SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
LIÇÃO 5 O Papel da Igreja na Comunidade
Como o evangelho transforma a comunidade 23 a 30 de julho de 2016
❉ Sábado à tarde
VERSO PARA MEMORIZAR: “Percorria Jesus toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, pregando o
evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades entre o povo” (Mt 4:23).
Leituras da semana: Lc 4:16-19; 10:25-37; Mt 5:13; Is 2:8; Jo 4:35-38; Mt 13:3-9
Robert Louis Stevenson, mais conhecido por sua história de aventuras, A Ilha do Tesouro, foi uma criança
doente e não pôde frequentar a escola regularmente. Depois, seus pais contrataram um professor para lhe dar
aulas e uma babá para ajudá-lo em suas necessidades pessoais. Certa noite, quando a babá foi verificar se
estava tudo em ordem antes que ele dormisse, encontrou-o fora da cama, com as mãos e o nariz pressionados
contra a janela. A babá lhe disse firmemente que voltasse para a cama antes que pegasse um resfriado.
Robert lhe disse: “Venha até a janela, e olhe o que eu estou vendo.” Havia um homem acendendo as lâmpadas
da rua. “Olhe”, disse Robert, “um homem está abrindo buracos na escuridão” (Margaret Davis,Fear Not! Is
There Anything Too Hard for God? Aspect Books, p. 332).
O que o Novo Testamento ensina sobre ajudar os necessitados? Jesus disse que devemos ser “a luz do mundo”
(Mt 5:14). Ao fazer isso, refletimos Jesus, a Verdadeira Luz do mundo (Jo 8:12). Os ensinos de Jesus, que Ele
exemplificou em Seu próprio ministério terrestre, dão claras instruções quanto à maneira pela qual, por meio
dEle, podemos “abrir buracos na escuridão”.
No mês de agosto, ofereça esperança à sua comunidade realizando o Projeto Quebrando o Silêncio.
Sua dedicação pode mudar a vida de muitas famílias.
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
❉ Domingo, 24 de julho - A declaração de missão de Jesus
Jesus, o jovem rabi de Nazaré, havia Se tornado muito popular na região da Galileia (Lc 4:15). Quando Ele
falava, as pessoas ficavam “maravilhadas da Sua doutrina; porque Ele as ensinava como quem tem autoridade
e não como os escribas” (Mt 7:28, 29). Num sábado, quando Lhe foi entregue o rolo do livro de Isaías, Jesus
leu os dois primeiros versos de Isaías 61, parando no meio de uma declaração, exatamente antes da frase “e o
dia da vingança do nosso Deus” (Is 61:2).
► Pergunta. 1. Leia Lucas 4:16-19. Onde encontramos essas mesmas palavras? (Ver Isaías 61:1, 2.) O que
Jesus estava proclamando ao ler esses versos?
Lc 4:16-19, (ACF 1753); 16 E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu
costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. 17 E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o
livro, achou o lugar em que estava escrito: 18 O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para
evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, 19 A pregar liberdade aos cativos, E
restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR.
Is 61:1-3, (ACF 1753); 1 O ESPÍRITO do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para
pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos
cativos, e a abertura de prisão aos presos; 2 A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do
nosso Deus; a consolar todos os tristes; 3 A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de
cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se
chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado.
► Resposta. 1. Ele havia sido ungido pelo Espírito Santo para evangelizar os pobres e curar os sofredores,
proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e
apregoar o ano aceitável do Senhor.
Como já vimos, a expressão “o ano aceitável do Senhor” é identificada como o ano do jubileu (ver Levítico
25). Nessa visita a Nazaré, Jesus citou uma passagem messiânica das Escrituras e assegurou aos Seus
ouvintes: “Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir” (Lc 4:21). Nesse sermão Ele Se revelou como o
Ungido que pregava as boas-novas aos pobres, a libertação aos cativos, a restauração da vista aos cegos, a
liberdade para os oprimidos e a restituição efetuada no jubileu. Essa lista é uma boa descrição de Seu
ministério terrestre, que tinha como foco o ensino, a cura e o serviço, especialmente em favor dos
necessitados.
► Pergunta. 2. Por que Jesus não completou a declaração de Isaías 61:2?
Is 61:2, (ACF 1753); 2 A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar
todos os tristes;
► Resposta. 2. Porque Sua missão não era promover vingança contra os inimigos de Seu povo, mas salvar o
povo do maior inimigo: o pecado. Ele veio para oferecer cura, libertação, perdão e um lugar no reino eterno.
Talvez Jesus tenha parado antes da frase “o dia da vingança do nosso Deus” porque não queria que Seu
ministério fosse associado ao conceito prevalecente de que o Messias viria para liderar exércitos que
derrotariam os opressores de Israel e os colocariam sob o poder dos israelitas. Esse era um falso conceito que,
infelizmente, impediria muitos de Seus compatriotas de considerarem Sua pessoa e Seu ministério da maneira
correta. Porém, Ele Se concentrou no que iria fazer por aqueles que precisavam do que Ele tinha a oferecer ali,
naquele momento, independentemente da situação política da época.
Que lição encontramos na maneira pela qual Jesus anunciou Seu ministério? O que aprendemos com Sua
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
ênfase no trabalho prático que precisamos fazer?
Fortaleça sua experiência com Deus. Acesse o site reavivadosporsuapalavra.org
❉ Segunda, 25 de julho - Ame seu próximo
“Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu
entendimento; e: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Lc 10:27).
► Pergunta. 3. Qual é mensagem de Lucas 10:25-37 a respeito da questão de ajudar os necessitados?
Lc 10:25-37, (ARC); 25 E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o e dizendo: Mestre, que farei
para herdar a vida eterna? 26 E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? 27 E, respondendo ele, disse:
Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o
teu entendimento e ao teu próximo como a ti mesmo. 28 E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso e viverás. 29
Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo? 30 E, respondendo
Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o
despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. 31 E, ocasionalmente, descia pelo mesmo
caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. 32 E, de igual modo, também um levita, chegando
àquele lugar e vendo-o, passou de largo. 33 Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo-
o, moveu-se de íntima compaixão. 34 E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e,
pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele; 35 E, partindo ao outro dia, tirou
dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei,
quando voltar. 36 Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos
salteadores? 37 E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai e faze da mesma
maneira.
► Resposta. 3. Devemos ser próximos de quem precisa de ajuda, incluindo pessoas de outras nações ou
religiões. O samaritano teve misericórdia de um “judeu”; assim, os judeus deviam ter misericórdia dos
samaritanos, e devemos demonstrar misericórdia a todos.
O doutor da lei entendeu que todos os mandamentos giram em torno de amar a Deus com tudo o que temos e
amar o próximo como a nós mesmos. A pergunta que precisava ser respondida era: “Quem é o meu próximo?”
Uma vez que a ideia prevalecente no tempo de Cristo era considerar alguém do seu próprio povo como seu
próximo e relegar todos os outros à condição de estranhos, esse doutor da lei esperava que Jesus esclarecesse a
questão. A parábola contada por Jesus revela uma perspectiva totalmente diferente. Nosso próximo é qualquer
pessoa que encontremos e que precise de nós. Ser o próximo de alguém é satisfazer as necessidades dessa
pessoa. O sacerdote e o levita estavam mais preocupados em evitar a contaminação e proteger da impureza
seus deveres religiosos. Essa era uma forma conveniente de usar a religião como desculpa para não renunciar
ao egoísmo a fim de ajudar alguém que, muito provavelmente, nunca poderia retribuir. Em contraste, o
samaritano viu como seu próximo esse “estranho” e “inimigo” ferido, cuidando misericordiosamente das
necessidades dele em vez de cuidar das suas. A ideia principal é que, em vez de perguntar: “Quem é meu
próximo?”, precisamos perguntar: “Quem será o próximo dos fracos e oprimidos?” Não importa quem seja a
pessoa; aquela que estiver necessitada é a que devemos ajudar, e ponto final.
❉ Terça, 26 de julho - A receita completa
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
“Vós sois o sal da Terra” (Mt 5:13).
Nessa passagem, Jesus está chamando Seus seguidores para que sejam “sal”, que é um agente transformador.
A igreja é um “saleiro”, que contém o “sal da Terra”. Com o que ou com quem esse “sal” deve se misturar?
Somente com nós mesmos, ou com “ingredientes” diferentes de nós?
Você pode entender melhor a resposta a essa pergunta se encher uma fôrma de pão com sal, e outra com massa
de pão contendo sal como um de seus ingredientes. Na primeira forma, o sal é a receita inteira; dificilmente
essa receita seria saborosa, muito menos comestível. Na segunda forma, o sal é parte da receita e está
misturado com ingredientes diferentes dele mesmo. Como tal, ele transforma um pão sem graça num pão
delicioso. O sal cumpre seu papel quando se mistura com elementos diferentes de si mesmo. Algo semelhante
ocorre com os cristãos. Isso não acontecerá se permanecermos confortavelmente dentro do “saleiro”, a igreja.
Assim, há um ponto que não podemos ignorar. Podemos, em todos os aspectos possíveis, ser pessoas
moralmente corretas, no sentido de que não fumamos, não bebemos, e não nos envolvemos em orgias, jogos
de azar e crimes. Tudo isso é importante. Porém, a questão não é apenas o que não fazemos, mas o que
fazemos. O que temos feito para ajudar nossa comunidade e os que têm alguma necessidade?
► Pergunta. 4. Leia novamente Mateus 5:13, concentrando-se no restante do verso. Como o sal pode perder
seu sabor?
Mt 5:13, (ARC); 13 Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada
mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens.
► Resposta. 4. Ficando apenas no saleiro, não se misturando aos alimentos e perdendo a oportunidade de dar
sabor à comida. Ele perde o sabor ao se misturar com substâncias que anulam seu sabor, como o solo. O
cristão deve ser o sal que melhora o sabor do mundo, ao mesmo tempo que evita absorver o sabor da cultura
secular.
“Mas se o sal perdeu o sabor, se existe apenas uma profissão de piedade, sem o amor de Cristo, não há poder
para o bem. A vida não pode exercer salvadora influência no mundo”. (Ellen G. White, O Desejado de Todas
as Nações, p. 439).
Volte à ilustração da receita. Como vimos, se tudo o que tivermos for o sal, isso não é bom. Na verdade,
excesso de sal na alimentação pode ser prejudicial. O sal tem que ser misturado com o que é diferente dele.
Assim, se somos exatamente como o mundo, ou se somos semelhantes a ele, não faremos diferença nele. Não
teremos nada a oferecer. O sal passará a ser inútil. E o que Jesus disse que acontecerá a ele então?
Contudo, se estivermos impregnados do sabor do amor de Cristo, desejaremos nos aproximar dos “estranhos”,
misturando-nos com outros para que sejamos agentes da transformação, fazendo uma diferença positiva na
vida deles e, por extensão, levando as pessoas ao que realmente tem importância na vida: a salvação em Jesus.
