SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
O Evangelho de Mateus – 16 a 23 de JUNHO 2016
LIÇÃO 4 - Justiça e Misericórdia no Antigo Testamento – Parte 2
❉ Sábado à tarde
VERSO PARA MEMORIZAR: “Toda criatura vivente que vive em enxames viverá por onde quer que passe
este rio, e haverá muitíssimo peixe, e, aonde chegarem estas águas, tornarão saudáveis as do mar, e tudo vi-
verá por onde quer que passe este rio” (Ez 47:9).
Leituras da semana: Ez 37:1-14; Ef 2:10; Ez 47:1-8; Mt 5:16; Ap 22:1, 2; Is 61:1-11
A vizinhança que havia prosperado na década de 1950 e início dos anos 60 havia se tornado uma zona de
guerra no final da década de 60 e começo dos anos 70. A maioria das famílias se mudou, deixando para trás
um rastro de apartamentos abandonados, arruinados e incendiados. As lojas saíram, e as drogas e o crime en-
traram, tornando a vizinhança ainda mais indesejável.
Em 1986 uma família cristã deixou sua confortável casa nos subúrbios e se mudou para aquela decadente co-
munidade urbana. Um pastor de outra cidade os acompanhou. Eles reformaram dois edifícios incendiados e os
transformaram em suas moradias. As duas famílias começaram a passar tempo nas ruas, conhecendo os grupos
da comunidade e se misturando com os que haviam permanecido na área. Essas duas famílias foram os ins-
trumentos que Deus usou para iniciar uma igreja que trouxe cura e transformação àquela comunidade morta.
A lição desta semana continua a “ouvir” o coro das vozes do Antigo Testamento que chama o povo de Deus
para revelar ao mundo Seu caráter de benevolência.
O dia 6 de agosto será a data da multiplicação dos pequenos grupos em todo o Brasil.
Viva em comunidade e toque a vida das pessoas.
❉ Domingo, 17 de julho - Vivos em Cristo
A graça de Deus que traz nova vida aos que estão mortos em transgressões e pecados é revelada vividamente
em Ezequiel 37. Em visão, o profeta Ezequiel foi transportado pelo Espírito para um vale cheio de ossos mor-
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
tos, secos e espalhados. Esses ossos representavam toda a casa de Israel. Deus perguntou: “Filho do homem,
acaso, poderão reviver estes ossos?” (Ez 37:3).
A resposta a essa pergunta foi revelada quando Ezequiel profetizou aos ossos.
► Pergunta 1. Leia Ezequiel 37:1-14. O que Deus faria por Seu povo?
Ez 37:1-14, (ACF 1753); 1 VEIO sobre mim a mão do SENHOR, e ele me fez sair no Espírito do SENHOR, e
me pôs no meio de um vale que estava cheio de ossos. 2 E me fez passar em volta deles; e eis que eram mui
numerosos sobre a face do vale, e eis que estavam sequíssimos. 3 E me disse: Filho do homem, porventura
viverão estes ossos? E eu disse: Senhor DEUS, tu o sabes. 4 Então me disse: Profetiza sobre estes ossos, e
dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do SENHOR. 5 Assim diz o Senhor DEUS a estes ossos: Eis que farei
entrar em vós o espírito, e vivereis. 6 E porei nervos sobre vós e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós
estenderei pele, e porei em vós o espírito, e vivereis, e sabereis que eu sou o SENHOR. 7 Então profetizei
como se me deu ordem. E houve um ruído, enquanto eu profetizava; e eis que se fez um rebuliço, e os ossos
se achegaram, cada osso ao seu osso. 8 E olhei, e eis que vieram nervos sobre eles, e cresceu a carne, e
estendeu-se a pele sobre eles por cima; mas não havia neles espírito. 9 E ele me disse: Profetiza ao espírito,
profetiza, ó filho do homem, e dize ao espírito: Assim diz o Senhor DEUS: Vem dos quatro ventos, ó espírito,
e assopra sobre estes mortos, para que vivam. 10 E profetizei como ele me deu ordem; então o espírito entrou
neles, e viveram, e se puseram em pé, um exército grande em extremo. 11 Então me disse: Filho do homem,
estes ossos são toda a casa de Israel. Eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança;
nós mesmos estamos cortados. 12 Portanto profetiza, e dize-lhes: Assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu
abrirei os vossos sepulcros, e vos farei subir das vossas sepulturas, ó povo meu, e vos trarei à terra de Israel.
13 E sabereis que eu sou o SENHOR, quando eu abrir os vossos sepulcros, e vos fizer subir das vossas
sepulturas, ó povo meu. 14 E porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra; e sabereis
que eu, o SENHOR, disse isto, e o fiz, diz o SENHOR.
► Resposta 1. Um milagre: reuniria os ossos secos, colocaria tendões, músculos e pele sobre os ossos. Mas
ainda estariam mortos. Então Deus enviaria o espírito de vida aos ossos, que reviveriam e se colocariam em
pé. Os israelitas estavam mortos em seus pecados, mas Deus queria renovar sua vida, abençoar sua nação e
usá-los na missão de ser uma luz ao mundo.
Os resultados da mensagem pronunciada aos ossos secos foram os seguintes: (1) eles “viveram e se puseram
em pé, um exército sobremodo numeroso” (Ez 37:10); (2) Deus estabeleceria Seu povo em sua própria terra
(Ez 37:14); (3) quando isso acontecesse, eles saberiam que Deus havia cumprido Sua promessa (Ez 37:14).
Mas reviver não é suficiente. O povo de Deus revive para uma missão, para um propósito. Israel devia ser uma
luz para as nações.
► Pergunta 2. Leia Efésios 2:10. Por que somos trazidos de volta à vida, recriados espiritualmente em Cristo?
Ef 2:10, (ACF 1753); 10 Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus
preparou para que andássemos nelas.
► Resposta 2. Para praticar boas obras que demonstram nosso crescimento em Cristo. Além de motivar as
pessoas a aceitar a salvação, nossas obras ajudam os pobres e oprimidos.
Nossa aceitação por Deus só é segura por meio de Seu Filho amado, e as boas obras são apenas o resultado da
atuação de Seu amor que perdoa o pecado. Não constituem um crédito para nós, e nada nos é atribuído pelas
nossas boas obras que possamos usar para reivindicar uma parte na nossa salvação. A salvação é o dom gratui-
to de Deus para o cristão, e lhe é concedido unicamente por amor a Cristo. A pessoa perturbada pode encontrar
paz pela fé em Cristo, e sua paz será proporcional à sua fé e confiança. Não pode apresentar suas boas obras
como argumento para sua salvação.
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
“Mas as boas obras não têm nenhum valor real? O pecador que a cada dia comete pecado impunemente é con-
siderado por Deus com o mesmo favor recebido por aquele que pela fé em Cristo procura agir em sua integri-
dade? A Escritura responde: „Somos feitura dEle, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de
antemão preparou para que andássemos nelas‟ (Ef 2:10).
“Em Sua providência divina, por meio de Seu favor imerecido, o Senhor ordenou que as boas obras sejam
recompensadas. Somos aceitos unicamente pelo mérito de Cristo; os atos de misericórdia e as ações de carida-
de que realizamos são frutos da fé” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 199, 200).
Fortaleça sua experiência com Deus.
Acesse o site reavivadosporsuapalavra.org
❉ Segunda, 18 de julho - Um rio que flui
► Pergunta 3. Leia Ezequiel 47:1-8. O que estava acontecendo com o templo que Ezequiel contemplou em
visão?
Ez 47:1-8, (ACF 1753); 1 DEPOIS disto me fez voltar à porta da casa, e eis que saíam águas por debaixo do
umbral da casa para o oriente; porque a face da casa dava para o oriente, e as águas desciam de debaixo, desde
o lado direito da casa, ao sul do altar. 2 E ele me fez sair pelo caminho da porta do norte, e me fez dar uma
volta pelo caminho de fora, até à porta exterior, pelo caminho que dá para o oriente e eis que corriam as águas
do lado direito. 3 E saiu aquele homem para o oriente, tendo na mão um cordel de medir; e mediu mil
côvados, e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos artelhos. 4 E mediu mais mil côvados, e me
fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos; e outra vez mediu mil, e me fez passar pelas águas
que me davam pelos lombos. 5 E mediu mais mil, e era um rio, que eu não podia atravessar, porque as águas
eram profundas, águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar. 6 E disse-me: Viste
isto, filho do homem? Então levou-me, e me fez voltar para a margem do rio. 7 E, tendo eu voltado, eis que à
margem do rio havia uma grande abundância de árvores, de um e de outro lado. 8 Então disse-me: Estas águas
saem para a região oriental, e descem ao deserto, e entram no mar; e, sendo levadas ao mar, as águas tornar-
se-ão saudáveis.
► Resposta 3. Abaixo da porta do templo saíam águas para o oriente. As águas cresceram em profundidade e
se tornaram um rio que trazia vida por onde passava, tornando saudável até o mar Morto.
Parecia estar vazando água do templo. Alguém poderia pensar: Será que quebrou algum cano? O que aconte-
ceu? No caso em questão, o vazamento foi uma coisa boa.
Aquela água que vazava do templo estava indo “para o oriente”. Ao oriente de Jerusalém fica o mar Salgado
(também conhecido como Mar Morto), o ajuntamento de águas mais baixo da Terra. Entre Jerusalém e o mar
Morto há aproximadamente 34 km de uma área em grande parte desértica, que inclui a Arabá, também conhe-
cida como a depressão do Jordão e do Mar Morto. Esse mar é tão salgado que nada consegue viver ali.
Contudo, quando a água que saía do templo chegasse lá, as águas mortas do mar ficariam “saudáveis”. Isso
pode ser entendido simbolicamente como a igreja de Deus, o templo (1Pe 2:4, 5), alcançando as pessoas e
sendo uma fonte de saúde e cura para os mortos em delitos e pecados.
► Pergunta 4. Leia Mateus 5:16. De que maneira devemos representar Jesus ao mundo?
Mt 5:16, (ARC); 16 Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e
glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus.
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
► Resposta 4. Nossa luz deve brilhar diante dos homens, por meio de boas obras que glorifiquem o Pai celes-
tial e sejam uma bênção à comunidade.
O rio Zambezi, em Zâmbia, na África, começa como um riacho raso que sai de baixo de uma árvore. À medi-
da que corre em direção às Cataratas Vitória (Victoria Falls), deixa de ser um riacho que bate na altura do tor-
nozelo e alcança a altura do joelho. Mais adiante atinge a altura da cintura e então se transforma num rio pro-
fundo o suficiente para que se possa nadar nele. Da mesma forma, embora fosse pequeno no início, o rio que
saía do templo aumentou em força e impacto, e se tornou um rio “que só se podia atravessar a nado; era um rio
que não se podia atravessar andando” (Ez 47:5, NVI).
A influência curadora de sua igreja pode começar pequena, mas pode crescer até transformar sua comunidade!
“Foi-me mostrada nossa obra no seu começo, como um pequeno, bem pequeno regato” (Ellen G. Whi-te, Tes-
temunhos para a Igreja, v. 7, p. 171).
Luz e água: ambas são figuras de linguagem usadas para falar sobre o que Deus pode fazer por nosso inter-
médio para ajudar os outros. Como podemos nos tornar melhores canais de atendimento aos necessitados?
❉ Terça, 19 de julho - A igreja: uma fonte de vida
Ez 47:9-10, (ACF 1753); 9 E será que toda a criatura vivente que passar por onde quer que entrarem estes rios
viverá; e haverá muitíssimo peixe, porque lá chegarão estas águas, e serão saudáveis, e viverá tudo por onde
quer que entrar este rio. 10 Será também que os pescadores estarão em pé junto dele; desde En-Gedi até En-
Eglaim haverá lugar para estender as redes; o seu peixe, segundo a sua espécie, será como o peixe do mar
grande, em multidão excessiva.
A profecia de Ezequiel mostra que há vida por onde quer que passe o rio que vem da igreja de Deus. Ezequiel
47:10 torna tudo isso ainda mais espantoso. Esta cena seria muito estranha: As margens de um corpo de águas
conhecido por não haver peixes, porque nada podia sobreviver ali, de repente, passaria a ser um lugar em que
os pescadores lançariam suas redes porque então muitos peixes poderiam ser apanhados no local.
A ideia principal é que, pelo poder de Deus atuando em Seu povo, pode haver vida onde antes não existia.
“Onde Deus atua não há situação sem esperança, não há nenhum grupo de pessoas que não possa ser salvo,
não há nenhuma herança de um passado infeliz que nos condene a um futuro entregue ao desespero” (The In-
terpreter´s Bible. Nashville: Abingdon Press, 1956; v. 6, p. 328).
A maravilhosa graça de Deus faz coisas incríveis por qualquer pessoa que a aceite. Aqui, novamente, temos a
mensagem do evangelho. Deus, por meio de nós, pode dar esperança aos que estão desanimados, desolados,
secos e moribundos, no sentido espiritual e físico.
► Pergunta 5. Compare Ezequiel 47:12 com Apocalipse 22:1, 2. Qual será o destino dos que são curados por
