SlideShare uma empresa Scribd logo

17 administração (relaçãos interpessoais)

1 de 58
Baixar para ler offline
SAIR
SAIR
Apresentação
SAIR
Apresentação
Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição
entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo
estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas.
SAIR
Apresentação
Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição
entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo
estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas.
Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a
personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de
comunicação, percepção, feedback, entre outros.
SAIR
Apresentação
Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição
entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo
estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas.
Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a
personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de
comunicação, percepção, feedback, entre outros.
O curso de RELAÇÔES INTERPESSOAIS e, por extensão, a presente apostila, visa analisar esses
fatores em busca do aprimoramento e do sucesso profissional, pessoal, familiar e social.
SAIR
Apresentação
Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição
entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo
estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas.
Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a
personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de
comunicação, percepção, feedback, entre outros.
O curso de RELAÇÔES INTERPESSOAIS e, por extensão, a presente apostila, visa analisar esses
fatores em busca do aprimoramento e do sucesso profissional, pessoal, familiar e social.
CONCEITO DE RELAÇÕES INTERPESSOAIS
Para entender o conceito de relações interpessoais é necessário definir o termo personalidade.
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Jorge Barbosa
 
6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacaoAna Genesy
 
Motivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdoMotivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdoFábio Costa
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalpsicologiaazambuja
 
A Pirâmide de Maslow aplicada nas empresas
A Pirâmide de Maslow aplicada nas empresasA Pirâmide de Maslow aplicada nas empresas
A Pirâmide de Maslow aplicada nas empresasPaulo Consul
 
Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4Niraldo Nascimento
 
Factores de escolha profissional
Factores de escolha profissionalFactores de escolha profissional
Factores de escolha profissionalLaissane Dimande
 
comportamento organizacional
comportamento organizacionalcomportamento organizacional
comportamento organizacionalJocimarSilva17
 
Motivação no trabalho
Motivação no trabalhoMotivação no trabalho
Motivação no trabalhoBruno Fellipe
 
Relações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - Maslow
Relações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - MaslowRelações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - Maslow
Relações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - Maslowss_metroid
 
Teoria da Atribuição
Teoria da AtribuiçãoTeoria da Atribuição
Teoria da AtribuiçãoAdm Unime
 
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
DonaldsupereodesenvolvimentoprofissionalDonaldsupereodesenvolvimentoprofissional
DonaldsupereodesenvolvimentoprofissionalAntónio Moreira
 
Teorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergTeorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergalesilvajesus
 
Ebook desenvolvendo a gestão comportamental
Ebook desenvolvendo a gestão comportamentalEbook desenvolvendo a gestão comportamental
Ebook desenvolvendo a gestão comportamentalGilson Tavares
 

Mais procurados (20)

Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1
 
Teorias da Motivação
Teorias da MotivaçãoTeorias da Motivação
Teorias da Motivação
 
6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao6 a teoria de maslow sobre motivacao
6 a teoria de maslow sobre motivacao
 
Motivação..
Motivação..Motivação..
Motivação..
 
Motivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdoMotivação teorias de conteúdo
Motivação teorias de conteúdo
 
comportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacionalcomportamento macroorganizacional
comportamento macroorganizacional
 
Donald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissionalDonald super e o desenvolvimento profissional
Donald super e o desenvolvimento profissional
 
A Pirâmide de Maslow aplicada nas empresas
A Pirâmide de Maslow aplicada nas empresasA Pirâmide de Maslow aplicada nas empresas
A Pirâmide de Maslow aplicada nas empresas
 
Motivação intrínseca
Motivação intrínsecaMotivação intrínseca
Motivação intrínseca
 
Super et al
Super et alSuper et al
Super et al
 
Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4
 
Factores de escolha profissional
Factores de escolha profissionalFactores de escolha profissional
Factores de escolha profissional
 
comportamento organizacional
comportamento organizacionalcomportamento organizacional
comportamento organizacional
 
Motivação no trabalho
Motivação no trabalhoMotivação no trabalho
Motivação no trabalho
 
Relações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - Maslow
Relações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - MaslowRelações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - Maslow
Relações Interpessoais - as Necessidades Basicas Do Ser Humano - Maslow
 
Teoria da Atribuição
Teoria da AtribuiçãoTeoria da Atribuição
Teoria da Atribuição
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
DonaldsupereodesenvolvimentoprofissionalDonaldsupereodesenvolvimentoprofissional
Donaldsupereodesenvolvimentoprofissional
 
Teorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergTeorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzberg
 
Ebook desenvolvendo a gestão comportamental
Ebook desenvolvendo a gestão comportamentalEbook desenvolvendo a gestão comportamental
Ebook desenvolvendo a gestão comportamental
 

Destaque

03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)Elizeu Ferro
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)Elizeu Ferro
 
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)Elizeu Ferro
 
02 atendente de farmácia (farmacologia)
02   atendente de farmácia (farmacologia)02   atendente de farmácia (farmacologia)
02 atendente de farmácia (farmacologia)Elizeu Ferro
 
Atendente de Farmácia - Doenças respiratórias
Atendente de Farmácia - Doenças respiratóriasAtendente de Farmácia - Doenças respiratórias
Atendente de Farmácia - Doenças respiratóriasLuis Antonio Cezar Junior
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)Elizeu Ferro
 
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)Elizeu Ferro
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)Elizeu Ferro
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)Elizeu Ferro
 
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros SocorrosLuis Antonio Cezar Junior
 

Destaque (20)

03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)03   atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
03 atendente de farmácia (o farmaco e o organismo)
 
18 administração (marketing pessoal)
18   administração (marketing pessoal)18   administração (marketing pessoal)
18 administração (marketing pessoal)
 
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)06   atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
06 atendente de farmácia (informação sobre medicamentos)
 
02 atendente de farmácia (farmacologia)
02   atendente de farmácia (farmacologia)02   atendente de farmácia (farmacologia)
02 atendente de farmácia (farmacologia)
 
Atendente de Farmácia - Doenças respiratórias
Atendente de Farmácia - Doenças respiratóriasAtendente de Farmácia - Doenças respiratórias
Atendente de Farmácia - Doenças respiratórias
 
