juízo do Grande Trono Branco. Agora Deus, por meio de
uma ressurreição chama os ímpios que morreram desde a criação para
serem julgados; sobre isto lemos em Ap 20:11-12, 15
71
O Milênio
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
O apóstolo João faz um relato detalhado da Nova Jerusalém; já foi
concluído que ela não se trata de uma cidade terrena, mas sim,
celestial e eterna. Vejamos algumas características importantes a
respeito dela:
72
A nova Jerusalém
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
a) Ela desce do céu, da parte de Deus (vs.2,10): Jesus em sua
promessa registrada em Jo14:2, disse que iria preparar um lugar
para seus remidos, este lugar é justamente esta santa cidade vinda
não de algo terreno e passageiro, mas do próprio Deus que em seu
filho não só justificou os que creram com também lhes forneceu
uma morada onde Jesus também estará por toda a eternidade.
73
A nova Jerusalém
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
A referencia “desce do céu” parece indicar que a cidade estará na
órbita da nova terra; o que é inconcebível é que comentaristas
localizem a cidade literalmente na nova terra.
74
A nova Jerusalém
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
c) Ela tem a gloria de Deus (v.11; 22:5): A gloria do Senhor será
suficiente para todas as necessidades desta cidade celestial; parece
lógico que tendo recebido corpos espirituais, estes não necessitarão do
sol ou da lua, portanto a própria presença do Senhor iluminará a Nova
Jerusalém. Deus será a fonte de energia e Cristo a lâmpada que
resplandecerá por toda a eternidade.
75
A nova Jerusalém
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
d) Deus e seu filho são o templo da cidade (v.22; 22:3-4)): A presença
de Deus e de Jesus não serão espirituais mas, literais,
verdadeiramente veremos o seu rosto. Para os amilenistas isto é total
absurdo, fantasia, mas para os que têm ansiosamente aguardado a
eterna redenção é motivo de fortalecer-se em Cristo Jesus.
76
A nova Jerusalém
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
e) Será isenta de qualquer pecado ou maldição (8;27;22:3): Nenhum
pecado ou pecador entrará na cidade; nenhuma maldição existirá.
Devemos lembra que Satanás, e seus demônios, a morte e o inferno
já passaram e estão no lago de fogo e enxofre (Ap20:10,14).
77
A nova Jerusalém
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
f) Nela haverá um rio e uma árvore (22:1,2): O rio representa a
vida que procede do Cordeiro; a árvore da cidade retrata a árvore
da vida do éden, só que desta não será necessário a do
conhecimento (Gn 2:9) para provar seus habitantes pois estes já
foram provados e aprovados por Deus; são agora os redimidos pelo
sangue purificador de Jesus Cristo.
78
A nova Jerusalém
IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
DOUTRINA: ESCATOLOGIA
Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as
palavras da profecia deste livro. Aquele que dá testemunho destas
coisas diz: Certamente, venho sem demora. Amém!
79
A nova Jerusalém
Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança

Recomendados

Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Márcio Martins
 
Palestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblicaPalestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblicaADMILTON SOARES
 
Lição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humanaLição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humanaErberson Pinheiro
 
Aula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAula de pneumatologia
Aula de pneumatologiaAlberto Nery
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPMoisés Sampaio
 
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorLição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorÉder Tomé
 
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOSESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOSEVANGELISTA SOARES
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da FéWander Sousa
 
1 introdução à escatologia i
1 introdução à escatologia i1 introdução à escatologia i
1 introdução à escatologia ifaculdadeteologica
 
Escatologia parte 2_ibadep_a grande tribulação
Escatologia  parte 2_ibadep_a grande tribulaçãoEscatologia  parte 2_ibadep_a grande tribulação
Escatologia parte 2_ibadep_a grande tribulaçãoNatalino das Neves Neves
 
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do ApocalipseRODRIGO FERREIRA
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaMárcio Martins
 
11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e Ressurreição
11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e Ressurreição11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e Ressurreição
11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e RessurreiçãoRODRIGO FERREIRA
 
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do JubileuLição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do JubileuÉder Tomé
 
Apostila de escatologia
Apostila de escatologiaApostila de escatologia
Apostila de escatologiaRubens Bastos
 

Mais procurados (20)

Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
 
O tribunal de cristo
O tribunal de cristoO tribunal de cristo
O tribunal de cristo
 
Apocalipse escatologia
Apocalipse   escatologiaApocalipse   escatologia
Apocalipse escatologia
 
Apocalipse aula 20-08-2016
Apocalipse   aula 20-08-2016 Apocalipse   aula 20-08-2016
Apocalipse aula 20-08-2016
 
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorLição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
 
