SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 120
Baixar para ler offline
SEXO DO FUTURO 1
LIVRO ERÓTICO
SEXO DO FUTURO2
SEXO DO FUTURO 3
SEXO DO FUTURO – Parte 01
Ocontêiner localizado na zona portuária do Recife estava
iluminado àquela hora da madrugada, mas sua porta de
entrada estava fechada. Apenas dava para ver a luz vazan-
do pelas frestas. Dentro, oito mulheres participavam de uma
reunião no mínimo suspeita. A que parecia ser a líder de to-
das vestia um uniforme de couro fosco totalmente branco,
colado ao corpo e com design futurista. Não aparentava ter
maior idade que as demais. Tinha um bisturi na mão direi-
ta e manipulava uma gerigonça com uma lupa, que de vez
em quando ela usava para visualizar detalhes. Parecia estar
prestes a dissecar dois cadáveres, dispostos sobre uma mesa
cirúrgica. As outras pessoas ali reunidas eram todas do sexo
feminino e usavam uniformes idênticos, só que de cores di-
ferentes: duas usavam de couro vermelho, três de couro fos-
co preto e duas de couro verde claro. Estas auxiliavam a que
parecia líder. À primeira vista, se teria a impressão de que
SEXO DO FUTURO4
seriam enfermeiras. A líder disse, finalmente:
- Bem, parece que não têm anatomia muito diferen-
tes dos nossos espécimes contemporâneos. O órgão sexual é
deveras maior do que o que vemos usualmente, mas não dá
para saber se têm função diversificada dos que conhecemos.
Alguém se habilita a testar as funções eréteis do espécime?
As mulheres olharam umas para as outras sem, no en-
tanto, tomarem nenhuma iniciativa. Só depois de alguns mi-
nutos, uma falou:
- Nossa líder é quem deve fazer as honras. Nós, apenas
assistiremos.
A de uniforme branco depositou o bisturi em uma va-
silha metálica, tirou as luvas e aproximou o rosto de um dos
corpos nus. Este aparentava ter o pênis maior. Tocou o sexo
dele com cuidado, com dois dedos, como se temesse desper-
tá-lo. Mas sabia que o indivíduo estava sob forte letargia, cau-
sada por uma dose cavalar de anestésicos. Cheirou o membro
em repouso e disse:
- Tem um cheiro acre, como se não fizesse a higiene do
corpo regularmente. Mas não é um odor desagradável. Exci-
ta-me a libido. Vamos ver que gosto tem...
Dito isso, aproximou os lábios do sexo em descanso
e tocou-o com a língua. O membro pareceu mover-se leve-
mente. Atraiu olhares mais curiosos das espectadoras. Uma
delas passou a língua nos lábios, com se estivessem resseca-
dos. E estavam.
- Também não tem sabor ruim. Mas está muito resse-
cado.
- Umedeça mais a coroa, talvez até melhore o gosto.
- Sugeriu uma das de vestimenta verde-claro. Uma das que
vestiam preto, no entanto, deu um passo à frente, oferecendo
um pequeno tubo metálico à líder:
- Tente este spray. Tem sabor artificial de morango.
A mulher recebeu o recipiente, pulverizou a cabeçorra
do pau em descanso e, em seguida, a própria boca. Nova-
SEXO DO FUTURO 5
mente, levou o pênis murcho aos lábios. Desta vez, o peda-
ço de carne pareceu dar um pinote. As mulheres tinham os
olhos arregalados.
A líder, mais uma vez, levou o sexo masculino à boca.
Seu dono gemeu, quando ela engoliu-o até à metade. O sujei-
to despertou e olhou em volta, mas não parecia estar enxer-
gando ninguém. Revirou os olhos, como se estivesse sentin-
do prazer naquela carícia, mas depois permaneceu imóvel e
calado. Seu membro, no entanto, pulsava teso.
- O nervo pulsa e começa a expelir uma secreção inco-
lor e inodora. - anunciou a mulher que manuseava o pênis.
- Talvez, friccionando o artefato, ele reaja de forma desco-
nhecida para nós.
E a mulher manipulou o enorme caralho, de forma um
tanto insegura, como se nunca tivesse feito aquilo. O cara ge-
meu de novo, desta vez mais alto. A mulher que havia entre-
gue o spray avisou:
- Ele deve estar sentindo dores terríveis. Não seria o
caso de parar com essa terrível tortura?
- Capturamos os espécimes para estudar suas reações.
Nossa líder deve ir até o fim! - Assegurou uma das mulheres
vestidas de vermelho.
Nesse instante, a de uniforme branco punhetava a pica
com mais vigor. Afastara o rosto do colo do sujeito, agora
atenta a suas reações faciais. O homem abriu desmesurada-
mente a boca e depois os olhos. Mirou-a por um instante,
mas logo revirou os olhos. Gritou com todos os pulmões:
- Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, porra...
- Está matando-o! Vamos perder o espécime. - Gritou
alguém.
Nesse momento, o pau jorrou uma quantidade cavalar
de sêmen. O sujeito estremeceu por uns segundos, depois ar-
regalou muito os olhos. Tentou se libertar das amarras metá-
licas que o prendiam mas, em seguida, tombou a cabeça para
um lado, com os olhos esbugalhados e a boca crispada. Baba-
SEXO DO FUTURO6
va de forma constante, até que ficou imóvel. A líder colocou
um estranho aparelho sobre o seu peito e confirmou:
- Infelizmente, a cobaia está morta. Isso significa que
estávamos erradas: esses seres não suportam muita tortura
por muito tempo. São mais frágeis do que pensávamos.
- Então, perdemos nosso tempo e viagem? - Perguntou
uma delas.
- Talvez resistam, se extirparmos seus sêmens natural-
mente, sem forçar a masturbação - Sugeriu outra.
- Alguém quer tentar com o próximo? - Perguntou a
líder.
- Antes, não seria bom verificarmos que gosto tem o
líquido esbranquiçado que saiu da ferramenta do espécime?
- quis saber uma das que vestiam de vermelho.
- Eu também quero experimentar - Disse uma que se
vestia de verde-claro.
- Todas devem experimentar! Poderemos não ter outra
oportunidade. - Sugeriu alguém.
Fizeram fila. Cada uma que lambesse um pouco de
porra. Algumas aprovaram o sabor, outras acharam o chei-
ro enjoado, como algum produto químico que conhecessem,
mas não sabiam precisar qual. Num breve espaço de tempo,
não havia restado nem mais um pingo de esperma no colo do
defunto. O pau do sujeito foi murchando aos poucos, até vol-
tar ao seu estado inicial: medindo cerca de doze centímetros.
- Será que a peça não fica erétil de novo, se for nova-
mente estimulada? - Perguntou a líder.
Todas abriram muito os olhos, espantadas por não ha-
verem tido tal ideia. Uma das vestidas de verde perguntou:
- Eu gostaria de tentar. Tenho permissão de vocês?
- Tem coragem de botar a boca nisso? Agora tem um
cheiro diferente, como se já estivesse em decomposição...
- É pelo bem do nosso conhecimento. Eu me arrisco.
- Não vou permitir que nenhuma de vocês corra esse
perigo. Sou a líder, cabe a mim arriscar.
SEXO DO FUTURO 7
- Mas, se algo vos acontecer, ficaremos sem liderança. -
Lembrou uma delas.
Mas a líder já abocanhava o membro flácido. Estimu-
lou-o com as mãos, com os lábios e até com a garganta, sem
obter nenhum resultado. Frustrada, anunciou:
- Vou dissecar o outro espécime. Quem sabe não des-
cubro a causa do óbito deste?
Porém, o outro espécime estava morto. Aparentava
bem mais idade que o que acabara de falecer e já tinha che-
gado com sintomas de ataque cardíaco. Entretidas com o su-
jeito mais jovem, não deram a devida atenção ao enfermo.
A líder usou novamente o estranho aparelho para atestar o
óbito. Disse, depois, num fio de voz:
- Sugiro, da próxima vez, trazerem amostras ainda mais
jovens. Ao menos uma, para que possamos comparar às que
temos no depósito criogênico.
Algumas das mulheres resmungaram algo, e deram a
sessão por encerrada. As que vestiam preto armaram-se do
que pareciam artefatos futurísticos e se despediram das ou-
tras. Afirmaram que logo estariam de volta com, pelo menos,
um espécime vivo. Saíram do contêiner e caminharam a pé
em direção às luzes que brilhavam ao longe. Ali, estavam lo-
calizados alguns dos puteiros da zona portuária da cidade.
Fim da Primeira Parte
SEXO DO FUTURO8
SEXO DO FUTURO - Parte dois
Aviatura parou em frente a um “inferninho”, situado na
mesma zona portuária para onde se dirigiam as mulhe-
res. Um sujeito negro, de quase dois metros de altura, metido
num uniforme policial que parecia ter sido feito para alguém
de estatura menor e mais franzina que a dele, desceu do car-
ro e correu escadas acima, denotando a enorme vontade de
esvaziar a bexiga. Disse aos companheiros, que se riam do
seu vexame:
- Não demoro. Mas, se quiserem, podem descer tam-
bém e esticar as pernas. Só não podem beber em serviço.
- Certo, sargento. Mas esperaremos aqui mesmo. Vá
logo, para não mijar nas calças – disse o motorista, um sujei-
to jovem com cara de gozador. - Na volta, traga uns refrige-
rantes pra gente.
O sargento não ouviu a última frase, subindo escadaria
acima, em direção aonde se ouvia uma música brega tocan-
SEXO DO FUTURO 9
do numa radiola de fichas, numa altura que decerto incomo-
daria os vizinhos, se o bar não fosse estabelecido numa área
de comércio. Àquela hora, as lojas estavam todas fechadas.
Só funcionavam os inferninhos e lanchonetes, normalmente
frequentados por putas e sua clientela. O motorista resolveu-
se a descer do veículo, dizendo que iria dar uma olhada no
movimento do puteiro. Os outros permaneceram no carro.
Estavam em final de turno e sentiam-se sem ânimo naquela
noite calorenta. Não haviam atendido nenhuma ocorrência,
o que era raro naqueles dias da semana. Tratava-se de uma
sexta-feira.
O recinto estava lotado e fedia a suor e nicotina. Os
clientes pareciam nem ligar para o uniforme policial, apesar
de alguns serem mal-encarados. Algumas putas cumprimen-
taram o policial e este respondia nuns resmungos. Caminhou
até uma das janelas em estilo colonial, do puteiro, e olhou
para baixo. Sorriu ao ver um dos policiais mijando num can-
to de parede, perto da viatura. Pensou que o sargento bem
que poderia ter feito o mesmo. Pouparia uns pingos na cueca.
Aí, viu as três mulheres que se aproximavam do veículo poli-
cial. Frangiu a testa. Sempre fazia ronda naquela área e nunca
tinha visto nenhuma das três por ali. Todas vestiam roupas
pretas, de um tipo de tecido fosco que mais parecia uma ca-
muflagem noturna. Viu quando uma delas sacou da cintu-
ra um objeto muito parecido com uma mini metralhadora.
Mais que depressa, desceu as escadas, saltando de dois em
dois degraus. Mesmo assim, chegou atrasado para avisar aos
companheiros. Viu vários clarões azulados saindo do cano
da estranha arma, que não produziu nenhum som aparente,
e seus companheiros tombaram sem vida: um dentro e outro
fora da viatura. O motorista já havia sacado seu revólver, mas
não conseguiu disparar. Uma das mulheres de preto foi mais
rápida e lhe apontou um objeto brilhante, que parecia mais
uma soqueira. Dele, saíram quatro petardos que perfuraram
o corpo do militar, liberando o que parecia uma forte des-
SEXO DO FUTURO10
carga elétrica. O policial foi sacudido por fortes convulsões,
antes de tombar sem vida. A figura feminina acionou algum
mecanismo que fez os petardos recolherem-se para o inte-
rior da estranha arma, como se esta tivesse algum forte ímã
embutido. As mulheres se aproximaram dos corpos como se
quisessem atestar suas mortes. A que parecia a líder fez um
aceno de cabeça, confirmando o óbito. Com um movimento
ensaiado, as três guardaram ao mesmo tempo suas armas e
caminharam em direção à escada que dava no inferninho.
Ninguém parecia ter se dado conta do que havia acon-
tecido lá embaixo. Alguns clientes olharam em direção às
desconhecidas, estranhando suas vestes futurísticas, mas não
teceram nenhum comentário. As três se sentaram à uma mesa
desocupada e chamaram uma garçonete que atendia carran-
cuda, quando era requisitada. As três pediram garrafinhas de
água mineral. A atendente pareceu mais abusada ainda com
aquele pedido. Naquele momento, o sargento saiu do banhei-
ro imundo da pensão, ainda guardando o membro dentro
das calças, e desceu as escadas, sem ser visto pelas recém-
chegadas. Teve uma surpresa enorme, quando viu sua equipe
assassinada. Sacou sua arma e ficou tenso, vasculhando os
arredores com o olhar atento. Estranhou que os seus compa-
nheiros estivessem ainda de posse de suas armas. Se tivessem
sido surpreendidos por malfeitores comuns, decerto estes
lhes teriam alijado das pistolas. Ainda tenso, esgueirou-se até
a viatura e, sem perder a atenção, passou um rádio pedindo
socorro. Logo apareceu outra viatura para auxiliá-lo. Esteve
se reportando a um tenente e era visível o seu embaraço. Por
fim, concordou em subirem até o bar onde estivera mijando.
Dariam uma batida ali. Quem sabe, o assassino ou os assassi-
nos, estariam lá encima?
No entanto, os policiais cometeram o erro de revistar
todos os homens do recinto, negligenciando as mulheres.
Principalmente as que estavam vestidas em estranhos uni-
formes negros. Uma delas levantou-se da mesa e se postou
SEXO DO FUTURO 11
estrategicamente ao lado da garçonete que atendia a clientela.
Isso, pouco antes do tenente se dirigir à atendente, pergun-
tando:
- Quem foram as últimas pessoas a entrar neste putei-
ro?
- Homem ou mulher?
- Homem, claro. Não creio que alguma mulher tivesse
sangue frio o bastante para cometer aquela chacina lá embai-
xo – Disse o tenente, para o espanto da garçonete que ainda
não sabia do ocorrido.
A mulher vestida de negro relaxou. Estava pronta para
ameaçar a pobre garçonete, encostando-lhe uma arma no
flanco. A atendente apontou dois sujeitos mal-encarados que
haviam subido por último, mas estes não estavam armados
e nem pareciam culpados. Uma das putas que estavam com
eles jurou que estiveram o tempo todo consigo. Por fim, os
policiais chegaram à conclusão de que estavam perdendo
tempo ali. O tenente deu a ordem para descerem e aguarda-
rem pela perícia junto aos corpos. Aí, o sargento ousou con-
trariar seu superior:
- Desculpe, tenente, mas não acho que devamos negli-
genciar a batida nas mulheres. Talvez, quem atacou os nossos
companheiros tenham passado as armas para elas, aqui em
cima. – Falou com convicção o negrão.
As mulheres vestidas de preto ficaram tensas, olhando
uma para as outras. Seriam, fatalmente, descobertas. A um
sinal da que parecia a líder, todas sacaram, ao mesmo tempo,
suas armas ocultas entre as vestes. Apenas o sargento perce-
beu o movimento suspeito delas. Gritou:
- Atenção: armas escondidas!
O aviso chegou tarde. As mulheres atiraram, pegando o
tenente e os outros policiais de surpresa. O sargento jogou-se
ao chão e revidou ao ataque. Atingiu uma delas com um tiro
na barriga. O tenente, mesmo ferido, também atirou. Teve
mais sorte. Acertou a líder com um balaço certeiro na testa.
SEXO DO FUTURO12
A única das mulheres que não fora atingida usou a estranha
arma que mais parecia uma soqueira para derrubar de vez
o jovem tenente. Mas deu tempo ao negrão, demonstrando
incrível agilidade, a derrubá-la com um murro certeiro na
nuca. Ela caiu pesadamente no chão imundo do puteiro. O
pandemônio estava formado no local. Teve cliente descendo
as escadas às carreiras, tropeçando nos degraus e se esborra-
chando no chão. Uma das putas foi empurrada janela abaixo
por outra em fuga. Nem bem findaram os disparos, não havia
mais ninguém no recinto, afora os policiais e as mulheres de
preto. Uma morta, uma mortalmente ferida na barriga e ou-
tra desmaiada. O negrão ainda estava atônito, sem saber se
atirava novamente na mulher ferida ou se socorria os com-
panheiros. Preferiu a segunda opção. Infelizmente, pela se-
gunda vez naquela madrugada, perdeu mais companheiros.
Todos os policiais estavam mortos. Aí, ouviu a sirene de uma
viatura policial que alardeava a sua aproximação. Deviam ser
os peritos chegando. Um deles sacou o celular do bolso e fez
uma ligação.
O comissário Abelardo tinha os olhos revirados, mãos
espalmadas sobre o birô. Àquela hora da madrugada, ficavam
poucos policiais na delegacia. Na verdade, ordenava que to-
dos saíssem para a ronda, e permanecia com ele só uma es-
crivã. Era ela que o estava chupando, ajoelhada sob o tampo
da mesa, entre as pernas do policial.
A mulher magra e sem grandes atrativos de beleza re-
clamou:
- Assim, me doem os joelhos. Vamos para um dos ca-
tres, lá estaremos mais à vontade...
- Termine a chupada, mulher. Estou adorando. E você
sabe que em uma das camas da cadeia fica mais fácil de ser-
mos flagrados. Algum dos presos pode nos alcaguetar, ou
alguma viatura pode chegar de repente. Isso, sem falar de al-
guém que venha prestar alguma queixa na madrugada, possa
SEXO DO FUTURO 13
nos flagrar no ato. Então, mame esse cacete com gula que eu
estou já gozando!
- Mas eu também quero gozar!
O delegado fez uma cara de irritação, mas resolveu-se
a atender a reclamação da subalterna. Levantou-se, puxou-a
de baixo do birô e obrigou-a debruçar-se sobre o tampo. Ela
sorriu, quando ele lhe levantou a saia curta que ela usava.
Estava já sem calcinha.
- Pois já que estou quase gozando, vamos passar para os
“finalmentes”, catraia.
Dito isso, apontou o caralho babado para as pregas da
policial e empurrou tudo de uma só vez. Ela tentou gritar,
mas ele tinha lhe tapado a boca com uma das mãos.
- Sem alarde, puta safada. Quer que nos ouçam?
- Não. Quero que enfie sem pena na minha bunda, meu
delegado. É assim que eu adoro... - ela grunhiu de forma aba-
fada, tendo a boca pressionada pela mão do amante.
Aí o telefone tocou. A princípio, o delegado não quis
atender. Mas sabia que telefonema para delegacia àquela hora
significava bronca pesada. Então, sem tirar a peia de dentro,
levou o aparelho telefônico ao ouvido.
Fim da Segunda parte
SEXO DO FUTURO14
SEXO DO FUTURO - Parte três
Ela gemeu, massageou a nuca com a mão e movimentou
o pescoço. Constatou que o nervo estava ok e, só então,
percebeu que estava sendo observada pelo policial. Depressa,
agachou-se e manipulou as algemas que lhe prendiam os pés.
O sargento correu até as suas roupas entulhadas encima de
uma mesa, catou seu revólver e apontou para ela:
- Pare. Mais um movimento e eu atiro em você!
Ela parou, mas fez uma cara de raiva, antes de dizer:
- Se você quisesse atirar em mim, já teria feito isso. Não
sei porque poupou minha vida e me trouxe para cá. Está tra-
mando algo e não pretendo esperar para ver o que é...
- Eu quero apenas lhe fazer umas perguntas. - Disse ele,
ainda de arma em punho.
- E porque não fez isso lá, já que eu era sua prisioneira?
- Meu superior a teria assassinado, como fez com tua
parceira. Ele está furioso por vocês haverem matado o filho
SEXO DO FUTURO 15
dele. Não daria para interroga-la lá.
A mulher esteve olhando bem nos olhos do negrão, de-
pois relaxou. Mesmo assim, terminou de retirar as algemas.
Disse que não gostava de estar prisioneira. Pediu, no entanto,
que ele baixasse o revólver. Também não apreciava estar na
mira de uma arma. O sargento, porém, ainda não confiava
nela. Afirmou que continuaria apontando-lhe o trabuco, até
que se sentisse menos ameaçado.
- Devo-lhe minha vida. Dou-lhe minha palavra de que
não tentarei fugir. Mas, se continuar me apontando a arma,
terei que alijar você dela.
O sargento riu. Ela estava sentada no sofá, quase do ou-
tro lado da pequena sala, tendo um móvel de centro separan-
do os dois. O negrão também havia sentado numa cadeira da
sala, ainda de cuecas. Disse para a bela mulher:
- Você fala como se fosse fácil me desarmar, principal-
mente eu sabendo das tuas inten...
Não completou a frase. A mulher levantou-se de um
salto, deu uma cambalhota no ar, demonstrando incrível agi-
lidade, e caiu com os dois joelhos sobre as coxas do policial.
Ele gritou de dor, pois o impacto causou-lhe a distensão dos
músculos. Rapidamente, ela tomou-lhe a arma das mãos. Ele
achou que ela iria atirar. A bela morena, no entanto, retirou
todas as balas do tambor da arma com um movimento rá-
pido e entregou-lhe o revólver de volta. Depois voltou a se
acomodar no sofá, no mesmo canto onde estivera sentada,
e despejou as balas sobre o móvel. O negrão continuava ge-
mendo de dor. Os músculos das coxas estavam muito dolori-
dos. Então, ela afirmou:
- Logo essa dor passará. Agora, faça as perguntas que
quiser. Terá suas respostas. E eu te garanto que não minto.
- Ninguém é capaz de viver sem mentir. – Discordou o
negrão – por mais que se tente evitar.
- Nós não mentimos. Nunca. Nossos valores são muito
diferentes dos de vocês, nossos antepassados.
SEXO DO FUTURO16
O negrão esteve um tempo observando-a, cismado
com aquela afirmativa. Depois perguntou:
- Está querendo me dizer que vocês são do futuro? Por-
que, se é assim, eu não acredito nessas histórias fantásticas de
viagem no tempo.
- Nós descobrimos recentemente que há um curto es-
paço de tempo onde presente, passado e futuro se alinham
perfeitamente, abrindo uma brecha na linha temporal. Ape-
nas isso. Estamos aproveitando essa brecha para resolver um
problema recorrente à nossa época. Disso, depende o futuro
da Humanidade.
- Balelas. Não vai me convencer contando essas menti-
ras. Se bem que fico balançado a pensar que você vem mes-
mo de algum lugar que não seja o Brasil. Você fala português
com um sotaque estranho, que não é de nenhum pais de lín-
gua lusa que eu conheça. As roupas também são estranhas e
aquelas armas que usaram em nós não parecem deste mun-
do. Mas os filmes de ficção científica estão aí para provar o
contrário. Então, vai ter que inventar outra história mais acei-
tável, se quiser que eu acredite em você. Outra coisa: por que
aquela violência toda contra nós, policiais?
Ela ajeitou-se melhor no sofá. Depois, explicou:
- De onde venho, os policiais são os maiores vilões. E
nosso grupo é o maior adversário desses assassinos. Eles ma-
tam mulheres apenas pelo prazer de matar. Na verdade, que-
rem exterminar a população feminina do planeta!
- Porra, isso é sério? E como irão preservar a espécie,
sem as mulheres para procriar?
- Há séculos que a Humanidade perdeu o tesão por seus
semelhantes. Não existe mais sexo entre homens e mulheres,
nem entre gênero nenhum. A genitália masculina e feminina,
por conta disso, atrofiou. As mulheres não geram mais óvulos
nem os homens produzem espermatozoides. Isso, desde que
instituíram a inseminação in vitro. Na verdade, houve uma
época em que a população mundial passou a se interessar
SEXO DO FUTURO 17
apenas por pessoas do mesmo sexo. Família tornou-se coisa
do passado.
O policial estava abismado com as palavras da mulher.
Ela pareceu ler seus pensamentos. Levantou-se do sofá e co-
meçou a se despir, sem nenhum pudor. Descobriu um corpo
curvilíneo e digno de uma atleta, mas a sua vulva era minús-
cula e deformada. Quase não havia lábios vaginais. O clitóris
era do tamanho de uma cabeça de alfinete. A entrada daqui-
lo que deveria ser uma vulva parecia mais um cu, cheio de
pregas. E não. Ela não tinha ânus, apesar de possuir nádegas
redondas. Virou-se de costas para ele, para mostrar que tinha
regada da bunda, mas nada de buraquinho rosado culminan-
do ali. A surpresa, no entanto, provocou uma imediata ereção
ao sargento. Ele cobriu a parte da frente da cueca, para que
ela não percebesse que estava excitado. Porém, já era tarde.
Ela pediu, sem nenhuma cerimônia:
- Pode me mostrar seus órgãos genitais?
Ele levantou-se para tirar a cueca e ela saiu do sofá e
se aproximou do negrão. Ficou embasbacada quando ele li-
bertou o caralho enorme, de aproximadamente trinta cen-
tímetros, duro como uma rocha. Ela abriu muito os olhos.
Exclamou:
- Uau! Preciso te mostrar às minhas irmãs. Elas vão fi-
car muito impressionadas!!!
- Você tem irmãs por perto? Quantas são? – Quis saber
o sargento.
- Agora, somos seis. Mas logo seremos centenas. Plane-
jamos uma invasão em massa à esta época.
- Pretendem nos matar a todos? É isso?
- Não, não. Existe um grupo, do qual faço parte, que
quer recuperar a capacidade do ser humano de se manifestar
sexualmente. Na verdade, queremos voltar a praticar sexo.
Mas, para isso, os homens do nosso século têm que voltar a
se interessar pelo coito natural, novamente.
- E como pretendem conseguir isso? Torturando-os?
SEXO DO FUTURO18
- Claro que não. Mas essa parte cabe às minhas supe-
rioras. Elas têm um plano e até um aliado masculino. Um dos
únicos espécimes da nossa época capaz de demonstrar tesão.
Volto a dizer: gostaria muito de te apresentar às minhas supe-
rioras. Elas precisam ver este teu caralho enorme e excitado!
A linda mulher dizia isso acariciando o enorme falo do
negrão. Os seios dela possuíam mamilos, mas minúsculos. O
peito arfava, como se estivesse excitada. Antes que o policial
dissesse alguma coisa, ela pediu:
- Posso tentar fazer sexo contigo? Talvez não consiga
aguentar teu falo enorme dentro de mim, mas gostaria muito
de tentar.
- Está bem, – Disse o sargento – Mas dê-me uma chu-
padinha, primeiro.
- Uma o quê? Não sei do que está falando.
- Está bem, aja como souber. Faça de conta que sou
todo teu...
Ela sentou-se de costas no colo dele. O negrão sentiu
ela esfregar sua glande no minúsculo pinguelo, mas não per-
cebeu nenhuma lubrificação ali. Só quando ela lhe tocou o
pau com aquela abertura que parecia mais um ânus é que
sentiu o quanto ela estava excitada. Pingava em abundância,
por ali. Ela apontou seu pênis para aquela entrada e as pre-
gas se movimentaram, como se fossem lábios vorazes. Ele
quis empurrar a glande reentrância adentro, mas ela pare-
ceu incomodada, como se estivesse engasgada. Ele desistiu
de tomar a iniciativa do coito. Ela voltou a engolir o membro
com voracidade, mas sem muita penetração. Era como se lhe
chupasse só a cabecinha. Então, de repente, ela estremeceu
e se enfiou toda ali. O negrão sentiu um líquido jorrar em
suas pernas, como um esguicho de ejaculação. Ela começou
a gemer alto. Ficou toda se tremendo no colo dele. Então, ele
experimentou uma sensação como se as pregas dela lhe esti-
vessem mamando o pau. Ele sentia nitidamente cada chupa-
da que lhe davam no pênis. Quando estava disposto a liberar
SEXO DO FUTURO 19
uma golfada de porra, eis que aquele túnel se estreitou em
torno do falo dele. Não conseguiu fazer os movimentos tra-
dicionais do coito. Era como se estivessem encangados, como
caninos. Ele tentou retirar seu falo daquele túnel estreito, mas
ela gemeu de dor. O negrão relaxou. Mas aí, bateu-lhe uma
enorme vontade de mijar. Aperreou-se. Tentou se livrar no-
vamente daquela pressão, mas ela gemeu de dor novamente.
Sua bexiga estava cheíssima, apesar de saber que isso seria
impossível num coito.
- Goze, meu homem. Goze. Estou sentindo teu gozo se
aproximar.
Então, o negrão relaxou e fez um esforço enorme para
urinar. Para o seu espanto, conseguiu. Ela gritou alto e ar-
rastado, também tendo um orgasmo. Foi uma sensação de-
morada para ambos e só assim ele conseguiu libertar o pau
daquele orifício dela. Para seu espanto, continuou mijando.
No entanto, o líquido que saia do seu pau, em profusão, era
esbranquiçado como uma gozada. Imediatamente após, o ne-
grão sentiu uma enorme fraqueza nas pernas e a cabeça girar.
Viu a mulher se levantar do seu colo com um sorriso maravi-
lhoso nos lábios. Depois, não viu mais nada.
Fim da terceira Parte
SEXO DO FUTURO20
SEXO DO FUTURO - Parte quatro
Quando recuperou os sentidos, viu o velho perito caído
ao solo. Tentou socorrer o cara, mas ele estava morto.
Aperreou-se. Onde estaria a bela mulher?
Levantou-se do chão onde estivera deitado e correu
toda a casa. Nada de achar a criatura que dizia vir do futuro.
Voltou-se para o cadáver do velho perito. O dono do apar-
tamento jazia com um profundo ferimento na têmpora, de
onde havia saído muito sangue. Tinha uma pistola ao alcance
da sua mão. Decerto tinha sido surpreendido por alguém que
também havia levado a mulher dali. Eram visíveis os traços
de violência dentro do apê. Os móveis estavam revirados,
como se tivesse passado por ali um pequeno furacão. Não
sentia nenhuma dor, portanto não haviam tocado nele. Só
então, percebeu que a tevê da residência estava ligada. Antes
de desmaiar, não estava.
Vestiu suas roupas depressa e saiu às ruas. Tinha a níti-
SEXO DO FUTURO 21
da impressão de que o delegado havia estado ali. Ou sozinho,
ou acompanhado de policiais. Não teria sido levado pelo pró-
prio perito, que sabia ele estar com a mulher assassina? Mas,
se era assim, por que não o haviam socorrido? Teria a mulher
fugido e agora estavam em seu encalço?
Não quis pensar muito. Como não achou seu celular, o
primeiro lugar onde procuraria seria na delegacia. A viatu-
ra que decerto usaram para chegar ali, no entanto, não mais
estava por perto do prédio. Não viu o porteiro, para pergun-
tar-lhe. Então, do telefone da portaria, ligou para a delega-
cia. Uma voz feminina o atendeu. Informou ao sargento que
o delegado havia saído para atender um chamado e já fazia
tempos. Ela queria saber o que o policial desejava falar com o
delegado, mas o negrão desconversou. Por isso, ficou sem sa-
ber a quanto tempo o sujeito estava fora. As pernas ainda lhe
doíam, terrivelmente. Então, ligou para uma agência de táxis.
Logo, seguia de volta ao puteiro onde tudo havia começado
ruim naquela noite.
- Soube do que houve lá no puteiro para onde estamos
indo? - Perguntou o taxista e, sem esperar resposta do negrão
fardado, completou: - ouvi dizer que mataram vários poli-
ciais ali. Mas já pegaram as assassinas dos caras. Deu agora
mesmo no rádio.
- Como é? Já pegaram as assassinas? Como assim? - Es-
pantou-se o militar.
- É, a notícia dizia que o delegado invadiu um contê-
iner no porto e matou várias mulheres. Está cheio de policiais
por lá, inclusive gente de fora.
- Toca para lá - ordenou o sargento.
Pouco depois, o negrão parava perto de um aglomera-
do de gente. Quando invadiu o contêiner, viu corpos femini-
nos espalhado pelo chão. Estavam todas metralhadas. Porém,
não viu a mulher que estivera consigo. Relaxou. Mas aí um
cara vestido de paletó preto o interpelou:
SEXO DO FUTURO22
- Não devia ter entrado, sargento. Mas, já que entrou,
cuidado para não pisar em provas espalhadas pelo chão.
Quem é você?
- Este é o sargento Brizola. Foi bom ter aparecido. Esta-
va querendo saber que fim levou.
- Fui nocauteado por uma das assassinas, delegado. -
Mentiu o sargento - estive desacordado lá perto do puteiro.
- E onde está o velho perito que estava contigo?
- Não sei, senhor. Depois que fui surpreendido, não
mais soube dele - mentiu novamente o policial. Agora tinha
certeza de que o velho amigo não o havia alcaguetado. Po-
rém, precisava desvendar o desaparecimento da mulher. Per-
guntou o que havia acontecido ali.
- Recebi uma denúncia anônima dizendo que o resto
do grupo que havia assassinado meu filho estava reunido
aqui. Requisitei mais homens e vim imediatamente. Conse-
gui encontrá-las. Mas, reagiram à ordem de prisão e morre-
ram no tiroteio.
O delegado olhava fixamente para o sargento. Este ti-
nha certeza de que as mulheres haviam sido surpreendidas
sem direito a defesa. Havia algumas alvejadas pelas costas.
Mas o negrão ficou calado. O delegado continuou:
- Agora, esses nobres senhores de preto são responsá-
veis pela investigação. São Federais. Portanto, dê toda a in-
formação que precisarem - e o delegado piscou um olho. O
negrão entendeu o recado.
O sargento respondeu algumas perguntas dos Federais,
mas não disse nada que já não soubessem. Pediu licença e
disse que voltaria para casa. O motorista de táxi ainda estava
por perto, esperando-o. Claro que estava doido por mais in-
formações, mas o negrão disse que não podia adiantar nada
para não atrapalhar as investigações.
O sargento Brizola voltou para a casa do perito assassi-
nado. Supunha que, se ainda estivesse viva, a jovem voltaria
a procurá-lo lá. E estava certo. Cerca de duas horas depois,
SEXO DO FUTURO 23
quando já era dia claro, a mulher vestida de couro fosco preto
apareceu. Estava ferida e sangrava no flanco esquerdo. Des-
maiou assim que o sargento a atendeu à porta do apê. Ele a
pegou nos braços e depositou-a numa cama com lençóis lim-
pos. O esforço provocou uma dor lancinante num dos lados
do rosto, justamente onde existia um dente cariado. O nervo
começou a latejar e ele maldisse a hora em que não tratou da
enfermidade. O dente já doera várias vezes, mas ele não se
apressou em fazer um tratamento. Mesmo assim, cuidou do
ferimento da moça, desinfetando-o e aplicando-lhe uma po-
mada cicatrizante. Por sorte, a bala atravessara a carne e saíra
por trás. Conseguiu parar a hemorragia. Não usara anestési-
cos, mas ela dormia a sono solto.
Procurou alguma coisa que lhe fizesse passar a dor de
dente, inutilmente. Então, deitou-se no sofá e ficou pensando
nos últimos acontecimentos. Ali, pegou no sono.
Acordou tendo o pênis lambido. Assustou-se, mas logo