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)01   atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
01 atendente de farmácia (conceitos fundamentais)
 
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
 
Atendente de Farmácia - Hipertensão
Atendente de Farmácia - HipertensãoAtendente de Farmácia - Hipertensão
Atendente de Farmácia - Hipertensão
 
Atendente de Farmácia - Dor e Inflamação
Atendente de Farmácia - Dor e InflamaçãoAtendente de Farmácia - Dor e Inflamação
Atendente de Farmácia - Dor e Inflamação
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 02)
 
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)08   atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
08 atendente de farmácia (tipos de famácia parte 01)
 
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia -   Leis & DrogariasAtendente de Farmácia -   Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
 
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros SocorrosPrimeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
Primeiros Socorros - Introdução aos Primeiros Socorros
 
Anatomia - Sistema Imunológico
Anatomia - Sistema ImunológicoAnatomia - Sistema Imunológico
Anatomia - Sistema Imunológico
 
Anatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renalAnatomia - sistema renal
Anatomia - sistema renal
 
Anatomia - sistema respiratório
Anatomia - sistema respiratórioAnatomia - sistema respiratório
Anatomia - sistema respiratório
 
Primeiros Socorros - intoxicação
Primeiros Socorros - intoxicaçãoPrimeiros Socorros - intoxicação
Primeiros Socorros - intoxicação
 
Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344
 
Primeiros Socorros - Acidentes diversos
Primeiros Socorros - Acidentes diversosPrimeiros Socorros - Acidentes diversos
Primeiros Socorros - Acidentes diversos
 
Atendente de Farmácia - injetáveis
Atendente de Farmácia -  injetáveisAtendente de Farmácia -  injetáveis
Atendente de Farmácia - injetáveis
 

Semelhante a 17 administração (relaçãos interpessoais)

Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Juliana Baino
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasTurma_do_Marketing
 
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasOrientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasSNAGES
 
09p 2010-04-arthur-motivacao
09p   2010-04-arthur-motivacao09p   2010-04-arthur-motivacao
09p 2010-04-arthur-motivacaoValentina Silva
 
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissionalCoaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissionalKatia Manangão
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoDeomari Fragoso
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Tania Montandon
 
Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...
Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...
Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...Desilmara Neves
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoAnderson Cássio Oliveira
 
LIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIAL
LIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIALLIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIAL
LIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIALANA BELA DOS SANTOS
 
Gestão Estratégica de pessoas
Gestão Estratégica de pessoasGestão Estratégica de pessoas
Gestão Estratégica de pessoasAdeildo Caboclo
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente AdministrativoLiberty Ensino
 
Curso de chefia e liderança parte 5/6
Curso de chefia e liderança   parte 5/6Curso de chefia e liderança   parte 5/6
Curso de chefia e liderança parte 5/6ABCursos OnLine
 

Semelhante a 17 administração (relaçãos interpessoais) (20)

Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4Aula Avaliação de Desempenho 4
Aula Avaliação de Desempenho 4
 
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoasAspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
Aspectos comportamentais e éticos na gestão de pessoas
 
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasOrientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
 
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
Indivã­duo e a_organizaã§ã£o[1]
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
 
09p 2010-04-arthur-motivacao
09p   2010-04-arthur-motivacao09p   2010-04-arthur-motivacao
09p 2010-04-arthur-motivacao
 
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissionalCoaching para desenvolvimento pessoal e profissional
Coaching para desenvolvimento pessoal e profissional
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
 
Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...
Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...
Comportamento organizacional e suas influencias no ambiente de trabalho 0 139...
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
LIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIAL
LIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIALLIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIAL
LIDERANÇA E DESENVOLVIMENTO GERENCIAL
 
Gestão Estratégica de pessoas
Gestão Estratégica de pessoasGestão Estratégica de pessoas
Gestão Estratégica de pessoas
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
 
O psicopedagogo na beleza
O psicopedagogo na belezaO psicopedagogo na beleza
O psicopedagogo na beleza
 
1.2 e 1.3 Gestão de Pessoas.pptx
1.2  e 1.3 Gestão de Pessoas.pptx1.2  e 1.3 Gestão de Pessoas.pptx
1.2 e 1.3 Gestão de Pessoas.pptx
 
Benne den essencia
Benne den essenciaBenne den essencia
Benne den essencia
 
A psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacionalA psicologia do comportamento organizacional
A psicologia do comportamento organizacional
 
Curso de chefia e liderança parte 5/6
Curso de chefia e liderança   parte 5/6Curso de chefia e liderança   parte 5/6
Curso de chefia e liderança parte 5/6
 

Mais de Elizeu Ferro

13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)Elizeu Ferro
 
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)Elizeu Ferro
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)Elizeu Ferro
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)Elizeu Ferro
 
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)Elizeu Ferro
 
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)Elizeu Ferro
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)Elizeu Ferro
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)Elizeu Ferro
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)Elizeu Ferro
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)Elizeu Ferro
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)Elizeu Ferro
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)Elizeu Ferro
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)Elizeu Ferro
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)Elizeu Ferro
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)Elizeu Ferro
 
07 administração (controle de produção parte 1)
07   administração (controle de produção parte 1)07   administração (controle de produção parte 1)
07 administração (controle de produção parte 1)Elizeu Ferro
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)Elizeu Ferro
 

Mais de Elizeu Ferro (20)

13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)13   atendente de farmácia (calculos na farmacia)
13 atendente de farmácia (calculos na farmacia)
 
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)12   atendente de farmácia (aplicação de injeções)
12 atendente de farmácia (aplicação de injeções)
 
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)11   atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
11 atendente de farmácia (serviços farmaceuticos)
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
 
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)07   atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
07 atendente de farmácia (descrição de medicamentos)
 
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)04   atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
04 atendente de farmácia (classificação de medicamentos)
 
15 administração (treinamento e avaliação)
15   administração (treinamento e avaliação)15   administração (treinamento e avaliação)
15 administração (treinamento e avaliação)
 
