O que é a psicologia social silvia t. maurer lane

15.586 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.586
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
375
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é a psicologia social silvia t. maurer lane

  1. 1. Silvia T. Maurer LaneO QUE É PSICOLOGIASOCIAL
  2. 2. Copyright © by Silvia T. Maurer LaneNenhuma parte desta publicação pode ser gravada,armazenada em sistemas eletrônicos, fotocopiada,reproduzida por meios mecânicos ou outros quaisquersem autorização prévia da editora.Primeira edição, 198122aedição, 1994 7areimpressão, 2009Foto de capa: Carlos AmaroCaricaturas: Emílio DamianiRevisão: José E. AndradeCapa: 123 (antigo 27) Artistas GráficosDados Internacionais de catalogação na Publicação (CIP) (CâmaraBrasileira do Livro, SP, Brasil)Lane, Silvia T. MaurerO que é psicologia social / Silvia T. Maurer Lane. — SãoPaulo : Brasiliense, 2006. — (Coleção primeiros passos ;39)6areimpr. da 22a. ed. de 1994.ISBN 85-11-01039-41. Psicologia Social I. Título. II. Série06-0127 CDD-302Índices para catálogo sistemático :1. Psicologia Social 302editora e livraria brasilienseRua Mourato Coelho, 111 - PinheirosCEP 05417-010 - São Paulo - SPwww.editorabrasiliense.com.br
  3. 3. ÍNDICECapa - Contracapa—Introdução: Psicologia e Psicologia Social . . 7—Como nos tornamos sociais................................ 12—Os outros........................................................ 12—A identidade social ........................................ 16—Consciência de si ........................................... 22—Como apreendemos o mundo que nos cerca . 25—A linguagem .................................................. 25—A história via família e escola............................ 38—A família ...................................................... 38—A escola ......................................................... 46—Trabalho e classe social...................................... 55—O indivíduo na comunidade ............................... 67—A Psicologia Social no Brasil............................. 75—Indicações para leitura ....................................... 85
  4. 4. INTRODUÇÃO: PSICOLOGIA EPSICOLOGIA SOCIAL■Sem entrarmos na análise das diferentes teoriaspsicológicas, podemos dizer que a Psicologia é aciência que estuda o comportamento, principalmente,do ser humano. As divergências teóricas se refletem noque consideram "comportamento", porém para nósbastaria dizer que é toda e qualquer ação, seja a reflexa(no limiar entre a psicologia e a fisiologia), sejam oscomportamentos considerados conscientes queenvolvem experiências, conhecimentos, pensamentos eações intencionais, e, num plano não observáveldiretamente, o inconsciente.Assim parece óbvio que a Psicologia Social deveestudar o comportamento social, porém surge umaquestão polêmica: quando o comportamento se tornasocial? Ou então, são possíveis
  5. 5. comportamentos não sociais nos seres humanos?Cada organismo humano tem suas característicaspeculiares; assim como não existem duas árvoresiguais, também não existem dois organismos iguais.Mesmo que geneticamente sejam idênticos, no caso degêmeos, as primeiras interações dos organismos com oambiente já provocam diferenças entre eles, assimcomo: mais ou menos luz, som, enfim, diferentesestímulos que levam a diferentes reações já propiciamuma diferenciação nos dois organismos.A Psicologia se preocupa fundamentalmente com oscomportamentos que individualizam o ser humano,porém, ao mesmo tempo, procura leis gerais que, apartir das características da espécie, dentro dedeterminadas condições ambientais, prevêem oscomportamentos decorrentes. Como exemplo, sabemosque a aprendizagem é conseqüência de reforços e/oupunições, ou seja, sempre que um comportamento forreforçado (isto é, tenha como conseqüência algo bompara o indivíduo), em situações semelhantes é provávelque ele ocorra novamente. Dizemos então que oindivíduo aprendeu o comportamento adequado paraaquela situação.O enfoque da Psicologia Social é estudar ocomportamento de indivíduos no que ele é influenciadosocialmente. E isto acontece desde o momento em quenascemos, ou mesmo antes do nascimento, enquantocondições históricas que
  6. 6. deram origem a uma família, a qual convive com certaspessoas, que sobrevivem trabalhando em determinadasatividades, as quais já influenciam na maneira deencarar e cuidar da gravidez e no que significa ter umfilho.Esta influência histórica-social se faz sentir,primordialmente, pela aquisição da linguagem. Aspalavras, através dos significados atribuídos por umgrupo social, por uma cultura, determinam uma visãode mundo, um sistema de valores e, conseqüentemente,ações, sentimentos e emoções decorrentes.As leis gerais da Psicologia dizem que se apreendequando reforçado, mas é a história do grupo ao qual oindivíduo pertence que dirá o que é reforçador ou o queé punitivo. O doce ou o dinheiro, o sorriso ou aexpressão de desagrado podem ou não contribuir paraum processo de aprendizagem, dependendo do que elessignificam em uma dada sociedade. Assim tambémaquilo que "deve ser apreendido" é determinadosocialmente.Da mesma forma, as emoções que são respostas doorganismo e, como tais, universais, se submetem àsinfluências sociais ao se relacionarem com o que nosalegra, nos entristece, nos amedronta. O se sentir alegrecom a vitória do time, triste com o filme ou com umamúsica, o ter medo do trovão ou do avião, sãoexemplos que mostram o quanto nossas emoçõesdecorrem desta visão de mundo que adquirimos atravésdos significados das
  7. 7. palavras.Assim podemos perceber que é muito difícilencontrarmos comportamentos humanos que nãoenvolvam componentes sociais, e são, justamente, estesaspectos que se tornaram o enfoque da PsicologiaSocial. Em outras palavras, a Psicologia Social estuda arelação essencial entre o indivíduo e a sociedade, estaentendida historicamente, desde como seus membros seorganizam para garantir sua sobrevivência até seuscostumes, valores e instituições necessários para acontinuidade da sociedade.Porém a história não é estática nem imutável, aocontrário, ela está sempre acontecendo, cada épocagerando o seu contrário, levando a sociedade atransformações fundamentalmente qualitativas. E agrande preocupação atual da Psicologia Social éconhecer como o homem se insere neste processohistórico, não apenas em como ele é determinado, masprincipalmente, como ele se torna agente da história, ouseja, como ele pode transformar a sociedade em quevive.É o que procuraremos analisar nos próximoscapítulos. Inicialmente, veremos como somosdeterminados a agir de acordo com o que as pessoasque nos cercam julgam adequado, e para tanto iremosexaminar dois aspectos intimamente relacionados: osoutros, ou seja, o grupo ou grupos a que pertencemos, ecomo nós, nesta convivência, vamos definindo a nossaidentidade social.
  8. 8. Num segundo momento, analisaremos como seforma a nossa concepção de mundo e das coisas quenos cercam, através da linguagem, e como eladetermina valores e explicações, de modo a manterconstantes as formas de relações entre os homens (aideologia e representações sociais); veremos ainda arelação entre falar e fazer, a mediação do pensamento eo desenvolvimento da consciência social.Em terceiro lugar, uma análise de instituições comofamília, escola, levando à reprodução das condiçõessociais, e em que circunstâncias elas podem propiciar odesenvolvimento da consciência social.Uma ênfase especial será dada para o trabalhohumano, na sua relação com as classes sociais, e emque condições ele pode gerar consciência de classe,fazendo dos indivíduos agentes da história de suasociedade; em seguida, veremos como a PsicologiaComunitária propõe uma ação educativa econscientizadora pelo desenvolvimento de relaçõescomunitárias.Por último, veremos como a Psicologia Social tem sedesenvolvido como ciência, em outras partes do mundoe, principalmente, no Brasil de hoje.
  9. 9. COMO NOS TORNAMOS SOCIAISOs outrosO ser humano ao nascer necessita de outras pessoaspara a sua sobrevivência, no mínimo de mais umapessoa, o que já faz dele membro de um grupo (nocaso, de uma díade — grupo de dois1). E toda a suavida será caracterizada por participações em grupos,necessários para a sua sobrevivência, além de outros,circunstanciais ou esporádicos, como os de lazer ouaqueles que se formam em função de um objetivoimediato.(1) Existem relatos de crianças que foram criadas por animais, comolobos, macacos, etc, adquirindo comportamentos da espécie que ascriou, necessários para a sua sobrevivência. Quando trazidas para oconvívio humano, as suas adaptações, quando ocorreram, foramextremamente difíceis e sofridas.
  10. 10. Assim, desde o primeiro momento de vida, oindivíduo está inserido num contexto histórico, pois asrelações entre o adulto e a criança recém-nascidaseguem um modelo ou padrão que cada sociedade veiodesenvolvendo e que considera correta. São práticasconsideradas essenciais, e, portanto, valorizadas; se nãoforem seguidas dão direito aos "outros" de interviremdireta ou indiretamente. E, quando se fala em "dar odireito", significa que a sociedade tem normas e/ou leisque institucionalizam aqueles comportamentos quehistoricamente vêm garantindo a manutenção dessegrupo social.Em cada grupo social encontramos normas queregem as relações entre os indivíduos, algumas sãomais sutis, ou restritas a certos grupos, como asconsideradas de "bom-tom", outras são rígidas,consideradas imperdoáveis se desobedecidas, atéaquelas que se cristalizam em leis e são passíveis depunição por autoridades institucionalizadas. Estasnormas são o que, basicamente, caracteriza os papéissociais, e que determina as relações sociais: os papéisde pai e de mãe se caracterizam por normas que dizemcomo um homem e uma mulher se relacionam quandoeles têm um filho, e como ambos se relacionam com ofilho e este, no desempenho de seu papel, com os pais.Do mesmo modo, o chefe de uma empresa só o será,em termos de papel, se houver chefiados que,exercendo seus respectivos papéis, atribuam
  11. 11. um sentido à ação do chefe. Ou seja, um complementao outro: para agir como chefe tem que ter outros queajam como chefiados. Esta análise poderia ser feita emtodas as relações sociais existentes em qualquersociedade — amigos, namorados, estranhos na rua, queinteragem circunstancialmente, balconista e freguês —em relação a todos existem expectativas decomportamentos mais ou menos definidos e quantomais a relação social for fundamental para amanutenção do grupo e da sociedade, mais precisas erígidas são as normas que a definem.E a pergunta que sempre ocorre é: e aindividualidade? Aquelas características peculiares decada indivíduo? Afinal, se nós apenas desempenhamospapéis, e tudo que se faz tem sua determinação social,onde ficam as características que individualizam cadaum de nós?A resposta é, mais ou menos, como aquela estória dopai dizendo à filha: "Você pode se casar com quemquiser, desde que seja com o João . . .". Em outraspalavras, podemos fazer todas as variações quequisermos, desde que as relações sejam mantidas, istoé, aquelas características do papel que são essenciaispara que a sociedade se mantenha tal e qual.Existem teorias que definem os papéis sociais emtermos de graus máximos e mínimos, de variaçõespossíveis, e exemplificam com fatos como: a rainhaElizabeth (Inglaterra), na abertura do
  12. 12. Parlamento, desempenha um papel totalmente definido;qualquer ação ou não ação que saia fora do protocologera confusão. Por outro lado, quando Zé da Silva estáem um país estranho, se aventurando por conta própria(sem ser um "turista" -o que já é um papel), sepassando por um cidadão comum, sem ter asdeterminações daquela sociedade e, sabendo que aqualquer momento ele poderá se explicar como sendoestrangeiro, ele se dá o direito de fazer como sente,como gosta, "ele pode ser ele mesmo", ou seja, fazercoisas que não faria se as pessoas o conhecessem, oidentificassem como filho de "fulano", casado com"sicrana", que trabalha na firma X . . .Agora podemos pensar em toda a variedade desituações que nós vivemos cotidianamente ereconhecermos situações em que somos maisdeterminados e outras em que somos menosdeterminados, ou seja, "livres".Esta liberdade de manifestarmos a nossapersonalidade2também tem a sua determinaçãohistórica: naquelas atividades sociais que não sãoimportantes para a manutenção da sociedade, ou, àsvezes, até o contrário, a contravenção é necessária parareforçar o considerado "correto", "normal" — osgrupos considerados "marginais" reafirmam(2) Personalidade entendida como o conjunto de característicasbio-fisio-sócio-psicológicas peculiares ao indivíduo.
