SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais
0
Físico-química
Relatórios das
Atividades
Laboratoriais
AL 1.1, 1.2, 1.3, 1.4
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11,
Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
1
Índice
A.L. 1.1 Queda livre
Questão-problema
Objetivos
Introdução
Questões pré-laboratoriais
Materiais
Procedimentos
Registo de dados
Discussão de dados
Conclusão
Questões pós-laboratoriais
A.L. 1.2 Será necessária uma força para que um corpo se mova?
 Objetivos
 Introdução
 Questões pré-laboratoriais
 Materiais
 Procedimentos
 Resultados
 Questões pós-laboratoriais
A.L. 1.3 Salto para a piscina
 Questão-problema
 Objetivos
 Introdução
 Questões pré-laboratoriais
 Materiais
 Procedimentos
 Esquema de montagem
 Resultados
 Discussão de resultados
 Questões pós-laboratoriais
 Conclusão
A.L. 1.4 Satélite geoestacionário
o Questão-problema
o Objetivos
o Introdução
o Questões pré-laboratoriais
o Materiais
o Procedimentos
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
2
o Registo de dados
o Discussão de dados
o Questões pós-laboratoriais
Bibliografia
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
3
A.L. 1.1 Queda livre
Questão-problema: Dois atletas com pesos diferentes, em queda livre,
experimentam ou não a mesma aceleração?
Objetivos: Demonstrar qual será a variação da aceleração entre dois corpos em
queda livre.
Introdução teórica:
Qualquer corpo situado no interior do campo gravítico terrestre encontra-se
submetido à acção da força da gravidade. A gravidade é uma força constante, vertical
dirigida para o centro da Terra.
A força gravítica provoca sempre a aceleração gravítica, aumentando o módulo das
velocidades na descida e diminuindo – o na subida. A aceleração gravítica representa-
se pela letra g, cujo valor depende do local onde o corpo é abandonado. Em locais
próximos da superfície terrestre, o seu valor é aproximadamente 9,8 m s-2.
Chama-se queda livre ao movimento de um corpo em direcção à terra apenas sujeito à
atração gravitacional.
Todos os corpos, independentemente do seu peso, forma ou tamanho e sempre que a
resistência do ar seja desprezável, caem com a mesma aceleração da gravidade e
chegam simultaneamente se forem largados ao mesmo tempo a partir da mesma
altura.
Como a força gravítica é constante, produz uma aceleração constante, e portanto,
todos os corpos caem em direcção à Terra com um movimento rectilíneo
uniformemente acelerado, se não houver outras forças que influenciem o movimento.
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
4
Questões pré-laboratoriais:
1 a) É um movimento retilíneo uniformemente acelerado.
1 b) É um movimento retilíneo uniformemente retardado.
1 c) Sim. Não cai pois possui uma determinada velocidade que lhe permite não cair em
direção ao Sol.
2) Para demonstrar que a massa é um termo desprezável no lançamento de um grave.
3) O objeto deve passar sobre a célula fotoelétrica de modo a que interrompa o feixe
de luz. Depois, analisa-se o tempo que a célula esteve interrompida através de um
marcador digital de tempo e mede-se o comprimento do objeto que interrompeu o
feixe de luz.
Para calcular a velocidade instantânea, servimo-nos da equação , e obtemos a
velocidade instantânea.
4) Respondida mais à frente no relatório.
Fg
av
Fg
v a
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
5
Materiais:
-Duas células fotoelétricas;
-Marcador digital de tempo;
-Duas esferas de diferentes diâmetros;
-Suporte universal;
-Tubo;
-Fita métrica.
Procedimentos:
1º - Monte devidamente todo o plano vertical, ligando as células fotoelétricas ao
marcador digital de tempo e prendendo-as ao suporte universal. A extremidade
inferior do tubo deve ser colocada diretamente sob as células fotoelétricas para
impedir que as esferas toquem nas mesmas.
2º - Identifique a massa de cada uma das esferas.
3º - Deixe cair através do tubo uma das esferas e registe o tempo que esta demora
passar entre as duas células. Repita três vezes.
4º - Repita o último passo, desta vez com a outra esfera.
Registo dos dados:
Esfera 1
Massa (kg) Distância
percorrida
entre
células (m)
Tempos (s) entre as duas células Tamanho
do tubo
(m)
Tempo
médio
da
queda
no
tubo
(s)
1º tempo 2º tempo 3º tempo Tempo
médio
0,00358 0,252 0,0999 0,1001 0,0993 0,0998 0,195 0,1135
Esfera 2
Massa (kg) Distância
percorrida
entre
células (m)
Tempos (s) entre as duas células Tamanho
do tubo
(m)
Tempo
médio
da
queda
no
tubo
(s)
1º tempo 2º tempo 3º tempo Tempo
médio
0,01350 0,252 0,1006 0,1034 0,1018 0,1019 0,195 0.1135
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
6
Discussão dos dados:
Calcular a aceleração das esferas durante a queda (resistência desprezável):
Esfera 1:
| |
Esfera 2:
| |
Conclusão:
A partir dos resultados do procedimento da esfera 1, obtivemos o valor de aceleração
de 9,825 m/ , com erro de 2,86%, relativamente ao valor teórico (9,8 m/ ):
| |
| |
E a partir dos resultados do procedimento da bola 2 obtivemos o valor médio de
aceleração de 9,629 m/s2, com erro de 6,12%, relativamente ao valor teórico (9,8
m/s2):
| |
Com uma incerteza absoluta de 0,26%, no procedimento da bola 1, e de 1,74%, no
procedimento da bola 2, podemos concluir respondendo ao problema que a massa em
nada influência o valor da aceleração, pois esta vai ser sempre igual em todo o planeta
(com algumas exceções), por isso a aceleração de um corpo em queda livre na terra, é
chamada de aceleração gravítica e em média tem o valor de 9,8 m . Todos os
objetos em queda livre, próximos da superfície da Terra e não sujeitos à resistência do
ar, caem com a mesma aceleração porque o valor de g não depende da massa do
objeto.
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
7
Podemos comprovar isso na fórmula seguinte:
Assim podemos concluir que todos os objetos em queda livre, próximo da superfície da
Terra e não sujeito à resistência do ar, caem com a mesma aceleração porque o valor
de g não depende da massa do objeto, dependendo sim da massa do planeta e da
distância entre os centros da massa do corpo e do planeta.
Questões pró-laboratoriais:
1) Aceleração esfera 1: 9,825 ; Aceleração esfera 2: 9,629
É sempre a mesma, pois é uma constante, independentemente dos pontos da
trajetória escolhidos.
3) 100
9,825 + 9,629) / 2) / 9,8
0,7%
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
8
A.L. 1.2 Será necessária uma força para que um
corpo se mova?
Objetivos: Demonstrar a necessidade (ou não) de uma força para que ocorra o
movimento de um corpo.
Introdução: Um dos grandes problemas para descrever as forças necessárias para o
movimento dos corpos tem ocupado milhares de cientistas ao longo dos últimos
milénios. No entanto, foi Newton que nos revelou a necessidade (ou não), de forças
