Evolução histórica da Tabela Periódica

21.494 visualizações

Publicada em

10º ano
Explica muito bem a evolução da Tabela Periódica ;)

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.494
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
446
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evolução histórica da Tabela Periódica

  1. 1. Trabalho realizado por: Cláudia Carrega nº6 10ºA
  2. 2. INTRODUÇÃO Um pré-requisito necessário para a construção da tabela periódica, foi a descoberta individual dos elementos químicos, embora elementos, como o Ouro (Au), a Prata (Ag), o Estanho (Sn), o Cobre (Cu), o Chumbo (Pb) e o Mercúrio (Hg) fossem conhecidos desde a antiguidade. A primeira descoberta científica de um elemento, ocorreu em 1669, quando o Henning Brand descobriu o fósforo. Durante os 200 anos seguintes, foi adquirido um grande volume de conhecimento relativo às propriedades dos elementos. Com o aumento do número de elementos descobertos, os cientistas iniciaram a investigação de modelos para reconhecer as propriedades e desenvolver esquemas de classificação.
  3. 3. Continuação… Antes de 1770 os elementos até então descobertos não estavam organizados uma vez que ninguém sabia como agrupá-los. A tabela periódica nem sempre foi assim, organizada e completa. Dispor os elementos obedecendo às suas semelhanças já foi motivo de muita discussão e estudo científico, e, embora a tabela atual seja mais eficiente, a sua formação é derivada de muitas outras. É muito útil para se preverem as características e tendências dos átomos como: verificar quais são metais, quais os mais densos, os mais pesados, os mais reativos, qual tem maior raio atómico ou energia de ionização.
  4. 4. 1ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS ANTOINE LAVOISIER, 1789 Em 1789 foi publicada a primeira lista extensiva que continha 33 elementos e dividia-os em metais e não-metais. Alguns dos elementos era compostos e misturas. Esta lista foi criada por Antoine Lavoisier, um químico francês, que trabalhou nesta lista de 1770-1789.
  5. 5. 2ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS JÖNS JAKOB BERZELIUS e JOHN DALTON, 1828 Jöns Jakob Berzelius e John Dalton preparam uma lista de elementos químicos em que os agrupavam segundo os seus pesos, cujas massas atómicas já eram então conhecidas. Muitos desses valores estavam longe dos atuais, devido à ocorrência de erros na sua determinação. Os erros foram corrigidos por outros cientistas. Os elementos não estavam listados em qualquer arranjo ou modelo periódico, mas simplesmente por ordem crescente da sua massa atómica. Os químicos, ao estudar essa lista, concluíram que ela não estava muito clara, pois os elementos Cloro, Bromo e Iodo, que tinham propriedades químicas semelhantes, apresentavam massas atómicas muito separadas.
  6. 6. 3ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS JOHANN WOLFGANG DÖBEREINER, 1829 Em 1829, Johann Döbereiner observou que muitos dos elementos poderiam ser agrupados em tríades, ou seja grupos de três elementos com propriedades semelhantes, iniciando a noção de grupo. Por exemplo o lítio, sódio e potássio, foram agrupados como sendo metais reativos frágeis. Johann Döbereiner observou também que, quando organizados por peso atómico, o segundo membro de cada tríade tinha aproximadamente a média do primeiro e do terceiro, isto designa-se lei das tríades.
  7. 7. 4ª ORGANIZAÇÕES DE ELEMENTOS LEOPOLD GMELIN, 1843 / AUGUST KEKULÉ, 1858 O químico alemão Leopold Gmelin trabalhou com o sistema das tríades e por volta de 1843 ele tinha identificado dez tríades, três grupos de quatro, e um grupo de cinco. Jean Baptiste Dumas publicou um trabalho em 1857 descrevendo as relações entre os diversos grupos de metais. Embora houvesse diversos químicos capazes de identificar relações entre pequenos grupos de elementos, não havia ainda um esquema capaz de abranger todos eles. August Kekulé foi o primeiro químico a estudar as ligações existentes entre elementos, introduzindo assim o termo valência. O químico alemão Julius Meyer publicou uma tabela com os 49 elementos conhecidos organizados pela valência, esta revelava que os elementos com propriedades semelhantes frequentemente possuíam a mesma valência.
  8. 8. 5ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS ALEXANDRE BÉGUYER DE CHANCOURTOIS, 1862 Em 1862, Alexandre Béguyer de Chancourtois criou o modelo Parafuso Telúrico. Os elementos eram agrupados em ordem crescente de massa atómica por uma linha espiral em volta de um cilindro(em forma de um parafuso), em que havia 16 elementos em cada volta. Os elementos com características semelhantes ficavam em baixo de outros.
  9. 9. ALEXANDRE BÉGUYER DE CHANCOURTOIS Por exemplo, o Boro (B) está alinhado com o Alumínio (Al) e hoje esses dois elementos pertencem à mesma família (família 3) da Tabela Periódica.