  13. 13. os sérios e trabalhadores, desde que não ponham emrisco a ordem da sociedade; então a ordem é: façamcomo quiserem, sabendo que o "querer" é limitado;porém, naquelas situações, as quais podem abalar todoo sistema de produção da sobrevivência social, aliberdade se restringe a um "estilo" (ser mais ou menossorridente, mais ou menos sério, mais expansivo oumais tímido, entre outros). Assim como a rainhaElizabeth na abertura do Parlamento, o trabalhador serelaciona com suas ferramentas e máquinas, com seuschefes e mesmo com seus colegas de trabalho segundoum protocolo muito bem definido, pois, afinal, se elenão o fizer, o outro se sairá melhor, ou ele perderá oemprego.O viver em grupos permite o confronto entre aspessoas e cada um vai construindo o seu "eu" nesteprocesso de interação, através de constatações dediferenças e semelhanças entre nós e os outros. É nesteprocesso que desenvolvemos a individualidade, a nossaidentidade social e a consciência-de-si-mesmo.A identidade socialÉ o que nos caracteriza como pessoa, é o querespondemos quando alguém nos pergunta "quem évocê?".
  14. 14. Procurem responder esta questão antes de continuara leitura, e verifiquem como se define a identidadesocial de cada um na seqüência do texto.Uma jovem adolescente respondeu:"Quem sou euBem, é um pouco difícil dizer quem sou e como sou.Mas posso tentar:Fisicamente sou magra, estatura média, pele muitoclara, olhos esverdeados, cabelos castanhos ecompridos, rosto fino, nariz arrebitado, com cara demoleca, mas corpo de mulher.Psicologicamente sou tagarela, brincalhona,expansiva, briguenta, triste, agressiva e estúpida(minha mãe que o diga).Estou fazendo pela 4ª vez o primeiro colegial, tenho17 anos e completo 18, em outubro, dia 31, sou de1963.Meu signo é Escorpião, geniozinho difícil. Não soufanática por estudos, mas estou tentando.Faço e adoro ballet assim como artes em geral, leiobastante, vou ao cinema mas são poucos os filmesintelectualmente bons, gosto muito de Wood Alen masainda não vi seu último filme Memórias. Em literatura,gosto de romances antigos e de autores brasileiroscomo Mario de Andrade, Cecília Meirelles, GracilianoRamos e Fernando Pessoa entre outros.Gosto de estar sempre a par de tudo, como artes,política, atualidade, economia e tudo que
  15. 15. ocorre ao redor da gente.Sou bem complicada, não?Gosto também de música popular e tenho afeiçãoespecial por Chico Buarque, Milton Nascimento e RitaLee, gosto também de Mozart e Tchaikovsky (isto porcausa do ballet).Tenho como ídolo nº 1 Mikhail Baryshnikov,bailarino russo, atualmente residente nos EUA; édiretor do American Ballet Theatre de Nova Iorque,mas também dança com o New York City Ballet; bem,eu estou falando de mim e não do MISHA (seuapelido), chega de ballet. O que mais posso dizer ...Ah! Não tenho namorado, nem sou apaixonada porninguém, mas gosto de ter amigos e estar semprecercada de gente.Bem, eu sou assim, uma pessoa que faz o que gosta eluta pelo que quer, sonhadora, mas realista, acho quesou alguém indecifrável, sou uma incógnita para mimmesma".O relato acima nos permite caracterizar, em primeirolugar: o sexo, a aparência física e traços depersonalidade que demonstram como ela se relacionacom os outros e dá "dicas" sobre como deve ser o seugrupo de amigos: se estes não forem descontraídos,dificilmente a aceitarão no grupo. A menção da idade edo curso que faz a localizam numa faixa etária, comdeterminado nível educacional, que se complica com amenção do signo e de "não ser fanática por estudo", ouseja,
  16. 16. possivelmente seu grupo preferido de pares não está naescola.O fazer ballet e as coisas de que gosta dizem sobrequais os grupos que são importantes para ela e, semdúvida, indicam toda uma estimulação intelectual que,não vindo da escola, deve estar presente no contextofamiliar, e no grupo de ballet. (Para constatar estasinferências precisaríamos também da sua história devida.)É interessante observar um certo tom de mistério,desde achar difícil dizer "quem é" até se sentir"indecifrável, uma incógnita" — uma forma de não secomprometer definitivamente com uma identidade —ela nos dá o seu potencial e guarda para si os aspectosidealizados para o futuro. Este aspecto da representaçãode si mesmo parece ser uma característica deadolescente do qual não é exigida uma definiçãoprecoce e cujo ambiente social deve enfatizar aautodeterminação do jovem sem impor modelos "bons"a serem seguidos.Vejam este outro texto como ilustra bem estaprocura de preservação:"Eu sou um cara simplesEu sou feioEu sou simpáticoEu sou fácil de se encontrarEu sou difícil de se entender*(*) Grifos nossos.
  17. 17. Eu sou meio cristãoEu sou extrovertido (tímido em certas ocasiões)Eu sou implicanteEu sou um cara que não sabe o que é . . .*Eu sou um cara que gosta de gostarEu sou um cara que detesta politicagemEu sou um cara que adora mexer com odesconhecidoEu sou um cara que odeia racismoEu sou um cara que não gosta de escrever o que é*Eu sou um cara que gosta de fazer xixi na rua"E notem a última frase que parece dizer: "não meamolem, afinal não gosto de escrever a meu respeito",ou "me deixem ser criança".Estes dois relatos enfatizam característicaspeculiares que dizem respeito à maneira de cada um serelacionar com os outros, sendo características queforam sendo apreendidas nas relações grupais; sejamfamiliares e/ou de amigos, através do desempenho depapéis diversificados. E é nessa diversidade que elesvão se descobrindo um indivíduo diferente, distinto dosoutros. Nossos amigos deixaram de ser um, entremuitos da espécie humana e passaram a ser pessoascom características próprias no confronto com outraspessoas — eles têm suas identidades sociais que osdiferenciam(*) Grifos nossos.
  18. 18. Eu não gosto de escrever o que sou e gosto de fazer xixina rua.
  19. 19. dos outros.Consciência de siPara finalizar este capítulo é importante umareflexão sobre o que, de fato, representa a identidadesocial, definida pelo conjunto de papéis quedesempenhamos. Como vimos, estes papéis atendem,basicamente, à manutenção das relações sociaisrepresentadas, no nível psicológico, pelas expectativase normas que os outros envolvidos esperam sejamcumpridas ("sou expansiva, brincalhona" ou,simplesmente, "simpático, extrovertido").É neste sentido que questionamos quanto a"identidade social" e "papéis" exercem uma mediaçãoideológica, ou seja, criam uma "ilusão" de que ospapéis são "naturais e necessários", e que a identidade éconseqüência de "opções livres" que fazemos no nossoconviver social, quando, de fato, são as condiçõessociais decorrentes da produção da vida material quedeterminam os papéis e a nossa identidade social.É diante desta questão que julgamos necessáriolevantar o problema da consciência em si.Se assumirmos que somos essencialmente a nossaidentidade social, que ela é conseqüência de opções quefazemos devido a nossa constituição
  20. 20. biogenética, ou temperamento, ou mesmo atrações depersonalidade, como aspectos herdados geneticamente, semexaminarmos as condições sociais que, através da nossahistória pessoal, foram determinando a aquisição dessascaracterísticas que nos definem, só poderemos estarreproduzindo o esperado pelos grupos que nos cercam ejulgados "bem ajustados".Porém, se questionarmos o quanto a nossa história de vidaé determinada pelas condições históricas do nosso gruposocial, ou seja, como estes papéis que aprendemos adesempenhar foram sendo definidos pela nossa sociedade,poderemos constatar que, em maior ou menor grau, elesforam sendo engendrados para garantir a manutenção dasrelações sociais necessárias para que as relações de produçãoda vida se reproduzam sem grandes alterações na sociedadeem que vivemos. Ou seja, constataremos que nossos papéis ea nossa identidade reproduzem, no nível ideológico (do queé "idealizado", valorizado) e no da ação, as relações dedominação, como maneiras "naturais e universais" de sersocial, relações de dominação necessárias para a reproduçãodas condições materiais de vida e a manutenção dasociedade de classes onde uns poucos dominam e muitos sãodominados através da exploração da força de trabalho.Apenas quando formos capazes de, partindo de umquestionamento deste tipo, encontrar as razões históricas danossa sociedade e do nosso grupo
  21. 21. social que explicam por que agimos hoje da formacomo o fazemos é que estaremos desenvolvendo aconsciência de nós mesmos.Deste modo entendemos que a consciência de sipoderá alterar a identidade social, na medida em que,dentro dos grupos que nos definem, questionamos ospapéis quanto à sua determinação e funções históricas— e, na medida em que os membros do grupo seidentifiquem entre si quanto a esta determinação econstatem as relações de dominação que reproduzemuns sobre os outros, é que o grupo poderá se tornaragente de mudanças sociais. "A consciência individualdo homem só pode existir nas condições em que existea consciência social" (A. Leontiev, O Desenvolvimentodo Psiquismo, p. 88).Porém este processo não é simples, pois os grupos eos papéis que os definem são cristalizados e mantidospor instituições que, pelo seu próprio caráter, estão bemaparelhadas para anular ou amenizar osquestionamentos e ações de grupos, em nome da"preservação social".Mas antes de analisar como as instituiçõesdeterminam nossas ações sociais, é preciso entenderainda alguns aspectos básicos do nosso comportamentosocial: a linguagem, o pensamento, a representação quefazemos do mundo e a própria consciência, comoprocessos psicológicos fundamentais para a nossarelação com os outros.
  22. 22. COMO APREENDEMOSO MUNDO QUE NOS CERCAA linguagem"A linguagem é aquilo através do que se generaliza aexperiência da prática sócio-histórica da humanidade"(Leontiev, op. cit., p. 172).Pelo que tudo indica, a linguagem se desenvolveuhistoricamente quando os seres humanos tiveram quecooperar para a sua sobrevivência. Da mesma formacomo criaram instrumentos necessários para umaprática de sobrevivência, desenvolveram a linguagemcomo forma de generalizar e transmitir esta prática. Otrabalho cooperativo, planejado, que submete anatureza ao homem, só foi possível através dodesenvolvimento da linguagem pelos grupos sociaishumanos.