Jesus e dEle recebem nova vida por meio de Sua igreja?
Ez 47:12, (ACF 1753); 12 E junto ao rio, à sua margem, de um e de outro lado, nascerá toda a sorte de árvore
que dá fruto para se comer; não cairá a sua folha, nem acabará o seu fruto; nos seus meses produzirá novos
frutos, porque as suas águas saem do santuário; e o seu fruto servirá de comida e a sua folha de remédio.
Ap 21:1-2, (ACF 1753); 1 E VI um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra
passaram, e o mar já não existe. 2 E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu,
adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
► Resposta 5. O rio da vida é a igreja renovada pelo poder do Espírito. Cada membro da igreja deve ser uma
árvore de vida, produzindo frutos para glória de Deus e para cura da comunidade. Um dia, todos os salvos em
Cristo continuarão recebendo vida e cura por meio do rio da vida e da árvore da vida, no paraíso de Deus.
Um dia o povo de Deus – incluindo os membros da comunidade que Deus curou e a quem deu vida por meio
da abnegação dos membros da igreja – estará na nova Terra, onde há outro rio que flui do trono de Deus. Ali
não haverá desertos, sequidão nem morte.
Nesse ínterim, enquanto aguardamos essa bendita realidade, Deus deseja que Suas igrejas sejam lugares de
onde possam fluir cura e vida abundante para a comunidade em que estão localizadas. Ele deseja atuar através
de nós para revitalizar e transformar os desertos, as depressões e os “mares mortos” que estão em nossa região,
trazendo a eles vida abundante em Jesus (Jo 10:10). Essa é, em poucas palavras, a mensagem integral da igreja
adventista.
Jo 10:10, (ARC); 10 O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a
tenham com abundância.
Em Amós 5:24, o profeta apresenta um quadro semelhante ao de Ezequiel 47. Como essa descrição se compa-
ra ao papel da igreja na comunidade? Sua igreja está sendo um rio que leva cura às pessoas do seu bairro, de
maneira prática?
Am 5:24, (ARC); 24 Corra, porém, o juízo como as águas, e a justiça, como o ribeiro impetuoso.
❉ Quarta, 20 de julho - Promessas do jubileu
O Antigo Testamento repete frequentemente a ideia de que aqueles que são abençoados, seja com bens materi-
ais, ou espiritualmente, devem ajudar os que não são.
► Pergunta 6. Leia Isaías 61:1-11. Como podemos aplicar essas palavras de Deus ao chamado que Ele colo-
cou diante de nós? Lc 4:18
Is 61:1-11, (ACF 1753); 1 O ESPÍRITO do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para
pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos
cativos, e a abertura de prisão aos presos; 2 A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do
nosso Deus; a consolar todos os tristes; 3 A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de
cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se
chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado. 4 E edificarão os lugares
antigamente assolados, e restaurarão os anteriormente destruídos, e renovarão as cidades assoladas, destruídas
de geração em geração. 5 E haverá estrangeiros, que apascentarão os vossos rebanhos; e estranhos serão os
vossos lavradores e os vossos vinhateiros. 6 Porém vós sereis chamados sacerdotes do SENHOR, e vos
chamarão ministros de nosso Deus; comereis a riqueza dos gentios, e na sua glória vos gloriareis. 7 Em lugar
da vossa vergonha tereis dupla honra; e em lugar da afronta exultareis na vossa parte; por isso na sua terra
possuirão o dobro, e terão perpétua alegria. 8 Porque eu, o SENHOR, amo o juízo, odeio o que foi roubado
oferecido em holocausto; portanto, firmarei em verdade a sua obra; e farei uma aliança eterna com eles. 9 E a
sua posteridade será conhecida entre os gentios, e os seus descendentes no meio dos povos; todos quantos os
virem os conhecerão, como descendência bendita do SENHOR. 10 Regozijar-me-ei muito no SENHOR, a
minha alma se alegrará no meu Deus; porque me vestiu de roupas de salvação, cobriu-me com o manto de
justiça, como um noivo se adorna com turbante sacerdotal, e como a noiva que se enfeita com as suas jóias.
11 Porque, como a terra produz os seus renovos, e como o jardim faz brotar o que nele se semeia, assim o
Senhor DEUS fará brotar a justiça e o louvor para todas as nações.
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
Lc 4:18-19, (ACF 1753); 18 O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os
pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, 19 A pregar liberdade aos cativos, E restauração da
vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR.
► Resposta 6. Recebendo o Espírito do Senhor, pregando as boas-novas aos aflitos, curando, libertando pes-
soas, proclamando esperança, advertindo, consolando, orando pelas pessoas. Restaurando corações e tomando
posse das bênçãos de Deus.
Isaías 61 começa com a declaração de que o Espírito do Senhor atua por meio do Ungido para pregar boas-
novas aos pobres, curar os quebrantados de coração, proclamar libertação aos cativos e livrar das trevas e do
desespero os presos (Is 61:1; ver Lc 4:18). Todos os elementos dessa promessa têm cumprimento no “ano
aceitável do Senhor”, uma referência ao ano do jubileu que, como já vimos, era cheio de implicações a respei-
to do dever de atender às necessidades dos pobres.
Assim, os enlutados que são confortados, os sofredores em Sião que são atendidos, os que recebem “uma co-
roa em vez de cinzas” e “óleo de alegria [...] em vez de pranto”, bem como os que usam “veste de louvor [...]
em vez de espírito angustiado” (Is 61:3) são as próprias pessoas que edificarão os lugares antigamente assola-
dos e restaurarão os lugares anteriormente destruídos. Os que são abençoados pelo jubileu messiânico passam
a transformar a sociedade, renovando as cidades arruinadas (Is 61:4). Os servos de Deus são chamados de sa-
cerdotes e ministros, e são sustentados pelas riquezas das nações vizinhas (Is 61:5, 6).
As figuras que encontramos em Isaías 61, do Ungido transformando os povos ao redor por meio da prosperi-
dade dos que estão em aliança com Ele (Is 61:8, 9) se aplicam àqueles que, na atualidade, foram chamados
para ser sacerdotes e ministros nas comunidades ao redor do mundo. A mesma influência transformadora des-
sa profecia não deveria ser sentida quando nos regozijamos no Senhor, nos alegramos no nosso Deus e somos
cobertos com vestes de salvação e de justiça no meio da nossa comunidade (Is 61:10, 11)?
Leia Isaías 61:9, um testemunho impressionante do que Deus queria fazer por Seu povo! A mesma coisa pode
ser dita hoje a nosso respeito? Justifique sua resposta.
❉ Quinta, 21 de julho - A igreja: um agente de mudança
► Pergunta 7. Leia Miqueias 6. Sobre o que Senhor estava falando nesse capítulo?
Mq 6:1-16, (ARC); 1 Ouvi, agora, o que diz o SENHOR: Levanta-te, contende com os montes, e ouçam os
outeiros a tua voz. 2 Ouvi, montes, a contenda do SENHOR, e vós, fortes fundamentos da terra; porque o
SENHOR tem uma contenda com o seu povo e com Israel entrará em juízo. 3 Ó povo meu! Que te tenho
feito? E em que te enfadei? Testifica contra mim. 4 Certamente, te fiz subir da terra do Egito e da casa da
servidão te remi; e pus diante de ti a Moisés, Arão e Miriã. 5 Povo meu, ora, lembra-te da consulta de
Balaque, rei de Moabe, e do que lhe respondeu Balaão, filho de Beor, desde Sitim até Gilgal; para que
conheças as justiças do SENHOR. 6 Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus
Altíssimo? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? 7 Agradar-se-á o SENHOR de
milhares de carneiros? De dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão? O
fruto do meu ventre, pelo pecado da minha alma? 8 Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o
SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu
Deus? 9 A voz do SENHOR clama à cidade, e o sábio verá o teu nome: Ouvi a vara e quem a ordenou. 10
Ainda há na casa do ímpio tesouros de impiedade? E efa pequeno, que é detestável? 11 Seria eu limpo com
balanças falsas? E com um saco de pesos enganosos? 12 Porque os seus ricos estão cheios de violência, e os
seus habitantes falam mentiras; e a sua língua é enganosa na sua boca. 13 Assim, eu também te enfraquecerei,
ferindo-te e assolando-te por causa dos teus pecados. 14 Tu comerás, mas não te fartarás; e a tua humilhação
estará no meio de ti; removerás, mas não livrarás; e aquilo que livrares, eu o entregarei à espada. 15 Tu
semearás, mas não segarás; pisarás a azeitona, mas não te ungirás com azeite; e o mosto, mas não beberás
vinho. 16 Porque se observam os estatutos de Onri e toda a obra da casa de Acabe, e vós andais nos conselhos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
deles; para que eu faça de ti uma desolação e dos seus habitantes um assobio; assim, trareis sobre vós o
opróbrio do meu povo.
► Resposta 7. Sobre a apostasia do povo de Israel, que havia sido libertado do Egito mas se afastou de Deus.
Os sacrifícios e cerimônias religiosas não eram aceitos por causa da maldade, opressão e injustiça social prati-
cados pela nação. Israel seria castigado por causa desses pecados.
Miqueias se uniu aos outros profetas do Antigo Testamento que enfatizaram que as formas externas de religião
destituídas da manifestação humilde e intencional de justiça e misericórdia nunca são aceitáveis a um Deus
justo e misericordioso.
► Pergunta 8. Qual é a mensagem crucial de Miqueias 6:8?
Mq 6:8, (ARC); 8 Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que
pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu Deus?
► Resposta 8. Deus pede de nós o que é melhor para nós: que andemos com Ele em humildade, que amemos
a misericórdia e que pratiquemos a justiça.
“A verdadeira religião é prática. Sem dúvida, inclui os ritos e as cerimônias da igreja, mas [...] não é tanto uma
questão de se abster do alimento quanto é de compartilhar o alimento com o faminto. A bondade na prática é o
único tipo de religião reconhecida no juízo divino” (Comentário Bíblico Adventista, v. 4, p. 325).
Hoje Deus ainda rejeita a apostasia de uma religião externa que exclui a piedade prática expressa em Miqueias
6:8. Nossas formas religiosas não são um fim em si mesmas; são um meio para um fim, e esse fim é Cristo,
que deve ser revelado em nós.
Na introdução da lição desta semana, conhecemos duas famílias que se mudaram para uma comunidade “sem
esperança” com o objetivo de atender às necessidades das pessoas que moravam ali. As duas famílias forma-
ram, na sala de estar de uma das casas, um pequeno grupo com amigos da vizinhança. Os membros desse pe-
queno grupo em crescimento oraram fervorosamente para que Deus lhes mostrasse como reavivar sua comu-
nidade. Fizeram parceria com uma agência cristã de projetos sociais e começaram a recrutar voluntários para
se unir a eles na reconstrução das casas destruídas que havia ao redor. Se você visitasse aquele lugar hoje, ve-
ria que ela é uma nova e próspera comunidade, que está muito melhor do que antes. Isso se tornou uma reali-
dade porque uma pequena igreja decidiu demonstrar o amor de Jesus de modo prático, o que transformou sua
comunidade. O que essa obra revela é uma forma bem prática e poderosa pela qual Cristo conseguiu atuar
através de Seu povo para alcançar outras pessoas e ajudá-las.
Embora Deus estivesse falando para Seu povo como um todo, em Miqueias 6:8 o pronome está no singular.
Deus estava falando com cada um pessoalmente. De que forma você revela o que Deus diz que “é bom”?
❉ Sexta, 22 de julho - Estudo adicional
► Leia Jeremias 22:1-16; Ezequiel 16:49; Zacarias 7:9, 10. Leia os comentários de Ellen G. White no Comen-
tário Bíblico Adventista, v. 4, p. 1165, 1166; Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 227, 228.
Leia Miqueias 6:8. Como o Senhor poderia ser mais claro quanto ao que Ele pede de Seu povo? O termo
“bom” é a mesma palavra usada vez após vez em Gênesis 1 para se referir à criação antes da queda. Assim,
implicitamente somos lembrados do ideal que Deus tinha originalmente para nós e que Ele, no fim, irá restau-
rar após a volta de Jesus. A expressão traduzida como “exige de ti” ou “pede de ti” também poderia ser tradu-
zida (e, talvez, de maneira mais precisa) como “busca de ti”. O que Deus “busca de” nós? A resposta é mos-
trada na maneira pela qual devemos nos relacionar com os outros e com Deus. Em primeiro lugar, devemos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
agir com justiça. Isso é muito apropriado tendo em conta o assunto da lição deste trimestre, que examina como
podemos ajudar as vítimas da injustiça. Em segundo lugar, devemos amar a misericórdia. O mundo é muito