reconheceu a mocinha de preto. Ela alijara-o das calças e ma-
mava seu pau com carinho. O dente, porém, doía de forma
insuportável. Sentiu o rosto inchado. Ela, no entanto, não ti-
nha mais o curativo no flanco. Apenas uma marquinha quase
invisível restava no local. Perguntou:
- O que houve com o seu ferimento?
- Tratei. Havia deixado a química aqui, pois saí apres-
sada.
- O que te fez sair apressada? - Quis saber o sargento.
- Um intruso. Entrou armado de pistola. Apontou-a
para mim. Fui mais rápida e o derrubei com um golpe de
Avandwá. Mas ele se recuperou rápido e atracou-se comigo.
Acertou-me um tiro. Mas eu consegui vencê-lo no combate.
Claro que o matei. Está estendido lá no chão.
- Porra, mulher, aquele era meu amigo e dono deste
apê.
- E por que atirou em mim? - Perguntou-me ela, es-
pantada.
SEXO DO FUTURO24
O sargento pensou um pouco, antes de responder:
- Talvez não quisesse atirar. Entrou armado para se
proteger. O tiro pode ter sido acidental.
- Pois não era o que parecia. Ele tinha a expressão de
um homicida no rosto.
O sargento calou-se. Achou que tudo não passou de
uma fatalidade. Mas o dente doía demais. Gemeu. Só então
ela pareceu ter percebido o inchaço:
- O que foi isso no rosto? Levou uma contusão?
- Não, é um maldito dente inflamado. Você não teria
algum remédio?
- Uaaaaaaaauu, vocês ainda sofrem disso? Nossa arcada
dentária é perfeita, além de estarmos sempre cuidando dela.
Talvez o nosso dentifrício resolva. Deixe-me ir buscá-lo.
Ela voltou pouco depois e vaporizou algo na boca do
negrão, demorando-se na região interna da gengiva atingida.
O spray tinha um gosto amargo quase insuportável. Ela, no
entanto, pediu para que ele não cuspisse. Pouco depois ele
sentiu o dente esfarelar-se totalmente em sua boca, de forma
indolor. Algumas outras placas se soltaram, também se es-
farelando em sua língua. Só então, ela pediu para ele cuspir.
Incrivelmente, era como se o spray tivesse removido
toda a cárie e toda a placa bacteriana de todos os dentes, de
uma só vez. O rosto ainda estava inchado, mas ela garantiu
que, livre do dente podre, logo desapareceria o inchaço. O
negrão estava atônito.
- É, eu sei que é quase incrível. Mas já usamos essa tec-
nologia há mais de um século. - Afirmou ela.
O negrão correu para o banheiro. Postou-se perante ao
espelho e comprovou que seus dentes estavam alvíssimos e
sem traços de cárie. Sorriu satisfeito. Então, ela veio até ele
e o abraçou por trás. Beijou-o num ponto das costas que ele
se arrepiou imediatamente. Virou-se de frente para ela e a
abraçou ternamente. Ela libertou, imediatamente, um forte
cheiro de fêmea. Parecia que havia tido um orgasmo naquele
SEXO DO FUTURO 25
momento. Um filete de um líquido branco escapou do seu
atrofiado sexo. Ela começou a se tremer toda. Pediu que ele
a penetrasse.
O pau do sargento já estava duríssimo. Em pé mesmo,
ali dentro do banheiro, ela encaixou o sexo no dele. Mais uma
vez, o negrão sentiu claramente que seu sexo era engolido
por aquela vulva estranha. Levou o dedo em riste às costas
dela, procurando-lhe o orifício anal. Não encontrou. Então,
ato contínuo, ela “cuspiu” seu pau de dentro de si, enquan-
to lançava um forte jato de líquido branquíssimo. O negrão
ficou frustrado, pois não gozara ainda. Ela estremeceu forte-
mente e depois ficou estática. De repente, desabou no chão,
sem dar tempo do policial a proteger da queda.
Fim da quarta parte
SEXO DO FUTURO26
SEXO DO FUTURO - Parte seis
Por sorte, a mulher do futuro não se machucou no baque.
O negrão carregou-a nos braços e depositou-a na cama.
O perito, dono do apê, ainda jazia no chão. Era preciso dar
um destino ao corpo. Nunca soube se ele tinha algum paren-
te próximo, mas também estava na dúvida se devia avisar a
polícia da sua morte ou não. Pensou em esconder o cadáver
por uns tempos, até conseguir um lugar onde a moça ficar.
Porém, quando achou que a jovem iria continuar desacorda-
da, eis que ela desperta. Depois de confirmar que ela estava
bem, perguntou onde estivera antes de chegar ferida ao apar-
tamento. A mulher lhe respondeu de forma tristonha:
- Fui até minhas irmãs, para saber quais eram os no-
vos planos, já que o nosso comunicador ficara com uma das
que foram assassinadas. Mas cheguei tarde. A polícia já havia
atacado o local e dizimado todas. Então, voltei para cá. Mas
havia perdido muito líquido vital. Então acho que desmaiei.
SEXO DO FUTURO 27
- E agora, o que pretende fazer? Continuar tua missão?
- Não posso. Minhas superioras não discutiam seus
planos com a gente. Só me resta esperar que um novo grupo
de mulheres seja enviado para essa época, o quanto antes.
Isso, se a fenda no tempo já não se extinguiu. Se já aconteceu,
não tenho mais como voltar.
- Isso não te apavora? - Perguntou o negrão, ao perce-
ber que ela não parecia nem um pouco incomodada com o
fato.
- Qualquer coisa é melhor do que estar lá no futuro.
Você não sabe o quanto meu tempo é violento e sem graça.
Depois, ela olhou toda dengosa para o sargento e com-
pletou:
- E eu acho que você cuidaria muito bem de mim, não?
O homem esteve um tanto pensativo, depois respon-
deu:
- Olha, confesso que não esperava por mais essa res-
ponsabilidade. Sou casado, dona. Minha esposa é ciumenta e
não aceitaria o meu relacionamento com você.
Ela ficou triste, mas não estava disposta a abrir mão
da companhia do sargento. Por isso, abraçou-se a ele quase
chorando. Implorou:
- Deixe-me ficar contigo. Não tenho mais ninguém
neste mundo. Prometo não atrapalhar o teu relacionamento
conjugal.
- Não sei se poderia te esconder por muito tempo, prin-
cipalmente dos meus amigos policiais. O delegado também
pode se lembrar de ti, já que te viu desmaiada. Pensa que você
está morta. Eu afirmei isso a ele. Se te ver aparecer viva, po-
derá acabar comigo. Eu teria que dar adeus ao meu emprego
e à minha carreira militar.
- Se é por isso, eu posso mudar a minha aparência, quer
ver?
E antes que o negrão respondesse, os músculos do ros-
to da mulher começaram a se mover, como se estivessem
SEXO DO FUTURO28
sofrendo uma mutação. Ela gemeu, como se o esforço lhe
causasse dor. No entanto, logo tinha as feições totalmente di-
fererentes da anterior. Em seguida, seus cabelos cresceram e
mudaram de cor. Agora eram alvíssimos, sem nenhum fio
colorido. E triplicaram de tamanho: chegavam até o meio das
costas dela. O sargento estava assombrado com tal transfor-
mação. Mas tinha que confessar que ela estava linda!
- Porra, agora é que minha mulher teria mesmo mais
ciúmes de você. Ficou bem mais bonita. Como consegue fa-
zer isso?
- Anos de treino. Muita vezes, trabalhamos disfarçadas
e precisamos mudar de aparência. Mas ainda me doem os
músculos faciais, quando me transformo.
- Também consegue mudar o formato do resto do cor-
po? - Perguntou o policial.
- Não. Na verdade, nunca tentei. Nem conheço nin-
guém que tenha conseguido.
- Uau. É impressionante. Estou perplexo.
- E então, agora posso ficar contigo? - Perguntou a ga-
rota do futuro.
O policial pensou um pouco e depois concordou em
cuidar dela. Mas não poderiam ser visto juntos o tempo todo.
Sua esposa logo desconfiaria de que tinham um caso.
- Você tem filhos? Poderia me candidatar a ser babá
deles...
- Tá louca? Eu não iria conseguir me conter com você
por perto. E não, eu e minha esposa nunca tivemos filhos.
- Por que?
- Ela é estéril. Não consegue engravidar. Já fizemos vá-
rios tratamentos e nada.
A moça esteve pensativa, depois afirmou com todas as
letras:
- Eu posso curá-la. E, se eu fizer isso, com certeza a tor-
narei minha amiga. Então, poderemos ser vistos juntos. Acho
que ela não teria mais ciúmes de mim.
SEXO DO FUTURO 29
- Tenho cá minhas dúvidas, mas ela certamente ficaria
para sempre agradecida. E eu também. Adoro crianças.
- Se eu pudesse, te daria uma nascida de mim. Mas a
minha estrutura física não me permite engravidar. No entan-
to, eu ficaria felicíssima em conceber uma semente tua.
O policial não sabia o que dizer. Tudo aquilo era muito
estranho para ele. Era um sujeito que se considerava bem ca-
sado. Amava a esposa. Mas sentia uma enorme atração pela
criatura do futuro.
Era preciso achar um lugar para ela ficar. Pagaria-lhe
um hotel modesto, até que ela tivesse condições de se auto-
sustentar. Estava decidido. Conhecia um amigo que adminis-
trava uma pequena pousada à beira-mar. Levaria a mulher
para lá. Depois ligaria para a polícia e faria uma denúncia
anônima: havia um corpo num apê sito naquele endereço
onde estavam.
Não queria ser visto saindo junto com a jovem de cabe-
los brancos do apartamento do perito. Por isso, pediu que ela
seguisse para os fundos do prédio e o esperasse por perto. Ele
trataria de achar uma oportunidade para não ser visto pelo
porteiro. No entanto, pode sair sem problemas pois a porta-
ria já havia feito a troca dos turnos. O funcionário que estava
no balcão não o tinha visto estrar. Esperou um momento de
distração e escapuliu furtivamente. Pouco depois, encontra-
va-se com a jovem. Havia pego um par de peças masculinas,
do guarda-roupas do perito, já que o uniforme da moça es-
tava sujo de sangue. A vestimenta ficou grande nela, mas o
importante era que a mancha rubra não fosse vista. Ela tro-
cou de roupas na rua mesmo, sem nenhum pudor, jogando as
que usara num cesto de lixo. Depois seguiram para a pousada
gerenciada pelo amigo.
Brizola não queria ser visto por ninguém do estabele-
cimento, por isso lhe deu uma grana e aguardou no táxi en-
quanto ela fazia a inscrição. Foi um martírio para ela mentir
pela primeira vez. Alegou ter perdido todos os documentos,
SEXO DO FUTURO30
mesmo assim facilitaram sua estadia sob promessa de apre-
sentar depois sua identificação. Perguntaram quem a tinha
indicado o estabelecimento e ela não soube mentir novamen-
te: disse que havia sido o sargento Brizola. O gerente ficou
ansioso para abraçar o amigo e saiu da pousada à sua procu-
ra. O negrão pensou em se esconder, mas percebeu que já era
muito tarde para isso. Saiu do táxi e abraçou o cara. Explicou
que estava com pressa, porisso não entrara. O gerente per-
guntou o nome da mulher. Só então, o negrão percebeu que
nunca havia perguntado isso a ela. Desconversou.
Pouco tempo depois o sargento se despedia de ambos.
Ela, no entanto, disse que antes precisava falar com ele. Que-
ria uma conversa particular. Brizola foi até o quarto onde ela
estava hospedada e seu amigo voltou para os seus afazeres da
pousada. No entanto, assim que chegaram diante da porta,
ela o puxou urgente e trancou-se com ele. Disse que estava
muito excitada e queria se despedir. Ele tentou dizer alguma
coisa, mas ela já havia lhe livrado das calças e tinha seu enor-
me caralho na boca. Chupava com uma gula até ameaçadora.
Ele temeu que ela lhe cravasse os dentes na peia. Mesmo as-
sim, não disse o que estava pensando naquele momento. Ao
invés disso, confessou:
- Pena que você não tenha cu. Adoro meter num ânus
gostoso...
Ela parou de repente de lhe chupar o caralho. O negrão
sentiu a garganta dela apertando seu membro. Ela o tinha en-
golido até o talo. Então, ela revirou os olhos e uma baba vis-
guenta começou a sair da sua boca. A mulher começou a ter
espasmos sem, porém, libertar sua pica da garganta. Quando
o sargento pensou que ela estivesse engasgando, seu pênis
duro foi cuspido da boca dela, de repente, envolto por uma
espécie de bolsa de carne, vermelha e palpitante. O policial fi-
cou horrorizado. Ela continuava revirando os olhos. Quando
ele quis retirar-se daquela deformidade, eis que ela o impediu
com gestos resolutos. O negrão entendeu que ela estava lhe
SEXO DO FUTURO 31
preparando nova surpresa. Mas a visão daquele bolo de carne
era aterradora. Mesmo assim, relaxou.
Então, aquelas carnes, que mais pareciam uma bolsa
disforme, foram se amoldando. Pouco depois, parecia um cu
quando é puxado para fora da bunda. Com pregas e tudo,
além das veias rubras e salientes. Ela cuspiu de novo uma
gosma pegajosa por ali. Só então, ele percebeu que a moça
começava a gozar. A pressão afrouxou, o túnel ficou lubrifi-
cado como uma vagina, e ela começou a fazer movimentos
de vai-e-vem com a cabeça. De vez em quando, cuspia uma
golfada daquela baba um pouco ácida, que dava uma enor-
me sensação de prazer ao sargento. Ele tinha a impressão de
que estava metendo num cu bem gostoso. Ela continuava de
olhos vidrados. Então, bateu-lhe a vontade de ejacular. Avi-
sou-a. Ela pareceu nem ter ouvido, mas seu corpo começou
imediatamente a se tremer. Ele apertou seu rosto com ambas
as mãos e meteu como se estivesse fodendo um apetitoso cu.
Quando, finalmente, gozou, foi a vez dela fazer os movimen-
tos de cópula com a garganta. A pressão daquele bolo de car-
ne aumentou em seu pau, como se estivessem engatados. Aí,
o negrão percebeu que não tinha mais controle do seu gozo.
Continuava ejaculando, mesmo depois de uns cinco minutos
de cópula. Começou a ficar agoniado, mas não conseguia se
desprender da goela dela. A massa de carne inflou como uma
bexiga de festas. Parecia que ia explodir. E nada dele parar de
ejacular. Foi-lhe batendo uma fraqueza nas pernas e o negrão
tombou de vez, desmaiado.
Fim da sexta parte
SEXO DO FUTURO32
SEXO DO FUTURO - Parte Sete
Otáxi parou bem na frente de sua casa, em Olinda. O
sargento não precisou dar o intinerário, pois pegara o
veículo da sua amiga taxista. Gastara todo o seu dinheiro re-
servando o quarto por um mês, para a mulher que veio do
futuro. Seu amigo lhe fez um bom desconto. Mesmo assim,
o deixou liso. Então, ligou para a taxista e contou-lhe a situa-
ção. Ela não fez nenhum “arrodeio” para apanhá-lo na pousa-
da e levá-lo para casa. Também não fez perguntas, apesar de
ter visto o negrão com uma jovem de cabelos branquíssimos.
Uma negra bonita e rabuda veio até o portão da residência,
quando ouviu o barulho do motor. Estava preocupada.
- O que houve, amor? Você nunca demorou tanto a vol-
tar para casa...
- Alguns amigos meus, da polícia, foram assassinados,
preta. Eu não podia sair da delegacia.
- Mas eu liguei para lá. Disseram que não sabiam de ti.
SEXO DO FUTURO 33
O sargento abraçou-se a ela, enquanto o taxi fazia o re-
torno. Ele gritou:
- Depois acertamos a corrida!
A taxista botou o braço para fora do carro e lhe esticou
um dedo. Continuou seu percurso.
- Desaforada, essa taxista. Eu já não o vi com ela outras
vezes? - Perguntou, cismada, a negrona.
- Sim, de vez em quando ela me transporta para casa. É
uma amiga de longas datas...
- Tá, me engana que eu gosto! Percebo os olhares tara-
dos dela pra você. E da última vez que você chegou bêbado,
estava com o rosto sujo de batom. Só hoje eu vi que ela usa
da mesma cor. Mas não estou afim de arengar. Estava preo-
cupada contigo. Só não me diga que estava esse tempo todo
com ela!!!
- Não, minha preta. Estive investigando a morte dos
meus companheiros. Por isso não sabiam de mim.
- E quem foi assassinado, posso saber?
O sargento Brizola narrou os últimos acontecimen-
tos sem, claro, contar a parte em que esteve envolvido com
a criatura do futuro. Enquanto ele falava, ela ia dando-lhe
um banho morno, debaixo de um chuveiro elétrico. O ne-
grão demonstrava um enorme cansaço. Eram pouco mais de
oito horas da manhã. Ele estava com sono, pois não dormira
quase nada na noite anterior. Quando acordou do desmaio,
a mulher o chupava novamente, com a disforme carnosidade
que lhe saía da goela e se projetava por uns vinte ou trinta
centímetros afora da boca. Parecia disposta a drenar-lhe toda
a energia, pois ele despertou novamente gozando com aquela
estranha e louca felação. Afastou-a de si, com determinação.
Ela cuspiu seu sexo ainda jorrando sêmen. Tinha os olhos re-
virados, como antes. Pareceu frustrada, ao ser rejeitada. Mas
não reclamou.
Então, o sargento chamou o táxi, vestiu-se e foi embo-
ra, sem nem se despedir. Ela lhe perguntou quando o veria
SEXO DO FUTURO34
novamente, mas ele saiu sem responder. Parecia querer fugir
dela o mais rápido possível. A mulher do futuro estava cho-
rando.
Não conseguiu dormir por muito tempo. A bela negra
o acordou, dizendo que o estavam chamando na delegacia.
Ainda sonolento, o sargento vestiu um uniforme limpo e
saiu, depois de uma breve despedida da esposa. Perguntou
para ela:
- Não vai trabalhar hoje?
- Ela sorriu e respondeu que haviam mudado seu horá-
rio de expediente, na cafeteria onde era funcionária. Agora,
só trabalharia no turno da noite.
Ele foi embora sem perguntar se isso havia sido bom
ou ruim para ela. Para ele era melhor pois costumava traba-
lhar por toda a madrugada. Agora, poderiam estar juntos por
mais tempo.
Quando chegou à delegacia, o delegado já o esperava
em seu próprio gabinete. Não fez rodeios. Perguntou na bu-
cha:
- Onde estão as armas confiscadas das mulheres que
matamos lá no puteiro?
- Não sei, senhor. - Disse o sargento, espantado - Achei
que estavam com os peritos...
- Eu também. Mas elas desapareceram e ninguém pa-
rece saber delas. Até as que estavam com as outras mulheres,
do contêiner, sumiram. A Polícia Federal está achando que
nós demos um fim a elas. Contava com você para esclarecer
esse mistério.
- Posso investigar, mas é um caso difícil. Na verdade,
acho que isso seria mesmo um trabalho para a PF.
- Se descobrirmos antes o paradeiro dessas armas, es-
taremos bem na fita com os federais. Portanto, quero você
investigando esse caso. E só se reporte comigo, entendeu?
Minutos depois, o sargento estava na rua, sem saber
SEXO DO FUTURO 35
por onde começar. Primeiro, pensou que o perito poderia
ter roubado as armas, antes de ir para o próprio apê onde
fora abatido. Mas não vira nenhum objeto estranho por lá. A
menos que a criatura do futuro tivesse recuperado as armas
perdidas pela companheiras. Então, seria o caso de voltar à
pousada.
Não encontrou a mulher na hospedaria. O amigo lhe
disse que ela havia saído fazia pouco tempo. Aproveitou para
procurar as armas no quarto dela. Nada. Resolveu-se a espe-
rá-la. Ela só chegou cerca de três horas depois, de indumen-
tária nova e com uma sacola cheia de roupas. Quando o viu,
abraçou-se a ele deveras contente. Ele disse:
- Achei que não tinha dinheiro. Como conseguiu essas
roupas?
- Infelizmente, tive que roubá-las de uma loja, que fica
num aglomerado mercantil. Shopping Tacaruna, se não me
engano...
- Achei que, se não mentia, logo não roubava. - disse o
sargento.
- Sim. Se eu tivesse sido flagrada, teria que dizer a ver-
dade. Mas ninguém me viu sair da loja.
E como pagou a condução para ir e voltar de lá?
- Fui e vim a pé. Por isso, demorei.
- A pé? Mas a distância é longa daqui para lá!!!
- Por isso fui e vim usando toda a minha velocidade
possível. As pessoas me aplaudiam pela rua, sabe? Diziam
que nenhuma atleta conseguiria correr tão rápido quanto eu.
- Porra, mulher, isso vai dar muito na vista. Teve sorte
de não encontrar nenhuma equipe de reportagem pelas ruas.
- Eu encontrei, amor. Porém, não parei para dar en-
trevista. Disse que estava muito apressada. E eles não con-
seguiram acompanhar minha velocidade. E eu sabia que iria
encontrá-lo, quando voltasse. Então, quis vir rápido.
- Sabia que eu queria falar contigo? Como assim?
- As nossas armas desapareceram, não? Achei que teu
SEXO DO FUTURO36
superior fosse questioná-lo sobre isso.
- Como sabe do desaparecimento das armas? - Pergun-
tou o negrão, desconfiado.
- Relaxe, amor. Havia um mecanismo de autodestrui-
ção em todas as armas. Elas se desintegram no ar, sem deixar
vestígios, algum tempo depois de não ser mais detectado os
sinais vitais dos seus donos. Desse modo, só quem pode pos-
suir o arsenal é quem estiver vivo e cadastrado para usar os
objetos.
O negrão Brizola suspirou. Estava explicado o mistério.
Porém, não poderia usar essa explicação para convencer o
delegado, sem expor que a mulher sobrevivera à chacina do
puteiro. Teria que bolar uma bela desculpa que convencesse
o superior. Seus pensamentos foram interrompidos pela voz
da mulher:
- Pensei que havia ficado com raiva de mim. Interrom-
peu o coito, hoje cedo, quando foi embora...
- Porra, você tem drenado todas as minhas forças. Con-
fesso que estou com medo de ti.
- Não fique. Passei muitos anos sem ter sexo. É natural
que queira recuperar o tempo perdido.
- Mas, para que precisa de tanto esperma?
- Eu quero engravidar de você. Decidi isso assim que
tivemos o primeiro orgasmo. Mas, confesso que não sei como
gerir um filho teu. Então, estou tentando de todas as manei-
ras, amor.
- Cacete, mulher. Eu fico destruído a cada sessão de
sexo que temos. Pareço a ponto de morrer, de tão exausto!!!
Ela riu gostosamente, e naquele momento ele a achou
linda. Então, ela disse:
- Ainda falta uma maneira a tentar, mas eu acho que
você não irá concordar comigo. - disse ela, de forma mali-
ciosa.
- E qual seria? - quis saber o negão.
Dali a pouco, estavam ambos nus. Ela o deitou sua-
SEXO DO FUTURO 37
vemente na cama e começou a acariciá-lo dos pés à cabeça.
Ia perguntando onde deveria beijá-lo, e ele ia indicando as
partes mais sensíveis do corpo. Finalmente, ela acomodou-se
sobre ele. Sua boceta deformada engoliu seu pênis até que
ficasse totalmente lubrificada. Quando ele pensou que ela iria
chupá-lo com aquela estranha vulva, eis que ela cuspiu seu
sexo de dentro de si. Babava com profusão, que escorria da
deformidade. Então, de repente, o negrão sentiu algo invadir
o buraquinho da sua pica. Doía. Ele tentou afastá-la, mas ela
pegou seu enorme pau com uma das mãos, imobilizando-o.
O negrão esticou a cabeça e viu o pinguelo da mulher alon-
gado, adentrando a sua peia. Tentou afasta-la mais uma vez
e ela tocou-lhe um nervo do pescoço, deixando-o totalmente
imobilizado. O negrão sentiu aquele estranho e enorme pin-
guelo lhe invadindo o canal da uretra, rasgando-o todo, do-
endo-lhe terrivelmente. Mas não conseguia nem gritar, imo-
bilizado. Então, aquele pinguelo começou a inchar, forçando
o canal. E continuava invadindo suas entranhas. Ele o sentia
cada vez mais profundo, e essa era uma invasão dolorida. Em
seguida, foi como se a xereca dela se transformasse num cu.
Engoliu o pênis dele, sem deixar de introduzir-se, também,
no seu canal de mijar. Aquele pedaço de carne se movimen-
tava, como se estivesse deglutindo-o ao mesmo tempo que
o masturbava. No entanto, sentiu como se o estranho e ex-
tenso pinguelo estivesse ejaculando dentro dele. Olhou para
a mulher e ela tinha os olhos revirados. De repente, aquele
pinguelo foi extraído de uma vez de dentro dele. O movi-
mento brusco lhe causou uma vontade enorme de ejacular.
Quis se prender, mas pegou-se gozando intensamente dentro
da estranha vulva da mulher. Ainda não conseguia se mover.
Então, sua cabeça rodou vertiginosamente e ele mais uma vez
perdeu os sentidos.
Fim da sétima parte
SEXO DO FUTURO38
SEXO DO FUTURO – Parte oito
Quando recuperou os sentidos, cerca de meia hora depois
de ter desmaiado, a primeira coisa que o negrão viu foi
a mulher do futuro com seus documentos espalhados sobre
um pequeno móvel de cabeceira que havia no quarto. Ela es-
ticou-se para dar-lhe um beijo na boca, saudando-o. O cara
sentou-se na cama e perguntou:
- O que está fazendo com meus documentos?
- Conhecendo um pouco mais da vida do meu futuro
marido. Também queria saber teu nome, já que não nos apre-
sentamos ainda...
- É verdade. Agora, você leva vantagem sobre mim.
Como se chama?
- Oh, amor, no futuro nós não temos nome, apenas um
número de identificação. E o meu é muito extenso. Costuma-
mos dar apelidos a nós mesmos, conforme a situação. E teu
nome é difícil de decorar. Como é o meu primeiro homem,
SEXO DO FUTURO 39
vou te chamar de Adão. Gosta?
- Tanto faz. Nesse caso, passarei a te chamar de Eva. Por
falar nisso, vocês ainda acreditam em Deus, no futuro?
- Não. – Afirmou ela, sem qualquer constrangimento.
– A humanidade conscientizou-se de que Deus, se realmen-
te existiu, deve estar morto. Apenas algumas poucas pessoas
continuam adorando-o, mas só como uma espécie de folclo-
re. São chamados de Adoradores do Deus Antigo. Mas não
existem mais templos. Oram em suas residências, sozinhos
ou em grupos.
- Interessante, Eva. Eu, que achava que os evangélicos,
um dia, dominariam o mundo.
- Passaram a ser perseguidos. Taxaram-nos de merce-
nários. Mataram pastores e fiéis. Confiscaram todos os bens
da Igreja. Acabaram com todas as gerações de um antigo pas-
tor da era de vocês.
- Uau. Minha esposa é protestante. Queria poder-lhe
contar isso. Mas ela jamais acreditaria nessa história.
- Por falar em tua esposa, quando poderei falar com
ela? – A mulher estava curiosa.
- Deixe quieto. Quando for um bom momento, eu mes-
mo te apresento a ela. Quem sabe quando você conseguir um
emprego, de preferência na área de Medicina, já que você pa-
rece saber lidar com a saúde.
- Todos nós, do futuro, somos experts em biologia e
medicina. Aprendemos desde crianças, com os cursos à dis-
tância. Também já não existem mais escolas, pois Educação
era a mina de ouro dos políticos safados.
A mulher perdeu o interesse pelos documentos e ani-
nhou-se nos braços do negrão. Ronronou:
- Mas eu não quero falar sobre isso. Quero saber de nós
dois. Quando poderemos nos casar?
- Ora, eu já disse que sou casado. E amo minha esposa.
- No futuro, podemos ter quantos parceiros quisermos.
Há muito, dominamos esse sentimento mesquinho chamado
SEXO DO FUTURO40
ciúme. Seremos amantes, então. Dessa forma, você não pre-
cisa deixar tua esposa, amor.
O sargento não respondeu. Deu-lhe um rápido beijo
nos lábios e foi tomar banho. Logo, estava vestido para voltar
à delegacia. Ela lembrou-se:
- Ah, quando você estava repousando, vi um comuni-
cado na tevê. Um homem apresentou-se à Polícia, dizendo
que precisava localizar um sargento chamado Brizola. Achei
que ele queria falar com você, por isso fui dar uma olhada
nos teus documentos para conferir teu nome.
- Ele disse como se chamava? – Perguntou o negrão,
todo desconfiado.
- Não. Nem vi sua imagem. Melhor você seguir para a
tua delegacia, já que eu acredito que ele esteja lá. Mas man-
tenha contato comigo. É que me interessa ter mais notícias
desse homem. Se for quem estou pensando, minha missão
não estará pedida...
Pouco depois, o policial chegava à delegacia. O delega-
do veio furioso ao seu encontro:
- Onde, diabos, você estava? Não atendeu o celular e
tua esposa disse que já tinha saído de casa fazia tempos!
O sargento botou a mão no bolso e retirou de lá seu
aparelho celular. Estava descarregado. Pediu desculpas. Disse
que estava nas ruas, em busca de pistas sobre as armas. O seu
superior afirmou:
- Um doido veio te procurar aqui, dizendo ter um re-
cado, mas que só falaria se fosse contigo. Não há registro das
digitais dele. Aliás, o cara tem todas as digitais apagadas das
mãos, como se tivesse sofrido queimaduras. Está no xilindró,
te esperando.
O sargento não quis estender a conversa. Quase correu
até a cela onde o cara se encontrava. Era um jovem negro
e musculoso, com os cabelos totalmente brancos. Abriu um
sorriso nos lábios, quando viu o negrão.
SEXO DO FUTURO 41
- Finalmente, me encontro contigo. É uma grande hon-
ra. – Afirmou ele.
- Quem é você e como me conhece? Desembuche logo,
antes que eu perca a paciência.
- Não posso dizer quem sou, por enquanto. Mas precisa
alertar tua parceira de que estamos todos em perigo extremo.
- Do que, diabos, está falando? Como conhece minha
esposa? – Ralhou o negrão, mais desconfiado ainda.
- Tire-me daqui e conversaremos. Mas terá que ser
uma conversa a sós. Eu não conseguiria comprovar o que te-
nho para te dizer.
Pouco depois, ambos estavam em um barzinho. Mas o
jovem pediu apenas uma garrafinha de água mineral. O sar-
gento pediu um refrigerante.
- Pronto. Já pode falar. E faça valer a pena eu ter con-
frontado meu superior para poder te soltar. – Inqueriu o po-
licial.
- Está bem. Sei que o que vou dizer não vai te espantar.
Não mais. Então, serei curto e grosso: vai começar a invasão.
Talvez, já estejam aqui. Então, precisaremos ser espertos.
- De que está falando, homem? Não pode ser mais cla-
ro?
- Quer dizer que as mulheres do futuro ainda não se fi-
zeram notar? Não é possível! Meus dados indicam que vocês
até já transaram!!!
- Puta que me pariu, agora fodeu... – impacientou-se o
policial - De que porra está...
Aí o militar estancou. Compreendeu tudo naquele ins-
tante:
- Cacete, você também é do futuro, porra. – Exclamou
e depois olhou para todos os lados, temendo ter sido ouvido.
- Depois, continuou, só que em tom mais baixo:
- Então, diz aí: qual é o recado que tem para mim? E
quem é você?
SEXO DO FUTURO42
O jovem estendeu-lhe a mão. Apresentou-se:
- Eu sou 062 quinhentos e quatro 87. É um prazer co-
nhece-lo.
- Ok. Ok. Não tem um nome que eu possa te chamar,
que seja mais fácil de decorar? – Quis saber o policial.
- Dê-me o nome que quiser. Para mim, será uma gran-
de honra ser apelidado por você.
- Pois vou te chamar de Caim. É mais fácil de eu deco-
rar e de você pronunciar. Agora, diga-me o recado.
- Há um exército vindo do futuro para cá. Seu líder é
um dos assassinos mais sanguinários que nosso mundo já
conheceu. Precisamos pará-los. Eu vim para te ajudar. Está
escrito que, sem mim, você não terá chances de triunfar.
O sargento estava muito sério. Perguntou ao jovem:
- Não seria o caso de denunciar essa invasão às forças
armadas? Eles têm muito mais recursos que nós dois.
- Não acreditariam em mim. E eu temo que fiquem com
as armas do inimigo. Então, estaríamos realmente perdidos.
Nem os federais devem saber dessas armas. Infelizmente, te-
remos que vencer essa guerra sozinhos. – Disse tristemente o
rapaz de cabelos totalmente brancos.
- Pois diga sinceramente: acha que apenas nós dois
conseguiríamos?
- Eu tenho certeza!!! Só não posso dizer ainda o porquê.
- Ok, vou embarcar nessa tua loucura. O que devemos
fazer?
- Primeiro, eu gostaria de conhecer a tua amante. Para
mim, será uma grande honra me encontrar com uma perso-
nagem tão importante para a humanidade. – Alegrou-se o
cara que veio do futuro.
Pouco depois, o negrão estava de volta à pousada. Eva,
no entanto, não conhecia o jovem. Fez perguntas. Ele afir-
mou:
- Sabemos que a senhora perdeu as irmãs e ficou presa
SEXO DO FUTURO 43
nessa era. Estou aqui com a missão de te resgatar.
- E quem é você?
- Agora, tenho a honra de me chamar de Caim. Mas
precisamos ser rápidos. A grande invasão já começou.
- Minhas outras irmãs estão aqui?
- Não. O inimigo está aqui. Com mais de cem homens.
O dobro do que necessitariam para dominar este mundo.
- Só cem homens? Pensei que fossem muitos mais, por-
ra... – Espantou-se o negrão.
- Pois eu reafirmo que metade desse número seria su-
ficiente. Virão armados e são muito perigosos. – Insistiu o
jovem.
- Ok, primeiro temos que encontrar um lugar onde
você possa ficar mais perto de mim. Portanto, vou te levar
na minha casa e te apresentar à minha esposa. Mas esta tua
roupa é muito estranha e fora do contexto. Não tem uma me-
lhor? – Disse o negrão, referindo-se à indumentária do cara,
de couro negro, como a que usava a mulher do futuro.
- Infelizmente, só tenho esta roupa...
- Vamos. Em casa, tenho roupas que devem caber em
você. Tem quase a minha estatura. Mas advirto: minha es-
posa não pode saber quem você é. Jamais acreditaria nessa
história de gente vinda do futuro!
Quando chegaram na casa do sargento, ele apenas disse
à mulher:
- Este é um amigo meu, amor. Ficará uns tempos co-
nosco, até arranjar um local para morar. Vou deixa-lo aqui e
voltar ao trabalho. Amanhã, estarei de volta.
E, virando-se para o negrão, arrematou:
- Você me aguarda aqui, como combinamos no cami-
nho. Vou pôr em prática o plano que engendramos. E esperar
para ver o que acontece...
Mas o jovem parecia não ter ouvido o que o policial
disse, encantado pela mulher. Na verdade, ele nunca havia
SEXO DO FUTURO44
visto uma fêmea de corpo tão sinuoso quanto o dela. As mu-
lheres do futuro eram todas magras, se bem que algumas ti-
nham compleição musculosa. Mas, uma bundinha empinada
e redonda como a dela, ele nunca havia visto. Só então, caiu
em si:
- O que você disse? Desculpe, estava absorto.
- Deixa para lá. Depois conversamos. – E, virando-se
para a esposa, disse:
- Querida, cuide bem dele. É um amigo muito querido
e irá me prestar ajuda num grande problema. Dê-lhe uma de
minhas roupas, mas ele precisa tomar um banho antes. Pro-
videncie tudo. Vou ter que sair.
