SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Donald Super
e o desenvolvimento
vocacional
Psicologia – Módulo 2
Profª Isaura Silva
Conceção do desenvolvimento que se relaciona
com a profissão, a carreira, o desenvolvimento
vocacional.
 O papel do trabalho, da carreira
profissional tem vindo a ganhar
progressiva importância nas últimas
décadas.
 As grandes transformações tecnológicas
e sociais a que assistimos criaram novas
exigências.
 As competências requeridas ao
trabalhador não se limitam ao
conhecimento técnico: tem de ter
capacidade de adaptação, ser criativo,
tomar iniciativa, trabalhar em equipa.
 Exige-se cada vez mais disponibilidade e
dedicação ao trabalhador, o que gera
frequentemente
um
desgaste
profissional e emocional.

 Esta nova situação veio chamar a
atenção para a importância da
carreira, que se transformou
num dos aspetos mais relevantes
no desenvolvimento e equilíbrio
do indivíduo.
 A psicologia teve de considerar
que, na sociedade moderna, a
carreira é um aspeto a ter em
conta, a par da vida familiar, dos
estudos, do lazer, etc.
 Daí a crescente importância da
escolha de uma profissão, da
identificação
da
vocação
profissional.
 Super considera que a escolha de uma profissão, de uma
ocupação, não se resume a um momento da vida de uma
pessoa, um momento único e estático.
 Super defende que é um processo que se desenvolve ao
longo de toda a vida das pessoas, insistindo na ideia da
continuidade do desenvolvimento humano.
 O desenvolvimento vocacional é um processo contínuo que
vai desde a infância até à velhice.
O autor parte de um conjunto de ideias-base, de
princípios que justificam as suas conceções
 as características das pessoas (capacidades, personalidade,
necessidades, valores, qualificam-nas para determinadas ocupações e
profissões;
 cada profissão requer um conjunto de capacidades e características
de personalidade, ainda que não de uma forma rígida;
 as preferências vocacionais das pessoas não são estáticas: modificamse ao longo da vida por influência da sua experiência e das situações;
 o desenvolvimento vocacional decorre em vários estádios ou fases da
vida marcados por características próprias.
Autoconceito

 Uma das contribuições mais significativas de Super foi a
importância dada a desenvolvimento do autoconceito.
 Segundo o autor, cada um desenvolve um autoconceito
vocacional/profissional corresponde ao conjunto de
interesses, competências, valores associados a uma
profissão ou ocupação.
 Ao manifestar uma preferência vocacional, o indivíduo
exprime a pessoa que pensa ser, a pessoa que quer ser.
 Quando assume uma determinada profissão, o indivíduo
atualiza o seu autoconceito.
Numa entrevista que deu a Suzanne Freeman, Super
recorre a um exemplo para explicar melhor noção de
autoconceito.
"Um estudante universitário pode considerar-se bom aluno e
mau atleta ou vice-versa. Qual destes é o seu autoconceito?
Nenhum! São autoconceitos (role self concepts). São os
autoconceitos que são importantes, tais como "Eu sou um
bom aluno e um mau atleta" ou "Eu sou um mau aluno e um
bom atleta". Também podemos falar de bom/mau professor
bom/mau marido, bom/mau cidadão. O que cada um de nós
tem é uma constelação de autoconceitos: alguns são
negativos, outros são positivos."
 O autoconceito muda ao longo do tempo, da vida, como
resultado da experiência.
 Corresponde às características ligadas ao desenvolvimento
profissional de uma pessoa.
Os estádios de vida

 Segundo a teoria de desenvolvimento de Super, ao longo da
vida as pessoas passam por fases ou estádios que ocorrem
em determinadas idades, segundo uma sequência.
 As idades indicadas são aproximadas.
 A cada etapa ou estádio correspondem tarefas específicas a
ser realizadas.
 Pode dizer-se que uma pessoa atingiu a maturidade
vocacional se está pronta para tomar decisões e assumir
comportamentos próprios do estádio em que se encontra.
O autor define cinco estádios:
Crescimento

