SlideShare uma empresa Scribd logo

"Somos Físicos" Tabela Periódica

A tabela periódica dos elementos químicos organiza os elementos de acordo com suas propriedades periódicas. Foi desenvolvida por Mendeleiev em 1869 e refinada por Moseley em 1913 para ser baseada no número atômico. A tabela lista os elementos em grupos e períodos e fornece informações sobre suas propriedades.

1 de 44
"Somos Físicos" Tabela Periódica
 A Tabela periódica dos elementos químicos é a 
disposição sistemática dos elementos químicos, na 
forma de uma tabela, em função de suas 
propriedades. É muito útil para se preverem as 
características e tendências dos átomos.    
Permite, por exemplo, prever o comportamento de 
átomos e das moléculas deles formadas, ou entender 
porque certos átomos são extremamente reativos, 
enquanto outros são praticamente inertes etc.    
Um pré-requisito necessário para construção da 
tabela periódica, foi a descoberta individual dos 
elementos químicos, embora elementos, tais como o 
Ouro (Au), a Prata (Ag), o Estanho (Sn), o Cobre 
(Cu), o Chumbo (Pb) e o Mercúrio (Hg) fossem 
conhecidos desde a antiguidade.
A primeira descoberta científica de
um elemento, ocorreu em 1669,
quando o alquimista Henning Brant
descobriu o fósforo. Durante os 200
anos seguintes, foi adquirido um
grande volume de conhecimento
relativo às propriedades dos
elementos e seus compostos, pelos
químicos.
Com o aumento do número de
elementos descobertos, os
cientistas iniciaram a investigação
de modelos para reconhecer as
propriedades e desenvolver
esquemas de classificação.
A primeira classificação, foi a divisão
dos elementos em metais e não-
metais.
Isso possibilitou a antecipação das
propriedades de outros elementos,
determinando assim, se seriam ou não
metálicos.
No início do século XIX, Jonh Dalton
preparou uma lista de elementos
químicos, cujas massas atômicas já
eram então conhecidas.
Muitos desses valores estavam longe
dos atuais, devido à ocorrência de
erros na sua determinação.
Os erros foram corrigidos por outros
cientistas, e o desenvolvimento de
tabelas dos elementos e suas massas
atômicas, centralizaram o estudo
sistemático da Química.
Os elementos não estavam listados em
qualquer arranjo ou modelo periódico, mas
simplesmente por ordem crescente da sua
massa atômica, cada um com suas
propriedades e seus compostos. Os químicos,
ao estudar essa lista, concluíram que ela não
estava muito clara.Os elementos Cloro, Bromo
e Iodo, que tinham propriedades químicas
semelhantes, apresentavam massas atômicas
muito separadas.
Em 1829, Johann Döbereiner teve a primeira
ideia, com sucesso parcial, de agrupar os
elementos em três - ou tríades. Essas tríades
também estavam separadas pelas suas massas
atômicas, mas com propriedades químicas
muito semelhantes. A massa atômica do
elemento central da tríade, era supostamente a
média das massas atômicas do primeiro e
terceiro membros.
Lamentavelmente, muitos dos metais não
podiam ser agrupados em tríades.
Os elementos Cloro, Bromo e Iodo eram uma
tríade, Lítio, Sódio e Potássio formavam outra.
Somente no século
XVIII, mais precisamente
em 1789, ano da
Revolução Francesa, o
francês Antoine
Lavoisier compilou a
primeira lista com 33
elementos, tirando a
química do terreno da
alquimia e lançando as
bases para avanços
científicos sem
precedentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
 
Tabela periodica resumo
Tabela periodica resumoTabela periodica resumo
Tabela periodica resumo
 
Propriedades periodicas
Propriedades periodicas Propriedades periodicas
Propriedades periodicas
 
Densidade
DensidadeDensidade
Densidade
 
MM, MA, mol, volume
MM, MA, mol, volumeMM, MA, mol, volume
MM, MA, mol, volume
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Aula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicasAula sobre ligações químicas
Aula sobre ligações químicas
 
Força de atrito
Força de atritoForça de atrito
Força de atrito
 
01 aula introdução eletroquímica
01 aula introdução eletroquímica01 aula introdução eletroquímica
01 aula introdução eletroquímica
 
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculasAula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
 
