Oi Ana!Uma carta para a Ana Graziella sobre IntercessãoPrimeiro um resumo, depois se você desejar se aprofundar (compleona...
derramarei o meu Espírito.O profeta Joel narra uma época futura em que Deus derramariade sua presença pessoal, de sua essê...
Sendo a este individuo imberbe e mal compreendido,concedido-lhe o poder de anunciar coisas que irão acontecer,num futuro i...
Normalmente o profeta está sempre remando contra amaré, correnteza e vento. Nada contribui para as suas proféticascolocaçõ...
pronunciavam a palavra vinha a revelação/profecia ou podiam“ver” o que profetizavam, ter visões a respeito do que iriamdiz...
Daquilo. Da ressurreição.A Ana Graziela tem hoje o direito de ser cheia do mesmo podere glória que foi derramada sobre Moi...
Jesus falou nesses termos:“E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome,expulsarão demônios; falarão novas línguas;...
Atos 1.8,- “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o EspíritoSanto, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, comoe...
Mas são necessários, são presentes, dádivas, e se foi assim comos discípulos, com os apóstolos, com a igreja primitiva e c...
Antes de mergulhar no texto, um breve relato:Foi na antiga cidade de Nisibis, na Mesopotâmia. Logo na entrada dacidade, a ...
justiça social, sem qualquer remorso, sem qualquer espiritualidade,sem qualquer apreço pela humanidade, fará tudo que for ...
Sejam como Jacó, chamado “ISRAEL” aquele que LUTA com DEUS.“Não te chamarás mais Jacó, mas antes, ISRAEL, pois LUTASTEcont...
4.no entanto, porque ela me importuna, esta viúva,vou vingá-lapara que mediante a sua vinda constanteela me moleste."O jui...
exumação antes da morte e enterro ao ouvir tal coisa....). Mesmosendo Deus.Esse é o grande mistério da intercessão. Para s...
Esse é um artista. Porque tem que ser artista para não demonstrarsua indignação quando a injustiça acontece na igreja, qua...
Ele queimou as promessas de Deus junto com seus manuais defilosofia barata para aquecer seu frio coração incrédulo.Queira-...
Um grande abraço, Deus abençoe moça!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Welington José FerreiraAdendo
Joel,               o profeta do avivamento                        Joel 2: 28-32O nome Joel significa “o Senhor é Deus”. É...
Joel profetizou numa época de grande devastação de toda a terra de Judá. Umaenorme praga de locustas havia despido a zona ...
militar que viria por parte de uma nação estrangeira e termina o livro com apreciosíssima mensagem sobre o derramamento do...
Para isso, deveriam proclamar uma assembléia solene, 2: 15-17. Ninguémdeveria faltar; nada de desculpas, vv.15 e 16. E os ...
d. “Santificai a congregação.” (Joel 2:16)e. “Não temas, ó terra: regozija-te e alegra-te.” (Joel 2:21)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Oi ana

604 visualizações

Publicada em

Estudo sobre intercessão

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Oi ana

  1. 1. Oi Ana!Uma carta para a Ana Graziella sobre IntercessãoPrimeiro um resumo, depois se você desejar se aprofundar (compleonasmo) nos temas, um aprofundamento.a) Joelb) IntercessãoJoelA profecia em Joel 2:28-29 "28 E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. 29 E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias
  2. 2. derramarei o meu Espírito.O profeta Joel narra uma época futura em que Deus derramariade sua presença pessoal, de sua essência, seu coração, sobre ahumanidade. Ele vive na época de um “apocalipse” causado por umapraga devastadora de gafanhotos. Morreram vacas nos currais,não há perspectiva de safra futura, a fome é iminente. Hádegradação do meio-ambiente, em conjunto com degradaçãomoral do povo, aristocracia, pobreza, injustiça social, corrupçãodo sacerdócio, perda de identidade com a terra, do vinculo coma família. Um profeta é, mormente, um sujeito mal pago,geralmente pouco creditado, que recebe, nem sempre de bomgrado, a dura missão de transformar a alma de uma nação ou deuma comunidade através da pregação e da exortação – Vivam uma vida digna, cambada! munido de credencial divina e autoridade para tal.
  3. 3. Sendo a este individuo imberbe e mal compreendido,concedido-lhe o poder de anunciar coisas que irão acontecer,num futuro irremediável ( ...não só anunciar...as vezes é a partirda palavra que ele anuncia que será criado o amanhã...), doa aquem doer, contra toda a entropia do universo e as questõesrelativistas que envolvem o tempo. O profeta é esse, um representante credenciado por Deuspra dizer: Basta! E não adianta exército, bomba atômica, cachorro raivosoou poderes cósmicos fenomenais (citando Alladin).Nem Galactus, desculpa é que sou fã da Marvel, caso existisse,teria como mudar algo que um profeta cheio do doce Espírito deDeus pronunciou.