► Leia Deuteronômio 12:30; 31:20; Isaías 2:8. Qual é o perigo apresentado nessas passagens? Como
podemos nos precaver para não cair nessa armadilha?
Dt 12:30, (KJA); 30 fica atento ao teu próprio comportamento! Não te deixes seduzir, não vás seguir os deuses
delas, ponderando: ‘Como estas nações servem aos seus deuses? Que interessante! Vou fazer o mesmo’.
Dt 31:20, (KJA); 20 Quando Eu o tiver feito adentrar na terra onde manam leite e mel, terra que prometi sob
juramento a seus pais na antiguidade, e quando tiver comido com fartura e houver prosperado, engordará e se
deixará seduzir por outros deuses e os servirá, abandonando-me e rompendo a minha Aliança.
Is 2:8, (KJA); 8 Sua terra também está cheia de ídolos. Eles se inclinam em adoração diante da obra das suas
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
próprias mãos, reverenciando o que os seus dedos produziram.
❉ Quarta, 27 de julho - Cultivando o campo espiritual
► Pergunta. 5. Leia João 4:35-38. Quais são os passos necessários para alcançar as pessoas?
Jo 4:35-38, (KJA); 35 Não dizeis vós: ‘Ainda há quatro meses até a colheita?’. Eu, porém, vos afirmo: erguei
os olhos e vede os campos, pois já estão brancos para a colheita. 36 Aquele que ceifa recebe o seu salário e
colhe fruto para a vida eterna, e assim se alegram juntos o semeador e o ceifeiro. 37 Dessa forma, é verdadeiro
o ditado: ‘Um semeia, e o outro colhe.’. 38 Eu vos enviei para ceifar o que não plantaste. Outros realizaram o
cultivo, e vós usufruístes do labor deles.”
► Resposta. 5. Buscar sabedoria para trabalhar no campo espiritual, de acordo com seus dons; preparar o
solo; semear a Palavra e regar a terra; orar para que o Sol da Justiça desenvolva o fruto e trabalhar para colhê-
los. Cada pessoa é alcançada por meio do esforço de diversos trabalhadores.
O trabalho de um agricultor é um bom exemplo das diversas etapas do desenvolvimento espiritual. Outros
tipos de atividades agrícolas precisam ser realizadas antes de uma colheita farta (Mt 9:35-38). Não são
necessários somente ceifeiros na seara do Senhor. Você pode imaginar um agricultor, na época da colheita,
dizendo a seus trabalhadores: “A época da colheita está chegando, por isso precisamos começar a plantar as
sementes”? A colheita só ocorre depois que o agricultor se empenhou em cultivar a terra durante um longo
período.
► Pergunta. 6. A agricultura inclui a preparação do solo, pois nem todo solo é originalmente bom. (Leia
Mateus 13:3-9.) O que sua igreja pode fazer em sua comunidade para amolecer o “solo duro” e remover
“rochas” e “espinhos”?
Mt 13:3-9, (KJA); 3 Jesus ensinou-lhes então muitas coisas por meio de parábolas, como esta: “Eis que um
semeador saiu a semear. 4 Enquanto realizava a semeadura, parte dela caiu à beira do caminho e, vindo as
aves, a devoraram. 5  Outra parte caiu em terreno rochoso, onde havia uma fina camada de terra, e logo
brotou, pois o solo não era profundo. 6 Porém, quando veio o sol, as plantas se queimaram; e por não terem
raiz, secaram. 7 Outra parte caiu entre os espinhos. Estes, ao crescer, sufocaram as plantas. 8 Contudo, uma
parte caiu em boa terra, produzindo generosa colheita, a cem, sessenta e trinta por um. 9 Aquele que tem
ouvidos para ouvir, que ouça!” O propósito das parábolas
► Resposta. 6. Analisar os diferentes tipos de solo, por meio de pesquisas e amizade; definição das
necessidades da população e ações para atendê-las; plantio da semente, por meio de diferentes estratégias, que
resultarão na colheita de pessoas.
Alguns trabalhadores fizeram o árduo trabalho agrícola antes da colheita, e outros colhem os benefícios do seu
esforço. Às vezes as estratégias evangelísticas têm enfatizado mais a colheita do que o trabalho preparatório.
Não é assim que deve ocorrer. O solo precisa ser preparado muito antes que o evangelista venha e comece a
pregar, com a esperança de colher frutos.
Devemos olhar para o trabalho agrícola como um processo: analisar o solo, preparar e arar a terra, plantar,
irrigar, fertilizar, combater as pragas, esperar, colher e preservar a colheita.
Colher é apenas uma parte do processo. Na igreja, o processo de “agricultura” poderia incluir atividades de
análise do solo, como pesquisas de avaliação das necessidades da comunidade, análise das características da
população e entrevistas com líderes comunitários. Pode haver atividades de preparação e cultivo da terra,
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
como atendimento às necessidades da comunidade que foram reveladas pela avaliação; atividades de plantio
de sementes, como seminários, estudos bíblicos e pequenos grupos; e oração pela chuva do Espírito Santo.
Poucas pessoas são ganhas para Cristo participando de apenas uma atividade. Precisamos nutri-las num
processo de múltiplas participações em atividades evangelísticas, aumentando assim a probabilidade de que
elas estejam prontas para a colheita. Se confiarmos em eventos esporádicos, é improvável que as novas plantas
sobrevivam até a colheita.
Que papel você exerce agora nesse processo de conquistar pessoas para Deus? Acha que deveria desempenhar
um papel diferente?
❉ Quinta, 28 de julho - Plantio de igrejas
► Pergunta. 7. Leia Mateus 10:5-10. Por que Jesus enviou Seus discípulos sem nenhum recurso para as
cidades e aldeias vizinhas?
Mt 10:5-10, (NVI); 5 Jesus enviou estes doze com as seguintes instruções: "Não se dirijam aos gentios, nem
entrem em cidade alguma dos samaritanos. 6 Antes, dirijam-se às ovelhas perdidas de Israel. 7 Por onde
forem, preguem esta mensagem: ‘O Reino dos céus está próximo’. 8 Curem os enfermos, ressuscitem os
mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça; dêem também de graça. 9
Não levem nem ouro, nem prata, nem cobre em seus cintos; 10 não levem nenhum saco de viagem, nem túnica
extra, nem sandálias, nem bordão; pois o trabalhador é digno do seu sustento.
► Resposta. 7. Porque eles deviam depender de Deus e da ajuda das pessoas que seriam beneficiadas por seu
trabalho, que incluiria cura, ressurreição e expulsão de demônios. Eles deviam se envolver com as pessoas
para dar e receber de graça.
Parece estranho que os discípulos de Jesus tenham recebido ordens diretas de entrar em seu território
missionário com poucos recursos para seu sustento. Aparentemente, Jesus colocou Seus discípulos nessa
situação para ensinar-lhes a dependência de Deus e também a importância de fazer amizade com os moradores
das localidades por meio do serviço em favor deles. Esses moradores iriam valorizar o serviço dos discípulos o
bastante para fornecer recursos para o ministério.
A Associação do pastor Frank lhe pediu que plantasse uma igreja num dos bairros de uma grande cidade em
que praticamente não havia a presença adventista. Inicialmente ele não tinha verba para fazer isso. Consultou
um mapa e demarcou os limites do bairro. Estudou também as características da população local. Então,
estacionou seu carro no ponto mais movimentado da vizinhança e começou a ir de comércio em comércio,
fazendo perguntas sobre a vida naquela área. Ele visitou os políticos e os líderes de agências de emprego e de
agências sociais, fazendo perguntas sobre as maiores necessidades da comunidade. Fez amizade com alguns
dos moradores, que o convidaram a se unir a uma associação de moradores do bairro. Nesse contexto, ele
descobriu outros líderes que abriram o caminho para que ele alugasse o anexo de uma igreja presbiteriana da
localidade. Os membros da associação dos moradores do bairro forneceram o dinheiro para a compra de tinta e
materiais de limpeza com o fim de restaurar o anexo que seria usado para serviços comunitários. As
entrevistas com os líderes comunitários indicaram que a saúde era uma importante necessidade daquela
comunidade. Por isso, o pastor Frank reuniu nesse anexo um grupo de voluntários que realizaram vários
programas de exames médicos e acompanhamento dos pacientes. Os que eram beneficiados pelos exames e
pelos programas pagavam uma pequena taxa, que ajudava a custear as despesas. Logo foi iniciada uma escola
sabatina filial, e alguns dos moradores começaram a frequentá-la.
O pastor Frank logo descobriu que uma das melhores maneiras para se plantar uma igreja é, primeiro,
implantar um ministério que satisfaça as necessidades da comunidade e, depois, formar uma igreja através
desse ministério. Esse ministério voltado para a comunidade deu origem a uma igreja adventista de mais de
140 membros.
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
A história do pastor Frank ilustra o que pode acontecer quando seguimos os ensinos de Jesus a respeito de
como alcançar nossa comunidade. De que maneira Cristo praticou Seus próprios ensinos sobre o ministério em
favor de outros? Na semana que vem começaremos a estudar os métodos que Jesus usava, e que “trarão
verdadeiro êxito em alcançar as pessoas” (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 143).
❉ Sexta, 29 de julho - Estudo adicional
► Leia outros ensinos de Jesus que orientam sobre seu papel e o de sua igreja na comunidade: Mateus
7:12;23:23; 25:31-46; Marcos 4:1-34; 6:1-13; Lucas 6:36; 11:42; 12:13-21; 14:16-24; 16:13; 18:18-27; 19:1-
10; João 10:10; 12:8; 17:13-18.
Leia, de Ellen G. White, “Um Destes Meus Pequeninos Irmãos”, em O Desejado de Todas as Nações, p. 637-
641; e o artigo “The Missionary’s Pattern” (O Modelo do Missionário), em Signs of the Times, 19 de março de
1894.
“A menos que a igreja seja a luz do mundo, ela será trevas” (Ellen G. White, Signs of the Times, 11 de
setembro de 1893). Essa é uma afirmação contundente. Faz-nos lembrar das palavras de Jesus: “Quem não é
por Mim é contra Mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12:30). Jesus deixou isto claro: não há
território neutro no grande conflito. Ou estamos do lado de Cristo ou do lado do inimigo. Ter recebido grande
luz e não fazer nada com ela é trabalhar contra ela. Fomos chamados para ser luz no mundo; se não somos luz,
então somos trevas. Embora o contexto imediato seja diferente, o princípio é o mesmo nesta passagem:
“Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!” (Mt 6:23). Talvez tudo isso pudesse
ser resumido nas palavras: “Àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se
confia, muito mais lhe pedirão” (Lc 12:48).
Perguntas para reflexão
Devemos nos misturar com o mundo e fazer o bem aos outros e, ao mesmo tempo, evitar que isso nos absorva
de tal maneira que nos tornemos parte do problema, e não da solução. Nesse caso, qual é o equilíbrio?
Em nossa comunidade, às vezes surge a questão da política. Quais cuidados devemos ter para impedir que a
política contamine nossa missão? Como podemos nos manter, tanto quanto possível, longe da disputa política?
Há situações em que precisamos estar na arena política para servir à comunidade? Como atuar de maneira a
não comprometer nossa comissão de levar o evangelho?
Auxiliar da Lição
TEXTO-CHAVE: Lucas 10:25-37
O ALUNO DEVERÁ
Conhecer: A diferença entre igrejas que se dedicam internamente às necessidades e conforto dos próprios
membros e igrejas cujo foco está em servir à comunidade.
Sentir: Sincero interesse por pessoas na comunidade que ainda não ouviram nem aceitaram as boas-novas da
salvação.
Fazer: Comprometer-se a encontrar maneiras de se conectar com as pessoas da comunidade e servi-las.
ESBOÇO
I. Conhecer: Servindo a comunidade
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
A. Na parábola do bom samaritano, o religioso passou por uma pessoa necessitada e a ignorou, enquanto
alguém completamente improvável parou a fim de ajudá-la. Você conhece histórias atuais semelhantes a essa?