para cada tipo de movimento, através das suas “3 Leis de Newton”.
O carro vai sofrer a ação de uma força, devido ao deslocamento do peso colocado do
outro lado da corda, sendo-lhe conferida velocidade. Assim, vai descrever um MRUA
(Movimento Retilíneo Uniformemente Acelerado) até que o peso embata no chão.
O que acontecerá ao carro depois de o peso cair?
Questões pré-laboratoriais:
1) Não, pois um corpo sem nenhuma força aplicada pode encontrar-se em repouso ou
adquirir um movimento retilíneo uniforme.
2) Aristóteles defendia que para um corpo se encontrar em movimento era
restritamente necessária uma força.
Galileu refutou esta ideia, pois descobriu a existência das forças de atrito. Assim,
calculou que se não houvesse força de atrito o corpo estaria sempre em movimento.
Newton não só concordou com as ideias de Galileu, como também elaborou equações
matemáticas para descrever este movimento, sendo por isto conhecida a 1ª Lei de
Newton.
3) Aristóteles – A
Galileu – B
Newton – C
4) Galileu demonstrou que um corpo poderia encontrar-se em movimento mesmo que
nenhuma força estivesse a atuar sobre ele.
5 a)
Fg B
N
T
Fg A
T
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
9
5 b) Assim, o conjunto move-se. É um movimento acelerado, portanto
a velocidade aumenta.
5 c) Atuam apenas a força gravítica e a reação normal, que se anulam. O corpo A passa
a ter um movimento retilíneo uniforme.
6 a) Carrinho,
6 b) Em ambos os casos, podemos utilizar o sensor CBR acoplado a uma calculadora
gráfica.
7) Poderá ser nula (corpo em repouso) ou constante (movimento retilíneo uniforme).
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
10
0
0,5
1
1,5
2
2,5
0 1,5 3 4,5 6
Distância(m)
Tempo (s)
Gráfico
posição/tempo
Material:
Carrinho com pino;
Superfície plana e lisa;
Corda ou fio;
Peso;
Roldana;
Calculadora com sistema CBR acoplado.
Procedimentos:
1º - Ligue a calculadora e ative o sistema CBR, deixando preparado para a análise da
velocidade e/ou tempo.
2º - Junte o pino do carro à corda numa extremidade e na outra acrescente o peso.
3º - Posicione todo o sistema sob uma superfície plana e lisa, de modo a que a corda
passe pela roldana e que o sistema CBR esteja diretamente colocado sob o carrinho. O
peso não pode tocar diretamente no chão.
4º - Acione o sistema CBR, e largue o peso.
5º - Repita o passo anterior até achar todos os dados necessitados.
Resultados:
Tempo (s) Distância
(m)
0 0,120
1,5 0,120
3 1
4,5 1,905
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
11
0; 0 1,5; 0
3; 0,66
4,5; 0,603
6; 00
0,1
0,2
0,3
0,4
0,5
0,6
0,7
0 1 2 3 4 5 6 7
Velocidade em função do tempo
Questões pós-laboratoriais:
1)
2) Não. Durante o intervalo [1,5 ; 3]s o movimento é retilíneo uniforme acelerado. No
intervalo [3 ; 4,5]s, o movimento é retilíneo uniforme. No resto do tempo o carro
encontra-se em repouso.
3) [ ]
[ ]
[ ]
4) Não. Se nenhuma força se manifestar no corpo, como acontece ao carrinho depois
de o peso ligado à corda cair no chão, o corpo continuará a mover-se, pois o atrito
seria desprezável. No entanto, sendo esta experiência feita na Terra, e visto que
nenhuma superfície seja polida o suficiente para não haver atrito, o carrinho vai
abrandando lentamente. Assim demonstra-se porque a aceleração é negativa e ínfima
no intervalo [3 ; 4,5]s.
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
12
A.L. 1.3 Salta para a piscina
Questão-problema: Que medidas adoptar na construção de um escorrega para
um aquaparque de modo que os utentes escorreguem em segurança?
Objetivo: Relacionar a velocidade de lançamento com o alcance horizontal obtido.
Introdução:
Pretende-se projectar de um escorrega para um aquaparque, de modo que os utentes
possam cair em segurança numa determinada zona da piscina. A rampa termina num
troço horizontal a uma altura apreciável da superfície da água.
A actividade consiste em interpretar o movimento de um projéctil lançado
horizontalmente como a sobreposição de dois movimentos. Sabemos que um corpo
lançado horizontalmente seguido de uma queda, é descrito como a constituição de
dois movimentos simultaneamente: movimento segundo a vertical e o movimento
segundo a horizontal.
No primeiro, o movimento será uniformemente acelerado, porque a força resultante
segundo a vertical é não-nula.
No segundo, o movimento é rectilíneo e uniforme, porque a resultante das forças que
actuam segundo a direcção horizontal é nula, logo a velocidade mantém-se constante.
Porém, para determinarmos o alcance máximo, vamos precisar das seguintes
equações, sendo estas as leis dos movimentos, horizontal e verticalmente,
respetivamente:
O alcance de um corpo lançado na horizontal é tanto maior quanto maior é a
velocidade inicial de lançamento. Para a mesma velocidade inicial, é tanto maior
quanto maior é a altura de queda
Podemos concluir as afirmações acima facilmente, trabalhando as equações de
movimento e estabelecendo as respectivas relações, assim considerando o instante
em que o corpo atinge o solo:
O alcance máximo atingido pelo corpo é calculado pela expressão:
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
13
Questões pré-laboratoriais:
1) Significa que é lançado num plano horizontal, descrevendo o mesmo tipo de
movimento de um projétil.
2) Horizontal: velocidade constante, movimento retilíneo uniforme
Vertical: velocidade aumenta ao longo do tempo, movimento retilíneo
uniformemente acelerado.
3 a)
3 b) Mais elevada pois apresentará uma energia potencial maior, e esta é diretamente
proporcional à altura.
3 c) Terá um maior alcance quanto maior for a velocidade com que abandona a base
da rampa.
3 d) Sim. Quanto maior for a velocidade à saída da rampa maior será a velocidade ao
atingir a água. (V= Vx+ Vy)
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
14
Material:
Calha circular;
Duas esferas metálicas de diâmetros diferentes;
Régua ou fita métrica;
Caixa de amparo;
Papel de alumínio;
Suportes universais;
Cronómetro.
Procedimento:
1º - Instalar a calha circular nos suportes universais, de modo a que a extremidade
coincida com a extremidade da mesa;
2º - Medir o comprimento da calha e a sua altura;
3º - Fazer um teste com uma das esferas para determinar onde colocar a caixa de
amparo;
4º - Cobrir a caixa de amparo com papel de alumínio para poder visualizar onde
embateu a esfera.
5º - Testar cada uma das esferas pelo menos 3 vezes e anotar o alcance e o tempo
devidos.
Esquema de Montagem:
Ponto de largada da esfera
1,5m
Caixa
1,40m 0,72m
0,57m
0,80m
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
15
Resultados:
Esfera pequena Esfera grande
Distância (m) Tempo (s) Distância (m) Tempo (s)
0,61 0,94 0,64 1,03
0,623 0,95 0,61 1,2