Hamartiologia
HamartiologiaHamartiologia
Hamartiologia
 
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOSESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
ESCATOLOGIA: VISÃO GERAL PANORÂMICA FINAIS DOS TEMPOS
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
Apocalipse - Capitulo 01
Apocalipse - Capitulo 01Apocalipse - Capitulo 01
Apocalipse - Capitulo 01
 
1 introdução à escatologia i
1 introdução à escatologia i1 introdução à escatologia i
1 introdução à escatologia i
 
Escatologia parte 2_ibadep_a grande tribulação
Escatologia  parte 2_ibadep_a grande tribulaçãoEscatologia  parte 2_ibadep_a grande tribulação
Escatologia parte 2_ibadep_a grande tribulação
 
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
7ª Aula - Os Sete Selos do Apocalipse
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da Igreja
 
A grande tribulação
A grande tribulaçãoA grande tribulação
A grande tribulação
 
11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e Ressurreição
11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e Ressurreição11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e Ressurreição
11ª Aula - As Duas Testemunhas de Apocalipse, Sua Morte e Ressurreição
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do JubileuLição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
Lição 11 - As festas de Israel e o Ano do Jubileu
 
Escatologia 2
Escatologia 2 Escatologia 2
Escatologia 2
 
Apostila de escatologia
Apostila de escatologiaApostila de escatologia
Apostila de escatologia
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 

Destaque

Introducao Escatologia Vigilia
Introducao Escatologia VigiliaIntroducao Escatologia Vigilia
Introducao Escatologia VigiliaFeitosa Lima
 
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1Natalino das Neves Neves
 
O que é escatologia bíblica
O que é escatologia bíblicaO que é escatologia bíblica
O que é escatologia bíblicaNome Sobrenome
 
Escatologia estudo das últimas coisas parte 3
Escatologia   estudo das últimas coisas parte 3Escatologia   estudo das últimas coisas parte 3
Escatologia estudo das últimas coisas parte 3Natalino das Neves Neves
 
O arrebatamento da igreja
O arrebatamento da igrejaO arrebatamento da igreja
O arrebatamento da igreja7amigo521
 
“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSM
“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSM“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSM
“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSMBernadetecebs .
 
PaixãO E Morte
PaixãO E  MortePaixãO E  Morte
PaixãO E Mortejcsa.media
 
Lição 12 A morte de Jesus
Lição 12   A morte de JesusLição 12   A morte de Jesus
Lição 12 A morte de JesusWander Sousa
 
ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )
ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )
ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )Carlos Ceita
 
Lição 12 a morte de jesus
Lição 12   a morte de jesusLição 12   a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesusRegio Davis
 
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015Pr. Andre Luiz
 
O Milênio
O MilênioO Milênio
O MilênioMauro RS
 

Destaque (20)

LIÇÃO 01 - ESCATOLOGIA, O ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISAS
LIÇÃO 01 - ESCATOLOGIA, O ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISASLIÇÃO 01 - ESCATOLOGIA, O ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISAS
LIÇÃO 01 - ESCATOLOGIA, O ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISAS
 
Escatologia
EscatologiaEscatologia
Escatologia
 
Introducao Escatologia Vigilia
Introducao Escatologia VigiliaIntroducao Escatologia Vigilia
Introducao Escatologia Vigilia
 
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1Escatologia   estudo das últimas coisas parte 1
Escatologia estudo das últimas coisas parte 1
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
O que é escatologia bíblica
O que é escatologia bíblicaO que é escatologia bíblica
O que é escatologia bíblica
 
Escatologia estudo das últimas coisas parte 3
Escatologia   estudo das últimas coisas parte 3Escatologia   estudo das últimas coisas parte 3
Escatologia estudo das últimas coisas parte 3
 
19
1919
19
 
O arrebatamento da igreja
O arrebatamento da igrejaO arrebatamento da igreja
O arrebatamento da igreja
 
“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSM
“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSM“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSM
“ESCATOLOGIA: BREVE TRATADO TEOLÓGICO - PASTORAL” Fr. Clodovis M. Boff, OSM
 
Comocristofoicrucificado
Comocristofoicrucificado Comocristofoicrucificado
Comocristofoicrucificado
 
PaixãO E Morte
PaixãO E  MortePaixãO E  Morte
PaixãO E Morte
 
Lição 12 A morte de Jesus
Lição 12   A morte de JesusLição 12   A morte de Jesus
Lição 12 A morte de Jesus
 
ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )
ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )
ROLO DO PACTO SAGRADO - Livro de Daniel ( versão 12.1 )
 
Lição 12 a morte de jesus
Lição 12   a morte de jesusLição 12   a morte de jesus
Lição 12 a morte de jesus
 
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
A Morte de Jesus - Licão 12 - 2º Trimestre / 2015
 
1. introducao
1. introducao1. introducao
1. introducao
 
O Milênio
O MilênioO Milênio
O Milênio
 
Reformistas os 144
Reformistas   os   144Reformistas   os   144
Reformistas os 144
 
