SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:39
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:41
Para Anaís e João Pedro, que
fazem de minha vida um conto
de fadas com final feliz...
Para as crianças todas da
Biblioteca do Coque, que me
sopraram estas e muitas
outras histórias
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:41
Edição patrocinada pelo Funcultura2012 -
Governo do Estado de Pernambuco
Título original: O Menino Balão
Capa e projeto gráfico: Libório Melo
Edição: CEPE - Companhia Editora de
Pernambuco
COELHO, Fabiana
O Menino Balão / Fabiana Coelho;
ilustrações: Libório Melo - Recife: CEPE,
2013; 1ª edição; 32p (Série Meninos de
Cocal)
1. Literatura infantil I. Meninos de Cocal II
Coelho, Fabiana III Título
Literatura infantil 028.5
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:44
AVila de Cocal é uma ilha no meio do mundo. Não
uma ilha igual às outras: cercada por água. É
uma ilha cercada por gente, por prédios, carros,
barulhos, buzinas, torres e pontes. Então, não é ilha –
dirão vocês. E eu direi que a Vila de Cocal é uma ilha
cercada pelo esquecimento. No meio da loucura da
cidade, ela abriga gente que o mundo desaprendeu a
ouvir. E todos, crianças, adultos e velhos, mulheres e
homens, gente boa e gente ruim... cada um dos habitantes
de Cocal tem muita história para contar. Esta é a
primeira das histórias da série “Meninos de Cocal”.
Outras virão.
05
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:44
06
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:48
Esta é a história de Toninho. Eu a ouvi
da boca de minha vó, que aprendeu
com a bisavó... E de gente em gente, o
conto foi se tecendo, se fazendo verdadeiro.
Toninho é um menino de histórias,
Mas fala da história de meninos reais.
07
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:50
Toninho era magrinho,
pretinho, olhos grandes e
vivos. Um menino comum,
como tantos da pequena vila de Cocal.
Mas Toninho tinha uma diferença.
Uma só. Cada vez que se punha
nervoso, ele inchava como um balão.
Uma raiva, uma irritação, chateação,
aperreio... e ele já não era dono de si.
Primeiro, mudava de cor: punha-se
cada vez mais vermelho, até ficar
igual a tomate bem maduro. Depois,
começava a encher-se
de ar. Como o peixe baiacu,
sob ameaça. Como balão que se
sopra. Toninho inchava, inchava,
inchava, até ficar imenso e redondo.
E era nessa hora, que todos corriam.
08
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:54
Corriam de medo, que ele estourasse. Por que corria de boca em boca,
na vila de Cocal, que ele punha-se a cuspir pedras, dar coices, soltar
estrondos terríveis e destruir o que via à frente. Corriam de medo do
que podia haver. Mas não se assombravam mais de vê-lo encher como
balão. E até achavam graça nisso. Achavam graça, sim. E provocavam.
Atiçavam sua raiva para vê-lo em agonia. Puxavam seu cabelo. Xingavam
sua mãe. Davam-lhe os mais feios apelidos. Tudo isso para vê-lo inchado e
vermelho, como tomate gigante.
09
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:56
Na Escola Matricó estudavam todos os meninos de
Cocal. Era uma escola grande, mas pobre e sem
jeito, como tudo por lá. Havia professores poucos e
tristes. Cadeiras quebradas, meninos sentados no chão. Mas
tinha muito espaço e uma quadra grande para jogar bola. E
tinha, também, a diretora Irani.
10
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:59
Adiretora Irani tinha cara de braba. Tinha jeito de
braba. Alma de braba. Mas entendia, como ninguém,
o coração das crianças. E tinha, por dentro daquele
rosto de pedra, uma peninha leve que lhe fazia cócegas no
nariz. (Digo isso porque ela mexia as narinas cada vez que se
perturbava) E, ultimamente, ela vivia coçando a venta cada
vez que olhava para o Toninho.
11
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:01
12
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:05
É
que ela, dona Irani, tinha lido a tristeza
nos olhos do menino. Tinha visto a
malvadeza dos meninos que o
perturbavam. E dona Irani podia até ser braba.
Podia até meter medo. Podia até não se dobrar
às lágrimas e beicinhos diante da necessidade do
castigo. Mas, se tinha uma coisa que ela não
admitia era injustiça.
Foi quando ela teve uma ideia. Ideia louca
e perigosa, mas necessária. Dona Irani trancou
as portas da quadra. E deixou lá os meninos
todos da turma do Toninho.
13
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:07
Como de costume, tudo começou na brincadeira. E
terminou em provocação. Toninho acertou, sem
querer, a bola na Maria Rita. Maria Rita gritou,