  4. 4. Normalmente o profeta está sempre remando contra amaré, correnteza e vento. Nada contribui para as suas proféticascolocações. Até onde alguém poderia avistar no universo num dia emque o profeta profetiza, nada, absolutamente nada indicaria quea tal joça falada viria a se realizar, ou cumprir. Outrossim, tá lá o Joel em meio à multidão de gafanhotosmortos, choro e pranto de fazendeiros diante de uma economiaagrícola destruída. Tá lá o universo conspirando contra o profeta, em meio auma devastação que trás a doce memória das dez pragaslançadas contra o Egito, ele ali, no meio da multidão dosdesesperados e ali em meio ao caos recebe uma tremendaprofecia. E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito Essa palavra profética entregue (com pleonasmo) peloprofeta diz respeito a nós. Sim. A nós. As Escrituras estão repletas de profecias, e tanto faz seelas falam de operações sobrenaturais tais como a reconstruçãodo universo "Porque, eis que eu crio novos céus e nova terra; enão haverá mais lembrança das coisas passadas, nem mais serecordarão."(Isaías 65:17) ", ou de alguém que um dia irácolocar o pedaço de pão dentro de uma sopa de uma certa ceiaque irá ocorrer junto de certos homens, num lugar qualquer e noqual um deles com a mão na mesma tigela há de ser traído (tálá em salmos 1000 anos antes de Jesus nascer -A tradiçãoafirma que somente um amigo íntimo poderia molhar o pão nasopa do outro. SALMOS 41: 9 "Até o meu próprio AMIGOÍNTIMO, em que eu tanto confiava, QUE COMIA DO MEU PÃO,levantou contra mim o seu calcanhar."), se veio do coração deDeus, mesmo que o universo, diga: não! Elas irão seconcretizar. Voltemos ao Joel. Os profetas recebiam a revelação de várias maneiras,podia ser num sonho, podia ser “on-line” no momento em que
  5. 5. pronunciavam a palavra vinha a revelação/profecia ou podiam“ver” o que profetizavam, ter visões a respeito do que iriamdizer. Tem uma modalidade Cult que é ter a visão no mesmomomento ao proferir a palavra profética. Profetas em exercício vêem o mundo espiritual einteragem com ele. Há certa diferença entre os profetas usadospor Deus hoje e os do Velho Testamento, mas o ministério-COMO SEMPRE... continua mal pago, as profecias ocorrem domesmo modo, só que o mercado está infracionado dos falsosprofetas e dos que pensam sinceramente que possuem oministério nesses termos, este de visões, revelações e patati epatatá. Deus possui profetas hoje, sim! ...apesar dos pesares...que possuem o ministério nesses termos, este de visões,revelações e patati e patatá. Está ai o significante em Joel. Joel era um ninja solitário,um Ronin, um pária numa terra assolada pela destruição. E sepudessem haver outros come ele? Se aquilo que enchia seucoração pudesse encher o coração de muitos?"28 E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobretoda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, osvossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.29 E também sobre os servos e sobre as servas naqueles diasderramarei o meu Espírito. Então o Espírito de Deus através de Joel dá umapromessa, vou operar isso sobre a humanidade, quero que todaela possa provar dos poderes do mundo vindouro, da presençado meu Espírito, dessa comunhão comigo que produz no homemaquilo que realizo com meus servos os profetas. O Espírito deDeus deseja não que alguns, mas que TODA a humanidadedesfrute de sua presença, e esse DIREITO foi concedido àmesma através daquilo.
  6. 6. Daquilo. Da ressurreição.A Ana Graziela tem hoje o direito de ser cheia do mesmo podere glória que foi derramada sobre Moisés. Isaias. Jeremias. Paulo.Ester. Maria. João. E Cristo.