Crucificacao ok Grupo de Estudo Bíblico
Crucificacao ok Grupo de Estudo BíblicoCrucificacao ok Grupo de Estudo Bíblico
Crucificacao ok Grupo de Estudo Bíblico
 

Semelhante a Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança

ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTA
ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTAARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTA
ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTAESCRIBAVALDEMIR
 
Resumo para a prova de apocalipse
Resumo para a prova de apocalipseResumo para a prova de apocalipse
Resumo para a prova de apocalipseReynan Matos
 
Escatologia bíblica
Escatologia bíblicaEscatologia bíblica
Escatologia bíblicaMarcos Kinho
 
Escatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdf
Escatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdfEscatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdf
Escatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdfLalisel1
 
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdfATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdfEduardadaRochaCunhaM
 
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitivaLição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitivaErberson Pinheiro
 
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdfdoutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdfTiago Silva
 
Disciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas BíblicasDisciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas Bíblicasfaculdadeteologica
 
Biblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumoBiblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumoRicardo Neves
 
Apostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundoApostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundoLuiz Nélson
 
LOVE teologia (testamento)
LOVE teologia (testamento)LOVE teologia (testamento)
LOVE teologia (testamento)Love Edson Jake
 

Semelhante a Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança (20)

ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTA
ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTAARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTA
ARREBATAMENTO PRÉ-TRIBULACIONISTA
 
Resumo para a prova de apocalipse
Resumo para a prova de apocalipseResumo para a prova de apocalipse
Resumo para a prova de apocalipse
 
Escatologia bíblica
Escatologia bíblicaEscatologia bíblica
Escatologia bíblica
 
Quaresma e seus significados
Quaresma e seus significadosQuaresma e seus significados
Quaresma e seus significados
 
Escatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdf
Escatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdfEscatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdf
Escatologia - Estudo das profecias bíblicas (1).pdf
 
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdfATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
 
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito SantoLição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
 
Desmascarando seitas e heresias 1
Desmascarando seitas e   heresias 1Desmascarando seitas e   heresias 1
Desmascarando seitas e heresias 1
 
Lucas atos 11
Lucas  atos 11Lucas  atos 11
Lucas atos 11
 
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitivaLição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
Lição 9 - O legado missionário da igreja primitiva
 
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdfdoutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
doutrinasbblicas-140512160139-phpapp02 (1).pdf
 
Escatologia, o estudo das últimas coisas
Escatologia, o estudo das últimas coisas Escatologia, o estudo das últimas coisas
Escatologia, o estudo das últimas coisas
 
Doutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicasDoutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicas
 
EBD LIÇÃO 13 - A PLENITUDE DO REINO DE DEUS
EBD LIÇÃO 13 - A PLENITUDE DO REINO DE DEUSEBD LIÇÃO 13 - A PLENITUDE DO REINO DE DEUS
EBD LIÇÃO 13 - A PLENITUDE DO REINO DE DEUS
 
doutrinas bíblicas
doutrinas bíblicasdoutrinas bíblicas
doutrinas bíblicas
 
Disciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas BíblicasDisciplina de Doutrinas Bíblicas
Disciplina de Doutrinas Bíblicas
 
Biblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumoBiblia introducao-resumo
Biblia introducao-resumo
 
Apostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundoApostila n.v.c.mundo
Apostila n.v.c.mundo
 
Conhecendo a Bíblia
Conhecendo a BíbliaConhecendo a Bíblia
Conhecendo a Bíblia
 
LOVE teologia (testamento)
LOVE teologia (testamento)LOVE teologia (testamento)
LOVE teologia (testamento)
 

Último

Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...Prime Assessoria
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Prime Assessoria
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...excellenceeducaciona
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...azulassessoriaacadem3
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 

Último (20)

Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
Slides Lição 10, CPAD, A Ceia do Senhor – A Segunda Ordenança da Igreja, 1Tr2...
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
B) RELACIONE os picos (1, 2 e 3) no cromatograma com cada uma das substâncias...
 
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
Com base na figura exposta abaixo, Explique o modelo de determinação social d...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
2. Qual a extensão dos Direitos Fundamentais às pessoas que se encontram sob ...
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 