Do nascimento aos 13-14 anos

Exploração

Dos 15 aos 24 anos

Estabelecimento

Dos 24 aos 44 anos

Manutenção

Dos 44 aos 64 anos

Descompromisso

Após os 64 anos
 A designação de cada estádio remete para a principal tarefa do
estádio de vida.
 Cada uma das tarefas principais se subdivide em três ou quatro
tarefas de desenvolvimento.
 Segundo Super, estes estádios não são sempre lineares, dado que a
pessoa pode voltar a um estádio anterior do desenvolvimento, isto
é, os estádios podem ser cíclicos.
 Esta situação - voltar a um estádio anterior -, a que Super chama de
reciclagem, não tem uma conotação negativa. É um processo
inerente ao desenvolvimento vocacional.
Crescimento

 Desde o nascimento, a criança desenvolve-se num contexto social
através do processo de socialização.
 É na relação com os outros (pais, professores, outros adultos
significativos e colegas) que, ao identificar-se com eles, ela vai
construir o autoconceito vocacional: preocupa-se com o futuro,
compreende a importância de ter sucesso na escola, adquire
hábitos e rotinas de trabalho, procura ser competente.
 Apesar de este estádio abranger idades com características muito
diferentes, o percurso que a criança efetua é no sentido de as
capacidades e interesses serem progressivamente dominantes.
Exploração
 Esta fase vai desde a
adolescência ao início do estado
adulto e corresponde a um
período de exploração de si
próprio, do mundo do trabalho e
dos papéis das outras pessoas
nas suas ocupações.
O
autoconceito
vocacional
constrói-se na interação com os
outros, com as experiências
pessoais, com o desempenho
dos papéis em casa, na escola e
noutros contextos de vida.

 Num primeiro momento, as
opções vocacionais são ensaiadas
nas conversas com os outros e na
fantasia.
 Progressivamente, o jovem vai
construindo o seu autoconceito
vocacionai em contacto com a
realidade.
 Escolhida
uma
profissão,
desenvolve as tarefas desta fase,
especificando, implementando a
sua opção.
 Contudo, a escolha não está
finalizada.
Estabelecimento

 Na fase do estabelecimento,
que decorre entre os 25 e
os 44 anos, podem surgir
questões relacionadas com
experimentações e ensaios
na
procura
de
um
autoconceito
vocacional
seguro.
 Esta situação pode refletirse, por exemplo, na
mudança de emprego e na
procura de novos percursos
de vida profissional através
de
novas
experiências
laborais.



À medida que o tempo
avança, o adulto procura
dar solidez do mundo do
trabalho,
estabilizando,
consolidando e progredindo
na sua ocupação.
Manutenção
 A designação deste estádio
reflete a principal preocupação
das pessoas: preservar e manter
com sucesso o autoconceito
vocacional estabelecido.
 Desenvolver, conservar e cuidar
são as tarefas que caracterizam
esta etapa.
 Contudo, tal
estagnação.

não

significa

 Se a pessoa não se sente
autorrealizada na sua ocupação
pode abraçar novos desafios.

 É comum, nesta fase da vida,
muitos colocarem a si próprios
a pergunta: "É isto que quero
fazer nos próximos anos?".
 Neste contexto podem surgir
mudanças e, por isso, inovar é
também uma tarefa deste
estádio de desenvolvimento.
 A frustração pode surgir se a
pessoa
não
conseguir
estabilizar-se numa ocupação
que a autorrealize, que seja
adequada ao seu perfil.
Descompromisso
 É a fase da vida em que se assiste a
uma
desaceleração
no
desenvolvimento da carreira através
da pré-reforma ou mesmo da
aposentação.
 Assiste-se a uma diminuição da
energia, ao abrandamento dos
ritmos de atividade, ao declínio dos
processos físicos e mentais.
 O trabalho a tempo inteiro pode ser
substituído por um trabalho a tempo
parcial e por hobbies.

