SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
A ULTIMA CEIA
PROFESSOR: ELSON JP LOUREIRO
PROF.ELSONJPLOUREIRO
TEXTO ÁUREO
“Alimpai-vos, pois, do fermento
velho, para que sejais uma nova
massa, assim como estais sem
fermento. Porque Cristo, nossa
páscoa, foi sacrificado por nós”
(1Co 5.7).
PROF.ELSONJPLOUREIRO
 VERDADE PRÁTICA
 A Páscoa comemorava a libertação do Egito.
 A Ceia do Senhor celebra a libertação do
pecado.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
ONDE ESTAVA ISRAEL
PROF.ELSONJPLOUREIRO
ELEMENTOS DA PASCOA ANTES DA
SAIDA DO EGITO
Êxodo 12.1-11
1 cordeiro por familia -
Pão azimo
Ervas amargas
O sangue para colocar na porta (umbral
e porta)
11 - Assim, pois, o comereis: os vossos
lombos cingidos, os vossos sapatos nos
pés, e o vosso cajado na mão; e o
comereis apressadamente; esta é a
Páscoa do SENHOR.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Lucas 22.7-20.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
JERUSALEM –
AONDE FOI CELEBRADA A ULTIMA CEIA
PROF.ELSONJPLOUREIRO
INTRODUÇÃO
 Sem dúvida, a Páscoa era uma das festas mais importantes
do judaísmo, e a sua celebração era carregada de valor
simbólico. O seu ritual era metódico e meticuloso pois
lembrava um dos momentos mais importantes da história do
povo de Deus da Antiga Aliança — a libertação do cativeiro
egípcio!
 A sua celebração anual mobilizava toda a nação judaica.
 Quando instituiu a Santa Ceia, por ocasião da celebração da
última Páscoa, Jesus tinha em mente esses fatos. Sabedor
de que a Páscoa era apenas um tipo do qual Ele era o
antítipo (ou uma figura da qual Ele era o cumprimento), Ele
demostrou alegria e satisfação por poder celebrá-la na
companhia de seus discípulos. Apenas algumas horas
depois, o Filho do Homem estaria libertando o seu povo, não
mais de um cativeiro humano, mas do cativeiro do pecado!
PROF.ELSONJPLOUREIRO
I. ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ÚLTIMA CEIA
 1. A instituição da páscoa judaica. A festa da Páscoa era
uma das celebrações que ocorria na primavera. A palavra é
derivada do verbo hebraico psah, com o sentido de “passar
por cima”. ?
 Essa festa tem sua origem nos dias que antecedem o êxodo
dos israelitas do Egito, conforme narrado em Êxodo 12. Até
esse momento, Faraó relutava em deixar os israelitas
partirem conforme a determinação do Senhor. A
consequência dessa obstinação do governante egípcio foi o
julgamento divino que veio na forma de uma grande
mortandade nos lares egípcios. Somente os primogênitos
das famílias egípcias seriam atingidos, pois os hebreus
estavam protegidos com o sangue do cordeiro pascal (Êx
12.13). O sangue do cordeiro era um tipo do sangue de
Cristo, o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo
1.29; 1Co 5.7).
PROF.ELSONJPLOUREIRO
2. O RITUAL DA PÁSCOA JUDAICA.
 A páscoa judaica obedecia a um ritual detalhado (Dt 16.1-
4). Todavia, de acordo com Êxodo 12.3-12, os
preparativos teriam início aos dez do mês com a escolha
de um cordeiro, ou cabrito, para cada família. A família,
sendo pequena poderia então convidar o vizinho. O
cordeiro, que seria guardado até ao décimo quarto dia,
deveria ser de um ano e sem defeito. No final do décimo
quarto dia era imolado. O sangue era posto sobre as
ombreiras e vergas das portas das casas judaicas. O
cordeiro deveria ser comido assado e com pães asmos e
ervas amargas. O resto que sobrasse deveria ser