Escatologia Bíblica - IC Boa Esperança

  • 2. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM RN DOUTRINA: ESCATOLOGIA ORIENTAÇÕES O Slide aqui apresentado, tem como objetivo apresentar um RESUMO DA ESCATOLOGIA BÍBLICA. Por tanto: 1. Realize a leitura de livros referente ao assunto com total cuidado e oração. 2. Utilize a Bíblia, Dicionários e outras fontes teológicas para acompanhamento das passagens mencionadas na fonte.
  • 3. DOUTRINA: ESCATOLOGIA Apresentaremos nesta aula três Escolas Escatológicas mais conhecidas: Pré-milenar; Pós-milenar e A-milenar – Começaremos pela visão escatológica chamada de Pré-milenar, ou seja, a visão em que Jesus volta antes do Milênio. 1 Introdução IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM RN
  • 4. DOUTRINA: ESCATOLOGIA Sendo a hermenêutica a responsável pelo estudo das regras de interpretação bíblica não seria possível deixá-la de fora de um trabalho como este, já que a escatologia trabalha em meio a muitas profecias e passagens de difícil compreensão. 2 Hermenêutica e Escatologia IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM
  • 5. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O alegorismo e o literalismo são hoje, os métodos mais utilizados, sendo que o primeiro vem ganhando mais espaço entre os teólogos, espaço este antes dominado, quase em totalidade pelo método literal. 3 Hermenêutica e Escatologia
  • 6. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O ALEGORISMO O alegorismo tem suas raízes no platonismo e no alegorismo judaico, dois de seus defensores são Orígenes (185-254) escritor, teólogo e professor e Clemente de Alexandria que faziam parte da escola de Alexandria. 4 Hermenêutica e Escatologia
  • 7. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O ALEGORISMO Clemente por outro lado defendia cinco pontos a serem usados para interpretação de um texto: o histórico, o doutrinário, o profético, o filosófico e o místico. 5 Hermenêutica e Escatologia
  • 8. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O ALEGORISMO Agostinho de Hipona reformulou os sentidos do alegorismo e os transformou em quatro: o sentido literal, o que o texto realmente quer dizer; o sentido moral, uma visão do texto que retratasse um ensinamento sobre conduta; sentido alegórico, como crer e em quem crer e de que maneira; o sentido analógico, o que o texto promete ou representa para o futuro. 6 Hermenêutica e Escatologia
  • 9. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O LITERALISMO Também conhecido como método histórico-gramatical o literalismo difere do alegorismo por interpretar as palavras e frases de uma maneira natural como elas se apresentam; o Dr J.D. Pentecost define o método literal da seguinte maneira: 7 Hermenêutica e Escatologia
  • 10. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O LITERALISMO “O método literal de interpretação é o que dá a cada palavra o mesmo sentido básico e exato que teria no uso costumeiro, normal, cotidiano empregada de modo escrito oral ou conceitual”. 8 Hermenêutica e Escatologia
  • 11. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O LITERALISMO Com certeza este é o único método que satisfaz as exigências bíblicas no sentido de trazer uma interpretação equilibrada e dentro de um contexto correto, ou seja, ele não modifica a idéia inicial que o autor procurou transmitir, mas a explica de maneira coerente. 9 Hermenêutica e Escatologia
  • 12. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA 10
  • 13. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Dispensações são períodos de tempo em que Deus estabelece diferentes maneiras de tratar com seu povo, sendo que em cada uma delas há a pactos estabelecidos por Deus em que são feitas promessas que foram ou serão cumpridas e também exigências como condições para que as alianças ou parte delas sejam concluídas. 11 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 14. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA É interessante ressaltar que as alianças ou pactos tinham características diferentes relativas ao seu cumprimento, algumas eram totalmente condicionais, onde, aquela pessoa ou nação com quem foi feita a aliança, deveria cumprir alguns pormenores para sua realização. 13 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 15. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA As incondicionais ao contrário, não estavam dependentes da pessoa ou grupo com que a aliança era feita, Deus prometia e independente de qualquer coisa ele se comprometia a fazer. 14 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 16. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O dispensacionalismo apresenta todo o plano de Deus através dos séculos por períodos, como se fossem capítulos de um livro, embora sejam distintos têm o mesmo contexto, ou seja, mesmo as dispensações sendo diferentes estão interligadas e elas tratam do mesmo contexto, que é a revelação de Deus ao homem. 15 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 17. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA 16 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 18. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA No quadro a seguir veremos um resumo das dispensações e suas alianças: 17 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 19. 18 AS DISPENSAÇÕES ALIANÇAS DA DISPENSAÇÃO INÍCIO DA DISPENSAÇÃO 1- da Inocência 1- Edênica Gn 1:27-30 Na criação 2- da Consciência 2- Adâmica Gn 3:14-21 Na queda do homem (durou cerca 1656 anos) 3- do Governo humano 3- Noêmica Gn 9:1-17 No fim do dilúvio (durou cerca de 415 anos) 4- Patriarcal 4- Abraâmica Gn 12:1-3 Na chamada de Abraão (durou cerca de 430 anos) 5- da Lei 5- Mosaica Ex 19:1-25 6- Palestínica Dt 28,19,30 7- Davídica IISm 7:12; Sl 89:3- 4 No Sinai quando Deus dá a lei a Moisés ( .C.) 6- da Graça ou da Igreja 8- Nova aliança Na morte vicária de Cristo na Cruz do Calvário 7- Milenial Não existe aliança específica para esta dispensação, mas sim a confluência de algumas que encontrarão seu total cumprimento. Na vinda de Cristo para julgar a terra e estabelecer seu reino
