SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Quem Foi Barrabás?
DanielConegero

Barrabás foi um bandido queacabou sendo solto por Pilatos a pedido
da multidão ao invésde Jesus, portanto, Barrabás é conhecido na Bíblia
pelo episódio que envolveacrucificação deCristo. Além do pouco
relato bíblico sobre ele, não temos mais informaçõessobre quem foi
Barrabás.
A história de Barrabás na Bíblia
Barrabás é citado nos quatro Evangelhos do Novo Testamento (Mateus
27:16; Marcos15:7,15; Lucas23:18,19; João 18:40). O
nomeBarrabás vem do aramaico bar abbas, e é um patronímico, ou
seja, significa “filho deAba”, “filho do pai” ou “filho do mestre”, assim
como ocorrecom Simão Barjonas, isto é, “Simão filho de Jonas” em
Mateus16:17.
Algunstextos trazem seu nomecomo sendo “Jesus Barrabás” em
Mateus27:17, como aversão siríaca deaproximadamente200 d.C. e
outrosmanuscritosposteriores. A versão NTLH, em português,
também utiliza a mesmaidentificação. Entretanto, não é possível
concluir de formasatisfatória se seu nome, de fato, também era Jesus,
pois as fontespara tal argumento são duvidosas, além de não ser
encontradanenhumareferênciasobre isso nos melhorestextos
antigos.
Algunsestudiososconsideram que a origem dessadiscussão podeter
sido um simpleserro por parte do copista, devido à proximidadedo
nomede Jesusno texto do Evangelho de Mateus.
Os textos bíblicos deixam claro que Barrabásfoi solto devido auma
tradição de se libertar um preso naPáscoa. Curiosamenteesse costume
não é mencionado em nenhum outro lugar forado Novo Testamento.
Analisando as poucasreferênciasbíblicas sobre Barrabás, é possível
perceber queele foi preso por fazer um tipo de terrorismo político
homicida. Isso fica claro no texto deMarcos 15:7, ondesomos
informadosdequeele foi preso juntamentecom outros rebeldes que
acabaram cometendo um assassinato duranteum motim.
Algunssugerem que Barrabástenha sido integrante dos Zelotes,
um partido judaiconacionalistaque defendiaa libertação do povo
judeu dasmãos deestrangeiros opressores, no caso, o Império
Romano. Muitasvezeseles empregavam a violência em suasações.
Para algunscomentaristas, se Barrabás realmentepertencia a esse
grupo, então a rebelião que resultou em suaprisão podeter sido um
ataque a um grupo desoldadosdo império que acabou com a possível
morte deum dos soldados.
A formacom queo evangelista Marcos descreveo delito em que
Barrabás estava envolvido, pareceindicar quefoi umaocorrência que
ganhou certa repercussão naépoca (Mc 15:7). Jáo título “muito
conhecido” empregado por Mateus(Mt 27:16), deixaclaro que
Barrabás já era alguém com certa famaentre o povo, talvez até
reputado como umaespécie de herói, principalmentese seusdelitos
fossem por motivação nacionalista. Seja como for,as referências
bíblicas descrevem Barrabás como sendo um salteador,
perturbador da ordem pública e homicida.
Barrabás e Jesus
A Bíblia mostraque Pilatos tencionavalibertar Jesus,mas os
sacerdotes incitaram apopulação para que a decisão beneficiasse
Barrabás (Mt 27:20; Mc15:8-11). Por fim, sabemoso desfecho da
história. A multidão absolveu Barrabáse exigiu a crucificação de Jesus.
Muitasconjecturas e alegorias já foram feitas na tentativa desupor
qual efeito aquele episódio teria tido na vidadeBarrabás, um
prisioneiro com a morte eminenteem suafrente e que
inesperadamenteteveum inocente crucificado em seu lugar.
Será que ele se converteu ao Evangelho após o ocorrido? Será que ele
nem se importou e voltou a sua prática criminosa? De fato nadase sabe
sobre o que ocorreu com Barrabás, e tais perguntassão impossíveisde
se responder, porém nós, pecadorestão miseráveisquanto Barrabás,
agora, regeneradospelo Espírito Santo, reconhecemos que o Filho de
Deusmorreu em nosso lugar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LIÇÃO 01 2ª trimestre
LIÇÃO 01 2ª trimestreLIÇÃO 01 2ª trimestre
LIÇÃO 01 2ª trimestreSilva Soares
 
Evangelho de marcos
Evangelho de marcos Evangelho de marcos
Evangelho de marcos welingtonjh
 
Parábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e LazaroParábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e LazaroRudimar Ribeiro
 
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundoLição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundoJose Ventura
 
O Pobre Rico
O Pobre RicoO Pobre Rico
O Pobre Ricolucena
 
A Gloria Papal
A Gloria PapalA Gloria Papal
A Gloria Papallucena
 
A igreja de pergamo
A igreja de pergamoA igreja de pergamo
A igreja de pergamoElias Farias
 
Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014
Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014
Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014Gerson G. Ramos
 
Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSA
 Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSA Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSA
Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSAELIAS OMEGA
 
Lição 11APOCALISPE
Lição 11APOCALISPELição 11APOCALISPE
Lição 11APOCALISPELuciana Viana
 
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historiaOs jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historiaREFORMADOR PROTESTANTE
 
Os dois chifres semelhantes ao cordeiro
Os dois chifres semelhantes ao cordeiroOs dois chifres semelhantes ao cordeiro
Os dois chifres semelhantes ao cordeiroDiego Fortunatto
 
LBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRI
LBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRILBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRI
LBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRINatalino das Neves Neves
 

Mais procurados (19)

A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTO
A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTOA CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTO
A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTO
 
LIÇÃO 01 2ª trimestre
LIÇÃO 01 2ª trimestreLIÇÃO 01 2ª trimestre
LIÇÃO 01 2ª trimestre
 
Evangelho de marcos
Evangelho de marcos Evangelho de marcos
Evangelho de marcos
 
Carta à Igreja de Pérgamo no Apocalipse
Carta à Igreja de Pérgamo no ApocalipseCarta à Igreja de Pérgamo no Apocalipse
Carta à Igreja de Pérgamo no Apocalipse
 
Lobos
LobosLobos
Lobos
 
O grande abismo
O grande abismoO grande abismo
O grande abismo
 
Gloria papal
Gloria papalGloria papal
Gloria papal
 
Parábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e LazaroParábola do Rico e Lazaro
Parábola do Rico e Lazaro
 
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundoLição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
Lição 5 Pergamo a igreja casada com o mundo
 
O Pobre Rico
O Pobre RicoO Pobre Rico
O Pobre Rico
 
A Gloria Papal
A Gloria PapalA Gloria Papal
A Gloria Papal
 
A igreja de pergamo
A igreja de pergamoA igreja de pergamo
A igreja de pergamo
 
Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014
Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014
Cristo e a tradição religiosa_Lição_original com textos_322014
 
Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSA
 Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSA Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSA
Mais cedo -O anti-cristo _Mais Cedo_ DR PEDROSA
 
Conhecendo a história
Conhecendo a históriaConhecendo a história
Conhecendo a história
 
Lição 11APOCALISPE
Lição 11APOCALISPELição 11APOCALISPE
Lição 11APOCALISPE
 
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historiaOs jesuitas   rastros de sangue -suas pegadas na historia
Os jesuitas rastros de sangue -suas pegadas na historia
 
Os dois chifres semelhantes ao cordeiro
Os dois chifres semelhantes ao cordeiroOs dois chifres semelhantes ao cordeiro
Os dois chifres semelhantes ao cordeiro
 
LBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRI
LBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRILBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRI
LBA LIÇÃO 1 - A EPÍSTOLA AOS ROMANOS_2016 2 TRI
 

Mais de JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA

Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTOAula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTOJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologoA consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recifeLição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recifeJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9    um lugar de adoração a deus no desertoLição 9    um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 um lugar de adoração a deus no desertoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Aula 11 deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf
Aula 11   deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdfAula 11   deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf
Aula 11 deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdfJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoDeus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitasLição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitasJOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 

Mais de JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA (20)

Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILALicao 4   3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
Licao 4 3 t - 2019 - MORDOMIA DA FAMILA
 
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYERTODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
TODA FAMILIA - ORLANDO BOYER
 
A salvação judaica
A salvação judaicaA salvação judaica
A salvação judaica
 
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
Revista da Escola Dominical - Reforma Protestante 500 Anos - Todos Podem Preg...
 
Lições biblicas do 4 trimestre 2017
Lições biblicas do 4 trimestre 2017 Lições biblicas do 4 trimestre 2017
Lições biblicas do 4 trimestre 2017
 
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
Revista adulto de professor 3º trimestre 2017.
 
Dicionário de acordes violão(port revisado)
Dicionário de acordes violão(port revisado)Dicionário de acordes violão(port revisado)
Dicionário de acordes violão(port revisado)
 
Mil esbocos para_sermoes
Mil esbocos para_sermoesMil esbocos para_sermoes
Mil esbocos para_sermoes
 
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
O Desafio da Evangelização - Revista Lições Bíblicas 3° Trimestre 2016
 
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
QUEM É JESUS CRISTO SEGUNDO AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ?
 
Comentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I CoríntiosComentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I Coríntios
 
Lição 13 o legado de moisés
Lição 13   o legado de moisésLição 13   o legado de moisés
Lição 13 o legado de moisés
 
Aula 13 o legado de moisés em slides
Aula 13   o legado de moisés em slidesAula 13   o legado de moisés em slides
Aula 13 o legado de moisés em slides
 
Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTOAula 12   A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
Aula 12 A CONSAGRAÇÃO DOS SACERDOTES EM SLIDES - JOSE ROBERTO
 
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologoA consagração dos sacerdotes by josé roberto alves   teologo
A consagração dos sacerdotes by josé roberto alves teologo
 
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recifeLição 12 – a consagração dos sacerdotes   1º trimestre 2014 recife
Lição 12 – a consagração dos sacerdotes  1º trimestre 2014 recife
 
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9    um lugar de adoração a deus no desertoLição 9    um lugar de adoração a deus no deserto
Lição 9 um lugar de adoração a deus no deserto
 
Aula 11 deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf
Aula 11   deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdfAula 11   deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf
Aula 11 deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio slide pdf
 
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé robertoDeus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
Deus escolhe arão e seus filhos para o sacerdócio por josé roberto
 
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitasLição 10   as leis civis entregues por moisés aos israelitas
Lição 10 as leis civis entregues por moisés aos israelitas
 

Último

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 

Último (20)

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 

Quem foi o bandido Barrabás solto no lugar de Jesus

  • 1. Quem Foi Barrabás? DanielConegero  Barrabás foi um bandido queacabou sendo solto por Pilatos a pedido da multidão ao invésde Jesus, portanto, Barrabás é conhecido na Bíblia pelo episódio que envolveacrucificação deCristo. Além do pouco relato bíblico sobre ele, não temos mais informaçõessobre quem foi Barrabás. A história de Barrabás na Bíblia Barrabás é citado nos quatro Evangelhos do Novo Testamento (Mateus 27:16; Marcos15:7,15; Lucas23:18,19; João 18:40). O nomeBarrabás vem do aramaico bar abbas, e é um patronímico, ou seja, significa “filho deAba”, “filho do pai” ou “filho do mestre”, assim como ocorrecom Simão Barjonas, isto é, “Simão filho de Jonas” em Mateus16:17. Algunstextos trazem seu nomecomo sendo “Jesus Barrabás” em Mateus27:17, como aversão siríaca deaproximadamente200 d.C. e outrosmanuscritosposteriores. A versão NTLH, em português, também utiliza a mesmaidentificação. Entretanto, não é possível concluir de formasatisfatória se seu nome, de fato, também era Jesus, pois as fontespara tal argumento são duvidosas, além de não ser encontradanenhumareferênciasobre isso nos melhorestextos antigos. Algunsestudiososconsideram que a origem dessadiscussão podeter sido um simpleserro por parte do copista, devido à proximidadedo nomede Jesusno texto do Evangelho de Mateus. Os textos bíblicos deixam claro que Barrabásfoi solto devido auma tradição de se libertar um preso naPáscoa. Curiosamenteesse costume não é mencionado em nenhum outro lugar forado Novo Testamento. Analisando as poucasreferênciasbíblicas sobre Barrabás, é possível perceber queele foi preso por fazer um tipo de terrorismo político homicida. Isso fica claro no texto deMarcos 15:7, ondesomos informadosdequeele foi preso juntamentecom outros rebeldes que acabaram cometendo um assassinato duranteum motim. Algunssugerem que Barrabástenha sido integrante dos Zelotes, um partido judaiconacionalistaque defendiaa libertação do povo
  • 2. judeu dasmãos deestrangeiros opressores, no caso, o Império Romano. Muitasvezeseles empregavam a violência em suasações. Para algunscomentaristas, se Barrabás realmentepertencia a esse grupo, então a rebelião que resultou em suaprisão podeter sido um ataque a um grupo desoldadosdo império que acabou com a possível morte deum dos soldados. A formacom queo evangelista Marcos descreveo delito em que Barrabás estava envolvido, pareceindicar quefoi umaocorrência que ganhou certa repercussão naépoca (Mc 15:7). Jáo título “muito conhecido” empregado por Mateus(Mt 27:16), deixaclaro que Barrabás já era alguém com certa famaentre o povo, talvez até reputado como umaespécie de herói, principalmentese seusdelitos fossem por motivação nacionalista. Seja como for,as referências bíblicas descrevem Barrabás como sendo um salteador, perturbador da ordem pública e homicida. Barrabás e Jesus A Bíblia mostraque Pilatos tencionavalibertar Jesus,mas os sacerdotes incitaram apopulação para que a decisão beneficiasse Barrabás (Mt 27:20; Mc15:8-11). Por fim, sabemoso desfecho da história. A multidão absolveu Barrabáse exigiu a crucificação de Jesus. Muitasconjecturas e alegorias já foram feitas na tentativa desupor qual efeito aquele episódio teria tido na vidadeBarrabás, um prisioneiro com a morte eminenteem suafrente e que inesperadamenteteveum inocente crucificado em seu lugar. Será que ele se converteu ao Evangelho após o ocorrido? Será que ele nem se importou e voltou a sua prática criminosa? De fato nadase sabe sobre o que ocorreu com Barrabás, e tais perguntassão impossíveisde se responder, porém nós, pecadorestão miseráveisquanto Barrabás, agora, regeneradospelo Espírito Santo, reconhecemos que o Filho de Deusmorreu em nosso lugar.