SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
1
10ºano Curso de Tecnologia e SegurançaAlimentar
Relatório (nº1) da disciplina de
Métodos e Técnicas Instrumentais de Analise
Determinação do ponto de ebulição do álcool
etílico 96% pela técnica tradicional
Beatriz Cunha nº7
Aluno X nº --
Aluno Y nº--
Aluno Z nº-- 10ºTSA.1
2
Índice
Objectivos do trabalho………………………………………..………………….P.3
Introdução teórica………………………………………….…………….………..P.3
Material/reagentes………………………………………………….….….………P.4
Procedimento experimental……………………………………....….……...P.6
Esquema de montagem……………………………………………….………...P.6
Registo de observações……………………………………………………….….P.7
Registo de medições……………………………………………………………….P.8
Conclusão…………………………………………………………………..………..…P.9
Crítica dos resultados……………..……………………………………………...P.9
Bibliografia……………………………………………………………………….....P.10
3
Objetivos do trabalho
 Determinar o ponto de ebulição do álcool etílico 96%;
 Cumprir regras de segurança no laboratório;
 Desenvolver o espírito crítico e científico;
 Conhecer o material de laboratório de uso mais corrente.
Introdução teórica
O ponto de ebulição de uma substância na fase líquida é a
temperatura à qual a pressão do seu vapor iguala a pressão
atmosférica, ou seja, a substancia passa do estado líquido para o
gasoso.
A elevação da temperatura do líquido provoca um aumento
da pressão de vapor até igualar a pressão atmosférica – dá-se a
vaporização não somente à sua superfície, mas em toda a massa
líquida de forma tumultuosa.
O ponto de ebulição de um liquido depende, assim, da
pressão atmosférica do local em que e determinado.
Numa substância pura, a variação do seu ponto de ebulição
nunca é superior a 1°C, caso contrário a substancia não seria
pura.
O álcool etílico, etanol, tem fórmula química C2 H6O. Tem
ponto de ebulição 78.3o
C e ponto de fusão -112o
C.
É um solvente orgânico, miscível em água. Em condições
normais, é um líquido incolor com um odor caraterístico.
4
Material/reagentes
 Placa de aquecimento
 Gobelé de 1000ml (1l)
 Tubo de ensaio
 Rolha de cortiça furada
 Capilares
 Suporte universal
 Noz e garra
 Termómetro
 Cronómetro
 Água destilada
 Álcool etílico 96%
Tubo de ensaio
Termómetro
Suporte
Universal
5
Placa de aquecimento
Garra
Noz
Capilar
Gobelé de 1oooml
6
Procedimento experimental
 Efectuou-se a montagem do material;
 Colocou-se água destilada no gobelé até que o tubo de
ensaio ficasse parcialmente submerso;
 Colocou-se álcool no tubo de ensaio (submerso na agua);
 Tapou-se o tubo de ensaio com a rolha furada onde se
colocaram 2 capilares; (os capilares têm como função diminuir a
pressão do vapor dentro do tubo, equilibrando-a em relação à
pressão ambiente)
 Ligou-se a placa de aquecimento
 De minuto em minuto mediu-se e registou-se a
temperatura, até o álcool entrar em ebulição.
Esquema de montagem
O esquema de montagem do
material utilizado para a
realização do trabalho
experimental foi o representado
na fotografia ao lado.
7
Registo de observações
A temperatura inicial do álcool etílico era de 18ºC e esta
temperatura manteve-se constante durante 4 minutos.
Aos 21 minutos a substância começou a evaporar, o que
significa que se atingiu o ponto de ebulição da substância a uma
temperatura de 80,5ºC aos 21 minutos.
Dos 22 aos 45 minutos, a temperatura de 80,5ºC manteve-
se constante.
A partir do minuto 46, a temperatura subiu 0,3ºc e
manteve-se constante até ao fim da experiência.
8
Registo de medições
Tempo
(minutos)
1 2 4 6 8 10 12
Temperatura
(célsius)
18,0o
C 18,0o
C 18,0o
C 19,0o
C 20,0o
C 23,0o
C 30,0o
C
14 16 18 20 22 24 26 28
36,0o
C 75,0o
C 78,0o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C
30 32 34 36 38 40 42 44
80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C 80,5o
C
46 48 50 52
80,9o
C 80,9o
C 80,9o
C 80,9o
C
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 42 44 46 48 50 52
Temperatura(Celsius)
Tempo (minutos)
Ponto de ebulição
Solução de álcool
9
Conclusão
O nosso trabalho foi realizado com sucesso, cumprimos
todos os objetivos estabelecidos. Com os resultados
experimentais, obtivemos um gráfico da temperatura em relação
ao tempo, onde se verifica uma diferença no ponto de ebulição
do álcool puro (78.3o
C) e da solução utilizada.
O valor que obtivemos para o ponto de ebulição foi de
80.5o
C. Assim, podemos concluir que a temperatura de ebulição
de uma solução é diferente da temperatura de ebulição do
solvente puro.
Crítica dos resultados
Como já foi referido anteriormente, na conclusão, o valor
por nós obtido para o ponto de ebulição do álcool etílico foi de
80.5°C. Este valor não está de acordo com o valor tabelado,
sendo que este é de 78.3°C.
Esta diferença já era esperada uma vez que o valor
tabelado é para a substancia pura e a substancia que utilizamos
era uma solução aquosa (96% álcool e 4% de água).
Nas mesmas condições, a temperatura à qual uma solução
entra em ebulição é superior à temperatura de ebulição do
solvente puro, variando com a concentração da solução.
10
O gráfico seguinte representa a diferença entre os pontos
de ebulição do álcool puro e da solução aquosa da mesma
substância.
Bibliografia
http://www.noenigma.com/2011/05/expocolgaia-2011.html
http://laboratoriosescolares.net/docs/ManualSegurancaLabsEscolares/fic
hasdeseguranca/03_alcooletilico.pdf
http://www.novacana.com/etanol/
Técnicas Laboratoriaisde Química - bloco I, Teresa Sobrinho Simões, Maria
Alexandra Queirós, Maria Otilde Simões
Porto Editora, 1999
0
20
40
60
80
100
2 6 10 14 18 22 26 30 34 38 42 46 50
Temperatura(Celsius)
Tempo (minutos)
Ponto de ebulição
Solução
Substância pura