nervosa. Atirou-lhe a bola de volta, na cabeça. Toninho
chiou. Leo respondeu. Lançou-lhe nomes feios. A turma
inteira se juntou a ele. Toninho começou a inchar.
14
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:11
Inchou. Inchou. Inchou. Vermelho claro.
Escuro. Roxo. As crianças perceberam que
era hora de correr. Correram. Mas o portão
não abria. Estavam todos lá, trancados. E
Toninho a um passo de explodir. Foi um
desespero. Gente tentando escalar as grades.
Gente trepando na cesta de basquete. Menino
correndo pra todo lado, deitando no chão,
tentando, em vão, uma escapatória. E o pequeno
Toninho, já imenso. Roxo, quase preto. Olhos
esbugalhados. Prestes a explodir. 15
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:13
Ahhhhhhhhh
Foi quando veio o grito. Um grito imenso.
Um estrondo. Um barulho
ensurdecedor. Foi quando vieram as
pedras. Pedras pequenas, grandes, de todos os
tamanhos. Foi quando vieram os coices, os
murros no chão, os chutes nas grades. Nunca,
ninguém vira algo assim. Era assustador. E
triste. Muito triste.
Ahhhhhhhhh
16
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:17
hhhhhhhhhhhhhhhhhh
17
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:19
Então tudo cessou. As pedras. Os urros.
Os coices. Toninho já não estava
inchado. Murchara, como balão que
estoura. Estava magro, branco, prostrado no
chão como um resto de carne. Tudo cessou e
fez-se um silêncio imenso. Um silêncio
pesado. Um silêncio doído. E Toninho cuspiu
no chão.
18
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:22
19
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:23
20
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:27
Da boca do menino saiu um
coração. Um coração ainda vivo,
pulsando no meio da quadra.
Enquanto Toninho se estendia, como saco
vazio em um pedaço do chão, as crianças
olhavam aquele coraçãozinho que batia,
devagar, cada vez mais devagar. E o
silêncio cobrava uma atitude.
21
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:28
umT
muT
22
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:32
Atitude que veio da menina menorzinha, a de
óculos, franzina. A que sentava no canto da sala.
A que ninguém percebia. A menina Adelaide.
Ela caminhou lentamente até o coraçãozinho. Tomou-o
na mão. Olhou para Toninho desfalecido, abriu-lhe a
boca e enfiou lá dentro o coração que ainda batia.
23
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:33
Pouco a pouco, Toninho foi abrindo os
olhos. Olhou para a menina. Sorriu.
Dona Irani esperava no portão.
Observara tudo, escondida. E também ela
abriu largo sorriso e deixou as chaves girarem
no cadeado. Escancarou as portas, mas
ninguém saiu. O silêncio ainda reinava. Só que
agora não era pesado, mas leve como borboleta.
24
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:37
25
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:39
Aos pouquinhos, as crianças foram saindo.
Mudas. Pensativas. Adelaide e Toninho
sairam juntos, um de cada lado, mãos
dadas com dona Irani. A partir daquele dia,
nunca mais ele inchou. Ganhara coração
renovado. Mandara embora os gritos que lhe
habitavam. A partir daquele dia, a turma do
Toninho tornou-se a mais amiga, a mais solidária,
a mais tranquila de toda escola. A meninada
aprendeu, todos eles, que havia, em cada um,
uma alma que podia inchar de tristeza e dor.
26
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:43
27
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:44
28
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:47
Eu me chamo Fabiana e gosto de
muitas coisas: de chocolate, de
criança, de mar e de livros, por
exemplo. Gosto tanto de histórias que
achei que não deveria guardá-las só pra
mim. Por isso, conto-as e leio-as para
Anaís e João, meus filhos. E também
para um montão de crianças na
Biblioteca do Coque. Crianças que
aprendi a amar e que hoje fazem parte
de minha vida tanto quanto minhas
histórias.
29
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:48
Meu nome é Libório e acho que
nunca deixei de ser criança.
Uma criança peralta, que quer
o tempo todo estar brincando. Quando
pequenino, deram-me um lápis de cor.
Desde então, nunca mais parei de pintar.
Pintei o sete e outros números. Pintei
também o livro da minha amiga
Fabiana. É que gosto muito de histórias,
sejam elas para adultos ou para crianças.
Então, fiquei feliz por pintar este livro
todinho, também.
30
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:50
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:51
CEPE
quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:53