  23. 23. Nos tempos primitivos, quando os grupos sociaistrabalhavam para a sua sobrevivência com divisõessimples de trabalho, a relação palavra-objetodeterminava significados facilmente objetivados paraaquele "som" ou conjunto de fonemas. Na medida emque as relações entre os homens vão se tornando maiscomplexas, em decorrência de uma complexidademaior na divisão de trabalho, onde o produto pode seracumulado (pois a sobrevivência está garantida),surgindo a propriedade privada, a linguagem também setorna mais complexa; ela deixa de atuar apenas numnível prático-sensorial para ir se tornando tambémgenérica, abstrata, atendendo às novas atividadesengendradas social e historicamente: artes, religião,modas, tecnologias, educação, formas de lazer, etc, eassim a linguagem, instrumento e produto social ehistórico, se articula com significados objetivos,abstratos, metafóricos, além dos neologismos e gíriasde cada época.Até o momento nos referimos apenas à linguagem, àação de falar, porém não podemos esquecer que ela nãoé o único código de comunicação, a ponto de Skinnerdefinir o comportamento verbal como sendo "todoaquele comportamento reforçado através da mediaçãode outras pessoas", e assim incluindo, além do falar, oescrever, os sinais, gestos, código Morse, e até osrituais. Esta definição é muito importante para ressalvaro caráter instrumental da linguagem, que
  24. 24. se, de início, tinha que ser objetiva (coisa =significado), hoje adquiriu uma autonomia tal quepermitiu mais uma divisão de trabalho: a manualversus a intelectual.Vocês dirão que tanto o trabalhador manual como ointelectual usam palavras, gestos, ritos. E, mais, ointelectual não é quem. fala — é quem pensa !Então eu pergunto: vocês já tentaram pensar sempalavras? Não parece o dilema de "quem nasceuprimeiro: o ovo ou a galinha? ".A origem social da linguagem nos dá pistas parauma resposta: a linguagem surge para transmitir aooutro o resultado, os detalhes de uma atividade ou darelação entre uma ação e uma conseqüência. Hoje, nasociedade, as crianças nascem em grupos "falantes" eque só as vão considerar "gentes" quando elas falarem.Mas se vocês observarem nenês, antes delesaprenderem a falar (não apenas emitir sons ouvocalizações), poderão constatar que eles relacionamas coisas: eles pensam sobre as coisas que estão aqui eagora. Experimentem esconder o chocalho debaixo dolençol. Ele vai direto buscar o seu brinquedo debaixodo lençol — isto já é pensar.Sabemos que a complexidade da nossa sociedade éhistórica e que se iniciou com o homem transformandoa natureza e se transformando. De alguma maneira, onosso nenê vai ter que percorrer a história rapidamente.Ele nasceu em uma
  25. 25. socidade que separa o fazer do falar, logo ele tem queser capaz de usar o seu pensar de modo a ser capaz defazer o que os adultos fazem, e, para tanto, ele tem quefalar.Hoje, os estudos sobre o desenvolvimento intelectualmostram como a aquisição da linguagem (oucomportamento verbal, conforme definido acima) écondição essencial para o chamado desenvolvimentointelectual, isto é, ser capaz de generalizações,abstrações, figuração, em outras palavras, superar oaqui e agora: planejando, prevendo, lembrando,simbolizando, idealizando . . .Mas acontece que nós não somos apenaspensadores-falantes; somos, antes de mais nada,fazedores de coisas, de instrumentos que produzemfogo, comida, guerra, beleza e. . . a nós mesmos-fazedores de coisas. Porém, o objeto pensado,idealizado, ainda não existe, é preciso que sedesenvolva uma série de ações físicas sobre as coisasque nos cercam para concretizar o objeto pensado; asua existência é produto da nossa atividade e, aofazê-lo, nossa atividade se objetiva no produto final,enquanto nós nos transformamos neste processo defazer.De fato, é impossível separarmos agir — pensar —falar, e sempre que isto é feito, seja teoricamente, sejaem termos de valores, ocorre uma alienação darealidade; agir sem pensar é ser um autômato; falarsem pensar é ser como um papagaio; falar semagir…"de boas intenções o
  26. 26. inferno está cheio".Retomando, vimos como a linguagem é produzidasocialmente, pela atribuição de significados às palavras.Assim, o grosso dicionário objetiva as palavras com assuas significações, porém elas nada mais têm a ver comos objetos materiais a que se referem. Leontiev dá umexemplo perfeito: "O alimento é, sem dúvida, umobjeto material; no entanto, o significado da palavraalimento não contém um grama de substânciaalimentícia". É nesta distinção entre palavra e objeto, aque se refere, que podemos detectar como a linguagemmuitas vezes se torna uma arma de dominação.A palavra se torna poderosa quando alguma"autoridade" social impõe um significado único einquestionável, que determina uma ação automática.Terwilliger analisa este aspecto da linguagem emsituações como a hipnose, a lavagem cerebral, ocomando militar.No primeiro caso, o hipnotizador tem que obter umapassividade total do hipnotizado ("relaxe, você vaidormir"), ou seja, uma total submissão à sua voz, àssuas palavras, para em seguida sugerir situações e asreações e/ou ações conseqüentes ("hoje está muito frio,está até caindo neve e você sem agasalho", e ohipnotizado reage tremendo de frio, esfregando asmãos, se agasalhando com os braços . . .). Por outrolado, se o hipnotizador falar sobre situações totalmentedesconhecidas ao hipnotizado, seja através dedescrições ou
  27. 27. experiências, provavelmente nada ocorrerá, seria comoalguém falando num idioma totalmente desconhecido;mas a referência a situações conhecidas as torna reaispara o sujeito, mesmo que, para alguém observando defora, elas se apresentem como imaginárias.Quanto ao comando militar, podemos observar quetoda a disciplina e hierarquia militar se baseiam noprincípio de que qualquer ordem é lei, e, sedesobedecida, acarreta necessariamente um dano físico— desde a punição até a morte. A insubordinação énegação da própria instituição: portanto nenhumaordem pode ser questionada e, neste sentido, aspalavras têm só um significado possível, para que aação ocorra automaticamente ao som do comando, istoé, o soldado não pode, nem deve pensar, pois seussuperiores pensam por ele. Todo o seu treinamento foifeito visando assegurar a obediência cega de todos paraque os objetivos finais propostos pela ordem inicial e,gradualmente, operacionalizada pela hierarquia decomando se concretizem pela ação conjunta do "corpo"militar.Nó caso da lavagem cerebral, o processo que ocorreé o de eliminar significados existentes, atribuindo-se àspalavras novos significados, o que é conseguido,impedindo que o prisioneiro se comunique com pessoasque poderiam estar reforçando ou mantendo os seussignificados originais. Ele só pode se relacionar compessoas que não admitam qualquer questionamento eque só
  28. 28. A hipnose em idioma desconhecido: um fracasso.
  29. 29. emitam os novos significados, como sendo os únicospossíveis, mas é preciso que estas pessoas sejamsignificativas para o prisioneiro e, para tanto, criam-secondições físicas e psicológicas de total abandono,através de isolamento, cansaço, fome, etc, para quealguém se torne necessário e a lavagem cerebral sejaeficaz.E é ainda Terwilliger que, jocosamente, comenta queas autoridades militares não sabem como treinar seussoldados para que eles não se submetam tão facilmentea lavagens cerebrais, quando aprisionados. A soluçãono entanto, seria bem simples: é só ensinar o soldado apensar, a questionar as ordens dadas. . . Mas tudoindica que esta seria uma solução jamais endossadapelos comandantes militares.Podemos, então, concluir que a contra-arma do poderda palavra se encontra na própria natureza dosignificado: é ampliá-lo, é questioná-lo, é pensar sobreele e não, simplesmente, agir em resposta a umapalavra. Entre a palavra e a ação deverá sempre existiro pensamento para não sermos dominados por aquelesque detêm o poder da palavra.Cabe ainda uma análise de como a linguagem exercea mediação entre nós e o mundo, na medida em que elapermite a elaboração de representações sociais. Ouseja, é através delas que descrevemos, explicamos eacreditamos na nossa realidade e o fazemos de acordocom o nosso grupo social.
  30. 30. É só ensinar o soldado a pensar, a questionar as ordensdadas. .. Mas...
  31. 31. São representações sociais afirmações como: "a Terratem a forma de uma laranja", "o dia e a noite sãodecorrentes do movimento de rotação da Terra", ouainda, "a nossa vida já vem escrita pelo destino", ou,como dizia uma empregada doméstica, "rico é aquelapessoa que soube poupar".Vocês podem notar que as representações podemestar baseadas em fatos científicos, não observáveisdiretamente, como em crenças, em sugestõespublicitárias, todas dependentes dos grupos sociais comos quais a pessoa convive.Como já vimos, a linguagem existe como produtosocial, e é através das relações com os outros queelaboramos nossas representações do que é o mundo.Quando uma criança, que está começando a usar alinguagem, brinca com uma bola, esta só se constituiráem uma representação quando outras pessoas sereferirem a ela como "bola", "bola você joga, quechuta, que quebra a janela, que rola, que pula". Notemque a representação implica na ação, na experiênciacom um objeto ou situação e nos significadosatribuídos a ela pelas pessoas com que nosrelacionamos, ou seja, a representação é o sentidopessoal que atribuímos aos significados elaboradossocialmente.Mas nem todas as nossas representações se formamtão simplesmente. Pensem, por exemplo, em termoscomo Deus, eternidade, morte, infinito e mesmosociedade, história, classe social, etc.
  32. 32. São representações onde a experiência, a vivência sãoimpossíveis, ou são apenas fragmentos, fazendo comque a mediação social de pessoas, consideradasautoridades, desempenhem uma função essencial naformação da representação e é aqui, como vimos emrelação aos significados da palavra, que surge o poderimpondo representações consideradas necessárias paraa reprodução das relações sociais. É nesse momentoque se dá a transmissão ou imposição da ideologiadominante. Na análise da linguagem, mencionamos ofato observado na nossa sociedade, da distinção entreaquele que "fala" e aquele que "faz", entre o intelectuale o braçal. O primeiro, próximo da classe dominante, eidentificado com ela, é quem se apresenta aos outroscomo autoridade para explicar, justificar, como"conhecedor do mundo", que se caracteriza,basicamente, por falar bem, falar corretamente,característica esta que se generaliza, tornando"autoridades respeitáveis" aqueles que dominam alinguagem bem articulada, correta, etc. São estaspessoas, que na sua identificação com a classedominante elaboram explicações sobre a realidadesocial que sejam coerentes, consistentes entre si, e quejustificam a sociedade tal como ela é; e, na medida emque estas explicações encobrem as relações de poder eas contradições decorrentes, valorizando as relaçõesexistentes, elas exercem uma função ideológicafalseadora, elas idealizam uma realidade, diferente doque ela realmente é.