 O elemento comum neste
estádio é a necessidade de se
reformular o estilo e a estrutura
de vida.
 Algumas pessoas encaram este
período de uma forma positiva,
outras sofrem com sentimentos
de desilusão e desapontamento.
 É cada vez mais importante o
planeamento atempado da
reforma para se poder responder
ao desafio de uma nova de vida.
A importância da teoria de Super
 As grandes mudanças tecnológicas e sociais e a importância da profissão na
vida das pessoas criaram um novo cenário que Super soube interpretar.
Este autor, através da sua teoria sobre o desenvolvimento vocacional, veio
enriquecer e dar mais sentido ao desenvolvimento humano, sobretudo das
sociedades mais industrializadas.
 É de realçar na sua teoria a ideia de que o desenvolvimento que se processa
por estádios não é linear: podem surgir questões num estádio que
correspondem a etapas anteriores. Uma pessoa que se encontre no último
estádio pode, por exemplo, procurar novos papéis ocupacionais, o que é
uma tarefa própria do estádio de crescimento. Esta é uma perspetiva de
dinâmica do desenvolvimento humano.
 Super apresentou uma aplicação prática da sua teoria para
apoiar os orientadores de carreira.
 Chama-se Modelo de Avaliação e Orientação de Carreira e é
um instrumento muito utilizado pelos orientadores
profissionais para auxiliar as pessoas a resolverem os seus
problemas de carreira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Relatório final pap leandro
Relatório final pap   leandroRelatório final pap   leandro
Relatório final pap leandro
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Conectores discurso
Conectores discursoConectores discurso
Conectores discurso
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
O conformismo
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Psicologia-Genética
Psicologia-GenéticaPsicologia-Genética
Psicologia-Genética
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Categorias da narrativa
Categorias da narrativaCategorias da narrativa
Categorias da narrativa
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Fases da vida adulta
Fases da vida adultaFases da vida adulta
Fases da vida adulta
 

Semelhante a Desenvolvimento Vocacional de Super em

O papeldo orientador profissional
O papeldo orientador profissionalO papeldo orientador profissional
O papeldo orientador profissionalCintia Monteiro
 
Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]Maria Bárbara Floriano
 
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdfPV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdfJoanaMelo38
 
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza GhisiPalestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza GhisiClube de RH de Extrema e Região
 
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasOrientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasSNAGES
 
Comportamento e desempenho individual
Comportamento e desempenho individual Comportamento e desempenho individual
Comportamento e desempenho individual Henrique Oliveira
 
Seminario de gestao ago 2019 inex
Seminario de gestao ago 2019 inexSeminario de gestao ago 2019 inex
Seminario de gestao ago 2019 inexDaniela Garcia
 
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdfARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdfimonilps
 
Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010vallmachado
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)Elizeu Ferro
 
Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03anthoniocastro
 
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judasPalestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judasSandra Marques
 

Semelhante a Desenvolvimento Vocacional de Super em (20)

Donald super
Donald superDonald super
Donald super
 
Super et al
Super et alSuper et al
Super et al
 
O papeldo orientador profissional
O papeldo orientador profissionalO papeldo orientador profissional
O papeldo orientador profissional
 
Artigo constituir se professor
Artigo constituir se professorArtigo constituir se professor
Artigo constituir se professor
 
Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]Constituir se professor [modo de compatibilidade]
Constituir se professor [modo de compatibilidade]
 
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdfPV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
PV_Caderno-do-Professor_1ª-série_2º-bimestre_Versão-Preliminar.pdf
 
Monica Barg Tese
Monica Barg TeseMonica Barg Tese
Monica Barg Tese
 
Maturidade escolha profissional
Maturidade escolha profissional Maturidade escolha profissional
Maturidade escolha profissional
 
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza GhisiPalestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
Palestra - Planejamento de Carreiras para os Novos Tempos - Luiza Ghisi
 