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O Menino Balão

Meu Primeiro Beijo.Situação de Aprendizagem
Meu Primeiro Beijo.Situação de AprendizagemMeu Primeiro Beijo.Situação de Aprendizagem
Meu Primeiro Beijo.Situação de AprendizagemMariwata
 
Violência em Meio Escolar
Violência em Meio EscolarViolência em Meio Escolar
Violência em Meio EscolarMsaude
 
Clara Amorim (FT1)
Clara Amorim (FT1)Clara Amorim (FT1)
Clara Amorim (FT1)efaesan
 
A coleção
A coleçãoA coleção
A coleçãonatudrey
 
A coleção
A coleçãoA coleção
A coleçãonatudrey
 

Semelhante a O Menino Balão (11)

358 an 15_novembro_2011.ok
358 an 15_novembro_2011.ok358 an 15_novembro_2011.ok
358 an 15_novembro_2011.ok
 
Meu Primeiro Beijo.Situação de Aprendizagem
Meu Primeiro Beijo.Situação de AprendizagemMeu Primeiro Beijo.Situação de Aprendizagem
Meu Primeiro Beijo.Situação de Aprendizagem
 
Era uma vez o livro
Era uma vez o livroEra uma vez o livro
Era uma vez o livro
 
Avaliação de português 5/6º anos
Avaliação de português 5/6º anosAvaliação de português 5/6º anos
Avaliação de português 5/6º anos
 
Faisca
FaiscaFaisca
Faisca
 
5' a LER no AEFN
5' a LER no AEFN5' a LER no AEFN
5' a LER no AEFN
 
Violência em Meio Escolar
Violência em Meio EscolarViolência em Meio Escolar
Violência em Meio Escolar
 
Clara Amorim (FT1)
Clara Amorim (FT1)Clara Amorim (FT1)
Clara Amorim (FT1)
 
A coleção
A coleçãoA coleção
A coleção
 
A coleção
A coleçãoA coleção
A coleção
 
A coleção
A coleçãoA coleção
A coleção
 

Mais de Angelo Tomasini (20)

EM DOMICILIO completo
EM DOMICILIO completoEM DOMICILIO completo
EM DOMICILIO completo
 
MOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBERMOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBER
 
TARADOS - Livro erotico
TARADOS - Livro eroticoTARADOS - Livro erotico
TARADOS - Livro erotico
 
Jane da pra todo mundo
Jane da pra todo mundoJane da pra todo mundo
Jane da pra todo mundo
 
CRIATURA - Livro erotico
CRIATURA - Livro eroticoCRIATURA - Livro erotico
CRIATURA - Livro erotico
 
DOMESTICO - Livro erótico
DOMESTICO - Livro eróticoDOMESTICO - Livro erótico
DOMESTICO - Livro erótico
 
ALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro eróticoALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro erótico
 
O DETETIVE CEGO - Livro erótico
O DETETIVE CEGO - Livro eróticoO DETETIVE CEGO - Livro erótico
O DETETIVE CEGO - Livro erótico
 
VICIADA EM SEXO
VICIADA EM SEXOVICIADA EM SEXO
VICIADA EM SEXO
 
INSÔNIA
INSÔNIAINSÔNIA
INSÔNIA
 
OFERTA SAFADA DA CASA
OFERTA SAFADA DA CASAOFERTA SAFADA DA CASA
OFERTA SAFADA DA CASA
 
VIUVINHA - Livro erótico
VIUVINHA - Livro eróticoVIUVINHA - Livro erótico
VIUVINHA - Livro erótico
 
Minha noiva e uma puta
Minha noiva e uma putaMinha noiva e uma puta
Minha noiva e uma puta
 
MINHA IRMÃ BUNDEIRA
MINHA IRMÃ BUNDEIRAMINHA IRMÃ BUNDEIRA
MINHA IRMÃ BUNDEIRA
 
CENAS DE SEXO
CENAS DE SEXOCENAS DE SEXO
CENAS DE SEXO
 
DECADENCIA
DECADENCIADECADENCIA
DECADENCIA
 
De santa a puta
De santa a putaDe santa a puta
De santa a puta
 
Assassina completo
Assassina completoAssassina completo
Assassina completo
 
Vira lata completo
Vira lata completoVira lata completo
Vira lata completo
 
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTUROSEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 