14 administração (r.h)
14   administração (r.h)14   administração (r.h)
14 administração (r.h)
 
13 administração (controle de marketing)
13   administração (controle de marketing)13   administração (controle de marketing)
13 administração (controle de marketing)
 
12 administração (estratégia de marketing)
12   administração (estratégia de marketing)12   administração (estratégia de marketing)
12 administração (estratégia de marketing)
 
11 administração (planejamento de vendas)
11   administração (planejamento de vendas)11   administração (planejamento de vendas)
11 administração (planejamento de vendas)
 
10 administração (negociação)
10   administração (negociação)10   administração (negociação)
10 administração (negociação)
 
09 administração (gestão de documentos parte 3)
09   administração (gestão de documentos parte 3)09   administração (gestão de documentos parte 3)
09 administração (gestão de documentos parte 3)
 
09 administração (gestão de documentos parte 2)
09   administração (gestão de documentos parte 2)09   administração (gestão de documentos parte 2)
09 administração (gestão de documentos parte 2)
 
09 administração (gestão de documentos parte 1)
09   administração (gestão de documentos parte 1)09   administração (gestão de documentos parte 1)
09 administração (gestão de documentos parte 1)
 
08 administração (documento fiscal parte 2)
08   administração (documento fiscal parte 2)08   administração (documento fiscal parte 2)
08 administração (documento fiscal parte 2)
 
08 administração (documento fiscal parte 1)
08   administração (documento fiscal parte 1)08   administração (documento fiscal parte 1)
08 administração (documento fiscal parte 1)
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)
 
07 administração (controle de produção parte 1)
07   administração (controle de produção parte 1)07   administração (controle de produção parte 1)
07 administração (controle de produção parte 1)
 
06 administração (planejamento da produção)
06   administração (planejamento da produção)06   administração (planejamento da produção)
06 administração (planejamento da produção)
 

Último

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 

Último (20)

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 

17 administração (relaçãos interpessoais)