cruel. Seríamos poderosas testemunhas se amássemos a misericórdia e mostrássemos esse amor, revelando em
nossa vida a misericórdia para com os outros! Em terceiro lugar, devemos andar humildemente para com
Deus. Se o Senhor, em Miqueias 6:4, lembrou-lhes de sua libertação do Egito como razão para que fossem
humildes e fiéis diante dEle, quanto mais isso deveria se aplicar a nós, que fomos redimidos pelo sangue de
Jesus? A realidade da cruz e do custo da nossa redenção sempre deve nos manter humildes diante do nosso
Deus.
Perguntas para reflexão
1. Em Amós 5:21-24, o que é mais importante do que os rituais religiosos?
2. Como atender às necessidades materiais das pessoas sem negligenciar suas necessidades espirituais?
COMENTÁRIOS ELLEN G. WHITE
Comentários de Ellen G. White, Leitura Adicional: Este Dia Com Deus (Meditações Matinais, 1980), p. 81.
Resumo da Lição
TEXTO-CHAVE: Isaías 61
O ALUNO DEVERÁ
Conhecer: A dimensão do amor de Deus pelos pobres e marginalizados da comunidade, bem como a respon-
sabilidade do cristão de ajudá-los.
Sentir: Um renovado sentimento de compromisso a fim de se unir a Deus no cuidado para com os pobres e
necessitados.
Fazer: Demonstrar interesse pelos pobres e sofredores mediante oração, auxílio financeiro e serviço pessoal.
ESBOÇO
I. Conhecer: O que é justiça
A. O que Paulo quis dizer ao afirmar que fomos criados para realizar boas obras (Ef 2:10)? Ele havia acabado
de declarar que somos salvos pela fé, não pelas obras! (Ef 2:8, 9). Além disso, as nossas melhores tentativas e
esforços não são como trapos imundos? (Is 64:6)? Comente com a classe.
B. Quais boas obras fariam mais diferença em sua comunidade?
C. Como seguidores de Cristo, quais são as boas-novas que devemos proclamar aos pobres (Is 61:1)?
II. Sentir: Demonstrando compaixão
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
A. O capítulo 61 de Isaías fala sobre a substituição do luto por alegria e do “espírito angustiado” por “veste de
louvor” (Is 61:3). Muitas pessoas hoje, incluindo adventistas do sétimo dia, convivem com o fardo da depres-
são, do desespero e da solidão. Muitas lamentam o fato de viverem nessa condição. Qual é a melhor maneira
de demonstrar interesse solidário e conforto a essas pessoas?
III. Fazer: Lutando por justiça
A. Isaías 61:8 diz que Deus ama a justiça. O que podemos fazer para promover mais justiça em nossas comu-
nidades?
RESUMO:
Quando Jesus separar os bodes das ovelhas no fim dos tempos, Seu padrão de julgamento não será uma pro-
funda questão teológica que tomou a atenção dos melhores estudiosos da igreja. As questões que irão distin-
guir os dois grupos são simples: “Eu tive fome, e vocês Me deram de comer; tive sede, e vocês Me deram de
beber” (Mt 25:35, 36, NVI).
Ciclo do aprendizado
Motivação
Focalizando as Escrituras: Isaías 61
Conceito-chave para o crescimento espiritual: A questão de ajudar os pobres e marginalizados não é apenas
um conceito a ser debatido por políticos; na verdade, esse é um tema que as Escrituras enfatizam e que o pró-
prio Jesus proclamou. A assistência social tem tudo a ver com o tratamento justo e humano entre as pessoas:
uma expressão prática das boas-novas de salvação.
Para o professor: Quanto ao assunto de ajudar os necessitados, aproveite a oportunidade para sair da retórica
teórica e política e colocar as ideias em termos práticos: Como seguidores de Cristo, de que maneira devería-
mos tratar os menos afortunados?
Atividade de abertura
Se você visitar o Museu Memorial do Holocausto nos Estados Unidos, localizado em Washington, D.C., verá
uma citação atribuída ao pastor luterano alemão Martin Niemöller:
“Primeiro eles vieram prender os socialistas, e eu não falei nada, pois não era um socialista. Em seguida, vie-
ram em busca dos sindicalistas, mas eu também não falei nada, pois não era sindicalista. Então eles vieram
prender os judeus, e eu não me manifestei, pois não era judeu. Por fim vieram me buscar, mas não havia mais
ninguém que pudesse me defender.”
Ninguém sabe ao certo se essas são as palavras exatas que Niemöller utilizou; muitas vezes, ele falava de ma-
neira espontânea e, de tempos em tempos, variava seu repertório. Mas o ponto principal de sua citação é claro:
se não nos manifestarmos e lutarmos pela justiça em favor dos outros, não devemos esperar que alguém bus-
que justiça em nosso favor.
Niemöller tornou-se um crítico direto das políticas nazistas e cumpriu pena em campos de concentração de
1938 até o fim da guerra.
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
Pense nisto: O que você diria para quem acredita que a preocupação com a justiça nos distrai de nosso verda-
deiro chamado, que é pregar o evangelho?
Compreensão
Para o professor: Ao sondar a profunda veia das Escrituras em relação aos temas de justiça, você tem a opor-
tunidade de ajudar seus alunos a enxergar as questões e desafios atuais da sociedade através de um prisma
distintamente cristão. Desafie-os a separar a ideia de justiça de qualquer bagagem política que ela tenha adqui-
rido durante a discussão e a se perguntar como Deus, mediante Sua palavra, nos ordena a tomar uma atitude
diante das injustiças que vemos ao nosso redor.
Comentário bíblico
I. Jesus e o jubileu (Recapitule com a classe Isaías 61:1-11.)
Quando Jesus retornou à Galileia, as notícias sobre Ele se espalharam rapidamente pelas regiões interioranas.
Lucas nos diz que Ele ensinava nas sinagogas, “e todos o elogiavam” (Lc 4:15, NVI).
Em seguida Jesus voltou para Sua cidade natal, Nazaré, e foi convidado para falar na sinagoga daquela cidade.
Ele Se levantou para ler e imediatamente estabeleceu Sua estreita ligação com a linhagem de vozes proféticas
que remontava ao Antigo Testamento. Jesus escolheu ler Isaías 61 e reivindicou essa passagem como plano de
ação para Seu próprio ministério. Esse capítulo destaca a importância de atender aos rejeitados e marginaliza-
dos da sociedade.
“O Espírito do Senhor está sobre Mim, pelo que Me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-Me para pro-
clamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos e apregoar o
ano aceitável do Senhor” (Lc 4:18, 19).
Portanto, logo no início de Seu ministério, Jesus declarou claramente que o cuidado para com essas pessoas
seria fundamental em Sua agenda.
Jesus ainda foi além ao proclamar “o ano da graça do Senhor” (NVI), ou, de acordo com a Bíblia Almeida
Revista e Atualizada, o “ano aceitável do Senhor”. Esse ano ao qual Ele se referiu possuía um significado es-
pecífico; era o ano do jubileu mencionado no livro de Levítico:
um tempo de recomeço, quando as dívidas eram canceladas, escravos postos em liberdade, e a terra retornava
aos seus proprietários originais (Lv 25:10-13). Então Jesus reivindicou esse verso como parte de Sua declara-
ção de missão: “Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir” (Lc 4:21).
As pessoas na sinagoga de Nazaré, bem como as de outros lugares da Galileia, ficaram felizes em ouvir os
ensinamentos de Jesus: “Todos Lhe davam testemunho, e se maravilhavam das palavras de graça que Lhe saí-
am dos lábios” (Lc 4:22, NVI). Algumas pessoas se gabavam de conhecer o importante profeta, e houve até
certa fofoca entre certos grupos de pessoas ao perguntarem umas às outras, maravilhadas: “Não é este o filho
de José?” Elas estavam mais que desejosas de receber os milagres que Ele realizava.
No entanto, a maré da opinião pública em Nazaré virou rapidamente quando Jesus destacou que o escopo de
visão da Sua missão era mais amplo. Para grande decepção daquelas pessoas, Ele não tinha planos de realizar
uma exibição de milagres em Nazaré. Em vez disso, Jesus aproveitou a oportunidade para revelar que Sua
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
missão de amor não se limitaria à Galileia ou a Israel, mas que deveria abranger o mundo todo. Ele mencionou
duas ocasiões na História em que Deus preferiu realizar milagres entre os gentios em vez de realizá-los entre
os judeus: o episódio da viúva de Sarepta e o de Naamã, o sírio.
As pessoas que estavam na sinagoga ficaram chocadas. Elas pararam de louvá-Lo, expulsaram-No da cidade e
tentaram, sem sucesso, lançá-Lo de um despenhadeiro (Lc 4:28-30).
Pense nisto: Por que Jesus apresentou uma mensagem que acabou com a “boa vontade” da qual Ele estava
desfrutando na Galileia? Por que Sua mensagem de justiça e salvação a todas as pessoas foi tão ameaçadora
para Seus ouvintes?
II. Criaturas de Deus
(Recapitule com a classe Efésios 2:10.)
O apóstolo Paulo escreveu: “Porque somos „feitura‟ [poi?ma] Sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras,
as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Ef 2:10, ARC). A maioria das versões da Bíblia traduz a
palavra grega poi?ma como “feitura”. Essa palavra aparece apenas mais uma vez no Novo Testamento, em
Romanos 1:20: “Desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, Seu eterno poder e Sua natureza
divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das „coisas criadas‟ [poi?ma], de forma que
tais homens são indesculpáveis” (NVI). Nessa segunda passagem, a maioria das versões traduz poi?ma como
algo semelhante a “coisas criadas”.
Alguns estudiosos salientam que a palavra inglesa “poem” é derivada de poi?ma e sugerem que nesses versos
o sentido é que Deus cria a natureza e os seres humanos como obras poéticas, obras de arte. Seja qual for o
verdadeiro significado, esse verso nos revela que fomos criados para um propósito muito específico: “para as
boas obras”.
Pense nisto: O verso mencionado anteriormente nos confere um propósito muito específico na vida cristã:
fomos criados para realizar “boas obras”. Que tipo de boas obras você acha que Paulo tinha em mente?
Aplicação
Para o professor: Como cristãos, não basta apenas sentir pena dos pobres e oprimidos. Aproveite a oportuni-
dade para comentar com seus alunos as diversas maneiras de reagir de forma positiva e útil às injustiças que
observamos ao redor.
Perguntas para reflexão
1. Como os adventistas do sétimo dia podem defender políticas públicas em favor dos pobres? Devemos nos
manter longe da política? Comente.
2. A sua igreja está envolvida, patrocinando ou participando de programas que atendem às causas dos pobres?
Se não, deveria estar? Justifique sua resposta. Como você começaria uma atividade de assistência social em
sua igreja?
3. O que significa “ter uma vida de simplicidade e modéstia”? Como isso pode fazer a diferença ao resolver
questões sociais?
Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com
Criatividade e atividades práticas
Para o professor: A nossa espera pela segunda vinda de Jesus e a restauração suprema da justiça não devem
fazer com que os alunos assumam posturas como esta: “Bem, eu não tenho que fazer nada já que Deus resol-
verá tudo no final.” Utilize a última parte do estudo da lição para se concentrar nos benefícios de cuidar dos
pobres e necessitados, tanto para aqueles que realizam as boas ações como para aqueles que recebem a atenção
e o cuidado.
Atividade
Para o professor: Lembre seus alunos de que estamos tentando aplicar fielmente os princípios bíblicos em
nosso cotidiano, às vezes em situações difíceis. Como classe, explorem a diferença entre tão somente falar
sobre nossos princípios e vivê-los fielmente.
Atividade
Desenhe duas colunas em um quadro ou cartaz. Se você não tiver esses recursos à disposição, apenas comente
com o grupo. Escreva os seguintes cabeçalhos: “Ajudar” (na coluna 1) e “Receber” (na coluna 2). À medida
que os alunos participam da discussão, resuma as ideias deles no quadro. Faça perguntas como estas:
• Na vida do cristão, que diferença fazem os atos em favor dos necessitados e a luta pela justiça?
• É possível ser cristão e não se importar com os pobres e necessitados? Por quê?
Convide os alunos a partilhar as próprias experiências ou as que eles têm observado na vida de outras pessoas.
Após conversarem sobre os efeitos positivos do serviço na vida de quem serve, concentrem-se na pessoa que
recebe a boa ação. Como evitar que essa pessoa se sinta apenas “um caso de caridade”? Como preservar a dig-
nidade dela? Como podemos, de maneira apropriada, compartilhar a religião com pessoas necessitadas sem
que elas pensem que há condições para receber nossa ajuda?
Por fim, peça que os alunos elaborem uma lista contendo maneiras práticas de se envolver na missão que Deus
deu ao Seu povo.
Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O profeta do século xx
O profeta do século xxO profeta do século xx
O profeta do século xxComandodafe
 