queimado. Os participantes da Páscoa deveriam ter os
lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. Era
a Páscoa do Senhor.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
PROF.ELSONJPLOUREIRO
A PROTEÇÃO CONTRA A MORTE
DOS PRIMOGENITOS
O SANGUE DO CORDEIRO NA VERGA E NOS
UMBRAIS DAS PORTAS.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
PROF.ELSONJPLOUREIRO
ENQUANTO A MORTE ENTRAVA NOS LARES DOS
EGIPCIOS O POVO DE DEUS CELEBRAVA
II. A CELEBRAÇÃO DA ÚLTIMA CEIA
 1. A preparação. Ao responder à pergunta dos
discípulos sobre onde se daria os preparativos da
Páscoa, Jesus encaminha-os a um homem com um
cântaro de água (Lc 22.10). Lucas deixa claro que
Cristo, como filho de Deus e capacitado pelo Espírito
Santo, possuía conhecimento prévio dos fatos. O
expositor bíblico Anthony Lee Ash, observa que o
homem com um cântaro de água seria facilmente
notado, pois esse era um trabalho de mulher. Os
hospedeiros costumavam oferecer suas casas durante
a festa, em troca das peles de animais e utensílios
usados para a refeição. O preparo da Páscoa incluiria
a busca de fermento na casa e o preparo dos vários
elementos da refeição.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
PROF.ELSONJPLOUREIRO
2. A celebração e substituição.
Jesus possuía consciência de que a sua morte na cruz se
aproximava e que Ele era o Cordeiro de Deus do qual o
cordeiro da Páscoa era apenas um tipo (Jo 1.29). Com
certeza milhares de cordeiros foram sacrificados em
Jerusalém nessa data, mas somente Jesus era o “Cordeiro
de Deus que tiraria o pecado do mundo” (Jo 1.29).
Se a Páscoa judaica marcou a libertação do sofrimento do
cativerio egípcio, agora Jesus, através do seu sofrimento,
libertaria a humanidade da escravidão do pecado. Pedro e
João fazem os preparativos exigidos sobre a última Páscoa
(Lc 22.7-20) e é durante a celebração da última Páscoa
que Jesus instituiu a Ceia do Senhor (Lc 22.19,20). No
contexto da Nova Aliança a Ceia do Senhor substituiu a
Páscoa judaica (1Co 11.20,23).
O CALICE: SIMBOLO DO SANGUE DE CRISTO
– A NOVA ALIANÇA
PROF.ELSONJPLOUREIRO
III. OS ELEMENTOS DA ÚLTIMA CEIA
 1. O vinho.
 O terceiro Evangelho faz referência ao uso do cálice por
duas vezes, a primeira delas antes de mencionar o pão (Lc
22.17,20). Mas essa reversão da ordem dos elementos não
modifica em nada o significado da Ceia. Nesse particular, a
liturgia cristã segue o modelo dos outros evangelistas e de
Paulo, onde o uso do vinho é precedido pelo pão (Mc 14.22-
26; Mt 26.26-30; 1Co 11.23-25).
 Tomando o cálice, Jesus falou: “Este cálice é o Novo
Testamento no meu sangue, que é derramado por vós” (Lc
22.20). O sentido desse texto é que o vinho é um símbolo da
Nova Aliança que foi selada com o sangue de Jesus, o
Cordeiro de Deus (Êx 12.6,7,13; 24.8; Zc 9.11; Is 53.12).
PROF.ELSONJPLOUREIRO
PÃO ASMO
PROF.ELSONJPLOUREIRO
2. O PÃO
 . Após tomar o pão, dar graças e partir, Jesus disse: “Isto
é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isso em
memória de mim” (Lc 22.19). Jesus usa a expressão: “isto
é o meu corpo” com sentido metafórico, da mesma forma
que Ele disse: “Eu sou a porta” (Jo 10.9). O pão era um
símbolo do corpo de Jesus da mesma forma que o vinho
era do seu sangue.
 A palavra “oferecido” traduz o verbo grego didomi, que
também possui o sentido de entregar. Esse mesmo verbo
é usado nos textos de Isaías 53.6,10,12, onde há uma