  • 3. SAIR Apresentação Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas.
  • 4. SAIR Apresentação Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas. Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de comunicação, percepção, feedback, entre outros.
  • 5. SAIR Apresentação Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas. Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de comunicação, percepção, feedback, entre outros. O curso de RELAÇÔES INTERPESSOAIS e, por extensão, a presente apostila, visa analisar esses fatores em busca do aprimoramento e do sucesso profissional, pessoal, familiar e social.
  • 6. SAIR Apresentação Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas. Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de comunicação, percepção, feedback, entre outros. O curso de RELAÇÔES INTERPESSOAIS e, por extensão, a presente apostila, visa analisar esses fatores em busca do aprimoramento e do sucesso profissional, pessoal, familiar e social. CONCEITO DE RELAÇÕES INTERPESSOAIS Para entender o conceito de relações interpessoais é necessário definir o termo personalidade.
  • 7. SAIR Apresentação Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas. Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de comunicação, percepção, feedback, entre outros. O curso de RELAÇÔES INTERPESSOAIS e, por extensão, a presente apostila, visa analisar esses fatores em busca do aprimoramento e do sucesso profissional, pessoal, familiar e social. CONCEITO DE RELAÇÕES INTERPESSOAIS Para entender o conceito de relações interpessoais é necessário definir o termo personalidade. Personalidade é o conjunto total de características que torna o indivíduo único e diferente dos outros. Revela-se através da conduta de uma pessoa e das relações dos demais perante essa conduta. Os fatores que determinam a personalidade são: herança biológica, o ambiente e a idade.
  • 8. SAIR Apresentação Nos dias de hoje, as mudanças ocorrem numa velocidade acelerada, aumentando a competição entre as pessoas e as empresas. Deste movimento, surge a necessidade de desenvolver um novo estilo de administração, voltado para o trabalho em equipe e o desenvolvimento das pessoas. Para que tal ocorra, devemos analisar alguns aspectos do ser humano, como por exemplo, a personalidade dos indivíduos; as habilidades sociais e técnicas; as atitudes; os processos de comunicação, percepção, feedback, entre outros. O curso de RELAÇÔES INTERPESSOAIS e, por extensão, a presente apostila, visa analisar esses fatores em busca do aprimoramento e do sucesso profissional, pessoal, familiar e social. CONCEITO DE RELAÇÕES INTERPESSOAIS Para entender o conceito de relações interpessoais é necessário definir o termo personalidade. Personalidade é o conjunto total de características que torna o indivíduo único e diferente dos outros. Revela-se através da conduta de uma pessoa e das relações dos demais perante essa conduta. Os fatores que determinam a personalidade são: herança biológica, o ambiente e a idade. A base para a melhoria das relações interpessoais é a compreensão de que cada pessoa tem uma personalidade própria , que precisa ser respeitada e que cada um traz consigo necessidades sociais, materiais e psicológicas que precisam ser satisfeitas, e que influenciam o seu comportamento.
  • 9. SAIR Apresentação Assim, podemos conceituar relações interpessoais como uma disposição interior, uma aceitação do outro que transparece no modo de falar, de olhar, na postura e, sobretudo, na forma de agir adequadamente.
  • 11. SAIR Diferenças Individuais Diferentes aspectos da personalidade Na descrição de qualquer pessoa, os detalhes de comportamento que a distinguem podem classificar-se dentro de certos aspectos mais ou menos delimitados, que são os seguintes: - aparência física; - capacidade intelectual; - emotividade; - qualidades sociais; - sistema de valores.
  • 12. SAIR Diferenças Individuais Diferentes aspectos da personalidade Na descrição de qualquer pessoa, os detalhes de comportamento que a distinguem podem classificar-se dentro de certos aspectos mais ou menos delimitados, que são os seguintes: - aparência física; - capacidade intelectual; - emotividade; - qualidades sociais; - sistema de valores. Fatores que determinam a personalidade - Herança biológica ou natureza; - O ambiente ou educação; - Idade ou amadurecimento.
  • 13. SAIR Diferenças Individuais Diferentes aspectos da personalidade Na descrição de qualquer pessoa, os detalhes de comportamento que a distinguem podem classificar-se dentro de certos aspectos mais ou menos delimitados, que são os seguintes: - aparência física; - capacidade intelectual; - emotividade; - qualidades sociais; - sistema de valores. Fatores que determinam a personalidade - Herança biológica ou natureza; - O ambiente ou educação; - Idade ou amadurecimento. SIGNIFICADO DAS DIFERENÇAS INDIVIDUAIS Diferenças individuais são as várias formas em que os indivíduos se distinguem uns dos outros, sejam nos aspectos físicos, psíquicos, intelectuais, emocionais ou sociais.
  • 14. SAIR Diferenças Individuais NECESSIDADES BÁSICAS DO SER HUMANO A motivação humana é constante, infinita, flutuante e complexa. O homem pode ser considerado um animal que deseja e que raramente alcança um estado de completa satisfação, a não ser em certos períodos de tempo. Logo que satisfaz a um desejo surge outro, sucessivamente.
  • 15. SAIR Diferenças Individuais NECESSIDADES BÁSICAS DO SER HUMANO A motivação humana é constante, infinita, flutuante e complexa. O homem pode ser considerado um animal que deseja e que raramente alcança um estado de completa satisfação, a não ser em certos períodos de tempo. Logo que satisfaz a um desejo surge outro, sucessivamente. As necessidades básicas de ser humano foram organizadas por categorias em uma hierarquia de predomínio relativo, das quais as necessidades fisiológicas são as principais. A seguir, temos a representação da hierarquia das necessidades básicas, segundo o autor Maslow:
  • 16. SAIR Diferenças Individuais NECESSIDADES BÁSICAS DO SER HUMANO A motivação humana é constante, infinita, flutuante e complexa. O homem pode ser considerado um animal que deseja e que raramente alcança um estado de completa satisfação, a não ser em certos períodos de tempo. Logo que satisfaz a um desejo surge outro, sucessivamente. As necessidades básicas de ser humano foram organizadas por categorias em uma hierarquia de predomínio relativo, das quais as necessidades fisiológicas são as principais. A seguir, temos a representação da hierarquia das necessidades básicas, segundo o autor Maslow: Auto - realização Profissional, Superação das dificuldades Auto - estima Reconhecimento, Respeito Contato social Amigos, Família, Comunidade Segurança Casa própria, Segurança Material Necessidades fisiológicas Alimentação, Saúde
