Promover a reabilitação dos utentes

458 visualizações

Publicada em

Sessão sobre o papel da psicologia nos cuidados continuados e sobre a responsabilidade dos distintos profissionais de saúde na promoção do bem-estar dos utentes.

Publicada em: Saúde
  • Seja o primeiro a comentar

Promover a reabilitação dos utentes

  1. 1. Promover a reabilitação A PSICOLOGIA EM CONTEXTO DE INTERNAMENTO
  2. 2. O utente Afastamento do contexto habitual Limitações e desgaste físico Adesão terapêutica Questões clínicas Alterações cognitivas Vulnerabilidade emocional Expetativas futuras
  3. 3. Modelo biopsicossocial Fatores psicossociais Acontecimentos de vida e caraterísticas psicológicas Sistema imunológico Sistema nervoso, resposta hormonal e comportamento Resistência biológica Vulnerabilidade à doença (Maia 2002)
  4. 4. Modelo transacional Ameaça Recursos Ansiedade Coping (Lazarus & Folkman 1984)
  5. 5. Coping e Ajustamento Stress Distress Ajustamento (Ownsworth 2013)
  6. 6. Reabilitação Coping Estratégias aplicadas para gerir o stress Ajustamento Consciência e adaptação à condição clínica Reabilitação Recuperar funções e capacidades reduzidas (Ownsworth 2013)
  7. 7. Psicologia O que é a psicologia? O que faz a psicologia? Como se pratica a psicologia? Ciência que estuda o comportamento humano Ajuda os sujeitos a resolverem os seus problemas Transmitem-se os conhecimentos para que cada um seja o psicólogo de si mesmo
  8. 8. Psicologia na reabilitação Qual o principal objetivo da psicologia na reabilitação? Aumentar a qualidade de vida Foco no problema • Confronto • Objetivos • Apoio Potenciar Reduzir Foco nas emoções • Controlo • Evitamento • Isolamento (Wolters, Stapert, Brands, & Van Heugten, 2010)
  9. 9. Psicologia na reabilitação Como promover a qualidade de vida? Autoconfiança Ajustar expetativas Motivação Garantir apoio/segurança Promover autonomia Reforçar desempenho Aumentar sentido de desafio Promover a autonomia Estabelecer objetivos conjuntos
  10. 10. Psicologia na reabilitação Como promover a qualidade de vida? Atitude positiva e empática Estabilidade emocional/psicológica Respeitar diferenças individuais Postura passiva e coerente Promover autorreflexão Envolvimento social Facilitar o contato social Envolver família na reabilitação Reforçar autoestima
  11. 11. A reabilitação promovida depende de... Processo de reabilitação Âmbito do tratamento Intensidade do processo Caraterísticas e competências dos profissionais Recursos disponíveis (Ownsworth 2013)
  12. 12. Processo de reabilitação Utente Médicos Família Assistentes operacionais Terapeutas Enfermeiros Psicólogos
  13. 13. Processo de reabilitação Biológica Psicológica Social (Ownsworth 2013)
  14. 14. Reflexão  O que é que eu posso fazer para promover a reabilitação e melhorar a qualidade de vida dos utentes?
  15. 15. Bibliografia Dias, M. d. R., Duque, A. F., Silva, M. G., & Durá, E. (2004). Promoção da saúde: O renascimento de uma ideologia. Análise Psicológica, 22, 463-473. http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/pdf/aps/v22n3/v22n3a04.pdf Dias, A. M., Cunha, M., Santos, A., Neves, A., Silva, A., e Castro, S. (2013). Adesão ao regime terapêutico na doença crónica: Revisão da literatura. Millenium, 40, 201-219. http://www.ipv.pt/millenium/Millenium40/14.pdf Ellis, C., Zhao, Y. & Egede, L. (2010). Depression and increased risk of death in adults with stroke. Journal of Psychosomatic Research, 68(6), 545-551. http://ac.els- cdn.com/S002239990900498X/1-s2.0-S002239990900498X-main.pdf?_tid=c15d744e- a2d3-11e2-9dd2- 00000aab0f01&acdnat=1365704294_992d123a8c4884906585544f44b31118 doi:10.1016/j.jpsychores.2009.11.006 Geelen, R., & Soons, P. (2013). Rehabilitation: an ‘everyday’ motivation model. Patient Education and Counseling, 28(1), 69-77. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0738399196008713 doi:10.1016/0738-3991(96)00871-3
  16. 16. Bibliografia Maia, A. C. (2002). Emoções e sistema imunológico: Um olhar sobre a psiconeuroimunologia. Psicologia: Teoria, Investigação e Prática, 2, 207-225. http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5826/1/EMO%C3%87%C3%95ES% 20E%20SISTEMA%20IMUNOL%C3%93GICO.pdf Ownsworth, T., & Gracey, F. (2013). Adjustment. International Encyclopedia of Rehabilitation. http://cirrie.buffalo.edu/encyclopedia/en/article/142/ Robinson-Smith, G., Johnston, M. V., & Allen, V. (2000). Self-care self-efficacy, quality of life, and depression after stroke. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 81(4), 460-464. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0003999300045482 doi:10.1053/mr.2000.3863 Wolters, G., Stapert, S., Brands, I., & Van Heugten, C. (2010). Coping styles in relation to cognitive rehabilitation and quality of life after brain injury. Neuropsychological Rehabilitation, 20(4), 587-600. doi: 10.1080/09602011003683836 Zavoreo, I., Bašić-Kes, V., Bosnar-Puretić, M., Demarin, V. (2009). Post-stroke depression. Paper presented at the Acta Clinica Croatica. http://www.scopus.com/inward/record.url?eid=2-s2.0- 74049084049&partnerID=40&md5=df4d3a2fc75f1c72d2255a39042100c8

×