clara referência a um sacrifício (cf. Êx 30.14; Lv 22.14). O
corpo de Jesus seria oferecido vicariamente em favor dos
pecadores.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
SUBSIDIO TEOLOGICO
 COMER OS ASMOS DA SINCERIDADE E DA VERDADE
A doutrina dos escribas e fariseus tem como finalidade fechar o reino dos céus diante dos homens e
impedir que outros entrem nele (Mt 23:13). Em seus ensinamentos, eles acrescentaram outros itens que
desviaram os irmãos dos “sete uns” que mencionamos em Efésios 4. Esses itens acrescentados excluem
aqueles a quem Deus acolheu (Rm 14:1-3; 15:7) e fecham a porta para os que querem entrar no reino dos
céus. Um exemplo disso está registrado em Atos 15, quando alguns indivíduos que desceram da Judéia
ensinavam os irmãos que, se eles não se circuncidassem segundo o costume de Moisés, não poderiam
ser salvos (v. 1). Outro exemplo está logo em seguida no mesmo capítulo, quando alguns da seita dos
fariseus que haviam crido se insurgiram no meio dos apóstolos e presbíteros e disseram: “É necessário
circuncidá-los e determinar-lhes que observem a lei de Moisés” (v. 5b). Tanto nesse versículo como no
anterior são enfatizados “o costume de Moisés” e “a lei de Moisés” como necessários para a salvação dos
gentios e acolhimento dos irmãos. Certamente isso foi um grande fermento naquela época. Devemos ser
os que comem pães asmos, isto é, os que praticam o que está na Bíblia. Se alguém quiser acrescentar
outro “um” além dos “sete uns” mencionados em Efésios 4 como base da fé comum e ainda impô-lo sobre
nós para que sejamos um com eles, precisamos perceber que isto é fermento.
Quanto à pregação do evangelho, também praticamos conforme está na Palavra. Nosso encargo é cumprir
o que está escrito em Gênesis 1:28: Ser fecundo, multiplicar, encher a terra e sujeitá-la. Ao pregar o
evangelho da graça e o do reino, nosso encargo é levar a salvação de Deus às pessoas para que entrem
na manifestação do reino dos céus. Devemos ser fiéis à comissão que recebemos do Senhor em pregar o
evangelho do reino, negar nossa vida da alma, crescer em vida para avançar positivamente e apressar a
vinda do Senhor. Aleluia!
Graças ao Senhor pela liberdade do Espírito, segundo a qual podemos tomar a Palavra em oração como
um pão asmo, sem qualquer mistura. Temos avançado conforme a revelação que o Senhor nos dá em Sua
Palavra, usando a Bíblia para explicar a Bíblia. Dessa maneira podemos praticar o que ela diz, sem
fermento. Que o Senhor nos mantenha sempre assim, simples, comendo “pães asmos”, vivendo a vida
normal da igreja segundo a Palavra de Deus. Amém!
 Ponto-chave: A Palavra de Deus é nosso pão asmo.
PROF.ELSONJPLOUREIRO
CONCLUSÃO
 Participar da Ceia do Senhor é um privilégio do qual todo
cristão deve se alegrar. Não se trata de um ritual vazio,
mas de uma celebração carregada de significado, porque
aponta para o sacrifício do calvário. A Ceia celebra a vitória
de Cristo, o Cordeiro de Deus, sobre o pecado e suas
consequências.
 Ao participarmos da Ceia, devemos manter uma atitude de
eterna gratidão ao Senhor por nos haver dado vida quando
nos encontrávamos mortos em nossos delitos. Assim como
os antigos judeus não deveriam celebrá-la com fermento
em seus lares, da mesma forma não devemos comemorar
a Ceia com o velho fermento do pecado.
 Celebremos a Ceia com os asmos da sinceridade.
PROF.ELSONJPLOUREIRO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