  • 17. SAIR Diferenças Individuais NECESSIDADES BÁSICAS DO SER HUMANO A motivação humana é constante, infinita, flutuante e complexa. O homem pode ser considerado um animal que deseja e que raramente alcança um estado de completa satisfação, a não ser em certos períodos de tempo. Logo que satisfaz a um desejo surge outro, sucessivamente. As necessidades básicas de ser humano foram organizadas por categorias em uma hierarquia de predomínio relativo, das quais as necessidades fisiológicas são as principais. A seguir, temos a representação da hierarquia das necessidades básicas, segundo o autor Maslow: Auto - realização Profissional, Superação das dificuldades Auto - estima Reconhecimento, Respeito Contato social Amigos, Família, Comunidade Segurança Casa própria, Segurança Material Necessidades fisiológicas Alimentação, Saúde As necessidades básicas não seguem uma hierarquia rígida, podendo variar sua posição e predominância já que os indivíduos são diferentes. Uma certa dose de insatisfação de necessidades é que a caracteriza a saúde física e mental, pois mobiliza energias direcionadas para o crescimento pessoal.
  • 18. SAIR Diferenças Individuais PERCEPÇÃO " É o processo pelo qual toma-se conhecimento do mundo externo" O processo de percepção
  • 19. SAIR Diferenças Individuais PERCEPÇÃO " É o processo pelo qual toma-se conhecimento do mundo externo" O processo de percepção SENTIDOS MUNDO EXTERNO Audição Fatos Visão Pessoas Tato Objetos Olfato Paladar
  • 20. SAIR Diferenças Individuais PERCEPÇÃO " É o processo pelo qual toma-se conhecimento do mundo externo" O processo de percepção SENTIDOS MUNDO EXTERNO Audição Fatos Visão Pessoas Tato Objetos Olfato Paladar Fatores que interferem na percepção - Experiências passadas; - Diferenças individuais; - Estado emocional; - Interesse; - Preconceito.
  • 21. SAIR Diferenças Individuais Condições que aumentam a precisão das percepções: - Autoconhecimento; - Flexibilidade; - Equilíbrio ou ajustamento interno; - Julgamento baseado em fatos.
  • 22. SAIR Diferenças Individuais Condições que aumentam a precisão das percepções: - Autoconhecimento; - Flexibilidade; - Equilíbrio ou ajustamento interno; - Julgamento baseado em fatos. COMUNICAÇÃO Comunicação é o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar o comportamento das pessoas.
  • 23. SAIR Diferenças Individuais Condições que aumentam a precisão das percepções: - Autoconhecimento; - Flexibilidade; - Equilíbrio ou ajustamento interno; - Julgamento baseado em fatos. COMUNICAÇÃO Comunicação é o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar o comportamento das pessoas. Comunicação interpessoal eficaz: - Trate as pessoas pelo nome. - Olhe para as pessoas enquanto fala. - "Ouça" todos os sentidos. - Coloque-se no lugar dos outros. - Evite pré-conceitos. - Inspire confiança. - Solicite e aceite feedback. - Mantenha o equilíbrio emocional.
  • 24. SAIR Diferenças Individuais INTERAÇÃO SOCIAL O processo de interação humana supõe necessariamente comunicação. Estamos sempre comunicando algo, seja através de palavras, gestos, posturas corporal, etc. O simples fato de estarmos em presença do outro modifica o contexto perceptivo, promovendo a interação que é, afinal, comunicação com mensagens emitidas e recebidas de cada participante da situação conjunta.
  • 25. SAIR Diferenças Individuais INTERAÇÃO SOCIAL O processo de interação humana supõe necessariamente comunicação. Estamos sempre comunicando algo, seja através de palavras, gestos, posturas corporal, etc. O simples fato de estarmos em presença do outro modifica o contexto perceptivo, promovendo a interação que é, afinal, comunicação com mensagens emitidas e recebidas de cada participante da situação conjunta. ADMINISTRAÇÃO DO CONFLITO - Previne a estagnação do grupo; - Estimula o interesse e a curiosidade pelo desafio da oposição; - Descobre os problemas e demanda sua resolução; - Funciona como raiz de mudanças pessoais, grupais e sociais;
  • 26. SAIR Diferenças Individuais INTERAÇÃO SOCIAL O processo de interação humana supõe necessariamente comunicação. Estamos sempre comunicando algo, seja através de palavras, gestos, posturas corporal, etc. O simples fato de estarmos em presença do outro modifica o contexto perceptivo, promovendo a interação que é, afinal, comunicação com mensagens emitidas e recebidas de cada participante da situação conjunta. ADMINISTRAÇÃO DO CONFLITO - Previne a estagnação do grupo; - Estimula o interesse e a curiosidade pelo desafio da oposição; - Descobre os problemas e demanda sua resolução; - Funciona como raiz de mudanças pessoais, grupais e sociais; O dirigente do grupo é de fundamental importância para promover o crescimento do grupo, através da administração eficaz dos conflitos, compreendendo que faz parte da dinâmica interpessoal e é condição básica para sua evolução.
  • 27. SAIR Diferenças Individuais INTERAÇÃO SOCIAL O processo de interação humana supõe necessariamente comunicação. Estamos sempre comunicando algo, seja através de palavras, gestos, posturas corporal, etc. O simples fato de estarmos em presença do outro modifica o contexto perceptivo, promovendo a interação que é, afinal, comunicação com mensagens emitidas e recebidas de cada participante da situação conjunta. ADMINISTRAÇÃO DO CONFLITO - Previne a estagnação do grupo; - Estimula o interesse e a curiosidade pelo desafio da oposição; - Descobre os problemas e demanda sua resolução; - Funciona como raiz de mudanças pessoais, grupais e sociais; O dirigente do grupo é de fundamental importância para promover o crescimento do grupo, através da administração eficaz dos conflitos, compreendendo que faz parte da dinâmica interpessoal e é condição básica para sua evolução. FEEDBACK Feedback é um processo de ajuda para mudança de comportamento. E é a comunicação a uma pessoa, ou grupo, no sentido de fornecer-lhe informações sobre como sua atuação está afetando outras pessoas. Feedback eficaz ajuda o indivíduo (ou grupo) a melhorar seu desempenho e assim alcançar seus objetivos.
  • 28. SAIR Diferenças Individuais Regras para dar e receber feedback Para dar: 1. Verifique a disposição do receptor 2. Verifique a conveniência do seu feedback 3. Verifique a medida certa 4. Verifique o tempo do seu feedback 5. Verifique se seu interlocutor deseja o feedback que você pretende transmitir 6. Seja específico 7. Faça com que o feedback seja descritivo e não avaliativo 8. Esclareça os motivos 9. Verifique se está sendo corretamente recebido 10. Verifique sua própria capacidade de julgamento