  • 20. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA AS ALIANÇAS E A ESCATOLOGIA A aliança com Abraão é a raiz das demais. A promessa inclui a posse da terra e a formação de uma numerosa nação e o estabelecimento de um reinado eterno confirmado na aliança Davídica. Através de sua descendência todas as nações seriam abençoadas o que é confirmado na Nova Aliança. 19 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 21. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Veja no esquema a seguir e confira as referências, as promessas e suas ligações com as outras alianças: 20 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 22. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA 21 O Dispensacionalismo e Suas Alianças PROMESSAS DA ALIANÇA ABRAÂMICA Gn 12:1; 13:14-15 Posse da terra Gn 12:2; 17:6-7 Nação e reinado Gn 12:3; 28:18 Benção ao mundo PALESTINA Dt 30:1-10 DAVÍDICA 2º Sm 7:10-16 NOVA ALIANÇA Hb 8:6-13
  • 23. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA ALIANÇA ABRAÂMICA: Filho de Terá morava na cidade Sumeriana, Ur dos Caldeus nas margens do rio Eufrates, neste tempo a cidade havia sido conquistada por povos bárbaros ocasionando a saída de seu pai juntamente com filhos e noras para a cidade de Harã, onde Deus se revela a ele. Seu chamado está registrado em Gênesis 12:1-3 22 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 24. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA ALIANÇA DAVÍDICA A aliança com Davi também está ligada diretamente a Abraâmica, porém com pormenores que se referiam a Davi e seus descendentes. Sua apresentação por parte de Deus através do profeta Natã se encontra em 2Sm 7:12-16: 23 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 25. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA ALIANÇA DAVÍDICA Davi havia colocado em seu coração o desejo de construir um templo ao Senhor (2Sm 7:2), Deus não permitiu, porém fez com ele esta aliança onde podemos observar que: 24 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 26. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O FIM DA ATUAL DISPENSAÇÃO O que é necessário percebermos é que Deus tendo dividido a história da humanidade em dispensações deu para cada uma delas um propósito ou missão e todas elas deveriam ter um inicio e um fim, portanto esta era atual, ou este período de tempo chamado graça em que vivemos terá um fim, o que marcará este fim? 25 O Dispensacionalismo e Suas Alianças
  • 27. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O FIM DA ATUAL DISPENSAÇÃO Dois grandes eventos marcarão o fim, o arrebatamento da igreja e a volta visível de Jesus para inaugurar o milênio. Nos capítulos seguintes estudaremos detalhes dos eventos como também tudo o que os envolve. 27 Arrebatamento e Vinda
  • 28. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA ARREBATAMENTO O termo arrebatamento é encontrado em seu sentido escatológico em I Ts 4:17, quando o apóstolo Paulo explica acerca da situação dos mortos em Cristo na sua vinda e ao dizer com relação ao momento da retirada da igreja diz que os mortos ressurgirão primeiro e: 28 Arrebatamento e Vinda
  • 29. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA ARREBATAMENTO “Depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor”. 29 Arrebatamento e Vinda
  • 30. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA ARREBATAMENTO: Harpádzo (é o termo que é traduzido para arrebatamento), este tem um significado abrangente, em Mateus 11:12 é traduzido como “apoderaram-se” no sentido de tomar para si; já em Mateus 13:19 a idéia é de “roubo” como também em João 10:28; uma tradução menos comum, nós encontramos em João 10:12, “atacar” no sentido de investida. 29 Arrebatamento e Vinda
  • 31. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA VINDA Três palavras são usadas para referir-se à vinda de Cristo e estas são utilizadas nos textos originais de várias maneiras, no entanto precisaremos conhecê-las para que tenhamos uma compreensão melhor sobre seus significados e se podemos utilizá-las ou não para nomear a vinda gloriosa de Cristo. 30 Arrebatamento e Vinda
  • 32. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA VINDA Parousia (Sua tradução segundo o dicionário grego de Willian Carey é: presença, vinda, chegada, volta; “visita real, chegada de um rei”) (Souter); “a futura visível volta de Jesus, o messias, do céu para ressuscitar os mortos, realizar o juízo final, e estabelecer formal e gloriosamente o reino de Deus (Thayer)”. 31 Arrebatamento e Vinda