0,625 1 0,63 0,95
Discussão de resultados:
1º Teste:
2º Teste:
3º Teste:
1º Teste:
2º Teste:
3º Teste:
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
16
y = 13,647x + 0,8762
R² = 0,0362
0
2
4
6
8
10
12
0,605 0,61 0,615 0,62 0,625 0,63 0,635 0,64 0,645
Velocidade(m/s)
Alcançe (m)
Velocidade em funçaõ do alcance
Questões pós-laboratoriais:
1 –
Conclui-se que quanto maior a velocidade maior o alcance.
2 -
3 - Na construção de um escorrega num parque aquático deve-se ter em atenção a
altura de que é lançada a pessoa, a inclinação do escorrega e a massa máxima e
mínima das pessoas que o podem utilizá-lo.
Conclusão:
Com esta actividade experimental podemos concluir que o alcance de um projéctil
depende sempre da sua altura e da sua velocidade de lançamento. Podemos afirmar,
que o alcance atingido pelo corpo é directamente proporcional ao valor da velocidade
de saída da calha, ou seja, quando maior a altura, maior a será a velocidade de saída
da calha e por conseguinte, o alcance.
E para finalizar, concluímos também que as forças que actuam na esfera são o peso
(m.g) ou força gravítica e o atrito, porque os resultados obtidos deveriam ter sido
diferentes, porque a velocidade teria sido maior se a força de atrito fosse desprezável.
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
17
A.L. 1.4 Satélite geoestacionário
Questão-problema: Será que a velocidade de um satélite depende da sua
massa?
Objetivo: comparar o movimento de um satélite geoestacionário com o de um
corpo que se move com movimento circular e uniforme.
Introdução:
Um satélite geoestacionário descreve uma órbita aproximadamente circular à altitude
de 35 880 km e com período de 24h, independentemente da sua massa. Pretende-se
confrontar o movimento de um satélite de um satélite geoestacionário com o de um
corpo que se move com Movimento Circular Uniforme (MCU).
Questões pré-laboratoriais:
1 a) Ambas as forças a atuarem, tanto no carrinho, quanto no satélite , tem direção
radial, e sentido do centro de massa para centro, as forças são perpendiculares à
velocidade. A diferença é que no caso do satélite atua só uma força, que é a força
gravítica, que é uma força á distancia enquanto no carrinho, atua uma força de
contacto, pois está em contacto com o gira-discos.
1 b)
√ , logo a velocidade de um satélite
geoestacionário não depende da sua massa.
1 c) Com um cronómetro iria-se calcular quanto tempo uma rotação do gira discos
durava (período).
Para se determinar a frequência do gira-discos podemos aplicar a formula que se
segue: , em que f corresponde a frequência, T ao período, substituindo na
expressão o período pelo o tempo que uma rotação levava, chegar-se-ia ao valor da
frequência.
1 d) Depois de calculada a massa do carrinho e depois de lido o valor do dinamómetro,
iria-se aplicar a equação de 2ª Lei de Newton ( ), a partir desta equação podia-
se deduzir a aceleração do carrinho, , em que a é a aceleração do carrinho, F é a
força (lida pelo dinamómetro), e m a massa do carrinho.
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
18
2 a) A aceleração, dita centrípeta, é independente da massa, sendo dada por .
Assim , logo o valor da aceleração irá quadruplicar.
2 b) , assim a aceleração irá diminuir para metade.
Materiais:
-Rolha de borracha;
-Fio de nylon,
-Corpos metálicos de massas diferentes;
-Tubo;
-Fita métrica;
-Balança;
Cronómetro.
Procedimento:
1º - Pese a rolha de borracha,
2º - Faça passar o fio de nylon através do tubo de plástico.
3º - Numa das extremidades do fio de nylon, prenda a rolha de borracha e na outra
extremidade um corpo metálico, com a massa de 100g;
4º - Marque no fio, com caneta apropriada, um ponto do fio que permita definir um
raio de rotação;
5º - Faça rodar o corpo num plano horizontal situado por cima da sua cabeça de forma
que o movimento seja uniforme. Faça rodar a borracha de modo a que a marca
existente no fio de nylon coincida com a borda do tubo;
6º - Peça ao colega que ative o cronómetro e meça o tempo que o corpo demora a
descrever 20 voltas completas.
7º - Repita a experiência de modo a variar o raio da trajetória.
8º - Repita a experiência, com um corpo metálico de massa diferente.
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
19
Registo de dados:
Rolha de borracha pequena:
Massa da rolha (kg) Teste 3 Teste 4
Massa do corpo metálico: 0,150 kg
Raio: 1,08 m Raio: 0,32 m
0,02792 Tempo: 12,76 s Tempo: 7,38 s
Discussão de dados:
Frequência e período:
- Teste 1:
- Teste 2:
- Teste 3:
- Teste 4:
Velocidade angular:
-Teste 1: /s
-Teste 2: /s
-Teste 3: /s
-Teste 4: /s
Aceleração:
-Teste 1:
-Teste 2:
-Teste 3:
-Teste 4:
Massa da rolha (kg) Teste 1 Teste 2
Massa do corpo metálico: 0,1 kg
Raio: 0,65 m Raio: 0,17 m
0,0146 Tempo: 9,8 s Tempo: 6,33 s
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
20
Questões pós-laboratoriais:
1)
2) A partir da 2ª Lei de Newton, em que , sendo F a força resultante , m a
massa do corpo e a a aceleração que ele adquire, é possível com base nesta equação
calcular a aceleração, se soubermos a massa e a força, e podemos calcular a massa se
soubermos a aceleração e a força.
A aceleração relaciona-se com a massa da seguinte forma:
Através da 2ª Lei de Newton concluímos que a aceleração depende da massa do
objeto.
y = 164,79x + 3,4341
R² = 1
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
0 0,01 0,02 0,03 0,04 0,05
Aceleração(m/s2)
Massa (kg)
Aceleração em função da massa
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
21
3) Para acompanhar a rotação da Terra, o satélite geoestacionário deve ter valores de
velocidade v e altitude r que satisfaçam tanto a Lei da Gravitação Universal, quanto
as Leis do Movimento, propostas pelo físico inglês Isaac Newton.
A Terra de massa M atrai o satélite de massa m com uma força gravitacional Fg que,
além de depender do produto das massas M e m, depende ainda do inverso do
quadrado da distância r entre o planeta e o satélite. G é uma constante universal que
tem um valor muito pequeno: 6,7 x 10-11 Nm2kg-2.
A força gravítica, Fg, é a única que atua no satélite. Aproximando esta órbita para uma
circunferência, a força Fg passa a ter caráter exclusivo de força centrípeta, Fc, que
pode ser expressa por:
e
A fórmula da aceleração centrípeta é:
Assim:
√
Esta expressão matemática mostra-nos que a velocidade de um satélite não depende
da sua massa, mas da massa do planeta em torno do qual orbita e da distância a que
se encontra do centro do mesmo.
15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA
Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
22
Bibliografia:
- 11ºF, Física 11.º ano; Graça Ventura, Manuel Fiolhais, Carlos Fiolhais, João Paiva,
António José Ferreira; Texto Editora