  7. 7. Jesus falou nesses termos:“E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome,expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nasserpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes farádano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e oscurarão.” Atos 16. 17 e 18 Este texto significa que o poder do Espírito seriaderramado naqueles que cressem, irremediavelmente. Algoesperado por Jesus. Previsível, percebível e especial. Lendo avida dos profetas no Velho Testamento é exatamente esse tipode coisa que aguardaríamos ver ocorrer neles, coisasextraordinárias, novas, surpreendentes. Faz parte de nosso,direito de nascença em Cristo!Após Jesus ter cumprido cabalmente aquilo que o Paideterminou, retornou aos Céus, deixou certa promessa queencontramos em:
  8. 8. Atos 1.8,- “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o EspíritoSanto, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, comoem toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”.Compare com o que Joel falou:Este Espírito Santo da promessa é que tem dado poder para aigreja e têm capacitado os crentes através da concessão deDons Espirituais, conforme lemos em:Paulo coloca nesses termos:I Coríntios 12.1 e 4,- “Meus irmãos, quero que vocês saibam a verdade a respeitodos dons que o Espírito Santo dá.”... “Existem tipos diferentesde dons espirituais, mas é um só e o mesmo Espírito quem dáesses dons”.Cabe (Vixe Maria!) a nós, crentes fiéis em Jesus Cristo, buscaros dons para realizar o serviço da agência do Reino de Deus naterra, a igreja, com a única e suficiente finalidade de edificaresta mesma igreja – Corpo de Cristo, conforme:I Co 14.12,- “Assim também vós, já que estais desejosos de donsespirituais, procurai abundar neles para a edificação da igreja.” Então, dá pra imaginar Joel em meio aos gafanhotosmortos, vendo isso tudo acontecer. Essa é a promessa e essas coisas ocorrendo são sinal documprimento da Promessa em nossas vidas. Se é Promessa, énosso. Quem tem direito? “toda a carne”. Todo mundo. Estamosincluídos. O que fazer? Aceitar, crer, buscar. Pai, enche-me,derrama tua Promessa sobre minha vida! E a cada encontro,culto, reunião, desejar ser cheia de sua presença, deixar serguiada por Deus a essa situação. O futuro é duvidoso, mas nãovejo lama. Eu vejo é gozo, parafraseando Cazuza. Não sei o quevirá fruto dessa busca, dessa confiança, dessa entrega, decânticos sinceros, de um coração que anseia ser cheia de Deus.
  9. 9. Mas são necessários, são presentes, dádivas, e se foi assim comos discípulos, com os apóstolos, com a igreja primitiva e com osprofetas, não será diferente conosco. E que tempo vivemoshoje? Justamente esse, iniciado na ressurreição Até quando valea promessa?A promessa se estende até os tempos finais da história humana,só termina no retorno de Cristo. Se é que termina.b) IntercessãoO JUIZ E A VIÚVA (Lucas 18:1-8)1. Certo juiz havia em certa cidadeA Deus ele não temiae a homem ele não respeitavaE uma viúva havia naquela cidadee ela vinha a eledizendo: "Vinga-me do meu adversário."3.Ele não quis fazê-lo por (certo) tempo.Depois disse para si mesmo: "Embora eu não tema a Deuse não respeite a homem,4.no entanto, porque ela me importuna, esta viúva,vou vingá-lapara que mediante a sua vinda constanteela me moleste."
  10. 10. Antes de mergulhar no texto, um breve relato:Foi na antiga cidade de Nisibis, na Mesopotâmia. Logo na entrada dacidade, a um lado da porta ficava a prisão, com grades nas janelas,através das quais os prisioneiros estendiam os braços e pediamesmolas. Do lado oposto ficava um edifício grande: a corte de justiçado lugar. Em um estrado um pouco mais alto ao fundo do salãoassentava-se o Kadi, ou juiz, semi-enterrado em almofadas. Ao redordele estavam assentados ou acocorados vários secretários e outrosnotáveis da cidade. A população se aglomerava no resto do saguão,uma dezena de vozes clamando ao mesmo tempo, cada uma dizendoque a sua causa devia ser ouvida em primeiro lugar. Os litigantesmais prudentes não participavam daquela desordem, mas faziam co-municações sussurradas com os secretários, passando propinas,eufemisticamente chamadas de honorários, às mãos de um ou deoutro... Quando a cobiça dos