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e DinâmicasOrientação de Carreiras e Dinâmicas
Orientação de Carreiras e Dinâmicas
 
Comportamento e desempenho individual
Comportamento e desempenho individual Comportamento e desempenho individual
Comportamento e desempenho individual
 
Seminario de gestao ago 2019 inex
Seminario de gestao ago 2019 inexSeminario de gestao ago 2019 inex
Seminario de gestao ago 2019 inex
 
Projeto ii
Projeto iiProjeto ii
Projeto ii
 
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdfARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
ARTIGO_relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho_IESDE.pdf
 
Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010Seminario do trabalho_2010
Seminario do trabalho_2010
 
Ebook Mentoria IPE - Encontre um propósito.pdf
Ebook Mentoria IPE - Encontre um propósito.pdfEbook Mentoria IPE - Encontre um propósito.pdf
Ebook Mentoria IPE - Encontre um propósito.pdf
 
17 administração (relaçãos interpessoais)
17   administração (relaçãos interpessoais)17   administração (relaçãos interpessoais)
17 administração (relaçãos interpessoais)
 
Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03Marketing pessoal e_etiqueta_03
Marketing pessoal e_etiqueta_03
 
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judasPalestra carreira e profissões jovens igreja são judas
Palestra carreira e profissões jovens igreja são judas
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
 

Mais de psicologiaazambuja (20)

Emoções
EmoçõesEmoções
Emoções
 
Processos cognitivos a inteligência
Processos cognitivos  a inteligênciaProcessos cognitivos  a inteligência
Processos cognitivos a inteligência
 
Processos cognitivos o pensamento
Processos cognitivos  o pensamentoProcessos cognitivos  o pensamento
Processos cognitivos o pensamento
 
Memória a longo prazo
Memória a longo prazoMemória a longo prazo
Memória a longo prazo
 
Memória1
Memória1Memória1
Memória1
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Perceção
PerceçãoPerceção
Perceção
 
Desenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhiceDesenvolvimento velhice
Desenvolvimento velhice
 
Desenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adultaDesenvolvimento idade adulta
Desenvolvimento idade adulta
 
Desenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescênciaDesenvolvimento adolescência
Desenvolvimento adolescência
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
 
Desenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatalDesenvolvimento prénatal
Desenvolvimento prénatal
 
Freud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimentoFreud e o desenvolvimento
Freud e o desenvolvimento
 
Life span piaget
Life span piagetLife span piaget
Life span piaget
 
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
Módulo 2 – o desenvolvimento humano 1
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
 
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamentoIntegração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
Integração das dimensões cognitiva e afetiva do comportamento
 
Resgate do conceito de mente
Resgate do conceito de menteResgate do conceito de mente
Resgate do conceito de mente
 
Psic doc5 m1
Psic doc5 m1Psic doc5 m1
Psic doc5 m1
 
Psic doc4 m1
Psic doc4 m1Psic doc4 m1
Psic doc4 m1
 

Desenvolvimento Vocacional de Super em

  • 1. Donald Super e o desenvolvimento vocacional Psicologia – Módulo 2 Profª Isaura Silva
  • 2. Conceção do desenvolvimento que se relaciona com a profissão, a carreira, o desenvolvimento vocacional.  O papel do trabalho, da carreira profissional tem vindo a ganhar progressiva importância nas últimas décadas.  As grandes transformações tecnológicas e sociais a que assistimos criaram novas exigências.  As competências requeridas ao trabalhador não se limitam ao conhecimento técnico: tem de ter capacidade de adaptação, ser criativo, tomar iniciativa, trabalhar em equipa.  Exige-se cada vez mais disponibilidade e dedicação ao trabalhador, o que gera frequentemente um desgaste profissional e emocional.  Esta nova situação veio chamar a atenção para a importância da carreira, que se transformou num dos aspetos mais relevantes no desenvolvimento e equilíbrio do indivíduo.  A psicologia teve de considerar que, na sociedade moderna, a carreira é um aspeto a ter em conta, a par da vida familiar, dos estudos, do lazer, etc.  Daí a crescente importância da escolha de uma profissão, da identificação da vocação profissional.
  • 3.  Super considera que a escolha de uma profissão, de uma ocupação, não se resume a um momento da vida de uma pessoa, um momento único e estático.  Super defende que é um processo que se desenvolve ao longo de toda a vida das pessoas, insistindo na ideia da continuidade do desenvolvimento humano.  O desenvolvimento vocacional é um processo contínuo que vai desde a infância até à velhice.
  • 4. O autor parte de um conjunto de ideias-base, de princípios que justificam as suas conceções  as características das pessoas (capacidades, personalidade, necessidades, valores, qualificam-nas para determinadas ocupações e profissões;  cada profissão requer um conjunto de capacidades e características de personalidade, ainda que não de uma forma rígida;  as preferências vocacionais das pessoas não são estáticas: modificamse ao longo da vida por influência da sua experiência e das situações;  o desenvolvimento vocacional decorre em vários estádios ou fases da vida marcados por características próprias.
  • 5. Autoconceito  Uma das contribuições mais significativas de Super foi a importância dada a desenvolvimento do autoconceito.  Segundo o autor, cada um desenvolve um autoconceito vocacional/profissional corresponde ao conjunto de interesses, competências, valores associados a uma profissão ou ocupação.  Ao manifestar uma preferência vocacional, o indivíduo exprime a pessoa que pensa ser, a pessoa que quer ser.  Quando assume uma determinada profissão, o indivíduo atualiza o seu autoconceito.
  • 6. Numa entrevista que deu a Suzanne Freeman, Super recorre a um exemplo para explicar melhor noção de autoconceito. "Um estudante universitário pode considerar-se bom aluno e mau atleta ou vice-versa. Qual destes é o seu autoconceito? Nenhum! São autoconceitos (role self concepts). São os autoconceitos que são importantes, tais como "Eu sou um bom aluno e um mau atleta" ou "Eu sou um mau aluno e um bom atleta". Também podemos falar de bom/mau professor bom/mau marido, bom/mau cidadão. O que cada um de nós tem é uma constelação de autoconceitos: alguns são negativos, outros são positivos."
  • 7.  O autoconceito muda ao longo do tempo, da vida, como resultado da experiência.  Corresponde às características ligadas ao desenvolvimento profissional de uma pessoa.
  • 8. Os estádios de vida  Segundo a teoria de desenvolvimento de Super, ao longo da vida as pessoas passam por fases ou estádios que ocorrem em determinadas idades, segundo uma sequência.  As idades indicadas são aproximadas.  A cada etapa ou estádio correspondem tarefas específicas a ser realizadas.  Pode dizer-se que uma pessoa atingiu a maturidade vocacional se está pronta para tomar decisões e assumir comportamentos próprios do estádio em que se encontra.
  • 9. O autor define cinco estádios: Crescimento Do nascimento aos 13-14 anos Exploração Dos 15 aos 24 anos Estabelecimento Dos 24 aos 44 anos Manutenção Dos 44 aos 64 anos Descompromisso Após os 64 anos
  • 10.  A designação de cada estádio remete para a principal tarefa do estádio de vida.  Cada uma das tarefas principais se subdivide em três ou quatro tarefas de desenvolvimento.  Segundo Super, estes estádios não são sempre lineares, dado que a pessoa pode voltar a um estádio anterior do desenvolvimento, isto é, os estádios podem ser cíclicos.  Esta situação - voltar a um estádio anterior -, a que Super chama de reciclagem, não tem uma conotação negativa. É um processo inerente ao desenvolvimento vocacional.