Aula estrutura atomica
Aula estrutura atomicaAula estrutura atomica
Aula estrutura atomica
 
Calculo estequiometrico
Calculo estequiometricoCalculo estequiometrico
Calculo estequiometrico
 
Estrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônicaEstrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônica
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Átomos
ÁtomosÁtomos
Átomos
 
Modelos atomicos
Modelos atomicosModelos atomicos
Modelos atomicos
 
Estrutura cristalina
Estrutura cristalinaEstrutura cristalina
Estrutura cristalina
 
8. tabela periódica
8. tabela periódica8. tabela periódica
8. tabela periódica
 
Quimica tabela periodica
Quimica tabela periodicaQuimica tabela periodica
Quimica tabela periodica
 
História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)História da tabela periódica(final)
História da tabela periódica(final)
 

Destaque

9. propriedades da tabela
9. propriedades da tabela9. propriedades da tabela
9. propriedades da tabelaRebeca Vale
 
Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodicaIsasesantos
 
Propriedades da Tabela Peródica
Propriedades da Tabela PeródicaPropriedades da Tabela Peródica
Propriedades da Tabela PeródicaFernanda Demuner
 
Nanopartículas magnéticas como marcadores para biosensores
Nanopartículas magnéticas como marcadores para biosensoresNanopartículas magnéticas como marcadores para biosensores
Nanopartículas magnéticas como marcadores para biosensoresDavid Lago Cachón
 
Tabela Periódica
Tabela PeriódicaTabela Periódica
Tabela Periódicajmmjanes
 
Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 20147 de Setembro
 
Importância da água para a Biodiversidade
Importância da água para a BiodiversidadeImportância da água para a Biodiversidade
Importância da água para a Biodiversidadesscosta
 
Tabela de Cátions e ânions
Tabela de Cátions e ânionsTabela de Cátions e ânions
Tabela de Cátions e ânionsAri Moreira
 
Histórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela PeriódicaHistórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela PeriódicaDaniel Raber
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasRafael Nishikawa
 
Elementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicas
Elementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicasElementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicas
Elementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicasCarlos Priante
 

Destaque (20)

Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
9. propriedades da tabela
9. propriedades da tabela9. propriedades da tabela
9. propriedades da tabela
 
Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodica
 
Propriedades da Tabela Peródica
Propriedades da Tabela PeródicaPropriedades da Tabela Peródica
Propriedades da Tabela Peródica
 
Nanopartículas magnéticas como marcadores para biosensores
Nanopartículas magnéticas como marcadores para biosensoresNanopartículas magnéticas como marcadores para biosensores
Nanopartículas magnéticas como marcadores para biosensores
 
Tabela Periódica
Tabela PeriódicaTabela Periódica
Tabela Periódica
 
Tabela periódica
Tabela periódicaTabela periódica
Tabela periódica
 
Tabela PerióDica
Tabela PerióDicaTabela PerióDica
Tabela PerióDica
 
Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014Pôster amostra cultural 2014
Pôster amostra cultural 2014
 
Tabela de íons
Tabela de íonsTabela de íons
Tabela de íons
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Importância da água para a Biodiversidade
Importância da água para a BiodiversidadeImportância da água para a Biodiversidade
Importância da água para a Biodiversidade
 
Tabela de Cátions e ânions
Tabela de Cátions e ânionsTabela de Cátions e ânions
Tabela de Cátions e ânions
 
Histórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela PeriódicaHistórico Da Construção da Tabela Periódica
Histórico Da Construção da Tabela Periódica
 
Tabela Periodica
Tabela PeriodicaTabela Periodica
Tabela Periodica
 
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01Aula8materiais 120604063301-phpapp01
Aula8materiais 120604063301-phpapp01
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 
Complementos
ComplementosComplementos
Complementos
 
Elementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicas
Elementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicasElementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicas
Elementos químicos, Tabela Periódica e Propriedades periódicas e aperiódicas
 
Tecidos
TecidosTecidos
Tecidos
 

Semelhante a "Somos Físicos" Tabela Periódica

Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_históricoQuímica geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_históricoJemuel Araújo da Silva
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodicaggmota93
 
Evolução Histórica da Tabela Periódica
Evolução Histórica da Tabela PeriódicaEvolução Histórica da Tabela Periódica
Evolução Histórica da Tabela PeriódicaFrancisco Palaio
 