B. A sua igreja dedica-se aos necessitados ou os ignora e “atravessa” para o outro lado da estrada? Caso a
resposta seja positiva para a última opção, como podemos mudar essa realidade?
II. Sentir: O desafio do serviço
A. Sair para trabalhar na comunidade pode ser uma experiência um tanto assustadora, pois você não sabe
como as pessoas vão reagir. Como você se sente ao saber que Aquele que nos manda ir tem “toda autoridade
no céu e na Terra” (Mt 28:18)?
B. Muitas vezes, em nosso trabalho missionário, procuramos meios de atrair as pessoas da comunidade para a
igreja. Como você se sente diante da possibilidade de reverter a situação e estudar meios para que a igreja vá
até a comunidade?
III. Fazer: Indo à comunidade
A. Em quais serviços específicos você pode se envolver nas próximas semanas?
B. Que medidas práticas podemos tomar para superar a mentalidade de que a igreja é um clube, em que
priorizamos a nós mesmos ao invés da comunidade ao nosso redor?
RESUMO:
O hino 192 do Hinário Adventista fala da “Infinita Graça” e da misericórdia de Deus. Ela é estendida a todos
os seres criados. Deus anseia que Sua igreja siga Seu exemplo e se torne uma “comunidade que vai”, que não
se contenta em ficar sentada nos bancos da igreja, mas que leva as boas-novas da salvação aos lugares em que
as pessoas moram, trabalham e se divertem.
Ciclo do aprendizado
Motivação
Focalizando as Escrituras: Lucas 10:25-37
Conceito-chave para o crescimento espiritual: A verdadeira religião não é demonstrada pelo
conhecimento bíblico e teológico, mas pelas expressões práticas de cuidado e interesse por aqueles que vivem
à margem da sociedade.
Para o professor:
A parábola do bom samaritano é uma história poderosa em vários aspectos. Ela aponta para a importância de
nos interessarmos não apenas pelos necessitados, mas também por aqueles que são diferentes de nós, inclusive
os que poderiam ser considerados nossos inimigos. Mantenha o foco da discussão longe das generalizações e
do discurso teológico e encontre meios de ajudar os alunos a aplicar os princípios da lição à vida deles.
Discussão inicial
No início dos anos 70, John Darley e Daniel Batson, psicólogos da Universidade de Princeton, conduziram um
experimento sobre “o bom samaritano”. Nesse estudo clássico, eles fizeram com que 200 alunos do seminário
caminhassem, um de cada vez, entre dois prédios do campus. Disseram a cada aluno(a) que ele(a) estaria
“participando de um estudo de carreiras vocacionais dos seminaristas”. Cada um foi instruído a caminhar até o
outro edifício e, ao chegar lá, apresentar um pequeno discurso sobre um determinado assunto. Foi pedido a
alguns que falassem sobre a parábola do bom samaritano.
À medida que caminhava até o outro prédio, cada aluno “encontrava uma pessoa maltrapilha, caída do outro
lado da rua”. Enquanto cada aluno passava, a “vítima”, como que dando uma pista, tossia duas vezes e gemia.
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
Os pesquisadores queriam saber como os seminaristas iriam reagir.
Darley e Batson publicaram suas descobertas em forma de artigo na revista Journal of Personality and Social
Psychology, sob o título “From Jerusalem to Jericho” [De Jerusalém a Jericó]. Eles descobriram que os alunos
que estavam com mais pressa para chegar aos seus destinos tendiam a continuar sem se deter. Outra
descoberta significativa dos pesquisadores foi que os alunos que estavam designados a falar sobre o bom
samaritano não tiveram mais propensão a parar do que qualquer outro aluno incumbido de falar sobre
possíveis oportunidades de trabalho para seminaristas graduados. Na verdade, os pesquisadores descobriram
que, em várias ocasiões, os alunos que corriam para fazer seu discurso sobre o bom samaritano passavam
literalmente por cima da vítima! Em outras palavras, pensar na história do bom samaritano não fez diferença
alguma no verdadeiro comportamento dos alunos.
Pense nisto:
Quais fatores estão prejudicando nossa habilidade de enxergar e cuidar das pessoas necessitadas? Que medidas
podemos tomar para fugir de um “conhecimento apenas teórico” da religião e aplicar verdadeiramente o que
acreditamos à nossa vida?
Compreensão
Para o professor: A história do bom samaritano se tornou um exemplo para todos os tempos. A expressão
“bom samaritano” passou a ser usada para se referir a qualquer pessoa que realiza uma boa ação a alguém.
Essa história inspirou poesias, canções e quadros. Muitas pessoas que nunca leram a Bíblia conhecem essa
expressão e seu significado. Pergunte aos seus alunos o que torna essa parábola tão poderosa. Qual é o
significado dela para nós? Como aplicar os princípios dessa parábola ao nosso cotidiano?
Comentário bíblico
I. Pikuach Nefesh (Recapitule com a classe Lucas 10:31-33.)
Levítico 19:16 diz: “Não faça nada que ponha a vida do seu vizinho em risco” (Lv 19:16, New International
Version, tradução livre). O sentido literal é: “Não atentarás contra a vida do teu próximo.” É desse verso que
vem o princípio judaico pikuach nefesh, ou seja, a obrigação de ajudar qualquer vida ameaçada. Pikuach
nefesh vai além e nos ensina que, quando duas regras se conflitam, a obrigação de salvar a vida humana
prevalece sobre todas as outras obrigações. Assim, por exemplo, seria considerado apropriado realizar uma
cirurgia de emergência no sábado a fim de salvar a vida de alguém; ou mesmo comer alimentos que não estão
de acordo com os princípios judaicos, se isso fosse essencial para que alguém se recuperasse de uma
enfermidade. Nesse caso, a lei dietética (kosher) poderia ser suspensa. Atualmente estudiosos judeus estendem
o princípio de pikuach nefesh para coisas como doar órgãos a fim de salvar vidas.
Essa era a base do ensinamento de Jesus, de que é lícito fazer o bem no dia de sábado. Jesus mostrou aos
líderes religiosos que eles aplicavam alegremente esse princípio quando um boi caía em um poço no dia de
sábado (Lc 14:5), mas relutavam em praticar o pikuach nefesh quando as necessidades da vida humana
estavam em jogo. Embora aqueles líderes religiosos se valessem do pikuach nefesh a fim de salvar a vida, eles
impediam o tratamento das condições que não traziam risco de morte no sábado. Jesus, por outro lado,
ensinava que parte da bênção sabática estava envolvida no esforço para ser uma influência curadora aos que
sofrem.
Portanto, na história do bom samaritano, percebemos que aqueles que deveriam ter praticado o pikuach
nefesh, o levita e o sacerdote, foram justamente os que se esquivaram de cumpri-lo. Obviamente Jesus colocou
o sacerdote numa situação difícil nessa história. Por causa das leis de purificação, o sacerdote correria um
risco enorme de se tornar cerimonialmente impuro ao tocar o corpo daquele homem. Como ele deveria
interpretar a lei? O que venceria: o amor ao próximo ou a fidelidade à lei de purificação? Ocorreu que nem o
sacerdote nem o levita demonstraram preocupação com a vida que estava em risco. De modo ultrajante e
chocante, foi um dos samaritanos (os odiados e desprezados primos distantes dos judeus) que demonstrou o
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
verdadeiro pikuach nefesh.
Pense nisto:
Como aplicar o princípio do pikuach nefesh em nosso cotidiano? Dê alguns exemplos práticos de situações
que podemos enfrentar.
II. Judeus e samaritanos (Recapitule com a classe João 4:1-26.)
Não é necessário consultar fontes extrabíblicas para saber que não havia amor entre judeus e samaritanos.
Quando Jesus Se encontrou com a mulher samaritana junto ao poço, ela Lhe disse: “Como, sendo Tu judeu,
pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana?” (Jo 4:9). No caso de seus leitores não compreenderem o
comentário da mulher, o Evangelho de João (4:9) acrescentou uma explicação: “(porque os judeus não se dão
com os samaritanos)”. Em outra ocasião, Tiago e João ficaram irados quando Jesus não foi recebido com
hospitalidade em uma aldeia samaritana. Qual foi a resposta deles? “Senhor, queres que mandemos descer
fogo do céu para os consumir?” (Lc 9:54).
Portanto, é a partir do contexto da antiga rivalidade e do ódio entre judeus e samaritanos que devemos
enxergar propriamente essa história. Na parábola de Jesus, o samaritano não era incrédulo, ou gentio. Ele teria
se devotado à Torá e seguido os Dez Mandamentos. A questão principal é que ninguém esperava que um
samaritano fosse interpretar a Torá corretamente, muito menos acabar sendo o herói da história.
Pense nisto:
O que significa o fato de que o conhecedor da lei, respondendo à pergunta de Jesus, usou a expressão “aquele
que teve misericórdia dele” (Lc 10:37, NVI), em vez de chamá-lo de “samaritano”, como Jesus o chamou?
Há algum conflito semelhante à inimizade entre judeus e samaritanos em sua comunidade? O que você pode
fazer para ajudar a construir pontes entre esses dois grupos?
Aplicação
Para o professor:
Há alguns anos a Igreja Adventista do Sétimo Dia adotou um slogan: “A Igreja Solidária”. Era um belo slogan,
algo de que poderíamos nos orgulhar. Nessas três palavras havia um resumo do chamado para abraçar e cuidar
de nossa comunidade, seguindo o método de Cristo de Se misturar com as pessoas, demonstrar compaixão,
atender às suas necessidades, ganhar sua confiança e só então convidá-las para seguir a Jesus. Aquele slogan
envolvia o cuidado para com as necessidades mentais, físicas e emocionais dos nossos semelhantes, mas
também a atenção às suas necessidades espirituais e a tarefa de compartilhar as boas-novas da salvação com as
pessoas. O único problema com o slogan era que “A Igreja Solidária” não era um rótulo que podíamos dar a
nós mesmos – ele devia ser conquistado. Essa descrição devia vir das outras pessoas, não de nós mesmos.
Perguntas para reflexão
Como sua comunidade enxerga os adventistas do sétimo dia? Será que somos conhecidos como o povo que
ama as pessoas e cuida delas? Se não, por que não é assim? Que coisas específicas podemos realizar nesta
semana a fim de aprender a ser uma igreja solidária?
Criatividade e atividades práticas
Para o professor: Na atividade de hoje, os alunos analisarão a igreja que frequentam e o relacionamento dela
com a comunidade. Prepare-se para ouvir algumas avaliações negativas. Conclua de maneira positiva, pedindo
que eles apresentem ideias práticas de como aprimorar o relacionamento da igreja com a comunidade.
Atividade
Nesse exercício, solicite que os alunos pensem no relacionamento da igreja com a comunidade. Reflitam sobre
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com
isso a partir da perspectiva de alguém que mora ao redor da igreja, mas nunca entrou no templo e não sabe
muita coisa a respeito das nossas crenças. Considere perguntas como:
• Nossa igreja está conectada com a comunidade? Se sim, como?
• A igreja é relevante para as pessoas que moram na vizinhança?
• As pessoas da comunidade sentiriam falta da igreja se ela não estivesse ali?
Solicite que os alunos desenhem uma figura ou diagrama que ilustre a relação da igreja com a comunidade.
Dependendo dos recursos disponíveis:
1. Entregue a cada aluno um pedaço de papel e um lápis ou caneta.
2. Utilize um quadro ou cartaz para desenhar uma figura que ilustre a relação da igreja com a comunidade.
Não sendo possível, descrevam-na verbalmente.
Separe um tempo para conversar sobre as figuras desenhadas pela classe. Para concluir, pergunte aos alunos:
Quais passos podem ser dados para melhorar a imagem da igreja na comunidade?
Planejando atividades:
O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?
Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen whiteO ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
Eduardo Sousa Gomes
 