  33. 33. Obviamente esta produção da ideologia não se dáconscientemente, mas sim em decorrência de uma visãoda sociedade da posição de quem a domina e queprecisa justificar e valorizar sua dominação.Podemos compreender agora por que é tão difícilchegarmos a ter consciência de nós mesmos, comovimos no capítulo anterior, e, mais ainda, como é difícilchegarmos a ter uma consciência de classe. Quando onosso pensamento não confronta as nossas ações eexperiências com o nosso falar, quando apenasreproduzimos as representações sociais que nos foramtransmitidas, e toda e qualquer inconsistência ouincoerência é atribuída a "exceções", a "aspectoscircunstanciais", quando não a particularidadesindividuais, estaremos apenas reproduzindo as relaçõessociais necessárias para a manutenção das relações deprodução da vida material em nossa sociedade.Porém, apenas quando confrontamos as nossasrepresentações sociais com as nossas experiências eações, e com as de outros do nosso grupo social, é queseremos capazes de perceber o que é ideológico emnossas representações e ações conseqüentes. Ou seja,pensar a realidade e os significados atribuídos a ela,questionando-os de forma a desenvolver açõesdiferenciadas, isto é, novas formas de agir, que por suavez serão objeto de nosso pensar, é que nos permitirádesenvolver a consciência de nós mesmos, de nossogrupo social
  34. 34. e de nossa classe como produtos históricos de nossasociedade, e também cabendo a nós — agentes denossa história pessoal e social — decidir se mantemosou transformamos a nossa sociedade.Concluindo, é importante ressaltar a diferençafundamental que existe entre fazer e falar. Só oprimeiro produz objetos e a nossa própria vida; o falaré instrumento que pode não produzir nada, dando aimpressão de que algo está sendo produzido.Tomemos, como exemplo, este livro que você estálendo; mesmo sendo um objeto, um produto, aspalavras aqui contidas só terão um significado social seelas forem capazes de alterar comportamentoscotidianos de algumas pessoas. Se, através dacompreensão de alguns processos, a qual só se dará sevocês se voltarem para a sua própria realidade econfrontarem (pensarem) aquilo que está escrito com oque vocês observam em volta; se, em conseqüência,vocês passarem a agir, a se relacionar com os outros deformas novas, diferentes, poderemos dizer que o falarse tornou fazer.
  35. 35. A HISTÓRIAVIA FAMÍLIA E ESCOLAAgora estamos aptos para analisar a inserção doindivíduo na sociedade, através da sua vinculação agrupos institucionalizados e que determinam,necessariamente, a vida social das pessoas em nossasociedade, caracterizando o conjunto de relaçõessociais que as definem. Inicialmente analisaremos afamília e em seguida a escola, ambas fundamentais noprocesso de socialização e determinantes dasespecificidades próprias das classes sociais, apesardestas instituições proporem normas comuns para todosos membros da sociedade.A famíliaÉ o grupo necessário para garantir a
  36. 36. A família e o controle social.
  37. 37. sobrevivência do indivíduo e por isto mesmo tende aser vista como "natural" e "universal" na sua função dereprodução dos homens. Porém, a ela cabe tambémtanto a reprodução da força de trabalho como aperpetuação da propriedade, tornando-a assimfundamental para a sociedade e, conseqüentemente,objeto de um controle social bastante rigoroso poraqueles que detêm o poder.A instituição familiar é, em qualquer sociedademoderna, regida por leis, normas e costumes quedefinem direitos e deveres dos seus membros e,portanto, os papéis de marido e mulher, de pai, mãe efilhos deverão reproduzir as relações de poder dasociedade em que vivem.Podemos observar na sociedade brasileira que, nafamília nuclear, cabe ao marido e pai o máximo deautoridade; nos casos em que ainda se mantém afamília extensa (onde há convivência com tios, avós,etc), em geral, o máximo de autoridade se concentranos avós. Da mulher sempre se espera submissão,cabendo a ela apenas um poder relativo sobre os filhosem suas relações cotidianas, ficando a responsabilidadedas decisões fundamentais sobre a vida dos filhos, emgeral, para p pai.Também na relação entre os filhos podemosobservar toda uma hierarquia de poder: o mais velhopode mais que o segundo; o filho homem, mais que afilha mulher.Esta estrutura familiar decorre da necessidadehistórica da preservação de propriedades e bens
  38. 38. pela família extensa, levando à instituição damonogamia e à valorização da virgindade da mulher,como condições essenciais para garantir a legitimidadedos filhos, a ponto de, em algumas sociedades, serconsiderado herdeiro apenas o filho mais velho — oúnico que o marido pode ter certeza da sua paternidade,pela constatação da virgindade da mulher.Este aspecto foi tão marcante no desenvolvimento docapitalismo brasileiro que até hoje encontramosalgumas famílias tradicionais — os chamados"quatrocentões" — nas quais, durante várias gerações,só eram admitidos casamentos entre membros daprópria família (entre primos de vários graus e mesmoentre tios e sobrinhos), e assim garantiam a manutençãoe controle dos bens por um mesmo grupo familiar.Com o fluxo imigratório e o desenvolvimentoindustrial, os donos de propriedades produtivas (dosmeios de produção), que eram essencialmenteagrícolas, se vêem obrigados a acordos e concessõesdiante do crescente capital industrial, a fim de manter asua hegemonia de poder, passando então a consolidarestes acordos através de casamentos fora do círculofamiliar. Porém, o poder ainda tem que ser mantido, e éatravés da estrutura familiar que irá inculcar na criançaa figura de "autoridade", de "chefe" — não dizemos o"chefe da família"? — como necessária para amanutenção e reprodução das relações sociais.
  39. 39. É dentro desta lógica que se atribuem tambémcaracterísticas peculiares ao homem e à mulher,consideradas necessárias para a reprodução da família eda sociedade. São atributos que vão desde os físicos atéos de interesses, e que podemos constatar através deexpressões que freqüentemente escutamos em volta denós, tais como:"Menino não chora.""Ela é tão sensível.""Homem tem que ser forte.""Menino não brinca com boneca." Mas, para amenina, se comenta: "Veja só, o instinto maternal . . .""Menino, vá brincar lá fora, o que você está fazendoaqui dentro?" Mas, "menina não brinca na rua"."Menina, você não tem parada, parece um moleque."O rapaz sai e volta de madrugada: "Se divertiu, meufilho?".A mocinha sai e volta de madrugada: "O que osvizinhos vão dizer de você, voltando a esta hora?".E, em relação à autoridade:"Respeite o seu pai, menino.""Não discuta com os mais velhos!""Quando você crescer, você vai entender. . .""Seus pais só querem o seu bem." (Em geral parajustificar uma ordem incompreensível.)Vocês já pensaram por que a Mônica (do Mauríciode Souza) é tão engraçada, enquanto a
  40. 40. Magali é tão "sem graça"? O cômico é sempre oinusitado, o inesperado, e, no caso, a Mônica sendodominadora, briguenta, está fora dos padrões, é "casoúnico". Ela é um bom exemplo do "errado" queenfatiza o "certo"; se não, experimentem chamar umagarotinha de oito anos de idade de Mônica e vejam asua reação . . .Voltando ao nosso indivíduo, que afinal é o enfoqueda psicologia social, vamos analisar como o grupofamiliar atua sobre ele durante o processo denominado,geralmente, de socialização primária.Uma criança recém-nascida depende, para a suasobrevivência, de outras pessoas e é através destarelação que ela vai apreendendo o mundo que a cerca; arelação de dependência que existe entre ela e aquelesque a cuidam faz com que estes sejam extremamenteimportantes para a criança durante o seu processo dedesenvolvimento, pois, no momento em que conseguese perceber distinta do seu meio e dos outros, estaspessoas se tornam os "outros significativos", ou seja,outros com os quais ela se identifica emocionalmente eatravés dos quais vai criando uma representação domundo em que vive, e que para ela é o mundo, semalternativas possíveis. Pela identificação emocionalcom os outros significativos, o mundo deles é o dacriança, existindo, portanto, apenas um mundopossível.O processo aqui é semelhante ao da análise quefizemos da linguagem como arma de poder,
  41. 41. acrecentando-se, nesta situação, um forte componenteemocional-afetivo, além de um processo de generalizaçãoque ocorre em função da coerência existente entre as visõesde mundo e de valores das pessoas que constituem o grupofamiliar.Vejamos um exemplo. Desde cedo a mãe ensina a criançaa não mexer nos enfeites da sala; o "não mexa aí!" da mãe érepetido, em outras ocasiões, pelo pai, pelas tias, pela avó e,assim, a criança vai generalizando que "todo mundo não adeixa mexer naqueles objetos", que "criança não pode mexerneles", até concluir que "não se deve mexer nos objetos queenfeitam uma sala".É assim que se formam aqueles valores que sentimos tãoarraigados em nós, que até parece termos nascido com eles.Esta visão única do mundo e de um sistema de valores só iráser confrontada no processo de socialização secundária, istoé, através da escolarização e profissionalização,principalmente na adolescência, época em que o jovemquestiona os "outros significativos", não por ser uma fasenatural, como muitos pretendem, mas porque através deoutros laços afetivos e através do seu pensamento eexperiências sociais e/ou intelectuais o jovem se depara comoutras alternativas, com outras visões de mundo, que olevam a questionar aquela que ele construiu como sendo aúnica possível.Retornando à análise que fizemos do processo grupai eda consciência de si, poderemos entender
  42. 42. por que a família tende a ser sempre tão preservadora,ou, melhor dizendo, tão conservadora; pois as relaçõesde poder que caracterizam os papéis familiares sãosempre apresentadas como condições naturais enecessárias para a sobrevivência dos filhos, comocondições biológicas, não se distinguindo o que édeterminado histórica e socialmente do que éfisicamente necessário para a preservação da espécie. Éeste aspecto que, via de regra, impede, nos momentoscríticos do grupo familiar, o tomar consciência dospapéis e das relações de poder historicamentedeterminadas, pois estas são vistas como naturais, "opoder é um dever, é uma questão de sobrevivência".Tanto é assim que as "crises" de um casal sãojustificadas por diferenças de temperamento e por"incompatibilidade de gênios", quando não por"crueldade mental" de um dos parceiros, sem sequestionar como eles vêm desempenhando seus papéis,de como se dá a relação de poder entre eles e o quantoestão vivendo e reproduzindo, no âmbito das relaçõesafetivas, as determinações institucionais.A mesma análise pode ser feita para as "crises" entrepais e filhos: "a rebeldia do jovem e a quadratura dosvelhos", são expressões que retratam bem a existênciade uma luta pelo poder, que, apesar das analogias feitascom diferentes espécies de animais (ideologia dasobrevivência do melhor), mantém uma diferençafundamental — os animais
  43. 43. lutam instintivamente para garantir a sobrevivência daespécie, os homens, para a manutenção do poder dealguns, na sociedade em que vivem, o que éinterpretado por algumas teorias sociológicas como"preservação da sociedade"; eles assim agem nãoinstintivamente, mas inconscientemente3.A escolaDa mesma forma que a família, a educação tambémé institucionalizada, ou seja, princípios, objetivos,conteúdos, direitos e deveres são definidos pelogoverno a fim de garantir que, em todos os seus níveis,ela reproduza conhecimentos e valores, necessáriospara a "transmissão harmoniosa da cultura, produzidapor gerações anteriores, para as novas, garantindo odesenvolvimento de novos conhecimentos, necessáriospara o progresso do país". Estamos reproduzindolivremente textos oficiais que definem o nosso sistemaeducacional, para entendermos como a escola,diferentemente da família, atua no processo dereprodução das relações sociais; pois agora não é tantoa autoridade(3) No sentido de não ocorrer o pensar confrontando o significado atribuídosocialmente, e a própria realidade vivida, ou seja, o significado é assumido ereproduzido nas ações.