Quando o sargento foi embora, a negra olhava cismada
para o jovem. Perguntou:
- O que meu marido anda tramando? Lógico que está
me escondendo algo. Ele nunca trouxe nenhum de seus ami-
gos aqui em casa. Nem os com quem ele já trabalha há anos.
E ainda diz que você resolverá um grande problema nosso? A
que problema ele se refere?
- Não sei, senhora – falou o negrão, lutando contra a
vontade de dizer a verdade – Seria melhor perguntar a ele.
- Você é um mentiroso. Claro que sabe do nosso pro-
blema. Para te trazer aqui, ele deve ter te contado.
- E o que ele teria para me contar, madame?
Ela pensou um pouco, antes de responder. Quando o
fez, estava amargurada:
- Eu não posso ter filhos. Mas meu marido adora crian-
ças. Já fizemos todo tipo de tratamento, gastamos todas a
nossas economias e nada. Ele deve estar muito desesperado
para chegar a um ponto desse...
- Não estou entendendo onde quer chegar, senhora.
Seu marido e eu não...
- Mentira! – Gritou ela, veementemente. – Mentira e
mentira! Ele quer que eu engravide e apela agora para os ami-
gos. Amigos, não. Você tem toda a pinta de garoto de aluguel.
SEXO DO FUTURO 45
Deve estar aqui para tentar me emprenhar. Então, acabemos
logo com essa farsa!
Dito isso, a bela negra despiu-se totalmente ali mesmo.
O negrão estava embasbacado com aquela situação. Queria
sinceramente demover a mulher daquela ideia. Tentou:
- Senhora, está equivocada. Eu não...
Mas ela já o beijava ardentemente na boca, colando os
seios duros nos peitos dele. O pau do cara ficou teso, imedia-
tamente.
- Por outro lado, eu e ele quase não fodemos mais. Ele
tenta, mas eu perdi o tesão, por não poder dar-lhe um bebê.
Mas neste momento eu estou excitada. – Disse ela, num fogo
danado, sem desencostar a boca, nem o corpo, da dele.
Ela levou uma das mãos entre as pernas do jovem. En-
controu lá um pênis curto, com cerca de cinco ou seis cen-
tímetros, apesar de ser razoavelmente grosso. Agachou-se
entre as pernas dele e levou a estranha glande à boca. Ela era
vermelhíssima e pontuda, como a de um cachorro. Mas não
falou da sua frustração. Com a fome de sexo que estava, gos-
taria de ter encontrado ali uma rola enorme, como a do seu
marido. Mesmo assim, chupou a cabecinha fina com gosto.
Para a sua surpresa, aquele pedaço de carne cresceu mais do
triplo, e foi ficando cada vez mais encorpado. Ela levantou-se
de repente e jogou-o no sofá da sala. Ainda atônito, ele não
reagiu. Ela montou sobre seu corpo e direcionou o estranho
membro à vulva. Ele adentrou-a rápido e certeiro, como um
bote de uma serpente. Pouco depois, a mulher sentia aquele
pinguelo invadir-lhe a entrada do útero e continuar sendo
introduzido cada vez mais. Então, começou a se assustar.
Aquilo não era normal. Perguntou-se se não estava sonhan-
do, mas a sensação era muito nítida dentro dela. Aperreou-
se. Evangélica, começou a pensar que estava sendo possuída
pelo Diabo.
Percebeu claramente uma golfada, como se ele tivesse
ejaculado. Em seguida, uma leve acidez ardeu em suas entra-
SEXO DO FUTURO46
nhas. Sentiu também o membro dele inchar exageradamente
dentro da sua vulva. Ao ponto de ficarem engatados, como
caninos na foda. Quando olhou em seu rosto, ele tinha os
olhos arregalados e totalmente revirados. Foi quando ela, fi-
nalmente, resolveu-se a agir.
Tentou sair de cima daquela criatura demoníaca, mas
não conseguia. A disforme carnosidade inchada já lhe havia
tomado todo o espaço entre a entrada da vagina e o útero.
Começou a entrar em pânico. Fez força para abortar aquela
trolha. Mas doía demais. Tomou coragem e forçou a separa-
ção dos corpos. Os dois gemeram de dor ao mesmo tempo.
No entanto, o impensável estava para acontecer.
Um mar de substância esbranquiçada e pegajosa inun-
dou-a por dentro. Aquele estranho pinguelo recolheu-se de
repente, e vazou uma quantidade enorme daquele líquido.
Parecia um cavalo esporrando. Conseguiu, finalmente, de
desvencilhar dele. Quase que se jogou sofá abaixo. Quando
se ajoelhou no chão disposta a fugir de perto do estranho,
teve uma visão aterradora: o estranho pedaço de carne que
antes parecia um pinguelo agora parecia um rabo de lagar-
tixa quando se desprende do corpo. Chicoteava em todas as
direções, como se estivesse em enorme agonia. Media cerca
de um metro de comprimento, saindo de um rebolo de carne
que antes tinha a forma de um pênis. Agora estava roxo, in-
chadíssimo, cheio de veias salientes. Ela, por fim, teve forças
para gritar:
- VALEI-ME MEU SENHOR JESUS CRISTO. FUI
POSSUÍDA PELO CAPETA. ESTOU AMALDIÇOADA!
Fim da oitava parte
SEXO DO FUTURO 47
SEXO DO FUTURO – Parte nove
Anegra lembrou-se que o marido guardava uma pistola
carregada, lá no guarda-roupas. Correu para o quar-
to. Nunca concordara com ele guardar uma arma dentro de
casa, apesar de sabe-lo policial. Ela detestava armas e o que
elas representavam, principalmente por causa da sua religião.
Mas, naquele momento, estava contente por Deus ter inspira-
do o marido a contraria-la. Ela iria destruir Satanás!
Demorou um pouco a achar a pistola escondida no
fundo de uma das gavetas do móvel, de tão nervosa que esta-
va. Finalmente, empunhou firmemente a arma e voltou reso-
luta para a sala. O jovem, porém, não se encontrava mais lá.
A porta do apê estava aberta e ela correu para fora. Desceu
as escadas de arma em punho, mas o negro dos cabelos total-
mente brancos havia desaparecido.
O sargento Brizola chegou ao prédio da emissora de
SEXO DO FUTURO48
tevê localizado em Olinda e perguntou pela repórter Maria
Libório. Indicaram-lhe uma sala e ele se dirigiu para lá. En-
controu-a ao computador, editando uma matéria. A jovem
manipulava um vídeo, fazendo os cortes que achava necessá-
rio. Quando viu o negrão, abriu um largo sorriso.
- Meu Deus, você aqui? A que devo a honra da tua ilus-
tre visita? Finalmente veio me pedir para voltar?
- Não brinque, continuo casado.
- E eu continuo descasada, querido. E ainda amando
você!
Beijou apaixonadamente os lábios do negro, que não
ofereceu resistência. Quando, enfim, se largou dele, o sargen-
to disse:
- Vim te dar um furo de reportagem, e acho que che-
guei bem na hora.
Ela espantou-se. Puxou uma cadeira e pediu que ele se
sentasse junto a ela. O policial apontou para o vídeo:
- Vim te oferecer a chance de entrevistar essa mulher
que aparece nessa imagem, que tal?
- Uau! Quando você diz algo, eu acredito. Como fare-
mos?
- Antes, porém, vou querer um favor teu. – E, antes que
ela perguntasse: - Quero também que faça uma entrevista co-
migo. É muito importante.
- Você pedindo, eu atendo. Mas teria de convencer meu
editor de que o que tem pra dizer vale a pena a trabalheira...
- Vim denunciar uma invasão militar em breve, que
mudará o curso da história. Mas só posso dizer isso.
- Porra, meu, isso é sério? Não está de sacanagem co-
migo? Tuas fontes são confiáveis?
- Sim, são fontes confiáveis. Mas não podem ir a públi-
co ainda. Por isso, mandam um recado por mim.
A repórter esteve pensativa. Confiava no ex-amante.
Ele nunca lhe tinha mentido. Não seria agora que iria dei-
xa-la em apuros. Haviam sido namorados, antes de ambos
SEXO DO FUTURO 49
seguirem suas vidas. Culpa dela, não terem casado. Ela o dei-
xou para ficar com um jornalista famoso. Mas seu casamento
não durou nem três meses. Quando quis voltar para o ne-
grão, este já namorava uma negra rabuda e linda, com quem
contraiu matrimônio menos de um ano depois. Ainda quis
tê-lo como amante, mas foi rejeitada pelo homem. Aquietou-
se e curtiu sua decepção. Nunca mais o havia encontrado.
Agora, ele lhe chegava com aquela notícia bombástica. Daria
um jeito de fazer o que ele queria.
- Deixa eu te preparar para a filmagem. Vou pegar o kit
de maquiagem. Espere-me aqui. Volto já...
Pouco depois, o negrão terminava a gravação:
- ... Pois eu estou sabendo dos teus planos medonhos e
pode apostar que te impedirei. Nem que eu tenha que morrer
tentando. Mas essa guerra deverá ser entre mim e você. Se
tentar envolver outras pessoas, serei obrigado a contatar as
Forças Armadas deste País. Você não terá nenhuma chance
de vencer.
- Muito dramático, mas não entendi nadinha de nada.
– Confessou a jornalista – Não pode me dar nenhuma dica
do que está acontecendo? Prometo não publicar nada até
você me autorizar.
- Você acharia que eu estou louco. Também não quero
comprometer você. Estaria tão em perigo quanto eu. Estou
querendo fazer dessa guerra algo particular, para não envol-
ver mais pessoas. Se eu triunfar você será a primeira a publi-
car essa história.
- Infelizmente, não posso levar ao ar esse recado. Meu
chefe não autorizaria. É muito vago. Precisaria de algo mais
consistente.
- Bem, então terei de apelar para um repórter amigo
meu, que é muito mercenário. Com certeza publicaria a re-
portagem, mesmo sem saber de que se trata, mediante algu-
ma quantia em dinheiro...
Ela esteve mais uma vez pensativa, até afirmar:
SEXO DO FUTURO50
- Está bem. Darei um jeito de convencer meu editor.
Mas vou te cobrar algo por isso, também.
- Fechado. Quanto pretende me cobrar? – O negrão es-
tava curioso.
- Ainda não sei. Mas não será nada que você não pos-
sa pagar. Agora, me dê o endereço da incrível corredora. Eu
mesma filmei essas imagens que vemos no vídeo e garanto
que fiquei impressionada. Ela é muito veloz. Com certeza
vencerá a competição para a qual deve estar treinando.
- Vamos, eu te levo até ela. Verá por que eu não posso
te contar muita coisa, por enquanto...
Pouco depois, as duas mulheres estavam frente a frente.
Com um pequeno gravador, a repórter registrava a entrevis-
ta:
- A senhorita está se preparando para alguma compe-
tição?
- Não, não. Eu não posso competir. Estaria sendo deso-
nesta com os meus adversários.
- Como assim? Numa competição, vence o melhor ou o
mais bem preparado. E parece que você está preparadíssima.
– Insistiu a repórter.
- Sim, mas eu sei que ninguém conseguiria me vencer.
E meu código moral não me permite levar esse tipo de van-
tagem.
- Que estranho. Outro competidor até usaria métodos
espúrios para vencer. De que adianta ter treinado tanto, al-
cançado a perfeição, para depois não competir? – Continuou
insistindo a jornalista.
- Você não entenderia. Eu me sentiria fraudando a
competição, já que tenho certeza de que venceria.
- Continuo sem entender. O que te faz de tão especial?
A jovem olhou para o negrão, que estava bem próximo.
Ele assentiu com um gesto de cabeça. Ela então, disse:
- Eu venho do futuro. Lá, atingi meu auge em veloci-
SEXO DO FUTURO 51
dade. Meu código moral não me permite enganar as pessoas.
A repórter arregalou os olhos. Depois, deu uma sonora
risada:
- Vocês dois estão de gozação comigo. Claro que não
acredito nessa história de vir do futuro. Que coisa. Qual o
sentido de estar querendo me empurrar essa história tão ab-
surda? Estão querendo que eu perca meu emprego, que fique
desacreditada pela mídia?
- Se ela te provar, você nos promete não publicar nada
da matéria?
A jornalista ficou séria. Ajeitou-se na cadeira. Estava
curiosíssima.
- Vocês têm como provar? Aí eu prometo, sim, calar o
bico...
A jovem despiu-se totalmente. Aproximou-se da re-
pórter e quase encostou a vulva deformada em seu rosto. De-
pois, fez o mesmo com a goela, botando um enorme pedaço
de carne deformada para fora da boca. A jornalista estava
enojada, principalmente quando aquela deformidade se mo-
veu como se tivesse vida própria. Mesmo assim, não estava
ainda convencida:
- Ora, você pode ter alguma anomalia. Desse modo,
consegue fazer essa coisa nojenta.
- Você acha que alguém conseguiria viver sem um
ânus? – Perguntou o policial.
A profissional ficou embasbacada quando a jovem de
cabelos branquíssimos se virou de costas e mostrou que não
tinha um cu entre as nádegas.
- Meu Deus. Sem cu não dá para sobreviver nem foden-
do, que me desculpem o trocadilho. Puta que me pariu! Por
essa eu não esperava. Não dá para esconder um fato desses...
- Você prometeu! – O negrão falou em uníssono com a
criatura do futuro.
A jornalista levou ambas as mãos ao rosto. Estava im-
pressionada e arrependida da sua promessa. Ponderou:
SEXO DO FUTURO52
- Tudo bem, eu poderia faltar com a minha palavra,
mas não vou fazer isso. Garanto. Mas posso divulgar quando
for o momento propício, não posso?
- Sim, assim que eu vencer essa guerra.
- Quem é o inimigo, alguém também do futuro?
- Mais de uma centena de soldados do mal, também
vindos do futuro. E com armas poderosíssimas, sem páreo
para o aparato militar dessa era. – Respondeu a loiríssima.
A jornalista arfava:
- Caracas. Preciso dos meus sais e não os trouxe. Puta
que me pariu. Estou fodida e mal paga.
A jovem do futuro foi até o guarda roupa e pegou um
frasco diminuto. Pingou umas gotas nos olhos da jovem, que
logo se recuperou.
- Pelo jeito, deve ser remédio do futuro, para fazer eu
me sentir bem tão rapidamente. Me deixa um frasco?
- Não posso. Além de só ter esse, o recipiente não pode
se afastar de mim por muito tempo. Se desintegraria no ar.
- Porra, meu. É muita informação para eu processar. E
parece que esse líquido tem propriedades afrodisíacas, pois
estou me sentindo cada vez mais excitada. – Confessou a re-
pórter. A outra concordou:
- Sim, é uma substância muito erógena. E essa sensa-
ção vai aumentar, quando mais tempo a senhorita passe sem
sexo.
- Merda, você devia ter me avisado. O que é que eu faço
agora? Já estou há uma caralhada de tempo sem foder, acho
que vou enlouquecer.
E, virando-se para o negrão:
- Você vai me socorrer! Vá botando logo esse caralho
enorme para fora. E nem ouse me frustrar desse prazer.
O negrão estendeu o pau ainda mole para ela. Sentada
na cadeira, a jornalista manuseou com gula seu caralho, até
que ele ficou em ponto de bala. Levou-o à boca, enquanto
metia os dedos na xereca. Pingava gozo dali. A outra mão
SEXO DO FUTURO 53
masturbava o policial, enquanto a boca deglutia a chapeleta.
Ela engasgou-se algumas vezes, com a grossura e extensão do
cacete. Mas não desistiu.
- Meu negrão continua muito gostoso.
E logo teve o primeiro orgasmo. Seguiu-se outros sem
o jovem nem ter tocado em sua vulva. O sargento Brizola
teve a curiosidade de olhar para a mulher do futuro. A cria-
tura tinha os olhos revirados e se tremia toda. Ele enfiou-lhe
um dedo entre as pernas e ela urrou que queria mais. Que
ele lhe enfiasse o punho inteiro. Estava de pé ao lado dele e
o negrão fez um esforço para atende-la. Aí a jornalista ajoe-
lhou-se sobre o assento da cadeira e virou-se de costas para
ele. Implorou que lhe comesse a bunda. O negrão ficou em
dúvida se dava atenção a ela ou à outra. A loira decidiu por
ele. Agachou-se e apontou o pau do macho para o rego da
fêmea. Ele acunhou aquele rabo quente, enquanto ela lhe
lambia o ânus. Inesperadamente, o negrão sentiu novamente
aquele pinguelo enorme invadi-lo, só que desta vez por trás.
Segurou a vontade de gozar e continuou socando a pica. Mas
aí, aquele bolo de carne foi inchando dentro do seu rego de
um modo que parecia que ia arrebentando-lhe as pregas.
Mesmo incomodado, continuou fodendo a outra. Aí, sentiu
uma enxurrada gosmenta inundar suas entranhas e o rebolo
foi recolhido com violência do seu ânus.
Gozou pela frente e por trás ao mesmo tempo.
Fim da nona parte
SEXO DO FUTURO54
SEXO DO FUTURO – Parte dez
- ... Pois eu estou sabendo dos teus planos medonhos e
pode apostar que te impedirei. Nem que eu tenha que morrer
tentando. Mas essa guerra deverá ser entre mim e você. Se
tentar envolver outras pessoas, serei obrigado a contatar as
Forças Armadas deste País. Aí você não terá nenhuma chan-
ce de vencer.
O homem musculoso, metido em roupas futurísticas,
demonstrava ódio no olhar. Estava sentado diante de um
aparelho de tevê com imagem digital. Talvez, fosse a única
coisa que funcionava naquele antigo quartel militar, abando-
nado e cheio de poeira e entulhos. À sua volta, cerca de cem
homens assistiam ao comunicado na tela de 52 polegadas,
impassíveis. O sujeito musculoso levantou-se da velha pol-
trona esburacada e, sem dizer uma única palavra, acoplou
um estranho artefato à mão direita. Finalmente, falou:
- Vamos à guerra, soldados. Acabou a moleza.
SEXO DO FUTURO 55
E os sujeitos, todos vestidos com roupas de couro pre-
to, armados até os dentes com artilharia futurísticas, entra-
ram imediatamente em formação militar, com movimentos
perfeitamente sincronizados. Gritaram uníssonos:
- Prontos para a guerra, seeeenhor!
E seguiram em coluna de três, tendo o que parecia seu
comandante à frente do grupo. Marcharam por quase um
quilômetro, em meio a vegetação escassa e ressequida, no
solo de alguma cidade do sertão de Pernambuco. Não se via
vivalma por perto. Então, avistaram os trilhos sobre terreno
hostil da estrada de ferro. Estancaram a marcha de repente,
sem sair da formação. Esperaram.
Naquele momento, o sargento Brizola estava diante do
seu superior. Tentava explicar ao delegado que aquele comu-
nicado televisado fazia parte de um plano para recuperar as
armas perdidas. No entanto, não podia dar mais detalhes, se-
não corria o risco de seu estratagema não dar certo. O militar
estava furioso com sua insistência em manter sigilo da sua
estratégia. E prometeu:
- Ok, não vou mais insistir. Mas, se essa porra de plano
não der certo, pode crer que tua cabeça vai rolar imediata-
mente!
O negrão aquiesceu com um gesto de cabeça e pediu
permissão para sair do gabinete. Pouco depois, chegava em
sua casa em Olinda, curioso para saber se o jovem hóspede
havia visto o comunicado na tevê. Foi surpreendido pela au-
sência de sua esposa e do jovem na residência. Viu um bilhete
sobre a mesinha da sala e pegou-o para ler. Ficou espanta-
do. Nele, sua esposa o acusava de haver trazido Satanás para
dentro de casa e tinha ido se refugiar na residência de uma
irmã. Achou que a negra rabuda estava ficando doida. Como
ainda era cedo, tinha certeza de que ela ainda não tinha ido
trabalhar. Trocou de roupas e rumou para a casa da cunhada.
Queria saber que história era aquela. Será que ela tinha leva-
SEXO DO FUTURO56
do consigo o jovem de cabelos brancos?
No entanto, nem bem saiu de seu prédio, o rapaz do fu-
turo o chamou. Estava visivelmente inquieto. Denunciou que
a esposa do policial estava sofrendo das faculdades mentais e
havia tentado alvejá-lo com uma arma. Incrédulo, o sargento
pediu que ele fosse mais específico. O rapaz contou todo o
acontecido, desde que o negrão o deixara em casa, sem omitir
nenhum detalhe. Brizola se negou a acreditar no que ouviu.
Achou que o outro havia tentado estuprar sua companheira.
Deu uns sopapos no cara, mas ele não ofereceu nenhuma re-
sistência. Parecia, realmente, assustado com a reação da ne-
gra rabuda. Quando se acalmou, o negrão perguntou:
- E depois, para onde ela foi?
- Não sei. Fugi da moradia e me escondi. Ela passou
por mim ainda armada, mas não me viu. Gritava para todo
mundo ouvir que havia expulsado o Capeta de sua casa.
Aglomerou-se uma pequena multidão para escutar o que
ela dizia. Tua consorte, com certeza, está louca e as pessoas
perceberam isso. Quiseram leva-la para um hospital, mas ela
pegou uma condução de aluguel e sumiu.
- Tome. Pegue a chave do apê e me espere lá. Acho que
sei aonde ela está. Volto já.
Quando chegou à casa da cunhada, o negrão encon-
trou a esposa repousando. Havia sido fortemente sedada.
A irmã dela estava aperreada. Repetiu a história do jovem
de cabelos brancos e a suspeita de que a negra estava louca.
O sargento ainda não conseguia crer que tudo aquilo esta-
va acontecendo. Deixou-se cair numa poltrona, arrasado. A
cunhada abraçou-se a ele, consternada. Disse:
- Ela te acusa de arranjar macho para engravidá-la, já
que vocês não conseguem gerar um filho...
- Loucura, meu Deus. Atacou um pobre rapaz amigo
meu, antes de cismar que ele era Satanás. Confesso que não
sei o que fazer. E tenho coisas muito importantes para resol-
SEXO DO FUTURO 57
ver.
- Vá resolver suas coisas. Eu cuido dela. Deixe-a pas-
sando uns dias comigo, até melhorar...
O negrão voltou para a sua própria residência. Encon-
trou o jovem de cabelos brancos diante da tevê. Ele disse:
- A sorte está lançada. Vi o anúncio que você fez para o
líder dos invasores. A guerra, agora, é iminente. Pode acredi-
tar que, estejam onde estiverem, logo estarão nos noticiários,
meu amigo. E aí, conseguiu localizar tua companheira?
- Sim, mas ela estava sedada. Passará uns tempos com
a irmã. Melhor, pois assim estarei afastando-a de qualquer
perigo.
- E agora, simplesmente esperamos?
- Sim. Simplesmente, esperamos. Porém, enquanto es-
peramos, temos que nos equipar para a guerra. E eu não pos-
so pedir armamentos ao meu chefe. Ele não os daria. Você
não tem como conseguir aquelas armas sofisticadas que as
mulheres usaram?
- No futuro, não existem mais nenhuma arma. Houve
um acordo mundial e todas foram destruídas.
- Ora, eu pensei que você tivesse vindo da mesma épo-
ca das mulheres que conheci...
- Não, meu amigo. Vim de décadas após. O que sei so-
bre armamentos, aprendi nos livros sobre velhas tecnologias.
- Puta merda, estou fodido e mal pago! Então, que dia-
bos está fazendo aqui?
- Eu queria conhece-lo. Li muito sobre os teus feitos.
Mas ainda não posso falar sobre isso.
- Tá, tá, já aceitei essa situação. Só não sei com que aju-
da posso contar, vinda de você...
- Não se preocupe. Você saberá me orientar nesse sen-
tido. Isso já foi escrito. – Finalizou o jovem negro.
O policial viu que o cara já havia localizado seu guar-
da-roupa e trocado a indumentária. Também havia tomado
banho. E a vestimenta do sargento havia se ajustado perfei-
SEXO DO FUTURO58
tamente ao corpo dele. Perguntou se o cara estava com fome.
- Eu trouxe minhas cápsulas –, respondeu o jovem –
não me adaptaria à comida deste século. E não se preocupe:
posso passar dias sem me alimentar, sem consequências ime-
diatas. Mas, me perdoe a ousadia, pois preciso confessar: tua
esposa me estimulou a libido e me deixou afim de foder...
O sargento olhou para o cara com ódio. Mas controlou
o ciúme e estava resolvido a satisfazer o jovem. Pensou em
leva-lo de volta a Eva. No entanto, antes de sugerir tal ação, o
rapaz pareceu adivinhar-lhe os pensamentos:
- Não, não devo usar o corpo da sobrevivente. Eu me
nego a isso. Pode ser qualquer uma, menos ela, por favor.
Brizola aquiesceu com a cabeça. Até se sentiu aliviado
pelo cara não ter tarado também sua amante de cabelos bran-
quíssimos. Pediu licença e saiu do apartamento, teclando um
número no celular. Pouco depois, a taxista sua amiga apare-
ceu. Os dois estiveram conversando, até que ela disse:
- Está bem. Tenho uma sobrinha ninfomaníaca e sol-
teira. Com certeza iria se interessar por teu amigo. Mas acho
que ela irá pedir alguma ajuda financeira, e o cara parece ser
um “Eliseu”. Como resolveremos isso?
- Bem, nesse caso empreste-me alguma grana que seja
suficiente. Prometo te pagar somado ao que estou te devendo.
- Puta que te pariu, caralho. E eu ainda tenho que ban-
car foda dos outros? E fico na mão???
- Vá, nega. Ajeite aí que nos ajeitamos nós. Sei que ain-
da está doida pra trepar comigo...
- Sujeitinho convencido! Mas tem toda razão. Teu apar-
tamento tem dois quartos?
- Tem três. De vez em quando minha cunhada dorme
aqui. E o outro quarto é o de empregadas. Mas é espaçoso e
bem mobiliado. Vá buscar tua sobrinha...
A tal sobrinha era um arraso. Morena linda e toda
gostosona, muito mais do que a esposa do sargento. O jo-
SEXO DO FUTURO 59
vem negro mostrou-se tarado nela, e ela pareceu também ter
apreciado ele. Os dois trancaram-se em um dos quartos e o
policial e a taxista ficaram na sala. Quando a coroa tirou a
roupa, o fundo da sua calcinha estava molhadíssimo. Ela aju-
dou o negrão a se despir e abocanhou seu cacete antes mes-
mo dele se livrar totalmente das calças. Ela estava sentada
no sofá e o sargento em pé, diante dela. O caralho do cara
pulsava teso. Ela gemeu:
- Só goze quando eu disser, meu anjo. Quero foder bem
muito.
Puxou o negrão pela cintura e engoliu quase todo o
enorme caralho dele. Engasgou várias vezes, mas não desis-
tiu. Punhetava, lambia e chupava a rola do cara como uma
profissional do sexo. Brizola fechou os olhos e concentrou-se
na foda, afastando a vontade de ejacular.
- Isso, seu danado. Segure o gozo. Mas, se não conse-
guir, me avise. Quero sentir tua gozada bem dentro de mim,
então paro de te chupar e engulo tua vara com a boceta.
Pouco depois, o negrão parecia que tinha o pau ador-
mecido. Quase não sentia o contato da boca gulosa dela. Ela
levou uma das mãos ao próprio sexo e friccionou o grelo.
Logo, começou a gozar. Sua xereca babava gozo. Ela começou
a ter espasmos de prazer. Gemeu arrastado:
- Agora, meu caralhudo. Mete esse cacete na minha
perseguida! Com força, vai...
Ela parou de chupar, deitou-se no sofá e levantou bem
as pernas. Ele, ao invés de fazer o que ela pediu, enfiou a tro-
lha no rabo dela, sem cuspe.
- Por aí não, seu tarado safado...
Mas não conseguiu conter a primeira sequência de or-
gasmos contínuos. Seu corpo tremia que só vara verde e o
ânus se elasteceu de forma surpreendente. O negrão aprovei-
tou introduziu a vara até o talo e começou a socar com vigor.
A cada estocada, ela peidava de prazer. Ele enfiou-lhe dois
dedos ao mesmo tempo na racha dela, sem tirar seu pau do
SEXO DO FUTURO60
cuzinho da taxista. Ela pediu que ele introduzisse todo o pu-
nho na sua tabaca. Ele fez o que lhe foi pedido e ainda girou
o punho dentro. Ela arregalou muito a boca e os olhos, de
onde escorriam lágrimas de prazer. Então, inadvertidamen-
te, ele puxou a mão cerrada das entranhas dela. Um forte e
demorado jato de gozo foi lançado da xereca. Ele arrancou,
também bruscamente, seu enorme caralho do cu dela. Quan-
do a mulher se desesperou, querendo o membro de volta, ele
introduziu o punho com os dedos em forma de bico em seu
ânus elastecido, sem dó nem piedade. Forçou a introdução e
o antebraço invadiu o reto profundamente. Então, ouviu-se o
grito medonho:
- SAI DE CIMA DE MIM, SEU MONSTRO!
Fim da décima parte
SEXO DO FUTURO 61
SEXO DO FUTURO - Parte onze
Asobrinha da taxista saiu do quarto apavorada, ainda to-
talmente nua. Tinha o terror estampado no rosto. Re-
petia:
- Ele é monstruoso. Meu Deus, eu nunca vi algo nem ao
menos parecido, tia!
- Que foi, menina? – Espantou-se a chofer – Ele tem o
pênis exagerado?
- Não, tia. Ele é deformado. É medonho. Não quero
mais ele perto de mim. Por favor...
O rapaz veio logo atrás dela, e a coroa pode ver do que
a sobrinha estava falando. O caralho do cara era bem grosso,
mas o que apavorou a mocinha foi a sua glande ser enorme e
delgada, e parecer estar viva: serpenteava entre as pernas do
cara. O policial também ficou espantado. Aí, entendeu por
que a esposa tinha ficado à beira da loucura. O negrão de
cabelos totalmente brancos tentava explicar, mas a mulher
SEXO DO FUTURO62
não queria acordo. A taxista também apoiou a sobrinha. O
sargento Brizola não sabia o que fazer. A jovem correu para
o taxi nua do jeito que estava, chamando a atenção de todos
no prédio. Era a segunda vez que causava escândalo alguém
oriundo daquele apartamento. A taxista vestiu-se apressada-
mente e juntou-se à sobrinha. O negrão pediu que o rapaz
de cabelos branquíssimos ficasse no apê e saiu atrás das mu-
lheres. Conseguiu entrar no veículo, antes que a motorista
arrancasse dali. Ela perguntou o que estava havendo.
- Meu amigo tem, realmente, uma deformidade cor-
poral. Mas eu achei que ele iria conversar com tua sobrinha
antes de se expor... – Começou a dizer o negrão.
- Não, ele foi logo tirando a roupa e me atacando. Pa-
recia que fazia anos que não deitava com uma mulher. Além
de deformado, o cara é tarado. Porra, que medo dele!!! Nem
me chame para estar com ele de novo. Aquilo é nojento, que
Deus me perdoe – Berrou a mocinha.
- Bem, vocês me desculpem. Não sei o que dizer. Não
achei que ele fosse te tarar. Porém, meu acordo com tua tia
está valendo: depois acertamos mais esse favor. E mais uma
vez me perdoem.
O sargento desceu do taxi e voltou ao apê, sob os olha-
res curiosos de alguns moradores do prédio. Disse ao por-
teiro que depois conversava com ele. Quando reencontrou
o jovem do futuro, este estava muito envergonhado. Pediu
desculpas. O negrão disse, com o semblante cansado:
- Puta que pariu. Espero que as duas não espalhem o
ocorrido. Se isso chegar aos ouvidos do meu superior, estou
fodido. Já bastavam os problemas que tenho...
- Prometo não te aperrear mais para foder com alguém,
apesar da enorme vontade que sinto. Vamos nos concentrar
nos nossos inimigos.
Aí a campainha do apartamento soou insistente. O jo-
vem voltou ao quarto, para não ser flagrado nu. O sargento
deu um tempinho e foi abrir a porta. Deu de cara com o de-
SEXO DO FUTURO 63
legado e mais três policiais.
- Está preso, sargento -, disse de supetão o policial – le-
vem-no imediatamente para a delegacia.
- Ué, o que foi que houve?
- Estamos vindo da casa do perito que te emprestou a
chave do apê dele. Achamos seu corpo. E o porteiro me disse
que você esteve lá com uma mulher. – Informou o delegado.
- E não adianta tentar nos enrolar –, disse um dos poli-
ciais – achamos teu celular perto do cadáver. É uma prova de
que você esteve lá.
O sargento gelou. Esquecera, realmente, de procurar
melhor seu aparelho. Se continuasse mentindo, estaria mais
em apuros ainda. Também não queria que o jovem fosse des-
coberto dentro do apartamento. Então, fez uma manobra de-
sesperada: deu uma gravata no seu superior e arrebatou-lhe
a arma do coldre preso ao cinturão, que o policial levava na
cintura:
- Desculpe, delegado, mas não posso ser preso agora.
Há uma batalha a ser travada. Depois, te dou todas as infor-
mações necessárias. Se ainda estiver vivo...
O Delegado não se alterou. Disse ao militar:
- Veja lá o que está fazendo. Não piore tua situação.
Sequestrar um delegado é um crime grave.
- Não pretendo sequestra-lo, senhor. Mas, detido, não
poderei provar minha inocência. Porém, logo terá notícias
minhas.
Os policiais estavam apontando suas armas para o sar-
gento. Não estavam dispostos a perder o prisioneiro. O dele-
gado, no entanto, disse:
- Deixem-no ir. Não quero que ninguém saia ferido.
Depois o pegamos.
- Devolvam meu celular – exigiu o negrão – vou pre-
cisar dele.
O delegado fez um sinal mudo e um dos policiais ti-
rou o aparelho do bolso e entregou-o ao sargento Brizola. Ele
SEXO DO FUTURO64
agradeceu e saiu do apartamento, batendo a porta atrás de si.
Jogou a arma do delegado escadaria abaixo, pois sabia que
logo seria encontrada pelos companheiros do departamento.
Imediatamente, os policiais desceram as escadas correndo,
não querendo perde-lo de vista. O sargento, no entanto, ao
invés de descer os degraus, havia subido em direção à cober-
tura do prédio. Trancou a porta atrás de si à chave, pois tinha
uma cópia, e simplesmente deu um tempo. Depois, assomou
ao parapeito da cobertura. De lá, avistou os policiais doidos
à sua procura. Esperaria até que desistissem de acha-lo. No
mais, era torcer para que não tivessem visto o jovem de ca-
belos brancos.
Esperou mais ou menos meia hora e ligou para o telefo-
ne de casa. Ninguém atendeu, mas ele continuou insistindo.
Deixava cair na caixa postal e desligava antes de deixar men-
sagem. Fez isso várias vezes, até que finalmente atenderam:
- Alô?
- Oi, sou eu, Caim. Desça até o térreo e veja se ainda há
policiais à minha espera. Depois, volte ao telefone.
Mas a Polícia já havia ido. Adivinhou o próximo passo
do delegado. Como sua mulher não se encontrava em casa,
seu chefe deve ter ido com os policiais até a cafeteria onde
ela trabalhava. Como estava sem dinheiro suficiente para pe-
gar um táxi, foram de ônibus, ele e o jovem, até onde estava
hospedada a mulher do futuro. Mas havia um mistério no
ar: quem havia dado o telefonema anônimo denunciando as
mulheres do contêiner? Teria sido a própria Eva? Mas, por
que trairia as próprias irmãs?
Não falou de suas suspeitas ao jovem. Temia que ele,
por não conseguir mentir, não fosse capaz de guardar sigilo
da sua desconfiança da mulher. Ela ficou muito feliz em re-
vê-lo. Também cumprimentou efusivamente o rapaz. O sar-
gento lembrou-se de que ele ainda deveria estar doido para
foder. Pediu que ele o deixasse a sós com Eva e o cara foi
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO
SEXO DO FUTURO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