122 igrejas que oram-c. peter wagner
122   igrejas que oram-c. peter wagner122   igrejas que oram-c. peter wagner
122 igrejas que oram-c. peter wagner
Luiza Dayana
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
IBMemorialJC
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 

Mais procurados (20)

A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINTA QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
 
Vida de oração
Vida de oraçãoVida de oração
Vida de oração
 
Plano da salvação
Plano da salvaçãoPlano da salvação
Plano da salvação
 
Ceia do Senhor
Ceia do SenhorCeia do Senhor
Ceia do Senhor
 
122 igrejas que oram-c. peter wagner
122   igrejas que oram-c. peter wagner122   igrejas que oram-c. peter wagner
122 igrejas que oram-c. peter wagner
 
Igreja
IgrejaIgreja
Igreja
 
Mãe Modelo
Mãe ModeloMãe Modelo
Mãe Modelo
 
A verdadeira páscoa'
A verdadeira páscoa'A verdadeira páscoa'
A verdadeira páscoa'
 
Santa Ceia do Senhor
Santa Ceia do SenhorSanta Ceia do Senhor
Santa Ceia do Senhor
 
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIAFORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
Lição 1 – Tabernáculo - Um Lugar da Habitação de Deus
Lição 1 – Tabernáculo - Um Lugar da Habitação de DeusLição 1 – Tabernáculo - Um Lugar da Habitação de Deus
Lição 1 – Tabernáculo - Um Lugar da Habitação de Deus
 
manual-do-encontro com Deus
manual-do-encontro com Deusmanual-do-encontro com Deus
manual-do-encontro com Deus
 
Lição 13 a ressurreição de jesus
Lição 13   a ressurreição de jesusLição 13   a ressurreição de jesus
Lição 13 a ressurreição de jesus
 
12º encontro joao batista
12º encontro   joao batista12º encontro   joao batista
12º encontro joao batista
 
Relatório de classe escola dominical gratis
Relatório de classe escola dominical gratisRelatório de classe escola dominical gratis
Relatório de classe escola dominical gratis
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Vale de ossos secos
Vale de ossos secosVale de ossos secos
Vale de ossos secos
 
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontroTEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
 

Destaque

Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
Ebook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryleEbook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryle
Paulo Costa
 
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceiaEade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
JoyAlbanez
 

Destaque (20)

A Ceia do Senhor - Apresentação
A Ceia do Senhor - ApresentaçãoA Ceia do Senhor - Apresentação
A Ceia do Senhor - Apresentação
 
Teatro Santa Ceia e Lava pés
Teatro Santa Ceia e Lava pés Teatro Santa Ceia e Lava pés
Teatro Santa Ceia e Lava pés
 
A Ceia do Senhor
A Ceia do SenhorA Ceia do Senhor
A Ceia do Senhor
 
Slide santa ceia
Slide santa ceiaSlide santa ceia
Slide santa ceia
 
CULTO DE SANTA CEIA
CULTO DE SANTA CEIACULTO DE SANTA CEIA
CULTO DE SANTA CEIA
 
Ceia
Ceia Ceia
Ceia
 
Aula 03 a ceia do senhor - santidade para o site
Aula 03   a ceia do senhor - santidade para o siteAula 03   a ceia do senhor - santidade para o site
Aula 03 a ceia do senhor - santidade para o site
 
Teatro Paixão - Partilha do texto utilizado
Teatro Paixão - Partilha do texto utilizadoTeatro Paixão - Partilha do texto utilizado
Teatro Paixão - Partilha do texto utilizado
 
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIALIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
 
Lição 12ª Santa Ceia
Lição 12ª  Santa CeiaLição 12ª  Santa Ceia
Lição 12ª Santa Ceia
 
A última ceia
A última ceia A última ceia
A última ceia
 
A ceia do Senhor - Thomas Watson
A ceia do Senhor - Thomas WatsonA ceia do Senhor - Thomas Watson
A ceia do Senhor - Thomas Watson
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
Ebook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryleEbook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryle
 
Roteiro homilético da quinta feira santa ceia do senhor 24.03.2016
Roteiro homilético da quinta feira santa ceia do senhor 24.03.2016Roteiro homilético da quinta feira santa ceia do senhor 24.03.2016
Roteiro homilético da quinta feira santa ceia do senhor 24.03.2016
 
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceiaEade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
 