Aula 7 tabela periódica
Aula 7   tabela periódicaAula 7   tabela periódica
Aula 7 tabela periódicaprofNICODEMOS
 
Tabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica EzequielTabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica EzequielEzequiel G
 
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08Marcos Júnior
 
Evolução histórica da Tabela Periódica
Evolução histórica da Tabela PeriódicaEvolução histórica da Tabela Periódica
Evolução histórica da Tabela PeriódicaClaudia Ferreira Carrega
 
4a historia tp (1)
4a historia tp (1)4a historia tp (1)
4a historia tp (1)pgnp
 
Capitulo 02tabela periódica
Capitulo 02tabela periódicaCapitulo 02tabela periódica
Capitulo 02tabela periódicaMira Raya
 
A evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaA evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaBeatrizMarques25
 
Trabalho tabela periodica
Trabalho   tabela periodicaTrabalho   tabela periodica
Trabalho tabela periodicaDiogo Alves
 

Semelhante a "Somos Físicos" Tabela Periódica (20)

Diamantino
DiamantinoDiamantino
Diamantino
 
Tabela Periodica Historico
Tabela Periodica HistoricoTabela Periodica Historico
Tabela Periodica Historico
 
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_históricoQuímica geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
Química geral ppt_-_tabela_periódica_-_histórico
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Evolução Histórica da Tabela Periódica
Evolução Histórica da Tabela PeriódicaEvolução Histórica da Tabela Periódica
Evolução Histórica da Tabela Periódica
 
Aula 7 tabela periódica
Aula 7   tabela periódicaAula 7   tabela periódica
Aula 7 tabela periódica
 
Tabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica EzequielTabela Periódica Ezequiel
Tabela Periódica Ezequiel
 
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
REPOSIÇÃO IFTO 08 a 10/08
 
aezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptxaezoom915_quim03 (1).pptx
aezoom915_quim03 (1).pptx
 
Evolução histórica da Tabela Periódica
Evolução histórica da Tabela PeriódicaEvolução histórica da Tabela Periódica
Evolução histórica da Tabela Periódica
 
4a historia tp (1)
4a historia tp (1)4a historia tp (1)
4a historia tp (1)
 
1° ano aula 01 - história e tabela periodica moderna
1° ano   aula 01 - história e tabela periodica moderna1° ano   aula 01 - história e tabela periodica moderna
1° ano aula 01 - história e tabela periodica moderna
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Tabela periodica
Tabela periodicaTabela periodica
Tabela periodica
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
 
Manual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parteManual de quínica 2ª parte
Manual de quínica 2ª parte
 
Tabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicosTabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicos
 
Capitulo 02tabela periódica
Capitulo 02tabela periódicaCapitulo 02tabela periódica
Capitulo 02tabela periódica
 
A evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódicaA evolução da tabela periódica
A evolução da tabela periódica
 
Trabalho tabela periodica
Trabalho   tabela periodicaTrabalho   tabela periodica
Trabalho tabela periodica
 

Mais de Vania Lima "Somos Físicos"

"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e SubstânciasVania Lima "Somos Físicos"
 
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica   "Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica Vania Lima "Somos Físicos"
 

Mais de Vania Lima "Somos Físicos" (20)

Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Energia Térmica
Física - Energia Térmica   Física - Energia Térmica
Física - Energia Térmica
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Física - Calorimetria
Física - CalorimetriaFísica - Calorimetria
Física - Calorimetria
 
Fisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos AtômicosFisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos Atômicos
 
Física - Energia Calorífica
Física - Energia CaloríficaFísica - Energia Calorífica
Física - Energia Calorífica
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos AtômicosFísica - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Física - Modelos Atômicos
Física - Modelos AtômicosFísica - Modelos Atômicos
Física - Modelos Atômicos
 
Fisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos AtômicosFisica - Modelos Atômicos
Fisica - Modelos Atômicos
 
"Somos Físicos" A Água
"Somos Físicos" A Água"Somos Físicos" A Água
"Somos Físicos" A Água
 
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
"Somos Físicos" Átomos, Moléculas e Substâncias
 
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica   "Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
"Somos Físicos" Ciclo do Nitrogênio e Produção da Soda Cáustica
 
"Somos Físicos" O Petróleo na Economia
"Somos Físicos" O Petróleo na Economia"Somos Físicos" O Petróleo na Economia
"Somos Físicos" O Petróleo na Economia
 