  • 29. SAIR Diferenças Individuais Regras para dar e receber feedback Para dar: 1. Verifique a disposição do receptor 2. Verifique a conveniência do seu feedback 3. Verifique a medida certa 4. Verifique o tempo do seu feedback 5. Verifique se seu interlocutor deseja o feedback que você pretende transmitir 6. Seja específico 7. Faça com que o feedback seja descritivo e não avaliativo 8. Esclareça os motivos 9. Verifique se está sendo corretamente recebido 10. Verifique sua própria capacidade de julgamento Para receber: 1. Solicite o feedback dos outros, sempre que puder 2. Diga em termos concretos quais as informações que você deseja receber 3. Não discuta nem procure defender-se 4. Examine o sentido das informações recebidas 5. Comunique suas reações
  • 31. SAIR Conclusão Alcançar a excelência em produtos e serviços é, antes de mais nada, resultado do comprometimento das pessoas, conscientes de sua participação no grupo e no trabalho em equipe. Vamos resgatar o valor das pessoas e de suas relações interpessoais, num processo que facilita na apenas o aprimoramento, mas desenvolve a consciência de que o trabalho de cada um é a base sobre a qual os outros constroem a qualidade de seus trabalhos. Com o presente curso de relações interpessoais deu-se o primeiro passo. Agora, caberá a cada um a continuidade. A responsabilidade e o compromisso farão parte do objetivo comum que levará todos ao caminho do sucesso.
  • 32. SAIR Conclusão Alcançar a excelência em produtos e serviços é, antes de mais nada, resultado do comprometimento das pessoas, conscientes de sua participação no grupo e no trabalho em equipe. Vamos resgatar o valor das pessoas e de suas relações interpessoais, num processo que facilita na apenas o aprimoramento, mas desenvolve a consciência de que o trabalho de cada um é a base sobre a qual os outros constroem a qualidade de seus trabalhos. Com o presente curso de relações interpessoais deu-se o primeiro passo. Agora, caberá a cada um a continuidade. A responsabilidade e o compromisso farão parte do objetivo comum que levará todos ao caminho do sucesso. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL "Qualquer um pode zangar-se e isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa, não é fácil" (Aristóteles)
  • 33. SAIR Conclusão Alcançar a excelência em produtos e serviços é, antes de mais nada, resultado do comprometimento das pessoas, conscientes de sua participação no grupo e no trabalho em equipe. Vamos resgatar o valor das pessoas e de suas relações interpessoais, num processo que facilita na apenas o aprimoramento, mas desenvolve a consciência de que o trabalho de cada um é a base sobre a qual os outros constroem a qualidade de seus trabalhos. Com o presente curso de relações interpessoais deu-se o primeiro passo. Agora, caberá a cada um a continuidade. A responsabilidade e o compromisso farão parte do objetivo comum que levará todos ao caminho do sucesso. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL "Qualquer um pode zangar-se e isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa, não é fácil" (Aristóteles) A inteligência emocional tem uma parte inata, outra congênita (adquirida no útero materno pela relação da mãe com o mundo e passa para a criança) e, mais importante, é a adquirida pelos modelos emocionais dos educadores (pais, substitutos e professores) e dos meios social, cultura da mídia, nos primeiros anos de vida.
  • 34. SAIR Conclusão Características da inteligência emocional: Intrapessoal: Usada no convívio de uma pessoa com ela mesma diante de uma situação favorável ou desfavorável. a) Reconhecer suas emoções e como elas se expressam; b) Saber estimular as emoções agradáveis e as expressões desta emoção; c) Saber controlar as emoções desagradáveis; d) Saber usar pensamentos positivos; e) Saber re-significar pensamentos positivos; f) Estimular a auto-estima e a autoconfiança; g) Manter íntegra sua própria dignidade; h) Tomar decisões adultas.
  • 35. SAIR Conclusão Características da inteligência emocional: Intrapessoal: Usada no convívio de uma pessoa com ela mesma diante de uma situação favorável ou desfavorável. a) Reconhecer suas emoções e como elas se expressam; b) Saber estimular as emoções agradáveis e as expressões desta emoção; c) Saber controlar as emoções desagradáveis; d) Saber usar pensamentos positivos; e) Saber re-significar pensamentos positivos; f) Estimular a auto-estima e a autoconfiança; g) Manter íntegra sua própria dignidade; h) Tomar decisões adultas. Interpessoal: Usada no convívio de uma pessoa com outra, em situações agradáveis ou desagradáveis. a) Empatia reconhecer a emoção que a outra pessoa esta sentindo sem necessariamente se envolver; b) Saber respeitar a individualidade das outras pessoas; c) Saber estimular e estimar a dignidade humana das pessoas; d) Saber usar pensamentos positivos; e) Saber re-significar pensamentos negativos transformando-os; f) Manter integra sua própria dignidade; g) Tomar decisões adultas.
  • 36. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA Autoestima é o sentimento que faz com que a pessoa goste de si mesma, aprecie o que faz e aprove suas atitudes. É um dos mais importantes ingredientes do nosso comportamento. Esse conceito se desenvolve desde muito cedo na relação da criança com os outros.
  • 37. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA Autoestima é o sentimento que faz com que a pessoa goste de si mesma, aprecie o que faz e aprove suas atitudes. É um dos mais importantes ingredientes do nosso comportamento. Esse conceito se desenvolve desde muito cedo na relação da criança com os outros. As figuras paternas atuam como espelhos que desenvolvem determinadas imagens ao filho. O afeto é muito parecido com o espelho. Quando demonstro afetividade por alguém, essa pessoa torna-se meu espelho e eu me torno o dela, refletindo um no sentimento do afeto do outro, desenvolvendo um forte vínculo de amor- essência humana em matéria. È nessa interação afetiva que desenvolvemos nossos sentimentos positiva ou negativamente e construímos a nossa autoimagem.
  • 38. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA Autoestima é o sentimento que faz com que a pessoa goste de si mesma, aprecie o que faz e aprove suas atitudes. É um dos mais importantes ingredientes do nosso comportamento. Esse conceito se desenvolve desde muito cedo na relação da criança com os outros. As figuras paternas atuam como espelhos que desenvolvem determinadas imagens ao filho. O afeto é muito parecido com o espelho. Quando demonstro afetividade por alguém, essa pessoa torna-se meu espelho e eu me torno o dela, refletindo um no sentimento do afeto do outro, desenvolvendo um forte vínculo de amor- essência humana em matéria. È nessa interação afetiva que desenvolvemos nossos sentimentos positiva ou negativamente e construímos a nossa autoimagem. AUTO-ESTIMA ESSENCIAL A autoestima essencial é gratuita. É a que recebemos dos nossos pais assim que nascemos, simplesmente porque nascemos, porque somos seus filhos amados ou não. Há situações extraordinárias em que eles amam neuroticamente ou mesmo odeiam seus filhos.