  • 11. Crescimento  Desde o nascimento, a criança desenvolve-se num contexto social através do processo de socialização.  É na relação com os outros (pais, professores, outros adultos significativos e colegas) que, ao identificar-se com eles, ela vai construir o autoconceito vocacional: preocupa-se com o futuro, compreende a importância de ter sucesso na escola, adquire hábitos e rotinas de trabalho, procura ser competente.  Apesar de este estádio abranger idades com características muito diferentes, o percurso que a criança efetua é no sentido de as capacidades e interesses serem progressivamente dominantes.
  • 12. Exploração  Esta fase vai desde a adolescência ao início do estado adulto e corresponde a um período de exploração de si próprio, do mundo do trabalho e dos papéis das outras pessoas nas suas ocupações. O autoconceito vocacional constrói-se na interação com os outros, com as experiências pessoais, com o desempenho dos papéis em casa, na escola e noutros contextos de vida.  Num primeiro momento, as opções vocacionais são ensaiadas nas conversas com os outros e na fantasia.  Progressivamente, o jovem vai construindo o seu autoconceito vocacionai em contacto com a realidade.  Escolhida uma profissão, desenvolve as tarefas desta fase, especificando, implementando a sua opção.  Contudo, a escolha não está finalizada.
  • 13. Estabelecimento  Na fase do estabelecimento, que decorre entre os 25 e os 44 anos, podem surgir questões relacionadas com experimentações e ensaios na procura de um autoconceito vocacional seguro.  Esta situação pode refletirse, por exemplo, na mudança de emprego e na procura de novos percursos de vida profissional através de novas experiências laborais.  À medida que o tempo avança, o adulto procura dar solidez do mundo do trabalho, estabilizando, consolidando e progredindo na sua ocupação.
  • 14. Manutenção  A designação deste estádio reflete a principal preocupação das pessoas: preservar e manter com sucesso o autoconceito vocacional estabelecido.  Desenvolver, conservar e cuidar são as tarefas que caracterizam esta etapa.  Contudo, tal estagnação. não significa  Se a pessoa não se sente autorrealizada na sua ocupação pode abraçar novos desafios.  É comum, nesta fase da vida, muitos colocarem a si próprios a pergunta: "É isto que quero fazer nos próximos anos?".  Neste contexto podem surgir mudanças e, por isso, inovar é também uma tarefa deste estádio de desenvolvimento.  A frustração pode surgir se a pessoa não conseguir estabilizar-se numa ocupação que a autorrealize, que seja adequada ao seu perfil.
  • 15. Descompromisso  É a fase da vida em que se assiste a uma desaceleração no desenvolvimento da carreira através da pré-reforma ou mesmo da aposentação.  Assiste-se a uma diminuição da energia, ao abrandamento dos ritmos de atividade, ao declínio dos processos físicos e mentais.  O trabalho a tempo inteiro pode ser substituído por um trabalho a tempo parcial e por hobbies.  O elemento comum neste estádio é a necessidade de se reformular o estilo e a estrutura de vida.  Algumas pessoas encaram este período de uma forma positiva, outras sofrem com sentimentos de desilusão e desapontamento.  É cada vez mais importante o planeamento atempado da reforma para se poder responder ao desafio de uma nova de vida.
  • 16. A importância da teoria de Super  As grandes mudanças tecnológicas e sociais e a importância da profissão na vida das pessoas criaram um novo cenário que Super soube interpretar. Este autor, através da sua teoria sobre o desenvolvimento vocacional, veio enriquecer e dar mais sentido ao desenvolvimento humano, sobretudo das sociedades mais industrializadas.  É de realçar na sua teoria a ideia de que o desenvolvimento que se processa por estádios não é linear: podem surgir questões num estádio que correspondem a etapas anteriores. Uma pessoa que se encontre no último estádio pode, por exemplo, procurar novos papéis ocupacionais, o que é uma tarefa própria do estádio de crescimento. Esta é uma perspetiva de dinâmica do desenvolvimento humano.
  • 17.  Super apresentou uma aplicação prática da sua teoria para apoiar os orientadores de carreira.  Chama-se Modelo de Avaliação e Orientação de Carreira e é um instrumento muito utilizado pelos orientadores profissionais para auxiliar as pessoas a resolverem os seus problemas de carreira.