  • 33. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA VINDA Apokalupsis - Revelação, exposição, manifestação. Mesma raiz de apokalupto (revelo, descubro). Seu uso é freqüente para designar a revelação de Jesus Cristo, ou seja, a sua vinda, no entanto, também não consegue por si só definir qual das vindas está se referindo. 32 Arrebatamento e Vinda
  • 34. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A maioria das diferentes escolas de interpretação pode ser entendida na forma em que seu método explica o tempo. Os preteristas afirmam que a maior parte do Apocalipse tem sua principal referência no passado. Os futuristas declaram que a maior parte do livro ainda deverá ter cumprimento futuro. 33 Escolas e Tempos - Reflexões sobre o Apocalipse
  • 35. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Os historicistas estão seguros de que o livro foi cumprido parcialmente no passado, está ainda tendo cumprimento no presente, e somente se cumprirá plenamente no futuro. 34 Escolas e Tempos - Reflexões sobre o Apocalipse
  • 36. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A escola Idealista rejeita todas essas três escolas. O idealista diz que essas três escolas são por demais específicas ao interpretar os símbolos proféticos. O idealista busca um método de interpretação mais espiritual, filosófico ou poético. 35 Escolas e Tempos - Reflexões sobre o Apocalipse
  • 37. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Muitos estudiosos têm buscado nas Escrituras sinais evidentes que marquem efetivamente o tempo da volta de Cristo, o fato é que muitos destes argumentos são apenas especulações infundadas. 36 O tempo do fim
  • 38. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Grande é a diversidade de pensamentos quanto aos sinais da vinda de Cristo ou mesmo do arrebatamento da igreja, procuraremos tratar neste capítulo serão pontos chave que marcam e denunciam o tempo do fim, ou seja, fatos e características que indicam, biblicamente, como estaria a sociedade, a igreja e até o meio político no tempo próximo à vinda do Senhor. 37 O tempo do fim
  • 39. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Ryrie faz um paralelo entre os sinais de Mateus e os quatro primeiros selos de apocalipse no qual encontramos certa harmonia entre os eventos descritos em Mateus com os descritos em Apocalipse. A teoria apresenta os sinais como ligados ao retorno visível de Cristo, não permitindo que haja sinais diretos ao arrebatamento, e isto tem fundamento bíblico. 38 O tempo do fim
  • 40. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA 39 Os selos de Ap 6: 1-7 Os sinais de Mateus 24 V.2) Um falso Cristo. “Vi, então, e eis um cavalo branco e o seu cavaleiro com um arco; e foi-lhe dada uma coroa; e ele saiu vencendo e para vencer.” V.5) Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos. V.4) E saiu outro cavalo, vermelho; e ao seu cavaleiro, foi-lhe dado tirar a paz da terra para que os homens se matassem uns aos outros; também lhe foi dada uma grande espada. V.6) E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; V.5) Então, vi, e eis um cavalo preto e o seu cavaleiro com uma balança na mão.(...) Uma medida de trigo por um denário; três medidas de cevada por um denário; V.7) Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; V.8) E olhei, e eis um cavalo amarelo e o seu cavaleiro, sendo este chamado Morte; V.9) Então, sereis atribulados, e vos matarão. Sereis odiados de todas as nações, por causa do meu nome.
  • 41. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A fim de completar este raciocínio podemos utilizar o quinto selo que fala dos mártires do período tribulacional, em especial o v.9, comparando-o a predição de Cristo onde se refere a morte de seus discípulos por causa de seu nome (Mt 24:9-10). 40 O tempo do fim
  • 42. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Também se pode utilizar o sexto selo onde são vistos sinais no céu (v.12-14) e compará-los a Lucas 21:25. O Sétimo selo, que marca o inicio da segunda metade da grande tribulação onde se inicia o período de maior terror sobre Israel, como também a investida da Besta sobre a nação, entra em harmonia com o cerco de Jerusalém profetizado na passagem de dupla referencia de Mt 24:15-21, que também se refere ao inicio desta segunda fase. 41 O tempo do fim
  • 43. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA É importante ressaltar que independente destes sinais não estarem ligados diretamente ao arrebatamento sua preparação pode servir de indicador para demonstrar a sua proximidade, é como Jesus disse em Mt 24: 31-32. 42 O tempo do fim
  • 44. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Apostasia “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé” (ITm 4:1). 43 Os sinais do tempo do fim
  • 45. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A generalização de desvios doutrinários “Por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que tem cauterizada a própria consciência” 44 Os sinais do tempo do fim
  • 46. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A generalização de desvios doutrinários Paulo dá o motivo da apostasia: os desvios doutrinários. Hoje o estado de frieza e indiferentismo toma conta das igrejas que se tornam a cada dia mais politizadas e menos espirituais, mais humanistas e menos cristocêntricas. 45 Os sinais do tempo do fim
  • 47. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Degradação moral generalizada “Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus (IITm 3:1-4) 46 Os sinais do tempo do fim