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosMuitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosAlmir Silva
 
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGRLição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGRGerson G. Ramos
 
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)O ÚLTIMO CHAMADO
 
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventista
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventistaParalelismo entre israel antigo e a igreja adventista
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventistaEduardo Sousa Gomes
 
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3Amor pela EBD
 
2021 1º trimestre jovens lição 08
2021 1º trimestre jovens lição 082021 1º trimestre jovens lição 08
2021 1º trimestre jovens lição 08Joel Silva
 
2021 1º trimestre jovens lição 01
2021 1º trimestre jovens lição 012021 1º trimestre jovens lição 01
2021 1º trimestre jovens lição 01Joel Silva
 
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosPedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosGerson G. Ramos
 
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014Gerson G. Ramos
 
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen whiteO ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen whiteEduardo Sousa Gomes
 
2021 1º trimestre jovens lição 04
2021 1º trimestre jovens lição 042021 1º trimestre jovens lição 04
2021 1º trimestre jovens lição 04Joel Silva
 
2021 1º trimestre jovens lição 09
2021 1º trimestre jovens lição 092021 1º trimestre jovens lição 09
2021 1º trimestre jovens lição 09Joel Silva
 
A conversão de zaqueu
A conversão de zaqueuA conversão de zaqueu
A conversão de zaqueuHelio Cruz
 
Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos
Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textosJesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos
Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textosGerson G. Ramos
 

Mais procurados (20)

Culto de páscoa
Culto de páscoaCulto de páscoa
Culto de páscoa
 
O profeta do século xx
O profeta do século xxO profeta do século xx
O profeta do século xx
 
A escravidão financeira e
A escravidão financeira eA escravidão financeira e
A escravidão financeira e
 
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosMuitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
 
Arrependimento
ArrependimentoArrependimento
Arrependimento
 
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGRLição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
 
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
6000anosdepecado 130617170102-phpapp02 (1)
 
Oi ana
Oi anaOi ana
Oi ana
 
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventista
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventistaParalelismo entre israel antigo e a igreja adventista
Paralelismo entre israel antigo e a igreja adventista
 
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
Esboço A Vinda do Senhor 2 Pedro 3
 
2021 1º trimestre jovens lição 08
2021 1º trimestre jovens lição 082021 1º trimestre jovens lição 08
2021 1º trimestre jovens lição 08
 
2021 1º trimestre jovens lição 01
2021 1º trimestre jovens lição 012021 1º trimestre jovens lição 01
2021 1º trimestre jovens lição 01
 
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosPedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
 
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
 
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen whiteO ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
O ataque da serpente ao dom de profecia de ellen white
 