"Somos Físicos" Conservação das Massas
"Somos Físicos" Conservação das Massas"Somos Físicos" Conservação das Massas
"Somos Físicos" Conservação das Massas
 
"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria
 
"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria"Somos Físicos" Estequiometria
"Somos Físicos" Estequiometria
 

Último

A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...Prime Assessoria
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Prime Assessoria
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 

Último (20)

A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
A) COMENTE sobre a situação de saúde apresentado no Brasil atualmente e EXPLI...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
Recentemente, um artigo publicado em uma revista renomada relatou um caso de ...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 

"Somos Físicos" Tabela Periódica

  • 2.  A Tabela periódica dos elementos químicos é a  disposição sistemática dos elementos químicos, na  forma de uma tabela, em função de suas  propriedades. É muito útil para se preverem as  características e tendências dos átomos.     Permite, por exemplo, prever o comportamento de  átomos e das moléculas deles formadas, ou entender  porque certos átomos são extremamente reativos,  enquanto outros são praticamente inertes etc.     Um pré-requisito necessário para construção da  tabela periódica, foi a descoberta individual dos  elementos químicos, embora elementos, tais como o  Ouro (Au), a Prata (Ag), o Estanho (Sn), o Cobre  (Cu), o Chumbo (Pb) e o Mercúrio (Hg) fossem  conhecidos desde a antiguidade.
  • 3. A primeira descoberta científica de um elemento, ocorreu em 1669, quando o alquimista Henning Brant descobriu o fósforo. Durante os 200 anos seguintes, foi adquirido um grande volume de conhecimento relativo às propriedades dos elementos e seus compostos, pelos químicos. Com o aumento do número de elementos descobertos, os cientistas iniciaram a investigação de modelos para reconhecer as propriedades e desenvolver esquemas de classificação.
  • 4. A primeira classificação, foi a divisão dos elementos em metais e não- metais. Isso possibilitou a antecipação das propriedades de outros elementos, determinando assim, se seriam ou não metálicos. No início do século XIX, Jonh Dalton preparou uma lista de elementos químicos, cujas massas atômicas já eram então conhecidas. Muitos desses valores estavam longe dos atuais, devido à ocorrência de erros na sua determinação. Os erros foram corrigidos por outros cientistas, e o desenvolvimento de tabelas dos elementos e suas massas atômicas, centralizaram o estudo sistemático da Química.
  • 5. Os elementos não estavam listados em qualquer arranjo ou modelo periódico, mas simplesmente por ordem crescente da sua massa atômica, cada um com suas propriedades e seus compostos. Os químicos, ao estudar essa lista, concluíram que ela não estava muito clara.Os elementos Cloro, Bromo e Iodo, que tinham propriedades químicas semelhantes, apresentavam massas atômicas muito separadas. Em 1829, Johann Döbereiner teve a primeira ideia, com sucesso parcial, de agrupar os elementos em três - ou tríades. Essas tríades também estavam separadas pelas suas massas atômicas, mas com propriedades químicas muito semelhantes. A massa atômica do elemento central da tríade, era supostamente a média das massas atômicas do primeiro e terceiro membros. Lamentavelmente, muitos dos metais não podiam ser agrupados em tríades. Os elementos Cloro, Bromo e Iodo eram uma tríade, Lítio, Sódio e Potássio formavam outra.
  • 6. Somente no século XVIII, mais precisamente em 1789, ano da Revolução Francesa, o francês Antoine Lavoisier compilou a primeira lista com 33 elementos, tirando a química do terreno da alquimia e lançando as bases para avanços científicos sem precedentes.
  • 7. O para oxigênio, C para carbono, Co para o Cobalto, H para hidrogênio, He para o hélio. O responsável pela abreviação do nome dos elementos (baseada no original em latim) foi o químico sueco Jöns Jacob Berzelius, que também definiu a combinação dessas letras para descrever as fórmulas químicas, como a água H2O. Ele ainda descobriu quatro elementos: tório, cério, silício e selênio