  10. 10. 6ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS JOHN NEWLANDS, 1864 O químico inglês John Newlands publicou uma série de trabalhos de 1863 a 1866 que descreviam a sua tentativa de classificar os elementos. Numa tabela ele colocou os elementos agrupados de sete em sete, em ordem crescente de massa atómica, e reparou que o primeiro elemento tinha propriedades semelhantes ao oitavo, e assim por diante. Ele chamou de Lei das oitavas porque as características se repetiam de sete em sete, como as notas musicais. A Lei das oitavas tinha alguns erros, ela só funcionava corretamente nas duas primeiras oitavas. No entanto os elementos mantinham se na mesma coluna, mesmo não sendo com características semelhantes.
  11. 11. 7ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS LOTHAR MEYER, 1869 Meyer procurou calcular o volume atómico dos 63 elementos descobertos até então. Em 1869, Meyer mostrou a ligação de periodicidade entre volume atómico e massa atómica, traçando um gráfico destas propriedades. Após isso ele tentou mostrar a mesma ligação de periodicidade de outras propriedades dos elementos, em função da massa atómica. Praticamente na mesma época, Dmitri Mendeleev consegue mostrar uma ligação de periodicidade de várias propriedades dos elementos em função da massa atómica.
  12. 12. LOTHAR MEYER
  13. 13. 8ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS DMITRI MENDELEEV, 1869 Em 1869, Mendeleev enquanto escrevia o seu livro de química inorgânica, organizou os elementos na forma da tabela periódica atual. Mendeleev criou uma carta para cada um dos 63 elementos conhecidos. Cada carta continha o símbolo do elemento, a massa atómica e as suas propriedades químicas e físicas. Ordenou os 63 elementos químicos, por ordem crescente de peso atómico, de certa forma que, na vertical ficavam os elementos com propriedades químicas semelhantes, constituindo as famílias químicas. A classificação de Mendeleev deixava espaços vazios na tabela quando parecia que o elemento ainda não tinha sido descoberto, prevendo as propriedades do mesmo. Formou-se então a tabela periódica. A vantagem da tabela periódica de Mendeleev sobre as outras, é que esta mostrava semelhanças, não apenas em pequenos conjuntos como as tríades, mas semelhanças na vertical, horizontal e diagonal. Em 1906, Mendeleev recebeu o Prémio Nobel por este trabalho.
  14. 14. DMITRI MENDELEEV
  15. 15. 9ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS WILLIAM RAMSAY, 1894-1898 William Ramsay entre 1885 e 1890 publicou estudos sobre os óxidos de nitrogénio. Descobriu cinco elementos gasoso inertes, os gases nobres: o árgon em 1894 com a ajuda de Rayleigh; o hélio, em 1895 o crípton, o néon e o xénon, em 1898 com Morris Travers Recebeu o Nobel de Química de 1904, em reconhecimento de seus trabalhos sobre os gases e da determinação da posição que ocupam no sistema periódico.
  16. 16. Gases nobres WILLIAM RAMSAY
  17. 17. 10ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS HENRY MOSELEY, 1913 Em 1913, Henry Moseley examinou o espectro de raios x dos elementos, e descobriu que todos os átomos de um mesmo elemento químico apresentavam a mesma carga nuclear, portanto, tinham o mesmo número de protões, que consistem no número atómico do elemento. Foi o primeiro a conseguir determinar os números atómicos dos elementos com precisão. Não demorou muito tempo para que se chegasse à conclusão que os elementos ficariam num modelo mais regular, se tivessem organizados numa tabela por ordem crescente do seu número atómico, em vez da massa atómica. A lei periódica, estabelece que quando os elementos colocados numa lista, sequencialmente, em ordem crescente de seu número atómico, é observada uma repetição periódica nas suas propriedades.
  18. 18. HENRY MOSELEY
  19. 19. 11ª ORGANIZAÇÃO DE ELEMENTOS GLENN SEABORG, 1940… A última maior alteração na tabela periódica, resultou do trabalho de Glenn Seaborg. A partir da descoberta do plutónio em 1940, Seaborg descobriu todos os elementos transurânicos (elementos de números atómicos 94 até 102). Reconfigurou a tabela periódica colocando a série dos actinídeos abaixo da série dos lantanídeos. Em 1951, Seaborg recebeu o Prémio Nobel em química, pelo seu trabalho. O elemento 106 tabela periódica é chamado Seabórgio, em sua homenagem. O sistema de numeração dos grupos da tabela periódica, usados atualmente, são recomendados pela União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC).
  20. 20. GLENN SEABORG
  21. 21. TABELA PERIÓDICA
  22. 22. TABELA PERIÓDICA Os elementos estão colocados em faixas horizontais (períodos) e faixas verticais (grupos ou famílias). Num grupo, os elementos têm propriedades semelhantes e num período, as propriedades são diferentes. Na tabela há sete períodos e 18 grupos. FAMÍLIAS dos elementos mais conhecidas: -Metais Alcalino (Grupo 1) -Metais Alcalino-terrosos (Grupo 2) -Familia do oxigénio ou Calcogéneo (Grupo 16) -Halogéneos (Grupo 17) -Gases Nobres (Grupo 18)
  23. 23. TABELA PERIÓDICA Continuação… Configuração eletrónica- os diferente elementos podem agrupar-se em blocos designados por s, p, d, f, de acordo com a ultima orbital preenchida.
  24. 24. FIM

×