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeAlex Junior
 
Relatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetroRelatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetroct-esma
 
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)Cybele Sobrenome
 
Relatório de Química Inorgânica obtenção Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção  HidrogenioRelatório de Química Inorgânica obtenção  Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção HidrogenioKarina Costa
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICASJessica Amaral
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRailane Freitas
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososLucas Valente
 
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Gabriela Begalli
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesJoanna de Paoli
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioGabriela Begalli
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Dhion Meyg Fernandes
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2Rodrigo Sintra
 
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Carlos Alberto Santos
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTAAdrianne Mendonça
 

Mais procurados (20)

Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
 
Relatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetroRelatório densidade picnómetro
Relatório densidade picnómetro
 
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
 
Relatório viscosidade
Relatório viscosidade Relatório viscosidade
Relatório viscosidade
 
Relatório de Química Inorgânica obtenção Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção  HidrogenioRelatório de Química Inorgânica obtenção  Hidrogenio
Relatório de Química Inorgânica obtenção Hidrogenio
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICASQuimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES  QUIMÍCAS E FÍSICAS
Quimica Experimental - Relatorio TRANSFORMAÇÕES QUIMÍCAS E FÍSICAS
 
9 solubilidade
9 solubilidade9 solubilidade
9 solubilidade
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
 
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrososQuimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
Quimica Inorganica - Estudo dos metais alcalinos e alcalinos-terrosos
 
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
Identificação dos cátions Cu2+ e Bi3+
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11Aula 13   balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
Aula 13 balanço de massa - prof. nelson (area 1) - 29.04.11
 
Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2Relatório experimental iorgânica2
Relatório experimental iorgânica2
 
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
 
Tabela de iões
Tabela de iõesTabela de iões
Tabela de iões
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 

Destaque

Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoHannahV08
 
Medição de temperatura
Medição de temperaturaMedição de temperatura
Medição de temperaturaFabiano Sales
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de químicaADSONTORREZANE
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimrenataiatsunik
 
CFQ: Propriedades das Substancias
CFQ: Propriedades das SubstanciasCFQ: Propriedades das Substancias
CFQ: Propriedades das Substancias7F
 
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie IntroduçãO QuíMica IiSESI 422 - Americana
 
Relatório de Física - Atuação Eletrostática
Relatório de Física - Atuação EletrostáticaRelatório de Física - Atuação Eletrostática
Relatório de Física - Atuação EletrostáticaVictor Said
 
Relatorio de fisica construao de um termmetro
Relatorio de fisica   construao de um termmetroRelatorio de fisica   construao de um termmetro
Relatorio de fisica construao de um termmetroGabriela Mendes
 
Apostila analálise-orgânica-20
Apostila analálise-orgânica-20Apostila analálise-orgânica-20
Apostila analálise-orgânica-20Jéssica Batista
 
Relatorio fisica experimental trilho de ar
Relatorio  fisica experimental trilho de arRelatorio  fisica experimental trilho de ar
Relatorio fisica experimental trilho de arToninha Silva
 
Curso rapido de ingles basico mauricio borges
Curso rapido de ingles basico   mauricio borgesCurso rapido de ingles basico   mauricio borges
Curso rapido de ingles basico mauricio borgesUlysses Filho
 
Slide sobre termometria
Slide sobre termometriaSlide sobre termometria
Slide sobre termometriajoaberb
 

Destaque (20)

Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebulição
 
Medição de temperatura
Medição de temperaturaMedição de temperatura
Medição de temperatura
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fim
 
Enxofre
EnxofreEnxofre
Enxofre
 
Revisão de p1 2º ano eja
Revisão de p1 2º ano ejaRevisão de p1 2º ano eja
Revisão de p1 2º ano eja
 
Ebulição
EbuliçãoEbulição
Ebulição
 
CFQ: Propriedades das Substancias
CFQ: Propriedades das SubstanciasCFQ: Propriedades das Substancias
CFQ: Propriedades das Substancias
 
Pp Al 1.3
Pp Al 1.3Pp Al 1.3
Pp Al 1.3
 
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
 
Relatório de Física - Atuação Eletrostática
Relatório de Física - Atuação EletrostáticaRelatório de Física - Atuação Eletrostática
Relatório de Física - Atuação Eletrostática
 
Relatorio de fisica construao de um termmetro
Relatorio de fisica   construao de um termmetroRelatorio de fisica   construao de um termmetro
Relatorio de fisica construao de um termmetro
 
Apostila analálise-orgânica-20
Apostila analálise-orgânica-20Apostila analálise-orgânica-20
Apostila analálise-orgânica-20
 
Revisão de p1 2º ano médio
Revisão de p1 2º ano médioRevisão de p1 2º ano médio
Revisão de p1 2º ano médio
 
Revisão de p1 1º ano eja
Revisão de p1 1º ano ejaRevisão de p1 1º ano eja
Revisão de p1 1º ano eja
 
destilação
destilaçãodestilação
destilação
 
Relatorio fisica experimental trilho de ar
Relatorio  fisica experimental trilho de arRelatorio  fisica experimental trilho de ar
Relatorio fisica experimental trilho de ar
 
Pp clima
Pp climaPp clima
Pp clima
 
Curso rapido de ingles basico mauricio borges
Curso rapido de ingles basico   mauricio borgesCurso rapido de ingles basico   mauricio borges
Curso rapido de ingles basico mauricio borges
 
Slide sobre termometria
Slide sobre termometriaSlide sobre termometria
Slide sobre termometria
 