  • 8. Dimitri Ivanovich Mendeleev (1834 –1907) Nasceu na Sibéria, sendo o mais novo de dezessete irmãos. Mendeleev foi educado em St. Petersburg, e posteriormente na França e Alemanha. Conseguiu o cargo de professor de química na Universidade de St. Petersburg. Escreveu um livro de química orgânica em 1861. Em 1869, enquanto escrevia seu livro de química inorgânica, organizou os elementos na forma da tabela periódica atual. Mendeleev criou uma carta para cada um dos 63 elementos conhecidos. Cada carta continha o símbolo do elemento, a massa atômica e suas propriedades químicas e físicas. Colocando as cartas em uma mesa, organizou-as em ordem crescente de suas massas atômicas, agrupando-as em elementos de propriedades semelhantes. Formou-se então a tabela periódica. .
  • 9. A história da tabela periódica está relacionada com o descobrimento dos diversos elementos químicos e com a necessidade de os ordenar de alguma forma. Após várias tentativas, Mendeleiev foi quem conseguiu criar um sistema periódico com base na massa atômica. O Russo colocou os elementos com propriedades em comum numa mesma coluna. Por outro lado, deixou espaços vazios na sua tabela por considerar que devia existir outros elementos ainda por descobrir até então.
  • 10. A vantagem da tabela periódica de Mendeleev sobre as outras, é que esta exibia semelhanças, não apenas em pequenos conjuntos como as tríades. Mostravam semelhanças numa rede de relações vertical, horizontal e diagonal. Em 1906, Mendeleev recebeu o Prêmio Nobel por este trabalho.
  • 11. Em 1913, o cientista britânico Henry Moseley descobriu que o número de prótons no núcleo de um determinado átomo, era sempre o mesmo. Moseley usou essa idéia para o número atômico de cada átomo. Quando os átomos foram ordenados por ordem crescente do seu número atômico, os problemas existentes na tabela de Mendeleiev desapareceram. Devido ao trabalho de Moseley, a tabela periódica moderna está baseada no número atômico dos elementos químicos. A tabela atual é bastante diferente da de Mendeleiev. Com o passar do tempo, os químicos foram melhorando a tabela periódica moderna, aplicando novos dados, como as descobertas de novos elementos ou um número mais preciso na massa atômica, e rearranjando os existentes, sempre em função dos conceitos originais.
  • 12. A última maior troca na tabela periódica, resultou do trabalho de Glenn Seaborg, na década de 50. A partir da descoberta do plutônio em 1940, Seaborg descobriu todos os elementos transurânicos (do número atómico 94 até ao 102). Reconfigurou a tabela periódica colocando a série dos actinídeos abaixo da série dos lantanídios. Em 1951, Seaborg recebeu o Prêmio Nobel em química, pelo seu trabalho. O elemento 106 tabela periódica é chamado Seabórgio, em sua homenagem. O sistema de numeração dos grupos da tabela periódica, usados atualmente, são recomendados pela União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC). A numeração é feita em algarismos arábicos de 1 a 18, começando a numeração da esquerda para a direita, sendo o grupo 1, o dos metais alcalinos e o 18, o dos gases nobres.
  • 13. O professor Philip Stewart, da Universidade de Oxford, criou um novo modelo de tabela periódica, no formato espiral, que considera mais natural que as linhas e colunas da tabela Mendeleyev. Fez tanto sucesso que a Sociedade Real de Química da Inglaterra enviou cópias a todas as escolas secundárias do país
  • 14. A Tabela Periódica traz uma ordem crescente dos elementos químicos em função do seu número atômico (somatório dos prótons existente no núcleo do átomo), proposta por Henry Moseley em 1913.
  • 15. Colunas e (ou) Famílias Dos Elementos Químicos da Tabela Periódica As famílias ou colunas da tabela periódica são 18. São oito colunas dos elementos químicos pertencentes ao grupo A e dez colunas pertencentes aos do grupo B.
  • 16. Períodos Os períodos da tabela periódica estão dispostos horizontalmente e são sete. O primeiro período é muito curto contém apenas dois elementos químicos, o segundo e o terceiro período são curtos, contém 8 elementos químicos cada, o quarto e o quinto período são longos, contém dezoito elementos químicos cada um, o sexto período é superlongo possui 32 elementos químicos, o sétimo período é incompleto, é onde estão localizados os elementos químicos não naturais ou "artificiais".