2021 1º trimestre jovens lição 04
2021 1º trimestre jovens lição 042021 1º trimestre jovens lição 04
2021 1º trimestre jovens lição 04
 
2021 1º trimestre jovens lição 09
2021 1º trimestre jovens lição 092021 1º trimestre jovens lição 09
2021 1º trimestre jovens lição 09
 
A conversão de zaqueu
A conversão de zaqueuA conversão de zaqueu
A conversão de zaqueu
 
Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos
Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textosJesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos
Jesus: o Mestre das missões_Liç_Orig_732015 + textos
 
Apocalipse 11 e 12
Apocalipse 11 e 12Apocalipse 11 e 12
Apocalipse 11 e 12
 

Semelhante a Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR

Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGRLição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGRGerson G. Ramos
 
Slide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptx
Slide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptxSlide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptx
Slide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptxJosimarMonteiro4
 
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosA saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosGerson G. Ramos
 
Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011jesmioma
 
Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013
Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013
Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013Gerson G. Ramos
 
O espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindadeO espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindaderoberto5costa
 
Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014Gerson G. Ramos
 
Lição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptx
Lição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptxLição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptx
Lição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptxCelso Napoleon
 
Voz da paróquia janeiro 2015
 Voz da paróquia janeiro 2015 Voz da paróquia janeiro 2015
Voz da paróquia janeiro 2015jesmioma
 
Quatro Substantivos Femininos TeolóGico
Quatro Substantivos Femininos TeolóGicoQuatro Substantivos Femininos TeolóGico
Quatro Substantivos Femininos TeolóGicolucena
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Fernando Chapeiro
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012jesmioma
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011jesmioma
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Fernando Chapeiro
 
A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016
A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016
A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016Pr. Andre Luiz
 

Semelhante a Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR (20)

Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGRLição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
Lição 6 - Atos simbólicos + textos_GGR
 
Slide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptx
Slide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptxSlide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptx
Slide - EBD ADSJ - PR. JOSIMAR MONTEIRO.pptx
 
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosA saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
 
Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011
 
Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011Voz da Paróquia - Agosto 2011
Voz da Paróquia - Agosto 2011
 
Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013
Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013
Obediência: O fruto do reavivamento_Resumo_532013
 
Fogo
FogoFogo
Fogo
 
Cat02
Cat02Cat02
Cat02
 
O espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindadeO espírito santo e a divindade
O espírito santo e a divindade
 
Fogo
FogoFogo
Fogo
 
Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014Respostas_Discipulando os enfermos_512014
Respostas_Discipulando os enfermos_512014
 
Lição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptx
Lição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptxLição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptx
Lição 08: O Avivamento Espiritual no Mundo.pptx
 
Quatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininosQuatro substantivos femininos
Quatro substantivos femininos
 
Voz da paróquia janeiro 2015
 Voz da paróquia janeiro 2015 Voz da paróquia janeiro 2015
Voz da paróquia janeiro 2015
 
Quatro Substantivos Femininos TeolóGico
Quatro Substantivos Femininos TeolóGicoQuatro Substantivos Femininos TeolóGico
Quatro Substantivos Femininos TeolóGico
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
 
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012Voz da Paróquia - Janeiro 2012
Voz da Paróquia - Janeiro 2012
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
 
Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011Voz da Paróquia - Outubro 2011
Voz da Paróquia - Outubro 2011
 
A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016
A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016
A provisão de Deus em tempos difíceis - Lição 02 - 4ºTrimestre de 2016
 

Mais de Gerson G. Ramos

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRRespostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRLição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRRespostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGRLição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRRespostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRLição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRGerson G. Ramos
 
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRRespostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRGerson G. Ramos
 
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRLição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRGerson G. Ramos
 

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRRespostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRLição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRRespostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
 
Lição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGRLição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGR
 
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRRespostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Respostas_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
 
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGRLição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
Lição_1022016_Jesus em Jerusalém_GGR
 
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRRespostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Respostas_22016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
 
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGRLição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
Lição_922016_Ídolos da alma e outras lições de Jesus_GGR
 

Último

pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptxFabianoHaider1
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaRicardo Azevedo
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 

Último (7)

pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 

Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR

  • 1. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com O Evangelho de Mateus – 16 a 23 de JUNHO 2016 LIÇÃO 4 - Justiça e Misericórdia no Antigo Testamento – Parte 2 ❉ Sábado à tarde VERSO PARA MEMORIZAR: “Toda criatura vivente que vive em enxames viverá por onde quer que passe este rio, e haverá muitíssimo peixe, e, aonde chegarem estas águas, tornarão saudáveis as do mar, e tudo vi- verá por onde quer que passe este rio” (Ez 47:9). Leituras da semana: Ez 37:1-14; Ef 2:10; Ez 47:1-8; Mt 5:16; Ap 22:1, 2; Is 61:1-11 A vizinhança que havia prosperado na década de 1950 e início dos anos 60 havia se tornado uma zona de guerra no final da década de 60 e começo dos anos 70. A maioria das famílias se mudou, deixando para trás um rastro de apartamentos abandonados, arruinados e incendiados. As lojas saíram, e as drogas e o crime en- traram, tornando a vizinhança ainda mais indesejável. Em 1986 uma família cristã deixou sua confortável casa nos subúrbios e se mudou para aquela decadente co- munidade urbana. Um pastor de outra cidade os acompanhou. Eles reformaram dois edifícios incendiados e os transformaram em suas moradias. As duas famílias começaram a passar tempo nas ruas, conhecendo os grupos da comunidade e se misturando com os que haviam permanecido na área. Essas duas famílias foram os ins- trumentos que Deus usou para iniciar uma igreja que trouxe cura e transformação àquela comunidade morta. A lição desta semana continua a “ouvir” o coro das vozes do Antigo Testamento que chama o povo de Deus para revelar ao mundo Seu caráter de benevolência. O dia 6 de agosto será a data da multiplicação dos pequenos grupos em todo o Brasil. Viva em comunidade e toque a vida das pessoas. ❉ Domingo, 17 de julho - Vivos em Cristo A graça de Deus que traz nova vida aos que estão mortos em transgressões e pecados é revelada vividamente em Ezequiel 37. Em visão, o profeta Ezequiel foi transportado pelo Espírito para um vale cheio de ossos mor-
  • 2. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com tos, secos e espalhados. Esses ossos representavam toda a casa de Israel. Deus perguntou: “Filho do homem, acaso, poderão reviver estes ossos?” (Ez 37:3). A resposta a essa pergunta foi revelada quando Ezequiel profetizou aos ossos. ► Pergunta 1. Leia Ezequiel 37:1-14. O que Deus faria por Seu povo? Ez 37:1-14, (ACF 1753); 1 VEIO sobre mim a mão do SENHOR, e ele me fez sair no Espírito do SENHOR, e me pôs no meio de um vale que estava cheio de ossos. 2 E me fez passar em volta deles; e eis que eram mui numerosos sobre a face do vale, e eis que estavam sequíssimos. 3 E me disse: Filho do homem, porventura viverão estes ossos? E eu disse: Senhor DEUS, tu o sabes. 4 Então me disse: Profetiza sobre estes ossos, e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do SENHOR. 5 Assim diz o Senhor DEUS a estes ossos: Eis que farei entrar em vós o espírito, e vivereis. 6 E porei nervos sobre vós e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós estenderei pele, e porei em vós o espírito, e vivereis, e sabereis que eu sou o SENHOR. 7 Então profetizei como se me deu ordem. E houve um ruído, enquanto eu profetizava; e eis que se fez um rebuliço, e os ossos se achegaram, cada osso ao seu osso. 8 E olhei, e eis que vieram nervos sobre eles, e cresceu a carne, e estendeu-se a pele sobre eles por cima; mas não havia neles espírito. 9 E ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize ao espírito: Assim diz o Senhor DEUS: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. 10 E profetizei como ele me deu ordem; então o espírito entrou neles, e viveram, e se puseram em pé, um exército grande em extremo. 11 Então me disse: Filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel. Eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; nós mesmos estamos cortados. 12 Portanto profetiza, e dize-lhes: Assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu abrirei os vossos sepulcros, e vos farei subir das vossas sepulturas, ó povo meu, e vos trarei à terra de Israel. 13 E sabereis que eu sou o SENHOR, quando eu abrir os vossos sepulcros, e vos fizer subir das vossas sepulturas, ó povo meu. 14 E porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra; e sabereis que eu, o SENHOR, disse isto, e o fiz, diz o SENHOR. ► Resposta 1. Um milagre: reuniria os ossos secos, colocaria tendões, músculos e pele sobre os ossos. Mas ainda estariam mortos. Então Deus enviaria o espírito de vida aos ossos, que reviveriam e se colocariam em pé. Os israelitas estavam mortos em seus pecados, mas Deus queria renovar sua vida, abençoar sua nação e usá-los na missão de ser uma luz ao mundo. Os resultados da mensagem pronunciada aos ossos secos foram os seguintes: (1) eles “viveram e se puseram em pé, um exército sobremodo numeroso” (Ez 37:10); (2) Deus estabeleceria Seu povo em sua própria terra (Ez 37:14); (3) quando isso acontecesse, eles saberiam que Deus havia cumprido Sua promessa (Ez 37:14). Mas reviver não é suficiente. O povo de Deus revive para uma missão, para um propósito. Israel devia ser uma luz para as nações. ► Pergunta 2. Leia Efésios 2:10. Por que somos trazidos de volta à vida, recriados espiritualmente em Cristo? Ef 2:10, (ACF 1753); 10 Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas. ► Resposta 2. Para praticar boas obras que demonstram nosso crescimento em Cristo. Além de motivar as pessoas a aceitar a salvação, nossas obras ajudam os pobres e oprimidos. Nossa aceitação por Deus só é segura por meio de Seu Filho amado, e as boas obras são apenas o resultado da atuação de Seu amor que perdoa o pecado. Não constituem um crédito para nós, e nada nos é atribuído pelas nossas boas obras que possamos usar para reivindicar uma parte na nossa salvação. A salvação é o dom gratui- to de Deus para o cristão, e lhe é concedido unicamente por amor a Cristo. A pessoa perturbada pode encontrar paz pela fé em Cristo, e sua paz será proporcional à sua fé e confiança. Não pode apresentar suas boas obras como argumento para sua salvação.
  • 3. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com “Mas as boas obras não têm nenhum valor real? O pecador que a cada dia comete pecado impunemente é con- siderado por Deus com o mesmo favor recebido por aquele que pela fé em Cristo procura agir em sua integri- dade? A Escritura responde: „Somos feitura dEle, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas‟ (Ef 2:10). “Em Sua providência divina, por meio de Seu favor imerecido, o Senhor ordenou que as boas obras sejam recompensadas. Somos aceitos unicamente pelo mérito de Cristo; os atos de misericórdia e as ações de carida- de que realizamos são frutos da fé” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 199, 200). Fortaleça sua experiência com Deus. Acesse o site reavivadosporsuapalavra.org ❉ Segunda, 18 de julho - Um rio que flui ► Pergunta 3. Leia Ezequiel 47:1-8. O que estava acontecendo com o templo que Ezequiel contemplou em visão? Ez 47:1-8, (ACF 1753); 1 DEPOIS disto me fez voltar à porta da casa, e eis que saíam águas por debaixo do umbral da casa para o oriente; porque a face da casa dava para o oriente, e as águas desciam de debaixo, desde o lado direito da casa, ao sul do altar. 2 E ele me fez sair pelo caminho da porta do norte, e me fez dar uma volta pelo caminho de fora, até à porta exterior, pelo caminho que dá para o oriente e eis que corriam as águas do lado direito. 3 E saiu aquele homem para o oriente, tendo na mão um cordel de medir; e mediu mil côvados, e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos artelhos. 4 E mediu mais mil côvados, e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos; e outra vez mediu mil, e me fez passar pelas águas que me davam pelos lombos. 5 E mediu mais mil, e era um rio, que eu não podia atravessar, porque as águas eram profundas, águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar. 6 E disse-me: Viste isto, filho do homem? Então levou-me, e me fez voltar para a margem do rio. 7 E, tendo eu voltado, eis que à margem do rio havia uma grande abundância de árvores, de um e de outro lado. 8 Então disse-me: Estas águas saem para a região oriental, e descem ao deserto, e entram no mar; e, sendo levadas ao mar, as águas tornar- se-ão saudáveis. ► Resposta 3. Abaixo da porta do templo saíam águas para o oriente. As águas cresceram em profundidade e se tornaram um rio que trazia vida por onde passava, tornando saudável até o mar Morto. Parecia estar vazando água do templo. Alguém poderia pensar: Será que quebrou algum cano? O que aconte- ceu? No caso em questão, o vazamento foi uma coisa boa. Aquela água que vazava do templo estava indo “para o oriente”. Ao oriente de Jerusalém fica o mar Salgado (também conhecido como Mar Morto), o ajuntamento de águas mais baixo da Terra. Entre Jerusalém e o mar Morto há aproximadamente 34 km de uma área em grande parte desértica, que inclui a Arabá, também conhe- cida como a depressão do Jordão e do Mar Morto. Esse mar é tão salgado que nada consegue viver ali. Contudo, quando a água que saía do templo chegasse lá, as águas mortas do mar ficariam “saudáveis”. Isso pode ser entendido simbolicamente como a igreja de Deus, o templo (1Pe 2:4, 5), alcançando as pessoas e sendo uma fonte de saúde e cura para os mortos em delitos e pecados. ► Pergunta 4. Leia Mateus 5:16. De que maneira devemos representar Jesus ao mundo? Mt 5:16, (ARC); 16 Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus.
  • 4. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com ► Resposta 4. Nossa luz deve brilhar diante dos homens, por meio de boas obras que glorifiquem o Pai celes- tial e sejam uma bênção à comunidade. O rio Zambezi, em Zâmbia, na África, começa como um riacho raso que sai de baixo de uma árvore. À medi- da que corre em direção às Cataratas Vitória (Victoria Falls), deixa de ser um riacho que bate na altura do tor- nozelo e alcança a altura do joelho. Mais adiante atinge a altura da cintura e então se transforma num rio pro- fundo o suficiente para que se possa nadar nele. Da mesma forma, embora fosse pequeno no início, o rio que saía do templo aumentou em força e impacto, e se tornou um rio “que só se podia atravessar a nado; era um rio que não se podia atravessar andando” (Ez 47:5, NVI). A influência curadora de sua igreja pode começar pequena, mas pode crescer até transformar sua comunidade! “Foi-me mostrada nossa obra no seu começo, como um pequeno, bem pequeno regato” (Ellen G. Whi-te, Tes- temunhos para a Igreja, v. 7, p. 171). Luz e água: ambas são figuras de linguagem usadas para falar sobre o que Deus pode fazer por nosso inter- médio para ajudar os outros. Como podemos nos tornar melhores canais de atendimento aos necessitados? ❉ Terça, 19 de julho - A igreja: uma fonte de vida Ez 47:9-10, (ACF 1753); 9 E será que toda a criatura vivente que passar por onde quer que entrarem estes rios viverá; e haverá muitíssimo peixe, porque lá chegarão estas águas, e serão saudáveis, e viverá tudo por onde quer que entrar este rio. 10 Será também que os pescadores estarão em pé junto dele; desde En-Gedi até En- Eglaim haverá lugar para estender as redes; o seu peixe, segundo a sua espécie, será como o peixe do mar grande, em multidão excessiva. A profecia de Ezequiel mostra que há vida por onde quer que passe o rio que vem da igreja de Deus. Ezequiel 47:10 torna tudo isso ainda mais espantoso. Esta cena seria muito estranha: As margens de um corpo de águas conhecido por não haver peixes, porque nada podia sobreviver ali, de repente, passaria a ser um lugar em que os pescadores lançariam suas redes porque então muitos peixes poderiam ser apanhados no local. A ideia principal é que, pelo poder de Deus atuando em Seu povo, pode haver vida onde antes não existia. “Onde Deus atua não há situação sem esperança, não há nenhum grupo de pessoas que não possa ser salvo, não há nenhuma herança de um passado infeliz que nos condene a um futuro entregue ao desespero” (The In- terpreter´s Bible. Nashville: Abingdon Press, 1956; v. 6, p. 328). A maravilhosa graça de Deus faz coisas incríveis por qualquer pessoa que a aceite. Aqui, novamente, temos a mensagem do evangelho. Deus, por meio de nós, pode dar esperança aos que estão desanimados, desolados, secos e moribundos, no sentido espiritual e físico. ► Pergunta 5. Compare Ezequiel 47:12 com Apocalipse 22:1, 2. Qual será o destino dos que são curados por Jesus e dEle recebem nova vida por meio de Sua igreja? Ez 47:12, (ACF 1753); 12 E junto ao rio, à sua margem, de um e de outro lado, nascerá toda a sorte de árvore que dá fruto para se comer; não cairá a sua folha, nem acabará o seu fruto; nos seus meses produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; e o seu fruto servirá de comida e a sua folha de remédio. Ap 21:1-2, (ACF 1753); 1 E VI um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2 E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.