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Relatório extração dna
Relatório extração dnaRelatório extração dna
Relatório extração dna
margaridabt
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 

Mais procurados (20)

Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de PerdiçãoResumo por Capítulos Amor de Perdição
Resumo por Capítulos Amor de Perdição
 
Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º ano
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Os Maias - personagens
Os Maias - personagensOs Maias - personagens
Os Maias - personagens
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Relatório extração dna
Relatório extração dnaRelatório extração dna
Relatório extração dna
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 

Destaque

Al2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitonaAl2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitona
Ana Garcez
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático
Rui Oliveira
 
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
sergioviroli
 
Relatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetroRelatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetro
ct-esma
 
8 fotossíntese e quimiossíntese
8   fotossíntese e quimiossíntese8   fotossíntese e quimiossíntese
8 fotossíntese e quimiossíntese
margaridabt
 
9 transporte nas plantas
9   transporte nas plantas9   transporte nas plantas
9 transporte nas plantas
margaridabt
 

Destaque (20)

Actividade laboratorial 1.1
Actividade laboratorial 1.1Actividade laboratorial 1.1
Actividade laboratorial 1.1
 
Al2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitonaAl2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitona
 
AL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11ºAL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11º
 
AL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11ºAL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11º
 
Meiose em Células de Anteras
Meiose em Células de AnterasMeiose em Células de Anteras
Meiose em Células de Anteras
 
Queda livre - Físico Química 11ºano
Queda livre - Físico Química 11ºanoQueda livre - Físico Química 11ºano
Queda livre - Físico Química 11ºano
 
Al13 quimica 11_ano
Al13 quimica 11_anoAl13 quimica 11_ano
Al13 quimica 11_ano
 
Actividade laboratorial 1.3 - Salto para a piscina
Actividade laboratorial 1.3 - Salto para a piscinaActividade laboratorial 1.3 - Salto para a piscina
Actividade laboratorial 1.3 - Salto para a piscina
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas Relatório Densidade de amostras desconhecidas
Relatório Densidade de amostras desconhecidas
 
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
Determinação da densidade por picnometro experiencia 5 20091
 
Relatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetroRelatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetro
 
8 fotossíntese e quimiossíntese
8   fotossíntese e quimiossíntese8   fotossíntese e quimiossíntese
8 fotossíntese e quimiossíntese
 
BioGeo11-mitose
BioGeo11-mitoseBioGeo11-mitose
BioGeo11-mitose
 
9 transporte nas plantas
9   transporte nas plantas9   transporte nas plantas
9 transporte nas plantas
 
BioGeo11-reprodução assexuada
BioGeo11-reprodução assexuadaBioGeo11-reprodução assexuada
BioGeo11-reprodução assexuada
 
BioGeo11-estrutura adn
BioGeo11-estrutura adnBioGeo11-estrutura adn
BioGeo11-estrutura adn
 
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese ProteicaBioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
BioGeo11-Replicação do ADN e Síntese Proteica
 

Semelhante a Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º

Relatório 2ª lei de newton turma t5
Relatório 2ª lei de newton   turma t5Relatório 2ª lei de newton   turma t5
Relatório 2ª lei de newton turma t5
Roberto Leao
 
Queda livre
Queda livre Queda livre
Queda livre
Richard
 
Fisica11 vol 1[1]
Fisica11 vol 1[1]Fisica11 vol 1[1]
Fisica11 vol 1[1]
Paulo Souto
 
Psa 8 revisões unidade 1
Psa 8   revisões unidade 1Psa 8   revisões unidade 1
Psa 8 revisões unidade 1
Fisica-Quimica
 
Relatório atrito viscoso turma t5
Relatório atrito viscoso   turma t5Relatório atrito viscoso   turma t5
Relatório atrito viscoso turma t5
Roberto Leao
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
luam1969
 
Movimento variado
Movimento variadoMovimento variado
Movimento variado
fisicaatual
 