O Menino Balão

  • 1. CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:39
  • 2. CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:41
  • 3. Para Anaís e João Pedro, que fazem de minha vida um conto de fadas com final feliz... Para as crianças todas da Biblioteca do Coque, que me sopraram estas e muitas outras histórias CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:41
  • 4. Edição patrocinada pelo Funcultura2012 - Governo do Estado de Pernambuco Título original: O Menino Balão Capa e projeto gráfico: Libório Melo Edição: CEPE - Companhia Editora de Pernambuco COELHO, Fabiana O Menino Balão / Fabiana Coelho; ilustrações: Libório Melo - Recife: CEPE, 2013; 1ª edição; 32p (Série Meninos de Cocal) 1. Literatura infantil I. Meninos de Cocal II Coelho, Fabiana III Título Literatura infantil 028.5 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:44
  • 5. AVila de Cocal é uma ilha no meio do mundo. Não uma ilha igual às outras: cercada por água. É uma ilha cercada por gente, por prédios, carros, barulhos, buzinas, torres e pontes. Então, não é ilha – dirão vocês. E eu direi que a Vila de Cocal é uma ilha cercada pelo esquecimento. No meio da loucura da cidade, ela abriga gente que o mundo desaprendeu a ouvir. E todos, crianças, adultos e velhos, mulheres e homens, gente boa e gente ruim... cada um dos habitantes de Cocal tem muita história para contar. Esta é a primeira das histórias da série “Meninos de Cocal”. Outras virão. 05 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:44
  • 6. 06 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:48
  • 7. Esta é a história de Toninho. Eu a ouvi da boca de minha vó, que aprendeu com a bisavó... E de gente em gente, o conto foi se tecendo, se fazendo verdadeiro. Toninho é um menino de histórias, Mas fala da história de meninos reais. 07 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:50
  • 8. Toninho era magrinho, pretinho, olhos grandes e vivos. Um menino comum, como tantos da pequena vila de Cocal. Mas Toninho tinha uma diferença. Uma só. Cada vez que se punha nervoso, ele inchava como um balão. Uma raiva, uma irritação, chateação, aperreio... e ele já não era dono de si. Primeiro, mudava de cor: punha-se cada vez mais vermelho, até ficar igual a tomate bem maduro. Depois, começava a encher-se de ar. Como o peixe baiacu, sob ameaça. Como balão que se sopra. Toninho inchava, inchava, inchava, até ficar imenso e redondo. E era nessa hora, que todos corriam. 08 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:54
  • 9. Corriam de medo, que ele estourasse. Por que corria de boca em boca, na vila de Cocal, que ele punha-se a cuspir pedras, dar coices, soltar estrondos terríveis e destruir o que via à frente. Corriam de medo do que podia haver. Mas não se assombravam mais de vê-lo encher como balão. E até achavam graça nisso. Achavam graça, sim. E provocavam. Atiçavam sua raiva para vê-lo em agonia. Puxavam seu cabelo. Xingavam sua mãe. Davam-lhe os mais feios apelidos. Tudo isso para vê-lo inchado e vermelho, como tomate gigante. 09 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:56
  • 10. Na Escola Matricó estudavam todos os meninos de Cocal. Era uma escola grande, mas pobre e sem jeito, como tudo por lá. Havia professores poucos e tristes. Cadeiras quebradas, meninos sentados no chão. Mas tinha muito espaço e uma quadra grande para jogar bola. E tinha, também, a diretora Irani. 10 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:50:59
  • 11. Adiretora Irani tinha cara de braba. Tinha jeito de braba. Alma de braba. Mas entendia, como ninguém, o coração das crianças. E tinha, por dentro daquele rosto de pedra, uma peninha leve que lhe fazia cócegas no nariz. (Digo isso porque ela mexia as narinas cada vez que se perturbava) E, ultimamente, ela vivia coçando a venta cada vez que olhava para o Toninho. 11 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:01
  • 12. 12 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:05
  • 13. É que ela, dona Irani, tinha lido a tristeza nos olhos do menino. Tinha visto a malvadeza dos meninos que o perturbavam. E dona Irani podia até ser braba. Podia até meter medo. Podia até não se dobrar às lágrimas e beicinhos diante da necessidade do castigo. Mas, se tinha uma coisa que ela não admitia era injustiça. Foi quando ela teve uma ideia. Ideia louca e perigosa, mas necessária. Dona Irani trancou as portas da quadra. E deixou lá os meninos todos da turma do Toninho. 13 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:07