  44. 44. que tem de ser valorizada, pois esta já foi garantidaatravés da família, mas sim o individualismo e acompetição, mesmo quando se fala em educaçãoobrigatória para todos até a oitava série.Começando pela estrutura de disciplinasprogramadas para cada série, notamos umafragmentação de conhecimentos que vai se tornandocrescente ao longo das séries. De início existematividades que se intercalam, para, gradativamente,assumirem a denominação de "matérias", até asdisciplinas dos cursos profissionalizantes e suasrespectivas especializações. E tudo isto distribuído aolongo dos anos escolares, sendo que no fim de cadasérie ocorre um veredicto: o aluno foi ou não aprovado.Ainda dentro desta estrutura podemos observar que asdisciplinas mais abstratas, mais intelectualizantes, sãomais valorizadas e mais decisivas para a aprovação doaluno, já se caracterizando uma oposição entre trabalhointelectual e trabalho manual.É esta estrutura que irá determinar como se darão asrelações sociais na escola, entre professores e alunos eentre estes e seus colegas. O poder de aprovar oureprovar já coloca o professor numa posição dedominação inquestionável — ele é a autoridadeabsoluta, pelo menos na sala de aula e, investido destepapel, ele extrapola a sua autoridade de "conhecedor doassunto" para todo e qualquer aspecto que entre emjogo na sua relação com os alunos, desde o que éexplicitamente
  45. 45. ensinado até os insinuados valores estéticos, morais,religiosos, reproduzindo assim a ideologia dominantecomo descrição "correta" do mundo.Este padrão dominante tem como conseqüênciadireta o caráter seletivo da escola, pois desde o uso dalinguagem até os exemplos do próprio cotidiano doprofessor serão melhor apreendidos por aqueles alunosque vivem em condições semelhantes, ou seja, têm umamesma concepção de mundo, isto sem considerar osprogramas, propriamente ditos, que enfatizam padrõesvalorizados pela instituição educacional. É desta formaque aquelas crianças cujo ambiente familiar poucacoisa tem em comum com aquele que é trabalhado naescola, se sentem estranhas e marginalizadas pois,sempre que alguns forem capazes de atender àsexpectativas do professor, isto é o bastante para que seestabeleça um padrão de "bom" e "mau" aluno, que vaisendo reforçado ao longo das séries e assimselecionando, não os mais aptos, mas os que seaproximam mais da visão de mundo inerente aospadrões dominantes.Mas, vocês poderão questionar como se explicam oscasos de filhos de lavadeiras, de pais analfabetos, queconseguem "estudar e subir na vida", cursando até aUniversidade? Sem dúvida as exceções existem e atésão necessárias para se justificar a tese de que tudoreside apenas no esforço individual, sem considerar ascaracterísticas circunstanciais que tornaram essa"exceção" tão
  46. 46. bem sucedida. E é também esta tese do esforçoindividual que estimula a competição: quem podemais, consegue o melhor.Diante das exceções realçadas, nos esquecemos dosinúmeros e freqüentes casos de crianças queabandonam a escola e, simplesmente, são justificadaspelos pais em termos de "ele não tem jeito para oestudo", consagrando a separação ideológica entretrabalho manual e trabalho intelectual.Se observarmos a relação que se estabelece entrecolegas, vamos notar que o mesmo ocorre entre eles.Há uma pesquisa realizada4numa escola de 19 grau (5asérie), onde professores haviam instituído como técnicade ensino trabalhos em grupo para que "os mais fortes"pudessem ajudar os "mais fracos" O que se observoufoi que os "mais fortes" reproduziam todos os valores ecomportamentos autoritários do professor, a ponto deafastarem "os mais fracos", atribuindo tarefas que nãopudessem comprometer a qualidade do trabalho dogrupo, como "passar a limpo" ou transcrever trechos delivros — caso típico do "feitiço virar contra ofeiticeiro".Também fora da situação de sala de aula, se observaa tendência dos "melhores" alunos irem se agrupandode um lado e os "piores" de outro, consagrando assimuma diferenciação tida como(4) Por Lea C. Cruz, tese de Mestrado.
  47. 47. natural, quando, de fato, ela tem sua origem na própriaorganização institucional da escola.Tem-se, então, a impressão de um "beco sem saída".Se até o sistema educacional reproduz as relações dedominação social, parece ser impossível qualquertransformação da sociedade. Por outro lado, nãopodemos nos esquecer que as relações de dominaçãoimplicam em contradições geradas pela contradiçãofundamental do sistema capitalista (a luta de classes), eportanto elas estão presentes também no processoeducacional e podem ser detectadas na medida em queo ensino se dê através de situações em que os conteúdosteóricos impliquem numa prática e numa reflexão sobreambos, ou seja, os significados e/ou representações(conceitos, teorias) são confrontados pela interação dossujeitos reais — aprendizes — com o mundo real queos cerca, permitindo assim a elaboração de novossignificados e novas práticas.Em outras palavras, é a escola crítica, a escola ondenenhuma verdade seja absoluta, onde as relaçõessociais possam ser questionadas e reformuladas, o quepropiciará a formação de indivíduos conscientes desuas determinações sociais e de sua inserção históricana sociedade; conseqüentemente, as suas práticassociais poderão ser reformuladas.Um bom exemplo desta escola foi parcialmentevivido em 1968/9. Quando em vários países do mundoo ensino universitário era questionado, no
  48. 48. Brasil o governo preparava um anteprojeto de reformauniversitária, sem qualquer consulta às bases, o quedesencadeou uma série de movimentos entre estudantes eprofessores contra este anteprojeto. Em várias universidadesforam criadas comissões paritárias para efetuarem umaanálise crítica, não apenas do projeto mas das própriascondições pedagógicas existentes: desde conteúdo, métodosde ensino, sistema de avaliação e aprovação, até as relaçõesaluno-professor em sala de aula.Deste questionamento surgiram várias propostas, sendoalgumas realizadas, em caráter experimental, procurando-setransformar a situação de sala de aula numa nova relaçãoonde professor e aluno trabalhavam lado a lado, semimposições de poder, visando a criação de conhecimentos,através de teoria e prática intimamente ligadas (não haviamais aulas expositivas); o sistema de avaliação proposto eraconjunto e contínuo, ou seja, a avaliação conjunta se referiatanto ao aluno, ao professor, às atividades realizadas, comoao próprio programa desenvolvido, enquanto que a avaliaçãocontínua se referia às tarefas, passos ou práticasdesenvolvidas, permitindo ao aluno enfrentar atividadescada vez mais complexas, de tal forma que o próprio alunopodia se auto-avaliar, tirando do professor o poder absolutoda nota — quem avaliava o aluno era o próprio produtorealizado por ele.
  49. 49. Esta experiência durou um semestre. No anoseguinte o poder institucional exigiu um retorno àsnormas vigentes, sob pena do não reconhecimento dediplomas e, portanto, o impedimento de um futuroexercício profissional — foi o suficiente para que todosse submetessem a elas.Porém, pudemos observar que aquelas pessoasenvolvidas no processo, as quais, efetivamente,aceitaram o desafio e procuraram novas formas detrabalho educacional, não regrediram jamais às formastradicionais. No que dependia do professor — elementoconstante — sempre se procurou concretizar a novarelação aluno-professor, sem dominação, semimposição de conhecimentos, mas desenvolvendoatividades conjuntas, avaliadas por todos, diante de umproduto decorrente destas atividades.Não tem sido um processo linear, mas sim umprocesso de acertos, erros, reavaliações, e, apesar dasdeterminações institucionais, cujo peso é sentidocotidianamente, para estas pessoas a mudança foiradical.Também foi interessante observar que, durante omovimento, aqueles professores e alunos quepermaneceram apenas reivindicando "novas condiçõesde ensino", sem desenvolverem uma práticaconseqüente, voltaram, simplesmente, no ano seguinte,para as formas tradicionais de trabalho em sala deaula…O que demonstra que "falar não é fazer", e
  50. 50. que as transformações sociais só ocorremhistoricamente: 1968 foi um momento em queemergiram contradições, mas não a fundamental,decorrente das relações de produção; porém, aconscientização de alguns permitiu tocar a história parafrente, à procura de novas práticas conscientizadoras demuitos — função possível de ser exercida pela escola.É de Leontiev a afirmação de que a "relação entre oprogresso histórico e o progresso da educação é tãoestreita que se pode, sem risco de erro, julgar o nívelgeral do desenvolvimento histórico de uma sociedadepelo nível de desenvolvimento do seu sistemaeducativo e vice-versa".Caberia ainda uma análise de outros grupos deconvivência que são menos institucionalizados, comoos de lazer, mas que também reproduzem as relaçõessociais na atribuição e cristalização de papéis. Basta umexame de quanto qualquer grupo julga ser essencial aexistência de alguém que lidere os companheiros e oquanto "ter características de liderança" é valorizadopor todos, e, se aprofundarmos a questão, veremos queo que está em jogo é a emergência de uma autoridadeque mantenha os vínculos de dominação, mesmo emgrupos onde, aparentemente, todos se propõem comoiguais; porém, fazendo concessões às diferençasindividuais, chegam a afirmar que uns são,necessariamente, melhores que outros e não apenasdiferentes, e assim consagram a relação de dominação.
  51. 51. As diferenças individuais podem responder peladivisão de trabalho, por diferentes atribuições aosmembros do grupo, mas não pela ascendência de unssobre outros.Devemos considerar também o reverso da moeda.Falamos em dominação, autoridade, liderança como se,conscientemente, uns quisessem dominar outros;porém, o que de fato ocorre é que os dominados têmcomo necessário ter alguém que tome as decisões, quepense por eles, em outras palavras, é mais fácil paraeles acompanhar os que pensam, os que tomam ainiciativa, do que assumir a responsabilidade dasdecisões e da própria participação.É na "naturalidade" das relações que podemosconstatar a força da ideologia, que se concretiza noscomportamentos e ações dos indivíduos, e, como jámencionamos anteriormente, a dominação só se exercese houver dominados que a entendam como necessária— o líder é sempre produto dos liderados.
  52. 52. TRABALHO E CLASSE SOCIALÉ necessário retomarmos aqui a origem histórica dasociedade humana, sem a qual não podemos entendercomo o trabalho que modifica a natureza, ao produzir asubexistência do Homem, também produz o homem.Quando tratamos da linguagem, mencionamos a suaorigem relacionada à necessidade de cooperação entreos homens para produzirem seus meios desobrevivência, isto é, o trabalho. Sem dúvida, esteprincípio ainda é válido para os dias de hoje, somenteque, dada a complexidade crescente e as formas comocada sociedade, em cada época, enfrentou suascontradições, foram criadas novas relações de produçãoda vida material, ou seja, formas de sobrevivência quegeram relações sociais necessárias para manter estasrelações de produção.Portanto, a análise do que significa o
  53. 53. trabalho para o indivíduo deverá se basear nascondições atuais da nossa sociedade capitalista5, o quesignifica que a produção dos bens materiais, além deatender a subexistência social, visa o lucro e o aumentodo capital e para tanto deve, necessariamente, explorara força de trabalho de muitos. É no processo deacumulação de bens que o capital se apodera dos meiosde produção, fazendo com que a mercadoria não sejaapenas o produto fabricado, mas também a força detrabalho, e as próprias relações sociais decorrentes, noprocesso — em outras palavras, os homens se tornammercadorias.Desta forma o capitalismo implica na existência deduas classes sociais, uma que detém o capital e osmeios de produção e outra que vende sua força detrabalho, ou seja, é explorada e dominada pelos poucosproprietários de indústrias, fazendas, bancos, etc, quenecessitam do lucro gerado pelo trabalho de muitospara a manutenção do seu poder, através daacumulação crescente de bens.É esta contradição fundamental da sociedadecapitalista que a ideologia dominante procura encobrir,não de forma consciente ou premeditada, masdecorrente da própria divisão de trabalho em intelectuale manual, cabendo à classe dominante o pensar aprópria sociedade, e assim, decorrente(5) Veja Indicações para Leitura.