  • 48. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Desenvolvimento da ciência e transportes Temos também, em Daniel um indicador muito importante sobre o tempo do fim. “Tu, porém, Daniel, encerra as palavras, e sela o livro, até o tempo do fim; muitos correrão duma para outra parte, e a ciência se multiplicará”.(Dn 12:4) 47 Os sinais do tempo do fim
  • 49. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A doutrina da grande tribulação tem sido discutida em vários ramos da escatologia bíblica, seja por milenistas ou amilenistas. Nas Escrituras encontramos não poucas passagens falando de um período de tempo em que Deus traria juízo sobre Israel e os gentios; este período é chamado de grande tribulação. 48 O dia do Senhor
  • 50. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA São fartas as passagens que mencionam o dia do Senhor como também outros nomes dados ao mesmo acontecimento, onde a principal idéia é de juízo contra o Israel impenitente. Vejamos alguns nomes dados à grande tribulação no Velho Testamento: 49 O dia do Senhor
  • 51. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Isaías 13:9 Eis que o dia do SENHOR vem, horrendo, com furor e ira ardente, para pôr a terra em assolação e destruir os pecadores dela. Ezequiel 13:5 Não subistes às brechas, nem reparastes a fenda da casa de Israel, para estardes na peleja no dia do SENHOR. 50 O dia do Senhor
  • 52. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Ezequiel 7:7 Vem a tua sentença, ó habitante da terra. Vem o tempo; chegado é o dia da turbação, e não da alegria, sobre os montes. 51 O dia do Senhor
  • 53. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Jeremias 46:10 Porque este dia é o dia do Senhor JEOVÁ dos Exércitos, dia de vingança para se vingar dos seus adversários; e a espada devorará, e fartar-se-á, e embriagar-se-á com o sangue deles; porque o Senhor JEOVÁ dos Exércitos tem um sacrifício na terra do Norte, junto ao rio Eufrates. 52 O dia do Senhor
  • 54. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Isaías 13:13 Pelo que farei estremecer os céus; e a terra se moverá do seu lugar, por causa do furor do SENHOR dos Exércitos e por causa do dia da sua ardente ira. Isaías 17:11 No dia em que as plantares, as cercarás e, pela manhã, farás que a tua semente brote; mas a colheita voará no dia da tribulação e das dores insofríveis. 53 O dia do Senhor
  • 55. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O dia do Senhor não se trata literalmente do espaço de vinte e quatro horas, mas sim de um período, como em Gn 2:4; Is 22:5 e Hb 3:8. Este período será entre as vindas de Jesus, ou seja, o arrebatamento e seu retorno em glória. 54 O dia do Senhor
  • 56. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA No novo Testamento também temos referências ao “dia do Senhor” 1 Ts 5:2 Pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. 55 O dia do Senhor
  • 57. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA No novo Testamento também temos referências ao “dia do Senhor” 1 Ts 5:2 Pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o Dia do Senhor vem como ladrão de noite. 56 O dia do Senhor
  • 58. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA 2 Ts 2:2 A que não vos demovais da vossa mente, com facilidade, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como se procedesse de nós, supondo tenha chegado o Dia do Senhor. 57 O dia do Senhor
  • 59. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A duração do período tribulacional tem suas bases em Daniel 9:24-27 (Verso 24) Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, para expiar a iniqüidade, para trazer a justiça eterna, para selar a visão e a profecia e para ungir o Santo dos Santos. 58 As setenta semanas de Daniel
  • 60. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA (Verso 25) Sabem e entendem: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos. 59 As setenta semanas de Daniel
  • 61. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA (Verso 26) Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará; e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será num dilúvio, e até ao fim haverá guerra; desolações são determinadas. 60 As setenta semanas de Daniel
  • 62. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA (Verso 27) Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele. 61 As setenta semanas de Daniel
  • 63. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Nesta passagem encontramos um esboço de todo o plano messiânico de Deus para Israel, como também seu juízo e dos gentios, no entanto dificuldades surgem quando os pontos de vista escatológicos se chocam, ou seja, pré-milenistas dispensacionalistas encaram e interpretam esta profecia de maneira que os amilenistas ou os contra o dispensacionalismo, chamam de fantasiosa. 62 As setenta semanas de Daniel
  • 64. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Nesta passagem encontramos um esboço de todo o plano messiânico de Deus para Israel, como também seu juízo e dos gentios, no entanto dificuldades surgem quando os pontos de vista escatológicos se chocam, ou seja, pré-milenistas dispensacionalistas encaram e interpretam esta profecia de maneira que os amilenistas ou os contra o dispensacionalismo, chamam de fantasiosa. 63 As setenta semanas de Daniel