12 celebs with naughty piercings
12 celebs with naughty piercings12 celebs with naughty piercings
12 celebs with naughty piercingsMr. Yogi One & Only
 
TRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕES
TRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕESTRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕES
TRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕESMarcela Re Ribeiro
 
El arte detras de la seduccion marco cierpe
El arte detras de la seduccion marco cierpeEl arte detras de la seduccion marco cierpe
El arte detras de la seduccion marco cierpeHernan Rojas
 
Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira).
Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira). Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira).
Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira). Leonardo Pereira
 
Brigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & CrimeBrigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & CrimeAngelo Tomasini
 
A lenda do peixinho vermelho
A lenda do peixinho vermelhoA lenda do peixinho vermelho
A lenda do peixinho vermelhoMaivo falcão
 
Abaixo a depressão richard simonetti
Abaixo a depressão   richard simonettiAbaixo a depressão   richard simonetti
Abaixo a depressão richard simonettiHelio Cruz
 
La comunidad de seduccion es una mierda pvl
La comunidad de seduccion es una mierda pvlLa comunidad de seduccion es una mierda pvl
La comunidad de seduccion es una mierda pvlProjectMart
 
Visão espirita da sexualidade 1
Visão espirita da sexualidade 1Visão espirita da sexualidade 1
Visão espirita da sexualidade 1Prof. Paulo Ratki
 
Accidentes en la cama
Accidentes en la camaAccidentes en la cama
Accidentes en la camahordak
 
O Egoísmo das Nossas Vidas
O Egoísmo das Nossas VidasO Egoísmo das Nossas Vidas
O Egoísmo das Nossas Vidas-
 

Mais procurados (20)

Seja homem e pegue mulheres
Seja homem e pegue mulheresSeja homem e pegue mulheres
Seja homem e pegue mulheres
 
12 celebs with naughty piercings
12 celebs with naughty piercings12 celebs with naughty piercings
12 celebs with naughty piercings
 
Boys
BoysBoys
Boys
 
TRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕES
TRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕESTRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕES
TRECHOS DO LIVRO SEXO GOSTOSO E ALGUMAS ILUSTRAÇÕES
 
El arte detras de la seduccion marco cierpe
El arte detras de la seduccion marco cierpeEl arte detras de la seduccion marco cierpe
El arte detras de la seduccion marco cierpe
 
Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira).
Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira). Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira).
Estudos do evangelho "O ódio e o duelo" ( Leonardo Pereira).
 