  • 39. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA Autoestima é o sentimento que faz com que a pessoa goste de si mesma, aprecie o que faz e aprove suas atitudes. É um dos mais importantes ingredientes do nosso comportamento. Esse conceito se desenvolve desde muito cedo na relação da criança com os outros. As figuras paternas atuam como espelhos que desenvolvem determinadas imagens ao filho. O afeto é muito parecido com o espelho. Quando demonstro afetividade por alguém, essa pessoa torna-se meu espelho e eu me torno o dela, refletindo um no sentimento do afeto do outro, desenvolvendo um forte vínculo de amor- essência humana em matéria. È nessa interação afetiva que desenvolvemos nossos sentimentos positiva ou negativamente e construímos a nossa autoimagem. AUTO-ESTIMA ESSENCIAL A autoestima essencial é gratuita. É a que recebemos dos nossos pais assim que nascemos, simplesmente porque nascemos, porque somos seus filhos amados ou não. Há situações extraordinárias em que eles amam neuroticamente ou mesmo odeiam seus filhos. Como odiar um filho não é algo aceito social e normalmente, muitos podem compensar esse "ódio" por meio de extremo cuidado ou da negligência diante de perigos e de riscos de vida. Isso é apesar de complexo muito comum.
  • 40. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA FUNDAMENTAL A autoestima fundamental é conquistada quando somos bem-sucedidos e quando apreciamos algo que realizamos. Se essa realização é produto de nossa capacidade, isto é da nossa pessoa sem depender de terceiros, nem de nossos pais, ela alimenta a aprovação de nós mesmos e nossa íntima (e saudável) vaidade pessoal.
  • 41. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA FUNDAMENTAL A autoestima fundamental é conquistada quando somos bem-sucedidos e quando apreciamos algo que realizamos. Se essa realização é produto de nossa capacidade, isto é da nossa pessoa sem depender de terceiros, nem de nossos pais, ela alimenta a aprovação de nós mesmos e nossa íntima (e saudável) vaidade pessoal. O que conseguimos com nossos esforços produzirá ótimas sensações, desde um pequeno prazer até a plena sensação de vitória absoluta.
  • 42. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA FUNDAMENTAL A autoestima fundamental é conquistada quando somos bem-sucedidos e quando apreciamos algo que realizamos. Se essa realização é produto de nossa capacidade, isto é da nossa pessoa sem depender de terceiros, nem de nossos pais, ela alimenta a aprovação de nós mesmos e nossa íntima (e saudável) vaidade pessoal. O que conseguimos com nossos esforços produzirá ótimas sensações, desde um pequeno prazer até a plena sensação de vitória absoluta. Na infância, a autoestima fundamental é alimentada toda vez que a criança realiza alo e isso pode ser dimensionado. Porém, aplaudir ou reprovar fora de hora, quando não é realmente merecido, destrói essa autoestima. Quando os pais fazem tudo pelo filho, mesmo aquilo que ele é capaz de fazer, estão prejudicando essa autoestima.
  • 43. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA FUNDAMENTAL A autoestima fundamental é conquistada quando somos bem-sucedidos e quando apreciamos algo que realizamos. Se essa realização é produto de nossa capacidade, isto é da nossa pessoa sem depender de terceiros, nem de nossos pais, ela alimenta a aprovação de nós mesmos e nossa íntima (e saudável) vaidade pessoal. O que conseguimos com nossos esforços produzirá ótimas sensações, desde um pequeno prazer até a plena sensação de vitória absoluta. Na infância, a autoestima fundamental é alimentada toda vez que a criança realiza alo e isso pode ser dimensionado. Porém, aplaudir ou reprovar fora de hora, quando não é realmente merecido, destrói essa autoestima. Quando os pais fazem tudo pelo filho, mesmo aquilo que ele é capaz de fazer, estão prejudicando essa autoestima. Tanto a autoestima essencial como a fundamental estão presentes em todas as atitudes. Conforme o estado, momento ou desenvolvimento em que a pessoa se encontra, um mesmo fato pode alimentar ou desnutrir a autoestima.
  • 44. SAIR Conclusão AUTO-ESTIMA FUNDAMENTAL A autoestima fundamental é conquistada quando somos bem-sucedidos e quando apreciamos algo que realizamos. Se essa realização é produto de nossa capacidade, isto é da nossa pessoa sem depender de terceiros, nem de nossos pais, ela alimenta a aprovação de nós mesmos e nossa íntima (e saudável) vaidade pessoal. O que conseguimos com nossos esforços produzirá ótimas sensações, desde um pequeno prazer até a plena sensação de vitória absoluta. Na infância, a autoestima fundamental é alimentada toda vez que a criança realiza alo e isso pode ser dimensionado. Porém, aplaudir ou reprovar fora de hora, quando não é realmente merecido, destrói essa autoestima. Quando os pais fazem tudo pelo filho, mesmo aquilo que ele é capaz de fazer, estão prejudicando essa autoestima. Tanto a autoestima essencial como a fundamental estão presentes em todas as atitudes. Conforme o estado, momento ou desenvolvimento em que a pessoa se encontra, um mesmo fato pode alimentar ou desnutrir a autoestima. Como vimos, o ser humano já nasce com o sentimento de importância a que Freud chama de narcisismo primário. Em cada um de nós há, no mínimo, três pessoas: a) o que achamos que somos; b) o que os outros pensam que somos; c) o que somos realmente.
  • 45. SAIR Conclusão FINALIDADE O que é autoestima? É a avaliação pessoal, senso do valor próprio.
  • 46. SAIR Conclusão FINALIDADE O que é autoestima? É a avaliação pessoal, senso do valor próprio. Qual sua finalidade? Sua principal finalidade é manter o indivíduo em equilíbrio, serenidade, brandura e felicidade, ou seja, uma boa interação do seu mundo interno com o mundo externo (meio ambiente).
  • 47. SAIR Conclusão FINALIDADE O que é autoestima? É a avaliação pessoal, senso do valor próprio. Qual sua finalidade? Sua principal finalidade é manter o indivíduo em equilíbrio, serenidade, brandura e felicidade, ou seja, uma boa interação do seu mundo interno com o mundo externo (meio ambiente). Como desenvolver a autoestima (perdida)? Quando a pessoa começa a confiar em si e em sua capacidade de se autogerir. Quanto mais se acredita que se pode fazer, mais se consegue. É importante ensinar à criança, jovem ou adulto que ela pode fazer algumas coisas bem e que pode ter problemas com outras coisas. E que esperamos que faça o melhor que puder. Também é importante admitirmos nossos próprios erros ou fracassos.
  • 48. SAIR Conclusão FINALIDADE O que é autoestima? É a avaliação pessoal, senso do valor próprio. Qual sua finalidade? Sua principal finalidade é manter o indivíduo em equilíbrio, serenidade, brandura e felicidade, ou seja, uma boa interação do seu mundo interno com o mundo externo (meio ambiente). Como desenvolver a autoestima (perdida)? Quando a pessoa começa a confiar em si e em sua capacidade de se autogerir. Quanto mais se acredita que se pode fazer, mais se consegue. É importante ensinar à criança, jovem ou adulto que ela pode fazer algumas coisas bem e que pode ter problemas com outras coisas. E que esperamos que faça o melhor que puder. Também é importante admitirmos nossos próprios erros ou fracassos. É importante sabermos que não somos perfeitos e reconhecer logo isso, ou seja, superar as frustrações que a vida nos impõe.