  • 65. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O milênio não se restringe a uma parte do estudo de escatologia, é algo tão importante que se deve encarar como doutrina da igreja cristã. 64 O Milênio
  • 66. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Desde a igreja primitiva já se acreditava no período literal de mil anos que viria a ser instaurado por Jesus Cristo em sua vinda; no entanto a igreja Romana não reconheceu o milênio como literal e sim espiritual, ou seja, na cruz Cristo já acorrentou Satanás e agora vivemos num mundo governado diretamente por Deus. 65 O Milênio
  • 67. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Milênio vem da palavra grega chilioi (cilioi), que significa literalmente: mil; desta surgiu o termo “Quiliasmo”, mais tarde conhecido como milenarismo. 66 O Milênio
  • 68. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O governo de Jesus Cristo será de maneira nunca vista na terra; as condições de vida, em todos os aspectos, nunca foram experimentadas pela humanidade; e é bom que fique claro que o milênio não tem nenhuma relação com a morada eterna na Nova Jerusalém. Aqui observaremos rapidamente algumas características da vida no milênio. 67 O Milênio
  • 69. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Prevalecerão a paz e justiça: - Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e, rei que é, reinará, e agirá sabiamente, e executará o juízo e a justiça na terra. Nos seus dias, Judá será salva, e Israel habitará seguro; será este o seu nome, com que será chamado: SENHOR, Justiça Nossa (Jr 25:6-7). 68 O Milênio
  • 70. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Será quebrada a maldição que estava sobre a terra Este é um grande ponto no que se refere às características da vida milenial, pois desde a queda do homem terra está sob uma maldição que tem trazido sofrimentos e toda sorte de mazelas a sociedade como todo e ao individuo. Leia Gênesis 3:17-19. 69 O Milênio
  • 71. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA No fim da dispensação do milênio Satanás será solto e se levantará em sua ultima tentativa de Destruir a Cristo. Ap 20:7-9 dá os detalhes. 70 O Milênio
  • 72. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O milênio trouxe o cumprimento das alianças feitas com a nação, com seu fim o plano das dispensações fica concluído, restando o ultimo julgamento; o juízo do Grande Trono Branco. Agora Deus, por meio de uma ressurreição chama os ímpios que morreram desde a criação para serem julgados; sobre isto lemos em Ap 20:11-12, 15 71 O Milênio
  • 73. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA O apóstolo João faz um relato detalhado da Nova Jerusalém; já foi concluído que ela não se trata de uma cidade terrena, mas sim, celestial e eterna. Vejamos algumas características importantes a respeito dela: 72 A nova Jerusalém
  • 74. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA a) Ela desce do céu, da parte de Deus (vs.2,10): Jesus em sua promessa registrada em Jo14:2, disse que iria preparar um lugar para seus remidos, este lugar é justamente esta santa cidade vinda não de algo terreno e passageiro, mas do próprio Deus que em seu filho não só justificou os que creram com também lhes forneceu uma morada onde Jesus também estará por toda a eternidade. 73 A nova Jerusalém
  • 75. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA A referencia “desce do céu” parece indicar que a cidade estará na órbita da nova terra; o que é inconcebível é que comentaristas localizem a cidade literalmente na nova terra. 74 A nova Jerusalém
  • 76. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA c) Ela tem a gloria de Deus (v.11; 22:5): A gloria do Senhor será suficiente para todas as necessidades desta cidade celestial; parece lógico que tendo recebido corpos espirituais, estes não necessitarão do sol ou da lua, portanto a própria presença do Senhor iluminará a Nova Jerusalém. Deus será a fonte de energia e Cristo a lâmpada que resplandecerá por toda a eternidade. 75 A nova Jerusalém
  • 77. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA d) Deus e seu filho são o templo da cidade (v.22; 22:3-4)): A presença de Deus e de Jesus não serão espirituais mas, literais, verdadeiramente veremos o seu rosto. Para os amilenistas isto é total absurdo, fantasia, mas para os que têm ansiosamente aguardado a eterna redenção é motivo de fortalecer-se em Cristo Jesus. 76 A nova Jerusalém
  • 78. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA e) Será isenta de qualquer pecado ou maldição (8;27;22:3): Nenhum pecado ou pecador entrará na cidade; nenhuma maldição existirá. Devemos lembra que Satanás, e seus demônios, a morte e o inferno já passaram e estão no lago de fogo e enxofre (Ap20:10,14). 77 A nova Jerusalém
  • 79. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA f) Nela haverá um rio e uma árvore (22:1,2): O rio representa a vida que procede do Cordeiro; a árvore da cidade retrata a árvore da vida do éden, só que desta não será necessário a do conhecimento (Gn 2:9) para provar seus habitantes pois estes já foram provados e aprovados por Deus; são agora os redimidos pelo sangue purificador de Jesus Cristo. 78 A nova Jerusalém
  • 80. IGREJA DE CRISTO EM BOA ESPERANÇA – PARNAMIRIM DOUTRINA: ESCATOLOGIA Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro. Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora. Amém! 79 A nova Jerusalém