EM DOMICILIO completo
EM DOMICILIO completoEM DOMICILIO completo
EM DOMICILIO completo
 
Brigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & CrimeBrigite - Sexo, Amor & Crime
Brigite - Sexo, Amor & Crime
 
A lenda do peixinho vermelho
A lenda do peixinho vermelhoA lenda do peixinho vermelho
A lenda do peixinho vermelho
 
Abaixo a depressão richard simonetti
Abaixo a depressão   richard simonettiAbaixo a depressão   richard simonetti
Abaixo a depressão richard simonetti
 
La comunidad de seduccion es una mierda pvl
La comunidad de seduccion es una mierda pvlLa comunidad de seduccion es una mierda pvl
La comunidad de seduccion es una mierda pvl
 
Visão espirita da sexualidade 1
Visão espirita da sexualidade 1Visão espirita da sexualidade 1
Visão espirita da sexualidade 1
 
Hacer reir a las mujers
Hacer reir a las mujers Hacer reir a las mujers
Hacer reir a las mujers
 
Seduccion acelerada
Seduccion aceleradaSeduccion acelerada
Seduccion acelerada
 
Jogo do texto
Jogo do textoJogo do texto
Jogo do texto
 
23 pakleni vakizasi
23  pakleni vakizasi23  pakleni vakizasi
23 pakleni vakizasi
 
Sexo em cores
Sexo em coresSexo em cores
Sexo em cores
 
Accidentes en la cama
Accidentes en la camaAccidentes en la cama
Accidentes en la cama
 
O Egoísmo das Nossas Vidas
O Egoísmo das Nossas VidasO Egoísmo das Nossas Vidas
O Egoísmo das Nossas Vidas
 
VICIADA EM SEXO
VICIADA EM SEXOVICIADA EM SEXO
VICIADA EM SEXO
 

Semelhante a SEXO DO FUTURO

O DETETIVE CEGO - Livro erótico
O DETETIVE CEGO - Livro eróticoO DETETIVE CEGO - Livro erótico
O DETETIVE CEGO - Livro eróticoAngelo Tomasini
 
Um roqueiro no além
Um roqueiro no alémUm roqueiro no além
Um roqueiro no alémMagali ..
 
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...Gaabi0
 
A ilha do tesouro
A ilha do tesouroA ilha do tesouro
A ilha do tesouroMorganauca
 
A ilha do tesouro
A ilha do tesouroA ilha do tesouro
A ilha do tesouroMorganauca
 
GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014
GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014
GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014Sérgio Pitaki
 
Oniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita VilelaOniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita VilelaRita Vilela
 
Ilha do Tesouro
Ilha do TesouroIlha do Tesouro
Ilha do Tesourobloggerfph
 
Charles G. Finney - As Sete Faces do Dr. Lao
Charles G. Finney - As Sete Faces do Dr. LaoCharles G. Finney - As Sete Faces do Dr. Lao
Charles G. Finney - As Sete Faces do Dr. LaoHerman Schmitz
 
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011tecnofantasia
 
Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishAna Polo
 
Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - contoz895911
 

Semelhante a SEXO DO FUTURO (16)

O DETETIVE CEGO - Livro erótico
O DETETIVE CEGO - Livro eróticoO DETETIVE CEGO - Livro erótico
O DETETIVE CEGO - Livro erótico
 
Um roqueiro no além
Um roqueiro no alémUm roqueiro no além
Um roqueiro no além
 
Ultima gota pdf 99
Ultima gota pdf 99Ultima gota pdf 99
Ultima gota pdf 99
 
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...
Barbara delinsky -_amea%c3%a7as_e_promessas_(threats_and_promises)_-_rainha_d...
 
A ilha do tesouro
A ilha do tesouroA ilha do tesouro
A ilha do tesouro
 
A ilha do tesouro
A ilha do tesouroA ilha do tesouro
A ilha do tesouro
 
GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014
GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014
GRALHA AZUL No. 51 - OUTUBRO 2014
 
Oniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita VilelaOniris o grande desafio de Rita Vilela
Oniris o grande desafio de Rita Vilela
 
Ilha do Tesouro
Ilha do TesouroIlha do Tesouro
Ilha do Tesouro
 
Charles G. Finney - As Sete Faces do Dr. Lao
Charles G. Finney - As Sete Faces do Dr. LaoCharles G. Finney - As Sete Faces do Dr. Lao
Charles G. Finney - As Sete Faces do Dr. Lao
 
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
Apresentação da antologia PULP FICTION PORTUGUESA no Fórum Fantástico 2011
 
40
4040
40
 
Liberos ignis nicole f. weiss
Liberos ignis   nicole f. weissLiberos ignis   nicole f. weiss
Liberos ignis nicole f. weiss
 
QU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4ROQU4RTO DESAMP4RO
QU4RTO DESAMP4RO
 
Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in English
 
Um romance rui zink - conto
Um romance   rui zink - contoUm romance   rui zink - conto
Um romance rui zink - conto
 

Mais de Angelo Tomasini (18)

MOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBERMOTORISTA DE UBER
MOTORISTA DE UBER
 
ALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro eróticoALCATEIAS - Livro erótico
ALCATEIAS - Livro erótico
 
INSÔNIA
INSÔNIAINSÔNIA
INSÔNIA
 
Minha noiva e uma puta
Minha noiva e uma putaMinha noiva e uma puta
Minha noiva e uma puta
 
MINHA IRMÃ BUNDEIRA
MINHA IRMÃ BUNDEIRAMINHA IRMÃ BUNDEIRA
MINHA IRMÃ BUNDEIRA
 
DECADENCIA
DECADENCIADECADENCIA
DECADENCIA
 
De santa a puta
De santa a putaDe santa a puta
De santa a puta
 
Assassina completo
Assassina completoAssassina completo
Assassina completo
 
Vira lata completo
Vira lata completoVira lata completo
Vira lata completo
 
O sequestro
O sequestroO sequestro
O sequestro
 
MULATA NOTA DEZ
MULATA NOTA DEZMULATA NOTA DEZ
MULATA NOTA DEZ
 
O homem que matou mona
O homem que matou monaO homem que matou mona
O homem que matou mona
 
Phroybido
PhroybidoPhroybido
Phroybido
 
SANGUE RUIM
SANGUE RUIMSANGUE RUIM
SANGUE RUIM
 
O Menino Balão
O Menino BalãoO Menino Balão
O Menino Balão
 
Cara de Quê?
Cara de Quê?Cara de Quê?
Cara de Quê?
 