Mais procurados (20)

Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGRLição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
 
A escravidão financeira e
A escravidão financeira eA escravidão financeira e
A escravidão financeira e
 
2021 1º trimestre jovens lição 01
2021 1º trimestre jovens lição 012021 1º trimestre jovens lição 01
2021 1º trimestre jovens lição 01
 
O profeta do século xx
O profeta do século xxO profeta do século xx
O profeta do século xx
 
Culto de páscoa
Culto de páscoaCulto de páscoa
Culto de páscoa
 
Qual o segredo para...
Qual o segredo para...Qual o segredo para...
Qual o segredo para...
 
2021 1º trimestre jovens lição 09
2021 1º trimestre jovens lição 092021 1º trimestre jovens lição 09
2021 1º trimestre jovens lição 09
 
2021 1º trimestre jovens lição 08
2021 1º trimestre jovens lição 082021 1º trimestre jovens lição 08
2021 1º trimestre jovens lição 08
 
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen whiteO ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
 
2021 1º trimestre jovens lição 04
2021 1º trimestre jovens lição 042021 1º trimestre jovens lição 04
2021 1º trimestre jovens lição 04
 
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
 
O amor e a lei_542014_GGR
O amor e a lei_542014_GGRO amor e a lei_542014_GGR
O amor e a lei_542014_GGR
 
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventista
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventistaParalelismo entre israel antigo e a igreja adventista
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventista
 
A graça que nos sustenta
A graça que nos sustentaA graça que nos sustenta
A graça que nos sustenta
 
Arrependimento
ArrependimentoArrependimento
Arrependimento
 
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosPedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
 
A conversão de zaqueu
A conversão de zaqueuA conversão de zaqueu
A conversão de zaqueu
 
Preparação para a crise final
Preparação para a crise finalPreparação para a crise final
Preparação para a crise final
 
A TRIBO DE DÃ
A TRIBO DE DÃA TRIBO DE DÃ
A TRIBO DE DÃ
 
Oi ana
Oi anaOi ana
Oi ana
 

Semelhante a Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR

A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
Joziran Vieira joziran
 
LIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdf
LIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdfLIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdf
LIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdf
LusFernandoFalasqui
 

Semelhante a Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR (20)

A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
 
Revista Boa Vontade, edição 197
Revista Boa Vontade, edição 197Revista Boa Vontade, edição 197
Revista Boa Vontade, edição 197
 
Tua fé te salvou richard simonetti
Tua fé te salvou   richard simonettiTua fé te salvou   richard simonetti
Tua fé te salvou richard simonetti
 
Evangélico samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad
Evangélico   samuel nelson - esboços de samuel nelson cpadEvangélico   samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad
Evangélico samuel nelson - esboços de samuel nelson cpad
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
 
LIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdf
LIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdfLIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdf
LIVRO_sim-sim-nao-nao_JONAS_ABIB_www_arcanjomiguel_net.pdf
 
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
(REVISTA E CORRIGIDA) Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com texto...
 