Semelhante a Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º (20)

Relatório 2ª lei de newton turma t5
Relatório 2ª lei de newton   turma t5Relatório 2ª lei de newton   turma t5
Relatório 2ª lei de newton turma t5
 
Queda livre
Queda livre Queda livre
Queda livre
 
aula4-2020-2.pdf
aula4-2020-2.pdfaula4-2020-2.pdf
aula4-2020-2.pdf
 
Física 11º ano A.L. 1.1 Queda-livre
Física 11º ano A.L. 1.1 Queda-livreFísica 11º ano A.L. 1.1 Queda-livre
Física 11º ano A.L. 1.1 Queda-livre
 
AL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11ºAL 1.1 queda livre- Física 11º
AL 1.1 queda livre- Física 11º
 
Fisica11 vol 1[1]
Fisica11 vol 1[1]Fisica11 vol 1[1]
Fisica11 vol 1[1]
 
Atividade PhET - Movimento dos Corpos.pptx
Atividade PhET - Movimento dos Corpos.pptxAtividade PhET - Movimento dos Corpos.pptx
Atividade PhET - Movimento dos Corpos.pptx
 
Psa 8 revisões unidade 1
Psa 8   revisões unidade 1Psa 8   revisões unidade 1
Psa 8 revisões unidade 1
 
Atividade PhET - Cinemática.pptx
Atividade PhET - Cinemática.pptxAtividade PhET - Cinemática.pptx
Atividade PhET - Cinemática.pptx
 
TL I.4 - Pêndulo Gravítico
TL I.4 - Pêndulo GravíticoTL I.4 - Pêndulo Gravítico
TL I.4 - Pêndulo Gravítico
 
Experimento de Coeficiente de Atrito - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Experimento de Coeficiente de Atrito - Renata Pontes Araújo (201103535-8)Experimento de Coeficiente de Atrito - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Experimento de Coeficiente de Atrito - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
 
Aula 4 - Movimento Retilíneo - Física - PVSJ - Prof Elvis
Aula 4 - Movimento Retilíneo - Física - PVSJ - Prof ElvisAula 4 - Movimento Retilíneo - Física - PVSJ - Prof Elvis
Aula 4 - Movimento Retilíneo - Física - PVSJ - Prof Elvis
 
T1 15 10_2014_v1
T1 15 10_2014_v1T1 15 10_2014_v1
T1 15 10_2014_v1
 
Aula: complementação do conteúdo programático do colégio Embraer
Aula: complementação do conteúdo programático do colégio EmbraerAula: complementação do conteúdo programático do colégio Embraer
Aula: complementação do conteúdo programático do colégio Embraer
 
Plano B - Física - Professor George - Etapa Pré-vestibular
Plano B  -  Física - Professor George - Etapa Pré-vestibularPlano B  -  Física - Professor George - Etapa Pré-vestibular
Plano B - Física - Professor George - Etapa Pré-vestibular
 
1.ª e 2.º lei de newton.pptx
1.ª e 2.º lei de newton.pptx1.ª e 2.º lei de newton.pptx
1.ª e 2.º lei de newton.pptx
 
Relatorio fisica 1 movimento em meio viscoso1
Relatorio fisica 1   movimento em meio viscoso1Relatorio fisica 1   movimento em meio viscoso1
Relatorio fisica 1 movimento em meio viscoso1
 
Relatório atrito viscoso turma t5
Relatório atrito viscoso   turma t5Relatório atrito viscoso   turma t5
Relatório atrito viscoso turma t5
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
 
Movimento variado
Movimento variadoMovimento variado
Movimento variado
 

Mais de Ricardo Dias (8)

Métodos contracetivos mecânicos, fisícos ou de barreira
Métodos contracetivos mecânicos, fisícos ou de barreiraMétodos contracetivos mecânicos, fisícos ou de barreira
Métodos contracetivos mecânicos, fisícos ou de barreira
 
Amoníaco 11º
Amoníaco 11ºAmoníaco 11º
Amoníaco 11º
 
Atividade Geológica de um Rio
Atividade Geológica de um RioAtividade Geológica de um Rio
Atividade Geológica de um Rio
 
Amplitudes Térmicas no Deserto
Amplitudes Térmicas no DesertoAmplitudes Térmicas no Deserto
Amplitudes Térmicas no Deserto
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
A Comunicação e Manipulação dos Mass Media
A Comunicação e Manipulação dos Mass MediaA Comunicação e Manipulação dos Mass Media
A Comunicação e Manipulação dos Mass Media
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º