O Taxista
O TaxistaO Taxista
O Taxista
 
O santo
O santoO santo
O santo
 

SEXO DO FUTURO

  • 1. SEXO DO FUTURO 1 LIVRO ERÓTICO
  • 3. SEXO DO FUTURO 3 SEXO DO FUTURO – Parte 01 Ocontêiner localizado na zona portuária do Recife estava iluminado àquela hora da madrugada, mas sua porta de entrada estava fechada. Apenas dava para ver a luz vazan- do pelas frestas. Dentro, oito mulheres participavam de uma reunião no mínimo suspeita. A que parecia ser a líder de to- das vestia um uniforme de couro fosco totalmente branco, colado ao corpo e com design futurista. Não aparentava ter maior idade que as demais. Tinha um bisturi na mão direi- ta e manipulava uma gerigonça com uma lupa, que de vez em quando ela usava para visualizar detalhes. Parecia estar prestes a dissecar dois cadáveres, dispostos sobre uma mesa cirúrgica. As outras pessoas ali reunidas eram todas do sexo feminino e usavam uniformes idênticos, só que de cores di- ferentes: duas usavam de couro vermelho, três de couro fos- co preto e duas de couro verde claro. Estas auxiliavam a que parecia líder. À primeira vista, se teria a impressão de que
  • 4. SEXO DO FUTURO4 seriam enfermeiras. A líder disse, finalmente: - Bem, parece que não têm anatomia muito diferen- tes dos nossos espécimes contemporâneos. O órgão sexual é deveras maior do que o que vemos usualmente, mas não dá para saber se têm função diversificada dos que conhecemos. Alguém se habilita a testar as funções eréteis do espécime? As mulheres olharam umas para as outras sem, no en- tanto, tomarem nenhuma iniciativa. Só depois de alguns mi- nutos, uma falou: - Nossa líder é quem deve fazer as honras. Nós, apenas assistiremos. A de uniforme branco depositou o bisturi em uma va- silha metálica, tirou as luvas e aproximou o rosto de um dos corpos nus. Este aparentava ter o pênis maior. Tocou o sexo dele com cuidado, com dois dedos, como se temesse desper- tá-lo. Mas sabia que o indivíduo estava sob forte letargia, cau- sada por uma dose cavalar de anestésicos. Cheirou o membro em repouso e disse: - Tem um cheiro acre, como se não fizesse a higiene do corpo regularmente. Mas não é um odor desagradável. Exci- ta-me a libido. Vamos ver que gosto tem... Dito isso, aproximou os lábios do sexo em descanso e tocou-o com a língua. O membro pareceu mover-se leve- mente. Atraiu olhares mais curiosos das espectadoras. Uma delas passou a língua nos lábios, com se estivessem resseca- dos. E estavam. - Também não tem sabor ruim. Mas está muito resse- cado. - Umedeça mais a coroa, talvez até melhore o gosto. - Sugeriu uma das de vestimenta verde-claro. Uma das que vestiam preto, no entanto, deu um passo à frente, oferecendo um pequeno tubo metálico à líder: - Tente este spray. Tem sabor artificial de morango. A mulher recebeu o recipiente, pulverizou a cabeçorra do pau em descanso e, em seguida, a própria boca. Nova-
  • 5. SEXO DO FUTURO 5 mente, levou o pênis murcho aos lábios. Desta vez, o peda- ço de carne pareceu dar um pinote. As mulheres tinham os olhos arregalados. A líder, mais uma vez, levou o sexo masculino à boca. Seu dono gemeu, quando ela engoliu-o até à metade. O sujei- to despertou e olhou em volta, mas não parecia estar enxer- gando ninguém. Revirou os olhos, como se estivesse sentin- do prazer naquela carícia, mas depois permaneceu imóvel e calado. Seu membro, no entanto, pulsava teso. - O nervo pulsa e começa a expelir uma secreção inco- lor e inodora. - anunciou a mulher que manuseava o pênis. - Talvez, friccionando o artefato, ele reaja de forma desco- nhecida para nós. E a mulher manipulou o enorme caralho, de forma um tanto insegura, como se nunca tivesse feito aquilo. O cara ge- meu de novo, desta vez mais alto. A mulher que havia entre- gue o spray avisou: - Ele deve estar sentindo dores terríveis. Não seria o caso de parar com essa terrível tortura? - Capturamos os espécimes para estudar suas reações. Nossa líder deve ir até o fim! - Assegurou uma das mulheres vestidas de vermelho. Nesse instante, a de uniforme branco punhetava a pica com mais vigor. Afastara o rosto do colo do sujeito, agora atenta a suas reações faciais. O homem abriu desmesurada- mente a boca e depois os olhos. Mirou-a por um instante, mas logo revirou os olhos. Gritou com todos os pulmões: - Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, porra... - Está matando-o! Vamos perder o espécime. - Gritou alguém. Nesse momento, o pau jorrou uma quantidade cavalar de sêmen. O sujeito estremeceu por uns segundos, depois ar- regalou muito os olhos. Tentou se libertar das amarras metá- licas que o prendiam mas, em seguida, tombou a cabeça para um lado, com os olhos esbugalhados e a boca crispada. Baba-
  • 6. SEXO DO FUTURO6 va de forma constante, até que ficou imóvel. A líder colocou um estranho aparelho sobre o seu peito e confirmou: - Infelizmente, a cobaia está morta. Isso significa que estávamos erradas: esses seres não suportam muita tortura por muito tempo. São mais frágeis do que pensávamos. - Então, perdemos nosso tempo e viagem? - Perguntou uma delas. - Talvez resistam, se extirparmos seus sêmens natural- mente, sem forçar a masturbação - Sugeriu outra. - Alguém quer tentar com o próximo? - Perguntou a líder. - Antes, não seria bom verificarmos que gosto tem o líquido esbranquiçado que saiu da ferramenta do espécime? - quis saber uma das que vestiam de vermelho. - Eu também quero experimentar - Disse uma que se vestia de verde-claro. - Todas devem experimentar! Poderemos não ter outra oportunidade. - Sugeriu alguém. Fizeram fila. Cada uma que lambesse um pouco de porra. Algumas aprovaram o sabor, outras acharam o chei- ro enjoado, como algum produto químico que conhecessem, mas não sabiam precisar qual. Num breve espaço de tempo, não havia restado nem mais um pingo de esperma no colo do defunto. O pau do sujeito foi murchando aos poucos, até vol- tar ao seu estado inicial: medindo cerca de doze centímetros. - Será que a peça não fica erétil de novo, se for nova- mente estimulada? - Perguntou a líder. Todas abriram muito os olhos, espantadas por não ha- verem tido tal ideia. Uma das vestidas de verde perguntou: - Eu gostaria de tentar. Tenho permissão de vocês? - Tem coragem de botar a boca nisso? Agora tem um cheiro diferente, como se já estivesse em decomposição... - É pelo bem do nosso conhecimento. Eu me arrisco. - Não vou permitir que nenhuma de vocês corra esse perigo. Sou a líder, cabe a mim arriscar.
  • 7. SEXO DO FUTURO 7 - Mas, se algo vos acontecer, ficaremos sem liderança. - Lembrou uma delas. Mas a líder já abocanhava o membro flácido. Estimu- lou-o com as mãos, com os lábios e até com a garganta, sem obter nenhum resultado. Frustrada, anunciou: - Vou dissecar o outro espécime. Quem sabe não des- cubro a causa do óbito deste? Porém, o outro espécime estava morto. Aparentava bem mais idade que o que acabara de falecer e já tinha che- gado com sintomas de ataque cardíaco. Entretidas com o su- jeito mais jovem, não deram a devida atenção ao enfermo. A líder usou novamente o estranho aparelho para atestar o óbito. Disse, depois, num fio de voz: - Sugiro, da próxima vez, trazerem amostras ainda mais jovens. Ao menos uma, para que possamos comparar às que temos no depósito criogênico. Algumas das mulheres resmungaram algo, e deram a sessão por encerrada. As que vestiam preto armaram-se do que pareciam artefatos futurísticos e se despediram das ou- tras. Afirmaram que logo estariam de volta com, pelo menos, um espécime vivo. Saíram do contêiner e caminharam a pé em direção às luzes que brilhavam ao longe. Ali, estavam lo- calizados alguns dos puteiros da zona portuária da cidade. Fim da Primeira Parte
  • 8. SEXO DO FUTURO8 SEXO DO FUTURO - Parte dois Aviatura parou em frente a um “inferninho”, situado na mesma zona portuária para onde se dirigiam as mulhe- res. Um sujeito negro, de quase dois metros de altura, metido num uniforme policial que parecia ter sido feito para alguém de estatura menor e mais franzina que a dele, desceu do car- ro e correu escadas acima, denotando a enorme vontade de esvaziar a bexiga. Disse aos companheiros, que se riam do seu vexame: - Não demoro. Mas, se quiserem, podem descer tam- bém e esticar as pernas. Só não podem beber em serviço. - Certo, sargento. Mas esperaremos aqui mesmo. Vá logo, para não mijar nas calças – disse o motorista, um sujei- to jovem com cara de gozador. - Na volta, traga uns refrige- rantes pra gente. O sargento não ouviu a última frase, subindo escadaria acima, em direção aonde se ouvia uma música brega tocan-
  • 9. SEXO DO FUTURO 9 do numa radiola de fichas, numa altura que decerto incomo- daria os vizinhos, se o bar não fosse estabelecido numa área de comércio. Àquela hora, as lojas estavam todas fechadas. Só funcionavam os inferninhos e lanchonetes, normalmente frequentados por putas e sua clientela. O motorista resolveu- se a descer do veículo, dizendo que iria dar uma olhada no movimento do puteiro. Os outros permaneceram no carro. Estavam em final de turno e sentiam-se sem ânimo naquela noite calorenta. Não haviam atendido nenhuma ocorrência, o que era raro naqueles dias da semana. Tratava-se de uma sexta-feira. O recinto estava lotado e fedia a suor e nicotina. Os clientes pareciam nem ligar para o uniforme policial, apesar de alguns serem mal-encarados. Algumas putas cumprimen- taram o policial e este respondia nuns resmungos. Caminhou até uma das janelas em estilo colonial, do puteiro, e olhou para baixo. Sorriu ao ver um dos policiais mijando num can- to de parede, perto da viatura. Pensou que o sargento bem que poderia ter feito o mesmo. Pouparia uns pingos na cueca. Aí, viu as três mulheres que se aproximavam do veículo poli- cial. Frangiu a testa. Sempre fazia ronda naquela área e nunca tinha visto nenhuma das três por ali. Todas vestiam roupas pretas, de um tipo de tecido fosco que mais parecia uma ca- muflagem noturna. Viu quando uma delas sacou da cintu- ra um objeto muito parecido com uma mini metralhadora. Mais que depressa, desceu as escadas, saltando de dois em dois degraus. Mesmo assim, chegou atrasado para avisar aos companheiros. Viu vários clarões azulados saindo do cano da estranha arma, que não produziu nenhum som aparente, e seus companheiros tombaram sem vida: um dentro e outro fora da viatura. O motorista já havia sacado seu revólver, mas não conseguiu disparar. Uma das mulheres de preto foi mais rápida e lhe apontou um objeto brilhante, que parecia mais uma soqueira. Dele, saíram quatro petardos que perfuraram o corpo do militar, liberando o que parecia uma forte des-
  • 10. SEXO DO FUTURO10 carga elétrica. O policial foi sacudido por fortes convulsões, antes de tombar sem vida. A figura feminina acionou algum mecanismo que fez os petardos recolherem-se para o inte- rior da estranha arma, como se esta tivesse algum forte ímã embutido. As mulheres se aproximaram dos corpos como se quisessem atestar suas mortes. A que parecia a líder fez um aceno de cabeça, confirmando o óbito. Com um movimento ensaiado, as três guardaram ao mesmo tempo suas armas e caminharam em direção à escada que dava no inferninho. Ninguém parecia ter se dado conta do que havia acon- tecido lá embaixo. Alguns clientes olharam em direção às desconhecidas, estranhando suas vestes futurísticas, mas não teceram nenhum comentário. As três se sentaram à uma mesa desocupada e chamaram uma garçonete que atendia carran- cuda, quando era requisitada. As três pediram garrafinhas de água mineral. A atendente pareceu mais abusada ainda com aquele pedido. Naquele momento, o sargento saiu do banhei- ro imundo da pensão, ainda guardando o membro dentro das calças, e desceu as escadas, sem ser visto pelas recém- chegadas. Teve uma surpresa enorme, quando viu sua equipe assassinada. Sacou sua arma e ficou tenso, vasculhando os arredores com o olhar atento. Estranhou que os seus compa- nheiros estivessem ainda de posse de suas armas. Se tivessem sido surpreendidos por malfeitores comuns, decerto estes lhes teriam alijado das pistolas. Ainda tenso, esgueirou-se até a viatura e, sem perder a atenção, passou um rádio pedindo socorro. Logo apareceu outra viatura para auxiliá-lo. Esteve se reportando a um tenente e era visível o seu embaraço. Por fim, concordou em subirem até o bar onde estivera mijando. Dariam uma batida ali. Quem sabe, o assassino ou os assassi- nos, estariam lá encima? No entanto, os policiais cometeram o erro de revistar todos os homens do recinto, negligenciando as mulheres. Principalmente as que estavam vestidas em estranhos uni- formes negros. Uma delas levantou-se da mesa e se postou
  • 11. SEXO DO FUTURO 11 estrategicamente ao lado da garçonete que atendia a clientela. Isso, pouco antes do tenente se dirigir à atendente, pergun- tando: - Quem foram as últimas pessoas a entrar neste putei- ro? - Homem ou mulher? - Homem, claro. Não creio que alguma mulher tivesse sangue frio o bastante para cometer aquela chacina lá embai- xo – Disse o tenente, para o espanto da garçonete que ainda não sabia do ocorrido. A mulher vestida de negro relaxou. Estava pronta para ameaçar a pobre garçonete, encostando-lhe uma arma no flanco. A atendente apontou dois sujeitos mal-encarados que haviam subido por último, mas estes não estavam armados e nem pareciam culpados. Uma das putas que estavam com eles jurou que estiveram o tempo todo consigo. Por fim, os policiais chegaram à conclusão de que estavam perdendo tempo ali. O tenente deu a ordem para descerem e aguarda- rem pela perícia junto aos corpos. Aí, o sargento ousou con- trariar seu superior: - Desculpe, tenente, mas não acho que devamos negli- genciar a batida nas mulheres. Talvez, quem atacou os nossos companheiros tenham passado as armas para elas, aqui em cima. – Falou com convicção o negrão. As mulheres vestidas de preto ficaram tensas, olhando uma para as outras. Seriam, fatalmente, descobertas. A um sinal da que parecia a líder, todas sacaram, ao mesmo tempo, suas armas ocultas entre as vestes. Apenas o sargento perce- beu o movimento suspeito delas. Gritou: - Atenção: armas escondidas! O aviso chegou tarde. As mulheres atiraram, pegando o tenente e os outros policiais de surpresa. O sargento jogou-se ao chão e revidou ao ataque. Atingiu uma delas com um tiro na barriga. O tenente, mesmo ferido, também atirou. Teve mais sorte. Acertou a líder com um balaço certeiro na testa.
  • 12. SEXO DO FUTURO12 A única das mulheres que não fora atingida usou a estranha arma que mais parecia uma soqueira para derrubar de vez o jovem tenente. Mas deu tempo ao negrão, demonstrando incrível agilidade, a derrubá-la com um murro certeiro na nuca. Ela caiu pesadamente no chão imundo do puteiro. O pandemônio estava formado no local. Teve cliente descendo as escadas às carreiras, tropeçando nos degraus e se esborra- chando no chão. Uma das putas foi empurrada janela abaixo por outra em fuga. Nem bem findaram os disparos, não havia mais ninguém no recinto, afora os policiais e as mulheres de preto. Uma morta, uma mortalmente ferida na barriga e ou- tra desmaiada. O negrão ainda estava atônito, sem saber se atirava novamente na mulher ferida ou se socorria os com- panheiros. Preferiu a segunda opção. Infelizmente, pela se- gunda vez naquela madrugada, perdeu mais companheiros. Todos os policiais estavam mortos. Aí, ouviu a sirene de uma viatura policial que alardeava a sua aproximação. Deviam ser os peritos chegando. Um deles sacou o celular do bolso e fez uma ligação. O comissário Abelardo tinha os olhos revirados, mãos espalmadas sobre o birô. Àquela hora da madrugada, ficavam poucos policiais na delegacia. Na verdade, ordenava que to- dos saíssem para a ronda, e permanecia com ele só uma es- crivã. Era ela que o estava chupando, ajoelhada sob o tampo da mesa, entre as pernas do policial. A mulher magra e sem grandes atrativos de beleza re- clamou: - Assim, me doem os joelhos. Vamos para um dos ca- tres, lá estaremos mais à vontade... - Termine a chupada, mulher. Estou adorando. E você sabe que em uma das camas da cadeia fica mais fácil de ser- mos flagrados. Algum dos presos pode nos alcaguetar, ou alguma viatura pode chegar de repente. Isso, sem falar de al- guém que venha prestar alguma queixa na madrugada, possa
  • 13. SEXO DO FUTURO 13 nos flagrar no ato. Então, mame esse cacete com gula que eu estou já gozando! - Mas eu também quero gozar! O delegado fez uma cara de irritação, mas resolveu-se a atender a reclamação da subalterna. Levantou-se, puxou-a de baixo do birô e obrigou-a debruçar-se sobre o tampo. Ela sorriu, quando ele lhe levantou a saia curta que ela usava. Estava já sem calcinha. - Pois já que estou quase gozando, vamos passar para os “finalmentes”, catraia. Dito isso, apontou o caralho babado para as pregas da policial e empurrou tudo de uma só vez. Ela tentou gritar, mas ele tinha lhe tapado a boca com uma das mãos. - Sem alarde, puta safada. Quer que nos ouçam? - Não. Quero que enfie sem pena na minha bunda, meu delegado. É assim que eu adoro... - ela grunhiu de forma aba- fada, tendo a boca pressionada pela mão do amante. Aí o telefone tocou. A princípio, o delegado não quis atender. Mas sabia que telefonema para delegacia àquela hora significava bronca pesada. Então, sem tirar a peia de dentro, levou o aparelho telefônico ao ouvido. Fim da Segunda parte
  • 14. SEXO DO FUTURO14 SEXO DO FUTURO - Parte três Ela gemeu, massageou a nuca com a mão e movimentou o pescoço. Constatou que o nervo estava ok e, só então, percebeu que estava sendo observada pelo policial. Depressa, agachou-se e manipulou as algemas que lhe prendiam os pés. O sargento correu até as suas roupas entulhadas encima de uma mesa, catou seu revólver e apontou para ela: - Pare. Mais um movimento e eu atiro em você! Ela parou, mas fez uma cara de raiva, antes de dizer: - Se você quisesse atirar em mim, já teria feito isso. Não sei porque poupou minha vida e me trouxe para cá. Está tra- mando algo e não pretendo esperar para ver o que é... - Eu quero apenas lhe fazer umas perguntas. - Disse ele, ainda de arma em punho. - E porque não fez isso lá, já que eu era sua prisioneira? - Meu superior a teria assassinado, como fez com tua parceira. Ele está furioso por vocês haverem matado o filho
  • 15. SEXO DO FUTURO 15 dele. Não daria para interroga-la lá. A mulher esteve olhando bem nos olhos do negrão, de- pois relaxou. Mesmo assim, terminou de retirar as algemas. Disse que não gostava de estar prisioneira. Pediu, no entanto, que ele baixasse o revólver. Também não apreciava estar na mira de uma arma. O sargento, porém, ainda não confiava nela. Afirmou que continuaria apontando-lhe o trabuco, até que se sentisse menos ameaçado. - Devo-lhe minha vida. Dou-lhe minha palavra de que não tentarei fugir. Mas, se continuar me apontando a arma, terei que alijar você dela. O sargento riu. Ela estava sentada no sofá, quase do ou- tro lado da pequena sala, tendo um móvel de centro separan- do os dois. O negrão também havia sentado numa cadeira da sala, ainda de cuecas. Disse para a bela mulher: - Você fala como se fosse fácil me desarmar, principal- mente eu sabendo das tuas inten... Não completou a frase. A mulher levantou-se de um salto, deu uma cambalhota no ar, demonstrando incrível agi- lidade, e caiu com os dois joelhos sobre as coxas do policial. Ele gritou de dor, pois o impacto causou-lhe a distensão dos músculos. Rapidamente, ela tomou-lhe a arma das mãos. Ele achou que ela iria atirar. A bela morena, no entanto, retirou todas as balas do tambor da arma com um movimento rá- pido e entregou-lhe o revólver de volta. Depois voltou a se acomodar no sofá, no mesmo canto onde estivera sentada, e despejou as balas sobre o móvel. O negrão continuava ge- mendo de dor. Os músculos das coxas estavam muito dolori- dos. Então, ela afirmou: - Logo essa dor passará. Agora, faça as perguntas que quiser. Terá suas respostas. E eu te garanto que não minto. - Ninguém é capaz de viver sem mentir. – Discordou o negrão – por mais que se tente evitar. - Nós não mentimos. Nunca. Nossos valores são muito diferentes dos de vocês, nossos antepassados.
  • 16. SEXO DO FUTURO16 O negrão esteve um tempo observando-a, cismado com aquela afirmativa. Depois perguntou: - Está querendo me dizer que vocês são do futuro? Por- que, se é assim, eu não acredito nessas histórias fantásticas de viagem no tempo. - Nós descobrimos recentemente que há um curto es- paço de tempo onde presente, passado e futuro se alinham perfeitamente, abrindo uma brecha na linha temporal. Ape- nas isso. Estamos aproveitando essa brecha para resolver um problema recorrente à nossa época. Disso, depende o futuro da Humanidade. - Balelas. Não vai me convencer contando essas menti- ras. Se bem que fico balançado a pensar que você vem mes- mo de algum lugar que não seja o Brasil. Você fala português com um sotaque estranho, que não é de nenhum pais de lín- gua lusa que eu conheça. As roupas também são estranhas e aquelas armas que usaram em nós não parecem deste mun- do. Mas os filmes de ficção científica estão aí para provar o contrário. Então, vai ter que inventar outra história mais acei- tável, se quiser que eu acredite em você. Outra coisa: por que aquela violência toda contra nós, policiais? Ela ajeitou-se melhor no sofá. Depois, explicou: - De onde venho, os policiais são os maiores vilões. E nosso grupo é o maior adversário desses assassinos. Eles ma- tam mulheres apenas pelo prazer de matar. Na verdade, que- rem exterminar a população feminina do planeta! - Porra, isso é sério? E como irão preservar a espécie, sem as mulheres para procriar? - Há séculos que a Humanidade perdeu o tesão por seus semelhantes. Não existe mais sexo entre homens e mulheres, nem entre gênero nenhum. A genitália masculina e feminina, por conta disso, atrofiou. As mulheres não geram mais óvulos nem os homens produzem espermatozoides. Isso, desde que instituíram a inseminação in vitro. Na verdade, houve uma época em que a população mundial passou a se interessar
  • 17. SEXO DO FUTURO 17 apenas por pessoas do mesmo sexo. Família tornou-se coisa do passado. O policial estava abismado com as palavras da mulher. Ela pareceu ler seus pensamentos. Levantou-se do sofá e co- meçou a se despir, sem nenhum pudor. Descobriu um corpo curvilíneo e digno de uma atleta, mas a sua vulva era minús- cula e deformada. Quase não havia lábios vaginais. O clitóris era do tamanho de uma cabeça de alfinete. A entrada daqui- lo que deveria ser uma vulva parecia mais um cu, cheio de pregas. E não. Ela não tinha ânus, apesar de possuir nádegas redondas. Virou-se de costas para ele, para mostrar que tinha regada da bunda, mas nada de buraquinho rosado culminan- do ali. A surpresa, no entanto, provocou uma imediata ereção ao sargento. Ele cobriu a parte da frente da cueca, para que ela não percebesse que estava excitado. Porém, já era tarde. Ela pediu, sem nenhuma cerimônia: - Pode me mostrar seus órgãos genitais? Ele levantou-se para tirar a cueca e ela saiu do sofá e se aproximou do negrão. Ficou embasbacada quando ele li- bertou o caralho enorme, de aproximadamente trinta cen- tímetros, duro como uma rocha. Ela abriu muito os olhos. Exclamou: - Uau! Preciso te mostrar às minhas irmãs. Elas vão fi- car muito impressionadas!!! - Você tem irmãs por perto? Quantas são? – Quis saber o sargento. - Agora, somos seis. Mas logo seremos centenas. Plane- jamos uma invasão em massa à esta época. - Pretendem nos matar a todos? É isso? - Não, não. Existe um grupo, do qual faço parte, que quer recuperar a capacidade do ser humano de se manifestar sexualmente. Na verdade, queremos voltar a praticar sexo. Mas, para isso, os homens do nosso século têm que voltar a se interessar pelo coito natural, novamente. - E como pretendem conseguir isso? Torturando-os?
  • 18. SEXO DO FUTURO18 - Claro que não. Mas essa parte cabe às minhas supe- rioras. Elas têm um plano e até um aliado masculino. Um dos únicos espécimes da nossa época capaz de demonstrar tesão. Volto a dizer: gostaria muito de te apresentar às minhas supe- rioras. Elas precisam ver este teu caralho enorme e excitado! A linda mulher dizia isso acariciando o enorme falo do negrão. Os seios dela possuíam mamilos, mas minúsculos. O peito arfava, como se estivesse excitada. Antes que o policial dissesse alguma coisa, ela pediu: - Posso tentar fazer sexo contigo? Talvez não consiga aguentar teu falo enorme dentro de mim, mas gostaria muito de tentar. - Está bem, – Disse o sargento – Mas dê-me uma chu- padinha, primeiro. - Uma o quê? Não sei do que está falando. - Está bem, aja como souber. Faça de conta que sou todo teu... Ela sentou-se de costas no colo dele. O negrão sentiu ela esfregar sua glande no minúsculo pinguelo, mas não per- cebeu nenhuma lubrificação ali. Só quando ela lhe tocou o pau com aquela abertura que parecia mais um ânus é que sentiu o quanto ela estava excitada. Pingava em abundância, por ali. Ela apontou seu pênis para aquela entrada e as pre- gas se movimentaram, como se fossem lábios vorazes. Ele quis empurrar a glande reentrância adentro, mas ela pare- ceu incomodada, como se estivesse engasgada. Ele desistiu de tomar a iniciativa do coito. Ela voltou a engolir o membro com voracidade, mas sem muita penetração. Era como se lhe chupasse só a cabecinha. Então, de repente, ela estremeceu e se enfiou toda ali. O negrão sentiu um líquido jorrar em suas pernas, como um esguicho de ejaculação. Ela começou a gemer alto. Ficou toda se tremendo no colo dele. Então, ele experimentou uma sensação como se as pregas dela lhe esti- vessem mamando o pau. Ele sentia nitidamente cada chupa- da que lhe davam no pênis. Quando estava disposto a liberar
  • 19. SEXO DO FUTURO 19 uma golfada de porra, eis que aquele túnel se estreitou em torno do falo dele. Não conseguiu fazer os movimentos tra- dicionais do coito. Era como se estivessem encangados, como caninos. Ele tentou retirar seu falo daquele túnel estreito, mas ela gemeu de dor. O negrão relaxou. Mas aí, bateu-lhe uma enorme vontade de mijar. Aperreou-se. Tentou se livrar no- vamente daquela pressão, mas ela gemeu de dor novamente. Sua bexiga estava cheíssima, apesar de saber que isso seria impossível num coito. - Goze, meu homem. Goze. Estou sentindo teu gozo se aproximar. Então, o negrão relaxou e fez um esforço enorme para urinar. Para o seu espanto, conseguiu. Ela gritou alto e ar- rastado, também tendo um orgasmo. Foi uma sensação de- morada para ambos e só assim ele conseguiu libertar o pau daquele orifício dela. Para seu espanto, continuou mijando. No entanto, o líquido que saia do seu pau, em profusão, era esbranquiçado como uma gozada. Imediatamente após, o ne- grão sentiu uma enorme fraqueza nas pernas e a cabeça girar. Viu a mulher se levantar do seu colo com um sorriso maravi- lhoso nos lábios. Depois, não viu mais nada. Fim da terceira Parte
  • 20. SEXO DO FUTURO20 SEXO DO FUTURO - Parte quatro Quando recuperou os sentidos, viu o velho perito caído ao solo. Tentou socorrer o cara, mas ele estava morto. Aperreou-se. Onde estaria a bela mulher? Levantou-se do chão onde estivera deitado e correu toda a casa. Nada de achar a criatura que dizia vir do futuro. Voltou-se para o cadáver do velho perito. O dono do apar- tamento jazia com um profundo ferimento na têmpora, de onde havia saído muito sangue. Tinha uma pistola ao alcance da sua mão. Decerto tinha sido surpreendido por alguém que também havia levado a mulher dali. Eram visíveis os traços de violência dentro do apê. Os móveis estavam revirados, como se tivesse passado por ali um pequeno furacão. Não sentia nenhuma dor, portanto não haviam tocado nele. Só então, percebeu que a tevê da residência estava ligada. Antes de desmaiar, não estava. Vestiu suas roupas depressa e saiu às ruas. Tinha a níti-
  • 21. SEXO DO FUTURO 21 da impressão de que o delegado havia estado ali. Ou sozinho, ou acompanhado de policiais. Não teria sido levado pelo pró- prio perito, que sabia ele estar com a mulher assassina? Mas, se era assim, por que não o haviam socorrido? Teria a mulher fugido e agora estavam em seu encalço? Não quis pensar muito. Como não achou seu celular, o primeiro lugar onde procuraria seria na delegacia. A viatu- ra que decerto usaram para chegar ali, no entanto, não mais estava por perto do prédio. Não viu o porteiro, para pergun- tar-lhe. Então, do telefone da portaria, ligou para a delega- cia. Uma voz feminina o atendeu. Informou ao sargento que o delegado havia saído para atender um chamado e já fazia tempos. Ela queria saber o que o policial desejava falar com o delegado, mas o negrão desconversou. Por isso, ficou sem sa- ber a quanto tempo o sujeito estava fora. As pernas ainda lhe doíam, terrivelmente. Então, ligou para uma agência de táxis. Logo, seguia de volta ao puteiro onde tudo havia começado ruim naquela noite. - Soube do que houve lá no puteiro para onde estamos indo? - Perguntou o taxista e, sem esperar resposta do negrão fardado, completou: - ouvi dizer que mataram vários poli- ciais ali. Mas já pegaram as assassinas dos caras. Deu agora mesmo no rádio. - Como é? Já pegaram as assassinas? Como assim? - Es- pantou-se o militar. - É, a notícia dizia que o delegado invadiu um contê- iner no porto e matou várias mulheres. Está cheio de policiais por lá, inclusive gente de fora. - Toca para lá - ordenou o sargento. Pouco depois, o negrão parava perto de um aglomera- do de gente. Quando invadiu o contêiner, viu corpos femini- nos espalhado pelo chão. Estavam todas metralhadas. Porém, não viu a mulher que estivera consigo. Relaxou. Mas aí um cara vestido de paletó preto o interpelou:
  • 22. SEXO DO FUTURO22 - Não devia ter entrado, sargento. Mas, já que entrou, cuidado para não pisar em provas espalhadas pelo chão. Quem é você? - Este é o sargento Brizola. Foi bom ter aparecido. Esta- va querendo saber que fim levou. - Fui nocauteado por uma das assassinas, delegado. - Mentiu o sargento - estive desacordado lá perto do puteiro. - E onde está o velho perito que estava contigo? - Não sei, senhor. Depois que fui surpreendido, não mais soube dele - mentiu novamente o policial. Agora tinha certeza de que o velho amigo não o havia alcaguetado. Po- rém, precisava desvendar o desaparecimento da mulher. Per- guntou o que havia acontecido ali. - Recebi uma denúncia anônima dizendo que o resto do grupo que havia assassinado meu filho estava reunido aqui. Requisitei mais homens e vim imediatamente. Conse- gui encontrá-las. Mas, reagiram à ordem de prisão e morre- ram no tiroteio. O delegado olhava fixamente para o sargento. Este ti- nha certeza de que as mulheres haviam sido surpreendidas sem direito a defesa. Havia algumas alvejadas pelas costas. Mas o negrão ficou calado. O delegado continuou: - Agora, esses nobres senhores de preto são responsá- veis pela investigação. São Federais. Portanto, dê toda a in- formação que precisarem - e o delegado piscou um olho. O negrão entendeu o recado. O sargento respondeu algumas perguntas dos Federais, mas não disse nada que já não soubessem. Pediu licença e disse que voltaria para casa. O motorista de táxi ainda estava por perto, esperando-o. Claro que estava doido por mais in- formações, mas o negrão disse que não podia adiantar nada para não atrapalhar as investigações. O sargento Brizola voltou para a casa do perito assassi- nado. Supunha que, se ainda estivesse viva, a jovem voltaria a procurá-lo lá. E estava certo. Cerca de duas horas depois,
  • 23. SEXO DO FUTURO 23 quando já era dia claro, a mulher vestida de couro fosco preto apareceu. Estava ferida e sangrava no flanco esquerdo. Des- maiou assim que o sargento a atendeu à porta do apê. Ele a pegou nos braços e depositou-a numa cama com lençóis lim- pos. O esforço provocou uma dor lancinante num dos lados do rosto, justamente onde existia um dente cariado. O nervo começou a latejar e ele maldisse a hora em que não tratou da enfermidade. O dente já doera várias vezes, mas ele não se apressou em fazer um tratamento. Mesmo assim, cuidou do ferimento da moça, desinfetando-o e aplicando-lhe uma po- mada cicatrizante. Por sorte, a bala atravessara a carne e saíra por trás. Conseguiu parar a hemorragia. Não usara anestési- cos, mas ela dormia a sono solto. Procurou alguma coisa que lhe fizesse passar a dor de dente, inutilmente. Então, deitou-se no sofá e ficou pensando nos últimos acontecimentos. Ali, pegou no sono. Acordou tendo o pênis lambido. Assustou-se, mas logo reconheceu a mocinha de preto. Ela alijara-o das calças e ma- mava seu pau com carinho. O dente, porém, doía de forma insuportável. Sentiu o rosto inchado. Ela, no entanto, não ti- nha mais o curativo no flanco. Apenas uma marquinha quase invisível restava no local. Perguntou: - O que houve com o seu ferimento? - Tratei. Havia deixado a química aqui, pois saí apres- sada. - O que te fez sair apressada? - Quis saber o sargento. - Um intruso. Entrou armado de pistola. Apontou-a para mim. Fui mais rápida e o derrubei com um golpe de Avandwá. Mas ele se recuperou rápido e atracou-se comigo. Acertou-me um tiro. Mas eu consegui vencê-lo no combate. Claro que o matei. Está estendido lá no chão. - Porra, mulher, aquele era meu amigo e dono deste apê. - E por que atirou em mim? - Perguntou-me ela, es- pantada.