subalternos estava satisfeita, um delessussurrava ao ouvido do Kadi que imediatamente chamava esta ouaquela causa. Parecia ser costumeiramente considerado normal que ojulgamento seria feito em favor do litigante que pagasse a propinamais elevada. Nesse ínterim, uma mulher pobre, na extremidade damultidão, interrompia incessantemente as audiências com gritossonoros pedindo justiça. Recomendavam-lhe severamente que ficasseem silêncio, e mencionaram repreensivamente que ela vinha aofórum todos os dias. "E assim continuarei fazendo," gritou ela, "atéque o Kadi me ouça." Por fim, no fim de uma causa, o juizimpacientemente perguntou: "O que deseja aquela mulher?"Depressa contaram-lhe a história dela. O seu único filho foraconvocado pelo exército, e ela estava sozinha, e não conseguiacultivar o seu sítio; não obstante, o coletor de impostos a haviaforçado a pagar os impostos, dos quais, como viúva solitária, elapodia ser isenta. O juiz fez umas poucas perguntas, e disse: "Que elaseja isenta." Desta forma, a perseverança dela foi recompensada. Seela tivesse dinheiro para corromper um contínuo, ela poderia ter sidoisenta muito tempo antes (Tristam, 228s.). (Keneth Balley)Jesus não estava ensinado a ganhar causas de juízes corruptos.Estava ensinando a INTERCEDER. Ele dá propositalmente ao PAI opapel de juiz injusto, e a nós o papel da viúva nessa parábola. Umamulher numa sociedade machista, sem direito a estar no meio de umambiente tipicamente masculino, desamparada de recursos, depessoas que lhe apóiem, sem status social, diante de alguém que nãopossui em nenhuma instancia qualquer interesse de lhe atender,inacessível humanamente falando, sem qualquer consciência de
  11. 11. justiça social, sem qualquer remorso, sem qualquer espiritualidade,sem qualquer apreço pela humanidade, fará tudo que for possívelpara se livrar daquela mulher inoportuna.A viúva não tem nada a perder, sem a vitória sua vida já estava emruínas. Mas sob ela, miserável, ainda pesava a sorte de alguém queera um ADVERSÁRIO de cujas mãos não tinha condições de se livrar,a não ser pela intervenção daquela autoridade amoral.Deus é melhor que esse sujeito. E diferente dele, é justo, amoroso enos tem em grande estima. Quando entramos em sua presença, nãosomos estranhos com causas espafurdias, somos pessoas por quemseus olhos se enternecem, que possuem direitos inalienáveis,resgatados ao preço de um tremendo sacrifício. Somos fruto de umamor inacreditável, e por isso nossas palavras não são palavras vãs.Somos levados em conta. Nossas súplicas, nossas lágrimas, nossoscorações. Não necessitamos interceder para receber a maioria dascoisas em nossa vida, é só pedir. É só orar. Não é necessáriointerceder a Deus por muitos motivos, é só conversar com ele. Já énosso. Mas a intercessão significa se colocar no lugar de outro. Elasurge quando outras pessoas, outras situações que envolvempessoas, cenários, destruição, familiares, amigos, desconhecidos, sobcondições espirituais desconhecidas, pelas quais devemos orar. Jánão é por nós (ainda que nos envolva), é por algo, por alguém,envolve outras vontades, outros desígnios, pecados alheios,malignidade de alguém. Envolvem lutar contra PODERES adversários,situações malignas, envolvimentos com demônios, com forçasespirituais, contra maldade humana ou de espíritos imundos. Nessemomento nós estamos reivindicando vida para alguém, mas há umaOPOSIÇÃO, há um adversário (ou muitos) sejam agentes humanos,sejam agentes espirituais, que reagem VIOLENTAMENTE contra nossabusca, nossa oração, nossa suplica. E eles atacam nossa mente,enfraquecem nossa fé. Impactam nossas convicções. Sabotam nossascertezas. Sabendo isso Jesus ordena que tomemos uma posição deque se assemelha a uma batalha. E ordena a persistência. Jesussabia que situações desesperadoras aconteceriam a todos nós,planejadas e dirigidas por outros autores com o propósito de nosdesestruturar. E que haveria oposição a respostas, induzindo-nos adescrer da perfeita justiça divina. A deixar de lado nossa vocaçãocelestial. A cessar nossas orações. Que situações nos feririam, que aindignação por ver o desastre e a injustiça operada na vida dos queamamos nos abateria. Então nos deu a ordem. Sejam como a viúva.