  • 5. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com ► Resposta 5. O rio da vida é a igreja renovada pelo poder do Espírito. Cada membro da igreja deve ser uma árvore de vida, produzindo frutos para glória de Deus e para cura da comunidade. Um dia, todos os salvos em Cristo continuarão recebendo vida e cura por meio do rio da vida e da árvore da vida, no paraíso de Deus. Um dia o povo de Deus – incluindo os membros da comunidade que Deus curou e a quem deu vida por meio da abnegação dos membros da igreja – estará na nova Terra, onde há outro rio que flui do trono de Deus. Ali não haverá desertos, sequidão nem morte. Nesse ínterim, enquanto aguardamos essa bendita realidade, Deus deseja que Suas igrejas sejam lugares de onde possam fluir cura e vida abundante para a comunidade em que estão localizadas. Ele deseja atuar através de nós para revitalizar e transformar os desertos, as depressões e os “mares mortos” que estão em nossa região, trazendo a eles vida abundante em Jesus (Jo 10:10). Essa é, em poucas palavras, a mensagem integral da igreja adventista. Jo 10:10, (ARC); 10 O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância. Em Amós 5:24, o profeta apresenta um quadro semelhante ao de Ezequiel 47. Como essa descrição se compa- ra ao papel da igreja na comunidade? Sua igreja está sendo um rio que leva cura às pessoas do seu bairro, de maneira prática? Am 5:24, (ARC); 24 Corra, porém, o juízo como as águas, e a justiça, como o ribeiro impetuoso. ❉ Quarta, 20 de julho - Promessas do jubileu O Antigo Testamento repete frequentemente a ideia de que aqueles que são abençoados, seja com bens materi- ais, ou espiritualmente, devem ajudar os que não são. ► Pergunta 6. Leia Isaías 61:1-11. Como podemos aplicar essas palavras de Deus ao chamado que Ele colo- cou diante de nós? Lc 4:18 Is 61:1-11, (ACF 1753); 1 O ESPÍRITO do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; 2 A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes; 3 A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado. 4 E edificarão os lugares antigamente assolados, e restaurarão os anteriormente destruídos, e renovarão as cidades assoladas, destruídas de geração em geração. 5 E haverá estrangeiros, que apascentarão os vossos rebanhos; e estranhos serão os vossos lavradores e os vossos vinhateiros. 6 Porém vós sereis chamados sacerdotes do SENHOR, e vos chamarão ministros de nosso Deus; comereis a riqueza dos gentios, e na sua glória vos gloriareis. 7 Em lugar da vossa vergonha tereis dupla honra; e em lugar da afronta exultareis na vossa parte; por isso na sua terra possuirão o dobro, e terão perpétua alegria. 8 Porque eu, o SENHOR, amo o juízo, odeio o que foi roubado oferecido em holocausto; portanto, firmarei em verdade a sua obra; e farei uma aliança eterna com eles. 9 E a sua posteridade será conhecida entre os gentios, e os seus descendentes no meio dos povos; todos quantos os virem os conhecerão, como descendência bendita do SENHOR. 10 Regozijar-me-ei muito no SENHOR, a minha alma se alegrará no meu Deus; porque me vestiu de roupas de salvação, cobriu-me com o manto de justiça, como um noivo se adorna com turbante sacerdotal, e como a noiva que se enfeita com as suas jóias. 11 Porque, como a terra produz os seus renovos, e como o jardim faz brotar o que nele se semeia, assim o Senhor DEUS fará brotar a justiça e o louvor para todas as nações.
  • 6. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com Lc 4:18-19, (ACF 1753); 18 O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, 19 A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR. ► Resposta 6. Recebendo o Espírito do Senhor, pregando as boas-novas aos aflitos, curando, libertando pes- soas, proclamando esperança, advertindo, consolando, orando pelas pessoas. Restaurando corações e tomando posse das bênçãos de Deus. Isaías 61 começa com a declaração de que o Espírito do Senhor atua por meio do Ungido para pregar boas- novas aos pobres, curar os quebrantados de coração, proclamar libertação aos cativos e livrar das trevas e do desespero os presos (Is 61:1; ver Lc 4:18). Todos os elementos dessa promessa têm cumprimento no “ano aceitável do Senhor”, uma referência ao ano do jubileu que, como já vimos, era cheio de implicações a respei- to do dever de atender às necessidades dos pobres. Assim, os enlutados que são confortados, os sofredores em Sião que são atendidos, os que recebem “uma co- roa em vez de cinzas” e “óleo de alegria [...] em vez de pranto”, bem como os que usam “veste de louvor [...] em vez de espírito angustiado” (Is 61:3) são as próprias pessoas que edificarão os lugares antigamente assola- dos e restaurarão os lugares anteriormente destruídos. Os que são abençoados pelo jubileu messiânico passam a transformar a sociedade, renovando as cidades arruinadas (Is 61:4). Os servos de Deus são chamados de sa- cerdotes e ministros, e são sustentados pelas riquezas das nações vizinhas (Is 61:5, 6). As figuras que encontramos em Isaías 61, do Ungido transformando os povos ao redor por meio da prosperi- dade dos que estão em aliança com Ele (Is 61:8, 9) se aplicam àqueles que, na atualidade, foram chamados para ser sacerdotes e ministros nas comunidades ao redor do mundo. A mesma influência transformadora des- sa profecia não deveria ser sentida quando nos regozijamos no Senhor, nos alegramos no nosso Deus e somos cobertos com vestes de salvação e de justiça no meio da nossa comunidade (Is 61:10, 11)? Leia Isaías 61:9, um testemunho impressionante do que Deus queria fazer por Seu povo! A mesma coisa pode ser dita hoje a nosso respeito? Justifique sua resposta. ❉ Quinta, 21 de julho - A igreja: um agente de mudança ► Pergunta 7. Leia Miqueias 6. Sobre o que Senhor estava falando nesse capítulo? Mq 6:1-16, (ARC); 1 Ouvi, agora, o que diz o SENHOR: Levanta-te, contende com os montes, e ouçam os outeiros a tua voz. 2 Ouvi, montes, a contenda do SENHOR, e vós, fortes fundamentos da terra; porque o SENHOR tem uma contenda com o seu povo e com Israel entrará em juízo. 3 Ó povo meu! Que te tenho feito? E em que te enfadei? Testifica contra mim. 4 Certamente, te fiz subir da terra do Egito e da casa da servidão te remi; e pus diante de ti a Moisés, Arão e Miriã. 5 Povo meu, ora, lembra-te da consulta de Balaque, rei de Moabe, e do que lhe respondeu Balaão, filho de Beor, desde Sitim até Gilgal; para que conheças as justiças do SENHOR. 6 Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus Altíssimo? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? 7 Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros? De dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão? O fruto do meu ventre, pelo pecado da minha alma? 8 Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu Deus? 9 A voz do SENHOR clama à cidade, e o sábio verá o teu nome: Ouvi a vara e quem a ordenou. 10 Ainda há na casa do ímpio tesouros de impiedade? E efa pequeno, que é detestável? 11 Seria eu limpo com balanças falsas? E com um saco de pesos enganosos? 12 Porque os seus ricos estão cheios de violência, e os seus habitantes falam mentiras; e a sua língua é enganosa na sua boca. 13 Assim, eu também te enfraquecerei, ferindo-te e assolando-te por causa dos teus pecados. 14 Tu comerás, mas não te fartarás; e a tua humilhação estará no meio de ti; removerás, mas não livrarás; e aquilo que livrares, eu o entregarei à espada. 15 Tu semearás, mas não segarás; pisarás a azeitona, mas não te ungirás com azeite; e o mosto, mas não beberás vinho. 16 Porque se observam os estatutos de Onri e toda a obra da casa de Acabe, e vós andais nos conselhos
  • 7. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com deles; para que eu faça de ti uma desolação e dos seus habitantes um assobio; assim, trareis sobre vós o opróbrio do meu povo. ► Resposta 7. Sobre a apostasia do povo de Israel, que havia sido libertado do Egito mas se afastou de Deus. Os sacrifícios e cerimônias religiosas não eram aceitos por causa da maldade, opressão e injustiça social prati- cados pela nação. Israel seria castigado por causa desses pecados. Miqueias se uniu aos outros profetas do Antigo Testamento que enfatizaram que as formas externas de religião destituídas da manifestação humilde e intencional de justiça e misericórdia nunca são aceitáveis a um Deus justo e misericordioso. ► Pergunta 8. Qual é a mensagem crucial de Miqueias 6:8? Mq 6:8, (ARC); 8 Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu Deus? ► Resposta 8. Deus pede de nós o que é melhor para nós: que andemos com Ele em humildade, que amemos a misericórdia e que pratiquemos a justiça. “A verdadeira religião é prática. Sem dúvida, inclui os ritos e as cerimônias da igreja, mas [...] não é tanto uma questão de se abster do alimento quanto é de compartilhar o alimento com o faminto. A bondade na prática é o único tipo de religião reconhecida no juízo divino” (Comentário Bíblico Adventista, v. 4, p. 325). Hoje Deus ainda rejeita a apostasia de uma religião externa que exclui a piedade prática expressa em Miqueias 6:8. Nossas formas religiosas não são um fim em si mesmas; são um meio para um fim, e esse fim é Cristo, que deve ser revelado em nós. Na introdução da lição desta semana, conhecemos duas famílias que se mudaram para uma comunidade “sem esperança” com o objetivo de atender às necessidades das pessoas que moravam ali. As duas famílias forma- ram, na sala de estar de uma das casas, um pequeno grupo com amigos da vizinhança. Os membros desse pe- queno grupo em crescimento oraram fervorosamente para que Deus lhes mostrasse como reavivar sua comu- nidade. Fizeram parceria com uma agência cristã de projetos sociais e começaram a recrutar voluntários para se unir a eles na reconstrução das casas destruídas que havia ao redor. Se você visitasse aquele lugar hoje, ve- ria que ela é uma nova e próspera comunidade, que está muito melhor do que antes. Isso se tornou uma reali- dade porque uma pequena igreja decidiu demonstrar o amor de Jesus de modo prático, o que transformou sua comunidade. O que essa obra revela é uma forma bem prática e poderosa pela qual Cristo conseguiu atuar através de Seu povo para alcançar outras pessoas e ajudá-las. Embora Deus estivesse falando para Seu povo como um todo, em Miqueias 6:8 o pronome está no singular. Deus estava falando com cada um pessoalmente. De que forma você revela o que Deus diz que “é bom”? ❉ Sexta, 22 de julho - Estudo adicional ► Leia Jeremias 22:1-16; Ezequiel 16:49; Zacarias 7:9, 10. Leia os comentários de Ellen G. White no Comen- tário Bíblico Adventista, v. 4, p. 1165, 1166; Testemunhos para a Igreja, v. 6, p. 227, 228. Leia Miqueias 6:8. Como o Senhor poderia ser mais claro quanto ao que Ele pede de Seu povo? O termo “bom” é a mesma palavra usada vez após vez em Gênesis 1 para se referir à criação antes da queda. Assim, implicitamente somos lembrados do ideal que Deus tinha originalmente para nós e que Ele, no fim, irá restau- rar após a volta de Jesus. A expressão traduzida como “exige de ti” ou “pede de ti” também poderia ser tradu- zida (e, talvez, de maneira mais precisa) como “busca de ti”. O que Deus “busca de” nós? A resposta é mos- trada na maneira pela qual devemos nos relacionar com os outros e com Deus. Em primeiro lugar, devemos
