IFPE Campus-Pesqueira                         Carlos Henrique¹                       Emanoel Rodrigues ²                  ...
Características clínicas e epidemiológicas;Agente etiológico;Vetores;Ciclo de Transmissão;Modo de transmissão;Períod...
Características clínicas e                epidemiológicasDoença febril aguda, que pode ser de curso benigno ou grave, dep...
Agente etiológicoÉ     um vírus RNA. Arbovírus do gênero Flavivirus, pertencente à família Flaviviridae. São conhecidos  ...
VetoresSão mosquitos do gênero Aedes. A espécie Aedes aegypti é a mais importante na transmissão da doença.
Ciclo de TransmissãoHomem Aedes aegypti (Fêmea)  Homem
Modo de transmissão e Período         de incubaçãoApós um repasto de sangue infectado, o mosquito está apto a transmitir ...
Diagnóstico e TratamentoÉ   realizado através da Anamnese, prova do laço, exame clínico, exame laboratorial.
Definição de caso suspeito de        dengue clássica.Sintomas: cefaléia, dor  retroorbital, mialgia,  artralgia, prostraç...
Caso suspeito de FHDSintomas:prova    do laço positiva até fenômenos mais       graves   como hematêmese, melena e outros...
Controle vetorial    A única garantia paraque não exista a dengue é aausência do vetor.
Educação em saúde,    comunicação e mobilização             socialÉ necessário promover a comunicação        e      a mob...
ReferênciaBRASIL.        Ministério da Saúde, Guia de vigilância    epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de  ...
Dengue
Dengue
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dengue

1.416 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.416
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
105
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dengue

  1. 1. IFPE Campus-Pesqueira Carlos Henrique¹ Emanoel Rodrigues ² Hedenicía Maria² Jéssica Lacerda Vasconcelos² Luana Beserra Cabral² Maria Emília Marques Emídio² Sylene de Fátima Oliveira da Silva²¹Professor do Departamento de Bacharelado em Enfermagem.²Acadêmicos do Bacharelado em Enfermagem.
  2. 2. Características clínicas e epidemiológicas;Agente etiológico;Vetores;Ciclo de Transmissão;Modo de transmissão;Período de incubação;Diagnóstico e Tratamento;Definição de caso;Caso suspeito de FHD;Controle vetorial;Educação em saúde, comunicação e mobilização social.
  3. 3. Características clínicas e epidemiológicasDoença febril aguda, que pode ser de curso benigno ou grave, dependendo da forma como se apresente: infecção inaparente, dengue clássico (DC), febre hemorrágica da dengue (FHD).
  4. 4. Agente etiológicoÉ um vírus RNA. Arbovírus do gênero Flavivirus, pertencente à família Flaviviridae. São conhecidos quatro sorotipos: 1, 2, 3 e 4.
  5. 5. VetoresSão mosquitos do gênero Aedes. A espécie Aedes aegypti é a mais importante na transmissão da doença.
  6. 6. Ciclo de TransmissãoHomem Aedes aegypti (Fêmea)  Homem
  7. 7. Modo de transmissão e Período de incubaçãoApós um repasto de sangue infectado, o mosquito está apto a transmitir o vírus depois de 8 a 12 dias de incubação extrínseca. Há também a transmissão mecânica.Varia de 3 a 15 dias, sendo em média de 5 a 6 dias.
  8. 8. Diagnóstico e TratamentoÉ realizado através da Anamnese, prova do laço, exame clínico, exame laboratorial.
  9. 9. Definição de caso suspeito de dengue clássica.Sintomas: cefaléia, dor retroorbital, mialgia, artralgia, prostração, exantema.
  10. 10. Caso suspeito de FHDSintomas:prova do laço positiva até fenômenos mais graves como hematêmese, melena e outros.Classificação:Grau I;Grau II;Grau III;Grau IV.
  11. 11. Controle vetorial A única garantia paraque não exista a dengue é aausência do vetor.
  12. 12. Educação em saúde, comunicação e mobilização socialÉ necessário promover a comunicação e a mobilização social para que a sociedade adquira conhecimentos sobre como evitar a dengue, participando efetivamente da eliminação do vetor.
  13. 13. ReferênciaBRASIL. Ministério da Saúde, Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – 6. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2005. BRASIL. Ministério da Saúde, Guia de Bolso Doenças Infecciosas e Parasitárias / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – 8. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

×