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
Jesus, o mestre por excelência_Lição_original com textos_922015
 
Evangelismo pessoal
Evangelismo pessoalEvangelismo pessoal
Evangelismo pessoal
 
Celebrando na Comunidade dos Discípulos
Celebrando na Comunidade dos DiscípulosCelebrando na Comunidade dos Discípulos
Celebrando na Comunidade dos Discípulos
 
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
Edição n. 55 do CH Noticias - Janeiro/2020
 
Cat04
Cat04Cat04
Cat04
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Sermonario Semana Santa 2019 IASD (Renascidos)
Sermonario Semana Santa 2019 IASD (Renascidos)Sermonario Semana Santa 2019 IASD (Renascidos)
Sermonario Semana Santa 2019 IASD (Renascidos)
 
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
Discipulando os enfermos_Lição_original com textos_512014
 
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semana
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semanaRetiro do Advento_Parte 3_primeira semana
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semana
 
033c - A conversão de todos os homens é já no Destino dos Não Cristãos
033c - A conversão de todos os homens é já no Destino dos Não Cristãos033c - A conversão de todos os homens é já no Destino dos Não Cristãos
033c - A conversão de todos os homens é já no Destino dos Não Cristãos
 
Pregacao Evangelica - A Batalha Final
Pregacao Evangelica - A Batalha FinalPregacao Evangelica - A Batalha Final
Pregacao Evangelica - A Batalha Final
 
Santas Missões Populares
Santas Missões PopularesSantas Missões Populares
Santas Missões Populares
 
Estudo adicional_Viver como Cristo_732014
Estudo adicional_Viver como Cristo_732014Estudo adicional_Viver como Cristo_732014
Estudo adicional_Viver como Cristo_732014
 

Mais de Gerson G. Ramos

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRRespostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRLição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRRespostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
 
Lição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGRLição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGR
 
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRRespostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
 
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRLição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
 
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRRespostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
 
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRLição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
 
Respostas_822016_Pedro e a Rocha_GGR
Respostas_822016_Pedro e a Rocha_GGRRespostas_822016_Pedro e a Rocha_GGR
Respostas_822016_Pedro e a Rocha_GGR
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
MilyFonceca
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
StelaWilbert
 

Último (8)