  • 8. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com agir com justiça. Isso é muito apropriado tendo em conta o assunto da lição deste trimestre, que examina como podemos ajudar as vítimas da injustiça. Em segundo lugar, devemos amar a misericórdia. O mundo é muito cruel. Seríamos poderosas testemunhas se amássemos a misericórdia e mostrássemos esse amor, revelando em nossa vida a misericórdia para com os outros! Em terceiro lugar, devemos andar humildemente para com Deus. Se o Senhor, em Miqueias 6:4, lembrou-lhes de sua libertação do Egito como razão para que fossem humildes e fiéis diante dEle, quanto mais isso deveria se aplicar a nós, que fomos redimidos pelo sangue de Jesus? A realidade da cruz e do custo da nossa redenção sempre deve nos manter humildes diante do nosso Deus. Perguntas para reflexão 1. Em Amós 5:21-24, o que é mais importante do que os rituais religiosos? 2. Como atender às necessidades materiais das pessoas sem negligenciar suas necessidades espirituais? COMENTÁRIOS ELLEN G. WHITE Comentários de Ellen G. White, Leitura Adicional: Este Dia Com Deus (Meditações Matinais, 1980), p. 81. Resumo da Lição TEXTO-CHAVE: Isaías 61 O ALUNO DEVERÁ Conhecer: A dimensão do amor de Deus pelos pobres e marginalizados da comunidade, bem como a respon- sabilidade do cristão de ajudá-los. Sentir: Um renovado sentimento de compromisso a fim de se unir a Deus no cuidado para com os pobres e necessitados. Fazer: Demonstrar interesse pelos pobres e sofredores mediante oração, auxílio financeiro e serviço pessoal. ESBOÇO I. Conhecer: O que é justiça A. O que Paulo quis dizer ao afirmar que fomos criados para realizar boas obras (Ef 2:10)? Ele havia acabado de declarar que somos salvos pela fé, não pelas obras! (Ef 2:8, 9). Além disso, as nossas melhores tentativas e esforços não são como trapos imundos? (Is 64:6)? Comente com a classe. B. Quais boas obras fariam mais diferença em sua comunidade? C. Como seguidores de Cristo, quais são as boas-novas que devemos proclamar aos pobres (Is 61:1)? II. Sentir: Demonstrando compaixão
  • 9. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com A. O capítulo 61 de Isaías fala sobre a substituição do luto por alegria e do “espírito angustiado” por “veste de louvor” (Is 61:3). Muitas pessoas hoje, incluindo adventistas do sétimo dia, convivem com o fardo da depres- são, do desespero e da solidão. Muitas lamentam o fato de viverem nessa condição. Qual é a melhor maneira de demonstrar interesse solidário e conforto a essas pessoas? III. Fazer: Lutando por justiça A. Isaías 61:8 diz que Deus ama a justiça. O que podemos fazer para promover mais justiça em nossas comu- nidades? RESUMO: Quando Jesus separar os bodes das ovelhas no fim dos tempos, Seu padrão de julgamento não será uma pro- funda questão teológica que tomou a atenção dos melhores estudiosos da igreja. As questões que irão distin- guir os dois grupos são simples: “Eu tive fome, e vocês Me deram de comer; tive sede, e vocês Me deram de beber” (Mt 25:35, 36, NVI). Ciclo do aprendizado Motivação Focalizando as Escrituras: Isaías 61 Conceito-chave para o crescimento espiritual: A questão de ajudar os pobres e marginalizados não é apenas um conceito a ser debatido por políticos; na verdade, esse é um tema que as Escrituras enfatizam e que o pró- prio Jesus proclamou. A assistência social tem tudo a ver com o tratamento justo e humano entre as pessoas: uma expressão prática das boas-novas de salvação. Para o professor: Quanto ao assunto de ajudar os necessitados, aproveite a oportunidade para sair da retórica teórica e política e colocar as ideias em termos práticos: Como seguidores de Cristo, de que maneira devería- mos tratar os menos afortunados? Atividade de abertura Se você visitar o Museu Memorial do Holocausto nos Estados Unidos, localizado em Washington, D.C., verá uma citação atribuída ao pastor luterano alemão Martin Niemöller: “Primeiro eles vieram prender os socialistas, e eu não falei nada, pois não era um socialista. Em seguida, vie- ram em busca dos sindicalistas, mas eu também não falei nada, pois não era sindicalista. Então eles vieram prender os judeus, e eu não me manifestei, pois não era judeu. Por fim vieram me buscar, mas não havia mais ninguém que pudesse me defender.” Ninguém sabe ao certo se essas são as palavras exatas que Niemöller utilizou; muitas vezes, ele falava de ma- neira espontânea e, de tempos em tempos, variava seu repertório. Mas o ponto principal de sua citação é claro: se não nos manifestarmos e lutarmos pela justiça em favor dos outros, não devemos esperar que alguém bus- que justiça em nosso favor. Niemöller tornou-se um crítico direto das políticas nazistas e cumpriu pena em campos de concentração de 1938 até o fim da guerra.
  • 10. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com Pense nisto: O que você diria para quem acredita que a preocupação com a justiça nos distrai de nosso verda- deiro chamado, que é pregar o evangelho? Compreensão Para o professor: Ao sondar a profunda veia das Escrituras em relação aos temas de justiça, você tem a opor- tunidade de ajudar seus alunos a enxergar as questões e desafios atuais da sociedade através de um prisma distintamente cristão. Desafie-os a separar a ideia de justiça de qualquer bagagem política que ela tenha adqui- rido durante a discussão e a se perguntar como Deus, mediante Sua palavra, nos ordena a tomar uma atitude diante das injustiças que vemos ao nosso redor. Comentário bíblico I. Jesus e o jubileu (Recapitule com a classe Isaías 61:1-11.) Quando Jesus retornou à Galileia, as notícias sobre Ele se espalharam rapidamente pelas regiões interioranas. Lucas nos diz que Ele ensinava nas sinagogas, “e todos o elogiavam” (Lc 4:15, NVI). Em seguida Jesus voltou para Sua cidade natal, Nazaré, e foi convidado para falar na sinagoga daquela cidade. Ele Se levantou para ler e imediatamente estabeleceu Sua estreita ligação com a linhagem de vozes proféticas que remontava ao Antigo Testamento. Jesus escolheu ler Isaías 61 e reivindicou essa passagem como plano de ação para Seu próprio ministério. Esse capítulo destaca a importância de atender aos rejeitados e marginaliza- dos da sociedade. “O Espírito do Senhor está sobre Mim, pelo que Me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-Me para pro- clamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos e apregoar o ano aceitável do Senhor” (Lc 4:18, 19). Portanto, logo no início de Seu ministério, Jesus declarou claramente que o cuidado para com essas pessoas seria fundamental em Sua agenda. Jesus ainda foi além ao proclamar “o ano da graça do Senhor” (NVI), ou, de acordo com a Bíblia Almeida Revista e Atualizada, o “ano aceitável do Senhor”. Esse ano ao qual Ele se referiu possuía um significado es- pecífico; era o ano do jubileu mencionado no livro de Levítico: um tempo de recomeço, quando as dívidas eram canceladas, escravos postos em liberdade, e a terra retornava aos seus proprietários originais (Lv 25:10-13). Então Jesus reivindicou esse verso como parte de Sua declara- ção de missão: “Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir” (Lc 4:21). As pessoas na sinagoga de Nazaré, bem como as de outros lugares da Galileia, ficaram felizes em ouvir os ensinamentos de Jesus: “Todos Lhe davam testemunho, e se maravilhavam das palavras de graça que Lhe saí- am dos lábios” (Lc 4:22, NVI). Algumas pessoas se gabavam de conhecer o importante profeta, e houve até certa fofoca entre certos grupos de pessoas ao perguntarem umas às outras, maravilhadas: “Não é este o filho de José?” Elas estavam mais que desejosas de receber os milagres que Ele realizava. No entanto, a maré da opinião pública em Nazaré virou rapidamente quando Jesus destacou que o escopo de visão da Sua missão era mais amplo. Para grande decepção daquelas pessoas, Ele não tinha planos de realizar uma exibição de milagres em Nazaré. Em vez disso, Jesus aproveitou a oportunidade para revelar que Sua
  • 11. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com missão de amor não se limitaria à Galileia ou a Israel, mas que deveria abranger o mundo todo. Ele mencionou duas ocasiões na História em que Deus preferiu realizar milagres entre os gentios em vez de realizá-los entre os judeus: o episódio da viúva de Sarepta e o de Naamã, o sírio. As pessoas que estavam na sinagoga ficaram chocadas. Elas pararam de louvá-Lo, expulsaram-No da cidade e tentaram, sem sucesso, lançá-Lo de um despenhadeiro (Lc 4:28-30). Pense nisto: Por que Jesus apresentou uma mensagem que acabou com a “boa vontade” da qual Ele estava desfrutando na Galileia? Por que Sua mensagem de justiça e salvação a todas as pessoas foi tão ameaçadora para Seus ouvintes? II. Criaturas de Deus (Recapitule com a classe Efésios 2:10.) O apóstolo Paulo escreveu: “Porque somos „feitura‟ [poi?ma] Sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Ef 2:10, ARC). A maioria das versões da Bíblia traduz a palavra grega poi?ma como “feitura”. Essa palavra aparece apenas mais uma vez no Novo Testamento, em Romanos 1:20: “Desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, Seu eterno poder e Sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das „coisas criadas‟ [poi?ma], de forma que tais homens são indesculpáveis” (NVI). Nessa segunda passagem, a maioria das versões traduz poi?ma como algo semelhante a “coisas criadas”. Alguns estudiosos salientam que a palavra inglesa “poem” é derivada de poi?ma e sugerem que nesses versos o sentido é que Deus cria a natureza e os seres humanos como obras poéticas, obras de arte. Seja qual for o verdadeiro significado, esse verso nos revela que fomos criados para um propósito muito específico: “para as boas obras”. Pense nisto: O verso mencionado anteriormente nos confere um propósito muito específico na vida cristã: fomos criados para realizar “boas obras”. Que tipo de boas obras você acha que Paulo tinha em mente? Aplicação Para o professor: Como cristãos, não basta apenas sentir pena dos pobres e oprimidos. Aproveite a oportuni- dade para comentar com seus alunos as diversas maneiras de reagir de forma positiva e útil às injustiças que observamos ao redor. Perguntas para reflexão 1. Como os adventistas do sétimo dia podem defender políticas públicas em favor dos pobres? Devemos nos manter longe da política? Comente. 2. A sua igreja está envolvida, patrocinando ou participando de programas que atendem às causas dos pobres? Se não, deveria estar? Justifique sua resposta. Como você começaria uma atividade de assistência social em sua igreja? 3. O que significa “ter uma vida de simplicidade e modéstia”? Como isso pode fazer a diferença ao resolver questões sociais?
  • 12. Dúvidas; Opiniões; Sugestões: Gerson G. Ramos. e-mail: ramos@advir.com Criatividade e atividades práticas Para o professor: A nossa espera pela segunda vinda de Jesus e a restauração suprema da justiça não devem fazer com que os alunos assumam posturas como esta: “Bem, eu não tenho que fazer nada já que Deus resol- verá tudo no final.” Utilize a última parte do estudo da lição para se concentrar nos benefícios de cuidar dos pobres e necessitados, tanto para aqueles que realizam as boas ações como para aqueles que recebem a atenção e o cuidado. Atividade Para o professor: Lembre seus alunos de que estamos tentando aplicar fielmente os princípios bíblicos em nosso cotidiano, às vezes em situações difíceis. Como classe, explorem a diferença entre tão somente falar sobre nossos princípios e vivê-los fielmente. Atividade Desenhe duas colunas em um quadro ou cartaz. Se você não tiver esses recursos à disposição, apenas comente com o grupo. Escreva os seguintes cabeçalhos: “Ajudar” (na coluna 1) e “Receber” (na coluna 2). À medida que os alunos participam da discussão, resuma as ideias deles no quadro. Faça perguntas como estas: • Na vida do cristão, que diferença fazem os atos em favor dos necessitados e a luta pela justiça? • É possível ser cristão e não se importar com os pobres e necessitados? Por quê? Convide os alunos a partilhar as próprias experiências ou as que eles têm observado na vida de outras pessoas. Após conversarem sobre os efeitos positivos do serviço na vida de quem serve, concentrem-se na pessoa que recebe a boa ação. Como evitar que essa pessoa se sinta apenas “um caso de caridade”? Como preservar a dig- nidade dela? Como podemos, de maneira apropriada, compartilhar a religião com pessoas necessitadas sem que elas pensem que há condições para receber nossa ajuda? Por fim, peça que os alunos elaborem uma lista contendo maneiras práticas de se envolver na missão que Deus deu ao Seu povo. Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?