  • 14. Como de costume, tudo começou na brincadeira. E terminou em provocação. Toninho acertou, sem querer, a bola na Maria Rita. Maria Rita gritou, nervosa. Atirou-lhe a bola de volta, na cabeça. Toninho chiou. Leo respondeu. Lançou-lhe nomes feios. A turma inteira se juntou a ele. Toninho começou a inchar. 14 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:11
  • 15. Inchou. Inchou. Inchou. Vermelho claro. Escuro. Roxo. As crianças perceberam que era hora de correr. Correram. Mas o portão não abria. Estavam todos lá, trancados. E Toninho a um passo de explodir. Foi um desespero. Gente tentando escalar as grades. Gente trepando na cesta de basquete. Menino correndo pra todo lado, deitando no chão, tentando, em vão, uma escapatória. E o pequeno Toninho, já imenso. Roxo, quase preto. Olhos esbugalhados. Prestes a explodir. 15 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:13
  • 16. Ahhhhhhhhh Foi quando veio o grito. Um grito imenso. Um estrondo. Um barulho ensurdecedor. Foi quando vieram as pedras. Pedras pequenas, grandes, de todos os tamanhos. Foi quando vieram os coices, os murros no chão, os chutes nas grades. Nunca, ninguém vira algo assim. Era assustador. E triste. Muito triste. Ahhhhhhhhh 16 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:17
  • 18. Então tudo cessou. As pedras. Os urros. Os coices. Toninho já não estava inchado. Murchara, como balão que estoura. Estava magro, branco, prostrado no chão como um resto de carne. Tudo cessou e fez-se um silêncio imenso. Um silêncio pesado. Um silêncio doído. E Toninho cuspiu no chão. 18 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:22
  • 19. 19 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:23
  • 20. 20 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:27
  • 21. Da boca do menino saiu um coração. Um coração ainda vivo, pulsando no meio da quadra. Enquanto Toninho se estendia, como saco vazio em um pedaço do chão, as crianças olhavam aquele coraçãozinho que batia, devagar, cada vez mais devagar. E o silêncio cobrava uma atitude. 21 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:28
  • 22. umT muT 22 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:32
  • 23. Atitude que veio da menina menorzinha, a de óculos, franzina. A que sentava no canto da sala. A que ninguém percebia. A menina Adelaide. Ela caminhou lentamente até o coraçãozinho. Tomou-o na mão. Olhou para Toninho desfalecido, abriu-lhe a boca e enfiou lá dentro o coração que ainda batia. 23 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:33
  • 24. Pouco a pouco, Toninho foi abrindo os olhos. Olhou para a menina. Sorriu. Dona Irani esperava no portão. Observara tudo, escondida. E também ela abriu largo sorriso e deixou as chaves girarem no cadeado. Escancarou as portas, mas ninguém saiu. O silêncio ainda reinava. Só que agora não era pesado, mas leve como borboleta. 24 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:37
  • 25. 25 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:39
  • 26. Aos pouquinhos, as crianças foram saindo. Mudas. Pensativas. Adelaide e Toninho sairam juntos, um de cada lado, mãos dadas com dona Irani. A partir daquele dia, nunca mais ele inchou. Ganhara coração renovado. Mandara embora os gritos que lhe habitavam. A partir daquele dia, a turma do Toninho tornou-se a mais amiga, a mais solidária, a mais tranquila de toda escola. A meninada aprendeu, todos eles, que havia, em cada um, uma alma que podia inchar de tristeza e dor. 26 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:43
  • 27. 27 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:44
  • 28. 28 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:47
  • 29. Eu me chamo Fabiana e gosto de muitas coisas: de chocolate, de criança, de mar e de livros, por exemplo. Gosto tanto de histórias que achei que não deveria guardá-las só pra mim. Por isso, conto-as e leio-as para Anaís e João, meus filhos. E também para um montão de crianças na Biblioteca do Coque. Crianças que aprendi a amar e que hoje fazem parte de minha vida tanto quanto minhas histórias. 29 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:48
  • 30. Meu nome é Libório e acho que nunca deixei de ser criança. Uma criança peralta, que quer o tempo todo estar brincando. Quando pequenino, deram-me um lápis de cor. Desde então, nunca mais parei de pintar. Pintei o sete e outros números. Pintei também o livro da minha amiga Fabiana. É que gosto muito de histórias, sejam elas para adultos ou para crianças. Então, fiquei feliz por pintar este livro todinho, também. 30 CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:50
  • 31. CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:51
  • 32. CEPE quinta-feira, 7 de mar o de 2013 23:51:53