Semelhante a Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol

TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoTFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoFloresbertoMuanda
 
RELATÓRIO DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdf
RELATÓRIO  DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdfRELATÓRIO  DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdf
RELATÓRIO DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdfNilson Alves Santos
 
Destilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionadaDestilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionadaAngela Guerra
 
Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...
Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...
Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...Joao Rio
 
Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Rock Dellura
 
Termografia em painéis elétricos
Termografia em painéis elétricosTermografia em painéis elétricos
Termografia em painéis elétricosGiovane Gonçalves
 
Relatorio de quimica
Relatorio de quimicaRelatorio de quimica
Relatorio de quimicaJoyce Luiza
 
Caderno questoes quimica_cromatografia
Caderno questoes quimica_cromatografiaCaderno questoes quimica_cromatografia
Caderno questoes quimica_cromatografiaJulieta Ferreira
 
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoMedição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoHainner Azevedo
 
Manual de-instrucoes-protemp-2
Manual de-instrucoes-protemp-2Manual de-instrucoes-protemp-2
Manual de-instrucoes-protemp-2Welisson Simão
 
6397656 apresentacao-nr-13[1]
6397656 apresentacao-nr-13[1]6397656 apresentacao-nr-13[1]
6397656 apresentacao-nr-13[1]julio3568
 
Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Universiy
 
OEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCCOEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCCMarcos Valle
 

Semelhante a Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol (20)

TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoTFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
 
RELATÓRIO DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdf
RELATÓRIO  DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdfRELATÓRIO  DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdf
RELATÓRIO DE TREINAMENTO Santo Antônio 2.pdf
 
Destilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionadaDestilação simples e fracionada
Destilação simples e fracionada
 
NHO 07
NHO 07NHO 07
NHO 07
 
Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...
Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...
Ensaio e Modelação de Comportamento Térmico de Betões de Elevado Desempenho n...
 
Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo Quimica Fisica - Valdo
Quimica Fisica - Valdo
 
Termografia em painéis elétricos
Termografia em painéis elétricosTermografia em painéis elétricos
Termografia em painéis elétricos
 
DETERMINAÇÃO DE ÁLCALIS NAS CINZAS
DETERMINAÇÃO DE ÁLCALIS NAS CINZAS DETERMINAÇÃO DE ÁLCALIS NAS CINZAS
DETERMINAÇÃO DE ÁLCALIS NAS CINZAS
 
Relatorio de quimica
Relatorio de quimicaRelatorio de quimica
Relatorio de quimica
 
fotometria de chama
fotometria de chamafotometria de chama
fotometria de chama
 
Caderno questoes quimica_cromatografia
Caderno questoes quimica_cromatografiaCaderno questoes quimica_cromatografia
Caderno questoes quimica_cromatografia
 
Neutralizacao
NeutralizacaoNeutralizacao
Neutralizacao
 
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer CoulométricoMedição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
Medição do BSW com Karl Fischer Coulométrico
 
Cartilha NR-13.ppt
Cartilha NR-13.pptCartilha NR-13.ppt
Cartilha NR-13.ppt
 
Manual de-instrucoes-protemp-2
Manual de-instrucoes-protemp-2Manual de-instrucoes-protemp-2
Manual de-instrucoes-protemp-2
 
6397656 apresentacao-nr-13[1]
6397656 apresentacao-nr-13[1]6397656 apresentacao-nr-13[1]
6397656 apresentacao-nr-13[1]
 
Evaporador
EvaporadorEvaporador
Evaporador
 
Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)
 
Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)Aula caldeiras (nr13)
Aula caldeiras (nr13)
 
OEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCCOEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCC
 

Mais de BeatrizMarques25

Génese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentaresGénese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentaresBeatrizMarques25
 
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de GelatinaRelatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de GelatinaBeatrizMarques25
 
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)BeatrizMarques25
 
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura  O Diario de Anne FrankFicha de leitura  O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura O Diario de Anne FrankBeatrizMarques25
 
Relatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação físicaRelatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação físicaBeatrizMarques25
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1 Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1 BeatrizMarques25
 
A evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaA evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaBeatrizMarques25
 
Mudança global temperatura
Mudança global   temperaturaMudança global   temperatura
Mudança global temperaturaBeatrizMarques25
 

Mais de BeatrizMarques25 (20)

Génese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentaresGénese e classificação rochas sedimentares
Génese e classificação rochas sedimentares
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de GelatinaRelatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
Relatorio de atividade experimental - Gomas de Gelatina
 
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
Quadro de analise geral do Auto da Barca do Inferno (para completar)
 
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura  O Diario de Anne FrankFicha de leitura  O Diario de Anne Frank
Ficha de leitura O Diario de Anne Frank
 
Relatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação físicaRelatório de aula de educação física
Relatório de aula de educação física
 
Pegada ecológica
Pegada ecológicaPegada ecológica
Pegada ecológica
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1
 
Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1 Exame Inglês nivel A2/B1
Exame Inglês nivel A2/B1
 
A evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaA evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódica
 
Veneza destino turistico
Veneza  destino turisticoVeneza  destino turistico
Veneza destino turistico
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Relevo do litoral
Relevo do litoralRelevo do litoral
Relevo do litoral
 
Reino unido
Reino unidoReino unido
Reino unido
 
Politica demografia
Politica demografiaPolitica demografia
Politica demografia
 
Parques naturais
Parques naturaisParques naturais
Parques naturais
 
Mudança global temperatura
Mudança global   temperaturaMudança global   temperatura
Mudança global temperatura
 
Migraçoes clandestinas
Migraçoes clandestinasMigraçoes clandestinas
Migraçoes clandestinas
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 