  • 1. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais 0 Físico-química Relatórios das Atividades Laboratoriais AL 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14
  • 2. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 1 Índice A.L. 1.1 Queda livre Questão-problema Objetivos Introdução Questões pré-laboratoriais Materiais Procedimentos Registo de dados Discussão de dados Conclusão Questões pós-laboratoriais A.L. 1.2 Será necessária uma força para que um corpo se mova?  Objetivos  Introdução  Questões pré-laboratoriais  Materiais  Procedimentos  Resultados  Questões pós-laboratoriais A.L. 1.3 Salto para a piscina  Questão-problema  Objetivos  Introdução  Questões pré-laboratoriais  Materiais  Procedimentos  Esquema de montagem  Resultados  Discussão de resultados  Questões pós-laboratoriais  Conclusão A.L. 1.4 Satélite geoestacionário o Questão-problema o Objetivos o Introdução o Questões pré-laboratoriais o Materiais o Procedimentos
  • 3. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 2 o Registo de dados o Discussão de dados o Questões pós-laboratoriais Bibliografia
  • 4. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 3 A.L. 1.1 Queda livre Questão-problema: Dois atletas com pesos diferentes, em queda livre, experimentam ou não a mesma aceleração? Objetivos: Demonstrar qual será a variação da aceleração entre dois corpos em queda livre. Introdução teórica: Qualquer corpo situado no interior do campo gravítico terrestre encontra-se submetido à acção da força da gravidade. A gravidade é uma força constante, vertical dirigida para o centro da Terra. A força gravítica provoca sempre a aceleração gravítica, aumentando o módulo das velocidades na descida e diminuindo – o na subida. A aceleração gravítica representa- se pela letra g, cujo valor depende do local onde o corpo é abandonado. Em locais próximos da superfície terrestre, o seu valor é aproximadamente 9,8 m s-2. Chama-se queda livre ao movimento de um corpo em direcção à terra apenas sujeito à atração gravitacional. Todos os corpos, independentemente do seu peso, forma ou tamanho e sempre que a resistência do ar seja desprezável, caem com a mesma aceleração da gravidade e chegam simultaneamente se forem largados ao mesmo tempo a partir da mesma altura. Como a força gravítica é constante, produz uma aceleração constante, e portanto, todos os corpos caem em direcção à Terra com um movimento rectilíneo uniformemente acelerado, se não houver outras forças que influenciem o movimento.
  • 5. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 4 Questões pré-laboratoriais: 1 a) É um movimento retilíneo uniformemente acelerado. 1 b) É um movimento retilíneo uniformemente retardado. 1 c) Sim. Não cai pois possui uma determinada velocidade que lhe permite não cair em direção ao Sol. 2) Para demonstrar que a massa é um termo desprezável no lançamento de um grave. 3) O objeto deve passar sobre a célula fotoelétrica de modo a que interrompa o feixe de luz. Depois, analisa-se o tempo que a célula esteve interrompida através de um marcador digital de tempo e mede-se o comprimento do objeto que interrompeu o feixe de luz. Para calcular a velocidade instantânea, servimo-nos da equação , e obtemos a velocidade instantânea. 4) Respondida mais à frente no relatório. Fg av Fg v a
  • 6. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 5 Materiais: -Duas células fotoelétricas; -Marcador digital de tempo; -Duas esferas de diferentes diâmetros; -Suporte universal; -Tubo; -Fita métrica. Procedimentos: 1º - Monte devidamente todo o plano vertical, ligando as células fotoelétricas ao marcador digital de tempo e prendendo-as ao suporte universal. A extremidade inferior do tubo deve ser colocada diretamente sob as células fotoelétricas para impedir que as esferas toquem nas mesmas. 2º - Identifique a massa de cada uma das esferas. 3º - Deixe cair através do tubo uma das esferas e registe o tempo que esta demora passar entre as duas células. Repita três vezes. 4º - Repita o último passo, desta vez com a outra esfera. Registo dos dados: Esfera 1 Massa (kg) Distância percorrida entre células (m) Tempos (s) entre as duas células Tamanho do tubo (m) Tempo médio da queda no tubo (s) 1º tempo 2º tempo 3º tempo Tempo médio 0,00358 0,252 0,0999 0,1001 0,0993 0,0998 0,195 0,1135 Esfera 2 Massa (kg) Distância percorrida entre células (m) Tempos (s) entre as duas células Tamanho do tubo (m) Tempo médio da queda no tubo (s) 1º tempo 2º tempo 3º tempo Tempo médio 0,01350 0,252 0,1006 0,1034 0,1018 0,1019 0,195 0.1135
  • 7. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 6 Discussão dos dados: Calcular a aceleração das esferas durante a queda (resistência desprezável): Esfera 1: | | Esfera 2: | | Conclusão: A partir dos resultados do procedimento da esfera 1, obtivemos o valor de aceleração de 9,825 m/ , com erro de 2,86%, relativamente ao valor teórico (9,8 m/ ): | | | | E a partir dos resultados do procedimento da bola 2 obtivemos o valor médio de aceleração de 9,629 m/s2, com erro de 6,12%, relativamente ao valor teórico (9,8 m/s2): | | Com uma incerteza absoluta de 0,26%, no procedimento da bola 1, e de 1,74%, no procedimento da bola 2, podemos concluir respondendo ao problema que a massa em nada influência o valor da aceleração, pois esta vai ser sempre igual em todo o planeta (com algumas exceções), por isso a aceleração de um corpo em queda livre na terra, é chamada de aceleração gravítica e em média tem o valor de 9,8 m . Todos os objetos em queda livre, próximos da superfície da Terra e não sujeitos à resistência do ar, caem com a mesma aceleração porque o valor de g não depende da massa do objeto.
  • 8. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 7 Podemos comprovar isso na fórmula seguinte: Assim podemos concluir que todos os objetos em queda livre, próximo da superfície da Terra e não sujeito à resistência do ar, caem com a mesma aceleração porque o valor de g não depende da massa do objeto, dependendo sim da massa do planeta e da distância entre os centros da massa do corpo e do planeta. Questões pró-laboratoriais: 1) Aceleração esfera 1: 9,825 ; Aceleração esfera 2: 9,629 É sempre a mesma, pois é uma constante, independentemente dos pontos da trajetória escolhidos. 3) 100 9,825 + 9,629) / 2) / 9,8 0,7%