CULTO DE SANTA CEIA
CULTO DE SANTA CEIACULTO DE SANTA CEIA
CULTO DE SANTA CEIA
 
Ceia do senhor - POR QUE PARTICIPAR DA CEIA DO SENHOR
Ceia do senhor - POR QUE PARTICIPAR DA CEIA DO SENHORCeia do senhor - POR QUE PARTICIPAR DA CEIA DO SENHOR
Ceia do senhor - POR QUE PARTICIPAR DA CEIA DO SENHOR
 
Boletim244
Boletim244 Boletim244
Boletim244
 
Ultima Ceia
Ultima CeiaUltima Ceia
Ultima Ceia
 

Semelhante a A ultima ceia apresentação

Historia de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primíciasHistoria de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primícias
RICARDO CARDOSO
 
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4   A Celebração da Primeira PáscoaLição 4   A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Pr. Andre Luiz
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
iev.comunidade
 
05 interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia
05   interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia05   interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia
05 interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia
Diego Fortunatto
 
Comentário Bíblico Adventista
Comentário Bíblico AdventistaComentário Bíblico Adventista
Comentário Bíblico Adventista
Apocalipse Facil
 

Semelhante a A ultima ceia apresentação (20)

Lição 11 A última Ceia
Lição 11   A última CeiaLição 11   A última Ceia
Lição 11 A última Ceia
 
A salvação judaica
A salvação judaicaA salvação judaica
A salvação judaica
 
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do SenhorLição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
Lição 8 - A ordenança da Ceia do Senhor
 
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIALIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
 
Lição 2 - A Salvação na Páscoa Judaica
Lição 2 - A Salvação na Páscoa JudaicaLição 2 - A Salvação na Páscoa Judaica
Lição 2 - A Salvação na Páscoa Judaica
 
A última Ceia
A última CeiaA última Ceia
A última Ceia
 
Sacramentos: Batismo e Ceia
Sacramentos: Batismo e Ceia Sacramentos: Batismo e Ceia
Sacramentos: Batismo e Ceia
 
Historia de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primíciasHistoria de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primícias
 
Lição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
Lição 02 - A Salvação na Páscoa JudaícaLição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
Lição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
 
Lição
LiçãoLição
Lição
 
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4   A Celebração da Primeira PáscoaLição 4   A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
 
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano B
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano BComentário: 2º Domingo do advento - Ano B
Comentário: 2º Domingo do advento - Ano B
 
05 interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia
05   interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia05   interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia
05 interpretação dos apóstolos do cumprimento da profecia
 
Lição 2 a salvação na páscoa judaica
Lição 2  a salvação na páscoa judaicaLição 2  a salvação na páscoa judaica
Lição 2 a salvação na páscoa judaica
 
escola sabatina licao 12
escola sabatina licao 12escola sabatina licao 12
escola sabatina licao 12
 
Comentário Bíblico Adventista
Comentário Bíblico AdventistaComentário Bíblico Adventista
Comentário Bíblico Adventista
 
Lbcpad
LbcpadLbcpad
Lbcpad
 

Mais de Elson Juvenal Pinto Loureiro

Mais de Elson Juvenal Pinto Loureiro (20)

Qualidade nos relacionamentos na igreja -
Qualidade nos relacionamentos na igreja - Qualidade nos relacionamentos na igreja -
Qualidade nos relacionamentos na igreja -
 
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇAINSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
 
Lição 12 apresentação
Lição 12 apresentaçãoLição 12 apresentação
Lição 12 apresentação
 
Lição 7 o diluvio
Lição 7 o diluvioLição 7 o diluvio
Lição 7 o diluvio
 
Lição 3 criação do homem e da mulher b
Lição 3 criação do homem e da mulher bLição 3 criação do homem e da mulher b
Lição 3 criação do homem e da mulher b
 
Lição 3 criação do homem e da mulher
Lição 3 criação do homem e da mulherLição 3 criação do homem e da mulher
Lição 3 criação do homem e da mulher
 
A criação dos céus, e da terr
A criação dos céus, e da terrA criação dos céus, e da terr
A criação dos céus, e da terr
 
Gênesis introdução ao livro
Gênesis introdução ao livroGênesis introdução ao livro
Gênesis introdução ao livro
 