  12. 12. Sejam como Jacó, chamado “ISRAEL” aquele que LUTA com DEUS.“Não te chamarás mais Jacó, mas antes, ISRAEL, pois LUTASTEcontra DEUS e com os homens, e PREVALECESTE.E o que Jacó fez para ser declarado como a única criatura que um diaPREVALECEU contra Deus?Orou. Chorou. Intercedeu. Clamou. Segurou-se às vestes de Deus.Firmou sua posição. Não recuou de sua dignidade, não mudou deidéia, não desistiu. Não mudou de opinião. Não abandonou suanecessidade. Não lançou longe de si o sonho. Não negociou umaoutra coisa que não o que desejava. Do que dependia a vida de suafamília, o perdão de seu irmão, a reconciliação com Esaú.NÃO SE RESIGNOU DIANTE DO IMPROVÁVEL,NÃO RETROCEDEU DIANTE DO IMPOSSÍVELNÃO SE CONFORMOU COM SUA VIDA,Não se curvou diante de uma recusa (aparente) de Deus,Não rasgou diante de Deus sua petição.Não lançou no chão seu arco e nem deixou cair de suas mãos a suaespada.A partir daí podemos começar a entender o que significa interceder.Interceder é não recuar em oração diante do impossível. É nãodesistir de uma causa que queima em seu coração. Então não é umaoração serena... ela pode envolver reclamações, argumentos, sonhos,uma postura intensa, como quando você tenta convencer uma amigateimosa a não realizar uma bobagem. Quando você toma umaposição firme diante de quem quer te injustiçar.Ele não quis fazê-lo por (certo) tempo.Depois disse para si mesmo: "Embora eu não tema a Deuse não respeite a homem,
  13. 13. 4.no entanto, porque ela me importuna, esta viúva,vou vingá-lapara que mediante a sua vinda constanteela me moleste."O juiz sem humanidade da parábola é “forçado” a se resignar dianteda incansável mulher. Ela grita, ela faz barulho, ela não se intimida.O Pai vai acrescentando fé sob fé a cada intercessão, vai explodindobarreira após barreira, vai mudando corações!!!!!!!!!!!!! Vai Mudandocondições, vai transformando o universo, com base nessa jornada dointercessor. A viúva “molesta” o juiz iníquo. A Igreja se torna“aprazível” diante dele. Esse trabalho é doloroso porque as leves éuma “gestação” de orações, ela é fruto de INTENSO desejo por algo,e a demora em ver uma solução nos exaspera, mas nesse processoDEUS nos transforma, nos aprimora, nos reveste. O Intercessoraprende a deixar de lado a si mesmo, enquanto busca a Deus poruma solução, é um paradoxo. Um guerreiro não pensa muito em simesmo durante uma batalha. Mas pensa desesperadamente emvencer. Seja este um lutador de jiu-jitsu, Karatê, Tae-kendo. Não vaiter vitória se ficar se protegendo o tempo todo. Ele tem que deixar delado a segurança de determinadas posições, tem que se expor parapoder golpear. A intercessão é um exercício de fé, de ousadia, deperseverança. De força de vontade. De desejo. Quero. Concede!Opera Pai! Manda vê Senhor!vou vingá-la , Diz o juiz injusto.Vou vingá-la. Vou derrotar seu inimigo. Vou fazer justiça. Voudestruir quem lhe destrói. Porque para isso Jesus se manifestou, paraDESTRUIR AS OBRAS DO DIABO.O intercessor vê cânceres sendo curados, vê viciados sendo libertos,vê famílias destruídas sendo refeitas, vê amigos distanciados sendoaproximados. O intercessor recebe a graça de uma amizadedestruída, reconstruída. Porque a intercessão transforma na distanciacorações endurecidos.Existem situações que o Espírito Santo não pode realizar. Em queDeus não pode interferir (Um ultracalvinista pediria a minha
  14. 14. exumação antes da morte e enterro ao ouvir tal coisa....). Mesmosendo Deus.Esse é o grande mistério da intercessão. Para salvar o homem, Jesusnecessitou tornar-se como nós, tornar-se um de nós.Porque Deus não pode FORÇAR o homem a servi-lo, ou a amá-lo.Isso é uma ESCOLHA. Ninguém pode amar sob COAÇÃO. Porque oamor só se manifesta em liberdade. Porque só possui valor se éVOLUNTÁRIO. Deus não pode por MAGIA transformar o homem, porisso a necessidade do ARREPENDIMENTO, da CONFISSÃO, do DESEJOde mudar. Ele como Deus não pode obrigar o homem a seguir numadeterminada direção. Mas um amigo pode forçar outro amigo. Um paipode obrigar um filho a comer brócolis. Uma mãe pode impedir quesua filha faça algo, porque SOMOS responsáveis uns pelos outros,dentro de nossas situações de vida. Se alguém voluntariamentequiser seguir para a direita, e Deus quiser que esse sujeito vá para aesquerda, VOLUNTÁRIAMENTE vai ter que usar um agente humanopra conseguir essa façanha. O Intercessor é esse agente. Ointercessor é a ultima instancia entre o homem e a sua burrice. É aamizade de Deus feita gente, é dar continuidade a amizade mostradano calvário. A Intercessão nos transforma em embaixadores deCristo. Em ministros do evangelho. Somos as viúvas para gente semcoração. Quando intercedemos, agimos sobre VONTADES, atuamossobre DESEJOS, porque nós PODEMOS! A viúva na busca de justiçanão se importou com a VONTADE do juiz injusto. Não necessitamosdar “liberdade” para o drogado se matar. Só porque ele quer. Nãonecessitamos “respeitar” a escolha maligna do outro, só porque eleassim decidiu. Do mesmo modo que não deixamos usurparem umdireito nosso, que uma esposa briga com a loja pela entrega domóvel atrasado...assim temos o direito dado através da intercessãode dizer não a destruição, de quem não quer se salvar. Seja falando,seja reclamando, seja lutando, gritando, chutando o balde, buscandorecursos, seja INTERCEDENDOIsso lembra a velha apostila “o justo viverá pela fé”Sobre certos atores da fé...O crente “Seja o que Deus quiser, ou Queira-Deus...”