  • 9. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 8 A.L. 1.2 Será necessária uma força para que um corpo se mova? Objetivos: Demonstrar a necessidade (ou não) de uma força para que ocorra o movimento de um corpo. Introdução: Um dos grandes problemas para descrever as forças necessárias para o movimento dos corpos tem ocupado milhares de cientistas ao longo dos últimos milénios. No entanto, foi Newton que nos revelou a necessidade (ou não), de forças para cada tipo de movimento, através das suas “3 Leis de Newton”. O carro vai sofrer a ação de uma força, devido ao deslocamento do peso colocado do outro lado da corda, sendo-lhe conferida velocidade. Assim, vai descrever um MRUA (Movimento Retilíneo Uniformemente Acelerado) até que o peso embata no chão. O que acontecerá ao carro depois de o peso cair? Questões pré-laboratoriais: 1) Não, pois um corpo sem nenhuma força aplicada pode encontrar-se em repouso ou adquirir um movimento retilíneo uniforme. 2) Aristóteles defendia que para um corpo se encontrar em movimento era restritamente necessária uma força. Galileu refutou esta ideia, pois descobriu a existência das forças de atrito. Assim, calculou que se não houvesse força de atrito o corpo estaria sempre em movimento. Newton não só concordou com as ideias de Galileu, como também elaborou equações matemáticas para descrever este movimento, sendo por isto conhecida a 1ª Lei de Newton. 3) Aristóteles – A Galileu – B Newton – C 4) Galileu demonstrou que um corpo poderia encontrar-se em movimento mesmo que nenhuma força estivesse a atuar sobre ele. 5 a) Fg B N T Fg A T
  • 10. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 9 5 b) Assim, o conjunto move-se. É um movimento acelerado, portanto a velocidade aumenta. 5 c) Atuam apenas a força gravítica e a reação normal, que se anulam. O corpo A passa a ter um movimento retilíneo uniforme. 6 a) Carrinho, 6 b) Em ambos os casos, podemos utilizar o sensor CBR acoplado a uma calculadora gráfica. 7) Poderá ser nula (corpo em repouso) ou constante (movimento retilíneo uniforme).
  • 11. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 10 0 0,5 1 1,5 2 2,5 0 1,5 3 4,5 6 Distância(m) Tempo (s) Gráfico posição/tempo Material: Carrinho com pino; Superfície plana e lisa; Corda ou fio; Peso; Roldana; Calculadora com sistema CBR acoplado. Procedimentos: 1º - Ligue a calculadora e ative o sistema CBR, deixando preparado para a análise da velocidade e/ou tempo. 2º - Junte o pino do carro à corda numa extremidade e na outra acrescente o peso. 3º - Posicione todo o sistema sob uma superfície plana e lisa, de modo a que a corda passe pela roldana e que o sistema CBR esteja diretamente colocado sob o carrinho. O peso não pode tocar diretamente no chão. 4º - Acione o sistema CBR, e largue o peso. 5º - Repita o passo anterior até achar todos os dados necessitados. Resultados: Tempo (s) Distância (m) 0 0,120 1,5 0,120 3 1 4,5 1,905
  • 12. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 11 0; 0 1,5; 0 3; 0,66 4,5; 0,603 6; 00 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0 1 2 3 4 5 6 7 Velocidade em função do tempo Questões pós-laboratoriais: 1) 2) Não. Durante o intervalo [1,5 ; 3]s o movimento é retilíneo uniforme acelerado. No intervalo [3 ; 4,5]s, o movimento é retilíneo uniforme. No resto do tempo o carro encontra-se em repouso. 3) [ ] [ ] [ ] 4) Não. Se nenhuma força se manifestar no corpo, como acontece ao carrinho depois de o peso ligado à corda cair no chão, o corpo continuará a mover-se, pois o atrito seria desprezável. No entanto, sendo esta experiência feita na Terra, e visto que nenhuma superfície seja polida o suficiente para não haver atrito, o carrinho vai abrandando lentamente. Assim demonstra-se porque a aceleração é negativa e ínfima no intervalo [3 ; 4,5]s.
  • 13. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 12 A.L. 1.3 Salta para a piscina Questão-problema: Que medidas adoptar na construção de um escorrega para um aquaparque de modo que os utentes escorreguem em segurança? Objetivo: Relacionar a velocidade de lançamento com o alcance horizontal obtido. Introdução: Pretende-se projectar de um escorrega para um aquaparque, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina. A rampa termina num troço horizontal a uma altura apreciável da superfície da água. A actividade consiste em interpretar o movimento de um projéctil lançado horizontalmente como a sobreposição de dois movimentos. Sabemos que um corpo lançado horizontalmente seguido de uma queda, é descrito como a constituição de dois movimentos simultaneamente: movimento segundo a vertical e o movimento segundo a horizontal. No primeiro, o movimento será uniformemente acelerado, porque a força resultante segundo a vertical é não-nula. No segundo, o movimento é rectilíneo e uniforme, porque a resultante das forças que actuam segundo a direcção horizontal é nula, logo a velocidade mantém-se constante. Porém, para determinarmos o alcance máximo, vamos precisar das seguintes equações, sendo estas as leis dos movimentos, horizontal e verticalmente, respetivamente: O alcance de um corpo lançado na horizontal é tanto maior quanto maior é a velocidade inicial de lançamento. Para a mesma velocidade inicial, é tanto maior quanto maior é a altura de queda Podemos concluir as afirmações acima facilmente, trabalhando as equações de movimento e estabelecendo as respectivas relações, assim considerando o instante em que o corpo atinge o solo: O alcance máximo atingido pelo corpo é calculado pela expressão:
  • 14. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 13 Questões pré-laboratoriais: 1) Significa que é lançado num plano horizontal, descrevendo o mesmo tipo de movimento de um projétil. 2) Horizontal: velocidade constante, movimento retilíneo uniforme Vertical: velocidade aumenta ao longo do tempo, movimento retilíneo uniformemente acelerado. 3 a) 3 b) Mais elevada pois apresentará uma energia potencial maior, e esta é diretamente proporcional à altura. 3 c) Terá um maior alcance quanto maior for a velocidade com que abandona a base da rampa. 3 d) Sim. Quanto maior for a velocidade à saída da rampa maior será a velocidade ao atingir a água. (V= Vx+ Vy)
  • 15. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 14 Material: Calha circular; Duas esferas metálicas de diâmetros diferentes; Régua ou fita métrica; Caixa de amparo; Papel de alumínio; Suportes universais; Cronómetro. Procedimento: 1º - Instalar a calha circular nos suportes universais, de modo a que a extremidade coincida com a extremidade da mesa; 2º - Medir o comprimento da calha e a sua altura; 3º - Fazer um teste com uma das esferas para determinar onde colocar a caixa de amparo; 4º - Cobrir a caixa de amparo com papel de alumínio para poder visualizar onde embateu a esfera. 5º - Testar cada uma das esferas pelo menos 3 vezes e anotar o alcance e o tempo devidos. Esquema de Montagem: Ponto de largada da esfera 1,5m Caixa 1,40m 0,72m 0,57m 0,80m
  • 16. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 15 Resultados: Esfera pequena Esfera grande Distância (m) Tempo (s) Distância (m) Tempo (s) 0,61 0,94 0,64 1,03 0,623 0,95 0,61 1,2 0,625 1 0,63 0,95 Discussão de resultados: 1º Teste: 2º Teste: 3º Teste: 1º Teste: 2º Teste: 3º Teste:
  • 17. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 16 y = 13,647x + 0,8762 R² = 0,0362 0 2 4 6 8 10 12 0,605 0,61 0,615 0,62 0,625 0,63 0,635 0,64 0,645 Velocidade(m/s) Alcançe (m) Velocidade em funçaõ do alcance Questões pós-laboratoriais: 1 – Conclui-se que quanto maior a velocidade maior o alcance. 2 - 3 - Na construção de um escorrega num parque aquático deve-se ter em atenção a altura de que é lançada a pessoa, a inclinação do escorrega e a massa máxima e mínima das pessoas que o podem utilizá-lo. Conclusão: Com esta actividade experimental podemos concluir que o alcance de um projéctil depende sempre da sua altura e da sua velocidade de lançamento. Podemos afirmar, que o alcance atingido pelo corpo é directamente proporcional ao valor da velocidade de saída da calha, ou seja, quando maior a altura, maior a será a velocidade de saída da calha e por conseguinte, o alcance. E para finalizar, concluímos também que as forças que actuam na esfera são o peso (m.g) ou força gravítica e o atrito, porque os resultados obtidos deveriam ter sido diferentes, porque a velocidade teria sido maior se a força de atrito fosse desprezável.
  • 18. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 17 A.L. 1.4 Satélite geoestacionário Questão-problema: Será que a velocidade de um satélite depende da sua massa? Objetivo: comparar o movimento de um satélite geoestacionário com o de um corpo que se move com movimento circular e uniforme. Introdução: Um satélite geoestacionário descreve uma órbita aproximadamente circular à altitude de 35 880 km e com período de 24h, independentemente da sua massa. Pretende-se confrontar o movimento de um satélite de um satélite geoestacionário com o de um corpo que se move com Movimento Circular Uniforme (MCU). Questões pré-laboratoriais: 1 a) Ambas as forças a atuarem, tanto no carrinho, quanto no satélite , tem direção radial, e sentido do centro de massa para centro, as forças são perpendiculares à velocidade. A diferença é que no caso do satélite atua só uma força, que é a força gravítica, que é uma força á distancia enquanto no carrinho, atua uma força de contacto, pois está em contacto com o gira-discos. 1 b) √ , logo a velocidade de um satélite geoestacionário não depende da sua massa. 1 c) Com um cronómetro iria-se calcular quanto tempo uma rotação do gira discos durava (período). Para se determinar a frequência do gira-discos podemos aplicar a formula que se segue: , em que f corresponde a frequência, T ao período, substituindo na expressão o período pelo o tempo que uma rotação levava, chegar-se-ia ao valor da frequência. 1 d) Depois de calculada a massa do carrinho e depois de lido o valor do dinamómetro, iria-se aplicar a equação de 2ª Lei de Newton ( ), a partir desta equação podia- se deduzir a aceleração do carrinho, , em que a é a aceleração do carrinho, F é a força (lida pelo dinamómetro), e m a massa do carrinho.
  • 19. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 18 2 a) A aceleração, dita centrípeta, é independente da massa, sendo dada por . Assim , logo o valor da aceleração irá quadruplicar. 2 b) , assim a aceleração irá diminuir para metade. Materiais: -Rolha de borracha; -Fio de nylon, -Corpos metálicos de massas diferentes; -Tubo; -Fita métrica; -Balança; Cronómetro. Procedimento: 1º - Pese a rolha de borracha, 2º - Faça passar o fio de nylon através do tubo de plástico. 3º - Numa das extremidades do fio de nylon, prenda a rolha de borracha e na outra extremidade um corpo metálico, com a massa de 100g; 4º - Marque no fio, com caneta apropriada, um ponto do fio que permita definir um raio de rotação; 5º - Faça rodar o corpo num plano horizontal situado por cima da sua cabeça de forma que o movimento seja uniforme. Faça rodar a borracha de modo a que a marca existente no fio de nylon coincida com a borda do tubo; 6º - Peça ao colega que ative o cronómetro e meça o tempo que o corpo demora a descrever 20 voltas completas. 7º - Repita a experiência de modo a variar o raio da trajetória. 8º - Repita a experiência, com um corpo metálico de massa diferente.
  • 20. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 19 Registo de dados: Rolha de borracha pequena: Massa da rolha (kg) Teste 3 Teste 4 Massa do corpo metálico: 0,150 kg Raio: 1,08 m Raio: 0,32 m 0,02792 Tempo: 12,76 s Tempo: 7,38 s Discussão de dados: Frequência e período: - Teste 1: - Teste 2: - Teste 3: - Teste 4: Velocidade angular: -Teste 1: /s -Teste 2: /s -Teste 3: /s -Teste 4: /s Aceleração: -Teste 1: -Teste 2: -Teste 3: -Teste 4: Massa da rolha (kg) Teste 1 Teste 2 Massa do corpo metálico: 0,1 kg Raio: 0,65 m Raio: 0,17 m 0,0146 Tempo: 9,8 s Tempo: 6,33 s
  • 21. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 20 Questões pós-laboratoriais: 1) 2) A partir da 2ª Lei de Newton, em que , sendo F a força resultante , m a massa do corpo e a a aceleração que ele adquire, é possível com base nesta equação calcular a aceleração, se soubermos a massa e a força, e podemos calcular a massa se soubermos a aceleração e a força. A aceleração relaciona-se com a massa da seguinte forma: Através da 2ª Lei de Newton concluímos que a aceleração depende da massa do objeto. y = 164,79x + 3,4341 R² = 1 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 0 0,01 0,02 0,03 0,04 0,05 Aceleração(m/s2) Massa (kg) Aceleração em função da massa
  • 22. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 21 3) Para acompanhar a rotação da Terra, o satélite geoestacionário deve ter valores de velocidade v e altitude r que satisfaçam tanto a Lei da Gravitação Universal, quanto as Leis do Movimento, propostas pelo físico inglês Isaac Newton. A Terra de massa M atrai o satélite de massa m com uma força gravitacional Fg que, além de depender do produto das massas M e m, depende ainda do inverso do quadrado da distância r entre o planeta e o satélite. G é uma constante universal que tem um valor muito pequeno: 6,7 x 10-11 Nm2kg-2. A força gravítica, Fg, é a única que atua no satélite. Aproximando esta órbita para uma circunferência, a força Fg passa a ter caráter exclusivo de força centrípeta, Fc, que pode ser expressa por: e A fórmula da aceleração centrípeta é: Assim: √ Esta expressão matemática mostra-nos que a velocidade de um satélite não depende da sua massa, mas da massa do planeta em torno do qual orbita e da distância a que se encontra do centro do mesmo.
  • 23. 15/11/2013 – Relatório das Atividades Laboratoriais – 11ºA Filipe Simões nº5 , Nuno Costa nº11, Ricardo Dias nº13 e Rodrigo Caetano nº14 22 Bibliografia: - 11ºF, Física 11.º ano; Graça Ventura, Manuel Fiolhais, Carlos Fiolhais, João Paiva, António José Ferreira; Texto Editora