  54. 54. da sua posição social, criar explicações a partir de umavisão fragmentada da sociedade. Nenhum patrãoconcordaria em afirmar que ele explora o trabalhador,ao contrário, ele provavelmente dirá que os homens sãonaturalmente diferentes, apesar das condições seremiguais para todos, e que uns são mais aptos e capazesque outros para certas funções, e que em qualquersociedade é necessário existir os que decidem e os queexecutam, etc, etc.Resumindo, podemos ver como através do trabalhoprodutivo da sociedade se constituem classes sociaisantagônicas, que, por sua vez, determinam as relaçõessociais entre os indivíduos. Conforme o lugar onde oindivíduo se inserir, Hele será esperado o desempenhode determinadas atividades que garantam a manutençãodas relações de produção e, conseqüentemente, asclasses sociais como tais.É dentro deste contexto que iremos analisar, no nívelpsicossocial, o significado de trabalho, como atividadesrealizadas por indivíduos; atividades estas produzidaspela sociedade à qual eles pertencem.No nível individual a atividade decorre de umanecessidade sentida e objetivada em coisas. Sente-sefome, sente-se a necessidade de comer algo. Se o nossosujeito estiver no mato, este algo será, provavelmente,uma fruta e sua atividade se caracterizará por umaseqüência de ações ou
  55. 55. comportamentos de procura, de se dirigir para um localonde haja árvores frutíferas. Se o nosso indivíduoestiver em sua casa, suas ações o levarão até ageladeira, onde há uma fruta ou outro petiscoimaginado. Se ele estiver no centro da cidade, irá atéuma lanchonete onde comprará um sanduíche.Este exemplo simples mostra como uma atividade édesencadeada por uma necessidade, o que se constituinuma seqüência de comportamentos, que, dependendodas condições objetivas, visam um fim específico. Oque significa que qualquer atividade é objetivada, sejaquando ela é desencadeada pelo pensamento de "quero,ou preciso de um objeto real", seja quando ela se traduznuma seqüência de ações visando um fim, isto é, aobtenção do objeto real.Voltemos ao nosso indivíduo inserido numa classesocial de uma sociedade capitalista, onde a produção,depois de atender às necessidades de sobrevivência,cria novas necessidades de consumo e,conseqüentemente, objetos que satisfaçam estasnecessidades; a sua atividade dependerá essencialmentedas condições objetivas de vida, e agindo sobre elas astransforma, produzindo coisas que inicialmente forampensadas ou imaginadas e que, quando concretizadas,trazem em si a atividade objetivada, ou seja, o objetoestá impregnado da atividade do homem, assim comona ação de fazer o objeto o homem se modifica.
  56. 56. Da mesma forma que se diz, genericamente, que ohomem ao transformar a natureza se transforma,podemos constatar que o indivíduo, ao produzir umobjeto, transforma uma matéria que se torna coisaatravés da sua atividade, e pela própria atividadedesenvolvida ele, indivíduo, se transforma.Esta análise da atividade nos permite apontar para aimportância vital do trabalho humano, pois é atravésdele que nos objetivamos socialmente, e é tambématravés dele que nos modificamos continuamente, ouseja, nos produzimos, nos realizamos.A principal característica do trabalho nas sociedadesatuais é que ele se realiza utilizando instrumentos, oque torna a atividade necessariamente social, pois o usode instrumentos, como já vimos, pressupõe cooperaçãoe comunicação entre os homens; assim, se oinstrumento nos liga ao mundo das coisas, ele tambémnos liga a outros indivíduos, produzindo a linguagem eo pensamento, o qual, por sua vez, produzirá atividadese ações que se concretizam nas relações sociais.Vejamos uma situação corriqueira, em que alguémsente frio e pensa em um agasalho. Para tanto eleprecisará de lã, agulhas e saber tricotar — observem osocial na produção dos objetos e na técnica do tricô; asua atividade irá se desenvolver numa seqüência decomportamentos que resultará num agasalho real, quede início só
  57. 57. existia em seu pensamento. Porém, ele só poderia tersido pensado se, nas condições de vida de nossosujeito, este já houvesse se deparado com lãs, agulhas epessoas tricotando. Pronto o agasalho, nosso amigo oveste e, ao mesmo tempo em que se sente protegido dofrio, também se apresenta aos outros de uma formadiferente; podemos imaginar o diálogo:—Blusa nova? É bonita.—Você gosta? Fui eu quem fiz.—Não diga! Você me dá a receita?E o nosso personagem se relaciona com outros,sendo alguém que fez o seu agasalho . . .Podemos constatar que a separação entre trabalhomanual e trabalho intelectual se dá apenas no nívelideológico, pois qualquer atividade implica no pensarsobre aspectos da realidade e em ações concretas narealidade objetiva, a qual, por sua vez, será pensada,agora, sob uma nova perspectiva, resultante detransformações ocorridas tanto no indivíduo como naprópria realidade.O provérbio de que "ninguém se banha duas vezesnum mesmo rio" é válido tanto para as águas do rioquanto para aquele que se banha: nem o rio, nem ohomem são os mesmos num segundo banho . . .Se examinarmos as condições de trabalho existentesna nossa sociedade e as atividades exigidas para a suarealização, poderemos entender melhor como seprocessa, ao nível individual, a alienação
  58. 58. ou a consciência social.Tomemos como ponto de partida um operário, numafábrica, na linha de montagem. Ele tem diante de siuma máquina, que determina uma seqüência de açõesque devem ser realizadas por diferentes indivíduos: umcoloca uma peça, outro aperta o parafuso, um terceiroajusta outra peça, e assim por diante. Nesta atividadeprodutiva temos um conjunto de ações distribuídas porvárias pessoas: a que pensou, que planejou o produto,não é quem o fabrica; as ações de cada um sãodeterminadas pela máquina, desvinculando a ação doseu fim, objetivado no produto.O que ocorre então com este operário? Ele pensasobre o produto que está fabricando, ele pensa arespeito da máquina que o controla, mas nas relaçõesde trabalho este seu pensar é irrelevante — "há gentepaga para pensar"; na atividade que resultará emproduto, ele participa, através de uma e sempre mesmaação, de uma cadeia complexa de ações. A cooperaçãoentre muitos é mediada pela máquina e não mais pelacomunicação, e o produto final tem tão ínfima parcelade sua atividade que ele não se reconhece no objetofabricado.É neste processo que o trabalhador sedespersonaliza, se torna parte da máquina; suas açõessão apenas força de trabalho que ele vende, sãomercadorias e como tal alienáveis-alienadas, na
  59. 59. medida em que ele deixa de pensar suas próprias açõesem termos de cooperação existente entre ele e seuscolegas, pois esta é oculta pela máquina, instrumentoque participa na realização de uma atividade que geraum produto.Quanto ao operário, sua atividade cotidiana seresume em ir para o trabalho, despender suas energiasfísicas, voltar para casa, tendo como fim de uma longasérie de ações o salário mensal ou quinzenal, presentenum dinheiro impessoal, mas que garante a suasobrevivência.Esta atividade produtiva implica também formas derelacionamento social, pois, estando a cooperaçãonecessária para a produção encoberta pela presença damáquina, o indivíduo se sente só no seu trabalho, querepresenta o salário e que ele conseguiu concorrendo auma vaga, com outros candidatos; o seu colega detrabalho é, antes de tudo, portanto, um rival, e um rivalque se multiplica por todos aqueles que,potencialmente, o podem substituir — ele está sozinhona luta pela vida.Esta situação é reforçada pela ideologia dominanteque, se de um lado afirma a igualdade dos homens, deoutro diz que é o esforço, a dedicação e a tenacidadeque fazem de uns mais bem sucedidos que outros; e onosso trabalhador continua na sua luta isolada à procurade uma vida melhor, certo de que, competindo,demonstrará que é um indivíduo melhor que outros,sem perceber
  60. 60. que o mesmo ocorre com seus companheiros.Em maior ou menor escala, a nossa sociedade,capitalista, industrializada e complexa, promove estadissociação do homem do produto de sua atividade,gerando a moral de que o objeto, o instrumento, não ébom nem mau: tudo depende do que as pessoas farãocom ele, como se estes não trouxessem em si aatividade e o subjetivo de homens concretizados noproduto. Hoje o homem continua transformando omundo que o cerca, mas não cabe a ele decidir sobreesta transformação... É a contradição fundamentalgerada pelo capitalismo, que, no nível individual, semanifesta através da alienação.A mesma fragmentação que observamos no trabalhodo operário, também pode ser observada no trabalhodito especializado, seja no nível técnico, seja no nívelintelectual. Quando acima afirmamos que "não cabe aele decidir..." é porque haverá "especialistas" que irãoanalisar, cada um, certos aspectos da transformação,para dizer se ela é boa ou má. Como exemplo,poderíamos citar os especialistas sobre a poluição domeio ambiente, que a detectam como um fenômenonatural, e procuram corretivos, como se esta não fosseproduzida socialmente.O mesmo fato podemos constatar em relação aotrabalho intelectual especializado. Se ao operário énegado o pensar a sua atividade, ao intelectual é negadoo fazer. A ele cabe apenas
  61. 61. produzir idéias, desenvolver estudos, para algunspoucos, em geral detentores do poder na sociedade, eque entendem a linguagem abstrata, esotérica dointelectual, e que farão o uso desta produção de acordocom perspectivas da classe social a que pertencem. E,observe-se que quanto mais especializado for o estudo,mais ele se atém a uma linguagem hermética, quepoucos entendem.Se retornarmos à análise da atividade humana, quepensada subjetivamente se objetiva em um produto,transformando o próprio homem e, na medida em queesta atividade, numa sociedade complexa, só podeocorrer pela comunicação e cooperação entre muitos,implicando necessariamente a transformação doshomens, e, em decorrência, das suas relações sociais,fica clara a lógica da fragmentação necessária para amanutenção das relações de produção, ou seja, osdetentores do capital explorando a força do trabalho demuitos e, assim, mantendo a hegemonia do poder.Enquanto o homem não recuperar para si a suaatividade que é, psicológica, social e historicamente,pensamento e ação, e que só ocorre através da suarelação com os outros homens, concretizando opensamento na comunicação e a atividade em açõescooperativas, ele estará alienado de sua própriarealidade objetiva, com uma falsa consciência social e,conseqüentemente, com uma falsa consciência de si.