  • 24. SEXO DO FUTURO24 O sargento pensou um pouco, antes de responder: - Talvez não quisesse atirar. Entrou armado para se proteger. O tiro pode ter sido acidental. - Pois não era o que parecia. Ele tinha a expressão de um homicida no rosto. O sargento calou-se. Achou que tudo não passou de uma fatalidade. Mas o dente doía demais. Gemeu. Só então ela pareceu ter percebido o inchaço: - O que foi isso no rosto? Levou uma contusão? - Não, é um maldito dente inflamado. Você não teria algum remédio? - Uaaaaaaaauu, vocês ainda sofrem disso? Nossa arcada dentária é perfeita, além de estarmos sempre cuidando dela. Talvez o nosso dentifrício resolva. Deixe-me ir buscá-lo. Ela voltou pouco depois e vaporizou algo na boca do negrão, demorando-se na região interna da gengiva atingida. O spray tinha um gosto amargo quase insuportável. Ela, no entanto, pediu para que ele não cuspisse. Pouco depois ele sentiu o dente esfarelar-se totalmente em sua boca, de forma indolor. Algumas outras placas se soltaram, também se es- farelando em sua língua. Só então, ela pediu para ele cuspir. Incrivelmente, era como se o spray tivesse removido toda a cárie e toda a placa bacteriana de todos os dentes, de uma só vez. O rosto ainda estava inchado, mas ela garantiu que, livre do dente podre, logo desapareceria o inchaço. O negrão estava atônito. - É, eu sei que é quase incrível. Mas já usamos essa tec- nologia há mais de um século. - Afirmou ela. O negrão correu para o banheiro. Postou-se perante ao espelho e comprovou que seus dentes estavam alvíssimos e sem traços de cárie. Sorriu satisfeito. Então, ela veio até ele e o abraçou por trás. Beijou-o num ponto das costas que ele se arrepiou imediatamente. Virou-se de frente para ela e a abraçou ternamente. Ela libertou, imediatamente, um forte cheiro de fêmea. Parecia que havia tido um orgasmo naquele
  • 25. SEXO DO FUTURO 25 momento. Um filete de um líquido branco escapou do seu atrofiado sexo. Ela começou a se tremer toda. Pediu que ele a penetrasse. O pau do sargento já estava duríssimo. Em pé mesmo, ali dentro do banheiro, ela encaixou o sexo no dele. Mais uma vez, o negrão sentiu claramente que seu sexo era engolido por aquela vulva estranha. Levou o dedo em riste às costas dela, procurando-lhe o orifício anal. Não encontrou. Então, ato contínuo, ela “cuspiu” seu pau de dentro de si, enquan- to lançava um forte jato de líquido branquíssimo. O negrão ficou frustrado, pois não gozara ainda. Ela estremeceu forte- mente e depois ficou estática. De repente, desabou no chão, sem dar tempo do policial a proteger da queda. Fim da quarta parte
  • 26. SEXO DO FUTURO26 SEXO DO FUTURO - Parte seis Por sorte, a mulher do futuro não se machucou no baque. O negrão carregou-a nos braços e depositou-a na cama. O perito, dono do apê, ainda jazia no chão. Era preciso dar um destino ao corpo. Nunca soube se ele tinha algum paren- te próximo, mas também estava na dúvida se devia avisar a polícia da sua morte ou não. Pensou em esconder o cadáver por uns tempos, até conseguir um lugar onde a moça ficar. Porém, quando achou que a jovem iria continuar desacorda- da, eis que ela desperta. Depois de confirmar que ela estava bem, perguntou onde estivera antes de chegar ferida ao apar- tamento. A mulher lhe respondeu de forma tristonha: - Fui até minhas irmãs, para saber quais eram os no- vos planos, já que o nosso comunicador ficara com uma das que foram assassinadas. Mas cheguei tarde. A polícia já havia atacado o local e dizimado todas. Então, voltei para cá. Mas havia perdido muito líquido vital. Então acho que desmaiei.
  • 27. SEXO DO FUTURO 27 - E agora, o que pretende fazer? Continuar tua missão? - Não posso. Minhas superioras não discutiam seus planos com a gente. Só me resta esperar que um novo grupo de mulheres seja enviado para essa época, o quanto antes. Isso, se a fenda no tempo já não se extinguiu. Se já aconteceu, não tenho mais como voltar. - Isso não te apavora? - Perguntou o negrão, ao perce- ber que ela não parecia nem um pouco incomodada com o fato. - Qualquer coisa é melhor do que estar lá no futuro. Você não sabe o quanto meu tempo é violento e sem graça. Depois, ela olhou toda dengosa para o sargento e com- pletou: - E eu acho que você cuidaria muito bem de mim, não? O homem esteve um tanto pensativo, depois respon- deu: - Olha, confesso que não esperava por mais essa res- ponsabilidade. Sou casado, dona. Minha esposa é ciumenta e não aceitaria o meu relacionamento com você. Ela ficou triste, mas não estava disposta a abrir mão da companhia do sargento. Por isso, abraçou-se a ele quase chorando. Implorou: - Deixe-me ficar contigo. Não tenho mais ninguém neste mundo. Prometo não atrapalhar o teu relacionamento conjugal. - Não sei se poderia te esconder por muito tempo, prin- cipalmente dos meus amigos policiais. O delegado também pode se lembrar de ti, já que te viu desmaiada. Pensa que você está morta. Eu afirmei isso a ele. Se te ver aparecer viva, po- derá acabar comigo. Eu teria que dar adeus ao meu emprego e à minha carreira militar. - Se é por isso, eu posso mudar a minha aparência, quer ver? E antes que o negrão respondesse, os músculos do ros- to da mulher começaram a se mover, como se estivessem
  • 28. SEXO DO FUTURO28 sofrendo uma mutação. Ela gemeu, como se o esforço lhe causasse dor. No entanto, logo tinha as feições totalmente di- fererentes da anterior. Em seguida, seus cabelos cresceram e mudaram de cor. Agora eram alvíssimos, sem nenhum fio colorido. E triplicaram de tamanho: chegavam até o meio das costas dela. O sargento estava assombrado com tal transfor- mação. Mas tinha que confessar que ela estava linda! - Porra, agora é que minha mulher teria mesmo mais ciúmes de você. Ficou bem mais bonita. Como consegue fa- zer isso? - Anos de treino. Muita vezes, trabalhamos disfarçadas e precisamos mudar de aparência. Mas ainda me doem os músculos faciais, quando me transformo. - Também consegue mudar o formato do resto do cor- po? - Perguntou o policial. - Não. Na verdade, nunca tentei. Nem conheço nin- guém que tenha conseguido. - Uau. É impressionante. Estou perplexo. - E então, agora posso ficar contigo? - Perguntou a ga- rota do futuro. O policial pensou um pouco e depois concordou em cuidar dela. Mas não poderiam ser visto juntos o tempo todo. Sua esposa logo desconfiaria de que tinham um caso. - Você tem filhos? Poderia me candidatar a ser babá deles... - Tá louca? Eu não iria conseguir me conter com você por perto. E não, eu e minha esposa nunca tivemos filhos. - Por que? - Ela é estéril. Não consegue engravidar. Já fizemos vá- rios tratamentos e nada. A moça esteve pensativa, depois afirmou com todas as letras: - Eu posso curá-la. E, se eu fizer isso, com certeza a tor- narei minha amiga. Então, poderemos ser vistos juntos. Acho que ela não teria mais ciúmes de mim.
  • 29. SEXO DO FUTURO 29 - Tenho cá minhas dúvidas, mas ela certamente ficaria para sempre agradecida. E eu também. Adoro crianças. - Se eu pudesse, te daria uma nascida de mim. Mas a minha estrutura física não me permite engravidar. No entan- to, eu ficaria felicíssima em conceber uma semente tua. O policial não sabia o que dizer. Tudo aquilo era muito estranho para ele. Era um sujeito que se considerava bem ca- sado. Amava a esposa. Mas sentia uma enorme atração pela criatura do futuro. Era preciso achar um lugar para ela ficar. Pagaria-lhe um hotel modesto, até que ela tivesse condições de se auto- sustentar. Estava decidido. Conhecia um amigo que adminis- trava uma pequena pousada à beira-mar. Levaria a mulher para lá. Depois ligaria para a polícia e faria uma denúncia anônima: havia um corpo num apê sito naquele endereço onde estavam. Não queria ser visto saindo junto com a jovem de cabe- los brancos do apartamento do perito. Por isso, pediu que ela seguisse para os fundos do prédio e o esperasse por perto. Ele trataria de achar uma oportunidade para não ser visto pelo porteiro. No entanto, pode sair sem problemas pois a porta- ria já havia feito a troca dos turnos. O funcionário que estava no balcão não o tinha visto estrar. Esperou um momento de distração e escapuliu furtivamente. Pouco depois, encontra- va-se com a jovem. Havia pego um par de peças masculinas, do guarda-roupas do perito, já que o uniforme da moça es- tava sujo de sangue. A vestimenta ficou grande nela, mas o importante era que a mancha rubra não fosse vista. Ela tro- cou de roupas na rua mesmo, sem nenhum pudor, jogando as que usara num cesto de lixo. Depois seguiram para a pousada gerenciada pelo amigo. Brizola não queria ser visto por ninguém do estabele- cimento, por isso lhe deu uma grana e aguardou no táxi en- quanto ela fazia a inscrição. Foi um martírio para ela mentir pela primeira vez. Alegou ter perdido todos os documentos,
  • 30. SEXO DO FUTURO30 mesmo assim facilitaram sua estadia sob promessa de apre- sentar depois sua identificação. Perguntaram quem a tinha indicado o estabelecimento e ela não soube mentir novamen- te: disse que havia sido o sargento Brizola. O gerente ficou ansioso para abraçar o amigo e saiu da pousada à sua procu- ra. O negrão pensou em se esconder, mas percebeu que já era muito tarde para isso. Saiu do táxi e abraçou o cara. Explicou que estava com pressa, porisso não entrara. O gerente per- guntou o nome da mulher. Só então, o negrão percebeu que nunca havia perguntado isso a ela. Desconversou. Pouco tempo depois o sargento se despedia de ambos. Ela, no entanto, disse que antes precisava falar com ele. Que- ria uma conversa particular. Brizola foi até o quarto onde ela estava hospedada e seu amigo voltou para os seus afazeres da pousada. No entanto, assim que chegaram diante da porta, ela o puxou urgente e trancou-se com ele. Disse que estava muito excitada e queria se despedir. Ele tentou dizer alguma coisa, mas ela já havia lhe livrado das calças e tinha seu enor- me caralho na boca. Chupava com uma gula até ameaçadora. Ele temeu que ela lhe cravasse os dentes na peia. Mesmo as- sim, não disse o que estava pensando naquele momento. Ao invés disso, confessou: - Pena que você não tenha cu. Adoro meter num ânus gostoso... Ela parou de repente de lhe chupar o caralho. O negrão sentiu a garganta dela apertando seu membro. Ela o tinha en- golido até o talo. Então, ela revirou os olhos e uma baba vis- guenta começou a sair da sua boca. A mulher começou a ter espasmos sem, porém, libertar sua pica da garganta. Quando o sargento pensou que ela estivesse engasgando, seu pênis duro foi cuspido da boca dela, de repente, envolto por uma espécie de bolsa de carne, vermelha e palpitante. O policial fi- cou horrorizado. Ela continuava revirando os olhos. Quando ele quis retirar-se daquela deformidade, eis que ela o impediu com gestos resolutos. O negrão entendeu que ela estava lhe
  • 31. SEXO DO FUTURO 31 preparando nova surpresa. Mas a visão daquele bolo de carne era aterradora. Mesmo assim, relaxou. Então, aquelas carnes, que mais pareciam uma bolsa disforme, foram se amoldando. Pouco depois, parecia um cu quando é puxado para fora da bunda. Com pregas e tudo, além das veias rubras e salientes. Ela cuspiu de novo uma gosma pegajosa por ali. Só então, ele percebeu que a moça começava a gozar. A pressão afrouxou, o túnel ficou lubrifi- cado como uma vagina, e ela começou a fazer movimentos de vai-e-vem com a cabeça. De vez em quando, cuspia uma golfada daquela baba um pouco ácida, que dava uma enor- me sensação de prazer ao sargento. Ele tinha a impressão de que estava metendo num cu bem gostoso. Ela continuava de olhos vidrados. Então, bateu-lhe a vontade de ejacular. Avi- sou-a. Ela pareceu nem ter ouvido, mas seu corpo começou imediatamente a se tremer. Ele apertou seu rosto com ambas as mãos e meteu como se estivesse fodendo um apetitoso cu. Quando, finalmente, gozou, foi a vez dela fazer os movimen- tos de cópula com a garganta. A pressão daquele bolo de car- ne aumentou em seu pau, como se estivessem engatados. Aí, o negrão percebeu que não tinha mais controle do seu gozo. Continuava ejaculando, mesmo depois de uns cinco minutos de cópula. Começou a ficar agoniado, mas não conseguia se desprender da goela dela. A massa de carne inflou como uma bexiga de festas. Parecia que ia explodir. E nada dele parar de ejacular. Foi-lhe batendo uma fraqueza nas pernas e o negrão tombou de vez, desmaiado. Fim da sexta parte
  • 32. SEXO DO FUTURO32 SEXO DO FUTURO - Parte Sete Otáxi parou bem na frente de sua casa, em Olinda. O sargento não precisou dar o intinerário, pois pegara o veículo da sua amiga taxista. Gastara todo o seu dinheiro re- servando o quarto por um mês, para a mulher que veio do futuro. Seu amigo lhe fez um bom desconto. Mesmo assim, o deixou liso. Então, ligou para a taxista e contou-lhe a situa- ção. Ela não fez nenhum “arrodeio” para apanhá-lo na pousa- da e levá-lo para casa. Também não fez perguntas, apesar de ter visto o negrão com uma jovem de cabelos branquíssimos. Uma negra bonita e rabuda veio até o portão da residência, quando ouviu o barulho do motor. Estava preocupada. - O que houve, amor? Você nunca demorou tanto a vol- tar para casa... - Alguns amigos meus, da polícia, foram assassinados, preta. Eu não podia sair da delegacia. - Mas eu liguei para lá. Disseram que não sabiam de ti.
  • 33. SEXO DO FUTURO 33 O sargento abraçou-se a ela, enquanto o taxi fazia o re- torno. Ele gritou: - Depois acertamos a corrida! A taxista botou o braço para fora do carro e lhe esticou um dedo. Continuou seu percurso. - Desaforada, essa taxista. Eu já não o vi com ela outras vezes? - Perguntou, cismada, a negrona. - Sim, de vez em quando ela me transporta para casa. É uma amiga de longas datas... - Tá, me engana que eu gosto! Percebo os olhares tara- dos dela pra você. E da última vez que você chegou bêbado, estava com o rosto sujo de batom. Só hoje eu vi que ela usa da mesma cor. Mas não estou afim de arengar. Estava preo- cupada contigo. Só não me diga que estava esse tempo todo com ela!!! - Não, minha preta. Estive investigando a morte dos meus companheiros. Por isso não sabiam de mim. - E quem foi assassinado, posso saber? O sargento Brizola narrou os últimos acontecimen- tos sem, claro, contar a parte em que esteve envolvido com a criatura do futuro. Enquanto ele falava, ela ia dando-lhe um banho morno, debaixo de um chuveiro elétrico. O ne- grão demonstrava um enorme cansaço. Eram pouco mais de oito horas da manhã. Ele estava com sono, pois não dormira quase nada na noite anterior. Quando acordou do desmaio, a mulher o chupava novamente, com a disforme carnosidade que lhe saía da goela e se projetava por uns vinte ou trinta centímetros afora da boca. Parecia disposta a drenar-lhe toda a energia, pois ele despertou novamente gozando com aquela estranha e louca felação. Afastou-a de si, com determinação. Ela cuspiu seu sexo ainda jorrando sêmen. Tinha os olhos re- virados, como antes. Pareceu frustrada, ao ser rejeitada. Mas não reclamou. Então, o sargento chamou o táxi, vestiu-se e foi embo- ra, sem nem se despedir. Ela lhe perguntou quando o veria
  • 34. SEXO DO FUTURO34 novamente, mas ele saiu sem responder. Parecia querer fugir dela o mais rápido possível. A mulher do futuro estava cho- rando. Não conseguiu dormir por muito tempo. A bela negra o acordou, dizendo que o estavam chamando na delegacia. Ainda sonolento, o sargento vestiu um uniforme limpo e saiu, depois de uma breve despedida da esposa. Perguntou para ela: - Não vai trabalhar hoje? - Ela sorriu e respondeu que haviam mudado seu horá- rio de expediente, na cafeteria onde era funcionária. Agora, só trabalharia no turno da noite. Ele foi embora sem perguntar se isso havia sido bom ou ruim para ela. Para ele era melhor pois costumava traba- lhar por toda a madrugada. Agora, poderiam estar juntos por mais tempo. Quando chegou à delegacia, o delegado já o esperava em seu próprio gabinete. Não fez rodeios. Perguntou na bu- cha: - Onde estão as armas confiscadas das mulheres que matamos lá no puteiro? - Não sei, senhor. - Disse o sargento, espantado - Achei que estavam com os peritos... - Eu também. Mas elas desapareceram e ninguém pa- rece saber delas. Até as que estavam com as outras mulheres, do contêiner, sumiram. A Polícia Federal está achando que nós demos um fim a elas. Contava com você para esclarecer esse mistério. - Posso investigar, mas é um caso difícil. Na verdade, acho que isso seria mesmo um trabalho para a PF. - Se descobrirmos antes o paradeiro dessas armas, es- taremos bem na fita com os federais. Portanto, quero você investigando esse caso. E só se reporte comigo, entendeu? Minutos depois, o sargento estava na rua, sem saber
  • 35. SEXO DO FUTURO 35 por onde começar. Primeiro, pensou que o perito poderia ter roubado as armas, antes de ir para o próprio apê onde fora abatido. Mas não vira nenhum objeto estranho por lá. A menos que a criatura do futuro tivesse recuperado as armas perdidas pela companheiras. Então, seria o caso de voltar à pousada. Não encontrou a mulher na hospedaria. O amigo lhe disse que ela havia saído fazia pouco tempo. Aproveitou para procurar as armas no quarto dela. Nada. Resolveu-se a espe- rá-la. Ela só chegou cerca de três horas depois, de indumen- tária nova e com uma sacola cheia de roupas. Quando o viu, abraçou-se a ele deveras contente. Ele disse: - Achei que não tinha dinheiro. Como conseguiu essas roupas? - Infelizmente, tive que roubá-las de uma loja, que fica num aglomerado mercantil. Shopping Tacaruna, se não me engano... - Achei que, se não mentia, logo não roubava. - disse o sargento. - Sim. Se eu tivesse sido flagrada, teria que dizer a ver- dade. Mas ninguém me viu sair da loja. E como pagou a condução para ir e voltar de lá? - Fui e vim a pé. Por isso, demorei. - A pé? Mas a distância é longa daqui para lá!!! - Por isso fui e vim usando toda a minha velocidade possível. As pessoas me aplaudiam pela rua, sabe? Diziam que nenhuma atleta conseguiria correr tão rápido quanto eu. - Porra, mulher, isso vai dar muito na vista. Teve sorte de não encontrar nenhuma equipe de reportagem pelas ruas. - Eu encontrei, amor. Porém, não parei para dar en- trevista. Disse que estava muito apressada. E eles não con- seguiram acompanhar minha velocidade. E eu sabia que iria encontrá-lo, quando voltasse. Então, quis vir rápido. - Sabia que eu queria falar contigo? Como assim? - As nossas armas desapareceram, não? Achei que teu
  • 36. SEXO DO FUTURO36 superior fosse questioná-lo sobre isso. - Como sabe do desaparecimento das armas? - Pergun- tou o negrão, desconfiado. - Relaxe, amor. Havia um mecanismo de autodestrui- ção em todas as armas. Elas se desintegram no ar, sem deixar vestígios, algum tempo depois de não ser mais detectado os sinais vitais dos seus donos. Desse modo, só quem pode pos- suir o arsenal é quem estiver vivo e cadastrado para usar os objetos. O negrão Brizola suspirou. Estava explicado o mistério. Porém, não poderia usar essa explicação para convencer o delegado, sem expor que a mulher sobrevivera à chacina do puteiro. Teria que bolar uma bela desculpa que convencesse o superior. Seus pensamentos foram interrompidos pela voz da mulher: - Pensei que havia ficado com raiva de mim. Interrom- peu o coito, hoje cedo, quando foi embora... - Porra, você tem drenado todas as minhas forças. Con- fesso que estou com medo de ti. - Não fique. Passei muitos anos sem ter sexo. É natural que queira recuperar o tempo perdido. - Mas, para que precisa de tanto esperma? - Eu quero engravidar de você. Decidi isso assim que tivemos o primeiro orgasmo. Mas, confesso que não sei como gerir um filho teu. Então, estou tentando de todas as manei- ras, amor. - Cacete, mulher. Eu fico destruído a cada sessão de sexo que temos. Pareço a ponto de morrer, de tão exausto!!! Ela riu gostosamente, e naquele momento ele a achou linda. Então, ela disse: - Ainda falta uma maneira a tentar, mas eu acho que você não irá concordar comigo. - disse ela, de forma mali- ciosa. - E qual seria? - quis saber o negão. Dali a pouco, estavam ambos nus. Ela o deitou sua-
  • 37. SEXO DO FUTURO 37 vemente na cama e começou a acariciá-lo dos pés à cabeça. Ia perguntando onde deveria beijá-lo, e ele ia indicando as partes mais sensíveis do corpo. Finalmente, ela acomodou-se sobre ele. Sua boceta deformada engoliu seu pênis até que ficasse totalmente lubrificada. Quando ele pensou que ela iria chupá-lo com aquela estranha vulva, eis que ela cuspiu seu sexo de dentro de si. Babava com profusão, que escorria da deformidade. Então, de repente, o negrão sentiu algo invadir o buraquinho da sua pica. Doía. Ele tentou afastá-la, mas ela pegou seu enorme pau com uma das mãos, imobilizando-o. O negrão esticou a cabeça e viu o pinguelo da mulher alon- gado, adentrando a sua peia. Tentou afasta-la mais uma vez e ela tocou-lhe um nervo do pescoço, deixando-o totalmente imobilizado. O negrão sentiu aquele estranho e enorme pin- guelo lhe invadindo o canal da uretra, rasgando-o todo, do- endo-lhe terrivelmente. Mas não conseguia nem gritar, imo- bilizado. Então, aquele pinguelo começou a inchar, forçando o canal. E continuava invadindo suas entranhas. Ele o sentia cada vez mais profundo, e essa era uma invasão dolorida. Em seguida, foi como se a xereca dela se transformasse num cu. Engoliu o pênis dele, sem deixar de introduzir-se, também, no seu canal de mijar. Aquele pedaço de carne se movimen- tava, como se estivesse deglutindo-o ao mesmo tempo que o masturbava. No entanto, sentiu como se o estranho e ex- tenso pinguelo estivesse ejaculando dentro dele. Olhou para a mulher e ela tinha os olhos revirados. De repente, aquele pinguelo foi extraído de uma vez de dentro dele. O movi- mento brusco lhe causou uma vontade enorme de ejacular. Quis se prender, mas pegou-se gozando intensamente dentro da estranha vulva da mulher. Ainda não conseguia se mover. Então, sua cabeça rodou vertiginosamente e ele mais uma vez perdeu os sentidos. Fim da sétima parte
  • 38. SEXO DO FUTURO38 SEXO DO FUTURO – Parte oito Quando recuperou os sentidos, cerca de meia hora depois de ter desmaiado, a primeira coisa que o negrão viu foi a mulher do futuro com seus documentos espalhados sobre um pequeno móvel de cabeceira que havia no quarto. Ela es- ticou-se para dar-lhe um beijo na boca, saudando-o. O cara sentou-se na cama e perguntou: - O que está fazendo com meus documentos? - Conhecendo um pouco mais da vida do meu futuro marido. Também queria saber teu nome, já que não nos apre- sentamos ainda... - É verdade. Agora, você leva vantagem sobre mim. Como se chama? - Oh, amor, no futuro nós não temos nome, apenas um número de identificação. E o meu é muito extenso. Costuma- mos dar apelidos a nós mesmos, conforme a situação. E teu nome é difícil de decorar. Como é o meu primeiro homem,
  • 39. SEXO DO FUTURO 39 vou te chamar de Adão. Gosta? - Tanto faz. Nesse caso, passarei a te chamar de Eva. Por falar nisso, vocês ainda acreditam em Deus, no futuro? - Não. – Afirmou ela, sem qualquer constrangimento. – A humanidade conscientizou-se de que Deus, se realmen- te existiu, deve estar morto. Apenas algumas poucas pessoas continuam adorando-o, mas só como uma espécie de folclo- re. São chamados de Adoradores do Deus Antigo. Mas não existem mais templos. Oram em suas residências, sozinhos ou em grupos. - Interessante, Eva. Eu, que achava que os evangélicos, um dia, dominariam o mundo. - Passaram a ser perseguidos. Taxaram-nos de merce- nários. Mataram pastores e fiéis. Confiscaram todos os bens da Igreja. Acabaram com todas as gerações de um antigo pas- tor da era de vocês. - Uau. Minha esposa é protestante. Queria poder-lhe contar isso. Mas ela jamais acreditaria nessa história. - Por falar em tua esposa, quando poderei falar com ela? – A mulher estava curiosa. - Deixe quieto. Quando for um bom momento, eu mes- mo te apresento a ela. Quem sabe quando você conseguir um emprego, de preferência na área de Medicina, já que você pa- rece saber lidar com a saúde. - Todos nós, do futuro, somos experts em biologia e medicina. Aprendemos desde crianças, com os cursos à dis- tância. Também já não existem mais escolas, pois Educação era a mina de ouro dos políticos safados. A mulher perdeu o interesse pelos documentos e ani- nhou-se nos braços do negrão. Ronronou: - Mas eu não quero falar sobre isso. Quero saber de nós dois. Quando poderemos nos casar? - Ora, eu já disse que sou casado. E amo minha esposa. - No futuro, podemos ter quantos parceiros quisermos. Há muito, dominamos esse sentimento mesquinho chamado
  • 40. SEXO DO FUTURO40 ciúme. Seremos amantes, então. Dessa forma, você não pre- cisa deixar tua esposa, amor. O sargento não respondeu. Deu-lhe um rápido beijo nos lábios e foi tomar banho. Logo, estava vestido para voltar à delegacia. Ela lembrou-se: - Ah, quando você estava repousando, vi um comuni- cado na tevê. Um homem apresentou-se à Polícia, dizendo que precisava localizar um sargento chamado Brizola. Achei que ele queria falar com você, por isso fui dar uma olhada nos teus documentos para conferir teu nome. - Ele disse como se chamava? – Perguntou o negrão, todo desconfiado. - Não. Nem vi sua imagem. Melhor você seguir para a tua delegacia, já que eu acredito que ele esteja lá. Mas man- tenha contato comigo. É que me interessa ter mais notícias desse homem. Se for quem estou pensando, minha missão não estará pedida... Pouco depois, o policial chegava à delegacia. O delega- do veio furioso ao seu encontro: - Onde, diabos, você estava? Não atendeu o celular e tua esposa disse que já tinha saído de casa fazia tempos! O sargento botou a mão no bolso e retirou de lá seu aparelho celular. Estava descarregado. Pediu desculpas. Disse que estava nas ruas, em busca de pistas sobre as armas. O seu superior afirmou: - Um doido veio te procurar aqui, dizendo ter um re- cado, mas que só falaria se fosse contigo. Não há registro das digitais dele. Aliás, o cara tem todas as digitais apagadas das mãos, como se tivesse sofrido queimaduras. Está no xilindró, te esperando. O sargento não quis estender a conversa. Quase correu até a cela onde o cara se encontrava. Era um jovem negro e musculoso, com os cabelos totalmente brancos. Abriu um sorriso nos lábios, quando viu o negrão.
  • 41. SEXO DO FUTURO 41 - Finalmente, me encontro contigo. É uma grande hon- ra. – Afirmou ele. - Quem é você e como me conhece? Desembuche logo, antes que eu perca a paciência. - Não posso dizer quem sou, por enquanto. Mas precisa alertar tua parceira de que estamos todos em perigo extremo. - Do que, diabos, está falando? Como conhece minha esposa? – Ralhou o negrão, mais desconfiado ainda. - Tire-me daqui e conversaremos. Mas terá que ser uma conversa a sós. Eu não conseguiria comprovar o que te- nho para te dizer. Pouco depois, ambos estavam em um barzinho. Mas o jovem pediu apenas uma garrafinha de água mineral. O sar- gento pediu um refrigerante. - Pronto. Já pode falar. E faça valer a pena eu ter con- frontado meu superior para poder te soltar. – Inqueriu o po- licial. - Está bem. Sei que o que vou dizer não vai te espantar. Não mais. Então, serei curto e grosso: vai começar a invasão. Talvez, já estejam aqui. Então, precisaremos ser espertos. - De que está falando, homem? Não pode ser mais cla- ro? - Quer dizer que as mulheres do futuro ainda não se fi- zeram notar? Não é possível! Meus dados indicam que vocês até já transaram!!! - Puta que me pariu, agora fodeu... – impacientou-se o policial - De que porra está... Aí o militar estancou. Compreendeu tudo naquele ins- tante: - Cacete, você também é do futuro, porra. – Exclamou e depois olhou para todos os lados, temendo ter sido ouvido. - Depois, continuou, só que em tom mais baixo: - Então, diz aí: qual é o recado que tem para mim? E quem é você?
  • 42. SEXO DO FUTURO42 O jovem estendeu-lhe a mão. Apresentou-se: - Eu sou 062 quinhentos e quatro 87. É um prazer co- nhece-lo. - Ok. Ok. Não tem um nome que eu possa te chamar, que seja mais fácil de decorar? – Quis saber o policial. - Dê-me o nome que quiser. Para mim, será uma gran- de honra ser apelidado por você. - Pois vou te chamar de Caim. É mais fácil de eu deco- rar e de você pronunciar. Agora, diga-me o recado. - Há um exército vindo do futuro para cá. Seu líder é um dos assassinos mais sanguinários que nosso mundo já conheceu. Precisamos pará-los. Eu vim para te ajudar. Está escrito que, sem mim, você não terá chances de triunfar. O sargento estava muito sério. Perguntou ao jovem: - Não seria o caso de denunciar essa invasão às forças armadas? Eles têm muito mais recursos que nós dois. - Não acreditariam em mim. E eu temo que fiquem com as armas do inimigo. Então, estaríamos realmente perdidos. Nem os federais devem saber dessas armas. Infelizmente, te- remos que vencer essa guerra sozinhos. – Disse tristemente o rapaz de cabelos totalmente brancos. - Pois diga sinceramente: acha que apenas nós dois conseguiríamos? - Eu tenho certeza!!! Só não posso dizer ainda o porquê. - Ok, vou embarcar nessa tua loucura. O que devemos fazer? - Primeiro, eu gostaria de conhecer a tua amante. Para mim, será uma grande honra me encontrar com uma perso- nagem tão importante para a humanidade. – Alegrou-se o cara que veio do futuro. Pouco depois, o negrão estava de volta à pousada. Eva, no entanto, não conhecia o jovem. Fez perguntas. Ele afir- mou: - Sabemos que a senhora perdeu as irmãs e ficou presa
  • 43. SEXO DO FUTURO 43 nessa era. Estou aqui com a missão de te resgatar. - E quem é você? - Agora, tenho a honra de me chamar de Caim. Mas precisamos ser rápidos. A grande invasão já começou. - Minhas outras irmãs estão aqui? - Não. O inimigo está aqui. Com mais de cem homens. O dobro do que necessitariam para dominar este mundo. - Só cem homens? Pensei que fossem muitos mais, por- ra... – Espantou-se o negrão. - Pois eu reafirmo que metade desse número seria su- ficiente. Virão armados e são muito perigosos. – Insistiu o jovem. - Ok, primeiro temos que encontrar um lugar onde você possa ficar mais perto de mim. Portanto, vou te levar na minha casa e te apresentar à minha esposa. Mas esta tua roupa é muito estranha e fora do contexto. Não tem uma me- lhor? – Disse o negrão, referindo-se à indumentária do cara, de couro negro, como a que usava a mulher do futuro. - Infelizmente, só tenho esta roupa... - Vamos. Em casa, tenho roupas que devem caber em você. Tem quase a minha estatura. Mas advirto: minha es- posa não pode saber quem você é. Jamais acreditaria nessa história de gente vinda do futuro! Quando chegaram na casa do sargento, ele apenas disse à mulher: - Este é um amigo meu, amor. Ficará uns tempos co- nosco, até arranjar um local para morar. Vou deixa-lo aqui e voltar ao trabalho. Amanhã, estarei de volta. E, virando-se para o negrão, arrematou: - Você me aguarda aqui, como combinamos no cami- nho. Vou pôr em prática o plano que engendramos. E esperar para ver o que acontece... Mas o jovem parecia não ter ouvido o que o policial disse, encantado pela mulher. Na verdade, ele nunca havia