  • 17. Metais: Constituem 76% dos elementos da TP, são bons condutores de calor e eletricidade, dúcteis e maleáveis, e sólidos em condições ambientes, com exceção do mercúrio (Hg, Z=80), que é líquido.
  • 18. Não-metais: Constituem 11% dos elementos da TP, mas são os mais abundantes na Natureza. São maus condutores de calor e eletricidade, não são dúcteis nem maleáveis. Sólidos: C, P, S, Se, I; líquido: Br; gasosos: H, N, O, F e Cl.
  • 19. Semi-metais: Constituem cerca de 7% dos elementos da TP, apresentam propriedades intermediárias entre os metais e os não- metais. São todos sólidos em condições ambientes.
  • 20. Gases-nobres: Constituem cerca de 6% dos elementos da TP. São elementos quimicamente inertes, não participam de ligações químicas. São encontrados na Natureza de forma isolada.
  • 21. Os Lantanídios Os Lantanídios são elementos químicos que formam um grupo com mais ou menos 15 elementos, começando pelo lantânio e terminando no lutécio são metais de transição interna. Por uma questão prática estão inseridos no sexto período a partir da terceira casinha na primeira coluna dos metais de transição da tabela periódica. Os lantanídios tem o significado de elementos químicos metálicos de terras raras porque antigamente eram encontrados localizados apenas em certos lugares. Atualmente são tratados na categoria de metais macios maleáveis e podem ser encontrados conjuntamente agrupados ou como óxidos e minerais na forma de bastnasita (Ce,La,Y)CO3F, monazita (Ce, La, Pr, Nd, Th, Y)PO4 (há vários tipos de monazita), loparita (Ce,Na,Ca)(Ti,Nb)O3, e silicatos (argilas lateríticas) como no caso da gadolinita ou gadolinite de fórmula (La,Ce,Nd,Y)2FeBe2Si2O10. O nome da gadolinita deriva da quantidade de elementos específicos participantes na sua fórmula, por exemplo: se predominar cério (Ce) a gadolinita associa sua nomenclatura a esse elemento químico, se predominar o ítrio (Y) a gadolinita associa o ítrio ao nome do composto.
  • 22. Os Actinídios Os actinídios formam um grupo com mais ou menos 15 elementos químicos, começando pelo actínio e terminando no laurêncio, são metais de transição interna. Estão localizados no sétimo período da tabela periódica, na terceira casinha. Actinídios significa elementos químicos metálicos radioativos.
  • 23. O Número de Elétrons Por Família A família 1A possui na camada de valência 1 elétron, a valência é 1. A família 2A possui na camada de valência 2 elétrons, a valência é 2. A família 3A possui na camada de valência 3 elétrons, a valência é 3. A família 4A possui na camada de valência 4 elétrons, a valência é 4. A família 5A possui na camada de valência 5 elétrons, a valência é 3. A família 6A possui na camada de valência 6 elétrons, a valência é 2. A família 7A possui na camada de valência 7 elétrons, a valência é 1. A família 8A possui na camada de valência 8 elétrons, a valência é zero todos os orbitais estão completos. A família 1A possui na camada de valência 1 elétron.
  • 24. Os elementos químicos são organizados de acordo com suas propriedades periódicas e tais propriedades são alteradas de acordo com o número atômico. As principais propriedades periódicas são: Raio atômico, Energia de Ionização, Afinidade eletrônica, Eletronegatividade, Eletropositividade e Potencial de Ionização.
  • 25. Raio atômico O raio atômico se refere ao tamanho do átomo. Quanto maior o número de níveis, maior será o tamanho do átomo. O átomo que possui o maior número de prótons exerce maior atração sobre seus elétrons. Em outras palavras, raio atômico é a distância do núcleo de um átomo à sua eletrosfera na camada mais externa. Porém, como o átomo não é rígido, calcula-se o raio atômico médio pela metade da distância entre os centros dos núcleos de dois átomos de mesmo elemento numa ligação química em estado sólido.
  • 27. O raio atômico cresce de cima para baixo na família da tabela periódica, acompanhando o número de camadas dos átomos de cada elemento e da direita para a esquerda nos períodos da tabela periódica. Quanto maior o número atômico de um elemento no período, maiores são as forças exercidas entre o núcleo e a eletrosfera, o que resulta num menor raio atômico. O elemento de maior raio atômico é o Césio.