  62. 62. No capítulo anterior mostramos como a instituiçãocristaliza relações de poder, reproduzindo as relações sociaise as relações de produção. No caso do trabalho, a mesmalinha de análise poderia diluir o seu aspecto fundamental naprodução da própria existência humana. Partimos daatividade como característica essencial da vida humana, que,capaz de se pensar, é também capaz de açõestransformadoras da sociedade em que vive, as quais sóocorrerão através da recuperação do próprio trabalho, naparticipação da produção material da sobrevivência social.Porém, se partíssemos da institucionalização do trabalho,e da definição de papéis, veríamos a atividade produtivacomo uma entre outras possíveis, escondendo o seu caráterfundamental, tanto para a realização de cada ser humano,como para a existência da sociedade. O trabalho social,assim como a atividade do indivíduo, é a própria vidahumana que se constrói continuamente. A qualidade destaconstrução dependerá sempre da comunicação e cooperaçãoentre os homens, e somente através destes é possívelrecuperar a história e detectar a contradição fundamental narelação de dominação de uma classe social por outra classe.A seqüência da nossa análise permite constatar um fatocrucial: a consciência de si, a consciência social e aconsciência de classe são apenas produtos de um únicoprocesso, decorrente da atividade
  63. 63. humana, que é pensamento e ação, teoria e prática, quese concretizam através da cooperação entre os homensna produção de suas próprias vidas.
  64. 64. O INDIVÍDUO NA COMUNIDADESe o capítulo anterior sobre o trabalho apresentou umquadro onde as saídas parecem ser poucas e difíceis,neste analisaremos as propostas da PsicologiaComunitária, que vêm sendo sistematizadas, dentro daPsicologia Social, como atividades de intervenção quevisam a educação e o desenvolvimento da consciênciasocial de grupos de convivência os mais diversos. Énecessário lembrar que, apesar de central para a vida deum indivíduo, o trabalho remunerado não é a únicaatividade socialmente produtiva que ele desenvolve; háuma série de necessidades que não são satisfeitasexclusivamente através do salário, e que podem sermotivos para o agrupamento de pessoas visando a suasatisfação.É em torno destas atividades que a PsicologiaComunitária propõe uma sistemática de
  65. 65. intervenção, principalmente em sociedades capitalistas,onde a mediação da ideologia dominante se faz sentir nasrelações sociais desempenhadas na família, na escola e notrabalho, impedindo ou dificultando a criação de novasformas de relacionamento.Desenvolver relações sociais que se efetivem através dacomunicação e cooperação entre pessoas, relações onde nãohaja dominação de uns sobre outros, por meio deprocedimentos educativos e, basicamente, preventivos, setornou o objetivo central de atividades comunitárias, asquais podem ocorrer em uma casa, com pessoas criandonovas relações "familiares", em escolas, hospitais e mesmoentre um grupo de vizinhança ou de bairro, desde que estesse identifiquem por necessidades comuns a serem satisfeitas,através de atividades planejadas em conjunto e queimpliquem em ações de vários indivíduos, encadeadas paraatingir o objetivo proposto.O caráter educativo decorre da reflexão que é feita sobreo porquê das necessidades, de como as atividades vêm sendorealizadas, ou seja, como as ações se encadeiam e queresultados são obtidos, tornando possível a todas as pessoasenvolvidas recuperarem, através do pensamento e ação, dacomunicação e cooperação entre elas, as suas históriasindividuais e social, e conseqüentemente, desenvolverem aconsciência de si mesmas e -de suas relações historicamentedeterminadas.
  66. 66. Quando um grupo de pessoas se reúne para discutirseus problemas, muitas vezes sentidos como exclusivosde cada um dos indivíduos, descobrem existiremaspectos comuns, decorrentes das próprias condiçõessociais de vida; o grupo poderá se organizar para umaação conjunta visando a solução de seus problemas. Eaquelas necessidades, que sozinhos eles não podiamsatisfazer, passam a ser resolvidas pela cooperaçãoentre eles.O nosso cotidiano tem apresentado inúmerosexemplos deste processo: desde grupo de mães,organizando e mantendo creches para seus filhos,mutirões entre moradores de um bairro para construçãode locais para lazer, ou mesmo de moradias, atéorganizações de grupos para reivindicar água, luz,esgoto, etc.É preciso salientar que a atividade comunitária, por sisó, não supera a contradição fundamental docapitalismo, pois esta decorre das relações de produção,que definem as classes sociais; porém é através daparticipação comunitária que os indivíduosdesenvolvem consciência de classe social e do seupapel de produtores de riquezas, que não usufruem, e,em conseqüência, podem, gradativamente, irem seorganizando em grupos maiores e mais estruturadosvisando uma ação transformadora da história de suasociedade.O desenvolvimento de uma comunidade se dá deforma lenta, com avanços e recuos, pois o
  67. 67. sistema social mais amplo a todo momento exercepressões, diretas ou indiretas, para a manutenção desoluções individualistas, promovendo a competição,valorizando status e prestígio de posse da propriedade.Basta assistirmos algumas novelas e propagandas natelevisão para percebermos algumas pressões nestesentido.Além destas influências sociais mais amplas, há todoum processo de aprendizagem das pessoas envolvidasnuma experiência comunitária. O se defrontar com osoutros, o se descobrir diferente, único e, ao mesmotempo, assumir a igualdade de direitos e deveres, aresponsabilidade de pensar, de decidir e de agir, é umprocesso que se desenvolve através de práticas ereflexões sucessivas. Não há receitas, nem técnicaspré-definidas, cada grupo desenvolve um processopróprio, em função das suas condições reais de vida edas características peculiares dos indivíduosenvolvidos.Transformar as relações sociais apreendidas nafamília, na escola, não é fácil, pois elas se apresentamcomo espontâneas no cotidiano, e, quando menos sepercebe, relações de dominação entre as pessoas estãoocorrendo. Se não houver uma reflexão conjunta, umpensamento crítico, e atividades que permitam o"treino" destas novas relações, o grupo comunitário seseparará, cada um cuidando de seus problemasindividuais, esperando que Deus cuide de todos.Podemos ver que a presença e a força da
  68. 68. ideologia dominante é uma constante que não se revelade um momento para o outro, mas que vai sendosuperada lentamente, em função de cada atividaderealizada que, repensada, leva a novas atividades. Aforça da ideologia se dá não apenas na representação demundo, mas nas ações decorrentes destasrepresentações.É o que explica por que tantas experiênciascomunitárias falharam, principalmente aquelas onde asrelações são mais íntimas, como as implícitas em morarjuntos para a manutenção do cotidiano. Comer, limpar,arrumar a casa, cuidar de roupa, exigem uma divisão detrabalho e de despesas, de uma forma equitativa entretodos, mas também exigem manter vínculos com asociedade onde este grupo de pessoas vivem, tornandoextremamente difícil para elas desempenhar papéisesperados no seu trabalho, nas atividades com outrosgrupos de pessoas e, entre as quatro paredes damoradia, viverem novas formas de relações sociais,como se o mundo não existisse lá fora.O trabalho remunerado e todas as suas implicações,como prestígio, ascensão, e, principalmente, oconsumir — necessidades criadas pelo capitalismo —constantemente estão minando e influindo nas relaçõessociais que se propõem comunitárias. Aceitardiferenças individuais, mantendo relações de igualdade,ou melhor, de não dominação, em uma sociedade ondeas diferenças
  69. 69. são valorizadas em termos de competição, torna-se algoextremamente difícil.A atividade comunitária numa sociedade de classesantagônicas pode ser comparada com uma situação emque estivéssemos com um pé em cada barco, descendoum rio — só chegaremos a um lugar seguro se cadamovimento for pensado e revisto para se decidir sobreo próximo, e ainda assim haverá desvios, impasses,para, lentamente, avançarmos até o ponto desejado.Se o conviver de algumas pessoas, igualitariamente,em uma casa, é tão difícil, pode-se imaginar asdificuldades existentes para que instituições se tornemcomunidades, tais como escolas, hospitais e outras.Porém, convido-os para uma visita a um hospitalpsiquiátrico.Há alguns quilômetros de um centro urbano,chega-se a um grande portão, aberto para uma avenida,cercado por gramados, que leva a edifícios antigos,com grades nas janelas, mas com as portas abertas. É aala dos homens: ao entrarmos em um deles vemos, noterraço, alguns pacientes em cadeiras de balanço, lado alado. Eles nos olham, sorriem, falam coisas que nãoentendemos bem. Entramos nos dormitórios onde hávárias camas, arrumadas, limpas, mas vazias. No prédiovizinho há uma exposição de pinturas, todas feitas porpacientes; chamando a atenção os motivos freqüentessobre astronautas, castelos de fadas,
  70. 70. abstratos — todos muito elaborados.Continuando por avenidas, chega-se a prédios deconstrução mais recente; são as oficinas onde sefabricam sapatos, bolsas, cintos e uma infinidade deobjetos, todos produzidos pelos pacientes, cada umescolhendo uma atividade e executando-a no seu ritmo.Alguns nos mostravam, orgulhosos, o conjunto de seustrabalhos, respondendo a nossas perguntas,entremeando risos e silêncios.Em um outro prédio havia cabeleireiros, manicures,pedicures, atendendo e sendo atendidos por homens emulheres — todos pacientes. Mais adiante, na ala dasmulheres, chamaram a atenção os dormitóriosenfeitados com gravuras nas paredes e bonecas nascamas, tudo sempre limpo e arrumado; as salas de estarconfortáveis, com as portas-janelas abertas paraterraços que dão para gramados verdes e bem cuidados.No final da visita assistimos a um show musical,apresentado pelos pacientes, que tocavam — emconjuntos, cantavam em corais ou solos — músicaslatino-americanas.Durante todo o tempo da visita sentia-se umambiente descontraído, de respeito mútuo e, se épossível ocorrer em um hospital psiquiátrico, umaatmosfera alegre. E tudo isto como decorrência de umaprática comunitária, onde médicos, enfermeiras,psicólogos, pacientes se relacionam em base deigualdade; os pacientes, estimulados a participarem emtrabalhos pelos quais são
  71. 71. remunerados, mantêm vínculos com a realidade,sentindo-se úteis e respeitados. Esta propostaestende-se além do hospital, envolvendo as famílias dospacientes, preparando-os para as visitas ou para asaltas.Uma instituição deste tipo, porém, só é possível emuma sociedade que se propõe a ser toda ela estruturadaem relações comunitárias e onde o cidadão respeitávelé aquele que participa de grupos que decidem sobre ocomum e que trabalha produtivamente para o bem detodos. Onde o anti-social é aquele cujas ações visamapenas benefícios próprios, considerando-se melhorque os outros. Esta sociedade é Cuba que, em apenasvinte anos de História, conseguiu garantir para todos osseus membros saúde e educação.