  • 44. SEXO DO FUTURO44 visto uma fêmea de corpo tão sinuoso quanto o dela. As mu- lheres do futuro eram todas magras, se bem que algumas ti- nham compleição musculosa. Mas, uma bundinha empinada e redonda como a dela, ele nunca havia visto. Só então, caiu em si: - O que você disse? Desculpe, estava absorto. - Deixa para lá. Depois conversamos. – E, virando-se para a esposa, disse: - Querida, cuide bem dele. É um amigo muito querido e irá me prestar ajuda num grande problema. Dê-lhe uma de minhas roupas, mas ele precisa tomar um banho antes. Pro- videncie tudo. Vou ter que sair. Quando o sargento foi embora, a negra olhava cismada para o jovem. Perguntou: - O que meu marido anda tramando? Lógico que está me escondendo algo. Ele nunca trouxe nenhum de seus ami- gos aqui em casa. Nem os com quem ele já trabalha há anos. E ainda diz que você resolverá um grande problema nosso? A que problema ele se refere? - Não sei, senhora – falou o negrão, lutando contra a vontade de dizer a verdade – Seria melhor perguntar a ele. - Você é um mentiroso. Claro que sabe do nosso pro- blema. Para te trazer aqui, ele deve ter te contado. - E o que ele teria para me contar, madame? Ela pensou um pouco, antes de responder. Quando o fez, estava amargurada: - Eu não posso ter filhos. Mas meu marido adora crian- ças. Já fizemos todo tipo de tratamento, gastamos todas a nossas economias e nada. Ele deve estar muito desesperado para chegar a um ponto desse... - Não estou entendendo onde quer chegar, senhora. Seu marido e eu não... - Mentira! – Gritou ela, veementemente. – Mentira e mentira! Ele quer que eu engravide e apela agora para os ami- gos. Amigos, não. Você tem toda a pinta de garoto de aluguel.
  • 45. SEXO DO FUTURO 45 Deve estar aqui para tentar me emprenhar. Então, acabemos logo com essa farsa! Dito isso, a bela negra despiu-se totalmente ali mesmo. O negrão estava embasbacado com aquela situação. Queria sinceramente demover a mulher daquela ideia. Tentou: - Senhora, está equivocada. Eu não... Mas ela já o beijava ardentemente na boca, colando os seios duros nos peitos dele. O pau do cara ficou teso, imedia- tamente. - Por outro lado, eu e ele quase não fodemos mais. Ele tenta, mas eu perdi o tesão, por não poder dar-lhe um bebê. Mas neste momento eu estou excitada. – Disse ela, num fogo danado, sem desencostar a boca, nem o corpo, da dele. Ela levou uma das mãos entre as pernas do jovem. En- controu lá um pênis curto, com cerca de cinco ou seis cen- tímetros, apesar de ser razoavelmente grosso. Agachou-se entre as pernas dele e levou a estranha glande à boca. Ela era vermelhíssima e pontuda, como a de um cachorro. Mas não falou da sua frustração. Com a fome de sexo que estava, gos- taria de ter encontrado ali uma rola enorme, como a do seu marido. Mesmo assim, chupou a cabecinha fina com gosto. Para a sua surpresa, aquele pedaço de carne cresceu mais do triplo, e foi ficando cada vez mais encorpado. Ela levantou-se de repente e jogou-o no sofá da sala. Ainda atônito, ele não reagiu. Ela montou sobre seu corpo e direcionou o estranho membro à vulva. Ele adentrou-a rápido e certeiro, como um bote de uma serpente. Pouco depois, a mulher sentia aquele pinguelo invadir-lhe a entrada do útero e continuar sendo introduzido cada vez mais. Então, começou a se assustar. Aquilo não era normal. Perguntou-se se não estava sonhan- do, mas a sensação era muito nítida dentro dela. Aperreou- se. Evangélica, começou a pensar que estava sendo possuída pelo Diabo. Percebeu claramente uma golfada, como se ele tivesse ejaculado. Em seguida, uma leve acidez ardeu em suas entra-
  • 46. SEXO DO FUTURO46 nhas. Sentiu também o membro dele inchar exageradamente dentro da sua vulva. Ao ponto de ficarem engatados, como caninos na foda. Quando olhou em seu rosto, ele tinha os olhos arregalados e totalmente revirados. Foi quando ela, fi- nalmente, resolveu-se a agir. Tentou sair de cima daquela criatura demoníaca, mas não conseguia. A disforme carnosidade inchada já lhe havia tomado todo o espaço entre a entrada da vagina e o útero. Começou a entrar em pânico. Fez força para abortar aquela trolha. Mas doía demais. Tomou coragem e forçou a separa- ção dos corpos. Os dois gemeram de dor ao mesmo tempo. No entanto, o impensável estava para acontecer. Um mar de substância esbranquiçada e pegajosa inun- dou-a por dentro. Aquele estranho pinguelo recolheu-se de repente, e vazou uma quantidade enorme daquele líquido. Parecia um cavalo esporrando. Conseguiu, finalmente, de desvencilhar dele. Quase que se jogou sofá abaixo. Quando se ajoelhou no chão disposta a fugir de perto do estranho, teve uma visão aterradora: o estranho pedaço de carne que antes parecia um pinguelo agora parecia um rabo de lagar- tixa quando se desprende do corpo. Chicoteava em todas as direções, como se estivesse em enorme agonia. Media cerca de um metro de comprimento, saindo de um rebolo de carne que antes tinha a forma de um pênis. Agora estava roxo, in- chadíssimo, cheio de veias salientes. Ela, por fim, teve forças para gritar: - VALEI-ME MEU SENHOR JESUS CRISTO. FUI POSSUÍDA PELO CAPETA. ESTOU AMALDIÇOADA! Fim da oitava parte
  • 47. SEXO DO FUTURO 47 SEXO DO FUTURO – Parte nove Anegra lembrou-se que o marido guardava uma pistola carregada, lá no guarda-roupas. Correu para o quar- to. Nunca concordara com ele guardar uma arma dentro de casa, apesar de sabe-lo policial. Ela detestava armas e o que elas representavam, principalmente por causa da sua religião. Mas, naquele momento, estava contente por Deus ter inspira- do o marido a contraria-la. Ela iria destruir Satanás! Demorou um pouco a achar a pistola escondida no fundo de uma das gavetas do móvel, de tão nervosa que esta- va. Finalmente, empunhou firmemente a arma e voltou reso- luta para a sala. O jovem, porém, não se encontrava mais lá. A porta do apê estava aberta e ela correu para fora. Desceu as escadas de arma em punho, mas o negro dos cabelos total- mente brancos havia desaparecido. O sargento Brizola chegou ao prédio da emissora de
  • 48. SEXO DO FUTURO48 tevê localizado em Olinda e perguntou pela repórter Maria Libório. Indicaram-lhe uma sala e ele se dirigiu para lá. En- controu-a ao computador, editando uma matéria. A jovem manipulava um vídeo, fazendo os cortes que achava necessá- rio. Quando viu o negrão, abriu um largo sorriso. - Meu Deus, você aqui? A que devo a honra da tua ilus- tre visita? Finalmente veio me pedir para voltar? - Não brinque, continuo casado. - E eu continuo descasada, querido. E ainda amando você! Beijou apaixonadamente os lábios do negro, que não ofereceu resistência. Quando, enfim, se largou dele, o sargen- to disse: - Vim te dar um furo de reportagem, e acho que che- guei bem na hora. Ela espantou-se. Puxou uma cadeira e pediu que ele se sentasse junto a ela. O policial apontou para o vídeo: - Vim te oferecer a chance de entrevistar essa mulher que aparece nessa imagem, que tal? - Uau! Quando você diz algo, eu acredito. Como fare- mos? - Antes, porém, vou querer um favor teu. – E, antes que ela perguntasse: - Quero também que faça uma entrevista co- migo. É muito importante. - Você pedindo, eu atendo. Mas teria de convencer meu editor de que o que tem pra dizer vale a pena a trabalheira... - Vim denunciar uma invasão militar em breve, que mudará o curso da história. Mas só posso dizer isso. - Porra, meu, isso é sério? Não está de sacanagem co- migo? Tuas fontes são confiáveis? - Sim, são fontes confiáveis. Mas não podem ir a públi- co ainda. Por isso, mandam um recado por mim. A repórter esteve pensativa. Confiava no ex-amante. Ele nunca lhe tinha mentido. Não seria agora que iria dei- xa-la em apuros. Haviam sido namorados, antes de ambos
  • 49. SEXO DO FUTURO 49 seguirem suas vidas. Culpa dela, não terem casado. Ela o dei- xou para ficar com um jornalista famoso. Mas seu casamento não durou nem três meses. Quando quis voltar para o ne- grão, este já namorava uma negra rabuda e linda, com quem contraiu matrimônio menos de um ano depois. Ainda quis tê-lo como amante, mas foi rejeitada pelo homem. Aquietou- se e curtiu sua decepção. Nunca mais o havia encontrado. Agora, ele lhe chegava com aquela notícia bombástica. Daria um jeito de fazer o que ele queria. - Deixa eu te preparar para a filmagem. Vou pegar o kit de maquiagem. Espere-me aqui. Volto já... Pouco depois, o negrão terminava a gravação: - ... Pois eu estou sabendo dos teus planos medonhos e pode apostar que te impedirei. Nem que eu tenha que morrer tentando. Mas essa guerra deverá ser entre mim e você. Se tentar envolver outras pessoas, serei obrigado a contatar as Forças Armadas deste País. Você não terá nenhuma chance de vencer. - Muito dramático, mas não entendi nadinha de nada. – Confessou a jornalista – Não pode me dar nenhuma dica do que está acontecendo? Prometo não publicar nada até você me autorizar. - Você acharia que eu estou louco. Também não quero comprometer você. Estaria tão em perigo quanto eu. Estou querendo fazer dessa guerra algo particular, para não envol- ver mais pessoas. Se eu triunfar você será a primeira a publi- car essa história. - Infelizmente, não posso levar ao ar esse recado. Meu chefe não autorizaria. É muito vago. Precisaria de algo mais consistente. - Bem, então terei de apelar para um repórter amigo meu, que é muito mercenário. Com certeza publicaria a re- portagem, mesmo sem saber de que se trata, mediante algu- ma quantia em dinheiro... Ela esteve mais uma vez pensativa, até afirmar:
  • 50. SEXO DO FUTURO50 - Está bem. Darei um jeito de convencer meu editor. Mas vou te cobrar algo por isso, também. - Fechado. Quanto pretende me cobrar? – O negrão es- tava curioso. - Ainda não sei. Mas não será nada que você não pos- sa pagar. Agora, me dê o endereço da incrível corredora. Eu mesma filmei essas imagens que vemos no vídeo e garanto que fiquei impressionada. Ela é muito veloz. Com certeza vencerá a competição para a qual deve estar treinando. - Vamos, eu te levo até ela. Verá por que eu não posso te contar muita coisa, por enquanto... Pouco depois, as duas mulheres estavam frente a frente. Com um pequeno gravador, a repórter registrava a entrevis- ta: - A senhorita está se preparando para alguma compe- tição? - Não, não. Eu não posso competir. Estaria sendo deso- nesta com os meus adversários. - Como assim? Numa competição, vence o melhor ou o mais bem preparado. E parece que você está preparadíssima. – Insistiu a repórter. - Sim, mas eu sei que ninguém conseguiria me vencer. E meu código moral não me permite levar esse tipo de van- tagem. - Que estranho. Outro competidor até usaria métodos espúrios para vencer. De que adianta ter treinado tanto, al- cançado a perfeição, para depois não competir? – Continuou insistindo a jornalista. - Você não entenderia. Eu me sentiria fraudando a competição, já que tenho certeza de que venceria. - Continuo sem entender. O que te faz de tão especial? A jovem olhou para o negrão, que estava bem próximo. Ele assentiu com um gesto de cabeça. Ela então, disse: - Eu venho do futuro. Lá, atingi meu auge em veloci-
  • 51. SEXO DO FUTURO 51 dade. Meu código moral não me permite enganar as pessoas. A repórter arregalou os olhos. Depois, deu uma sonora risada: - Vocês dois estão de gozação comigo. Claro que não acredito nessa história de vir do futuro. Que coisa. Qual o sentido de estar querendo me empurrar essa história tão ab- surda? Estão querendo que eu perca meu emprego, que fique desacreditada pela mídia? - Se ela te provar, você nos promete não publicar nada da matéria? A jornalista ficou séria. Ajeitou-se na cadeira. Estava curiosíssima. - Vocês têm como provar? Aí eu prometo, sim, calar o bico... A jovem despiu-se totalmente. Aproximou-se da re- pórter e quase encostou a vulva deformada em seu rosto. De- pois, fez o mesmo com a goela, botando um enorme pedaço de carne deformada para fora da boca. A jornalista estava enojada, principalmente quando aquela deformidade se mo- veu como se tivesse vida própria. Mesmo assim, não estava ainda convencida: - Ora, você pode ter alguma anomalia. Desse modo, consegue fazer essa coisa nojenta. - Você acha que alguém conseguiria viver sem um ânus? – Perguntou o policial. A profissional ficou embasbacada quando a jovem de cabelos branquíssimos se virou de costas e mostrou que não tinha um cu entre as nádegas. - Meu Deus. Sem cu não dá para sobreviver nem foden- do, que me desculpem o trocadilho. Puta que me pariu! Por essa eu não esperava. Não dá para esconder um fato desses... - Você prometeu! – O negrão falou em uníssono com a criatura do futuro. A jornalista levou ambas as mãos ao rosto. Estava im- pressionada e arrependida da sua promessa. Ponderou:
  • 52. SEXO DO FUTURO52 - Tudo bem, eu poderia faltar com a minha palavra, mas não vou fazer isso. Garanto. Mas posso divulgar quando for o momento propício, não posso? - Sim, assim que eu vencer essa guerra. - Quem é o inimigo, alguém também do futuro? - Mais de uma centena de soldados do mal, também vindos do futuro. E com armas poderosíssimas, sem páreo para o aparato militar dessa era. – Respondeu a loiríssima. A jornalista arfava: - Caracas. Preciso dos meus sais e não os trouxe. Puta que me pariu. Estou fodida e mal paga. A jovem do futuro foi até o guarda roupa e pegou um frasco diminuto. Pingou umas gotas nos olhos da jovem, que logo se recuperou. - Pelo jeito, deve ser remédio do futuro, para fazer eu me sentir bem tão rapidamente. Me deixa um frasco? - Não posso. Além de só ter esse, o recipiente não pode se afastar de mim por muito tempo. Se desintegraria no ar. - Porra, meu. É muita informação para eu processar. E parece que esse líquido tem propriedades afrodisíacas, pois estou me sentindo cada vez mais excitada. – Confessou a re- pórter. A outra concordou: - Sim, é uma substância muito erógena. E essa sensa- ção vai aumentar, quando mais tempo a senhorita passe sem sexo. - Merda, você devia ter me avisado. O que é que eu faço agora? Já estou há uma caralhada de tempo sem foder, acho que vou enlouquecer. E, virando-se para o negrão: - Você vai me socorrer! Vá botando logo esse caralho enorme para fora. E nem ouse me frustrar desse prazer. O negrão estendeu o pau ainda mole para ela. Sentada na cadeira, a jornalista manuseou com gula seu caralho, até que ele ficou em ponto de bala. Levou-o à boca, enquanto metia os dedos na xereca. Pingava gozo dali. A outra mão
  • 53. SEXO DO FUTURO 53 masturbava o policial, enquanto a boca deglutia a chapeleta. Ela engasgou-se algumas vezes, com a grossura e extensão do cacete. Mas não desistiu. - Meu negrão continua muito gostoso. E logo teve o primeiro orgasmo. Seguiu-se outros sem o jovem nem ter tocado em sua vulva. O sargento Brizola teve a curiosidade de olhar para a mulher do futuro. A cria- tura tinha os olhos revirados e se tremia toda. Ele enfiou-lhe um dedo entre as pernas e ela urrou que queria mais. Que ele lhe enfiasse o punho inteiro. Estava de pé ao lado dele e o negrão fez um esforço para atende-la. Aí a jornalista ajoe- lhou-se sobre o assento da cadeira e virou-se de costas para ele. Implorou que lhe comesse a bunda. O negrão ficou em dúvida se dava atenção a ela ou à outra. A loira decidiu por ele. Agachou-se e apontou o pau do macho para o rego da fêmea. Ele acunhou aquele rabo quente, enquanto ela lhe lambia o ânus. Inesperadamente, o negrão sentiu novamente aquele pinguelo enorme invadi-lo, só que desta vez por trás. Segurou a vontade de gozar e continuou socando a pica. Mas aí, aquele bolo de carne foi inchando dentro do seu rego de um modo que parecia que ia arrebentando-lhe as pregas. Mesmo incomodado, continuou fodendo a outra. Aí, sentiu uma enxurrada gosmenta inundar suas entranhas e o rebolo foi recolhido com violência do seu ânus. Gozou pela frente e por trás ao mesmo tempo. Fim da nona parte
  • 54. SEXO DO FUTURO54 SEXO DO FUTURO – Parte dez - ... Pois eu estou sabendo dos teus planos medonhos e pode apostar que te impedirei. Nem que eu tenha que morrer tentando. Mas essa guerra deverá ser entre mim e você. Se tentar envolver outras pessoas, serei obrigado a contatar as Forças Armadas deste País. Aí você não terá nenhuma chan- ce de vencer. O homem musculoso, metido em roupas futurísticas, demonstrava ódio no olhar. Estava sentado diante de um aparelho de tevê com imagem digital. Talvez, fosse a única coisa que funcionava naquele antigo quartel militar, abando- nado e cheio de poeira e entulhos. À sua volta, cerca de cem homens assistiam ao comunicado na tela de 52 polegadas, impassíveis. O sujeito musculoso levantou-se da velha pol- trona esburacada e, sem dizer uma única palavra, acoplou um estranho artefato à mão direita. Finalmente, falou: - Vamos à guerra, soldados. Acabou a moleza.
  • 55. SEXO DO FUTURO 55 E os sujeitos, todos vestidos com roupas de couro pre- to, armados até os dentes com artilharia futurísticas, entra- ram imediatamente em formação militar, com movimentos perfeitamente sincronizados. Gritaram uníssonos: - Prontos para a guerra, seeeenhor! E seguiram em coluna de três, tendo o que parecia seu comandante à frente do grupo. Marcharam por quase um quilômetro, em meio a vegetação escassa e ressequida, no solo de alguma cidade do sertão de Pernambuco. Não se via vivalma por perto. Então, avistaram os trilhos sobre terreno hostil da estrada de ferro. Estancaram a marcha de repente, sem sair da formação. Esperaram. Naquele momento, o sargento Brizola estava diante do seu superior. Tentava explicar ao delegado que aquele comu- nicado televisado fazia parte de um plano para recuperar as armas perdidas. No entanto, não podia dar mais detalhes, se- não corria o risco de seu estratagema não dar certo. O militar estava furioso com sua insistência em manter sigilo da sua estratégia. E prometeu: - Ok, não vou mais insistir. Mas, se essa porra de plano não der certo, pode crer que tua cabeça vai rolar imediata- mente! O negrão aquiesceu com um gesto de cabeça e pediu permissão para sair do gabinete. Pouco depois, chegava em sua casa em Olinda, curioso para saber se o jovem hóspede havia visto o comunicado na tevê. Foi surpreendido pela au- sência de sua esposa e do jovem na residência. Viu um bilhete sobre a mesinha da sala e pegou-o para ler. Ficou espanta- do. Nele, sua esposa o acusava de haver trazido Satanás para dentro de casa e tinha ido se refugiar na residência de uma irmã. Achou que a negra rabuda estava ficando doida. Como ainda era cedo, tinha certeza de que ela ainda não tinha ido trabalhar. Trocou de roupas e rumou para a casa da cunhada. Queria saber que história era aquela. Será que ela tinha leva-
  • 56. SEXO DO FUTURO56 do consigo o jovem de cabelos brancos? No entanto, nem bem saiu de seu prédio, o rapaz do fu- turo o chamou. Estava visivelmente inquieto. Denunciou que a esposa do policial estava sofrendo das faculdades mentais e havia tentado alvejá-lo com uma arma. Incrédulo, o sargento pediu que ele fosse mais específico. O rapaz contou todo o acontecido, desde que o negrão o deixara em casa, sem omitir nenhum detalhe. Brizola se negou a acreditar no que ouviu. Achou que o outro havia tentado estuprar sua companheira. Deu uns sopapos no cara, mas ele não ofereceu nenhuma re- sistência. Parecia, realmente, assustado com a reação da ne- gra rabuda. Quando se acalmou, o negrão perguntou: - E depois, para onde ela foi? - Não sei. Fugi da moradia e me escondi. Ela passou por mim ainda armada, mas não me viu. Gritava para todo mundo ouvir que havia expulsado o Capeta de sua casa. Aglomerou-se uma pequena multidão para escutar o que ela dizia. Tua consorte, com certeza, está louca e as pessoas perceberam isso. Quiseram leva-la para um hospital, mas ela pegou uma condução de aluguel e sumiu. - Tome. Pegue a chave do apê e me espere lá. Acho que sei aonde ela está. Volto já. Quando chegou à casa da cunhada, o negrão encon- trou a esposa repousando. Havia sido fortemente sedada. A irmã dela estava aperreada. Repetiu a história do jovem de cabelos brancos e a suspeita de que a negra estava louca. O sargento ainda não conseguia crer que tudo aquilo esta- va acontecendo. Deixou-se cair numa poltrona, arrasado. A cunhada abraçou-se a ele, consternada. Disse: - Ela te acusa de arranjar macho para engravidá-la, já que vocês não conseguem gerar um filho... - Loucura, meu Deus. Atacou um pobre rapaz amigo meu, antes de cismar que ele era Satanás. Confesso que não sei o que fazer. E tenho coisas muito importantes para resol-
  • 57. SEXO DO FUTURO 57 ver. - Vá resolver suas coisas. Eu cuido dela. Deixe-a pas- sando uns dias comigo, até melhorar... O negrão voltou para a sua própria residência. Encon- trou o jovem de cabelos brancos diante da tevê. Ele disse: - A sorte está lançada. Vi o anúncio que você fez para o líder dos invasores. A guerra, agora, é iminente. Pode acredi- tar que, estejam onde estiverem, logo estarão nos noticiários, meu amigo. E aí, conseguiu localizar tua companheira? - Sim, mas ela estava sedada. Passará uns tempos com a irmã. Melhor, pois assim estarei afastando-a de qualquer perigo. - E agora, simplesmente esperamos? - Sim. Simplesmente, esperamos. Porém, enquanto es- peramos, temos que nos equipar para a guerra. E eu não pos- so pedir armamentos ao meu chefe. Ele não os daria. Você não tem como conseguir aquelas armas sofisticadas que as mulheres usaram? - No futuro, não existem mais nenhuma arma. Houve um acordo mundial e todas foram destruídas. - Ora, eu pensei que você tivesse vindo da mesma épo- ca das mulheres que conheci... - Não, meu amigo. Vim de décadas após. O que sei so- bre armamentos, aprendi nos livros sobre velhas tecnologias. - Puta merda, estou fodido e mal pago! Então, que dia- bos está fazendo aqui? - Eu queria conhece-lo. Li muito sobre os teus feitos. Mas ainda não posso falar sobre isso. - Tá, tá, já aceitei essa situação. Só não sei com que aju- da posso contar, vinda de você... - Não se preocupe. Você saberá me orientar nesse sen- tido. Isso já foi escrito. – Finalizou o jovem negro. O policial viu que o cara já havia localizado seu guar- da-roupa e trocado a indumentária. Também havia tomado banho. E a vestimenta do sargento havia se ajustado perfei-
  • 58. SEXO DO FUTURO58 tamente ao corpo dele. Perguntou se o cara estava com fome. - Eu trouxe minhas cápsulas –, respondeu o jovem – não me adaptaria à comida deste século. E não se preocupe: posso passar dias sem me alimentar, sem consequências ime- diatas. Mas, me perdoe a ousadia, pois preciso confessar: tua esposa me estimulou a libido e me deixou afim de foder... O sargento olhou para o cara com ódio. Mas controlou o ciúme e estava resolvido a satisfazer o jovem. Pensou em leva-lo de volta a Eva. No entanto, antes de sugerir tal ação, o rapaz pareceu adivinhar-lhe os pensamentos: - Não, não devo usar o corpo da sobrevivente. Eu me nego a isso. Pode ser qualquer uma, menos ela, por favor. Brizola aquiesceu com a cabeça. Até se sentiu aliviado pelo cara não ter tarado também sua amante de cabelos bran- quíssimos. Pediu licença e saiu do apartamento, teclando um número no celular. Pouco depois, a taxista sua amiga apare- ceu. Os dois estiveram conversando, até que ela disse: - Está bem. Tenho uma sobrinha ninfomaníaca e sol- teira. Com certeza iria se interessar por teu amigo. Mas acho que ela irá pedir alguma ajuda financeira, e o cara parece ser um “Eliseu”. Como resolveremos isso? - Bem, nesse caso empreste-me alguma grana que seja suficiente. Prometo te pagar somado ao que estou te devendo. - Puta que te pariu, caralho. E eu ainda tenho que ban- car foda dos outros? E fico na mão??? - Vá, nega. Ajeite aí que nos ajeitamos nós. Sei que ain- da está doida pra trepar comigo... - Sujeitinho convencido! Mas tem toda razão. Teu apar- tamento tem dois quartos? - Tem três. De vez em quando minha cunhada dorme aqui. E o outro quarto é o de empregadas. Mas é espaçoso e bem mobiliado. Vá buscar tua sobrinha... A tal sobrinha era um arraso. Morena linda e toda gostosona, muito mais do que a esposa do sargento. O jo-
  • 59. SEXO DO FUTURO 59 vem negro mostrou-se tarado nela, e ela pareceu também ter apreciado ele. Os dois trancaram-se em um dos quartos e o policial e a taxista ficaram na sala. Quando a coroa tirou a roupa, o fundo da sua calcinha estava molhadíssimo. Ela aju- dou o negrão a se despir e abocanhou seu cacete antes mes- mo dele se livrar totalmente das calças. Ela estava sentada no sofá e o sargento em pé, diante dela. O caralho do cara pulsava teso. Ela gemeu: - Só goze quando eu disser, meu anjo. Quero foder bem muito. Puxou o negrão pela cintura e engoliu quase todo o enorme caralho dele. Engasgou várias vezes, mas não desis- tiu. Punhetava, lambia e chupava a rola do cara como uma profissional do sexo. Brizola fechou os olhos e concentrou-se na foda, afastando a vontade de ejacular. - Isso, seu danado. Segure o gozo. Mas, se não conse- guir, me avise. Quero sentir tua gozada bem dentro de mim, então paro de te chupar e engulo tua vara com a boceta. Pouco depois, o negrão parecia que tinha o pau ador- mecido. Quase não sentia o contato da boca gulosa dela. Ela levou uma das mãos ao próprio sexo e friccionou o grelo. Logo, começou a gozar. Sua xereca babava gozo. Ela começou a ter espasmos de prazer. Gemeu arrastado: - Agora, meu caralhudo. Mete esse cacete na minha perseguida! Com força, vai... Ela parou de chupar, deitou-se no sofá e levantou bem as pernas. Ele, ao invés de fazer o que ela pediu, enfiou a tro- lha no rabo dela, sem cuspe. - Por aí não, seu tarado safado... Mas não conseguiu conter a primeira sequência de or- gasmos contínuos. Seu corpo tremia que só vara verde e o ânus se elasteceu de forma surpreendente. O negrão aprovei- tou introduziu a vara até o talo e começou a socar com vigor. A cada estocada, ela peidava de prazer. Ele enfiou-lhe dois dedos ao mesmo tempo na racha dela, sem tirar seu pau do
  • 60. SEXO DO FUTURO60 cuzinho da taxista. Ela pediu que ele introduzisse todo o pu- nho na sua tabaca. Ele fez o que lhe foi pedido e ainda girou o punho dentro. Ela arregalou muito a boca e os olhos, de onde escorriam lágrimas de prazer. Então, inadvertidamen- te, ele puxou a mão cerrada das entranhas dela. Um forte e demorado jato de gozo foi lançado da xereca. Ele arrancou, também bruscamente, seu enorme caralho do cu dela. Quan- do a mulher se desesperou, querendo o membro de volta, ele introduziu o punho com os dedos em forma de bico em seu ânus elastecido, sem dó nem piedade. Forçou a introdução e o antebraço invadiu o reto profundamente. Então, ouviu-se o grito medonho: - SAI DE CIMA DE MIM, SEU MONSTRO! Fim da décima parte
  • 61. SEXO DO FUTURO 61 SEXO DO FUTURO - Parte onze Asobrinha da taxista saiu do quarto apavorada, ainda to- talmente nua. Tinha o terror estampado no rosto. Re- petia: - Ele é monstruoso. Meu Deus, eu nunca vi algo nem ao menos parecido, tia! - Que foi, menina? – Espantou-se a chofer – Ele tem o pênis exagerado? - Não, tia. Ele é deformado. É medonho. Não quero mais ele perto de mim. Por favor... O rapaz veio logo atrás dela, e a coroa pode ver do que a sobrinha estava falando. O caralho do cara era bem grosso, mas o que apavorou a mocinha foi a sua glande ser enorme e delgada, e parecer estar viva: serpenteava entre as pernas do cara. O policial também ficou espantado. Aí, entendeu por que a esposa tinha ficado à beira da loucura. O negrão de cabelos totalmente brancos tentava explicar, mas a mulher
  • 62. SEXO DO FUTURO62 não queria acordo. A taxista também apoiou a sobrinha. O sargento Brizola não sabia o que fazer. A jovem correu para o taxi nua do jeito que estava, chamando a atenção de todos no prédio. Era a segunda vez que causava escândalo alguém oriundo daquele apartamento. A taxista vestiu-se apressada- mente e juntou-se à sobrinha. O negrão pediu que o rapaz de cabelos branquíssimos ficasse no apê e saiu atrás das mu- lheres. Conseguiu entrar no veículo, antes que a motorista arrancasse dali. Ela perguntou o que estava havendo. - Meu amigo tem, realmente, uma deformidade cor- poral. Mas eu achei que ele iria conversar com tua sobrinha antes de se expor... – Começou a dizer o negrão. - Não, ele foi logo tirando a roupa e me atacando. Pa- recia que fazia anos que não deitava com uma mulher. Além de deformado, o cara é tarado. Porra, que medo dele!!! Nem me chame para estar com ele de novo. Aquilo é nojento, que Deus me perdoe – Berrou a mocinha. - Bem, vocês me desculpem. Não sei o que dizer. Não achei que ele fosse te tarar. Porém, meu acordo com tua tia está valendo: depois acertamos mais esse favor. E mais uma vez me perdoem. O sargento desceu do taxi e voltou ao apê, sob os olha- res curiosos de alguns moradores do prédio. Disse ao por- teiro que depois conversava com ele. Quando reencontrou o jovem do futuro, este estava muito envergonhado. Pediu desculpas. O negrão disse, com o semblante cansado: - Puta que pariu. Espero que as duas não espalhem o ocorrido. Se isso chegar aos ouvidos do meu superior, estou fodido. Já bastavam os problemas que tenho... - Prometo não te aperrear mais para foder com alguém, apesar da enorme vontade que sinto. Vamos nos concentrar nos nossos inimigos. Aí a campainha do apartamento soou insistente. O jo- vem voltou ao quarto, para não ser flagrado nu. O sargento deu um tempinho e foi abrir a porta. Deu de cara com o de-
  • 63. SEXO DO FUTURO 63 legado e mais três policiais. - Está preso, sargento -, disse de supetão o policial – le- vem-no imediatamente para a delegacia. - Ué, o que foi que houve? - Estamos vindo da casa do perito que te emprestou a chave do apê dele. Achamos seu corpo. E o porteiro me disse que você esteve lá com uma mulher. – Informou o delegado. - E não adianta tentar nos enrolar –, disse um dos poli- ciais – achamos teu celular perto do cadáver. É uma prova de que você esteve lá. O sargento gelou. Esquecera, realmente, de procurar melhor seu aparelho. Se continuasse mentindo, estaria mais em apuros ainda. Também não queria que o jovem fosse des- coberto dentro do apartamento. Então, fez uma manobra de- sesperada: deu uma gravata no seu superior e arrebatou-lhe a arma do coldre preso ao cinturão, que o policial levava na cintura: - Desculpe, delegado, mas não posso ser preso agora. Há uma batalha a ser travada. Depois, te dou todas as infor- mações necessárias. Se ainda estiver vivo... O Delegado não se alterou. Disse ao militar: - Veja lá o que está fazendo. Não piore tua situação. Sequestrar um delegado é um crime grave. - Não pretendo sequestra-lo, senhor. Mas, detido, não poderei provar minha inocência. Porém, logo terá notícias minhas. Os policiais estavam apontando suas armas para o sar- gento. Não estavam dispostos a perder o prisioneiro. O dele- gado, no entanto, disse: - Deixem-no ir. Não quero que ninguém saia ferido. Depois o pegamos. - Devolvam meu celular – exigiu o negrão – vou pre- cisar dele. O delegado fez um sinal mudo e um dos policiais ti- rou o aparelho do bolso e entregou-o ao sargento Brizola. Ele
  • 64. SEXO DO FUTURO64 agradeceu e saiu do apartamento, batendo a porta atrás de si. Jogou a arma do delegado escadaria abaixo, pois sabia que logo seria encontrada pelos companheiros do departamento. Imediatamente, os policiais desceram as escadas correndo, não querendo perde-lo de vista. O sargento, no entanto, ao invés de descer os degraus, havia subido em direção à cober- tura do prédio. Trancou a porta atrás de si à chave, pois tinha uma cópia, e simplesmente deu um tempo. Depois, assomou ao parapeito da cobertura. De lá, avistou os policiais doidos à sua procura. Esperaria até que desistissem de acha-lo. No mais, era torcer para que não tivessem visto o jovem de ca- belos brancos. Esperou mais ou menos meia hora e ligou para o telefo- ne de casa. Ninguém atendeu, mas ele continuou insistindo. Deixava cair na caixa postal e desligava antes de deixar men- sagem. Fez isso várias vezes, até que finalmente atenderam: - Alô? - Oi, sou eu, Caim. Desça até o térreo e veja se ainda há policiais à minha espera. Depois, volte ao telefone. Mas a Polícia já havia ido. Adivinhou o próximo passo do delegado. Como sua mulher não se encontrava em casa, seu chefe deve ter ido com os policiais até a cafeteria onde ela trabalhava. Como estava sem dinheiro suficiente para pe- gar um táxi, foram de ônibus, ele e o jovem, até onde estava hospedada a mulher do futuro. Mas havia um mistério no ar: quem havia dado o telefonema anônimo denunciando as mulheres do contêiner? Teria sido a própria Eva? Mas, por que trairia as próprias irmãs? Não falou de suas suspeitas ao jovem. Temia que ele, por não conseguir mentir, não fosse capaz de guardar sigilo da sua desconfiança da mulher. Ela ficou muito feliz em re- vê-lo. Também cumprimentou efusivamente o rapaz. O sar- gento lembrou-se de que ele ainda deveria estar doido para foder. Pediu que ele o deixasse a sós com Eva e o cara foi