  • 49. SAIR Conclusão FINALIDADE O que é autoestima? É a avaliação pessoal, senso do valor próprio. Qual sua finalidade? Sua principal finalidade é manter o indivíduo em equilíbrio, serenidade, brandura e felicidade, ou seja, uma boa interação do seu mundo interno com o mundo externo (meio ambiente). Como desenvolver a autoestima (perdida)? Quando a pessoa começa a confiar em si e em sua capacidade de se autogerir. Quanto mais se acredita que se pode fazer, mais se consegue. É importante ensinar à criança, jovem ou adulto que ela pode fazer algumas coisas bem e que pode ter problemas com outras coisas. E que esperamos que faça o melhor que puder. Também é importante admitirmos nossos próprios erros ou fracassos. É importante sabermos que não somos perfeitos e reconhecer logo isso, ou seja, superar as frustrações que a vida nos impõe. Criar bons sentimentos, acreditar em si, procurar incentivos, saber que tem direito de sentir-se importante, que "pode aprender", que "consegue".
  • 50. SAIR Conclusão Quando for uma criança, o cuidado reside em adequar tarefas que cabem a cada idade e permitir que ela tente, por exemplo: jogar objetos no lixo, guardar os brinquedos, solicitara a ajuda da criança partilhando com ela pequenos afazeres e vale até aplausos a suas conquistas. Assim ela forma um conceito positivo de si mesma. E para desenvolver esse sentimento, estimulá-lo quando a pessoa sentir que não tem condições de realizar algo.
  • 51. SAIR Conclusão Quando for uma criança, o cuidado reside em adequar tarefas que cabem a cada idade e permitir que ela tente, por exemplo: jogar objetos no lixo, guardar os brinquedos, solicitara a ajuda da criança partilhando com ela pequenos afazeres e vale até aplausos a suas conquistas. Assim ela forma um conceito positivo de si mesma. E para desenvolver esse sentimento, estimulá-lo quando a pessoa sentir que não tem condições de realizar algo. O que causa a baixa auto-estima? Falta de "perdão": É quando a pessoa não consegue se livrar de dúvidas emocionais, como, abandono, vítima de uma injustiça, etc.
  • 52. SAIR Conclusão Quando for uma criança, o cuidado reside em adequar tarefas que cabem a cada idade e permitir que ela tente, por exemplo: jogar objetos no lixo, guardar os brinquedos, solicitara a ajuda da criança partilhando com ela pequenos afazeres e vale até aplausos a suas conquistas. Assim ela forma um conceito positivo de si mesma. E para desenvolver esse sentimento, estimulá-lo quando a pessoa sentir que não tem condições de realizar algo. O que causa a baixa auto-estima? Falta de "perdão": É quando a pessoa não consegue se livrar de dúvidas emocionais, como, abandono, vítima de uma injustiça, etc. Auto-imagem negativa: É quando a pessoa não vislumbra aspectos positivos, por exemplo: não vê luz no fim do túnel, poço existencial em que está mergulhando.
  • 53. SAIR Conclusão Quando for uma criança, o cuidado reside em adequar tarefas que cabem a cada idade e permitir que ela tente, por exemplo: jogar objetos no lixo, guardar os brinquedos, solicitara a ajuda da criança partilhando com ela pequenos afazeres e vale até aplausos a suas conquistas. Assim ela forma um conceito positivo de si mesma. E para desenvolver esse sentimento, estimulá-lo quando a pessoa sentir que não tem condições de realizar algo. O que causa a baixa auto-estima? Falta de "perdão": É quando a pessoa não consegue se livrar de dúvidas emocionais, como, abandono, vítima de uma injustiça, etc. Auto-imagem negativa: É quando a pessoa não vislumbra aspectos positivos, por exemplo: não vê luz no fim do túnel, poço existencial em que está mergulhando. Indecisão: É quando a pessoa não sabe o que fazer, que rumo tomar. O "ego" é invadido por dúvidas, angústia, etc.
  • 54. SAIR Conclusão Quando for uma criança, o cuidado reside em adequar tarefas que cabem a cada idade e permitir que ela tente, por exemplo: jogar objetos no lixo, guardar os brinquedos, solicitara a ajuda da criança partilhando com ela pequenos afazeres e vale até aplausos a suas conquistas. Assim ela forma um conceito positivo de si mesma. E para desenvolver esse sentimento, estimulá-lo quando a pessoa sentir que não tem condições de realizar algo. O que causa a baixa auto-estima? Falta de "perdão": É quando a pessoa não consegue se livrar de dúvidas emocionais, como, abandono, vítima de uma injustiça, etc. Auto-imagem negativa: É quando a pessoa não vislumbra aspectos positivos, por exemplo: não vê luz no fim do túnel, poço existencial em que está mergulhando. Indecisão: É quando a pessoa não sabe o que fazer, que rumo tomar. O "ego" é invadido por dúvidas, angústia, etc. Mágoa, ira, psicoenergia destrutiva: Uma pessoa que se diz magoada, na verdade ela está dizendo que não consegue aceitar suas imperfeições, pois a mágoa está ligada à perda. E isso requer um esforço energético muito alto e quase sempre deixa o indivíduo sem reservas. Daí a apatia e o desânimo.
  • 55. SAIR Conclusão Conseqüências da baixa auto-estima · Neutraliza nosso potencial: O indivíduo não se sente capaz de produzir, não há crescimento. · Impede os sonhos: O indivíduo não consegue se projetar mais no futuro de forma construtiva. · Prejudica a relação interpessoal: O relacionamento com o outro fica precário, não há uma realimentação de "feedback".
  • 56. SAIR Conclusão Conseqüências da baixa auto-estima · Neutraliza nosso potencial: O indivíduo não se sente capaz de produzir, não há crescimento. · Impede os sonhos: O indivíduo não consegue se projetar mais no futuro de forma construtiva. · Prejudica a relação interpessoal: O relacionamento com o outro fica precário, não há uma realimentação de "feedback". Resolvendo o problema da auto-estima · Quando fica claro que a auto-estima está muito baixa, é necessário: · Reprogramar a memória; · Procurar viver no limite da capacidade; · Estabelecer um perdão multilateral (mesmo que simbólico); · Lazer, Cultura, Boa música, ou seja, desenvolver bons hábitos ou reativá-los; · Reconhecer o que é patológico do que é uma pequena crise existencial; · Buscar uma orientação terapêutica
  • 57. SAIR Conclusão Algumas idéias que fazem crescer a auto-estima: - Abraço de corpo e alma; - Beijo estalado; - Sorriso verdadeiro; - Elogio verbal simples e direto; - Relato casual sem exageros com outros membros da família; - Uma sida só com você; - Fazer companhia a alguém que você estime; - Olhar para as pessoas nos olhos; - Saber perdoar a si e aos outros; - Não adiar uma alegria; - Dar às pessoas uma segunda chance; - Não se privar de ter esperança.