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIROAprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
 
Oração e recomendação às mulheres cristãs
Oração e recomendação às mulheres cristãsOração e recomendação às mulheres cristãs
Oração e recomendação às mulheres cristãs
 
O evangelho da graça
O evangelho da graçaO evangelho da graça
O evangelho da graça
 
2a. versão mensagem a igreja local e a liderança
2a. versão mensagem a igreja local e a liderança2a. versão mensagem a igreja local e a liderança
2a. versão mensagem a igreja local e a liderança
 
Subsidios ao professor
Subsidios ao professorSubsidios ao professor
Subsidios ao professor
 
O nascimento de jesus 2
O nascimento de jesus  2O nascimento de jesus  2
O nascimento de jesus 2
 
A igreja e a lei de deus
A igreja e a lei de deusA igreja e a lei de deus
A igreja e a lei de deus
 
A igreja e a lei de deus
A igreja e a lei de deusA igreja e a lei de deus
A igreja e a lei de deus
 
10 mandamento não cobiçaras final
10 mandamento não cobiçaras  final10 mandamento não cobiçaras  final
10 mandamento não cobiçaras final
 
Previa da lição 10 mandamento não cobiçaras
Previa da lição  10  mandamento não cobiçarasPrevia da lição  10  mandamento não cobiçaras
Previa da lição 10 mandamento não cobiçaras
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
Apresentação tcc integração resumida
Apresentação tcc integração resumidaApresentação tcc integração resumida
Apresentação tcc integração resumida
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 