  72. 72. ■A PSICOLOGIA SOCIAL NO BRASILAugusto Comte, considerado por muitos o fundadorda Psicologia Social, escreveu longas obras sobre anatureza das ciências (1830-1834), nas quais o psíquicoseria o objeto de estudo da Biologia, da Sociologia e daMoral, todas ciências abstratas, que forneceriam ossubsídios para as ciências concretas, e entre elas estariaa Psicologia Social, como subproduto da Sociologia eda Moral; para ele, seria a ciência que poderiaresponder a uma questão fundamental: "Como pode oindivíduo ser, ao mesmo tempo, causa e conseqüênciada sociedade?".A Psicologia Social só iria se desenvolver comoestudo científico, sistemático, após a Primeira GuerraMundial, juntamente com outras ciências sociais,procurando compreender as crises e
  73. 73. convulsões que abalavam o mundo. Um desafio eraformulado aos cientistas sociais: "Como é possívelpreservar os valores de liberdade e os direitos humanosem condições de crescente tensão social e dearregimentação? Poderá a ciência dar uma resposta?"6.E os psicólogos sociais se puseram a campo paraestudar fenômenos de liderança, opinião pública,propaganda, preconceito, mudança de atitudes,comunicação, relações raciais, conflitos de valores,relações grupais, etc.É nos Estados Unidos, com sua tradição pragmática,que a Psicologia Social atinge o seu auge, a partir daSegunda Guerra Mundial, através de pesquisas eexperimentos que procuravam procedimentos e técnicasde intervenção nas relações sociais para garantir umavida melhor para os homens. Os temas de estudocontinuavam sendo os mesmos; partindo ou não desistemas teóricos da psicologia, todos se voltavam paraa procura de fórmulas de ajustamento e adequação decomportamentos individuais ao contexto social.A sociedade era um dado, um pano de fundo de umcenário, onde o indivíduo atuava, e desta formaprocurava-se explicar o seu comportamento por"causas" internas, tais como traços de(6) W. Allport, "The Historical Background of Modern SocialPsychology", in Lindzey, G e Aronson, E, The Handbook of SocialPsychology, Addison-Wesley Pub. Co., USA, 1968.
  74. 74. personalidade, atitudes, motivos, quando não porinstintos. É uma Psicologia Social que isola oindivíduo, criando uma dicotomia entre ele e asociedade — um poderia influenciar o outro, mas setratavam de dois fenômenos distintos.Durante a década de 1950, parecia que a PsicologiaSocial daria respostas a todos os problemas sociais, eeste clima de otimismo persistiu durante os primeirosanos após 1960, sem que se observasse grandesmudanças; o preconceito continuava gerandoviolências; nas fábricas, as greves se sucediam; nocampo, a miséria aumentava e, nos centros urbanos, ohomem se desumanizava. O acúmulo de dados depesquisas vai permitir uma análise crítica dosconhecimentos até então obtidos, constatando-se que,se um estudo afirmava a relação positiva entre duasvariáveis, um outro estabelecia uma relação negativaentre elas, e um terceiro demonstrava não haverqualquer relação entre as duas.A proposta inicial de se acumular dados de pesquisaspara depois se chegar à formulação de teoriasglobalizadoras, se mostrou inviável e começam a surgircríticas e questionamentos que irão caracterizar a "criseda Psicologia Social" — título de vários artigospublicados nos Estados Unidos e em países da Europa.É na Europa, principalmente na França e naInglaterra, onde surgem, no final da década de 60, ascríticas mais incisivas à Psicologia Social
  75. 75. norte-americana, denunciando o seu caráter ideológicoe, portanto, mantenedor das relações sociais.Obviamente, nada poderia ser alterado nas condiçõessociais de vida de qualquer sociedade, se a base fossemos conhecimentos desenvolvidos até aquele momento.Nos países da América Latina, a Psicologia Social,em maior ou menor grau, reproduzia os conhecimentosdesenvolvidos nos Estados Unidos, aplicando-se osconceitos e adaptando-se técnicas de estudo e deintervenção às condições próprias de cada país,enquanto as pesquisas ditas "puras" continuavam àprocura de "leis universais", que devem reger ocomportamento social de indivíduos.Há um livro publicado no México, intituladoPsicologia Social en America Latina, compilandopesquisas realizadas em vários países do continente;salvo raras exceções, a maioria dos relatos se referemao uso de questionários, testes, outros procedimentosutilizados em pesquisas realizadas nos Estados Unidose cujos resultados são analisados em comparação comestes, sem acrescentar nada de específico de cada umdos países.A crise da Psicologia Social é denunciada noCongresso de Psicologia Interamericana, realizado em1976 em Miami, com a participação de psicólogossociais de vários países da América Latina, os quaisesboçam algumas críticas metodológicas e teóricas,porém sem contribuírem com qualquer propostaconcreta para a superação dos impasses.
  76. 76. No Congresso seguinte, em 1979, ocorrido em Lima,Peru, a situação se apresentou outra — as críticas erammais precisas e novas propostas surgiram, visando umaredefinição da Psicologia Social. Para este encontro,organizamos um Simpósio sobre a Pesquisa emPsicologia Social na América Latina, e através dereferências de colegas contatamos com cientistas doMéxico, do Peru e do Brasil para que participassem,relatando os problemas sentidos e as perspectivasexistentes para o pesquisador, em cada um dos seuspaíses. Cada um de nós preparou a sua apresentação,sem maiores informações ou contatos.Em Lima, nos encontramos na apresentação doSimpósio, e desde as primeiras palavras formuladasfomos percebendo uma estranha coincidência: eramtrês visões, mas através de uma só perspectiva, entrerepresentantes de três países com pouco intercâmbiocientífico, mas com condições de trabalho semelhantes,que geraram posturas semelhantes.No final do Simpósio ressaltamos esta coincidência,chamando a atenção do seu significado, para o quedeveria ser uma Psicologia Social voltada para ascondições próprias de cada país latino-americano, edescobrimos que muitos outros psicólogos sociais seidentificavam conoscoAinda neste Congresso foi discutido na Assembléiada Associação Latino-Americana de Psicologia Social— Alapso — a necessidade de maiores
  77. 77. intercâmbios, em primeiro lugar, entre cientistas decada país para, em um segundo momento, fortalecer aentidade mais ampla.No Brasil, se reproduz o quadro descrito para aAmérica Latina. A influência maior, na psicologia, foisempre a norte-americana, através de seus centros deestudos, para onde iam se aperfeiçoar cientistas eprofessores, ou de onde vinham professoresuniversitários, convidados para cursos em nossasFaculdades, como foi o caso do Professor OttoKlineberg, que introduziu a Psicologia Social naUniversidade de São Paulo, ainda na década de 50.E, por sinal, o primeiro livro de Psicologia Socialpublicado no Brasil foi a tradução da obra deKlineberg, em 1959, contendo tópicos como Cultura ePersonalidade, Diferenças Individuais e Grupais,Atitudes e Opiniões, Interação Social e Dinâmica deGrupo, Patologia Social e Política Interna eInternacional.Esta Psicologia Social continuou sendo ensinada,com pequenas reformulações devido a novas pesquisas,nos cursos de Psicologia, criados a partir de 1962, semgrandes alterações. A insatisfação existia, mas semconteúdos alternativos. O que se procurava fazer eraconfrontar teorias, conceitos, resultados de pesquisa,com fatos do nosso cotidiano, visando criticar essesmodelos naquilo em que não explicavam a nossarealidade. Por outro lado, se estimulava a pesquisa
  78. 78. sistemática, como forma de questionamento teórico e,também, de um melhor conhecimento do que ocorriaem nosso meio.Durante este período havia uma questão,freqüentemente feita por alunos e por nós mesmos, quese colocava como um desafio: "Compreendemos comoo indivíduo é influenciado pela sociedade, mas comoele poderá se tornar autor desta sociedade, como elepoderá ser responsável pelo curso da história?".Pelo jeito, estávamos na "estaca zero", igual a Comteno séc. XIX ...Após o Congresso de Psicologia Interamericana, noPeru, um grupo de psicólogos sociais brasileiros,vinculados à Alapso, resolveu promover um Encontrode Psicologia Social, com seminários sobre problemasurbanos e grupos de trabalho sobre temas pesquisados.Neste encontro surgiu a proposta de criação de umaAssociação Brasileira de Psicologia Social (Abrapso),visando um maior intercâmbio entre cientistas dediferentes regiões, e baseada em preocupações comunsaos presentes, que foram expressas em um documento,do qual transcrevemos:"As oportunidades de ação para o psicólogo socialbrasileiro restringem-se geralmente a três camposespecíficos: a universidade, onde poucos cientistas derenome nesta área trabalham em relativo isolamento,buscando no exterior eco para suas preocupaçõesacadêmicas; a indústria,
  79. 79. onde o psicólogo dedica-se à seleção de pessoal e aoajustamento dos empregados às condições que lhes sãooferecidas ou, por último, o mercado de manipulaçãode opinião pública, onde seus conhecimentos e técnicasficam a serviço dos interesses econômicos e políticosdominantes."Ao psicólogo social que não se dispõe a defendertais interesses, resta o confinamento às universidadesou instituições afins, diante da ausência deoportunidades para uma ação concreta transformadorajunto à comunidade."Os próprios profissionais de psicologia,especialistas em outras áreas, ignoram o papel possíveldo psicólogo social, definindo-o como um acadêmico,interessado em pesquisas sociais. Não obstante, dadasas condições em que vive a maioria da populaçãobrasileira, sem oportunidade de acesso ao atendimentopsicológico oferecido à pequena elite, cabe justamenteao psicólogo social a implantação de uma assistênciapsicológica em larga escala, através da aplicação deseus conhecimentos junto a grupos e organizaçõespopulares."Evidentemente, o confinamento do psicólogo social,assim como do sociólogo e do antropólogo, àsinstituições acadêmicas, tem um sentido político.Impedida de concretizar seus ideais, tendo a voz e aação sistematicamente abafadas, a maioria dessescientistas tem se dedicado a inúteis jogos de palavrasque ressoam em um espaço muito restrito. Nestepequeno círculo
  80. 80. vigora o culto aos debates que, nem sempre relevantes,cumprem a função de autolegitimar o grupo epermitir-lhe eleger, periodicamente, novos líderes.Diante deste quadro alguns cientistas sociais brasileirosmanifestam intensa perplexidade e desconforto."Entre os psicólogos sociais, esta perplexidadesoma-se a outra, de caráter mais amplo, decorrente doimpasse em que se encontra atualmente a área depsicologia social. Na Europa e nos Estados Unidospsicólogos sociais renomados questionam hoje osobjetos tradicionais de estudo desta matéria, tentandodefinir seu campo de ação e descobrir novos caminhosmetodológicos para pesquisas, É a chamada crise dapsicologia social, que tem sido amplamente debatidanos meios acadêmicos."No Brasil esta crise tem sentido enquanto busca denovas idéias teóricas que fundamenta a ação socialconcreta do psicólogo em nosso meio. Infelizmente nãoproduzimos até hoje conhecimento científicoradicalizado na reflexão sobre nossa própria realidadesocial e, em decorrência, continuamos a importarteorias psicológicas nem sempre aplicáveis. Adependência cultural tem se refletido até mesmo nostemas mais freqüentes da investigação da PsicologiaSocial, geralmente escolhidos sem qualquerpreocupação com aspectos de relevância ouaplicabilidade ao contexto brasileiro. Assim,contrariamente ao
  81. 81. que ocorre em países desenvolvidos, não temosutilizado esta ciência para responder às questões sociaisespecíficas do momento histórico que vivemos."Em certa medida, a tendência do psicólogo aimportar modelos explicativos de contextos sociaisalienígenas decorre de sua própria formação, carente devisão mais ampla da realidade sócio-cultural brasileira.Por esta razão, torna-se imprescindível seu contato comoutros cientistas sociais, tradicionalmentecomprometidos com o estudo dessa realidade7."(7) Transcrito de Anais do I Encontro Nacional de Psicologia Social. Apresentaçãode Marília de Andrade.

×