SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE: USOS,
LIMITES E POTENCIALIDADES
As disponibilidades
hídricas
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Os recursos hídricos disponíveis correspondem à
água que se encontra em circulação nos continentes:
• como em profundidade –
as ditas águas
subterrâneas (nascentes
naturais e lençóis de água
existentes no subsolo).
• tanto à superfície – as
chamadas águas
superficiais (rios,
lagos, lagoas e
albufeiras)
 De acordo com os dados do Instituto Nacional da Água
(INAG), o total dos recursos hídricos em Portugal
continental é de 61 500 milhões de metros cúbicos anuais.
 Apesar desta relativa abundância no que respeita às nossas
disponibilidades hídricas, a realidade é que:
Fig. Paisagem durante o verão no Alentejo
As disponibilidades hídricas em Portugal
 conduzem
frequentemente a
situações de carência de
água em muitas regiões do
país, principalmente
durante a época estival.
• a irregularidade temporal com que surgem;
• a desigual distribuição no espaço;
• a acentuada dependência em relação a Espanha (sobretudo no
que se refere aos rios internacionais);
• e as diferentes necessidades regionais…
• têm origem nas precipitações que
caem sobre a superfície da Terra;
• constituem a principal fonte de
alimentação dos cursos de água,
sejam eles temporários ou
permanentes.
• No território continental, a rede
hidrográfica é dominada pelos rios
luso-espanhóis: Minho, Lima,
Douro, Tejo e Guadiana. Contudo,
existem outros exclusivamente
portugueses, também com grande
importância: Ave, Cávado, Vouga,
Mondego, Mira e Sado.
As disponibilidades hídricas em Portugal
AS ÁGUAS SUPERFICIAIS
Fig. Rio Nabão - Tomar
Fig.AredehidrográficadePortugalpeninsular
 A grande maioria dos rios
nacionais tem uma orientação
geral nordeste-sudoeste (NE-
SW), seguindo a inclinação geral
do relevo no nosso território.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Contudo, há rios em que tal
não sucede, escoando as suas
águas noutras direções. É o caso,
por exemplo, dos rios Sado e
Guadiana, que correm de sul
para norte e de norte para sul,
respetivamente.
Fig.AredehidrográficadePortugalpeninsular
Fig. Rio Guadiana
 O relevo não influencia apenas a orientação dos rios. É também
responsável, juntamente com o clima, pelas diferenças na
densidade da rede hidrográfica do território nacional.
As disponibilidades hídricas em Portugal
• No Norte, onde o relevo é
mais acidentado e o clima mais
pluvioso, a rede hidrográfica
é mais densa e está melhor
hierarquizada. Os rios escoam
por vales mais ou menos
apertados e profundos, regra
geral, com perfis transversais
em “V” fechado ou em forma
de “V” aberto ou normal, com
grande declive e consideráveis
irregularidades ao longo do seu
percurso.
 No Sul e Centro Litoral a
situação é bem diferente. Aqui,
desenvolvem-se vastas planícies
aluviais e o clima regista maior
secura, pelo que a rede
hidrográfica é menos densa.
Nesta região, os cursos de água
têm percursos com menor declive
e leitos muito mais regulares, ao
mesmo tempo que escoam em
vales mais abertos,
frequentemente designados por
“caleira aluvial”.
Fig.Aredehidrográficade
Portugalpeninsular
Fig.Aredehidrográficade
Portugalpeninsular
Fonte: Instituto da Água, I.P.
Fig. Perfil longitudinal e transversal do Douro (segmentos até Espanha)
Fig.ValeSuperiordoDouro
As disponibilidades hídricas em Portugal
Fig.ValedoTejo
Fig. Perfil longitudinal e transversal do Tejo (segmentos até Espanha)
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, devido às
reduzidas dimensões das diferentes ilhas, bem como às
características do relevo existente, os cursos de água são pouco
extensos e designam-se de ribeiras.
Fig. Ilha da Madeira Fig. Ribeira Grande – São Miguel (Açores)
As disponibilidades hídricas em Portugal
• As ribeiras possuem perfis longitudinais com declives acentuados
e grandes irregularidades. As suas águas escoam normalmente ao
longo de vales em forma de “V” fechado ou garganta.
 Em Portugal
continental
destacam-se quinze
bacias hidrográficas,
cinco das quais dizem
respeito aos rios luso-
espanhóis – Minho,
Lima, Douro, Tejo e
Guadiana.
Fonte: INAG, MCOTA (2002)
Fig. Principais bacias hidrográficas de Portugal
continental
As disponibilidades hídricas em Portugal
PRINCIPAIS BACIAS HIDROGRÁFICAS
 As bacias hidrográficas dos
rios luso-espanhóis ocupam
uma superfície correspondente
a cerca de 63% do território
português e de 42% do
espanhol, o que é um fator
extremamente importante para
as disponibilidades hídricas
dos dois países.
Fig. Os rios luso-espanhóis
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Este facto atesta também a
nossa dependência, em
termos de recursos hídricos,
face ao país vizinho.
Fonte: INAG, MCOTA (2002)
Fig. Principais bacias hidrográficas de
Portugal continental
 De entre as várias bacias
hidrográficas (nacionais e
internacionais), a do Douro é
a que ocupa maior
superfície (superior à de
Portugal continental).
 A do Tejo, por seu lado, é
a que abrange maior área
em território
exclusivamente nacional.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 As bacias hidrográficas
inteiramente portuguesas
são pouco extensas, e delas
destacam-se as dos rios
Sado, Mondego, Vouga e
Cávado.
Fonte: INAG, MCOTA (2002)
Fig. Principais bacias hidrográficas de
Portugal continental
 Nas bacias hidrográficas, as
disponibilidades hídricas são
fortemente condicionadas pela
irregularidade da precipitação e
pela forma como se processa o
escoamento.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Em Portugal continental, o escoamento anual médio é de 385
mm por ano. No entanto, e à semelhança da precipitação, também
acontece de forma bastante irregular, tanto no tempo (ao longo do ano
e entre diferentes anos) como no espaço.
 Relativamente à sua distribuição no tempo, é possível
observar que o escoamento é mais acentuado nos meses de
inverno e mais reduzido no período estival.
Fig. Escoamento anual nas principais bacias hidrográficas
nacionais
As disponibilidades hídricas em Portugal
Fonte: Plano Nacional da Água
Fig. Escoamento interanual em Portugal (1955-2005)
Fig.Escoamentosuperficialnasprincipaisbacias
hidrográficasemPortugalcontinental
Fonte: DGA, Atlas do Ambiente
As disponibilidades hídricas em Portugal
 A repartição geográfica do
escoamento decalca a das chuvas.
• As regiões de maior
abundância são o Noroeste e a
Cordilheira Central,
precisamente as mais chuvosas
(escoamento anual superior a 400
mm; destacam-se as serras do
Noroeste, com um escoamento
médio superior a 1000 mm/ano).
• Ao Noroeste e Cordilheira Central
opõem-se o Nordeste e o Sul do
país, com um escoamento anual
inferior a 200 mm/ano, excetuando
as serras isoladas, onde esse valor
é superior.
 De salientar que, em termos
de balanço hídrico, o
escoamento no nosso país
corresponde a pouco mais de
um terço do total de
precipitação registada, sendo
que os outros quase dois terços
dizem respeito à
evapotranspiração.
O caudal dos rios é particularmente condicionado pela
variação anual e espacial da precipitação.
Fig. Variação mensal média dos caudais de alguns rios. Fonte: INAG
As disponibilidades hídricas em Portugal
VARIAÇÃO DO CAUDAL DOS RIOS
• ação do homem,
uma vez que
também ele tem
influência no modo
como se processa
o escoamento.
A estas acrescem:
• características do
relevo (forma e declive
das vertentes);
• natureza dos terrenos (tipo
de rocha que os constitui e grau
de permeabilidade);
• cobertura
vegetal;
As disponibilidades hídricas em Portugal
Fig.CaudalmédiodealgunsriosdePortugalcontinental
 Em consequência da
variabilidade da precipitação ao
longo do ano, os cursos de água
portugueses apresentam um
regime irregular, com caráter
torrencial, ou seja, têm caudais
muito reduzidos ou mesmo nulos
durante a estiagem (caudal de
estiagem) e caudais elevados nas
épocas de maior precipitação
(dezembro a março).
 Esta irregularidade (do regime
dos rios) aumenta de norte para
sul e acompanha a desigual
distribuição das precipitações.
Fig. Caudais mínimos e máximos de alguns rios
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Face à irregularidade temporal das disponibilidades hídricas,
Portugal optou pela construção de barragens. As barragens
permitem:
As disponibilidades hídricas em Portugal
BARRAGENS
• minimizar os problemas de escassez e grandes irregularidades
dos recursos hídricos potencialmente disponíveis no Sul, através
do armazenamento de água em albufeiras;
• potencializar a abundância destes recursos no Norte, sobretudo na
produção de energia hidroelétrica.
Fig.Albufeirada
BarragemdeOdeleite
Fig.Barragemdo
Alqueva
As disponibilidades hídricas em Portugal
Fig.LocalizaçãodasprincipaisbarragensemPortugal
continental
 o nosso país viu aumentada em
cerca de trinta e duas vezes a sua
capacidade de armazenamento de
água em albufeiras (passado de
370 hm³ - início dos anos 50, para 11
860 hm³ - primeiros anos deste
século).
 Atualmente, são mais de 2000 as
estruturas hidráulicas construídas em
território português, mas destas
destacam-se 230 grandes barragens
(albufeiras com capacidade de
armazenamento superior a 1 hm³).
Fig. Número de albufeiras, segundo a capacidade de armazenamento
nas principais bacias hidrográficas.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 As duas maiores albufeiras portuguesas são, até ao presente, o
Alqueva, na bacia do Guadiana, e Castelo de Bode, na bacia do
Tejo, com capacidades de armazenamento de 4150 hm³ e 1095 hm³,
respetivamente.
Fig.AlbufeiradoAlqueva
As disponibilidades hídricas em Portugal
FINALIDADES:
• Rega;
• Produção de energia;
• Abastecimento de água para fins
domésticos e industriais;
• Controlo de cheias e marés/
regularização do caudal de rios;
• Navegação/uso recreativo;
• Aquicultura;
• Recarga de aquíferos.
As disponibilidades hídricas em Portugal
BARRAGENS
IMPACTES:
• riscos geotécnicos e sísmicos;
• impactos biológicos climáticos,
agrícolas, sociais e económicos,
nos territórios e nas populações
adjacentes.
• representam uma violenta
perturbação, interferindo nos
equilíbrios naturais,
diminuindo a biodiversidade,
destruindo o património
cultural e suscitando
problemas sociais.
IMPACTES:
• constituem uma violenta
perturbação da dinâmica fluvial,
interferindo no ciclo natural dos
processos erosivos e
sedimentares, causando impactos
locais mas também regionais que
alcançam o mar, subtraindo
nutrientes necessários nas águas
estuarinas e costeiras e
contribuindo para a erosão das
linhas de costa.
 Além dos rios, existem no nosso país
outros reservatórios naturais de água à
superfície. É o caso das lagoas de
origem marinho-fluvial, glaciária e
litológica/estrutural.
Fig. Lagoa de Óbidos
Fig.Lagoaslitoraisnocontinente
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Em Portugal continental, as lagoas marinho-fluviais são em
número superior, têm em geral pequena profundidade e situam-se
predominantemente ao longo da faixa litoral.
Fig.LagoadeÓbidos
As disponibilidades hídricas em Portugal
 As mais importantes são as de Óbidos, Pateira de
Fermentelos, Paramos, Mira, Tocha e Vela (a norte do Tejo) e
Albufeira, Melides e Santo André (a sul do Tejo).
 As lagoas de origem glaciária são cerca de uma dezena e
situam-se, na sua quase totalidade, nas zonas mais elevadas da
serra da Estrela.
Fig.LagoaComprida–Serra
daEstrela
As disponibilidades hídricas em Portugal
 De entre elas, destaca-se a Lagoa Comprida, com cerca de 1 km
de extensão, que é alimentada pelas chuvas e pela fusão da neve e
do gelo.
 As lagoas de origem litológica/estrutural localizam-se no
Maciço Calcário Estremenho.
Fig.PoljedeMinde,naSerrade
AireeCandeeiros
As disponibilidades hídricas em Portugal
 As mais importantes são as de Mira, Minde e Arrimal.
Fig. Caldeira das Sete Cidades (Lagoa Verde e Lagoa Azul) – S. Miguel (Açores)
 Nos Açores existem numerosas lagoas de origem vulcânica,
em consequência da acumulação de águas pluviais e de nascente
nas depressões resultantes do abatimento de antigas crateras.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 A caldeira da Sete Cidades, na ilha de S. Miguel, está ocupada
por duas importantes lagoas, a Lagoa Verde e a Lagoa Azul.
Importantes nesta ilha são também as lagoas do Fogo e das
Furnas.
• constituem um dos componentes fundamentais dos recursos
hídricos e encontram-se principalmente nos aquíferos,
formações geológicas que permitem a circulação e o
armazenamento da água nos espaços vazios, proporcionando o seu
aproveitamento pelas populações.
As disponibilidades hídricas em Portugal
AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
• dependem da precipitação ocorrida, mas também, e
fundamentalmente, da natureza das formações rochosas,
especialmente no que diz respeito ao seu grau de permeabilidade.
• As formações rochosas de granito, xisto e basalto são pouco
permeáveis, exceto se estiverem muito alteradas ou fissuradas, pelo
que dificultam a infiltração da água e a formação de aquíferos.
As disponibilidades hídricas em Portugal
AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS
• As formações sedimentares de origem detrítica (areias e
arenitos), pelo contrário, são bastante permeáveis, o que facilita a
infiltração da água e a formação de aquíferos importantes.
• As formações calcárias ou cársicas são muito permeáveis, pois
a água dissolve o calcário quando em presença do dióxido de
carbono. As fendas, habitualmente existentes em qualquer tipo de
rocha, são rapidamente alargadas. O escoamento superficial acaba,
assim, por ser rapidamente substituído por uma circulação
subterrânea cada vez mais importante, dando origem aos aquíferos
cársicos.
Fig. Esquema de um aquífero cársico
As disponibilidades hídricas em Portugal
• Nestas regiões, a circulação das águas à superfície é
desorganizada e acompanhada de formas de relevo únicas.
Fig. Grutas de Mira de
Aire – Porto de Mós
 Em profundidade, a circulação acaba por desenvolver um
sistema de galerias e cavernas com formações muito curiosas,
como é o caso das estalactites e das estalagmites. Quando
abundantes, as águas dão origem a autênticos rios subterrâneos
de traçado muito complexo.
Fig. Estalactites
As disponibilidades hídricas em Portugal
 A circulação das águas num carso
vai evoluindo com a idade do mesmo.
Esta evolução acaba por estar
diretamente dependente do tipo de
clima em que se encontra, uma vez
que a temperatura influencia o poder
dissolvente da água.
Maciço Calcário Estremenho – serra de Aire
 A região cársica mais representativa no nosso país é o Maciço
Calcário Estremenho, constituído pelas serras de Candeeiros,
Santo António, Aire e Planalto de S. Mamede.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 As grandes unidades hidrogeológicas decalcam as unidades
morfoestruturais.
Fig. Recursos aquíferos em
Portugal continental
Fig. Principais formações
geológicas em Portugal continental
As disponibilidades hídricas em Portugal
REPARTIÇÃO GEOGRÁFICA DOS SISTEMAS DE AQUÍFEROS
 O Maciço Antigo:
Fig. Maciço Antigo
As disponibilidades hídricas em Portugal
• pela sua composição litológica e
permeabilidade reduzida (granitos)
a muito reduzida (xistos), é muito
pobre em aquíferos – 10 dos 62,
segundo o Plano Nacional da
Água (2001); 9 estão localizados
no Alentejo. Cerca de 80% tem
também uma reduzida
produtividade aquífera (< 1 I/s).
• A orla ocidental, pela
diversidade litológica que
apresenta, é a que possui
mais sistemas de aquíferos
(cerca de 30), cársicos e
porosos. Esta diversidade
implica também uma
produtividade muito variável,
embora 35% produzam mais de
10 I/s.
Fig. Reservas hídricas subterrâneas (estimadas) das
unidades hidrogeológicas de Portugal continental
• A orla meridional, de
composição litológica
semelhante à anterior,
possui 17 sistemas de
aquíferos com
produtividade inferior
(apenas 24% produzem
entre 10 e 16l/s).
As disponibilidades hídricas em Portugal
 As Orlas Ocidental e Meridional:
• As Bacias Sedimentares do Tejo e do Sado formam a unidade
hidrogeológica mais importante do país, em termos de águas
subterrâneas, pela extensão, espessura e produtividade dos seus
aquíferos.
Fig. Reservas hídricas subterrâneas (estimadas) das unidades
hidrogeológicas de Portugal continental
Fig. Rio Tejo Fig. Alcácer do Sal – Rio Sado
As disponibilidades hídricas em Portugal
 As Bacias Sedimentares:
 Os aquíferos são importantes reservatórios subterrâneos de água
e têm a vantagem, em relação às águas superficiais, de se encontrarem
mais protegidos relativamente a eventuais fontes poluidoras.
Fig.Formaçãoeexploração
deumaquífero
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Também têm as suas vulnerabilidades, pois, se ocorrerem focos de
poluição, torna-se praticamente impossível recuperá-los, dada a sua
localização subterrânea.
 A utilização desregrada de
fertilizantes, pesticidas e
herbicidas ou a descarga de
substâncias tóxicas no solo ou em
cursos de água superficiais podem
conduzir à perda definitiva dos níveis
freáticos, vulgarmente designados
de toalhas freáticas. Outro dos
cuidados a ter prende-se com a
captação destas águas, pois, se
for excessiva, coloca em risco a sua
utilização futura, esgotando o
aquífero.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 Apesar de os recursos hídricos subterrâneos renováveis
representarem apenas 16% do total de recursos hídricos gerados em
Portugal continental, suportam cerca de 54% do consumo total de
água anual.
 Esta situação reflete uma pressão humana mais efetiva sobre
as águas subterrâneas do que sobre as águas superficiais.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 O principal setor
responsável por esta
situação é a agricultura,
que “consome” cerca de
75% da água total e 89%
da água subterrânea.
Fig. Setores utilizadores de água
subterrânea em Portugal continental (2011)
Fig. Recursos aquíferos em
Portugal continental
• A sobreexploração de águas
subterrâneas provoca frequentemente a
descida do nível freático, o que pode
contribuir para a diminuição da sua
qualidade.
As disponibilidades hídricas em Portugal
 O Algarve é a região mais dependente
das águas subterrâneas – 80% do total
das suas utilizações provem dos
aquíferos.
• Nas zonas litorais, a exploração
intensiva das águas subterrâneas pode,
a longo prazo, desencadear o risco de
ocorrência de uma diminuição do nível
dos reservas freáticas e conduzir à
intrusão de água do mar, com o risco de
salinização das águas a captar.
 Manter o equilíbrio entre a captação e a recarga dos
aquíferos é um aspeto fundamental para a proteção e
recuperação de todas as massas de água subterrâneas.
Fig. Curso de água subterrâneo – Grutas de Mira de Aire
As disponibilidades hídricas em Portugal
 A composição química das águas é muito influenciada pelas
características geológicas das áreas onde circula e pelo tempo que aí
permanece. Alterando a sua estrutura física e química, a água acaba,
por vezes, por adquirir propriedades muito importantes.
As disponibilidades hídricas em Portugal
AS ÁGUAS MINERAIS E TERMAIS
 Basicamente, existem dois tipos
de alterações.
Fig. Nascentes minerais em
Portugal continental
As disponibilidades hídricas em Portugal
• Na primeira, a
água incorpora
sais minerais,
designando-se,
por isso, água
mineral.
• Na segunda, a
água, para além
desta adição,
aumenta a sua
temperatura,
passando a
designar-se
água termal.
 As águas termais possuem efeitos medicinais comprovados e
constituem a base de um turismo termal cada vez mais
importante.
As disponibilidades hídricas em Portugal
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2Victor Veiga
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarIlda Bicacro
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalCatarina Castro
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricosabarros
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia aAidaCunha73
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºsemariajosantos
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Ilda Bicacro
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Ilda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
Crónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptxCrónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptxIriaVasconcelos
 
Bacias hidrográficas 2
Bacias hidrográficas 2Bacias hidrográficas 2
Bacias hidrográficas 2Idalina Leite
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasclaudiamf11
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosTânia Baptista
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoGijasilvelitz 2
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoRaffaella Ergün
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

Geografia[1]
Geografia[1]Geografia[1]
Geografia[1]
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 2
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Crónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptxCrónica de D. João I.pptx
Crónica de D. João I.pptx
 
Ai flores, ai flores
Ai flores, ai floresAi flores, ai flores
Ai flores, ai flores
 
Bacias hidrográficas 2
Bacias hidrográficas 2Bacias hidrográficas 2
Bacias hidrográficas 2
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricos
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)
 

Semelhante a As Disponibilidades Hídricas

recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiaNilton Goulart
 
Douro Vasco Fim
Douro Vasco FimDouro Vasco Fim
Douro Vasco FimFloraCosta
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacaoana pinho
 
recursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.docrecursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.docAida Cunha
 
Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3Idalina Leite
 
Região e Espaço Nacional
Região e Espaço NacionalRegião e Espaço Nacional
Região e Espaço NacionalAurora Teixeira
 
Allan Cain - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...
Allan Cain  - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...Allan Cain  - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...
Allan Cain - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...Development Workshop Angola
 
Aula- Recursos hídricos- Exercícios comentados
Aula- Recursos hídricos- Exercícios comentadosAula- Recursos hídricos- Exercícios comentados
Aula- Recursos hídricos- Exercícios comentadosjoao paulo
 
O Rio Guadiana Joao Francisco
O Rio Guadiana Joao FranciscoO Rio Guadiana Joao Francisco
O Rio Guadiana Joao Franciscoguest0cb04
 
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia HidrográficaDinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia HidrográficaRosária Zamith
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiaNilton Goulart
 
Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1abarros
 
Zupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptx
Zupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptxZupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptx
Zupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptxVanessaSogalho1
 
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1Victor Veiga
 
Riscos geologicos - O caso das cheias do Rio Douro
Riscos geologicos - O caso das cheias do Rio DouroRiscos geologicos - O caso das cheias do Rio Douro
Riscos geologicos - O caso das cheias do Rio DouroHélder Ferreira
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimosmanjosp
 
bacias-hidrograficas-brasileiras.ppt
bacias-hidrograficas-brasileiras.pptbacias-hidrograficas-brasileiras.ppt
bacias-hidrograficas-brasileiras.pptThiagoMenezes85
 
Geografia os maiores rios portugueses
Geografia  os maiores rios portuguesesGeografia  os maiores rios portugueses
Geografia os maiores rios portuguesesAdrianaCruz188
 

Semelhante a As Disponibilidades Hídricas (20)

recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Geografia rh perguntas
Geografia rh perguntasGeografia rh perguntas
Geografia rh perguntas
 
REDE E BACIAS
REDE E BACIASREDE E BACIAS
REDE E BACIAS
 
Douro Vasco Fim
Douro Vasco FimDouro Vasco Fim
Douro Vasco Fim
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
 
recursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.docrecursosmaritimos_2.doc
recursosmaritimos_2.doc
 
Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3
 
Região e Espaço Nacional
Região e Espaço NacionalRegião e Espaço Nacional
Região e Espaço Nacional
 
Allan Cain - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...
Allan Cain  - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...Allan Cain  - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...
Allan Cain - Adaptação de Cidades Costeiras Angolanas à Mudança Climática - ...
 
Aula- Recursos hídricos- Exercícios comentados
Aula- Recursos hídricos- Exercícios comentadosAula- Recursos hídricos- Exercícios comentados
Aula- Recursos hídricos- Exercícios comentados
 
O Rio Guadiana Joao Francisco
O Rio Guadiana Joao FranciscoO Rio Guadiana Joao Francisco
O Rio Guadiana Joao Francisco
 
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia HidrográficaDinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
Dinâmica de Uma Bacia Hidrográfica
 
recursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografiarecursos hídricos, geografia
recursos hídricos, geografia
 
Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1Recursos Hídricos - 1
Recursos Hídricos - 1
 
Zupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptx
Zupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptxZupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptx
Zupi_relevo_e_recursos_hidricos_3ano .pptx
 
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1
Portugal - Recursos hídricos Apresentação parte 1
 
Riscos geologicos - O caso das cheias do Rio Douro
Riscos geologicos - O caso das cheias do Rio DouroRiscos geologicos - O caso das cheias do Rio Douro
Riscos geologicos - O caso das cheias do Rio Douro
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
bacias-hidrograficas-brasileiras.ppt
bacias-hidrograficas-brasileiras.pptbacias-hidrograficas-brasileiras.ppt
bacias-hidrograficas-brasileiras.ppt
 
Geografia os maiores rios portugueses
Geografia  os maiores rios portuguesesGeografia  os maiores rios portugueses
Geografia os maiores rios portugueses
 

Mais de Catarina Castro

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos Catarina Castro
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettCatarina Castro
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Catarina Castro
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iCatarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralCatarina Castro
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarCatarina Castro
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralCatarina Castro
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloCatarina Castro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosCatarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
 

Último

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 

As Disponibilidades Hídricas

  • 1. OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE: USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES As disponibilidades hídricas
  • 2. As disponibilidades hídricas em Portugal  Os recursos hídricos disponíveis correspondem à água que se encontra em circulação nos continentes: • como em profundidade – as ditas águas subterrâneas (nascentes naturais e lençóis de água existentes no subsolo). • tanto à superfície – as chamadas águas superficiais (rios, lagos, lagoas e albufeiras)  De acordo com os dados do Instituto Nacional da Água (INAG), o total dos recursos hídricos em Portugal continental é de 61 500 milhões de metros cúbicos anuais.
  • 3.  Apesar desta relativa abundância no que respeita às nossas disponibilidades hídricas, a realidade é que: Fig. Paisagem durante o verão no Alentejo As disponibilidades hídricas em Portugal  conduzem frequentemente a situações de carência de água em muitas regiões do país, principalmente durante a época estival. • a irregularidade temporal com que surgem; • a desigual distribuição no espaço; • a acentuada dependência em relação a Espanha (sobretudo no que se refere aos rios internacionais); • e as diferentes necessidades regionais…
  • 4. • têm origem nas precipitações que caem sobre a superfície da Terra; • constituem a principal fonte de alimentação dos cursos de água, sejam eles temporários ou permanentes. • No território continental, a rede hidrográfica é dominada pelos rios luso-espanhóis: Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana. Contudo, existem outros exclusivamente portugueses, também com grande importância: Ave, Cávado, Vouga, Mondego, Mira e Sado. As disponibilidades hídricas em Portugal AS ÁGUAS SUPERFICIAIS Fig. Rio Nabão - Tomar Fig.AredehidrográficadePortugalpeninsular
  • 5.  A grande maioria dos rios nacionais tem uma orientação geral nordeste-sudoeste (NE- SW), seguindo a inclinação geral do relevo no nosso território. As disponibilidades hídricas em Portugal  Contudo, há rios em que tal não sucede, escoando as suas águas noutras direções. É o caso, por exemplo, dos rios Sado e Guadiana, que correm de sul para norte e de norte para sul, respetivamente. Fig.AredehidrográficadePortugalpeninsular Fig. Rio Guadiana
  • 6.  O relevo não influencia apenas a orientação dos rios. É também responsável, juntamente com o clima, pelas diferenças na densidade da rede hidrográfica do território nacional. As disponibilidades hídricas em Portugal • No Norte, onde o relevo é mais acidentado e o clima mais pluvioso, a rede hidrográfica é mais densa e está melhor hierarquizada. Os rios escoam por vales mais ou menos apertados e profundos, regra geral, com perfis transversais em “V” fechado ou em forma de “V” aberto ou normal, com grande declive e consideráveis irregularidades ao longo do seu percurso.  No Sul e Centro Litoral a situação é bem diferente. Aqui, desenvolvem-se vastas planícies aluviais e o clima regista maior secura, pelo que a rede hidrográfica é menos densa. Nesta região, os cursos de água têm percursos com menor declive e leitos muito mais regulares, ao mesmo tempo que escoam em vales mais abertos, frequentemente designados por “caleira aluvial”. Fig.Aredehidrográficade Portugalpeninsular Fig.Aredehidrográficade Portugalpeninsular
  • 7. Fonte: Instituto da Água, I.P. Fig. Perfil longitudinal e transversal do Douro (segmentos até Espanha) Fig.ValeSuperiordoDouro As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 8. Fig.ValedoTejo Fig. Perfil longitudinal e transversal do Tejo (segmentos até Espanha) As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 9.  Nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, devido às reduzidas dimensões das diferentes ilhas, bem como às características do relevo existente, os cursos de água são pouco extensos e designam-se de ribeiras. Fig. Ilha da Madeira Fig. Ribeira Grande – São Miguel (Açores) As disponibilidades hídricas em Portugal • As ribeiras possuem perfis longitudinais com declives acentuados e grandes irregularidades. As suas águas escoam normalmente ao longo de vales em forma de “V” fechado ou garganta.
  • 10.  Em Portugal continental destacam-se quinze bacias hidrográficas, cinco das quais dizem respeito aos rios luso- espanhóis – Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana. Fonte: INAG, MCOTA (2002) Fig. Principais bacias hidrográficas de Portugal continental As disponibilidades hídricas em Portugal PRINCIPAIS BACIAS HIDROGRÁFICAS
  • 11.  As bacias hidrográficas dos rios luso-espanhóis ocupam uma superfície correspondente a cerca de 63% do território português e de 42% do espanhol, o que é um fator extremamente importante para as disponibilidades hídricas dos dois países. Fig. Os rios luso-espanhóis As disponibilidades hídricas em Portugal  Este facto atesta também a nossa dependência, em termos de recursos hídricos, face ao país vizinho. Fonte: INAG, MCOTA (2002) Fig. Principais bacias hidrográficas de Portugal continental
  • 12.  De entre as várias bacias hidrográficas (nacionais e internacionais), a do Douro é a que ocupa maior superfície (superior à de Portugal continental).  A do Tejo, por seu lado, é a que abrange maior área em território exclusivamente nacional. As disponibilidades hídricas em Portugal  As bacias hidrográficas inteiramente portuguesas são pouco extensas, e delas destacam-se as dos rios Sado, Mondego, Vouga e Cávado. Fonte: INAG, MCOTA (2002) Fig. Principais bacias hidrográficas de Portugal continental
  • 13.  Nas bacias hidrográficas, as disponibilidades hídricas são fortemente condicionadas pela irregularidade da precipitação e pela forma como se processa o escoamento. As disponibilidades hídricas em Portugal  Em Portugal continental, o escoamento anual médio é de 385 mm por ano. No entanto, e à semelhança da precipitação, também acontece de forma bastante irregular, tanto no tempo (ao longo do ano e entre diferentes anos) como no espaço.
  • 14.  Relativamente à sua distribuição no tempo, é possível observar que o escoamento é mais acentuado nos meses de inverno e mais reduzido no período estival. Fig. Escoamento anual nas principais bacias hidrográficas nacionais As disponibilidades hídricas em Portugal Fonte: Plano Nacional da Água Fig. Escoamento interanual em Portugal (1955-2005)
  • 15. Fig.Escoamentosuperficialnasprincipaisbacias hidrográficasemPortugalcontinental Fonte: DGA, Atlas do Ambiente As disponibilidades hídricas em Portugal  A repartição geográfica do escoamento decalca a das chuvas. • As regiões de maior abundância são o Noroeste e a Cordilheira Central, precisamente as mais chuvosas (escoamento anual superior a 400 mm; destacam-se as serras do Noroeste, com um escoamento médio superior a 1000 mm/ano). • Ao Noroeste e Cordilheira Central opõem-se o Nordeste e o Sul do país, com um escoamento anual inferior a 200 mm/ano, excetuando as serras isoladas, onde esse valor é superior.  De salientar que, em termos de balanço hídrico, o escoamento no nosso país corresponde a pouco mais de um terço do total de precipitação registada, sendo que os outros quase dois terços dizem respeito à evapotranspiração.
  • 16. O caudal dos rios é particularmente condicionado pela variação anual e espacial da precipitação. Fig. Variação mensal média dos caudais de alguns rios. Fonte: INAG As disponibilidades hídricas em Portugal VARIAÇÃO DO CAUDAL DOS RIOS • ação do homem, uma vez que também ele tem influência no modo como se processa o escoamento. A estas acrescem: • características do relevo (forma e declive das vertentes); • natureza dos terrenos (tipo de rocha que os constitui e grau de permeabilidade); • cobertura vegetal;
  • 17. As disponibilidades hídricas em Portugal Fig.CaudalmédiodealgunsriosdePortugalcontinental  Em consequência da variabilidade da precipitação ao longo do ano, os cursos de água portugueses apresentam um regime irregular, com caráter torrencial, ou seja, têm caudais muito reduzidos ou mesmo nulos durante a estiagem (caudal de estiagem) e caudais elevados nas épocas de maior precipitação (dezembro a março).  Esta irregularidade (do regime dos rios) aumenta de norte para sul e acompanha a desigual distribuição das precipitações.
  • 18. Fig. Caudais mínimos e máximos de alguns rios As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 19.  Face à irregularidade temporal das disponibilidades hídricas, Portugal optou pela construção de barragens. As barragens permitem: As disponibilidades hídricas em Portugal BARRAGENS • minimizar os problemas de escassez e grandes irregularidades dos recursos hídricos potencialmente disponíveis no Sul, através do armazenamento de água em albufeiras; • potencializar a abundância destes recursos no Norte, sobretudo na produção de energia hidroelétrica. Fig.Albufeirada BarragemdeOdeleite Fig.Barragemdo Alqueva
  • 20. As disponibilidades hídricas em Portugal Fig.LocalizaçãodasprincipaisbarragensemPortugal continental  o nosso país viu aumentada em cerca de trinta e duas vezes a sua capacidade de armazenamento de água em albufeiras (passado de 370 hm³ - início dos anos 50, para 11 860 hm³ - primeiros anos deste século).  Atualmente, são mais de 2000 as estruturas hidráulicas construídas em território português, mas destas destacam-se 230 grandes barragens (albufeiras com capacidade de armazenamento superior a 1 hm³).
  • 21. Fig. Número de albufeiras, segundo a capacidade de armazenamento nas principais bacias hidrográficas. As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 22.  As duas maiores albufeiras portuguesas são, até ao presente, o Alqueva, na bacia do Guadiana, e Castelo de Bode, na bacia do Tejo, com capacidades de armazenamento de 4150 hm³ e 1095 hm³, respetivamente. Fig.AlbufeiradoAlqueva As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 23. FINALIDADES: • Rega; • Produção de energia; • Abastecimento de água para fins domésticos e industriais; • Controlo de cheias e marés/ regularização do caudal de rios; • Navegação/uso recreativo; • Aquicultura; • Recarga de aquíferos. As disponibilidades hídricas em Portugal BARRAGENS IMPACTES: • riscos geotécnicos e sísmicos; • impactos biológicos climáticos, agrícolas, sociais e económicos, nos territórios e nas populações adjacentes. • representam uma violenta perturbação, interferindo nos equilíbrios naturais, diminuindo a biodiversidade, destruindo o património cultural e suscitando problemas sociais. IMPACTES: • constituem uma violenta perturbação da dinâmica fluvial, interferindo no ciclo natural dos processos erosivos e sedimentares, causando impactos locais mas também regionais que alcançam o mar, subtraindo nutrientes necessários nas águas estuarinas e costeiras e contribuindo para a erosão das linhas de costa.
  • 24.  Além dos rios, existem no nosso país outros reservatórios naturais de água à superfície. É o caso das lagoas de origem marinho-fluvial, glaciária e litológica/estrutural. Fig. Lagoa de Óbidos Fig.Lagoaslitoraisnocontinente As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 25.  Em Portugal continental, as lagoas marinho-fluviais são em número superior, têm em geral pequena profundidade e situam-se predominantemente ao longo da faixa litoral. Fig.LagoadeÓbidos As disponibilidades hídricas em Portugal  As mais importantes são as de Óbidos, Pateira de Fermentelos, Paramos, Mira, Tocha e Vela (a norte do Tejo) e Albufeira, Melides e Santo André (a sul do Tejo).
  • 26.  As lagoas de origem glaciária são cerca de uma dezena e situam-se, na sua quase totalidade, nas zonas mais elevadas da serra da Estrela. Fig.LagoaComprida–Serra daEstrela As disponibilidades hídricas em Portugal  De entre elas, destaca-se a Lagoa Comprida, com cerca de 1 km de extensão, que é alimentada pelas chuvas e pela fusão da neve e do gelo.
  • 27.  As lagoas de origem litológica/estrutural localizam-se no Maciço Calcário Estremenho. Fig.PoljedeMinde,naSerrade AireeCandeeiros As disponibilidades hídricas em Portugal  As mais importantes são as de Mira, Minde e Arrimal.
  • 28. Fig. Caldeira das Sete Cidades (Lagoa Verde e Lagoa Azul) – S. Miguel (Açores)  Nos Açores existem numerosas lagoas de origem vulcânica, em consequência da acumulação de águas pluviais e de nascente nas depressões resultantes do abatimento de antigas crateras. As disponibilidades hídricas em Portugal  A caldeira da Sete Cidades, na ilha de S. Miguel, está ocupada por duas importantes lagoas, a Lagoa Verde e a Lagoa Azul. Importantes nesta ilha são também as lagoas do Fogo e das Furnas.
  • 29. • constituem um dos componentes fundamentais dos recursos hídricos e encontram-se principalmente nos aquíferos, formações geológicas que permitem a circulação e o armazenamento da água nos espaços vazios, proporcionando o seu aproveitamento pelas populações. As disponibilidades hídricas em Portugal AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS • dependem da precipitação ocorrida, mas também, e fundamentalmente, da natureza das formações rochosas, especialmente no que diz respeito ao seu grau de permeabilidade.