  • 28. Energia de Ionização Energia de Ionização é a energia necessária para remover um ou mais elétrons de um átomo isolado no estado gasoso. O tamanho do átomo interfere na sua energia de ionização. Se o átomo for grande, sua energia de ionização será menor. Em uma mesma família a energia aumenta de baixo para cima; Em um mesmo período a Energia de Ionização aumenta da esquerda para a direita.
  • 30. Afinidade eletrônica Afinidade eletrônica é a energia liberada quando um átomo no estado gasoso (isolado) captura um elétron. Quanto menor o raio, maior a sua afinidade eletrônica, em uma família ou período. A afinidade eletrônica mede a energia liberada por um átomo em estado fundamental e no estado gasoso ao receber um elétron. Trata-se da energia mínima necessária para a retirada de um elétron de um ânion de um determinado elemento. Nos gases nobres a afinidade eletrônica não é significativa, porém como a adição de um elétron em qualquer elemento causa liberação de energia, então a afinidade eletrônica dos gases nobres não é igual a zero.
  • 32. A afinidade eletrônica tem comportamento parecido com o da eletronegatividade, já que não tem uma forma muito definida no seu crescimento na tabela periódica: cresce de baixo para cima e da esquerda para a direita. O elemento químico que possui a maior afinidade eletrônica é o Cloro.
  • 33. Eletronegatividade A Eletronegatividade é a força de atração exercida sobre os elétrons de uma ligação. Na tabela periódica a eletronegatividade aumenta de baixo para cima e da esquerda para a direita. Essa propriedade tem relação com o raio atômico: quanto menor o tamanho de um átomo, maior é a força de atração sobre os elétrons.
  • 35. Não é possível calcular a eletronegatividade de um único átomo (isolado), pois a eletronegatividade é a tendência que um átomo tem em receber elétrons em uma ligação covalente. Portanto, é preciso das ligações químicas para medir essa propriedade. Segundo a escala de Pauling*, a eletronegatividade cresce na família de baixo para cima, junto com à diminuição do raio atômico e do aumento das interações do núcleo com a eletrosfera e no período da esquerda pela direita, acompanhando o aumento do número atômico. O elemento mais eletronegativo da tabela periódica é o flúor. *A escala de Pauling é uma escala construída empiricamente e muito utilizada na Química. Ela mede a atração que o átomo exerce sobre elétrons externos em ligações covalentes, ou seja, sua eletronegatividade.
  • 37. Eletropositividade Eletropositividade é a tendência de perder elétrons, apresentada por um átomo. Quanto maior for seu valor, maior será o caráter metálico. Os átomos com menos de quatro elétrons de valência, metais em geral, possuem maior tendência em perder elétrons, por isso, possuem maior eletropositividade. Um aumento no número de camadas diminui a força de atração do núcleo sobre os elétrons periféricos, facilitando a perda de elétrons pelo átomo e, conseqüentemente, aumentando a sua eletropositividade.
  • 39. A eletropositividade cresce da direita para a esquerda nos períodos e de cima para baixo nas famílias. A forma da medir a eletropositividade de um elemento é a mesma da eletronegatividade: através das ligação química. Entretanto, o sentido é o contrário, pois mede a tendência de um átomo em perder elétrons. Os metais são os mais eletropositivos e os gases nobres são excluídos¹, pois não têm tendência em perder elétrons. O elemento químico mais eletropositivo é o frâncio. Ele tem tendência máxima à oxidação. ¹Como os gases nobres são muito inertes, os valores de eletronegatividade e eletropositividade não são objetos de estudo pela dificuldade da obtenção desses dados.
  • 40. Potencial de Ionização É a energia necessária para remover um elétron de um átomo isolado no estado gasoso. À medida que aumenta o tamanho do átomo, aumenta a facilidade para a remoção de um elétron da camada de valência. Portanto, quanto maior o tamanho do átomo, menor o potencial de ionização.
  • 42. Potencial de Ionização O Potencial de Ionização mede o contrário da afinidade eletrônica: a energia necessária para retirar um elétron de um átomo neutro, em estado fundamental e no estado gasoso. A retirada de elétron na primeira vez utilizará uma quantidade de energia maior que na segunda retirada e assim sucessivamente. Possui comportamento igual ao da afinidade eletrônica e da eletronegatividade, portanto, o Flúor e o Cloro são os elementos que possuem os maiores potenciais de ionização da tabela periódica.