A ultima ceia apresentação

  • 1. A ULTIMA CEIA PROFESSOR: ELSON JP LOUREIRO PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 2. TEXTO ÁUREO “Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós” (1Co 5.7). PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 3.  VERDADE PRÁTICA  A Páscoa comemorava a libertação do Egito.  A Ceia do Senhor celebra a libertação do pecado. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 5. ELEMENTOS DA PASCOA ANTES DA SAIDA DO EGITO Êxodo 12.1-11 1 cordeiro por familia - Pão azimo Ervas amargas O sangue para colocar na porta (umbral e porta) 11 - Assim, pois, o comereis: os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a Páscoa do SENHOR. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 6. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE Lucas 22.7-20. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 7. JERUSALEM – AONDE FOI CELEBRADA A ULTIMA CEIA PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 8. INTRODUÇÃO  Sem dúvida, a Páscoa era uma das festas mais importantes do judaísmo, e a sua celebração era carregada de valor simbólico. O seu ritual era metódico e meticuloso pois lembrava um dos momentos mais importantes da história do povo de Deus da Antiga Aliança — a libertação do cativeiro egípcio!  A sua celebração anual mobilizava toda a nação judaica.  Quando instituiu a Santa Ceia, por ocasião da celebração da última Páscoa, Jesus tinha em mente esses fatos. Sabedor de que a Páscoa era apenas um tipo do qual Ele era o antítipo (ou uma figura da qual Ele era o cumprimento), Ele demostrou alegria e satisfação por poder celebrá-la na companhia de seus discípulos. Apenas algumas horas depois, o Filho do Homem estaria libertando o seu povo, não mais de um cativeiro humano, mas do cativeiro do pecado! PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 9. I. ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ÚLTIMA CEIA  1. A instituição da páscoa judaica. A festa da Páscoa era uma das celebrações que ocorria na primavera. A palavra é derivada do verbo hebraico psah, com o sentido de “passar por cima”. ?  Essa festa tem sua origem nos dias que antecedem o êxodo dos israelitas do Egito, conforme narrado em Êxodo 12. Até esse momento, Faraó relutava em deixar os israelitas partirem conforme a determinação do Senhor. A consequência dessa obstinação do governante egípcio foi o julgamento divino que veio na forma de uma grande mortandade nos lares egípcios. Somente os primogênitos das famílias egípcias seriam atingidos, pois os hebreus estavam protegidos com o sangue do cordeiro pascal (Êx 12.13). O sangue do cordeiro era um tipo do sangue de Cristo, o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.29; 1Co 5.7). PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 10. 2. O RITUAL DA PÁSCOA JUDAICA.  A páscoa judaica obedecia a um ritual detalhado (Dt 16.1- 4). Todavia, de acordo com Êxodo 12.3-12, os preparativos teriam início aos dez do mês com a escolha de um cordeiro, ou cabrito, para cada família. A família, sendo pequena poderia então convidar o vizinho. O cordeiro, que seria guardado até ao décimo quarto dia, deveria ser de um ano e sem defeito. No final do décimo quarto dia era imolado. O sangue era posto sobre as ombreiras e vergas das portas das casas judaicas. O cordeiro deveria ser comido assado e com pães asmos e ervas amargas. O resto que sobrasse deveria ser queimado. Os participantes da Páscoa deveriam ter os lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. Era a Páscoa do Senhor. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 11. PROF.ELSONJPLOUREIRO A PROTEÇÃO CONTRA A MORTE DOS PRIMOGENITOS
  • 12. O SANGUE DO CORDEIRO NA VERGA E NOS UMBRAIS DAS PORTAS. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 13. PROF.ELSONJPLOUREIRO ENQUANTO A MORTE ENTRAVA NOS LARES DOS EGIPCIOS O POVO DE DEUS CELEBRAVA
  • 14. II. A CELEBRAÇÃO DA ÚLTIMA CEIA  1. A preparação. Ao responder à pergunta dos discípulos sobre onde se daria os preparativos da Páscoa, Jesus encaminha-os a um homem com um cântaro de água (Lc 22.10). Lucas deixa claro que Cristo, como filho de Deus e capacitado pelo Espírito Santo, possuía conhecimento prévio dos fatos. O expositor bíblico Anthony Lee Ash, observa que o homem com um cântaro de água seria facilmente notado, pois esse era um trabalho de mulher. Os hospedeiros costumavam oferecer suas casas durante a festa, em troca das peles de animais e utensílios usados para a refeição. O preparo da Páscoa incluiria a busca de fermento na casa e o preparo dos vários elementos da refeição. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 15. PROF.ELSONJPLOUREIRO 2. A celebração e substituição. Jesus possuía consciência de que a sua morte na cruz se aproximava e que Ele era o Cordeiro de Deus do qual o cordeiro da Páscoa era apenas um tipo (Jo 1.29). Com certeza milhares de cordeiros foram sacrificados em Jerusalém nessa data, mas somente Jesus era o “Cordeiro de Deus que tiraria o pecado do mundo” (Jo 1.29). Se a Páscoa judaica marcou a libertação do sofrimento do cativerio egípcio, agora Jesus, através do seu sofrimento, libertaria a humanidade da escravidão do pecado. Pedro e João fazem os preparativos exigidos sobre a última Páscoa (Lc 22.7-20) e é durante a celebração da última Páscoa que Jesus instituiu a Ceia do Senhor (Lc 22.19,20). No contexto da Nova Aliança a Ceia do Senhor substituiu a Páscoa judaica (1Co 11.20,23).