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_ltt-se6sizea4-pdf-free.pdf
 

Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR

  • 1. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com LIÇÃO 5 O Papel da Igreja na Comunidade Como o evangelho transforma a comunidade 23 a 30 de julho de 2016 ❉ Sábado à tarde VERSO PARA MEMORIZAR: “Percorria Jesus toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades entre o povo” (Mt 4:23). Leituras da semana: Lc 4:16-19; 10:25-37; Mt 5:13; Is 2:8; Jo 4:35-38; Mt 13:3-9 Robert Louis Stevenson, mais conhecido por sua história de aventuras, A Ilha do Tesouro, foi uma criança doente e não pôde frequentar a escola regularmente. Depois, seus pais contrataram um professor para lhe dar aulas e uma babá para ajudá-lo em suas necessidades pessoais. Certa noite, quando a babá foi verificar se estava tudo em ordem antes que ele dormisse, encontrou-o fora da cama, com as mãos e o nariz pressionados contra a janela. A babá lhe disse firmemente que voltasse para a cama antes que pegasse um resfriado. Robert lhe disse: “Venha até a janela, e olhe o que eu estou vendo.” Havia um homem acendendo as lâmpadas da rua. “Olhe”, disse Robert, “um homem está abrindo buracos na escuridão” (Margaret Davis,Fear Not! Is There Anything Too Hard for God? Aspect Books, p. 332). O que o Novo Testamento ensina sobre ajudar os necessitados? Jesus disse que devemos ser “a luz do mundo” (Mt 5:14). Ao fazer isso, refletimos Jesus, a Verdadeira Luz do mundo (Jo 8:12). Os ensinos de Jesus, que Ele exemplificou em Seu próprio ministério terrestre, dão claras instruções quanto à maneira pela qual, por meio dEle, podemos “abrir buracos na escuridão”. No mês de agosto, ofereça esperança à sua comunidade realizando o Projeto Quebrando o Silêncio. Sua dedicação pode mudar a vida de muitas famílias. Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 2. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com ❉ Domingo, 24 de julho - A declaração de missão de Jesus Jesus, o jovem rabi de Nazaré, havia Se tornado muito popular na região da Galileia (Lc 4:15). Quando Ele falava, as pessoas ficavam “maravilhadas da Sua doutrina; porque Ele as ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas” (Mt 7:28, 29). Num sábado, quando Lhe foi entregue o rolo do livro de Isaías, Jesus leu os dois primeiros versos de Isaías 61, parando no meio de uma declaração, exatamente antes da frase “e o dia da vingança do nosso Deus” (Is 61:2). ► Pergunta. 1. Leia Lucas 4:16-19. Onde encontramos essas mesmas palavras? (Ver Isaías 61:1, 2.) O que Jesus estava proclamando ao ler esses versos? Lc 4:16-19, (ACF 1753); 16 E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. 17 E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: 18 O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, 19 A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR. Is 61:1-3, (ACF 1753); 1 O ESPÍRITO do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; 2 A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes; 3 A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado. ► Resposta. 1. Ele havia sido ungido pelo Espírito Santo para evangelizar os pobres e curar os sofredores, proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor. Como já vimos, a expressão “o ano aceitável do Senhor” é identificada como o ano do jubileu (ver Levítico 25). Nessa visita a Nazaré, Jesus citou uma passagem messiânica das Escrituras e assegurou aos Seus ouvintes: “Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir” (Lc 4:21). Nesse sermão Ele Se revelou como o Ungido que pregava as boas-novas aos pobres, a libertação aos cativos, a restauração da vista aos cegos, a liberdade para os oprimidos e a restituição efetuada no jubileu. Essa lista é uma boa descrição de Seu ministério terrestre, que tinha como foco o ensino, a cura e o serviço, especialmente em favor dos necessitados. ► Pergunta. 2. Por que Jesus não completou a declaração de Isaías 61:2? Is 61:2, (ACF 1753); 2 A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes; ► Resposta. 2. Porque Sua missão não era promover vingança contra os inimigos de Seu povo, mas salvar o povo do maior inimigo: o pecado. Ele veio para oferecer cura, libertação, perdão e um lugar no reino eterno. Talvez Jesus tenha parado antes da frase “o dia da vingança do nosso Deus” porque não queria que Seu ministério fosse associado ao conceito prevalecente de que o Messias viria para liderar exércitos que derrotariam os opressores de Israel e os colocariam sob o poder dos israelitas. Esse era um falso conceito que, infelizmente, impediria muitos de Seus compatriotas de considerarem Sua pessoa e Seu ministério da maneira correta. Porém, Ele Se concentrou no que iria fazer por aqueles que precisavam do que Ele tinha a oferecer ali, naquele momento, independentemente da situação política da época. Que lição encontramos na maneira pela qual Jesus anunciou Seu ministério? O que aprendemos com Sua Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 3. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com ênfase no trabalho prático que precisamos fazer? Fortaleça sua experiência com Deus. Acesse o site reavivadosporsuapalavra.org ❉ Segunda, 25 de julho - Ame seu próximo “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento; e: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Lc 10:27). ► Pergunta. 3. Qual é mensagem de Lucas 10:25-37 a respeito da questão de ajudar os necessitados? Lc 10:25-37, (ARC); 25 E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? 26 E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? 27 E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti mesmo. 28 E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso e viverás. 29 Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo? 30 E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. 31 E, ocasionalmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. 32 E, de igual modo, também um levita, chegando àquele lugar e vendo-o, passou de largo. 33 Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo- o, moveu-se de íntima compaixão. 34 E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele; 35 E, partindo ao outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei, quando voltar. 36 Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? 37 E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai e faze da mesma maneira. ► Resposta. 3. Devemos ser próximos de quem precisa de ajuda, incluindo pessoas de outras nações ou religiões. O samaritano teve misericórdia de um “judeu”; assim, os judeus deviam ter misericórdia dos samaritanos, e devemos demonstrar misericórdia a todos. O doutor da lei entendeu que todos os mandamentos giram em torno de amar a Deus com tudo o que temos e amar o próximo como a nós mesmos. A pergunta que precisava ser respondida era: “Quem é o meu próximo?” Uma vez que a ideia prevalecente no tempo de Cristo era considerar alguém do seu próprio povo como seu próximo e relegar todos os outros à condição de estranhos, esse doutor da lei esperava que Jesus esclarecesse a questão. A parábola contada por Jesus revela uma perspectiva totalmente diferente. Nosso próximo é qualquer pessoa que encontremos e que precise de nós. Ser o próximo de alguém é satisfazer as necessidades dessa pessoa. O sacerdote e o levita estavam mais preocupados em evitar a contaminação e proteger da impureza seus deveres religiosos. Essa era uma forma conveniente de usar a religião como desculpa para não renunciar ao egoísmo a fim de ajudar alguém que, muito provavelmente, nunca poderia retribuir. Em contraste, o samaritano viu como seu próximo esse “estranho” e “inimigo” ferido, cuidando misericordiosamente das necessidades dele em vez de cuidar das suas. A ideia principal é que, em vez de perguntar: “Quem é meu próximo?”, precisamos perguntar: “Quem será o próximo dos fracos e oprimidos?” Não importa quem seja a pessoa; aquela que estiver necessitada é a que devemos ajudar, e ponto final. ❉ Terça, 26 de julho - A receita completa Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 4. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com “Vós sois o sal da Terra” (Mt 5:13). Nessa passagem, Jesus está chamando Seus seguidores para que sejam “sal”, que é um agente transformador. A igreja é um “saleiro”, que contém o “sal da Terra”. Com o que ou com quem esse “sal” deve se misturar? Somente com nós mesmos, ou com “ingredientes” diferentes de nós? Você pode entender melhor a resposta a essa pergunta se encher uma fôrma de pão com sal, e outra com massa de pão contendo sal como um de seus ingredientes. Na primeira forma, o sal é a receita inteira; dificilmente essa receita seria saborosa, muito menos comestível. Na segunda forma, o sal é parte da receita e está misturado com ingredientes diferentes dele mesmo. Como tal, ele transforma um pão sem graça num pão delicioso. O sal cumpre seu papel quando se mistura com elementos diferentes de si mesmo. Algo semelhante ocorre com os cristãos. Isso não acontecerá se permanecermos confortavelmente dentro do “saleiro”, a igreja. Assim, há um ponto que não podemos ignorar. Podemos, em todos os aspectos possíveis, ser pessoas moralmente corretas, no sentido de que não fumamos, não bebemos, e não nos envolvemos em orgias, jogos de azar e crimes. Tudo isso é importante. Porém, a questão não é apenas o que não fazemos, mas o que fazemos. O que temos feito para ajudar nossa comunidade e os que têm alguma necessidade? ► Pergunta. 4. Leia novamente Mateus 5:13, concentrando-se no restante do verso. Como o sal pode perder seu sabor? Mt 5:13, (ARC); 13 Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens. ► Resposta. 4. Ficando apenas no saleiro, não se misturando aos alimentos e perdendo a oportunidade de dar sabor à comida. Ele perde o sabor ao se misturar com substâncias que anulam seu sabor, como o solo. O cristão deve ser o sal que melhora o sabor do mundo, ao mesmo tempo que evita absorver o sabor da cultura secular. “Mas se o sal perdeu o sabor, se existe apenas uma profissão de piedade, sem o amor de Cristo, não há poder para o bem. A vida não pode exercer salvadora influência no mundo”. (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 439). Volte à ilustração da receita. Como vimos, se tudo o que tivermos for o sal, isso não é bom. Na verdade, excesso de sal na alimentação pode ser prejudicial. O sal tem que ser misturado com o que é diferente dele. Assim, se somos exatamente como o mundo, ou se somos semelhantes a ele, não faremos diferença nele. Não teremos nada a oferecer. O sal passará a ser inútil. E o que Jesus disse que acontecerá a ele então? Contudo, se estivermos impregnados do sabor do amor de Cristo, desejaremos nos aproximar dos “estranhos”, misturando-nos com outros para que sejamos agentes da transformação, fazendo uma diferença positiva na vida deles e, por extensão, levando as pessoas ao que realmente tem importância na vida: a salvação em Jesus. ► Leia Deuteronômio 12:30; 31:20; Isaías 2:8. Qual é o perigo apresentado nessas passagens? Como podemos nos precaver para não cair nessa armadilha? Dt 12:30, (KJA); 30 fica atento ao teu próprio comportamento! Não te deixes seduzir, não vás seguir os deuses delas, ponderando: ‘Como estas nações servem aos seus deuses? Que interessante! Vou fazer o mesmo’. Dt 31:20, (KJA); 20 Quando Eu o tiver feito adentrar na terra onde manam leite e mel, terra que prometi sob juramento a seus pais na antiguidade, e quando tiver comido com fartura e houver prosperado, engordará e se deixará seduzir por outros deuses e os servirá, abandonando-me e rompendo a minha Aliança. Is 2:8, (KJA); 8 Sua terra também está cheia de ídolos. Eles se inclinam em adoração diante da obra das suas Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 5. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com próprias mãos, reverenciando o que os seus dedos produziram. ❉ Quarta, 27 de julho - Cultivando o campo espiritual ► Pergunta. 5. Leia João 4:35-38. Quais são os passos necessários para alcançar as pessoas? Jo 4:35-38, (KJA); 35 Não dizeis vós: ‘Ainda há quatro meses até a colheita?’. Eu, porém, vos afirmo: erguei os olhos e vede os campos, pois já estão brancos para a colheita. 36 Aquele que ceifa recebe o seu salário e colhe fruto para a vida eterna, e assim se alegram juntos o semeador e o ceifeiro. 37 Dessa forma, é verdadeiro o ditado: ‘Um semeia, e o outro colhe.’. 38 Eu vos enviei para ceifar o que não plantaste. Outros realizaram o cultivo, e vós usufruístes do labor deles.” ► Resposta. 5. Buscar sabedoria para trabalhar no campo espiritual, de acordo com seus dons; preparar o solo; semear a Palavra e regar a terra; orar para que o Sol da Justiça desenvolva o fruto e trabalhar para colhê- los. Cada pessoa é alcançada por meio do esforço de diversos trabalhadores. O trabalho de um agricultor é um bom exemplo das diversas etapas do desenvolvimento espiritual. Outros tipos de atividades agrícolas precisam ser realizadas antes de uma colheita farta (Mt 9:35-38). Não são necessários somente ceifeiros na seara do Senhor. Você pode imaginar um agricultor, na época da colheita, dizendo a seus trabalhadores: “A época da colheita está chegando, por isso precisamos começar a plantar as sementes”? A colheita só ocorre depois que o agricultor se empenhou em cultivar a terra durante um longo período. ► Pergunta. 6. A agricultura inclui a preparação do solo, pois nem todo solo é originalmente bom. (Leia Mateus 13:3-9.) O que sua igreja pode fazer em sua comunidade para amolecer o “solo duro” e remover “rochas” e “espinhos”? Mt 13:3-9, (KJA); 3 Jesus ensinou-lhes então muitas coisas por meio de parábolas, como esta: “Eis que um semeador saiu a semear. 4 Enquanto realizava a semeadura, parte dela caiu à beira do caminho e, vindo as aves, a devoraram. 5  Outra parte caiu em terreno rochoso, onde havia uma fina camada de terra, e logo brotou, pois o solo não era profundo. 6 Porém, quando veio o sol, as plantas se queimaram; e por não terem raiz, secaram. 7 Outra parte caiu entre os espinhos. Estes, ao crescer, sufocaram as plantas. 8 Contudo, uma parte caiu em boa terra, produzindo generosa colheita, a cem, sessenta e trinta por um. 9 Aquele que tem ouvidos para ouvir, que ouça!” O propósito das parábolas ► Resposta. 6. Analisar os diferentes tipos de solo, por meio de pesquisas e amizade; definição das necessidades da população e ações para atendê-las; plantio da semente, por meio de diferentes estratégias, que resultarão na colheita de pessoas. Alguns trabalhadores fizeram o árduo trabalho agrícola antes da colheita, e outros colhem os benefícios do seu esforço. Às vezes as estratégias evangelísticas têm enfatizado mais a colheita do que o trabalho preparatório. Não é assim que deve ocorrer. O solo precisa ser preparado muito antes que o evangelista venha e comece a pregar, com a esperança de colher frutos. Devemos olhar para o trabalho agrícola como um processo: analisar o solo, preparar e arar a terra, plantar, irrigar, fertilizar, combater as pragas, esperar, colher e preservar a colheita. Colher é apenas uma parte do processo. Na igreja, o processo de “agricultura” poderia incluir atividades de análise do solo, como pesquisas de avaliação das necessidades da comunidade, análise das características da população e entrevistas com líderes comunitários. Pode haver atividades de preparação e cultivo da terra, Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 6. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com como atendimento às necessidades da comunidade que foram reveladas pela avaliação; atividades de plantio de sementes, como seminários, estudos bíblicos e pequenos grupos; e oração pela chuva do Espírito Santo. Poucas pessoas são ganhas para Cristo participando de apenas uma atividade. Precisamos nutri-las num processo de múltiplas participações em atividades evangelísticas, aumentando assim a probabilidade de que elas estejam prontas para a colheita. Se confiarmos em eventos esporádicos, é improvável que as novas plantas sobrevivam até a colheita. Que papel você exerce agora nesse processo de conquistar pessoas para Deus? Acha que deveria desempenhar um papel diferente? ❉ Quinta, 28 de julho - Plantio de igrejas ► Pergunta. 7. Leia Mateus 10:5-10. Por que Jesus enviou Seus discípulos sem nenhum recurso para as cidades e aldeias vizinhas? Mt 10:5-10, (NVI); 5 Jesus enviou estes doze com as seguintes instruções: "Não se dirijam aos gentios, nem entrem em cidade alguma dos samaritanos. 6 Antes, dirijam-se às ovelhas perdidas de Israel. 7 Por onde forem, preguem esta mensagem: ‘O Reino dos céus está próximo’. 8 Curem os enfermos, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios. Vocês receberam de graça; dêem também de graça. 9 Não levem nem ouro, nem prata, nem cobre em seus cintos; 10 não levem nenhum saco de viagem, nem túnica extra, nem sandálias, nem bordão; pois o trabalhador é digno do seu sustento. ► Resposta. 7. Porque eles deviam depender de Deus e da ajuda das pessoas que seriam beneficiadas por seu trabalho, que incluiria cura, ressurreição e expulsão de demônios. Eles deviam se envolver com as pessoas para dar e receber de graça. Parece estranho que os discípulos de Jesus tenham recebido ordens diretas de entrar em seu território missionário com poucos recursos para seu sustento. Aparentemente, Jesus colocou Seus discípulos nessa situação para ensinar-lhes a dependência de Deus e também a importância de fazer amizade com os moradores das localidades por meio do serviço em favor deles. Esses moradores iriam valorizar o serviço dos discípulos o bastante para fornecer recursos para o ministério. A Associação do pastor Frank lhe pediu que plantasse uma igreja num dos bairros de uma grande cidade em que praticamente não havia a presença adventista. Inicialmente ele não tinha verba para fazer isso. Consultou um mapa e demarcou os limites do bairro. Estudou também as características da população local. Então, estacionou seu carro no ponto mais movimentado da vizinhança e começou a ir de comércio em comércio, fazendo perguntas sobre a vida naquela área. Ele visitou os políticos e os líderes de agências de emprego e de agências sociais, fazendo perguntas sobre as maiores necessidades da comunidade. Fez amizade com alguns dos moradores, que o convidaram a se unir a uma associação de moradores do bairro. Nesse contexto, ele descobriu outros líderes que abriram o caminho para que ele alugasse o anexo de uma igreja presbiteriana da localidade. Os membros da associação dos moradores do bairro forneceram o dinheiro para a compra de tinta e materiais de limpeza com o fim de restaurar o anexo que seria usado para serviços comunitários. As entrevistas com os líderes comunitários indicaram que a saúde era uma importante necessidade daquela comunidade. Por isso, o pastor Frank reuniu nesse anexo um grupo de voluntários que realizaram vários programas de exames médicos e acompanhamento dos pacientes. Os que eram beneficiados pelos exames e pelos programas pagavam uma pequena taxa, que ajudava a custear as despesas. Logo foi iniciada uma escola sabatina filial, e alguns dos moradores começaram a frequentá-la. O pastor Frank logo descobriu que uma das melhores maneiras para se plantar uma igreja é, primeiro, implantar um ministério que satisfaça as necessidades da comunidade e, depois, formar uma igreja através desse ministério. Esse ministério voltado para a comunidade deu origem a uma igreja adventista de mais de 140 membros. Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 7. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com A história do pastor Frank ilustra o que pode acontecer quando seguimos os ensinos de Jesus a respeito de como alcançar nossa comunidade. De que maneira Cristo praticou Seus próprios ensinos sobre o ministério em favor de outros? Na semana que vem começaremos a estudar os métodos que Jesus usava, e que “trarão verdadeiro êxito em alcançar as pessoas” (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 143). ❉ Sexta, 29 de julho - Estudo adicional ► Leia outros ensinos de Jesus que orientam sobre seu papel e o de sua igreja na comunidade: Mateus 7:12;23:23; 25:31-46; Marcos 4:1-34; 6:1-13; Lucas 6:36; 11:42; 12:13-21; 14:16-24; 16:13; 18:18-27; 19:1- 10; João 10:10; 12:8; 17:13-18. Leia, de Ellen G. White, “Um Destes Meus Pequeninos Irmãos”, em O Desejado de Todas as Nações, p. 637- 641; e o artigo “The Missionary’s Pattern” (O Modelo do Missionário), em Signs of the Times, 19 de março de 1894. “A menos que a igreja seja a luz do mundo, ela será trevas” (Ellen G. White, Signs of the Times, 11 de setembro de 1893). Essa é uma afirmação contundente. Faz-nos lembrar das palavras de Jesus: “Quem não é por Mim é contra Mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12:30). Jesus deixou isto claro: não há território neutro no grande conflito. Ou estamos do lado de Cristo ou do lado do inimigo. Ter recebido grande luz e não fazer nada com ela é trabalhar contra ela. Fomos chamados para ser luz no mundo; se não somos luz, então somos trevas. Embora o contexto imediato seja diferente, o princípio é o mesmo nesta passagem: “Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!” (Mt 6:23). Talvez tudo isso pudesse ser resumido nas palavras: “Àquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e àquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão” (Lc 12:48). Perguntas para reflexão Devemos nos misturar com o mundo e fazer o bem aos outros e, ao mesmo tempo, evitar que isso nos absorva de tal maneira que nos tornemos parte do problema, e não da solução. Nesse caso, qual é o equilíbrio? Em nossa comunidade, às vezes surge a questão da política. Quais cuidados devemos ter para impedir que a política contamine nossa missão? Como podemos nos manter, tanto quanto possível, longe da disputa política? Há situações em que precisamos estar na arena política para servir à comunidade? Como atuar de maneira a não comprometer nossa comissão de levar o evangelho? Auxiliar da Lição TEXTO-CHAVE: Lucas 10:25-37 O ALUNO DEVERÁ Conhecer: A diferença entre igrejas que se dedicam internamente às necessidades e conforto dos próprios membros e igrejas cujo foco está em servir à comunidade. Sentir: Sincero interesse por pessoas na comunidade que ainda não ouviram nem aceitaram as boas-novas da salvação. Fazer: Comprometer-se a encontrar maneiras de se conectar com as pessoas da comunidade e servi-las. ESBOÇO I. Conhecer: Servindo a comunidade Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 8. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com A. Na parábola do bom samaritano, o religioso passou por uma pessoa necessitada e a ignorou, enquanto alguém completamente improvável parou a fim de ajudá-la. Você conhece histórias atuais semelhantes a essa? B. A sua igreja dedica-se aos necessitados ou os ignora e “atravessa” para o outro lado da estrada? Caso a resposta seja positiva para a última opção, como podemos mudar essa realidade? II. Sentir: O desafio do serviço A. Sair para trabalhar na comunidade pode ser uma experiência um tanto assustadora, pois você não sabe como as pessoas vão reagir. Como você se sente ao saber que Aquele que nos manda ir tem “toda autoridade no céu e na Terra” (Mt 28:18)? B. Muitas vezes, em nosso trabalho missionário, procuramos meios de atrair as pessoas da comunidade para a igreja. Como você se sente diante da possibilidade de reverter a situação e estudar meios para que a igreja vá até a comunidade? III. Fazer: Indo à comunidade A. Em quais serviços específicos você pode se envolver nas próximas semanas? B. Que medidas práticas podemos tomar para superar a mentalidade de que a igreja é um clube, em que priorizamos a nós mesmos ao invés da comunidade ao nosso redor? RESUMO: O hino 192 do Hinário Adventista fala da “Infinita Graça” e da misericórdia de Deus. Ela é estendida a todos os seres criados. Deus anseia que Sua igreja siga Seu exemplo e se torne uma “comunidade que vai”, que não se contenta em ficar sentada nos bancos da igreja, mas que leva as boas-novas da salvação aos lugares em que as pessoas moram, trabalham e se divertem. Ciclo do aprendizado Motivação Focalizando as Escrituras: Lucas 10:25-37 Conceito-chave para o crescimento espiritual: A verdadeira religião não é demonstrada pelo conhecimento bíblico e teológico, mas pelas expressões práticas de cuidado e interesse por aqueles que vivem à margem da sociedade. Para o professor: A parábola do bom samaritano é uma história poderosa em vários aspectos. Ela aponta para a importância de nos interessarmos não apenas pelos necessitados, mas também por aqueles que são diferentes de nós, inclusive os que poderiam ser considerados nossos inimigos. Mantenha o foco da discussão longe das generalizações e do discurso teológico e encontre meios de ajudar os alunos a aplicar os princípios da lição à vida deles. Discussão inicial No início dos anos 70, John Darley e Daniel Batson, psicólogos da Universidade de Princeton, conduziram um experimento sobre “o bom samaritano”. Nesse estudo clássico, eles fizeram com que 200 alunos do seminário caminhassem, um de cada vez, entre dois prédios do campus. Disseram a cada aluno(a) que ele(a) estaria “participando de um estudo de carreiras vocacionais dos seminaristas”. Cada um foi instruído a caminhar até o outro edifício e, ao chegar lá, apresentar um pequeno discurso sobre um determinado assunto. Foi pedido a alguns que falassem sobre a parábola do bom samaritano. À medida que caminhava até o outro prédio, cada aluno “encontrava uma pessoa maltrapilha, caída do outro lado da rua”. Enquanto cada aluno passava, a “vítima”, como que dando uma pista, tossia duas vezes e gemia. Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 9. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com Os pesquisadores queriam saber como os seminaristas iriam reagir. Darley e Batson publicaram suas descobertas em forma de artigo na revista Journal of Personality and Social Psychology, sob o título “From Jerusalem to Jericho” [De Jerusalém a Jericó]. Eles descobriram que os alunos que estavam com mais pressa para chegar aos seus destinos tendiam a continuar sem se deter. Outra descoberta significativa dos pesquisadores foi que os alunos que estavam designados a falar sobre o bom samaritano não tiveram mais propensão a parar do que qualquer outro aluno incumbido de falar sobre possíveis oportunidades de trabalho para seminaristas graduados. Na verdade, os pesquisadores descobriram que, em várias ocasiões, os alunos que corriam para fazer seu discurso sobre o bom samaritano passavam literalmente por cima da vítima! Em outras palavras, pensar na história do bom samaritano não fez diferença alguma no verdadeiro comportamento dos alunos. Pense nisto: Quais fatores estão prejudicando nossa habilidade de enxergar e cuidar das pessoas necessitadas? Que medidas podemos tomar para fugir de um “conhecimento apenas teórico” da religião e aplicar verdadeiramente o que acreditamos à nossa vida? Compreensão Para o professor: A história do bom samaritano se tornou um exemplo para todos os tempos. A expressão “bom samaritano” passou a ser usada para se referir a qualquer pessoa que realiza uma boa ação a alguém. Essa história inspirou poesias, canções e quadros. Muitas pessoas que nunca leram a Bíblia conhecem essa expressão e seu significado. Pergunte aos seus alunos o que torna essa parábola tão poderosa. Qual é o significado dela para nós? Como aplicar os princípios dessa parábola ao nosso cotidiano? Comentário bíblico I. Pikuach Nefesh (Recapitule com a classe Lucas 10:31-33.) Levítico 19:16 diz: “Não faça nada que ponha a vida do seu vizinho em risco” (Lv 19:16, New International Version, tradução livre). O sentido literal é: “Não atentarás contra a vida do teu próximo.” É desse verso que vem o princípio judaico pikuach nefesh, ou seja, a obrigação de ajudar qualquer vida ameaçada. Pikuach nefesh vai além e nos ensina que, quando duas regras se conflitam, a obrigação de salvar a vida humana prevalece sobre todas as outras obrigações. Assim, por exemplo, seria considerado apropriado realizar uma cirurgia de emergência no sábado a fim de salvar a vida de alguém; ou mesmo comer alimentos que não estão de acordo com os princípios judaicos, se isso fosse essencial para que alguém se recuperasse de uma enfermidade. Nesse caso, a lei dietética (kosher) poderia ser suspensa. Atualmente estudiosos judeus estendem o princípio de pikuach nefesh para coisas como doar órgãos a fim de salvar vidas. Essa era a base do ensinamento de Jesus, de que é lícito fazer o bem no dia de sábado. Jesus mostrou aos líderes religiosos que eles aplicavam alegremente esse princípio quando um boi caía em um poço no dia de sábado (Lc 14:5), mas relutavam em praticar o pikuach nefesh quando as necessidades da vida humana estavam em jogo. Embora aqueles líderes religiosos se valessem do pikuach nefesh a fim de salvar a vida, eles impediam o tratamento das condições que não traziam risco de morte no sábado. Jesus, por outro lado, ensinava que parte da bênção sabática estava envolvida no esforço para ser uma influência curadora aos que sofrem. Portanto, na história do bom samaritano, percebemos que aqueles que deveriam ter praticado o pikuach nefesh, o levita e o sacerdote, foram justamente os que se esquivaram de cumpri-lo. Obviamente Jesus colocou o sacerdote numa situação difícil nessa história. Por causa das leis de purificação, o sacerdote correria um risco enorme de se tornar cerimonialmente impuro ao tocar o corpo daquele homem. Como ele deveria interpretar a lei? O que venceria: o amor ao próximo ou a fidelidade à lei de purificação? Ocorreu que nem o sacerdote nem o levita demonstraram preocupação com a vida que estava em risco. De modo ultrajante e chocante, foi um dos samaritanos (os odiados e desprezados primos distantes dos judeus) que demonstrou o Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 10. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com verdadeiro pikuach nefesh. Pense nisto: Como aplicar o princípio do pikuach nefesh em nosso cotidiano? Dê alguns exemplos práticos de situações que podemos enfrentar. II. Judeus e samaritanos (Recapitule com a classe João 4:1-26.) Não é necessário consultar fontes extrabíblicas para saber que não havia amor entre judeus e samaritanos. Quando Jesus Se encontrou com a mulher samaritana junto ao poço, ela Lhe disse: “Como, sendo Tu judeu, pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana?” (Jo 4:9). No caso de seus leitores não compreenderem o comentário da mulher, o Evangelho de João (4:9) acrescentou uma explicação: “(porque os judeus não se dão com os samaritanos)”. Em outra ocasião, Tiago e João ficaram irados quando Jesus não foi recebido com hospitalidade em uma aldeia samaritana. Qual foi a resposta deles? “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para os consumir?” (Lc 9:54). Portanto, é a partir do contexto da antiga rivalidade e do ódio entre judeus e samaritanos que devemos enxergar propriamente essa história. Na parábola de Jesus, o samaritano não era incrédulo, ou gentio. Ele teria se devotado à Torá e seguido os Dez Mandamentos. A questão principal é que ninguém esperava que um samaritano fosse interpretar a Torá corretamente, muito menos acabar sendo o herói da história. Pense nisto: O que significa o fato de que o conhecedor da lei, respondendo à pergunta de Jesus, usou a expressão “aquele que teve misericórdia dele” (Lc 10:37, NVI), em vez de chamá-lo de “samaritano”, como Jesus o chamou? Há algum conflito semelhante à inimizade entre judeus e samaritanos em sua comunidade? O que você pode fazer para ajudar a construir pontes entre esses dois grupos? Aplicação Para o professor: Há alguns anos a Igreja Adventista do Sétimo Dia adotou um slogan: “A Igreja Solidária”. Era um belo slogan, algo de que poderíamos nos orgulhar. Nessas três palavras havia um resumo do chamado para abraçar e cuidar de nossa comunidade, seguindo o método de Cristo de Se misturar com as pessoas, demonstrar compaixão, atender às suas necessidades, ganhar sua confiança e só então convidá-las para seguir a Jesus. Aquele slogan envolvia o cuidado para com as necessidades mentais, físicas e emocionais dos nossos semelhantes, mas também a atenção às suas necessidades espirituais e a tarefa de compartilhar as boas-novas da salvação com as pessoas. O único problema com o slogan era que “A Igreja Solidária” não era um rótulo que podíamos dar a nós mesmos – ele devia ser conquistado. Essa descrição devia vir das outras pessoas, não de nós mesmos. Perguntas para reflexão Como sua comunidade enxerga os adventistas do sétimo dia? Será que somos conhecidos como o povo que ama as pessoas e cuida delas? Se não, por que não é assim? Que coisas específicas podemos realizar nesta semana a fim de aprender a ser uma igreja solidária? Criatividade e atividades práticas Para o professor: Na atividade de hoje, os alunos analisarão a igreja que frequentam e o relacionamento dela com a comunidade. Prepare-se para ouvir algumas avaliações negativas. Conclua de maneira positiva, pedindo que eles apresentem ideias práticas de como aprimorar o relacionamento da igreja com a comunidade. Atividade Nesse exercício, solicite que os alunos pensem no relacionamento da igreja com a comunidade. Reflitam sobre Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 11. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comDúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.com isso a partir da perspectiva de alguém que mora ao redor da igreja, mas nunca entrou no templo e não sabe muita coisa a respeito das nossas crenças. Considere perguntas como: • Nossa igreja está conectada com a comunidade? Se sim, como? • A igreja é relevante para as pessoas que moram na vizinhança? • As pessoas da comunidade sentiriam falta da igreja se ela não estivesse ali? Solicite que os alunos desenhem uma figura ou diagrama que ilustre a relação da igreja com a comunidade. Dependendo dos recursos disponíveis: 1. Entregue a cada aluno um pedaço de papel e um lápis ou caneta. 2. Utilize um quadro ou cartaz para desenhar uma figura que ilustre a relação da igreja com a comunidade. Não sendo possível, descrevam-na verbalmente. Separe um tempo para conversar sobre as figuras desenhadas pela classe. Para concluir, pergunte aos alunos: Quais passos podem ser dados para melhorar a imagem da igreja na comunidade? Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição? Apoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosApoie esse ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos