SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Trabalho realizado por:
Beatriz Cunha
9ºB Nº6
Escola Básica de Canidelo
Disciplina de Físico-química
 Os elementos químicos existentes conhecidos, que
formam uma grande variedade substancias, estão
organizados numa tabela, denominada Tabela
Periódica, segundo algumas regras. Ao longo dos anos
esta tabela tem evoluído e ainda hoje há varias formas
diferentes de a representar.
 Em 1789, Antoine Lavoisier publicou o livro Tratado
Elementar da Quimica ode estava inserida a primeira lista
com 33 elementos divididos em metais e não-metais.
 Antoine Lavoisier trabalhou nesta lista de 1770 a 1789.
 Jöns Jakob e John Dalton, em 1828, prepararam uma lista de elementos
químicos, cujas massas já eram conhecidas, em que os agrupavam
segundo os seus pesos.
 Muitos desses valores estavam longe dos atuais devido a erros na sua
determinação.
 Os elementos não estavam listados em qualquer arranjo ou modelo
periódico, mas simplesmente por ordem crescente de massa atómica.
Os químicos, ao estudar essa lista, concluíram que não estava muito
clara, pois alguns elementos que tinham propriedades semelhantes,
apresentavam massas atómicas muito distantes (Cloro, Bromo e Iodo).
 Em 1829, Johann Döbereiner agrupou os elementos em conjuntos de
três, tríades.
 Embora tivessem propriedades químicas muito semelhantes, estavam
separadas pelas suas massas atómicas.
 Nessa época fora largamente aceite mas nos 30 anos seguintes foi
constatado que, para vários elementos, as reacções químicas
estendiam-se a conjuntos com mais de três elementos.
 Devido a isso, a investigação foi abandonada, além do que não havia
conhecimentos dos valores exatos das massas atómicas.
 Em 1862, Alexandre Béguyer de Chancourtois criou o
modelo Parafuso Telúrico.
 Os elementos eram agrupados em ordem crescente de
massa atomica por uma linha espiral em volta de um
cilindro (em forma de parafuso), em que havia 16
elementos e cada volta.
 Os elementos com caracteristicas semelahntes ficavam
em baixo uns dos outros.
Alexandre Béguyer de Chancourtois
Por exemplo, o Boro (B) está
alinhado com o Aluminio (Al) e
hoje esses dois elementos
pertencem ao mesmo grupo
(grupo 3) da Tabela Periódica.
 Em 1863, John Newlands dispôs elementos por ordem crescente das
respetivas massas. Deste modo, chegou à conclusão que havia uma
semelhança de propriedades de 8em 8 elementos.
 Denominou esta relação como “Lei das oitavas”, comparando esta
repetição ás oitavas da escala musical.
 No entanto, esta sua regra só funcionava corretamente com as duas
primeiras oitavas.
 Embora tenha sido ridicularizado pela Sociedade de Química de
Londres, a Lei das Oitavas permitiu um avanço significativo na
organização periódica atual.
 Em 1864, o quimico alemão Lothar Meyer ordenou os elementos
segundo a sua massa atomica, tendo estudado a relação entre o volume
atomico dos elementos e as suas massas. Atraves da sua representação
grafica (tendo obtido uma curva), agrupou-os em varias familias,
produzindo uma tabela periodica com 56 elementos.
 Em 1869, enquanto escrevia o seu livro de química inorgânica,
Mendeleev organizou os elementos na forma da tabela
periódica atual. Criou uma carta para casa um dos 63
elementos conhecidos.
 Cada carta tinha o símbolo do elemento, a massa atómica a as
suas propriedades químicas e físicas. Ordenou os 63 elementos
por ordem crescente de peso atómico, de certa forma que, na
vertical ficavam os elementos com propriedades químicas
semelhantes, constituindo as famílias químicas.
 A classificação de Mendeleev deixava espaços vazios na
tabela quando parecia que o elemento ainda não tinha
sido descoberto, prevendo as propriedades do mesmo.
Formou-se então a tabela periódica.
 A vantagem da tabela periódica de Mendeleev sobre as
outras, é que esta mostrava semelhanças, não apenas
em pequenos conjuntos, como as tríades, mas
semelhanças na vertical, horizontal e diagonal. Em
1906, Mendeleev recebeu o Prémio Nobel por este
trabalho.
 Em 1913, Henry Moseley descobriu o numero atómico, que caracteriza
cada elemento, associado ao seu numero de protões.
 Reordenou os elementos químicos por ordem crescente dos seus
números atómicos.
 Como os elementos químicos estão organizados dessa maneira, as suas
propriedades repetem-se regularmente nos elementos com
propriedades semelhantes. Essa regularidade denomina-se “lei
Periódica dos Elementos”.
 Glenn Seaborg fez a última alteração na tabela
periódica, durante a década de 50. Após terem
descoberto o plutónio, este químico descobriu todos os
restantes elementos com numero atómico superior ao
do Urânio. Colocou, assim, na tabela periódica a série
dos actnídeos por baixo da dos lactanídeos.
 Os elementos estão colocados em linhas horizontais – Períodos-
e em colunas verticais – Grupos ou Famílias.
 Num grupo, os elementos têm propriedades semelhantes e num
período, as propriedades são diferentes.
 Na tabela há 7 períodos e 18 grupos
 Grupos dos elementos mais conhecidos:
 Metais Alcalinos (grupo 1)
 Metais Alcalino-terrosos (grupo 2)
 Halogéneos (grupo 16)
 Gases Nobres (grupo 18)
 Podemos concluir que a Tabela Periódica sofreu uma
grande evolução ao longo dos anos até ser como a
conhecemos hoje.
 Inúmeros físicos e químicos contribuíram para a sua
realização e organização. Embora tenham todos tido um
papel importante, Mendeleev foi aquele que se destacou,
devido à disposição dos elementos por ordem crescente de
numero atómico, evidenciando as semelhanças entre si
através da formação de grupos e a previsão da descoberta de
novos elementos assim como as suas propriedades.
 http://explicatorium.com/Tabela-periodica.php
 http://explicatorium.com/evolucao-tabela.php
 http://explicatorium.com/Tabela-Mendeleiev.php
 http://www.slideshare.net/ct-esma/histria-da-tabela-
peridicafinal
 http://www.daanvanalten.nl/quimica/module02/elem
entos.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaGabriela Bruno
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades mineraisPublicaTUDO
 
8. tabela periódica
8. tabela periódica8. tabela periódica
8. tabela periódicaRebeca Vale
 
Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...
Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...
Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...Ana Isabel Duarte
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantJorge Lopes
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoVitor Perfeito
 
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formaçãoIsabel Lopes
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Karol Maia
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentaresCatir
 
Argumentos do Evolucionismo
Argumentos do EvolucionismoArgumentos do Evolucionismo
Argumentos do EvolucionismoCatir
 
AL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11ºAL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11ºGoreti Cachide
 
resumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 anoresumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 anoDiogo Batista
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosGabriela Bruno
 
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Rochas sedimentares  classificação biogénicasRochas sedimentares  classificação biogénicas
Rochas sedimentares classificação biogénicasIsabel Lopes
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularAMLDRP
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações QuímicasKátia Elias
 

Mais procurados (20)

QUIMICA GERAL Aula 01
QUIMICA GERAL Aula 01QUIMICA GERAL Aula 01
QUIMICA GERAL Aula 01
 
Idade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade RadiométricaIdade Relativa e Idade Radiométrica
Idade Relativa e Idade Radiométrica
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades minerais
 
8. tabela periódica
8. tabela periódica8. tabela periódica
8. tabela periódica
 
Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...
Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...
Q 10 11 ano (com soluções, todas as unidades), banco de questoes com itens de...
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formação
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Argumentos do Evolucionismo
Argumentos do EvolucionismoArgumentos do Evolucionismo
Argumentos do Evolucionismo
 
AL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11ºAL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11º
 
resumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 anoresumo de geologia 10 ano
resumo de geologia 10 ano
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Rochas sedimentares  classificação biogénicasRochas sedimentares  classificação biogénicas
Rochas sedimentares classificação biogénicas
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 

Destaque

Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano7 de Setembro
 
Aula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono anoAula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono anoProfessora Raquel
 
Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodicaIsasesantos
 
Histórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela PeriódicaHistórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela PeriódicaDaniel Raber
 
A construção de uma história periódica
A construção de uma história periódicaA construção de uma história periódica
A construção de uma história periódicaPaulo Marcelo Pontes
 
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo AulaVídeo Aulas Apoio
 
Tabela Periódica.
Tabela Periódica.Tabela Periódica.
Tabela Periódica.LolaPevensie
 
Origem dos elementos químicos
Origem dos elementos químicosOrigem dos elementos químicos
Origem dos elementos químicosct-esma
 
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosQuímica Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosLucas Valente
 
Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)Alana Félix
 
Tabela periódica dos elementos
Tabela periódica dos elementosTabela periódica dos elementos
Tabela periódica dos elementosAna Dias
 
Química dos metais de transição
Química dos metais de transiçãoQuímica dos metais de transição
Química dos metais de transiçãoAlvinho Carvalho
 
Aula tabela periódica
Aula tabela periódicaAula tabela periódica
Aula tabela periódicadandias5
 
Tabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos ElementosTabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos Elementosdaniela_silva
 
Química Inorgânica
Química Inorgânica Química Inorgânica
Química Inorgânica Alex Junior
 

Destaque (20)

Tabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º anoTabela Periódica - 9º ano
Tabela Periódica - 9º ano
 
Tabela periódica
Tabela periódica Tabela periódica
Tabela periódica
 
Aula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono anoAula 9 tabela periódica nono ano
Aula 9 tabela periódica nono ano
 
Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodica
 
Histórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela PeriódicaHistórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela Periódica
 
A construção de uma história periódica
A construção de uma história periódicaA construção de uma história periódica
A construção de uma história periódica
 
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
 
Filosofia vanderley
Filosofia vanderleyFilosofia vanderley
Filosofia vanderley
 
Tabela Periódica.
Tabela Periódica.Tabela Periódica.
Tabela Periódica.
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Tabela Periodica
Tabela PeriodicaTabela Periodica
Tabela Periodica
 
Origem dos elementos químicos
Origem dos elementos químicosOrigem dos elementos químicos
Origem dos elementos químicos
 
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e CalcogêniosQuímica Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
Química Inorgânica - Estudo da família do Nitrogênio e Calcogênios
 
Familia 5 a
Familia 5 aFamilia 5 a
Familia 5 a
 
Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)Família do Carbono (4A ou 14)
Família do Carbono (4A ou 14)
 
Tabela periódica dos elementos
Tabela periódica dos elementosTabela periódica dos elementos
Tabela periódica dos elementos
 
Química dos metais de transição
Química dos metais de transiçãoQuímica dos metais de transição
Química dos metais de transição
 
Aula tabela periódica
Aula tabela periódicaAula tabela periódica
Aula tabela periódica
 
Tabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos ElementosTabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos Elementos
 
Química Inorgânica
Química Inorgânica Química Inorgânica
Química Inorgânica
 

Semelhante a A evolução da tabela periódica

Semelhante a A evolução da tabela periódica (20)

1° ano aula 01 - história e tabela periodica moderna
1° ano   aula 01 - história e tabela periodica moderna1° ano   aula 01 - história e tabela periodica moderna
1° ano aula 01 - história e tabela periodica moderna
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Diamantino
DiamantinoDiamantino
Diamantino
 
Classificação periódica
Classificação periódicaClassificação periódica
Classificação periódica
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Tabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicosTabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicos
 
Jornal
JornalJornal
Jornal
 
Jornal
JornalJornal
Jornal
 
Organização da tabela periódica Famílias ou grupos.pptx
Organização da tabela periódica Famílias ou grupos.pptxOrganização da tabela periódica Famílias ou grupos.pptx
Organização da tabela periódica Famílias ou grupos.pptx
 
Capitulo 02tabela periódica
Capitulo 02tabela periódicaCapitulo 02tabela periódica
Capitulo 02tabela periódica
 
aezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptxaezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptx
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
 
Tabela Periodica Historico
Tabela Periodica HistoricoTabela Periodica Historico
Tabela Periodica Historico
 
"Somos Físicos" Tabela Periódica
"Somos Físicos" Tabela Periódica"Somos Físicos" Tabela Periódica
"Somos Físicos" Tabela Periódica
 
Qpt breve historia_periodica
Qpt breve  historia_periodicaQpt breve  historia_periodica
Qpt breve historia_periodica
 
Quimica vol2
Quimica vol2Quimica vol2
Quimica vol2
 
Tabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica EzequielTabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica Ezequiel
 

Mais de BeatrizMarques25

Génese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentaresGénese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentaresBeatrizMarques25
 
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de GelatinaRelatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de GelatinaBeatrizMarques25
 
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanolRelatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanolBeatrizMarques25
 
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)BeatrizMarques25
 
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura  O Diario de Anne FrankFicha de leitura  O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura O Diario de Anne FrankBeatrizMarques25
 
Relatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação físicaRelatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação físicaBeatrizMarques25
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1 Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1 BeatrizMarques25
 
Mudança global temperatura
Mudança global   temperaturaMudança global   temperatura
Mudança global temperaturaBeatrizMarques25
 

Mais de BeatrizMarques25 (20)

Génese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentaresGénese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentares
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de GelatinaRelatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
 
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanolRelatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol
 
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
 
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura  O Diario de Anne FrankFicha de leitura  O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
 
Relatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação físicaRelatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação física
 
Pegada ecológica
Pegada ecológicaPegada ecológica
Pegada ecológica
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1 Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1
 
Veneza destino turistico
Veneza  destino turisticoVeneza  destino turistico
Veneza destino turistico
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Relevo do litoral
Relevo do litoralRelevo do litoral
Relevo do litoral
 
Reino unido
Reino unidoReino unido
Reino unido
 
Politica demografia
Politica demografiaPolitica demografia
Politica demografia
 
Parques naturais
Parques naturaisParques naturais
Parques naturais
 
Mudança global temperatura
Mudança global   temperaturaMudança global   temperatura
Mudança global temperatura
 
Migraçoes clandestinas
Migraçoes clandestinasMigraçoes clandestinas
Migraçoes clandestinas
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 

Último

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 

A evolução da tabela periódica

  • 1. Trabalho realizado por: Beatriz Cunha 9ºB Nº6 Escola Básica de Canidelo Disciplina de Físico-química
  • 2.  Os elementos químicos existentes conhecidos, que formam uma grande variedade substancias, estão organizados numa tabela, denominada Tabela Periódica, segundo algumas regras. Ao longo dos anos esta tabela tem evoluído e ainda hoje há varias formas diferentes de a representar.
  • 3.  Em 1789, Antoine Lavoisier publicou o livro Tratado Elementar da Quimica ode estava inserida a primeira lista com 33 elementos divididos em metais e não-metais.  Antoine Lavoisier trabalhou nesta lista de 1770 a 1789.
  • 4.  Jöns Jakob e John Dalton, em 1828, prepararam uma lista de elementos químicos, cujas massas já eram conhecidas, em que os agrupavam segundo os seus pesos.  Muitos desses valores estavam longe dos atuais devido a erros na sua determinação.  Os elementos não estavam listados em qualquer arranjo ou modelo periódico, mas simplesmente por ordem crescente de massa atómica. Os químicos, ao estudar essa lista, concluíram que não estava muito clara, pois alguns elementos que tinham propriedades semelhantes, apresentavam massas atómicas muito distantes (Cloro, Bromo e Iodo).
  • 5.  Em 1829, Johann Döbereiner agrupou os elementos em conjuntos de três, tríades.  Embora tivessem propriedades químicas muito semelhantes, estavam separadas pelas suas massas atómicas.  Nessa época fora largamente aceite mas nos 30 anos seguintes foi constatado que, para vários elementos, as reacções químicas estendiam-se a conjuntos com mais de três elementos.  Devido a isso, a investigação foi abandonada, além do que não havia conhecimentos dos valores exatos das massas atómicas.
  • 6.  Em 1862, Alexandre Béguyer de Chancourtois criou o modelo Parafuso Telúrico.  Os elementos eram agrupados em ordem crescente de massa atomica por uma linha espiral em volta de um cilindro (em forma de parafuso), em que havia 16 elementos e cada volta.  Os elementos com caracteristicas semelahntes ficavam em baixo uns dos outros.
  • 7. Alexandre Béguyer de Chancourtois Por exemplo, o Boro (B) está alinhado com o Aluminio (Al) e hoje esses dois elementos pertencem ao mesmo grupo (grupo 3) da Tabela Periódica.
  • 8.  Em 1863, John Newlands dispôs elementos por ordem crescente das respetivas massas. Deste modo, chegou à conclusão que havia uma semelhança de propriedades de 8em 8 elementos.  Denominou esta relação como “Lei das oitavas”, comparando esta repetição ás oitavas da escala musical.  No entanto, esta sua regra só funcionava corretamente com as duas primeiras oitavas.  Embora tenha sido ridicularizado pela Sociedade de Química de Londres, a Lei das Oitavas permitiu um avanço significativo na organização periódica atual.
  • 9.
  • 10.  Em 1864, o quimico alemão Lothar Meyer ordenou os elementos segundo a sua massa atomica, tendo estudado a relação entre o volume atomico dos elementos e as suas massas. Atraves da sua representação grafica (tendo obtido uma curva), agrupou-os em varias familias, produzindo uma tabela periodica com 56 elementos.
  • 11.  Em 1869, enquanto escrevia o seu livro de química inorgânica, Mendeleev organizou os elementos na forma da tabela periódica atual. Criou uma carta para casa um dos 63 elementos conhecidos.  Cada carta tinha o símbolo do elemento, a massa atómica a as suas propriedades químicas e físicas. Ordenou os 63 elementos por ordem crescente de peso atómico, de certa forma que, na vertical ficavam os elementos com propriedades químicas semelhantes, constituindo as famílias químicas.
  • 12.  A classificação de Mendeleev deixava espaços vazios na tabela quando parecia que o elemento ainda não tinha sido descoberto, prevendo as propriedades do mesmo. Formou-se então a tabela periódica.  A vantagem da tabela periódica de Mendeleev sobre as outras, é que esta mostrava semelhanças, não apenas em pequenos conjuntos, como as tríades, mas semelhanças na vertical, horizontal e diagonal. Em 1906, Mendeleev recebeu o Prémio Nobel por este trabalho.
  • 13.
  • 14.  Em 1913, Henry Moseley descobriu o numero atómico, que caracteriza cada elemento, associado ao seu numero de protões.  Reordenou os elementos químicos por ordem crescente dos seus números atómicos.  Como os elementos químicos estão organizados dessa maneira, as suas propriedades repetem-se regularmente nos elementos com propriedades semelhantes. Essa regularidade denomina-se “lei Periódica dos Elementos”.
  • 15.
  • 16.  Glenn Seaborg fez a última alteração na tabela periódica, durante a década de 50. Após terem descoberto o plutónio, este químico descobriu todos os restantes elementos com numero atómico superior ao do Urânio. Colocou, assim, na tabela periódica a série dos actnídeos por baixo da dos lactanídeos.
  • 17.  Os elementos estão colocados em linhas horizontais – Períodos- e em colunas verticais – Grupos ou Famílias.  Num grupo, os elementos têm propriedades semelhantes e num período, as propriedades são diferentes.  Na tabela há 7 períodos e 18 grupos  Grupos dos elementos mais conhecidos:  Metais Alcalinos (grupo 1)  Metais Alcalino-terrosos (grupo 2)  Halogéneos (grupo 16)  Gases Nobres (grupo 18)
  • 18.
  • 19.  Podemos concluir que a Tabela Periódica sofreu uma grande evolução ao longo dos anos até ser como a conhecemos hoje.  Inúmeros físicos e químicos contribuíram para a sua realização e organização. Embora tenham todos tido um papel importante, Mendeleev foi aquele que se destacou, devido à disposição dos elementos por ordem crescente de numero atómico, evidenciando as semelhanças entre si através da formação de grupos e a previsão da descoberta de novos elementos assim como as suas propriedades.
  • 20.  http://explicatorium.com/Tabela-periodica.php  http://explicatorium.com/evolucao-tabela.php  http://explicatorium.com/Tabela-Mendeleiev.php  http://www.slideshare.net/ct-esma/histria-da-tabela- peridicafinal  http://www.daanvanalten.nl/quimica/module02/elem entos.html