  • 16. O CALICE: SIMBOLO DO SANGUE DE CRISTO – A NOVA ALIANÇA PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 17. III. OS ELEMENTOS DA ÚLTIMA CEIA  1. O vinho.  O terceiro Evangelho faz referência ao uso do cálice por duas vezes, a primeira delas antes de mencionar o pão (Lc 22.17,20). Mas essa reversão da ordem dos elementos não modifica em nada o significado da Ceia. Nesse particular, a liturgia cristã segue o modelo dos outros evangelistas e de Paulo, onde o uso do vinho é precedido pelo pão (Mc 14.22- 26; Mt 26.26-30; 1Co 11.23-25).  Tomando o cálice, Jesus falou: “Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós” (Lc 22.20). O sentido desse texto é que o vinho é um símbolo da Nova Aliança que foi selada com o sangue de Jesus, o Cordeiro de Deus (Êx 12.6,7,13; 24.8; Zc 9.11; Is 53.12). PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 19. 2. O PÃO  . Após tomar o pão, dar graças e partir, Jesus disse: “Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isso em memória de mim” (Lc 22.19). Jesus usa a expressão: “isto é o meu corpo” com sentido metafórico, da mesma forma que Ele disse: “Eu sou a porta” (Jo 10.9). O pão era um símbolo do corpo de Jesus da mesma forma que o vinho era do seu sangue.  A palavra “oferecido” traduz o verbo grego didomi, que também possui o sentido de entregar. Esse mesmo verbo é usado nos textos de Isaías 53.6,10,12, onde há uma clara referência a um sacrifício (cf. Êx 30.14; Lv 22.14). O corpo de Jesus seria oferecido vicariamente em favor dos pecadores. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 20. SUBSIDIO TEOLOGICO  COMER OS ASMOS DA SINCERIDADE E DA VERDADE A doutrina dos escribas e fariseus tem como finalidade fechar o reino dos céus diante dos homens e impedir que outros entrem nele (Mt 23:13). Em seus ensinamentos, eles acrescentaram outros itens que desviaram os irmãos dos “sete uns” que mencionamos em Efésios 4. Esses itens acrescentados excluem aqueles a quem Deus acolheu (Rm 14:1-3; 15:7) e fecham a porta para os que querem entrar no reino dos céus. Um exemplo disso está registrado em Atos 15, quando alguns indivíduos que desceram da Judéia ensinavam os irmãos que, se eles não se circuncidassem segundo o costume de Moisés, não poderiam ser salvos (v. 1). Outro exemplo está logo em seguida no mesmo capítulo, quando alguns da seita dos fariseus que haviam crido se insurgiram no meio dos apóstolos e presbíteros e disseram: “É necessário circuncidá-los e determinar-lhes que observem a lei de Moisés” (v. 5b). Tanto nesse versículo como no anterior são enfatizados “o costume de Moisés” e “a lei de Moisés” como necessários para a salvação dos gentios e acolhimento dos irmãos. Certamente isso foi um grande fermento naquela época. Devemos ser os que comem pães asmos, isto é, os que praticam o que está na Bíblia. Se alguém quiser acrescentar outro “um” além dos “sete uns” mencionados em Efésios 4 como base da fé comum e ainda impô-lo sobre nós para que sejamos um com eles, precisamos perceber que isto é fermento. Quanto à pregação do evangelho, também praticamos conforme está na Palavra. Nosso encargo é cumprir o que está escrito em Gênesis 1:28: Ser fecundo, multiplicar, encher a terra e sujeitá-la. Ao pregar o evangelho da graça e o do reino, nosso encargo é levar a salvação de Deus às pessoas para que entrem na manifestação do reino dos céus. Devemos ser fiéis à comissão que recebemos do Senhor em pregar o evangelho do reino, negar nossa vida da alma, crescer em vida para avançar positivamente e apressar a vinda do Senhor. Aleluia! Graças ao Senhor pela liberdade do Espírito, segundo a qual podemos tomar a Palavra em oração como um pão asmo, sem qualquer mistura. Temos avançado conforme a revelação que o Senhor nos dá em Sua Palavra, usando a Bíblia para explicar a Bíblia. Dessa maneira podemos praticar o que ela diz, sem fermento. Que o Senhor nos mantenha sempre assim, simples, comendo “pães asmos”, vivendo a vida normal da igreja segundo a Palavra de Deus. Amém!  Ponto-chave: A Palavra de Deus é nosso pão asmo. PROF.ELSONJPLOUREIRO
  • 21. CONCLUSÃO  Participar da Ceia do Senhor é um privilégio do qual todo cristão deve se alegrar. Não se trata de um ritual vazio, mas de uma celebração carregada de significado, porque aponta para o sacrifício do calvário. A Ceia celebra a vitória de Cristo, o Cordeiro de Deus, sobre o pecado e suas consequências.  Ao participarmos da Ceia, devemos manter uma atitude de eterna gratidão ao Senhor por nos haver dado vida quando nos encontrávamos mortos em nossos delitos. Assim como os antigos judeus não deveriam celebrá-la com fermento em seus lares, da mesma forma não devemos comemorar a Ceia com o velho fermento do pecado.  Celebremos a Ceia com os asmos da sinceridade. PROF.ELSONJPLOUREIRO