  15. 15. Esse é um artista. Porque tem que ser artista para não demonstrarsua indignação quando a injustiça acontece na igreja, quando vem atragédia e ele deixa de lado sua vocação de INCONFORMADO emeneia a cabeça dizendo “seja feita tua vontade” quando tudodentro dele grita que não era para tal estar acontecendo. Malabarista.Ele tem que ficar se equilibrando feito um trapezista entre os textosque dizem que é Jesus é o Amém para todas as promessas de Deus elogo depois declara:... não recebeis porque pedis mal... e na dúvida:“seja o que Deus quiser” ou “seja feita a vontade de Deus”. Ele éesguio. Milagre? Pode ser. As vezes lacônico. Cala-se diante dadesgraça alheia. “Deus sabe de todas as coisas”. É um embaixadorindeciso. Um sacerdote ineficaz. Um intercessor fora do prumo. Umhomem de oração perdido numa noite suja. Queira-Deus nãoenxerga as promessas, não conhece sua herança, não crê na suavocação. È cético. É culpado por negligencia – deixar de fazer o quepoderia por terceiro, podendo o fazer. É culpado do artigo penal quefala sobre a legítima defesa de terceiro.Da legítima defesaCícero, o grande orador, na oração em favor de Milone, expôs commaestria acerca da legítima defesa:É uma lei sagrada, juízes, lei não escrita mas que nasceu com ohomem, lei anterior aos legistas, à tradição, aos livros, e que anatureza nos oferece gravada no seu código imortal, de onde nós atemos tirado, de onde nós a temos extraído, lei menos estudada quesentida: - num perigo iminente, preparado pela astúcia ou pelaviolência, sob o punhal da cupidez ou do ódio, todo meio de salvaçãoé legítimo.No direito Alemão, berço do direito penal contemporâneo, o institutorecebeu o nome de defesa necessária, baseando-se no princípio deque o direito não precisa retroceder diante do injusto, pois não ésomente para a proteção do bem jurídico, que vale o instituto, mastambém para a afirmação do ordenamento jurídico.Estatui o artigo 25 do Código Penal Pátrio:Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dosmeios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, adireito seu ou de outrem.Queira-Deus é falso. Diz querer fazer a vontade de Deus agindo comose ela não existisse.
  16. 16. Ele queimou as promessas de Deus junto com seus manuais defilosofia barata para aquecer seu frio coração incrédulo.Queira-Deus não luta como Israel, Não legitima sua suplica como JÓ,Não sabe o que arrazoar ou demandar com Deus, rasgou Isaías desua bíblia particular. Não sabe o que é contender, demandar, exporargumentos ou confrontar seu coração com o coração de Deus.Queira-Deus é dissimulado. Não entende as coisas espirituais, e fazquestão de não entendê-las! É continuamente contrariado, aviltado,mas suporta de bom grado a loucura da vida, como se tudo e todaenfermidade, e toda desgraceira, fosse obra e graça do divino EspíritoSanto.Porque Queira-Deus não compreende.Nunca chegou a entenderE tem ódio dos que compreenderamQue o justo,sim,que o justo,esse justo,viverá,pela fé.