Relatório de atividade experimental - Ponto de ebulição do etanol

  • 1. 1 10ºano Curso de Tecnologia e SegurançaAlimentar Relatório (nº1) da disciplina de Métodos e Técnicas Instrumentais de Analise Determinação do ponto de ebulição do álcool etílico 96% pela técnica tradicional Beatriz Cunha nº7 Aluno X nº -- Aluno Y nº-- Aluno Z nº-- 10ºTSA.1
  • 2. 2 Índice Objectivos do trabalho………………………………………..………………….P.3 Introdução teórica………………………………………….…………….………..P.3 Material/reagentes………………………………………………….….….………P.4 Procedimento experimental……………………………………....….……...P.6 Esquema de montagem……………………………………………….………...P.6 Registo de observações……………………………………………………….….P.7 Registo de medições……………………………………………………………….P.8 Conclusão…………………………………………………………………..………..…P.9 Crítica dos resultados……………..……………………………………………...P.9 Bibliografia……………………………………………………………………….....P.10
  • 3. 3 Objetivos do trabalho  Determinar o ponto de ebulição do álcool etílico 96%;  Cumprir regras de segurança no laboratório;  Desenvolver o espírito crítico e científico;  Conhecer o material de laboratório de uso mais corrente. Introdução teórica O ponto de ebulição de uma substância na fase líquida é a temperatura à qual a pressão do seu vapor iguala a pressão atmosférica, ou seja, a substancia passa do estado líquido para o gasoso. A elevação da temperatura do líquido provoca um aumento da pressão de vapor até igualar a pressão atmosférica – dá-se a vaporização não somente à sua superfície, mas em toda a massa líquida de forma tumultuosa. O ponto de ebulição de um liquido depende, assim, da pressão atmosférica do local em que e determinado. Numa substância pura, a variação do seu ponto de ebulição nunca é superior a 1°C, caso contrário a substancia não seria pura. O álcool etílico, etanol, tem fórmula química C2 H6O. Tem ponto de ebulição 78.3o C e ponto de fusão -112o C. É um solvente orgânico, miscível em água. Em condições normais, é um líquido incolor com um odor caraterístico.
  • 4. 4 Material/reagentes  Placa de aquecimento  Gobelé de 1000ml (1l)  Tubo de ensaio  Rolha de cortiça furada  Capilares  Suporte universal  Noz e garra  Termómetro  Cronómetro  Água destilada  Álcool etílico 96% Tubo de ensaio Termómetro Suporte Universal
  • 6. 6 Procedimento experimental  Efectuou-se a montagem do material;  Colocou-se água destilada no gobelé até que o tubo de ensaio ficasse parcialmente submerso;  Colocou-se álcool no tubo de ensaio (submerso na agua);  Tapou-se o tubo de ensaio com a rolha furada onde se colocaram 2 capilares; (os capilares têm como função diminuir a pressão do vapor dentro do tubo, equilibrando-a em relação à pressão ambiente)  Ligou-se a placa de aquecimento  De minuto em minuto mediu-se e registou-se a temperatura, até o álcool entrar em ebulição. Esquema de montagem O esquema de montagem do material utilizado para a realização do trabalho experimental foi o representado na fotografia ao lado.
  • 7. 7 Registo de observações A temperatura inicial do álcool etílico era de 18ºC e esta temperatura manteve-se constante durante 4 minutos. Aos 21 minutos a substância começou a evaporar, o que significa que se atingiu o ponto de ebulição da substância a uma temperatura de 80,5ºC aos 21 minutos. Dos 22 aos 45 minutos, a temperatura de 80,5ºC manteve- se constante. A partir do minuto 46, a temperatura subiu 0,3ºc e manteve-se constante até ao fim da experiência.
  • 8. 8 Registo de medições Tempo (minutos) 1 2 4 6 8 10 12 Temperatura (célsius) 18,0o C 18,0o C 18,0o C 19,0o C 20,0o C 23,0o C 30,0o C 14 16 18 20 22 24 26 28 36,0o C 75,0o C 78,0o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 30 32 34 36 38 40 42 44 80,5o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 80,5o C 46 48 50 52 80,9o C 80,9o C 80,9o C 80,9o C 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 42 44 46 48 50 52 Temperatura(Celsius) Tempo (minutos) Ponto de ebulição Solução de álcool
  • 9. 9 Conclusão O nosso trabalho foi realizado com sucesso, cumprimos todos os objetivos estabelecidos. Com os resultados experimentais, obtivemos um gráfico da temperatura em relação ao tempo, onde se verifica uma diferença no ponto de ebulição do álcool puro (78.3o C) e da solução utilizada. O valor que obtivemos para o ponto de ebulição foi de 80.5o C. Assim, podemos concluir que a temperatura de ebulição de uma solução é diferente da temperatura de ebulição do solvente puro. Crítica dos resultados Como já foi referido anteriormente, na conclusão, o valor por nós obtido para o ponto de ebulição do álcool etílico foi de 80.5°C. Este valor não está de acordo com o valor tabelado, sendo que este é de 78.3°C. Esta diferença já era esperada uma vez que o valor tabelado é para a substancia pura e a substancia que utilizamos era uma solução aquosa (96% álcool e 4% de água). Nas mesmas condições, a temperatura à qual uma solução entra em ebulição é superior à temperatura de ebulição do solvente puro, variando com a concentração da solução.
  • 10. 10 O gráfico seguinte representa a diferença entre os pontos de ebulição do álcool puro e da solução aquosa da mesma substância. Bibliografia http://www.noenigma.com/2011/05/expocolgaia-2011.html http://laboratoriosescolares.net/docs/ManualSegurancaLabsEscolares/fic hasdeseguranca/03_alcooletilico.pdf http://www.novacana.com/etanol/ Técnicas Laboratoriaisde Química - bloco I, Teresa Sobrinho Simões, Maria Alexandra Queirós, Maria Otilde Simões Porto Editora, 1999 0 20 40 60 80 100 2 6 10 14 18 22 26 30 34 38 42 46 50 Temperatura(Celsius) Tempo (minutos) Ponto de ebulição Solução Substância pura