  • 30. • As formações rochosas de granito, xisto e basalto são pouco permeáveis, exceto se estiverem muito alteradas ou fissuradas, pelo que dificultam a infiltração da água e a formação de aquíferos. As disponibilidades hídricas em Portugal AS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS • As formações sedimentares de origem detrítica (areias e arenitos), pelo contrário, são bastante permeáveis, o que facilita a infiltração da água e a formação de aquíferos importantes. • As formações calcárias ou cársicas são muito permeáveis, pois a água dissolve o calcário quando em presença do dióxido de carbono. As fendas, habitualmente existentes em qualquer tipo de rocha, são rapidamente alargadas. O escoamento superficial acaba, assim, por ser rapidamente substituído por uma circulação subterrânea cada vez mais importante, dando origem aos aquíferos cársicos.
  • 31. Fig. Esquema de um aquífero cársico As disponibilidades hídricas em Portugal • Nestas regiões, a circulação das águas à superfície é desorganizada e acompanhada de formas de relevo únicas. Fig. Grutas de Mira de Aire – Porto de Mós
  • 32.  Em profundidade, a circulação acaba por desenvolver um sistema de galerias e cavernas com formações muito curiosas, como é o caso das estalactites e das estalagmites. Quando abundantes, as águas dão origem a autênticos rios subterrâneos de traçado muito complexo. Fig. Estalactites As disponibilidades hídricas em Portugal  A circulação das águas num carso vai evoluindo com a idade do mesmo. Esta evolução acaba por estar diretamente dependente do tipo de clima em que se encontra, uma vez que a temperatura influencia o poder dissolvente da água.
  • 33. Maciço Calcário Estremenho – serra de Aire  A região cársica mais representativa no nosso país é o Maciço Calcário Estremenho, constituído pelas serras de Candeeiros, Santo António, Aire e Planalto de S. Mamede. As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 34.  As grandes unidades hidrogeológicas decalcam as unidades morfoestruturais. Fig. Recursos aquíferos em Portugal continental Fig. Principais formações geológicas em Portugal continental As disponibilidades hídricas em Portugal REPARTIÇÃO GEOGRÁFICA DOS SISTEMAS DE AQUÍFEROS
  • 35.  O Maciço Antigo: Fig. Maciço Antigo As disponibilidades hídricas em Portugal • pela sua composição litológica e permeabilidade reduzida (granitos) a muito reduzida (xistos), é muito pobre em aquíferos – 10 dos 62, segundo o Plano Nacional da Água (2001); 9 estão localizados no Alentejo. Cerca de 80% tem também uma reduzida produtividade aquífera (< 1 I/s).
  • 36. • A orla ocidental, pela diversidade litológica que apresenta, é a que possui mais sistemas de aquíferos (cerca de 30), cársicos e porosos. Esta diversidade implica também uma produtividade muito variável, embora 35% produzam mais de 10 I/s. Fig. Reservas hídricas subterrâneas (estimadas) das unidades hidrogeológicas de Portugal continental • A orla meridional, de composição litológica semelhante à anterior, possui 17 sistemas de aquíferos com produtividade inferior (apenas 24% produzem entre 10 e 16l/s). As disponibilidades hídricas em Portugal  As Orlas Ocidental e Meridional:
  • 37. • As Bacias Sedimentares do Tejo e do Sado formam a unidade hidrogeológica mais importante do país, em termos de águas subterrâneas, pela extensão, espessura e produtividade dos seus aquíferos. Fig. Reservas hídricas subterrâneas (estimadas) das unidades hidrogeológicas de Portugal continental Fig. Rio Tejo Fig. Alcácer do Sal – Rio Sado As disponibilidades hídricas em Portugal  As Bacias Sedimentares:
  • 38.  Os aquíferos são importantes reservatórios subterrâneos de água e têm a vantagem, em relação às águas superficiais, de se encontrarem mais protegidos relativamente a eventuais fontes poluidoras. Fig.Formaçãoeexploração deumaquífero As disponibilidades hídricas em Portugal  Também têm as suas vulnerabilidades, pois, se ocorrerem focos de poluição, torna-se praticamente impossível recuperá-los, dada a sua localização subterrânea.
  • 39.  A utilização desregrada de fertilizantes, pesticidas e herbicidas ou a descarga de substâncias tóxicas no solo ou em cursos de água superficiais podem conduzir à perda definitiva dos níveis freáticos, vulgarmente designados de toalhas freáticas. Outro dos cuidados a ter prende-se com a captação destas águas, pois, se for excessiva, coloca em risco a sua utilização futura, esgotando o aquífero. As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 40.  Apesar de os recursos hídricos subterrâneos renováveis representarem apenas 16% do total de recursos hídricos gerados em Portugal continental, suportam cerca de 54% do consumo total de água anual.  Esta situação reflete uma pressão humana mais efetiva sobre as águas subterrâneas do que sobre as águas superficiais. As disponibilidades hídricas em Portugal  O principal setor responsável por esta situação é a agricultura, que “consome” cerca de 75% da água total e 89% da água subterrânea. Fig. Setores utilizadores de água subterrânea em Portugal continental (2011)
  • 41. Fig. Recursos aquíferos em Portugal continental • A sobreexploração de águas subterrâneas provoca frequentemente a descida do nível freático, o que pode contribuir para a diminuição da sua qualidade. As disponibilidades hídricas em Portugal  O Algarve é a região mais dependente das águas subterrâneas – 80% do total das suas utilizações provem dos aquíferos. • Nas zonas litorais, a exploração intensiva das águas subterrâneas pode, a longo prazo, desencadear o risco de ocorrência de uma diminuição do nível dos reservas freáticas e conduzir à intrusão de água do mar, com o risco de salinização das águas a captar.
  • 42.  Manter o equilíbrio entre a captação e a recarga dos aquíferos é um aspeto fundamental para a proteção e recuperação de todas as massas de água subterrâneas. Fig. Curso de água subterrâneo – Grutas de Mira de Aire As disponibilidades hídricas em Portugal
  • 43.  A composição química das águas é muito influenciada pelas características geológicas das áreas onde circula e pelo tempo que aí permanece. Alterando a sua estrutura física e química, a água acaba, por vezes, por adquirir propriedades muito importantes. As disponibilidades hídricas em Portugal AS ÁGUAS MINERAIS E TERMAIS
  • 44.  Basicamente, existem dois tipos de alterações. Fig. Nascentes minerais em Portugal continental As disponibilidades hídricas em Portugal • Na primeira, a água incorpora sais minerais, designando-se, por isso, água mineral. • Na segunda, a água, para além desta adição, aumenta a sua temperatura, passando a designar-se água termal.
  • 45.  As águas termais possuem efeitos medicinais comprovados e constituem a base de um turismo termal cada vez mais importante. As disponibilidades hídricas em Portugal