  17. 17. Um grande abraço, Deus abençoe moça!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!Welington José FerreiraAdendo
  18. 18. Joel, o profeta do avivamento Joel 2: 28-32O nome Joel significa “o Senhor é Deus”. É provável que Joeltenha vivido e profetizado em Jerusalém. Teria, assim, em suamocidade, conhecido Elias e Eliseu. Data provável: 830 anosantes de Cristo, ao tempo do rei Joás. Joel tem sido chamado de“o profeta do avivamento”. Ele compreendeu que oarrependimento sincero é a base da verdadeira espiritualidade eera para que isto acontecesse com seu povo que ele seesforçava. O conteúdo básico de seu livro é o apelo aoarrependimento. Estudando com interesse suas grandes liçõesseremos edificados.I - A ÉPOCA EM QUE JOEL PREGOUContexto Histórico
  19. 19. Joel profetizou numa época de grande devastação de toda a terra de Judá. Umaenorme praga de locustas havia despido a zona rural de toda a vegetação,destruiu até as pastagens tanto das ovelhas como do gado, até mesmo tirou acasca das árvores de figo. Em apenas algumas horas, o que tinha sido um terrabonita, verdejante, havia se tornado um lugar de desolação e destruição.Descrições contemporâneas do poder destrutivo dos enxames de locustas(gafanhotos) confirma a descrição de Jl acerca da praga. A praga das locustasacerca do que Jl escreveu era maior que qualquer um jamais havia visto. Todaa safra foi perdida, e as sementes da safra para o plantio seguinte tambémforam destruídas. A fome e a seca se apoderaram de toda a terra. Tanto o povocomo os animais estavam morrendo. Ela foi tão profunda e desastrosa, que Joelviu uma explicação: era o julgamento de Deus.Quando o profeta Joel pregou suas mensagens, a situação econômica eradesesperadora, em razão de um ataque de gafanhotos sem igual. Ele partedeste fato para alertar o povo para a prática da santificação, doquebrantamento, e de maior submissão ao Senhor, 1: 14, mensagens quetornam o livro muito atual.http://www.bbc.co.uk/portuguese/multimedia/2009/07/090710_gafanhotos_video.shtmlhttp://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/2010/04/100408_videogafanhotospebc.shtmlJoel também anuncia o dia do Senhor e previne sob a iminência de um ataque
  20. 20. militar que viria por parte de uma nação estrangeira e termina o livro com apreciosíssima mensagem sobre o derramamento do Espírito Santo.a) A praga dos gafanhotos - Dentre as mais de 80 variedades de gafanhotos,Joel diz que quatro: o cortador, o migrador, o devorador e o destruidor, v. 4,haviam devastado a terra de Israel. O povo calou-se, em sinal de tristeza. Tudosecou e o campo nada produzia.b) As lições da devastação - A notícia de tal calamidade deveria ser passada degeração a geração, v. 3, porque se refere a um tempo de juízo do Senhor emque os prazeres da vida foram retirados e houve um lamento geral. Até osbêbados lamentaram porque os gafanhotos devoraram as videiras, v. 5, e nãotinham mais o vinho; destroçaram a figueira, arrancando-lhes as cascas, v. 7.Por causa dessa miséria até os jovens choraram, v. 8. Todo cereal se perdeu eos lavradores ficaram envergonhados e desorientados, vv. 10, 11, porque ojuízo veio através de um inimigo pequeno, mas em grande número e sábio, Pv30: 27.c) Reações à devassidão, 1: 10-14 - Com a destruição das pastagens e daslavouras, até os sacerdotes lamentavam porque não havia nem elementos paraos sacrifícios ao Senhor, v. 9. Assim como a calamidade era geral, o pecadotambém havia devastado todos os domínios da vida. É nessa hora que diz oSenhor: “Lamentai, sacerdotes".Quando a igreja experimenta flagelo de tal natureza, engolfada em confusões,pecados e enfermidades que devastam famílias após famílias, 1Co 11: 30-32, oensino bíblico para resolver tal situação é que ministros e povo retornem aoSenhor com a mesma sinceridade, intensidade, arrependimento e interessesdescritos em Jl 1: 13-14 e 2: 12-17e Dt 4: 30-31.II - O DIA DO SENHORO profeta descreve esse quadro terrível para preparar as pessoas sobre o queiria falar a respeito do “Dia do Senhor”, v. 15, que também virá como umaassolação. Percebe-se que Joel avista algo por trás dessa praga de gafanhotos;ele enxerga além dela, vê um dia de desolação em toda a terra.O acontecimento pelo qual o povo chorava no momento era prefiguração de umoutro dia de juízo: um julgamento a ser derramado nos dias finais destemundo.a) Um exército preparado contra Judá, 2: 1-11. Joel anuncia que estava prestesa acontecer uma grande invasão militar. Compara isso a uma devastação pelosgafanhotos que haviam assolado a terra.Ele pergunta: “Vocês já ouviram, em toda sua vida, em toda história do seupovo, alguma coisa igual?” A resposta ao v. 2 só teria que ser um enfático não!b) Julgamento final - Joel usa quase todo seu livro para falar sobre o Dia doSenhor, 2: 1, 11, 31; 3: 14; este será o julgamento final de Deus sobre todomal e também o fim desta era.Tal dia vai iniciar-se com o arrebatamento da Igreja, 1Ts 4: 15-17; 5: 2; incluios sete anos de tribulação, que é a última semana de Daniel, 9: 24-27, eculminará com o retorno de Cristo com sua Igreja para reinar sobre a terra, Ap20: 1-6.c) Um chamado ao arrependimento, 2: 12-17. A catástrofe que acomete Israelnos tempos de Joel leva a nação, politicamente, ao caos. Mas essa intervençãodivina é meramente ilustrativa.Como o pior ainda está por vir, Deus levanta Joel para inquietar os sacerdotes eexortar o povo ao arrependimento, v. 13, e que este retorne humildemente aoSenhor, não com mãos vazias, mas com sacrifícios de pranto e lamentaçãogenuínos, jejuns e súplicas pelas misericórdias de Deus, v. 12.
  21. 21. Para isso, deveriam proclamar uma assembléia solene, 2: 15-17. Ninguémdeveria faltar; nada de desculpas, vv.15 e 16. E os sacerdotes iriam orar comtodos, clamando: “Poupa o teu povo, oh, Senhor”, v. 17.d) Derramamento do Espírito Santo, 2: 28-32. Num tempo futuro, marcadopelo advérbio “depois”, v. 28, o Espírito Santo seria derramado sobre todacarne. Examinando Os 3: 5, veremos que essa promessa abrange os últimosdias Israel, iniciando-se com a tribulação e adentrando o reinado do Messias,que vem em seguida.Compare, Is 2: 2 com At 2: 17. O tempo é enfático, no v. 29. Deus faz questãode repetir que tal se dará “naqueles dias”. Ou seja, depois do arrependimentonacional e restauração futura de Israel, Zc 11: 10; 13: 1, eventos que serãosimultâneos à Segunda Vinda de Cristo.Esse “grande e terrível Dia do Senhor" se apresentará com prodígios de Deusna terra e no céu, vv. 30-31. Mas Jerusalém e Sião permanecerão, v. 32, eacontecerá depois... que o Espírito Santo será derramado ao remanescente fiel.Note que não haverá qualquer restrição à recepção desse dom: nem diferençasde idade (velhos e jovens), nem de sexo (filhos e filhas), e nem de posiçãosocial (servos e servas).O que aconteceu em At 2 foi o cumprimento dessa profecia, mas ocumprimento total ainda está por vir: Is 32: 15; 44: 3,4; Ez 36: 27,29; 37:14; 39: 29. Assim, o estudo do profeta Joel relembra que a Igreja deve vivernum permanente clima de avivamento, a fim de fazer a vontade do Senhor.Bênçãos declaradas em Joela. “Ele [o Senhor] é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grandeem benignidade, e se arrepende do mal.” ( Na tradução de Joseph Smith deJoel 2:13 lê-se que o Senhor afasta de nós o mal e não que Ele se arrependedo mal.)b. O Senhor irá “compadecer-se do seu povo”. (Joel 2:18)c. O Senhor conduzirá o exército do norte (descrito nos versículos 1–11) a umlugar seco e deserto. (Joel 2:20)d. “E comereis abundantemente e vos fartareis.” (Joel 2:26)e. “Eu estou no meio de Israel, (...) e o meu povo nunca mais seráenvergonhado.” (Joel 2:27)f. “Derramarei o meu Espírito sobre toda a carne.” (Joel 2:28; ver também oversículo 29.)g. Jovens e velhos profetizarão, terão sonhos e visões. (Joel 2:28)h. “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.” (Joel 2:32)i. “O Senhor bramará de Sião, e de Jerusalém fará ouvir a sua voz.” (Joel 3:16)j. “O Senhor será o refúgio do seu povo.” (Joel 3:16)k. “O Senhor será (...) a fortaleza dos filhos de Israel.” (Joel 3:16)l. “E vós sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus, que habito em Sião.” (Joel3:17)Convocações validas para nós até hoje!!!!a. “Convertei-vos a mim de todo o vosso coração.” (Joel 2:12)b. “Rasgai o vosso coração.” (Joel 2:13, no sentido de quebrantar o coração ouser humilde.)c. “Convertei-vos ao Senhor vosso Deus.” (Joel 2:13)
  22. 22. d. “Santificai a congregação.” (Joel 2:16)e. “Não temas, ó terra: regozija-te e alegra-te.” (Joel 2:21)

×